ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA E ALIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA E ALIMENTOS"

Transcrição

1 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA E ALIMENTOS

2 Análise de alimentos Utilização de técnicas microbiológicas: Pesquisar Estimar presença de microrganismos; número de microrganismos; Identificar os microrganismos.

3 Microrganismos estressados A detecção é feita pelo cultivo dos microrganismos em meios seletivos e não seletivos. Os microrganismos isolados de alimentos geralmente são submetidos a condições de injúria, tais como aquecimento, refrigeração, conservantes, congelamento, desidratação, acidificação, salga, que irão afetar as células presentes.

4 Efeitos sobre os microrganismos: aumento da fase LAG maior sensibilidade aos agentes do meio de cultivo lesão na membrana citoplasmática lesão em enzimas do ciclo de Krebs deterioração de ribossomas lesão do DNA perda de componentes celulares incapacidade de multiplicação

5 Etapas da análise microbiológica Amostragem; Preparação da amostra; Contagem de microrganismos; Isolamento e identificação microrganismos; Sorologia. de

6 Amostragem Especificação de dados; Evitar contaminação com outros alimentos; Transporte: alimentos perecíveis: 0-4ºC; alimentos congelados: congelados; Análise no máximo em 36 horas.

7 Preparação da amostra Homogeneização da amostra; Cuidado: velocidade e tempo evitar aquecimento da amostra e danos aos microrganismos; Melhor método: Stomacher.

8 Contagem de Microrganismos MÉTODOS DIRETOS: 1) Contagem em placa; Método de filtração: Método do Número Mais Provável Contagem direta ao microscópio: Contador Coulter:

9 Contagem de Microrganismos MÉTODOS INDIRETOS: 1) 2) 3) 4) Peso seco Medida de turbidez Atividade metabólica Microcalorimetria

10 Isolamento e Identificação de Microrganismos Características morfológicas Morfologia bacteriana = diz pouco sobre as células; Útil na identificação de algumas bactérias = endoesporos, flagelos, cápsula

11 Coloração diferencial Coloração de Gram; GP Coloração de Ziehl-Neelsen; Coloração de esporos. GN

12 BACTÉRIAS GRAM-POSITIVAS BACTÉRIAS GRAM-NEGATIVAS Células fixadas à lâmina COLORAÇÃO DE GRAM Corante principal cristal violeta Cora em púrpura Cora em púrpura Mordente: solução de iodo Permanece púrpura Permanece púrpura Descorar com: álcool ou acetona Permanece púrpura Contratingir com Safranina Permanece púrpura Cora em vermelho

13 Testes bioquímicos Atividade metabólica = utilizada para diferenciar bactérias; Bactérias intimamente relacionadas = separadas por testes bioquímicos; Reduzir o tempo: Uso de técnicas seletivas: Utilização de meios seletivos e diferenciais e diferentes condições de cultivo; Utilização de testes rápidos.

14 Meios seletivos e diferenciais EMB = identificação de E. coli Ágar sangue = halo de hemólise

15 Meios seletivos e diferenciais Ágar Baird Parker = identificação de S. aures Ágar MYP = identificação de B. cereus

16 Testes rápidos = API 20E

17 Testes rápidos = tubos de compartimentos

18 Testes rápidos

19 Contagem de Microrganismos Aeróbios Mesófilos Pesar a amostra; Fazer as diluições; Plaqueamento: Superfície; Profundidade; Meio utilizado: PCA

20 Preparação da amostra Homogeneização e Diluição 25 g 1mL 225mL H2O peptonada 0,1% mL 9mL H2O pept. 0,1% mL H2O pept. 0,1% 10-3

21 Método de Profundidade Método de Superfície

22 Resultados em placas

23 Contagem de Bactérias Aeróbias Mesófilas: Método Profundidade ,0 ml ,0 ml Ágar Padrão de Contagem (PCA) 1,0 ml

24 Contagem e Identificação de Staphylococcus aureus: Método Superfície ,1 ml ,1 ml Ágar Baird Parker (BP) 0,1 ml

25 CONTAGEM DE Staphylococcus aureus Diluições Baird-Parker AN

26 IDENTIFICAÇÃO DE Staphylococcus aureus TESTE CATALASE H2O2 BOLHAS AN H2O2 ESFREGAÇO CATALASE H 2O + O 2

27 IDENTIFICAÇÃO DE Staphylococcus aureus TESTE DNase e COAGULASE DNase COAGULASE Protrombina Fibrinogênio COAGULASE Trombina Fibrina

28 Pesquisa de Salmonella sp. PRÉ-ENRIQUECIMENTO H2O peptonada 1,0 % ENRIQUECIMENTO SELETIVO Rappaport Vassiliadis Caldo tetrationato

29 PLAQUEAMENTO DIFERENCIAL HE SS XLD HE SS XLD 35-37ºC/24hs IDENTIFICAÇÃO Provas Bioquímicas

30 Importância da Análise de Água Lavagem de matéria-prima; Lavagem de utensílios; Lavagem de superfícies; Lavagem de carcaças; Resfriamento; Composição dos alimentos.

31 Qualidade da água Garantida do mesmo modo que matéria-prima ou ingrediente; Programa de garantia de qualidade fonte, tratamento, distribuição armazenamento dentro da fábrica; Inspeção = padrões internos e legais Portaria 518 de 2004 a = e =

32 Coleta de Água Frasco limpo e estéril; Sistema de distribuição = esperar 2 a 3 minutos, abrir o frasco, coleta a água e fechar o frasco; Rios, lagos, fontes = cuidado com água parada e material flutuante; Água com cloro = tiossulfato de sódio; Análise = máximo 30 horas após coleta.

33 Análise da água Não deve ser baseada no isolamento e identificação de MOs patogênicos; Microrganismos indicadores: Contagem em placas; Coliformes totais; Coliformes fecais.

34 Análise Microbiológica Contagem de Coliformes totais e fecais: Técnica do Número Mais Provável (NMP); Técnica da membrana filtrante; Técnica do Collilert (Teste do ONPG e MUG).

35 Técnica do NMP COLIFORMES TOTAIS COLIFORMES TERMOTOLERANTES IDENTIFICAÇÃO DE E. coli

36 Número Mais Provável de Coliformes Totais e Termotolerantes (Fecais) 10mL 10mL LST 1mL 9mL LST Lauril Sulfato Triptose (LST) 0,1mL 9,9mL LST

37 35-37ºC/24hs Coliformes Totais Caldo Verde Brilhante Coliformes Termotolerantes Caldo Escherichia coli 44,5-45,5ºC/24hs Provas Bioquímicas Agar Eosina Azul de Metileno

38 Membrana Filtrante

39 Vantagem de cada método Filtração: Rápido; Exato; Método de esterilização a frio; NMP: Recupera microrganismos injuriados; Mais barato; Evita falso negativo.

40 Desvantagem de cada Método Filtração: Maior custo; Risco de perda de microrganismos, meio seletivo; Só pode ser utilizado para água e alimentos líquidos; NMP: Demorado; Trabalhoso;

41 Colilert

42 Método Rápido MUG e ONPG

43 MUG e ONPG - Resultado

44 Meios utilizados CONTAGEM TOTAL DE MICRORGANISMOS PCA (ÁGAR PADRÃO DE CONTAGEM) Triptona 5,0g Extrato de levedura 2,5g Dextrose 1,0g Ágar15,0g Água destilada 1,0L

45 PESQUISA DE Salmonella sp. CALDO RAPPAPORT - VASSILIADIS Triptona Cloreto de magnésio Cloreto de sódio Verde malaquita Fosfato de potássio

46 PESQUISA DE Salmonella sp. CALDO TETRATIONATO Proteose peptona Carbonato de cálcio Sais biliares Tiossulfato de sódio Água destilada

47 PESQUISA DE Salmonella sp. AGAR Hectoen Enterico Proteose peptona, Extrato de levedura Salicina, Sais biliares Lactose, Sacarose Tiossulfato de sódio Citrato férrico Cloreto de sódio Azul de bromotimol Fuccina ácida Ágar Água destilada

48 PESQUISA DE Salmonella sp. AGAR SS (Salmonella/ Shigella) Extrato de carne, Proteose peptona Citrato de sódio Sais biliares Tiossulfato de sódio Citrato férrico Vermelho neutro Lactose Ágar Água destilada1,0l

49 PESQUISA DE Salmonella sp. ÁGAR CITRATO DE SIMMONS Citrato de sódio Fosfato de amônia Sulfato de manganês Azul de bromotimol Cloreto de sódio Fosfato dipotássio Ágar Água destilada

50 PESQUISA DE Salmonella sp. TSI (TRIPLE SUGAR IRON ÁGAR) Extrato de carne, Extrato de levedura Peptona, Proteose peptona Dextrose Lactose Sacarose Sulfato ferroso Tiossulfato de sódio Cloreto de sódio Vermelho de fenol Ágar Água destilada1,0l

51 PESQUISA DE Salmonella sp. CALDO LISINA Peptona de gelatina Glicose Extrato de levedura Lisina Púrpura de bromocresol Água destilada

52 PESQUISA DE Salmonella sp. ÁGAR URÉIA Peptona Uréia Dextrose Cloreto de sódio Fosfato monopotássio Vermelho de fenol Água destilada

53 PESQUISA DE Salmonella sp. ÁGAR MIO (MOTILIDADE, INDOL, ORNITINA) Extrato de levedura Ornitina Peptona Púrpura de bromocresol Dextrose Triptona Agar Água destilada

54 PESQUISA DE Salmonella sp. CALDO VERMELHO DE FENOL Proteose peptona Extrato de carne Cloreto de sódio Vermelho de fenol Água destilada

55 CONTAGEM DE Staphylococcus aureus BP - BAIRD PARKER AGAR BASE Triptona, Extrato de carne, Extrato de levedura Cloreto de lítio Piruvato de sódio Glicina Ágar Água destilada Após esterilização, adicionar: Emulsão de gema de ovo, salina Telurito de sódio

56 CONTAGEM DE Staphylococcus aureus ÁGAR DNASE Peptona caseína Ácido desoxirribonucléico Cloreto de sódio Agar Água destilada

57 CONTAGEM DE Staphylococcus aureus Teste de Catalase

58 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CALDO LAURIL SULFATO TRIPTOSE (LST) Triptose Cloreto de sódio Lactose Lauril sulfato de sódio Fosfato de potássio dibásico Fosfato de potássio monobásico Água destilada

59 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CALDO VERDE BRILHANTE BILE 2% Peptona Bile de boi Lactose Verde brilhante Água destilada

60 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CALDO Escherichia coli (EC) Triptose Cloreto de sódio Lactose Sais biliares Fosfato de potássio dibásico Fosfato de potássio monobásico Água destilada

61 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA AGAR EOSINA AZUL DE METILENO (EMB) Peptona Lactose Sacarose Fosfato de potássio dibásico Azul de Metileno Eosina amarela Ágar Água destilada

62 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA ÁGAR CITRATO DE SIMMONS Citrato de sódio Fosfato de amônia Sulfato de magnésio Azul de bromotimol Cloreto de sódio Fosfato dipotássio Ágar Água destilada

63 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CALDO TRIPTONA Triptona Água destilada

64 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA ÁGAR MOTILIDADE Tripticase Fosfato dissódico Glucose Extrato de levedura Ágar Água destilada

65 EXAME MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CALDO VM/VP Peptona Fosfato dipotásico Glicose Água destilada

66 Interpretação dos resultados Produtos em condições sanitárias satisfatórias: b. PRODUTO OU LOTE DE ACORDO COM OS PADRÕES LEGAIS VIGENTES. Produtos em condições sanitárias insatisfatórias: d. PRODUTO OU LOTE IMPRÓPRIO PARA CONSUMO HUMANO POR APRESENTAR... e. PRODUTO OU LOTE IMPRÓPRIO PARA CONSUMO HUMANO POR APRESENTAR...

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco MEIOS DE CULTURA Como preparar Meios comerciais devem ser hidratados Primeiramente devem ser pesados Tansferir para um frasco Hidratar em pequena quantidade e misturar Depois deve-se acrescentar o restante

Leia mais

Meio de cultura Ref. Modelo Apresentação Finalidade. K25-610134 500g. K25-611012 500g. K25-610059 500g. K25-610041 500g.

Meio de cultura Ref. Modelo Apresentação Finalidade. K25-610134 500g. K25-611012 500g. K25-610059 500g. K25-610041 500g. Fabricados através de um rigoroso controle de qualidade, os meios de cultura Kasvi foram especialmente desenvolvidos para atender à demanda de todos os laboratórios que analisam microrganismos em suas

Leia mais

COCOS GRAM-POSITIVOS. Alfa Hemolítico. Beta Hemolítico. Gama Hemolítico

COCOS GRAM-POSITIVOS. Alfa Hemolítico. Beta Hemolítico. Gama Hemolítico COCOS GRAM-POSITIVOS Catalase Positiva Catalase Negativa STAPHYLOCOCCUS STREPTOCOCCUS Coagulase (+) S. aureus Coagulase (-) S. epidermidis S. saprophyticus Alfa Hemolítico S. pneumoniae sensível à Optoquina.

Leia mais

Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações

Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações Prof (a) Dr Luciana Debortoli de Carvalho Preparo de materiais Meios de Cultura O crescimento

Leia mais

Módulo - Bacteriologia. Condições essenciais para o crescimento e a identificação Bacteriana

Módulo - Bacteriologia. Condições essenciais para o crescimento e a identificação Bacteriana Módulo - Bacteriologia Condições essenciais para o crescimento e a identificação Bacteriana Estruturas Celulares Essenciais x Facultativas Crescimento bacteriano O crescimento é um somatório dos processos

Leia mais

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Dorit Schuller 1. Recolha de amostras para análise microbiológica 3 2. Contagem total de microrganismos 4 3. Pesquisa e quantificação de Escherichia

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose.

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Base de Agar Endo 500 g Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Indicações: Suspender 36 g em 1 L de água

Leia mais

ROTEIROS PARA AS AULAS PRÁTICAS CICLO DE BACTERIOLOGIA MEDICINA VETERINÁRIA

ROTEIROS PARA AS AULAS PRÁTICAS CICLO DE BACTERIOLOGIA MEDICINA VETERINÁRIA 1 Instituto de Biociências IBB Departamento de Microbiologia e Imunologia Disciplina de Microbiologia Veterinária ROTEIROS PARA AS AULAS PRÁTICAS CICLO DE BACTERIOLOGIA MEDICINA VETERINÁRIA Aluno (a):

Leia mais

Produtos não passíveis de regulamentação na ANVISA

Produtos não passíveis de regulamentação na ANVISA Análises Clínicas Análises ClíniCAs A área de Análises Clínicas é uma das mais importantes quando se trata de diagnóstico complementar, auxiliando a medicina nos cuidados com a saúde e bem estar do paciente.

Leia mais

DEFINIÇÕES (PRODUTOS MAGISTRAIS E OFICINAIS )

DEFINIÇÕES (PRODUTOS MAGISTRAIS E OFICINAIS ) Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 5, de 3 de março de 010. D.O.U de 5/03/10 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

a r u lt u e c s d io e m

a r u lt u e c s d io e m Os Kasvi seguem um rigoroso controle de qualidade e são ideais para promover o crescimento de bactérias, fungos e leveduras. Já os suplementos, são adicionados aos meios para otimizar o crescimento destes

Leia mais

AVALIAÇAO DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DO AÇAI (Euterpe olerace, Mart.) COMERCIALIZADO NAS FEIRAS e SUPERMERCADO DA CIDADE DE BELÉM-PA

AVALIAÇAO DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DO AÇAI (Euterpe olerace, Mart.) COMERCIALIZADO NAS FEIRAS e SUPERMERCADO DA CIDADE DE BELÉM-PA AVALIAÇAO DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DO AÇAI (Euterpe olerace, Mart.) COMERCIALIZADO NAS FEIRAS e SUPERMERCADO DA CIDADE DE BELÉM-PA Maria do Socorro Souza RIBEIRO 1, Ananda Leão de Carvalho LEHALLE 1,

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO Desiree Augusta M. B. NOVATO Giovania Pereira D. SILVA Karina Peres FERRASSOLI Luana Pizoni SIQUEIRA Paolla Moraes MURONI Paulo Francisco R.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Joice Andrade de Araújo joiceandrade_rj@hotmail.com ANA CLAUDIA SILVA DE ALMEIDA ana.almeida@foa.org.br BRUNO CHABOLI GAMBARATO bruno.gambarato@foa.org.br

Leia mais

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENGENHARIAS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA LACEN-LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA PROF.GONÇALO MONIZ

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA LACEN-LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA PROF.GONÇALO MONIZ PA-NASC-ALM-LBC-074/2011 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO MATRIZ SEÇÃO A PREÂMBULO I. Regência legal: Esta licitação obedecerá as disposições da Lei estadual nº 9.433/05 (alterada pelas

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 014

Norma Técnica SABESP NTS 014 Norma Técnica SABESP NTS 014 Coliformes Totais e Termotolerantes - Método de membrana filtrante Procedimento São Paulo Dezembro - 2005 NTS 014 : 2005 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

Manual da Disciplina

Manual da Disciplina UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRADE SANTANA ENGENHARIA DE ALIMENTOS BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Manual da Disciplina MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS Professora: Elinalva Maciel Paulo Carga Horária: Teórica

Leia mais

Controle de Qualidade Microbiológico de Produtos Farmacêuticos, Cosméticos e Fitoterápicos Produzidos na Zona da Mata, MG

Controle de Qualidade Microbiológico de Produtos Farmacêuticos, Cosméticos e Fitoterápicos Produzidos na Zona da Mata, MG Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Controle de Qualidade Microbiológico de Produtos Farmacêuticos, Cosméticos e Fitoterápicos Produzidos

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE MICRORGANISMOS EM CASCAS DE OVOS EXPOSTOS EM COMÉRCIO POPULAR NA REGIÃO DE GUARULHOS SP

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE MICRORGANISMOS EM CASCAS DE OVOS EXPOSTOS EM COMÉRCIO POPULAR NA REGIÃO DE GUARULHOS SP TÍTULO: AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE MICRORGANISMOS EM CASCAS DE OVOS EXPOSTOS EM COMÉRCIO POPULAR NA REGIÃO DE GUARULHOS SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA

Leia mais

Controle da Água e das Condições Higiênicas de Processamento em Indústrias de Alimentos

Controle da Água e das Condições Higiênicas de Processamento em Indústrias de Alimentos Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Tecnologia de Alimentos Disciplina TAL 463 (2+2) I e II Controle da Água e das Condições Higiênicas de Processamento

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Folha: 1 de 12 Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento ALIMENTOS LÁCTEOS ENSAIO QUÍMICO Determinação de Ceftiofur e seus metabólitos expressos como Desfuroilceftiofur

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Objetivos Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Leia mais

COORDENADORES: Profa. Dra. Dejanira Franceschi de Angelis IB UNESP RC Prof. Dr. Otávio Antonio Valsechi CCA - UFSCar - Araras

COORDENADORES: Profa. Dra. Dejanira Franceschi de Angelis IB UNESP RC Prof. Dr. Otávio Antonio Valsechi CCA - UFSCar - Araras II CURSO DE MONITORAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO DA FERMENTAÇÃO ETANÓLICA COORDENADORES: Profa. Dra. Dejanira Franceschi de Angelis IB UNESP RC Prof. Dr. Otávio Antonio Valsechi CCA - UFSCar - Araras RIO CLARO

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra. Alguns testes para identificação de enterobactérias

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra. Alguns testes para identificação de enterobactérias Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra MICROBIOLOGIA António Verissimo Paula Morais Alguns testes para identificação de enterobactérias A família Enterobacteriaceae inclui bactérias Gram (-),

Leia mais

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE BOTUCATU

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE BOTUCATU 1 UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE BOTUCATU Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências IBB Curso de Nutrição Disciplina de Microbiologia

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO DIRETORIA DE MATERIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO DIRETORIA DE MATERIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO DIRETORIA DE MATERIAL Aquisição de REAGENTES DE LABORATÓRIO pelo Sistema de Registro de Preços/UFV - Processo 005501/2016 Aquisição

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Atividades Práticas 4º ANO

MICROBIOLOGIA. Atividades Práticas 4º ANO Centro Universitário Fundação Santo André Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MICROBIOLOGIA Atividades Práticas 4º ANO NOME: Nº: 4º Profa. Dra. Márcia Zorello Laporta Profa.

Leia mais

microbiologia Modelo Descrição Apresentação

microbiologia Modelo Descrição Apresentação Microbiologia microbiologia Nossa linha de Microbiologia é composta por uma ampla variedade de meios de cultura e outros produtos relacionados como: placas de Petri, inoculadores, espalhadores, filtros

Leia mais

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Guia de Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Este guia apresenta resultados das placas 3M para Contagem de Leveduras e Bolores.

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT02.P QUALIDADE HIGIENICO SANITÁRIO DE MANIPULADORES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICIPIO DE JOAO PESSOA PB Maria Amélia de Araújo Vasconcelos (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA

MESTRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA MESTRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA (1º semestre 2015/16) ENGENHARIA GENÉTICA A0 - TRABALHOS LABORATORIAIS DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS MICROBIOLÓGICAS Cristina Anjinho Viegas Área Científica-Pedagógica de Ciências

Leia mais

Número CC004/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número CC004/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 AGUA destilada, para solucao injetavel. Embalagem: ampola com 20 ml conteendo a impressao " venda proibida pelo comercio." registro dos produtos na Anvisa e Certificado de Boas Praticas, Fabricacao

Leia mais

Técnico de Laboratório. Alimentos

Técnico de Laboratório. Alimentos Técnico de Laboratório Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 A secagem por atomização envolve a pulverização de um alimento líquido, formando gotículas que são lançadas em uma câmara fechada. As

Leia mais

Qualidade da Água e Saúde Pública

Qualidade da Água e Saúde Pública Qualidade da Água e Saúde Pública Principais doenças de origem microbiana difundidas através de águas contaminadas Doença Agente Causa da doença Origem Bactérias Cólera Vibrio cholerae Enterotoxina.ingestão

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Área: Inspeção de Produtos de Origem Animal

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Área: Inspeção de Produtos de Origem Animal UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR PALOTINA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Área: Inspeção de Produtos de Origem Animal Aluno:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 67 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE S LTDA. MEIO AMBIENTE

Leia mais

TÍTULO AUTORES: INSTITUIÇÃO E-mail ÁREA: SAÚDE 1.0 INTRODUÇÃO:

TÍTULO AUTORES: INSTITUIÇÃO E-mail ÁREA: SAÚDE 1.0 INTRODUÇÃO: TÍTULO: AVALIAÇÃO BACTERIOLÓGICA DE ÁGUAS MINERAIS CONSUMIDAS NA CIDADE DO RECIFE-PE. AUTORES: Joás Lucas da Silva & Glícia Maria Torres Calazans. INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO E-mail:calazans@ufpe.br;

Leia mais

S. Skariyachan, A. G. Rao, M.R. Patil, B. Saikia, V. Bharadwaj KN and J. Rao GS

S. Skariyachan, A. G. Rao, M.R. Patil, B. Saikia, V. Bharadwaj KN and J. Rao GS Antimicrobial potential of metabolites extracted from bacterial symbionts associated with marine sponges in coastal area of Gulf of Mannar Biosphere, India S. Skariyachan, A. G. Rao, M.R. Patil, B. Saikia,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS PÓS-GRADUAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS PÓS-GRADUAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS PÓS-GRADUAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA CARNE MOÍDA DE DUAS REDES DE SUPERMERCADOS DA CIDADE DE LONDRINA-

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRICOLA MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO Autores Prof. Dr. Jair Alves Dionísio Eng a. Agr a. Diana Signor

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN Características físicas c) Motilidade (progressiva) % de sptz viáveis uma gota de sêmen em aumento de 100 a 400x na propriedade: 50% para doação de sêmen: 70% para

Leia mais

NUTRIÇÃO MICROBIANA. Prof. Sharline Florentino de Melo Santos UFPB CT - DEQ

NUTRIÇÃO MICROBIANA. Prof. Sharline Florentino de Melo Santos UFPB CT - DEQ NUTRIÇÃO MICROBIANA Prof. Sharline Florentino de Melo Santos UFPB CT - DEQ Para crescer, todos os organismos necessitam de uma variedade de elementos químicos como nutrientes. Estes elementos são necessários

Leia mais

KIT NF. c/ óleo s/óleo Oxidação do açúcar. inalterado amarelo só na (Oxidativo)

KIT NF. c/ óleo s/óleo Oxidação do açúcar. inalterado amarelo só na (Oxidativo) KIT NF Indicações: O KIT NF da PROBAC DO BRASIL é constituído pelos testes de oxidase, utilização de glicose em meio base OF, descarboxilação de lisina e arginina (base Moeller), liquefação da gelatina,

Leia mais

Medicina Veterinária, Recife, v.1, n.2, p.21-25, jul-dez, 2007 ISSN 1809-4678

Medicina Veterinária, Recife, v.1, n.2, p.21-25, jul-dez, 2007 ISSN 1809-4678 ISSN 1809-4678 Utilização de coliformes termotolerantes como indicadores higiênico-sanitários de queijo Prato comercializado em supermercados e feiras livres de Recife PE, Brasil (Use of thermotolerant

Leia mais

BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE. Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso

BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE. Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso VIAS DE DEGRADAÇÃO DA GLICOSE 1. Via Embdem Meyerhof Parnas (EMP) Glicose usada na ausência de O

Leia mais

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS São bactérias que pertencem ao domínio BACTÉRIA. Cocos ou bacilos são Gram positivos não esporulados possuem baixo teor

Leia mais

Alzira Maria da Silva Martins

Alzira Maria da Silva Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas Dep. Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica Curso de Tecnologia Químico-Farmacêutica Dissertação para obtenção do grau de Mestre Alzira Maria da Silva Martins Orientadora:Prof.

Leia mais

Bacteriologia Alimentar Parte 2 Resumo dos procedimentos a adoptar para Pesquisa de Patogénicos

Bacteriologia Alimentar Parte 2 Resumo dos procedimentos a adoptar para Pesquisa de Patogénicos Bacteriologia Alimentar Parte 2 Resumo dos procedimentos a adoptar para Pesquisa de Patogénicos Pesquisa de patogénicos dos alimentos (1ª parte): - Cocos Gram +: Staphylococcus aureus - Bacilo Gram +:

Leia mais

MARCOS DE BARROS VALADÃO

MARCOS DE BARROS VALADÃO Ministério da Abastecimento Data de atualização: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA LABOR TRÊS LABORATÓRIOS E CONSULTORIA TÉCNICA Nome Empresarial: LABOR TRÊS LABORATÓRIOS E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA.

Leia mais

Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal

Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal Polyanne Alencar de Paula 1,6 ; Sarah Borges Feitosa 2,6 ; Maurício Pereira Borges 3,6 ; Evellyn Cardoso Mendes Costa 4,6 ; Lilian Carla

Leia mais

Prática 2: Cultura de Microrganismos

Prática 2: Cultura de Microrganismos Prática 2: Cultura de Microrganismos Introdução Os microrganismos tal como outros organismos vivos necessitam de obter os nutrientes apropriados do seu meio ambiente. Assim se queremos cultivar e manter

Leia mais

A Parede Celular em Bactérias

A Parede Celular em Bactérias A Parede Celular em Bactérias Tem como função: -Manter as formas características das células -Protecção contra alterações de pressão osmótica -Fornecer uma plataforma rígida para ligação dos apêndices

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Bacharelado em Ciências Físicas e Biomoleculares Microbiologia 2016

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Bacharelado em Ciências Físicas e Biomoleculares Microbiologia 2016 Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Bacharelado em Ciências Físicas e Biomoleculares Microbiologia 2016 Aula Prática 08: METABOLISMO BACTERIANO AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ENZIMÁTICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA CARNE BOVINA MOÍDA NAS REDES DE SUPERMERCADOS DE CANOINHAS/SC

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA CARNE BOVINA MOÍDA NAS REDES DE SUPERMERCADOS DE CANOINHAS/SC AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA CARNE BOVINA MOÍDA NAS REDES DE SUPERMERCADOS DE CANOINHAS/SC Angélica Rosina 1 Fernanda Monego 2 RESUMO: A carne é um ótimo meio para o crescimento de micro-organismos e pode

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 71 MEIO AMBIENTE ENSAIOS BIOLÓGICOS ÁGUA BRUTA, ÁGUA TRATADA, ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO Determinação do Número Mais Provável (NMP) de Coliformes Totais, Coliformes Termotolerantes (Fecais) e

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DO PÓ DA CASCA DE OVO E OTIMIZAÇÃO DA TÉCNICA DE ELABORAÇÃO DO PRODUTO 1

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DO PÓ DA CASCA DE OVO E OTIMIZAÇÃO DA TÉCNICA DE ELABORAÇÃO DO PRODUTO 1 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DO PÓ DA CASCA DE OVO E OTIMIZAÇÃO DA TÉCNICA DE ELABORAÇÃO DO PRODUTO 1 Maria Margareth Veloso Naves 2, Carla Marques Maia Prado 2, Daniela Canuto Fernandes 2, Álvaro Bisol Serafini

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Rogério Pereira Xavier. Orientadora: Drª. Glícia Maria Torres Calazans. Co-orientadora: Drª. Francisca Janaína Soares Rocha

Rogério Pereira Xavier. Orientadora: Drª. Glícia Maria Torres Calazans. Co-orientadora: Drª. Francisca Janaína Soares Rocha Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Curso de Biomedicina Co-orientadora: Drª. Francisca Janaína Soares Rocha Ocorrência de contaminação por bactérias e por protozoários patogênicos

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Atividades Práticas 4º ANO

MICROBIOLOGIA. Atividades Práticas 4º ANO Centro Universitário Fundação Santo André Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MICROBIOLOGIA Atividades Práticas 4º ANO NOME: Nº: 4º Profa. Dra. Márcia Zorello Laporta 2007

Leia mais

PORTARIA Nº 99, DE 02 DE JULHO DE 2014.

PORTARIA Nº 99, DE 02 DE JULHO DE 2014. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Data de atualização: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA LANALI LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ALIMENTOS Nome Empresarial: LANALI LABORATÓRIO DE ANÁLISES

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

PESQUISA DE MICRORGANISMOS ADERIDOS NAS SUPERFÍCIES DE TECLADOS DE MICRO-COMPUTADORES DE LANHOUSES NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS-BA

PESQUISA DE MICRORGANISMOS ADERIDOS NAS SUPERFÍCIES DE TECLADOS DE MICRO-COMPUTADORES DE LANHOUSES NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS-BA 35 PESQUISA DE MICRORGANISMOS ADERIDOS NAS SUPERFÍCIES DE TECLADOS DE MICRO-COMPUTADORES DE LANHOUSES NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS-BA RESEARCH OF MICROORGANISMS ADHERED IN THE KEYBOARDS SURFACES

Leia mais

Aula 3. Instrumentação e técnicas básicas de assepsia. Profa. Dra. Ilana Camargo

Aula 3. Instrumentação e técnicas básicas de assepsia. Profa. Dra. Ilana Camargo Aula 3 Instrumentação e técnicas básicas de assepsia Profa. Dra. Ilana Camargo Instrumentos Câmara de biossegurança / fluxo laminar Autoclave Esterilização pelo calor úmido (vapor sob pressão) Em geral:

Leia mais

APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO MÍNIMO EM VEGETAIS PRODUZIDOS POR AGRICULTORES URBANOS DE SÃO PAULO

APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO MÍNIMO EM VEGETAIS PRODUZIDOS POR AGRICULTORES URBANOS DE SÃO PAULO APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO MÍNIMO EM VEGETAIS PRODUZIDOS POR AGRICULTORES URBANOS DE SÃO PAULO Emilly Heringer Ribeiro¹; Cynthia Jurkiewicz Kunigk² ¹Aluna de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Água potável. Análises físico-químicas e microbiológicas. Larisse Araújo Lima Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB

DOSSIÊ TÉCNICO. Água potável. Análises físico-químicas e microbiológicas. Larisse Araújo Lima Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB DOSSIÊ TÉCNICO Água potável Análises físico-químicas e microbiológicas Larisse Araújo Lima Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB Agosto/2012 Água potável O Serviço Brasileiro de Respostas

Leia mais

Diagnóstico. Diferencial de Vibrio spp,, Campylobacter spp e Espiroquetídeos. Prof. Dr. Fernando Ananias

Diagnóstico. Diferencial de Vibrio spp,, Campylobacter spp e Espiroquetídeos. Prof. Dr. Fernando Ananias Diagnóstico Diferencial de Vibrio spp,, Campylobacter spp e Espiroquetídeos Prof. Dr. Fernando Ananias 1 Campilobacter Exige microaerofilia (5% de CO2, 10% de CO2 e 85% de isolamento em fezes = filtração

Leia mais

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Curso de Medicina Veterinaria Disciplina: Tecnologia e Inspeção de Leite e Derivados Profª Andrea O B Botelho 8 e 9º períodos ROTEIRO DE ESTUDOS - Estes

Leia mais

1 - NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA.

1 - NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA. ANEXO PARTE I 1 - NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA. 1.01 - Não comer, beber ou fumar dentro do laboratório; 1.02- Não usar os refrigeradores ou estufas para conservar ou aquecer alimentos;

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00019/

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00019/ 64 - INST.FED.DE EDUC., CIENC.E TEC.DO NORTE DE MG 5878 - INST.F.ED.,CIENC.E TEC.DO NORT DE MG/C.JANUÁR RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 0009/06-000 - Itens da Licitação - CORANTE CORANTE, TIPO

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Matriz/Analito. Gram - Esfregaço preparado a partir de crescimento bacteriano, na forma física e digitalizada.

Matriz/Analito. Gram - Esfregaço preparado a partir de crescimento bacteriano, na forma física e digitalizada. Folha: 1 de 19 BACTERIOLOGIA Bacterioscopia BAAR e Gram, identificação e teste de susceptibilidade a antimicrobianos de microrganismos ambulatoriais e hospitalares BAAR - Lâmina com esfregaço prepara com

Leia mais

Descrição dos Meios de Cultura Empregados nos Exames Microbiológicos

Descrição dos Meios de Cultura Empregados nos Exames Microbiológicos Descrição dos Meios de Cultura Empregados nos Exames Microbiológicos Módulo IV ÍNDICE 1. Introdução...1 Procedimentos gerais...1 2. Meios de cultura para transporte e conservação...2 Cary Blair... 2 Salina

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CARNE DE JACARÉ DO PANTANAL (Caiman crocodilus yacare) 1

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CARNE DE JACARÉ DO PANTANAL (Caiman crocodilus yacare) 1 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CARNE DE JACARÉ DO PANTANAL (Caiman crocodilus yacare) 1 Fernando Leite HOFFMANN 2,*, Pedro Fernando ROMANELLI 2 RESUMO O objetivo deste estudo foi realizar o levantamento das

Leia mais

GUIA DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA

GUIA DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA GUIA DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA MICROBIOLOGIA PARA COSMÉTICOS BIOKAR Diagnóstico coloca o seu conhecimento à sua disposição para fornecer soluções simples e rápidas para atender suas necessidades. Os laboratórios

Leia mais

Ana Carolina Pedrosa ¹ ; Silvia Helena ZacariasSylvestre ¹ ; Gracie Ferraz Rodrigues Fernandes 1

Ana Carolina Pedrosa ¹ ; Silvia Helena ZacariasSylvestre ¹ ; Gracie Ferraz Rodrigues Fernandes 1 International Journal Of Medical Science And Clinical Inventions Volume 2 issue 07 page no. 1126-1134 ISSN: 2348-991X Available Online At: http://valleyinternational.net/index.php/our-jou/ijmsci Avaliação

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS GELADOS COMESTÍVEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais