Assis Reis: Arquitetura, Regionalismo e Modernidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assis Reis: Arquitetura, Regionalismo e Modernidade."

Transcrição

1 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Mestrado em Arquitetura e Urbanismo Assis Reis: Arquitetura, Regionalismo e Modernidade. AUTOR: PEDRO ALOISIO CEDRAZ NERY DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA, COMO REQUISITO FINAL PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ARQUITETURA E URBANISMO, ORIENTADA PELA PROFESSORA DOUTORA ESTERZILDA BERENSTEIN DE AZEVEDO. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENHO URBANO SALVADOR - BAHIA - BRASIL NOVEMBRO DE 2002

2 2 Crédito das plantas, fotos e desenhos Capa- Desenho do frontispício da cidade do Salvador e Foto do Modelo Reduzido: Acervo Assis Reis Fig.1- Planta da Vila de Parnaíba: Acervo do Museu Ultramarino, Lisboa 24 Fig. 2- Fotos de Parnaíba: Acervo UMK 26 Fig. 3- Foto do Porto das Vacas, em Parnaíba; Acervo UMK 29 Fig. 4- Foto da rua no centro histórico de Parnaíba: Acervo UMK 30 Fig. 5- Planta da Cidade de Parnaíba: Base SICAR/CONDER 32 Fig. 6- Foto da Rua Grande, em Parnaíba: Acervo UMK 34 Fig. 7- Foto do EPUCS na Praça Cayrú: Acervo Assis Reis 40 Fig. 8- Foto do EPUCS: Acervo Arquivo Público da PMS 42 Fig. 9- Desenho do frontispício: Acervo Assis Reis 43 Fig. 10- Foto do embarque de Diógenes: Acervo Assis Reis 60 Fig. 11- Foto do Solar Jonathas Abott; Acervo Tempostal 71 Fig, 12- Foto Assis Reis e Antonio Gouvêia (cliente): Acervo Assis Reis 76 Fig. 13- Foto do Escritório Assis Reis: Acervo Assis Reis 76 Fig. 14- Foto da obra de England: Acervo Assis Reis 113 Fig. 15- Foto do arquiteto Richard England: Acervo Assis Reis 113 Fig. 16- Foto do Pavilhão de Barcelona: Acervo Assis Reis 136 Fig. 17- Desenho da Vista principal: Acervo Assis Reis 136 Fig. 18- Planta Baixa da Edificação; Acervo Assis Reis 137 Fig. 19- Foto da Casa Eduardo de Carvalho: Acervo do autor 139 Fig, 20-Foto da fachada da Casa Eduardo de Carvalho: Acervo do autor 139 Fig. 21- Foto da lateral da Casa Eduardo de Carvalho: Acervo do autor 139 Fig. 22- Foto da esquadria da Casa Eduardo de Carvalho: Acervo do autor 139 Fig. 23- Foto dos pilotis da Casa Eduardo de Carvalho: Acervo do autor 139 Fig. 24- Foto da fachada da Casa Adriano Fernandes: Acervo do autor 141 Fig. 25- Foto do ladrilho hidráulico da Casa Adriano Fernandes: Acervo do autor 141 Fig. 26- Foto do ambiente da sala da Casa Adriano Fernandes: Acervo do autor 141 Fig. 27- Foto das esquadrias da Casa Adriano Fernandes: Acervo do autor 141

3 3 Fig. 28- Foto da sala da Casa Adriano Fernandes: Acervo do autor 141 Fig. 29- Foto da fachada da Casa Aquiles Calmon de Passos: Acervo do autor 143 Fig. 30- Foto do claustro da Casa Aquiles Calmon de Passos: Acervo do autor 143 Fig. 31- Foto do telhado da Casa Aquiles Calmon de Passos: Acervo do autor 143 Fig, 32- Foto das esquadrias da Casa Aquiles Calmon de Passos: Acervo do autor 143 Fig. 33- Foto da fachada leste da Casa Quinta das Mangueiras: Acervo Assis Reis 145 Fig. 34-Foto da fachada sul da Casa Quinta das Mangueiras: Acervo Assis Reis 145 Fig. 35- Foto do piso superior da Casa Quinta das Mangueiras: Acervo Assis Reis 145 Fig, 36- Plantas Baixas do Barraco dos Carvalho: Acervo Assis Reis 147 Fig. 37- Corte do Barraco dos Carvalho: Acervo Assis Reis 147 Fig. 38- Foto do Barraco dos Carvalho: Acervo Assis Reis 148 Fig. 39- Foto do detalhe da fachada da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 150 Fig. 40- Foto da fachada da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 150 Fig. 41- Foto do ambiente da piscina da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 151 Fig. 42- Foto do detalhe da fachada da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 151 Fig. 43- Foto do ambiente da sala com jardim da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 151 Fig. 44- Foto do ambiente central da piscina da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 152 Fig. 45- Foto dos ambientes integrados da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 152 Fig. 46- Foro do contexto local da Casa José Paixão: Acervo Assis Reis 152 Fig. 47- Foto da fachada da Casa José Luis: Acervo Assis Reis 154 Fig. 48- Foto do ambiente da sala da Casa José Luis: Acervo Assis Reis 154 Fig. 49- Foto do detalhe da volumetria da Casa José Luis: Acervo Assis Reis 154 Fig. 50- Foto dos ambientes da Casa José Luis: Acervo Assis Reis 155 Fig. 51- Foto dos jardins da Casa José Luis: Acervo Assis Reis 155 Fig. 52- Esboço inicial do projeto da Casa Oleone Pereira: Acervo Assis Reis 157 Fig. 53- Planta de situação da Casa Oleone Pereira: Acervo Assis Reis 157 Fig. 54- Foto da fachada principal da Casa Oleone Pereira: Acervo Assis Reis 158 Fig. 55- Foto do ambiente da sala da Casa Oleone Pereira: Acervo Assis Reis 158 Fig. 56- Foto do ambiente do quarto da Casa Oleone Pereira: Acervo Assis Reis 158 Fig. 57- Maquete do projeto da Casa Loba dos Patamares : Acervo Assis Reis 160 Fig. 58- Foto da elevação da Casa Lindoel Farias: Acervo Assis Reis 162

4 4 Fig. 69- Foto do detalhe da fachada da Casa Lindoel Farias: Acervo Assis Reis 162 Fig. 60- Foto da Casa Lindoel Farias: Acervo Assis Reis 162 Fig. 61-Foto das varandas da casa Lindoel Farias: Acervo Assis Reis 162 Fig. 62- Foto do detalhe da clarabóia da Casa Lindoel Farias: Acervo Assis Reis 162 Fig. 63- Foto da fachada da Casa Antônio Carlos Mota: Acervo do autor 164 Fig. 64- Foto do acesso aos serviços da Casa Antônio Carlos Mota: Acervo do autor 164 Fig. 65- Foto do volume da escada da Casa Antônio Carlos Mota: Acervo do autor 164 Fig. 66- Foto dos transceptos espaciais da Casa Antônio Carlos Mota: Acervo do autor 164 Fig. 67- Foto do jardim interno da Casa Antônio Carlos Mota: Acervo do autor 164 Fig. 68- Foto do ambiente da Casa Antônio Carlos Mota: Acervo do autor 164 Fig. 69- Planta Geral da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 165 Fig. 70- Foto da escada da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 166 Fig. 71- Foto do acesso principal da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 166 Fig. 72- Foto da piscina da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 166 Fig. 73- Foto da estrutura do domus da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 167 Fig. 74- Foto do acesso lateral da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 167 Fig. 76- Maquete da Casa Elza Santa Izabel: Acervo Assis Reis 167 Fig. 77- Foto da vista lateral da Casa de Santo Estevão: Acervo Assis Reis 168 Fig. 78- Foto da vista frontal da Casa de Santo Estevão: Acervo Assis Reis 168 Fig. 79- Elevação da Casa de Santo Estevão: Acervo Assis Reis 169 Fig. 80- Esboço da Casa de Santo Estevão:Acervo Assis Reis 169 Fig. 81- Foto da construção da Casa de Santo Estevão: Acervo Assis Reis 169 Fig. 82- Foto do muro da Casa de Santo Estevão: Acervo Assis Reis 169 Fig. 83- Foto do detalhe da esquadria da Casa de Santo Estevão: Acervo Assis Reis 169 Fig. 84- Foto aérea da Casa Antonio Gouvêia: Acervo Assis Reis 171 Fig. 85- Foto do ambiente da piscina da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 171 Fig. 86- Foto do acesso principal da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 171 Fig. 87- Foto do piso superior da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 171 Fig. 88- Foto do ambiente da sala da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 171 Fig. 89- Foto do acesso à piscina Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 171 Fig. 90- Foto do jardim interno da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 172

5 5 Fig. 91- Foto do detalhe da fachada da casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 172 Fig. 92- Foto do piso superior da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 172 Fig. 93- Foto do acesso principal da Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 172 Fig. 94- Foto do detalhe das varandas Casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 172 Fig. 95- Foto da escada da casa Antonio Gouvêia: Acervo do autor 172 Fig. 96- Desenho do Farol Quebra-Mar o e escarpa da cidade: Acervo Assis Reis 174 Fig. 97- Desenho do Farol Quebra-Mar e o ambiente do Comércio: Acervo Assis Reis 174 Fig. 98- Desenho da base do Farol Quebra-Mar: Acervo Assis Reis 175 Fig. 99- Desenho do Farol Quebra-Mar no contexto do Forte: Acervo Assis Reis 175 Fig Desenho do Farol Quebra-Mar em elevação: Acervo Assis Reis 175 Fig Foto da perspectiva geral do Posto Pau de Vela: Acervo Assis Reis 177 Fig Foto das alvenarias do Posto Pau de Vela: Acervo Assis Reis 177 Fig Foto do Posto Pau de Vela em construção: Acervo Assis Reis 177 Fig Foto do Posto Pau de Vela: Acervo Assis Reis 178 Fig Foto da cobertura do Posto Pau de vela: Acervo Chango Cordiviola 178 Fig Foto da Grande Sala do Ginásio Humanístico de Pojuca: Acervo Assis Reis 180 Fig Foto da muralha do Ginásio Humanístico de Pojuca: Acervo Assis Reis 180 Fig Foto do recreio coberto Ginásio Humanístico de Pojuca: Acervo Assis Reis 181 Fig Perspectiva do Centro Médico: Acervo Chango Codiviola 182 Fig Planta do Subsolo do Centro Médico: Acervo Assis Reis 183 Fig Planta do Térreo do Centro Médico: Acervo Assis Reis 183 Fig Planta do Pavimento Tipo do Centro Médico: Acervo Assis Reis 183 Fig Foto aérea do bairro da Graça: Acervo Assis Reis 184 Fig Foto da Maquete, cobertura do Centro Médico: Acervo Assis Reis 184 Fig Foto do Centro Médico visto do Vale do Canela: Acervo Assis Reis 184 Fig Foto da torre da escada do Centro Médico: Acervo Assis Reis 185 Fig Foto da Torre da Escada do Centro Médico: Acervo Chango Cordiviola 185 Fig Foto da vista frontal do Centro Médico: Acervo Chango Cordiviola 185 Fig Perspectiva do Centro Educacional Joventino Silva: Acervo Assis Reis 187 Fig Perspectiva do Centro Educacional Joventino Silva: Acervo Assis Reis 188 Fig Foto geral do Centro Educacional Joventino Silva: Acervo Assis Reis 188

6 6 Fig Foto do Centro Educacional Joventino Silva: Acervo Assis Reis 188 Fig Foto da maquete, lateral do Pavilhão de Osaka: Acervo Chango Cordiviola 190 Fig Foto da maquete do Pavilhão de Osaka: Acervo Assis Reis 190 Fig Foto da maquete, frontal do Pavilhão de Osaka: Acervo Chango Cordiviola 191 Fig Foto de matéria publicada no Jornal do Brasil: Acervo Assis Reis 191 Fig Esboço da vista geral do Cemitério Parque: Acervo Assis Reis 193 Fig Desenho do conjunto no Cemitério Parque: Acervo Assis Reis 193 Fig Paisagem local no terreno do Cemitério Parque: Acervo Assis Reis 193 Fig Foto da maquete, vista sul do Hospital do Canela: Acervo Assis Reis 195 Fig Foto da maquete com as torres do Hospital do Canela: Acervo Assis Reis 196 Fig Foto da Maquete, cobertura do Hospital do Canela: Acervo Assis Reis 196 Fig Foto da Maquete, recepção do Hospital do Canela: Acervo Assis Reis 196 Fig Esboço geral do Ginásio do Cabula: Acervo Assis Reis 198 Fig Foto aérea do Ginásio do Cabula: Acervo Assis Reis 199 Fig Foto do acesso principal do Ginásio do Cabula: Acervo Assis Reis 199 Fig Foto Ginásio do Cabula e seu entorno: Acervo Assis Reis 200 Fig Foto dos muros e fenestrais do Ginásio do Cabula: Acervo Assis Reis 200 Fig Foto dos fenestrais do Ginásio do Cabula: Acervo Assis Reis 200 Fig Foto aérea do Morro do Conselho: Acervo Assis Reis 202 Fig Foto da maquete do Loteamento Morro do Conselho: Acervo Assis Reis 203 Fig Foto da maquete, proposição do Morro do Conselho: Acervo Assis Reis 203 Fig Foto do Modelo Reduzido, bairro da Barra: Acervo Assis Reis 205 Fig Foto do Modelo Reduzido, bairro do Comércio: Acervo Assis Reis 205 Fig. 145-Foto da maquete do Jockey Clube: Acervo Assis Reis 207 Fig. 146-Planta Geral do Jockey Clube: Acervo Assis Reis 207 Fig Foto da maquete, raias de areia do Jockey Clube: Acervo Assis Reis 207 Fig Foto maquete, cabeceira da raia do Jockey Clube: Acervo Assis Reis 208 Fig Foto da maquete, vista superior Jockey Clube: Acervo Assis Reis 208 Fig Foto da maquete, detalhe da raia do Jockey Clube: Acervo Assis Reis 208 Fig Foto da maquete, enseada Alagoas Iate Clube: Acervo Assis Reis 210 Fig Foto da maquete, vista geral Alagoas Iate Clube: Acervo Assis Reis 210

7 7 Fig Foto da maquete, vista aérea Alagoas Iate Clube: Acervo Assis Reis 210 Fig. 154-Foto da maquete, a praia e o Alagoas Iate Clube: Acervo Assis Reis 210 Fig Foto com a vista geral do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 212 Fig Planta do Pavimento Tipo do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 213 Fig Planta do Pavimento do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 213 Fig Foto do mosaico vitroso do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 214 Fig Foto da torre do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 214 Fig Foto das torres do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 214 Fig Foto com detalhe dos cantos do Solar das Mangueiras: Acervo Assis Reis 214 Fig Planta do pavimento tipo do Solar Itaigara: Acervo Assis Reis 216 Fig Planta do pavimento térreo do Solar Itaigara: Acervo Assis Reis 216 Fig Foto da vista geral do Solar Itaigara: Acervo Assis Reis 217 Fig Foto da vista noroeste do Solar Itaigara: Acervo Assis Reis 217 Fig Foto com detalhe das fachadas do Solar Itaigara: Acervo Assis Reis 217 Fig Foto da Elevação do Solar Itaigara: Acervo Assis Reis 217 Fig Planta de cobertura do Edifício Morro do Conselho: Acervo Assis Reis 219 Fig Planta do pavimento do Edifício Morro do Conselho: Acervo Assis Reis 219 Fig Foto da fachada leste do Edifício Morro do Conselho: Acervo do autor 220 Fig Foto da fachada oeste do Edifício Morro do Conselho: Acervo do autor 220 Fig Foto do detalhe da torres do Edifício Morro do Conselho: Acervo do autor 221 Fig Foto com detalhe do Edifício Morro do Conselho: Acervo do autor 221 Fig Foto do Edifício Morro do Conselho: Acervo do autor 221 Fig Planta de localização do Edifício Morro do Conselho: Acervo do autor 221 Fig Foto da maquete, cobertura da Sede do Porto de Aratú: Acervo Assis Reis 223 Fig Desenho preliminar para Sede do Porto de Aratú: Acervo Assis Reis 224 Fig Foto da maquete, fachada Sede do Porto de Aratú: Acervo Assis Reis 224 Fig Planta da Pilastraria da CHESF: Acervo Assis Reis 226 Fig Planta do Pavimento da CHESF: Acervo Assis Reis 226 Fig Planta dos Cortes da CHESF: Acervo Assis Reis 227 Fig Foto com vista geral da CHESF: Acervo Assis Reis 227 Fig Foto das pilastras e Espelho d água da CHESF: Acervo Assis Reis 228

8 8 Fig Fotos com aspectos dos Jardins da CHESF: Acervo Assis Reis 228 Fig Foto com detalhe da volumetria da CHESF: Acervo Assis Reis 229 Fig Foto com detalhes do espelho d água da CHESF: Acervo Assis Reis 229 Fig Foto com detalhe da estereotomia da CHESF; Acervo Assis Reis 229 Fig Foto com a vista do Castelo d água da CHESF: Acervo Assis Reis 230 Fig Foto das escadarias da CHESF: Acervo Assis Reis 230 Fig Foto da cobertura do Restaurante da CHESF: Acervo Assis Reis 230 Fig Foto com a vista geral das coberturas da CHESF: Acervo Assis Reis 230 Fig Foto do acesso ao claustro da CHESF: Acervo Assis Reis 230 Fig Foto da cobertura do restaurante da CHESF: 230 Fig Foto do Centro Comunitário: Acervo Assis Reis 232 Fig Foto da maquete, vista do Centro Comunitário: Acervo Assis Reis 233 Fig Foto da maquete, vista superior do Centro Comunitário: Acervo Assis Reis 233 Fig Foto da maquete e os módulos do Centro Comunitário: Acervo Assis Reis 233 Fig Planta de Situação da Concha Acústica: Acervo Assis Reis 235 Fig Foto do Jornal A Tarde sobre a Concha Acústica: Acervo Assis Reis 235 Fig Planta Geral da Concha Acústica: Acervo Assis Reis 236 Fig Perspectiva da Concha Acústica: Acervo Assis Reis 236 Fig Planta dos Cortes da Concha Acústica: Acervo Assis Reis 236 Fig Foto de La Cartuja : Acervo Assis Reis 237 Fig Foto do Monastério de La Cartuja: Acervo Assis Reis 237 Fig Foto da maquete, vista lateral do Pavilhão de Sevilha: Acervo Assis Reis 239 Fig Foto da maquete, vista leste do Pavilhão de Sevilha: Acervo Assis Reis 239 Fig Foto da maquete, superior direita do Pavilhão de Sevilha: Acervo Assis Reis 239 Fig Foto da maquete, coberturas: Pavilhão de Sevilha: Acervo Assis Reis 239

9 9 Agradecimentos A realização deste trabalho envolveu muitos episódios contando com a participação de ricos personagens, razão pela qual gostaria de agradecer a todos. Entretanto, não poderia deixar de salientar a participação de alguns deles pelo modo carinhoso com que prestaram o seu apoio. Inicialmente, agradeço ao pessoal do PPG/AU: aos professores, colegas, à índia Cione e especialmente à Jandira, a mãe de todos nós. À turma da UMK Aurélio, Jorge e Moritaka, agradeço pelo material e informações cedidas e, do mesmo modo, ao seu irmão desgarrado, Chango Cordiviola. Agradeço ao carinhoso apoio do pessoal do Rofriarq Fritinho, Rose, Abílio e Dóris na configuração das muitas imagens. Aos irmãos do sul, os arquitetos Joaquim Guedes, Miguel Pereira, Sergio Magalhães, Paulo Casé e Jorge Czajkowski, pelas generosas entrevistas concedidas. Gostaria de agradecer, também, aos colaboradores pelos depoimentos Yoshiakira Katysuki, Beto Hoisel, Marcos Paraguassú, Marcos Forster, Taylor van Horne e Wolney Ortiz. Agradeço enormemente a Pedro Godinho, Marcelo Pereira e Raimundinho Nery pelo suporte municipal, sem o qual não seria possível dissertar. Ao mestre Assis Reis, gostaria de agradecer calorosamente pelo apoio incondicional na realização do trabalho. Aos amigos Naia, Moca, Márcio, Ana, Griselda, Valdinei, agradeço porque sempre estiveram por perto. Aos companheiros Gualter, Vladimir e China, por me permitirem estar ausente. E ao meu velho amigo Ary Penna Costa, por estar sempre torcendo por mim. Afetuosamente, agradeço a minha filha Paula por perdoar minha ausência nas responsabilidades paternas. Aos familiares que sempre estão ao meu redor, pela compreensão do meu sumiço, agradeço. Amorosamente, agradeço à Laurinha pelo afeto, por se fazer sempre companheira, inclusive como revisora nas letras e entrelinhas. Finalmente, meus sinceros agradecimentos à Ester, orientadora desta Dissertação.

10 10 Resumo O propósito desta dissertação é o estudo de certas expressões arquitetônicas no Brasil, cognominadas de regionais, que se destacaram como uma alternativa aos ditames do movimento moderno a partir de 1960, tendo como marco a construção de Brasília. Tomou-se como parâmetro a produção do arquiteto Assis Reis, na Bahia, entre os anos de 1952 e É um período que se destaca pelo caráter homogêneo da obra, cujo traço característico conferiu ao arquiteto o reconhecimento do seu trabalho. A avaliação foi procedida levando-se em conta as vivências e os fatores que lhe possibilitaram alcançar um método de trabalho, expresso nas suas obras, no qual as referências locais são determinantes no fazer arquitetônico. No que reporta ao referencial teórico, o tema é abordado respeitando-se a diversidade de opiniões, um entendimento que considera a suplantação do movimento moderno e os reclames por uma pluralidade na arquitetura, admitindo-se os seus vínculos locais. Buscou-se, desse modo, relacionar arquitetura, regionalismo e modernidade.

11 11 Abstract The purpose of this dissertation is the study of certain architectural expressions in Brazil, nicknamed of "regional", that they stood out as an alternative to the dictates of the modern movement starting from 1960, tends as mark the construction of Brasília. It was taken as parameter architect Assis Reis production, in Bahia, among the years of 1952 and It is a period that stands out for the homogeneous character of the work, whose characteristic line checked the architect the recognition of his work. The evaluation was proceeded being taken into account the existences and the factors that made possible to reach him a work method, expressed in their works, in which the references places are decisive in doing architectural. In what it moderates to the theoretical references, the theme is approached being respected the diversity of opinions, an understanding that considers the pledge of overcoming the modern movement and the advertisements for a plurality in the architecture, being admitted their local bonds. It was looked for, in that way, to relate architecture, regionalism and modernity.

12 12 Escrever é iluminar os problemas que se colocam à consciência dos homens. Albert Camus

13 13 Sumário Introdução 15 Parte I Fatos e História 1- O espaço colonial: de Parnaíba a Salvador O EPUCS: uma escola Diógenes: maestria e superação O aprendizado modernista 63 Parte II Contextos e Texturas 1- Portas para o mundo Uma idéia de arquitetura Em boa vizinhança: Wright, Kahn e Barragan Latinidade: rumo à pós-modernidade 109 Parte III Arquitetura regional A arquitetura regional de Assis Reis 121 A Casa do Rio Vermelho 135 Residência Eduardo de Carvalho 138 Residência Adriano Fernandes 140 Residência Aquiles Calmon de Passos 142 Residência Quinta das Mangueiras 144 Barraco dos Carvalho 146 Casa José Paixão 149 Casa José Luis 153 Casa Oleone Pereira 156 Loba de Patamares 159 Casa Lindoel Farias 161 Casa Antonio Carlos Mota 163 Casa Elza Santa Izabel 165 Casa de Santo Estevão 168 Casa Antonio Gouveia 170 O Farol Quebra-Mar 173 O Posto Pau de Vela 176 O Ginásio Humanístico de Pojuca 179 O Centro Médico Albert Schweitzer 182 O Centro Educacional Joventino Silva 186 O pavilhão de Osaka 189 O Cemitério Parque 192 O Hospital Geral do Canela 194 O Ginásio Polivalente do Cabula 197 O Morro do Conselho 201

14 14 O Modelo Reduzido 204 O Jokey Clube da Bahia 206 O Iate Clube de Alagoas 209 O Solar das Mangueiras 211 O Solar Itaigara 215 O Edifício Morro do Conselho 218 Sede Administrativa de Aratú 222 O Edifício Sede da CHESF 225 O Centro Comunitário Batista 231 A Concha Acústica 234 O Pavilhão de Sevilha 237 Considerações finais 240 Referências 244

15 15 Introdução A arquitetura moderna no Brasil, nas suas mais variadas expressões, apresenta-se como um vasto campo de pesquisa acadêmica, notadamente pela dimensão cultural que é atribuída a essa disciplina. A fase pioneira, já bastante conhecida, está representada principalmente pelas obras dos arquitetos da escola carioca, primeira geração dos modernistas do Brasil, tendo alcançado grande prestígio e reconhecimento internacional, como poucas nações lograram conhecer. Muito se tem estudado sobre esse glorioso período que se inicia em 1937, com o famoso edifício do Ministério da Educação, culminando em 1960 com a consagração de Brasília. A produção arquitetônica após a construção de Brasília, entretanto, carece de uma maior investigação. É o período de maior transformação da arquitetura brasileira, marcada pelo trabalho dos arquitetos da segunda geração do movimento moderno no Brasil. Essa fase corresponde também a um período de profundas transformações nos rumos da arquitetura internacional quando os alicerces teóricos do movimento moderno são estremecidos a partir do pós-guerra, entre os anos de 1945 a 1965, e quando o embate se desloca para as questões da continuidade ou revisão daquele movimento. No passo seguinte, dá-se a eclosão de uma nova situação entre os anos de 1966 a 1977, que se autodenominou movimento pós-moderno, passando a se desenvolver com métodos próprios, muito embora, no Brasil, essas expressões só se fizessem efetivamente presentes a partir década de No Brasil, os arquitetos da segunda geração, rompendo com os paradigmas da cartilha corbusieriana e do Estilo Internacional, dão início a uma nova fase da arquitetura, refletido na procura pela afirmação de valores que pudessem dar maior equilíbrio à relação entre a criação e a técnica, entremeada, sobretudo, pelos valores culturais, ambientais entre outras questões. O arquiteto Assis Reis, na Bahia, abraçando as idéias dessa tendência, que tem seu ponto focal no sul do país, desenvolveu de forma pioneira uma arquitetura de feição regional baseada nos valores culturais e ambientais do lugar, fato reconhecido por muitos arquitetos

16 16 da sua geração. 1 Produziu, dessa forma, um acervo arquitetônico de destacado valor e de uma expressão universal que extrapola os próprios limites da baianidade, a identidade cultural local, fato que aqui é abordado como uma contribuição ao estudo da arquitetura moderna na Bahia. O caráter abrangente da arquitetura, entendida como arte ou manifestação cultural, implica o domínio absoluto dos diversos aspectos conformadores do edifício durante o processo de criação, ou seja, na definição dos seus planos visuais. É a busca pela geração de uma intenção estética do objeto construído, presente nos aspectos bidimensionais planos verticais e horizontais, escalas e proporções, e nos aspectos tridimensionais a volumetria, as ambiências, a seqüência dos cômodos, a amplitude dos interiores, entre outros. Desse modo, ao analisar a obra do arquiteto Assis Reis, observa-se que se constitui em um dos mais representativos acervos da arquitetura moderna produzida na Bahia. O acervo é vasto, denso e diversificado, no qual se destacam muitas obras premiadas. Assis Reis, definindo-se como integrante da segunda geração do movimento moderno no Brasil, participa desse grupo de arquitetos que passou a desenvolver um trabalho cujos princípios teóricos eram bastante divergentes daqueles preconizados até então e em voga no Brasil, cujo expoente máximo é a obra paradigmática de Oscar Niemeyer. Defendendo outros valores, no sentido de afirmar novos caminhos para a arquitetura brasileira, esses arquitetos desenvolveram idéias que buscavam dar um maior equilíbrio entre a criação e a técnica. 2 Já não interessava ver a arquitetura apenas enquanto produto de uma idéia genial. A formação dos arquitetos da primeira geração, ligada às belas artes, implicou o desenvolvimento de uma arquitetura excessivamente comprometida com a idéia de composição e que, como na pintura, emoldura a obra enfatizando a arquitetura como objeto de valor estético, tornando secundários outros valores do contexto onde se insere, uma idéia com a qual a geração subseqüente já não compartilhava. 1 A esse respeito, ver as entrevistas concedidas ao autor dessa dissertação 2 REIS, Assis. Arquitetura Brasileira após Brasília/Depoimentos. Rio: IAB/RJ, p. 288.

17 17 Assis Reis, impulsionado pelas idéias desse movimento, tornou-se um arquiteto de reconhecida notoriedade, desenvolvendo uma arquitetura de feição regional. Nesse sentido, o arquiteto realizou o seu trabalho espelhando-se nos valores culturais e ambientais do lugar, buscando afirmar uma identidade do local. Em grande parte da sua obra, nota-se essa busca constante pelo enraizamento nas condições pré-existentes, dando lastro e suporte para a produção de sua arquitetura. Esses princípios ficam bastante evidentes quando se aborda o período mais homogêneo e característico da obra, representado entre o Posto Pau de Vela, em 1965 e o Centro Comunitário Batista, em O arquiteto iniciou as suas atividades no EPUCS - Escritório do Plano Urbanístico da Cidade do Salvador, trabalhando como topógrafo e cartógrafo, fato que lhe permitiu compreender a geomorfológica Cidade da Baía, com seus vales, encostas, matas, rios e lagoas, rico cenário geográfico entremeado por uma valiosa arquitetura colonial barroca. A atividade do arquiteto toma impulso, entretanto, com a projetação e a construção de uma residência de inspiração racionalista, no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Foi buscar no famoso pavilhão alemão em Barcelona, de autoria de Mies van der Rohe, a inspiração e o mote para a feição daquele trabalho. Mais tarde, isto lhe proporcionou uma posição autocrítica em relação àquela obra ao admitir correta a conformação do edifício e inadequada a sua opção arquitetônica. O fato foi decisivo para que continuasse buscando uma expressão mais atualizada para o seu trabalho, este mais afinado com as condicionantes locais. Outros dois eventos fazem pontuar a obra deste arquiteto como marcos balizadores da sua vida profissional: o projeto para o Pavilhão brasileiro de Osaka/Japão, em 1970, e a sede da CHESF Companhia Hidrelétrica do São Francisco, em O primeiro obteve menção especial no Concurso promovido pelo Ministério das Relações Exteriores e o IAB/BR, em 1969, com reconhecimento Hors Concour. Buscava sintetizar ícones e referências do Brasil, propondo uma edificação que representasse a cultura nacional, ou regional, materializada numa expressão arquitetônica universal. Foi um momento que lhe permitiu desprovincianizar-se, como costuma relatar, fazendo-o atingir o rumo da maturidade do seu trabalho que busca relacionar regionalismo e modernidade na dimensão da universalidade. O

18 18 segundo trabalho, também premiado, em concurso privado, representa a sua obra magna e sintetiza os valores e conceitos de uma arquitetura que, plantada em solo e alma da Bahia, traduz um marco regional numa feição de eterna atualidade, atemporal e universal. Desta forma, interessa discutir esse tempo no qual a obra do arquiteto Assis Reis se constitui no objeto de análise, levando-se em conta os aspectos da crítica arquitetônica e o entendimento sobre as questões decorrentes das expressões regionais, seus descaminhos e suas contradições. Importa muito mais promover uma avaliação do trabalho, identificando-se as questões prioritárias que delineiam uma prática arquitetônica como uma contribuição ao estudo da arquitetura moderna na Bahia. O período estudado é específico, compreendido entre 1952 e 1992, os quarenta anos que configuram a prática arquitetônica de Assis Reis de forma mais homogênea: no primeiro momento, o ensaio e a procura por um caminho novo; no momento seguinte, a afirmação do traço característico no trabalho do arquiteto; e por fim, o desafio e a tentativa de suplantar-se. O presente trabalho aborda a compreensão desse período da arquitetura e do caminho percorrido por esse arquiteto, ou seja, a busca por uma alternativa ao movimento moderno, já internacionalmente contestado, quando em Salvador a sociedade clamava por modernidade ao se tornar tardiamente industrial. Para situar em Salvador, ao lado das transformações urbanas que se processavam, decorrentes da implantação de um novo impulso industrial, somente na década de 1950 é que a arquitetura moderna se consolida na cidade. E para esses descaminhos, com os quais o movimento moderno se deparou, os críticos de forma variada tentaram compreender as novas rotinas entendendo-as, dentre outras, como regionalismo crítico, tardo-moderno, moderna apropriada ou, no caso baiano, temperada, como talvez se poderia afirmar. Assis Reis, com seu traço definido por uma forte intuição, desenvolveu uma arquitetura de corpo e alma, revelando uma expressão nordestina de firme caráter antropológico.

19 19 Tudo leva, por conseguinte, a admitir-se uma constatação na arquitetura moderna brasileira, desde os seus primórdios, ao se perceber certo viés que é revelado no seu corpo de contradições, trazendo sempre uma idéia renovada de tradução das referências nacionais, ou de tradição regional. 3 O movimento moderno, que nasceu de idéias internacionalistas quando as vanguardas dos anos 20 estruturaram horizontes estéticos e éticos para um futuro que se queria vislumbrar, e que surgiu das novas condições de produção da industrialização em voga 4, na cidade de Salvador, afirmou-se como uma novidade descompassada no tempo. E é nesse momento que se dá o aparecimento da figura de Assis Reis, o qual, migrando de Parnaíba no Piauí, uma cidade tão colonial e marcante quanto Salvador, aporta na Cidade da Baía para produzir uma arquitetura tão cheia de reminiscências. Assim, visa-se desenvolver este argumento, levando-se em conta um enfoque estruturado em três categorias distintas, entendidas como Fatos e Histórias, Contextos e Texturas, e Uma Arquitetura Regional, que se constituem em capítulos desse trabalho de Dissertação, descritos a saber: Fatos e Histórias, enfocando-se as vivências do arquiteto no meio social, ou nos contextos ambientais, como fatos determinantes para sua formação e de onde se pode obter matéria bruta para a feição da arquitetura; Texturas e Contextos, tratando-se de uma avaliação da praxe arquitetônica e dos seus desdobramentos conceituais e teóricos. Isto implica tratar da conformação das idéias e das influências relativas ao arquiteto; Arquitetura Regional, que propõe uma análise da obra e da projetação dos edifícios assim caracterizados. Aborda, portanto, a atitude do arquiteto em moldar as formas e os espaços dando um caráter muito próprio a sua arquitetura. Tudo isto pode ser traduzido pela forma final ou, como queira, por uma obra moderna de feição regional. 3 A esse respeito, ver CARDOSO, L. A. F. e OLIVEIRA, O. de. (Org.). (Re) Discutindo o Modernismo. Salvador: MAU/UFBA, ZEIN, Ruth Verde. Arquitectura brasileña en la década do los 80: algunas tendencias. In TOCA, Antonio Fernández (Ed.). Nueva Arquitectura en América Latina: Presente y Futuro. Mexico: Edicines G.Gilli, p. 227

20 20 O que se pretende com o estudo da obra do arquiteto Assis Reis, enfim, é discutir em que medida é possível relacionar arquitetura, regionalismo e modernidade. Fica lançado o desafio, em que pese a dimensão desse experimento.

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima,

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima, UFBA UFBA- -2ª2ªFASE FASE 2009 2009-2009 01. A variação climática na superfície terrestre está diretamente ligada à localização de cada região nas diversas latitudes, sendo, portanto, resultante do comportamento

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Visão Estratégica de Longo Prazo.

Visão Estratégica de Longo Prazo. Visão Estratégica de Longo Prazo. João Pessoa PB. Outubro de 2013 O MERCADO COMUM DO NORDESTE Adm. José Queiroz de Oliveira ESPECIALISTA PREVÊ SECAS MAIS INTENSAS E LONGAS NO NORDESTE. SE O HOMEM NORDESTINO

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre geografia Escola: Nome: Data: / / Turma: Leia o trecho da letra da música abaixo e, em seguida, responda às questões. [...] Eu já cantei no Pará Toquei sanfona em Belém

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina:

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

BONDES EM VITÓRIA E VILA VELHA FORMANDO A REDE DE TRANSPORTE COLETIVO DISPONÍVEL NO INÍCIO DO SÉCULO XX. BONDE NO BAIRRO ARIBIRI EM VILA VELHA

BONDES EM VITÓRIA E VILA VELHA FORMANDO A REDE DE TRANSPORTE COLETIVO DISPONÍVEL NO INÍCIO DO SÉCULO XX. BONDE NO BAIRRO ARIBIRI EM VILA VELHA OS MUNICÍPIOS QUE HOJE FORMAM A REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA APRESENTAM PECULIARIDADES SIGNIFICATIVAS EM SEU PROCESSO DE FORMAÇÃO. A FORTE INFLUÊNCIA JESUÍTA NO PROCESSO EDUCACIONAL E O CULTIVO DA TERRA

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT04.P A DEFINIÇÃO DA VOLUMETRIA NO PROJETO ARQUITETÔNICO Ana Carolina Marinho Ribeiro (2), Aluísia Márcia Fonseca de Lima (3) Centro de Tecnologia/ Departamento de Arquitetura/ MONITORIA Resumo O

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Recreio dos Bandeirantes. Fotos Ilustrativas

Recreio dos Bandeirantes. Fotos Ilustrativas Praia, sol e mar inspirando seus negócios e suas férias. No Heritage você terá um belíssimo cartão postal na sua janela e serviços de primeira classe ao seu alcance. Ande descalço, sinta a leveza do mar,

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

1) Explique quais foram os efeitos das inovações tecnológicas industriais sobre a agricultura. 2. A partir do texto e de seus conhecimentos, responda.

1) Explique quais foram os efeitos das inovações tecnológicas industriais sobre a agricultura. 2. A partir do texto e de seus conhecimentos, responda. Revisão de Geografia 3 Bimestre 2014 6 Ano 1) Explique quais foram os efeitos das inovações tecnológicas industriais sobre a agricultura. 2. A partir do texto e de seus conhecimentos, responda. A paisagem

Leia mais

José Elias, 141. Conceito:

José Elias, 141. Conceito: Conceito: menu No meio do jardim tem um escritório. Na beira da janela, uma floreira. Na alma,inspiração. Nasce no ponto mais valorizado do Alto da Lapa o único projeto comercial que leva o verde para

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 24/03/2012 Nota: Professor(a): Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt CASA EN TERRAVILLE Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt Implantação e Partido Formal A Casa em Terraville é uma residência unifamiliar de uso regular

Leia mais

Toda a imponência que seu negócio merece

Toda a imponência que seu negócio merece Toda a imponência que seu negócio merece A economia de Caxias do Sul desenvolveu-se a partir da cultura da uva, que para ser transformada em vinho necessitava ser processada na própria região, isso propiciou

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1 Introdução Você iniciará agora uma viagem ao mundo da História. Anote tudo que achar interessante, os patrimônios que conhece, as dúvidas que tiver e, depois, debata em sala de aula com seus colegas e

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EM PROJETOS DA PAISAGEM: A REABILITAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DO PARQUE FIGUEIRAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EM PROJETOS DA PAISAGEM: A REABILITAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DO PARQUE FIGUEIRAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO 283 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EM PROJETOS DA PAISAGEM: A REABILITAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DO PARQUE FIGUEIRAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO Priscila Oyan Sotto, Hélio Hirao, Neide Faccio Barrocá. Curso

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ppged@ce.ufrn.br. Pesquisa Práticas Pedagógicas e Currículo. E-mail: ivysandrade@hotmail.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ppged@ce.ufrn.br. Pesquisa Práticas Pedagógicas e Currículo. E-mail: ivysandrade@hotmail. A RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ESTADUAL PONTA DO TUBARÃO (RDSEPT) E O CURRÍCULO ESCOLAR: CAMINHOS E DESCAMINHOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO Iris

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina: Projeto Urbano e Paisagístico I PUP I Carga horária: 80 horas Ano Letivo: 2012 Série: 2ª Série Justificativa da Inclusão da Disciplina

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

JUQUEHY S I N G U L A R, C O M O V O C Ê.

JUQUEHY S I N G U L A R, C O M O V O C Ê. JUQUEHY S I N G U L A R, C O M O V O C Ê. Foto do local FRONT BEACH JUQUEHY. UM BRINDE AO SEU MELHOR MOMENTO. Contemplar o mar, o nascer e o pôr do sol. Sentir a brisa do oceano tocar o seu corpo. Pisar

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais