PREÇO CAI, MAS AINDA É SUPERIOR AOS VALORES DE JANEIRO/13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREÇO CAI, MAS AINDA É SUPERIOR AOS VALORES DE JANEIRO/13"

Transcrição

1 Uma publicação do CEPEA - ESALQ/USP Ano 20 nº 226 Fevereiro 2014 Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - ESALQ/USP Receba este Boletim também por . Instruções na última página! PREÇO CAI, MAS AINDA É SUPERIOR AOS VALORES DE JANEIRO/13 O fechamento de 2013 foi marcado pelo aumento na captação, redução na demanda (pelo período de férias escolares principalmente) e, consequente queda dos preços do leite pago ao produtor em Janeiro/14 para praticamente todas as regiões acompanhadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Analisando-se a sazonalidade dos preços e a captação do leite, nesta época do ano é comum a redução e o aumento desses valores, respectivamente. Devido ao período de safra e de redução da demanda. O preço do leite pago ao produtor em janeiro/14 registrou queda pelo quarto mês consecutivo. O preço bruto nacional (que inclui frete e impostos) ficou em R$ 0,9951/litro, redução de 4,46% ou R$ 0,046/litro. Apesar da redução, os preços praticados neste mês estiveram 7,3% acima da média verificada em janeiro de 2013, em valores reais (os valores foram deflacionados pelo IPCA de dezembro/13). Por sua vez, o preço líquido médio (sem frete e impostos) pago ao produtor foi de R$ 0,9180/litro em janeiro/14, queda de 4,39% ou R$ 0,042 centavos frente ao mês anterior. As médias calculadas pelo Cepea são ponderadas pelo volume captado em setembro nos estados de GO, MG, PR, RS, SC, SP e BA. laticínios/cooperativas consultados pelo Cepea. Entre os compradores entrevistados, pouco mais da metade dos agentes consultados (55,4%), que representam expressivos 74,9% do leite amostrado, acredita que haverá queda nos valores em fevereiro. Outros 41,3% dos agentes, que representam 21,7% do volume amostrado de leite neste mês, indicam estabilidade nos preços. Apenas 3,3% dos agentes têm expectativa de alta para o próximo mês. O mercado de derivados também teve uma redução dos preços em relação à média de dezembro/13. No atacado paulista, o leite UHT desvalorizou 8,13%, fechando janeiro em média a R$ 1,84/litro (cotação até o dia 29/01). Por sua vez, o queijo muçarela caiu 3,04%, negociado a média de R$ 11,95/kg neste mês (cotação até o dia 29/01). Alguns atacadistas afirmam estabilidade a partir da segunda quinzena deste mês. Esta pesquisa de derivados do Cepea é realizada diariamente com laticínios e atacadistas e tem o apoio financeiro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Confederação Brasileira de Cooperativas de Laticínios (CBCL). ICAP-L/Cepea - Índice de Captação de Leite - DEZEMBRO/13. (Base 100=Junho/2004) A queda nos preços não surpreenderam agentes do setor. Muitos já estavam atentos aos elevados estoques em razão da produção elevada de leite no campo e do enfraquecimento da demanda devido ao período de férias. Agentes do mercado afirmaram um super abastecimento nos laticínios e que o excedente do leite está sendo utilizado para a fabricação de leite UHT e em pó em algumas regiões do país. A captação do leite pelos laticínios/cooperativas em dezembro/13 aumentou 1,53% em relação ao mês anterior de acordo com o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-L/Cepea) que fechou o mês em 170,50, o maior valor da série iniciada em jul/04 (Base 100). Dentre os estados acompanhados todos tiveram aumento na captação, com exceção de São Paulo que reduziu 1,84% já que seus laticínios estavam com seus estoques elevados. Vale lembrar que esta região teve o maior aumento na captação de outubro para novembro, 8,15%. As expectativas para os próximos meses são de queda e estabilidade de acordo com os CUSTOS pág. 04 Necessidade de suplementação mineral reduz poder de compra em janeiro Impulsionada por vendas de leite em pó, exportação de lácteos cresce 70% SP: Seca reduz produção de leite, mas estoque elevado pressiona valor de derivado Nacional: Estoques influenciam quedas nos preços dos derivados em dez/13 MERCADO DE MILHO E FARELO DE SOJA

2 JANEIRO /14 DEZEMBRO /13 Sul / Sudoeste de Minas 1,0727 1,1291 1,0756 1,0868 1,0719 1,0820 1,1156 1,0456 1,3830 1,1132 1,0945 1,0251 1,1183 1,1366 1,0778 1,1077 1,0348 1,1497 1,1564 0,9961 1,0832 1,1000 1,0470 1,0564 1,0891 1,0672 1,1156 1,0790 0,7919 0,7028 0,8001 0,8244 0,7394 0,8220 1,0048 0,9218 0,5208 0,8387 0,8861 0,7600 1,0326 1,0510 0,8740 0,9151 0,7973 0,9508 0,9281 0,7470 0,8629 0,9004 0,7829 0,8183 0,9090 0,9339 0,9110 0,8486 0,9567 1,0125 0,9707 0,9927 0,9689 0,9903 1,0967 1,0028 0,9833 0,9827 1,0083 0,9286 1,0950 1,1045 1,0150 1,0406 0,9202 1,0840 1,0765 0,9040 0,9967 1,0363 0,9617 0,9832 1,0073 1,0235 1,0408 0,9951 0,9856 1,0217 0,9902 1,0086 0,9696 0,9987 1,0551 1,0031 1,2389 1,0206 1,0215 0,9560 1,0291 1,0560 0,9999 1,0396 0,9578 1,0617 1,0660 0,9308 1,0098 1,0253 0,9809 0,9804 1,0122 0,9911 1,0476 1,0020 0,7112 0,6050 0,7210 0,7521 0,6447 0,7449 0,9467 0,8765 0,4335 0,7518 0,8185 0,6970 0,9453 0,9717 0,8007 0,8403 0,7349 0,8628 0,8364 0,6873 0,7923 0,8006 0,6914 0,7220 0,8359 0,8608 0,8475 0,7723 0,8722 0,9078 0,8877 0,9166 0,8690 0,9091 1,0366 0,9556 0,8568 0,8929 0,9361 0,8617 1,0063 1,0243 0,9403 0,9659 0,8556 0,9955 0,9852 0,8408 0,9244 0,9465 0,8825 0,8959 0,9328 0,9484 0,9747 0,9180 Dez/Jan -3,02% -4,21% -2,91% -0,71% -3,86% -1,01% -2,64% -3,52% -2,63% -3,68% -3,34% -3,06% -1,42% -1,50% -3,10% -6,57% -7,97% -4,75% -7,52% -11,57% -6,28% -4,02% -7,09% -6,34% -0,77% -0,14% -1,12% -4,46% Dez/Jan -3,19% -4,67% -3,07% -0,05% -4,65% -0,74% -2,77% -0,60% -7,01% -3,93% -2,67% -2,67% -1,53% -2,38% -2,86% -6,13% -8,35% -5,21% -8,17% -9,32% -6,14% -5,14% -6,55% -6,85% -0,87% 0,10% -1,13% -4,39% 1,1415 1,0424 1,1290 0,9061 1,1644 1,0912 1,1677 1,1212 1,2421 1,0411 1,0840 1,1092 0,7412 0,9799 0,8989 0,7109 0,7656 0,7084 1,0599 0,9435 1,0207 0,9085 0,8840 0,9261 0,9711 1,0205 1,0442 0,8527 0,9787 0,9220 1,1129 1,0294 1,1421 0,9487 0,9835 1,0175 1,0331 0,9755 1,0572 0,8125 1,0557 0,9742 1,0775 1,0431 1,1508 0,9814 1,0252 1,0286 0,6448 0,9143 0,8331 0,6218 0,6659 0,6000 0,9722 0,8695 0,9344 0,8499 0,8298 0,8481 0,8997 0,9540 0,9829 0,7604 0,8742 0,8088 1,0240 0,9503 1,0531 0,8911 0,9270 0, ,48% 0,47% -6,55% -7,24% -4,35% -6,69% -7,31% -5,53% 0,70% -0,03% 0,39% 0,58% -13,34% 0,46% -6,09% -7,11% -4,07% -7,61% -7,70% -5,93% 0,88% -0,03% 0,45% 0,55% Equipe Leite: Daniel M. Velazco Bedoya - Pesquisador Projeto Leite Gressa Amanda Chinelato, Marcel Moscatelli de Souza, Renato Prodoximo, Natália Salaro Grigol e Vitória Guereschi Lucas Equipe Grãos: Lucilio Alves - Pesquisador Projeto Grãos Amanda G. Grippa, Ana Amélia Zinsly, Débora Kelen P. da Silva, Deise Soares de Souza, Raquel Rizziolli, Renata Maggian e Thais Bragion Bertoloti Daniel M. Velazco Bedoya Pesquisador Projeto Leite Flávia Romanelli - Mtb: 27540

3

4 NECESSIDADE DE SUPLEMENTAÇÃO MINERAL REDUZ PODER DE COMPRA EM JANEIRO Por Daniel M. Velazco-Bedoya, analista de mercado da equipe Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite paulista frente ao sal mineral está menor em janeiro, na comparação com dezembro/13. Devido à falta de chuvas e à consequente degradação dos pastos no Centro-Sul, a produção de leite tem sido afetada em diversas propriedades. Com a finalidade de reduzir as perdas, produtores precisaram aumentar e/ou melhorar a suplementação e a alimentação dos animais, o que elevou os custos de produção. Além disso, alguns insumos têm se valorizado com o aumento da demanda. Vale lembrar, ainda, que os preços do leite pago ao produtor estão em queda desde novembro/13, apesar de ainda apresentaram bons patamares em comparação com o mesmo período do ano anterior. No estado de São Paulo, em janeiro, foram necessários 74,4 litros de leite para comprar um saco de 25 kg de sal mineral, enquanto que em dezembro/13 eram precisos 71,3 litros de leite, redução de 4,43% no poder de compra. Essa queda é resultado da demanda aquecida pelo produto e da elevação das cotações. Mesmo com essa diminuição, o poder de compra de janeiro é 7,71% superior ao mesmo período em O sal mineral é um dos principais insumos para suplementação da dieta dos bovinos e tem participação importante nos custos dos pecuaristas de leite. Ao longo de 2013, o grupo Suplementação Mineral respondeu em média por 3% do Custo Operacional Efetivo (COE) das propriedades de pecuária de leite na média Brasil (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP). Por outro lado, houve uma pequena elevação no poder de compra frente ao concentrado de 22% de proteína bruta. Em janeiro, foram necessários 717,8 litros de leite para a compra da tonelada do concentrado, um aumento mensal no poder de compra de 1,34% e de 14% em relação a janeiro/13. Esse aumento foi devido à desvalorização do farelo de soja, matéria-prima de grande parte dos concentrados/rações utilizados na pecuária, na média de janeiro. Na região de Campinas (SP), o preço caiu 8,15%. Em compensação, o milho, que também compõe as fórmulas das rações, registrou alta de 1,7%, na mesma região e período. 671,4 litros/tonelada 727,5 litros/tonelada 717,8 litros/tonelada 1399,6 litros/tonelada 1441,8 litros/tonelada 1512,8 litros/tonelada 11,5 litros/frasco 50 ml 12,2 litros/frasco 50 ml 11,9 litros/frasco 50 ml (130g de Fósforo) 7,7 litros/frasco 10 ml 8,2 litros/frasco 10 ml 8,4 litros/frasco 10 ml 67,5 litros/sc 25 kg 71,3 litros/sc 25 kg 74,4 litros/sc 25 kg 45,1 litros/litro de herbicida 47,7 litros/litro de herbicida 51,3 litros/litro de herbicida

5 IMPULSIONADA POR VENDAS DE LEITE EM PÓ, EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS CRESCE 70% Por Natália Salaro Grigol, analista de mercado da equipe Leite Cepea O volume de lácteos exportado pelo Brasil em janeiro deste ano registrou alta significativa de 70% em relação a dezembro/13, atingindo 52,67 milhões de litros em equivalente leite, de acordo com dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior). Este cenário foi influenciado principalmente pelos embarques de leite em pó, que estiveram, em janeiro, aproximadamente 20 vezes acima do volume negociado no mesmo período de 2013 (2.024 toneladas). A maior oferta de leite neste início de ano, a taxa de câmbio favorável à exportação e os preços internos mais enfraquecidos resultaram no terceiro mês consecutivo de alta nos embarques. A alta nas exportações de leite em pó foi de fortes 84% entre dezembro/13 e janeiro/14, e o envio deste derivado teve participação de 78% no volume total embarcado pelo Brasil no mês. A Venezuela continuou sendo o principal destino do leite em pó brasileiro, mas, ao contrário do observado no encerramento de 2013, os embarques desse produto também foram feitos para Cuba, Egito, Guiné Equatorial, Bolívia, Angola e Paraguai. O valor obtido dessas vendas foi de US$ 21,7 milhões no primeiro mês deste ano, enquanto que, em jan/13, era de US$ 125,9 mil. Frente a dezembro/13, o leite em pó brasileiro no mercado internacional se valorizou 49,4%, negociado a US$ 4,55/kg em janeiro, de acordo com o Índice de Preços de Exportação de Lácteos do Cepea (IPE-L). Ainda assim, esse valor é 13% menor que o praticado no mercado internacional (Tabela 1). Com exceção dos embarques de queijos e manteiga, que tiveram reduções de 62% e 51%, respectivamente, entre dezembro e janeiro, todos os outros lácteos tiveram elevação nas exportações no primeiro mês de 2014, segundo a Secex. Os embarques brasileiros de lácteos tiveram como principais destinos Venezuela, Cuba e Arábia Saudita, cujos volumes tiveram participação de 64%, 15,6% e 3,5% no total exportado, respectivamente. Já as importações de lácteos em janeiro recuaram 7% frente ao mês anterior, devido, principalmente, à queda de 23% nas compras de queijos. As quantidades de doce de leite, leite fluido, leite modificado e manteiga também recuaram. O único produto que registrou aumento nas importações foi o leite em pó (+6%), que representou 65,7% das aquisições brasileiras em jan/14. PREÇOS INTERNACIONAIS A demanda global por leite em pó continua forte, com a atividade comercial da China voltando ao ritmo considerado normal após o feriado do Ano Novo Chinês. Enquanto na Austrália o calor e o tempo seco limitaram a produção leiteira em janeiro/14, na Nova Zelândia, as condições climáticas estiveram favoráveis, especialmente no sul do país. Devido aos ganhos obtidos na temporada passada, produtores têm optado por utilizar suplementação alimentar e manter estoques para a próxima entressafra. De acordo com o USDA, entre 30 de dezembro de 2013 e 31 de janeiro de 2014, o preço do leite em pó integral na Oceania registrou elevação de 3,4%, com média de US$ 5.142/tonelada no primeiro mês deste ano. O leite em pó desnatado teve valorização semelhante, 3,5%, negociado, em média, a US$ 4.892/t. No mesmo período, os preços do leite em pó na Europa também subiram, apesar do excesso de oferta o limite da capacidade de produção daquele continente foi quase totalmente alcançado. As cotações médias foram de US$ 4.567/t para o produto desnatado e US$ 5.163/t para o integral altas de 4,5% e 2,5%, respectivamente, entre dezembro e janeiro. IPE-L/Cepea O Índice de Preços de Exportação de Lácteos do Cepea (IPE-L) registrou nova alta em janeiro, mantendo o movimento observado no mês anterior. Novamente, a valorização do dólar frente ao Real e a elevação dos preços dos derivados no mercado externo resultaram em alta de 20,4% no IPE-L em janeiro, fechando o mês a US$ 3,92/kg, em média. Em Real, o aumento foi de 22,3% na mesma comparação, com média de R$ 9,35/kg. Dentre os produtos acompanhados pelo Cepea, houve aumento de 49,4% nos preços do leite em pó e de 9,8% nos de queijos. Já as cotações de doce de leite recuaram 80,1% e as de leite fluido e iogurtes, 38% e 19,1% respectivamente, na mesma comparação. US$ US$ Tabela US$ US$ % + 29% US$ US$ US$ US$ % + 28% Os dados se referem à média entre 30 de dezembro/13 e 31 de janeiro/14; para 2013, foi considerado período semelhante Tabela 2 - Volume exportado de lácteos (em equivalente leite)¹ - (%) Participação no total exp. em Jan/13- (%) 70% 84% 126% Notas: (1) Consideram-se os produtos do Capítulo 4 da NCM mais leite modificado e doce de leite; (2) O soro de leite é medido em quilos, não sendo convertido em litros. -62% 20% - 78% 18% 2% 1% 464,7% 1940% 75% -13% -6% ² Tabela 3 - Volume importado de lácteos (em equivalente leite)¹ - (%) Participação no total imp. em Jan/13- (%) -7% 6% -23% -45% -1% Total de janeiro a set/13 frente ao mesmo período de 2012: -7,7% - 65,7% 32,4% Notas: (1) Consideram-se os produtos do Capítulo 4 da NCM mais leite modificado e doce de leite; (2) O soro de leite é medido em quilos, não sendo convertido em litro. 1,5% - -31% -32% -27% -37% 26%

6 SP: SECA REDUZ PRODUÇÃO DE LEITE, MAS ESTOQUE ELEVADO PRESSIONA VALOR DE DERIVADO Por Marcel Moscatelli de Souza, graduando em Eng. Agronômica, e Vitória Guereschi Lucas, graduanda em Gestão Ambiental Esalq/USP; equipe Leite Cepea O clima seco no Centro-Sul brasileiro durante janeiro prejudicou a produção de leite. Apesar disso, os estoques elevados da matéria-prima, devido à maior produção em meses anteriores, foram suficientes para suprir a demanda no correr de janeiro/14. Nesse cenário, mesmo com a menor produção de leite, os valores dos derivados lácteos caíram no correr do mês. O preço médio do leite UHT, negociado no mercado atacadista do estado de São Paulo, foi de R$ 1,84/litro (inclui frete e impostos) em janeiro/14, 8,13% inferior à de dezembro/13 e 4,09% abaixo da média de janeiro/13, em termos nominais. em Jan/13 R$ 1,84/litro -8,13% R$ 11,95/kg -3,04% Fonte: Cepea OCB/CBCL. Nota: Variação em termos nominais, ou seja, sem considerar a inflação do período. Variação dos preços do leite UHT, média São Paulo. Em valores reais, desde dezembro/12 (IPCA=dezembro/2013). -4,09% -2,8% Quanto ao queijo muçarela, também no mercado paulista, a média de janeiro/14, de R$ 11,95/kg (inclui frete e impostos), foi 3,04% menor que a de dezembro/13 e 2,8% abaixo da de janeiro/13. Esta pesquisa é realizada com o apoio da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) e da CBCL (Confederação Brasileira de Cooperativas de Laticínios). NACIONAL: ESTOQUES INFLUENCIAM QUEDAS NOS PREÇOS DOS DERIVADOS EM DEZ/13 Os elevados estoques de leite resultaram em queda, em dezembro, nos preços da maior parte dos derivados lácteos acompanhados pelo Cepea. Vale ressaltar, no entanto, que as baixas em dezembro ocorreram de forma menos intensa que as verificadas em meses anteriores. Para o leite UHT, considerando-se a média nacional, que é calculada pelo Cepea com base em dados coletados nos estados de GO, MG, PR, RS e SP, o preço foi de R$ 1,75/litro, recuo de 8,5% de novembro para dezembro. Em novembro, a queda havia sido de fortes 12,3%. No caso deste derivado, agentes consultados pelo Cepea indicam que, além do maior volume estocado, a forte baixa em dezembro também se deve ao fato de o leite UHT ter grande concorrência no mercado nacional. Muitas empresas brasileiras, temendo não conseguir negociar o produto devido às baixas cotações de seus concorrentes, se viram forçadas a acompanhar a diminuição dos valores. Quanto ao queijo muçarela, se desvalorizou 2,4% em dezembro, sendo que, em novembro, a baixa havia sido de 3,4%. Quanto ao preço do queijo prato, que havia registrado queda de 1,5% em novembro, se recuperou parcialmente em dezembro, quando registrou alta de 0,9%. O preço da manteiga caiu 0,1% de novembro para dezembro/13, passando para R$ 12,31/kg na média nacional. Os leites pasteurizado e em pó se desvalorizaram 1,8% e 1,9%, nesta ordem. Preços médios dos derivados praticados em DEZEMBRO e as variações em relação ao mês anterior 1,52 1,64 14,18 12,23 12,83 13,10-5,8% -10,9% 2,1% -6,8% 0,5% 0,4% 1,63 1,74 16,29 14,44 13,04 13,03 1,7% -7,1% -1,4% -3,7% -3,5% -0,5% 1,57 1,74 13,87 12,52 11,73 13,28-1,9% -6,1% -4,2% -3,7% 1,6% -0,6% 1,54 1,87 14,75 15,85 11,38 13,84-4,3% -8,0% -0,3% 5,8% 0,0% 6,2% 1,62 1,76 16,46 12,81 12,56 13,54 1,6% 1,58-10,2% 1,75 8,5% 15,11-4,7% 13,57 1,2% 12,31 4,0% 13,36-1,8% -8,5% 0,9% -2,4% -0,1% 1,9% Fonte: Cepea/ESALQ-USP

7 DEMANDA AQUECIDA DEVE FAVORECER ALTA NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE LEITE Por Natália Salaro Grigol, analista de mercado da equipe Leite Cepea A demanda mundial de lácteos tem se elevado consideravelmente nos últimos anos e esse cenário, consequentemente, tem impulsionado a produção global de leite. Os últimos dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) mostram que a produção mundial de leite cresceu mais de 50% nas últimas três décadas, fechando 2011 com 745,5 milhões de toneladas. A estimativa é de que 2012 e 2013 também apresentem alta no volume produzido, totalizando, respectivamente, 767,4 milhões de toneladas e 784,4 milhões de toneladas. Projeções a longo prazo, também da FAO, apontam que, em 2022, a produção mundial pode chegar a 895 milhões de litros, expressivo aumento de 20% em relação ao volume de A expansão na demanda mundial por lácteos é resultante do aumento na renda e do crescimento populacional, aliados à ocidentalização do hábito alimentar e ao maior acesso dos países em desenvolvimento às facilidades da cadeia do frio. O incremento da produção de leite tem ocorrido com mais intensidade no Sul da Ásia, pela elevação do consumo per capita em países altamente povoados naquela região. Entretanto, tais nações ainda são muito dependentes de compras externas para se abastecer. China, Emirados Árabes Unidos, República Islâmica do Irã, Arábia Saudita, Indonésia, República da Coreia, Japão, Malásia e Omã devem, assim, despontar como os principais destinos de lácteos no mercado internacional nos próximos anos. Os maiores vendedores de lácteos Estados Unidos, União Europeia, Nova Zelândia, Austrália e Argentina também devem aumentar suas exportações, especialmente para manteiga, queijos e leite em pó desnatado. Ainda segundo a FAO, a perspectiva é de que a produção leiteira mundial cresça a taxas de 1,8% ao ano nesta década abaixo do praticado nos anos anteriores, de 2,3% a.a. Essa desaceleração é justificada pela escassez tanto de água e quanto de áreas de pastagens adequadas para as vacas p ro d u t o ra s d e l ei t e n os p a í s e s e m desenvolvimento, os quais são responsáveis por mais de 70% da produção mundial de leite. Ainda assim, nestes países, o crescimento anual pode se manter acima da média mundial, em torno de 2,5% a.a., já que o aumento da demanda de seus mercados domésticos e as barreiras de importação favorecem a produção interna. Já nos países desenvolvidos, a previsão é de que o incremento na captação seja de 1% a.a. Deve-se ressaltar que o aumento da produção nos países em desenvolvimento está atrelado principalmente à expansão no número de animais, enquanto que, nos países desenvolvidos, o número de animais tem se reduzido. Portanto, o fator que tem propiciado a produção é o aumento da produtividade (leite/vaca). De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), em 2012, a Índia foi o maior produtor de leite do mundo, seguido pelos Estados Unidos e China. Considerando-se os dados oficiais mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a produção brasileira, os 33 bilhões de litros de leite captados em 2012 colocam o Brasil em quarto lugar no ranking dos maiores produtores de leite do mundo daquele ano, na frente da Rússia e da Nova Zelândia. Entretanto, a posição brasileira no ranking mundial pode mudar para os próximos anos. O IBGE prevê que a produção leiteira nacional de 2013 feche em 35 bilhões de litros, um salto de 6% em comparação ao ano anterior. De fato, o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-L/Cepea) registrou elevação de 5,7% no acumulado jan-dez/13 em comparação com o mesmo período de Vale lembrar que o ICAP-L registra as variações nos volumes captados nos estados de RS, PR, SP, MG, GO, BA e SC, regiões que representam 84% do volume captado no Brasil ao longo de Com base nos elevados preços praticados na safra de 2013 no Brasil e na consequente maior capitalização de produtores, com possibilidades de investimento para expansão dos negócios, o IBGE estima que haja o incremento de mais 4,8% na produção nacional em 2014 atingindo 36,75 bilhões de litros. Tal resultado pode colocar o País em posição ainda mais alta no ranking mundial de produção leiteira. Contudo, muitos desafios em relação à remuneração do produtor e aos preços dos lácteos devem se impor neste ano, nacionalmente e internacionalmente no Brasil, o clima adverso (seco e quente) nas primeiras semanas de 2014 é um fator prejudicou as pastagens, principalmente do Sul, Sudeste e do Centro-Oeste. Além disso, a FAO salienta o impacto que a alta mundial nos custos com grãos, oleaginosas, energia e mão de obra pode ter nos preços dos lácteos no mercado internacional o que sugere cautela e planejamento em longo prazo para superar as oscilações de preços e garantir boa rentabilidade para Figura 1 - Maiores exportadores e importadores de leite do mundo. Fonte: FAO, 2013.

8 MERCADO DE MILHO E FARELO DE SOJA Por Ana Amélia Zinsly Trevizam e Débora Kelen Pereira da Silva MILHO: Valores no porto voltam a superar os do interior Na última semana de janeiro, os preços do milho no porto de Paranaguá (PR) à vista e convertidos pela taxa de desconto CDI voltaram a superar os do interior, especialmente em Campinas (SP), o que não a c ontecia d esde a g osto/13. Segundo pesquisadores do Cepea, pode ser uma sinalização de que as desvalorizações no físico brasileiro podem perder força. As altas das cotações externas e a valorização do dólar frente ao Real deram sustentação nos portos, apesar da baixa liquidez para exportação. Esse cenário é atípico nesta época do ano. No geral, a paridade é que deu sustentação aos valores no porto, mas praticamente não há mais negócios para embarque no curto prazo. Agentes estão focando na soja e na comercialização antecipadas de milho para entrega no segundo semestre. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa, referente à região de Campinas (SP), ficou praticamente estável em janeiro, subindo apenas 0,4%, a R$ 26,65/saca de 60 kg no dia 31. Se considerados os negócios também em Campinas, mas cujos prazos de pagamento são descontados pela taxa de desconto NPR, o preço médio à vista foi de R$ 26,23/sc de 60 kg no último dia do mês, com pequeno aumento de 0,3%. Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do milho reagiram 1% no mercado de balcão (ao produtor) e 0,5% no de lotes (negociação entre empresas). FARELO DE SOJA: Preços cedem, mas ainda são recordes para o período As cotações do farelo de soja caíram em janeiro, influenciadas pela expectativa de safra recorde de soja no Brasil. Apesar da queda no mês, os valores ainda foram superiores quando comparados aos do mesmo período de anos anteriores. Segundo pesquisadores do Cepea, os patamares elevados se devem ao menor processamento em 2013, que reduziu a oferta de farelo, e à demanda externa aquecida. Além disso, parte da indústria está em manutenção. Em janeiro, o Brasil embarcou 901,7 mil toneladas de farelo de soja, pequena retração de 1,1% se comparado a dezembro/13, mas forte aumento de 46,3% em relação a janeiro/13, segundo dados da Secex. O preço médio em janeiro/14 foi de US$ 549,18/t. De acordo com dados da Conab, a produção brasileira de soja em grão deve totalizar 90 milhões de toneladas na safra 2013/14 e consumo interno, 40,75 milhões de toneladas. SP 2014 Janeiro 26, ,98 Para receber o Boletim do Leite digital, encaminhe-nos um para com os seguintes dados: nome, , endereço completo e telefone

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 1. Mercado nacional: preços pagos ao produtor e produção histórica e estimada no Mercosul Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em julho, ponderados

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2014 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Novembro de 2013 Milho: Neste mês o mercado de milho registrou comportamento diferenciado. Em algumas localidades ocorreram quedas nos preços, caso do Paraná, e sustentação em outras,

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,69% EM JULHO/2011

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,69% EM JULHO/2011 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,69% EM JULHO/2011 No mês de ho de 2011, o valor da cesta básica do paulistano teve queda de 0,69%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 04 de novembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em outubro, entre as 18 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10%

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 0613/julho/2015 n. 583 GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% O encerramento de junho foi marcado por mais um período

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 08/junho/2015 n. 578 ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES O segundo maior produtor mundial da

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Uma publicação do DCECO UFSJ Ano III Nº 33 Janeiro de 2011. Problemas ambientais versus educação ambiental

Uma publicação do DCECO UFSJ Ano III Nº 33 Janeiro de 2011. Problemas ambientais versus educação ambiental Uma publicação do DCECO UFSJ Ano III Nº 33 Janeiro de 2011 Problemas ambientais versus educação ambiental Por: Jisleny da Cruz e Heloísa Carneiro* A cadeia produtiva do leite, em abrangência nacional,

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 No mês de abril de 2010, o valor da cesta básica do paulistano teve alta de 3,10%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA A conjuntura econômica do último mês foi marcada por aceleração dos principais índices de inflação em todo Brasil. Em janeiro, o IPCA avançou 1,24% em nível de Brasil, esta foi a maior

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 Ézio José Gomes O preço do litro de leite pago ao produtor vem se recuperando rapidamente nesse início de ano, obtendo uma alta de

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Figura 1 Principais índices de inflação, em variação % jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14

Figura 1 Principais índices de inflação, em variação % jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 Conjuntura Econômica A conjuntura econômica do último mês e da primeira quinzena de agosto foi marcada por redução do IPCA no Mato Grosso do Sul e estabilidade no Brasil. Além disso, acertou-se a expansão

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Atual cenário da produção de leite mundial e nacional. Valter Bertini Galan

Atual cenário da produção de leite mundial e nacional. Valter Bertini Galan Atual cenário da produção de leite mundial e nacional Valter Bertini Galan Meu histórico Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP) Mestre em Administração (FEA/USP) Produtor de leite & pequeno laticinista Cepea:

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00 13/2 15/2 17/2 19/2 21/2 23/2 25/2 27/2 1/3 3/3 5/3 7/3 9/3 11/3 13/3 15/3 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão PREÇOS CAEM: Assim como no cenário de âmbito

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Junho de 2015 Cotação do açúcar deve seguir em baixo patamar, refletindo elevado nível de estoques globais Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O nível de estoques de açúcar

Leia mais

Cesta básica tem alta em janeiro

Cesta básica tem alta em janeiro 1 São Paulo, 11 de fevereiro de 2008. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta em janeiro Em janeiro, o preço dos gêneros alimentícios essenciais apresentou alta em 15 das 16 capitais onde o DIEESE Departamento

Leia mais

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 São Paulo, 02 de maio de 2005. &(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 Apenas uma das 16 capitais onde o DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos realiza mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015

Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015 Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Camila Brito Ortelan e Marcos Debatin Iguma e Equipe Aves/Cepea Nos primeiros oito meses

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2012 Vitória, dezembro de 2012 Cesta Básica

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 47 - Outubro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Boletim Novembro 2014

Boletim Novembro 2014 Boletim Novembro 2014 No mês de novembro de 2014 o custo da cesta básica na cidade de Ilhéus reduziu 0,48%, caindo de R$239,58 em outubro para R$238,42 em novembro (Tabela 1). A queda de 7,85% no preço

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais