Linha de Pesquisa ASTRONOMIA / FÍSICA. Situação Astrofísica de Altas Energias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linha de Pesquisa ASTRONOMIA / FÍSICA. Situação Astrofísica de Altas Energias"

Transcrição

1 Projeto Isolado Descrição: de Projetos Isolados Área de Concentração: 0 Astrofísica de Altas Energias 1973 Descrição: Estudamos a natureza e evolução de fenômenos de alta energia e sua relação com as observações em raios-x, raios-gama, neutrinos e outras "janelas" para o estudo da matéria em condições extremas. Cromodinâmica quântica e supernovas Dinâmica de pulsares jovens Dinâmica do processo de formação estelar em nuvens moleculares Estudo da estrutura fractal do universo Evaporação de buracos negros primordiais Fontes de ondas gravitacionais GRB e superbolhas Instalabiidades dinâmicas e magnetohidrodinâmicas em fluídos astrofísicos: aplicação a teoria de deflagração e detonação de supernovas tipo Ia Origem e propagação de raios cósmicos ultra-energéticos Produção de jatos astrofísicos Produção de raios cósmicos ultra-energéticos Simulações númericas HD e MHD tridimensionais de jatos cósmicos Teoria da função de massas dos objetos sub-estelares da galáxia Astrofísica do Sistema Solar 1973 Descrição: O grupo faz pesquisas em fenômenos da atmosfera solar e cauda de cometas. No presente momento, as pesquisas se concentram em estudo das estruturas da coroa solar, cujos dados observacionais são obtidos por ocasião de eclipses solares. Análise fotométrica e morfológica da coma do cometa Hale-Bpp (Cc/1995 O1) Evolução temporal das praias de CaII e a rotação solar Inomogeneidades subtelescópicas na densidade eletrônica da coroa solar de 11/08/99 Astrometria 1973 Descrição: Localização espacial de membros do sistema solar, estrelas e objetos extragalácticos. O círculo meridiano CCD cumpre variados programas de movimentos próprios com fotomtria. Astrolábio observa raio solar. Área de Concentração: ASTRONOMIA FUNDAMENTAL Expansão das capacidades do círculo meridiano e câmara CCD Observações meridianas CCD Redução de observações meridianas CCD Astrometria Solar 1973 Descrição: O objetivo central do grupo é a obtenção de informação precisa da localização espacial dos membros do sistema solar, das estrelas e de objetos extragalácticos. Área de Concentração: ASTRONOMIA FUNDAMENTAL Astrometria solar 1 de 5 17/07/00 às 19:27

2 Astronomia Extragaláctica 1973 Descrição: O grupo tem uma atividade voltada para a interpretação dos aspectos fenomenológicos das galáxias utilizando observações tanto fotométrica como espectroscópicas. Abundâncias químicas em galáxias espirais do aglomerado de Virgo Aglomerados de galáxias Barras em espirais de tipo jovem Bojos com rotação retrograda Campos de velocidades de galáxias em grupos compactos Espectroscopia e imageamento de galáxias ativas Estrutura vertical de barras em galáxias Estudo das propriedades de galáxias em meios densos Estudo de aglomerado de galáxias Estudo de galáxias binárias Galáxias do tipo E/SO Galáxias elípticas em aglomerados Halos escuros em galáxias lenticulares Mg-sigma de galáxias elípticas próximas Propriedades estruturais e fotométricas de grupos de galáxias Propriedades fotométricas e dinâmicas em galáxias com bojos retangulares Simulação de bojos retangulares Concluído Astroquímica, Cometas e Moléculas Interestelares 1973 Descrição: No cosmo, as moléculas constituem importantes sondas de diagnóstico. Seus estudos - ou Astroquímica - dão enfoque às pesquisas do grupo. Área ativa, raio nuclear mínimo e razão poeira-gás nos cometas 58P/Jackson-Neujmin e 67P/Churyumov Gerasimenko Cometas Taxas de produção de gás e de partículas de poeira, áreas nucleares ativas e raios nucleares mínimos dos cometas 2P/Encke, 81P/Wild 2, 6P/d'Arrest, Concluído 73P/Schwassmann-Wachmann 3 e C/1994 V1 Levy-Rudenko Atividade e Evolução de Galáxias 1973 Descrição: O grupo utiliza simulação numérica na análise de diferentes tipos de problemas apresentados na interpretação de observações. O objetivo é compreender a evol. das galáxias e como esta se relaciona com características observ. que indicam grande atividade. Evolução de galáxias elípticas - um modelo químeo-dinâmico Formação de galáxias no contexto de cosmologias de aglomeramento hierárquico Linhas de absorção dos QSOs Linhas estreitas em emissão de núcleos ativos de galáxias Modelos de fotoionização para nebulosas de emissão em fluxo de resfriamento Nebulosas planetárias galácticas: uma visão sintética Reconexão magnética em aglomerados de galáxias Regiões HII e nebulosas planetárias 2 de 5 17/07/00 às 19:27

3 Cosmologia Observacional 1973 Descrição: Estudamos a estrutura e evolução de aglomerados de galáxias, com ênfase na evol. da população galáctica nessas estruturas, usando ferramentas que incluem classif. automatica de galáxias (morf. e espec.) e busca e análise de efeitos de lentes gravitac. Câmera e redutor focal para um CCD SITe de 2048x2048 pixels Classificação espectral de galáxias Dinâmica de aglomerados de galáxias Lentes gravitacionais em aglomerados de galáxias de baixo redshift Variabilidade de núcleos ativos de galáxias Dinâmica do Sistema Solar e Astronomia Dinâmica 1973 Descrição: Este programa tem como objetivo o estudo da dinâmica dos planetas, satélites e asteróides do Sistema Solar e de sistemas planetários extraterrestres. Estudo das origens de aspectos observados no Sistema Solar. Caos, Ressonância e Movimentos Coerentes. Área de Concentração: DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR Dinâmica Asteroidal Dinâmica de Galáxias Elípticas Mapas simpléticos Processos dinâmicos lentos nos cinturões de pequenos corpos do Sistema Solar Representação do Potencial Perturbador Teorias de Média e Ressonâncias Transporte caótico e evolução orbital ressonantes e asteróides e planetas Estágios Finais de Evolução Estelar 1973 Descrição: O grupo tem investigado a evolução química de estrelas de massa intermediária, bem como ao estudo comparativo de aglomerados globulares. Estão também sendo formulados modelos de evolução química de sistemas estelares. Abndâncias químicas em estágios avançados de evolução estelar Determinação de efeitos para fora do equiílibrio termodinâmico local (ETL) no cálculo de abundâncias estelares Estágios finais de evolução estelar e estrutura galática Evolução química das Nuvens de Magalhães Evolução química e dinâmica de galáxias Modelagem numérica e imageamento em alta resolução de envoltórias circunstelares em sistemas simbióticos Projeto Virgo: medidas de ondas gravitacionais Evolução de Estrelas Massivas 1973 Descrição: As estrelas de alta massa têm forte impacto na evolução química das galáxias e no Meio Interestelar. Os estágios iniciais e finais da evolução desses objetos ainda são pouco conhecidos. Espectroscopia de Estrelas Massivas Mapeamento da Galáxia através de Estrelas Massivas 3 de 5 17/07/00 às 19:27

4 Nebulosas Fotoionizadas e Evolução Química 1973 Descrição: Os projetos desenvolvidos compreendem a análise de abundâncias em nebulosas fotoionizadas da Galáxia e das Nuvens de Magalhães, suas correlações com propriedades cinemáticas e espaciais e evolução química das galáxias. Evolução química da Galáxia Plasma Astrofísico e Cosmologia 1973 Descrição: A pesquisa desenvolvida pelo grupo consiste basicamente na construção de modelos teóricos para explicar vários aspectos da fenomenologia des plasmas astrofísicos, abrangendo: estelar, extragaláctica, do meio interestelar, solar e cosmologia. A energia do vácuo em astrofísica A influência de ondas MHD em ventos estelares e sua evolução temporal A origem das supernovas II A origem dos campos magnéticos primordiais e estelares A origem dos raios cósmicos Conversão P-->N em campos magnéticos intensos em objetos compactos Efeitos observacionais da teoria MOND ("Modified Newtonian Dynamics") Estudos teóricos e observacionais de ondas Alfvén em discos de acresção e jatos protoestelares Formação da região de linhas largas em quasares: emissividade em altas temperaturas Formação das primeiras estruturas do universo Instabilidades e amortecimento da radiação eletromagnética em jatos extragaláticos Microquasares Núcleos ativos de galáxias Ondas MHD na formação de galáxias e estrelas Origem do momento angular das galáxias Radiofontes clássicas e parâmetros cosmológicos Polarimetria do Meio Interestelar 1973 Descrição: O grupo utiliza a Polarimetria como ferramenta em três áreas básicas: 1. Poeira Interestelar (na Galáxia e Nuvens de Magalhães); 2. Envelopes Estelares (observações e modelagem numérica); 3. Núcleos de Galáxias Ativas (espectropolarimetria); 4. Instrumen Envelopes estelares Espectropolarimetria e polarimetria de imagem Estrutura de núcleos ativos de galáxias Poeira interestelar na galáxia e nas Nuvens de Magalhães Populações Estelares 1973 Descrição: Trata-se de determinação de abundâncias em amostras de estrelas, evolução química das galáxias, diagramas cor-magnitude de aglomerados de estrelas e espectros integrados de galáxias para estudo de suas populações estelares. Estrelas pré-sequência principal Estrelas ultra-pobres em metais do halo galáctico Evolução química e populações estelares Populações Estelares RR Lyrae e a cinemática da galáxia 4 de 5 17/07/00 às 19:27

5 Radioastronomia e Meio Interestelar 1973 Descrição: O objetivo do grupo é pesquisar o Meio Interestelar (regiões HII, nuvens moleculares, formação de estrelas, jatos de quasares, etc.) principalmente através de observações radio-astronômicas e infravermelhas, desenvolvendo-se também instrumentação. Construção de um espectrógrafo para o telescópio SOAR Estrutura em escala de parsecs de AGN's Estudo da estrutura da galáxia Estudo das populações estelares jovens embebidas em Rho Ophiuchi e Camaleão I Estudo de estrelas com perda de massa Estudo de estrelas do tipo Ae/Be de Herbig Estudo de regiões HII e nuvens moleculares Formação de estrelas em colisões de nuvens interestelares Procura de novas estrelas T-Tauri Sistemas de rastreio e aquisição de dados para o Radiotelescópio do Itapetinga Sismologia Estelar 1973 Descrição: A sismologia estelar busca fzer avançar nossos conhecimentos sobre a física das estrelas através do estudo de características apresentadas por sua superfície, via análise de suas linhas espectrais e do seu nível fotométrico. Acresção em binárias X Atividade estelar e circunstelar em estrelas Be Cromosferas de estrelas gigantes frias Detecção de muons em chuveiros atmosféricos Fontes X supermoles Variáveis Cataclísmicas e Núcleos Ativos de Galáxias 1973 Descrição: Este grupo estuda sistemas binários de estrelas em que uma componente é um objeto compacto: anã branca, estrela de neutrons ou buraco negro; estuda, ainda, núcleos ativos de galáxias, especialmente os de baixa luminosidade. Discos de acresçãp em binárias cataclísmicas Estrelas AM Herculis Estrelas Simbióticas Estrelas V Sagittae Novas clássicas - sua natureza e evolução Núcleos Ativos de Galáxias 5 de 5 17/07/00 às 19:27

A Via Láctea Curso de Extensão Universitária Astronomia: Uma Visão Geral 12 a 17 de janeiro de 2004 Histórico Sec. XVII Galileu: descobriu que a Via-Láctea consistia de uma coleção de estrelas. Sec. XVIII/XIX

Leia mais

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa A Via-Láctea Prof. Fabricio Ferrari Unipampa adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa Aparência da Via Láctea no céu noturno Imagem de todo o céu em luz visível Nossa

Leia mais

Evolução Estelar e A Via-Láctea

Evolução Estelar e A Via-Láctea Introdução à Astronomia Evolução Estelar e A Via-Láctea Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS02010-A - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 3.a PROVA - 2012/1 - Turma C NOME: I.Nas questões de 1 a 20, escolhe a alternativa

Leia mais

Uma estrela-bebê de 10 mil anos

Uma estrela-bebê de 10 mil anos 1 Uma estrela-bebê de 10 mil anos Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Email: jane@astro.iag.usp.br A versão original deste texto foi divulgada no CD-ROM da 48ª Reunião Anual da SBPC, na qual a conferência Estrelas

Leia mais

Interação entre jatos protoestelares gigantes e o campo magnético interestelar.

Interação entre jatos protoestelares gigantes e o campo magnético interestelar. Interação entre jatos protoestelares gigantes e o campo magnético interestelar. Lorena do Carmo Jesus Orientadora: Claudia Vilega Rodrigues INPE 7 de abril de 2015 Divisão de Astrofísica (INPE) WORKSHOP

Leia mais

Missão Gaia Radial Velocimetry Spectroscope (RVS) - variação da qualidade óptica no campo subtenso por CCD s individuais

Missão Gaia Radial Velocimetry Spectroscope (RVS) - variação da qualidade óptica no campo subtenso por CCD s individuais PAA1 Missão Gaia Radial Velocimetry Spectroscope (RVS) - variação da qualidade óptica no campo subtenso por CCD s individuais Instrumentação em Astronomia Responsável pelo projecto José Manuel Rebordão

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/ Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Galáxias Tibério B. Vale http://astro.if.ufrgs.br/ A descoberta das galáxias Kant (1755): hipótese dos "universos-ilha": a Via Láctea é apenas uma galáxia a mais

Leia mais

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Elementos de Astronomia Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Rogemar A. Riffel Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

Astronomia Extragaláctica

Astronomia Extragaláctica Astronomia Extragaláctica Domingos Barbosa Grupo de RadioAstronomia Enabling Sciences & Suporting Technologies IT Aveiro 4ª. EAG 2008 1 - Dos objectos: da nossa galáxia á vizinhança 2- Da matéria: dinâmica

Leia mais

A S T R O F Í S I C A. E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Eventos de Raios Gama

A S T R O F Í S I C A. E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Eventos de Raios Gama A S T R O F Í S I C A E X T R A G A L Á C T I C A 2004 Eventos de Raios Gama Gamma-ray Bursts Um dos primeiros eventos em raios gama detectado pelo satélite militar Vela, que foi lançado para monitorar

Leia mais

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Galáxias Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Definição de gálaxia As galáxias são gigantescos sistemas formados por bilhões de estrelas e de matéria interestelar. O diâmetro típico

Leia mais

Como as estrelas se formam?

Como as estrelas se formam? EAD - Astrofísica Geral 2013 Home Informações Gerais Cronograma do Curso Contato Inscrições Como as estrelas se formam? Nada no Universo existe para sempre, talvez nem mesmo o próprio Universo. Todas as

Leia mais

ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL

ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL Roteiro Aula 1 Radiação Telescópios Instrumentos: espectrógrafos Detectores Aula 2 Espectroscopia Fotometria Imageamento Outras técnicas: astrometria, polarimetria, interferometria

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica A Via Láctea Rogemar A. Riffel Breve histórico Via Láctea: Caminho esbranquiçado como Leite; Galileo (Sec. XVII): multitude de estrelas; Herschel (XVIII): Sistema achatado

Leia mais

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA DO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO CAOAL VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

Aula 08 Sistema Solar

Aula 08 Sistema Solar Aula 08 Sistema Solar Hipótese de Laplace: como surgiu o sistema solar a partir da Nebulosa primordial. (1), (2) A conservação do momento angular requer que uma nuvem em rotação e em contração, deve girar

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

POLARIMETRIA ÓPTICA E NO INFRAVERMELHO PRÓXIMO E A ASTRONOMIA HOJE

POLARIMETRIA ÓPTICA E NO INFRAVERMELHO PRÓXIMO E A ASTRONOMIA HOJE POLARIMETRIA ÓPTICA E NO INFRAVERMELHO PRÓXIMO E A ASTRONOMIA HOJE White paper para a Comissão Especial de Astronomia Alex C. Carciofi - IAG/USP Antônio Kanaan - UFSC Antônio Mário Magalhães - IAG/USP

Leia mais

UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA

UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA AULA 26 A VIA LÁCTEA OBJETIVOS: Ao final desta aula, o aluno deverá: conhecer a constituição e a estrutura da Via Láctea; ter noções sobre a extinção interestelar

Leia mais

Aglomerados de estrelas, remanescentes e associações: perspectivas da pesquisa no Brasil

Aglomerados de estrelas, remanescentes e associações: perspectivas da pesquisa no Brasil Aglomerados de estrelas, remanescentes e associações: perspectivas da pesquisa no Brasil A pesquisa em Astronomia é fundamentada na busca da caracterização e entendimento dos diversos objetos que compõem

Leia mais

XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA

XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA Plutão SAR - SOCIEDADE ASTRONÔMICA DO RECIFE XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA INTRODUÇÃO TEÓRICA E OBSERVACIONAL R 1 Introdução Este curso destina-se a todas as pessoas interessadas por observações

Leia mais

Thales Cerqueira Mendes

Thales Cerqueira Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Thales Cerqueira Mendes CLASSIFICAÇÃO, CARACTERÍSTICAS,

Leia mais

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Aluno: Alexandre Bergantini de Souza Evelyn Cristine. F. M. Martins Aula 7 - Zona de Habitabilidade: Estelar, Planetária

Leia mais

Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção. Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ

Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção. Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ Raios Cósmicos: Fundamentos e técnicas de detecção Carla Bonifazi Instituto de Física - UFRJ Aula 17/07 X Escola do CBPF - 2015 Conteúdo do Curso Introdução: historia e primeiros detectores Medições diretas

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE ASTERÓIDES

TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE ASTERÓIDES TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE ASTERÓIDES Tina Andreolla 1 Já era de se imaginar que o homem não descansaria. A NASA e a ESA são exemplos de agências espaciais financiadas por seus respectivos Estados

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL

Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL O Sol, nossa fonte de luz e de vida, é a estrela mais próxima de nós e a que melhor conhecemos. O Sol é uma estrela comum. Basicamente, é uma enorme esfera de gás incandescente,

Leia mais

Ciincias Exatas e da Terra. 1. AstronOmia

Ciincias Exatas e da Terra. 1. AstronOmia 1982 Ciincias Exatas e da Terra 1. AstronOmia SEPlAN SEOIE'_A [)( Pl.A"EJAME"TO "~CNPq CO!lII5aJj() DE DESENVOI.VIMENTO NN::JO'

Leia mais

Estrelas binárias e estrelas variáveis

Estrelas binárias e estrelas variáveis Estrelas binárias e estrelas variáveis J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Resumo Grande parte das

Leia mais

Ricardo Avelino Gomes 1

Ricardo Avelino Gomes 1 artigos Olhando o céu do fundo de um poço Ricardo Avelino Gomes 1 No início havia um múon que atravessou toda a atmosfera e chegou na superfície da Terra. Na viagem, desafiou e desdenhou a mecânica de

Leia mais

Pequenos Corpos do Sistema Solar: Asteróides, Cometas e TNOs.

Pequenos Corpos do Sistema Solar: Asteróides, Cometas e TNOs. Pequenos Corpos do Sistema Solar: Asteróides, Cometas e TNOs. Processos físicos atuantes e sua relação com a formação planetária White Paper para a Comissão Especial de Astronomia assinado por (ordem alfabética):

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

Plano Nacional de Astronomia

Plano Nacional de Astronomia Plano Nacional de Astronomia Comissão Especial de Astronomia Outubro de 2010 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

Propriedades Planetas Sol Mercúrio Vênus Terra. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar

Propriedades Planetas Sol Mercúrio Vênus Terra. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar Introdução à Astronomia Fundamental Distribuição de Massa Sol: 99.85% Planetas: 0.135% Cometas: 0.01%? Satélites: 0.00005% Asteroides e Planetas Menores: 0.0000002%? Meteoróides: 0.0000001%? Meio Interplanetário:

Leia mais

Resumo em Português. Restrições Observacionais na Evolução da Poeira em Discos Protoplanetários

Resumo em Português. Restrições Observacionais na Evolução da Poeira em Discos Protoplanetários Resumo em Português Restrições Observacionais na Evolução da Poeira em Discos Protoplanetários De acordo com dados do telescópio WMAP (Sonda Wilkinson de Anisotropia no Microondas, na sigla em inglês),

Leia mais

Adriana Valio. (Adriana Silva, Adriana Silva-Valio) Centro de Rádio Astronomia e Astrofísica Mackenzie Universidade Presbiteriana Mackenzie

Adriana Valio. (Adriana Silva, Adriana Silva-Valio) Centro de Rádio Astronomia e Astrofísica Mackenzie Universidade Presbiteriana Mackenzie Adriana Valio (Adriana Silva, Adriana Silva-Valio) Centro de Rádio Astronomia e Astrofísica Mackenzie Universidade Presbiteriana Mackenzie Workshop DAS INPE 08/04/2014 Áreas de Pesquisa Física solar: Observações:

Leia mais

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 8 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira Capítulo 8 ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Tendo estudado de que forma as estrelas emitem sua radiação, e em

Leia mais

5910179 Biofísica I Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Origem dos elementos

5910179 Biofísica I Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Origem dos elementos Origem dos Elementos Os organismos vivos são constituídos basicamente por oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, cálcio e fósforo, que juntos perfazem 99% da composição do corpo humano. Elemento Símbolo

Leia mais

RADIOASTRONOMIA: NOÇÕES INICIAIS PARA O ENSINO MÉDIO E FUNDAMENTAL COMO ILUSTRAÇÃO DE AULA

RADIOASTRONOMIA: NOÇÕES INICIAIS PARA O ENSINO MÉDIO E FUNDAMENTAL COMO ILUSTRAÇÃO DE AULA RADIOASTRONOMIA: NOÇÕES INICIAIS PARA O ENSINO MÉDIO E FUNDAMENTAL COMO ILUSTRAÇÃO DE AULA Cleiton Joni Benetti Lattari FEMA-IMESA Assis SP CESULON/Centro de Estudos Superiores de Londrina Londrina PR

Leia mais

Parte V. O Universo Muito Perturbado

Parte V. O Universo Muito Perturbado Parte V O Universo Muito Perturbado Evolução Não Linear Antes da recombinação: Hoje: Radiação e matéria acoplados ρ 10 ρ 4 Radiação e matéria desacoplados ρ Gal ρ 10 6 Necessidade de estudar o regime não-linear

Leia mais

GEOLOGIA. Prof. Dr. Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.wiki.br

GEOLOGIA. Prof. Dr. Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.wiki.br GEOLOGIA Prof. Dr. Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.wiki.br Origem do Universo e Sistema Solar Origem do Universo e Sistema Solar Teoria do Big Bang - o universo surgiu

Leia mais

O Universo visto com outros olhos. Marcio A.G. Maia

O Universo visto com outros olhos. Marcio A.G. Maia O Universo visto com outros olhos Marcio A.G. Maia O Cosmos Murilo Mendes Desta janela interrogativa distingo o cosmo: metade homem, metade mulher, "due archi paralleli e concolori" (Par.xii, 11). Chora

Leia mais

Massa e Luz no Universo

Massa e Luz no Universo 1 Massa e Luz no Universo Laerte Sodré Jr. (Departamento de Astronomia, IAG/USP) email: laerte@astro.iag.usp.br OBS: texto originalmente publicado na Revista USP no.62 Introdução Vivemos um momento interessante

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 14 (C. Oliveira & V.Jatenco-Pereira) Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 14 (C. Oliveira & V.Jatenco-Pereira) Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR 150 Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo do meio entre as estrelas ou meio interestelar, usualmente rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

F031/032 : Tópicos T Astronomia e Astrofísica

F031/032 : Tópicos T Astronomia e Astrofísica F031/032 : Tópicos T em Astronomia e Astrofísica sica Prof. Ernesto Kemp Prof. Pedro C. Holanda UNICAMP IFGW DRCC kemp@ifi.unicamp.br holanda@ifi.unicamp.br Programa do Curso (KEMP) Conceitos básicos de

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA

TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA DADOS DO DOCENTE: Prof. Dr. Sandro Barboza Rembold EMENTA: LATO/DCET/UESC sbrembold@uesc.br Noções de astronomia esférica, gravitação newtoniana, cosmologia newtoniana,

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL III JORNADA PCI/Pós-Doc DO OBSERVATÓRIO NACIONAL Auditório do Prédio Emmanuel Liais 04 e 05/11/2009 14 horas

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL III JORNADA PCI/Pós-Doc DO OBSERVATÓRIO NACIONAL Auditório do Prédio Emmanuel Liais 04 e 05/11/2009 14 horas PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL III JORNADA PCI/Pós-Doc DO OBSERVATÓRIO NACIONAL Auditório do Prédio Emmanuel Liais 04 e 05/11/2009 14 horas PROGRAMAÇÃO 04 de novembro, 4ª. feira 14:00 Fabrina Magalhães

Leia mais

Ventos Estelares. Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ)

Ventos Estelares. Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ) Ventos Estelares Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ) movimento do ar/gás/fluido Hidrodinâmica Definição de vento estelar: perda contínua* das partes mais externas de uma estrela ou matéria (gás/atmosfera)

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Telescópios. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Telescópios. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Telescópios Rogemar A. Riffel Telescópios Função: coletar a luz dos objetos, tornando possível o estudo de fontes muito fracas. Parâmetros fundamentais: Abertura da superfície

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

Matéria Escura. Introdução à Cosmologia 2012/02

Matéria Escura. Introdução à Cosmologia 2012/02 Matéria Escura Introdução à Cosmologia 2012/02 Introdução Determinação do parâmetro de densidade da matéria não relativística. Estudo da história e evolução do Universo. Conhecimento da composição do Universo.

Leia mais

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP)

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Objetivo: Esta atividade, elaborada para o programa "Telescópios na Escola", é indicada para quem nunca observou antes com um telescópio

Leia mais

ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe.

ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe. 1 ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe.br RESUMO O uso de recursos multimídia tem sido uma das alavancas motivadoras

Leia mais

Telescópios: de Galileu à Óptica Adaptativa. João E. Steiner IAG/USP

Telescópios: de Galileu à Óptica Adaptativa. João E. Steiner IAG/USP Telescópios: de Galileu à Óptica Adaptativa João E. Steiner IAG/USP A luneta em 1609 A primeira ilustração conhecida de um telescópio. Giovanbattista della Porta incluiu este desenho em uma carta escrita

Leia mais

Via Láctea, a Nossa Galáxia

Via Láctea, a Nossa Galáxia *UXSR GH $VWURQRPLD GD 8QLYHUVLGDGH GD 0DGHLUD Via Láctea, a Nossa Galáxia Laurindo Sobrinho Semana da Astronomia 24 de Julho de 2001 Via Láctea Se olharmos para o Céu numa noite de Verão limpa e escura

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 7 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira) O SOL

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 7 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira) O SOL O SOL Vimos no capítulo anterior a natureza da radiação eletromagnética e como ela transfere energia através do espaço. É com base na luz emitida pelas estrelas que podemos extrair informações importantes

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Galáxias. dista. Sueli M. M. Viegas Instituto Astronômico e Geofísico, Universidade de São Paulo

Galáxias. dista. Sueli M. M. Viegas Instituto Astronômico e Geofísico, Universidade de São Paulo No início do século passado, graças à melhoria dos métodos de determinação de distâncias dos objetos celestes e do desenvolvimento das técnicas observacionais, abriu-se um novo campo na astronomia que,

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Tecnológica Nacional, Argentina Colégio Retamar de Madrid, Espanha Universidade Politécnica

Leia mais

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Alexandre Bergantini de Souza Evelyn Cristine de Freitas Marques Martins Aula 8 - Exoplanetas, Biomarcadores em

Leia mais

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas John R. Percy International Astronomical Union Universidad de Toronto, Canada Evolução das estrelas Nebulosa do Anel, uma estrela moribunda. Fonte:

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO

DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO José Augusto S. S. Dutra, Francisco C. R. Fernandes Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP / Instituto de Pesquisa e

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

Capítulo 3. O gás e a poeira

Capítulo 3. O gás e a poeira Capítulo 3 O gás e a poeira Um pouco mais de história O espaço entre as estrelas é praticamente vazio. A densidade média da matéria interestelar é tão baixa, que é menor do que a do melhor vácuo que se

Leia mais

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!!

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!! Astronomia História... O modelo grego para explicar o movimento dos corpos celestes foi estabelecido no século IV a.c. Neste modelo a Terra estava no centro do universo e os outros planetas, Sol e Lua

Leia mais

AstrofísicaFontes galácticas,

AstrofísicaFontes galácticas, TodasAsPalavras» nm#744» entrevista AstrofísicaFontes galácticas, nuvens de Magalhães,buracos negros,são mistérios românticos para qualquer um.mas não para Miguel Avillez,astrofísico,presidente da Sociedade

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Estrelas Prof. Tibério B. Vale Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de

Leia mais

18. Lentes gravitacionais

18. Lentes gravitacionais 18. Lentes gravitacionais 1 lentes gravitacionais a gravitação afeta a propagação da luz, criando o efeito de lentes gravitacionais 2 lentes gravitacionais há muitos efeitos, em 2 regimes: -lentes fortes:

Leia mais

O Sol. Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com

O Sol. Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com O Sol Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com Aula Anterior: Sistema Solar Terra, Lua e Sol Terra: estrutura, características, estações do ano Lua: estrutura, características, fases Eclipses Relação

Leia mais

Galáxias Ativas e Buracos Negros Supermassivos

Galáxias Ativas e Buracos Negros Supermassivos Galáxias Ativas e Buracos Negros Supermassivos Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Brasil www.if.ufrgs.br/~thaisa/bn www.if.ufrgs.br/astronews Illust. credit: CXC/A. Hobart Sumário O que

Leia mais

III Jornada de Astronomia do IFBA VitóriadaConquista

III Jornada de Astronomia do IFBA VitóriadaConquista III Jornada de Astronomia do IFBA VitóriadaConquista ASTRONOMIA NA ATUALIDADE Prof. Silvanio B. de Oliveira Algumas Recentes Descobertas NASA ESA e outras - Quasares - Galáxias - Nebulosas -Sol - Asteróides

Leia mais

Buracos Negros: Grandes Sorvedouros Cósmicos

Buracos Negros: Grandes Sorvedouros Cósmicos Buracos Negros: Grandes Sorvedouros Cósmicos Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Brasil www.if.ufrgs.br/~thaisa/bn www.if.ufrgs.br/astronews Illust. credit: CXC/A. Hobart Sumário O que

Leia mais

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA NÍVEL MESTRADO PROFISSIONAL RAMON MARQUES DE CARVALHO UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO PICOS

Leia mais

Cosmologia: a estrutura do nosso universo. MSc Rodrigo Nemmen FIS2207 Fundamentos de Astronomia Dez. 2006

Cosmologia: a estrutura do nosso universo. MSc Rodrigo Nemmen FIS2207 Fundamentos de Astronomia Dez. 2006 Cosmologia: a estrutura do nosso universo MSc Rodrigo Nemmen FIS2207 Fundamentos de Astronomia Dez. 2006 Qual o modelo cosmológico padrão atual para a evolução do universo? Evolução e composição do universo

Leia mais

Radiação Solar e Vento Solar

Radiação Solar e Vento Solar INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CMC-213-3 Modelagem de Sensores e Atuadores em Controle de Atitude e Órbita Radiação Solar e Vento Solar Professor: Mário César Ricci Aluno: Delfim Pinto

Leia mais

Quando se lançaram na aventura de desbravar o universo, os astrônomos. sentiram desconforto semelhante ao enfrentado pelos antigos navegadores:

Quando se lançaram na aventura de desbravar o universo, os astrônomos. sentiram desconforto semelhante ao enfrentado pelos antigos navegadores: SUPERAGLOMERAD A S T R O F Í S I C A Quando se lançaram na aventura de desbravar o universo, os astrônomos sentiram desconforto semelhante ao enfrentado pelos antigos navegadores: mapas pouco precisos.

Leia mais

Capítulo 5 ESTRELAS. Hugo Vicente Capelato *

Capítulo 5 ESTRELAS. Hugo Vicente Capelato * Capítulo 5 ESTRELAS Hugo Vicente Capelato * * e-mail: hugo@das.inpe.br 5-1 5-2 ESTRELAS LISTA DE FIGURAS... 5-5 5.1 INTRODUÇÃO... 5-7 5.2 A COR E O BRILHO DAS ESTRELAS... 5-8 5.2.1 A SEQUÊNCIA PRINCIPAL

Leia mais

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL TELESCÓPIOS O telescópio é um aparato que coleta a luz e é a principal ferramenta de trabalho em Astronomia. A evolução do telescópio ao longo destes 4 séculos foi extraordinária e se confunde com a própria

Leia mais

Aula 1. 1. Introdução

Aula 1. 1. Introdução Aula 1 Nesta aula, iniciaremos nosso estudo sobre a física básica dos plasmas, onde iremos definir o que é plasma, mostraremos alguns exemplos e discutiremos, brevemente a evolução das pesquisas na área.

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

A Origem do Universo

A Origem do Universo A Origem do Universo Cosmologia wikipedia: Cosmologia (do grego κοσμολογία, κόσμος="cosmos"/"ordem"/"mundo" + -λογία="discurso"/"estudo") é o ramo da astronomia que estuda a origem, estrutura e evolução

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL VALE DO SÃO FRANCISCO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA MNPEF. Jaildson Paulino de Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL VALE DO SÃO FRANCISCO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA MNPEF. Jaildson Paulino de Souza UNIVERSIDADE FEDERAL VALE DO SÃO FRANCISCO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA MNPEF Jaildson Paulino de Souza MATERIA E ENERGIA ESCURA UMA PROJEÇÃO DO FIM JUAZEIRO 2014 Jaildson Paulino

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

O Cinturão de Kuiper

O Cinturão de Kuiper O Cinturão de Kuiper NetProf Figura 1 O 1.º objecto descoberto do cinturão de Kuiper, 1992 QB1 Os corpos menores do cinturão de Kuiper O cinturão de Kuiper é uma região em forma de disco achatado para

Leia mais

Laurindo Sobrinho 26 de janeiro de 2013

Laurindo Sobrinho 26 de janeiro de 2013 Galáxias Laurindo Sobrinho 26 de janeiro de 2013 Tony Hallas http://apod.nasa.gov/apod/ap090716.html 1 No início do século XX uma das questões em aberto na Astronomia estava relacionada com a natureza

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais

Estrelas de Quarks e de Nêutrons. Características e Assinaturas

Estrelas de Quarks e de Nêutrons. Características e Assinaturas Estrelas de Quarks e de Nêutrons Características e Assinaturas LEONARDO TAYNÔ TOSET TO SOETHE GRUPO DE ALTA S E MÉDIAS ENERGIAS UFPEL - 26/06/2015 Sumário Introdução Metodologia Alguns Resultados para

Leia mais

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar Evolução Estelar II Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar 1 Por quê as estrelas evoluem (mudam de um estado para outro)? Geração de energia Fusão requer combustível, que é esgotado durante

Leia mais

NAS FRONTEIRAS DA CIÊNCIA: AS PARTÍCULAS FUNDAMENTAIS E O UNIVERSO CARLOS HERDEIRO Departamento de Física - Universidade de Aveiro,

NAS FRONTEIRAS DA CIÊNCIA: AS PARTÍCULAS FUNDAMENTAIS E O UNIVERSO CARLOS HERDEIRO Departamento de Física - Universidade de Aveiro, ISSN 1645-6564 / CONSCIÊNCIAS '04-2011 / PP. 93-100 NAS FRONTEIRAS DA CIÊNCIA: AS PARTÍCULAS FUNDAMENTAIS E O UNIVERSO CARLOS HERDEIRO Departamento de Física - Universidade de Aveiro, RESUMO Duas fronteiras

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 4 MMXV grupo B ALBERT EINSTEIN Imagens de supernova podem ajudar a testar teoria de Einstein

Leia mais