INSOLAÇÃO DE EDIFÍCIOS E O PROJETO DE SUAS PROTEÇÕES SOLARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSOLAÇÃO DE EDIFÍCIOS E O PROJETO DE SUAS PROTEÇÕES SOLARES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA "Escola Prof. Edgar Albuquerque Graeff" INSOLAÇÃO DE EDIFÍCIOS E O PROJETO DE SUAS PROTEÇÕES SOLARES Prof. António Manuel Corado Pombo Fernandes professor arquiteto 1994 (revisto em 2002)

2 APRESENTAÇÃO Este texto pretende ser um instrumento expedito que capacite o estudante de arquitetura a incorporar ao seu ato projetivo o entendimento da insolação dos edifícios que lhe permitirá, com segurança, tratar de algumas questões importantes referentes ao conforto térmico, tais como: insolação de fachadas, a partir de suas orientações, definindo seus horários de insolação nos períodos principais do ano, equinócios e solstícios; projeto de proteções solares, os brises-soleil, capazes de proteger convenientemente as aberturas envidraçadas evitando as consequências negativas do efeito estufa tendo em vista que nos situamos em região tropical onde o calor é a grande preocupação. Pedagogicamente optou-se por um texto enxuto e objetivo que, sem cair na forma de receituário, possa transformar um conhecimento mínimo indispensável em um instrumento de aplicação, simples e imediata, coadjuvante do ato conceptivo arquitetônico. Com a mesma preocupação, prefere-se, sempre que possível, tratar o assunto de forma gráfica, abdicando, conscientemente, de cálculos matemáticos mais complexos e extensos visto que é o desenho a forma precípua de comunicação e de estudo do arquiteto. Primeiramente, na Introdução, apresentam-se alguns conceitos e determinadas informações que, em princípio, justificam a importância do estudo que o presente texto traz para uma concepção arquitetônica preocupada com a questão do conforto térmico assim como com a racionalização do consumo de energia nos edifícios. A lembrança de Le Corbusier como o criador dos brises-soleil é ponto desse prólogo. Depois, em sequência, apresentam-se: os dados astronômicos básicos sobre a posição relativa Sol e Terra assim como os movimentos desta, rotação e translação; o movimento aparente do Sol na imaginária abóboda celeste, ao longo do ano; o sistema de projeção adotado projeção estereográfica horizontal - e a obtenção das cartas solares, seu entendimento e manuseio; em seguida, a primeira aplicação à arquitetura, isto é, os horários de insolação de uma fachada, dada sua orientação (azimute) nos momentos notáveis das estações, equinócios e solstícios, conhecida a latitude do local. Esta primeira aplicação, embora de grande significado prático, é operação gráfica muito simples constituindo-se no posicionamento disciplinado de uma linha reta sobre a carta solar representativa da latitude do local. A sequência final apresenta: o chamado transferidor de ângulos de sombra que, sobreposto corretamente à carta solar, permitirá relacionar a sombra desejável com a geometria dos elementos de proteção solar capazes de promovê-la, sem, contudo, predeterminar a forma final dos brises-soleil; questões estéticas e construtivas deverão coadjuvar a definição final; os tipos de brises - horizontais, verticais e em grelha - e suas correspondentes máscaras assim como suas potencialidades de proteção em função da orientação das fachadas; e, finalmente, uma série de exercícios de fixação da aprendizagem. Em anexo apresentam-se, a carta solar para 16º Sul e o transferidor de ângulos de sombra, instrumentos básicos para o estudo da insolação e o projeto das proteções. A contribuição deste texto diz respeito à área de tecnologia do projeto. É, portanto, mais um instrumento à disposição do projetista. O seu uso não é determinante da arquitetura, mas, sem dúvida, poderá ser coadjuvante, como esperamos, na concepção de uma arquitetura mais qualificada, comprometida com seu usuário e com o meio ambiente. 2

3 INTRODUÇÃO "Embora Corbu viesse trabalhando no conceito das persianas para controle do sol muitos anos antes de 1936, o Ministério da Educação no Rio foi o primeiro grande edifício em que se fez pleno uso do dispositivo. Desde então, a combinação de uma parede de cortina de vidro protegida por uma grade de dispositivos de controle do sol, verticais, horizontais, circulares, etc, tem sido uma solução comum para os edifícios modernos. Bem projetada, essa cortina externa de persianas pode conservar o interior fresco sem obstruir muito a vista dos espaços externos. Até nos edifícios com ar condicionado, êsses dispositivos de controle do sol ajudam a reduzir sensivelmente a carga e a despesa do ar condicionado. Em todas as áreas tropicais e semitropicais do mundo, os brises-soleil de Corbu são agora um dispositivo arquitetônico aceito e de valor comprovado." [4] O texto acima em epígrafe e a respectiva ilustração [1] foram especialmente escolhidos com o objetivo de salientar que, muito mais que um aparato técnico, as proteções solares são elementos da composição arquitetônica e, como tal, devem incorporar, na concepção original do projeto, as dimensões artísticas do objeto arquitetônico. Entender e manipular tecnicamente a questão da insolação e da geometria mais adequada para sua proteção é tarefa relativamente simples se comparada àquela outra, ou seja, incorporar tais subsídios à obra de arquitetura com sensibilidade artística. Se imaginarmos subtrair os brises-soleil do edifício do Ministério da Educação, acima ilustrado, pode-se perceber, com certeza, que a consequência não será apenas a redução de um aparato técnico, mas, principalmente, o empobrecimento da arquitetura, pois a obra foi concebida tomando partido plástico do referido aparato, ou seja, assumindo-o conceitualmente como um brise-soleil. Feito este preâmbulo que consideramos de grande relevância tendo em vista a fase de formação de conceitos no aprendizado do estudante de arquitetura passaremos a discorrer sobre alguns princípios e informações que sustentam a importância, especialmente em climas tropicais, da redução das cargas térmicas que penetram no espaço interno dos edifícios comprometendo sua habitabilidade ou elevando, desnecessária e onerosamente, os gastos energéticos com a climatização artificial. 3

4 Parte da envolvente dos edifícios é constituida por fechamentos transparentes necessários não só para permitir o recurso à iluminação natural como também para oferecer ao usuário a visão do espaço exterior de grande significado psicológico. Nas últimas décadas, as extensas superfícies envidraçadas - as cortinas ou peles de vidro - têm comparecido com muita ênfase na arquitetura partindo muito mais para caracterizar uma linguagem plástica aceita e desejada pela sociedade - um modismo - do que para garantir as duas necessidades apontadas no início deste parágrafo. As novas soluções estruturais e construtivas têm permitido tais arroubos gerando as famosas caixas de cristal. No entanto, tais fechamentos transparentes são elementos frágeis de um edifício. Além de apresentarem transmissão térmica elevada e permitirem fácil passagem aos ruidos, são, invariavelmente, mais caros que os fechamentos opacos. Quanto à transmissão térmica são dois os inconvenientes: primeiro, suas espessuras sempre muito delgadas e sua condutibilidade térmica elevada facilitam a passagem do calor por condução e convecção derivando um aporte de carga térmica significativo; segundo, e mais importante para o presente texto, a sua transparência permite, obviamente, uma elevada transmissão da radiação solar - 0,85 da radiação incidente, normal à superfície, no caso do vidro plano comum [1] - que se transforma em calor interno. Os elementos internos, aquecidos, emitem radiações que, por suas características - radiações de onda larga - são refletidas pelo vidro, mantendo-se no espaço interior, provocando o aumento da temperatura do ar interno. Configura-se, assim, o chamado efeito estufa, inimigo implacável na perseguição da habitabilidade térmica em climas quentes. O projetista preocupado poderá recorrer a quatro alternativas para efetivar ações de controle solar e reduzir a carga térmica sobre o edifício [2]: a - orientação solar das fachadas e dimensão das áreas envidraçadas, b - proteções solares internas: persianas, cortinas, etc., c - vidros especiais, d - proteções solares externas: os brises-soleil. Na figura abaixo apresenta-se a eficiência relativa entre algumas dessas alternativas. Percebe-se, com facilidade, que as proteções internas assim como os vidros especiais têm uma eficiência reduzida quando se comparam com o resultado obtido com as proteções externas, isto é, os brises. COMPARAÇÃO ENTRE ÁREAS DE ALGUNS FECHAMENTOS ENVIDRAÇADOS QUE DEIXAM PASSAR A MESMA QUANTIDADE DE ENERGIA SOLAR. Adaptado de [1]. 4

5 As proteções solares internas, persianas ou cortinas, só conseguem uma certa eficiência quando a cor de suas superfícies viradas para o exterior é branca ou muito clara devolvendo para fora, por reflexão, parte da radiação; com cores escuras o resultado é quase desprezível: ao absorverem a radiação, instauram o efeito estufa e passam a aquecer o ar interior. Quanto aos vidros especiais podemos fazer algumas breves considerações [2,3] que elucidem certos equívocos bastante comuns. Para melhor entendê-las acompanhe a leitura observando a figura e a tabela abaixo: - os vidros absorventes (vulgarmente chamados de "fumê") embora apresentem coeficientes de transmissão ( T ) que podem ser bastante reduzidos quanto mais escuros forem, têm, inversamente e em contrapartida, coeficientes de absorção ( A ) progressivamente elevados (vidro comum: T = 0,85 ; A = 0,07 ; vidro absorvente escuro: T = 0,09; A = 0,86). Essa barganha, que muitas vezes ilude os desavisados, resulta pouco eficiente pois, ao assumirem temperaturas bastante elevadas resultado da absorção (mais de 25º C acima da temperatura do ar exterior) transmitem para o interior ( Ai ), por radiação e convecção, boa parte do calor absorvido (40% ou bem mais quando há refrigeração e a temperatura interna é bem menor que a externa) além de se constituirem como superfícies quentes e radiantes de extremo desconforto para o corpo humano; - os vidros refletores conseguem boa eficiência quando refletem para o exterior grande parcela da radiação incidente ( R > 0,45 ); seu custo, por outro lado, é proporcional à sua capacidade de reflexão pois agregam películas especiais de reflexão seletiva (refletem as radiações invisíveis), bastante onerosas, inviabilizando sua adoção na maioria das vezes. Outra crítica diz respeito às reflexões provocadas e que passam a ser incomodativas aos usuários dos edifícios vizinhos assim como aos próprios transeuntes das vias públicas. DESEMPENHO TÉRMICO DE ALGUNS VIDROS DIANTE DA RADIAÇÃO SOLAR Tipos de Vidro T A R G ts 1. Comum 0,85 0,07 0,08 0,88 ta + 7,0 2. Absorvente Claro 0,85 0,52 0,07 0,41 0,08 0,07 0,68 ta + 23,3 3. Absorvente Médio 0,31 0,63 0,06 0,56 ta + 26,6 4. Absorvente Escuro 0,09 0,86 0,05 0,43 ta + 26,6 5. Refletor Médio 0,25 0,42 0,33 0,42 ta + 21,0 6. Refletor Escuro 0,11 0,42 0,47 0,28 ta + 22,8 7. Absorvente + Câmara de Ar + Comum 0,32 0,62 0,06 0,

6 Legenda (adaptado de [1]) T = coef. de transmissão (normal à superfície); G = coef global transmissão (G = T + 0,4 A) A = coef. de absorção (normal à sup); ta = temperatura do ar exterior (C) R = coef. de reflexão (normal à sup); ts = temperatura superficial máxima ao s Com estas considerações fica claro que a raiz do problema deve ser atacada e resolvida abordando as outras duas alternativas, pois só elas oferecem possibilidade de solução significativa: orientação adequada das fachadas com parcimônia, sempre que possível, nas dimensões das áreas envidraçadas e proteções exteriores, quando necessárias, convenientemente projetadas. Na tabela abaixo, pode-se verificar a eficiência comparativa entre as diversas alternativas de trato da questão. Os números apresentados são bastante elucidativos e a sua interpretação, acredita-se, pode ser extremamente pedagógica e persuasiva. REDUÇÃO DA CARGA TÉRMICA NOS EDIFÍCIOS Item Projeto Convencional Projeto Racional Redução envidraçado 80/100% das fachadas 30/35% das fachadas 15% tipo de vidro comum antitérmico refletivo 8 a 15% orientação solar proteção solar maior eixo: norte/sul maiores fachadas: leste e oeste inexistente maior eixo: leste/oeste maiores fachadas: norte e sul venezianas internas brises-soleil 11% 15% % iluminação fluorescente normal alta eficiência 5% cores externas médias/escuras claras 5% carga total 100% 60 a 65% 35 a 40% carga unitária 160 a 180 w/m2 100 a 120 w/m2 60 w/m2 Fonte: Agência para Aplicação de Energia/SP - retirado de [7] O principal objetivo do presente texto de estudo da insolação dos edifícios e de suas proteções é proporcionar um instrumental para combater o problema na raiz eliminando ou reduzindo drasticamente a entrada da radiação solar direta, isto é, sombreando eficientemente as superfícies envidraçadas. Num país como o nosso quase todo de clima tropical, construir a sombra é uma necessidade básica para obter-se uma arquitetura comprometida com o homem e com o meio ambiente. Não pode ser apenas força de expressão mas sim uma postura consciente. Uma atitude consequente capaz, inclusive, de motivar a criação de novas formas arquitetônicas. 6

7 A TERRA E O SOL A Terra gira em torno do Sol numa trajetória elíptica de pequena excentricidade, isto é, os focos da elipse situam-se muito perto entre si. O Sol posiciona-se num desses focos. O tempo dessa translação, como se sabe, é de 365 dias e 4 horas. Para efeito deste texto não iremos muito além no que diz respeito à astronomia, pois não será necessário para entender-se, suficientemente, a geometria da insolação. A Terra gira, também, em torno de seu próprio eixo caracterizando o movimento de rotação que provoca a ocorrência do dia e da noite no período de 24 horas. O ponto crucial, no entanto, da relação Terra-Sol é a posição relativa entre o eixo de rotação da Terra e o seu plano de translação em torno do Sol, ou seja, a eclíptica. A longa experiência didática no trato do assunto leva-nos a iniciar a abordagem da questão de forma hipotética como se segue. Caso o eixo de rotação fosse perpendicular à eclíptica, como se pode ver na ilustração abaixo, a posição relativa Terra-Sol seria idêntica para todos os momentos do movimento de translação, isto é, em todos os dias do ano o Sol nasceria exatamente no ponto cardeal Leste, por-se-ia exatamente a Oeste e faria sempre, ao longo de cada dia, um mesmo caminho no céu. Êsse caminho, invariavelmente um semicírculo, só sofreria alteração, mais "em pé" ou mais "deitado", caso o observador se deslocasse no sentido Norte ou Sul, isto é, mudasse de latitude. Um observador, posicionado no equador, veria o Sol subir do horizonte verticalmente passando, ao meio-dia, no ponto mais alto do céu, ou seja, no zênite; após o meio-dia, desceria, também verticalmente, sobre o horizonte oposto. Caso o observador se deslocasse, por exemplo, para uma latitude Sul de 45º, o plano que contém o semicírculo apresentar-se-ia "deitado" para Norte com a inclinação correspondente, ou seja, 45º. E se o observador se posicionasse no polo o semicírculo estaria completamente "deitado", isto é, confundir-se-ia com o horizonte; na verdade, o Sol giraria sobre o horizonte dando uma volta completa em 24 horas: não haveria nascer nem pôr do Sol, não seria dia nem noite! 7

8 Abóboda N S N S Nesta hipótese não haveria estações, pois todos os dias do ano seríam iguais tendo o período diurno e noturno sempre a mesma duração de 12 horas em qualquer latitude. A região equatorial seria bem mais quente e as regiões de latitudes elevadas muito mais frias. A diversidade bioclimática seria muito mais reduzida. Talvez o ser humano nem existisse! A hipótese levantada cumpriu um objetivo didático de introduzir, com mais facilidade para o iniciante da matéria, a geometria da posição Terra-Sol. Na realidade o eixo de rotação da Terra faz com a eclíptica um ângulo de 23º e 27 minutos que, para efeito de simplificação, será arredondado para 23,5º. A Terra, ao girar em tôrno do Sol no movimento de translação, mantêm o referido eixo paralelo a si mesmo decorrendo daí que a posição relativa Terra-Sol modifica-se a cada dia, havendo, ao longo do ano, apenas dois momentos em que essa posição se repete com simetria entre os hemisférios. Na figura abaixo, que ilustra o fenômeno, os dois momentos referidos recebem o título de equinócios: a reta que une os centros da Terra e do Sol é perpendicular ao eixo de rotação da Terra. Só nesses dois momentos a posição Terra- Sol equivale à da hipótese levantada anteriormente, isto é, ambos os hemisférios recebem igualmente a radiação solar, a duração do dia é igual à da noite, 12 horas, e o Sol nasce e se põe exata e respectivamente a Leste e a Oeste. Os outros dois pontos notáveis da translação ilustrados acima, os solstícios, têm características distintas e simétricas: num deles o hemisfério Norte está visivelmente mais insolarado que o hemisfério Sul e no outro, ao contrário, o Sul está mais insolarado que o Norte. No primeiro é verão no Norte e inverno no Sul; no segundo, inversamente, é verão no Sul e inverno no Norte. A geometria específica desses dois momentos opostos está representada na figura a seguir. 8

9 Verifica-se que as posições dos paralelos notáveis -- Trópico de Câncer, Trópico de Capricórnio, Círculo Polar Ártico e Círculo Polar Antártico -- são decorrentes do ângulo que o eixo de rotação da Terra faz com a normal ao plano da eclíptica. Até agora consideramos o observador fora da Terra. Nessa posição identificam-se os movimentos de translação e de rotação do planeta estando o Sol num ponto fixo. Para podermos avançar no estudo precisamos reposicionar o observador situando-o sobre a superfície terrestre. Neste momento todo o sistema toma nova perspectiva, isto é, o Sol é que gira em volta da Terra "desenhando" sua trajetória no céu. Esse movimento aparente é, na verdade, aquilo que nós observamos cotidianamente embora saibamos, desde Copérnico e Galileu, que não é o Sol que roda em volta da Terra. A cada dia que passa essa trajetória altera-se paralela e gradativamente em função das sucessivas variações da posição relativa Terra-Sol. Ao longo de seis meses a trajetória "caminha" 47º ( 2 x 23,5 ) e nos seis meses seguintes volta sobre si mesma até atingir o ponto inicial ao completar o ciclo anual. Os momentos extremos são o solstício de verão e o solstício de inverno e o momento intermediário representa os equinócios, de primavera e de outono. Para efeito de simplificação do estudo os desenhos vão-se restringir a estas três trajetórias que representam os quatro momentos notáveis anteriormente mostrados. Nos desenhos ao lado e abaixo ilustra-se a explicação acima mostrandose as projeções ortogonais (vistas de Leste para Oeste) representando diversas latitudes, do Equador ao Polo Sul, e a perspectiva do sistema para a latitude 30º Sul (Porto Alegre). 9

10 obs:desenhos adaptados de[1]. 10

11 AS CARTAS SOLARES Para transformar-se este conhecimento em instrumental de projeto - a carta solar - é necessário optar-se por um sistema de projeção capaz de tornar coplanares aquelas informações tridimensionais, simplificando-as e operacionalizando-as. Assim, escolheu-se, entre outras (ortográfica horizontal, eqüidistante horizontal), a projeção estereográfica horizontal (Pleigel, 1954) por ser de simples entendimento e fácil graficação. Nos desenhos abaixo podemos entender o procedimento que permite projetar as trajetórias do Sol, que estão desenhadas na abóboda celeste, no plano do horizonte que se transforma no plano de projeção do sistema. Qualquer ponto da abóboda (A, B, C...) é projetado no plano de projeção por meio de uma reta que parte, invariavelmente, do ponto notável chamado nadir (centro de projeção) e que contém o ponto a ser projetado. Esta reta projetante, ao atravessar o plano de projeção, identifica nele um ponto (A', B', C'...) que é a projeção desejada. Estendendo-se tal procedimento a todos os pontos da trajetória do Sol obtém-se a projeção da referida trajetória no plano de projeção. O ponto nadir é simétrico do zênite que é o ponto superior da abóboda celeste. Na projeção estereográfica, os arcos de circunferência desenhados na abóboda projetam-se, também, sob a forma de arcos de circunferência decorrendo evidente simplicidade gráfica motivo principal da escolha deste tipo de projeção. Em situações limite, quando o arco passa pelo zênite e está contido em um plano perpendicular ao plano do horizonte, a projeção será uma simples linha reta. Os desenhos anteriormente apresentados referem-se à latitude 16º Sul que é, por aproximação, a situação da cidade de Goiânia. Na perspectiva, e principalmente na vista ortogonal (de Leste para Oeste), pode-se resgatar as informações básicas iniciais, 11

12 ou seja, a variação anual da trajetória do Sol ( 23,5º x 2 = 47º ) e a latitude do local expressa tanto na declinação entre a linha do horizonte e o polo Sul celeste como na declinação entre o zênite e o ponto B que representa o meio-dia na trajetória dos equinócios. O terceiro desenho representa o resultado final -- a carta solar -- ali graficada ainda de forma simplificada, isto é, apenas com as três trajetórias notáveis. Feitas todas estas explicações apresentamos, ao lado e abaixo, algumas cartas solares referentes a diversas latitudes. Nestes desenhos aparecem, além das três trajetórias notáveis, mais outras quatro referentes a datas intermediárias assim como as linhas determinantes da variação horária do Sol e os círculos concêntricos que identificam, em projeção, as alturas angulares da posição do Sol na abóboda celeste. O desenho maior, logo abaixo, é a carta solar para 16º Sul que foi mostrado antes de forma simplificada e que se utiliza para Goiânia. A carta ao lado, na qual se pode perceber a simetria das trajetórias a Norte e a Sul representa a latitude 0º graus, ou seja, a linha do Equador que passa perto de Belém e Manaus. Abaixo desta temos a de 24º Sul que é, por arredondamento, a referente ao Trópico de Capricórnio e que, por sua vez, passa em São Paulo. No canto inferior direito a carta de 40º Sul que passa abaixo de Mar del Plata na Argentina. obs: desenhos retirados de [2]. 12

13 INSOLAÇÃO DE UMA FACHADA Identificar os horários de insolação, pelo menos nas quatro datas notáveis das estações - solstícios e equinócios - de uma determinada fachada é a primeira aplicação do conhecimento já apresentado. Para tanto, é necessário, apenas, determinar a orientação da fachada em estudo e ter em mãos a carta solar referente à latitude do local. A orientação de uma fachada é dada pelo seu azimute que se constitue no ângulo que a normal à fachada faz (em planta) com o ponto cardeal Norte medido, sempre, no sentido horário a partir do Norte. É bom lembrar que o ponto cardeal é o Norte verdadeiro e não o Norte magnético indicado pela bússula. Há uma diferença angular significativa entre ambos. Em Goiânia, atualmente, essa declinação é, aproximadamente, de 17º (o Norte verdadeiro situa-se, a partir do Norte magnético, no sentido horário). Este valor altera-se em função do local e ao longo do tempo. Os desenhos abaixo ilustram as considerações que acabamos de fazer. Determinado o azimute da fachada, no exemplo acima Az. = 45º, podemos introduzir tal informação na carta solar desenhando a normal à fachada e, ortogonal a esta, a linha-base da fachada a qual irá interceptar as trajetórias do Sol em determinados pontos a partir dos quais se deduz os horários procurados, como se vê no desenho abaixo. LEGENDA A (solstício de inverno - 22/jun): do nascer do Sol até às 14:30 h. B (equinócios - 23/set. e 21/mar.): do nascer do Sol até às 13:00 h. C (solstício de verão - 22/dez.): do nascer do Sol até às 11:30 h. 13

14 Quando o edifício tem planta retangular, como é o caso do esquema anterior, podemos rapidamente determinar os horários de insolação das outras fachadas visto que as fachadas adjacentes são ortogonais e as fachadas opostas são paralelas. Assim, se a fachada Nordeste tem Az. = 45 graus, a fachada Sudeste, adjacente à anterior no sentido horário, terá Az. = = 135º. A fachada Sudoeste, oposta e paralela à primeira, terá Az. = = 225º (ou, o que é a mesma coisa, como é adjacente à fachada Sudeste, Az. = = 225º). A fachada Noroeste, por sua vez, terá Az. = = 315º. Todas estas informações ficam graficamente concentradas e simplificadas em duas únicas retas perpendiculares entre si sendo que cada uma representa duas fachadas opostas, pois seus azimutes são suplementares (+ 180º), como se vê no desenho abaixo. Os horários de insolação das quatro fachadas estão identificados na tabela. Fachada Solst. de Inverno Equinócios Solst. de Verão Nordeste (Az. 45º) até às 14:30 h. até às 13:00 h. até às 11:30 h. Sudeste (Az.135º) até às 09:30 h. até às 11:00 h. até às 12:30 h. Sudoeste (Az. 225º) após as 14:30 h. após as 13:00 h. após as 11:30 h. Noroeste (Az. 315º) após as 09:30 h. após as 11:00 h. após as 12:30 h.

15 O TRANSFERIDOR DE ÂNGULOS DE SOMBRA Após o estudo da carta solar e da insolação de uma fachada, abordados nos ítens anteriores, passaremos a apresentar o segundo e último instrumento necessário para o projeto das proteções solares dos envidraçados: o Transferidor de Ângulos de Sombra. Uma fachada é um plano vertical (poderá não ser excepcionalmente) que "vê" metade da abóboda celeste. Considerando uma janela nessa fachada e um observador olhando por ela para o exterior o mesmo poderá ver a semi-abóboda olhando-a horizontalmente com uma varredura de 180º, 90 à direita e 90 à esquerda, assim como verticalmente da linha do horizonte até o zênite, com uma varredura de 90º. O Transferidor de Ângulos de Sombra proporciona reunir, em uma única projeção, tanto a graduação horizontal (180º), quanto a graduação vertical (90º). Para determinarmos a posição de um ponto qualquer situado nessa semiabóboda em relação ao plano da fachada fazemos passar pelo referido ponto dois planos auxiliares: um vertical que secciona a semi-abóboda definindo um arco de 90º, e outro passando pela LT (linha de terra). Observe os desenhos abaixo: a perspectiva, as vistas lateral e superior e a projeção estereográfica da situação acima descrita. O plano PF é o plano da fachada; o plano PH é o plano do horizonte; o ponto P é o ponto na abóboda a determinar; o ponto P' é a projeção estereográfica do ponto P no plano de projeção (que é o próprio plano do horizonte) sendo que a projeção P' fica determinada no cruzamento do segmento OM (projeção estereográfica do arco ZPM) com o arco LP'T (projeção estereográfica do arco LPT); neste tipo de projeção cônica o ponto N (nadir) é o centro de projeção; o ponto Z é o zênite. 15

16 Dadas as explicações acima, podemos, agora, apresentar o desenho final e completo do Transferidor de Ângulos de Sombra identificando, nele, o ponto P, acima referido, e acusando os ângulos horizontal (H) e vertical (V) que o referenciam ao plano da fachada. As linhas radiais, de 10 em 10º, demarcam a varredura horizontal de 180º, 90 à direita e 90 à esquerda. Os arcos, também de 10 em 10º, demarcam a varredura vertical, do horizonte até o zênite. Repare, abaixo, o desenho do Transferidor. Para completar o entendimento do Transferidor de Ângulos de Sombra faremos, a seguir, uma primeira e simples aplicação de seu uso respondendo à seguinte pergunta: qual é a posição do Sol (ângulo horizontal e vertical), às 08:00 h. nos equinócios, relativa à fachada Nordeste (Az. 45º) de um edifício localizado em Goiânia (lat. 16º Sul) mostrada no exemplo da página 12? E às 16:00 h. no solstício de verão em relação à fachada Sudoeste? No desenho abaixo, sem necessidade de maiores explicações (o desenho fala por si) identificam-se as respostas. 16

17 PROTEÇÕES SOLARES HORIZONTAIS As proteções solares horizontais, brises horizontais, são elementos cuja dimensão preponderante está em um eixo longitudinal horizontal, podendo constituir-se, inclusive, por placas inclinadas. As dimensões lineares e mesmo eventuais inclinações das placas que os constituem nada têm a ver com sua geometria de proteção. O estudo dos brises horizontais faz-se a partir da vista em corte pois é nessa representação que aparece, em verdadeira grandeza, o ângulo de sombra vertical que os mesmos proporcionam. O número de peças e seus desenhos não determinam o desempenho da proteção. Assim, caberá à intenção e às circunstâncias de cada projeto arquitetônico a opção pelo desenho mais conveniente. Reflita sobre estas afirmações observando os desenhos abaixo. Cada um dos brises tem desenho diferenciado mas qualquer um deles oferecerá a mesma proteção e o mesmo desempenho desde que o ângulo de sombra vertical seja o mesmo, apresentando, portanto, a mesma máscara. 17

18 PROTEÇÕES SOLARES VERTICAIS As proteções solares verticais, brises verticais, são elementos cuja dimensão preponderante está em um eixo longitudinal vertical, podendo constituir-se por placas de topo ou inclinadas à fachada. Como nas proteções horizontais, o número de elementos, suas dimensões lineares e formas não determinam seu desempenho. O arquiteto, mesmo tendo definido certo ângulo de sombra horizontal necessário, terá sempre vasta gama de opções geométricas para adequar suas intenções construtivas e plásticas. O estudo dos brises verticais faz-se a partir dos desenhos em planta pois é nessa representação que se obtém a verdadeira grandeza do ângulo de sombra horizontal. Observando os desenhos abaixo podemos refletir sobre o exposto acima. 18

19 PROTEÇÕES SOLARES EM GRELHA Os brises em grelha constituem-se em associações combinadas de proteções horizontais e verticais oferecendo tanto ângulo de sombra vertical quanto horizontal. O estudo dos brises em grelha faz-se a partir da vista em corte e da planta pois as sombras proporcionadas apresentam-se tanto em ângulo vertical quanto em ângulo horizontal. Observe, nos desenhos a seguir, dois exemplos de brises em grelha com a mesma capacidade de proteção, isto é, a mesma máscara. 19

20 O edifício "Palácio da Justiça", em Goiânia, apresenta, na sua fachada Norte, um belo exemplo de um brise em grelha formado por um painel de módulos premoldados em concreto armado paralelo à fachada acompanhando a suave curva que esta faz a certo ponto. Na época do solstício de inverno, quando acontece a insolação máxima desta fachada, o resultado plástico do claro-escuro é de grande beleza. A cada momento do dia temos um desenho diferente elaborado pelo contraste luz e sombra. EXERCÍCIOS 1) Considerando as quatro fachadas de um edifício cuja orientação é dada ao lado, identifique os azimutes e os horários de insolação de cada uma delas: D (Az = ) fachada solst. ver. equinócios solst. inv. A (Az = ) B (Az = ) C (Az = ) 20

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007 Iluminação Natural Construção de Diagramas Solares Maio de 2007 arquitectura e artes do espectáculo lda. Rua Julião Quintinha, 1A tel: +351 217 157 502 email: etu@etu.pt 1500-381 Lisboa fax: +351 217 157

Leia mais

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Considere um observador sobre a terra, onde há um plano imaginário onde o sol se projeta. A localização do sol

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

Qual o motivo das estações do ano?

Qual o motivo das estações do ano? Qual o motivo das estações do ano? Estações do Ano: W Início da Primavera 23 set Hemisfério Sul Início do Inverno 22 jun Início do Verão 22 dez g Início do Outono 21 mar Estações do Ano: Hemisfério Norte

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Relações Astronômicas Terra - Sol

Relações Astronômicas Terra - Sol Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Relações Astronômicas Terra - Sol Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Radiação Solar -

Leia mais

ANALYSIS SOL-AR. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis

ANALYSIS SOL-AR. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis ANALYSIS SOL-AR Pesquisadora: Karen Carrer Ruman de Bortoli (karencrbortoli@gmail.com) Orientadora: Rita de Cássia Pereira

Leia mais

ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA

ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA 0 ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA Eliza M. Silva 1, Rafael B. Botelho, Artur Justiniano, Paulo A. Bresan. Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Resumo O Ensino de Astronomia está

Leia mais

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Caroline Pienes Weber (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

A Geometria no Globo Terrestre.

A Geometria no Globo Terrestre. A Geometria no Globo Terrestre. 1. Introdução. Neste trabalho pretendemos desenvolver o estudo da esfera e seus elementos explorando sua associação com o globo terrestre. O estudo da posição relativa de

Leia mais

Estações do Ano e Fases da Lua

Estações do Ano e Fases da Lua ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Estações do Ano e Fases da Lua Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Movimentos da Terra Quais são os movimentos da Terra? 1. Rotação 2. Revolução 3. Precessão

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos!

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos! EXERCÍCIO DE REVISÃO - GEOGRAFIA 6º ano Profª. Ms. Graziella Fernandes de Castro Queridos alunos, Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento.

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL UIVERIDADE FEDERAL DE LAVRA DEPARTAMETO DE EGEHARIA ÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GE109 Agrometeorologia OÇÕE DE COMOGRAFIA RELAÇÕE ATROÔMICA ETRE A TERRA E O OL Prof. Antônio Augusto Aguilar

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata.

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. dução Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. Retirado de Rodolfo Caniato, O Céu, ed. Ática, 1990. Cadastrada por Lucas Assis Material - onde encontrar

Leia mais

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA Meteorologia Geral 21 TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA 2.1 Introdução A principal fonte de energia da Terra (Vide a Figura 2.1) é o Sol (Vide a Figura 2.1). Uma pequena quantidade de energia provém do interior

Leia mais

GEOGRAFIA 1. Cartografia 1 Aulas 1 e 2

GEOGRAFIA 1. Cartografia 1 Aulas 1 e 2 GEOGRAFIA 1 Cartografia 1 Aulas 1 e 2 O QUE É CARTOGRAFIA Cartografia é a área do conhecimento que se preocupa em produzir, analisar e interpretar as diversas formas de se representar a superfície, como

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

Horizonte local e Relógios de Sol

Horizonte local e Relógios de Sol Rosa M. Ros International Astronomical Union, Universidade Politécnica de Cataluña (Barcelona, Espanha) Resumo O estudo do horizonte é fundamental para promover as primeiras observações dos alunos nos

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

Estações do ano e Ritmos da vida

Estações do ano e Ritmos da vida Estações do ano e Ritmos da vida Ana Paula Souto 2013 1) Você pretende se mudar para Cuiabá (MT) e, para isso, vai alugar uma casa de 1 (um) dormitório nessa cidade, conhecida pelo seu clima quente. Depois

Leia mais

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis A origem do Universo A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,

Leia mais

Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições

Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições AGO/2003 Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

GEOGRAFIA QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA GEOGRAFIA Prof. Rodrigo Zidane QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA SÉRIE SALA 1. (UFRN) Parte considerável da energia que atinge a Terra é proveniente do Sol. A distribuição da insolação na superfície é

Leia mais

Geografia Fascículo 12 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 12 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 12 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice Noções de Cartografia e Astronomia Resumo Teórico...1 Exercícios...6 Gabarito...9 Noções de Cartografia e Astronomia Resumo Teórico

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE

Leia mais

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco 1. Considere um objeto luminoso pontual, fixo no ponto P, inicialmente alinhado com o centro de um espelho plano E. O espelho gira, da posição E 1 para a posição E 2, em torno da aresta cujo eixo passa

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS Dener Pereira SANTOS, Alessandro MARTINS, Hildeu Ferreira da ASSUNÇÃO, Campus Jataí, Universidade

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES A Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios 2 A Habilidades: Aula 1: Entender como ocorre o movimento de Translação da Terra e

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR

Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR A radiação solar é fonte primária de energia para os processos biológicos e meteorológicos que ocorrem na superfície. A sua importância

Leia mais

Plataforma Equatorial

Plataforma Equatorial Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Plataforma Equatorial Princípios fundamentais Utilização das Coordenadas Astronómicas Em geometria, sabemos que um sistema

Leia mais

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17 A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17.1 A TERRA 17.1.1 FORMA E DIMENSÕES. A ESFERA TERRESTRE Primeiramente, o homem imaginou a Terra como uma superfície plana, pois era assim que ele a via.

Leia mais

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA "Escola Professor Edgar Albuquerque Graeff" CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA Prof. António Manuel C. P. Fernandes maio - 2002 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

ENERGIA. Energias passivas

ENERGIA. Energias passivas Energias passivas ENERGIA Estes sistemas, quando bem dimensionados, são de longe mais económicos do que qualquer outro sistema que recorra a energia elétrica ou combustíveis convencionais. Com o aumento

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Fundamentação Teórica Etimologicamente significa, buscar o oriente. Orientar-se sempre foi uma das preocupações básicas do ser humano e se justificava inicialmente pela busca de e de. No decorrer do tempo

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 LOCALIZAÇÃO, PAVIMENTO TIPO, PLANTA BAIXA E CORTES DO APARTAMENTO A SER ANALISADO ORIENTAÇÃO: TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 CLICANDO NA OPÇÃO (Info), APARECERÁ A TELA COM A SEGUINTE

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

APLICAÇÕES DA CARTA SOLAR:

APLICAÇÕES DA CARTA SOLAR: APLICAÇÕES DA CARTA SOLAR: TRAÇADO DE SOMBRAS E PROJETOS DE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO SOLAR Profa. Doris CCK C.C.K. Kowaltowski Profa. Lucila C. Labaki Colaboração: Cristiane Dacanal (PED) Disciplina AU

Leia mais

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM)

Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM) Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM) Colaboradores: Emanoel Jr da S. Nunes Érica S. Nakai Pedro Paulo da S. Barros Coordenador: Prof. Peterson

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais Introdução à Astronomia Leis de Newton e Forças Gravitacionais Rogério Riffel Leis de Newton http://www.astro.ufrgs.br/bib/newton.htm Newton era adepto das ideias de Galileo. Galileo: Um corpo que se move,

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução 9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS 57 9.1 Introdução Tanto o desenho em perspectivas como o desenho através de vista se valem da projeção para fazer suas representações. A diferença é que no desenho em perspectiva

Leia mais

CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL

CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL A LUZ NATURAL Iluminação que se obtém com a luz proveniente do sol representada quer pelos raios solares diretos, quer pelos raios indiretos da mesma proveniência,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO Para se orientar o homem teve de desenvolver sua capacidade de observação. Observando a natureza o homem percebeu que o Sol aparece todas as manhãs aproximadamente, num mesmo lado

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

2 conceitos gerais de heliotecnia ÍNDICE

2 conceitos gerais de heliotecnia ÍNDICE ÍNDICE radiação solar - movimento terra-sol -3 coordenadas e trajectória solar -4 sombreamento -6 orientação e inclinação de superfícies absorsoras -7 curvas de penalização -10 para saber mais... -1-1

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B Questão 46 Na figura, são dados os vetores a, bec. Sendo u a unidade de medida do módulo desses vetores, pode-se afirmar que o vetor d = = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orientação é vertical, para cima.

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO Silvio Romero de Melo Manoel Leonel de Oliveira Neto George Santos Marinho Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica CT

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Energia Solar Térmica e Aplicações

Energia Solar Térmica e Aplicações Eco-Escolas Formação Escola da Energia, 2 de Abril de Energia Solar Térmica e Aplicações João Paulo Costa LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

FÍSICA. Prof. Raphael Fracalossi. 1. (Ueg 2010) Observe a figura.

FÍSICA. Prof. Raphael Fracalossi. 1. (Ueg 2010) Observe a figura. FÍSICA Prof. Raphael Fracalossi. (Ueg 00) Observe a figura. Nessa figura, está representada uma máquina hipotética constituída de uma sequência infinita de engrenagens circulares E, E, E... que tangenciam

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO

DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO Informações úteis para uma boa escolha do terreno Jamais desconsidere a assistência técnica de um profissional na avaliação do terreno que se pretende adquirir Na escolha

Leia mais