FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO - UNILINHARES COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO - UNILINHARES COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO - UNILINHARES COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MARCELO MARQUES GOMES WEVERSON FANTIN FRACALOSSI MÁQUINAS VIRTUAIS LINHARES 2007

2 MARCELO MARQUES GOMES WEVERSON FANTIN FRACALOSSI MÁQUINAS VIRTUAIS Trabalho Acadêmico apresentado ao curso de Sistemas de Informação, 4º Período A, da Faculdade de Ciências Aplicadas Sagrado Coração, como requisito parcial para avaliação. Orientador: Prof. Otacílio José Pereira. LINHARES 2007

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O QUE É VIRTUALIZAÇÃO? EMULADORES TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO VANTAGENS E DESVANTAGENS APLICAÇÕES DAS MÁQUINAS VIRTUAIS NO ENSINO CONSOLIDAÇÃO DE SERVIDORES HONEYPOTS E HONEYNETS MIGRAÇÃO DE SOFTWARE CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...20

4 4 1. INTRODUÇÃO Para os gestores de Tecnologia da Informação (TI) e até mesmo para os usuários, com ou sem muita experiência na área, o que interessa agora são as Máquinas Virtuais (MVs) que estão revolucionando o setor de infra-estrutura das organizações. Vários motivos implicam nesta decisão de implementação por parte das organizações, o objetivo deste trabalho é mostrar de forma clara as vantagens e desvantagens da aquisição desta funcionalidade bem como alguns exemplos de organizações que já a utilizam. Provido de diversas ferramentas no mercado, as máquinas virtuais vêm disputando cada vez mais espaço. A Microsoft, pioneira com soluções para desktop e seus famosos sistemas operacionais (SOs), trás a ferramenta Virtual PC, gratuita e de muita simplicidade na utilização como de praxe, para virtualização em desktops, e o Virtual Server 2005, utilizado na virtualização de servidores. Essas e outras ferramentas de virtualização serão mais bem abordadas no decorrer deste trabalho. A utilização da virtualização pode ser vista por outra óptica também. De programas mais simples como criadores de drivers virtuais (de CD, DVD, disquete, etc.) até mesmo as complexas máquinas virtuais Java (Java Virtual Machines JVM), que lidam com uma das mais poderosas linguagens de programação orientada a objetos conhecida mundialmente; e é por este motivo que uma aplicação feita em Java pode ser criado e/ou executada em qualquer ambiente diferente daquele que foi originado. O objetivo deste trabalho visa estabelecer um comparativo entre os diferentes dispositivos existentes no mercado para virtualização, bem como o seu funcionamento, apontar vantagens e desvantagens do mesmo e mostrar de forma clara que se pode trazer uma grande economia à organização com a utilização desta tecnologia. Todos esses e vários outros pontos relevantes serão esclarecidos no decorrer deste trabalho.

5 5 2. O QUE É VIRTUALIZAÇÃO? Máquina Virtual, assim chamada na década de 60 quando começou a ser utilizada e é assim que é conhecida até os dias atuais, significava simplesmente um software instalado em um sistema operacional real (ou hóspede) que interagia com o mesmo, literalmente como um sistema virtual. Porém nesta época era restrito somente ao uso em mainframes. Conceitualmente, virtualização / máquinas virtuais, quer dizer softwares especializados em criar uma camada lógica entre o SO hóspede e o hardware do computador a fim de prover um ambiente funcional com todas as características de uma máquina real. Virtualização refere-se a tecnologias criadas para fornecer uma camada de abstração entre sistemas de hardware de computador e o software que roda nestes sistemas (WATERS, 2007). A Virtualização, como também é chamada, nada mais é do que a criação de uma máquina virtual munida de periféricos fictícios, porém utilizando uma máquina real. O sistema operacional, por exemplo, acha que está sendo executado em uma máquina real com todos os periféricos necessários, porém, o que realmente está acontecendo é que esta máquina virtual está utilizando parte física de uma máquina real, ocupando espaço em um disco rígido real, ocupando memória principal, utilizando um processador real, enfim, ela necessita de uma máquina real para que seja criada, mas na prática é e sempre será uma máquina virtual. As máquinas virtuais fazem o milagre da multiplicação do PC. Na prática, não passam de espaços em disco e na memória, que podem ser apagados quando você quiser (MACHADO, p. 82, 2007). Diante dos conceitos apresentados pode-se abstrair que: as máquinas virtuais podem servir para executar vários sistemas operacionais simultaneamente. Para ilustrar como isso pode beneficiar a organização que venha a utilizar essa tecnologia pode-se citar um exemplo que seria de que uma empresa especializada em Web

6 6 Design precisa testar seus sites em vários sistemas e navegadores diferentes. É aqui que entram as máquinas virtuais. Outro exemplo simples de utilização: uma organização precisa testar seu aplicativo no novo Windows VISTA, para isto pode utilizar o software VMware, que em sua nova versão traz suporte ao novo sistema operacional da Microsoft. Instala-se o VMware em um computar emula-se uma máquina virtual com o VISTA e faz-se os testes necessários para averiguação de possíveis problemas (bugs) que seu aplicativo apresentará na nova plataforma. As pessoas todos os dias utilizam diretamente máquinas virtuais sem que percebam em seus aparelhos celulares. São as máquinas virtuais Java. A grande maioria desses aparelhos modernos de comunicação, incluindo os smartphones, que, segundo um estudo do IDC apontou que 232 mil aparelhos foram comprados no país em Mas o número de aparelhos vendidos cresceu 140% entre o primeiro trimestre de 2006 e o mesmo período de Até 2012, os smartphones corresponderão a 22% do total de celulares no mundo [ ] (GREGO, p. 60, 2007), possuem essa funcionalidade para utilização de aplicativos como: jogos, softwares para downloads de mp3 e outros formatos de multimídia, até mesmo compiladores de outras linguagens de programação que rodam sob a máquina virtual Java. Utilidades para máquinas virtuais são o que não faltam. Diversas ferramentas para implementação do mesmo podem ser citadas: Virtual PC e Virtual Server 2005 (da Microsoft), Qemu (livre), VMware Player (gratuito), Bochs (proprietário), VirtualBox (opensource) e XenExpress (da XenSource, gratuito e opensource). Todos com uma interface muito simples e intuitiva, o que ajuda muito na configuração. Segundo a INTEL CORPORATION (2007), A virtualização é uma mudança de paradigma; ela muda seu modo de pensar em relação aos recursos. Com a virtualização, você não está mais restrito a executar apenas um sistema operacional em um servidor ou workstation de baixa utilização. É possível consolidar vários sistemas operacionais e aplicativos em servidores poderosos, o que propicia a

7 7 simplificação do data center 1, uso mais eficiente, redução de custos e mais segurança em sua empresa. Um outro conceito importante tratando-se do assunto de máquinas virtuais é o de monitor também chamado de hypervisor, Virtual Machine Monitor ou VMM. O monitor é uma camada de software inserida entre o sistema visitante (guest system) e o hardware onde o sistema visitante executa (ANDRADE, apud XENSOURCE, p. 11, 2006). É ele quem gerencia o hardware da máquina real compartilhando-o para todas as máquinas virtuais. São os monitores que criam e controlam as máquinas virtuais, gerenciando todos os dispositivos físicos da máquina hóspede. Existem ainda dois tipos de VMMs, onde esses tipos são relacionas devido ao nível de abstração do hardware da máquina hóspede. No primeiro tipo, as VMMs criam device drivers nos SOs das máquinas hóspedes para serem utilizados pelas máquinas virtuais. No segundo tipo é diferente; os monitores não utilizam essa funcionalidade, executando independentemente da arquitetura de hardware do sistema hóspede. Como é o caso da máquina virtual Java já citada neste trabalho. 2.1 EMULADORES Comumente confunde-se virtualização com emulação. Erro arbitrário cometido por inúmeras pessoas sem o devido conhecimento do assunto. Um emulador é caracterizado pela funcionalidade de emular seu sistema de origem incluindo processador, circuitos elétricos, chips, controladores de E/S, entre outros em um sistema aonde será executado, traduzindo todas as instruções do sistema de origem para o sistema executante. A diferença entre emuladores e máquinas virtuais, está basicamente no nível de abstração. Enquanto em um emulador todas as instruções são traduzidas e interpretadas, em máquinas virtuais são executadas no modo mais nativo possível (ANDRADE, p. 13, 2006). 1 Anteriormente conhecido como Centro de Processamento de Dados (CPD), os Data Centers têm como finalidade hospedagem de sistemas de informação e/ou equipamentos de TI. Geralmente são locais muito seguros com acesso restrito por vários mecanismos de segurança.

8 8 A principal desvantagem dos emuladores é a incompatibilidade física do sistema de origem com o sistema que vai emulá-lo. No caso dos emuladores de videogames (também chamados de consoles), por exemplo, os primeiros sistemas que foram emulados eram bastante simples, não apresentando problemas de incompatibilidade. Porém, com o passar dos anos, os games evoluíram muito, de jogos 2D para os famosos 3D. Por os consoles possuírem placas de vídeo muito poderosas para a época, dificilmente conseguia-se emular adequadamente esses games. Por muito tempo foi impossível emular diversos games famosos de plataformas como Playstation One, por no mercado não existirem, de forma acessível à comunidade de gamers, placas de vídeo que conseguissem rodar esses jogos. Mas, felizmente, graças a grande evolução computacional que se presencia atualmente, ficou muito fácil adquirir uma placa de vídeo bem acessível e de boa qualidade. Alguns exemplos de emuladores podem ser citados: emuladores de processadores (Bochs, por exemplo), emuladores de sistemas operacionais, emuladores de drives ópticos (Daemon Tools, por exemplo) e emuladores de videogames (epsxe de Playstation One, por exemplo). 2.2 TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO Existem várias técnicas de virtualização, porém duas delas se destacam pela aplicabilidade; são elas: virtualização completa e paravirtualização. Na virtualização completa (full virtualization) é criado todo um ambiente virtualizado de hardware fazendo com que o SO visitante pense que está sendo executado em uma infraestrutura de hardware real. Ao instalar um software de virtualização, como o VMware, por exemplo, ele se encarrega de instalar no seu sistema operacional hóspede uma série de device drivers adicionais para que as MVs possam interagir com os devices físicos do PC. Porém, isto pode acarretar num problema: comprometimento de desempenho por parte da máquina virtual. Se todos os componentes são virtuais, logo são

9 9 gerenciados pela VMM, então se depende da interpretação das instruções que serão mediadas pela VMM para um bom desempenho dessa máquina virtual. Na paravirtualização é o oposto. O sistema operacional da máquina virtual também acha que está sendo rodado sobre o hardware da máquina hóspede. Porém, não são implementados no sistema hóspede os device drivers adicionais. Tornando mais real a emulação dessa máquina virtual. Por esse motivo, além de tornar-se mais rápida essa MV, por estar comunicando-se mais próximo ao hardware da máquina, a forma de implementação desse sistema é feita de forma diferente. Um ótimo exemplo de software para implementação desse modelo de paravirtualização é o Xen, da XenSource. O primeiro passo para instalação é fazer uma alteração no sistema operacional hóspede no kernel do sistema. A própria XenSource disponibiliza um patch para tal modificação. Todo o processo de instalação da máquina virtual é um tanto quanto complicado e requer um nível de conhecimento avançado por parte do profissional que o irá realizar. Por esse motivo, a paravirtualização é mais utilizada em servidores também por proporcionar maior rendimento para os mesmos. Empresas como a IBM, Sun e Red Hat estão apoiando o desenvolvimento desta técnica juntamente com a Microsoft [10].

10 10 3. VANTAGENS E DESVANTAGENS A principal vantagem das MVs vem do principio de sua flexibilidade operacional. Para as corporações, economizam-se rios de dinheiro com a consolidação de servidores 2, que para tal usam-se as MVs. [ ] Quanto mais é utilizada, mais ela demonstra benefícios tangíveis, ampliando seu valor para a corporação (WATERS, 2007). Analistas da indústria revelam que entre 60% e 80% dos departamentos de TI estão engajados em projetos de consolidação de servidores (WATERS, 2007). O motivo é mais simples do que se imagina: com a redução de servidores reais, automaticamente economiza-se a energia não só gasta por estes servidores, mais também a gasta pelo sistema de refrigeração para manter esta grande quantidade de servidores funcionando em perfeito estado. A redução de custos é evidente à adesão das máquinas virtuais. Porém, existe outro aspecto relevante a ser destacado: é a má utilização de grande quantidade de servidores (reais), para utilização de várias aplicações independentes como servidores de , banco de dados, servidores proxy, etc. O problema deste modelo [(de servidores reais dedicados)] é que ele[s] aproveita[m] mal os recursos das máquinas em média, os servidores utilizam somente de 5% a 10% da sua capacidade, segundo estimativa da empresa de software para virtualização VMware (STRATTUS SOFTWARE, 2007). De acordo com dados da VMware, a virtualização, combinada à consolidação de servidores, reduz em até 53% os custos com hardware e 79% os custos operacionais, gerando uma economia média de até 64% para a empresa que adota a solução (STRATTUS SOFTWARE, 2007). Empresas de todos os tipos podem aderir a esta idéia e começar a utilizar as MVs. Como por exemplo: Software Houses. Que podem utilizá-la para testar seus 2 Diz-se de a [ ] utiliza[ção] de equipamentos mais robustos, com mais recursos de processamento e espaço em disco, para hospedar as diversas aplicações da companhia (STRATTUS SOFTWARE, 2007).

11 11 aplicativos em outros sistemas operacionais, já que com a crescente adesão de outros SOs no mercado, essas empresas tendem a desenvolver seus aplicativos para rodar em diversas plataformas, aumentando sua competitividade. Sem a utilização da virtualização empresas como essa deveriam ter diversas máquinas (não-virtuais) preparadas para esses testes, o que envolveria um grande custo para a mesma. Além da redução de custos propiciada pelas MVs, vale ressaltar a flexibilidade e segurança adquiridas devido à adesão dessa tecnologia. Flexibilidade essa adquirida graças à descentralização dos servidores e a consolidação de servidores virtuais. Tornando assim o trabalho dos administradores e gestores de TI muito mais simples, rápido e eficaz. A flexibilidade, porém, pode acarretar num ponto negativo na utilização de máquinas virtuais. E se seu servidor, que agora está consolidado, parar de funcionar? Todos os aplicativos que nele estão sendo executados irão parar também. Essa é uma das desvantagens da virtualização que deve ser levada em conta no processo de decisão na implantação dessa tecnologia. Percebe-se que ao utilizar a consolidação de servidores aproveita-se mais os recursos disponibilizados pela arquitetura de hardware disponível em seu servidor. Por exemplo: um servidor de internet, com proxy e firewall, fica muito ocupado durante todo o dia. Porém durante a noite fica ocioso. Durante este período pode-se utilizar os recursos de hardware desta máquina para rodar relatórios em uma aplicação de banco de dados aproveitando melhor os recursos desta máquina. Dentre todos os aspectos vantajosos citados até o momento, é relevante acrescentar que, com a consolidação de servidores economiza-se espaço físico que era anteriormente ocupado pelos diversos servidores da organização. E ainda, se algum dos sistemas virtuais falharem, por qualquer que seja o motivo, poderá ser reiniciado sem que este afete o funcionamento das outras MVs. Uma das grandes desvantagens da utilização de MVs, é o de que torna-se limitado o desempenho delas por compartilhar recursos de hardware com a máquina hóspede.

12 12 Quando se tem um servidor dedicado a fazer uma tarefa específica e este é consolidado e seus recursos de hardware são compartilhados entre algumas MVs, eventualmente que este servidor deixará de ter o rendimento antes obtido como servidor dedicado. Mas se for analisado com mais ênfase, rapidamente se notará que agora se tem um servidor com diversas funções (servidores consolidados), onde cada um deles esta usando uma pequena percentagem dos componentes físicos desta máquina, e ao mesmo tempo a perda de desempenho é praticamente insignificante se comparado aos benefícios de se ter uma máquina fazendo o serviço de várias. A idéia não é utilizar uma máquina com pouca capacidade de hardware para consolidação de servidores, e sim, distribuir de forma uniforme os serviços dos servidores entre as máquinas disponíveis para um melhor desempenho destas. O que se recomenda para uma ideal consolidação é a aquisição de um servidor mais robusto 3 para que seja possível agregar a este uma maior quantidade de servidores consolidados para que não ocorra uma perda de desempenho por meio deste servidor e venha a prejudicar o sistema de informação da organização. 3 Robusto do ponto de vista físico (hardware), pois como já foi dito neste trabalho, as MVs ocupam espaços físicos nos dispositivos de hardware da máquina hóspede para que as máquinas virtuais sejam executadas. Desta maneira, quanto melhor for esta máquina (podendo até ser um mainframe, como a IBM fez em seus data centers) mais MVs poderão ser executadas simultaneamente sem perca de rendimento.

13 13 4. APLICAÇÕES DAS MÁQUINAS VIRTUAIS As máquinas virtuais podem ser utilizadas em diversos setores das organizações, até mesmo por usuários domésticos. O objetivo desta seção é apontar algumas aplicações para a virtualização ressaltando seus aspectos relevantes e, sempre que possível, apresentando exemplos vivos de organizações que aderiram à utilização da virtualização e suas opiniões acerca dos benefícios trazidos após sua implementação. 4.1 NO ENSINO O uso das máquinas virtuais é amplamente visto em diversas áreas, tanto em setores distintos de TI quanto na sociedade. Pode-se utilizar as MVs em faculdades e/ou em cursos profissionalizantes onde necessita-se ensinar diversos sistemas operacionais. Analisando por essa ótica poderia questionar-se que da mesma maneira poderiam ser instalados vários sistemas operacionais em uma mesma máquina física. Obviamente que sim, sem problema algum. Porém, a implantação das MVs no lugar de várias instalações físicas nas máquinas, acarreta em uma vantagem crucial que a torna uma melhor opção a ser tomada neste caso. É a flexibilidade. Com o uso das MVs pode-se criar uma única máquina virtual e a copiar para as demais, sem que isso interfira no funcionamento delas e sem a necessidade de muitas alterações em suas configurações. Além disso, se por qualquer que seja o problema, pode-se substituir qualquer máquina virtual com um simples copiar e colar. 4.2 CONSOLIDAÇÃO DE SERVIDORES Além dessa aplicação, têm-se exemplos vivos de grandes organizações que aderiram à utilização das máquinas virtuais e no ato economizaram milhões de dólares. É o caso da IBM.

14 14 A IBM anunciou que está substituindo, em seus próprios data centers, milhares de PCs reais por equivalentes virtuais dentro de seus mainframes. Sem o consumo de energia adicional e custo de manutenção, a empresa conseguiu economizar mais de US$ 250 milhões (ULBRICH, 2007). A IBM ainda anunciou que todos os PCs substituídos pela virtualização no mainframe serão reciclados. Segundo dados da Forrester Research com 1770 empresas, 50% dos data centers no mundo são adeptos da virtualização (GANDOLPHO, p. 84, 2007). Esta adesão ocorre devido à economia gerada por essa tecnologia e também pela centralização do trabalho dos gestores e administradores de TI. No Brasil essa tecnologia ainda não se popularizou, somente grandes organizações aderiram a ela. Especialistas prevêem que naturalmente com o passar do tempo, essa tecnologia se popularizará e tomará conta de nosso país [8]. A Microsoft em parceria com a XenSource famosa empresa no ramo de paravirtualização pretendem desenvolver, para a nova versão do Windows Server, um emulador para rodar diferentes sistemas operacionais dentro do Windows, por meio de uma ferramenta da Xen. Isso mostra a incrível expansão global que a virtualização está tomando nesse momento e consolida a idéia de que grandes organizações serão as pioneiras a utilizarem essa tecnologia. Em um artigo divulgado recentemente pela Revista INFO, pesquisas de empresas mundialmente conhecidas mostram claramente os benefícios acerca da economia que a consolidação de servidores pode trazer. Segundo dados do Gartner, um rack que há três anos consumia entre 2 e 3 mil watts de energia, hoje pode chegar a 30 mil watts, dependendo da quantidade de equipamentos empilhados (GANDOLPHO, p.79, 2007). Com essa informação, pode-se estimar que uma empresa de Data Centers, terá como item principal de gastos o consumo de energia. Uma pesquisa da Gartner mostra que 50% dos data centers no mundo não terão capacidade elétrica e de refrigeração suficientes para atender a demanda por novos servidores em 2008 (GANDOLPHO, p. 80, 2007).

15 15 Segundo cálculos de uma empresa de consultoria, The Butler Group, um data center com 250 servidores dual core economizará 4 milhões de dólares, em três anos[4]. Nos próximos anos, o data center que não adotar a prática de virtualização perderá a credibilidade com seus clientes, além de gastos exorbitantes com consumo de energia, manutenção dos equipamentos e, o pior, perda de rendimento em seus servidores. Outro ponto muito relevante, que deve ser ressaltado, é o exemplo da Unisys que virtualizou desktops utilizando apenas um servidor, e do outro lado simples terminais. Com isso ela reduziu custos referentes a equipamentos, pois todo processamento fica centralizado em apenas um servidor e ainda pode impedir a propagação de vírus pela sua intranet local. [ ] A HP consolidou em 40 os antigos 85 data centers espalhados pelo mundo. A intenção é que até 2008 eles passem a ser apenas seis (GANDOLPHO, p.82, 2007). Com isso ela pode reduzir os custos de TI em 1 bilhão de dólares, além de, segundo cálculos do gerente de indústria de telecomunicações da HP, economizar 80 milhões de quilowatts/hora por ano. Mais um bom exemplo a ser comentado é o da LocaWeb, que hoje conta com mais de 100 mil sites hospedados e 1,2 milhões de contas de . Esta empresa especializada em serviços de internet, desde 2004 atua com consolidação de servidores. No ano passado, estruturar seu mais novo data center investiu em virtualização para manter um ambiente enxuto e, assim, não permitindo a ociosidade de equipamentos. O data center abriga 1800 servidores, e a estratégia foi utilizar equipamentos de maior capacidade e menor consumo de energia, com 10 a 20 servidores virtuais dentro de cada máquina (GANDOLPHO, p.84, 2007). Diante dos casos de uso acima apresentados acerca da consolidação de servidores, pode-se sintetizar que uma adequada estruturação planejada de consolidação de servidores em uma empresa de pequeno, médio ou grande porte, efetivamente acarretará em uma economia considerável à organização, além de atender a todos os serviços por esta

16 16 fornecidos de forma eficaz usufruindo consideravelmente dos seus recursos de hardware sem demasias. 4.3 HONEYPOTS E HONEYNETS Uma outra aplicabilidade muito interessante das MVs a ser citada é na área de segurança de TI. Existem ferramentas no mercado que foram criadas com o intuito de servir de cobaia para os hackers. São chamadas de Honeypot. Um honeypot é um recurso computacional de segurança dedicado a ser sondado, atacado ou comprometido (HOEPERS, 2007). As honeypots subdividem-se em dois tipos: de baixa e alta interatividade. As de alta interatividade são compostas de dispositivos físicos como diversos computadores (cada um representando uma honeypot), cada qual com um sistema operacional instalado, munido com suas ferramentas administrativas necessárias variando de um caso para outro. Ainda são compostas de uma máquina dedicada com firewall, mais um outro PC dedicado para armazenamento dos dados coletados pelas honeypots. Além de toda a estrutura física de rede Como já foi bem abordado neste trabalho, fica claro perceber que está infraestrutura computacional irá gerar além de um custo elevado, grandes dificuldades de manutenção para os administradores de TI dessa organização ainda têm-se o espaço físico desperdiçado. Aí fica fácil perceber a utilidade das MVs neste contexto. E é exatamente aqui que elas entram. São as honeypots de baixa interatividade. Nos honeypots de baixa interatividade são criados honeynets, que nada mais são do que um tipo de honeypot, especificamente projetado para pesquisa e obtenção de informações dos invasores (HOEPERS, 2007), onde se pode programar em uma única máquina real um sistema operacional hóspede e após instalar um software de virtualização para que daí em diante sejam criadas as honeypots virtuais.

17 17 Desse modo toda aquela infra-estrutura de diversas máquinas físicas é eliminada dando lugar às honeynets virtuais. Porém esta ainda se subdivide em duas categorias: auto-contenção e híbridas. Na primeira todos os dispositivos presentes na coleta de dados dos invasores, geração de relatórios e o próprio honeypot (implementado em uma máquina virtual) estão presentes em uma única máquina física. Nas honeynets híbridas as honeypots virtuais são programadas em uma única máquina física. As outras ferramentas são implementadas em diferentes dispositivos. Os benefícios das honeynets virtuais são evidentes. Baixo consumo de energia, por utilizar poucas máquinas físicas e conseqüentemente economiza-se muito mais. Deve-se ressaltar que a utilização de honeypots/honeynets deve ser utilizada como um complemento para a segurança da organização, não sendo uma boa decisão utilizá-la sozinha. O principal objetivo dessas ferramentas é a detecção e correção de falhas de segurança. Para auxiliá-los na tomada de decisão de uma possível implementação de um honeypot real ou virtual segue abaixo uma tabela comparativa. Tabela 1 Comparação entre honeypots de alta e baixa interatividade Características Honeypot de baixa Honeypot de alta interatividade interatividade Instalação Fácil Mais difícil Manutenção Fácil Trabalhoso Risco de comprometimento Baixo Alto Obtenção de informações Limitada Extensiva Necessidade de mecanismos de contenção Não Sim Atacante tem acesso ao S.O. real Não (em teoria) Sim Aplicações e serviços oferecidos Emulados Reais Atacante pode comprometer o honeypot Não (em teoria) Sim Fonte: HOEPERS, Diante dessa tabela pode-se abstrair as informações necessárias para qual tomada de decisão seria mais adequada a cada instituição que necessite implementar essas ferramentas.

18 MIGRAÇÃO DE SOFTWARE Neste quesito a virtualização de uma máquina é muito satisfatória. Imagine que uma empresa cresceu e necessite de um software mais robusto, para que atenda as novas dimensões desta empresa. Após várias tentativas, sem sucesso, de implementar um software que parecia se adequar à empresa, não se pode mais perder tempo instalando o sistema no servidor e em todas as estações da empresa. Além de ter perdido muito tempo com isso, todo esse investimento feito sem antes analisar as opções que poderiam ser adotas para uma melhor implementação sem comprometer o seu bolso, foi perdido. Uma das opções, e, neste caso a melhor delas, seria adotar um software de virtualização para que com uma máquina física pudessem ser feitas as devidas instalações tanto do servidor desse novo aplicativo como do servidor de banco de dados dele e ainda uma estação de trabalho para utilizá-lo. Tudo isso em uma única máquina. Assim não comprometeria toda sua empresa, gastando um enorme tempo para toda essa implementação em diversas máquinas reais e ainda com os possíveis problemas inerentes dessa implementação. Os benefícios da virtualização ficam ainda mais claros aqui. Pode-se utilizar as máquinas virtuais em somente algumas máquinas reais dessa empresa para que possam ser feitos os testes no sistema bem como o treinamento por parte do pessoal técnico fica muito mais fácil, rápido e eficaz. Na realidade só será feita uma instalação de máquina virtual (para treinamento), pois as outras serão simplesmente copias dessa. E ainda por qualquer que seja o motivo, todos os problemas que venham a acarretar esse novo sistema à máquina real, não afetaram nem seu antigo sistema que estará rodando em paralelo nem o sistema operacional hóspede dessa máquina virtual.

19 19 5. CONCLUSÃO Diante do exposto, fica fácil afirmar que as máquinas virtuais são uma ótima solução de infra-estrutura de TI para organizações de pequeno ou grande porte. Observado as vantagens e desvantagens aqui apresentadas na implementação de MVs em diversas situações, bem como, em vários modelos organizacionais, ficou claro a grande economia adquirida por parte desta. Foram, também, abordados neste trabalho temas como a diferenciação de emulação e virtualização, esclarecendo de forma clara e objetiva suas principais características e aplicabilidades. Essas servirão não só para organizações, mas também, para qualquer usuário final munido de um microcomputador que necessite de explorar novos sistemas operacionais para aumentar seu conhecimento ou pela necessidade de emular um dispositivo inexistente em seu computador. É relevante ainda ressaltar todos os benefícios trazidos devido à adesão de um software de virtualização ao meio organizacional. O principal deles é a economia de gastos acerca da aquisição de inúmeras máquinas físicas para distribuição de serviços dedicados como servidor de banco de dados, firewall, controladores de domínio entre outros. Toda essa economia devido à consolidação de servidores em apenas uma máquina física virtualizando todas as outras. Além disso, economiza-se muito espaço físico, além da energia gasta com refrigeração de uma grande quantidade de servidores físicos. Outro ponto crucial seria a facilidade de manutenção devido à centralização dos serviços. Em um trabalho apresentado anteriormente com o tema Software Livre na Administração Pública foram expostos diversos fatores acerca da diminuição de gastos com a aquisição desse tipo de software. Com os conceitos e exemplos aqui apresentados ressalta-se mais ainda a utilização dos softwares livres agora em pequenas, médias e grandes empresas (privadas não só na administração pública), com a adesão conjunta de softwares de virtualização para implementação do mesmo.

20 20 6. REFERÊNCIAS [1] ANDRADE, Marcos Tadeu de. Um estudo comparativo sobre as principais ferramentas de virtualização. Pernambuco: UFPE, Centro de Informática, [2] GANDOLPHO, Cibele. Data Center Virtual. Revista Info Exame. São Paulo: Editora Abril, Ano 22, n. 259, p , outubro [3] GREGO, Maurício. A hora dos Smartphones. Revista Info Exame. São Paulo: Editora Abril, Ano 22, n. 257, p , agosto [4] HOEPERS, Cristine; STEDING-JESSEN, Klaus; CHAVES, Marcelo H. P. C. Honeypots e Honeynets: Definições e Aplicações. Disponível em: <http://www.cert.br/docs/whitepapers/honeypots-honeynets/#ref-02>. Acesso em: 11 set [5] INTEL CORPORATION. Virtualização e consolidação corporativas. Disponível em: <http://www.intel.com/portugues/business/technologies/virtualization.htm>. Acesso em: 04 set [6] JUNGBLUT, Airton Luiz. A heterogenia do mundo on-line: algumas reflexões sobre virtualização, comunicação mediada por computador e ciberespaço. Rio Grande do Sul: PUC-RS, [7] MACHADO, Carlos. O VMware multiplica o PC. Revista Info Exame, São Paulo: Editora Abril, Ano 22, n. 256, p , julho [8] MENEZES, Rodrigo de Oliveira. Virtual Server 2005 conhecendo e implementando. Disponível em: <http://www.microsoft.com/brasil/technet/colunas/virtualserver2005.mspx>. Acesso em: 01 nov [9] MOREIRA, Daniela. Virtualização: rode vários sistemas operacionais na mesma máquina. São Paulo. Disponível em: <http://idgnow.uol.com.br/computacao_corporativa/2006/08/01/idgnoticia />. Acesso em: 30 ago [10] ORIGUELA, Marco de Melo. Paravirtualização com o Xen. Disponível em: <http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verartigo.php?codigo=5349>. Acesso em: 10 set [11] STRATTUS SOFTWARE. Virtualização: rode vários sistemas operacionais na mesma máquina. São Paulo, Disponível em: <http://www.strattus.com.br/noticias.asp?codnoticia=14>. Acesso em: 05 set

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópico 33 e 34 Virtualização São Paulo 2009 Virtualização Ao falar em virtualização,

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

EXECUTIVE. Virtualização eficiência sob medida

EXECUTIVE. Virtualização eficiência sob medida EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas Virtualização eficiência sob medida Alta capacidade de processamento em espaço reduzido a custos menores. O conceito reúne todas essas vantagens

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS Igor Lucas Coelho Santos 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência recente em Tecnologia

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM TI UTILIZANDO VIRTUALIZAÇÃO Por: Anderson de Souza Campos Orientador Prof. Nelsom Magalhães Rio de

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Trabalho de Diplomação Felipe Machado da Costa de Andrade 061247 Andre Marcos Silva (Orientador) Trabalho de Diplomação Análise Comparativa

Leia mais

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX *

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * Rodrigo Sacramento de Britto Almeida Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano RESUMO: Assim como os demais softwares livres,

Leia mais

FACULDADE NOVO MILÊNIO. Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER

FACULDADE NOVO MILÊNIO. Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER FACULDADE NOVO MILÊNIO Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER VILA VELHA ES ABRIL DE 2008 Layon Endlich Rodrigues Danilo

Leia mais

CATEGORIAS E TIPOS DE TI

CATEGORIAS E TIPOS DE TI CATEGORIAS E TIPOS DE TI 1 SISTEMAS INFORMÁTICOS 1.1 MAINFRAMES Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

A VIRTUALIZAÇÃO COMO UM INSTRUMENTO DE APOIO À DISPONIBILIDADE DE REDES DE COMPUTADORES

A VIRTUALIZAÇÃO COMO UM INSTRUMENTO DE APOIO À DISPONIBILIDADE DE REDES DE COMPUTADORES XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A VIRTUALIZAÇÃO COMO UM INSTRUMENTO DE APOIO À DISPONIBILIDADE DE REDES DE COMPUTADORES Andrea Martins Cristóvão (UNIP) she_ra@uol.com.br Joao Carlos Nogueira

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Conteúdo Resumo.........................................................1 O papel do SQL Server em pequenas

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01

Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01 Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01 Eduardo Ferreira dos Santos SparkGroup Treinamento e Capacitação em Tecnologia eduardo.edusantos@gmail.com eduardosan.com 13 de Junho de 2013

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Criando um PC virtual

Criando um PC virtual Criando um PC virtual Microsoft Virtual PC Introdução Se você não sabe o que é virtualização de PCs, ou nem tem idéia dos inúmeros benefícios trazidos por essa técnica, recomendo ler esta introdução feita

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido Como fazer Backup Previna-se contra acidentes no disco rígido Vocês já imaginaram se, de uma hora para outra, todo o conteúdo do disco rígido desaparecer? Parece pesadelo? Pois isso não é uma coisa tão

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL?

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? 1 SISTEMAS OPERACIONAIS: FUNDAMENTOS E FUNÇÕES WAGNER DE OLIVEIRA 2 O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware Software especial que

Leia mais

Proposta Técnica: As funcionalidades do Windows 10 e um comparativo com o Linux

Proposta Técnica: As funcionalidades do Windows 10 e um comparativo com o Linux FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão de Tecnologia da Informação Marcello Donizete Caetano da Silva Proposta Técnica: As funcionalidades do Windows 10 e um comparativo com o Linux Profª. Lucília

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Virtualização. Presente e futuro

Virtualização. Presente e futuro Virtualização Presente e futuro O que é virtualização? Virtualização é o processo de executar vários sistemas operacionais em uma única máquina. Cada máquina virtual é um ambiente completo e com todos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda.

Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda. Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda. Juciely de Mesquita Rodrigues jucielyrodrigues@msn.com FCTMT Rodrigo Ronner Tertulino da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Redução de até 35% no custo da infraestrutura da computação no desktop

Redução de até 35% no custo da infraestrutura da computação no desktop Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O G e r a n d o v a l o r d e n e g ó c i o c o m v i r t u a l

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais