DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015"

Transcrição

1 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

2 PRODUTOS

3 SAFRA 2008/ % Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de 60 kg 78% Arábica 22% Robusta (ou conilon) 33% Mercado Interno 11% Café solúvel 26% EUA Rússia Europa 94% Café torrado 6% Café solúvel FONTES: CONAB E SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO

4 EXISTEM DOIS TIPOS DE CAFÉ: ARÁBICA: tem aroma intenso e variedade de sabores. É o tipo mais produzido e exportado pelo Brasil. A produção de café arábica se concentra em Minas Gerais e São Paulo; ROBUSTA (ou conilon): utilizado para fazer blends e dar maior sabor às variedades de mistura nos cafés expressos e solúveis. A produção de café robusta se concentra no Espírito Santo e em Rondônia.

5 SAZONALIDADE

6 O café é uma cultura perene; o início da produção ocorre a partir de 2,5 anos após o plantio e permanece em formação com aumento progressivo até o 7º ano, quando começa o processo de bienualidade. Um pé dura aproximadamente 20 anos; Plantio em geral ocorre no final do ano, quando inicia o período de chuva (set a dez); Florada setembro a novembro; Formação dos frutos dezembro; Colheita maio.

7 BIENALIDADE DA CULTURA DE CAFÉ É a alternância da quantidade produzida, ou seja, num ano a planta rende bastante, porém no ano seguinte tem produção reduzida. Isso ocorre porque o grão se desenvolve em substituição às folhas. Esse desfolhamento desgasta excessivamente a planta. Na safra seguinte a planta direciona mais energia para a recomposição das folhas do que à produção de grão.

8 BRASIL ANO SAFRA: maio a abril do ano seguinte COLHEITA: maio a setembro; início da florada: setembro COLÔMBIA E VIETNÃ ANO SAFRA: outubro a setembro do ano seguinte

9 Part % SAZONALIDADE DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ ,0% 10,0% 10,0% 9,8% 9,0% 9,2% 9,2% 9,0% 8,0% 7,0% 7,4% 7,8% 8,1% 7,7% 7,5% 7,1% 7,2% 6,0% 5,0% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO

10 SAZONALIDADE DA COLHEITA DE CAFÉ NO BRASIL 35,0% 30,0% 31,0% 25,0% 24,3% 20,0% 15,0% 17,0% 19,7% 10,0% 5,0% 4,0% 4,0% 0,0% 0,0% março abril maio junho julho agosto setembro outubro 0,1% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

11 CUSTOS DE PRODUÇÃO

12 Na região Sul de Minas Gerais, os custos com mão-de-obra respondem por 53% dos custos operacionais e defensivos e fertilizantes por 24%. Os custos com mão-de-obra são elevados pois a maior parte da colheita é manual, em razão da topografia da região que dificulta a operação com colheitadeiras; Na região do Triângulo Mineiro, os custos com mão-de-obra representam um pouco menos, comparativamente ao Sul de Minas, chegando a 40% e os gastos com defensivos e fertilizantes respondem por 22%; No Espírito Santo, que é o maior produtor de robusta, os custos com mãode-obra representam 31%, defensivos e fertilizantes 21%; Na Bahia o solo exige maior correção, por isso os defensivos e fertilizantes representam 30,3% dos custos operacionais, e também há maior necessidade de irrigação, por isso os custos com operação de máquinas e equipamentos chega a 28%, enquanto a mão-de-obra responde por 4%. Os principais custos das torrefadoras são: 55% café, 20% embalagens e energia elétrica 10%.

13 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CAFÉ ARÁBICA EM GUAXUPÉ MG SUL DE MINAS Beneficiamento 1,4% Mão de Obra Fixa 0,6% Outros 9,9% Operação com Máquinas 5,3% Depreciação 7,1% Defensivos Agrícolas 7,8% Mão de Obra Temporária 52,0% Fertilizantes 15,9% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

14 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CAFÉ ARÁBICA PATROCÍNIO MG TRIÂNGULO MINEIRO Mão de Obra Fixa 0,6% Outros 17,4% Beneficiamento 1,7% Defensivos Agrícolas 3,3% Mão de Obra Temporária 39,0% Operação com Máquinas 8,5% Depreciação 10,8% Fertilizantes 18,7% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

15 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CAFÉ CONILON EM PINHEIROS ES Mão de Obra Fixa 0,7% Defensivos Agrícolas 2,2% Outros 18,6% Mão de Obra Temporária 30,3% Operação com Máquinas 7,6% Secagem e Transporte 11,1% Depreciação 11,2% Fertilizantes 18,3% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

16 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CAFÉ ARÁBICA EM LUIS EDUARDO MAGALHÃES BA Mão de Obra Fixa 0,5% Mão de Obra Temporária 3,2% Beneficiamento 4,5% Outros 19,4% Operação com Máquinas 28,0% Defensivos Agrícolas 9,1% Depreciação 14,1% Fertilizantes 21,2% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

17 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CAFÉ ARÁBICA EM FRANCA SP Mão de Obra Fixa 0,6% Beneficiamento 1,1% Defensivos Agrícolas 3,1% Outros 12,2% Operação com Máquinas 4,8% Depreciação 5,2% Fertilizantes 15,2% Mão de Obra Temporária 57,8% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

18 FORNECEDORES

19 Não há relação integrada entre produtores e a indústria torrefadora.

20 REGIONALIZAÇÃO

21 Produção safra 13/14 PRODUÇÃO DE CAFÉ POR ESTADO SAFRA 2013/14 PA RJ 0,2% 0,6% MT 0,3% Outros 0,8% SP 8,2% BA 3,7% PR 3,4% RO 2,8% MG 56,3% ES 23,8% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

22 PRODUÇÃO DE CAFÉ ARÁBICA POR ESTADO SAFRA 2013/14 RJ BA 0,7% 2,8% Outros 1,0% ES 9,1% PR 4,3% SP 10,5% MG 71,5% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

23 PRODUÇÃO DE CAFÉ ROBUSTA POR ESTADO SAFRA 2013/14 PA MG 1,1% 2,6% MT 1,6% BA 6,7% RO 12,5% ES 75,6% FONTE: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO

24 RANKING

25 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DO SETOR

26 EXPORTAÇÕES DE CAFÉ REPRESENTAM 2,2% DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

27 PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Materiais Elétricos e Eletrônicos 1,8% Café 2,2% Papel e Celulose 3,0% Máquinas e Instrumentos 3,7% Produtos Siderúrgicos e Metalúrgicos 5,5% Fumo e Cigarros 1,4% Calçados e Couro 1,6% Açúcar e Etanol 5,7% Produtos Químicos FONTE: SECEX 6,0% ELABORAÇÃO: BRADESCO Suco de Laranja 0,9% Madeira e Manufaturas 0,8% Outros 11,2% Complexo Carnes 6,7% Petróleo e Derivados 9,2% Minérios Metalúrgicos 14,5% Material de Transporte 13,0% Complexo Soja 12,8%

28 PLAYERS NACIONAIS

29 NO BRASIL ATUAM 3 TIPOS DE EMPRESAS NO SETOR: Torrefadoras O mercado é bastante concentrado, as 10 maiores empresas têm 73% da produção de café torrado e moído (entre as empresas associadas da Abic). Há forte atuação de empresas estrangeiras entre as maiores, porém a maior parte das empresas é de pequeno porte e têm administração familiar; Tradings exportam apenas o café verde (em grão). Há também a presença de grandes empresas estrangeiras como Stockler e Coimex; Indústria de Café Solúvel segmento bastante concentrado as 10 maiores respondem por 98% das exportações totais de café solúvel.

30 PLAYERS MUNDIAIS

31 O CAFÉ É PRODUZIDO EM PAÍSES DE CLIMA TROPICAL E O CONSUMO É MAIS ELEVADO EM PAÍSES DE CLIMA FRIO E DE RENDA ELEVADA. DE MODO GERAL, PODE-SE DIZER QUE O CAFÉ É PRODUZIDO NO HEMISFÉRIO SUL E CONSUMIDO NO HEMISFÉRIO NORTE. 73% DO CAFÉ PRODUZIDO É CONSUMIDO PELOS PAÍSES IMPORTADORES E OS 27% RESTANTES PELOS PRODUTORES. O BRASIL RESPONDE POR 15% DO CONSUMO MUNDIAL.

32 NO SEGMENTO DE CAFÉ OS PAÍSES SÃO DIVIDIDOS DA SEGUINTE FORMA CONSUMIDORES/IMPORTADORES: EUA, União Europeia e Japão, respondem por 58% do consumo global. Têm elevado consumo, porém dependem de importação; PRODUTORES/EXPORTADORES: países da América do Sul e Vietnã. Têm baixo consumo interno (exceção para o Brasil) e as exportações são representativas.

33 NO MERCADO INTERNACIONAL DE CAFÉ HÁ 3 GRANDES PLAYERS QUE INFLUENCIAM A FORMAÇÃO DE PREÇOS. JUNTOS RESPONDEM POR 60% DA PRODUÇÃO MUNDIAL E POR 57% DAS EXPORTAÇÕES.

34 BRASIL: Responde por 36% da produção mundial e por quase 30% das exportações. Exporta 67% da produção interna. Safra tem início em maio. Produz café robusta e arábica; VIETNÃ: Responde por 15% da produção mundial e por 20% das exportações. Exporta 96% da produção interna, o consumo interno é muito baixo. Safra tem início em outubro. Produz café robusta; COLÔMBIA: Responde por 6% da produção mundial e por 7% das exportações. Exporta 92% da produção interna, também tem o consumo interno muito baixo. Safra tem início em outubro. Produz café arábica.

35 Part. % Produção - USDA RANKING MUNDIAL DA PRODUÇÃO DE CAFÉ SAFRA 2014/15 México 2,6% Guatemala 2,4% Outros 11,1% Uganda 2,7% Peru 3,0% Brasil 33,3% Honduras 3,4% Índia 3,4% Etiópia 4,3% Indonésia 6,0% Colômbia 8,1% Vietnã 19,7% FONTE: USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO

36 Exportação de café USDA RANKING MUNDIAL DE EXPORTAÇÃO DE CAFÉ SAFRA 2014/15 Guatemala 2,7% Etiópia 2,7% Outros 14,3% Brasil 26,8% Uganda 3,1% Peru 3,6% Honduras 4,0% Índia 4,2% Indonésia 6,0% Colômbia 9,3% Vietnã 23,2% FONTE: USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO

37 Países Consumidores de Café - OIC RANKING MUNDIAL DE PAÍSES CONSUMIDORES DE CAFÉ SAFRA 2014/15 Outros 30,0% União Europeia 30,9% Rússia 3,0% Japão 5,3% Brasil 13,6% EUA 17,2% FONTE: USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO

38 RANKING MUNDIAL DE PAÍSES IMPORTADORES DE CAFÉ SAFRA 2014/15 Outros 24,7% Canadá 3,2% União Europeia 39,7% Rússia 3,8% Japão 6,6% EUA 21,9% FONTE: USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO

39 OS PAÍSES COM MAIOR CONSUMO PER CAPITA DE CAFÉ SÃO OS PAÍSES EUROPEUS, O BRASIL E OS EUA. NA CHINA O CONSUMO É MUITO PEQUENO, NO ENTANTO VEM CRESCENDO. NA COLÔMBIA E NO VIETNÃ, QUE SÃO GRANDES PRODUTORES, O CONSUMO TAMBÉM É MUITO BAIXO.

40 CONSUMIDORES

41 O consumo interno brasileiro gira em torno de 19 milhões de sacas de 60 kg de café; O mercado internacional de café tem uma forte característica de re-exportação, ou seja, alguns países compram o grão para re-exportar para países próximos e de zonas de livre comércio. A reexportação representa em torno de 1/3 das exportações mundiais.

42 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ VERDE 2013 Outros 23,1% EUA 19,3% Eslovênia 2,0% Reino Unido 2,1% França 2,2% Alemanha 18,8% Suécia 2,3% Espanha 2,6% Bélgica 7,8% Itália 9,9% Japão 9,9% FONTE: SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO

43 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ SOLÚVEL 2013 EUA 16,3% Outros 34,8% Rússia 13,5% Ucrânia 6,4% Coréia 2,8% Canadá 3,4% Reino Unido 3,6% FONTE: SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO Alemanha 3,9% Indonésia 4,2% Argentina 5,2% Japão 5,9%

44 FATORES DE RISCO

45 Risco climático. O café é muito sensível a geadas e secas. Os cafezais não florescem com falta de chuva; Incidência de pragas e doenças. As pragas do cafeeiro são: broca do café, bicho mineiro, cochonilha verde, carucho das tulhas, mosca do mediterrêneo. As doenças são: Ferrugem (fungos), Mancha Aureolada (bactéria), Mancha Anular e Pinta (Vírus); Setor exportador dependente do comportamento do câmbio; Commodity sujeita ao comportamento das cotações internacionais. Risco elevado em períodos de alta volatilidade dos preços nos mercados futuros, o que pode levar a perdas com ajuste de margem; Custos de fertilizantes e defensivos agrícolas são cotados em dólar e dependendes da matéria-prima petroquímica.

46 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

47 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* PRODUÇÃO E CONSUMO MUNDIAL DE CAFÉ MILHÕES DE SACAS DE 60 KG Produção Mundial Consumo Mundial FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 19/06/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) Projeção

48 em m ilhões t 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* PRODUÇÃO MUNDIAL Produção Mundial E PREÇOS x Preços INTERNACIONAIS Internacionais de Café DE CAFÉ mil sacas de 60 kg US$ c por libra peso Fontes: OIC e Nybo MIL SACAS DE 60 KG Produção Mundial de Café Preços Internacionais de Café ,0 US$ c / libra peso , , , ,4 200, ,6 160, ,2 126,0 130,7120, ,9 53,5 80,0 40,0 FONTE: NYBOT, USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO

49 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 dez/16 Projeção CAFÉ de preço: ARÁBICA média dos preços futuros - BOLSA DE N YORK (NYBOT) PREÇO FUTURO 1º Café em grão - Bolsa de Nova York - NYBOT Fonte: Bloomberg VENCTO Elaboração: Em US$ cents por libra peso ,0 EM US$ CENTS POR LIBRA PESO 275,0 272,07 225,0 204,99 180,03 197,02 175,0 125,0 115,06 75,0 63,07 65,95 99,48 127,53 96,55 131,18 152,04 108,67 142,45 150,03 117,62 118,63 125,15 67,78 25,0 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO Projeção de preço: média dos preços futuros

50 nov/01 fev/02 mai/02 ago/02 nov/02 fev/03 mai/03 ago/03 nov/03 fev/04 mai/04 ago/04 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 nov/15 PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA E CAFÉ ROBUSTA - BOLSA DE N YORK PREÇOS INTERNACIONAIS DE CAFÉ - BOLSA DE CHICAGO - CBOT PREÇO FUTURO 1º VENCTO Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco (NYBOT) em US$ cents por bushel Projeção de preço: média dos preços futuros em US$ cents por bushel EM US$ CENTS POR LIBRA PESO 300,0 272,07 Café Arábica Café Robusta 250,0 200,0 180,03 205,05 197,02 150,0 100,0 118,63 90,99 50,0 31,75 73,49 0,0 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

51 CONSUMO, PRODUÇÃO E RELAÇÃO ESTOQUE FINAL CONSUMO Consumo, Produção e Relação Estoque Consumo Mundial de Café MUNDIAL DE CAFÉ Fonte e projeção (*): USDA Elaboração: Bradesco ,4% Consumo Produção ,0% Estoque / Consumo 40,0% ,5% ,3% 24,7% ,8% ,0% 35,0% 30,0% 25,0% 21,4% 20,0% ,0% 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* 15,0% FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 19/06/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO

52 89/90 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* PRODUÇÃO MUNDIAL DE CAFÉ ARÁBICA E ROBUSTA (USDA) MIL SACAS DE 60 KG Arábica Robusta FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 19/06/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) Projeção

53 PRODUÇÃO MUNDIAL DE CAFÉ PRINCIPAIS PAÍSES PRODUTORES Em mil sacas de 60 kg País Safra 09/10 Safra 10/11 Safra 11/12 Safra 12/13 Safra 13/14 Safra 14/15 Safra 15/16* Produção Brasil Exportação Produção Vietnã Exportação Produção Colômbia Exportação Produção Mundial Exportação FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 19/06/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) Projeção

54 CONSUMO MUNDIAL DE CAFÉ Em mil sacas de 60 kg 2010/ / / / / /16* Crescimento Part. % médio anual 1. Países Produtores ,8% 29,6% Brasil ,0% 13,9% Indonésia ,4% 2,1% Vietnã ,3% 1,5% Colômbia ,6% 0,8% Índia ,2% 0,9% Outros produtores ,5% 10,4% 2. Países Importadores ,5% 70,4% 2.1 Países Importadores Desenvolvidos ,1% 55,6% União Europeia ,1% 29,7% EUA ,6% 16,0% Japão ,9% 5,3% Canadá ,3% 3,4% Austrália ,6% 1,1% 2.2 Países Importadores Emergentes ,3% 14,8% Rússia ,9% 3,3% Ucrânia ,0% 0,8% China ,4% 1,2% Outros ,2% 9,5% 3. Mundial ,1% 100,0% FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 19/06/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO

55 2003/ / / / / / / / / / / / /16* PARTICIPAÇÃO % DOS GRUPOS DE PAÍSES NO CONSUMO MUNDIAL DE CAFÉ Fonte e projeção (*): USDA Elaboração: Bradesco PARTICIPAÇÃO % DOS GRUPOS DE PAÍSES NO CONSUMO MUNDIAL DE CAFÉ ,0% 62,8% 61,7% 61,1% 60,4% Produtores Importadores Desenvolvidos Importadores Emergentes 56,8% 55,8% 56,1% 55,6% 46,0% 28,0% 24,2% 25,5% 24,8% 26,9% 28,4% 29,6% 29,4% 29,6% 12,9% 12,8% 14,1% 14,3% 13,2% 14,1% 14,5% 14,8% 10,0% FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 19/06/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO

56 CRESCIMENTO MÉDIO ANUAL DO CONSUMO DE CAFÉ Crescimento médio anual do consumo global de café Fonte: USDA Elaboração: Bradesco Produtores Part. 30% 3,8% Importadores Emergentes Part. 15% 3,3% Mundial 2,1% Importadores Desenvolvidos Part. 55% 1,1% 0,0% 0,9% 1,8% 2,7% 3,6% 4,5% FONTE E PROJEÇÃO: USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO

57 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* ÁREA PLANTADA COM CAFÉ EM MIL HECTARES FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

58 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* NÚMERO DE CAFEEIROS PLANTADOS POR ÁREA COM CAFÉ EM NÚMERO DE PÉS POR MIL HECTARES FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

59 Em sacas por ha PRODUTIVIDADE DA LAVOURA DE CAFÉ /95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* 30,0 EM SACAS POR HECTARE 24,0 18,0 12,0 11,2 11,8 19,3 14,5 15,7 12,9 21,0 13,1 17,7 14,9 19,8 16,6 21,2 18,9 23,2 21,1 24,8 24,4 23,3 21,8 7,4 7,8 6,0 0,0 FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

60 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16* PRODUÇÃO NACIONAL DE CAFÉ EM MIL SACAS DE 60 KG Safra 15/16 Mil sacas 60 kg Var. % 1º Levantamento Jan/ º Levantamento Jun/ ,4% 3º Levantamento Set/ ,8% 4º Levantamento Dez/ FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

61 PRODUÇÃO NACIONAL DE CAFÉ POR REGIÃO SAFRA 2014/ /16 Estado Área hectares Var. % Produção Arábica mil sacas Produção Robusta mil sacas Produção total mil sacas Var. % Produtividade sacas / ha Var. % Minas Gerais ,2% ,1% 24,0 5,4% Sul e Centro-Oeste ,8% ,4% 21,9 1,5% Cerrado (Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste) ,9% ,2% 29,6-10,6% Zona da Mata (Jequitinhonha, Mucuri, Rio Doce, Central e Norte) ,4% ,0% 24,1 26,9% Espírito Santo ,5% ,3% 27,0-8,7% São Paulo ,7% ,4% 22,1-3,8% Paraná ,2% ,0% 24,8 47,8% Bahia ,6% ,1% 16,4-0,5% Rondônia ,0% ,4% 18,1 5,4% Mato Grosso ,0% ,0% 8,2 0,0% Pará ,0% ,1% 15,7-0,1% Rio de Janeiro ,0% ,0% 22,9 0,0% Outros ,0% ,0% 22,4 14,0% Brasil ,6% ,04% 23,4 0,7% FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

62 PRODUÇÃO NACIONAL DE CAFÉ POR REGIÃO SAFRA 2015/ /16 Estado Área hectares Var. % Produção Arábica mil sacas Produção Robusta mil sacas Produção total mil sacas Var. % Produtividade sacas / ha Var. % Minas Gerais ,8% ,6% 22,6-6,8% Sul e Centro-Oeste ,7% ,1% 21,6-4,4% Cerrado (Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste) ,2% ,1% 24,8-16,3% Zona da Mata (Jequitinhonha, Mucuri, Rio Doce, Central e Norte) ,5% ,5% 22,9-4,0% Espírito Santo ,7% ,2% 24,1-0,5% São Paulo ,0% ,0% 18,8 0,0% Paraná ,1% ,2% 27,2 5,3% Bahia ,0% ,4% 16,0-1,4% Rondônia ,0% ,9% 19,5-7,9% Mato Grosso ,7% ,7% 6,3-15,1% Pará ,0% ,0% 13,4 0,0% Rio de Janeiro ,0% ,2% 24,6-0,2% Outros ,2% ,1% 21,8-4,2% Brasil ,6% ,8% 21,8-4,1% FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

63 PRODUÇÃO NACIONAL DE CAFÉ ARÁBICA E ROBUSTA Café Robusta Café Arábica / / / / / / / / / / / / / /16* FONTE E PROJEÇÃO: CONAB 3º levantamento setembro/15 ELABORAÇÃO BRADESCO (*) Projeção

64 Fonte e projeção (*): Abic Elaboração:Bradesco Consumo nacional de café CONSUMO NACIONAL DE CAFÉ Em milhões de sacas de 60 kg 21,3 18,3 15,3 MILHÕES SACAS DE 60 KG 20,3 20,1 20,3 19,7 19,1 18,4 17,7 17,1 16,3 15,5 14,9 12,3 9,3 8,2 8,5 8,9 9,1 9,3 13,6 14,0 13,7 13,2 12,7 12,2 11,0 11,5 10,1 6,3 FONTE: ABIC ELABORAÇÃO: BRADESCO

65 Consumo interno de café CONSUMO NACIONAL DE CAFÉ ,0% 8,0% 8,6% 8,9% 8,8% 6,0% 4,0% 3,7% 4,7% 6,1% 4,5% 4,1% 3,9% 3,0%2,9% 4,0% 5,2% 4,9% 3,5% 4,0% 3,8% 3,2% 3,1% 2,0% 2,2%2,2% 1,1% 0,0% -2,0% -2,1% -1,2% -4,0% FONTE: ABIC ELABORAÇÃO: BRADESCO

66 US$ milhões Exportações de Café (grão e solúvel) EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ VERDE E SOLÚVEL EM VALOR EM MILHÕES US$ FONTE: SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO

67 EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ VERDE E SOLÚVEL EM VOLUME EM MIL TONELADAS FONTE: SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO

68 Exportações de Café (grão e solúvel) PREÇO MÉDIO DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ VERDE E SOLÚVEL EM US$ POR TONELADAS FONTE: SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO

69 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 dez/16 Em R$ por saca 60 kg CAFÉ ARÁBICA CEPEA ESALQ PREÇO AO PRODUTOR PRAÇA SP EM R$ POR SACA DE 60 KG Café Arábica - Preço ao Produtor - Praça São Paulo Fonte: Cepea Esalq Elaboração e Projeção: Bradesco 590,0 540,0 530,8 543,4 490,0 440,0 390,0 340,0 290,0 337,0 291,4 269,8 328,0 457,8 408,6 387,5 366,3 478,1 424,0 467,9 240,0223,6 190,0 239,8 230,4 245,8 247,5 282,2 247,7 140,0 90,0 104,4 FONTE: CEPEA ESALQ ELABORAÇÃO: BRADESCO

70 Depec-Bradesco O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JANEIRO DE 2009

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JANEIRO DE 2009 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JANEIRO DE 2009 1 2 PRODUTOS CAFÉ 45,8 milhões de sacas de 60 kg 77% Arábica 23% Robusta (ou conilon) SAFRA 2008/2009 63% Exportação 37% Mercado

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

CAFÉ NOVEMBRO DE 2016

CAFÉ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Janeiro de 2013 Mudanças estruturais no mercado de café devem favorecer fluxos mais equilibrados de oferta e de demanda, implicando menores níveis de volatilidade das cotações Regina Helena Couto Silva

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Junho de 2015 Cotação do açúcar deve seguir em baixo patamar, refletindo elevado nível de estoques globais Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O nível de estoques de açúcar

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO

AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO Outubro de 2013 Panorama Macroeconômico As atenções do mercado externo seguem concentradas nos EUA, tanto em relação aos próximos passos do Fed como aos impasses políticos. A

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO

AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO Outubro de 2012 Panorama Macroeconômico Após nova rodada de afrouxamento monetário implementado pelos Bancos Centrais dos EUA, da Europa e do Japão, os preços dos instrumentos

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quarta-feira, 18 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 133,50 0,00 0,00-4,85 SET13 111,05 114,75 111,10-3,75

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE CALÇADOS Pecuária Couros Importação de insumos Importação de calçados prontos Petroquímica

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 PRODUTOS HIGIENE PESSOAL 61% Sabonetes Higiene Oral Desodorantes Talcos Higiene Capilar Produtos para Barbear Fraldas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

Café. 1. Mercado internacional. Jorge Queiroz

Café. 1. Mercado internacional. Jorge Queiroz Café Jorge Queiroz 1. Mercado internacional O United States Department of Agriculture (USDA) está projetando uma produção mundial para a safra 2014/15 de 148,67 milhões de sacas. Quanto ao consumo mundial,

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quinta-feira, 12 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 140,25 0,00 0,00 4,40 SET13 116,45 116,00 114,00

Leia mais

SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016

SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup Mercado Externo Segundo relatório de abril do U.S Departament of Agriculture USDA, a produção de milho dos EUA será 2,8% maior do que na safra anterior, com uma estimativa de produção total de 361,1 milhões

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5 99 101 103 107 109 60% 29% 24% K2O 34 36 40 41 42 24 23 27 29 30 2008

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA Setembro 2014 Belo Horizonte MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção e Produtividade

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sábado, 14 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,00 0,00 0,00-0,70 SET13 115,55 115,70 115,70-0,70

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais