DESINFECÇÃO SOLAR DA ÁGUA: A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DA ÁGUA PARA A SEGURANÇA NO TRATAMENTO DOMICILIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESINFECÇÃO SOLAR DA ÁGUA: A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DA ÁGUA PARA A SEGURANÇA NO TRATAMENTO DOMICILIAR"

Transcrição

1 DESINFECÇÃO SOLAR DA ÁGUA: A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DA ÁGUA PARA A SEGURANÇA NO TRATAMENTO DOMICILIAR Jorge Gomes dos Santos 1 ; Garrido Márcia Maria 1 & Corrêa Ronaldo Antônio 1 RESUMO A coleta de água de chuva para consumo humano e outros objetivos domésticos é praticada por indivíduos em quase todos os países do mundo. Estudos reportados na literatura revelam a prevalência de contaminantes microbiológicos na água de chuva coletada. Sistemas descentralizados de tratamento da água no ponto de uso são opções viáveis para melhorar a qualidade da água a nível doméstico. Neste sentido, a desinfecção solar (SODIS) da água torna-se atraente para tratar água de chuva coletada em cisternas dentro do programa P1MC. Neste trabalho foi feita avaliação detalhada do perfil da temperatura da água alcançada durante o processo SODIS nas estações verão e outono na cidade do Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo testes relativos ao efeito exclusivo da temperatura na resistência de bactérias indicadoras de poluição fecal foram realizados em água inoculada previamente contendo estes contaminantes. Os resultados mostraram que o efeito da temperatura é o principal responsável pela inativação das bactérias nas intensas condições de insolação na cidade do Rio de Janeiro. Palavras chaves: Água de chuva, desinfecção solar, água segura. 1 IEN Instituto de Engenharia Nuclear, Caixa Postal 685, CEP: , Rio de Janeiro -RJ, Brasil,

2 INTRODUÇÃO A qualidade da água de chuva em cisterna, era quase totalmente ignorada, mas, isto passa a ter outra conotação a partir do momento em que milhares de famílias resolvem o problema de água de beber usando água de cisternas dentro do Programa P1MC. A escassez de água segura para o consumo humano ainda continua sendo um drama social para as populações que habitam o semi-árido brasileiro, principalmente durante as secas. Além disso, a falta de condições adequadas de disposição de resíduos domésticos, de captação, transporte, armazenamento de água, aliados as precárias informações sobre hábitos de higiene e da qualidade da água consumida aumentam ainda mais os riscos de enfermidades por veiculação hídrica em áreas rurais. O desenvolvimento de pesquisa para potabilização de águas de chuva armazenada em cisternas tem extrema importância no contexto atual, face ao Programa Um Milhão de Cisternas Rurais P1MC concebido pela Articulação do Semi-Árido (ASA) e hoje incorporado pelo Ministério de Desenvolvimento Social (MDS). A EMBRAPA semi-árido realizou uma avaliação sobre o funcionamento destas cisternas em 100 comunidades de diferentes municípios e constatou que quase metade das cisternas havia algum tipo de contaminação microbiológica. Brito et. al analisaram a qualidade sanitária de água armazenadas em cisternas na comunidade de Atalhos, Petrolina-PE constataram que 73% das amostras apresentavam-se contaminadas por coliformes fecais. Resultados semelhantes foram verificados por Amorim e Porto. Estes resultados evidenciam riscos a saúde das famílias que consomem esta água. Como estas comunidades nem sempre dispõem de suprimento ou são refratárias ao uso de cloro, passa a ser vital para a sua segurança, dispor de técnica alternativa simples e de baixo custo, para a potabilização desta água. Existem diversas tecnologias disponíveis que melhoram a qualidade da água. Algumas destas tecnologias são, contudo, caras e sofisticadas, o que torna inviável a sua aplicação para pequenas comunidades. Além disto, a capacidade dos governos e das organizações privadas para prover água encanada para populações dispersas em comunidade rural é pobre devido ao alto capital exigido para construir e manter tal infra-estrutura. Nestes casos as pessoas deveriam ser estimuladas a usar o tratamento da água em casa como uma alternativa sustentável e imediata para obtenção de água segura.

3 Uma alternativa para o tratamento da água para este tipo de comunidade é a desinfeção solar (SODIS). A SODIS tem demonstrado ser uma técnica eficiente na inativação e destruição de bactérias patogênicas e vírus na água. Este método tem sido provado por diferentes instituições e países ao redor do mundo. Estudos prévios realizados por Conroy et al. mostraram resultados positivos no controle de doença diarréica em crianças menores que 6 anos de idade, com o uso da energia solar na desinfecção da água de beber. O método serve como forma de conter os riscos de epidemia em comunidades que vivem em regiões com más condições sócio-econômicas e higiênico-sanitárias. O presente trabalho teve por objetivo prover informações relevantes sobre o efeito da temperatura no mecanismo de inativação de microorganismos que acontecem durante o processo de desinfecção solar e com isto auxiliar a definir metodologias para tratamento a nível doméstico de águas de chuvas armazenadas em cisternas de forma a adequá-las ao padrão de potabilidade estabelecido pela portaria 518/04 do Ministério da Saúde. MATERIAL E MÉTODOS O trabalho foi realizado nas instalações do Instituto de Engenharia Nuclear na cidade universitária Ilha do Fundão Município do Rio de Janeiro, Brasil, com coordenadas geográficas Latitude S, Longitude S. A metodologia para o desenvolvimento nesta fase da pesquisa consistiu no monitoramento da intensidade de radiação solar natural UV-A, UV-B, UV-VIS alcançando a superfície terrestre de acordo com as variações estacionais e de nebulosidade para a latitude do Rio de Janeiro, assim como, a determinação do perfil de temperatura que a água contida na garrafa PET alcança com a sua exposição ao longo do dia. Como estratégia para melhor aproveitamento dos efeitos da radiação solar as garrafas PETs são dispostas na condição natural e com metade da face pintadas de preto para absorver e reter mais o calor e uso de concentrador solar. Os testes de termo-resitência foram realizados com cepas de E. coli ATCC 11229, indicadora de contaminação fecal e Serratia como representante do grupo de coliformes totais. A quantificação das bactérias foram realizadas usando o método do substrato cromogênico definido ONPG-MUG (Kit colilert). Estes ensaios foram realizados em um banho termostático

4 microprocessado da marca Nova ética. As amostras eram inoculadas após água atingir a temperatura de ensaio. Não foi considerado nesta fase o eventual stress sofrido pelas bactérias. RESULTADOS E DISCUSÃO Efeito dos fatores ambientais no crescimento O crescimento dos microrganismos é grandemente afetado pelas condições físicas e químicas do ambiente onde se encontram, sendo que estas podem influir positivamente ou negativamente de acordo com o microrganismo em questão. A temperatura corresponde a um dos principais fatores ambientais que influenciam o desenvolvimento bacteriano. A medida que há um aumento da temperatura, as reações químicas e enzimáticas na célula tendem a tornar-se mais rápidas, acelerando a taxa de crescimento. Entretanto, em determinadas temperaturas inicia-se o processo de desnaturação de proteínas e ácidos nucléicos, inviabilizando a sobrevivência celular. Assim, todos os microrganismos apresentam uma faixa de temperatura onde desenvolvem-se plenamente. Nesta faixa de temperatura podemos determinar as temperaturas mínima, ótima e máxima (temperaturas cardeais), para cada microrganismo. A figura 1 mostra as temperaturas cardeais dos microorganismos.

5 Figura 1 - s cardeais dos microrganismos Dentre os diferentes microrganismos observa-se uma ampla variedade de faixas de temperatura, onde para alguns o ótimo encontra-se entre 5 e 10 C, enquanto para outros é de 90 a 100 C. Assim, os microrganismos podem ser classificados em grupos, de acordo com os ótimos de temperatura. Microorganismos mesófilos crescem numa faixa de a C, com um ótimo em torno de 37 C, sendo os principais microrganismos encontrados em animais de sangue quente. Figura 2 - Tipos de bactérias em relação à temperatura

6 As figuras 3, 4 e 5 mostram os valores médios da intensidade de radiação solar natural UV-A, UV-VIS disponível para as estações de verão e outono de 08 e variações de nebulosidade para a latitude do Rio de Janeiro. A radiação solar se distribui de maneira irregular e sua intensidade depende além da latitude geográfica, da estação e da hora do dia. Figura 4. Média da radiação UV-A para verão e outono ao longo do dia.

7 Figura 4. Média da radiação UV-Vis para verão e outono ao longo do dia. Verão Ensolarado Verão P arcialmente E ns olardo Verão Nublado no no no Figura 5. Distribuição da temperatura nas estações verão. Outono E ns olarado no 70 Outono Parcialmente Ensolarado no Outono Nublado 70 no Figura 6. Distribuição da temperatura nas estações outono. Os gráficos das figuras 3, 4, 5 e 6 revelam que as variações estacionais da radiação solar são importantes para a aplicabilidade do método de desinfecção solar da água. Antes da implementação do SODIS em um lugar específico, seria interessante determinar as intensidades estacionais da radiação com a determinação do perfil da temperatura.

8 Termoresistênca de Coliformes Totais em Função de Tempo e o C o C NPM o C 0 o C 0 55 o C Tempo (h) Figura 7 termo-resistência de coliformes totais em função do tempo e temperatura. 10 Termoresistênca de Coliformes Fecais (E. coli) com o Tempo e o C 45 o C NMP o C 0 o C 0 55 o C Tempo (h) Figura 8 termo-resistência de coliformes fecais em função do tempo e temperatura. Os resultados dos testes de termo-resistência de coliformes fecais e totais foram exatamente iguais quando analisados usando kit colilert. Os resultados também revelam que a partir de 47 C é possível inativar a E. coli ATCC e Serratia para um período de exposição superior a 1 minutos. Já a partir de C com período de exposição de 1 hora alcança-se a completa inativação destas bactérias indicadoras de contaminação. Essa temperatura é facilmente atingida com exposição ao sol em um dia de céu aberto, conforme verificado pela equipe. Vários estudos sustentam que o SODIS possui uma grande parte da sua energia de desinfecção pela ação fotoquímica. Tem sido reivindicado que o segmento UV acompanhando a

9 porção visível é responsável pela ação germicida quando a água é exposta a luz solar. Nossos resultados mostram que o SODIS não opera sobre a base fotoquímica, mas num processo térmico de pasteurização. Estudos de termo-resistencia de microorganismos em um tempo de exposição maior em temperaturas levemente acima da temperatura de incubação pode ser a garantia para entender plenamente como a temperatura da água afeta o ambiente SODIS. CONCLUSÕES Este trabalho mostrou que a temperatura alcançada pela água durante o processo SODIS é preponderante na eficácia do processo e que a partir de 1 hora de exposição a C, é possível inativar pelo efeito térmico microorganismos termotolerantes indicadores de contaminação fecal. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MADIGAN, et al., Prentice Hall,. in Brock: Biology of Microorganisms, 12th Edition. 03. BRITO, L.T. de L.; PORTO, E.R.; SILVA, A. de S.; MONTEIRO, M.A.R. Avaliação das características físico-químicas e bacteriológicas das águas das cisternas da comunidade de atalho, Petrolina PE. IN: 5 Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva, de julho: ABCMAC. 05. AMORIM, M. C. C.; PORTO, E. R. Avaliação da qualidade bacteriológica das águas de cisternas: estudo de caso no município de Petrolina-PE. IN: Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva,. 01, Campina Grande. Anais. Campina Grande: ABCMAC. 01. CD-room. WEGELIN, M., S. CANONICA, K. MECHSNER, T. FLEISCHMANN, F. PESARO, AND A. METZLER. Solar water disinfection: scope of the process and analysis of radiation experiments. J. Water Supply Res. Technol. Aqua 43: CONROY, R. M. et al. Solar desinfection of drinkable water protects against cholera in children under 6 year of age Arch Dis Child, 85, (01).

10 SANTOS, J. G.; Desinfecção solar simples e catalisada com TiO 2 suportado de esgoto secundário e de água de consumo humano em comunidades rurais ou regiões sem oferta de água tratada. Relatório FAPERJ, Processo N o E-26/ / RJ.

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION AVALIAÇÃO DE TRATAMENTO SIMPLIFICADO DA ÁGUA DE CISTERNA: DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) PARA CONSUMO HUMANO Lucio Alberto Pereira 1, Poliana Ferreira Vieira 2, Luiza Teixeira de Lima Brito 1, Carlos A.Tuão

Leia mais

J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS

J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS Nilton de Brito Cavalcanti 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 2 RESUMO - No semi-árido do Nordeste brasileiro, a cisterna tem sido uma das principais formas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde Iara Jassira Costa Barros Introdução Localização geográfica: 500km da costa ocidental da África Clima: Tropical seco, 2 estações seca

Leia mais

II-014 - AVALIAÇÃO DA DESINFECÇÃO SOLAR NA REGIÃO CENTRO - OESTE DO BRASIL USANDO DIFERENTES ORGANISMOS INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO

II-014 - AVALIAÇÃO DA DESINFECÇÃO SOLAR NA REGIÃO CENTRO - OESTE DO BRASIL USANDO DIFERENTES ORGANISMOS INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO II-14 - AVALIAÇÃO DA DESINFECÇÃO SOLAR NA REGIÃO CENTRO - OESTE DO BRASIL USANDO DIFERENTES ORGANISMOS INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO Cristina Celia Silveira Brandão (1) Ph.D. em Engenharia Ambiental pelo

Leia mais

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Dennyele Alves Gama¹; Marília Silva Dantas¹; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega¹ & Carlos de Oliveira Galvão¹ RESUMO Os

Leia mais

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15%

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15% OS IMPACTOS DAS FOSSAS SÉPTICAS NO AMBIENTE E NO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DOS ALUNOS DA ESCOLA MARIA IRANY RODRIGUES DA SILVA NO BAIRRO NOVA CANAÃ, NOVA IPIXUNA-PARÁ. Jordana Neta Vicente (1); Douglas

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Cícero Onofre de Andrade Neto O acesso a água potável é apenas um dos problemas

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 250 Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Adriana Karla Tavares Batista Nunes Leal¹; Ronaldo Faustino da Silva²; Eduardo

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti

Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti Elisabete de Oliveira Costa Santos 1 Dário Nunes dos Santos²

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO,

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO, DESCONTAMINAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA ATRAVÉS DE UM PASTEURIZADOR SOLAR Silva, T.C.D. (1) ; Calazans, G. M. T. (1) : Carielo, G. (1) ; Tiba, C. (1) teresa.tecatk@gmail.com (1) Universidade Federal de

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE Primeiro lineamento geral: O TRATAMENTO E USO ADEQUADOS DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS CONTRIBUEM A PROTEGER A QUALIDADE DOS CORPOS DE ÁGUA E DEVERIAM SER PARTE DE UMA GESTÃO MAIS EFICIENTE DOS RECURSOS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4 Análise e orientações sobre a qualidade microbiológica da água não tratada utilizada para o consumo humano em propriedades na zona rural e periurbana e em escolas rurais de Jataí e entorno. NASCIMENTO,

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO OLIVEIRA, T.S.¹; COELHO, A.F.S.² ¹ Aluna bolsista do grupo PET (Programa

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. . AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. Miriam Cleide Cavalcante de Amorim, Eng. Química. Mestre em Eng. Química pela Universidade Federal

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA Maria de Fátima Lima, Coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Patos, Gilberto Nunes de Sousa, Central das Associações do

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO.

PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO. PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO. Erica Bento SARMENTO¹ Luiz Fernando de Oliveira COELHO²

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 1 Introdução ao aproveitamento de água de chuva Carlos de Oliveira Galvão Universidade Federal de Campina

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA. Felipe Tenório Jalfim. Coordenador do Programa de Apoio

Leia mais

SISTEMAS ALTERNATIVOS DE DESCONTAMINAÇÃO DE ÁGUA: UMA REFLEXÃO SOBRE A QUESTÃO HÍDRICA NO BRASIL. Identificação

SISTEMAS ALTERNATIVOS DE DESCONTAMINAÇÃO DE ÁGUA: UMA REFLEXÃO SOBRE A QUESTÃO HÍDRICA NO BRASIL. Identificação SISTEMAS ALTERNATIVOS DE DESCONTAMINAÇÃO DE ÁGUA: UMA REFLEXÃO SOBRE A QUESTÃO HÍDRICA NO BRASIL Identificação Paulo Bernardi Junior, Dr. em Energias Renováveis IPEN-USP, gestor ambiental FSP-USP e biólogo;

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS

QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1, José Antunes da Silva Neto 2, Wêydjane de Moura

Leia mais

PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS

PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS 61 PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS RESUMO Francisco Cleber Silva Ferreira Maria Raquel Pinto Moreira

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

USO DE GARRAFAS PET E ENERGIA SOLAR NA DESINFECÇÃO DE ÁGUAS EM COMUNIDADES RURAIS

USO DE GARRAFAS PET E ENERGIA SOLAR NA DESINFECÇÃO DE ÁGUAS EM COMUNIDADES RURAIS USO DE GARRAFAS PET E ENERGIA SOLAR NA DESINFECÇÃO DE ÁGUAS EM COMUNIDADES RURAIS Marcelo Jacomini Moreira 1 ; José Euclides Stipp Paterniani 2 RESUMO A energia solar além de ser uma fonte natural disponível

Leia mais

Sumário Executivo. Avaliação da Sustentabilidade do Programa Cisternas do MDS em Parceria com a ASA (Água-Vida)

Sumário Executivo. Avaliação da Sustentabilidade do Programa Cisternas do MDS em Parceria com a ASA (Água-Vida) Sumário Executivo Avaliação da Sustentabilidade do Programa Cisternas do MDS em Parceria com a ASA (Água-Vida) Funder-Embrapa Semiárido Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

DESINFECÇÃO DE ÁGUA DOCE POR RADIAÇÃO SOLAR

DESINFECÇÃO DE ÁGUA DOCE POR RADIAÇÃO SOLAR DESINFECÇÃO DE ÁGUA DOCE POR RADIAÇÃO SOLAR Victor Hugo G. COSTA (1); José Henrique S. FERREIRA (2); Alexsandro A. RODRIGUES (3) (1) Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte. Rua Arenópolis,

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA MAPAS DA RADIAÇÃO SOLAR BRASIL ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA Além das condições atmosféricas (nebulosidade, umidade relativa do ar etc.), a disponibilidade de radiação solar, também denominada

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

UMA NOVA ABORDAGEM NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA USO DOMÉSTICO: PROCESSO DE DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) COM FOTOCATÁLISE

UMA NOVA ABORDAGEM NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA USO DOMÉSTICO: PROCESSO DE DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) COM FOTOCATÁLISE UMA NOVA ABORDAGEM NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA USO DOMÉSTICO: PROCESSO DE DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) COM FOTOCATÁLISE Patrícia do Nascimento Vieira (*), Tanise Nascimento Oliveira, Paulo Roberto da Silva

Leia mais

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância

Leia mais

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano Água Água é vida A água é para o Homem, para os animais e para as plantas um elemento de primeira necessidade, É essencial à vida! É indispensável

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

MÉTODOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO DISTRITO DE MORORÓ, BARRA DE SANTANA, PARAÍBA: UMA ANÁLISE DO REGISTRO ICONOGRÁFICO.

MÉTODOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO DISTRITO DE MORORÓ, BARRA DE SANTANA, PARAÍBA: UMA ANÁLISE DO REGISTRO ICONOGRÁFICO. MÉTODOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO DISTRITO DE MORORÓ, BARRA DE SANTANA, PARAÍBA: UMA ANÁLISE DO REGISTRO ICONOGRÁFICO. Larissa Barreto Barbosa 1, Antônio José dos Santos Martins ², Edílson Ramos de Oliveira

Leia mais

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Rômulo Henrique Teixeira do Egito (1); Arturo Dias da Cruz (2); Karla Vanessa Cunha (3); Arilde Franco

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR 1 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador A - Embrapa Gado e Leite de Juiz de Fora, MG, Gestão Ambinetal

Leia mais

ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS. Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2

ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS. Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2 ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2 Resumo: Ao longo dos anos o semiárido brasileiro vem convivendo com dificuldades no âmbito

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO S CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE SCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFES MG. Afrânio Teodoro Martins 1 e Fernando Shinji Kawakubo 2 afraniolg@hotmail.com.br,

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP. Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti

ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP. Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti Região Metropolitana de São Paulo Col. Santa Clara Você sabe de onde vem a água que nós bebemos e utilizamos? Col. Santa Clara

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA Dantas 1, Mayara; Gomes 1, Márcia; Silva 1, Juliene; Silva 1, Jaciele; 1 Discente do Curso de Bacharelado em Ecologia; 2 Professora

Leia mais

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS Caren Rayane Ribeiro da Silva (1); David Domingos Soares da Silva (2) (1) FPB FACULDADE INTENACIONAL DA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Regulamenta critérios para operação e manutenção de reservatórios de água potável superiores e inferiores (cisternas), de estabelecimentos

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL DE EMBARCAÇÕES NOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL DE EMBARCAÇÕES NOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL DE EMBARCAÇÕES NOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO Autores:Verona, CE 1 ; Almeida, AC 2 1-Instituto Brasileiro para a Medicina da Conservação- Instituto Tríade 2-Universidade

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E GESTÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM SANEAMENTO: Uma avaliação à luz da Promoção da Saúde Aline Nogueira, Tecnóloga em

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais