Uso Alternativo do Sistema de Freqüência Modulada (FM): Crianças com Dificuldades de Aprendizagem e Déficit de Atenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso Alternativo do Sistema de Freqüência Modulada (FM): Crianças com Dificuldades de Aprendizagem e Déficit de Atenção"

Transcrição

1 Trabalho de Pesquisa Uso Alternativo do Sistema de Freqüência Modulada (FM): Crianças com Dificuldades de Aprendizagem e Déficit de Atenção Alternative Uses for Frequency Modulated System (FM): Learning Disabilities anda ttention Deficit Children Regina Tangerina de SOUZA-JACOB* Maria Amélia ALMEIDA** Maria Cecília BEVILACQUA*** SOUZA-JACOB, R.T. de; ALMEIDA, MA; BEVILACQUA, M.C. Uso alternativo do sistema de freqüência modulada (FM): crianças com dificuldades de aprendizagem e déficit de atenção. J Bras Fonoaudiol, Curitiba, v.3, n.10, p.54-59, jan.lmar o uso educacional do sistema FM geralmente é relacionado a estudantes com deficiência auditiva, a fim de favorecer o entendimento da fala por meio da melhora da relação sinavruído. Tendo em vista que a atenção auditiva é a primeira etapa da percepção auditiva e um pré-requisito para a aprendizagem, vários estudos sugeriram o uso deste dispositivo também por crianças com dificuldades de aprendizagem e déficits de atenção. Desta forma, o presente trabalho teve como objetivo verificar o efeito do uso de um sistema FM pessoal sobre os comportamentos de atenção, distração e desempenho acadêmico de crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem da leitura e da escrita, associadas a déficit de atenção. UNITERMOS: Sistema FM; Dificuldades de aprendizagem; Déficit de atenção. INTRODUÇÃO O termo "distúrbio de aprendizagem" designa crianças que experimentam dificuldades na aquisição da matéria teórica, embora apresentem inteligência normal e não demonstrem desfavorecimento físico, emocional ou social (LOMONICO, 1992). Segundo a autora, as crianças portadoras de distúrbios de aprendizagem não são incapazes de aprender, pois o distúrbio não é uma deficiência irreversível, mas uma forma de imaturidade que requer conjugação cuidadosa dos métodos de ensino e das expectativas teóricas do estado atual do desenvolvimento da criança. Associações ou comorbidades entre as dificuldades de aprendizagem e outros distúrbios também são apontadas pela literatura. Dentre eles, encontramos o déficit de atenção, que atualmente tem sido reconhecido como a desordem neurocomportamental mais comum em crianças, comprometendo todo o seu desenvolvimento, desde a pré-escola até a vida adulta (GARCIA, 1998; PEREI RA, 1993; FERRElRA, 1995; CRUZ& PEREIRA, 1996; PERISSINOTO et ai., 1997; SHAYWITZet ai., 1997). O Ministério da Educação, no documento "APolítica Nacional de Educação Especial" (Brasil, 1994), define como alunado da Educação Especial aquele que, por apresentar necessidades próprias e diferentes dos demais alunos no domínio das aprendizagens curriculares correspondentes à sua * Mestre em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial/Universidade Federal de São Carlos Docente do Curso de Fonoaudiologia/Universidade do Oeste Paulista Fonoaudióloga do Centro de Distúrbios da Audição, Linguagem e Visão do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais/ Universidade de São Paulo - Campus Bauru ** Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial/ Universidade Federal de São Carlos *** Professora Livre-Docente e Chefe do Departamento de Fonoaudiologia do Curso de Fonoaudiologia/Faculçlade de Odontologia da Universidade de São Paulo - Campus Bauru Responsável pelo Programa de Implante Coclear do Centro de Pesquisas Audiológicas do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais/Universidade de São Paulo - Campus Bauru

2 JBF - JORNAL BRASILEIRO DE FONOAUDIOLOGIA - V.3 - N.l0 - jan./mar idade, requer recursos pedagógicos e metodologias educacionais específicas. Apresenta, como modalidades de atendimento educacional, as alternativas de procedimentos didáticos específicos e adequados, que implicam espaço físico, recursos humanos e materiais diferenciados. O sistema FM, que, de acordo com BEVILACQUA& FORMIGONI (1997), propõe a melhora da captação do sinal da fala em ambiente educacional por meio da eliminação de três fatores limitantes ao entendimento da fala, que são o ruído, a distância e a reverberação, pode ser considerado como mais uma alternativa dentre os materiais diferenciados e recursos de apoio utilizados por alunos portadores de necessidades educativas especiais, visando a integração educativa-escolar. MATKlN(1996) descreve, como objetivo principal da aplicação do sistema FM para crianças que tenham audição periférica normal, a melhora da comunicação receptiva, fazendo com que a fala se torne o melhor sinal audível, acelerando assim a aprendizagem. A partir do objetivo do uso do sistema FM, ou seja, o favorecimento da relação sinavruído (THIBODEAU, 1992), muitos estudiosos relacionaram a sua aplicação a crianças com dificuldades de aprendizagem e déficits de atenção. Vários autores (5TACH et ai., 1987; PEHRINGER, 1989; FLEXER et ai., 1990; A5HA, 1991; LEWI5 et ai., 1991; HAMMOND, 1991; BLAKEet ai., 1991; PFEFFER, 1992; 5CHNEIDER, 1992; FLEXER, 1992; CRANDEL & 5MALDINO, 1996; JOHN50N et ai., 1997; CHERMARK & MU5IEK, 1997; 50UZA et ai., 1998) também consideram que crianças com problemas de processamento auditivo, dificuldades de atenção e dificuldades de aprendizagem, mas com audição periférica normal, beneficiam-se do uso do sistema FM. Para esta população de crianças, uma favorável relação 5/R parece facilitar a atenção para as tarefas e melhorar o tempo de resposta; isto porque, quando a fala da professora se torna mais clara, as crianças apresentam um tempo maior de foco e concentração no estímulo sonoro relevante, enquanto ignoram o estímulo competitivo. Tendo em vista os estudos apontados pela literatura e as considerações acima descritas, o presente trabalho teve como objetivo verificar o efeito do uso de um sistema FM pessoal sobre os comportamentos de atenção, distração e desempenho acadêmico de crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem da leitura e da escrita associadas a déficit de atenção. MÉTODO Sujeitos Participaram deste estudo três estudantes (51, 52 e 53) matriculados em três diferentes escolas do ensino regular, na cidade de Bauru-5p, que apresentavam história de fracasso escolar e possuíam o diagnóstico de dificuldade de aprendizagem e déficit de atenção, dados pelas instituições em que os participantes recebiam acompanhamento fonoaudiológico e psicológico. Material e equipamento Foi utilizado um sistema FM pessoal, do modelo Easy Listener, da marca Phonic Ear, cedido pelo Centro de Pesquisas Audiológicas (CPA), do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC), U5P-Bauru. Procedimento experimental Foi empregado um delineamento do tipo AB compreendendo duas fases, a Linha de Base e a Intervenção. Para 51 e 53 foram filmadas as atividades de Português, e para 52 as de Matemática, pois, de acordo com seus professores, eram as disciplinas nas quais os alunos apresentavam maior dificuldade. Ao final de cada sessão filmada, a pesquisadora realizava a contagem dos indicadores de atenção e distração apresentados pelo aluno. Como as sessões tinham durações variadas, esses dados eram transformados em razão por minuto, que significa dividir o número de comportamentos pelo total de minutos da sessão. Os indicadores de atenção e distração (Anexo 1) foram analisados de acordo com a ocorrência ou não dos seguintes comportamentos: seguimento visual; manter-se em silêncio; postura e posicionamento; não agredir; permanecer sentado. A coleta e análise dos comportamentos relacionados ao desempenho acadêmico do aluno (Anexo 2) foram realizadas da seguinte maneira: a apresentação de respostas corretas e o tempo de resposta curto foram analisados de acordo com o número de oportunidades oferecidas; já a apresentação da tarefa completa no final da aula e se o aluno acompanhava a mesma matéria que o professor estava explicando eram indicados pela presença ou ausência -sim/não. Em todas as aulas, a pesquisadora solicitava do professor a cobrança de uma tarefa dos seus alunos sobre o assunto trabalhado, a fim de avaliar o comportamento acadêmico dos alunos. Bimestralmente, a experimentadora registrava as notas do boletim do aluno, a fim de acompanhar o desempenho acadêmico do mesmo. O professor também preenchia uma folha de registro semanalmente (Anexo 3), pontuando os comportamentos indicativos de atenção e distração apresentados pelo aluno naquela semana. Durante a linha de base, a pesquisadora acompanhava e filmava alguns momentos das atividades de classe, para posterior coleta de dados e transcrição dos mesmos em folhas de registro (Anexos 1 e 2). O número de sessões filmadas durante a semana variou de acordo com o horário das disciplinas de cada aluno, mas todas totalizaram cinco sessões ao final da linha de base. A fase de adaptação durou de 3 a 4 semanas, sendo que nesse período foram dadas orientações em sala de aula visando a dessensibilização quanto ao sistema FM. Verificado que tanto os professores quanto 51,52 e 53 estavam adaptados ao equipamento, iniciou-se a coleta de dados visando os resultados da intervenção propriamente dita. Após o término da fase de linha de base, a pesquisa+

3 JBF - JORNAL BRASILEIRO DE FONOAUDIOLOGIA - V.3 - N.l0 - jan.jmar dora iniciou o monitoramento da adaptação dos aparelhos com os alunos e o professor. Nesse período, a pesquisadora levava os aparelhos para a sala de aula e colocava o microfone e o transmissor no professor e o receptor e o fone de ouvido no aluno. Isso era realizado diariamente, até que fosse verificado que tanto o professor quanto o aluno estavam adaptados ao equipamento. Verificada a adaptação, tanto do professor quanto do aluno, ao aparelho, a pesquisadora iniciava a intervenção propriamente dita, orientando aluno e professor a utilizarem o equipamento diariamente durante as aulas. Vale ressaltar que, independentemente da presença da pesquisadora na escola, todos os dias antes do início das aulas, tanto o professor como o aluno colocavam o sistema FM. Para tanto, era realizado o empréstimo do equipamento diretamente à escola, onde ficava guardado. Uma funcionária da escola ficava responsável pelo recarregamento das baterias e recebia orientações direcionadas ao uso e cuidados com o FM. Alunos e professores eram instruídos a ligar o equipamento somente nas situações em que a atenção para a fala do professor era requerida, como por exemplo, aulas expositivas, atividades como ditado, entre outras. O aluno também era instruído para que, quando não estivesse usando o equipamento, colocasse o fone em volta do pescoço. Em seguida, a experimentadora filmava a situação. Assim como na Linha de Base, em todas as aulas a pesquisadora solicitava da professora a cobrança de uma tarefa dos seus alunos sobre o assunto trabalhado. A professora também preenchia uma folha de registro semanalmente, pontuando os comportamentos indicativos de atenção, distração e desempenho acadêmico apresentados pelo aluno naquela semana. ANEXOS, ANEXO 1: Indicadores de atenção e distração. SESSÃO: INDICADORES DE ATENÇÃO INDICADORES DE DISTRAÇÃO DATA: DURAÇÃO: ai CATEGORIAS onamento ilêncio tado 1. seguimento visu 2. manter-se em s 3. postura e posici 4. não agredir 5.permanecersen TOTAL MINUTOS 1- total MINUTOS total ANEXO 2: Indicadores de desempenho acadêmico. 1. apresentação da tarefa completa no final da aula 2. acompanha a matéria junto com o professor ANEXO 3: Folha de registro do professor. ESCOLA: ALUNO: IDADE: SÉRIE: _ PROFESSOR: PERíODO: _ DATA: AULADE:

4 JBF - JORNAL BRASILEIRO OE FONOAUOIOLOGIA - V.3 - N.l0 - jan.jmar comportamentos observações nota atribuída pelo professor indicativos de distração 1. apresenta distração visual 2. apresenta atenção a estímulos externos à sala de aula 3. conversa com os colegas durante a explicação da professora o comportamentos indicativos de atenção observações elou desempenho acadêmico 1. contato de olho com o professor 2. apresenta respostas corretas em classe 3. apresenta habilidade em seguir instruções 4. motivação em participar da aula 5. tempo de resposta curto 6. posição e controle do corpo adequados 7. apresentação da tarefa completa no final da aula I. o RESULTADOS E DISCUSSÃO De uma maneira geral, quanto à atenção auditiva e aos comportamentos de atenção, os resultados obtidos neste trabalho confirmaram a hipótese de vários pesquisadores da área (STACH et ai., 1987; PEHRINGER, 1989; FLEXER et ai., 1990; ASHA, 1991; LEWIS et ai., 1991; HAMMOND, 1991; BLAKEet ai., 1991; PFEFFER, 1992; SCHNEIDER, 1992; FLEXER, 1992; CRANDEL & SMALDINO, 1996; JOHNSON et ai., 1997; CHERMARK & MUSIEK, 1997; SOUZA et ai., 1998), ou seja, a afirmação de que o uso de um sistema FM pessoal possibilita um aumento da atenção auditiva e dos comportamentos de atenção, minimizando também os comportamentos de distração de crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem da leitura e da escrita associadas a déficit de atenção. Comparativamente, conforme apontaram os resultados relacionados aos comportamentos de atenção, os três sujeitos deste estudo apresentaram um número maior de comportamentos de atenção com o uso do FM do que sem o uso desse equipamento. SI evoluiu de uma pontuação mínima de 2,2 comportamentos de atenção por minuto, sem o FM na linha de base, para uma pontuação de 5,0 comportamentos por minuto, na fase de intervenção. S2 apresentou uma pontuação mínima de 2,8 comportamentos/minuto, na fase de linha de base, para uma pontuação de 5,0 comportamentos de atenção/minuto com o equipamento (fase de intervenção). S3 apresentou desempenho semelhante, isto é, evoluiu de 2,5 comportamentos/minuto (fase de linha de base) para 8 comportamentos/minuto com o FM (fase de intervenção). Em contrapartida, com o uso do FM, os comportamentos de distração dos três participantes chegaram a ser extintos nas últimas sessões, senrb que esses mesmos comportamentos eram praticam e!ite constantes sem o equipamento. Outro dé1jo interessante foi que os resultados das avaliações realizadas semanalmente pelos professores foram muito semelhantes aos das observações realizadas em vídeo pela pesquisadora, ou seja, todos apontaram que houve aumento dos comportamentos de atenção e diminuição dos comportamentos de distração após o uso dofm. Neste trabalho, procuramos investigar a evolução do desempenho escola, do, aluno, padidpan!es de"e e'tudo.

5 JBF - JORNAL BRASILEIRO DE FONOAUDIOLOGIA - V.3 - N.l0 - jan.jmar De uma maneira geral, quando analisados os dados coletados pela pesquisadora, dentre eles os cadernos dos alunos e os próprios relatos do professor por meio de questionários e observações informais, foram observadas melhoras significativas nos comportamentos acadêmicos dos três participantes, já que todos foram promovidos para as séries seguintes, apesar do pouco tempo de intervenção. Esta observação torna-se relevante quando levamos em consideração que a aprendizagem é um processo complexo que acompanha todo o desenvolvimento da criança. Cabe, aqui, a observação de que, apesar de os três sujeitos terem realizado duas vezes a mesma série em pelo menos uma ocasião durante seus anos escolares, todos foram promovidos de série ao final da intervenção. Este dado pode ser confrontado pelos próprios depoimentos das professoras no início da intervenção, em que as mesmas demonstravam uma remota expectativa sobre a promoção destas crianças para as próximas séries, ou seja, segundo os professores, estes eram alunos fadados a repetirem de ano e ao insucesso escolar. Porém, conforme LOMONICO (1992), as crianças portadoras de distúrbios de aprendizagem não são incapazes de aprender, pois o distúrbio não é uma deficiência irreversível, mas uma forma de imaturidade que requer conjugação cuidadosa dos métodos de ensino e das expectativas teóricas do estado atual do desenvolvimento da criança. Logo, ainda que "atentar" não implique diretamente em melhora no desempenho acadêmico, visto que apenas a atenção não é suficiente para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem, pois, entre outros, neste processo estariam envolvidas ainda as estratégias de ensino, preparo do professor e do aluno, estes resultados confirmam a proposição de MATKIN(1996), de que a atenção auditiva é precursora e pré-requisito para o perfeito aprendizado. Neste trabalho, apesar de todos os cuidados tomados em relação à adaptação dos alunos frente à câmera, durante as sessões de filmagem, fica ainda a indagação de até que ponto isso pode ter influenciado nos comportamentos dos mesmos. Para próximos estudos, sugerimos um maior período de familiarização dos sujeitos frente à câmera, a fim de diminuir a reatividade do observador e filmagem para o sujeito em questão, e, se possível, o uso de reversão, com delineamento do tipo ABAB. No entanto, vale ressaltar que os dados de observação apresentados pelos professores foram muito próximos aos dados colhidos pela pesquisadora, não havendo assim uma disparidade entre os mesmos. CONCLUSÃO Enfim, este estudo procurou verificar a eficácia da utilização do sistema FM como mais uma alternativa viável para os alunos que experienciam histórias de fracasso escolar associadas a queixas de atenção, a fim de efetivarem a sua integração na escola regular e conquistarem também o olhar da Educação Especial e seus recursos disponíveis. Devido à ausência na literatura, até então, de trabalhos que relacionem o uso do sistema FM ao rendimento acadêmico do aluno por meio de dados definidos, bem como os métodos de avaliação para tanto, as autoras sugerem novas investigações, gerando estudos que utilizem métodos de verificação cada vez mais apurados. SOUZA-JACOB, R.T. de; ALMEIDA, MA; BEVILACOUA, M.C. Alternative uses for frequency modulated system (FM): learning disabililies and attenlion deficit children. J Bras Fonoaudiol, Curitiba, v.3, n.10, p.54-59, Jan.lMar FM amplification systems in educational settings have been generally accepted as valuable tools for students with hearing impairment. Keeping in mind that auditory attention is a process of primary interest and a prerequisite to the efficient learning, studies related the application of this device also in learning disabilities and attention deficit in children. The present study has investigated the effecí of the use of personal FM system in attending behaviors and distraction, as well as the academic development of children who have reading and writing learning disabilities, related to attention deficit. UNITERMS: FM system; Learning disabilities; Attention deficit. REFERÊNCIAS AMERICAN SPEECH-LANGUAGE HEARING ASSOCIATION. Amplificalion as a remediation technique for children with normal peripheral hearing. ASHA, v.33, p.22-24, Supplement 3. BLAKE, R. et ai. Effect of FM auditory trainers on attending behaviors of learning disabled children. Language Speech Hear Serv Sch, v.22, p.l11 114, BEVILACOUA, M.C.; FORMIGONI, G.M. Audiologia educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Carapicuiba: Pró Fono p. BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: COROE, BRASIL. Política nacional de educação especial. Brasília: Secretaria de Educação, Livro 1/MEC/SEESP CHERMAK, G.O.; MUSIEK, F. Cenlral auditory processing disorders: new perspectives. San Oiego: Singular Publishmg Group CRANOELL, C.C.; SMALOINO. Sound field amplification in lhe classroom: applied and theoretical issues. In: BESS, F.H.; GRAVEL, J.S.; THARPE, A.M. (Eds.) Amplification for children with CRUZ, P.; PEREIRA, LD. Comparação do desempenho das habilidades auditivas e de linguagem, em crianças com queixa de dificuldade de aprendizagem. Acta AWHO, v.15, n.1, p.21 26, jan./mar FERREIRA, V.J.A. Síndrome do déficit de atenção. In: MARCHESAN, 1.0. et ai. (org). Tópicos em Fonoaudiologia 11.São Paulo: Lovise, pa FLEXER, C.; MILLlN, J.P.; BROWN, L. Children wilh developmental disabilities: the effect of sound field amplificalion on word identification. Language Speech Hear Serv Sch, v.21, p.l77 182, GARCiA, J.N. Manual de dificuldades de aprendizagem: linguagem, leitura, escrita e ma temática. Porto Alegre: Artes Médicas. 1998, 269p. HAMMONO, L.B. FM audilory trainers: a winníng choice for students, teachers and parents. Minneapolis: Gopher State Lilho Corp, JOHNSON, C.C.; BENSON, P.V.; SEATON, J.B. Educalional audiology handbook. San Oiego: Singular Publish Group, LEWIS, O.E. et ai. Evaluation and assessmenl of FM systems. Ear Hear, v.12, na, p , Aug """"'""". N"".'. B,IIW,Ik,."" C,m" Pre~"" p "9 "0

6 JBF - JORNAL BRASILEIRO DE FONOAUDIOLOGIA - V.3 - N.l0 - jan./mar LOMONICO, C.F. Psicopedagogia: teoria e prática. São Paulo: Edicon, MATKIN, N.D. The potential benefits of amplification for young children whit normal hearing. In: BESS, F.H.; GRAVEL, J.S.; THARPE, A.M. (eds.) Amplification for chifdren with auditory deficits. Nashville: Bill Wilkerson Center Press, p PEHRINGER, J.L. Assistive devices: technology to improve communication. Otolaryngologic. Otolaryngol Clin Norlh Am, v.22, n.1, p , Feb PEREIRA, L.D. Processamentoauditivo. Temas Desenvol, v.2, n.11, p.7-14, mar.labr PERISSINOTO, J. et ai. Processamento auditivo: sensibilizando professores que atuam em alfabetização./n: LAGROTIA, M.G.M.; CÉSAR, C.P.H.A. (eds.). A Fonoaudiologia nas instituições. São Paulo: Lovise, 1997.p PFEFFER, E.B. Alternate uses for FM systems. In: ROSS, M. (ed.) FM auditory systems: characteristics, selection and use. TImonium: York Press p SCHNEIDER, D. Audiologic management of central auditory processing disorders. In: KATZ, J.; STECKER, N.; HENDERSON, D. (eds.). Central auditory processing: a transdisciplinary view. SI. Louis: Mosby Year Book p SHAYWITZ, BA; FLETCHER, J.M.; SHAYWITZ, S.E. Atlention deficit hyperactivily disorder. Adv Pediatr, v.44, p , STACH, BA et ai. Clinical experience with personal FM assistive listening dlmces. Hear J, v.40, p.24-30,1987. SOUZA, R.T.; ALMEIDA, MA; BEVILACQUA, M.C. Uso do sistema de freqúênclamodulada (FM) por crianças com dificuldades de aprendizagem. In: MARQUESINE, M.C. et ai. (0'9-) Perspectivas multidisciplinares em educação especial. Londrina: UEL, p THIBODEAU, L.M. Physical components and features of FM transmission syslems./n: ROSS, M. (00.). FM auditory syslems: characteristics, selection and use. Timonium: Yor1l Press, p Recebido para publicação em: 20106/01 Enviado para análise em: 23/07101 Aceito para publicação em: 11/10101 ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Rua Sérvio Túlio Coube, 3-33/62A Bauru, SP Brasil

O Ensino Fundamental de Nove Anos: o que revelam professores em seus discursos

O Ensino Fundamental de Nove Anos: o que revelam professores em seus discursos UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO O Ensino Fundamental de Nove Anos: o que revelam professores em seus discursos FERNANDA STURION

Leia mais

JANE MARY DE PAULA PINHEIRO TEDESCHI A PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E A ALFABETIZAÇÃO: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

JANE MARY DE PAULA PINHEIRO TEDESCHI A PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E A ALFABETIZAÇÃO: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA JANE MARY DE PAULA PINHEIRO TEDESCHI A PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E A ALFABETIZAÇÃO: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO Campo Grande - MS Outubro - 2007 JANE MARY DE

Leia mais

DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADES DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA - ESPECIALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPETÊNCIA LEITORA: DESAFIO AO PROFESSOR

Leia mais

PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING?

PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING? PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING? Recebido em: 18/11/2012 Aprovado em: 21/02/2013 Avaliado

Leia mais

O AUTISMO E O PROFESSOR: UM SABER QUE

O AUTISMO E O PROFESSOR: UM SABER QUE UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Campus de Bauru VIVIANE CINTRA FELICIO O AUTISMO E O PROFESSOR: UM SABER QUE PODE AJUDAR BAURU 2007 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Os putos também fazem filmes?

Os putos também fazem filmes? e d u c a ç ã o / f o r m a ç ã o Maria do Rosário Rodrigues & João Grácio Os putos também fazem filmes? Os putos também fazem filmes? Maria do Rosário Rodrigues Escola Superior de Educação - Instituto

Leia mais

Carlos sempre estudou em escolas públicas, foi matriculado na atual escola em agosto de 2007 e já havia passado por quatro escolas anteriormente.

Carlos sempre estudou em escolas públicas, foi matriculado na atual escola em agosto de 2007 e já havia passado por quatro escolas anteriormente. ARTIGO 18 Autora: A Inamar Ribeiro de Souza Graduanda em Pedagogia com Ênfase em Ensino Religioso pela PUC Minas. Dislexia: O que é? Tem cura? Resumo O presente artigo tem por objetivo apresentar um estudo

Leia mais

A METODOLOGIA DE ENSINO UTILIZADA PELOS PROFESSORES DA EJA - 1º SEGMENTO - EM ALGUMAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A METODOLOGIA DE ENSINO UTILIZADA PELOS PROFESSORES DA EJA - 1º SEGMENTO - EM ALGUMAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A METODOLOGIA DE ENSINO UTILIZADA PELOS PROFESSORES DA EJA - 1º SEGMENTO - EM ALGUMAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA Resumo SILVA, Joelma Batista da PUCPR joelmabatista@pop.com.br PLOHARSKI,

Leia mais

Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal. Universidad Autónoma del Estado de México. http://redalyc.uaemex.

Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal. Universidad Autónoma del Estado de México. http://redalyc.uaemex. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul reveduc@pucrs.br ISSN (Versión impresa): 0101-465X ISSN (Versión en línea): 1981-2582 BRASIL 2006 Maria Cristina Bergonzoni Stefanini / Sônia Aparecida

Leia mais

A relação entre autoconceito e desempenho escolar em crianças e adolescentes.

A relação entre autoconceito e desempenho escolar em crianças e adolescentes. A relação entre autoconceito e desempenho escolar em crianças e adolescentes. Resumo Andresa Aparecida Ferreira 2 Este estudo teve como objetivo conhecer o estado da arte da pesquisa empírica publicada

Leia mais

O QUE PENSAM AS CRIANÇAS DE UMA PRÉ-ESCOLA SOBRE O INGRESSO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROJETO EM ANDAMENTO

O QUE PENSAM AS CRIANÇAS DE UMA PRÉ-ESCOLA SOBRE O INGRESSO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROJETO EM ANDAMENTO 1 O QUE PENSAM AS CRIANÇAS DE UMA PRÉ-ESCOLA SOBRE O INGRESSO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROJETO EM ANDAMENTO Lorenzza Bucci, [55] (16) 3610-7751, lorenzza@aluno.ffclrp.usp.br, Faculdade de Filosofia, Ciências

Leia mais

TRABALHOS EM GRUPO EM UM CURSO

TRABALHOS EM GRUPO EM UM CURSO TRABALHOS EM GRUPO EM UM CURSO ONLINE COLABORATIVO * Adriana Clementino** RESUMO A existência de trabalhos em grupo é inerente à abordagem colaborativa. A escolha das estratégias pedagógicas de um curso

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE JANDIRA *

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE JANDIRA * ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE JANDIRA * Resumo Aparecida Lúcia de Souza Lima (Faceq) Cláudia Vasconcelos Dantas (Faceq) Este

Leia mais

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Maestros en línea: Demandas de formación contínua para la

Leia mais

Durante muito tempo, acreditava-se que a aprendizagem

Durante muito tempo, acreditava-se que a aprendizagem Pesquisa em Ensino : Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de Aula Marcia Borin da Cunha No ensino de química, os jogos têm ganhado espaço nos últimos anos, mas é necessário que a utilização

Leia mais

58 Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Jan.-Abr. 2004, v.10, n.1, p.43-58. Recebido em 16/06/2003 Reformulado em 17/02/2004 Aceito em 25/04/2004

58 Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Jan.-Abr. 2004, v.10, n.1, p.43-58. Recebido em 16/06/2003 Reformulado em 17/02/2004 Aceito em 25/04/2004 DE VITTA, F. C. F.; SILVA, K. P. L.& MORAES, M. C. A. F. MANTOAN, M. I. E. Todas as crianças são bem vindas à escola. [Campinas]: UNICAMP, [2000]. Texto mimeografado. MASINI, E. F. S. Quais as expectativas

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 1 INTRODUÇÃO Enquanto aluna do curso de pós-graduação em Educação Física Escolar e atuando

Leia mais

A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: Trabalhando com sujeitos surdos*

A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: Trabalhando com sujeitos surdos* A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: Trabalhando com sujeitos surdos* Cristina B.Feitosa de Lacerda ** RESUMO: Este trabalho pretende aprofundar aspectos da educação dos surdos,

Leia mais

Cartilha da Inclusão Escolar

Cartilha da Inclusão Escolar Cartilha da Inclusão Escolar Inclusão Baseada em Evidências Científicas 2014 1 Toda criança tem direito fundamental à educação e deve ser dada a ela a oportunidade de atingir e manter um nível adequado

Leia mais

A brincadeira e suas implicações nos processos de aprendizagem e de desenvolvimento

A brincadeira e suas implicações nos processos de aprendizagem e de desenvolvimento ARTIGOS A brincadeira e suas implicações nos processos de aprendizagem e de desenvolvimento The play and its implications in the development and learning processes Scheila Tatiana Duarte Cordazzo *,I ;

Leia mais

A CRIANÇA COM SÍNDROME DO X FRÁGIL NA ESCOLA COMUM: RELATO DE CASO

A CRIANÇA COM SÍNDROME DO X FRÁGIL NA ESCOLA COMUM: RELATO DE CASO 87 A CRIANÇA COM SÍNDROME DO X FRÁGIL NA ESCOLA COMUM: RELATO DE CASO Israel Rocha Dias 159 Rogério Drago 160 Resumo: Este estudo tem por objetivo discutir aspectos concernentes à inclusão escolar de uma

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO PARÂMETROS EM AÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL

Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO PARÂMETROS EM AÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO PARÂMETROS EM AÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL Brasília 1999 Secretaria de Educação Fundamental Iara

Leia mais

CRIANÇAS QUE ESCREVEM, MAS NÃO LÊEM: DIFICULDADES INICIAIS NA ALFABETIZAÇÃO

CRIANÇAS QUE ESCREVEM, MAS NÃO LÊEM: DIFICULDADES INICIAIS NA ALFABETIZAÇÃO RELATO CRUZ DE MB PESQUISA FL CRIANÇAS QUE ESCREVEM, MAS NÃO LÊEM: DIFICULDADES INICIAIS NA ALFABETIZAÇÃO Michelle Brugnera Cruz; Adriana Corrêa Costa RESUMO - O presente relato de experiência trata das

Leia mais

Problematization Methodology with Maguerez Arch and its relation to teachers knowledge

Problematization Methodology with Maguerez Arch and its relation to teachers knowledge A Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez e sua relação com os saberes de professores Problematization Methodology with Maguerez Arch and its relation to teachers knowledge Andréa Aparecida

Leia mais

O USO DA INFORMÁTICA COMO RECURSO PEDAGÓGICO: UM ESTUDO DE CASO. MIRANDA, Raquel Gianolla 1, CAMOSSA, Juliana Patrezi 2

O USO DA INFORMÁTICA COMO RECURSO PEDAGÓGICO: UM ESTUDO DE CASO. MIRANDA, Raquel Gianolla 1, CAMOSSA, Juliana Patrezi 2 RESUMO O USO DA INFORMÁTICA COMO RECURSO PEDAGÓGICO: UM ESTUDO DE CASO MIRANDA, Raquel Gianolla 1, CAMOSSA, Juliana Patrezi 2 Este artigo trata de analisar o uso do computador como recurso pedagógico na

Leia mais

Diretrizes do Programa Ensino Integral

Diretrizes do Programa Ensino Integral 1 Diretrizes do Programa Ensino Integral GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Vice Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald Secretário-Adjunto

Leia mais

A problematização. e a aprendizagem baseada. em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Neusi Aparecida Navas Berbel 1

A problematização. e a aprendizagem baseada. em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Neusi Aparecida Navas Berbel 1 A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Neusi Aparecida Navas Berbel 1 BERBEL, N. N.: Problematization and Problem-Based Learning: different words

Leia mais

PROFESSORES COM DEFICIÊNCIA: SUA HISTÓRIA E CONTRIBUIÇÃO PARA A EDUCAÇÃO

PROFESSORES COM DEFICIÊNCIA: SUA HISTÓRIA E CONTRIBUIÇÃO PARA A EDUCAÇÃO PROFESSORES COM DEFICIÊNCIA: SUA HISTÓRIA E CONTRIBUIÇÃO PARA A EDUCAÇÃO GEYSE RIBEIRO ¹ MANUELLE VIEIRA ² FRANCISCO LIMA ³ RESUMO O presente artigo relata a trajetória histórico-social de quatro professores

Leia mais

Atribuições de causalidade para o sucesso e o fracasso escolar dos seus alunos por professoras do ensino fundamental 1

Atribuições de causalidade para o sucesso e o fracasso escolar dos seus alunos por professoras do ensino fundamental 1 148 Interação em Psicologia, 2002, 6(2), p. 149-156 Atribuições de causalidade para o sucesso e o fracasso escolar dos seus alunos por professoras do ensino fundamental 1 Mirella Lopez Martini Faculdade

Leia mais