UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FELIPE LOPES ESCOTE THALES AUGUSTO PORTO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FELIPE LOPES ESCOTE THALES AUGUSTO PORTO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FELIPE LOPES ESCOTE THALES AUGUSTO PORTO DA SILVA Desenvolvimento de uma Rede Inteligente de Transporte Urbano Monitoramento e Controle de Horários de Veículos do Transporte Coletivo Trabalho de Conclusão de Curso. Prof. Alessandro Brawerman Orientador Curitiba, dezembro de 2010.

2 UNIVERSIDADE POSITIVO Reitor: Prof. José Pio Martins Vice-Reitor: Prof. Arno Antônio Gnoatto Pró-Reitor de Graduação: Prof. Renato Casagrande Diretor do Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas: Prof. Marcos José Tozzi Coordenador do Curso de Engenharia da Computação: Prof. Edson Pedro Ferlin

3 AGRADECIMENTOS Aos nossos pais e familiares, por terem acreditado em nós e nos apoiado durante todos esses anos de graduação, para que pudéssemos chegar até o fim do curso. Aos nossos amigos, pela paciência em tolerar nossas ausências em épocas difíceis, como finais de bimestres e semanas de provas. Aos amigos de trabalho que conquistamos durante os estágios e empregos, que muito nos ensinaram, colaborando em nossa evolução profissional e intelectual. Aos colegas do curso, que nos proporcionaram momentos cooperação e descontração, sendo muito importantes para o baixo nível de alteração em nossa sanidade mental durante esses anos de loucura. Aos professores, pelo empenho e paciência nas aulas, pelos conhecimentos a nós fornecidos, pela dedicação, contribuição e preocupação com a nossa formação acadêmica e pessoal. Aos funcionários e colaboradores da Universidade Positivo, pelo respeito, ética e comprometimento na realização das atividades e no relacionamento com os alunos, em especial, aos funcionários e estagiários do laboratório de altodesempenho, por, diversas vezes, irem de sala em sala procurar proprietários de pen-drives esquecidos nos laboratórios do curso. À Universidade Positivo, pela preocupação com a qualidade do ensino e pela excelente infraestrutura que nos foi disponibilizada, possibilitando um ótimo aprendizado.

4 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 5 LISTA DE FIGURAS... 7 LISTA DE TABELAS... 9 RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Sistemas de Transporte Inteligente Tecnologias de transmissão de dados em redes de telefonia móvel Identificação por Radiofrequência Banco de dados TRABALHOS RELACIONADOS ESPECIFICAÇÃO DO PROJETO Características do Projeto de Hardware Leitores RFID Etiquetas RFID Terminal Java TC65i Painel Informativo Requisitos de Hardware Arquitetura Descritivo do Hardware Descritivo do Software... 31

5 4.4 Algoritmo de cálculo do tempo de espera Recursos necessários VALIDAÇÃO E RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO I - ARTIGO ANEXO II CÓDIGOS FONTE... 54

6 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS A AD ADSL Auto-ID b B BD CMOS DA DNS CPU FTP G GPIO GPRS GSM Hz HSDPA Id IMP-NG IP ITS JSR K Km Ampere Analógico-Digital Asymmetric Digital Subscriber Line Identificação Automática Bit Byte Banco de Dados Complementary Metal Oxide Semiconductors Digital-Analógico Domain Name Service Central Processing Unit File Transfer Protocol Giga General Purpose Input/Output General Packet Radio Service Global System for Mobile Communications Hertz High-Speed Downlink Packet Access Identificador Information Module Profile - Next Generation Internet Protocol Intelligent Transportation Systems Java Specification Request Kilo Quilômetro

7 LED M m MIDP RFID s SGBD SINIAV TCP TTL UML V VCC WWW 2G 3G Light-Emitting Diode Mega Mili Mobile Information Device Profile Radio-Frequency Identification Segundo Sistema Gerenciador de Banco de Dados Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos Transmission Control Protocol Transistor-Transistor Logic Unified Modeling Language Volt Volts Corrente Contínua World Wide Web Segunda Geração Terceira Geração

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Exemplo de utilização do RFID Figura Leitor e transponder principais componentes dos sistemas RFID Figura 4.1 Visão geral do Sistema Figura 4.2 Esquemático do circuito do RFID Figura 4.3 Etiquetas RFID em formato de disco Figura 4.4 Módulo Cinterion TC65i Figura 4.5 Terminal Java TC65i Figura 4.6 Diagrama em blocos de aplicação exemplo Figura 4.7 Painel Informativo Figura 4.8 Esquemático do Painel Figura 4.9 Circuito do Painel em placa de circuito impresso Figura 4.10 Arquitetura do Sistema Figura 4.11 Diagrama de hardware para registro da passagem Figura 4.12 Diagrama de hardware para obtenção de estimativa Figura 4.13 Fluxograma de Firmware Figura 4.14: Fluxograma de software para registro de passagens Figura 4.15: Fluxograma de software para fornecimento de estimativas Figura 4.16 Diagrama entidade relacionamento Figura Emulador Cliente Figura 5.2 Disparador de instâncias do emulador

9 Figura 5.3- Estrutura utilizada para os testes Figura 5.4 Gráfico de Utilização da CPU Figura 5.5 Gráfico do tempo necessário para registro

10 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1 Resumo dos Custos Tabela 5.1 Teste de Desempenho e Precisão Tabela 5.2 Precisão de acordo com a tecnologia de comunicação

11 RESUMO O projeto consiste no desenvolvimento de um sistema, para uso em transporte público, que identifica a passagem de determinados veículos em pontos de embarque/desembarque de passageiros. Com o uso de etiquetas eletrônicas nos veículos e leitores nos pontos de parada, as informações são capturadas e centralizadas em um servidor que armazena e processa os dados recebidos, permitindo que as estações acessem informações sobre a(s) linha(s). Os passageiros recebem por meio de um painel, informações quanto à posição atual do próximo veículo, bem como o tempo estimado para o próximo embarque naquele ponto. Devido à falta de uma rede de comunicação na maioria dos pontos de parada, o sistema realiza a comunicação por meio de modem GPRS, integrado ao terminal da aplicação embarcada. De acordo com a empresa gestora do sistema de transporte da cidade de São Paulo (SPTRANS, 2009), nas ultimas décadas, o controle e monitoração dos veículos de transporte coletivo resumem-se apenas na fiscalização do correto cumprimento das viagens previstas em contrato. Essa gestão passiva do sistema não permite a disponibilização imediata das informações em benefício direto dos passageiros, pois muitas vezes são registradas por fiscais, motoristas e cobradores, em sistemas não informatizados. O objetivo principal desse projeto é criar uma solução de baixo custo e de fácil adaptação, para registrar os horários das passagens dos veículos em seus diversos pontos de parada, a partir da captura de sinais RFID emitidos por etiquetas instaladas nos veículos. Com a automação dos registros podemos melhorar o controle gerencial das frotas pelas operadoras e pelos órgãos que administram o transporte coletivo. Como objetivo secundário, é possível utilizar os registros para calcular uma estimativa de chegada para os veículos, reduzindo o estresse causado pelo desconhecimento do período de espera, aumentando a comodidade do passageiro. Palavras-chave: RFID, GPRS, Java, transporte urbano, transporte coletivo, ônibus, telefonia móvel, celular, rede de comunicação.

12 ABSTRACT The whole project consists in develop a system, for public transportation, that identify the vehicle when it pass through the bus stop or station. Installing sensors at the vehicles and reader equipment in the bus stop/station, the received information are sent to a server that store and process the received data, and provide to passengers, in a dashboard at the bus stop, useful informs about the system as an actual position of the bus in the line and estimating time for the next bus. Because the lack of communication system installed in the most part of stations, it will be necessary to use a GPRS modem, integrated with the embedded application in the terminal. According SP-TRANS, the company that manage the public transportation system in São Paulo city, in the last ten years the only way used for control and monitoring vehicles, consist in observation of the correct time in the stations. The information is passed to a supervisor or manager by the drivers or company agents normally in paper or another non automatized method. There is no way to provide the information immediately to passengers for their use. The main purpose of the project is create a low cost and easy solution to registry the exactly time of the passage of the bus through the station using installed sensors and readers in the vehicles and bus stops. The information comes from devices via RFID to a server. With the automatic data processing it will be possible for the company and passengers to estimate time, control and avoid the problems caused by the traffic, and manage a number of situations that causes delays and/or stress. Keywords: RFID, GPRS, Java, dashboard, bus, mobile communication network, public transportation system, mobile phone.

13 12 1. INTRODUÇÃO O projeto em questão tem a proposta de desenvolver um Sistema para monitorar a passagem de um veículo em seus pontos de embarque/desembarque e gerar uma estimativa da chegada deste nos próximos pontos a serem percorridos. Atualmente, na maioria das cidades, existe a necessidade de fiscalização presencial da pontualidade dos veículos e faltam informações quanto à localização e previsão de suas chegadas a um determinado ponto. O objetivo primário do sistema é facilitar o controle gerencial da operadora quanto aos horários e tempos totais decorridos na viagem, a partir da captura de sinais provindos do veículo ao passar pelos pontos de parada. Como objetivos secundários apresentam-se: Estimar um tempo para a chegada de um veículo a um determinado ponto de espera, com base nos registros armazenados. Fornecimento de informações aos usuários, quanto à passagem do veículo por pontos de parada. Construção de um painel simples e de fácil entendimento para fornecer as informações recebidas sobre o próximo ônibus ao passageiro; Redução do estresse causado pelo desconhecimento do período de espera para embarque, aumentando assim a comodidade ao passageiro; O projeto é composto por um conjunto de hardware e software. O hardware contém o painel informativo, o terminal Java TC65i, o leitor RFID e as etiquetas RFID. O software é desenvolvido em linguagem Java, e é implementado no servidor e nos terminais Java TC65i. Nos terminais, sua função é monitorar a passagem dos veículos e registrá-las no servidor, bem como solicitar ao servidor informações sobre o próximo veículo e enviá-las ao painel. No servidor, o software armazena informações em Banco de Dados e realiza os cálculos das estimativas, trocando essas informações com os terminais. O RFID, como se pode ver na Figura 1.1, é utilizado para detectar e identificar o veículo que passa pelo ponto de ônibus, utilizando sinais de radiofrequência. Nesse artigo, alguns termos são utilizados com um significado específico. Assim, o termo Sistema, sem maiores qualificações, refere-se ao Sistema de Monitoramento e Controle de Horários de Veículos do Transporte Coletivo. O termo Terminal refere-se ao Terminal Java TC65i. O termo Pontos refere-se aos pontos de embarque e desembarque de passageiros.

14 13 Figura 1.1 Exemplo de utilização do RFID. A ênfase do Sistema em questão é oferecer, às empresas e aos órgãos que administram o transporte urbano, um sistema informatizado de registro e fornecimento de dados precisos acerca dos horários e pontualidade dos veículos das frotas, e que permita emissão de relatórios, estatísticas e consultas em tempo real. O restante deste trabalho está dividido da seguinte forma: o Capítulo 2 apresenta noções importantes para a compreensão do projeto, o Capítulo 3 apresenta alguns trabalhos relacionados utilizados como inspiração e base de pesquisa para a execução do projeto, o Capítulo 4 apresenta a especificação do projeto descrevendo as ferramentas utilizadas para o desenvolvimento tanto do hardware quanto do software, o Capítulo 5 apresenta a validação e resultados do projeto com o objetivo de mostrar seu desempenho e, por fim, o Capítulo 6 apresenta a conclusão sobre o projeto, descrevendo o que foi obtido com este trabalho e possíveis melhorias a serem implementadas.

15 14 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo é apresentada a teoria necessária para a compreensão e entendimento do projeto. São abordados os conceitos e recursos tecnológicos necessários para o desenvolvimento e funcionamento do projeto. 2.1 Sistemas de Transporte Inteligente Sistemas de Transporte Inteligente, ou em inglês, Intelligent Transportation Systems (ITS), é a denominação empregada na utilização de tecnologias avançadas, que auxiliem na melhoria e eficiência no controle e gerenciamento dos sistemas de transporte, reduzindo os congestionamentos e a poluição e melhorando a segurança (DRANE/RIZOS, 1998). Os ITS elevam a mobilidade, segurança e produtividade através da integração de tecnologias avançadas de comunicação empregadas na infraestrutura de transportes e nos veículos (US DOT, 2005). A denominação genérica de ITS é empregada para designar um conjunto de tecnologias oriundas das aplicações de telemática nos veículos e nos sistemas de transportes (FERRAZ E TORRES, 2004). Segundo os autores, os exemplos mais comuns de ITS no transporte coletivo urbano são: rastreamento de veículo por satélite, sistema de bilhetagem inteligente no transporte coletivo urbano, registro da passagem dos coletivos por locais predeterminados, comunicação em tempo real com os usuários, utilizando dizeres em painéis digitais e avisos sonoros em alto-falantes, etc.. Observam-se nos conceitos apresentados acima, que a implantação de tecnologias de telemática e comunicação no transporte coletivo, por meio de sistemas ITS, traz grandes benefícios aos passageiros e empresas gestoras, por permitir fornecimento de informações em tempo real, e um maior controle da frota, aumentando a eficiência e qualidade dos serviços prestados. O Sistema de Monitoramento e Controle de Horários de Veículos do Transporte Coletivo, proposto nesse projeto, classifica-se como ITS, já que possibilita o registro dos horários de passagem pelos Pontos em tempo real, de forma centralizada, utilizando para isso, a tecnologia de comunicação móvel via internet denominada GPRS (General Packet Radio Service).

16 Tecnologias de transmissão de dados em redes de telefonia móvel As tecnologias de transmissão de dados em redes de telefonia móvel são elementos essenciais para os ITS, pois permitem a comunicação entre os agentes envolvidos no transporte coletivo, quando é inviável ou impossível utilizar uma infraestrutura cabeada para esse fim. O GSM (Global System for Mobile Communications), visto como um sistema de telefonia de segunda geração (2G) é o padrão de telefonia celular mais popular mundo. Até o final dos anos 90, a difusão da Internet fez a indústria sem fio olhar a transmissão de dados móveis como uma oportunidade de crescimento. Dessa forma, a indústria assumiu a tarefa de definição de sistemas de terceira geração (3G), baseado em dados por pacotes (HALONEN/ROMERO/MELERO, 2003). Com o atraso no lançamento dos sistemas 3G em todo o mundo, foi necessário o desenvolvimento de um serviço intermediário, voltado para transmissão de dados, para o GSM. Esse serviço precisaria atingir certos objetos: Permitir acesso a redes empresariais e a Internet; fornecer velocidade relativamente alta; Acessibilidade contínua para voz e dados; Acesso flexível para otimizar o uso da rede, ou seja, muitos usuários com baixas velocidades, poucos usuários com altas velocidades. O Serviço Geral de Pacotes por Rádio (GPRS) foi o único serviço a atingir todos esses objetivos, e foi concebido como uma extensão ao GSM para a transição entre os sistemas 2G e 3G (SANDERS/THORENS/REISKY/RULIK/ DEYLITZ, 2003). As redes GPRS foram desenvolvidas para suportar os serviços de dados, pois surgiram com o propósito de transmissão por comutação de pacotes, diferentemente das GSM, que utiliza comutação por circuito para voz e dados. No GPRS, os dados são divididos em pedaços (pacotes) e ao chegarem ao receptor são agrupados novamente (JESZENSKY, 2004). Quando o GPRS quebra os dados em pacotes, não bloqueia os recursos da rede, liberando-os para outras transmissões correntes e, portanto, não necessita que a ligação seja cobrada por tempo, mas pelos bits transmitidos. O GPRS provê transparência de suporte ao TCP (Transmission Control Protocol)/IP (Internet Protocol) e isso permite sua integração com a Internet. Protocolo de Internet (IP) é um protocolo usado entre duas máquinas em rede para encaminhamento dos dados. Assim, por meio do GPRS, aplicações do tipo WWW (World Wide Web), FTP (File Transfer Protocol) e podem ser atendidas por esse serviço (PEREIRA/GUEDES, 2004). Por ser um serviço que agrega funcionalidades e vantagens ao padrão GSM, que é 2G, e também por anteceder aos sistemas 3G, o GPRS é conhecido como geração 2,5. Os sistemas 3G, apesar de estarem se popularizando, ainda carece de cobertura de rede, seus módulos para sistemas embarcados ainda tem custo elevado, e, devido a grande utilização por usuários domésticos, podem ser instáveis, tornando-se inviável para o projeto proposto neste trabalho.

17 16 O GPRS hoje é largamente utilizado para rastreamento veicular, em máquinas de pagamentos eletrônicos via cartão bancário, em sistemas de segurança e nos sistemas ITS em geral. Neste projeto, é utilizado o GPRS para a comunicação via Internet entre os terminais, localizados nos diversos Pontos, e o servidor central. A tecnologia é escolhida por atender as necessidades de tráfego de dados do sistema, no que se refere à velocidade e ao tempo de resposta, e por atualmente, ter um custo de implantação muito menor que os sistemas 3G. Além disso, o GPRS está disponível em toda a rede GSM das principais operadoras de telefonia móvel no Brasil. São utilizados dois cartões SIM (Subscriber Identity Module) de operadoras diferentes em cada slot do módulo, de forma a oferecer redundância no acesso a Internet. 2.3 Identificação por Radiofrequência Nos últimos anos, procedimentos de identificação automática (Auto-ID) se tornaram muito populares nas empresas de serviços, logística de compra e distribuição, empresas de manufatura e na indústria em geral. Os procedimentos de identificação automática existem para fornecer informações sobre pessoas, animais, mercadorias e produtos em trânsito (FINKENZELLER, 2003). As etiquetas de código de barras causaram uma revolução nos sistemas de identificação nos ultimos anos, e está se tornando obsoleta para um número crescente de casos. Codigos de barras são extremamente baratos, mas a sua grande desvantagem é a baixa capacidade de armazenamento e ao fato de que eles não podem ser reprogramados (FINKENZELLER, 2003). A solução tecnicamente ideal seria o armazenamento de dados em um chip de silício. A forma mais comum de transporte de dados em meio eletrônico presente diariamente em nosas vidas é o cartão inteligente baseado em campo de contato galvânico (cartão telefônico). No entanto, o contato mecânico usado nesses tipos de cartões muitas vezes é impraticável. A transferência de dados sem contato entre o dispositivo de transporte de dados e seu leitor é muito mais flexível. No caso ideal, a energia necessária para operar o dispositivo eletrônico de transporte de dados, também seria transferida a partir do leitor. Por causa dos procedimentos utilizados para a transferência de energia e de dados, sistemas de identificação sem contato são chamados de sistemas RFID (Radio Frequency Identification) (FINKENZELLER, 2003). Os sistemas RFID são semelhantes ao cartão inteligente descrito acima. Os dados são armazenados em um dispositivo eletrônico de transporte de dados: o transponder. No entanto, o fornecimento de energia e o intercâmbio de dados entre o dispositivo de transporte de dados e o leitor são alcançados sem a utilização de contatos galvânicos, e sim utilizando campos magnéticos ou eletromagnéticos (FINKENZELLER, 2003).

18 17 Na figura 2.1, têm-se os dois componentes que constituem o RFID: Transponder ou etiqueta: que está localizado no objeto a ser indentificado; Leitor: Pode ser apenas de leitura, ou de leitura e gravação do dispositivo. O Leitor normalmente possui um módulo de radiofrequência (transmissor e receptor), uma unidade de controle e uma antena. A maioria possui também, uma interface de comunicação para o encaminhamento dos dados recebidos. O Transponder que representa o dispositivo de transporte de dados de um sistema de RFID, normalmente constituída por uma antena e um microchip eletrônico (FINKENZELLER, 2003). Figura Leitor e transponder principais componentes dos sistemas RFID. Os transponders, ou etiquetas RFID, possuem identificação própria, que pode ser predefinida ou personalizável e são capazes de responder a sinais de rádio enviados por uma base emissora. As etiquetas RFID são classificadas em ativas, semi-passivas e passivas. As ativas utilizam baterias ou fonte de alimentação externa e possuem alcance superior a 5 metros. As semi-passivas utilizam tanto a bateria ou fonte de alimentação quanto o campo magnético gerado pelo leitor para gerar corrente elétrica e possuem alcance de 0,5 a 5 metros. As passivas retiram a corrente elétrica necessária para o funcionamento totalmente do campo magnético gerado pelo leitor e possui alcance de até 50 centímetros. No Brasil, a identificação de veículos por RFID já é utilizado para pagamento de pedágios e estacionamentos. Em breve, com a implantação do SINIAV (Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos), seu uso será obrigatório em todos os veículos (DENATRAN, 2010). Neste projeto, utilizamos a tecnologia RFID para a identificação dos veículos, quando os mesmos passam pelos pontos de embarque/desembarque.

19 Banco de dados Banco de dados é uma coleção de dados relacionados que existe por um longo período de tempo para atender às necessidades de múltiplos usuários dentro de uma ou múltiplas organizações (ALBUQUERQUE, 2000) Os bancos de dados podem ser classificados em: relacional; hierárquico e rede. O modelo relacional usa um conjunto de tabelas para representar tanto os dados quanto a relação entre eles. Um banco de dados hierárquico compõe-se de um conjunto ordenado de árvores, mais precisamente de um conjunto ordenado de ocorrências múltiplas de um tipo único de árvore. Um banco de dados em rede consiste em uma coleção de registros que são concatenados uns aos outros por meio de ligações (ELMASRI/NAVATHE, 2005). Adiciona-se aos tipos citados, o banco de dados orientado a objetos e objetorelacional. O modelo de orientação a objeto está baseado no encapsulamento de código e dados em uma única entidade chamada objeto (SILVA, 2003). O modelo objeto-relacional trata-se de um modelo híbrido, com uma estrutura relacional, adicionando alguns conceitos de orientação a objetos, tais como herança de tabelas, de tipos e a possibilidade de criação de tipos complexos de dados. Um modelo de dados define como os dados são armazenados, organizados e acessados. Existem vários sistemas que realizam o gerenciamento de banco de dados, que são chamados de SGBDs (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados). O SGBD é um software de caráter geral para a manipulação eficiente de grandes coleções de informações estruturadas e armazenadas de uma forma consistente e integrada. Tais sistemas incluem módulos para consulta, atualização e ainda as interfaces entre o sistema e o usuário. O SGBD é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses dados (SILBERSCHATZ, 2006). No sistema aqui proposto nesse trabalho, utiliza banco de dados para armazenamento das informações dos Pontos, veículos e linhas, para registro dos horários de passagens e para realização de cálculos de estimativas. É utilizado banco de dados com modelo relacional, utilizando o SGDB PostgreSQL.

20 19 3. TRABALHOS RELACIONADOS Esse capítulo tem como objetivo relatar e exemplificar os trabalhos relacionados que foram usados como base para a execução do projeto desenvolvido. A similaridade que pode ser encontrada nesses trabalhos é a de utilizar-se de tecnologias de monitoramento para controle de trafego, e transmissão de dados via GPRS/GSM. O SOMArt (Sistema de Ônibus Monitorado Automaticamente em Tempo Real), desenvolvido para o sistema de transporte público de Porto Alegre, é um sistema para monitoramento automático dos veículos ao longo do itinerário. O monitoramento é feito através da passagem dos veículos por antenas fixas, espalhadas na malha viária, as quais capturam informações específicas de cada veículo. Estas informações estão gravadas em etiqueta eletrônica, fixadas nos chassis de cada veículo, que são lidas e transmitidas pelas antenas. O SOMArt utiliza 48 estações fixas espalhadas pela cidade de Porto Alegre, que registram as passagens e, a cada 3 minutos, transmites os registros via GPRS para o sistema SOMA (MARIA LADEIRA/FERNANDO MICHEL/SÉRGIO PAVANATTO, 2009). No Sistema proposto neste trabalho, as estações de monitoramento estão localizadas nos pontos de parada, permitindo o uso da mesma estrutura para interação com os passageiros, como por exemplo, o uso de painéis informativos. Por outro lado, necessita-se de um número muito maior de estações. O SISTEMA PONTUAL é desenvolvido pela empresa Geocontrol, especialmente para a Gestão dos transportes públicos, e traz informações precisas e seguras de toda a frota de ônibus da cidade. Com ele, é possível acompanhar todo o sistema do transporte público em tempo real. A secretaria responsável pela gestão, além de receber relatórios imediatos de toda a movimentação da frota, poderá também, aplicar as correções e medidas necessárias. Com isso, se alcança uma interação muito maior com o sistema de transporte e o usuário poderá usufruir de mais segurança, qualidade e pontualidade (GEOCONTROL, 2010). O Sistema da Geocontrol, assim como a maioria dos sistemas utilizados para rastreamento da frota, utiliza o GPS ou Triangulação de Antenas GSM para o posicionamento do veículo e comunicação GPRS para transmitir essas coordenadas para o sistema de gerenciamento.

21 20 4. ESPECIFICAÇÃO DO PROJETO O Sistema de Monitoramento e Controle de Horários de Veículos do Transporte Coletivo descobre o momento da passagem dos veículos em seus pontos de parada ao longo de sua rota, e com isso, estabelece uma previsão de chegada do próximo veículo, para cada um dos pontos de embarque. Figura 4.1 Visão geral do Sistema

22 21 Na Figura 4.1 têm-se a visão geral do Sistema. A descoberta de tempo de passagem é feita com o uso de etiquetas, instaladas nos veículos, e leitores, instados nos pontos de parada. Ao passar por um ponto de parada, o Módulo inicia um processo de comunicação via GPRS, onde é informado ao servidor de aplicação que determinado veículo passou por aquele local naquele momento. O servidor de aplicação recebe os dados, e realiza o registro no Banco de Dados. Com essa centralização, os registros podem ser utilizados para emissão de relatórios, acompanhamento da frota, controle de pontualidade e consultas pontuais. A base de dados fica armazenada no mesmo servidor de aplicação ou em outro servidor que esteja, de preferência, na mesma rede interna. Em paralelo, o Módulo periodicamente faz uma requisição de estimativa de tempo de chegada do próximo veículo, de uma determinada linha, naquele ponto. Assim, inicia-se outro processo de comunicação via GPRS. O servidor recebe a requisição com os dados do ponto e linha, processa as informações, realizando o cálculo, e o repassa ao requerente. Ao receber a resposta com o tempo estimado para a chegada do próximo veículo, o Módulo disponibiliza essa estimativa no painel, para a visualização pelos passageiros. 4.1 Características do Projeto de Hardware O projeto é composto por um conjunto de dispositivos eletrônicos que se comunicam por meio de vários protocolos. As próximas seções detalham o funcionamento de cada um desses dispositivos Leitores RFID Para o protótipo, são utilizados os leitores RFID Innovations ID-20. Trata-se de um leitor para etiquetas passivas, de curto alcance, com frequência de operação de 125 khz, para leitura de cartões inteligentes ou etiquetas RFID compatíveis com o formato EM4001. O leitor citado acima possui saída de dados nos formatos Wiegand 26bit, Magnet Emulation e ASCII. O sistema em questão utiliza o formato ASCII, pois este pode ser convertido para o padrão RS-232, e o terminal possui bibliotecas e métodos que facilitam a operação com esse tipo de padrão.

23 22 Figura 4.2 Esquemático do circuito do RFID. Como é visto na Figura 4.1, o componente leitor RFID precisa ser conectado a circuito integrado MAX232, para converter os dados ASCII, que são enviados a nível TTL (Transistor-Transistor Logic) / CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductors), para o nível RS-232. Os leitores RFID ficam estrategicamente posicionados nos pontos de parada, para detectar a presença dos veículos nas proximidades Etiquetas RFID São utilizadas etiquetas RFID Akiyama CP/10, com chip GK4001, para a identificação dos veículos. Trata-se de etiquetas passivas com alcance máximo de 10 cm. Esse alcance é o suficiente para o desenvolvimento do protótipo, no entanto, as etiquetas ativas, que possuem alimentação própria, possuem alcance superior a 5 metros.

24 23 Figura 4.3 Etiquetas RFID em formato de disco. Como é visto na Figura 4.2, as etiquetas utilizadas possuem as bobinas nas bordas, em forma de disco, com o chip próximo ao centro. Possuem 3 cm de diâmetro e são adesivas Terminal Java TC65i O Terminal Java TC65i é um produto nacional produzido pela DuoDigit, que utiliza a tecnologia do módulo Cinterion TC65i. O módulo Cinterion TC65i, ilustrado na Figura 4.3, possui uma plataforma aberta, de alta performance, com uma poderosa plataforma Java. A Java Virtual Machine é executada em hardware embarcado, com o processador ARM9 e memória integrada. A grande vantagem do módulo TC65i, é a combinação da plataforma Java e processador, integrado a tecnologia GPRS, com pilha TCP/IP sobre comandos AT(attention), e uma série de interfaces industriais, tais como SPI, barramento I²C, conversor AD (Analógico-Digital) e DA (Digital-Analógico) e GPIOs (General Purpose Input/Output).

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

CH & TCR. Tecnologias de Identificação

CH & TCR. Tecnologias de Identificação Tecnologias de Identificação Código de barras O sistema de identificação conhecido por código de barras teve origem nos EUA, em 1973, com o código UPC (universal product code) e, em 1977, esse sistema

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Velti Ponto (REP) O Velti Ponto está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 10 modelos que se diferenciam pela tecnologia de identificação (leitores),

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso!

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso! Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular Location Based System Monitoramento 24 Horas www.portpac.com.br +55 (16) 3942 4053 Uma parceria de sucesso! SeG Sistemas de Controle Ltda ME CNPJ:

Leia mais

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO Luiz Carlos Miller Araras, outubro de 2010 DA LOCALIZAÇÃO DO DISPOSITIVO: O GPTD captura

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008)

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO POR GPS DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo.

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Autores: Celso Bersi; Economista - Diretor de Transporte Urbano 1) Empresa de Desenvolvimento Urbano e Social de Sorocaba - URBES Rua Pedro de

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES

O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES Rone Evaldo Barbosa Pastor Willy Gonzales-Taco O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Rastreadores Portáteis:

Rastreadores Portáteis: Rastreadores Portáteis: MXT100 ou MXT101: Rastreadores portáteis que podem ser utilizados no monitoramento de pessoas, animais e ativos móveis - como cargas e bagagens - com exatidão de dados e grande

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Modelo Tecnologia de Identificação Display Impressora. Gráfico; Gráfico; Alfanumérico; Gráfico; Alfanumérico; Alfanumérico; Alfanumérico;

Modelo Tecnologia de Identificação Display Impressora. Gráfico; Gráfico; Alfanumérico; Gráfico; Alfanumérico; Alfanumérico; Alfanumérico; O Velti Ponto está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 10 modelos que se diferenciam pela tecnologia de identificação (leitores), tipo de display

Leia mais

- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS

- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS I - Aspectos gerais: 1. Sistema eletrônico para gestão e rastreamento do enxoval hospitalar, composto por etiquetas dotadas

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader WL4i Smart Capítulo 1 - Introdução ao rádio WaveLabs WL4i O rádio WaveLabs WL4i é um leitor RFID UHF Gen 2 fixo de 4 canais com conectividade cabeada (Ethernet) ou sem fio (WiFi) com o sistema empresarial.

Leia mais

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil Características - Único com este conceito no mercado e com preços atraentes; Iluminação frontal, com chave liga/desliga, em quatro opções de cores (azul, verde, vermelho e amarelo); - Possui sistema de

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo; Acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Iluminação frontal, com chave

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores.

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. PROJETO DE PESQUISA 1. Título do projeto Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. 2. Questão ou problema identificado Controlar remotamente luminárias, tomadas e acesso

Leia mais

Fábio Costa e Miguel Varela

Fábio Costa e Miguel Varela Sistema de Informação e Gestão dos Laboratórios do Departamento de Eng.ª Electrotécnica com Tecnologia RFID Projecto Final de Licenciatura em Eng. Electrotécnica e de Computadores Ramo de Electrónica e

Leia mais

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência AEC Access Easy Controller Guia de Referência Índice 3 1. AEC - Vista Geral do Sistema 4 2. AEC - Componentes Principais 6 3. AEC - Configuração 7 4. AEC - Benefícios 8 5. AEC - Como encomendar? 10 6.

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Rastreadores Portáteis:

Rastreadores Portáteis: Rastreadores Portáteis: MXT120: Rastreador/comunicador que permite ao usuário, familiares e/ou responsáveis por pessoas que necessitam de cuidados especiais a localização imediata pela Internet, o recebimento

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo e acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Sistema de amortecimento de giros

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

Manual de Instalação. GPRS Universal

Manual de Instalação. GPRS Universal Manual de Instalação GPRS Universal INTRODUÇÃO O módulo GPRS Universal Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE ACESS, também conhecido como NEXCESS, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas sob a plataforma

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Comunicações móveis unificadas O BlackBerry Mobile Voice System (BlackBerry MVS) leva os recursos do telefone do escritório aos smartphones BlackBerry. Você pode trabalhar

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para

Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para aplicação nos veículos e nos sistemas de transportes. Hoje

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 01 TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 02 Plataforma O TOPLAB foi projetado para funcionar na web, nasceu 'respirando

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

SEJA BEM VINDO A IWEIC RASTRACK VIA SATÉLITE

SEJA BEM VINDO A IWEIC RASTRACK VIA SATÉLITE Manual do usuário: SEJA BEM VINDO A IWEIC RASTRACK VIA SATÉLITE Atuamos dentro dos mais altos padrões nacionais de qualidade, para cumprir nossa missão de proporcionar a nossos clientes o máximo de dedicação,

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões Manual de Instruções Manual de Instruções Esta embalagem contém: Módulo AT1000 1 relé de potência 1 alto falante 1 antena GPS 1 antena GSM 1 soquete p/ relé com cabo 1 conector com cabo Manual de instruções

Leia mais

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento);

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Características Fabricada em aço-carbono com pintura em epóxi preto; Tratamento anti-corrosivo; Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Fechadura para acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

O Conversor Serial Ethernet MUX-10

O Conversor Serial Ethernet MUX-10 O Conversor Serial Ethernet MUX-10 M. B. Pereira, E. Araujo, ENAUTEC e F. Santana, COELBA Resumo - O Conversor Serial Ethernet MUX-10 é um protótipo destinado a interconectar equipamentos baseados em porta

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE CONTROLS, também conhecido como NEXCON, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas pela Nexcode

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

SOLUÇÕES TELEMÁTICAS

SOLUÇÕES TELEMÁTICAS SOLUÇÕES TELEMÁTICAS A Plataforma agora poderá atender à todos estes nichos de negócios, atendendo a cada necessidade de controle de cargas, logística, pessoas e ainda por cima valorizando a segurança

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais