De Solar da Marquesa de Santos a Museu do Primeiro Reinado*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De Solar da Marquesa de Santos a Museu do Primeiro Reinado*"

Transcrição

1 CAPITULO 13 De Solar da Marquesa de Santos a Museu do Primeiro Reinado* Marieta de Moraes Ferreira"' Nayara Galena da Vale*** I proposta que norteia o Projeto Pronex Direitos e Cidadania é analisar algumas A intervenções urbanas que tiveram lugar no Rio de Janeiro, aqui entendidas como ações que articuiaram o uso de memórias da cidade e seu patrimônio cultural, visando influenciar na sedimentação de determinadas identidades políticas. Especificamente, nosso propósito neste capítulo é, à luz da trajetória do Museu do Primeiro Reinado, destacar a existência de estratégias de reinvenção e reelaboração de memórias sobre o território carioca. O edifício que hoje abriga o Museu do Primeiro Reinado foi construído no início do século XIX para servir de residência à marquesa de Santos, amante de d. Pedro I, vindo a ter diferentes usos ao longo dos anos. Em 1961, pouco menos de um ano após a criação do estado da Guanabara, O prédio foi desapropriado com a finalidade de abrigar o projeto de criação do museu. Lançar o Museu do Primeiro Reinado, naquele momento, fazia parte de uma estratégia política ampla de revitalização do território carioca, levada a efeito pelo então governador da Guanabara, Carlos Lacerda ( ), com vistas a reatualizar o status da região como capital cultural do país. Contudo, o projeto não chegaria a se concretizar. Conjuntura igualmente importante de reelaboração das memórias políticas brasileiras e definíção do lugar da cidade do Rio de Janeiro nessas representações foram as comemorações dos 150 anos da Independência do Brasil,... Este trabalho contou com a colaboração da bolsista de iniciação científica Amanda Gouveia.... Doutora em história do Brasil pela UFF. Professora do Departamento de História da UFRJ e pesquisadora do Cpdoc/FCV. It,.,. Graduanda em história pela UFRJ e bolsista de iniciação científica no Cpdoc/FGV.

2 296 DIREITOS E CIDADANIA em O projeto de criação do Museu do Primeiro Reinado novamente voltaria à cena, dessa vez com o objetivo de homenagear o nosso primeiro imperador e, ao mesmo tempo, destacar a forte ligação entre a cidade do Rio/ estado da Guanabara e essa memória da nação. Em 1975, pela terceira vez a idéia de edificar o Museu do Primeiro Reinado ganharia densidade. O marco histórico era a fusão entre a Guanabara e o antigo estado do Rio de Janeiro, quando estava em jogo redefinir a identidade e a memória do novo estado que nascia. Este capítulo procura demonstrar que os projetos museológicos encerram estratégias de construção de memórias e redefinição de identidades, e que tais estratégias articulam disputas políticas e usos do passado. A criação do estado da Guanabara e a política cultural de Lacerda: reinventando a memória do Rio Com a mudança da capital federal para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro passa a constituir o estado da Guanabara, uma cidade-estado, a única no Brasil. Esse evento marcante, é preciso lembrar, trouxe conseqüências significativas para a história da cidade carioca, uma vez que o recém-criado estado possuía uma trajetória muito particular. Capital do Brasil Colônia desde 1763, sede da Corte portuguesa desde 1808, do governo imperial desde 1822 e capital da República a partir de 1889, durante muito tempo o Rio foi o principal palco e a caixa de ressonância dos empreendimentos culturais, científicos e políticos do país. Em decorrência disso, e através da história, viria a ser identificado como "um espaço fundamentalmente nacional", no qual políticos das mais variadas procedências, "independentemente de onde anteriormente vivessem ej ou atuassem politicamente''} se destacariam como porta-vozes de questões de interesse geral da nação. Como centro do poder político nacional, o Rio era também a capital cultural brasileira, abrigando as mais importantes instituições culturais do país, como o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional, O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e a Academia Brasileira de Letras. Lugar, por excelência, onde o sentimento de nação se concretizava, o Rio foi palco de muitos eventos que, longe de serem parte somente de sua história regional, integraram uma "história nacional". Em suma, o Rio de Janeiro preenchia todos os requisitos para ser uma cidade nacional, não 1 Silva, 2005:96.

3 DE SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS A MUSEU DO PRIMEIRO REINADO 297 identificada especificamente com qualquer das regiões do país, mas, de forma ampla, com a nação brasileira. Tal entendimento é largamente manifestado na produção historiográfica e na memória coletiva sobre a cidade.2 Pelo seu passado glorioso de capital monárquica e republicana, por nunca ter dado acolhimento a localismos ou regionalismos, nas últimas décadas consolidou-se na memória coletiva carioca uma auto-imagem da cidade do Rio como o Jacus privilegiado da formação da nacionalidade brasileira. Nessa perspectiva, para todos aqueles interessados em desempenhar um papel central no jogo político nacional, nada melhor que posicionar-se em um território concebido como a síntese da nação, cujo povo, por seu cosmopolitismo, representaria a verdadeira "vanguarda social e política do país".' Segundo Jose Honório Rodrigues (1982:15), à ocasião da Independência, a integridade territorial do Brasil encontrava-se ameaçada pelas divergências entre as capitanias que o formavam. Não havia no país um sentimento de unidade e consciência nacionais. Nesse momento, o Rio capital passaria a constituir o centro de comando da vida brasileira, sua imagem consolidandose, paulatinamente, como a de um lugar que engendrava e representava a unidade nacional. Passado maís de um século, porém, com a aprovação no Congresso da transferência da capital federal para Brasília, em outubro de 1957, abrir-se-ia um período de questionamentos a respeito de qual seria a melhor solução para o Rio de Janeiro, ao ser deslocado de seu lugar de destaque entre as demais cidades do país. O Rio se tornaria uma cidade como outra qualquer? Entre as três propostas à época intensamente debatidas na imprensa' e no Congresso, uma delas sugeria a transformação da cidade do Rio de Janeiro em território da Guanabara; outra propunha a incorporação da cidade, com o nome de Rio de Janeiro, ao já existente estado homônimo; e, por fim, a terceira 2 Ver Dias, Sento-Sé, 1999:343. Para uma leihrra do Rio de Janeiro como elo nacional, ver Rodrigues (1982) e Lessa (2000). 4 Entre julho e agosto de 1958, o jornal Correio da Manhã publicou uma série de reportagens sob o título "O que será do Rio", reunindo a opinião de pessoas de diversas áreas de atuação profissional a respeito de qual seria o destino do Rio após a mudança da capital para Brasília. O Jornal do Brasil e a Tribuna da Imprensa, na mesma época, também dedicaram várias reportagens ao tema. Ver Motta, 2001.

4 298 DIREITOS E CIDADANIA seria a opção vitoriosa. Esta seguia a determinação da Constituição de 1946, isto é, prescrevia a transformação da cidade do Rio em estado da Guanabara. Com base na Lei San Tiago Dantas, de 14 de março de 1960, foi então criado o estado da Guanabara, com sua composição geográfica abrangendo o território da antiga capital. O primeiro governador do novo estado, José Sette Câmara Filho, nomeado pelo presidente da República, exerceu o cargo até 5 de dezembro de 1960, quando foi então substituído pelo udenista Carlos Frederico Werneck de Lacerda, o primeiro governador da Guanabara eleito por voto direto. A eleição de 1960 para o governo da Guanabara, por si só, seriam um grande acontecimento para o eleitorado carioca, que pela primeira vez elegia o seu governante através do voto direto.5 No exercício do governo, Lacerda procuraria transformar a Guanabara em um estado-capital, buscando preservar o seu papel de "vitrine da nação". Antes mesmo de sua eleição, ainda durante a campanha eleitoral, os discursos de Lacerda engendravam a imagem do Rio como uma cidade em que todos os brasileiros se sentiam em casa, uma cidade 1/ sem regionalismos". 6 Em todos os pronunciamentos do governador era perpetuada a força distintiva do Rio como capital cultural, construída ao longo de mais de 150 anos e com um importante marco inicial na transferência da Corte portuguesa para o Brasil - quando foram criadas instituições como a Real Biblioteca (núcleo da Biblioteca Nacional), o Teatro Real de São João, o Passeio Público e o Museu Real, sendo ainda abertas as primeiras livrarias da cidade.7 Na década de 1960, pois, no momento em que a cidade perdia a prerrogativa de ser a capital política do país, a preservação e revalorização do seu status de capital cultural passariam a ocupar a ordem do dia da agenda governamental. Nesse sentido, Carlos Lacerda daria início a uma série de obras, em diferentes âmbitos, visando conferir ao recém-criado estado um caráter de modernidade, ao mesmo tempo que investiria na valorização da memória local identificada ao nacional. Entre outras realizações, Lacerda promoveu a remoção de favelas, com a conseqüente criação da Vila Kennedy e da Cidade de Deus; a conclusão dos viadutos dos Marinheiros, Fuzileiros, Saint-Hilaire e Engenheiro Noronha, e do túnel Santa Bárbara; a abertura do túnel Rebouças e a construção da maior 5 Ver Motta, 2000:19. 6 Dias, 2003: Ver Versiani, 2007:7.

5 DE SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS A MUSEU DO PRIMEIRO REINADO 299 parte do Aterro do Flamengo, onde foi criada a mais extensa e completa área de lazer da cidade, o Parque do Flamengo, situado junto à orla da baía de Guanabara. Na esfera da cultura, Lacerda mostrou-se especialmente interessado em revitalizar atividades que garantissem o lugar da antiga cidade do Rio de Janeiro como capital cultural. Entre as iniciativas, foram criados a Sala Cecília Meireles, o Museu da Imagem e do Som, a Fundação Vieira Fazenda (instituição destinada a administrar a memória e o patrimônio cultural do Rio), o Museu do Primeiro Reinado, o Arquivo da Cidade do Rio de Janeiro e o Museu do Teatro do Fantoche, sendo realizada também a aquisição do Parque Lage. A idéia que presidiu grande parte dessas iniciativas foi reaproveitar antigos edifícios ligados à história da cidade do Rio de Janeiro para dar-lhes novos usos e significados. A Sala Cecília Meireles, por exemplo, ocuparia o antigo edifício do Cine Colonial, localizado no largo da Lapa. Desapropriado pelo governo da Guanabara, o cinema foi transformado, em 1965, num grande salão de concertos e conferências, batizado como Sala Cecília Meireles em homenagem à escritora então condecorada pelo conjunto de sua obra com o Prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras.' Do mesmo modo, o trabalho de montagem do Museu da Imagem e do Som (MIS) foi realizado ao longo de todo o governo Lacerda, sendo escolhido para sua sede o prédio construído em 1922 para servir como pavilhão do Distrito Federal na exposição internacional comemorativa do centenário da Independência do Brasil e que, desde então, abrigou sucessivamente o Instituto Médico Legal, uma delegacia de polícia e, por último, o Serviço de Registro de Estrangeiros. O MIS nascia com a finalidade de ser um "centro de documentação audiovisual da memória carioca",9 e o prédio escolhido reunia importantes atributos para sediar o museu, não sendo simplesmente um espaço físico, e sim um espaço que "contava" algo da história da cidade do Rio de Janeiro e que fazia parte dessa história. Com igual orientação e motivação seria desapropriado por Lacerda outro edifício da antiga capital do Brasil, o Solar da Marquesa de Santos, em 3 Mais informações em: <www.centrodacidade.com.br/cultura/textos/salacm.htm> e <www.lanalapa.com.brjestabelecimentodetalhe.asp?qinuestab=15>. Acesso em: 1 fev Dias, 2003:209.

6 300 DIREITOS E CIDADANIA São Cristóvão, agora visando à criação do Museu do Primeiro Reinado, tendo como justificativa o fato de a construção possuir "significação histórica e valor artístico comprovados" /0 pois havia sido tombada pelo Serviço de Patrimônio Artístico e Nacional em A proposta deste artigo é analisar os significados impressos nas tentativas de transformação do Solar da Marquesa de Santos em Museu do Primeiro Reinado, bem como os conflitos de memórias que se delinearam no decorrer dessas ações, nas diferentes conjunturas, privilegiando ou silenciando elementos constitutivos das representações que compõem o imaginário político brasileiro. Reinventando o Solar da Marquesa de Santos Qual a importância do Solar da Marquesa de Santos e o significado de sua transformação em Museu do Primeiro Reinado para a reatualização das memórias e identidades cariocas? Responder a essa pergunta implica recuar no tempo, percorrer a história do edifício e, também, recuperar alguns elementos da biografia de seus moradores. A chegada da família real portuguesa ao Brasil, em 1808, representou para o Rio de Janeiro a inauguração de um tempo de grandes investimentos e renovação de sua ambiência cultural. Ao longo das primeiras décadas do século XIX, foram construídos na cidade carioca marcos espaciais de grande significância para a identificação e ligação entre o Brasil e Portngal. O Rio de Janeiro vivenciaria, naquele momento, importantes transformações, ganhando novos ares e equipamentos que o capacitariam para a função de capital e sede da Corte, graças à presença, em seu território, de espaços cruciais para a vida política, econômica e social do Reino e, posteriormente, do Império e da República. No Brasil, d. João VI estabeleceu moradia numa chácara em São Cristóvão, antes propriedade do negociante Elias Antônio Lopes, o que viria estimular uma ocupação nobre daquela área, com o surgimento de novas chácaras, algumas delas muito luxuosas. Para melhor abrigar a família real, uma série de benfeitorias teve lugar na ex-residência de Leite Lopes, a qual passou a denominar-se Palácio de São Cristóvão. 1Q Guanabara, 1961.

7 DE SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS A MUSEU DO PRIMEIRO REINADO 301 Em 1821, d. João VI retornaria a Portugal, deixando ao seu filho d. Pedro I a responsabilidade pela administração do vice-reinado. No ano seguinte, às vésperas da Independência, durante uma visita à cidade de Santos, em São Paulo, d. Pedro I conheceria Domitila de Castro e Canto Melo, paulista, separada e mãe de três filhos, um dos quais já falecido. Em 1823, o imperador providenciaria a mudança de Domitila para o Rio de Janeiro, logo tornando público o relacionamento entre eles.11 Em virtude de sua especial ligação com o imperador, Domitila recebeu três titulas: em 1824, baronesa de Santos; em 1825, viscondessa de Santos; e em 1826, marquesa de Santos. Além desses títulos, d. Pedro I a condecorou com a Ordem de Santa Isabel, conferida somente a mulheres então consideradas ilibadamente honestas." No ano de 1826, d. Pedro I comprou duas chácaras próximas ao Palácio de São Cristóvão,13 onde tiveram início as obras de construção do Solar da Marquesa de Santos. Os aspectos arquitetônicos e decorativos do palacete, de estilo neoclássico, foram confiados a profissionais e artistas de renome. Aplanta foi executada pelo arquiteto francês Pedro Jean Pézerat, e a construção, coordenada por Alexandre Cavroé, arquiteto do imperador. Cabe mencionar, ainda, os trabalhos em talha do frade carmelita José Antônio do Amor Divino; os afrescos de Francisco Pedro do Amaral, aluno de Debret; e as esculturas dos irmãos Marcos e Zeferino Ferrez,14 membros da missão artística francesa trazida por d. João VI ao Brasil e que contava com integrantes de grande prestígio, como o arquiteto Gradjean de Montigny Para que estivessem bem próximos, d. Pedro l, em 4 de abril de 1825, nomeou Domitila a primeira dama da imperatriz Maria Leopoldina Josefa Carolina de Áustria, da casa de Habsburgo, sua esposa desde A partir de 1825, Domitila passaria a residir também no Palácio de São Cristóvão. 12 D. Pedro I e Domitila tiveram cinco filhos: um menino natimorto, em 1823; Isabel Maria de Alcântara Brasileira (duquesa de Goiás), em 1824i Pedro de Alcântara Brasileiro, em 1825 (falecido antes de completar um ano); Maria Isabel de Alcântara Brasileira, em 1827 (também falecida com meses de idade); e Maria Isabel Ir de Alcântara Brasileira, em Mais informações em: <wvvw.novomilenio.inf.brjsantosjh0095.htm>. Acesso em: 29 jan As escrituras de compra dessas chácaras datam de 8 de abril e 20 de maio de Ver Franco, 1975: Ibid., p Responsável, entre outros, pelo projeto arquitetônico da Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, atual Escola de Belas-Artes da UFRJ. Ver Versiani, 2007:8.

8 302 DIREITOS E CIDADANIA o palacete ficou pronto no ano de 1827, tendo nele morado a marquesa de Santos por um curto período apenas. Com o rompimento definitivo de seu relacionamento com d. Pedro I, em agosto de 1829, devido ao casamento dele com Amélia de Leuchtemberg,16 Domitila viu-se obrigada a retornar a São Paulo, levando do solar todos os seus pertences. O palacete passou então ao domínio exclusivo do imperador, que o adquiriu mais uma vez através de compra. Quando d. Pedro I abdicou, em 1831, o solar ficou sob a posse de seus herdeiros, chegando a sediar o governo legitimista de sua filha, a rainha d. Maria li. Em 1847, contudo, o palácio foi comprado pelo futuro barão de Vila Nova do Minho, José Bernardino de Sá, que por sua vez o perdeu em hipoteca, em 1869, para o empresário barão de Mauá. Mauá residiu no palácio até 1882, quando o vendeu a Luís José de Sousa Breves, barão de Guararema. A propriedade permaneceu com a família dos Guararema até 1898, ano em que foi comprada pelo dr. Abel Parente - ginecologista respeitado em sua época - e transformada em maternidade. Em 1915 o palacete abrigou a legação do Uruguai, sendo novamente vendido em 1921, dessa vez à firma Hime & Cia. Partes laterais que constituíam a chácara foram adquiridas em 1922 pelo Ministério da Guerra, e entre os anos de 1929 e 1930 o prédio foi alugado para o Serviço de Febre Amarela, então sob a administração da Fundação Rockefeller. Todos os proprietários do solar realizaram obras nele, de natureza diversa. Ao ser desapropriado pelo governo da Guanabara, em 1961, o palácio ainda pertencia à Hime & Cia. O tombamento do solar Em 1938, o Solar da Marquesa de Santos foi reconhecido pelo poder público como um patrimônio de grande valor artístico, sendo o seu tombamento registrado em 30 de março de 1938, sob o nome de "Casa da Marquesa de Santos".17 Tal iniciativa era parte de um projeto mais amplo do governo Vargas ( ) de desenvolvimento de uma política cultural voltada para a cons- 16 A imperatriz Maria Leopoldina havia falecido em 11 de dezembro de O tombamento foi realizado com base no Processo n\! ll-t-38 e Inscrição nj.lio. Consta o seu registro em certidão, datada de 22 de maio de 1986, do MEC/Secretaria de Cultura/Subsecretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

9 - DE SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS A MUSEU DO PRIMEIRO REINADO 303 trução de uma identidade nacional para o país. Assim, em 30 de novembro de 1937, através do Decreto-lei n" 25, instituído pelo então ministro da Educação e Saúde Gustavo Capanema, foi criado o Serviço do Patrimôrúo Histórico e Artístico Nacional (Sphan), com a responsabilidade de preservar, divulgar e fiscalizar os bens culturais brasileiros, bem como assegurar a permanência e usufruto desses bens para a atual e as futuras gerações. Por meio desse instrumento legal, foram também normatizadas as regras para os atos de tombamento federal e a proteção do patrimôrúo histórico e artístico nacional. O decreto trazia a seguinte definição para patrimônio histórico e artístico nacional: 1/ conjunto de bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação seja do interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico". 18 Criado no contexto do Estado Novo ( ), momento histórico de crescente centralização e intervenciorúsmo estatal, O Sphan procurou definir e reurúr o conjunto de bens de valor nacional que deveriam ser preservados corno patrimôrúo da nação brasileira: Durante esse período o Sphan norteou sua política pelas noções de "tradição" e de "civilização", dando especial ênfase à relação com o passado. Os bens culturaís classificados como patrimônio deveriam fazer a mediação entre os heróis nacionais, os personagens históricos, os brasileiros de ontem e os de hoje. Essa apropriação do passado era concebida como um instrumento para educar a população a respeito da unidade e permanência da nação. 1 9 Já desde a década de 1920, no Brasil, ganhava força a idéia de preservação do patrimôrúo histórico e artístico, tendo havido algumas iniciativas em âmbito local com esse fim. O interesse pela "redescoberta" do Brasil afloraria particularmente na década de 1930, período de especial importância em termos políticos e sociais e, também, um tempo de se pensar o nacional, quando diversos intelectuais buscariam reinterpretar a história do país." 1 8 Diário Oficial da União, 6 dez Serviço do Patrimônio... lo Por exemplo, Caio Prado ]T. (Evolução política do Brasil, 1933); Gilberto Freyre (Casa grande & senzala, 1933); e Sérgio Buarque de Hol1anda (Rnfzes do Brasil, 1937).

10 304 DIREITOS E CIDADANIA No âmbito cultural, uma nova tendência se iniciava, com a presença do Estado em ações articuladas a partir da colaboração de importantes intelectuais brasileiros que nesse tempo atuavam junto aos órgãos públicos. Assim, em 1936, Mário de Andrade, então diretor do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo, foi chamado a preparar um anteprojeto para a criação de uma instituição nacional de patrimônio.21 Com base no anteprojeto de Mário de Andrade são regulamentados os termos para a organização e proteção do patrimônio histórico e artístico nacional, ficando sob a responsabilidade de Rodrigo Mello Franco de Andrade a efetiva implantação de uma secretaria de patrimônio. Quatro livros de tombo foram então orgarúzados para inscrição, no Sphan, de todas as obras a serem tombadas. Como vimos, a construção à qual se refere a nossa história seria tombada como "Casa da Marquesa de Santos" em É curioso observar que a inscrição de tombamento da casa não foi feita no Livro de Tombo Histórico, no qual deveriam ser registradas 1/ as coisas de interesse histórico e as obras de arte histórica", e sim no Livro de Tombo de Belas-Artes, no qual constavam lias coisas de arte erudita, nacional ou estrangeira".22 Nesse sentido, a própria definição da Casa da Marquesa de Santos como objeto de tombamento já expressava, de alguma forma, um primeiro conflito de memória acerca dos significados do edifício. Por um lado, o ato de tombamento classificou o solar na categoria de arte erudita, e não como um bem de valor lústórico. Ou seja, a justificativa para a preservação do imóvel priorizava o seu valor artístico, em detrimento do papel do relacionamento entre a marquesa de Santos e d. Pedro I na lústória do Brasil. Por outro lado, no ato de tombamento, o prédio foi denominado "Casa da Marquesa". Essa contradição, à primeira vista irrelevante, denota as ambigilidades que daí em diante marcariam o imaginário e as representações acerca do solar e seus principais personagens. A despeito de seu tombamento, a Casa da Marquesa de Santos não recebeu nenhuma atenção especial nas décadas seguintes e continuou em mãos de sua antiga proprietária, a empresa Hime & Cia., que ali estabeleceu escritórios comerciais. 21 Foi esse o documento usado nas discussões preliminares sobre a estrutura e os objetivos do Sphan - embora o museólogo Mário Chagas (2006), fazendo uma comparação do anteprojeto de Mário de Andrade com o texto do Decreto-Lei n.q 25, afirme tratar-se de proposições diferentes e que, na conformação do decreto, muitas das idéias de Mário de Andrade foram modificadas. 21 Ver nota 18.

11 DE SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS A MUSEU DO PRIMEIRO REINADO 305 Somente na década de 1960, já criada a Guanabara, o prédio mereceria novamente atenção. Desapropriado em 1961 pelo governador Lacerda, com o fim de "ser utilizado pela Secretaria Geral de Educação e Cultura"," o solar foi restaurado entre 1964 e trabalho que valeu aos seus realizadores, Wladimir de Alves Sousa, Geraldo Raposo da Câmara e Edson Motta, a IV Premiação Anual do Instituto dos Arquitetos do Brasil- Departamento da Guanabara." Em carta datada de 14 de setembro 1965," Marcelo Moreira Ipanema, então diretor da Divisão de Patrimônio Histórico e Artístico da Guanabara, solicitou ao diretor do Museu Imperial, Francisco Marques dos Santos, o empréstimo, por dois meses, de algumas peças para compor o acervo do Museu do Primeiro Reinado, a ser inaugurado na Casa da Marquesa de Santos "em futuro próximo". Como podemos perceber, o Museu do Primeiro Reinado não possuía acervo próprio, havendo a expectativa, para sua inauguração, de que fossem conseguídas peças emprestadas de outros museus. Talvez por isso, afora motivações de ordem política que tentaremos esclarecer adiante, mesmo tendo sido criado formalmente em 2 de dezembro de 1965," só muito depois o museu seria efetivamente inaugurado, já no final da década de A partir da desapropriação do Solar da Marquesa de Santos, o projeto de Carlos Lacerda era inaugurar o Museu do Primeiro Reinado como parte do programa de comemorações do IV Centenário da cidade, em Em carta datada de 13 de outubro de à secretária de Educação e Cultura da Guanabara, Maria Terezinha Tourinho Saraiva, Marcelo Moreira prestava informações sobre os trabalhos de restauração que vinham sendo realizados no solar e reafirmava a intenção do governo estadual de ali instalar o Museu do Primeiro Reinado. Segundo ele, faltava à Guanabara um museu "de época", capaz de resgatar a cultura "de um período" e de levar ao público toda a "vivência de um tempo", no caso, o Primeiro Reinado. Para justificar sua pretensão, argumentava: "que melhor poderia justificar a instalação de um museu-símbolo do Primeiro Reinado, senão o aproveita- 23 Guanabara, i O prêmio incluía uma menção honrosa na categoria A-lO (restauração arquitetônica de monumentos e sítios). 25 Acervo do Museu do Primeiro Reinado. 26 Ver Guanabara, Acervo do Museu do Primeiro Reinado.

12 306 DIREITOS E CIDADANIA menta do Solar da Marquesa de Santos, ele próprio um símbolo desse período, para essa finalidade cultural?".28 Por fim, acrescentava que a própria Comissão do IV Centenário, numa de suas reuniões, aprovara em ata essa idéia. O projeto de Lacerda de criar o Museu do Primeiro Reinado denota sua preocupação de revalorizar a herança portuguesa do Brasil, destacando a vinda para o país da família real e o período do Primeiro Reinado como marcos civilizatórios da construção da nação brasileira. O desdobramento natural dessa representação seria ressaltar as ligações do Rio de Janeiro com esse passado luso-brasileiro, assim reafirmando a vocação da cidade corno centro da nacionalidade. Ambicionando concorrer às eleições presidenciais, previstas para o ano de 1965, Lacerda tentaria transformar sua experiência no governo da Guanabara em "vitrineff de seus feitos. Naturalmente, era enorme para ele a conveniência política da estratégia de recuperar para a terra carioca o status de "capital", perdido com a transferência da capital federal para Brasília. Do ponto de vista político-administrativo, um aspecto facilitador dessa estratégia era o fato de a antiga capital abrigar ainda importantes órgãos representativos do governo federal. Contudo, os esforços para a preservação de seu lugar no cenário nacional envolveriam também ações em prol da afirmação da identidade da cidade-estado como espaço-síntese da nação. Dessa forma, já na campanha eleitoral para o governo da Guanabara, Lacerda denunciava a espoliação sofrida pelo Rio no tempo em que estivera sob a égide do poder federal. 29 Eleito governador, apresentou-se como o "reconstrutor" da cidade do Rio, "devastada" por consecutivos governos corruptos - quadro, segundo ele, agravado com a administração de Kubitschek ( ) e a transferência da capital para Brasília.3D Nesse contexto, a proximidade das comemorações do IV Centenário de fundação da cidade do Rio de Janeiro se apresentava corno um momento propício para o governador da Guanabara mostrar ao país e ao mundo as suas realizações. Seu desejo era provar que o "velho Rio" fora transformado graças à sua administração inovadora.31 2B Grifos nossos. 29 Ver Motta, 2000: Ver Rocha, " Ibid., p

13 DE SOLAR DA MARQUESA DE SANTOS A MUSEU DO PRIMEIRO REINADO 307 A abertura oficial das comemorações do IV Centenário se deu no dia 31 de dezembro de 1964, numa cerimônia realizada junto ao suposto marco de fundação da cidade do Rio, a fortaleza de São João, com as presenças de Carlos Lacerda e do presidente da República Castello Branco ( )32. Ao longo das comemorações, Lacerda não deixou escapar a oportunidade para reafirmar o Rio como a cidade "síntese do Brasil", a Uporta do Brasil para o mundo, a verdadeira imagem que ele faz de nós".33 O momento de redefinição da identidade coletiva do país representado pelo boom memorialista decorrente das comemorações do IV Centenário proporcionava, pois, um ambiente propício para a manipulação da imagem da cidade}4 e a criação de um museu mostrava-se um caminho coerente com essa perspectiva. Como parte dos festejos do IV Centenário foi criado o Departamento de Patrimônio Histórico do Rio de Janeiro, com vistas a IIsalvar os 400 anos da cidade".35 Nessa mesma linha se inscrevia o projeto de inauguração de um museu que tivesse como tema o Primeiro Reinado. A idéia surgia articulada à orientação que se pretendia imprimir à cidade como berço do Brasil " civilizado" - inclusive porque, vale a pena lembrar, o estatuto do Rio como " capital cultural" teve o seu marco fundamental na vinda da família real e nas modificações feitas na cidade para a acolhida da Corte portuguesa. Nessa mesma perspectiva, a seleção das primeiras coleções do Museu da Imagem e do Som indicava a "escolha de d. João VI como mito de origem da história carioca" f evidenciando a intenção de difundir e valorizar, através daquele museu, os vínculos entre a cidade do Rio e a "profunda vocação civilizadora de Portugal", segundo as palavras de Lacerda.36 Tal desígnio poderia ter continuidade com o Museu do Primeiro Reinado, evocando o período personificado na figura de d. Pedro I, herói que legou ao Brasil o estatuto da Independência. O Museu da Imagem e do Som foi legalmente formalizado em 24 de abril de 1964 com a criação da Fundação Vieira Fazenda, responsável por co- 32 Ver Rocha, 1996: Apud Motta, 2000:44-45 (discurso proferido a 17 de junho de 1960 na convenção da UDN-GB que homologou sua candidatura ao governo da Guanabara). 34 Ver Dias, 2003: Apud Rocha, 1996: Apud Dias, 2003:211.

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN na solenidade de posse do Conselho Consultivo e do presidente executivo da AEERJ Dia 28 de julho de 2014 Centro de Convenções da Firjan Minhas Senhoras e Meus Senhores, Gostaria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 Considerando que José Christiano de Freitas Henrique Júnior foi um açoriano, nascido e criado nos Açores,

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL.

VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL. VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL. UILSON NUNES DE OLIVEIRA FIO/FAT O presente trabalho nasceu de minhas inquietações a respeito dos vários problemas

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) ATRIBUIÇÃO DE 6 (SEIS) BOLSAS DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA No âmbito de protocolo celebrado com a Fundação de Ciência e

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT:

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT: ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, Beatriz da Costa e UERJ GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: CNPq

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO - ARTIGO 1º - Natureza Jurídica A FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA é uma instituição particular de utilidade pública geral dotada de personalidade

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer Laura Regina Xavier Justificativa Escolhemos o tema Patrimônio, tendo em vista a nossa realidade profissional,

Leia mais

CIRCULAR Nº 2 / 2013 PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DE BENS ARQUEOLÓGICOS MÓVEIS EM TERRITÓRIO NACIONAL

CIRCULAR Nº 2 / 2013 PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DE BENS ARQUEOLÓGICOS MÓVEIS EM TERRITÓRIO NACIONAL CIRCULAR Nº 2 / 2013 PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DE BENS ARQUEOLÓGICOS MÓVEIS EM TERRITÓRIO NACIONAL 1. Legislação aplicável 1.1. Lei n.º 107/2001, de 8 de setembro, que estabelece as bases da política e do

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ 2015 EDITAL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ 2015 EDITAL PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ 2015 EDITAL 1 OBJETIVO O Premio Arquiteto do Amanhã 2015 tem como objetivo premiar, valorizar e divulgar trabalhos acadêmicos produzidos nos cursos de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Excelentíssimo Embaixador Fernando Igreja, Chefe do Cerimonial do Ministério das Relações Exteriores;

Excelentíssimo Embaixador Fernando Igreja, Chefe do Cerimonial do Ministério das Relações Exteriores; Palavras do presidente da Funag, embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima, na ocasião da abertura do Seminário Palácio Itamaraty 50 Anos, realizado na Sala San Tiago Dantas, Palácio Itamaraty, Brasília,

Leia mais

Museu Nacional de Arqueologia

Museu Nacional de Arqueologia Museu Nacional de Arqueologia - História O atual Museu Nacional de Arqueologia (MNA) foi fundado em 1893 pelo Doutor José Leite de Vasconcelos (e daí a designação oficial mais completa do Museu, conforme

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL Convivência Revista do PEN Clube do Brasil 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL PEN CLUBE DO BRASIL: 76 ANOS (1936-2012) Cláudio Aguiar O sentido de qualquer

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 O Observatório de Favelas torna pública, por meio desta chamada, as normas do processo de seleção de alunos para

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 A Coordenação do Curso de Enfermagem da Fanor- DeVry Brasil, no uso de suas atribuições,

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Enfermagem Anna Nery Departamento de Enfermagem Fundamental NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

Convocatória Residência NECMIS 2015

Convocatória Residência NECMIS 2015 Convocatória Residência NECMIS 2015 O Museu da Imagem e do Som abre inscrições para a Residência Núcleo de Estudos Contemporâneos do MIS (NECMIS), que visa desenvolver pesquisa na área de humanidades aplicadas

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 2310 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 50160001 1061 Brasil Escolarizado 0509 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Básica Projeto apoiado (unidade) 40

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 25, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos para a remessa de amostra de componente do patrimônio genético

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais Conselho Nacional de Saúde (CNS) LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 COMPOSIÇÃO 50% Usuário

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969.

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. Dispõe sobre a transformação do Departamento dos Correios e Telégrafos em empresa pública, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

FESTIVAL DA DIVERSIDADE CULTURAL

FESTIVAL DA DIVERSIDADE CULTURAL FESTIVAL DA DIVERSIDADE CULTURAL Conexão Fortaleza - Bogotá 2012 Edital - XV Edição do festival Tangolomango Mil e Uma Imagens Comunicação e Produção Ltda Rua Conde Lages, 44, Sala 307 - Glória Cep: 20241-040

Leia mais

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2011 PATRIMONIO E PAISAGEM URBANA As Jornadas Europeias do Património, promovidas em Portugal pelo IGESPAR a 23/24/25 de Setembro, são uma iniciativa anual do Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO I - Histórico da Instituição Informações integradas em: http://www.unesp.br/apresentacao/historico.php 1 - História da criação da UNESP A UNESP, criada em 1976, resultou da incorporação dos Institutos

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV

Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV Teve lugar no dia vinte e nove de maio de dois mil e doze, a sessão número trinta e seis da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões sita na Av. D.

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 11 DE AGOSTO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão de Ação Cultural, Museus e Turismo Epígrafe 4.2. Museu de Leiria Convento de

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Odesafio de resgatar a memória da imprensa e construir

Odesafio de resgatar a memória da imprensa e construir Duzentos anos de mídia no Brasil [VI Congresso Nacional de História da Mídia] Odesafio de resgatar a memória da imprensa e construir a história da mídia no Brasil que deu origem, em 2001, à Rede Alfredo

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE Resumo Natália Cândido da Cruz Silva 1 - UFPB Márcia Verônica Costa Miranda 2 - UFPB Rebeca Nogueira Martins 3 -

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p.

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. História (São Paulo) VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. Amilcar Torrão FILHO * O professor Laurent

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR NOME COMPLETO AUTOR PESSOA JURÍDICA, (CNPJ), (inscrição estadual), com sede na Rua, Bairro, Cep -, Cidade - cujo representante legal é o Sr(a).,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS NOS OUÇAM! Regimentalmente o Conselho de Arquitetura e

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

Convocatória para programa de residências 2015 DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS

Convocatória para programa de residências 2015 DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS Convocatória para programa de residências 2015 Inscrições online em www.jaca.center até às 23:00* do dia 30 de janeiro de 2015 *Horário de Brasília (-2 GMT devido

Leia mais

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Márcia Terezinha Brunatto Bittencourt Mestranda em Música da Universidade Federal de Goiás e-mail: marciatbbittencourt@yahoo.com.br Sumário: A

Leia mais

INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI

INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI EMENTA: Autoriza o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI Departamento Regional do Ceará, por intermédio de suas seis Unidades

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Conversando sobre Museu. >> Saiba mais e faça sua inscrição

Conversando sobre Museu. >> Saiba mais e faça sua inscrição Conversando sobre Museu Edição Nº 4 Florianópolis, 02 de maio de 2012 O ciclo de discussão Conversando sobre Museu, uma iniciativa do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), da Fundação Catarinense de Cultura

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO. 7 de março de 2012

RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO. 7 de março de 2012 RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO 7 de março de 2012 No dia 7 de março de 2012, pelas 11 horas, uma delegação da Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação, composta pelos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA PNAM REGULAMENTO GERAL VALORES E NORMAS REGULAMENTARES GERAIS DO 1. ORIGEM, OBJETIVOS E PERIODICIDADE

Leia mais