Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)"

Transcrição

1 Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de serviços de rede de TI&T permitindo alta disponibilidade e segurança no tráfego de dados, voz e imagem entre estas localidades e destas para a Internet ou serviço de telefonia pública A contratação engloba as fases do Planejamento, da implantação, da homologação, da operação, da monitoração, da manutenção, do suporte, da desativação e da desmontagem de toda estrutura da Solução de Rede Local. 2. Compõem a Solução de Rede Local a ser contratada: 2.1. A locação de todos os equipamentos de comunicação ativos da Solução de Rede Local. Todos os equipamentos necessários para a conectividade da Solução de Rede Local com a Internet (por meio de um do ISP Internet Service Provider) e com o sistema de telefonia pública PSTN (usando uma concessionária de serviços telefônicos). Os serviços de Internet e PSTN não fazem parte do escopo deste edital Os serviços de gerenciamento e segurança da Solução de Rede Local, necessários para garantir o funcionamento da solução, devem respeitar os ANS estabelecidos neste edital A equipe Técnica qualificada e em quantidade suficiente para a realização de todas as atividades relacionadas ao planejamento, implantação, suporte e manutenção e desmonte da solução contratada, dentro do cronograma aprovado. O período de execução das atividades está definido no cronograma, no Anexo VI: Cronograma Base da Solução o ANS definido no Anexo II: ANS O Anexo X: Mapa de interconexão das Salas Técnicas e o Anexo VIII: Matriz de Serviços por Sala preveem as características de alta disponibilidade e dupla abordagem de rotas. A Contratada deve avaliar a situação real e realizar as adequações necessárias para execução do projeto. 3. Arquitetura da Rede Local Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 1

2 3.1. A Topologia da LAN a ser proposta pela Licitante no PB deve ser baseada em um modelo hierárquico de 03 camadas, abrangendo diversas localidades, conforme desenho abaixo Camada Core: é o núcleo da rede ou backbone. É formada pelos switches core onde estarão interligados todos os switches da camada de distribuição, como também a conexão com a camada para acesso à serviços externos com serviço de telefonia e acesso à Internet Camada de distribuição (ou agregação). É formada pelos switches de distribuição que fazem as conexões entre as camadas de acesso e core Camada de acesso: nos switches ou Conversores Óticos desta camada estarão conectados os equipamentos dos usuários como: câmeras, impressoras, telefones, computadores, relógios e etc O Anexo VII - Memorial Descritivo dos Itens das Soluções especifica o que cada equipamento, a ser instalado em cada uma das camadas da LAN, deve atender nos quesitos: características físicas, capacidade e desempenho, qualidade de serviço (QoS), gerenciamento, segurança e quais padrões o equipamento deve suportar Com o objetivo de facilitar a integração o gerenciamento da Solução de LAN, todos os equipamentos eletrônicos da LAN devem ser de um mesmo fornecedor Alguns LTAs, onde serão instalados os conversores óticos, podem estar instalados em cofres hermeticamente fechados, chamados de LTA Outdor para CFTV Localidades Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 2

3 São espaços físicos onde serão implantadas as Soluções de Rede Local. Uma localidade poder ser um dos seguintes espaços: prédios, ginásios, centros de convenções, galpões, tendas, contêineres, pátios, auditórios e etc Uma Localidade poderá ter diversos ambientes como: auditórios, escritórios, pátios, salas, salas técnicas etc São localidades as estruturas pré-existentes e / ou as estruturas complementares a serem montadas para eventos específicos. As Localidades complementares em alguns casos estarão fisicamente localizadas dentro dos limites de localidades pré-existentes A Localidade pode possuir uma ou mais rede(s) local(is) própria(s), chamadas neste edital de Rede(s) Legado. Em alguns casos pode ser necessário a expansão da área de abrangência da Rede Legado, a fim de atender as localidades complementares As redes LAN contratadas pelas OS da Contratante são chamadas de Redes LAN Contratadas. Em uma Localidade pode ser necessário instalar diversas Redes Locais Contratadas Em uma Localidade podem conviver diversas redes locais de Legado e Contratadas As informações referente a Rede Contratada e a de Rede Legado estão detalhadas no Anexo VIII: Matriz de Serviços por Sala Para a elaboração do PB, a Licitante deve levar em consideração todas as informações do Anexo VIII: Matriz de Serviços por Sala. As localidades, Ambientes, Redes Físicas, Salas técnica, LAN s Físicas, VLAN s etc. são fictícias. Na OS estas informações serão referente às Localidades e aos serviços contratados Localização dos equipamentos de TI&T Para a instalação física dos equipamentos de TI e telecomunicações, estarão disponíveis as salas técnicas projetadas para abrigar os equipamentos ativos e passivos da rede. O Anexo X: Mapa de interconexão das Salas Técnicas apresenta graficamente as principais Salas Técnicas onde a Solução LAN, do Legado ou Contratada, deve ser instalada para garantir a cobertura dos serviços em todas as Localidades. Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 3

4 Nas salas PTAs, que são as salas principais de telecomunicações e entradas das concessionárias, serão abrigados: os Switches Core das e demais equipamentos de TI&T da rede e das concessionárias Nas salas STA serão abrigados: Switches de distribuição e em alguns casos os Switches de acesso e demais equipamentos passivos para conectividade com a rede Nas salas LTA são abrigados os Switches de acesso. Vale lembrar que muitas vezes os LTAs serão espaços compartilhados com outras atividades. As STA também podem ser armários no relento e/ou em postes para prover conectividade aos equipamentos de CFTV Nas sala de Gerência da Solução de Rede serão instalados os equipamentos da Solução dos Serviços Operacionais da Solução de LAN Serviços Operacionais da Solução de LAN A Licitante deverá propor para a Solução de Rede LAN que contemple os serviços abaixo relacionados: Serviço de Configuração: Serviço RADIUS - Remote Authentication Dial In User Service DHCP: para buscar configurações de rede DNS: para conversão de nomes em endereços IP e vice-versa Serviço de Monitoramento e Gerência: SNMP: para monitoramento de dispositivos de rede (roteadores, switches) e servidores dos serviço da rede LAN Serviço de Segurança Configuração de equipamentos e monitoramento da Solução de LAN contratada A Licitante deverá fornecer todos os itens de TI&T necessários para compor os serviços operacionais da Solução de LAN. Englobando software, hardware e serviços especializados Requisitos Funcionais A rede local deve permitir a conexão dos diversos equipamentos instalados viabilizando a troca de informações com alta performance e dispondo de Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 4

5 mecanismos de redundâncias suficientes para assegurar o cumprimento dos ANS, detalhados no Anexo II: ANS A rede local será o principal meio de comunicação interno viabilizando as chamadas telefônicas, a conexão para acesso a aplicativos e bases de dados, a transmissão de mensagens eletrônicas, transmissão de imagens do serviço de videomonitoramento entre tantas outras funcionalidades Os Níveis de serviço estão definidos no Anexo II: ANS, que detalha quais os indicadores farão parte do ANS da Solução de LAN e as penalidades quando os parâmetros definidos para cada indicador não for atendido São requisitos para comunicações em rede local: A Solução de LAN deverá ser implantada e configurada tendo em vista as condições e restrições impostas pelo ANS definido no Anexo II: ANS Os serviços de monitoramento e de segurança devem ser estruturados, para cada rede LAN física definida neste edital Divisão da Rede em Redes Lógicas e Segregação de Redes e Acessos: A arquitetura da solução de LAN deve ser desenvolvida utilizando-se de metodologias de segurança e desempenho, apresentando camadas de segurança e isolamento entre as funções de cada rede física ou de cada VLAN. Desta forma, a ocorrência de um problema não é replicado para outras redes As camadas lógicas deverão ser implementadas a partir de mecanismos que permitam a segregação dos ambientes com base nos níveis de controles de segurança necessários a cada um deles A divisão e segregação do tráfego entre as redes será realizada por meio de redes virtuais VLANs que estarão detalhadas no Anexo VIII: Matriz de Serviços por Sala a ser entregue com cada OS. Para elaboração do PB, a Licitante deve planejar a construção das VLANs especificadas no mesmo anexo deste edital A visão lógica do serviço de rede local deve manter as seguintes premissas: Monitoramento: todas as redes devem contar com monitoramento contínuo, que permita aferir desempenho e disponibilidade em tempo real e alertar as equipes de suporte e manutenção em caso de incidentes ou anomalias percebidas. Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 5

6 Controle: níveis diferenciados de controles devem existir de acordo com as características exigidas para cada rede, incluindo controle de banda (limitação de velocidade de acesso por porta) e controles de acesso Segurança: todas as redes devem contar com recursos que garantam a segurança dos dados, principalmente para garantir a confidencialidade, integridade, disponibilidade e o não repúdio das informações Priorização: determinadas VLAN s e/ou tipo de serviços podem ser priorizados, em detrimento de outros, durante trânsito nos ativos de rede Serviço de Monitoramento e Gerência Deve monitorar a Solução de Rede Local de forma ininterrupta, acompanhando os níveis de serviços definidos no Anexo II: ANS A solução de gerenciamento deve contemplar o fornecimento de uma solução completa: software, customizações, procedimentos, metodologias, hardware e etc. dimensionadas de acordo com a complexidade de Rede LAN demanda na OS A solução de gerenciamento deve possuir as funções de coleta de dados, registro e aferição, no mínimo, dos indicadores definidos no Anexo II: ANS. Deve garantir também a qualidade e acuidade dos dados coletados, seu armazenamento pelo período da operação e a agregação dos dados para gerar todos os relatórios e as telas especificadas no Projeto Básico O software de gerenciamento deverá: Disponibilizar para cada rede física, uma visão das funcionalidades de monitoramento As visões a serem disponibilizadas devem incluir, obrigatoriamente: Gerenciamento de enlaces de rede física e VLANs atualização: a cada 5 minutos Visão de topologia indicando em vermelho qualquer falha dos itens que compõem a solução A solução de gerenciamento deve exibir na consoles de gerenciamento os alarmes e notificações de incidentes ou problemas de qualquer itens da solução de LAN Utilização percentual dos enlaces (ocupação de banda) Indicadores de desempenho definidos no Anexo II: ANS. Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 6

7 Disponibilidade dos principais segmentos, por segmento Deverá disponibilizar para a Contratante um sistema de acompanhamento do gerenciamento, em formato de página Web, com acesso realizado por meio de login e senha individual Deverá disponibilizar um sistema de registro de ticket de incidentes e de gerenciamento da mudança. 4. Serviços de Segurança 4.1. A Segurança Lógica deverá contemplar minimamente as funcionalidades de VPN, VLAN e Auditoria O tráfego oriundo da Internet direcionado para qualquer rede sob responsabilidade da CONTRATADA deverá estar protegido Devem auditadas as tentativas de login realizadas com sucesso e insucesso nos ativos de rede e eventos de atribuição de recursos em LAN Deverá ser fornecida uma solução de armazenamento centralizado de logs, possibilitando a avaliação de possíveis incidentes de segurança e a realização de auditoria Deverá ser fornecida uma solução de sincronismo de tempo, com fonte oficial de registro de tempo. Esta solução deverá ser adotada para todos os equipamentos da rede Deverá ser fornecida uma solução de detecção e tratamento de anomalia de trafego específica para ataques do tipo DOS Ferramentas de software para monitoramento e controle automatizados de processos de Segurança: Devem ser fornecidas ferramentas de software para o monitoramento e controle automatizados de todos os processos de segurança definidos nesse anexo, bem como, para todas as soluções definidas nesse documento Conforme estabelecido até o fim da vigência do contrato, caberá a contratada prover profissionais capacitados para realizar esse monitoramento e controle por meio das ferramentas de software. 5. Serviço de Implantação, Suporte, Manutenção e Desmonte. Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 7

8 5.1. A Contratada deve garantir que a equipe que prestará este serviço tem a qualificação técnica adequada e o número de especialistas necessários para a realização de cada atividade A equipe da Contratada deve ficar residente nas Localidades onde serão realizadas as macro atividades de implantação, suporte e manutenção e desmonte, conforme definido no cronograma de atividades especificado pela Licitante no PB. Esta equipe será responsável por: Instalar a solução técnica da LAN definida pela Contratada dentro do período especificado no Anexo VI: Cronograma Base da Solução A Contratada deve identificar, com as etiquetas definidas no PB, todos os equipamentos da Solução de LAN e as salas onde o trabalho foi realizado Acompanhar a Homologação dos serviços a serem realizados pela Contratada A Contratada deve oferecer uma equipe de suporte e manutenção para atuar durante todo o período de Suporte e Operação com o objetivo de manter os Meios de Conectividade em plena operação e dentro dos ANS. Esta equipe deve: Monitorar as informações da gerência da Rede analisando seu desempenho, capacidade, tendência de tráfego e todas as exceções ocorridas Possuir a capacitação técnica necessária para executar a configuração de cada solução LAN de acordo com as funcionalidades definidas neste edital de modo a atender o ANS Ser responsável por realizar os ajustes nas configurações de forma a melhorar o desempenho ou reduzir o tempo de atuação em situações recorrentes. Todas as mudanças devem ser registradas e aprovadas, conforme definido neste edital Tratar todas as falhas alarmadas pelas gerencia ou reportadas, garantindo o reestabelecimento da solução dentro do ANS. Mantendo estes registros nos sistemas de ticket e de gerência da mudança Manter backups de configuração dos ativos de rede, de forma que quando necessário, será possível a reconfiguração de itens da rede de forma rápida e sem impactar a disponibilidade ou qualidade dos serviços. Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 8

9 Entregar dos relatórios do serviço de gerenciamento da LAN e participar das reuniões de acompanhamento junto à equipe da Contratante, conforme definido no PEX. Anexo III: Solução de Rede Local V1.0 16/01/ :1204/11/ :30 Página 9

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Anexo V: Solução de Pontos de rede local

Anexo V: Solução de Pontos de rede local Anexo V: Solução de Pontos de rede local 1. Objetivo: 1.1. Contratação de solução de Pontos de Rede de telecomunicação para conexão de diversos tipos de equipamentos eletrônicos como computadores, impressoras,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência

Projeto de Redes de Computadores. Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência Segurança e Gerência são aspectos importantes do projeto lógico de uma rede São freqüentemente esquecidos por projetistas por serem consideradas questões

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

Migrando para um AS Caso Ciblis

Migrando para um AS Caso Ciblis Migrando para um AS Caso Ciblis Fabrício Nunes Monte Fabricio.monte@comdominio.com.br Pablo F. L. Neves pablo.neves@comdominio.com.br 02/12/05 Versão 1.1 Departamento de Redes Apresentação do caso O evento

Leia mais

Roberto Adão radao@multirede.co.ao

Roberto Adão radao@multirede.co.ao Roberto Adão radao@multirede.co.ao A Empresa Multirede 16 anos de experiência em consultoria e educação em tecnologia da informação Casos de sucesso em projetos pioneiros nas maiores redes de comunicação

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Catálogo de Serviços Coordenação Técnica CTE Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Catálogo de Serviços Coordenação Técnica CTE Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Catálogo de Serviços Coordenação Técnica CTE Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Pág. 1/10 1. ATENDIMENTO TÉCNICO O objetivo do setor de atendimento técnico é atender solicitações de usuários

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

APÊNDICE 7.1 DO CONTRATO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS PARA A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE

APÊNDICE 7.1 DO CONTRATO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS PARA A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE APÊNDICE 7.1 DO CONTRATO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS PARA A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE SUMÁRIO 1. Introdução... 1 2. Objetivos... 1 3. Elaboração

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com Objetivos: Entender e assimilar conceitos, técnicas

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET 1. Objetivo As Normas de Segurança para a UNIFAPnet têm o objetivo de fornecer um conjunto de Regras e Recomendações aos administradores de rede e usuários, visando

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados Audiência Pública Aquisição de firewall, switch, licença de antivírus de estação, sistema de gerenciamento centralizado e serviços de instalação, configuração, manutenção e suporte técnico, objetivando

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com No passado, os provedores de serviços de telecomunicações projetavam, implementavam e operavam

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Introdução Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Gerência de redes Monitoração e controle da rede a fim de garantir seu funcionamento correto e seu valor

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

MANUAL CLIENTE TODA A

MANUAL CLIENTE TODA A MANUAL CLIENTE TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho dos serviços de telecomunicações

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio BACKBONE e LANS VIRTUAIS Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio Redes Backbone Um backbone permite que diversas LANs possam se conectar. Em uma backbone de rede, não há estações diretamente conectadas ao

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado

Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado Criação de SCE para integração entre diversos sistemas: dados, voz, imagem Linhas telefônicas transportam dados, voz e imagem em altas velocidades Redes de

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

PTTMetro. 11 Jan 2010

PTTMetro. 11 Jan 2010 PTTMetro 11 Jan 2010 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura PTTMetro http://ptt.br/ Apresentação 1 Sobre o CGI.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A Advanta tem uma parceria de representação e comercialização do sistema de gerenciamento de redes convergentes da AI METRIX.

APRESENTAÇÃO. A Advanta tem uma parceria de representação e comercialização do sistema de gerenciamento de redes convergentes da AI METRIX. APRESENTAÇÃO A Advanta tem uma parceria de representação e comercialização do sistema de gerenciamento de redes convergentes da AI METRIX. AI METRIX é o nome original da empresa que desenvolveu o software

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Rede. Rede. Informação. Infraestrutura. Gerenciamento. Controle. Visão. Ação. Confiabilidade. Informação. Expertise. Rede. Visão. Rede.

Rede. Rede. Informação. Infraestrutura. Gerenciamento. Controle. Visão. Ação. Confiabilidade. Informação. Expertise. Rede. Visão. Rede. Gerenciamento Expertise Expertise Expertise Expertise A OpServices é uma empresa focada no desenvolvimento de soluções de governança de TI, monitoração de processos de negócios e de infraestrutura de TI.

Leia mais

ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP. O edital especifica em seu item 11.1.13.3, transcrito abaixo:

ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP. O edital especifica em seu item 11.1.13.3, transcrito abaixo: ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, em razão de solicitação da empresa TELEMAR NORTE LESTE S.A, torna público aos interessados,

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais