Por Dentro de 3GPP Release 12: Entendendo os Padrões para Avanços em HSPA+ and LTE-Advanced

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Por Dentro de 3GPP Release 12: Entendendo os Padrões para Avanços em HSPA+ and LTE-Advanced"

Transcrição

1

2 RESUMO EXECUTIVO Por Dentro de 3GPP Release 12: Entendendo os Padrões para Avanços em HSPA+ and LTE-Advanced A tecnologia suporta 6,4 bilhões de conexões no mundo inteiro principalmente por causa da normas do 3rd Generation Partnership Project (3GPP). A última versão, 3GPP Release 12 (Rel-12) está chegando no momento que o setor enfrenta um desafio inédito: de absorver o rápido crescimento de tráfego em um ambiente de espectro limitado que não deve melhorar durante os próximos 10 anos, ou mais. O trabalho de desenvolver o Rel-12 começou no final de 2012, quando as normas do Release 11 (Rel- 11) estavam sendo concluídas. O principal objetivo do Rel-12 é de criar novas oportunidade para operações móveis de aumentar capacidade, ampliar a duração da bateria, reduzir o consumo de energia pela rede, maximizar a eficiência, suportar diversos tipos de aplicativos e tráfego, aprimorar o backhaul e oferecer clientes uma experiência mais rica, rápida e confiável. Durante uma oficina para iniciar os trabalhos e reuniões de grupo de trabalho do 3GPP Radio Access Network (RAN), as principais operadoras e fornecedores de equipamentos conversaram sobre novas propostas para a coordenação/gestão de interferência, Time Division Duplexing (TDD) dinâmico, separação de frequências entre células macro e pequenas, Agregação de Portadores (AP) entre estações, backhaul sem fio para células pequenas, e muito mais. A propostas adicionais para tecnologias LTE de múltiplas estações e múltiplas antenas incluíam 3D Multiple Input Multiple Output (MIMO) e formação de feixes, além de mais trabalho em especificações existentes de Transmissão e Recepção Multiponto Coordenada (CoMP) e MIMO. Outros itens incluíam suporte para aplicativos Máquina-à-Máquina (M2M), Redes Auto-Organizadas (SON) e interoperação entre as tecnologias HSPA, Wi-Fi e LTE. O Rel-12 oferece avanços em três áreas: Células pequenas e redes heterogêneas LTE Múltiplas antenas LTE (p.ex. MIMO e formação de feixes) Procedimentos LTE para suportar diversos tipos de tráfego (incluindo mais trabalho sobre a HSPA+) O trabalho inicial sobre o Rel-12 era baseado em um prazo de 18 meses, com a primeira etapa concluída ou "congelada" em março de 2013 e a segunda etapa congelada em dezembro de A recente extensão de prazo adiou a ratificação dos atuais trabalhos sobre o Rel-12 até setembro de 2014, com a conclusão de protocolos de Rede de Acesso via Rádio (RAN) prevista para dezembro de 2014, como parte de um cronograma revisado de 24 meses. Esse documento é uma visão geral das principais novidades do Rel-12 e seus benefícios para operadoras e seus clientes. Para saber mais, visite o site da 4G Americas para visualizar o relatório completo: Evolução de Banda Larga Móvel 4G: 3GPP Release 11 & Release 12 e Além. 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

3 AVANÇOS DO LTE-ADVANCED EM REL-12 A figura 1 mostra como o Rel-12 aproveita das inovações de Rel-10 e Rel-11 para ampliar o desempenho, eficiência e recursos disponíveis. Os três releases também são conhecidos como LTE- Advanced. Figura 1: LTE como Plataforma de Tecnologia Sem Fio do Futuro O Rel-12 define novos recursos e aprimoramentos no downlink para Sistemas de Antenas Ativos (AAS) e MIMO, além de células pequenas, femtocélulas, M2M, Serviços de Proximidade (ProSe), avanços em Equipamentos do Usuário (UE), SON, mobilidade em Redes Heterogeneas (HetNet), Serviços de Transmissão/Multicast para Multimída (MBMS), Local Internet Protocol Traffic Offload/Selected Internet Protocol Traffic Offload (LIPTO/SIPTO), Enhanced International Mobile Telecommunications Advanced (eimta) e Agregação de Portadores em Frequency Division Duplex-Time Division Duplex (FDD-TDD CA). Sistemas de Antena Ativos (Active Antenna Systems - AAS) Os AASs utilizam uma divisão flexível da célula (vertical ou horizontal) e/ou formação de feixes para aumentar a flexibilidade e desempenho do sistema. A Estação Base AAS utiliza múltiplos transceptores em um conjunto de antenas para produzir um padrão de radiação com ajustes dinâmicos. A seletividade espacial é importante nas direções de transmissão e recepção. Por exemplo, comparados com antenas com feixes fixos, os AAS podem experimentar uma seletividade espacial diferente por que não atinge seletividade espacial completa até o processamento da banda base digital dos vários elementos do conjunto. Outro aspecto é a necessidade de criar pontos de referência a partir dos quais 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

4 as necessidade de Radiofrequência (RF) do core são especificadas. Existem duas principais abordagens: definindo as necessidades na fronteira do transceptor ou no campo distante. MIMO para Downlink O Rel-12 inclui dois avanços em Inofrmações sobre o Estado do Canal (CSI): aprimoramento do 4Tx (Transmit) Precoding Matrix Index (PMI) feedback codebook e aperiodic feedback Physical Uplink Shared Channel (PUSCH) mode 3-2. Com os avanços do CSI, o NodeB Evoluído (enb) consegue concluir a entrega de pacotes de dados mais rapidamente comparado com o feedback CSI anterior, aumentando a eficiência do espectro. Os avanços dos livros código 4Tx do Rel-12 estão focados principalmente em antenas com polarização cruzada, e, com isso, a reutilização da estrutura dos livros códigos duplos do 8Tx. Além dos livros códigos aprimorados, um novo aperiodic CSI feedback PUSCH mode 3-2 foi introduzido com o Rel-12 com mais precisão CSI, por que oferecer Indicação de Qualidade de Canal da sub-banda (CQI) e o PMI da sub-banda. Células Pequenas Existem vários tipos de avanços sob consideração para céulas pequenas. Uma pesquisa sobre a Camada Física busca aprimorar a eficiência de espectro do sistema, aumentando a eficiência de transmissão ou reduzindo ou overhead. Os mecanismos sob avaliação para operação eficiente da camada da célula pequena incluem mitigação de interferência e descoberta de células. Uma pesquisa sobre a Camada Superior está focada no solidez de mobilidade, reduzindo a carga do sinal em direção à rede core devido a transferência, e melhor velocidade de transmissão por usuário e mais capacidade do sistema, usando conectividade dupla. Isso se refere a uma situação conde o EU é capaz de usar recursos de rádio de pelo menos dois pontos diferentes da rede: um enodeb Master e um enodeb Secundário conectados com um backhaul não ideal. A solidez da mobilidade pode ser aprimorada mantendo a terminação do plano de controle em modo macro, e, ao mesmo tempo, permitindo a transferência de tráfego do plano do usuário para nós pico dentro de área de cobertura macro. Essa solução também podem reduzir a tráfego de sinalização em direção à rede core, mantendo a âncora de mobilidade dentro da célula macro. O Rel-12 também inclui vários avanços em femtocélulas, incluindo mobilidade para o Home enodeb (HeNB), LTE X2 (Interface entre enbs) Gateway, operações de Comunicação Tipo Máquina do UE (MTC) de menor custo em LTE, avanços relacionados e Otimização do Consumo de Energia dos EU (UEPCOP) e Avanços na Ativação de Dispositivos e Dados Pequenos (SDDTE). O HeNB pe compartilhado por várias operadoras, baseado no princípio que a Rede Pública Móvel em Terra (PLMN) usada no lado alvo será selecionada pela HeNB fonte. O desafio é o fato que o PLMN alvo selecionado deve ser compatível com os EU em termos de assinatura quando aquele HeNB é híbrido/fechado. O Rel- 12 aprimora os procedimentos de mobilidade dos EU ao agregar a capacidade de ler e reportar uma lista de PLMS aceitáveis da célula alvo ao enb fonte (antes da decisão de transferência). Ao receber essa nova lista e ativar a transferência, o enb fonte também ganha a capacidade de verificar que é um PLMN equivalente ou PLMN em operação. O cresciemnto do tráfego de dados leva à densificação da rede, que pode incluir a implementação de múltiplas células pequenas, especialmente vários HeNBs, em cada setor macro. Essa arquiteetura criar vários desafios para a escalabilidade de conexões X2. O Rel-12 viabiliza essa escalabilidade, deixando um enb conectar com seus HeNBs vizinhos através de um ou mais Portais LTE X2 (X2GW). Esse 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

5 recurso é compatível com tecnologias anteriores, no sentido que as conexões do mesmo nível com ser diretas, X2, ou via o X2GW. MTC/M2M O Rel-12 deve aumentar a capacidade do LTE-Advanced de suportar aplicativos MTC/M2M. Um item de trabalho foca em custo reduzido e ampliação de cobertura. Um item de estudo está avaliando soluções RAN com Otimização do Consumo de Energia de EUs (MTCe-UEPCOP) e Avanços de Ativação de Dispositivos e Dados Pequenos (MTCe-SDDTE). O UEPCOP utiliza um estado de economia de energia (ou espera) e um ciclo estendido de Recepção Não-contínuo (DRX) (inativo ou conectado). O SDDTE é responsável por dados sinalizados do Non Access Stratum (NAS) através do plano de controle, abordagens sem conexão sobre o plano do usuário e mantendo EUs em modo conectado para transmissão de dados pequenos. Serviços de Proximidade Em comunicações ProSe, os EUs que estão próximos comunicam diretamente em vez de usar a rede celular. O trabalho de ProSe é dividido pelo 3GPP em descoberta próxima e comunicação direta. O Rel- 12 está focado em viabilizar a comunicação direta via radiodifusão entre equipes de segurança pública quando nenhuma rede está disponível, por exemplo depois de desastres. O processo de descoberta do ProSe identifica EUs próximos e para as operadoras, permite oferecer uma plataforma para descoberta próxima com alta eficiência energética, sensibilidade a privacidade, eficiência de espectro e escalabilidade. O processo pode ser direto ou inicializado no nível de Evolved Packet Core (EPC) e é autorizado pela operadora. A rede controle o uso de recursos utilizados para descoberta. Os tópicos atualmente sendo estudados como parte do projeto de descoberta em RAN 1 são temporização de sinais, projeto de descoberta de sinais, definição de cargas, alocação de recursos e seleção de recursos. Avanços do Receptor do EU Com células mais densas, HetNets e os vários tipos de tecnologia MIMO, os avanços do receptor de EUs são ideais para mitigar a interferência entre células, que cresce nessas situações. O Rel-10 foi o primeiro a definir receptores de EUs com cancelamento e/ou supressão de interferência. O Rel-12 inclui um Item de Estudo focado em cancelamento e/ou supressão de interferência de canais de dados ou controle com a possibilidade de coordenação de redes. Redes Auto-Otimizadas O Rel-12 aprimora os SONs focando em aspectos de interoperabilidade para recursos existentes, e também inclui recursos adicionais. O trabalho inclui a avaliação de diferentes oportunidades com a gestão mais específica de EUs, levando em conta requisitos dependentes do release ligados à capacidade de EUs de serem servidos por um célula que não seja a célula mais forte (extensão de alcance da célula). Um exemplo é as transferência ping-pong com o tratamento diferenciado de vários tipos de EUs e as capacidades dos dois enbs envolvidos no balanceamento de carga. Outros aspectos incluem implementações de rede baseadas em antenas ativas e as novas necessidade da SON administrar a implementação e o impacto sobre recursos atuais das SONs. 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

6 Mobilidade HetNet O Item de Estudo descobriu que o desempenho de transferência em ambientes HetNet é pior comparado com um ambiente apenas macro, em termos de falhas de transferência e ping-pongs. Hoje, a estimativa autônoma do estado de mobilidade do EU é baseado apenas no número de mudanças de célula detectadas em um período específico, e a estimativa do estado de mobilidade pode não ser tão precisa comparada com ambientes apenas macro. O Item de Trabalho de Avanços em Mobilidade pretende melhorar o desempenho geral de transferência. A configuração otimizada de parâmetros e estimativas melhores de velocidade podem ser soluções. A descoberta eficiente de células pequenas é importante para garantir o descarregamento eficiente de células macro para pequenas e conservar a vida da bateria do EU. Além de consumir a bateria, as medições entre frequências que são necessárias para a descoberta precisa de uma célula pequena em outro portador também requerem espaços de medição. Esse Item de Trabalho pretende reduzir o consumo energético do EU sem sacrificar o potencial de descarregamento de dados. Serviços de Transmissão/Multicast Multimídia As operadoras precisam de ferramentas e processos para manter seus serviços e caso de falha de um nó ou interface. Em Rel-12, os avanços em MBMS ampliam esses esquemas de recuperação para incluir todos os nós e interfaces MBMS. O primeiro pilar dos mecanismos de recuperação MBMS incluem o reestabelecimento de sessões MBMS através da interface M3, depois da falha de uma Entidade de Coordenação Múlti Célula/Multicast (MCE) ou falha de um caminho M3. Esse recurso também consegue reestabelecer sessões MBMS através da interface M2 depois da falha de um enb ou falha de um caminho M2. O segundo pilar utiliza a Entidade de Gestão de Mobilidade (MME) depois da falha de um caminho de Multiplexação Especial (ME). Por exemplo, no caso de uma falha permanente de um caminho ME, o portal MBMS consegue selecionar um MME alternativa do grupo. Além disso, embora o Rel-9 introduziu suporte para os serviços MBMS, não houve a definição de qualquer medição de EU que poderia ser reportado para a rede para ajudar a monitorar a qualidade de sinal no EU. Para criar ferramentas melhores para rede com a intenção de monitorar e ajustar os parâmetros operacionais do MBMS, novas medições para sinais de uma Rede de Frequência Simples (SFN) MBMS serão introduzidos no Rel-12. Exemplos das medições da camada de rádio em Redes de Frequência Simples para transmissão Multicast (MBSFN) podem incluir medições de força de sinal, razão de sinal para ruído e taxa de erros. Protocolo de Acesso à Internet Local/Desvio Selecionado de Tráfego de Protocolo Internet Os avanços no LIPA/SIPTO incluem o recurso de "Colocalização SIPTO na rede local". Esse recurso permite descarregar tráfego da Internet do nó RAN através da função embutido de Gateway de Rede de Dados Públicos (P-GW) e enviar esse tráfego para a rede privada. O recurso também incorpora vários nós RAN, desde enb até HeNB e NodeB e HNB. A descarregar o tráfego da Internet diretamente para a rede privada, esse recurso reduz a carga de trabalho da rede core, especialmente para EUs estacionários ou nômades. O recurso "SIPTO de Rede Local com GTW Autônomo" aproveita do recurso "SIPTO acima da RAN" do Rel-10. Mas, o recurso do Rel-12 inclui duas principais diferenças em termos de localização do PGW, 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

7 que viabiliza o descarregamento (para a rede privada) e a colocalização do Autônomo (S-) e PGW. Esse conjunto de nos RAN é servido pelo mesmo gateway, criando o que é chamado de um "Rede Home Local" (LHN). Para a operadora, esse recurso permite oferecer uma função de descarregamento integrada para EUs em movimento dentre de uma LHN, e evitar a questão de falha de conectividade de um ponto único. Enhanced International Mobile Telecommunications Advanced A LTE suporta dois modos diferentes duplex: FDD e TDD. Para melhor usar o espectro de um sistema TDD, uma configuração TDD que reflete o tráfego por ser escolhida. Isso é o escopo do trabalho em eimta. A maioria das redes recebem mais tráfego no downlink (DL) que no uplink (UL). Com isso, a configuração normalmente é mais focado no downlink, baseado em médias da rede a longo prazo. Para aprimorar a utilização de recursos TDD, a adaptação dinâmica de razões uplink-downlink é introduzido em LTE Rel-12. Para implementar a adaptação do tráfego, o EU e configurado com duas configurações TDD a partir da rede. O EU adota uma configuração para comunicação no uplink e uma segunda configuração para o downlink. Como parte do Rel-12, o 3GPP está trabalhando em procedimentos para EUs que permite agregar o espectro TDD e FDD. Uma solução para especificação é agregação de portadores FDD TDD entre um número específico de portadores TDD e FDD. A agregação entre o espectro FDD e TDD poderia ser usado para ampliar a transmissão de dados pelo usuário (pelo menos para AP DL). Esse também seria uma abordagem melhor para dividir a carga da rede entre o espectro TDD e FDD. Outros casos de uso, além de AP para operação conjunta de TDD e FDD, também fazem parte do estudo. Por exemplo, isso inclui suporte para conectividade dupla entre TDD e FDD. A conectivicade dupla cria uma ferramenta para conectar os EUs com células operando em TDD ou FDD, enquanto as células são conectadas com um backhaul com delay maior que o requerido para a AP. As possíveis razões para operação nesse modo incluem maior transmissão para o usuário, menor sinalização do core ou melhor desempenho de mobilidade. AVANÇOS HSPA+ O Rel-12 define múltiplas áreas para melhorar a tecnologia HSPA que inclui UMTS Heterogeneous Networks, largura de banda escalável para Universal Mobile Telecommunication System (UMTS) FDD, avanços de Enhanced Uplink (EUL), alerta de emergência para Universal Terrestrial Radio Access Network (UTRAN), mobilidade HNB, posicionamento HNB para UTRA, MTC e avanços de Dedicated Channel (DCH). UMTS HetNets Para otimizar o desempenho em implementações de células pequenas 3G, o 3GPP está estudando aprimoramentos para UMTS HetNets, focando em ampliando sua capacidade. As opções incluem aumentando ou sintonizando power control/signal-to-interference Ratio (SIR) para redes legadas e/ou um novo canal piloto no uplink para HetNets avançados, e métodos que minimizam a interferência de EUs (não em Soft Handover (HO) entre células macro e o chamado nó de baixa potência (LPN)) oringnaod de um desequilíbrio UL/DL. Um mecanismo que foi identificado para o balanceamento de 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

8 carga simples e efetivo em implementações HetNet é de ampliar a cobertura de Nós de Baixa Potência (LPNs), chamada de "Ampliação de Alcance". O Estudo do Rel-12 pretende avaliar os benefícios para o desempenho do sistema ao adotar a ampliação de alcance com diferentes configurações multi-fluxo, inclusive configurações multi-fluxo de múltiplos portadores e co-canal. Banda Escalável FDD UMTS Os trabalhos do Rel-12 incluem um estudo de viabilidade para identificar opções para suportar larguras de banda UMTS FDD escaláveis e menores que 5MHz. Uma solução principal foi identificada, chamada de "dilatação de tempo" (ou UMTS com dilatação do tempo), que reutiliza a maior parte da estrutura de protocolos da interface de rádio. Outra solução em fase inicial de avaliação é Largura de Banda UMTS Escalável usando filtros, que utiliza o mesmo processamento de BB e a velocidade típica de 3,84 Mbps do sistema UMTS FDD, filtrando o sinal para adaptá-lo a um canal com largura de banda abaixo de 3,84 MHz. Ambas as propostas pretendem aumentar a flexibilidade para a operadora definir como usar seus recursos escassos de espectro. Avanços EUL Cada usuário LTE e UMTS está gerando mais tráfego, e por esse motivo o 3GPP normatizou vários recursos para aumentar o desempenho do uplilnk e downlink HSPA. O Rel-12 identificou oito oportunidades de Uplink Avançado (EUL) para estudar: permitir taxas de bits maiores para o usuário em cenários de tráfego misto, adaptação de taxas para suportar mais potência e controle de taxas para taxas maiores, administração aprimorada de tráfego dinâmico no EUL, avanços em cobertura EUL em combinações de Portador de Acesso via Rádio simples e múltiplo, uma abordagem mais eficiente ao UTRAN em caso de sobrecarga do uplink, redução do overhead no canal de controle UL para operação HSPA, mecanismos para compressão de dados UL entre o EU e a RAN, e soluções de baixa complexidade para balanceamento de carga. Alertas de Emergência para HNBs O UMTS Cell Broadcast não suporta o conceito de áreas de alerta. O Rel-12 inclui um estudo de soluções para administrar Alertas de Emergência para HNBs, como a introdução de uma lista de IDs de Áreas de Emergência, semelhante ao sistema suportado pela LTE. Outros avanços para Mobilidade HNB incluem: Cell Forward Access Channel (CELL_FACH) e Cell Paging Channel (CELL_PCH) e suporte UTRAN Registration Area Paging Channel (URA_PCH) para HNBs. Isso é obtido com a introdução de um método para administrar os Identificadores Temporários da Rede de Rádio do Usuário (URNTIs) onde o HNB-GW aloca blocos de URNTIs ao especificar um prefixo de URNTI a cada HNB sob seu controle, viabilizando esses modos para suporte pelos HNBs do Rel-12. Avanõs DCH para UMTS Os protocolos de acesso via rádio UMTS e HSPA incluem dois tipos princpais de canal de transporte para transportar tráfego através da interface de rádio UTRAN: DCH, usado para transportar tráfego Comutado por Circuito (CS) (e Comutado por Pacote Rel-99)) e os canais HSPA compartilhados, usados para transportar dados em alta velocidade. O Rel-12 inclui trabalho para aumentar a eficiência do link em UMTS. Um Item de Estudo mostrou que otimização da eficiência do Canal Dedicado (DCH) deve beneficiar não somente a capacidade de tráfego CS, mas também o PS/capacidade de dados. 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

9 Algumas das otimizações demonstraram ganhos em transmissão de dados em cenários misturando transferência de voz e dados quando a voz de circuito comutado e transportado por DCH. Essas otimizações são otimização de DCH Frame Early Termination and UL/DL Overhead. Essas otimizações também podem aumentar a duração da bateria do EU. Baseado no resultado desse estudo, o 3GPP está no processo de especificar avanços DCH em rel-12. AVANÇOS DE REDES E SERVIÇOS O Rel 12 inclue inovações em várias áreas, como redes e serviços aprimorados para MTC, segurança pública e integração Wi-Fi, capacidade e estabilidade do sistema, Comunicação via Web em Tempo Real (WebRTC), redução adicional do consumo de energia pela rede, multimídia e uma estrutura para Controle de Políticas e Cobrança (Policy and Charging Control - PCC) Avanços em Comunicações MTE e para Outros Aplicativos de Dados Móveis Um terceiro release de aprimoramentos está em desenvolvimento para dispositivos MTC e aplicativos de dados para smartphones em "Avanços em Comunicações Tipo Máquina e outros aplicativos de dados móveis (MTCe)". As duas principais bases são avanços na ativação de dispositivos e otimizações para consumo de energia para EUs (UEPCOP) e Transmissão de Dados Pequenos (frequente e infrequente) (SDDTE). A transmissão de dados pequenos também pode causar o EU a alternar frequentemente entre um estado inativo e conectado se o EU é colocado no estado inativo logo depois de concluir a transmissão. Essas transmissões frequentes podem ter efeitos adversos sobre a rede e o EU. Uma solução considerada pelo 3GPP é de manter o EU no modo conectado Controle de Recurso de Rádio (RRC) por um período maior para reduzir a transição entre estados e alocar um ciclo longo de Recepção Não Contínuo (DRX) ao modo conectado para evitar um efeito negativo sobre o consumo de bateria. A conclusão do trabalho inclui dependências RAN e o SA2 deve alinhar suas especificações de acordo com as conclusões da RAN. O 3GPP também concordou em introduzir um estado de economizar energia para dispositivos. Segurança Pública Os avanços LTE para a área de segurança pública receberam muito apoio governamental no mundo inteiro e foram estudados pelo 3GPP com Serviços de Proximidade (ProSe) e Habilitadores do Sistema de Chamadas em Grupo para LTE (GCSE_LTE). Os serviços de proximidade (ProSe) precisam de quatro capacidades para suportar os requisitos de segurança pública: descoberta de usuários em proximidade física e que querem comunicações diretas, facilitando a comunicação direta entre usuários com ou sem a supervisão da rede LTE, a capacidade de uma dispositivo móvel de operar como "Equipamento de Usuário para Retransmissão de Rede" para outros dispositivo móvel que está fora da área de cobertura de rede e a capacidade do dispositivo móvel de operar como "Retransmissão de Equipamento de Usuário para Equipamento de Usuário" entre dois outros dispositivos móveis que não estão em comunicação direta. Os Habilitadores de Sistemas de Comunicação em Grupo deve otimizar o ambiente LTE quando existe a necessidade de comunicar simultaneamente com múltiplos usuários. O Serviço de Comunicação em Grupo deve suportar voz, vídeo e comunicação de dados em geral. A incorporação de funcionalidade 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

10 Push-to-Talk (PTT) e comunicação em grupo como parte da infraestrutura LTE e quanto dessa funcionalidade deve ser entregue por serviços de aplicativos não padronizados, ainda está em fase de estudo A utilização desses servidores de aplicativos pode permitir a identificação de organizações ou regiões de segurança pública que terão a capacidade de adequar as operações do sistema às suas necessidades ou situações específicas Interoperação Wi-Fi Muitas operadoras móveis estão usando ou considerando a tecnologia Wi-Fi para complementar suas redes celulares, e desviar tráfego para Wi-Fi em locais onde o espectro celular é muito escasso, entre outras finalidades. A interoperação Wi-Fi com tecnologias 3GPP já é suportado ao nível da Rede Core (CN). Mas, com a crescente popularidade de implementações Wi-Fi controladas por operadoras e maior uso da tecnologia Wi-Fi, avanços são necessários ao nível RAN para interoperação Wi-Fi, melhorando a experiência do usuário, aumentando o controle da operadora e permitindo utilização mais eficiente da rede de acesso. O Rel-12 está focado em soluções aprimorando a mobilidade entre LTE/UMTS e Wi-Fi para pontos de acesso instalados e controlados por operadoras celulares e seus parceiros. Os estudos de viabilidade para interoperação celular Wi-Fi do Rel-12 tem 3 objetivos: Identificar soluções para ampliar o controle da operadora sobre interoperabilidade Wi-Fi e permitir inclusão da tecnologia Wi-Fi na Gestão de Recursos de Rádio (RRM) celular da operadora. Pesquisar aprimoramentos de seleção e mobilidade da rede de acesso que levam em conta informações como a qualidade do elo de rádio por EU, qualidade do backhaul e carga de acesso celular e Wi-Fi. Avaliar os benefícios e impactos de mecanismos identificados em relação a funcionalidades atuais; incluindo mecanismos de interoperabilidade Wi-Fi baseados na rede core (p.ex., Função de Descoberta e Seleção da Rede de Acess (ANDSF)) garantindo que esse tipo de benefício não pode ser resolvido usando os atuais mecanismos normatizados. Três possíveis soluções para interoperabilidade Wi-Fi foram debatidos em 3GPP Rel-12, mas nenhuma foi aprovada até o final de Em separado, o estudo de viabilidade para otimizar o desvio de tráfego avaliou possíveis questões com recursos definidos em releases anteriores para desvio WLAN. O objetivo foi de otimizar os procedimentos 3GPP para desviar o tráfego do WLAN (Redes de Acesso ANs)) e melhorar o seleção de rede e interface para esse tráfego. Sobrecarregamento de Sinalização da Rede Core O Rel-12 estudou várias areas de capacidade e estabilidade do sistema, chegando a uma conclusão: Sobrecarregamento de Sinalização da Rede Core. O foco original era cenários de sobrecarregamento do Home Location Register (HLR) que poderiam ser resultado de várias causas, como falha e reiniciação do Radio Network Controller (RNC) ou ataques de negação de serviços (Dos). O pesquisa de Solução para Sobrecarregamento da Rede Core (FS_CNO) começou em Rel-11 e possui três temas em Rel-12. Um analisa o cenário onde um grande número de usuários induzem notificação para atualização de User Location Information (ULI) simultaneamente, por exemplo, em distritos comerciais, possivelmente causando uma carga excessiva de sinalização dentro do PLMN. Três soluções estão em fase de estudo. 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

11 WebRTC e VoIP O WebRTC opera com navegadores web com suporte para Real-Time Communications (RTC) via JavaScript Application Programming Interfaces (APIs), e com isso os smartphones podem funcionar como terminais de videoconferências. O Rel-12 está desenvolvendo especificações para clientes acessando o serviço de Internet Protocol (IP) Multimedia Subsystem (IMS) usando o WebRTC. A pesquisa de arquitetura envolve desenvolvendo suporte para mídia IMS (inclusive transcodificação) e interoperação de protocolos que o cliente WebRTC precisa para acessar serviços IMS, inclusive cobrança, Qualidade e Servço (QoS), autenticação e segurança. A especificação SA4 do grupo de trabalho 3GPP está desenvolvendo serviços multimídia, codecs e protocolos. Em Rel-12, o SA4 está desenvolvendo um novo codec Voice over Internet Protocol (VoIP) que melhora a qualidade de voz e permite operações a velocidade de transmissão de dados menores. Outros trabalhos incluem pesquisas sobre os códigos High Efficiency Video Coding (HEVC) para melhorar o desempenho e desenvolver aprimoramentos e recursos para MBMS, como multicast sob demanda. Economizando Energia na Rede O Rel-12 apresenta técnicas para aumentar a eficiência energética da rede e reduzir emissões de CO2 e despesas operacionais. Isso inclui mecanismos para ativação de células em cenários de sobreposição em LTE que podem ser baseados em UL (medições da Internet das Coisas ou detecção de Sounding Reference Signal (SRS) pelo enb) ou DL (sondagem). Controle de Políticas e Cobrança O Rel-12 introduz novos recursos para a estrutura de Controle de Políticas e Cobrança (PCC) para oferecer cobrança baseada em aplicativos para os aplicativos descobertos. Os aprimoramentos do sistema no Traffic Detection Function (TDF) são necessários não somente para detectar e fiscalizar aplicativos, mas também para cobrança pela TDF. O Monitoramento de Uso Baseado no Tempo também é incluído em conjunto com o monitoramento de uso baseado em volume, do Rel-11. DESTAQUES INDEPENDENTES DO RELEASE Com a evolução da distribuição de espectro, o 3GPP está sempre atualizando e adicionando novas bandas de frequencia. Uma nova frequência, esquema de agregar portadores ou outros avanços podem ser introduzidos em um release específico, mas podem ser usados por EUs suportando um release anterior. Essa abordagem requer a utilização de novo espectro e permite que os fabricantes de terminais suportem várias bandas de frequências sem atualizar todos os recursos do terminal de acordo com o último release. O Rel-12 adiciona 4 bandas, com outras três sob consideração. Com a conclusão dessas três bandas e agregando todos os releases, um total de 43 bandas foram identificadas para UTRA/EUTRA, de acordo com a tabela do Apêndice A da versão completa do relatório. Normalmente, aproximadamente três bandas são adicionadas por ano. As combinações de AP estão sendo incluídos ainda mais rapidamente. Eram apenas 12 esquemas AP em Em 2013, foram 13 configurações intrabanda e 50 interbanda, indicando o crescimento explosivo de demanda por espectro e a demanda para aumentar a transmissão normal e pico de dados. 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

12 A presença adicional de combinações de um único UL com três portadores de DL refletem o fato que o tráfego DL é muito maior dentro de uma rede moderna e precisamos de capacidade DL adicional para absorver essa demanda. Essa capacidade de servir padrões típicos de tráfego com combinações apropriadas de blocos UL e DL de espectro é uma das grandes vantagens de AP e está ampliando a adoção desse recurso. De acordo com as últimas atualizações, todos os trabalhos do Rel-12 devem ser finalizados até dezembro de 2014, com a conclusão da Etapa 2 dos protocolos RAN. Logo em seguida, a 4G Americas estará publicando uma versão atualizada desse resumo executivo do Release 12. 4G Americas 3GPP Release 12 Executive Summary March

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel As operadoras UMTS estão lançando rapidamente o High Speed Packet Access (HSPA) para capitalizar a capacidade de banda larga móvel e a alta capacidade

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

LTE - Aplicações. Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD

LTE - Aplicações. Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD LTE - Aplicações Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD Contexto Tecnologia Móvel e Tráfego de Dados Source: Cisco VNI Mobile, 2015 Terminais Móveis e Dados http://www.coadydiemar.cm/html/rb_volume6_2012.html

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES MÓVEIS DE 4º GERAÇÃO LTE

QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES MÓVEIS DE 4º GERAÇÃO LTE QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES MÓVEIS DE 4º GERAÇÃO LTE Tiago Barros de Souza, Paulo Roberto Guardieiro Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia MG tiagobs007@gmail.com,

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Solução Acesso Internet Áreas Remotas

Solução Acesso Internet Áreas Remotas Solução Acesso Internet Áreas Remotas Página 1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 1 1. ESCOPO... 2 2. SOLUÇÃO... 2 2.1 Descrição Geral... 2 2.2 Desenho da Solução... 4 2.3 Produtos... 5 2.3.1 Parte 1: rádios

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio : O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio As soluções de banda larga sem fio epmp da Cambium Networks são as primeiras a trazer confiabilidade comprovada em campo, sincronização por GPS, escabilidade e desempenho

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Introdução. UMTS - ntrodução

Introdução. UMTS - ntrodução UMTS - ntrodução Introdução O crescimento sem precedentes verificado nos últimos tempos no mercado da comunicação sem fios, juntamente com os avanços das tecnologias da comunicação e o desenvolvimento

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Parâmetros de qualidade em redes LTE

Parâmetros de qualidade em redes LTE REDES MÓVEIS 80 RTI AGO 2015 Parâmetros de qualidade em redes LTE Luciano Henrique Duque, da LHD Engenharia O artigo apresenta uma forma de extrair os indicadores de qualidade de banda larga em redes 4G

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G.

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G. Interoperabilidade UMTS-to-GSM (IRAT Inter-Radio Access Technology) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Interoperabilidade entre os sistemas UMTS e GSM (IRAT Inter-Radio Access

Leia mais

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo A tecnologia LTE tem sido considerada uma tendência natural para a convergência dos sistemas de telefonia celular de segunda e terceira geração. Essa tecnologia, entretanto,

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Centro de Estudos em Telecomunicações. Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil

Centro de Estudos em Telecomunicações. Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil Centro de Estudos em Telecomunicações Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil AGENDA Introdução Soluções de Acesso em Banda Larga Satélites na Banda Ka Satélites de Alta

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

GTER 25. Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX. Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com

GTER 25. Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX. Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com GTER 25 Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com Pioneira na tecnologia WiMAX, tecnologia estado da arte para transmissão de

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE

Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE Diego dos Santos Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia

Leia mais

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de Técnica do sistema TETRA da Hytera é a solução abrangente e eficiente para todas as aplicações em transmissão móvel profissional. www.hytera.de Num piscar de olhos Para comunicação TETRA profissional TETRA

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Melhore a conectividade sem fio para seus usuários

Melhore a conectividade sem fio para seus usuários Documento técnico de negócios Melhore a conectividade sem fio para seus usuários Conecte-se com Índice 3 Resumo executivo 4 Interferência indesejada 4 Otimize o desempenho e a confiabilidade da WLAN 6

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio Interface Rádio Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (1/23) A transmissão de informação bidireccional (canais ascendente, UL uplink, e descendente, DL downlink) em sistemas duplex pode ser feita por divisão:

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Eng. Ângelo Canavitsas Objetivos Introdução Capacidade dos RDS Arquitetura Sumário Tecnologia e propriedades de um RDS operando como rádio

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS. Redes 3G: Handover na rede UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS. Cesar Nunes Engenheiro de Telecomunicações pela Universidade Estácio de Sá, com formação

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE E DO DESEMPENHO DA COBERTURA CELULAR LONG TERM EVOLUTION EM CURITIBA, PARANÁ

ANÁLISE DA QUALIDADE E DO DESEMPENHO DA COBERTURA CELULAR LONG TERM EVOLUTION EM CURITIBA, PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ EVANDRO CHERUBINI ROLIN ANÁLISE DA QUALIDADE E DO DESEMPENHO DA COBERTURA CELULAR LONG TERM EVOLUTION EM CURITIBA, PARANÁ CURITIBA 2014 9 EVANDRO CHERUBINI ROLIN ANÁLISE

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Aplicativo Transmissão de Vídeo Monitoramento Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Desde o ocorrido em 11 de Setembro, a necessidade de projetos de segurança com vídeo

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais