Perspectivas do mercado de Aquecimento Solar Brasileiro e o Desenvolvimento Tecnológico. Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas do mercado de Aquecimento Solar Brasileiro e o Desenvolvimento Tecnológico. Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA"

Transcrição

1 Perspectivas do mercado de Aquecimento Solar Brasileiro e o Desenvolvimento Tecnológico Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA

2 Principais Aplicações de Sistemas de Aquecimento Solar no Brasil Residências Hospitais Piscinas Cond. Residenciais Hab. de Int. Social Hotéis

3 Desde 1962, reúne 400 empresas associadas e 250 mil profissionais* Vendas em 2011: US$ 12,6 bilhões (70% indústria, 15% comércio e 15% serviços)* Principais Parceiros Internacionais: ASHRAE - American Society of Heating, Refrigerating, and Air-Conditioning Engineers; AHRI - Air Conditioning, Heating and Refrigeration Institute; FAIAR - Federación de las Asociac. Iberoamericanas de Aire Acondicionado y Refrigeración; GIZ - Proklima ICARHMA - Int l Council of Air Condit., Refrig. and Heating Manufacturers Associations; SMACNA - Sheet Metal and Air Conditioning Contractors National Association UNDP - United Nations Development Program (NYC Office); Principais Parceiros no Brasil: MMA; MME, MCid, Inmetro, Eletrobrás/PROCEL; ABNT; ANVISA; Apex-Brasil; IBAMA; CETESB; ABRAS; CREA; GBC - Brasil; Inst. MAUA de Tecnologia; IPT; SENAI; USP/IEEE, UNICAMP, UNA e PUC-MG Lab. Green Solar. (*) dados preliminares

4 DASOL - Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA Atuação desde 1992 com 25 empresas associadas Representação estimada de 65% do mercado nacional Vendas em 2011 estimadas em US$ 500 milhões Destaques: Compromisso de participação no PBE Solar (INMETRO-PROCEL) Isenção de IPI e ICMS para aquecedores solares Programa Qualisol Brasil Iniciativa Cidades Solares Informes semanais (Solar News) Revista Sol Brasil (bimestral)

5 Destaques do Relatório Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme International Energy Agency IEA

6 Crescimento do Mercado 2009/2010 Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 (*) Considera histórico de 25 anos

7 Distribuição da Tecnologia no Mundo Milhões de m² GWth Outros 10,3% Grécia 1,5% Israel 1,5% Áustria 1,6% Japão 1,9% Brasil 2,2% Austrália 3,0% Turquia 4,8% Alemanha 4,9% Est. Unidos 7,8% China 60,5% m² GWth* 1 China 168,0 117,6 2 EUA 21,9 15,3 3 Alemanha 13,7 9,6 4 Turquia 13,3 9,3 5 Austrália 8,3 5,8 6 Brasil 6,1 4,3 7 Japão 5,8 4,0 8 Áustria 4,6 3,2 9 Israel 4,2 2,9 10 Grécia 4,1 2,9 Outros 29,7 21,2 Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 (*) Considera histórico de 25 anos. Brasil total em 2010: 6,24 milhões de m²

8 Distribuição da Tecnologia no Mundo Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA

9 Distribuição da Tecnologia no Mundo por tipo até o final de MWth Coletores Aq. de Ar 0,7 % Coletores Abertos 11,0% Tubo Evacuado 56,6% Coletores Fechados 31,7% Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 (*) Considera histórico de 25 anos.

10 Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 Considera histórico de 25 anos Distribuição da Tecnologia Regional no Mundo por tipo até o final de 2010 (% de MWth) Col. Fechado Tubo Evacuado Col. Aberto

11 Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 Considera histórico de 25 anos Distribuição da Tecnologia no Mundo 10 Principais Mercados Col. Fechado Tubo Evacuado Col. Aberto

12 Capacidade total de coletores abertos em operação até o final de 2010 (MWth) 3 Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 (*) Considera histórico de 25 anos nota: eixo y em escala logarítmica.

13 Capacidade total de coletores fechados* em operação até o final de 2010 (MWth) 5 Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012 (*) Considera histórico de 25 anos e coletores de tubo evacuado nota: eixo y em escala logarítmica.

14 Distribuição por aplicação dos 10 mercados lideres de coletores fechados em operação até 2010 Sistemas DHW - Domestic Hot Water (Aquecimento de Água Doméstico - uni-familiares) Grandes sist. DHW (multi-familiares, turismo e setor público) Sist. solares combinados (DHW e aquecimento ambientes) para uni e multi-familiares Outros (aquecimento distrital, aquecimento de processos e refrigeração solar) Fonte: Solar Heat Worldwide Solar Heating & Cooling Programme IEA 2012

15 Destaques do Mercado Nacional

16 Brasil: 2200 horas de insolação Potencial de 15 trilhões de MWh (50 mil vezes o consumo nacional de eletricidade) Brasil e Alemanha Diferença Aproximada de 100W/m² Fonte: Atlas Brasileiro de Energia Solar, 2006

17 Área Acumulada Área Nova Produzida (m 2 ) (m 2 ) Mercado Brasileiro em 2011 Produção Evolução de do 1.029,6 Mercado mil de m² Área Aquecimento Acumulada: Solar 7,3 milhões Brasileiro de m² Área Nova Produzida Área Acumulada 1,7 milhões de toneladas de CO ² /ano

18 Expectativa de Crescimento do Mercado Brasileiro milhões de m 2 em

19 O mercado brasileiro de aquecimento solar Participação das Vendas por Região 1º Semestre º Semestre 2011

20 O mercado brasileiro de aquecimento solar Distribuição das Vendas por Segmento em 2011 Distribuição das Vendas por Região em % Indústria, Comércio e Serviços 10,3% 4,3% 1,1% 8,1% % 57% 23% Indústria, Comércio e Serviços Programas Habitacionais Indústria, (HIS) Comércio e Residencial 20% Serviços Programas 23% Indústria, Habitacionais Comércio e (HIS) Serviços Residencial Programas 20% Programas Habitacionais (HIS) Residencial Sul Sudeste Centro-Oeste Sul Sudeste Centro-Oeste 4,2% 76,2% 0,5% 9,3% Nordeste Norte 9

21 Programa Brasileiro de Etiquetagem PBE Solar Térmico Coletores: 266 modelos Banho: 33 Emp., 47 marcas, 192 modelos, 60,94% com Selo Procel Piscina: 19 Emp., 21 marcas, 72 modelos, 69,44% com Selo Procel Acoplados: 2 Empresas, 2 marcas, 2 modelos etiquetados. Reservatórios: 317 modelos Alta Pressão: 11 Emp., 13 marcas, 55 etiquetados, 40% c/ Selo Procel Baixa Pressão: 41 Emp., 46 marcas, 213 etiquetados, 56,3% c/ Selo Procel Operação em Nível: 2 Emp., 2 marcas, 11 etiquetados, 68% c/ Selo Procel Sem Apoio Elétrico: 17 Emp., 1 marca, 38 etiquetados, 79% c/ Selo Procel

22 Novas Regras do PBE Solar Térmico Realizada Consulta Pública 1) RTQ Regulamento Técnico da Qualidade Portaria Inmetro 477 de 15/dez/11 Aprovada pela Portaria 301 de 14 de Junho/ ) RAC - Requisitos de Avaliação da Conformidade Portaria Inmetro 07 de 11/jan/12 Aprovada pela Portaria 352 de 06 de Julho/2012

23 Novas Regras do PBE Solar Térmico A comercialização de SAS no mercado nacional deverá ter Registro no Inmetro Compulsoriedade da Etiqueta: 1 - A partir de 24 meses, SAS deverão ser fabricados e importados somente com registro no Inmetro. 2 - A partir de 30 meses, os SAS deverão ser comercializados por fabricantes e importadores, somente com registro no Inmetro. 3 - A partir de 36 meses, os SAS deverão ser comercializados somente em conformidade com o novo regulamento. Obs.: A certificação compulsória deverá ser realizada por Organismo de Certificação de Produto OCP, acreditado pelo Inmetro.

24 Novas Regras do PBE Solar Térmico PAC - Programa de Avaliação da Conformidade de Equipamentos de Aquecimento Solar de Água. Delimitação do escopo do PAC para: - Coletores Solares aplicação banho e piscina (aberto ou fechado) - Reservatórios térmicos fechados < que mil litros - Sistemas acoplados < que mil litros Não contemplados: Concentradores solares parabólico, disco e heliocêntrico e os Reservatórios Abertos

25 Novas Regras do PBE Solar Térmico Passo a passo para a certificação (validade de 4 anos) Solicitação da certificação Auditoria Inicial Ensaios Iniciais Tratamento de não conformidades Emissão de Certificado Periodicamente (12 meses) Auditoria de Manutenção Ensaios de Manutenção Tratamento de não conformidades Confirmação da Manutenção Periodicamente Periodicamente (4 anos) (4 anos) Recertificação

26 Novas Regras do PBE Solar Térmico Banho Banho - Novo Pme > 77,0 Pme > 80,3 77,0 >= Pme > 71,0 80,3 >= Pme > 73,3 71,0 >= Pme > 61,0 73,3 >= Pme > 66,3 61,0 >= Pme > 51,0 66,3 >= Pme > 59,3 51,0 >= Pme > 41,0 59,3 >= Pme > 52,3 Piscina Piscina - Novo Pme > 95,0 Pme > 98,0 95,0 >= Pme > 87,0 98,0 >= Pme > 90,0 87,0 >= Pme > 79,0 90,0 >= Pme > 80,0 79,0 >= Pme > 71,0 80,0 >= Pme > 70,0 71,0 >= Pme > 63,0 70,0 >= Pme > 65,0

27 Muito obrigado! DASOL - ABRAVA Fone:

Sistemas de Aquecimento Solar no Mercado Brasileiro

Sistemas de Aquecimento Solar no Mercado Brasileiro 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Sistemas de Aquecimento Solar no Mercado Brasileiro José Ronaldo Kulb Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA ABRAVA: Desde 1962, 400

Leia mais

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO ABRAVA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO, VENTILAÇÃO E AQUECIMENTO - APRESENTAÇÃO DA ABRAVA - APRESENTAÇÃO DE CASE - ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO - ENGENHARIA DE SISTEMAS TÉRMICOS

Leia mais

Workshop: Certificação Compulsória INMETRO Equipamentos de Aquecimento Solar de Água. Past President do DASOL / ABRAVA

Workshop: Certificação Compulsória INMETRO Equipamentos de Aquecimento Solar de Água. Past President do DASOL / ABRAVA Workshop: Certificação Compulsória INMETRO Equipamentos de Aquecimento Solar de Água Amaurício Gomes Lúcio Past President do DASOL / ABRAVA Uma história de pioneirismo e de compromisso com o desenvolvimento

Leia mais

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2014

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2014 Departamento Nacional de Aquecimento Solar Relatório de Pesquisa Produção de Coletores Solares para Aquecimento de Água e Reservatórios Térmicos no Brasil Ano de 2014 Maio de 2015 APRESENTAÇÃO O DASOL

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Aquecimento Solar no Mundo e no Brasil

Aquecimento Solar no Mundo e no Brasil Aquecimento Solar no Mundo e no Brasil Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira Centro Universitário UNA São Paulo 16/07/2015 Aplicações da EST em Edificações Uso Passivo Casa Eficiente CELESC / UFSC Aplicações

Leia mais

Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social

Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social Carlos Faria Café Coordenador da iniciativa cidades solares brasil Diretor Executivo do Depto Nacional de Aquecimento solar da ABRAVA Instalações

Leia mais

COLETORES FECHADOS RESERVATÓRIOS TÉRMICOS

COLETORES FECHADOS RESERVATÓRIOS TÉRMICOS Edição Salvador AQUECIMENTO SOLAR-ESTADO DA ARTE Carlos Faria(Café) Coordenador Iniciativa Cidades Solares A ENERGIA SOLAR A INSTALAÇÃO DE AQUECIMENTO SOLAR COLETORES SOLARES COLETORES FECHADOS RESERVATÓRIOS

Leia mais

Aquecimento Solar Tecnologia Solar Projetos Sociais. Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira 4 de dezembro de 2007

Aquecimento Solar Tecnologia Solar Projetos Sociais. Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira 4 de dezembro de 2007 Aquecimento Solar Tecnologia Solar Projetos Sociais Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira 4 de dezembro de 2007 Brasília Aquecimento de Água no Setor Residencial 24% Setor Residencial 25% Aquecimento

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Portarias Inmetro 352/2012, 301/2012 e 164/2012

EQUIPAMENTOS DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Portarias Inmetro 352/2012, 301/2012 e 164/2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de. Equipamentos para aquecimento solar de água

Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de. Equipamentos para aquecimento solar de água Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de Equipamentos para aquecimento solar de água Atualizado em 03/09/2013 Índice 2 Neste documento, você encontrará as seguintes

Leia mais

Evolução da Indústria Brasileira de Sistemas Termossolares e os Preços do kwh/m 2

Evolução da Indústria Brasileira de Sistemas Termossolares e os Preços do kwh/m 2 Evolução da Indústria Brasileira de Sistemas Termossolares e os Preços do kwh/m 2 Jane Tassinari Fantinelli 1 José Tomaz Vieira Pereira 2 Elizabeth Marques Duarte Pereira 3 Resumo Este artigo mostra a

Leia mais

PBE Solar Novos requisitos em consulta pública

PBE Solar Novos requisitos em consulta pública PBE Solar Novos requisitos em consulta pública 16 de fevereiro de 2012 Danielle Assafin Analista Executivo em Metrologia e Qualidade Agenda Generalidades Estrutura documental O que muda? Próximos passos

Leia mais

CURSO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

CURSO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CURSO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR MÓDULO INTRODUTÓRIO Eng. Carlos Felipe da Cunha Faria (Café) Diretor Executivo da ABRAVA Coordenador da Iniciativa Cidades Solares Introdução O presente

Leia mais

Aquecimento alternativo

Aquecimento alternativo 34_Aquecedor domestico.qxd 17/11/2004 16:34 Page 90 AQUECEDOR DOMÉSTICO DE ÁGUA Divulgação Abrava/DASol Aquecimento alternativo Popularizar o produto é um dos objetivos do setor para 2005 Atualmente podemos

Leia mais

NOÇÕES INICIAIS SOBRE O AQUECIMENTO SOLAR

NOÇÕES INICIAIS SOBRE O AQUECIMENTO SOLAR 1 NOÇÕES INICIAIS SOBRE O AQUECIMENTO SOLAR Tipos de Coletores Solares Aplicações do Aquecimento Solar Classificação de uma Instalação de Aquecimento Solar 2 REDE BRASIL DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR

Leia mais

Eficiência Energética com Aquecimento Solar. Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar

Eficiência Energética com Aquecimento Solar. Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar Eficiência Energética com Aquecimento Solar Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar Mercado Tecnologia Mercado e Oportunidades Aplicação 384,7 Milhões

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES VII Rio Energias Renováveis EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES CERTIFICAÇÕES E RETORNO FINANCEIRO Antonio Collet - Dezembro 2010 Consumo Final de Energia Consumo de Energia Setores Economicos Canadá

Leia mais

CURSO DE PROYECTOS DE SISTEMAS DE CALENTAMIENTO SOLAR. Demanda de agua caliente e energia

CURSO DE PROYECTOS DE SISTEMAS DE CALENTAMIENTO SOLAR. Demanda de agua caliente e energia CURSO DE PROYECTOS DE SISTEMAS DE CALENTAMIENTO SOLAR Demanda de agua caliente e energia 1 Roteiro Projetos de Sistemas de Aquecimento Solar CB55 - ABNT ABRAVA sedia a CB55 e através do programa NORMASOL

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

TRANSSEN. TECNOLOGIA E PESQUISA PARA VOCÊ E O MUNDO. CATÁLOGO DE PRODUTOS

TRANSSEN. TECNOLOGIA E PESQUISA PARA VOCÊ E O MUNDO. CATÁLOGO DE PRODUTOS TRANSSEN. TECNOLOGIA E PESQUISA PARA VOCÊ E O MUNDO. CATÁLOGO DE PRODUTOS CONQUISTAS NOSSAS CONQUISTAS As parcerias da Transsen com órgãos reconhecidos nacionalmente agregam qualidade e eficiência a toda

Leia mais

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar 5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Coletor Banho Características Técnicas Aletas em Alumínio; Cobertura em Vidro Liso Cristal; Vidro Caixa

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE AQUECEDORES SOLARES

LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE AQUECEDORES SOLARES LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE AQUECEDORES SOLARES DOUGLAS MESSINA Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo 15, 16 e 17 de julho de 2015 São Paulo 12 unidades de negócio 39 laboratórios e

Leia mais

Reunião de Audiência Pública

Reunião de Audiência Pública Reunião de Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília, 10 de março de 2009 Aquecimento Solar Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira GREEN Grupo de Estudos em Energia GREEN Solar - 1997 2008 CDPAEE

Leia mais

THERMEC EXCELÊNCIA COMPROVADA EM ENGENHARIA TÉRMICA

THERMEC EXCELÊNCIA COMPROVADA EM ENGENHARIA TÉRMICA EXCELÊNCIA COMPROVADA EM ENGENHARIA TÉRMICA THERMEC E N G E N H A R I A SERVIÇOS Prestes a completar 35 anos, a Thermec é referência em projetos, instalações, comissionamento de ar condicionado central

Leia mais

Introdução... 03. Evolução do Setor... 04. Benefícios claros: economia, geração de empregos, produção de energia limpa e barata...

Introdução... 03. Evolução do Setor... 04. Benefícios claros: economia, geração de empregos, produção de energia limpa e barata... Índice Introdução....................................................................... 03 Evolução do Setor................................................................ 04 Benefícios claros: economia,

Leia mais

Câmara Municipal de xxxxxxxxx

Câmara Municipal de xxxxxxxxx PROJETO DE LEI N.º xxx/2008 Dispõe sobre a instalação de sistemas de aquecimento de água por energia solar nas edificações do município de xxxxx e contém outras disposições. O Povo do Município de xxxxxx,

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172282

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172282 COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172282 Certificação compulsória de aquecedores solares no Brasil: novo método de ensaio e suas consequências na classificação de eficiência dos coletores Daniel Strak Sowmy Douglas

Leia mais

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA Ventiladores de Teto e Mesa * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

Energia Solar. Aquecimento Solar e Geração Fotovoltaica

Energia Solar. Aquecimento Solar e Geração Fotovoltaica Energia Solar Aquecimento Solar e Geração Fotovoltaica Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira Centro Universitário UNA Belo Horizonte, 04/06/2014 Parcerias: CEMIG/Eletrobras/FAPEMIG/ Embaixada Britânica

Leia mais

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA 1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA PALESTRANTE Eng. Tulio Marcus Carneiro de Vasconcellos Formado em Engenharia Mecânica pela UFMG

Leia mais

I N D I C A Ç Ã O Nº 143/10

I N D I C A Ç Ã O Nº 143/10 I N D I C A Ç Ã O Nº 143/10 INDICO ao Chefe do Executivo Municipal, para que seja promulgada lei que trate e discipline sobre a instalação de sistemas de aquecimento de água por energia solar nas edificações

Leia mais

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO E.R. GUARULHOS 1. OBJETO O presente memorial refere-se ao fornecimento e instalação de conjuntos de ar condicionado, a serem instalados no E.R. Guarulhos, localizado

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

PROCEDIMENTO. PRC 29 Revisão: 01 Data: 10/09/2014

PROCEDIMENTO. PRC 29 Revisão: 01 Data: 10/09/2014 Página 1 de 66 Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 00 Emissão inicial aprovada. 01 Inserção dos Anexos Específicos e aperfeiçoamento deste. Elaboração Jessica Leite Aprovação Sonia M.

Leia mais

CURSO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

CURSO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CURSO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR MÓDULO INTRODUTÓRIO Eng. Carlos Felipe da Cunha Faria (Café) Diretor Executivo da ABRAVA Coordenador da Iniciativa Cidades Solares Projetando uma Instalação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 614 de 06 de julho de 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 614 de 06 de julho de 2010 1 Proc. nº 10.815/10 LEI COMPLEMENTAR Nº 614 de 06 de julho de 2010 Dispõe sobre a instalação de sistema de aquecimento de água por energia solar em edificações no Município de Atibaia, e dá outras providências.

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Plano Nacional de Energia 2030 Eficiência Energética Brasília, 13 julho de 2006 Plano Nacional de Energia - 2030 Eficiência Energética Roteiro Observações Iniciais e Conceitos Motivações e Dificuldades

Leia mais

ETIQUETAGEM: INSTRUMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS

ETIQUETAGEM: INSTRUMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS ETIQUETAGEM: INSTRUMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Alexandre Novgorodcev IIInova FV, Março 2013 Sumário HISTÓRICO DA ETIQUETAGEM DE MÓDULOS FOTOVOLTAICOS; ESCLARECIMENTOS SOBRE A PORTARIA INMETRO 004/11; AMPLIAÇÃO

Leia mais

Construindo um futuro sustentável

Construindo um futuro sustentável Construindo um futuro sustentável Roteiro Consumo de eletricidade para aquecimento de água Potencial solar no Brasil Vantagens socioambientais da tecnologia solar Barreiras para a tecnologia solar Instrumentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001

PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001 Cria o Programa Nacional de Instalação de Coletores Solares PROSOL Autor: Deputado RONALDO VASCONCELLOS Relator: Deputado JOSÉ ALEKSANDRO I

Leia mais

Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida

Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida Carlos Faria Café Coordenador técnico Cidades Solares Diretor Studio Equinócio Consultor GTZ PORTARIA Nº 93, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 Dispõe

Leia mais

ARPA ASSOCIAÇÃO RONDONOPOLITANA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

ARPA ASSOCIAÇÃO RONDONOPOLITANA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL A ARPA Associação Rondonopolitana de Proteção Ambiental é uma Associação sem fins lucrativos, estabelecida em Rondonópolis a mais de 20 anos, a qual tem ao longo deste tempo, contribuído para a preservação

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

Introdução ao Aquecimento Solar. Prof. Samuel Luna de Abreu Área de Refrigeração e Climatização CEFET-SC Unidade São José abreu@sj.cefetsc.edu.

Introdução ao Aquecimento Solar. Prof. Samuel Luna de Abreu Área de Refrigeração e Climatização CEFET-SC Unidade São José abreu@sj.cefetsc.edu. Introdução ao Aquecimento Solar Prof. Samuel Luna de Abreu Área de Refrigeração e Climatização CEFET-SC Unidade São José abreu@sj.cefetsc.edu.br Sumário Introdução Sistemas de aquecimento solar Qualidade

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br DOC-SP de 22/01/2008 (nº 14, pág. 1) DECRETO Nº 49.148, DE 21 DE JANEIRO DE 2008 Regulamenta a Lei nº 14.459, de 3 de julho de 2007, que acrescenta o item 9.3.5. à Seção 9.3 - Instalações Prediais do Anexo

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações. Roberto Lamberts. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações. Roberto Lamberts. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A indústria da construção

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

DIRETRIZES PARA OBTENÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO NÍVEL A PARA AS ÁREAS DE USO COMUM

DIRETRIZES PARA OBTENÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO NÍVEL A PARA AS ÁREAS DE USO COMUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Aquecedor Solar. Catalogo_Aquecedor_Solar 009.indd 1 29/03/2010 15:47:15

Aquecedor Solar. Catalogo_Aquecedor_Solar 009.indd 1 29/03/2010 15:47:15 Aquecedor Solar Catalogo_Aquecedor_Solar 009.indd 1 29/03/2010 15:47:15 Aquecedores de Água a Gás Pisos Condicionadores de Ar Catalogo_Aquecedor_Solar 009.indd 2 29/03/2010 15:47:21 SUA VIDA COM KOMECO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE VARIÁVEIS CRÍTICAS E SIMULAÇÃO DO USO DE COLETORES SOLARES EM PRÉDIOS RESIDENCIAS. Daniel Moreira Coelho

IDENTIFICAÇÃO DE VARIÁVEIS CRÍTICAS E SIMULAÇÃO DO USO DE COLETORES SOLARES EM PRÉDIOS RESIDENCIAS. Daniel Moreira Coelho IDENTIFICAÇÃO DE VARIÁVEIS CRÍTICAS E SIMULAÇÃO DO USO DE COLETORES SOLARES EM PRÉDIOS RESIDENCIAS Daniel Moreira Coelho Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Planejamento

Leia mais

A maneira mais inteligente de aquecer água.

A maneira mais inteligente de aquecer água. A maneira mais inteligente de aquecer água. A JAMP O uso consciente de energia é um dos princípios que rege as atividades da JAMP, responsável pela introdução no País de soluções inovadoras no campo de

Leia mais

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL O processo de elaboração, tramitação, aprovação e regulamentação da lei

Leia mais

A energia do sol em novos produtos

A energia do sol em novos produtos A energia do sol em novos produtos 1 DIFERENCIAIS Desenvolvimento Tecnológico Atendimento Personalizado Relacionamento Sólido e Ético Produtos Personalizados Disponibilidade e Suporte Responsabilidade

Leia mais

16 Eficiência Energética

16 Eficiência Energética 16 Eficiência 412 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Contextualização A eficiência energética pode ser definida como o desempenho de conversão de um sistema energético. Em outras palavras, representa o quanto de energia

Leia mais

ENERGIA SOLAR NO AQUECIMENTO DA ÁGUA

ENERGIA SOLAR NO AQUECIMENTO DA ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRARIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIOS I ENERGIA SOLAR NO AQUECIMENTO DA ÁGUA Francisco Ronaldo Belém Fernandes Orientador:

Leia mais

PROJETO AME BOTUCATU

PROJETO AME BOTUCATU PROJETO AME BOTUCATU Memorial Descritivo Ar Condicionado - PRELIMINAR Ass: - Data: - - PARA INFORMAÇÃO Ass: - Data: - - PARA APROVAÇÃO Ass: - Data: - X LIBERADO P/ FABRICAÇÃO Ass: CONNECT / ALDE BARCELOS

Leia mais

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP B D E Eficiência energética em edificações ontribuição do Gás LP O que é Programa de valiação da onformidade para Eficiência Energética de Edificações do Inmetro? O Programa de valiação da onformidade

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

GIORDANI LOPES TAVARES PROGRAMA HABITACIONAL MINHA CASA, MINHA VIDA: OPORTUNIDADE DE APLICAÇÃO DO AQUECIMENTO SOLAR

GIORDANI LOPES TAVARES PROGRAMA HABITACIONAL MINHA CASA, MINHA VIDA: OPORTUNIDADE DE APLICAÇÃO DO AQUECIMENTO SOLAR GIORDANI LOPES TAVARES PROGRAMA HABITACIONAL MINHA CASA, MINHA VIDA: OPORTUNIDADE DE APLICAÇÃO DO AQUECIMENTO SOLAR Trabalho de Conclusão apresentado ao Departamento de Engenharia da Universidade Federal

Leia mais

Portaria n.º 7, de 11 de janeiro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 7, de 11 de janeiro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 7, de 11 de janeiro de 2012. CONSULTA

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui PROJETO DE LEI N.º 354/2007 Dispõe sobre a instalação de sistemas de aquecimento de água por energia solar nas edificações do município de Uberaba e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

Portaria n.º 605, de 12 de dezembro de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 605, de 12 de dezembro de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO ETERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 605, de 12 de dezembro de 2013. CONSULTA

Leia mais

Eficiência Energética através de Energia Solar

Eficiência Energética através de Energia Solar Eficiência Energética através de Energia Solar V0810 Competências Principais Soluções completas com sistemas de energia solar integrado Aquecimento de água para instalações industriais e comerciais Máquinas

Leia mais

Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação

Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação Comunicação Técnica Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação Edward Borgstein e Roberto Lamberts CT Energia Versão 1 1/15 Ficha Técnica O documento foi desenvolvido

Leia mais

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Tecnologia Isto é sustentabilidade! Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Divulgação Transsen iminente de que o pro- Dblema se repita, pode-se notar

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts, PhD. CT-Energia CBCS Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP A B C D E Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Sumário LISTA DE SIGLAS... 4 apresentação... 5 Equipe de

Leia mais

PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS

PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS AUTOR : COMARU PROJETOS E CONSULTORIA DATA : JULHO DE 2008 ÍNDICE: 1.0 Relação de desenhos

Leia mais

CURSO DE MICROGERAÇÃO SOLAR

CURSO DE MICROGERAÇÃO SOLAR CURSO DE MICROGERAÇÃO SOLAR 31/03 a 05/04/2014 TURMAS MANHÃ E NOITE LOCAL: Universidade FUMEC (rua Cobre, 200 Cruzeiro) Belo Horizonte/MG TURMAS REDUZIDAS, FAÇA LOGO A SUA INSCRIÇÃO! CONTEXTO O surge como

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Brasília, 28 de maio de 2015 Quarto Painel Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Experiências

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA DISPOSITIVO INTEGRADO A BASE Página 1 de 20 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO

Leia mais

e t i q u e t a g e m

e t i q u e t a g e m M a n u a l p a r a e t i q u e t a g e m de edificações públicas Gestor Público 2014 Eletrobras/Procel José da Costa Carvalho Neto Presidente Renata Leite Falcão Superintendente de Eficiência Energética

Leia mais

14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ

14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ Projeções Sindigás Usos Restritos 14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ Observância às normas concorrenciais Todas as atividades desenvolvidas no âmbito do Sindigás obedecem às normas previstas no seu MANUAL

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

O chuveiro elétrico. continua. sendo um problema no período de ponta! Demanda de energia é problema para a ANEEL. Prof. Racine T. A.

O chuveiro elétrico. continua. sendo um problema no período de ponta! Demanda de energia é problema para a ANEEL. Prof. Racine T. A. Aquecimento solar de água em habitações de interesse social Prof. Racine T. A. Prado Demanda de energia é problema para a ANEEL O chuveiro elétrico continua O chuveiro elétrico permanece um problema no

Leia mais

Portaria n.º 138, de 17 de março de 2011 CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 138, de 17 de março de 2011 CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 138, de 17 de março de 2011

Leia mais

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Rio de Janeiro, 19/4/2013. Principais Políticas

Leia mais

Introdução ao Sistema de. Aquecimento Solar. Realização: Apoio: Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente

Introdução ao Sistema de. Aquecimento Solar. Realização: Apoio: Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Introdução ao Sistema de Aquecimento Solar Realização: Apoio: Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Coordenação do projeto: Délcio Rodrigues Original elaborado a partir da palestra de Carlos Felipe

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES DE BAIXO CUSTO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA (GLD) George Andrew Oliva *

UTILIZAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES DE BAIXO CUSTO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA (GLD) George Andrew Oliva * STC/ 15 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL: CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) UTILIZAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES DE BAIXO CUSTO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais