Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM"

Transcrição

1 A Utilização da Energia Eólica e o Desenvolvimento Energético da Sociedade Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2002

2 Substituição da força motriz humana e animal nas atividades agrícolas China 2000 A.C. A Evolução Histórica Utilização da Energia Eólica (A.C.) Imp. Babilônico 1500 A.C. Pérsia 200A.C.

3 Utilização da Energia Eólica (A.C.) Pérsia - 200A.C.

4 Utilização da Energia Eólica (D.C.) Substituição da força motriz humana e anima nas atividades agrícolas Bombeamento de água e diversificação no uso de moinhos de vento Século XI XVII XIX XX Desenvolvimento dos moinhos de vento após as Cruzadas Utilização dos moinhos para bombeamento na Holanda e diversificação do seu uso em toda a Europa

5 Tipos de Moinhos de Vento Post Mill

6 Tipos de Moinhos de Vento Tower Mill

7 Utilização dos Moinhos Para: Moagem de grãos; Serrarias; Bombeamento de água

8 Utilização da Energia Eólica (D.C.) Século XI XVII XIX XX Revolução Industrial Máquina a Vapor Declínio dos Moinhos de Vento

9 Utilização da Energia Eólica no Século XX Novo Paradigma - Utilização do vento para geração de energia elétrica Aerogeradores de Pequeno Porte (expansão territorial e sist. isolados) Aerogeradores de Grande Porte (pesquisas e desenv. industrial) Desenv.e utilização de turbinas eólicas de pequeno porte para suprimento de energia em comunidades isoladas 1900 Participação de vários países em pesquisa de aerogeradores de grande porte II Guerra Uso intesivo de combustíveis fósseis Choque do Petróleo Novos Invest. em pesquisa em energia eólica Acidente de Chernobyl Usinas Eólicas Offshore Turbinas eólicas de 1.5 a 2.0 MW Desenv. da Ind. Alemã

10 Aerogeradores de pequeno porte (Século XX) Desenvolvimento de pequenos modelos para abastecimento de energia elétrica em regiões isoladas durante a expansão territorial dos Estados Unidos e Rússia Desenvolvimento de modelos entre 5 e 25 kw pela Dinamarca Utilização do modelo Jacobs no meio rural entre as décadas de 30 e 60.

11 Aerogeradores de grande porte (Século XX) Turbina Eólica de Brush ( ) Potência de 12 kw Rotor com 17 m de diâmetro Torre de 18m e 144 pás. Acionamento de lâmpadas incandescentes

12 Aerogeradores de grande porte (Século XX) Turbina Eólica Balaclava ( ) Potência de 100 kw Torre de 30m e 2 pás. Interligação com a rede Posicionamento via trilhos

13 Aerogeradores de grande porte (Século XX) Turbina Eólica Smith- Putnam ( ) Potência de 1.25 MW Rotor com 53.3 m de diâmetro Torre de 33.3m e 2 pás. Interligação com a rede

14 Aerogeradores de grande porte (Século XX) Desenvolvimento de pesquisas em energia eólica de grande porte após 2º Guerra Mundial; Iniciativa de vários países tais como França, Dinamarca, Estados Unidos, Rússia, Alemanha e Inglaterra em pesquisas de grandes aerogeradores; Retomada de investimentos em energia eólica após os choques do petróleo na década de 70 na diversificação da geração de energia. O Programa Federal de Energia Eólica (1971), adotado pelos Estados Unidos, promoveu o levantamento eólicos em várias regiões americanas além de pesquisas de várias concepções e materiais utilizados nas máquinas eólicas.

15 Aerogeradores de grande porte (Século XX) Turbina Eólica de Gedser Dinamarca kW Turbina MOD-5B Estados Unidos MW Turbina Eixo Vertical Estados Unidos ( ) 625 kw

16 Avolução comercial das turbinas eólicas

17 Turbinas Eólicas offshore Localização Início de Potência Instalada operação (MW) Fabricante Situação Nogersund, Baltico Abandonada em x 0.22 = 0.22 Wind World (Suécia) 1998 Vindby (Dinamarca) x 0.45 = 4.95 Bonus Em operação Medemblik, Ijsselmeer (Países Baixos) x 0.50 = 2.00 NedWind Em operação Tunø Knob (Dinamarca) x 0.50 = 5.00 Vestas Em operação Dronten, Ijsselmeer (Países Baixos) x 0.60 = Nordtank Em operação Bockstigen, Valar, Baltico (Suécia) x 0.50 = 2.50 Wind World Em operação Vista geral da fazenda eólica offshore de Vindby - DK Detalhe da montagem de uma das turbinas da fazenda eólica de Tunø Knob - DK

18 Potência Eólica Instalada no Mundo (GW)

19 Turbinas Eólicas Instaladas no Mundo Total Instalado 1999: MW Total Instalado 2000: MW Total Instalado 2001: MW*

20 Wind Force 10 A Blueprint to Achive 10% of the World s Electricity from Wind Power by 2020 Cenário Mundial de 10% de Energia Eólica em 2020 Ano Penetração Novas Capac. Capac. Acum. MW MW Produção Anual TWh Demanda Mundial TWh Penetração % ,120 13, , % ,744 17, , % % 4,493 21, , % ,391 26, , % ,470 33,371 73,1 16, % ,411 41, , % ,934 52, , % ,214 66, , % % 18,478 85, , % , , , % , , , % , , , % , , , % , , , % % 70, , ,5 22, % , ,756 1, , % , ,772 1, , % , ,889 1, , % , ,118 1, , % 10% , ,570 2, , % ,897 1,059,467 2, , % ,000 1,509,467 2, , % ,000 2,545,232 6, , % ,000 3,017,017 7, , % Greenpeace International European Wind Energy Association Forum for Energy and Development BTM Consult Investimentos até 2020 US$ 721 bilhões GW Eólicos Custo Médio de Investimento 1999 US$ 975/kW 2020 US$ 556/kW Potência Total Instalada GW GW 1.7 milhões de empregos até 2020 Redução total de 4757 milhões de t. de CO 2

21 O Futuro das Fontes Renováveis de Energia Biomassa Carvão Petróleo e gás Energia Nuclear Renováveis

22 A utilização da energia eólica na matriz energética global mostra-se como uma das mais importantes opções para a geração de energia limpa e sustentável possibilitando assim uma melhor qualidade de vida para as futuras gerações da sociedade.

[r]evolução. energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO. [r]evolução energética CONSELHO EUROPEU DE ENERGIA RENOVÁVEL

[r]evolução. energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO. [r]evolução energética CONSELHO EUROPEU DE ENERGIA RENOVÁVEL [r]evolução energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO Greenpeace/RODRIGO BALEIA CONSELHO EUROPEU DE ENERGIA RENOVÁVEL [r]evolução energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO [r]evolução energética

Leia mais

Caminhos para uma economia de baixa emissão de carbono no Brasil

Caminhos para uma economia de baixa emissão de carbono no Brasil Caminhos para uma economia de baixa emissão de carbono no Brasil Prefácio Líderes de várias nações discutem hoje metas ambiciosas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE), a fim de diminuir

Leia mais

ThyssenKrupp. A empresa no Brasil. Desenvolvendo o futuro.

ThyssenKrupp. A empresa no Brasil. Desenvolvendo o futuro. 3 ThyssenKrupp A empresa no Brasil Desenvolvendo o futuro. Tecnologia, comprometimento e diversificação Nós somos a ThyssenKrupp. Estamos presentes em sua vida, nos detalhes e nas grandes estruturas. Temos

Leia mais

Principais objetivos que integrarão o Plano Nacional de Mudança Climática

Principais objetivos que integrarão o Plano Nacional de Mudança Climática Principais objetivos que integrarão o Plano Nacional de Mudança Climática 1.Fomentar aumentos de eficiência no desempenho dos setores produtivos na busca constante do alcance das melhores práticas. Cogeração

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T13 e 12M13. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Apresentação de Resultados 4T13 e 12M13. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Apresentação de Resultados 4T13 e 12M13 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou

Leia mais

Alternativas Energéticas: Uma Visão Cemig

Alternativas Energéticas: Uma Visão Cemig COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS: UMA VISÃO CEMIG BELO HORIZONTE CEMIG 2012 ISBN: 978-85-87-929-51-8 Copyright: Companhia Energética de Minas Gerais Cemig Presidência:

Leia mais

8.1. INFORMAÇÕES GERAIS

8.1. INFORMAÇÕES GERAIS CARVÃO MINERAL 8 8.1. INFORMAÇÕES GERAIS O carvão é uma complexa e variada mistura de componentes orgânicos sólidos, fossilizados ao longo de milhões de anos, como ocorre com todos os combustíveis fósseis.

Leia mais

Propostas para Inserção da Energia Solar Fotovoltaica na Matriz Elétrica Brasileira

Propostas para Inserção da Energia Solar Fotovoltaica na Matriz Elétrica Brasileira Propostas para Inserção da Energia Solar Fotovoltaica na Matriz Elétrica Brasileira Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Propostas para Inserção da Energia Solar Fotovoltaica na Matriz

Leia mais

O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro

O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro ÍNDICE O BIODIESEL EM POUCAS PALAVRAS... 4 O PROGRAMA... 6 MATÉRIAS-PRIMAS... 9 INDÚSTRIA... 16 AGRICULTURA FAMILIAR.... 20 saúde e AMBIENTE...

Leia mais

Novos caminhos para o mesmo lugar:

Novos caminhos para o mesmo lugar: Novos caminhos para o mesmo lugar: a falsa solução dos agrocombustíveis foto capa: sergiop.cruz/teia zona de plantio de cana na região Xapuri/Acre/Amazônia brasileira. Dados internacionais de Catalogação

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE UMA TURBINA HIDRÁULICA A SER UTILIZADA NA USINA HIDRELÉTRICA EXTERNA DE HENRY BORDEN. Ricardo Luiz Soares Júnior

PROJETO CONCEITUAL DE UMA TURBINA HIDRÁULICA A SER UTILIZADA NA USINA HIDRELÉTRICA EXTERNA DE HENRY BORDEN. Ricardo Luiz Soares Júnior PROJETO CONCEITUAL DE UMA TURBINA HIDRÁULICA A SER UTILIZADA NA USINA HIDRELÉTRICA EXTERNA DE HENRY BORDEN Ricardo Luiz Soares Júnior Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Mecânica da

Leia mais

A COGERAÇÃO E SUA INSERÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO

A COGERAÇÃO E SUA INSERÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA A COGERAÇÃO E SUA INSERÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO GABRIEL DE JESUS AZEVEDO BARJA ORIENTADOR: MARIO OLAVO M. CARVALHO CO-ORIENTADOR:

Leia mais

Série ESTUDOS DA DEMANDA. NOTA TÉCNICA DEA 14/10 Avaliação da Eficiência energética na indústria e nas residências no horizonte decenal (2010-2019)

Série ESTUDOS DA DEMANDA. NOTA TÉCNICA DEA 14/10 Avaliação da Eficiência energética na indústria e nas residências no horizonte decenal (2010-2019) Série ESTUDOS DA DEMANDA NOTA TÉCNICA DEA 14/10 Avaliação da Eficiência energética na indústria e nas residências no horizonte decenal (2010-2019) Rio de Janeiro Julho de 2010 (Esta página foi intencionalmente

Leia mais

AVALIAÇÃO EMERGÉTICA DE UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO A GÁS

AVALIAÇÃO EMERGÉTICA DE UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO A GÁS UNIVERSIDADE LUSÍADA DE VILA NOVA DE FAMALICÃO AVALIAÇÃO EMERGÉTICA DE UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO A GÁS José Manuel Pereira Gomes Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia e Gestão Industrial

Leia mais

MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO (MDL-DCP) Versão 03 - em vigor a partir de: 28 julho de 2006 CONTEÚDO

MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO (MDL-DCP) Versão 03 - em vigor a partir de: 28 julho de 2006 CONTEÚDO página 1 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO (MDL-DCP) Versão 03 - em vigor a partir de: 28 julho de 2006 CONTEÚDO A. Descrição Geral da Atividade de Projeto B. Aplicação

Leia mais

Transformadores eficientes para integração da energia eólica na rede eléctrica

Transformadores eficientes para integração da energia eólica na rede eléctrica Transformadores eficientes para integração da energia eólica na rede eléctrica Tecnologia de transformadores comprovada duradoura para unidades eólicas e parques eólicos www.siemens.com/energy Answers

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade Avanços da indústria brasileira rumo ao desenvolvimento sustentável Síntese dos fascículos setoriais Encontro da Indústria para a Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson

Leia mais

LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE

LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE 1 COLEÇÃO DE ESTUDOS SOBRE DIRETRIZES PARA UMA ECONOMIA VERDE NO BRASIL Autor: Paulo Fleury 2 Realização: Fundação Brasileira para

Leia mais

Suprimento seguro de energia também no futuro A necessidade de uma estratégia européia *

Suprimento seguro de energia também no futuro A necessidade de uma estratégia européia * Suprimento seguro de energia também no futuro A necessidade de uma estratégia européia * FRANK UMBACH O chanceler federal alemão Gerhard Schröder atribuiu a recente elevação dos preços do petróleo para

Leia mais

The Boeing Company Resumo do relatório ambiental de 2014. Construindo um mundo melhor

The Boeing Company Resumo do relatório ambiental de 2014. Construindo um mundo melhor The Boeing Company Resumo do relatório ambiental de 2014 Construindo um mundo melhor POLÍTICA E ESTRATÉGIA AMBIENTAL A inovação e a tecnologia estão no centro do que fazemos na Boeing e são fundamentais

Leia mais

AS OITO GRANDES TENDÊNCIAS DE CRESCIMENTO ATÉ 2020

AS OITO GRANDES TENDÊNCIAS DE CRESCIMENTO ATÉ 2020 AS OITO GRANDES TENDÊNCIAS DE CRESCIMENTO ATÉ 22 Por Giovanni Fiorentino, Lucas Brossi, Ivan Amelong e Ciro Campanatti Giovanni Fiorentino é sócio, Lucas Brossi é gerente, Ivan Amelong e Ciro Campanatti

Leia mais

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!!

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Prefira o transporte público. Além de ser menos poluente, você evitará parte do estresse do dia-a-dia; Use bicicleta ou caminhe sempre que possível.

Leia mais

UNIVERSIDADE SALVADOR (UNIFACS) PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM REGULAÇÃO DA INDÚSTRIA DE ENERGIA

UNIVERSIDADE SALVADOR (UNIFACS) PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM REGULAÇÃO DA INDÚSTRIA DE ENERGIA UNIVERSIDADE SALVADOR (UNIFACS) PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM REGULAÇÃO DA INDÚSTRIA DE ENERGIA ROBERTO LOBO MIRANDA REGULAÇÃO TÉCNICA PARA SE OBTER MELHOR EFICIÊNCIA NA

Leia mais

Mineração MINERAÇÃO É TUDO ISSO! indústria da. Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios...

Mineração MINERAÇÃO É TUDO ISSO! indústria da. Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios... Mineração indústria da Ano IV - nº 27 Setembro de 2009 MINERAÇÃO É TUDO ISSO! Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios... São os destaques da EXPOSIBRAM 2009 e do 13º Congresso

Leia mais

ATLAS DO POTENCIAL EÓLICO PARA PORTUGAL CONTINENTAL

ATLAS DO POTENCIAL EÓLICO PARA PORTUGAL CONTINENTAL ATLAS DO POTENCIAL EÓLICO PARA PORTUGAL CONTINENTAL Paulo Alexandre da Silva Costa Lic. em Ciências Geofísicas Meteorologia e Oceanografia Orientadores: Professor Doutor Pedro Miranda (FCUL) Professora

Leia mais

1- Brasil e China: muitas coisas em comum

1- Brasil e China: muitas coisas em comum As relações comerciais entre Brasil e China e as possibilidades de crescimento e diversificação das exportações de produtos brasileiros ao mercado consumidor chinês 1. Eduardo V.M.Villela * Resumo: AS

Leia mais

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO Clarissa Lins Daniel Wajnberg Agosto 2007 Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Engenheiro Álvaro Niemeyer, 76 CEP 22610-180

Leia mais

Hidroelectricidade. em Portugal. memória e desafio

Hidroelectricidade. em Portugal. memória e desafio Hidroelectricidade em Portugal memória e desafio Hidroelectricidade em Portugal memória e desafio Índice 5 Nota de Apresentação 7 Introdução 11 12 26 30 Parte 1 Capítulo I O passado Capítulo II O presente

Leia mais

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior,

Leia mais