UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU"

Transcrição

1 UNIVERSIAE ESTAUAL PAULISTA JÚLIO E MESQUITA FILO FACULAE E CIÊNCIAS ARONÔMICAS CÂMPUS E BOTUCATU POTENCIAL SOLAR AS RAIAÇÕES LOBAL, IFUSA E IRETA EM BOTUCATU TAIS INÁCIO issertação apresentaa à Faculae e Ciências Agronômicas a UNESP Campus e Botucatu, para obtenção o título e Mestre em Agronomia (Energia na Agricultura). BOTUCATU SP ezembro

2 UNIVERSIAE ESTAUAL PAULISTA JÚLIO E MESQUITA FILO FACULAE E CIÊNCIAS ARONÔMICAS CÂMPUS E BOTUCATU POTENCIAL SOLAR AS RAIAÇÕES LOBAL, IFUSA E IRETA EM BOTUCATU TAIS INÁCIO Orientaor: Prof. r. João Francisco Escobeo Co- Orientaor: Prof. r. Euaro Narini omes issertação apresentaa à Faculae e Ciências Agronômicas a UNESP Campus e Botucatu, para obtenção o título e Mestre em Agronomia (Energia na Agricultura). BOTUCATU SP ezembro 2009

3

4 FICA CATALORÁFICA ELABORAA PELA SEÇÃO TÉCNICA E AQUISIÇÃO E TRATAMENTO A INFORMAÇÃO SERVIÇO TÉCNICO E BIBLIOTECA E OCUMENTAÇÃO - UNESP - FCA - LAEAO - BOTUCATU (SP) I35p Inácio, Thais, Potencial solar as raiações global, ifusa e ireta em Botucatu / Thais Inácio. Botucatu : [s.n.], viii, 72 f. : il. color., gráfs., tabs. issertação (Mestrao) - Universiae Estaual Paulista, Faculae e Ciências Agronômicas, Botucatu, 2009 Orientaor: João Francisco Escobeo Co-orientaor: Euaro Narini omes Inclui bibliografia. 1. Raiação global. 2. Raiação ifusa. 3. Raiação ireta. 4. Séries e raiação solar. I. Escobeo, João Francisco. II. omes, Euaro Narini. III. Universiae Estaual Paulista Júlio e Mesquita Filho (Campus e Botucatu). Faculae e Ciências Agronômicas. IV. Título.

5 I ARAECIMENTOS Primeiramente à eus, por estar sempre presente na minha via, iluminano o meu caminho e me ano forças pra seguir sempre em frente e por tornar tuo possível Aos meus pais Julio e Neusa, aos meus irmãos Junior e Igor e a toa minha família que, com muito carinho e apoio, me incentivaram e não meiram esforços para que eu chegasse até esta etapa e minha via. Ao meu orientaor Profº. r. João Francisco Escobeo e ao meu co- orientaor Profº. r. Euaro Narini omes, pela oportuniae oferecia, pelo apoio e inspiração no amaurecimento os meus conhecimentos e conceitos que me levaram à execução e conclusão esta issertação. Aos colegas e laboratório Junior, Thiago, Enzo, Ailson e Erico pela espontaneiae e alegria na troca e iéias, conversas e boas risaas e pela amizae que se construiu ao longo esta jornaa. Aos colegas Ricaro Bonometo e ustavo Lessa, pela troca e informações, realização e trabalhos, conversas, numa rara emonstração e amizae e soliarieae. Ao meu namorao Ricaro que esteve ao meu lao, me apoiano e não me eixano esanimar. Aos professores e funcionários o epartamento e Recursos Naturais, em especial à secretária Silvia, pelas conversas escontraías nos intervalos e trabalho e pelo apoio e serviços prestaos ao longo o curso. A toos os professores o curso e pós-grauação em Energia na Agricultura. A toos os funcionários a FCA/Unesp e Botucatu SP, pela compreensão e pelos serviços prestaos. Em especial às funcionárias a pós-grauação, pela paciência, pelos serviços e por toas as informações oferecias no ecorrer o curso. A Capes (Coorenação e Aperfeiçoamento e Pessoal e Nível Superior) por ter me proporcionao a oportuniae e realizar esta pesquisa, através o apoio financeiro. Para não correr o risco a injustiça, agraeço a toos que e alguma forma passaram pela minha via e contribuíram para a construção e quem sou hoje. E a toos aqueles que ireta ou iniretamente contribuíram para a realização esta issertação, os meus sinceros agraecimentos.

6 II SUMÁRIO Página RESUMO 1 SUMMARY 3 1 INTROUÇÃO 5 2 REVISÃO E LITERATURA Raiação Solar Raiação no Topo a Atmosfera Componentes a Raiação Solar ao interagir na atmosfera 10 3 MATERIAL E MÉTOOS escrição o Clima Características o Local Instrumentação Métoo o Anel e Sombreamento Controle e Qualiae os aos escrição a Base e aos Base e aos iária e Méia Mensal Cálculo as Méias Mensais iárias Cálculo as Frações 26 4 RESULTAOS E ISCUSSÕES Raiações lobal, ifusa e ireta Méia Anual iária Raiação lobal Raiação ifusa Raiação ireta Séries Temporais as Raiações lobal, ifusa e ireta as Méias Mensais 33 iárias Raiação lobal Raiação ifusa Raiação ireta 54

7 III 4.3 Séries Anuais as Raiações lobal, ifusa e ireta Acumulaas Mensais 61 5 CONCLUSÕES 66 6 REFERÊNCIAS BIBLIORÁFICAS 70

8 IV LISTA E TABELAS Tabela 1 Valores méios mensais (MJ/m²), mínimos, máximos e méias anuais e Raiação Solar lobal para ciaes o Amapá/Brasil. 2 Características operacionais os etectores a raiação global e ifusa. 3 Variáveis meteorológicas e sensores e meias. Página 4 Energia Méia Mensal iária (MJ/m²) e esvio Relativo a Raiação lobal (%) 28 5 Energia Méia Mensal iária (MJ/m²) e esvio Relativo a Raiação ifusa (%) 30 6 Energia Méia Mensal iária (MJ/m²) e esvio Relativo a Raiação ireta (%) 31 7 Valores méios mensais (MJ/m²) e esvio Percentual (%) a Raiação lobal, no períoo 1996 a Valores méios mensais (MJ/m²) e esvio Percentual (%) a Raiação ifusa 49, no períoo e 1996 a Valores méios mensais (MJ/m²) e esvio Percentual (%) a Raiação ireta, no períoo e 1996 à

9 V LISTA E FIURAS Figura Página 1 Intensiae e energia no topo a atmosfera em locais e iferentes latitues. 9 2 a) Evolução anual a temperatura e umiae méias mensais e 35 anos. b)evolução anual a precipitação e número e horas e brilho solar acumulaos méios anuais (35 anos). 3 Evolução a nebulosiae méia mensal a série e 10 anos no períoo e 1996 à Aparelhos utilizaos para o monitoramento a raiação solar no Laboratório e Raiometria Solar a UNESP/Botucatu/SP. a) Piranômetro com anel e sombreamento ME que mee a irraiância ifusa. b) Piranômetro que mee irraiação global. 5 Evolução a energia méia anual iária a raiação global (MJ/m²) e b) esvio relativo a raiação global (%). 6 a) Evolução a energia méia anual iária a raiação ifusa (MJ/m²) e b) esvio relativo a raiação ifusa (%). 7 a) Evolução a energia méia anual iária a raiação ireta (MJ/m²) e b) esvio relativo a raiação ireta (%). 8 a) Raiação lobal e 1996 à 2005 b) Raiação lobal c) Raiação no Topo a Atmosfera e Raiação lobal ) Ínice Raiométrico 9 Evolução as méias mensais iárias e raiação global em Abu habi e outras 39 quatorze ciaes a Arábia Sauita e Botucatu (Brasil). 10 Evolução as méias mensais iárias e raiação global para as ciaes e 40 ama, amascus, eir Al-Zor e Lattakia (Síria), e Botucatu (Brasil) 11 Evolução as méias mensais iárias e raiação solar global para Ankara, 41 Istanbul e Izmir, Turquia) e Botucatu (Brasil). 12 Evolução as méias mensais iárias e raiação global em Aana (Turquia) e 42 Botucatu (Brasil) 13 Evolução as méias mensais iárias e raiação solar global para 20 ciaes o 44 t

10 VI Zimbabwe (África) e Botucatu (Brasil). 14 Evolução as méias mensais iárias e raiação solar global para 7 ciaes no Sueste a Anatólia (Turquia) e para Botucatu (Brasil). 15 Evolução as méias mensais iárias e raiação solar global para 12 ciaes na Anatólia Central (Turquia) e Botucatu (Brasil). 16 Evolução as méias mensais iárias e raiação solar global em Maceió e Botucatu (Brasil). 17 a) Raiação ifusa e 1996 à 2005 b) Raiação ifusa c) Raiação no Topo a Atmosfera, Raiação ifusa e Raiação lobal ) Ínice Raiométrico e. 18 Evolução as méias mensais iárias e raiação ifusa para as ciaes e ama, amascus, eir Al-Zor e Lattakia (Síria), e Botucatu (Brasil). 19 a) Raiação ireta e 1996 à 2005 b) Raiação ireta c) Raiação no Topo a Atmosfera, Raiação ireta e Raiação lobal ) Ínice Raiométrico e. 20 Evolução as méias mensais iárias e raiação ireta para as ciaes e ama, amascus, eir Al-Zor e Lattakia (Síria), e Botucatu (Brasil). 21 Séries Anuais as Raiações lobal, ifusa e ireta Acumulaos Mensais em MJ/m² e kwh

11 VII LISTA E SÍMBOLOS I Constante Solar (1367 W/m²) sc Eo δ φ ω θ z n N FC F p (n/ N) I O I I Fator e correção a excentriciae a órbita a terra (u.a.) eclinação solar (graus) Latitue Local (graus) Ângulo orário Ângulo Zenital Número e horas e Brilho Solar (horas) Fotoperíoo (horas) Fator e correção isotrópico Fração e pera a raiação evio ao anel e sombreamento Razão e Insolação Irraiância no topo a atmosfera (W/m²) Irraiância global (W/m²) Irraiância ifusa (W/m²) I Irraiância ireta (W/m²) Irraiação lobal na superfície horizontal méia mensal iária (MJ/m²/ia) Irraiação ifusa na superfície horizontal méia mensal iária (MJ/m²/ia) Irraiação ireta na superfície horizontal méia mensal iária (MJ/m²/ia) Irraiação no topo a atmosfera méia mensal iária (MJ/m²/ia) O Irraiação lobal méia mensal (MJ/m²/mês) Irraiação ifusa méia mensal (MJ/m²/mês) Irraiação ireta na superfície horizontal méia mensal (MJ/m²/mês) [ ] Irraiação lobal méia anual (MJ/m²/ano)

12 VIII [ ] Irraiação ifusa méia anual (MJ/m²/ano) [ ] Irraiação ireta na superfície horizontal méia anual (MJ/m²/ano) Irraiação lobal méia entre meses (MJ/m²/mês) t Irraiação ifusa méia entre meses (MJ/m²/mês) Irraiação ireta na superfície horizontal méia entre meses (MJ/m²/mês) Ínice e Clariae méio mensal iário Fração ifusa a raiação global méia mensal iária Fração ireta a raiação global méia mensal iária Fração ifusa a raiação no topo a atmosfera méia mensal iária Fração ireta a raiação no topo a atmosfera méia mensal iária 3 PM 10 Material Particulao ( μ gm )

13 1 RESUMO No presente trabalho é apresentao o estuo o potencial a energia solar isponível no município e Botucatu, através as análises as séries temporais méias anuais iárias, méias mensais iárias e séries anuais os acumulaos mensais as raiações global, ifusa e ireta na horizontal o períoo e 1996 à As irraiações, em MJ/m 2, foram calculaas a partir as integrações iárias as irraiâncias global I, irraiância ifusa, irraiância ireta na horizontal I e no topo a atmosfera I, eterminano-se as O I irraiações iárias:, e ; e méias mensais:, e. A partir as méias mensais, eterminou-se o ínice e clariae t (razão a irraiação global pela o topo a atmosfera), e as emais frações as raiações: (razão a irraiação ifusa pela global), (razão a irraiação ifusa pela o topo a atmosfera), (razão a irraiação ireta pela global), (razão a irraiação ireta pela o topo a atmosfera). Realizou-se uma análise estatística os aos e raiação solar, e forma a se obter os valores méios, esvios, máximos, mínimos, variação e acumulaos, mensais e anuais. E apresentaram-se e forma gráfica os resultaos estatísticos obtios para compará-los com os valores méios mensais iários a precipitação, nebulosiae e insolação, para que se possam explicar os fenômenos que causam as variações nos valores a série temporal e raiação solar na superfície terrestre e Botucatu. Os valores méios mensais iários a raiação global variaram e 21,0 MJ/m² em novembro até 12,6 MJ/m² em junho. A fração meia anual foi e 53,0%. Os valores t

14 2 méios mensais iários a raiação ifusa variaram e 10,0 MJ/m² em ezembro até 3,7 MJ/m² em junho. A fração méia anual foi e 37% e a fração méia anual foi e 19,7%. Os valores méios mensais iários a raiação ireta variaram e 11,8 MJ/m² em novembro até 8,9 MJ/m² em janeiro e junho. A fração méia anual foi e 62% e a fração méia anual foi e 3,37%. Nas séries anuais acumulaas mensais, a energia méia acumulaa anual a raiação global foi e 6440,054 MJ/m². A energia méia ifusa acumulaa anual foi e 2472,658 MJ/m² e a energia méia acumulaa anual a raiação ireta foi e 3938,955 MJ/m².

15 3 POTENTIAL OF SOLAR RAIATION LOBAL, IFFUSE AN IRECT IN BOTUCATU. Botucatu, p. issertação (Mestrao em Agronomia/Energia na Agricultura) Faculae e Ciências Agronômicas, Universiae Estaual Paulista. Author: TAIS INÁCIO Aviser: JOÃO FRANCISCO ESCOBEO Co-Aviser : EUARO NARINI OMES SUMMARY The present work presents the potential of solar energy available in the city of Botucatu, by analyzing time series of annual average aily, monthly averages of aily an cumulative monthly series of annual global raiation, iffuse an horizontal irect in the perio of 1996 to The irraiation in MJ/m2 were calculate from aily integrations of the global irraiance I, iffuse irraiance I, horizontal irect irraiance I an at the top of the atmosphere, by proviing aily the aily irraiation:, an ; an I O monthly averages:, an. From the monthly averages, it was etermine the clearness inex t (global/top of the atmosphere irraiation), an other fractions of raiation: (iffuse/global irraiation), (irect/global irraiation), (iffuse/top of the atmosphere irraiation), (irect/top of the atmosphere irraiation). Was hel a statistical analysis of ata on solar raiation in orer to obtain the average values, eviation, minimum, maximum, variation an cumulative, monthly an yearly. An it showe in graphic statistical results obtaine to compare them with the monthly average aily values of precipitation, clouiness an sunshine, so that can explain the phenomena that cause variation in the values of time series of solar raiation on the Earth's surface of Botucatu. The values aily monthly average global raiation varie from 21.0 MJ/m² in november to 12,6 MJ/m² in june. The average annual t fraction was 53,0%. The values aily monthly average iffuse

16 4 raiation varie from 10,0 MJ/m² in ecember to 3,7 MJ/m² in june. The average annual fraction was 37% an the average annual fraction was 19,7%. The values aily average monthly irect raiation varie from 11,8 MJ/m² in november to 8,9 MJ/m² in january an june. The average annual fraction was 62% an the average annual fraction was 3,37%. In the monthly accumulate annual series, the energy annual accumulate average of global raiation was 6440,054 MJ/m². The energy annual accumulate iffuse average was 2472,658 MJ / m² an the energy annual accumulate average raiation irect was 3938,955 MJ / m². eywors: lobal, irect an iffuse solar raiation, series of solar raiation

17 5 1 INTROUÇÃO A raiação solar é a energia raiante emitia pelo Sol sob a forma e raiação eletromagnética, seno a maior fonte e energia para a Terra, bem como o principal elemento meteorológico, pois é ela que esencaeia too o processo meteorológico afetano toos os outros elementos: temperatura, pressão, vento, chuva, umiae, etc. (PEREIRA et al., 2002). Após inciir no topo a atmosfera, a raiação solar interage com os elementos atmosféricos (gases, nuvens, partículas em suspensão, etc.), até atingir a superfície terrestre, por meio e processos e absorção e espalhamento. A raiação solar que atinge a superfície terrestre encontra-se iviia em uas componentes: ifusa e ireta. A raiação ifusa é ecorrente os processos e espalhamento a raiação solar na atmosfera e, portanto, é oriuna e toas as ireções o céu. A raiação ireta é a componente que atinge a superfície e não sofre interações com a atmosfera. A soma as uas componentes resulta na raiação global. O conhecimento a variabiliae a raiação solar global, ifusa e ireta e um eterminao local é base para muitos estuos climáticos, seno importante para o bom aproveitamento a energia solar, apresentano aplicações na meteorologia, climatologia, agricultura, biologia, engenharia, arquitetura (aquecimento e iluminação natural e ambientes), planejamento urbano, projetos ambientais e setor e energia, entre outros.

18 6 Os Estaos Unios, Japão e iversos países a Europa encontram-se em pleno esenvolvimento tecnológico na área e raiação solar e suas aplicações, principalmente após a crise o petróleo e com o aquecimento global e outros problemas ambientais, que atualmente tornaram-se muito relevantes. O Brasil, por sua vez, também vem ganhano importância no mercao as fontes limpas e alternativas e energia. Entretanto, iversos são os problemas enfrentaos na ree solarimétrica brasileira para a eterminação o potencial e energia solar na superfície terrestre: poucas são as localiaes que meem a raiação solar; o alto custo instrumental e a necessiae e pessoal especializao ificultam a implantação e operação e uma ree e estações e raiometria solar; existe grane ificulae e se encontrar séries e raiação solar normais e 30 anos, encontrano-se apenas bases e aos inferiores à 10 anos. e forma a se solucionar a problemática acima apontaa, os objetivos este trabalho são: 1) Realizar um estuo o potencial a energia solar para o município e Botucatu, por meio a análise a série temporal e 10 anos e meia as raiações global, ifusa e ireta iárias e ínices raiométricos t,,, e ; 2) Realizar uma análise estatística os aos e raiação solar, e maneira a se obter os valores méios, esvios, máximos, mínimos, variação e acumulaos, mensais e anuais; 3) Apresentar e forma gráfica os resultaos estatísticos obtios e compará-los com os valores méios mensais iários a precipitação, nebulosiae e insolação, para que se possam explicar os fenômenos que causam as variações nos valores a série temporal e raiação solar na superfície terrestre e Botucatu. A Estação e Raiometria Solar a UNESP e Botucatu/SP monitora a raiação solar global, a raiação ifusa e a raiação ireta na horizontal ese 1996, apresentano uma base e aos suficientemente longa para geração e séries temporais mais curtas (10 anos). Estas informações são e grane importância para viabilizar a instalação e sistemas térmicos e fotovoltáicos para aquecimento e fluíos e ambientes, para geração e potência mecânica ou elétrica, para uma eterminaa região com características climáticas semelhantes à Botucatu, garantino o máximo aproveitamento ao longo o ano, one as variações a intensiae a raiação solar sofrem significativas alterações.

19 7 2 REVISÃO E LITERATURA 2.1 Raiação Solar A raiação solar é um importante elemento o clima, pois como a principal fonte e energia primária a terra, é responsável pela istribuição a fauna e a flora no planeta, influenciano iretamente as ativiaes fisiológicas os seres vivos e os fenômenos climáticos. (ASSIS et al. 2004). Seguno Pereira et. al. (2002) a raiação solar é a fonte primária e toos os fenômenos atmosféricos e e processos físicos, químicos e biológicos observaos em ecossistemas agrícolas, poeno ser aproveitaa sob várias formas, tais como a captura pela biomassa, o aquecimento e ar e água para fins omésticos e inustriais, fotoeletriciae para pequenos potenciais e fontes para ciclos termoinâmicos variaos. Além a sua importância na caracterização climática as regiões, o conhecimento a inciência e raiação solar em escala local é funamental para estuos agroclimatológicos. A sua isponibiliae e a sua previsão são essenciais no esenvolvimento e projetos e aproveitamento e energia solar para iversas finaliaes (FILO et. al. 2007). O Brasil, por se tratar e um país tropical, com granes porções e suas terras localizaas próximas à linha o Equaor, recebe com maior intensiae os raios solares, e consequentemente, os valores méios e raiação solar ao longo o ano são mais elevaos, principalmente quano o sol eclina mais próximo à latitue local, se comparaos com outros países o muno. Fatores estes, muito relevantes para o aproveitamento e conversão e energia solar em energia elétrica, visto que a emana por energia no muno é crescente, principalmente as fontes limpas e renováveis, como é o caso a energia solar.

20 8 Seguno (Camargo et. al. 2000) as fontes não renováveis como o petróleo e o carvão esgotam-se e sua queima acelera os efeitos anosos o aquecimento global. Com isso, novas formas e gerar energia elétrica sem esses inconvenientes estão seno paulatinamente introuzias. Entre elas estaca-se a fotoeletriciae. A energia solar fotovoltáica transforma a raiação solar em eletriciae. Logo, países tropicais como o Brasil com regiões e ótima insolação são caniatos potenciais à utilização esse tipo e energia. Seno uma energia renovável e não poluente quano e sua utilização, ela escapa as restrições ambientais que começam a ser impostas às fontes não renováveis como o petróleo, carvão e nuclear. e acoro com estuos e Pereira et. al. (2002) o potencial e energia solar isponível compreene o máximo possível e raiação solar inciente sobre a superfície o solo, para um eterminao ia e local, estano a atmosfera presente e completamente isenta e nuvens urante too o ia. Seu conhecimento é importante na estimativa a emana máxima e evaporação, evapotranspiração, e em artifícios e engenharia solar, como aqueceores, secaores, fogões solares, refrigeraores, etc. O conhecimento a trajetória a raiação solar até atingir a superfície terrestre é importante para iferenciarmos a intensiae, a quantiae e a qualiae a raiação inciente sobre eterminaa localiae e época o ano, que se iferenciam no topo a atmosfera (item 2.2) e na superfície a Terra, seno que neste seguno caso, a raiação solar se ivie em uas componentes e acoro com as alterações sofrias ao interagir com a atmosfera terrestre: a componente ireta e a componente ifusa, que serão mais etalhaas no item Raiação no Topo a Atmosfera A raiação solar inciente no topo a atmosfera terrestre varia basicamente com a latitue, a eclinação solar, ângulo horário e a excentriciae a órbita terrestre, fatores que, por sua vez, epenem os movimentos e rotação, que fazem com que um local receba os raios solares com inclinação iferente ao longo o ia, e os movimentos e translação ao reor o Sol, one a Terra está sempre recebeno raiação.

21 9 A raiação solar que chega no topo a atmosfera é igual para os locais com latitues semelhantes. Observa-se que a raiação no topo varia conforme a latitue, como mostra a Figura 1. Nas latitues menores ocorrem menores oscilações energéticas, e para as latitues maiores, há maiores amplitues e energia. A raiação que chega no topo a atmosfera na latitue 0 varia e 35,69 MJ/m² à 38,90 MJ/m², e a raiação na latitue e 40 varia e 13,54 MJ/m² à 44,80 MJ/m². Raiação no Topo a Atmosfera (MJ/m²/ia) Lat. 0 S Lat. 10 S Lat. 20 S Lat. 30 S Lat. 40 S Tempo (ias) Figura 1 - Intensiae e energia no topo a atmosfera em locais e iferentes latitues. A irraiância no topo a atmosfera conforme Iqbal (1983) através a equação: I O foi calculaa instantaneamente I O = I sc Eo( senδ senφ + cosδ cosφ cosω) (1) One, I O = irraiância no topo a atmosfera (W/m²); I SC = a constante solar equivalente a 1367 W/m²; E 0 = é fator e correção a excentriciae a órbita a Terra (u.a);

22 10 φ = é a latitue local, em graus; δ = é a eclinação solar, em graus; ω = é o ângulo horário, em graus. efinio por I O O valor a irraiância solar terrestre que chega no topo a atmosfera é, e este varia com a latitue e com o ia o ano, fatores esses que afetam o ângulo e inciência os raios solares. Quanto maior a latitue, maior a amplitue e I O entre o verão e inverno. A constante solar I SC efine-se como a ensiae e fluxo e raiação solar inciente numa superfície perpenicular aos raios solares, sem os efeitos atenuantes a atmosfera, e a uma istância equivalente a uma uniae astronômica. O valor e varia ligeiramente em função a emitância o Sol, seno aotao um valor méio equivalente a 1367 W/m². (Iqbal, 1983). A latitue φ é a coorenaa geográfica ou geoésica efinia na esfera, no elipsóie e referência ou na superfície terrestre, que é o ângulo entre o plano o equaor e a normal à superfície e referência. A eclinação solar δ epene apenas a posição relativa entre a Terra e o Sol, e seu valor é ao por tabelas fornecias pelos observatórios astronômicos. O ângulo horário ω é formao pelo meriiano one se encontra o Sol e o meriiano local. A passagem o Sol pelo meriiano local ivie o ia em uas partes simétricas. O períoo e rotação a Terra é e 24 horas, ou seja, este é o tempo entre uas passagens consecutivas o Sol pelo meriiano local. Isso significa que são percorrios 360 em 24h, corresponeno a 15 /hora. I SC 2.3 Componentes a Raiação Solar ao interagir na atmosfera A raiação solar ao entrar na atmosfera, sofre algumas alterações causaas por moléculas e gases, vapor 'água, poeira, e outras partículas e aerossóis, resultano em moificações na quantiae, na qualiae e na ireção os raios solares que

23 11 atingem a superfície terrestre. O fruto a interação raiação-atmosfera ao interagir com seus componentes (naturais e artificiais) e inciir na superfície, é constituía a raiação solar ifusa e raiação solar ireta. A raiação solar ifusa é a raiação que chega à superfície terrestre, através o espalhamento a raiação por gases e partículas suspensas na atmosfera. Seguno Pereira et al. (2002) esse processo é mais facilmente percebio em ias e céu nublao e em ias com alto teor e poeira, quano a raiação solar tem mais ificulae e atingir iretamente a superfície. A raiação solar ifusa varia com o angulo zenital o sol e sua estimativa é bastante complexa. Apesar isso costuma-se consierar que, para ias e céu claro, esta contribua com cerca e 15% o total e raiação que chega à superfície e é meia por um piranômetro com anel e sombreamento. (PEREIRA et al. 2002) A raiação solar ireta consiste na parcela a energia raiante inciente no topo a atmosfera e que chega iretamente à superfície terrestre e que não sofre esvios em sua trajetória. É meia em muitas estações por meios iniretos ou pelo métoo a iferença, e por moelos e estimativa, evio ao alto custo os instrumentos. A soma a raiação solar ifusa e a raiação solar ireta resulta na raiação solar global, que poe ser efinia como o total e energia emitia pelo sol, que incie sobre a superfície terrestre. A raiação solar global é um elemento meteorológico e grane relevância, principalmente em ativiaes agropecuárias. Assim, é importante meir a isponibiliae e raiação solar global em um eterminao local e períoo o ano. Seu monitoramento é realizao através e um piranômetro. iferentemente o total e raiação que chega no topo a atmosfera, que é igual para os locais e mesma latitue, a raiação global na superfície terrestre poe variar em locais e latitues semelhantes. Essa situação ocorre evio ao efeito atenuaor a atmosfera ser característico em caa local, epeneno a concentração os constituintes atmosféricos variáveis em função o tipo e ativiae humana e caa lugar (inústria, silvicultura, meio urbano, meio rural, poluição, partículas e aerossóis, emissão e CO 2, nuvens, etc). e acoro com Marques et al. (2008), estuos realizaos em três ciaes o Estao o Amapá, Brasil, com latitues próximas, Macapá (lat. 0.04º S e long.

24 O), Pacuí (lat S e long O) e Oiapoque (lat S e long O), mostram que os valores méios mensais e raiação solar global variam ao longo o ano, exemplificano que a intensiae e energia que incie na superfície terrestre sofre granes variações temporais em função as conições atmosféricas e caa local. Esta área o país é caracterizaa por um clima equatorial superúmio, grane quantiae e calor e umiae, evio à proximiae com o Oceano Atlântico. As temperaturas variam entre 20 C a 36 C, e existem uas estações bem efinias: verão e inverno. Os ínices pluviométricos ocorrem anualmente em méia superiores a mm. Na tabela 1, são mostraos os valores méios mensais e raiação global para três ciaes o Amapá. Tabela 1 - Valores méios mensais (MJ/m²), mínimos, máximos e méias anuais e Raiação Solar lobal para ciaes o Amapá/Brasil. Ciaes Lat. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov ez Mé Mín Máx Macapá 0,04 18,4 15,8 14,0 14,4 16,6 18,0 19,4 21,2 26,7 22,0 20,9 15,1 18,5 14,0 22,7 Pacuí 0,96 15,1 14,0 11,5 11,9 14,0 15,5 19,8 19,8 21,6 19,8 18,0 14,4 16,3 11,5 21,6 Oiapoque 3,81 10,8 11,9 8,3 7,9 7,6 7,6 8,6 12,2 18,4 16,9 15,8 12,2 11,5 7,6 18,4 Seguno Pereira et. al (2002) a proporção entre a raiação solar ireta e a raiação solar ifusa varia ao longo o ia (ângulo e inciência os raios solares), e também com as conições e nebulosiae. Quanto mais nublao, maior a proporção e raiação ifusa, menor a proporção e raiação ireta, e menor o valor e raiação global. Muitos autores na literatura estrangeira meiram e analisaram as componentes a raiação solar ao reor o muno, principalmente em países one há um éficit e isponibiliae e energia, e grane necessiae e estuos na área. Em algumas localiaes, como Arábia Sauita, Síria, Turquia, África, os autores estuaram iversas ciaes, comparano aos e raiação em iferentes pontos e um mesmo país. Islam et al. (2009) analisaram aos e raiação solar global méia mensal iária em Abu habi, UAE, (lat º N e long L) e outras quatorze ciaes a Arábia Sauita (Au habi, Amman, Bahrain, Tunis, Alger, Riah, Bagha, Sala(oman), oha, Casablanca, Sana, Mosul, amas, Jerusalém e uwait). Os valores méios e raiação global obtios variaram e 16,17 MJ/m² em Alger à 21,54 MJ/m² em Abu habi. Os valores

25 13 mínimos variam e 7,92 MJ/m² em Alger à 14,40 MJ/m² em Abu habi. E os máximos variam e 20,88 MJ/m² em Sana a 30,24 MJ/m² em Amman. Al-Mohama (2004) analisou aos méios mensais iários e raiação solar global, ireta e ifusa para quatro localiaes a Síria. As ciaes foram escolhias e acoro com as principais regiões o país: ama (lat N e long L), amascus (lat N e long L), eir Al-Zor (lat N e long L) e Lattakia (lat N e long L). Os valores méios e raiação global obtios variaram e 16,7 MJ/m² em Lattakia à 18,7 MJ/m² em amascus, os valores mínimos variaram e 7,9 MJ/m² em Lattakia à 9,1 MJ/m² em amascus, e os valores máximos variaram e 24,5 MJ/m² em Lattakia à 27,7 MJ/m² em ama. Para a raiação ifusa, os valores méios variaram e 4,8 MJ/m² em amascus à 6,1 MJ/m² em Lattakia, os valores mínimos variaram e 3,3 MJ/m² em eir Al-Zor à 3,7 MJ/m² em ama, e os máximos variaram e 6,8 MJ/m² em amascus à 8,9 MJ/m² em ama. E os valores méios obtios para a raiação ireta variaram e 10,8 MJ/m² em Lattakia à 14,3 MJ/m² em amascus, os valores mínimos variaram e 3,6 MJ/m² em Lattakia à 5,8 MJ/m² em amascus, e os valores máximos variaram e 17,3 MJ/m² em Lattakia à 20,6 MJ/m² em eir Al-Zor. Ulgen & epbasli (2009) analisaram aos méios mensais iários e raiação solar global em três ciaes a Turquia, Ankara (lat º N e long L), Istanbul (lat N e long L) e Izmir (lat N e long L). Para Ankara foi obtio valor méio e 15,55 MJ/m², valor mínimo e 5,1 MJ/m² e valor máximo e 25,6 MJ/m². Em Istanbul foram obtios valor méio e 14,08 MJ/m², mínimo e 4,3 MJ/m² e máximo e 23,9 MJ/m². E em Izmir o valor méio foi e 16,92 MJ/m², mínimo e 7,2 MJ/m² e máximo e 26,3 MJ/m² Oğulata & Oğulata (2002) estuaram aos méios mensais iários e raiação solar global em Aana, localizaa no sul a Turquia (lat N e long L). O valor méio obtio foi e 12,56 MJ/m², mínimo e 5,13 MJ/m² e máximo e 18,51 MJ/m². ove & öttsche (1999) analisaram aos e raiação solar global em vinte localiaes no Zimbabwe (lat S e long L), West Nicholson, Bulawayo, Mt. arwin, Beit Brige, Buffalo Rang, Maronera, Masvigo, Nyanga, ariba, arare, Victoria Fal, Binga, ran Reef, weru, aoma, aroi, Makoholi, Matopos, Tsholotsho e Mukani. Os valores méios variaram e 20,64 MJ/m² em arare à 23,40 MJ/m² em Victoria

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU UNIVERSIAE ESTAUAL PAULISTA JÚLIO E MESQUITA FILO FACULAE E CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS E BOTUCATU POTENCIAL SOLAR AS RAIAÇÕES GLOBAL, IFUSA E IRETA EM BOTUCATU TAIS INÁCIO issertação apresentaa à Faculae

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Enem 013) A Lei a Gravitação Universal, e Isaac Newton, estabelece a intensiae a força e atração entre uas massas. Ela é representaa pela expressão: F G m m = 1 one m 1 e m corresponem às massas os

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R.

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. ALVES 3 RESUMO: O conhecimento da distribuição horária da irradiância

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais

RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL.

RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL. RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL. DOUGLAS RODRIGUES 2, JOÃO F. ESCOBEDO 1, THIAGO N. S. ALMEIDA 3, NATÁLIA P. GAIAD 4, LUDMILA

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Em setembro e 010, Júpiter atingiu a menor istância a Terra em muitos anos. As figuras abaixo ilustram a situação e maior afastamento e a e maior aproximação

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA

VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA José de Paulo Rocha da Costa 1 & Renata Silva de Loureiro 2. 1 Prof. Adjunto. Departamento de Meteorologia.

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação PAUTA DO DIA Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação REVISÃO 1 Astronomia Ciência que estuda os astros e os fenômenos relacionados a eles. REVISÃO 1 Relaciona os fenômenos celestes aos fatos

Leia mais

Determinando a aceleração gravitacional 1

Determinando a aceleração gravitacional 1 Determinano a aceleração ravitacional Fernano an a Silveira Instituto e Física, Universiae Feeral o Rio Grane o Sul. Av. Bento Gonçalves, 9500. Caixa Postal 505, CEP 950-970. Porto Alere. RS. Brasil. Enereço

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

Avaliação da Atividade Reprodutiva e Atividade Trófica da Ictiofauna do Rio Negro, Pantanal, MS 1

Avaliação da Atividade Reprodutiva e Atividade Trófica da Ictiofauna do Rio Negro, Pantanal, MS 1 Avaliação a Ativiae Reproutiva e Ativiae Trófica a Ictiofauna o Rio Negro, Pantanal, MS Vitor Simão Galletti, Fábio Eir os Santos Costa, Sinei Euaro Lima Junior Resumo: Este trabalho foi elaborao visano

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE 1 Gilsânia Cruz 1 Maria Laura Rodrigues 1 Elaine Canônica 1 Marcelo Moraes 1 RESUMO Neste trabalho é analisada a estiagem

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1. Fenômeno astronômico marca início do inverno no hemisfério sul A figura abaixo ajuda a compreender o fenômeno. Para dar

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Relações Astronômicas Terra - Sol

Relações Astronômicas Terra - Sol Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Relações Astronômicas Terra - Sol Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Radiação Solar -

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA

4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA 4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA A pluviosidade representa o atributo fundamental na análise dos climas tropicais, refletindo a atuação das principais correntes da circulação atmosférica. No extremo sul da Bahia,

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Prof. Assoc. Renato Goulart Jasinevicius SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS a Artigo Original http://x.oi.org/0.4322/276-523.0958 DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS Antônio Ael os Santos Cristóvão Nery Giacomin

Leia mais

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE Renata Braga e Albuquerque Campos e Sebastião Salvaor Real Pereira, Universiae Feeral, Escola e Engenharia, Departamento e Engenharia

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais