INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO"

Transcrição

1

2

3 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ISII - Inquérito sobre Investimento Internacional Maio 2012 Lisboa,

4

5 ÍNDICE I Introdução 1 II Enquadramento legal 2 III Contatos 2 IV Página Inicial 3 V Anexo A 10 VI Anexo B 17 VII Anexo C 27 VIII Glossário 29 Instruções de Preenchimento i

6

7 I Introdução Com o (ISII), o Banco de Portugal pretende obter informação necessária ao apuramento das estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional de Portugal, componentes importantes das mesmas estatísticas ao nível da Área do Euro e para as quais o Banco de Portugal contribui no contexto da sua participação no Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC). Este Inquérito é constituído por quatro secções: Página Inicial Informação genérica sobre a entidade inquirida e sobre o seu relacionamento com entidades não residentes em Portugal, de preenchimento obrigatório para todas as entidades inquiridas; Anexo A Informação relacionada com investimento direto do exterior em Portugal (IDE), de preenchimento obrigatório para entidades detidas por um ou mais investidores diretos não residentes em Portugal, ou que, sendo controladas em última instância por uma entidade não residente em Portugal, tenham subsidiárias horizontais não residentes; Anexo B Informação relacionada com investimento direto de Portugal no exterior (IPE), de preenchimento obrigatório para entidades que detenham uma ou mais empresas de investimento direto não residentes, ou que, sendo controladas em última instância por uma entidade residente em Portugal, tenham subsidiárias horizontais não residentes; Anexo C Informação de preenchimento obrigatório para entidades que tenham derivados financeiros com quaisquer entidades não residentes ou que detenham depósitos e empréstimos com entidades não residentes em Portugal, excluindo os realizados no âmbito de uma relação de IDE e/ou IPE que devem ser incluídos nos anexos A e B, respetivamente. Disponibiliza se no sítio do Banco de Portugal, numa área reservada à entrega de informação, mais especificamente do Inquérito sobre o investimento internacional ISII, a aplicação informática para o reporte da informação ao Banco, o Manual de Utilização da Aplicação e as Instruções ao Preenchimento. O presente documento apresenta as instruções de preenchimento dos campos do Inquérito, encontrando se os campos de preenchimento obrigatório, em cada secção, assinalados com o símbolo *. No capítulo VIII, encontra se disponível um Glossário com a definição dos principais conceitos utilizados ao longo do documento. Todos os campos de valor monetário devem ser preenchidos em euros, mesmo quando a moeda de denominação original seja diferente do euro. Instruções de Preenchimento 1

8 II Enquadramento legal O ISII tem o seguinte enquadramento legal: - Lei Orgânica do Banco de Portugal Lei n.º 5/98, de 31 de Janeiro; - Regime Jurídico das Operações Económicas e Financeiras com o Exterior Decreto Lei n.º 295/2003, de 21 de Novembro; - Lei do Sistema Estatístico Nacional Lei n.º 22/2008, de 13 Maio; - Instrução sobre Estatísticas de Operações com o Exterior Instrução do Banco de Portugal n.º 34/2009, de 30 de Dezembro. Nos termos da legislação em vigor, a resposta ao presente Inquérito é de carácter obrigatório, para todas as entidades residentes, sociedades financeiras e não financeiras, que o Banco de Portugal venha a inquirir, sendo a informação recolhida de natureza estritamente confidencial. III Contatos Informações e esclarecimentos adicionais necessários ao preenchimento do Inquérito, para além dos disponibilizados on line, poderão ser obtidos junto do Banco de Portugal, através dos seguintes contactos: Banco de Portugal Rua do Almada, 67/ Porto E mail: Telefone: Fax: Instruções de Preenchimento 2

9 IV Página Inicial Cabeçalho * NIF Número de Identificação Fiscal da entidade inquirida. * Ano Ano do exercício económico. Corresponde ao ano a que se reporta a informação. Para os casos em que o período de tributação é diferente do ano civil, deverá ser indicado o ano que integre o maior número de dias do exercício económico. Deverá ser inferior ao ano corrente, em que é realizado o reporte. Responsável Identificação do interlocutor nomeado pela empresa, responsável pela prestação de esclarecimentos ao Banco de Portugal, no âmbito do preenchimento do ISII: * Nome Nome do interlocutor nomeado pela empresa. Função Função do interlocutor. * Telefone Número de telefone/telemóvel do interlocutor. Fax Número de fax do interlocutor. * E mail E mail de contacto do interlocutor, seguindo um formato válido * Data Data de preenchimento do Inquérito, de acordo com o formato aaaa mm dd. Entidade Residente Informação geral sobre a entidade inquirida: * Firma Designação social da entidade inquirida. Morada da Sede Morada da entidade inquirida. * Código Postal Código postal da morada da entidade inquirida, de acordo com o formato cccc ccc. Localidade Localidade da morada da entidade inquirida. Telefone Número de telefone da entidade inquirida. Fax Número de fax da entidade inquirida. E mail E mail da entidade inquirida, seguindo um formato válido * Data de Início da Atividade Data de início da atividade da entidade inquirida, ou data da sua constituição, segundo o formato aaaa mm dd. * Data de Encerramento do Exercício Económico Data de encerramento do exercício económico, segundo o formato aaaa mm dd. Instruções de Preenchimento 3

10 Informação específica sobre a Unidade Controladora de Última Instância (UCI) da entidade inquirida. Para efeitos do presente Inquérito, a UCI é a unidade institucional (singular ou coletiva) que se encontra no topo da cadeia de controlo do grupo de empresas, não sendo direta ou indiretamente controlada por nenhuma outra unidade institucional. * NIF da UCI Número de Identificação Fiscal da UCI se pertencer à União Europeia, ou número de identificação de pessoa individual ou colectiva se for uma entidade não residente na União Europeia. Campo de preenchimento obrigatório se o país da UCI pertencer à União Europeia. * Designação da Unidade Controladora de Última Instância (UCI) Identificação/Designação social/nome da UCI, que corresponde à unidade institucional que se encontra no topo da cadeia de controlo do grupo de empresas, não sendo, direta ou indiretamente, controlada por nenhuma outra unidade institucional. Encontram se abrangidas pelo conceito de UCI as pessoas coletivas e as pessoas singulares; * Participação Direta e Indireta da UCI nos Direitos de Voto (%) Percentagem de direitos de voto da UCI na entidade inquirida (detidos direta e/ou indiretamente). Valor entre 0,00 e 100,00. Caso não se tenha conhecimento da percentagem dos direitos de voto, deve ser considerada a percentagem de participação direta e/ou indireta no capital social. A participação indirecta nos direitos de voto deverá ser calculada pelo método multiplicativo, conforme se ilustra na Figura 1. * País da UCI País de residência da UCI. * Observações Campo de escrita livre para a inserção de observações consideradas relevantes pelo responsável pelo preenchimento do ISII. Campo de preenchimento obrigatório se a Participação direta e indireta da UCI nos direitos de voto for igual ou inferior a 50%. Neste caso, deve identificar as outras entidades, residentes e não residentes em Portugal, que participam direta e/ou indiretamente na entidade inquirida (designação, país e percentagem de direitos de voto). Figura 1 Participação direta e indireta nos direitos de voto Método Multiplicativo Reino Unido Empresa R (UCI) 100% 25% 5% Espanha Empresa E França Empresa F 60% Portugal Empresa P 30% Instruções de Preenchimento 4

11 A Empresa R detém uma participação direta de 5% nos direitos de voto da Empresa P, residente em Portugal, e participa também indiretamente na Empresa P, através das Empresas E e F. Deste modo, a participação direta e indireta da Empresa R na Empresa P é de 72,5%, que resulta de 5% (participação direta) + 100%*60% (participação indireta via Empresa E) + 25%*30% (participação indireta via Empresa F). Relações financeiras Informação relativa a relações financeiras com entidades não residentes, registadas nas contas individuais da entidade inquirida à data de encerramento do exercício económico. Relações financeiras com entidades não residentes, no âmbito do investimento direto, que devem ser reportadas nos Anexos A e B do Inquérito: * N.º de Investidores Diretos (Anexo A) Número de entidades não residentes com uma relação de controlo ou influência na entidade inquirida, ou seja, detêm pelo menos 10 por cento, direta ou indiretamente, dos direitos de voto. Para cada investidor direto deverá ser preenchido um Anexo A. O campo deve ser preenchido com zero se, à data de encerramento do exercício económico, a entidade inquirida não tiver Investidores diretos. * N.º de Empresas de Investimento Direto (Anexo B) Número de entidades não residentes relativamente às quais existe uma relação de controlo ou influência, ou seja, são detidas direta ou indiretamente em pelo menos 10 por cento dos direitos de voto. Para cada empresa de investimento direto deverá ser preenchido um Anexo B. O campo deve ser preenchido com zero se, à data de encerramento do exercício económico, a entidade inquirida não detiver Empresas de investimento direto. * N.º de Subsidiárias Horizontais Número de entidades não residentes com as quais a entidade residente partilhe o mesmo investidor direto. Entre subsidiárias horizontais não existe uma relação de controlo ou influência, ou seja, os direitos de voto estão compreendidos entre zero e 9,99%. A informação das subsidiárias horizontais deve ser reportada em Anexos A ou B, consoante o País da UCI. Se o País da UCI for diferente de Portugal, deve ser preenchido o Anexo A. Se o País da UCI for igual a Portugal, deve ser preenchido o Anexo B. O campo deverá ser preenchido com zero se, à data de encerramento do exercício económico, a entidade inquirida não tiver subsidiárias horizontais. Estes campos, em conjunto com o país da UCI da entidade inquirida, determinam o número de Anexos A e B a preencher no Inquérito, de acordo com o seguinte: Um Anexo A por cada Investidor direto; Um Anexo B por cada Empresa de investimento direto; Um Anexo A por cada subsidiária horizontal não residente, se o país da UCI da entidade residente inquirida for diferente de Portugal; Um Anexo B por cada subsidiária horizontal não residente, se o país da UCI da entidade residente for igual a Portugal. Instruções de Preenchimento 5

12 A Figura 2 ilustra o preenchimento daqueles campos, a partir da estrutura de grupo da entidade inquirida, e o número de Anexos A e B a preencher no Inquérito. Figura 2 Estrutura de Grupo e Relações Financeiras Reino Unido Empresa R (UCI) 25% 5% 100% Espanha Empresa E França Empresa F Dinamarca Empresa D 60% 30% 57% 15% 51% Portugal Empresa P Portugal Empresa P2 Canadá Empresa C 80% Angola Empresa A 20% Líbia Empresa L 9% Marrocos Empresa M 30% 51% 100% Brasil Empresa B Itália Empresa I Holanda Empresa H No Inquérito, a Empresa P deve indicar a existência de: 3 investidores diretos Empresa R, E e F, não residentes em Portugal, dado que têm participações diretas e/ou indiretas nos direitos de voto da entidade inquirida de pelo menos 10%. 1 subsidiária horizontal Empresa C, não residente em Portugal, que partilha com a Empresa P o investidor direto Empresa F, existindo entre a Empresa C e a entidade inquirida participações nos direitos de voto inferiores a 10%. A Empresa P2 não é uma subsidiária horizontal da Empresa P, porque se trata de uma entidade também residente em Portugal. 3 empresas de investimento direto Empresas A, L e I, não residentes em Portugal, tendo em conta que a Empresa P detém participações, diretas e/ou indiretas, nos direitos de voto daquelas empresas de pelos menos 10%. A Empresa P deve preencher: 4 Anexos A Um Anexo por cada investidor direto (Empresas R, E e F) e um anexo para cada subsidiária horizontal não residente (Empresa C), tendo em consideração que o UCI da entidade residente é a Empresa R, não residente em Portugal. 3 Anexos B Um Anexo por cada empresa de investimento direto (Empresas A, L e I). Outras Operações Financeiras com o Exterior Operações financeiras com entidades não residentes, que devem ser reportadas no Anexo C do Inquérito: * Empréstimos Empréstimos não titulados concedidos a/obtidos de entidades não residentes, não consideradas nos Anexos A ou B. * Depósitos Depósitos constituídos junto de instituições financeiras monetárias (bancos) não residentes, não consideradas nos Anexos A ou B. Instruções de Preenchimento 6

13 * Derivados Financeiros Operações de derivados financeiros contratados com quaisquer entidades não residentes. O Anexo C é de preenchimento obrigatório caso a entidade inquirida detenha pelo menos uma das operações financeiras acima referidas. Excluem se do preenchimento do Anexo C as instituições financeiras monetárias (bancos, caixas de crédito agrícola mútuo, caixas económicas e sucursais de instituições financeiras monetárias não residentes) e as empresas que reportem mensalmente ao Banco de Portugal as posições de empréstimos obtidos no exterior. Se a única opção assinalada corresponder a Depósitos e a entidade em causa reportar mensalmente ao Banco de Portugal todas as operações que realize em contas bancárias no exterior, o preenchimento deste anexo é opcional. * Possui Carteiras de Títulos Domiciliadas no Exterior? Assinalar a opção aplicável relativamente à detenção por parte da entidade inquirida de carteiras de títulos domiciliados no exterior (em instituições financeiras monetárias ou outras instituições depositárias), independentemente dos títulos em causa serem emitidos por entidades residentes ou não residentes. Estrutura de Grupo Informação sobre a Estrutura de grupo da entidade inquirida. A Estrutura de grupo engloba todas as participações diretas e/ou indiretas nos direitos de voto, devendo incluir a entidade indicada como UCI. O responsável pelo preenchimento do Inquérito deverá atribuir um número de identificação (ID do investidor) a cada entidade que consta da Estrutura de grupo, devendo a entidade inquirida ser identificada sempre com o algarismo zero. * ID do Investidor Número inteiro, entre 0 e 200, a atribuir pela entidade inquirida para identificação da entidade investidora. À entidade inquirida deverá sempre corresponder o algarismo zero. * Designação do Investidor Identificação (nome) da entidade investidora. * NIF do Investidor Número de identificação da entidade investidora. Se esta for residente em Portugal, corresponde ao Número de Identificação Fiscal. Campo de preenchimento obrigatório se o país da entidade investidora pertencer à União Europeia. * País do Investidor País de residência da entidade investidora. * Participação nos direitos de voto (%) Percentagem de direitos de voto diretamente detidos pelo investidor na participada. Valores entre zero e Caso não tenha conhecimento da percentagem dos direitos de voto, considere a percentagem de participação direta no capital social na Participada. * ID da Participada Número inteiro, entre 0 e 200, a atribuir pela entidade inquirida para identificação da entidade participada. A entidade inquirida é sempre identificada com o algarismo zero. Instruções de Preenchimento 7

14 * Designação da Participada Identificação (nome) da entidade participada. * NIF da Participada Número de identificação da entidade participada. Se esta for residente em Portugal, corresponde ao Número de Identificação Fiscal. Campo de preenchimento obrigatório se o país da participada pertencer à União Europeia. * País da Participada País de residência da entidade participada. Disponibiliza se no sítio do Banco de Portugal, numa área reservada à entrega de informação, mais especificamente do Inquérito sobre o investimento internacional, uma opção que permite comunicar a Estrutura de Grupo da entidade inquirida, através do carregamento de um ficheiro. No entanto, este envio não substitui a obrigatoriedade de preenchimento do quadro Estrutura de Grupo no Inquérito. A Figura 3 ilustra o preenchimento do quadro Estrutura de Grupo. Figura 3 Estrutura de Grupo Reino Unido Empresa R NIF= ID=12 25% 5% 100% Espanha Empresa E NIF=A A ID=1 60% 30% França Empresa F NIF=AA ID=2 57% 15% Dinamarca Empresa D NIF= ID=3 51% Portugal Empresa P NIF= ID=0 Portugal Empresa P2 NIF= ID=4 Canadá Empresa C NIF= ID=5 80% Angola Empresa A NIF= ID=6 20% 30% Líbia Empresa L NIF= ID=7 51% 9% Marrocos Empresa M NIF= ID=8 100% Brasil Empresa B NIF= ID=9 Itália Empresa I NIF= ID=10 Holanda Empresa H NIF= B11 ID=11 Tendo em conta a estrutura anterior, o quadro deverá ser preenchido da seguinte forma: Estrutura de Grupo ID do investidor Designação do investidor NIF do investidor País do investidor Participação direta nos direitos de voto (%) ID da participada Designação da participada NIF da participada País da participada 12 Empresa R Reino 100% 1 Empresa E A A Espanha Unido 12 Empresa R Reino 5% 0 Empresa P Portugal Unido 12 Empresa R Reino 25% 2 Empresa F AA França Unido 1 Empresa E A A Espanha 60% 0 Empresa P Portugal 2 Empresa F AA França 30% 0 Empresa P Portugal 2 Empresa F AA França 57% 4 Empresa P Portugal Instruções de Preenchimento 8

15 2 Empresa F AA França 15% 5 Empresa C Canadá 3 Empresa D Dinamarca 51% 5 Empresa C Canadá 0 Empresa P Portugal 80% 6 Empresa A Angola 0 Empresa P Portugal 20% 7 Empresa L Líbia 0 Empresa P Portugal 9% 8 Empresa M Marrocos 7 Empresa L Líbia 30% 9 Empresa B Brasil 7 Empresa L Líbia 51% 10 Empresa I Itália 8 Empresa M Marrocos 100% 11 Empresa H B11 Holanda Note se que as Empresas D, P2, M, H e B devem ser incluídas no quadro Estrutura de Grupo, apesar de não corresponderem a investidores diretos, empresas de investimento direto ou a subsidiárias horizontais da entidade inquirida. Instruções de Preenchimento 9

16 V Anexo A Pretende se recolher informação sobre o investimento direto do exterior em Portugal (IDE). A entidade inquirida deverá reportar um anexo para cada Investidor direto não residente e um anexo por cada subsidiária horizontal não residente, quando o país da UCI da entidade residente inquirida for diferente de Portugal. Investidor Direto/Subsidiária Horizontal Informação relativa à identificação do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente, se o país da UCI da entidade inquirida for diferente de Portugal. * Tipo de Relação Selecionar a opção aplicável: Investidor direto/subsidiária horizontal [se participação nos direitos de voto é igual ou superior a 10%, Investidor direto; se participação nos direitos de voto é inferior a 10% e o país da UCI da entidade inquirida é diferente de Portugal, Subsidiária horizontal; se participação nos direitos de voto é inferior a 10% e o país da UCI da entidade inquirida é Portugal, a informação relativa a esta entidade não residente deve ser reportada no Anexo B (IPE)]. * Firma/Nome Designação social do Investidor Direto ou da Subsidiária Horizontal não residente. * CAE Rev. 3/NACE Rev. 2 Devem ser indicados os 4 primeiros dígitos do Código da Classificação de Atividades Económicas (CAE) Rev.3 (equivalente à NACE Rev.2), relativo à classificação da principal atividade económica do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Para mais informação sobre a CAE, consultar o Manual de Utilização do ISII, disponível no sítio da internet do Banco de Portugal, na área reservada à entrega de informação, mais especificamente do ISII, na Aplicação de Recolha, a opção de pesquisa de CAE. * País País de residência do Investidor direto ou da Subsidiária Horizontal não residente. * NIF Número de Identificação Fiscal do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório se o País do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente pertencer à União Europeia. * Natureza Institucional Indicar a natureza institucional do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente, selecionando uma das seguintes opções: Banco, Seguradora ou Fundo de Pensões, Fundo de Investimento, Outra empresa financeira, Empresa não financeira ou Outra. * Data de Encerramento do Exercício Económico Data de encerramento do exercício económico do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório, de acordo com o formato aaaa mm dd. O ano da data de encerramento do exercício económico deve ser igual ao ano do exercício económico indicado no Cabeçalho da Página Inicial ou superior àquele em um ano, no máximo. * Início da Relação de Investimento Direto Data de início da relação de investimento direto entre a entidade inquirida e o Investidor Direto ou a Subsidiária Horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório, de acordo com o formato aaaa mm dd. Instruções de Preenchimento 10

17 Observações Campo de escrita livre para inserção de observações consideradas relevantes pelo responsável pelo preenchimento do ISII. Caracterização (em euros) Participação do Investidor Direto/da Subsidiária Horizontal na Entidade Residente Pretende se quantificar a participação do Investidor Direto ou da Subsidiária Horizontal não residente na entidade inquirida. Se a entidade inquirida for cotada em bolsa, é pretendida informação adicional sobre os títulos detidos. * Participação Direta no Capital Social (%) Percentagem de participação direta no capital social da entidade inquirida pelo Investidor direto não residente ou pela Subsidiária horizontal não residente. Valor entre zero e 100,00. Deverá ser preenchido com zero no caso do Investidor direto ou Subsidiária horizontal não residente participar apenas de forma indireta no capital da entidade inquirida. * Moeda de Denominação Original Moeda de denominação original do capital social da entidade inquirida, detido pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente. * Participação Direta e Indireta nos Direitos de Voto (%) Percentagem de direitos de voto detidos (direta e indiretamente) pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente, na entidade inquirida. A participação indireta deverá ser determinada através do método multiplicativo (sobre este método, consultar a Figura 1 da página 4). Valor entre zero e 100,00. Caso não tenha conhecimento da percentagem dos direitos de voto, considere a percentagem de participação direta no capital social. Método de valorização Cotação Se a entidade inquirida for cotada em bolsa, pretende se informação detalhada sobre cada título de capital detido pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente. * ISIN dos Títulos ISIN dos títulos de capital emitidos pela entidade inquirida e detidos pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório com um ISIN válido, de acordo com a norma ISO 6166, se for indicado o número de ações detidas. * N.º de Ações Detidas Número de ações detidas pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente, correspondentes ao ISIN indicado. Campo de preenchimento obrigatório, com um número inteiro positivo, se for indicado o código ISIN do título. Instruções de Preenchimento 11

18 Participação Cruzada no Investidor Direto/Participação na Subsidiária Horizontal pela Entidade Residente Pretende se quantificar a participação da entidade inquirida no Investidor direto ou na Subsidiária horizontal não residente, quando esta for inferior a 10%. Se a participação for igual ou superior a 10%, deve ser utilizado o Anexo B (Anexo relativo ao Investimento Direto de Portugal no Exterior) para reportar essa participação. * Participação Direta no Capital Social (%) Percentagem da participação direta no capital social do Investidor direto ou na Subsidiária horizontal não residente detida pela entidade inquirida. Valor inferior a 10,00. Campo de preenchimento obrigatório, se for indicada a Moeda. * Moeda de Denominação Original Moeda de denominação original do capital social do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório, se for indicada uma Participação direta no capital social (%). Método de Valorização Cotação Se o Investidor direto ou a Subsidiária horizontal não residente for cotada em bolsa, pretende se informação detalhada sobre os títulos de capital detidos pela entidade residente. * ISIN dos Títulos ISIN dos títulos de capital emitidos pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente e detidos pela entidade inquirida. Campo de preenchimento obrigatório com um ISIN válido, de acordo com a norma ISO 6166, se for indicado o número de ações detidas. * N.º de Ações Detidas Número de ações detidas pela entidade inquirida correspondentes ao ISIN indicado. Campo de preenchimento obrigatório, com um número inteiro positivo, se for indicado o código ISIN do título. Contas Individuais do Investidor Direto/da Subsidiária Horizontal Este quadro é de preenchimento obrigatório se existirem participações cruzadas no Investidor direto ou na subsidiária horizontal não residente. * Capitais Próprios Valor dos capitais próprios inscrito nas contas individuais do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório se estiver preenchido, e for superior a zero, o campo relativo à Participação Direta no Capital Social (%) do quadro Participação Cruzada no Investidor Direto/Participação na Subsidiária Horizontal pela entidade residente. Instruções de Preenchimento 12

19 Relações Financeiras (em euros) Este quadro deve ser preenchido na ótica das contas individuais da entidade inquirida residente em Portugal. Todos os montantes devem ser expressos em euros. Financiamento Concedido pela Entidade Residente (Ativos, saldos em fim de período) Pretende se informação sobre os ativos da entidade residente sobre o Investidor direto ou a Subsidiária horizontal não residente, registados no balanço, à data do encerramento do exercício económico. Pelo menos um dos dois campos seguintes deve ser preenchido, se for indicada uma Moeda de denominação original. * Créditos Comerciais Créditos comerciais concedidos pela entidade inquirida ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente, relacionados com a atividade corrente da entidade inquirida, incluindo adiantamentos. * Empréstimos e Aplicações Ativos da entidade inquirida face ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente não residente, relativos a: Dívida Titulada (negociável ou não), exceto ações com direito a voto: títulos emitidos pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente e detidos pela entidade residente inquirida à data de encerramento do exercício. Inclui ações preferenciais sem direito a voto, obrigações e títulos de participação, papel comercial, outras aplicações no Investidor direto ou na Subsidiária horizontal não residente. Os empréstimos titulados devem ser valorizados ao valor de mercado; Empréstimos não titulados e aplicações de tesouraria: ativos financeiros resultantes de financiamento não titulado concedido diretamente pela entidade residente inquirida ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente (exemplo, leasing e adiantamentos) e de aplicações efetuadas junto destas. Os empréstimos não titulados e as aplicações de tesouraria devem ser valorizados ao valor nominal. * Moeda de Denominação Original Moeda de denominação original dos créditos comerciais e/ou dos empréstimos e aplicações. No caso de existir mais do que uma moeda, deve ser indicada a moeda de denominação mais representativa daqueles ativos. Campo de preenchimento obrigatório se estiver preenchido o campo de créditos comerciais ou o campo de empréstimos e aplicações do mesmo quadro. Instruções de Preenchimento 13

20 Financiamento Obtido pela Entidade Residente (Passivos, saldos em fim de período) Pretende se informação sobre os passivos da entidade residente inquirida junto do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente, registados no balanço, à data do encerramento do exercício económico. Pelo menos um dos dois campos seguintes deve ser preenchido, se for indicada uma Moeda de denominação original. * Créditos Comerciais Créditos comerciais obtidos pela entidade inquirida junto do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente, relacionados com a atividade corrente da entidade inquirida, incluindo adiantamentos. * Empréstimos e Aplicações Passivos da entidade inquirida face ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente, relativos a: Dívida Titulada (negociável ou não), exceto ações com direito a voto: títulos emitidos pela entidade residente inquirida e detidos pelo Investidor direto ou Subsidiária horizontal não residente à data de encerramento do exercício. Inclui ações preferenciais sem direito a voto, obrigações e títulos de participação, papel comercial, outras aplicações na entidade não residente. Os empréstimos titulados devem ser valorizados ao valor de mercado; Empréstimos não titulados e aplicações de tesouraria: passivos financeiros resultantes de financiamento não titulado concedido diretamente pelo Investidor direto ou Subsidiária horizontal não residente à entidade residente inquirida (exemplo, leasing e adiantamentos) e de aplicações efetuadas junto desta. Os empréstimos não titulados e as aplicações de tesouraria devem ser valorizados ao valor nominal. * Moeda de Denominação Original Moeda de denominação original dos créditos comerciais e/ou dos empréstimos e aplicações. No caso de existir mais do que uma moeda, deve ser indicada a moeda de denominação mais representativa daqueles passivos. Campo de preenchimento obrigatório se estiver preenchido o campo de créditos comerciais ou o campo de de empréstimos e aplicações do mesmo quadro. O financiamento reportado nos dois quadros anteriores não inclui: (i) (ii) Derivados financeiros entre a entidade residente inquirida e o Investidor direto ou a Subsidiária horizontal não residente (deverão ser reportados no Anexo C); Empréstimos e aplicações entre a entidade residente inquirida e o Investidor direto ou a Subsidiária horizontal não residente, quando ambas as entidades são instituições financeiras monetárias (bancos). Instruções de Preenchimento 14

21 Rendimentos Líquidos Recebidos/a Receber pela Entidade Residente Informação relativa a rendimentos líquidos, recebidos ou a receber, associados a ativos da entidade inquirida face ao Investidor direto ou a Subsidiária horizontal não residente. Lucros/Dividendos Recebidos Lucros/dividendos recebidos no exercício, provenientes da participação da entidade inquirida no Investidor direto ou na Subsidiária horizontal não residente (ótica de tesouraria). Inclui dividendos antecipados. Este campo só pode ser preenchido quando existir Participação direta no capital social (%) no quadro Participação Cruzada no Investidor Direto/Participação na Subsidiária Horizontal pela entidade inquirida. Créditos de Acionistas Resultados atribuídos, e não pagos, pelo Investidor direto ou pela Subsidiária horizontal não residente (ativo da entidade inquirida), conforme aplicação de resultados aprovada no exercício anterior. Este campo só pode ser preenchido quando existir Participação direta no capital social (%) no quadro Participação Cruzada no Investidor Direto/Participação na Subsidiária Horizontal. Juros Recebidos no Período Juros recebidos pela entidade inquirida, durante o exercício económico, resultantes de aplicações/empréstimos concedidos ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente (ótica de tesouraria). Juros Obtidos no Período Juros obtidos pela entidade inquirida, durante o exercício económico, resultantes de aplicações/empréstimos concedidos ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente (ótica de especialização do exercício). Rendimentos Líquidos Pagos/a Pagar pela Entidade Residente Informação relativa a rendimentos líquidos, pagos ou a pagar, associados a passivos da entidade inquirida face ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente. Lucros/Dividendos Pagos Lucros/dividendos pagos no exercício, provenientes da participação do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente na entidade inquirida (ótica de tesouraria). Inclui dividendos antecipados. Dívidas a Acionistas Resultados atribuídos, e não pagos, pela entidade inquirida ao Investidor direto ou à Subsidiária horizontal não residente (passivo da entidade inquirida), conforme aplicação de resultados aprovada no exercício anterior. Instruções de Preenchimento 15

22 Juros Pagos no Período Juros pagos pela entidade inquirida, durante o exercício económico, relativos a aplicações/empréstimos obtidos junto do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente (ótica de tesouraria). Juros Suportados no Período Juros suportados pela entidade inquirida, durante o exercício económico, relativos a aplicações/empréstimos obtidos junto do Investidor direto ou da Subsidiária horizontal não residente (ótica de especialização do exercício). Instruções de Preenchimento 16

23 VI Anexo B Pretende se recolher informação sobre o investimento direto de Portugal no exterior (IPE). A entidade inquirida residente deverá reportar um anexo para cada Empresa de investimento direto não residente e um anexo por cada Subsidiária horizontal não residente, se o país da UCI da entidade inquirida for Portugal. Empresa de Investimento Direto/Subsidiária Horizontal Informação relativa à identificação da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente, se o país da UCI da entidade inquirida for Portugal. * Tipo de Relação Selecionar a opção aplicável: Empresa de investimento direto/subsidiária Horizontal [se participação nos direitos de voto é igual ou superior a 10%, Empresa de investimento direto; se participação nos direitos de voto é inferior a 10% e o país da UCI da entidade inquirida é diferente de Portugal, a informação relativa a esta entidade não residente deve ser reportada no Anexo A (IDE); se participação nos direitos de voto é inferior a 10% e o país da UCI da entidade inquirida é Portugal, Subsidiária horizontal]. * Firma/Nome Designação social da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. * CAE Rev. 3 /NACE Rev. 2 Devem ser indicados os 4 primeiros dígitos do Código da Classificação de Atividades Económicas (CAE) Rev.3 (equivalente à NACE Rev.2), relativo à classificação da principal atividade económica da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Para mais informação sobre a CAE, consultar o Manual de Utilização do ISII, disponível no sítio da internet do Banco de Portugal, na área reservada à entrega de informação, mais especificamente do ISII, na Aplicação de Recolha, a opção de pesquisa de CAE. * País País de residência da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. * NIF Número de Identificação Fiscal da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório se o País da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente pertencer à União Europeia. * Natureza Institucional Indicar a natureza institucional da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente, selecionando uma das seguintes opções: Banco, Seguradora ou Fundo de Pensões, Fundo de Investimento, Outra empresa financeira, Empresa não financeira ou Outra. * Data de Encerramento do Exercício Económico Data de encerramento do exercício económico da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente, de acordo com o formato aaaa mm dd. O ano da data de encerramento do exercício económico deve ser igual ao ano do exercício económico indicado no Cabeçalho da Página Inicial ou superior àquele em um ano, no máximo. * Início da Relação de Investimento Direto Data de início da relação de investimento direto entre a entidade inquirida e a Empresa de investimento direto ou a Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório, de acordo com o formato aaaa mm dd. Instruções de Preenchimento 17

24 * Observações Campo de escrita livre para inserção de observações consideradas relevantes. Campo de preenchimento obrigatório quando estiverem verificadas simultaneamente as seguintes condições: na secção Página Inicial, o NIF da UCI for igual ao NIF da entidade inquirida; no Anexo B, no quadro Participação da Entidade Residente na Empresa de Investimento Direto/na Subsidiária Horizontal, o campo Participação direta e indireta dos direitos de voto (%) estiver preenchido com valor igual ou superior a 10,00 e igual ou inferior a 50,00; no Anexo B, a resposta à questão Controla a Empresa de Investimento Direto?, no quadro Participação da Entidade Residente na Empresa de Investimento Direto/na Subsidiária Horizontal, for afirmativa. Neste caso, deve identificar no campo Observações as outras entidades, residentes e não residentes em Portugal, que participam direta e indiretamente na entidade não residente (designação, país e percentagem de direitos de voto). Caracterização (em euros) Participação da entidade residente na Empresa de Investimento Direto/na Subsidiária Horizontal Pretende se quantificar a participação da entidade residente inquirida na Empresa de investimento direto ou na Subsidiária Horizontal não residente. Se a entidade não residente for cotada em bolsa é pretendida informação adicional sobre os títulos detidos. * Participação Direta no Capital Social (%) Percentagem de participação direta no capital social da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente, pela entidade inquirida. Valor decimal entre zero e 100,00. Deverá ser preenchido com zero no caso da entidade inquirida participar apenas de forma indireca no capital da Empresa de investimento direto ou na Subsidiária horizontal não residente. * Moeda de Denominação Original Moeda de denominação original do capital social da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente, detido pela entidade inquirida. * Participação Direta e Indireta nos Direitos de Voto (%) Percentagem de direitos de voto detidos (direta e indiretamente) pela entidade inquirida na Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. A participação indireta deverá ser determinada através do método multiplicativo (sobre este método, consultar a Figura 1 da página 4). Valor entre zero e 100,00. Caso não tenha conhecimento da percentagem dos direitos de voto, considere a percentagem de participação direta no capital social na Participada. * Controla a Empresa de Investimento Direto? Selecionar a opção aplicável, Sim ou Não. Campo de resposta obrigatória. Se na secção Página Inicial, o NIF da UCI for igual ao NIF da entidade inquirida e se o campo Participação direta e indireta nos direitos de voto (%), deste quadro, estiver preenchido com Instruções de Preenchimento 18

25 valor inferior a 10,00 a resposta deve ser Não; se valor superior a 50,00 a resposta deve ser Sim; e se valor igual ou superior a 10,00 e igual ou inferior a 50,00 a resposta poderá ser Sim ou Não. Neste último caso, se a resposta for afirmativa, é obrigatório indicar, no campo Observações do Anexo B, as outras entidades, residentes e não residentes em Portugal, que participam direta e indiretamente na entidade não residente (designação, país e percentagem de direitos de voto). Método de valorização Cotação Se a Empresa de investimento direto ou a Subsidiária horizontal não residente for cotada em bolsa, pretende se informação detalhada sobre os títulos de capital detidos pela entidade inquirida. * ISIN dos Títulos ISIN dos títulos de capital emitidos pela Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente e detidos pela entidade residente inquirida. Campo de preenchimento obrigatório com um ISIN válido, de acordo com a norma ISO 6166, se for indicado o número de ações detidas. * N.º de Ações Detidas Número de ações detidas pela entidade residente inquirida correspondentes ao ISIN indicado. Campo de preenchimento obrigatório, com um número inteiro positivo, se for indicado o código ISIN do título. Contas Individuais da Empresa de Investimento Direto/da Subsidiária Horizontal * Capitais Próprios Valor dos capitais próprios, inscrito nas contas individuais, da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório se o campo Participação direta no capital social (%), do mesmo quadro, estiver preenchido com um valor superior a zero. * Resultado Líquido do Período (RLP) Resultado líquido do período, inscrito nas contas individuais, da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório se o campo Participação direta no capital social (%), do mesmo quadro, estiver preenchido com valor superior a zero. * RLP Não Distribuído Parte do resultado líquido do período que, conforme deliberação de aprovação das contas, foi decidido não distribuir aos sócios/acionistas, sendo aplicado em reservas ou em resultados transitados. Campo de preenchimento obrigatório se o campo Participação direta no capital social (%), do mesmo quadro, estiver preenchido com valor superior a zero. Outra Informação Económica da Empresa de Investimento Direto Todos os campos deste quadro são de preenchimento obrigatório quando estiverem verificadas simultaneamente as seguintes condições: Instruções de Preenchimento 19

26 entidades inquiridas que sejam Unidades Controladoras de Última Instância (UCI), ou seja, para entidades inquiridas que, na secção Página Inicial, tenham o NIF da UCI igual ao NIF da entidade inquirida; entidades não residentes que sejam controladas pela entidade inquirida. Considera se que este controlo existe nos seguintes casos: o no Anexo B, o campo Participação direta e indireta nos direitos de voto (%), do quadro Participação da entidade residente na Empresa de Investimento Direto/na Subsidiária Horizontal, estiver preenchido com valor superior 50,00; o no Anexo B, o campo Participação direta e indireta nos direitos de voto (%), do quadro Participação da entidade residente na Empresa de Investimento Direto/na Subsidiária Horizontal, estiver preenchido com valor entre 10,00 e 50,00, inclusive, e a resposta à questão Controla a empresa de Investimento Direto? for afirmativa. Instruções de Preenchimento 20

27 O conteúdo da informação a reportar em cada campo depende da natureza institucional da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente, e de acordo com as suas contas individuais: Empresa não financeira Instituição de crédito ou sociedade financeira Empresa de seguros Valor total da faturação, com Reportar Valor da Produção: exclusão do IVA ou outros (Zero se Valor da Produção <=0) impostos de natureza análoga. + Juros e proveitos equiparados * Volume de negócios Corresponde à venda de mercadorias, produtos acabados e intermédios, Juros e custos equiparados + Comissões recebidas + Rendimentos de títulos Prémios brutos emitidos subprodutos, desperdícios, + Lucro ou prejuízo de operações resíduos e refugos e à prestação financeiras de serviços a terceiros + Outros rendimentos operacionais + Prémios brutos emitidos + Proveitos dos investimentos Perdas realizadas em investimentos * VAB + Venda de bens e serviços + Variação da produção + Proveitos suplementares e trabalhos para a própria empresa Custo Matérias Vendidas e Consumidas Fornecimentos e serviços externos + Juros e proveitos equiparados + Rendimentos de títulos + Comissões recebidas + Outros proveitos e lucros Juros e custos equiparados Comissões pagas Outros custos e prejuízos Fornecimentos e serviços de terceiros + Outros proveitos líquidos de resseguro Outros custos líquidos de resseguro Movimentos de resseguros cedidos Custos diretos com sinistros Variação de outras provisões técnicas Variação da provisão participação nos resultados Variação das provisões por recibos por cobrar Custos imputados * N.º de pessoas ao serviço * Gastos com o pessoal Número de pessoas, remuneradas e não remuneradas, ao serviço na empresa de investimento direto não residente. Deve ser preenchido com um valor positivo ou zero. Custos com o pessoal inscrito nas contas individuais da empresa de investimento direto não residente. Deve ser preenchido com um valor positivo ou zero. Instruções de Preenchimento 21

28 Empresa não financeira, Instituição de crédito ou sociedade financeira, Empresa de seguros * Exportação de bens e serviços Valor das vendas a não residentes de bens e de serviços relacionados com a atividade produtiva e/ou comercial da empresa de investimento direto não residente, excluindo se o valor do IVA ou outros impostos de natureza análoga. Deve ser preenchido com um valor positivo ou zero. * Exportação intra grupo de bens e serviços Valor das vendas a entidades não residentes pertencentes ao mesmo grupo de bens e de serviços relacionados com a atividade produtiva e/ou comercial da empresa de investimento direto não residente, excluindo se o valor do IVA ou outros impostos de natureza análoga. Deve ser preenchido com um valor positivo ou zero. * Importação de bens e serviços Valor das compras a entidades não residentes, pela empresa de investimento direto não residente, de bens e de serviços relacionados com a atividade produtiva e/ou comercial e/ou de bens móveis adquiridos com carácter não regular (ex. imobiliário corpóreo ou em curso, com exclusão das aquisições de terrenos e edifícios). Deve ser preenchido com um valor positivo ou zero. * Importação intra grupo de bens e serviços Valor das compras a entidades não residentes pertencentes ao mesmo grupo, pela empresa de investimento direto não residente, de bens e de serviços relacionados com a atividade produtiva e/ou comercial e/ou de bens móveis adquiridos com carácter não regular (ex. imobiliário corpóreo ou em curso, com exclusão das aquisições de terrenos e edifícios). Deve ser preenchido com um valor positivo ou zero. * Investimento bruto em ativos fixos tangíveis Investimento em ativos fixos tangíveis, novos ou já existentes, quer tenham sido comprados a terceiros, adquiridos num contrato de leasing ou produzidos para uso próprio, a fim de serem utilizados por um período superior a 1 ano. Inclui investimento em ativos fixos tangíveis não produzidos como terrenos ou recursos naturais. Participação Cruzada da Empresa de Investimento Direto/Participação da Subsidiária Horizontal na Entidade Residente Pretende se quantificar a participação da Empresa de investimento direto ou da Subsidiária horizontal não residente na entidade inquirida, quando esta for inferior a 10%. Se a participação for igual ou superior a 10%, deve ser utilizado o Anexo A (Anexo relativo ao Investimento Direto do Exterior em Portugal) para reportar essa participação. * Participação Direta no Capital Social (%) Percentagem da participação direta no capital social da entidade inquirida detida pela Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente. Valor inferior a 10,00. Campo de preenchimento obrigatório, se for indicada a Moeda. * Moeda de Denominação Original Moeda de denominação original do capital social da entidade inquirida. Campo de preenchimento obrigatório, se for indicada uma Participação direta no capital social (%). Instruções de Preenchimento 22

29 Método Valorização Cotação Se a entidade inquirida residente for cotada em bolsa, pretende se a informação detalhada sobre os títulos de capital detidos pela Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente. * ISIN dos Títulos ISIN dos títulos de capital emitidos pela entidade inquirida e detidos pela Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente. Campo de preenchimento obrigatório com um ISIN válido, de acordo com a norma ISO 6166, se for indicado o número de ações detidas. * N.º Ações Detidas Número de ações detidas pela Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente correspondentes ao ISIN indicado. Campo de preenchimento obrigatório, com um número inteiro positivo, se for indicado o código ISIN do título. Relações Financeiras (em euros) Este quadro deve ser preenchido na ótica das contas individuais da entidade inquirida residente em Portugal. Todos os montantes devem ser expressos em euros. Financiamento Concedido pela Entidade Residente (Ativos, saldos em fim de período) Pretende se informação sobre os ativos da entidade residente inquirida sobre a Empresa de investimento direto ou a Subsidiária horizontal não residente, registados no balanço, à data do encerramento do exercício económico. O Valor contabilístico da Participação e pelo menos um dos dois campos que se lhe seguem devem ser preenchidos, se for indicada uma Moeda de denominação original. * Valor Contabilístico da Participação Valor da participação na Empresa de investimento direto ou na Subsidiária horizontal não residente, reconhecido na contabilidade da entidade residente inquirida. O método de valorização da participação deve ser indicado no campo Observações da Página Inicial. * Créditos Comerciais Créditos comerciais concedidos pela entidade inquirida à Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente, relacionados com a atividade corrente da empresa, incluindo adiantamentos. * Empréstimos e Aplicações Ativos da entidade inquirida face à Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente, relativos a: Dívida Titulada (negociável ou não), exceto ações com direito a voto: títulos emitidos pela Empresa de investimento direto ou Subsidiária horizontal não residente e detidos pela entidade residente inquirida, à data de encerramento do exercício. Inclui ações preferenciais sem direito a voto, Instruções de Preenchimento 23

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Formulários ANEXO C 239) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES?

Formulários ANEXO C 239) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? Formulários ANEXO C 239) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 240) SOU UM MEDIADOR DE SEGUROS (CAE REV.3

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

fffffformulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES?

fffffformulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? fffffformulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A?

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte de informação Março 2013 Esquema da Apresentação Área de Empresa Comunicação de Operações e posições com o exterior

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que são obrigações As obrigações são instrumentos financeiros que representam um empréstimo contraído junto dos investidores pela entidade

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, entende dever

Leia mais

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES RUBRICA DE 1.º NÍVEL: É preenchido com as constantes A, B, C ou D consoante a informação respeite, respectivamente, à carteira de activos, ao valor

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses?

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Mais-valias Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Nesse caso, o saldo anual positivo entre as mais e menos-valias apuradas vai ser sujeito a uma taxa especial de imposto

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INCENTIVO À CONSOLIDAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL (ICDE)

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INCENTIVO À CONSOLIDAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL (ICDE) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INCENTIVO À CONSOLIDAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL (ICDE) N.º 2 DO ART.º 30.º DO DECRETO-LEI N.º 7/2005, DE 6 DE JANEIRO ALTERADO

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D.João I,, Porto Mat. CRC Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

ASSUNTO : Plano de Contas para o Sistema Bancário Adaptado (Fundos de Investimento Imobiliário)

ASSUNTO : Plano de Contas para o Sistema Bancário Adaptado (Fundos de Investimento Imobiliário) Anexo à Instrução nº 24/96 ASSUNTO : Plano de Contas para o Sistema Bancário Adaptado (Fundos de Investimento Imobiliário) 1. São efectuados no PCSB os seguintes ajustamentos: 1.1. São adoptadas, em substituição

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados (ponto 8.2 e 8.3 do Dec-Lei 54-A/99 de 22 de fevereiro) 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais e devidamente fundamentados

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Garval - Sociedade de Garantia Mútua, S.A. 1 / 5

Garval - Sociedade de Garantia Mútua, S.A. 1 / 5 O preenchimento integral deste formulário, bem como o envio dos elementos solicitados, permite reduzir substancialmente o tempo de análise e pedidos adicionais de informações/elementos. A - IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Caixa Eurostoxx Down maio 2015_PFC Classificação Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital O Caixa Eurostoxx Down maio 2015 é um depósito indexado

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas Anexo à Instrução nº 1/96 VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS 0. CÓDIGOS ESPECIAIS CÓDIGOS Operação desconhecida abaixo do limiar Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Reporte de informação Casos práticos Área de Empresa

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO MAPFRE INVEST CRESCENTE 2015 NÃO NORMALIZADO Entidade gestora: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Contrato de Seguro ligado a Fundo de Investimento MAPFRE Seguros de Vida, S.A., com sede social:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Apresentação

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Apresentação Apresentação Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente à introdução da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas Tributação em bases universais: pessoas jurídicas A MP 627, na linha adotada pelo STF na ADI 2.588, previu a tributação automática no Brasil somente dos lucros auferidos no exterior por controladas ou

Leia mais

INSTRUÇÕES DO SISTEMA DE EMISSÃO ELETRÓNICA DAS FATURAS-RECIBO

INSTRUÇÕES DO SISTEMA DE EMISSÃO ELETRÓNICA DAS FATURAS-RECIBO INSTRUÇÕES DO SISTEMA DE EMISSÃO ELETRÓNICA DAS FATURAS-RECIBO O sistema de preenchimento e emissão das faturas-recibo está disponível em www.portaldasfinancas.pt, nos SERVIÇOS, opção Obter e Consultar.

Leia mais