Professora conteudista: Joseane Cauduro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora conteudista: Joseane Cauduro"

Transcrição

1 Direito Societário

2 Professora conteudista: Joseane Cauduro

3 Sumário Direito Societário Unidade I 1 INTRODUÇÃO CONCEITOS DE EMPRESA E EMPRESÁRIO REGULARIDADE DO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES E O CONTRATO SOCIAL Elementos do contrato social Requisitos do contrato social...4 PERSONALIDADE JURÍDICA DA SOCIEDADE....1 Da desconsideração da personalidade jurídica DA CLASSIFICAÇÃO DAS SOCIEDADES NO NOVO CÓDIGO CIVIL TIPOS DE SOCIEDADES EMPRESARIAIS Sociedade em nome coletivo Sociedade em comandita simples Sociedade offshore Sociedade anônima Do capital da sociedade anônima Espécies de ações Dos valores mobiliários Da responsabilidade dos acionistas Companhia aberta e companhia fechada Sociedade em comandita por ações Sociedade limitada Da responsabilidade dos sócios Exceções à limitação da responsabilidade dos sócios Da constituição do capital social...16 Unidade II 8 FALÊNCIA DO EMPRESÁRIO OU DA SOCIEDADE EMPRESÁRIA Introdução Definição de falência Abrangência e legislação Empresas excluídas Características da falência Hipóteses legais de caracterização da falência Impontualidade Prática de atos de falência: Artigo 94, III Autofalência FORMAS DE MANIFESTAÇÃO DO DEVEDOR Depósito elisivo...22

4 9.2 Hipóteses elisivas da falência...23 DO JUÍZO FALIMENTAR DA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA FALÊNCIA EFEITOS DA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA FALÊNCIA Efeitos em relação aos direitos dos credores Efeitos em relação à pessoa do falido Efeitos em relação aos bens do falido Efeitos em relação às obrigações e aos contratos do falido PEDIDO DE RESTITUIÇÃO E EMBARGOS DE TERCEIROS INEFICÁCIA DE ATOS PRATICADOS PELO DEVEDOR ANTES DA FALÊNCIA ADMINISTRAÇÃO DA FALÊNCIA VERIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS CLASSIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS LIQUIDAÇÃO DO ATIVO TÉRMINO DA FALÊNCIA...30 RECUPERAÇÃO JUDICIAL Introdução Definição Quem pode requerer a recuperação judicial? Quais os requisitos para seu requerimento? Meios de recuperação da empresa Plano de recuperação judicial Créditos sujeitos à recuperação judicial Créditos excluídos RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL Definição Requisitos Créditos sujeitos à recuperação extrajudicial Créditos excluídos HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL INTERVENÇÃO E LIQUIDIÇÃO EXTRAJUDICIAL DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Definição Quais estão sujeitas à intervenção e/ou à liquidação extrajudicial? Legislação aplicável: INTERVENÇÃO EXTRAJUDICIAL Definição Do Processo de intervenção Cessação do regime de intervenção Artigo 7 o LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL Definição REGIME DE ADMINISTRAÇÃO ESPECIAL TEMPORÁRIA (RAET) TEMAS RELACIONADOS À RESPONSABILIDADE DO CONTADOR NA COMUNICAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS ILÍCITAS ÀS AUTORIDADES COMPETENTES...42

5 DIREITO SOCIETÁRIO Unidade I 1 INTRODUÇÃO 1 O presente livro-texto visa discorrer e analisar sobre alguns temas inerentes ao direito societário. Iniciaremos pela formação das sociedades empresariais, passando pela organização e funcionalidade das mesmas, chegando, em última análise, em uma possível falência, quando estas se encontrarem em estado de insolvência ou, em melhor perspectiva, em uma possível recuperação judicial ou extrajudicial. A matéria aqui estudada é de suma importância para o futuro profissional acadêmico, eis que estamos inseridos dentro de um sistema capitalista, em que se deseja que as sociedades empresariais surjam cada vez mais, permaneçam fortes e, junto delas, possamos progredir como cidadãos e profissionais aptos a trabalhar neste mercado de trabalho, buscando sempre um desenvolvimento sustentável em nossa sociedade. Passamos então a compreender o objeto de nosso estudo que segue. 2 CONCEITOS DE EMPRESA E EMPRESÁRIO O Código Civil de 02 adota a teoria da empresa para regulamentar a atividade empresarial. Assim, a delimitação do objeto do direito comercial deixa de ser os atos do comércio, passando a estudar e regulamentar a atividade empresarial. O Artigo 966 do CC dispõe: Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens e serviços. 1

6 Unidade I Conforme o artigo acima, tem-se que a atividade empresarial exige uma série de requisitos para configurar-se, ou seja: 1 exercício de uma atividade: é a produção de produtos, circulação (comercialização ou intermediação) de bens ou prestações de serviço; atividade econômica: porque visa criar riqueza ou gerar lucro; atividade organizada: por haver nela a articulação de quatro fatores de produção ou circulação. Capital (recursos financeiros) + Mão de obra (trabalhadores) + Insumos (materiais) e tecnologia; que esta atividade econômica organizada seja exercida com profissionalismo ou de forma habitual, pois a prática de atos isolados não caracteriza a empresa. Para que fique demonstrado o profissionalismo citado acima, exigem-se os seguintes pressupostos: habitualidade ou prática continuada de uma série de atos empresariais; 2 pessoalidade por meio da contratação de empregados para produção ou circulação de produtos ou serviços; monopólio de informações pelo empresário sobre condições de uso, qualidade do material ou serviço, defeitos de fabricação etc. Enfim, a empresa é uma atividade econômica unitariamente estruturada ou organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços. Logo, toda atividade empresarial pressupõe o empresário, que poderá ser individual ou coletivo. 30 Empresário é a pessoa natural ou jurídica que exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção e circulação de bens ou serviços. 2

7 DIREITO SOCIETÁRIO 3 REGULARIDADE DO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL Artigo 967, CC: É obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de sua atividade. Dois são os requisitos para que o empresário individual esteja regularizado: inscrever-se no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de sua atividade; não estar legalmente impedido de exercer atividade econômica organizada; por exemplo: o funcionário público não pode exercer atividade empresarial. Na falta de um destes requisitos, o empresário será irregular ou de fato; logo, não poderá ter alguns privilégios legais. 4 FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES E O CONTRATO SOCIAL 1 Artigo 981, CC: Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados. O contrato de sociedade é uma convenção por via da qual duas ou mais pessoas (naturais ou jurídicas) se obrigam a conjugar seus esforços ou recursos ou a contribuir com bens ou serviços para a consecução de um fim comum, ou seja, para o exercício de atividade econômica e a partilha dos resultados. Características do contrato de sociedade: a. plurilateral: duas ou mais pessoas se unem para buscar um objetivo comum; 3

8 Unidade I b. oneroso: os sócios contraem obrigações recíprocas e adquirem direitos; c. consensual: há consentimento das partes para sua formação; d. comutativo: no contrato, ficarão definidas as obrigações e os direitos de cada sócio. 4.1 Elementos do contrato social São elementos imprescindíveis para a configuração do contrato social: 1 2 a. Existência de dois ou mais sócios: não há possibilidade de sociedade unipessoal. Em caso de morte ou desistência de um sócio, excepcionalmente, será permitida a sociedade unipessoal temporariamente. Exemplo: o Artigo 1.033, IV, CC, estipula que se solverá a sociedade por falta de pluralidade de sócios em razão de morte ou renúncia, se não reconstituída pelo sócio remanescente em 180 dias contados da data da redução do quadro societário. b. Formação do capital social: representa o conjunto de bens prometidos por cada sócio para a obtenção do fim comum. O capital social formado pela contribuição de bens que saem do patrimônio particular dos sócios, passando para a sociedade, permanece nominal, na soma declarada no contrato social. c. Participação nos lucros e prejuízos: importante estabelecer a participação de cada sócio no contrato social. d. Cooperação para atingir o fim comum. 4.2 Requisitos do contrato social O contrato social reclama para sua constituição alguns requisitos: 4

9 DIREITO SOCIETÁRIO a. subjetivos: exige que os contratantes tenham capacidade jurídica para praticar atos da vida civil, sob pena de anulabilidade ou nulidade do contrato; b. objetivo: relaciona-se com o objeto social este deverá ser lícito e possível, ou seja, os fins almejados pelos sócios devem ser legais e possíveis, sob pena de nulidade. Exemplo: não é possível criar uma sociedade com objeto social voltado ao jogo do bicho; c. formais: por ser contrato consensual, poderia ser verbal ou escrito; mas, para que a sociedade seja regular, é obrigatório que o contrato seja escrito, pois deverá ser depositado no Registro Público de Empresas Mercantis. Ainda, far-se-ão necessárias outras cláusulas essenciais para sua constituição: 1 a. nome, nacionalidade, estado civil, profissão, residência dos sócios, se pessoas físicas; ou firma ou denominação, nacionalidade e sede dos sócios, se pessoas jurídicas; b. denominação, objeto social e prazo da sociedade; c. capital da sociedade, expresso em moeda corrente; d. quota de cada sócio no capital social e o modo de realizá-la; e. determinar o administrador, bem como seus poderes e atribuições; f. participação de cada sócio nos lucros e perdas; g. existência de sucursal, filial ou agência. 2 PERSONALIDADE JURÍDICA DA SOCIEDADE Com o registro do contrato social Artigo 98, CC, surge a personalidade jurídica, e a sociedade passa a ser pessoa jurídica, suscetível de direitos e obrigações, tendo capacidade, inclusive, contratual, legitimidade processual ativa e passiva

10 Unidade I e responsabilidade civil, podendo, ainda, ser sujeito passivo criminal, por exemplo, em crimes ambientais. A sociedade terá individualidade diversa das pessoas que dela participam, patrimônio próprio, órgãos deliberativos e executivos..1 Da desconsideração da personalidade jurídica Em regra, o patrimônio da sociedade responderá de forma ilimitada pelas obrigações assumidas pela mesma, em vista do princípio da autonomia patrimonial. Ocorre que, às vezes, este princípio dá margem a fraudes. 1 Com intuito de coibi-las, a partir de decisões jurisprudenciais nos EUA, na Inglaterra e na Alemanha, criou-se a teoria da Desconsideração da Personalidade Jurídica, pela qual se autoriza o Poder Judiciário a ignorar a autonomia patrimonial da pessoa jurídica, sempre que ela tiver sido utilizada como expediente para a realização de fraude. A sociedade continuará válida; apenas se desconsidera sua autonomia patrimonial, invadindo o patrimônio particular dos sócios. 6 DA CLASSIFICAÇÃO DAS SOCIEDADES NO NOVO CÓDIGO CIVIL As sociedades poderão ser classificadas de diversas formas: I. Quanto ao fim a que se destinam poderão ser: a. Sociedades simples: são aquelas cuja atividade não será empresarial e organizada, nem visará à produção ou circulação de bens e serviços no mercado. Estas exploram seu objeto social sem empresarialidade. 6

11 DIREITO SOCIETÁRIO Estas devem ser registradas no Registro Civil de Pessoa Jurídica. Exemplos: sociedades de profissionais liberais. b. Sociedades empresariais: há capital e fim lucrativo; estas exercem atividade econômica organizada e devem ser registradas no Registro Público de Empresas Mercantis. Exemplos: sociedade limitada, comandita simples, comandita por ações, sociedade em nome coletivo e sociedades anônimas. II. Quanto à natureza de sua constituição e dissolução: 1 a. Sociedades contratuais: cujo ato constitutivo é o contrato social, exigindo-se unanimidade para sua dissolução. Exemplo: sociedade limitada, comandita simples e em nome coletivo. b. Sociedades institucionais: cujo ato constitutivo é o estatuto social. Estas podem dissolver-se pela decisão da maioria dos sócios. Caso das sociedades anônimas ou comandita por ações. III. Quanto à responsabilidade dos sócios: 2 30 a. Sociedades ilimitadas: quando todos os sócios respondem ilimitadamente pelas obrigações sociais. É o caso da sociedade em nome coletivo. b. Sociedades mistas: uma parcela dos sócios responde ilimitadamente, e outra parcela tem responsabilidade limitada. É o caso da comandita simples, na qual o sócio comanditado responde ilimitadamente, e os sócios comanditários respondem limitadamente, bem como nas comanditas por ações, nas quais os sóciosdiretores têm responsabilidade ilimitada e os demais respondem por suas ações. c. Sociedades limitadas: os sócios respondem limitadamente. Caso das sociedades limitadas e das sociedades anônimas. 7

12 Unidade I IV. Quanto às condições de alienação da participação societária, temos: a. Sociedade de pessoas: em que os sócios têm o direito de vetar o ingresso de estranhos no quadro associativo, uma vez que os sócios foram escolhidos por suas qualidades. Exemplo: sociedade em nome coletivo. b. Sociedades de capitais: em relação às quais vige o princípio da livre circulabilidade da participação societária. Exemplo: sociedade anônima. V. Quanto à personalidade jurídica: 1 a. Sociedade não personificada: as que não arquivaram seus atos constitutivos no registro competente ou arquivaram no registro incorreto. São chamadas de sociedade irregulares. b. Sociedades personificadas: aquelas cujo contrato social ou estatuto social foi arquivado no registro competente. Exemplos: Sociedades Ltda. ou Anônima. Nosso estudo tem como foco principal a análise das sociedades empresariais. 2 7 TIPOS DE SOCIEDADES EMPRESARIAIS 7.1 Sociedade em nome coletivo O Artigo do Código Civil estabelece: Somente pessoas físicas podem tomar parte na sociedade em nome coletivo, respondendo todos os sócios, solidária e ilimitadamente, pelas obrigações sociais. Pelo artigo de lei exposto, pode-se afirmar que nas sociedades em nome coletivo somente poderão ser sócios pessoas físicas, 8

13 DIREITO SOCIETÁRIO ficando excluídas as pessoas jurídicas. Além disso, a principal característica fica no que tange à responsabilidade dos sócios, ou seja, todos responderão de forma solidária entre eles e ilimitada perante terceiros pelas obrigações sociais. A solidariedade dos sócios significa que, caso um sócio não integralize sua participação no capital da sociedade, qualquer outro deverá fazê-lo. Já a responsabilidade ilimitada dos sócios possibilita que, em não havendo patrimônio da empresa para arcar com as obrigações sociais, estes poderão responder com seus patrimônios particulares. 7.2 Sociedade em comandita simples Este tipo de sociedade também apresenta normas no Código Civil, em seu Artigo 1.04, diz: 1 Na sociedade em comandita simples tomam parte sócios de duas categorias: os comanditados, pessoas físicas, responsáveis, solidária e ilimitadamente, pelas obrigações sociais; e os comanditários, obrigados somente pelo valor de suas quotas. Percebe-se que a diferença entre eles está nos direitos e deveres que cada um possui perante a sociedade empresária, bem como em face de terceiros. 2 O sócio comanditado pode administrar, pode gerenciar a sociedade e, por conta disso, ele possui responsabilidade solidária e ilimitada pelas obrigações sociais. Assim, para este tipo de sócio, aplicam-se as mesmas regras da sociedade em nome coletivo. Já o sócio comanditário não pode gerenciar a sociedade empresária; entretanto, sua responsabilidade é limitada ao 9

14 Unidade I valor de suas quotas. Contudo, este sócio poderá fiscalizar a administração da sociedade. Em vista das características existentes que diferenciam a responsabilidade de cada tipo de sócio nas comanditas simples, a lei obriga que sejam definidos no contrato social quem são os sócios comanditados e os comanditários, a fim de aclarar suas respectivas responsabilidades. 7.3 Sociedade offshore 1 Sabe-se que o Brasil é conhecido como o país que possui uma das cargas mais elevadas fiscais do mundo. Conforme o país, a carga fiscal pode ser mais alta ou mais baixa. Por conta disso, países com alta carga fiscal acabam despertando o interesse de pessoas físicas e jurídicas de investirem fora de suas fronteiras. São vários os atrativos, como, por exemplo, impostos reduzidos sobre os rendimentos, isenções fiscais, juros baixos, tudo decorrente da estabilidade da economia, da moeda forte etc. Essas zonas privilegiadas existem em várias partes do globo, tais como: Uruguay, Panamá, Ilhas Cayman, República da Irlanda, sendo estas conhecidas como paraísos fiscais. As sociedades empresárias constituídas nessas zonas privilegiadas chamam-se de sociedade offshore ou offshore company. A tradução de offshore é fora da praia, o que tem sentido próximo da ideia da sociedade, ou seja, sociedade fora de suas fronteiras. 2 Ao contrário do que muitos pensam, este procedimento, de constituir uma sociedade fora de nosso país e enviar dinheiro para lá, é legal e não constitui crime, desde que sejam respeitados todos os regulamentos e normas, tanto do direito internacional quanto dos países que estão envolvidos.

15 DIREITO SOCIETÁRIO 7.4 Sociedade anônima Segundo o Artigo do Código Civil, a sociedade anônima seguirá legislação especial, mais especificamente a Lei das Sociedades Anônimas Lei 6.404/76, bem como suas devidas alterações. A sociedade anônima ou companhia é um tipo de sociedade formada por interesse no capital, e não pelas pessoas envolvidas Do capital da sociedade anônima O fato de a S.A. ser formada pelo interesse no capital nos remete ao Artigo do Código Civil: Na sociedade anônima, o capital se divide em ações. Mas o que são ações? Ações são títulos de investimento representativos de unidades do capital social da sociedade e que conferem aos titulares um regime próprio de direitos e deveres. 1 Estas ações são transferíveis, móveis e, portanto, impessoais, não importando quem seja o seu detentor, podendo, assim, tratar-se de pessoas física ou jurídica. Deste modo, qualquer um pode adquirir ações de uma sociedade anônima ou companhia, pois não importa a pessoa que as detém, visto que a sociedade está reunida pelo capital e não pelas pessoas. Ao adquirir uma ação, a pessoa adquiriu um título de investimento, que representa uma unidade do capital social da companhia e que poderá ser vendido ou transferido a outra pessoa Espécies de ações Dentre as espécies de ações temos as chamadas ordinárias ou comuns, preferenciais e as de gozo ou fruição. 11

16 Unidade I As ações ordinárias ou comuns são aquelas que conferem a plenitude dos direitos sociais aos seus detentores, como, por exemplo, direito à participação nos dividendos e voto nas deliberações da sociedade. 1 As ações preferenciais possuem um regime especial, pois de um lado conferem a seus detentores privilégios na percepção dos dividendos e no reembolso do capital e, por outro lado, sofrem restrições, como, por exemplo, a duração limitada. O estatuto da companhia pode prever o resgate ou a amortização das ações preferenciais. Por fim, as ações de gozo ou fruição conferem aos seus titulares os efeitos de ações já amortizadas. Amortização consiste na antecipação do valor das ações a que teriam direito, mediante a utilização de fundos disponíveis na sociedade, caso ela fosse liquidada. Ainda, poderíamos classificar as ações quanto à forma, de modo que podem ser nominativas ou escriturais. As nominativas são transferíveis por registro no livro próprio da sociedade emissora, enquanto que as escriturais são transferíveis, por lançamento da operação, nos registros da instituição administradora Dos valores mobiliários Valores mobiliários são títulos de investimento que a sociedade anônima emite para obter recursos. Para isso, possui as seguintes modalidades: ações, debêntures e partes beneficiárias. No tocante às ações, já citamos acima. Com o intuito de traçar planos e metas pela companhia, bem como para viabilizá-los, como, por exemplo, aumentar a produção, comprar maquinário etc., a obtenção de recursos é normalmente feita por intermédio de empréstimos. 12

17 DIREITO SOCIETÁRIO 1 Porém, em vez de a companhia obter variados empréstimos a curto prazo e altos juros, ela pode obter um único empréstimo a longo prazo e com juros atraentes, tomados do público em geral, a fim de levantar recursos para a realização de seu planejamento empresarial. Para isso, a companhia emite vários títulos de crédito, que são frações do empréstimo total, todos com valores iguais, com prazo fixo de resgate e a longo prazo. Essas frações de empréstimo total são chamadas de debêntures ou títulos de renda fixa. A vantagem para quem o adquire é que, no prazo fixado, a companhia pagará o valor do certificado com juros, correção monetária e mais alguma vantagem, dependendo do que for estabelecido nas cláusulas contratuais. Portanto, debêntures são títulos nominativos que representam empréstimo público contratado pela empresa. Por fim, temos as chamadas partes beneficiárias, ou seja, títulos de crédito sem valor nominal, emitidos pela companhia e que representam o direito do detentor de auferir uma parcela dos lucros na data de vencimento fixada. Por conta disso, possui o direito de fiscalizar a companhia, sendo, portanto, um credor especial. Podem, ainda, as partes beneficiárias serem convertidas em ações Da responsabilidade dos acionistas 2 A responsabilidade dos acionistas é circunscrita ao preço de emissão das ações por eles subscritas ou adquiridas, ou seja, a responsabilidade dos acionistas é limitada ao valor das ações adquiridas, diferentemente da sociedade em nome coletivo, na qual a responsabilidade dos sócios é ilimitada. 30 Valor de emissão das ações significa o valor pago pelo detentor na época de aquisição. Exemplificando, se o detentor comprou a ação ao valor de R$ 2,00 (dois reais), sua responsabilidade 13

18 Unidade I perante terceiros estará limitada ao valor de R$ 2,00 por ação, independentemente de se a ação da companhia valer R$ 1,00 (um real). Dentre os vários tipos de acionistas existentes numa sociedade anônima temos o chamado acionista controlador. Este acionista não é aquele que detém a maioria do capital social, mas sim o detentor de ações que tem a maioria nas decisões da sociedade e, por conta disso, pode eleger a maioria dos administradores. O resultado disso é que, caso haja abuso de poder do acionista controlador, ele poderá ser responsabilizado por isso Companhia aberta e companhia fechada A companhia será aberta ou fechada caso os valores mobiliários emitidos estejam ou não em negociação no mercado de valores mobiliários. A Lei nº 6.404/76 não exige a negociação efetiva no mercado de valores mobiliários, mas a simples autorização descrita no estatuto da sociedade. 1 Assim, temos que companhia aberta é a sociedade anônima, na qual seu capital social é pulverizado no público e negociado no mercado de valores mobiliários (bolsa de valores) ou fora dele, por intermédio de instituição financeira habilitada. Já a companhia fechada é aquela na qual seu capital social não é negociado nem em bolsa nem fora dela. 7. Sociedade em comandita por ações O Artigo do Código Civil determina: A sociedade em comandita por ações tem capital dividido em ações, regendo-se pelas normas relativas 14

19 DIREITO SOCIETÁRIO à sociedade anônima, sem prejuízo das modificações constantes deste capítulo, e opera sob firma ou denominação. A comandita por ações consiste numa comandita simples, porém com o capital dividido não em quota sociais, mas em ações. Isso significa que a sociedade em comandita por ações é uma sociedade formada pelo capital, e não pelas qualidades dos sócios. 1 Ao contrário da companhia que é regida apenas por lei específica, a comandita por ações é regulada pelo Código Civil em seus Artigos a e também pela Lei das S.A. Por fim, outra característica que difere a companhia e a comandita por ações, nos termos do Artigo do CC, é que apenas o acionista tem qualidade para administrar a sociedade e, sendo diretor, responderá de forma ilimitada pelas obrigações sociais. 7.6 Sociedade limitada A sociedade limitada possui como característica a relativa liberdade de sua estrutura. Esta sociedade poderá ser classificada como de capitais ou de pessoas, dependendo do que for estabelecido no contrato social Da responsabilidade dos sócios Na sociedade limitada, a responsabilidade dos sócios é complexa, pois envolve tanto a responsabilidade solidária quanto a integralização do capital social, bem como a responsabilidade limitada ao valor da quota social perante terceiros. 1

20 Unidade I Se a sociedade empresária não estiver com o capital social integralizado, os sócios são responsáveis solidários até a integralização do capital social. Perante terceiros, os sócios são responsáveis até o limite de suas quotas no capital social. Quotas são quinhões em dinheiro ou bens que cada sócio deve pagar para a formação do capital social Exceções à limitação da responsabilidade dos sócios Há casos em que a responsabilidade limitada dos sócios deixa de existir, como, por exemplo, quando há desconsideração da personalidade jurídica Da constituição do capital social O contrato deste tipo de sociedade pode nascer por escritura particular ou pública. O importante é que conste no contrato social que a responsabilidade dos sócios será limitada ao total do capital social, sob pena de a responsabilidade dos sócios tornar-se ilimitada. 16

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

SOCIEDADES COMERCIAIS

SOCIEDADES COMERCIAIS Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 11 SOCIEDADES COMERCIAIS Sociedade comercial é a pessoa jurídica de direito privado, nãoestatal, que tem por objeto social

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO SOCIEDADES PERSONIFICADAS AULA 04 4.1 TIPOS SOCIETÁRIOS REGISTRO CIVIL DE PESSOAS JURÍDICAS OBJETO REGISTRO PÚBLICO EMPRESAS MERCANTIS SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Capítulo 1 DIREITO EMPRESARIAL... 17 1. Evolução histórica... 17 2. Evolução do Direito Comercial no Brasil... 18 3. Fontes... 21 4. Conceito e autonomia... 22 5. Questões...

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Direito Societário Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Importância do Direito Societário Conhecimento Jurídico como ferramenta para a gestão de negócios

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA.

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA. MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. Vide dicas MDE: Material Didático Estácio. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos

Leia mais

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 11. Roteiro simplificado da Falência... 13

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 11. Roteiro simplificado da Falência... 13 Lei de Falência e Recuperação de Empresas Sumário Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 11 Roteiro simplificado da Falência... 13 Roteiro simplificado da Recuperação Judicial... 15 Resumo

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS.

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS. 1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. As sociedades acompanham a civilização desde o seu primórdio, ainda que não da maneira que conhecemos hoje. As sociedades tiveram o seu gênese no agrupamento

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ 1. CONCEITO DE SOCIEDADE

Leia mais

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS -------------------------------- [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem contem o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição

Leia mais

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições:

3. Adotam-se, para os fins deste capítulo, as seguintes definições: SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre o registro do investimento estrangeiro direto no País, em moeda nacional ou estrangeira, efetuado de forma declaratória e por meio eletrônico

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL B Código: DV 450

PLANO DE ENSINO. Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL B Código: DV 450 PLANO DE ENSINO Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL B Código: DV 450 Pré-requisito: Direito Civil A, B. Carga horária: 90 (noventa) horas aula Créditos: 6 (seis) Natureza: anual Docente: EMENTA Sociedades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais.

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais. AULA XI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PRIVADO: EMPRESARIAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL. 1 Exame de Ordem 2007.3 Prova Prático-Profissional Direito Empresarial. UnB/CESPE OAB

DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL. 1 Exame de Ordem 2007.3 Prova Prático-Profissional Direito Empresarial. UnB/CESPE OAB DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL Um sindicato de trabalhadores SINFO, cuja precípua e efetiva atividade é a de defender os direitos laborais de seus associados resolveu montar, na luta para aumentar

Leia mais

LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ/MF n 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817-0 COMPANHIA ABERTA

LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ/MF n 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817-0 COMPANHIA ABERTA LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ/MF n 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817-0 COMPANHIA ABERTA Senhores Acionistas, Apresentamos, a seguir, a proposta da administração acerca das matérias constantes da ordem do

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que são obrigações As obrigações são instrumentos financeiros que representam um empréstimo contraído junto dos investidores pela entidade

Leia mais

SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL. Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único)

SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL. Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único) Carga Horária Período Semestre (único) SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único) A dicotomia do Direito

Leia mais

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA Introdução A sociedade decorre de um contrato entre pessoas que contribuem com bens e serviços para o exercício de determinada atividade visando a partilha de resultados. A Sociedade

Leia mais

CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS

CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS RENÊ GABRIEL JUNIOR Graduando do Centro Universitário São Camilo - ES INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar o contrato

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor da cota de um fundo de investimento É calculado

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA Teoria geral do direito falimentar. Processo falimentar: Fases do processo de falência. Administração

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA Teoria geral do direito falimentar. Processo falimentar: Fases do processo de falência. Administração

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA. CNPJ...

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA. CNPJ... INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA. CNPJ... Por este instrumento particular e na melhor forma de direito, FULANO DE TAL, brasileiro, natural

Leia mais

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATERIAL DIDÁTICO RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DIREITO COMERCIAL E LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA 3º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO..

Leia mais

SOCIEDADE ANÔNIMA - XI. 1. Noções sobre a evolução histórica:

SOCIEDADE ANÔNIMA - XI. 1. Noções sobre a evolução histórica: SOCIEDADE ANÔNIMA - XI 1. Noções sobre a evolução histórica: - Comumente vamos encontrar nos grandes empreendimentos econômicos, como forma jurídica societária, as sociedades anônimas, as quais têm por

Leia mais

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES:

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES: UNIDADE VI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. PROFª: PAOLA SANTOS TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS

Leia mais

Introdução Legislação 6.404/76 Lei de S.A. Direito Empresarial 10/04/2012 DIREITO EMPRESARIAL. Sociedade Anônima. Professor Thiago Carapetcov

Introdução Legislação 6.404/76 Lei de S.A. Direito Empresarial 10/04/2012 DIREITO EMPRESARIAL. Sociedade Anônima. Professor Thiago Carapetcov Direito Empresarial Professor Thiago Carapetcov DIREITO EMPRESARIAL Sociedade Anônima PROF. THIAGO CARAPETCOV OAB Introdução Legislação 6.404/76 Lei de S.A. Características: Sempre empresária art. 2º 1

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PONTO I

DIREITO EMPRESARIAL PONTO I DIREITO EMPRESARIAL PONTO I a) Objeto, fontes e autonomia do Direito Empresarial. O Direito de Empresa no novo Código Civil. Perfis da empresa. A empresa e a livre iniciativa. Limites ao exercício da empresa.

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA)

MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA) MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA) Pelo presente instrumento particular de constituição de sociedade de advogados comparecem as partes a seguir denominadas:

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

6.3 Competência específica à falência, 64 7 Remuneração, 74

6.3 Competência específica à falência, 64 7 Remuneração, 74 Nota do autor, xxi 1 INSOLVÊNCIA, 1 1 O risco de empreender, 1 2 Obrigação e solução, 3 3 Princípio geral da solvabilidade jurídica, 4 4 Execução coletiva, 7 5 Histórico, 8 2 INSOLVÊNCIA EMPRESÁRIA, 13

Leia mais

Consórcio e SPE. Henrique Rocha JUCERJA, 27/10/2009

Consórcio e SPE. Henrique Rocha JUCERJA, 27/10/2009 Consórcio e SPE Henrique Rocha JUCERJA, 27/10/2009 - Parte 1 - Consórcio Consórcio características básicas Consórcio tem como finalidade um empreendimento determinado (art. 278 LSA) Consórcio não tem personalidade

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

Tipos societários P A U L A F R E I R E 2 0 1 2

Tipos societários P A U L A F R E I R E 2 0 1 2 Tipos societários P A U L A F R E I R E 2 0 1 2 Espécies: empresárias ou simples Sociedade em nome coletivo; Sociedade em comandita simples; Sociedade em comandita por ações. Sociedade limitada; Sociedade

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA AULA 03 3.1 S X SÓCIO A SÓCIO B EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE LEASING NACIONALIDADE NOME EMPRESARIAL EFEITOS LEGITIMIDADE PROCESSUAL TITULARIDADE

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2

DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2 DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2 Índice 1. Títulos de crédito...4 1.1 origem... 4 1.2 O crédito... 4 1.3 Conceito geral dos títulos de crédito... 4 1.4 Características dos títulos de crédito... 4 1.5 independência...

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA LTDA (ME/EPP)??? CNPJ

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA LTDA (ME/EPP)??? CNPJ INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA LTDA (ME/EPP)??? CNPJ, brasileiro, maior, casado sob o regime de comunhão ------- -------de bens, empresário,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial

Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial A maior parte das alterações que ocorrem na vida de uma empresa têm de ser registadas no Registo Comercial. O registo comercial destina-se a

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA EMPRESARIAL NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Telder Andrade Lage Ana Luisa Coelho Perim Fabiano Eustáquio Zica Silva APRESENTAÇÃO O direito empresarial, ramo do direito

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Direito Empresarial A figura do empresário

Direito Empresarial A figura do empresário Direito Empresarial A figura do empresário Olá. Como estão?! Hoje trataremos sobre um tema interessantíssimo (e básico) no direito empresarial. Falaremos sobre a figura do empresário. Vamos brincar? Boa

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA A disciplina busca introduzir o aluno no âmbito do direito societário: abordando a sua evolução

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais