UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: FITOTECNIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) FTT 1016 CULTIVOS PROTEGIDOS (2-2) OBJETIVOS - ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de : Conhecer ambientes parcialmente modificados utilizados em Horticultura; Identificar, conhecer e realizar modificações ambientais e no crescimento, desenvolvimento e produtividade dos cultivos agrícolas causadas por estes ambientes. Identificar técnicas de manejo cultural que maximizem a produtividade econômica e sustentável dos cultivos agrícolas em ambientes protegidos; Desenvolver competências e habilidades para compreender o contexto sócio-cultural,econômico, ambiental e político, interagir com diferentes grupos sociais, trabalhar em equipe, atuar com espírito empreendedor e com diferentes racionalidades agronômicas e estilos de agricultura, visando a construção de um modelo de desenvolvimento sustentável. PROGRAMA: TÍTULO E DISCRIMINAÇÃO DAS UNIDADES UNIDADE 1 AMBIENTES PARCIALMENTE PROTEGIDOS UTILIZADOS EM HORTICULTURA 1.1 Estufas, túneis altos e baixos. 1.2 Cobertura do solo-mulchings. 1.3 Materiais e suas características, utilizados na cobertura de ambientes parcialmente protegidos empregados em Horticultura. UNIDADE 2 MODIFICAÇÕES FÍSICAS CAUSADAS POR AMBIENTES PARCIALMENTE PROTEGIDOS 2.1 Caracterização e quantificação da alteração causada na radiação, no regime térmico do solo e do ar, da umidade do ar, vento e evapotranspiração. 2.2 Alterações físicas causadas pelo uso de mulchings. 2.3 Manejo dos ambientes visando minimizar o prejuízo decorrente da ocorrência de temperaturas extremas críticas e letais. UNIDADE 3 MANEJO DE CULTURAS EM AMBIENTES PARCIALMENTE PROTEGIDOS 3.1 Intercepção e aproveitamento da radiação solar. 3.2 Massa seca e sua partição. 3.3 Necessidades hídricas e manejo da irrigação. 3.4 Necessidades de nutrientes e manejo da adubação. 3.5 Práticas de manejo cultural de maximização do rendimento econômico e sustentável; desbaste, desbrota, poda, tutoramento, condução e raleio de frutos. 3.6 Modelos de estimativa da produtividade.

2 PROGRAMA: (continuação) Coordenador do Curso Chefe do Departamento

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA BIBLIOGRAFIA DEPARTAMENTO: FITOTECNIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) FTT 1016 CULTIVOS PROTEGIDOS (2-2) BIBLIOGRAFIA: BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR BIBLIOGRAFIA BÁSICA ACTA HORTICULTURAE, COMISSION FOR HORTICULTURAL ENGINEERING/COMISSION FOR PROTECTED CULTIVATION. Greenhouse Climate and its Control. Wageningen- Netherland, 19-24/05/1985. Pap. Symposium Greenhouse Climate and its Control. (Acta Horticulturae, Vol.174, 563p). ALPI, A; TOGNONI, F. Cultura em estufas. Lisboa: Editora Presença, p. ANDRIOLO, J.L. Fisiologia das culturas protegidas. Santa Maria: Editora da UFSM, p. ANDRIOLO, J.L. Olericultura geral: princípios e técnicas. Santa Maria: Editora da UFSM, p. BAKKER, J.C. Analysis of humidity effects on growth and production of glasshouse fruit vegetables. Wageningen: Landbouwuniversiteit te Wageningen, p. Tese (Doctor in Lanbouw-en Milieuwetwnschappen), Landbouwuniversiteit te Wageningen, BARFIELD, B.J.; GERBER, J.F. Modification of the aerial environment of plants. St. Joseph, Michigan: ASAE Monagraph, p. CERMEÑO, Z.S. Cultura de Plantas Hortícolas em estufa. Barcelona: Ediciones Mundi-Prensa, p. ELIAS CASTILLO, F.; CASTELLVI SENTIS, F. Agrometeorologia. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa, p. GUYOT, G. Climatologie de l environment: de la plante aux écosystémes. Paris: Masson, p. INIA. Seminário de cultivos protegidos y hortalizas de hoja. (serie Activ. Difusion Nro.69). Lãs Brujas: INIA-Uruguai, p. INSTITUT NATIONAL DE LA RECHERCHE AGRONOMIQUE. L et lescultures sons serre. Paris: INRA, p. LOPEZ, C.C. Fertirrigacion: cultivos hortícolas y ornamentales. Madrid: Mundi- Prensa, p. MATALANA GONZALEZ, A.; MONTERO CAMACHO, J.L. Invernaderos: deseño, construcción y climatización. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa, 1995, 205p.

4 BIBLIOGRAFIA: (continuação) MARTINEZ, P.F. Características climáticas de los invernaderos de plástico. Cartagena: Ediciones Mundi-Prensa, p. MONTEITH, J.L. UNSWORD, M.H. Principles of environmental physics. 2 th ed. London: Edward Arnold, 1990, 291p. NEDERHOFF, E.M. effects of CO 2 concentration on photosynthesis, transpiration and production of greenhouse fruit vegetable crops. Wageningen: Landbouwuniversiteit te Wageningen, p. Dissertation (Doctor in Lanbouwen Milieuwetenschappen), Landbouwuniversiteit te Wageningen, PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia Fundamentos e aplicações. Guaíba: Ed. Agropecuária, p. ROSENBERG, N.J. Microclimate: the biological environment. N.York: John Wiley & Sons, p. Também são recomendados trabalhos específicos publicados nos Anais dos Congressos Brasileiros de Agrometeorologia, de Horticultura, de Congressos Internacionais relacionados a área e de trabalhos científicos específicos publicados em revistas científicas, principalmente: - Acta Horticulturae; - Agricultural and Forest Meteorology; - Ciência Rural; - Ecological Engeneering; - Horticultura Brasileira; - Journal of Horticultural Science; - Revista Brasileira de Agrometeorologia; - Scientia Agrícola; - Scientia Horticulttturae. Coordenador do Curso Chefe do Departamento

5 (continuação): DEPARTAMENTO DE BIBLIOGRAFIA

6 Data: / / Data: / / Coordenador do Curso Chefe do Departamento

Programa Analítico de Disciplina FIT461 Produção de Hortaliças em Ambiente Protegido

Programa Analítico de Disciplina FIT461 Produção de Hortaliças em Ambiente Protegido 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 1 4 5 Períodos - oferecimento:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR EM ESTUFA COM COBERTURA DE POLIETILENO

AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR EM ESTUFA COM COBERTURA DE POLIETILENO AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR EM ESTUFA COM COBERTURA DE POLIETILENO Marcelo Augusto de Aguiar e Silva, João Francisco Escobedo, Emerson Galvani, Antonio Ribeiro da Cunha Departamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: PRODUÇÃO VEGETAL MODALIDADE: PRESENCIAL DISCIPLINA: METEOROLOGIA AGRÍCOLA TIPO: ( ) OBRIGATÓRIA ( X ) OPTATIVA PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI DEPARTAMENTO: PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS0014 FERTIRRIGAÇÃO [ ] Obrigatória [ X ] Optativa PROFESSOR Leilson Costa Grangeiro/José Francismar de Medeiros CARGA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO DADOS SOBRE A DISCIPLINA 1. Disciplina: NUTRIÇÃO DE PLANTAS 2. Responsável(eis): Renato de Mello Prado 3.

Leia mais

ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR NO INTERIOR DE ABRIGOS PARA O CULTIVO DE HORTALIÇAS

ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR NO INTERIOR DE ABRIGOS PARA O CULTIVO DE HORTALIÇAS ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR NO INTERIOR DE ABRIGOS PARA O CULTIVO DE HORTALIÇAS Felipe Heck Schallenberger 1 Simone Vieira de Assis 2 Euclides Schallenberger 3 RESUMO O trabalho constou da coleta e análise

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

A internacionalização da Scientia Agricola rumo à corrente principal

A internacionalização da Scientia Agricola rumo à corrente principal A internacionalização da Scientia Agricola rumo à corrente principal Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni Editor Chefe - Scientia Agricola Seminário sobre o desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2010

Leia mais

Key-word: Temperature, Hidroponic System.

Key-word: Temperature, Hidroponic System. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE COBERTURA NA TEMPERATURA DO AR EM SISTEMA HIDROPÔNICO Karen Maria da Costa Mattos ESALQ/USP - Depto de Ciências Exatas - Sessão de Física e Meteorologia Av. Pádua s 11, caixa

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS Bruno Guimarães de Oliveira 1 ; Erich Collicchio 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066 Página 1066 CONSUMO HÍDRICO DE PLANTAS DE MAMONA EM DIFERENTES NÍVEIS DE UMIDADE NO SOLO E SUA RELAÇÃO COM A RADIAÇÃO SOLAR Marília Alves Brito Pinto 1 ; Gabriel Franke Brixner 2, Carlos Reisser Júnior

Leia mais

Radiação solar em ambiente protegido cultivado com tomateiro nas estações verão-outono do Rio Grande do Sul

Radiação solar em ambiente protegido cultivado com tomateiro nas estações verão-outono do Rio Grande do Sul Ciência 86 Rural, Santa Maria, v.36, n.1, p.86-92, jan-fev, 2006Beckmann et al. ISSN 0103-8478 Radiação solar em ambiente protegido cultivado com tomateiro nas estações verão-outono do Rio Grande do Sul

Leia mais

Número de plantas para estimação do plastocrono em feijão guandu

Número de plantas para estimação do plastocrono em feijão guandu Número de plantas para estimação do plastocrono em feijão guandu Alberto Cargnelutti Filho 1 Marcos Toebe 2 Giovani Facco 3 Gustavo Oliveira dos Santos 3 Bruna Mendonça Alves 2 Anderson Bolzan 4 1 - Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PID0007 AGROMETEOROLOGIA [ ] Obrigatória [ X ] Optativa PROFESSOR(ES): José Espínola Sobrinho CARGA HORÁRIA SEMANAL TEÓRICA

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TOMATEIRO TIPO CEREJA EM CASA-DE-VEGETAÇÃO SOB DIFERENTES COBERTURAS PLÁSTICAS E SOLUÇÕES NUTRITIVAS

PRODUTIVIDADE DO TOMATEIRO TIPO CEREJA EM CASA-DE-VEGETAÇÃO SOB DIFERENTES COBERTURAS PLÁSTICAS E SOLUÇÕES NUTRITIVAS PRODUTIVIDADE DO TOMATEIRO TIPO CEREJA EM CASA-DE-VEGETAÇÃO SOB DIFERENTES COBERTURAS PLÁSTICAS E SOLUÇÕES NUTRITIVAS ESTER HOLCMAN ¹, PAULO CESAR SENTELHAS², SIMONE DA COSTA MELLO³. ¹ Mestranda do Programa

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DE ACEROLA ORGÂNICA NOS TABULEIROS LITORÂNEOS DO ESTADO DO PIAUÍ

MANEJO DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DE ACEROLA ORGÂNICA NOS TABULEIROS LITORÂNEOS DO ESTADO DO PIAUÍ MANEJO DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DE ACEROLA ORGÂNICA NOS TABULEIROS LITORÂNEOS DO ESTADO DO PIAUÍ Autor: Manoel de Jesus Nunes da Costa Junior 1 Orientador: Luis Gonzaga Medeiros de Figueredo Júnior 2 Universidade

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM AMBIENTE PROTEGIDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE RESFRIAMENTO EVAPORATIVO

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM AMBIENTE PROTEGIDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE RESFRIAMENTO EVAPORATIVO AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM AMBIENTE PROTEGIDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE RESFRIAMENTO EVAPORATIVO ANA KARINA DOS SANTOS OLIVEIRA 1, RAFAEL JOSÉ GOMES 2, MAGDA ALINE DA SILVA 3, CRISTIANE GUISELINI

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 2 DOCUMENTAÇÃO 3 FORMAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 2 DOCUMENTAÇÃO 3 FORMAÇÃO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Josiel Barbacovi Endereço: Rua João Tormen, 85 - Bairro Cerâmica Erechim RS 99709-464 Data de Nascimento: 16/09/1992 Naturalidade: Campinas do Sul - RS Nacionalidade: Brasileiro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO TANQUE CLASSE A PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DENTRO DE CASA DE VEGETAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO TANQUE CLASSE A PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DENTRO DE CASA DE VEGETAÇÃO UTILIZAÇÃO DO TANQUE CLASSE A PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DENTRO DE CASA DE VEGETAÇÃO CAROLINA FERNANDES 1, JOSÉ E. CORÁ 2, JAIRO A. C. de ARAÚJO 3 RESUMO: O trabalho teve como

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

SOLARIZAÇÃO E SEU EFEITO NA TEMPERATURA DO SOLO

SOLARIZAÇÃO E SEU EFEITO NA TEMPERATURA DO SOLO SOLARIZAÇÃO E SEU EFEITO NA TEMPERATURA DO SOLO ANDRÉ TREVISAN DE SOUZA 1, NEREU AUGUSTO STRECK 2, ALENCAR JUNIOR ZANON 3, BRUNO KRÄULICH 4, MICHEL DA ROCHA SILVA 4, THIAGO SCHMITZ MARQUES DA ROCHA 4,

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Oobjetivo do presente trabalho foi estimar e comparar a evapotranspiração

Oobjetivo do presente trabalho foi estimar e comparar a evapotranspiração Revista da Fapese, v.3, n. 2, p. 71-76, jul./dez. 2007 71 Determinação e Comparação entre Métodos de Estimativa da Evapotranspiração de Referência para a Região de Canindé do São Francisco-SE Wagner Roberto

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG-157 MÁQUINAS E MECANIZAÇÃO

Leia mais

IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE)

IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE) IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE) 1 Aluno do Curso de Pós-Graduação em Agronomia (Fitotecnia), Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza,

Leia mais

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Sustentação das Plantas nas Condições Ambientais do Cultivo Protegido de Alface em Sistema Hidropônico.

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Sustentação das Plantas nas Condições Ambientais do Cultivo Protegido de Alface em Sistema Hidropônico. Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Sustentação das Plantas nas Condições Ambientais do Cultivo Protegido de Alface em Sistema Hidropônico. Francisco José Alves Fernandes Távora 1, Pedro Renato

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

PLASTICULTURA. Histórico Uso no setor agrícola

PLASTICULTURA. Histórico Uso no setor agrícola PLASTICULTURA Histórico Uso no setor agrícola PLASTICULTURA Atividades agrícolas que utilizam o plástico Floricultura Olericultura Fruticultura Aquacultura Avicultura Suinocultura Estufas, telados, cobertura

Leia mais

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Justificativa: A agricultura familiar é responsável por parte considerável da produção agrícola do país, abastecendo principalmente

Leia mais

O que é balanço hídrico?

O que é balanço hídrico? O que é balanço hídrico? É a somatória das quantidades de água que entram e saem de uma certa porção do solo em um determinado intervalo de tempo. O resultado é a quantidade líquida de água que nele permanece

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS 0021 AUTOMAÇÃO NO AMBIENTE AGRÍCOLA [] Obrigatória [X] Optativa PROFESSOR: Suedêmio de Lima Silva CARGA HORÁRIA SEMANAL

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA

CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA CULTIVADAS EM CASCA DE ARROZ IN NATURA EM DUAS ÉPOCAS DE CULTIVO DA FONSECA, Leandro Andrade;

Leia mais

Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo.

Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo. Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo. Jaime Duarte Filho 1 ; Silvana C. S. Bueno 2 1 Fazenda Experimental de Caldas EPAMIG,

Leia mais

Comunicado. Técnico. Oídio das Cucurbitáceas. Importância. Sintomas. Ailton Reis 1

Comunicado. Técnico. Oídio das Cucurbitáceas. Importância. Sintomas. Ailton Reis 1 Comunicado 42 Técnico ISSN 1414-9850 Dezembro, 2007 Brasília, DF Oídio das Cucurbitáceas Ailton Reis 1 Importância É uma das principais doenças foliares das cucurbitáceas, cultivadas ou silvestres, no

Leia mais

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 Florestas Energéticas Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 O IAPAR Vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), é o órgão de pesquisa que da embasamento tecnológico

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES FILMES PLÁSTICOS COMO COBERTURA DE ABRIGOS PARA CULTIVO PROTEGIDO, EM ILHA SOLTEIRA (SP)

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES FILMES PLÁSTICOS COMO COBERTURA DE ABRIGOS PARA CULTIVO PROTEGIDO, EM ILHA SOLTEIRA (SP) UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES FILMES PLÁSTICOS COMO COBERTURA DE ABRIGOS PARA CULTIVO PROTEGIDO, EM ILHA SOLTEIRA (SP) M. J. A. FARIA JUNIOR 1, S. SENO 2, R. C. HORA 3, R. A. R. SOUZA 3 Escrito para apresentação

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

CAMPUS DE BOTUCATU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - HORTICULTURA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

CAMPUS DE BOTUCATU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - HORTICULTURA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - HORTICULTURA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Produção de Plantas Ornamentais CURSO: Mestrado ( X ) Doutorado ( X ) DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

Links para Pesquisa. http://www.scielo.br. http://www.periodicos.capes.gov.br/

Links para Pesquisa. http://www.scielo.br. http://www.periodicos.capes.gov.br/ Links para Pesquisa Descrição Scielo Artigos científicos: Capes Artigos e publicações Livros digitais Publicações Revistas Eletrônicas: Ciência & Ensino Revista Ciências do Ambiente On Line Revista Eletrônica

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA Ana Maria H. de Avila Pelotas, Novembro de 2010 Mudança Climática Global Mudanças no meio ambiente global (incluindo modificações no clima,

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

Introdução à Meteorologia Agrícola

Introdução à Meteorologia Agrícola Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Programa de Pós-Graduação em Agronomia Área de Concentração em Solo e Água AULA 1 Introdução à Meteorologia Agrícola Prof. Regis

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

ACTIVIDADE PEDAGÓGICA A. Docência

ACTIVIDADE PEDAGÓGICA A. Docência Ana Carla de Andrade Madeira Professor Associado Departamento de Ciências do Ambiente CURRICULUM VITAE 1977/78 Licenciada em Engenharia Agronómica pelo Instituto Superior de Agronomia. 1985 a 1988 - Doctor

Leia mais

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES Campus Graduação na área de Artes Ministrar aulas em disciplinas relacionadas à área de Artes em geral. Desenvolver projetos e atividades extra-curriculares nas Artes

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE TUBERCULOS DE BATATA, SIMULADA EM CENÁRIOS DE MUDANÇA CLIMÁTICA. JUNIOR ZANON 3

PRODUTIVIDADE DE TUBERCULOS DE BATATA, SIMULADA EM CENÁRIOS DE MUDANÇA CLIMÁTICA. JUNIOR ZANON 3 PRODUTIVIDADE DE TUBERCULOS DE BATATA, SIMULADA EM CENÁRIOS DE MUDANÇA CLIMÁTICA. NEREU AUGUSTO STRECK 1, JOSANA ANDREIA LANGNER 2, ALENCAR JUNIOR ZANON 3 1 Engenheiro Agrônomo, Professor Associado, PhD,

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Comunicado 98 Técnico

Comunicado 98 Técnico Comunicado 98 Técnico ISSN 1808-6802 Setembro, 2009 Bento Gonçalves, RS Foto: Marco A. F. Conceição Microclima em vinhedo coberto com tela plástica Marco Antônio Fonseca Conceição 1 Introdução Na região

Leia mais

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Estado do Rio Grande do Sul CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Boletim de Informações

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal PLANO DE CURSO Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário

Leia mais

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET Sediada em Cuiabá, Mato Grosso, a Nuvem Tecnologia Ltda desenvolve softwares para empresas de médio e grande porte no centro-oeste do país. A partir do know-how adquirido sobre rastreabilidade, lançou

Leia mais

PRODUÇÃO E INFLUENCIA DA RADIAÇÃO SOLAR EM GÉRBERAS CULTIVADAS EM AMBIENTE PROTEGIDO SOB DIFERENTES TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO

PRODUÇÃO E INFLUENCIA DA RADIAÇÃO SOLAR EM GÉRBERAS CULTIVADAS EM AMBIENTE PROTEGIDO SOB DIFERENTES TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO XLIII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 PRODUÇÃO E INFLUENCIA DA RADIAÇÃO SOLAR

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

Índice de área foliar da videira sob cobertura plástica no Submédio São Francisco

Índice de área foliar da videira sob cobertura plástica no Submédio São Francisco Índice de área foliar da videira sob cobertura plástica no Submédio São Francisco Magna S. B. de Moura 1, Elieth de O. Brandão 2, José M. Soares 3, José F. A. do Carmo 2, Luciana S. B. de Souza 4, Thieres

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III: Aquecimento Global e Impactos sobre o Seguro Rural Subsídios Complementares para o Debate Campinas, 25 de junho de 2008 Lauro T. G.

Leia mais

Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation

Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation José Carlos Pezzoni Filho 1 ; Lucas Benso 1 ; Edson Luiz Furtado 1 ; Célia

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL

REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL Gilberto Rocca da Cunha 1, Aldemir Pasinato 2, João Leonardo Fernandes Pires 1, Genei Antonio

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ

BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ R. N. F. MONTEIRO 1 ; A. S. de ANDRADE JUNIOR 2 ; K. N. LEITE 3 ; A. O. da SILVA 4 ; M. J. F. DANTAS 5. RESUMO: No Estado do Ceará, a fruticultura

Leia mais

16 ev Bras Agrometeorologia, v 14, n 1, p 16-11, 26 LULU, J ; PEDO Jr, M J - Microclima de vinhedos cultivados sob cobertura plástica e a céu aberto ecebido para publicação em 11// Aprovado em 2/1/6 ISSN

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Página 1077 CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Ricardo Pereira Veras 1 ; Pedro Dantas Fernandes 2 ; Eduardo Maciel Oliveira Laime 3 ; Janivan Fernandes Suassuna 4

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO RESUMO ABSTRACT Juliano Tadeu Vilela de Resende 1 Elisabete Domingues Salvador 1 Marcos Ventura Faria 1 Nicolau Mallmann

Leia mais

EFEITOS DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS SOBRE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO FEIJÃO PÉROLA (Phaseolus vulgaris L.)

EFEITOS DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS SOBRE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO FEIJÃO PÉROLA (Phaseolus vulgaris L.) EFEITOS DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS SOBRE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO FEIJÃO PÉROLA (Phaseolus vulgaris L.) Edivania de Araújo LIMA 1 ; Alcides Olinto da SILVA 2 ;Hudson Hellen Alencar MENEZES

Leia mais

VIABILIZAÇÃO DE SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO DE TOMATE POR MEIO DE ABRIGOS DE CULTIVO

VIABILIZAÇÃO DE SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO DE TOMATE POR MEIO DE ABRIGOS DE CULTIVO VIABILIZAÇÃO DE SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO DE TOMATE POR MEIO DE ABRIGOS DE CULTIVO VIABILILITY OF ORGANIC TOMATO PRODUCTION SYSTEM BY GREENHOUSES Euclides Schallenberger 1* ; José Angelo Rebelo 2 ;

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta. Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal

Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta. Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal Crescimento populacional - Estimativa de uma população

Leia mais

A Gestão da Carga na Sustentabilidade do Pomar

A Gestão da Carga na Sustentabilidade do Pomar 7 A Gestão da Carga na Sustentabilidade do Pomar António Ramos Escola Superior Agrária, Quinta da Sra. de Mércules, 6001-909 Castelo Branco, Portugal aramos@ipcb.pt Sumário Nesta conferência enquadra-se

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DOS EFLUENTES E SUBSTRATOS ALTERNATIVOS EM CULTURAS SEM SOLO DE TOMATE EM ESTUFA (Resumo dos resultados obtidos no PAMAF- 6156 )

REUTILIZAÇÃO DOS EFLUENTES E SUBSTRATOS ALTERNATIVOS EM CULTURAS SEM SOLO DE TOMATE EM ESTUFA (Resumo dos resultados obtidos no PAMAF- 6156 ) REUTILIZAÇÃO DOS EFLUENTES E SUBSTRATOS ALTERNATIVOS EM CULTURAS SEM SOLO DE TOMATE EM ESTUFA (Resumo dos resultados obtidos no PAMAF- 6156 ) 1. Entidades Participantes Universidade do Algarve (UAlg) Centro

Leia mais

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS Maykell Costa¹; Aline Guterres Ferreira²; Andréa Cristina Dörr³; Abel Panerai Lopes 4 ¹Acadêmico do Curso

Leia mais

Análise da perda potencial da soja no município de Assis Chateubriand para fins de monitoramento agrometeorológico para a gestão do seguro agrícola

Análise da perda potencial da soja no município de Assis Chateubriand para fins de monitoramento agrometeorológico para a gestão do seguro agrícola Análise da perda potencial da soja no município de Assis Chateubriand para fins de monitoramento agrometeorológico para a gestão do seguro agrícola Leandro Calve 1, Maria Angela Fagnani 2 1 Eng. Agrícola,

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum)

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) KEIGO MINAMI 1 HENRIQUE PAULO HAAG 2 RESUMO: Com a finalidade de estudar a extração de macro e micronutrientes

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário Jose Carlos Zukowski Coordenador Geral do SEAF POLÍTICAS DA SAF/MDA COM AÇÕES A EM SEMENTES Agroecologia Desenvolvimento sustentável Diversificação Seguro da da Agricultura

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP

ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP Apresentação ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP A Agronomia está intimamente ligada à produção de alimentos, sejam estes de origem animal ou vegetal. Compete ao Engenheiro Agrônomo produzir, conservar, transformar

Leia mais