GOVERNO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA"

Transcrição

1 Termo de Referência para desenvolvimento de projetos com o uso da Modelagem da Informação da Construção (BIM) Equipe Técnica Responsável pelo Desenvolvimento Adriano Oliveira MaxiCAD Arq. Bárbara Godeny Secretaria de Estado da Saúde Eng. Bruno Caviquioni Hillesheim Secretaria de Estado do Planejamento Eng. Claiton Bortoluzzi Secretaria de Estado do Planejamento Prof. Dr. Eng. Leonardo Manzione Coordenar Consultoria de Ação Eng. Rafael Fernandes Teixeira da Silva Secretaria de Estado do Planejamento Eng. Rubens Eduardo Uhlmann Secretaria de Estado do Planejamento Eng. Wesley Cardia, Esp. Secretaria de Estado da Saúde Março 2014

2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA COM RELAÇÃO AO PROJETO E A INFORMAÇÃO BIM RECONHECIMENTO GESTÃO DO PROJETO FISCALIZAÇÃO COMPATIBILIZAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO NORMAS, RESOLUÇÕES, LEGISLAÇÃO E PADRÕES DE REFERÊNCIA DIVERGÊNCIAS MODELAGEM DA INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO - BIM DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS COM O USO DA MODELAGEM DA INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO (BIM) ETAPAS DO PROCESSO DE PROJETO E OS PRODUTOS DE CADA ETAPA PROGRESSÃO DO PROJETO EM ETAPAS BASEADAS NA EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO DO MODELO ETAPA 01: CONCEPÇÃO (ESTUDOS PRELIMINARES) - ND ESCOPO DE ATIVIDADES DA ETAPA 01 ND 100: ETAPA 02: DEFINIÇÃO (ANTEPROJETO) - ND ESCOPO DE ATIVIDADES DA ETAPA 02 ND 200: ESCOPO DE ATIVIDADES DA ETAPA 02A PROJETO LEGAL ND 200: ETAPA 03: DESENVOLVIMENTO (PROJETOS EXECUTIVOS) - ND ESCOPO DE ATIVIDADES DA ETAPA 04 DESENVOLVIMENTO ND ESCOPO DE ATIVIDADES DA ETAPA 04A DESENVOLVIMENTO ND ETAPA 04 CONCLUSÃO E GERAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO ND ESPECIFICAÇÃO TÉCNICAS DIRETRIZES PARA A MODELAGEM DA INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO IFC - O PADRÃO ABERTO INTERNACIONAL PARA BIM VISÃO GERAL DA ARQUITETURA DO IFC...33

3 REQUISITOS GERAIS PARA A MODELAGEM DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO (BIM) SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO EDIFÍCIO CLASSIFICAÇÃO OMNICLASS CLASSIFICAÇÃO UNIFORMAT EXEMPLOS DE CLASSIFICAÇÃO INFORMAÇÕES MÍNIMAS NECESSÁRIAS NOS ELEMENTOS DO MODELO BIM DOCUMENTO MODELO PARA CONSTRUÇÃO BIM ESCALAS NÍVEL DE DETALHES CODIFICAÇÃO ELEMENTOS TOPOGRÁFICOS E GEOGRÁFICOS VISTAS DIRETÓRIOS (PASTAS) E NOMES DE ARQUIVOS DIRETÓRIOS NOMES DE ARQUIVOS DO PROJETO E DESENHOS TABELA DISCIPLINAS DE PROJETO TABELA - FASES DE PROJETO TABELA - PLANOS DE PROJEÇÃO TABELA - LOCALIZAÇÃO NOMES DAS PÁGINAS DE IMPRESSÃO BLOCOS E FAMÍLIAS EXTENSÕES COMPOSIÇÃO DIREITOS AUTORAIS TABELAS CLASSIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES NAS TABELAS TABELAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO TABELAS DO PROJETO ESTRUTURAL TABELAS DOS PROJETOS COMPLEMENTARES OUTRAS TABELAS DE QUANTITATIVOS TABELAS DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS ORÇAMENTO PARA EXECUÇÃO O ORÇAMENTO FORMA DE APRESENTAÇÃO DO ORÇAMENTO...65

4 INFORMAÇÃO BASE PARA MONTAGEM DO ORÇAMENTO COMPOSIÇÃO DE CUSTO UNITÁRIO PLANILHA PADRÃO DE ORÇAMENTOS ARQUIVO DIGITAL DO ORÇAMENTO RESPONSABILIDADE TÉCNICA PELO ORÇAMENTO PLANEJAMENTO PRELIMINAR DE EXECUÇÃO DE OBRA DIRETRIZES PARA DEFINIR O PLANEJAMENTO PRELIMINAR ENTREGA DO PLANEJAMENTO PRELIMINAR GERENCIAMENTO DO MODELO DE INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO (BIM) GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO DE INTERFERÊNCIAS E CONFLITOS NO MODELO BIM REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...71

5 Lista de Figuras Figura 1: O BIM e o ciclo de vida da edificação Figura 2: Conceito de modelo linkado...20 Figura 3: Etapas de progressão do Processo de Projeto...24 Figura 4: Elementos BIM e a evolução das suas propriedades...25 Figura 5: Conceito do ND Figura 6: Conceito do ND Figura 7: Conceito do ND Figura 8: Conceito do ND Figura 9: Visão geral do esquema IFC4...34

6 Lista de Tabelas Tabela 1: Fases do Modelo BIM...14 Tabela 2:Exemplos de atributos geométricos e não geométricos dos elementos em BIM...22 Tabela 3: Requisitos gerais para a modelagem da informação...36 Tabela 4: Paredes externas e internas...42 Tabela 5: Portas...43 Tabela 6: Janelas...44 Tabela 7: Mobiliários...44 Tabela 8: Demais itens do projeto Arquitetônico e complementares...45 Tabela 9: Fases construtivas dos projetos por disciplinas...45 Tabela 10: Tabela de escala por fase de projeto...46 Tabela 12: Disciplinas de projeto...50 Tabela 13: Fases de projeto...51 Tabela 14: Planos de projeção...51 Tabela 15: Localização...52 Tabela 16: Tabela de paredes...54 Tabela 17: Coberturas...56 Tabela 18: Forros...56 Tabela 19: Paredes...57 Tabela 20: Portas...57 Tabela 21: Janelas...58 Tabela 22: Brises...58 Tabela 23: Áreas...59 Tabela 24: Ambientes...59 Tabela 25: Escada...59 Tabela 26: Rampa...60 Tabela 27: Topografia...60 Tabela 28: Revestimento de pilares...60 Tabela 29: Pilares...61 Tabela 30: Vigas...61 Tabela 31: Lajes...62 Tabela 32: Fundações...62 Tabela 33: Armaduras para estruturas em concreto...63 Tabela 34: Tabelas de materiais e revestimentos...64

7 Tabela 35: Fases de projeto para o Modelo BIM...69

8 1. APRESENTAÇÃO O objetivo deste é a apresentação do Documento Base que contém os procedimentos para desenvolvimento de projetos com a Modelagem da Informação da Construção. Este documento será um dos anexos de futuros editais para contratação de projetos que deverão ser desenvolvidos a Modelagem da Informação da Construção (BIM), no qual estão definidas as necessidades de padronização e a formatação em que os projetos BIM deverão ser entregues ao Governo do Estado de Santa Catarina. Nesse documento consta de forma sistêmica as definições e parâmetros para a padronização e apresentação dos elementos parametrizados, os elementos de projeto com informação construtiva e a forma de apresentação da documentação referente ao projeto, os quais contribuirão com a construção da biblioteca digital com objetos BIM para uso do Estado em futuras licitações e contratos de projetos com Informações do Modelo de Construção (BIM). Bem como a definição, padronização e apresentação de elementos mínimos que compõem as várias disciplinas de um projeto de arquitetura e projetos complementares, com suas respectivas fases permitindo a construção de Modelos Digitais da Construção em 3D, 4D, 5D ou n D. Este documento também abrange outras informações alinhadas com a ISO :

9 2. OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA COM RELAÇÃO AO PROJETO E A INFORMAÇÃO BIM A CONTRATADA assumirá total responsabilidade pelo cumprimento das obrigações relacionadas a seguir: 1) Analisar, juntamente com a CONTRATANTE, todos os serviços adequando-os as possíveis necessidades de alterações decorrentes dos projetos específicos a seu cargo; 2) Aceitar e concordar que os serviços, objetos dos documentos contratuais, deverão ser completados em todos os seus detalhes, ainda que cada item necessariamente envolvido não seja especificamente mencionado ou detalhado neste projeto executivo; 3) Não se prevalecer de qualquer erro involuntário ou omissão existente para eximir-se de suas responsabilidades; 4) Elaborar, acompanhar e registrar o projeto legal junto ao CREA/CAU. O projeto deverá ser submetido a processo de aprovação legal nos órgãos competentes (municipal, distrital, estadual e federal) e deverá cumprir todas as exigências que porventura sejam necessárias, objetivando a obtenção do alvará e/ou das licenças para a construção. A CONTRATADA deverá providenciar a aprovação do projeto, sendo inclusive responsável por todo o acompanhamento do respectivo processo; a comprovação da apresentação do projeto junto às Administrações Regionais, Municipal, Distrital, Estadual e Federal não caracteriza a conclusão dos trabalhos de aprovação a cargo da CONTRATADA. O fim dos trabalhos de aprovação será caracterizado pela emissão, por parte dos órgãos competentes da Administração Pública, do alvará e demais licenças para a construção; 5) Assumir a responsabilidade por quaisquer erros, omissões ou irregularidades nos projetos, incumbindo-se de proceder à imediata e pertinente retificação; 6) Apresentar as Anotações de Responsabilidade Técnica (ART) ou Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) de todos os profissionais envolvidos nos projetos; 9

10 7) Apresentar, sempre que exigida pela CONTRATANTE, prova de quitação de todos os tributos, impostos, taxas e quaisquer encargos incidentes direta ou indiretamente sobre a prestação dos serviços contratados; 8) Coordenar a conceituação e a caracterização, de forma clara, de todos os elementos do projeto do empreendimento, com as definições de projeto necessárias a todos os agentes nele envolvidos, resultando em um Projeto Executivo sem problemas de integridade. Isto é, um projeto executivo com todas as interferências, entre os diversos projetos específicos, resolvidas e com todas as suas interfaces bem definidas, de modo a subsidiar a avaliação de custos, métodos construtivos, prazos de execução e visando à minimização dos problemas de execução da obra; 9) Coordenar todos os projetos, devendo entregá-los devidamente assinados e com plena observância das Normas atinentes a cada um, baixadas pela ABNT e demais órgãos competentes. Os projetos serão considerados concluídos somente após a aprovação dos mesmos por parte da CONTRATANTE; 10) Ser conhecedor da legislação ambiental e identificar os sistemas e elementos que serão construídos e instalados que são passiveis de inspeção e análise por órgão ambiental, e aplicar o que estabelece a legislação ambiental independente da exigência ou não de licenciamento ambiental; 11) Solicitar ao CONTRATANTE, informações sobre a realização de estudos ambientais para a devida compatibilização e atendimento da legislação ambiental; 12) Fornecer quanto solicitado, informações, desenhos etc, que possam compor estudo ambiental para obtenção de licença ambiental pertinente; 13) Fazer as alterações nos projetos ou incluir informações que tenham sido indicadas por órgão ambiental para o atendimento da legislação; 14) Promover reuniões periódicas de andamento do projeto com a presença de especialistas envolvidos nos projetos específicos em execução e de representantes da CONTRATANTE; 15) Tais reuniões ocorrerão com periodicidade quinzenal ou poderão ser convocadas extraordinariamente para atender a demandas urgentes de projeto que não possam aguardar a próxima reunião quinzenal. As reuniões ocorrerão em 10

11 Florianópolis/SC, nas instalações da GEOMA, localizada no décimo segundo andar do Edifício Halley, localizado na Rua Esteves Junior, Centro. Em todas as reuniões caberá à CONTRATADA secretariar a reunião e expedir, para todos os envolvidos, ata relatando os assuntos tratados e as decisões tomadas. Os custos de deslocamento da Equipe Técnica ocorrerão por conta exclusiva da CONTRATADA; e 16) Deverá ser feita, junto à FISCALIZAÇÃO a aprovação do estudo preliminar para posterior confecção dos projetos executivos Reconhecimento 1) As LICITANTES deverão fazer um reconhecimento do local da obra antes da apresentação das propostas, a fim de tomar ciência da situação atual da área de implantação do projeto, da extensão dos serviços a serem executados, das dificuldades que poderão surgir no decorrer da confecção dos estudos e projetos, bem como ficar cientes de todos os detalhes necessários à sua perfeita elaboração. 2) Os aspectos que as LICITANTES julgarem duvidosos, dando margem à dupla interpretação, ou que estejam omissos no Edital, deverão ser apresentados ao CONTRATANTE por meio de carta e elucidados antes da licitação. 3) Após esta fase, as possíveis dúvidas poderão ser interpretadas apenas pelo CONTRATANTE, não cabendo qualquer recurso ou reclamação, mesmo que isso venha a acarretar acréscimo de serviços não previstos nos orçamentos apresentados por ocasião da licitação. 4) Serão de responsabilidade da CONTRATADA o levantamento e a confirmação de todos os quantitativos e valores incluídos na Planilha de Custos dos Serviços, conforme indicado na tabela do ANEXO N 01 do Edital. Se dimensionados abaixo dos valores necessários, tais quantitativos não serão considerados como justificativa para a não execução dos serviços previstos em sua totalidade e não poderão ser justificativa para solicitação de aditivos ao contrato. 11

12 2.2. Gestão do projeto 1) A CONTRATADA deverá definir um Coordenador de Projeto que será responsável por toda a gestão do projeto, assim: a. No ato da assinatura do contrato deverá ser informado o nome do Coordenador de Projeto, por meio de ofício; b. Quando por motivo qualquer o Coordenador de Projeto for substituído a informação deve ser transmitida imediatamente, com a devida substituição de ART; c. Deverá ser apresentado cronograma para realização dos projetos (plano de trabalho); e d. Deverá ser definido cronograma de no mínimo 25 (vinte e cinco) reuniões, com o Coordenador de Projeto, e o Fiscal Coordenador do Projeto para auferir andamento do projeto e necessidade de compatibilização Fiscalização 1) Para fins de fiscalização do cronograma de desenvolvimento do projeto e Backup dos trabalhos, a CONTRATADA deverá entregar a cada 15 dias, os documentos digitais do projeto, incluindo também acompanhamento do cronograma de desenvolvimento do projeto atualizado; 2) A entrega dos documentos digitais deverá ocorrer em DVR-Rom, e com ofício relacionando: a. Data; b. Projeto; c. Disciplina; d. Fase de desenvolvimento; e. Conteúdo; e f. Nome do arquivo que contém o relatório de conflitos do período Compatibilização 1) A CONTRATADA deverá fazer a compatibilização multidisciplinar a partir dos arquivos do Modelo BIM de cada disciplina. 12

13 2) Caberá a cada área técnica ou especialidade o desenvolvimento do projeto de sua competência. A compatibilização dos Projetos Executivos será supervisionada pelo Coordenador de Projeto, da CONTRATADA, de modo a promover e facilitar as consultas e o fluxo de informações entre os autores dos projetos e solucionar as interferências entre os elementos dos diversos sistemas da edificação. 3) A CONTRATADA deverá coordenar a conceituação e a caracterização, de forma clara, de todos os elementos do projeto do empreendimento, com as definições de projeto necessárias a todos os agentes nele envolvidos, resultando em um Projeto Executivo sem problemas de integridade. Isto é, um projeto executivo com todas as interferências entre os diversos projetos específicos resolvidas, e com todas as suas interfaces bem definidas, de modo a subsidiar a avaliação de custos, métodos construtivos, prazos de execução e visando à minimização dos problemas de execução da obra. 4) Deverá ser nomeado somente um Coordenador de Projeto designado expressamente pela CONTRATADA, que será o elemento de ligação entre a CONTRATADA e a CONTRATANTE durante a execução do contrato e será o responsável pela integração de todos os projetos. O Coordenador deverá fazer parte do quadro de funcionários permanentes da empresa CONTRATADA e ter, necessariamente, habilitação em arquitetura ou engenharia civil. 5) O coordenador deverá gerenciar todo o contrato e a equipe interdisciplinar que irá desenvolver os projetos. Deverá participar de todas as reuniões referentes ao objeto contratado, juntamente com a fiscalização da CONTRATANTE. Tem como responsabilidade fornecer à fiscalização e a sua equipe técnica: cronogramas, relatórios técnicos, fluxogramas, relativos ao desenvolvimento dos trabalhos, mantendo atualizadas todas essas informações. É responsável pela compatibilização de todos os projetos, atuando juntamente com a fiscalização em todas as etapas do contrato. 6) O Coordenador de Projetos deverá: a. Integrar o quadro permanente da CONTRATADA; 13

14 b. Ser devidamente qualificado e com pleno conhecimento de todos os projetos para dirimir dúvidas e prestar esclarecimentos à CONTRATANTE; c. Garantir o cumprimento dos prazos estipulados no cronograma Físico- Financeiro; e d. Garantir a perfeita integração e compatibilização entre o projeto de arquitetura e os projetos complementares, atentando para as inter-relações e necessidades mútuas, bem como entre os projetos, caderno de encargos e planilha orçamentária. 7) A CONTRATADA será responsável pelo levantamento dos equipamentos básicos que utilizam instalações elétricas, hidrossanitárias e afetam na climatização. 8) A CONTRATADA deverá definir no plano de trabalho o cronograma de compatibilização do Projeto e compatibilização com a Informação BIM. 9) A CONTRATADA deverá fazer a compatibilização por fases de desenvolvimento do projeto BIM, de acordo com a tabela Fases do Modelo BIM; 10) A compatibilização deverá ser feita com base na interferência entre as geometrias e com base em regras. 11) A compatibilização por regras deverá ser aplicada pois mesmo que, por exemplo, um tubo possa estar lado a lado com outro elemento, mas deverá estar com uma distância mínima. Desta forma apenas a compatibilização por regra irá ser capaz de verificar tais detalhes. 12) Tabela 1 - Fases do Modelo BIM. Código ND 100 ND 200 PL ND 300 ND 400 IP Tabela 1: Fases do Modelo BIM Descrição Concepção: Estudo Preliminar Definição: Anteprojeto Projeto Legal Desenvolvimento: Projeto Executivo Conclusão e geração da documentação Projeto de Instalação da Obra 14

15 13) Para a compatibilização por geometria, no mínimo, as seguintes disciplinas deverão estar com a Informação modelada em 3D: a. Arquitetura; b. Topografia; c. Estrutural; d. Climatização; e. Elétrica (tubulação, calhas, shafts, Cds e caixas de passagem); f. Hidrossanitário; g. Lógica e Cabeamento Estruturado (tubulação, calhas, shafts, Cds e caixas de passagem); h. Refrigeração (Câmara Fria); i. Redes de Instalações de Gases Medicinais; j. Centrais e Redes de Vapor; k. Instalações de Sistema de Prevenção de Incêndio; e l. Mobiliário sob medida (volumetria base). 14) A CONTRATADA será a responsável por toda a compatibilização multidisciplinar entre todos os projetos: a. Arquitetura x Estrutural; b. Arquitetura x Estrutural x Climatização; c. Arquitetura x Estrutural x Climatização x Complementares; e d. Arquitetura x Estrutural x Locação do projeto no terreno. 15) Em cada reunião da equipe técnica de projeto para fins de compatibilização deverá ser gerado relatório de conflitos. 16) No ato de entrega dos backups, a CONTRATADA também deverá entregar em formato PDF o respectivo relatório de conflitos do período. 17) Os relatórios de conflitos deverão ser compilados ao final do projeto e entregues para a CONTRATANTE. 18) Os relatórios de compatibilização por regras deverão a ser entregues compilados. 19) A CONTRATADA também será responsável pela validação das planilhas geradas a partir do Modelo BIM dos projetos. 15

16 2.5. Memorial Descritivo 1) É de obrigação da CONTRATADA compor o Memorial Descritivo com base nas informações contidas no Modelo BIM. 2) Sempre que no Memorial Descritivo for mencionado determinado tipo de composição, citar em quais pranchas a informação está disponível e/ou se possível criar vínculos com o Modelo BIM Normas, resoluções, legislação e padrões de referência 1) A CONTRATADA deverá seguir as normas, resoluções e legislação especifica para os projetos afim (OMS, Anvisa, Ministério da Saúde, etc); 2) A CONTRATADA deverá observar as Leis, os Decretos, as Portarias, as Normas (federais, estaduais, municipais, distritais e ambientais), os Regulamentos, as Resoluções, as Instruções Normativas e das demais normas aprovadas no âmbito da CONTRATANTE, direta e/ou indiretamente aplicáveis ao objeto do contrato, inclusive por suas subcontratadas. 3) Na elaboração do objeto contratado, deverá ser observado o que estabelecem os documentos a seguir, assim como toda a legislação distrital, municipal, estadual e federal pertinentes, independente de citação: 4) Códigos, lei de uso e ocupação do solo, leis, decretos, portarias e normas federais, estaduais, distritais e municipais, inclusive normas de concessionárias de serviços públicos, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, entre outros; 5) Normas brasileiras elaboradas pela ABNT ou regulamentadas pelo INMETRO; 6) Normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE; 7) Outras normas aplicáveis ao objeto do contrato; 8) Instruções e resoluções dos órgãos do sistema CREA / CONFEA / CAU; 9) Manual de Obras Públicas Edificações Práticas da SEAP; 10) Instruções do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil - SINAPI; 11) Práticas de Projeto, Construção e Manutenção de Edifícios Públicos Federais; 16

17 2.7. Divergências Em caso de divergências, salvo quando houver acordo entre as partes, serão adotadas as seguintes posturas: 1) As normas da ABNT prevalecem sobre as especificações técnicas e estas sobre o Caderno de Encargos TCPO e sobre a ISO e normas estrangeiras; 2) Todos os detalhes e serviços constantes no orçamento descritivo e não mencionados nestas especificações técnicas serão interpretados como partes integrantes do objeto; e 3) Todos os detalhes e serviços constantes nas especificações técnicas e não mencionados no orçamento descritivo serão interpretados como partes integrantes do objeto. 17

18 3. MODELAGEM DA INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO - BIM Definição de BIM - A Modelagem da Informação da Construção, conhecida como Building Information Modeling (BIM), é, de acordo com Manzione (2013), um processo baseado em modelos digitais, compartilhados, integrados e interoperáveis denominados Building Information Models. Assim, o Building Information Modeling pode ser definido como um processo que permite a gestão da informação, por todo o ciclo de vida da edificação, enquanto os Building Information Models são o conjunto de modelos compartilhados, digitais, tridimensionais e semanticamente ricos, que formam a espinha dorsal do processo do Building Information Modeling. (Figura 1). Figura 1: O BIM e o ciclo de vida da edificação. Fonte: Manzione (2013) Underwood e Isikdag (2010) definem as características dos Building Information Models como: 18

19 1) Orientados a objetos; 2) Ricos em dados e abrangentes: os modelos são ricos em dados e abrangentes enquanto cobrem e mantêm as características físicas e funcionais e os estados dos elementos do edifício; 3) Tridimensionais: os modelos representam a geometria do edifício em três dimensões; 4) Espacialmente relacionados: as relações espaciais entre os elementos do edifício são mantidas nos modelos de maneira hierárquica; 5) Semanticamente ricos: os modelos mantêm uma grande quantidade de informação semântica sobre os elementos do edifício; e 6) Modelos capazes de suportar vistas: as vistas do modelo são subconjuntos ou instantâneos do modelo que podem ser gerados com base no modelo principal. Essas vistas podem ser automaticamente geradas resguardando as necessidades do usuário. Eastman et al. (2008) definem BIM como uma tecnologia de modelagem e um conjunto de processos associados para produzir, comunicar e analisar modelos de edifícios. Os modelos de edifícios são caracterizados pelos autores como componentes representados digitalmente através de objetos que sabem o que são e que podem ser associados através da computação gráfica, possuindo propriedades, atributos e regras paramétricas. Os componentes incluem dados que descrevem como eles devem se comportar: de forma coordenada, consistente e não redundante Desenvolvimento dos Projetos com o uso da Modelagem da Informação da Construção (BIM) 1) O projeto Arquitetônico e os projetos complementares deverão obrigatoriamente ser desenvolvido com o uso do BIM (Modelagem da Informação da Construção) através do software que a CONTRATADA optar, devendo ser entregue nos seguintes formatos: IFC 2x3 ou IFC4 - conforme definição da ISO-PAS : e no formato nativo do software de modelagem. 19

20 2) Os arquivos deverão ser entregues separados por disciplinas nos formatos nativos e no formato IFC. Os modelos das disciplinas complementares deverão ser linkados ao modelo de Arquitetura através do compartilhamento de coordenadas de maneira a permitir a visão de um modelo central, (Figura 2). Esta modelagem deverá, ao final, estar totalmente compatível às soluções desenvolvidas pelos projetos complementares. Figura 2: Conceito de modelo linkado Fonte: Manzione (2013) 3) A CONTRATADA poderá utilizar o software de sua preferência para a criação do Modelo BIM. 4) A CONTRATADA deverá fornecer à CONTRATANTE todos os arquivos BIM do projeto na extensão IFC visto ser a extensão pública para o Gerenciamento e Interoperabilidade de informações e dados de projeto. Desta forma, quando o projeto for desenvolvido em um programa em BIM, o modelo BIM deverá ser entregue de tal forma a ser totalmente compatível, com a extração de informações, dados e elementos do modelo (projeto), que serão usadas para compor as tabelas de quantitativos e orçamento. 20

21 5) A CONTRATADA deverá fornecer também à CONTRATANTE todos os arquivos BIM gerados no formato nativo do software utilizado. 6) Todos os projetistas de acordo com suas disciplinas de projetos deverão desenvolver o arquivo de projeto em BIM. Cada um dos projetistas deverá se preocupar em garantir a compatibilidade do seu trabalho com o dos demais membros da equipe, colaborando para a coordenação e compatibilização dos projetos, sendo de responsabilidade da CONTRATADA garantir que todos os projetos sejam compatíveis. 21

22 4. ETAPAS DO PROCESSO DE PROJETO E OS PRODUTOS DE CADA ETAPA Visando a obtenção de um produto final coerente e exequível, os projetos específicos que compõem o Projeto Executivo deverão ser desenvolvidos em etapas, de modo a permitir uma perfeita coordenação entre os diversos projetos, o acompanhamento e aprovação por parte da CONTRATANTE além da formalização e registro das decisões de projeto. Todas as reuniões previstas nas etapas de projeto terão a participação da Fiscalização do Contrato. A CONTRATADA deverá elaborar um cronograma dos trabalhos e Planilha de Custos dos Serviços, que deverão ser previamente aprovados pela CONTRATANTE Esse item descreve quais produtos em BIM deverão ser entregues em cada uma das etapas. Cada etapa entregue consiste em um conjunto de elementos do modelo BIM. Cada elemento é a representação das características físicas e funcionais de um componente a ser utilizado na construção do edifício. Um importante aspecto do BIM é a sua capacidade de conter informações do edifício. Essas informações são definidas em relação as propriedades geométricas e não geométricas do elemento (Tabela 2). Tabela 2:Exemplos de atributos geométricos e não geométricos dos elementos em BIM Atributos geométricos Atributos não geométricos Tamanho Dados de desempenho do produto Volume Especificações técnicas e de atendimento às normas Forma Custo Peso Cor, marca, detalhes técnicos Identificação Sistema de classificação (DEINFRA, Uniformat, Omniclass,) 4.1. Progressão do projeto em etapas baseadas na evolução do Nível de Desenvolvimento do Modelo A Gestão do Processo de Projeto baseia-se em uma Estrutura Conceitual fundamentada no conceito de Nível de Desenvolvimento do projeto (ND), que é definido pelo 22

23 CONTRATANTE em função do seu processo do empreendimento e seus objetivos, (Figura 3). Os domínios do processo do empreendimento, gestão do processo de projeto e gestão da modelagem da informação são interligados, tendo, como eixo horizontal, o ciclo de vida do edifício e o processo do empreendimento e, como eixo vertical, os estágios de evolução do processo, com níveis de maturidade crescente de informação. O processo de decisão e a condução da gestão são baseados em Indicadores Chave de Desempenho (ICD), que servem tanto como base para as tomadas de decisão como para diagnosticar o processo de projeto, atuando como ferramentas de retroalimentação ou de diagnóstico. O processo de projeto evolui ao longo do tempo e a ele novos agentes vão sendo agregados, acumulando mais informações e tornando o processo complexo o que faz com que o fluxo de informações necessite ser monitorado e controlado. São propostas fases para o desenvolvimento do processo de projeto, ao final das quais um ponto de controle faz a análise crítica a partir das informações extraídas diretamente do modelo BIM. Em cada fase do processo, os objetivos são configurados e confrontados com os resultados obtidos na fase anterior. A análise crítica a partir dos dados dos ICD formaliza o que acontece e garante a comunicação entre todos os interessados, de forma que a responsabilidade seja compartilhada com todos os participantes. Cada ponto de controle é um momento de avaliação e de tomada de decisão, possibilitando retorno, quando necessário, até que os objetivos da fase sejam alcançados ou, se for o caso, dando continuidade ao processo. Dessa forma, mantém-se controle do processo, podendo se evitar desperdícios e tomadas de decisão atrasadas ou em momentos errados. 23

24 Figura 3: Etapas de progressão do Processo de Projeto Fonte: Manzione (2013) 24

25 As fases do projeto, como representadas na figura 3, são associadas com o nível de desenvolvimento especificado. Elas são cumulativas e evoluem do ND 100 na fase de Concepção, até o ND 400 que corresponde a conclusão e a geração da documentação para a construção. Nessa evolução, cada elemento construtivo vai sendo incrementado de propriedades geométricas e não geométricas. A Figura 4 ilustra a ideia: os níveis de desenvolvimento variando de 100 até 500 sendo associados aos diferentes tipos de propriedades que podem ser criados pelo usuário em função do tipo de uso pretendido para o BIM e aplicados aos objetos do edifício que serão categorizados conforme o um sistema de classificação, na ilustração se adotou o sistema Uniformat. Figura 4: Elementos BIM e a evolução das suas propriedades Fonte: Manzione (2013) 25

26 4.2. Etapa 01: CONCEPÇÃO (estudos preliminares) - ND 100 O ND 100 inclui elementos como massas conceituais sendo utilizado para os estudos preliminares e conceituais. Permite análises e dimensões aproximadas sendo orientativo para o planejamento do projeto, (Figura 5). Figura 5: Conceito do ND 100 Fonte: Adaptado de NYC BIM Guidelines (2012) Escopo de atividades da etapa 01 ND 100: 1) Vistoria do local da obra; 2) Definição de cronograma de projetos; 3) Reunião preliminar para levantamento das diretrizes de projeto e apresentação do programa de necessidades elaborado pela CONTRATANTE e proposta de solução das interferências do entorno do futuro empreendimento; 4) Estudo preliminar; 5) Reunião para apresentação volumétrica do Estudo Preliminar; 6) Modelos BIM do Estudo Preliminar; 7) Solicitar por ofício para a CONTRATANTE a Licença Ambiental Prévia (LAP), quando necessário; e 26

27 8) Solicitar por ofício a supressão de vegetação quando necessário Etapa 02: DEFINIÇÃO (anteprojeto) - ND 200 No ND 200 os elementos conceituais são convertidos em objetos genéricos com a definição de suas dimensões básicas. Essa fase permite desenvolver o partido arquitetônico e demais elementos do empreendimento definindo e consolidando as informações necessárias a fim de verificar sua viabilidade técnica, legal e econômica, bem como possibilitar a elaboração dos projetos legais. Figura 6. Figura 6: Conceito do ND 200 Fonte: Adaptado de NYC BIM Guidelines (2012) Esta etapa está dividida em duas sub etapas: 02-Projeto Arquitetônico e 02A- Projeto Legal Escopo de atividades da etapa 02 ND 200: 1) Anteprojeto Arquitetônico básico; 2) Reunião de aprovação do anteprojeto, com assinatura de ata de aprovação; 3) Anteprojeto Estrutural com base no Anteprojeto Arquitetônico; 4) Climatização com base nos Anteprojetos Arquitetônico e Estrutural; 27

28 5) Instalações Hidráulicas, elétricas e sistemas com base nos Anteprojetos Arquitetônico e Estrutural; e 6) Compatibilização de Anteprojetos Arquitetônico x Estrutural x Climatização x Instalações Escopo de atividades da etapa 02A PROJETO LEGAL ND 200: 1) Projetos Legais (aprovação e acompanhamento) Etapa 03: DESENVOLVIMENTO (projetos executivos) - ND 300 No ND 300 os elementos genéricos são transformados para os elementos finais com visão da construção e da identificação das interfaces entre as especialidades, (Figura 7). Essa etapa permite consolidar claramente todos ambientes, suas articulações e demais elementos do empreendimento, com as definições necessárias para o intercâmbio entre todos envolvidos no processo. A partir da negociação de soluções de interferências entre sistemas, o projeto resultante deve ter todas as suas interfaces resolvidas, possibilitando a avaliação dos custos, métodos construtivos e prazos de execução. Figura 7: Conceito do ND

29 Fonte: Adaptado de NYC BIM Guidelines (2012) Projetos Executivos Esta etapa está dividida em duas sub etapas: 04-Projetos Complementares e 04A Escopo de atividades da etapa 04 DESENVOLVIMENTO ND 300 1) Projetos complementares; e 2) Projetos Legais dos complementares Escopo de atividades da etapa 04A DESENVOLVIMENTO ND 300 1) Projetos Executivos de todas as disciplinas; 2) Compatibilização total entre todas as disciplinas; 3) Aprovação formal dos projetos executivos através de termo de aprovação expedido pela CONTRATANTE; e 4) Memoriais Descritivos e de Cálculo. 29

30 4.5. Etapa 04 CONCLUSÃO E GERAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO ND 400 Esta etapa contempla o desenvolvimento final e o detalhamento de todos os elementos do empreendimento de modo a gerar um conjunto de informações suficientes para a perfeita caracterização das obras/serviços a serem executadas, bem como a avaliação dos custos, métodos construtivos, e prazos de execução. São elaborados todos os elementos do empreendimento e incorporar os detalhes necessários de produção dependendo do sistema construtivo. O resultado deve ser um conjunto de informações técnicas claras e objetivas sobre todos os elementos, sistemas e componentes do empreendimento. O modelo BIM nessa fase tem precisão acurada e com as informações completas para a execução da obra, (Figura 8). Figura 8: Conceito do ND 400 Fonte: Adaptado de NYC BIM Guidelines (2012) Os produtos dessa etapa são os seguintes: 30

31 1) Modelos BIM finais; 2) Desenhos; 3) Tabelas; 4) Animação e renderização externa e interna gerados a partir do modelo; 5) Orçamento; 6) Composição de Custos. Deve estar baseado no planejamento de execução da obra e na modelagem do projeto; 7) Cronograma físico-financeiro; 8) Planejamento preliminar da execução da Obra; 9) Caderno de Encargos; 10) Descrição detalhada de todos os itens constantes no memorial descritivo e na planilha orçamentária, na modelagem e informações do projeto, bem como das técnicas aplicadas; e 11) Reunião de aprovação final do projeto. 31

32 5. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICAS Com o objetivo de detalhar e padronizar, seguem abaixo as especificações detalhadas de toda a documentação a ser gerada ao final do projeto Diretrizes para a Modelagem da Informação da Construção O propósito dessa seção é descrever as especificações técnicas dos Modelos de Informação da Construção em relação ao formato aberto IFC (Industry Foundation Classes) em relação aos requisitos gerais e específicos por disciplina. Esses requisitos poderão ser complementados ou alterados durante o desenvolvimento dos projetos IFC - o padrão aberto internacional para BIM O desenvolvimento de um modelo de dados de edifícios é relativamente novo, de acordo com Khemlani (2004). A primeira aplicação concebida com esse conceito pela companhia húngara Graphisoft foi o ArchiCAD. A mais recente é o Revit, cuja companhia responsável pelo seu desenvolvimento, a Revit Technology Corporation, foi comprada pela Autodesk em De acordo com Manzione (2013), todas essas aplicações possuem suas estruturas internas de dados no formato proprietário, isto é, elas não podem compartilhar suas informações entre si, a menos que exista um tradutor para isso. Aberto é a chave para o verdadeiro valor do padrão IFC. O IFC pode ser usado para trocar e compartilhar dados de BIM entre aplicativos desenvolvidos por diferentes fornecedores de software sem ter o software para suportar vários formatos nativos. Como um formato aberto, o IFC não pertence a um único fornecedor de software, é neutro e independente dos planos de um fornecedor específico. Eastman et al. (2008) explicam que o IFC foi desenvolvido para criar um grande conjunto de dados consistentes para representar um modelo de dados de um edifício, com o objetivo de permitir a troca de informações entre diferentes fabricantes de software na AEC. 32

33 A buildingsmart (2012) define o IFC como um esquema de dados que torna possível conter dados e trocar informações entre diferentes aplicativos para BIM. O esquema IFC é extensível e compreende informações cobrindo as muitas disciplinas que contribuem para um edifício durante seu ciclo de vida: desde a concepção, o projeto, a construção até a reforma ou demolição. O IFC está registrado pela International Organization for Standardization (ISO) como ISO-PAS (2005) e encontra-se em processo de se tornar uma norma oficial. Cada implementação de troca em IFC precisa seguir o que se entende por requisitos de troca (exchange requirements). Esses requisitos especificam a informação que precisa estar presente em uma troca de dados em determinado estágio de um projeto, prevenindo incertezas. Por intermédio do IFC é possível também a criação de vistas de informação, ou subconjuntos de dados, apenas com os dados necessários para determinado domínio, através do processo de Model View Definitions (MVD). O desenvolvimento atual do modelo IFC está sob a responsabilidade do Model Support Group, coordenado pela buildingsmart (2012b). O IFC vem sendo desenvolvido desde 1997, quando foi lançada a versão 1.0, e após sucessivas e regulares atualizações encontra-se hoje na versão IFC4, lançada em março de As versões vão sofrendo modificações e incrementos para poder representar cada vez mais entidades e relações no edifício e no seu ciclo de vida. Por ser um formato de dados neutro e aberto, ele está disponível para as empresas de software desenvolverem exportações de dados em IFC. Para isso, a aplicação precisa ser IFC compatível, um processo de certificação fornecido pela buildingsmart. Atualmente existem aproximadamente 150 softwares certificados como IFC compatíveis Visão geral da arquitetura do IFC Para o entendimento do IFC como um todo utilizaremos o esquema conceitual da Figura 9. Para a descrição simplificada dessa estrutura foram revistos e resumidos os conceitos de Eastman et al. (2008), e o site de referência do IFC da buildingsmart (2012). 33

34 Figura 9: Visão geral do esquema IFC4 Fonte: Manzione (2013) 34

35 Nessa estrutura estão representadas quatro camadas que serão descritas em uma leitura na sequência de baixo para cima: Camada dos Recursos Camada do Núcleo Camada de Interoperabilidade: Elementos Compartilhados Camada dos Domínios. Camada dos recursos Essa camada é a base composta por entidades comumente utilizadas nos objetos da AEC, como geometria, topologia, materiais, medidas, agentes responsáveis, representação, custos, etc. De acordo com Eastman et al. (2008), como os dados em IFC são extensíveis, essas entidades que estão na base podem ser especializadas e serem criadas novas subentidades. Camada do núcleo Todas as entidades dessa camada derivam da raiz do IFC e contêm entidades abstratas que são referenciadas pelas camadas mais altas da hierarquia. A camada do núcleo é subdivida e em quatro subcamadas de extensão: Controle, Produto, Processo e Núcleo. A subcamada núcleo (representada por um triângulo amarelo) fornece a estrutura de base, que são as relações e os conceitos fundamentais comuns para todas as especializações adicionais em modelos específicos e nos quais são definidos conceitos fundamentais como grupo, processo, produto, relacionamentos. O esquema de extensão do produto (representado por um retângulo de cor laranja no centro) define componentes de construção abstratos, como espaço, local, construção, elemento. O esquema de extensão de processo (representado por um retângulo de cor laranja do lado direito) capta ideias sobre o mapeamento de processos em uma sequência lógica do planejamento e programação de trabalho e das tarefas necessárias para a sua conclusão. O esquema de extensão de controle (representado por um retângulo de cor laranja do lado esquerdo) trabalha com os conceitos relacionados ao controle do processo. Camada de elementos compartilhados ou de interoperabilidade Essa camada compreende as categorias de entidades que representam os elementos físicos de um edifício. É utilizada para compartilhamento de especialidades e de aplicações de manutenção e contém os elementos físicos de um edifício. 35

36 Ela possui definições de entidades como vigas, colunas, paredes, portas e outros elementos físicos de um edifício, assim como propriedades para controle de fluxos, fluidos, propriedades acústicas, entre outras. Camada dos domínios Essa é a camada de nível mais alto e lida com entidades de disciplinas específicas, como Arquitetura, Estrutura, Instalações, entre outras Requisitos gerais para a modelagem da informação na construção (BIM) Os requisitos gerais se aplicam para todos os modelos BIM independendo do objetivo do modelo de informação que será adotado (projeto, planejamento, construção, etc.) e estão na Tabela 3. Tabela 3: Requisitos gerais para a modelagem da informação Ref. Assunto Descrição do requisito 1. Entrega do modelo BIM Modelo BIM: modelo digital tridimensional da construção, baseado em objetos paramétricos e inter-relacionados e utilizando formatos universais e abertos como a entrega principal do objeto da contratação. Isso implica que a ferramenta de modelagem a ser adotada pelos autores dos projetos deverá dar suporte aos requisitos baseados em padrões abertos que serão definidos na presente especificação. 2. Objetivo do BIM O modelo BIM deve ser desenvolvido de acordo com os objetivos explícitos ou implícitos definidos no Edital de Concorrência. Em caso de algum requisito não puder ser atendido pelos autores dos projetos o CONTRATANTE deverá ser notificado e alguma solução deverá ser sugerida pelo autor para providenciar a informação solicitada no modelo BIM. 3. Formatos do modelo BIM a serem entregues O modelo BIM deverá ser entregue em mídia DVD nos seguintes formatos: a. Formato nativo dos softwares de modelagem adotados. (A ferramenta de modelagem adotada pelos autores dos 36

37 projetos deverá ser capaz de importar e exportar eficientemente o formato aberto IFC O formato IFC é uma especificação da ISO, ISO/PAS ) b. Formatos IFC 2x3 ou IFC4. c. As especificações desses formatos estão disponíveis no seguinte website: 4. Ferramentas de Ao início dos projetos o Coordenador de Projetos deverá modelagem BIM informar ao CONTRATANTE as ferramentas de modelagem que serão utilizadas pelos autores dos projetos das diferentes especialidades. Tais ferramentas devem garantir a geração do modelo de dados IFC conforme definido no tópico 3. Deverão ser fornecidas as seguintes informações: a. Nome comercial da ferramenta de modelagem BIM e número da versão utilizada. b. Caso tenha sido utilizado algum plug-in para a geração do formato IFC, deverá ser fornecido o nome e versão do mesmo. c. Plataforma utilizada (p.ex.: Windows 7 64bits). d. Os autores devem informar previamente se estão planejando fazer atualização dos softwares e das plataformas e em caso positivo deverão informar as modificações previstas, a data e como será feito o processo de atualização. e. O CONTRATANTE deverá ser informado previamente caso os autores dos projetos pretendam trocar de ferramenta de modelagem. Caso as novas ferramentas não permitam o suporte adequado para o formato IFC o CONTRATANTE poderá recusar. 5. Formato nativo do modelo Além do formato IFC os autores deverão fornecer os arquivos BIM a ser fornecido para o no formato nativo do software de modelagem utilizado (p.ex.: CONTRATANTE *rvt do Revit ou *.pla do Archicad, entre outro) incluindo todas as bibliotecas de objetos utilizadas nos modelos. 6. Unidades do projeto As unidades de medida do projeto devem estar definidas no 37

38 modelo no nível IfcProject (atributo UnitsInContext). Para o desenvolvimento dos projetos a CONTRATADA deverá adotar as seguintes unidades de acordo com a disciplina de projeto: 6.1 Unidade linear: de acordo com o projeto (mm, cm, m); 6.2 Unidade de medida de área: metros quadrados (m²); 6.3 Unidade de medida de volume: metros cúbicos (m³); 6.4 Unidade de inclinação: percentual (%); 6.5 Unidade de declividade: metro/metro (m/m); 6.6 Unidade angular: graus decimais (xxº); 7. Definição e Deverá ser definido e utilizado durante todo o desenvolvimento georreferenciamento do do projeto uma origem comum zero - do projeto com as zero do projeto coordenadas x,y,z. Essas coordenadas deverão ser georeferenciadas. 8. Identificação do Projeto Um e somente um nome de objeto para projeto (IfcProject) deverá existir para cada projeto contratado. Todos os arquivos do mesmo projeto deverão ter o mesmo GUID (Global Unique Identifier) e o mesmo Nome para a entidade IfcProject definida no projeto de Arquitetura. Os Nomes de Projeto serão definidos pela abreviatura do nome da unidade em questão conforme definidos na Caderno Técnico de Projetos. 9. Local da obra Um e somente um nome de objeto para o local da obra (IfcSite) deverá existir para cada projeto. Caso seja necessária a criação de modelos parciais (p.ex.: para edifícios separados) os mesmos deverão conter o mesmo GUID e Name para o IfcSite. 10. Edifícios Todos edifícios ou blocos a serem construídos ou reformados deverão estar nomeados adequadamente na entidade IfcBuilding. Recomenda-se adotar as seguintes regras para criação do IfcBuilding: Blocos ou edifícios separados: IfcBuilding separados 38

39 Extensão de edifício projetada imediatamente acima, abaixo ou adjacente: usar o mesmo IfcBuilding do edifício existente. Extensão de edifício existente mas com uma clara separação: IfcBuilding separado. 11. Pavimentos O número de níveis de pavimentos do edifício, incluindo pisos parciais como mezaninos, deverão estar representados na entidade (IfcBuidingStorey). Para os pisos de mezaninos recomenda-se que as paredes externas sejam modeladas no pavimento subjacente e as paredes, espaços, etc. sejam modeladas no piso do mezanino. 12. Espaços em geral Os espaços devem ser modelados com objetos do espaço tridimensional (IfcSpace). Devem existir espaços para todas as áreas que representam uma função definida, independentemente do espaço ser delimitado por paredes físicas / lajes, cubículos ou espaços verdes. 13. Espaços técnicos Os espaços técnicos devem ser modelados (IfcSpace) logo ao início do projeto. Exemplos de espaços técnicos: Refrigeração, Calor, Centrais de água gelada, Centrais de Ar Condicionado, Salas de Caldeira, Centrais de gases, Salas de geradores, Salas de transformadores, Data centers, etc. 14. Espaços áreas brutas Para cada pavimento deverão estar incluídas as informações relativas a área bruta que expressa a área total do pavimento incluindo todas as paredes. 15. Espaços áreas externas As áreas externas deverão ser modeladas como espaços (IfcSpace) mesmo que não delimitados por paredes, etc. 16. Componentes do edifício Os requisitos dos componentes físicos do edifício estão relacionados nos requisitos BIM de cada uma das disciplinas. 17. Zonas As zonas (IfcZone) são consideradas como agregados de espaços (IfcSpace) ou outras zonas. Um espaço pode ser um "membro" de várias zonas diferentes ao mesmo tempo. As zonas devem ser utilizadas para expressar o agrupamento de espaços para diferentes fins definidos (zonas de fogo, zonas de 39

40 segurança, zonas funcionais, acessibilidade, térmicas, de iluminação, zonas acústica, etc.) 18. Sistemas Os sistemas (IfcSystem) são combinações de partes relacionadas dentro de um edifício, para um propósito, função ou serviço comum. O uso do IfcSystem muitas vezes se aplica à representação de sistemas como os de instalações hidráulicas, elétricas, ar condicionado entre outros. Salvo disposição em contrário, o uso do IfcSystem, deve em geral ser aplicado a todos os sistemas do edifício desde a fase de concepção do projeto. 19. Layers para Cad Os layers para Cad (IfcPresentationLayerAssignment) deverão seguir a regulamentação de layers estabelecida pela ASBEA Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura, salvo indicação em contrário Sistemas de classificação da informação do edifício Para auxiliar a organização dos processos da AEC do BIM foram criados diversos sistemas de classificação da informação do edifício. A importância de um sistema de classificação em BIM, é que todos os objetos de um edifício se vinculem de modo a facilitar a interoperabilidade. Para fins de classificação dos elementos do edifício serão adotados os seguintes sistemas de classificação para o presente Termo de Referência: 1) Classificação conforme apresentada no Caderno Técnico de Projetos, visando alinhar os elementos do edifício aos bancos de dados da Secretaria. Nota: Visando adequar as informações do modelo BIM à norma ABNT NBR (em desenvolvimento) e aos padrões internacionais de interoperabilidade, a classificação adotada será complementada pelos seguintes padrões internacionais: a. Classificação OMNICLASS (tabela 23 produtos disponível em acesso em 2/3/2014); 40

41 b. Classificação UNIFORMAT (disponível em acesso em 2/3/2014) Classificação OMNICLASS Segundo Manzione (2013) a Omniclass é um sistema de classificação das informações geradas no contexto da AEC. Ela se destina a ser uma base unificada para todo o ciclo de vida de uma edificação, e o objetivo do seu desenvolvimento é ser um meio para organizar, classificar e recuperar as informações em aplicativos baseados em bancos de dados relacionais. A base da OmniclassOmniclass é a norma ISO (2007) já traduzida para o português, ABNT-NBR-ISO (2010), como Construção de edificação: Organização de informação da construção Parte 2: Estrutura para classificação de informação. O sistema Omniclass mescla elementos e componentes a sistemas e conjuntos, fornecendo uma estrutura para base de dados que aborda desde a organização de bibliotecas de materiais e produtos até a organização sobre o projeto Classificação UNIFORMAT O Uniformat é um sistema de classificação para a organização de informações de construção, com foco nos sistemas funcionais de um edifício organizados em uma ordem e sequência padronizada sem a preocupação de identificar as soluções técnicas de projeto que as compõem. Sendo esta uma norma ASTM-E (2005) desenvolvida e mantida pelo Construction Specifications Institute (CSI) e pelo Construction Specifications Canada (CSC). O sistema é organizado em três níveis: o nível 1 compreendendo os maiores grupos de elementos do edifício; o nível 2 detalhando os maiores grupos em grupos menores; e o nível 3 chegando ao nível de cada um dos elementos individuais do edifício Exemplos de classificação Os códigos de classificação serão criados como parâmetros nos Dados de Identidade dos objetos. Por exemplo, uma porta será classificada como: 41

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI)

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 1.1. O objetivo deste Termo de Referência é disponibilizar aos interessados em atender a solicitação de propostas da PPP ESPLANADA SUSTENTÁVEL

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS TOMADA DE PREÇOS 01/2015 Contratação de empresa especializada em engenharia ou arquitetura para elaboração de projetos básicos e executivos de arquitetura e complementares, destinados à construção do edifício-sede

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo...3 2 Definições...3 3 Características Gerais...4 3.1 Descrição do Empreendimento...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DO EVENTO 13 :30 13:45 Abertura - Dr. Antonio Carlos, diretor SINDUSCON RIO 13:45 14:30 Introdução ao BIM:

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13 www.espacotempo.com.br 1 PALESTRA EARQ 2013 Goiânia, 10 de Setembro de 2013 FERNANDO DAHER ALVARENGA Arquiteto e Urbanista Diretor e proprietário da Espaço Tempo www.espacotempo.com.br www.fernandodaher.com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Portaria CVS 15, de 26 de Dezembro de 2002. Define diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico funcional de projetos

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICO, TELEFÔNICO E CABEAMENTO ESTRUTURADO Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. INSTRUÇÕES GERAIS... 4 5. INSTALAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural BIM Um Novo Paradigma O BIM do ponto de vista do projeto estrutural O BIM do ponto de vista de um fornecedor de software de projeto estrutural Abram Belk - abram@tqs.com.br 2 Metodologia de projeto Automação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de serviços técnicos

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO/SP ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO/SP ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 27/2011 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de engenharia elétrica para elaboração de projeto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA Alguns conceitos GESTÃO PROFISSIONAIS TECNOLOGIA 2D Gestão de Informação documental (digital 2D ou impressa) ESCRITORIO DE ARQUITETURA EMPRESA

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 162/2013 CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 162/2013 CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 26/06/2013-15:38:48 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR Definições Conceitos de BIM Curso CMU ago/08 IFC Penn State Carnegie Mellon University 1905-1912 PITTSBURGH- PA- aço Fallingwater FLW 3 LEED building B = BUILDING I= INFORMATION

Leia mais

Ensinando Colaboração aos Estudantes

Ensinando Colaboração aos Estudantes Arq. Fernando Lima Autodesk Education ED4900_V Essa aula vai demonstrar o processo básico de colaboração usando o Autodesk Revit 2013, depois de preparar o projeto básico de arquitetura vamos simular um

Leia mais

BIM - Conceitos e Aplicações!

BIM - Conceitos e Aplicações! BIM - Conceitos e Aplicações! Introdução Como Projetávamos no Passado? Quais eram as Ferramentas Utilizadas? Introdução Resultados! Introdução Avanço da Tecnologia Surgimento das Ferramentas CAD CAD -

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 019/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010, RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PROCEDIMENTO

GESTÃO DE PROJETOS PROCEDIMENTO GESTÃO DE OJETOS OCEDIMENTO OCEDIMENTO Nº01 VESÃO: 00 Folha 1. OBJETIVO Orientar a condução do processo de Gestão (desenvolvimento e coordenação) de projetos, estabelecendo condições, características e

Leia mais

Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos

Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos Eng. Nelson Covas São Paulo, 23 de outubro de 2008 1. Introdução 2. Relação Software / Projeto Estrutural

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel REFORMA DA SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI/BA Avenida Presidente Castelo Branco, nº 271, Aeroporto Velho Guanambi/BA Foto:

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

Integração das soluções Autodesk no processo BIM

Integração das soluções Autodesk no processo BIM Rafael Giovannini Maccheronio Best Software A partir deste ano (FY12), a Autodesk passa a disponibilizar a seus clientes pacotes de software(suites) compostas por diversos software. Essa sessão tem por

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina

Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina Prof. Dr. Eng. Leonardo Manzione Outubro 2014 Sobre o apresentador Prof. Dr.

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1. OBJETO... 3 2. GENERALIDADES... 3 3. DO EDIFÍCIO... 4 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, ELETRÔNICAS, DADOS E VOZ... 4 5. INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO...

Leia mais

Brasileira. Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB. Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB

Brasileira. Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB. Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB A Aplicação do processo BIM na Construção Brasileira Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB Apresentação Conceituação Elos do BIM Cadeia de Valor Produtivo

Leia mais

DOCUMENTO Nº 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ENGENHARIA ETE CONTRATAÇÃO DE OBRAS

DOCUMENTO Nº 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ENGENHARIA ETE CONTRATAÇÃO DE OBRAS http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO Nº 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ENGENHARIA ETE CONTRATAÇÃO DE OBRAS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. ESCOPO DOS SERVIÇOS... 2 3. DIVERGÊNCIAS... 3 4. NORMAS... 3 5.

Leia mais

Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo

Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo Palestrante: Rafael Ramalho ConstruBIM Co-Palestrante: Manuel Casanova Estra Engenharia A utilização da tecnologia BIM

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 Curitiba, 12 de Dezembro de 2014. DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 TOMADA DE PREÇOS 2014/15001(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, incluindo pavimentação, alvenaria,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

QUESTÕES RESPONDIDAS REFERENTES AO EDITAL 025/10 DO PROCESSO LICITATÓRIO 1328/10

QUESTÕES RESPONDIDAS REFERENTES AO EDITAL 025/10 DO PROCESSO LICITATÓRIO 1328/10 QUESTÕES RESPONDIDAS REFERENTES AO EDITAL 025/10 DO PROCESSO LICITATÓRIO 1328/10 Dúvidas: Cambiaghi Arquitetura Compreendi, a partir da visita realizada em 08/11/2010, que as lajes do Bloco 1, inclusive

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

NORMAS DE INSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA EM FORMATO DIGITAL. Pedidos de Licenciamento (PL) e Comunicações Prévias (CP)

NORMAS DE INSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA EM FORMATO DIGITAL. Pedidos de Licenciamento (PL) e Comunicações Prévias (CP) NORMAS DE INSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA EM FORMATO DIGITAL Pedidos de Licenciamento (PL) e Comunicações Prévias (CP) No cumprimento da Lei n.º 60/2007 de 4 de Setembro e nas alterações

Leia mais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Aprovações necessárias Copel, Sanepar, Prefeitura, Bombeiros Descubra

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DAS INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DAS INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DAS INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual.

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual. CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM JUL/07 /07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUTAR OS SERVIÇOS PERTINENTES A ESTRUTURAS TEMPORÁRIAS CONFORME CROQUIS ESQUEMÁTICOS

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONCEITOS QUE INFLUENCIAM NA ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL Marco Antônio Nunes de Melo 1 ; Carolina Oliveira Pinto n 1 Universidade de Uberaba marconunes_eng@outlook.com 1; carolina.pinto@uniube.br

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais