ENERGIA SOLAR. Desde 1983

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENERGIA SOLAR. Desde 1983"

Transcrição

1 Desde 1983 ENERGIA SOLAR --.. AFRIZAL, S.A Rua G - Lote 51 - Zona Industrial Tomar Asseiceira - TOMAR (Portugal) Tel.: Fax E-malI.: / /

2 Desde 1983 ENERGIA SOLAR --. Com a entrada em vigor da Directiva Europeia sobre eficiência energética nos edifícios, a utilização de energias renováveis tornou-se obrigatória. Para as empresas que trabalham neste sector apresentam-se numerosas oportunidades de negócio, já que espaços públicos como escritórios, centros comerciais, hotéis e outros vão ter de estar equipados com sistemas de energias renováveis. Haverá incentivos bancários e benefícios fiscais. Prevê-se a instalação de mais de m2 de painéis solares, por ano. O facto da Certificação Energética dos edifícios ser obrigatória, abre novas perspectivas de negócio na instalação de painéis solares, no nosso país. Portugal, tem um enorme potencial de aproveitamento de energia solar. A AFRIZAL, S.A. dispõe de sistemas inovadores de alta qualidade que proporcionam soluções completas para edifícios e fornecedores fabricantes que têm uma experiência vasta na área e que oferecem uma ampla gama de produtos: - aquecimento solar central, de água e piscinas - climatização e refrigeração solar - colectores solares - equipamentos solar-térmicos - permutadores de calor - bombas de calor - sistemas de aproveitamento de biogás, biomassa e resíduos - tubagens pré-isoladas - reguladores de energia - equipamento fotovoltaico. AFRIZAL, S.A Rua G - Lote 51 - Zona Industrial Tomar Asseiceira - TOMAR (Portugal) Tel.: Fax E-malI.: / /

3 Legislação Portuguesa e Comunitária aplicável as Energias Renováveis Documento Legal Decreto-Lei n.º 80/ Publicado no Diário da República (DR) nº 67, I-A Série RCCTE Aprova o novo Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios. Decreto-Lei n.º 79/ Publicado no Diário da República (DR) nº 67, I-A Série RSECE Aprova o novo Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios. Decreto-Lei n.º 78/ Publicado no Diário da República (DR) nº 67, I-A Série SCE Aprova o Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios e transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2002/91/CE, do Parlamento Europeu, de 16 de Dezembro, relativa ao desempenho energético dos edifícios. Decreto-Lei n.º 66/ Publicado no Diário da República (DR) nº 58, I-A Série Isenção de ISP para os biocombustíveis Altera o Código dos Impostos de Consumo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 566/99, de 22 de Dezembro, consagrando isenção parcial e total do imposto sobre os produtos petrolíferos e energético (ISP) aos biocombustíveis, quando incorporados na gasolina e no gasóleo, utilizados no transporte. (Documento) Decreto-Lei n.º 62/ Publicado no Diário da República (DR) nº 57, I-A Série Biocombustíveis Transpõe a Directiva n.º 2003/30/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 8 de Maio, relativa à utilização de biocombustíveis ou de outros combustíveis renováveis nos transportes, insere-se na estratégia da União Europeia de, até ao ano de 2020, substituir 20% dos combustíveis derivados do petróleo usados no transporte rodoviário por biocombustíveis ou combustíveis alternativos. Resolução do Conselho de Ministros n.º 53/ Publicado no Diário da República (DR) nº 44, I Série-B de PNALE Aprova o Plano Nacional de Atribuição de Licenças de Emisão (PNALE) relativo ao período de

4 ENERGIA SOLAR Este novo catálogo profissional que estamos a apresentar-lhe reflexa uma nova etapa que vá desenvolver, a partir de agora, AFRIZAL, S.A. Pretendemos que seja a melhor apresentação para os Clientes e que constitua uma boa ferramenta comercial e de comunicação para conseguir chegar ao público alvo dos nossos produtos, da maneira mais nítida possível, todas as novidades e avançadas prestações que recolhem todas as Novas Gamas de AFRIZAL, S.A. Na renovação total das gamas de produtos de AFRIZAL, S.A. que apresentamos-lhe através deste catálogo, tratamos de antecipar-nos, num mercado globalizado e de grande dinamismo, com produtos desenhados e desenvolvidos por colaboradores certificados e experiente nessas áreas. A nova gama de AFRIZAL, S.A. compõe-se de aparelhos: Na vanguarda da inovação. Tecnologicamente avançados. Com una moderna estética. Submetidos aos mais exigentes controlos de qualidade e fiabilidade. Destinados a satisfazer as demandas dos mais exigentes clientes. Concebidos com as técnicas mais modernas para propiciar uma total reciclagem ao final do seu ciclo de vida. Pretendemos conjugar o beneficio e o conforto das mais avançadas técnicas, com a funcionalidade e o prazer da estética, para atingir um alto nível de satisfação e bemestar nos clientes dos nossos produtos. Estamos seguros de oferecer aos nossos Clientes, com este catálogo, e nesta nova etapa que começamos na AFRIZAL,S.A., uma magnífica oportunidade para o apoio e o bom desenvolvimento dos seus negócios. Esperamos com isso ganhar a sua confiança.

5 Apoios legais e Benefícios fiscais para a aplicação e promoção de sistemas de Energia Que apoios estatais existem em Portugal para a aplicação e promoção de sistemas de energia solar? Existem vários apoios estatais: IRC 29-Mai-2006 As empresas que investem em equipamento solar, podem amortizar o respectivo investimento no período de quatro anos, visto ser de 25% o valor máximo da taxa de reintegração e amortização aplicável (Dec. Reg. N.º 22/99, de 6 de Outubro). Trata-se de uma importante medida, por permitir a amortização dos sistemas solares em quatro anos, independentemente de outros incentivos. Nota 1: O Decreto Regulamentar nº22/99 de 6 de Outubro altera a taxa de amortização dos equipamentos de energia solar prevista na Tabela II, divisão I, Grupo 3, anexa ao Decreto Regulamentar nº 2/90 de 12 de Dezembro, que passa a ter a seguinte redacção: "Máquinas, aparelhos e ferramentas: Equipamento de energia solar - 25". Nota 2: O Decreto Regulamentar nº 2/90 de 12 de Janeiro, estabelece o regime das reintegrações e amortizações para efeitos do imposto sobre o Rendimento de Pessoas Colectivas - IRC. - Incentivos fiscais: IVA à taxa intermédia (12%) para equipamentos de energias renováveis; dedução no IRS de 30% das despesas efectuadas com a aquisição de sistemas de energias renováveis (incluindo, portanto, a solar térmica), até ao limite de 761 ; isenção de taxas alfandegárias na importação de equipamentos de energias renováveis. 2- Outros: - Aparelhos, máquinas e outros equipamentos exclusiva e principalmente destinados a: a) captação e aproveitamento de energia solar, eólica e geotérmica; b) captação e aproveitamento de outras formas alternativas de energia; c) produção de energia a partir da incineração ou transformação de detritos, lixo e outros resíduos; - Incentivo financeiro no âmbito do PRIME - Programa de Incentivos à Modernização da Economia (ver detalhes em - Há outro tipo de mecanismos que se aplicam à produção de energia eléctrica a partir de fontes de energias renováveis (fotovoltaico, eólico, mini-hídrico, biomassa, etc.), que consiste numa remuneração do kwh produzido a uma tarifa bonificada.

6 Conheça-nos. Presentação A AFRIZAL é uma empresa portuguesa a festejar o próximo ano 25 anos de existência dedicada e direccionada para a distribuição de equipamentos para profissionais, onde se enquadra uma linha completa de produtos de Material eléctrico, Material de piscina, assim como um conjunto diversificado de Electrobombas, Motores e Geradores. Com o passar dos tempos e o crescimento da empresa, temos vindo a alargar o nosso mercado alvo e apostando em mercados do futuro tal como a Energia solar, potencializando as oportunidades de negócio que este mercado representa. Apoiamos os profissionais interessados em incorporar a energia solar nos seus projectos: Promotores mobiliários, Arquitectos, Construtores, Empresários e Particulares. Estudamos cada caso em particular com o objectivo de fornecer a solução que melhor se adapte as necessidades de cada cliente mantendo estritos critérios de qualidade e rendimento da instalação com uma adequada relação qualidade/preço. Procuramos para cada caso em particular os produtos que melhor se adaptam a solução desejada, buscando sempre no mercado as últimas inovações e avances tecnológicos sem estar vinculados obrigatoriamente a um fornecedor específico.

7 Conheça-nos. Filosofia Sendo um dos líderes nos mercados do Material eléctrico de precisão, Bombas e Piscinas, a nossa meta é a de sempre favorecer o crescimento dos nossos clientes e do mercado através de: Formações e uma assistência permanente Um suporte comercial e marketing Uma gestão de stocks facilitada para que os nossos clientes possam encontrar no mesmo local todos os produtos que necessitam. A nossa ambição é contribuir para que a distribuição de energia eléctrica seja segura e racional e participar na melhoria do conforto nos edifícios. O objectivo de AFRIZAL, S.A. é de potenciar o uso da energia solar mediante o desenho e a implantação de soluções técnicas de alto rendimento, eficiência e óptima relação qualidade/preço. Esta ambição consta também na base da actividade que escolhemos: a de propor ao mercado um conjunto de produtos e serviços necessários para a concepção e realização de uma instalação eléctrica integrada e comunicante através das nossas marcas. Queremos prosseguir o nosso desenvolvimento em Portugal e tornarmo-nos uma referência no mercado. Para tal, AFRIZAL, S.A. baseia-se nos seguintes princípios: - Conhecimento Técnico, mediante pessoal altamente qualificado capaz de desenhar e desenvolver soluções concretas para necessidades específicas. - Experiência no sector que nos permite oferecer soluções práticas e simples. - Orientação para o Cliente fundamental para conhecer as suas necessidades especificas e oferecer a solução que melhor se adapte a elas: rentabilidade, integração arquitectónica, eficiência, desenho, poupança energética. - Trabalho em Equipa indispensável para levar a cabo os projectos. - Colaboração com o cliente e com outras empresas que permitam oferecer uma solução global altamente satisfatória. - Qualidade como objectivo último de cada projecto desde o desenho até a instalação e manutenção. - Independência a respeito de fabricantes que nos permite ser mais flexíveis no hora de seleccionar no mercado os produtos mais adequados para cada solução técnica concreta.

8 Conheça-nos. Organização Para além da produção e comercialização dos equipamentos referenciados anteriormente que assume um carácter standard e inovador, a empresa detém um Departamento de Orçamentação e Concepção de Quadros eléctricos e um Departamento de Orçamentação e Projectos específico, com o único propósito de criar soluções à medida das necessidades pontuais dos seus clientes. AFRIZAL, S.A. é uma empresa que procura a flexibilidade e a qualidade para poder enfrentar grandes projectos e poder satisfazer os pedidos dos clientes. Com este objectivo AFRIZAL, S.A. estrutura-se em várias linhas de negócio que permitem oferecer um serviço técnico e de atenção ao cliente mais específico e de acordo com a tecnologia que o cliente está procurando: Energia Solar Térmica. Energia Solar Fotovoltaica. AFRIZAL, S.A. desenvolve as funções de administração, engenharia e direcção de obra desde a sua sede em Tomar e conta com mais uma loja própria e comerciais externos tendo presencia a nível nacional.

9 Novas Áreas de actividade Energia solar térmica AFRIZAL, S.A. oferece soluções baseadas em energia solar térmica. Desde as mais simples instalações: fornecimento de Agua Quente Sanitária a um particular até complexas instalações destinadas a gerar calor para processos industriais. Especialmente indicada para projectos de Construção, Promotores imobiliários, Arquitectura, Industria e Lares, AFRIZAL, S.A. oferece distintos produtos baseados nesta tecnologia: Água Quente Sanitária Aquecimento Climatização de Piscinas Usos industriais Energia solar fotovoltaica AFRIZAL, S.A. oferece soluções baseadas em energia solar fotovoltaica. Desde instalações fotovoltaicas para auto-consumo em vivendas isoladas até a execução de Projectos Chave em Mão. Especialmente indicada para projectos Industriais e Residenciais. AFRIZAL, S.A. oferece distintos produtos baseados nesta tecnologia: Conexão a Rede. Vende de Energia Sistemas Isolados. Auto-consumo.

10 Novas Áreas de actividade TÉRMICO Agua Quente Sanitária AFRIZAL, SA. comercializa sistemas de energia solar térmica para fornecer ACS aos particulares e industrias que o requeiram. Desde simples equipamentos para um lar unifamiliar até complexos sistemas para edifícios multivivenda ou industriais, AFRIZAL, S.A. põe a sua disposição o melhor equipamento de profissionais para levar a cabo os seus projectos. Especialmente indicado para o sector da construção e o sector residencial, os sistemas para ACS se caracterizam pela economia e rentabilidade. Solicite informação sem compromisso. Aquecimento AFRIZAL, SA. fornece e instala sistemas de energia solar térmica para fornecer aquecimento aos lares que o requeiram. A incorporação da energia solar como apoio ao aquecimento se traduz em poupança de combustível dando coberturas energéticas > a 50%. Estudamos cada caso em particular propondo a solução que melhor se adapte as suas necessidades. Especialmente indicado para promotores imobiliários, arquitectos, construtores e particulares. Climatização de Piscinas Instalações destinadas a climatizar piscinas com o objectivo de alargar a temporada de banho ou cobrir uma necessidade de conforto em instalações desportivas ou lúdicas. Desde simples instalações com colectores de potipropileno exclusivamente destinados a climatizar piscinas até instalações de maior envergadura para piscinas cobertas climatizadas mediante colectores solares planos, AFRIZAL, SA. põe-se ao serviço dos potenciais clientes para fornecer a solução técnica que melhor se adapte a suas necessidades e as características especificas do seu projecto. Usos industriais Instalações especialmente apropriadas para empresas cujo o processo produtivo são especialmente intensivos em consumo de energia térmica quer para agua quente em aplicações sanitárias como industriais. Este uso intensivo de energia térmica geralmente se traduz em grandes consumos de combustível que repercutem negativamente na conta de resultados da empresa restando competitividade aos seus produtos e serviços. Especialmente indicado para Hotéis, Parque de Campismo, Hospitais, Lavandarias industriais, etc... A conversão em activos destinados a eficiência e a poupança energética se caracterizam por uma Elevada Rentabilidade: - Reduzidos períodos de Retorno da conversão - Redução de Custos Fixos - Aumento da Competitividade - Aumento dos Benefícios e Bonificações Fiscais Com as nossas soluções energéticas baseadas em energia solar poderá reduzir consideravelmente e incluso eliminar por completo os gastos derivados do consumo de combustível. Consulta-nos acerca das distintas opções que pode incorporar no seu processo produtivo e aconselharmos-lhe também de toda a vantagem fiscal que pode beneficiar.

11 Agua Quente Sanitária & Aquecimento Novas Áreas de actividade TÉRMICO AFRIZAL, SA. comercializa sistemas de energia solar térmica para fornecer ACS e aquecimento aos particulares e industrias que o requeiram. Desde simples equipamentos para um lar unifamiliar até complexos sistemas para edifícios multivivenda ou industriais, AFRIZAL, S.A. põe a sua disposição o melhor equipamento de profissionais para levar a cabo os seus projectos. Climatização de Piscinas Instalações destinadas a climatizar piscinas com o objectivo de alargar a temporada de banho ou cobrir uma necessidade de conforto em instalações desportivas ou lúdicas. Desde simples instalações com colectores de potipropileno exclusivamente destinados a climatizar piscinas até instalações de maior envergadura para piscinas cobertas climatizadas mediante colectores solares planos, AFRIZAL, SA. fornece-lhe a solução que melhor se adapte as necessidades e características especificas do seu projecto.

12 FOTOVOLTAICO Conexão a Rede - Vende de Energia O funcionamento básico de um sistema solar fotovoltaico conectado a rede eléctrica, consiste na produção de energia eléctrica por um campo de módulos fotovoltaicos e mediante um inversor, que realiza as funções de transformar a corrente continua em corrente alternativa, injectar esta corrente na rede eléctrica, facturando a companhia de distribuição esta energia de acordo com a legislação. As Centrais Fotovoltaicas conectadas a Rede Eléctrica são instalações desenhadas para produção de energia e a obtenção de uma rentabilidade mediante a sua venda a companhia eléctrica. Desde AFRIZAL, S.A. aconselhamos-lhe em todo o processo de estudo, desenho e execução Chave em Mão: - Estudo de Viabilidade - Análise de Rentabilidade - Processo Administrativo - Desenho - Instalação - Manutenção - Atenção personalizada. - Buscamos a maior rentabilidade para a sua Inversão Sistemas isolados. Auto-consumo. A energia eléctrica gerada utiliza-se para pequenos consumos no mesmo lugar donde é produzida, As aplicações mais comuns são: Novas Áreas de actividade - Electrificação de edifícios, vivendas isoladas da rede eléctrica; - Aplicações agrícolas: bombas de agua, sistemas de rega, iluminação de granjas, etc.; - Sinalização e comunicações (navegação aérea e marítima, repetidores, ); - Alumbrado público (estradas, monumentos, paradas de autocarros,..); - Sistemas de depuração de agua. Nestas aplicações, para poder dispor de electricidade durante a noite ou em períodos de baixa insolação, necessita-se de uma bateria de acumulação com o regulador de carga correspondente. Quando se necessite corrente alternativa, utiliza-se um inversor. Os sistemas fotovoltaicos isolados devem ter uma dimensão suficiente para satisfazer a totalidade das necessidades energéticas, sempre que não exista um apoio convencional, como um grupo electrógeno a gasóleo. Recomenda-se a utilização de electrodomésticos de baixo consumo e alto rendimento. Solicite informação sem compromisso!

13 Clientes potenciais Construtores Energia Solar para a Construção. AFRIZAL, S.A. fornece e instala sistemas de energia solar para incorporar os projectos que queiram Ievar a cabo. Aconselhamos os Promotores e Arquitectos acerca da energia solar, proponhamos as soluções que melhor se adaptem a suas necessidades e procuramos os produtos e a tecnologia apropriada para cada caso. AFRIZAL, S.A. põe-se ao serviço das empresas Construtoras para Ievar a cabo as instalações de energia solar dos seus projectos. Absoluta garantia de qualidade: pessoal qualificado, com experiência, contamos com um departamento de engenharia que aconselhará vos em todo momento desde o inicio da instalação até o arranque em funcionamento. O nosso objectivo: Ser especialista de Energia Solar. Se procura uma empresa que Ieve a cabo as suas instalações de sistemas de energia solar, com total garantia, mediante pessoal qualificado e com experiência, oferecendo a melhor relação qualidade/preço, contacta-nos e nos ponderemos em contacto consigo. Contacte-nos! Particulares Energia Solar para o lar AFRIZAL, S.A. esta a disposição de todas as famílias interessadas em reduzir os seus consumos de combustível e em contribuir a uma maior sustentabilidade energética as suas soluções para o lar baseadas em energia solar. Desde simples equipamentos para a regeneração de água quente a sistemas para o aquecimento e a climatização de piscinas, AFRIZAL, S.A. facilita soluções baseadas em energia solar térmica. Se o seu lar está isolado e não dispõe de conexão a rede eléctrica podemos desenhar e instalar um sistema fotovoltaico que se ajuste as suas necessidades energéticas. Somos profissionais. Fornecemos e instalamos o sistema que melhor se adapte a sus necessidades. Realizamos a manutenção posterior as instalações. Solicite informação.

14 Clientes potenciais Empresas Energia Solar para a Industria. AFRIZAL, S.A. fornece e instala sistemas de energia solar para a sua empresa. Se o seu processo produtivo requer grandes quantidades de energia térmica para aquecer a água ou gerar calor a energia solar pode ser una excelente alternativa aos seus combustíveis actuais. Um sistema de energia solar pode reduzir consideravelmente os seus custos energéticos. Inverter em sistemas de energia solar aportará maior competitividade e uma elevada rentabilidade. AFRIZAL, S.A. põe o seu serviço um equipamento de profissionais para que possa aconselha-lo acerca da melhor solução para a sua industria. Desde Estudos de Viabilidade e Análise de Rentabilidade até o desenho, a instalação e o bom funcionamento. Lhe oferecemos um serviço de manutenção integral e o aconselhamos das vantagens fiscais que pode beneficiar por incorporar sistemas de energia respeitosos do meio ambiente. Solicite mais informação!

15 Serviços Os Projectos são soluções integrais que abarcam o ciclo completo da instalação desde o desenho até a sua instalação. Compreende as fases de: - Desenho: Análise das necessidades especificas do cliente, realização de propostas técnicas e elaboração do Projecto. - Executivo (memoria técnica, planos, esquemas, componentes, tabelas de produção energética, catálogos.) segundo as especificações do cliente previamente acordadas. - Aprovisionamento: aquisição dos equipamentos e materiais necessários para levar a cabo o projecto previamente desenhado, entregados a obra. - Instalação: Montagem e instalação dos equipamentos segundo as directrizes marcadas pelo Projecto realizadas pelo nosso fornecedor qualificado e certificado de AFRIZAL, S.A. - Aceitação e Bom funcionamento: Testes do bom funcionamento da instalação, preparação e redacção da documentação necessária e entrega da Instalação. O nosso Objectivo: Ser o especialista em sistemas de energia solar! Manutenção Com o objectivo de velar por um óptimo rendimento da instalação e assegurar um bom funcionamento o nosso fornecedor oferece um serviço de Manutenção Integral.

16 Fornecedores Estratégicos AFRIZAL, S.A. dedica-se especialmente ao desenho e instalação de sistemas baseados em energia solar. Aconselhamos a solução que melhor se adapte as necessidades de nosso cliente e procuramos continuamente a melhora tecnológica e a melhor relação qualidade/preço. Devido a variedade de projectos que realizamos para os nossos clientes (construtores, empresas, lares ) necessitamos contar com um amplo catálogo de produtos para encontrar em cada caso o que melhor se adapte a necessidade dos clientes. Por este motivo, AFRIZAL, S.A. É una empresa independente que procura as melhores condições e os melhores produtos dos mercados nacional e internacional. Deste modo podemos oferecer aos nossos clientes a solução que consideramos mais apropriada desde o nosso ponto de vista profissional. Se está interessado em apresentar-nos os seus produtos e fazer parte da nossa carteira de fornecedores estratégicos, não hesite em contactar-nos. Estaremos encantados de atende-los. Contacte-nos!

17 Instaladores Instaladores de Energia Solar. AFRIZAL, S.A. dispõe de uma rede de instaladores para levar a cabo os seus projectos. Neste sentido procuramos profissionais que queiram fazer parte da nosso rede de colaboradores para desenvolver projectos baseados em energia solar. Os nossos colaboradores, certificados, são profissionais do sector com formação e experiências específicas em energia solar térmica e fotovoltaica. Todos os projectos que realizemos fazemo-los sob direcção e supervisão do nosso departamento de engenharia que aconselha, dirige e supervisa os equipamentos de instaladores, resolvendo duvidas técnicas e assegurando uma correcta instalação desde o ponto de vista técnico e normativo. Se queira fazer parte da nossa rede de colaboradores ponha-se em contacto connosco. Fazem parte da nossa organização! Serviços a Instaladores Se é uma empresa instaladora e necessita dos serviços da nossa empresa para levar a cabo os seus projectos não hesite em contactar-nos. Ajudarmo-lo a desenhar e dimensionar correctamente os seus projectos, aconselhamo-lo durante todo o processo e asseguraremos uma correcta instalação cumprindo a normativa em vigor. Contacte-nos!

18 Alguns Textos de Referência Da Revista da Sociedade Portuguesa de Energia Solar (SPES)

19 Solar Térmico - Momento e Próximos Passos da Energia Solar em Portugal 24-Mai-2006 Sabemos que mais de 85 por cento da energia que Portugal consome é importada e de origem fóssil. O petróleo é a principal fonte de energia importada e, em 2004, a factura petrolífera nacional atingiu os 4,5 mil milhões de Euro. Mais, segundo os especialistas, sabemos ainda que, por cada 10 US dólar de aumento do preço do barril do petróleo e mantendo os níveis de consumo, a factura energética de Portugal aumenta cerca de um milhão de Euro. Para além dos evidentes reflexos económicos desta situação, não podemos ainda esquecer as respectivas implicações na crescente má prestação do país em matéria de emissões de gases com efeito de estufa, sendo de esperar que também este facto se traduzirá num novo esforço financeiro para o país e todos os consumidores de energia. E, no entanto, esta dependência e impactos podiam ser atenuados caso Portugal utilizasse um recurso que muitas vezes é agitado como uma das suas marcas característica: o Sol ou, na vertente que nos interessa, a energia solar (só por curiosidade, o lema da campanha de promoção do Algarve, enquanto destino turístico, lançada pela Região de Turismo do Algarve, é "Encha-se de Energia"!). Se tivermos em conta que os portugueses usam em aquecimento de água sanitária (duches, banhos, cozinha, etc.) mais de 20 % da energia que utilizam em suas casas, ou seja, aproximadamente 4 % da energia primária consumida no nosso país, e que este tipo de aplicação é o que revela maior potencial imediato para a utilização da energia solar, a importância do aumento da contribuição desta fonte de energia para a satisfação daquela necessidade fica demonstrado. Neste contexto, revêem-se as mais recentes iniciativas desenvolvidas e propõem-se algumas linhas de acção no curto prazo. Em 2001, no âmbito do programa E4 - Eficiência Energética e Energias Endógenas, foi lançado o Programa "Agua Quente Solar para Portugal" que previa a instalação, até 2010, de um milhão de metros quadrados de colectores solares. Os resultados alcançados até à data estão ainda muito distantes daquele objectivo, apesar das várias iniciativas e projectos realizados. Assim, de acordo com os resultados do último inquérito realizado pelo Observatório para o Solar Térmico, com vista a determinar a área instalada no nosso país em 2004, foi possível apurar a instalação de m2 de colectores solares, dos quais 44% em pequenos sistemas domésticos e o restante em grandes sistemas. A maior parte das empresas do sector registou um aumento de vendas em relação a 2003, bem como um incremento significativo do número de solicitações de clientes. Em relação a 2005, os fabricantes e distribuidores (alvos do inquérito) mostravam optimismo no crescimento do mercado, traduzido no aumento significativo das solicitações de clientes entretanto registado no 1º trimestre do ano. Convém, no entanto, reflectir sobre alguns dos resultados alcançados pelo Programa "Agua Quente Solar para Portugal" lançado em Novembro de 2001, confirmado como prioridade na Resolução do Conselho de Ministros nº 63/2003, de 28 de Abril e, mais recentemente, afirmado o interesse na sua reactivação, através da Resolução do Conselho de Ministros de 29 de Setembro de 2005 que aprovou a Estratégia Nacional para a Energia. Para operacionalizar o Programa "Água Quente Solar para Portugal", em 2002, a Direcção Geral de Geolgia e Energia lançou uma Iniciativa Pública (IP) com a duração de dois anos (Maio de 2002 a Abril de 2004), cuja execução foi confiada à ADENE, ao INETI, à SPES e à APISOLAR, sob coordenação geral da DGGE. O objectivo específico dessa iniciativa era contribuir para a criação de um mercado sustentável de colectores solares para o aquecimento de água, com ênfase na vertente "Garantia da Qualidade". Na sequência de diversas acções de promoção (campanha "grande público" nos media, realização de eventos, edição de material informativo e criação de um website), de formação dos profissionais do sector e de organização do mercado é hoje possível dispor de informação credível sobre o sector em Portugal, bem como de instrumentos de credibilização do mercado nacional de oferta de serviços e equipamentos.

20 Toda a informação sobre a IP pode ser encontrada no sítio mas destaca-se o sucesso verificado na implementação de esquemas nacionais de certificação de produtos e de instaladores e na disponibilização de informação aos potenciais utilizadores. O trabalho realizado nestas duas áreas contribuiu certamente para ajudar a ultrapassar algumas das barreiras ao desenvolvimento da energia solar no nosso país. No entanto, podemos afirmar que ainda estamos numa fase de (re)arranque do mercado em Portugal e que só a continuidade da intervenção e a concentração ou reforço de recursos em acções específicas permitirá vir a alcançar os objectivos desejados. Para além do reforço de um sistema de acompanhamento da evolução do mercado (eventualmente, traduzido na manutenção do Observatório para a Energia Solar criado no âmbito da IP), propõem-se três eixos de acção centrados nos três principais actores deste mercado: os municípios, as empresas e o cidadão. Colectores Solares em Infra-estruturas Municipais Reconhecendo o papel das autarquias na demonstração e disseminação da utilização da energia solar, bem como na mobilização de outros actores locais e na consciencialização dos próprios munícipes, importa orientar e coordenar as intervenções previstas nesta área por forma a promover a realização de uma grande iniciativa dinamizadora do mercado. Devidamente integrado num plano nacional de promoção da eficiência energética nas autarquias e concertado com as intervenções das agências regionais e municipais de energia, este eixo de acção permitiria quantificar o potencial deste "nicho" de mercado (equipamentos desportivos, culturais e de lazer, escolas e outros edifícios municipais), promover a reabilitação de instalações existentes com problemas de funcionamento, incentivar a realização de novos projectos e divulgar as boas práticas e casos de sucesso. Para além da definição de estratégias e metas municipais, a elaboração de cadernos de encargos tipo, o planeamento das aquisições de equipamentos e o lançamento de compras agrupadas seriam questões cruciais para o sucesso deste eixo de acção. Novas Estratégias das Empresas do Sector A prevista obrigatoriedade do recurso a sistemas de colectores solares térmicos para a produção de AQS nos edifícios abrangidos pelo RCCTE conduzirá a uma "explosão" da procura daquele tipo de equipamentos. Apesar das etapas já percorridas para credibilizar o sector, através da certificação de produtos e instaladores, poderão surgir problemas na correcta satisfação das necessidades de um mercado em aceleração. Nesse desafio estará novamente em questão a capacidade dos actores do lado da oferta garantirem níveis de qualidade, nomeadamente na instalação, que não conduzam a nova descredibilização da tecnologia. Neste contexto, assumirá um campo vasto de oportunidades a integração de empresas fabricantes e instaladoras em empresas do sector da construção, a participação destas nas primeiras ou o estabelecimento de acordos de colaboração, como forma de controlar a agressividade competitiva baseada em custos forçosamente mais baixos dos equipamentos e da respectiva instalação, que não comprometam a qualidade final dos sistemas instalados. Assim, importa desenvolver acções de informação e formação junto de projectistas, arquitectos, promotores e construtores por forma a garantir o necessário ajustamento e capacidade de resposta do sector face a um previsível ritmo acelerado de crescimento. Também neste eixo de acção deverão ser retomadas questões que enfrentam barreiras no mercado nacional como os serviços de venda de água quente e a garantia de qualidade das instalações. Sistemas Solares no Sector Doméstico Infelizmente os custos proibitivos de campanhas de informação e sensibilização nacionais dirigidas ao grande público obrigam a repensar a estratégia de abordagem deste segmento do mercado. Por outro lado, a inexistência de incentivos financeiros para os particulares e os actuais sistemas de incentivos fiscais são importantes barreiras ao desenvolvimento do mercado dos pequenos sistemas domésticos. Neste contexto será mais adequado implementar uma estratégia de proximidade, explorando os recursos das agências regionais e municipais de energia e atribuindo a estas organizações uma missão de "ponto de informação e aconselhamento" em matéria de energia solar. Paralelamente, importa conceber e implementar "novas" políticas e mecanismos de apoio que efectivamente fomentem a utilização de colectores solares, nomeadamente linhas de crédito e fundos financeiros para o financiamento de investimentos em energia solar. A atractividade destes investimentos será reforçada pelos preços crescentes dos combustíveis - gás, gasóleo e electricidade -, bem como pela maior consciencialização do público para os grandes desafios ambientais, o que deverá ser igualmente amplamente explorado neste eixo de acção.

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04 PIRELIÓFORO e (P Himalaia) Água Quente Solar Jorge Cruz Costa para DER/INETI para PORTUGAL Como desenvolver o solar sem cometer os erros dos anos 80? O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 João Farinha Mendes ENERGIA 2020 Um objectivo a 10 anos 8-9 Fevereiro 2010 2 As Energias Renováveis no Programa do XVIII Governo - Objectivos

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

GAMA DE TURBINAS EÓLICAS COMFORT 220

GAMA DE TURBINAS EÓLICAS COMFORT 220 Sede Rua G - Lote 51 Zona Industrial Tomar 2305-127 Asseiceira - Tomar Tel.: 249310540 Fax: 249310549 afrizal@afrizal.pt GAMA DE TURBINAS EÓLICAS COMFORT 220 N O V E M B R O 2 0 0 7 DADOS TÉCNICOS Principio

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

As Energias Renováveis: o Solar Térmico em Portugal

As Energias Renováveis: o Solar Térmico em Portugal As Energias Renováveis: o Solar Térmico em Portugal Manuel Collares Pereira Director de I&D da AoSol /Enerpura CEO- ESTP Professor Catedrático Convidado,IST Portugal, o país mais rico E. Renováveis : de

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Apresentação da Versão para Discussão Pública Fevereiro 2008 Coordenação : Apoio : Forte inversão da intensidade energética

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

A excelência ao serviço do cliente

A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE é uma resposta de excelência para as necessidades de empresas, instituições e particulares em tecnologias e soluções de engenharia, energia e

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

MICROGERAÇÃO. DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO.

MICROGERAÇÃO. DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO. MICROGERAÇÃO DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO. As energias renováveis constituem uma fonte de energia inesgotável

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Hidrogénio como Combustível

Hidrogénio como Combustível Hidrogénio como Combustível Professor Aníbal Traça de Almeida Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 06/04/2005 Hidrogénio O hidrogénio é um portador de energia sintético É o elemento

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Energia solar eléctrica (fotovoltaica)

Energia solar eléctrica (fotovoltaica) 1955 Chapin, Fuller, Pearson: 1954 Energia solar eléctrica (fotovoltaica) António Vallera et al. FCUL Dep. Física, CFMC Energia solar eléctrica Exemplos Vale a pena? A energia é pouca O problema: $$...

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS ENDÓGENAS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS ENDÓGENAS MINISTÉRIO DA ECONOMIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS ENDÓGENAS Resolução do Conselho de Ministros n.º 154/2001 de 27 de Setembro >Introdução >Estratégia >Medidas Enquadramento geral Eficiência energética

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal 3 Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal Iniciativa promovida e financiada por A campanha publicitária "Água Quente Solar",

Leia mais

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar.rigsun. A Rigsun é a nova marca nacional de sistemas solares térmicos.

Leia mais

Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento. Eficiência Energética em Edifícios de Habitação Social Existentes

Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento. Eficiência Energética em Edifícios de Habitação Social Existentes Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Eficiência Energética em Edifícios de Habitação Social Existentes Concurso Público para Apresentação de Candidaturas - E-EEEHS/1/2010 - Eficiência

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25.04.2001 SG (2001) D/ 288171 Assunto: Auxílio estatal N 563/2000 Portugal Sistema de incentivos para o desenvolvimento regional dos Açores (SIDER). Excelência: I. Por carta

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

Eficiência energética Instalações automatizadas com ABB Niessen - KNX

Eficiência energética Instalações automatizadas com ABB Niessen - KNX Low Voltage Products Eficiência energética Os elevados preços da energia e as preocupações com as alterações climáticas produzidas pela intervenção humana colocaram a eficiência energética no topo das

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Energia Solar : aplicações térmicas e outras

Energia Solar : aplicações térmicas e outras Energia Solar : aplicações térmicas e outras por Manuel Collares Pereira (Investigador Coordenador, INETI) (Prof. Catedrático Convidado, IST) Sumário A disponibilidade do recurso em Portugal O solar passivo

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Energias Renováveis Reabilitação Sustentável

Energias Renováveis Reabilitação Sustentável Energias Renováveis Reabilitação Sustentável APRESENTAÇÃO 4 A empresa QUEM SOMOS 5 A nossa visão, missão e valores SOLUÇÕES 6 À sua medida SOLAR TÉRMICO 7 Aproveite o valor do sol SOLAR TERMODINÂMICO 8

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Cidade da Praia Cabo Verde

Cidade da Praia Cabo Verde A NEW ENERGY CONCEPT TECNOLOGIA, AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM CABO VERDE PRESENTE E FUTURO 29 e 30 de Novembro 1 e 2 de Dezembro 2011 Cidade da Praia Cabo Verde Paulo M. G. Gil Paulo Manuel Gonçalves

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal 1 Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal A par dos objectivos quantitativos de expansão do mercado, a Iniciativa Pública "Água

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais