Programa IPN Certificação com o Mercado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa IPN Certificação com o Mercado"

Transcrição

1 Programa IPN Certificação com o Mercado A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores 09/05/2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO

2 Agenda Contexto Plano para Certificação Livre Fases da Certificação Atendimento e Suporte para Certificação icadx Atendimento e Suporte para Certificação Livre IPN Material de Apoio para Certificação Detalhamento das Fases da Certificação Livre Detalhamento das Certificação Oficial Cronograma de Marcos Próximas Etapas

3 Contexto Após discussões com o mercado e análise da pesquisa de prontidão das instituições, a BVMF entendeu ser necessário: a) Criar um período estendido de certificação livre com o mercado, durante o qual as instituições poderão conhecer os sistemas IPN/CORE e utilizar o ambiente de certificação como ferramenta de teste e apoio ao desenvolvimento de seus sistemas internos; b) Realizar o roteiro de certificação obrigatória somente após o período estendido de certificação livre.

4 Plano para Certificação Livre O processo de certificação livre ocorrerá em fases a partir de Julho/2013; A cada fase novas funcionalidades serão liberadas no ambiente de certificação e expostas ao mercado, permitindo melhor organização do processo de apresentação dos novos sistemas e de esclarecimento de dúvidas do mercado; As fases serão cumulativas ao longo do período de certificação livre; Ao início de cada fase será realizado um workshop para apresentação das principais funcionalidades disponibilizadas para testes. 4

5 Fases da Certificação Certificação Oficial icadx: Fase 1: Conectividade ao ambiente de certificação do icadx; Fase 2: Telas do icadx. Certificação Livre IPN: Fase 3: Conectividade ao ambiente de certificação do IPN/CORE; Fase 4: Telas de alocação, repasse e consulta de posições; Fase 5: Telas de controle de posições e de liquidação; Fase 6: Arquivos e mensagens do icadx, preços e instrumentos; Fase 7: Mensagens e arquivos de alocação, repasse, consulta de posição e liquidação; Fase 8: Telas e mensagens de garantias; Fase 9: Cálculo e funcionalidades de administração de risco e transferência de posição; Fase 10: Arquivos e mensagens de tarifação e tributação; Fase 11: Processos integrados de liquidação e risco. Certificação Oficial IPN: Fase 12: Execução monitorada dos roteiros dos processos integrados. 5

6 Atendimento e Suporte para Certificação icadx Disponibilidade do ambiente: De segunda à sexta das 09:00 às 17:00. Execução do roteiro monitorado: Agendamento pela BVMF de horários com os participantes para a execução, de forma monitorada, do roteiro básico de teste (3 horas no período da manhã e 3 horas no período da tarde). Atendimento a dúvidas: Atendimento telefônico: Manhã: 9:00 às 12:00; Tarde: 14:00 às 17:00. Realização de conference call com os participantes, duas vezes por semana (terças e quintas), das 17h30min às 18h30min para o esclarecimento de dúvidas pontuais. Para participar do call, o participante deverá encaminhar uma solicitação por e- mail para receber as informações de acesso. O participante também poderá encaminhar seus questionamentos para o exclusivo da certificação. A resposta ao será dada nos calls agendados. 6

7 Atendimento e Suporte para Certificação Livre IPN Disponibilidade do ambiente: De segunda à quinta das 09:00 às 17:00; As sextas-feiras serão reservadas para atividades internas. Atendimento a dúvidas: Atendimento telefônico: Manhã: 9:00 às 12:00 Tarde: 14:00 às 17:00 Realização de conference call com os participantes, duas vezes por semana (terças e quintas), das 17h30min às 18h30min para o esclarecimento de dúvidas pontuais. Para participar do call, o participante deverá encaminhar uma solicitação por e- mail para receber as informações de acesso. O participante também poderá encaminhar seus questionamentos para o exclusivo da certificação. A resposta ao será dada nos calls agendados. 7

8 Material de Apoio para Certificação Minuta do manual de procedimentos operacionais; Catálogo de mensagens e arquivos; Documentos de exemplos de mensagens; Vídeos e documentos dos workshops; Gravações dos calls com o mercado; Roteiros simplificados de teste. 8

9 Detalhamento das Fases da Certificação Livre O detalhamento das fases de Certificação Livre tem como objetivo apresentar as seguintes informações: Escopo em relação aos sistemas e às macro funcionalidades; Pré-requisitos a serem atendidos pelas instituições participantes para a execução de cada fase; Roteiro simplificado sugerido; Virada de dia será diária; A massa de teste será definida pela BVMF. 9

10 Detalhamento da Certificação Oficial IPN A certificação terá uma fase única integrada; Os participantes terão roteiros obrigatórios a serem executados; A certificação ocorrerá mediante agendamento da BVMF com os participantes; A certificação ocorrerá entre Dezembro/2013 e Janeiro/2014; Será necessária uma declaração de conclusão com sucesso da certificação pelo Participante e uma declaração do cumprimento do roteiro da certificação pela BVMF. 10

11 11

12 Próximas Etapas A discussão do plano de Certificação será realizada em conjunto com o GT-Testes. Proposta de agenda das reuniões de trabalho: 23/05/2013 Planejamento dos Testes Livres e da Certificação Oficial. 12

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk

Leia mais

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Outubro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 8ª Reunião do GT-Testes 9 de Maio de 2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada em 11-abr-2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Início da Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da 2ª Fase do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos reguladores

Leia mais

Workshop 4 SINACOR Visão Geral

Workshop 4 SINACOR Visão Geral Workshop 4 SINACOR Visão Geral Dezembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR Projeto: SINACOR - IPN A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização

Leia mais

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ):

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): Workshop Certificação Fase 6 SINACOR Cadastro de Clientes Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO 1 Agenda Alinhamento de

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 Workshop Empréstimo de Ativos 31/08/2015 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende

Leia mais

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco 02/03/2011 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos

Leia mais

Workshop 2 Cadastros. Novembro de 2012

Workshop 2 Cadastros. Novembro de 2012 Workshop 2 Cadastros Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores.

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Geraldo Magela Siqueira Rio de Janeiro 16 / 17 de março de 2010 Contextualização As novas condições

Leia mais

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014 TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR Dezembro/2014 1. Introdução... 2 2. Estrutura de contas no BC... 2 3. Formas de acesso ao STR... 3 Acesso via RSFN... 3 Acesso via Internet...

Leia mais

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Setembro/2010 1 AGENDA O que é a conta máster Titulares de conta máster Contas a serem vinculadas

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Call sobre diversos temas do IPN 19/04/2013 19/04/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout

Leia mais

Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação de Risco Relatório de Definições de Arquivos

Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação de Risco Relatório de Definições de Arquivos Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação Relatório de Definições de Arquivos Este documento descreve um conjunto de definições de arquivos desenvolvidos pela BM&FBOVESPA, a serem utilizados no processo

Leia mais

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ A FUNCEX E O ENSINO A DISTÂNCIA Milhões de pessoas aderiram ao Ensino a Distância no Brasil, e a Funcex, acompanhando esta tendência, desenvolveu sua plataforma de ensino para disponibilizar os treinamentos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA MANUAL DE MATRÍCULA 2013/1º

SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA MANUAL DE MATRÍCULA 2013/1º SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA MANUAL DE MATRÍCULA 2013/1º APRESENTAÇÃO Este Manual tem como finalidade orientar os alunos sobre os procedimentos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA

SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA 2015.1 APRESENTAÇÃO Este Manual tem como finalidade orientar os alunos sobre os procedimentos necessários

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

Política da Segurança da Informação

Política da Segurança da Informação Política da Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a BM&FBOVESPA, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação IPN Integração da Pós Negociação Manual Operacional da (Fase 1 Derivativos financeiros e de commodities e ouro disponível) Fevereiro / 2014 Índice IPN Integração da Pós

Leia mais

DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO

DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO Este roteiro de elaboração do Documento Técnico do Projeto tem por objetivo subsidiar a apresentação de propostas para desenvolvimento do Programa Luta pela Cidadania, que

Leia mais

Workshop Certificação Fase 9 Cálculo e Funcionalidades de Administração de Risco e Transferência de Posição

Workshop Certificação Fase 9 Cálculo e Funcionalidades de Administração de Risco e Transferência de Posição Workshop Certificação Fase 9 Cálculo e Funcionalidades de Administração de Risco e Transferência de Posição Outubro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de

Leia mais

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 20ª Reunião do GT-Testes 6 de Fevereiro de 2014

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 20ª Reunião do GT-Testes 6 de Fevereiro de 2014 Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 20ª Reunião do GT-Testes 6 de Fevereiro de 2014 * A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Dinâmica e Regras de Participação

Dinâmica e Regras de Participação Dinâmica e Regras de Participação 1. Objetivo O Programa Avançado de Planejamento Financeiro Pessoal promovido pelo IBCPF visa proporcionar aos participantes a experiência de desenvolver, na prática, um

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COMPLEMENTARES São Paulo 2011.1 1 1- Atividades Complementares De acordo com a Lei 9.131 de 1995 e os Pareceres 776/07 de 03/12/97 e 583/2001 as Diretrizes Curriculares dos cursos

Leia mais

Workshop Certificação Fase 8 Telas e Funcionalidades de Garantias

Workshop Certificação Fase 8 Telas e Funcionalidades de Garantias Workshop Certificação Fase 8 Telas e Funcionalidades de Garantias Outubro de 2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO 2 AGENDA FASES

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA

SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SUPAC DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS DAA 2015.2 APRESENTAÇÃO Este Manual tem como finalidade orientar os alunos sobre os procedimentos necessários

Leia mais

Workshop Certificação Fase 7 - SINACOR

Workshop Certificação Fase 7 - SINACOR Workshop Certificação Fase 7 - SINACOR Setembro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização

Leia mais

Integração da Infraestrutura de Pós Negociação AVALIAÇÃO DE IMPACTOS Fevereiro de 2013 versão 2.1

Integração da Infraestrutura de Pós Negociação AVALIAÇÃO DE IMPACTOS Fevereiro de 2013 versão 2.1 Integração da Infraestrutura de Pós Negociação Fevereiro de 2013 versão 2.1 A IMPLANTAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS DA BM&FBOVESPA E DO NOVO SISTEMA DE RISCO CORE (CLOSEOUT RISK EVALUATION) DEPENDE DE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2014 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIOR PARA A INOVE CONSULTORIA JUNIOR UNIDADE TAGUATINGA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2014 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIOR PARA A INOVE CONSULTORIA JUNIOR UNIDADE TAGUATINGA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2014 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIOR PARA A INOVE CONSULTORIA JUNIOR UNIDADE TAGUATINGA A FACULDADE PROJEÇÃO, por intermédio da Escola de Negócios, torna pública a abertura

Leia mais

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

Em atenção a solicitação de esclarecimento de licitantes temos a informar o seguinte:

Em atenção a solicitação de esclarecimento de licitantes temos a informar o seguinte: DIRETORIA GERAL COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO - COPEL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 32/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS DE LICITANTES: Em atenção a solicitação de esclarecimento de licitantes temos a informar o seguinte:

Leia mais

Edital CESAR.EDU N 02/2011

Edital CESAR.EDU N 02/2011 C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE SOFTWARE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Recomendação MEC/CAPES N o. 234_6/2006/CTC/CAPES

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CBLC DA OFERTA VAREJO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CBLC DA OFERTA VAREJO VENDA (REVOGAÇÃO) DE CERTIFICADOS DE DEPÓSITO DE AÇÕES ORDINÁRIAS CLASSE A DA COSAN LTD. MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CBLC DA OFERTA VAREJO Performance do Período ÍNDICE CAPÍTULO I - PROCEDIMENTOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012

PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012 PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012 I. NORMATIVOS 1. Quais os normativos que regulamentam a cobrança de IOF sobre derivativos cambiais? V&G: A Medida Provisória n o 539, de

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NORMA TÉCNICA DE SISTEMAS I. CONTROLE DA NORMA Data de elaboração da Norma: Janeiro/2012 Versão da Norma: Versão 1.0 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação: Alberto Cezar de Carvalho Número: 001/2012

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

Intranet 2014 - Termo de Referência: Contratação de Pessoa Física para apoio à equipe da STN no projeto de reformulação da intranet corporativa

Intranet 2014 - Termo de Referência: Contratação de Pessoa Física para apoio à equipe da STN no projeto de reformulação da intranet corporativa Intranet 2014 - : Contratação de Pessoa Física para apoio à equipe da STN no projeto de reformulação da intranet corporativa Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional CODIN Gerência de Informação

Leia mais

PROCEDIMENTO OBRIGATÓRIO ANTES DO INICIO DOS CICLOS DA PRODUÇÃO PARARELA

PROCEDIMENTO OBRIGATÓRIO ANTES DO INICIO DOS CICLOS DA PRODUÇÃO PARARELA Atualizado até o dia 30/04/2014 - Versão 1.2 Guia de orientação da Base Produção Paralela INCREMENTAL SEQUENCES e tabelas de BMF Ajustes nas tabelas de tombamento Verificador de clientes Compilar objetos

Leia mais

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6.1 Introdução Esse capítulo tem o objetivo de descrever todos os ganhos observados após a implantação do

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA 15/2015 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO NO CURSO BÁSICO DE PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL 2010 EAD

EDITAL DE ABERTURA 15/2015 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO NO CURSO BÁSICO DE PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL 2010 EAD EDITAL DE ABERTURA 15/2015 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO NO CURSO BÁSICO DE PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL 2010 EAD 1. DA REALIZAÇÃO A Escola de Governo (EG), através da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

1º Nível: Contato inicial responsável pelo registro de todas as solici tações e pela finalização do maior número possível de atendimentos.

1º Nível: Contato inicial responsável pelo registro de todas as solici tações e pela finalização do maior número possível de atendimentos. O QUE É? Serviço de atendimento telefônico ao usuário para resolução de problemas de TI ou outras solicitações relativas a assuntos predefinidos. Oferecido em dois níveis: 1º Nível: Contato inicial responsável

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2015 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIORES PARA A INOVE CONSULTORIA JÚNIOR UNIDADE TAGUATINGA A FACULDADE PROJEÇÃO,

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2015 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIORES PARA A INOVE CONSULTORIA JÚNIOR UNIDADE TAGUATINGA A FACULDADE PROJEÇÃO, PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2015 SELEÇÃO DE CONSULTORES JUNIORES PARA A INOVE CONSULTORIA JÚNIOR UNIDADE TAGUATINGA A FACULDADE PROJEÇÃO, por intermédio da Escola de Negócios, torna pública a

Leia mais

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários RB Capital DTVM Junho 2011 Objetivo Este instrumento normativo contém os procedimentos e controles internos da RB

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras

Programa Ciência sem Fronteiras Programa Ciência sem Fronteiras Apresentação Este GUIA foi elaborado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI), Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e Pró- Reitoria de Pesquisa (PRP) da UFLA para orientar

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

1) Consulta da ANBIMA

1) Consulta da ANBIMA Fórum BC SPB Princípios para Infraestruturas de Mercado Padronização da Comunicação Ref: Consulta do BC sobre Subsídios para a Estratégia de Adoção de Padrões de Comunicação Internacionalmente Aceitos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº003/2014 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA GALO CANTA (AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO)

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº003/2014 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA GALO CANTA (AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO) PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº003/2014 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA GALO CANTA (AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO) A FACULDADE PROJEÇÃO, por intermédio da Escola de Negócios, torna pública

Leia mais

Request for Proposal RFP Termos Gerais

Request for Proposal RFP Termos Gerais Request for Proposal RFP Termos Gerais RFP Serviços de telefonia fixa - Suporte Técnico e Operacional de Sumário Serviços PABX de Pequeno Porte Introdução... 2 1. Objetivo... 2 2. Termos e Condições...

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Portal Único de Comércio Exterior Programa Portal Único de Comércio Exterior É uma iniciativa de redesenho dos processos de trabalho e de desenvolvimento e integração

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque 1 / 7 SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque Código: : Data de Publicação: Cliente: Faculdade de Tecnologia SENAC-GO 2 / 7 Identificação e Histórico do Documento

Leia mais

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS Guia de Criação da Base Produção Paralela INICIAL SEQUENCES, tabelas de BMF e CADASTRO. Atualização de Bancos de Dados. Validações necessárias. IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS OS PROCEDIMENTOS DA

Leia mais

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado.

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado. O., situado à Avenida Pedro Ramalho, 5700, Bairro Passaré Fortaleza-CE, através do Projeto Estratégico Sistema Integrado de Gestão Empresarial Aquisição e Implantação de ERP (Enterprise Resources Planning)

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO. CONSIDERANDO que,

TERMO DE COOPERAÇÃO. CONSIDERANDO que, TERMO DE COOPERAÇÃO BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Praça Antônio Prado, nº 48, 7º andar, Centro, inscrita no Cadastro Nacional

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Educação Infantil

Orientações gerais para as famílias. Educação Infantil 2015 Orientações gerais para as famílias Educação Infantil DIREÇÃO PEDAGÓGICA Profª. Monica B. Mazzo - Diretora Pedagógica - mmazzo@absabin.com.br Profª. Suzy Vieira Março de Souza - Coordenadora - ssouza@absabin.com.br

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 Aos Custodiantes de Valores Mobiliários ( custodiantes ) Assunto: Adaptação à Instrução CVM Nº 542/2013 Prezados Senhores, 1. Nos termos

Leia mais

Relatório da Oficina das Agendas de Implementação e Monitoramento do PMGIRS

Relatório da Oficina das Agendas de Implementação e Monitoramento do PMGIRS Relatório da Oficina das Agendas de Implementação e Monitoramento do PMGIRS OURO VERDE - SC PRODUTO 11 Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade 3 3. Relato da atividade 3

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO AUDITORIA INTERNA

PROCESSO AUDITORIA INTERNA Dono do Processo Marilusa L B Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Lucila Borges de Sant'Anna 1 OBJETIVOS Avaliar periodicamente,

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

CONSULTORIA ONLINE Guia sobre o novo serviço

CONSULTORIA ONLINE Guia sobre o novo serviço CONSULTORIA ONLINE Guia sobre o novo serviço Setembro de 2013 Índice APRESENTAÇÃO... 3 O QUE É A CONSULTORIA ONLINE?... 4 QUAL A ÁREA RESPONSÁVEL?... 4 ABRANGÊNCIA... 4 COMO FUNCIONA... 5 FERRAMENTAS...

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Call sobre Processos de Liquidação 10/05/2013 DD/MM/AAAA A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout

Leia mais

Proposta Comercial. ... desenvolvendo e integrando soluções em telecomunicações. Objeto : Proposta : Cliente : Contato :

Proposta Comercial. ... desenvolvendo e integrando soluções em telecomunicações. Objeto : Proposta : Cliente : Contato : ... desenvolvendo e integrando soluções em telecomunicações Proposta Comercial Objeto : Prestação de Serviços de Co-Billing Proposta : Cliente : Contato : Apresentação CTBC Telecom A Companhia de Telecomunicações

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP Derivativos II Regulamento

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP Derivativos II Regulamento Apresentação: O Programa TOP é uma iniciativa do Comitê Consultivo de Educação, criado pela Deliberação CVM n 498/06, que é formado pelas seguintes instituições, além da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 2T13

Apresentação dos Resultados do 2T13 Apresentação dos Resultados do 2T13 09 de agosto de 2013 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração sobre eventos

Leia mais

CONSULTA AO MERCADO RFP REQUEST FOR PROPOSAL ÍNDICE

CONSULTA AO MERCADO RFP REQUEST FOR PROPOSAL ÍNDICE CONSULTA AO MERCADO RFP REQUEST FOR PROPOSAL ÍNDICE 1. Introdução 2. Objetivo 3. Termos e Condições 3.1 Publicidade 3.2 Responsabilidades 4. Cronograma e Contato 4.1 Cronograma 4.2 Contato 5. Entrega da

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO PRODUTO PROTEÇÃO ESTENDIDA

CONDIÇÕES GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO PRODUTO PROTEÇÃO ESTENDIDA CONDIÇÕES GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO PRODUTO PROTEÇÃO ESTENDIDA Produto Proteção Familiar ASSISTÊNCIA FUNERAL* Serviços Limites Evento Atendimento Social - Suporte ao usuário e acionamento da funerária mais

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 4 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Relatório de Auditoria Ambiental (Formato de Apresentação) GERAL Introdução; Objetivo da auditoria;

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2015 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA EXPERIMENTAL GALO CANTA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2015 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA EXPERIMENTAL GALO CANTA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº002/2015 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA EXPERIMENTAL GALO CANTA A FACULDADE PROJEÇÃO, por intermédio do curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda da Escola

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 02 28 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Disseminação e Conscientização O Ministério dos Transportes está realizando reuniões diárias para

Leia mais

Secure Client. Manual do Usuário. Versão 6.2. Procedimento para Instalação e configuração do Secure Client 6.1. Secure Client versão 6.

Secure Client. Manual do Usuário. Versão 6.2. Procedimento para Instalação e configuração do Secure Client 6.1. Secure Client versão 6. 1 de 19 Secure Client Manual do Usuário Versão 6.2 Versão Revisor Camila Lira Índice 2 de 19 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO, APLICAÇÃO E DEFINIÇÕES... 4 a. Objetivos... 4 b. Aplicação... 4 c. Regras

Leia mais

Relatório da Oficina das Agendas de Implementação e Monitoramento do PMGIRS

Relatório da Oficina das Agendas de Implementação e Monitoramento do PMGIRS Relatório da Oficina das Agendas de Implementação e Monitoramento do PMGIRS NOVO HORIZONTE - SC PRODUTO 11 Outubro de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade 3 3. Relato da atividade

Leia mais

GPD Gestão de Posições em Derivativos

GPD Gestão de Posições em Derivativos 2010 GPD Gestão de Posições em Derivativos BMF&Bovespa Versão 1.00 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O NOVO SISTEMA... 3 3. Lista de Referência... 5 3.1 Definições... 5 3.1.1 CAB Central de Atendimento BM&FBOVESPA...

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 1. ABERTURA O Diretor Geral do IFBA Campus Jacobina, no uso de suas atribuições, faz saber que,

Leia mais

Processo Inmetro N.º 5926/01 EDITAL N.º 001/02

Processo Inmetro N.º 5926/01 EDITAL N.º 001/02 Processo Inmetro N.º 5926/01 EDITAL N.º 001/02 O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro, através do Comitê do, instituído pela Portaria Inmetro n.º 092, de 25 de

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER

REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER 1. O Prêmio 1.1. Apresentação O Prêmio Fortalecer é uma iniciativa da ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), dentro do escopo do PROGRAMA FORTALECER. Este prêmio

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais