DIREITO SOCIETÁRIO 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO SOCIETÁRIO 1"

Transcrição

1 DIREITO EMPRESARIAL II DIREITO SOCIETÁRIO 1 Apostila elaborada por Denis Domingues Hermida para servir de material de apoio aos alunos da cadeira Direito Empresarial * O conteúdo da presente apostila não afasta a necessidade de leitura, pelo aluno, da bibliografia básica sobre os termos abordados em aula e que fazem parte do conteúdo programático do curso, devendo esta apostila servir tão somente como uma forma de apoio no desenvolvimento dos estudos e pesquisas necessários ao aproveitamento do curso. Não se afasta, também, a existência de entendimentos diversos dos constantes nessa apostila. * As interpretações apresentadas nesta apostila podem conflitar com interpretações adotadas por outros autores. * A presente apostila pode conter erros de digitação, o que impõe o seu conflito com os textos legais. 1 Na elaboração deste resumo constam informações das seguintes obras : Curso de Direito Comercial de Rubens Requião (São Paulo:Editora Saraiva, 25 a edição revista e atualizada, 2003), Direito de Empresa no Novo Código Civil de Láudio Camargo Fabretti (São Paulo: Editora Atlas, 2003), Curso de Direito Comercial de Fábio Ulhoa Coelho (São Paulo: Editora Saraiva, 2004, 8 a edição, revista e atualizada), Novo Código Civil Comentado sob coordenação de Ricardo Fiúza (São Paulo : Saraiva, 1 a edição, 10 a tiragem, 2003) 1

2 I O CONCEITO DE SOCIEDADE - a atividade econômica empresarial pode ser exercida pelo empresário solitariamente (que é denominado empresário individual ou empresário em firma individual ) ou através de sociedades empresárias. a)o conceito de sociedade em contraposição ao conceito de associação - Rubens Requião aponta que o código comercial de 1850 não definiu sociedade comercial. Já o antigo código civil (de 1916) conceituava genericamente, no seu artigo 1.363, que celebram contrato de sociedade as pessoas que mutuamente se obrigam a combinar seus esforços ou recursos, para lograr fins comuns - Importante é que se destaque que o código civil de 1916 não fazia distinção entre sociedade e associação, mesmo porque, a Seção III do Capítulo II de seu livro I é intitulada como Das Sociedades ou Associações civis, utilizando esses dois vocábulos como sinônimos - Se de um lado o termo genérico sociedade nos remete invariavelmente para a existência de união de esforços de um grupo de pessoas para a realização e um fim comum, de outro lado temos que o termo sociedade é utilizado pelo atual código civil com um significado específico, significado esse que deve ser compreendido frente à diferenciação com o instituto da associação. - Fazer a comparação entre sociedade e associação no código civil de 2002 é proceder a análise conjunta do constante dos seus artigos 53 e 981, que abaixo transcrevemos: Art. 53. Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para fins não econômicos. Art Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados 2

3 - Da leitura dos artigos acima transcritos, resta claro que a formação e funcionamento da sociedade e da associação estão baseados na união de esforços entre pessoas para a realização de um fim comum. No entanto, enquanto na associação esse fim é não econômico (isto é, não objetiva lucro, não objetiva ganhar dinheiro para ser dividido entre os sócios mas, sim, fins filantrópicos, culturais, sociais, políticos ou de qualquer outro gênero), na sociedade o fim da união de esforços entre as pessoas é econômico (isto é, a aquisição de lucro para ser repartido entre todos os sócios). - Sociedade é, assim, para o atual código civil, a agregação de pessoas que possuem um objetivo em comum e se reúnem (contribuindo com bens ou serviços) para consegui-lo com menor dificuldade, objetivando um conteúdo econômico. b)espécies de sociedade - As sociedades previstas no direito civil podem ser qualificadas de acordo com a atividade econômica que desenvolvem, surgindo, a partir daí, 2(duas) categorias de sociedade: as sociedades simples e as sociedades empresárias. - Como sociedades, ambas as categorias se enquadram na descrição abstrata do artigo 981 do Código Civil, isto é, ambas são reuniões de pessoas com o objetivo de, contribuindo com bens ou serviços, realizarem uma atividade econômica, isto é, obter lucro através da realização de uma atividade econômica. - O que diferencia essas duas categorias é a atividade econômica que exercem. Faremos a diferenciação entre sociedades simples e sociedades empresárias conceituando esta última. - Sociedade empresária é a espécie de sociedade que explora uma atividade de empresa, isto é, que tem como objeto o exercício de atividade própria de empresário. - Lembremos que o artigo 966 considera empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou de serviços, excluindo, em seu parágrafo único, da condição de empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica ou artística, com ou sem auxiliares ou colaboradores (salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa). 3

4 - Incluem-se como sociedade empresária, independentemente de exercerem ou não atividade empresarial, as sociedades anônimas, por expressa disposição do parágrafo único do artigo 982 do Código Civil ( Independentemente de seu objeto, considera-se empresária a sociedade por ações; e, simples, a cooperativa ). - Dessa forma, sociedade empresária é aquela que exerce atividade econômica de produção ou circulação de bens ou de serviços, atividade essa que não seja o exercício de profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística que não seja elemento de empresa. Por disposição legal (artigo 982 do CC), toda sociedade anônima, independentemente de seu objeto, são sociedades empresárias. - Como exemplo de sociedade empresária, podemos citar 2(duas) pessoas que se unem (com bens ou serviços) para a atividade econômica de produção ou comercialização de roupas. - Outro exemplo que podemos citar é a união de um advogado e um contador para a prestação de serviços de assessoria empresarial (nesse caso, apesar de serem a advocacia e a contabilidade profissões intelectuais de natureza científica, estão sendo exercidas como elemento de uma empresa, que é, no caso, a atividade organizada de assessoria jurídico-contábil a empresas. - Já na categoria de sociedade simples se enquadram todas as sociedades que não exercem atividade econômica típica de empresário. Isto é, todas as sociedades que não forem empresárias são, por exclusão, sociedades simples. Incluem-se na categoria de sociedade simples, por disposição expressa do parágrafo único do artigo 982 do CC, as cooperativas, independentemente de seu objeto. - Como ensina Rubens Requião, o perfil jurídico da sociedade simples se faz por exclusão ou por determinação legal no ritmo do artigo 982 do Código Civil - Como exemplo de sociedade simples, podemos citar 2(dois) advogados que unem seus esforços para a prestação de serviço de advocacia. Como a advocacia é uma profissão intelectual de natureza científica, e não está servindo como elemento de empresa (enquadrando-se no parágrafo único do artigo 966 do CC), a sociedade não é empresária e, portanto, é simples. 4

5 - Essa diferenciação entre sociedade empresária e sociedade simples consta do artigo 982 do Código Civil: Art Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro (art. 967); e, simples, as demais. - A forma como o código civil trata as sociedades simples e empresárias é totalmente compatível com a adoção do sistema italiano de direito comercial que, numa tentativa de unificação do direito obrigacional, não faz diferenciação entre atividades comerciais e civis, mas adota a teoria da empresa como forma de reagrupar as sociedades, destinando tratamento diferenciado a algumas atividades de importância econômica marginal (não empresárias), que são aquelas que constituem as sociedades simples. II A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES - as sociedades podem ser personalizadas e, assim, são pessoas distintas dos sócios, titularizam os seus próprios direitos e obrigações a) Natureza e conceito de pessoa Jurídica - Conceito :a pessoa jurídica é o sujeito de direito inanimado e personalizado. - a natureza jurídica da pessoa jurídica é objeto de várias teorias, destacando-se 2(duas) : a teoria orgânica e a teoria da ficção ou realidade objetiva. - a teoria orgânica defende que a pessoa jurídica tem uma preexistência ao direito. Isto é, para esta teoria, o direito não cria a pessoa jurídica, somente a reconhece. - a teoria da ficção afirma que a pessoa jurídica é criação do direito, não preexistindo ao direito. - Fabio Ulhoa Coelho aponta que a pessoa jurídica não preexiste ao direito, é apenas uma idéia, conhecida dos advogados, juízes e demais membros da comunidade jurídica, que auxilia a composição de interesses ou a solução de conflitos. 5

6 - O sujeito de direito personalizado tem aptidão para a prática de qualquer ato, exceto o expressamente proibido; já o sujeito de direito despersonalizado (do qual são exemplos a massa falida universalidade formada pelos direitos e obrigações de falido - e o espólio - universalidade formada pelos direitos e obrigações de pessoa falecida -) somente pode praticar ato essencial ao cumprimento de sua função ou o expressamente autorizado. - a sociedade personificada empresária e a sociedade personificada simples são, assim, sujeitos de direito, tendo aptidão para a prática de qualquer ato, à exceção daqueles expressamente proibidos pelo direito positivo, possuindo autonomia obrigacional, patrimonial e processual, não se confundido com a pessoa dos seus sócios. b) Quadro geral das pessoas jurídicas - as pessoas jurídicas são divididas em 2(dois) grandes grupos, que são : as pessoas jurídicas de direito público e as pessoas jurídicas de direito privado - o que diferencia esses grupos é o regime jurídico a que se encontram submetidos. Enquanto as pessoas jurídicas de direito público estão submetidas ao regime jurídico de direito público (que tem como fundamental o princípio da supremacia do interesse público; neste regime as normas estabelecem desigualdade nas relações jurídicas, para que o interesse geral prepondere sobre o particular) e, por óbvio, as pessoas jurídicas de direito privado se submetem ao regime jurídico de direito privado (cujos princípios vigentes são os da autonomia da vontade e o da igualdade). - como pessoas jurídicas de direito público, temos as entidades estatais (da administração pública direta e indireta e fundacionais) e as empresas particulares concessionárias de serviços públicos). - como pessoas jurídicas de direito privado, temos as fundações (nas fundações o instituidor destaca do seu patrimônio um ou mais bens e manifesta a vontade no sentido de que os frutos da administração deles sejam empregados na concretização de determinado fim, normalmente de relevância social ou cultural), as associações (a agregação de pessoas que possuem um objetivo em comum e se reúnem para conseguilo com menor dificuldade, objetivando um conteúdo não-econômico) e as sociedades ( agregação de pessoas que possuem um objetivo em comum e se reúnem -contribuindo com bens ou serviços - para consegui-lo com menor dificuldade, objetivando um conteúdo econômico). 6

7 c) Efeitos da personalização - o fato de serem pessoas jurídicas faz com que as sociedades empresária e simples adquiram certas características, quais sejam : - titularidade obrigacional : é sujeito ativo ou passivo de obrigações e direitos. Isto é, as obrigações e direitos da sociedade não se confundem com as obrigações e direitos dos seus sócios - titularidade processual : possui legitimidade para demandar e ser demandada em juízo. Isto é, ser Autora ou Ré em ações judiciais - responsabilidade patrimonial : há separação entre o patrimônio da sociedade e os patrimônios de seus sócios. Respondem pelas obrigações da sociedade, em princípio, apenas os bens sociais (bens da sociedade) - Princípio da autonomia patrimonial : esse princípio tem como base a separação patrimonial entre os bens da sociedade e os bens dos sócios; respondem pelas obrigações da sociedade, em princípio, apenas os bens da sociedade. - Como exceção ao princípio da autonomia patrimonial, temos o instituto da desconsideração da personalidade jurídica que permite que, em casos específicos previstos em lei, os sócios respondam pessoalmente pelas obrigações da sociedade. d) Início e término da personalização das sociedades - Início : a personalização das sociedades empresarial e simples se inicia com o registro do contrato ou estatuto social no registro público competente artigo 45 do Código Civil. - O registro competente para as sociedades simples é o Registro Civil das Pessoas Jurídicas do local de sua sede artigo 998 do Código Civil e artigo do Código Civil. - O registro competente para as sociedades empresárias é o Registro Público das Empresas Mercantis do local de sua sede artigo do Código Civil. 7

8 - Término : através de procedimento dissolutório, que pode ser extrajudicial (por ato dos sócios) ou Judicial (por decisão judicial). O processo dissolutório tem basicamente 2(duas) fases : a liquidação (que visa a solução das pendências negociais da sociedade) e a partilha (que visa distribuir o acervo patrimonial, se houver, aos sócios III CLASSIFICAÇÃO DAS SOCIEDADES - Existem várias classificações para as sociedades, sendo que daremos destaca para as seguintes classificações: a) em sociedades de pessoas e sociedades de capital; b) em sociedades contratuais e sociedades institucionais e c) em sociedades de responsabilidade limitada, de responsabilidade ilimitada e de responsabilidade mista d) em sociedades irregulares e sociedades de fato. a) Sociedades de pessoas e sociedades de capital - essa classificação leva em consideração o grau de dependência da sociedade em relação às qualidades subjetivas dos sócios. - Sociedades de pessoas: são aquelas em que a realização do objeto depende mais dos atributos individuais dos sócios que da contribuição material que eles dão. São sociedades de pessoas: as sociedades em nome coletivo (arts a 1.044/CC), as sociedades em comandita simples (arts a 1.051/CC), em razão de a elas ser aplicável o artigo do CC (aplicação subsidiária em razão do disposto nos artigos e 1.046/CC). - Sociedades de capital: aquelas em que a contribuição material é mais importante que as características subjetivas dos sócios. São exemplos de sociedades de capital : a sociedade anônima (art /CC) e as sociedades em comandita por ações (arts a 1.092/CC). - A sociedade limitada (arts a 1.087/CC) pode ser tanto de pessoas como de capitais, dependendo do que constar no contrato social (ato constitutivo), conforme artigo 1.053/CC. 8

9 b) Sociedades contratuais e sociedades institucionais - essa classificação leva em consideração o regime legal de constituição e dissolução do vínculo societário. - Sociedades contratuais: são constituídas por contrato entre os sócios; são de origem contratual. São sociedades contratuais : a sociedade em nome coletivo, a sociedade em comandita simples e a sociedade limitada. - Sociedades institucionais: também se constituem por manifestação dos sócios, mas não são revestidas de natureza contratual em razão da forma de vinculação que o direito positivo impõe a essas sociedades. São sociedades institucionais: a sociedade anônima e a sociedade em comandita por ações. - As sociedades contratuais são regidas pelo código civil e as sociedades institucionais são regidas pela lei das sociedades anônimas (Lei 6.404/76) c) Sociedades de responsabilidade limitada, de responsabilidade ilimitada e de responsabilidade mista - leva em consideração a limitação ou não da responsabilidade dos sócios em relação às obrigações da sociedade. - em razão da personalização (titularidade obrigacional, legitimidade processual e responsabilidade patrimonial), o patrimônio dos sócios não se confunde com o da sociedade. - responsabilidade subsidiária: enquanto não exaurido o patrimônio social, não se pode cogitar de comprometimento do patrimônio do sócio (benefício de ordem - art /CC), à exceção da hipótese da parte final do artigo 990 do CC. - além de subsidiária, a responsabilidade do sócio pode ser LIMITADA ou ILIMITADA. - é ilimitada a responsabilidade quando os sócios respondem pelas obrigações sociais, sem qualquer limitação, arcando com o valor integral da dívida da sociedade. 9

10 - é limitada quando a responsabilidade quando os sócios respondem pelas obrigações sociais dentro de um limite, relacionado ao valor do investimento que se propuseram a realizar. - sociedades de responsabilidade ilimitada: aquelas em que todos os sócios respondem integralmente pelas obrigações sociais. Exemplo: sociedade em nome coletivo (art.1.039/cc). - sociedades de responsabilidade mista: aquelas em que apenas parte dos sócios responde de forma ilimitada. Ex: sociedade em comandita simples (art /CC) e sociedade em comandita por ações (art /CC). - sociedades de responsabilidade limitada: aquelas em que todos os sócios respondem de forma limitada pelas obrigações sociais. Ex: sociedade limitada (art /CC) e a sociedade anônima. d) Sociedades regulares, sociedades irregulares e sociedades de fato : - Essa classificação leva em consideração o preenchimento das imposições legais para a aquisição, pela sociedade, de personalidade jurídica própria - Sociedades regulares: são aquelas que têm os seus respectivos atos constitutivos devidamente registrados no órgão registral competente, conforme determina os artigos 45 e do CC - Sociedades irregulares: são aquelas que não tem o seu ato constitutivo registrado no órgão registral competente, não adquirindo, assim, personalidade jurídica própria - Sociedades de fato: são aquelas que não possuem sequer um ato constitutivo (contrato social), deixando os sócios de reduzir a escrito seu ajuste - Tanto as sociedades irregulares quanto as sociedades de fato são regidas pelas normas da sociedade em comum, constantes nos artigos 986 a 990 do CC, conforme determina o artigo 986 do CC. 10

11 IV AS SOCIEDADES EM ESPÉCIE - As sociedades dividem-se em sociedades simples e sociedades empresárias - Sociedades simples são aquelas que não exercem atividade empresária, isto é, não se enquadram na atividade econômica empresária conceituada no artigo 966 do CC. As sociedades cooperativas são, por disposição legal (art. 982, parágrafo único,cc), sempre sociedades simples, independentemente de seu objeto - Sociedades empresárias são aquelas que exercem atividade empresária, isto é, que se enquadram na atividade econômica empresária conceituada no artigo 966 do CC. As sociedades por ações (sociedades anônimas e sociedades em comandita por ações) são, por disposição legal (art. 982, parágrafo único, CC), sempre sociedades empresárias, independentemente de seu objeto. Pessoas Jurídicas de Direito Privado Soc.Não personificadas : Associações Fundações Sociedades - Soc. em Comum - soc. em conta de participação personificadas Simples Empresárias Soc. em nome coletivo Soc. em comandita simples Soc. Limitada Soc. em comandita por ações Soc. Anônima 11

12 - O artigo 983 do CC impõe que as sociedades empresárias devem ser constituídas sob um dos tipos previstos nos artigo a 1.092, ou seja : Sociedade em nome coletivo (arts a 1.044), Sociedade em comandita simples (arts a 1.048), Sociedade Limitada (arts a 1.086), Sociedade Anônima (art e 1.089/CC e Lei 6.385/76) ou Sociedade em comandita por ações (arts a 1.092/CC e Lei 6.385/76) - O mesmo artigo 983 do CC também determina que as sociedades simples podem (faculdade) se constituir sob a forma de um dos tipos de sociedades empresárias previstos nos artigos a do CC ou sob a forma própria de sociedade simples - A despeito do campo de estudo do direito comercial se limita à regulação da atividade econômica de natureza empresarial, o estudo da regulamentação sobre as sociedades simples é importante em razão de sua aplicação subsidiária em relação aos diversos tipos de sociedades empresárias, como consta dos artigos 1.040/CC (para a sociedade em nome coletivo), 1.046/CC (para a sociedade em comandita simples) e 1.053/CC (para a sociedade limitada) - Para as sociedades, sejam simples, sejam empresárias, que não têm inscritos os seus atos constitutivos (contrato social) nos órgãos competentes (Junta Comercial para as sociedades empresárias e Cartório de Registro das Pessoas Jurídicas para as sociedades simples), isto é, as sociedades irregulares e as sociedades de fato (vide classificação das sociedades), são regidas pelas regras das Sociedades em comum previstas nos artigos 986 a 990/CC. 1- Sociedades não personificadas - O artigo 45, caput, do CC determina que a existência legal das pessoas jurídicas de direito privado (associações, fundações e sociedades) se inicia com o registro dos respectivos atos constitutivos nos competentes órgãos registrais. - Para as associações e fundações o órgão competente para o registro dos respectivos atos constitutivos no registro civil das pessoas jurídicas. 12

13 - Para sociedades simples a competência é do registro civil das pessoas jurídicas e para as sociedades empresárias o registro público das empresas mercantis (Junta Comercial), conforme artigo do CC. - Uma vez não registrados os atos constitutivos, a sociedade será considerada não personificada e será regido pelas regras inerentes à Sociedade em Comum (arts. 986 a 990 do CC). - As sociedades em conta de participação também são consideradas sociedades não personificadas e regidas por regras específicas constantes dos artigos 991 a 996 do CC. a) Sociedade em comum - Enquanto não inscritos seus atos constitutivos no registro próprio, a sociedade não adquire personalidade jurídica e será regida pelas disposições referentes à sociedade de fato denominada pelo CC de sociedade em comum (art.986/cc). - Não estando a sociedade personificada juridicamente, ela não tem capacidade jurídica para adquirir direitos e assumir obrigações, não sendo, portanto, uma pessoa jurídica e, conseqüentemente, não lhe é aplicável a autonomia patrimonial, isto é, não é possível separar o patrimônio da sociedade do patrimônio particular dos sócios. - Prova da existência da sociedade: os sócios, entre si ou em relação a terceiros, só pode fazer prova da existência da sociedade através de documento escrito. Já terceiros podem fazer prova da existência da sociedade por qualquer forma (por escrito ou por provas orais) art. 987 do CC. - Titularidade dos bens e dívidas: os sócios são considerados titulares dos bens destinados à atividade da sociedade e das dívidas contraídas pela sociedade art. 989 do CC. - Responsabilidade dos sócios pelas dívidas da sociedade: - os bens sociais (bens destinados ao exercício da atividade econômica) respondem pelos atos de gestão (atos de gerir a atividade, atos que tem por objetivo que a sociedade exerça os seus objetivos) de qualquer dos sócios; 13

14 - benefício de ordem art /CC os bens pessoais dos sócios só responderão pelas dívidas da sociedade em comum se os bens sociais não forem suficientes para garantir toda a dívida. - Exceção ao benefício de ordem art. 990, parte final, do CC o sócio que pactuou contratos pela sociedade se responsabilizará pessoalmente pela dívida independentemente de prévia verificação de capacidade dos bens sociais de suprir a dívida. - Todos os sócios respondem solidária (qualquer um pode ser demandado por todo o valor da dívida) e ilimitadamente (sem qualquer limitação de valor) pelas dívidas (obrigações) da sociedade, se os bens sociais não forem suficientes para cumprir a dívida (benefício de ordem) art.990/cc. - Já o sócio que contratou pela sociedade não terá sequer o benefício de ordem (art /CC), podendo ter diretamente consumido o seu patrimônio particular para o pagamento de dívida (obrigação) da sociedade. - A administração da sociedade é comum a todos os sócios, mas podem os sócios pactuar expressamente limitação de poderes a algum ou a vários sócios. Os bens da sociedade respondem pelas obrigações contraídas com afronta à limitação de poderes, desde que o terceiro contratante conheça tal limitação ou deva conhecela. Se o terceiro conhecia a limitação de poderes e assim mesmo pactou o contrato com afronta a essa limitação (isto é, o sócio contratante não tinha o poder de contratar pela sociedade), somente o sócio que contratou será responsável pela dívida, não podendo o terceiro atingir os bens sociais da sociedade ou os bens pessoais dos demais sócios art. 989 /CC. 14

15 SOCIEDADE EM COMUM Sem registro do ato constitutivo (art. 986) BENS E DÍVIDAS REGRA : os sócios são TITULARES em comum (são coproprietários dos bens e co-responsáveis pelas dívidas) art. 988/CC Exceção:dívidas contraídas com afronta à expressa limitação de poderes e em que o terceiro que contratou tinha ou deveria ter conhecimento da limitação art. 989 do CC Dívida Responsabilidade direta do OU Bens da sociedade respondem Sócio que contratou pela pela dívida (art e 990/CC) Sociedade (art. 990, parte final, do CC) Opção do credor Se bens da sociedade forem insuficientes Responsabilidade solidária e ilimitada de todos os sócios podem ser responsabilizados com os patrimônios pessoais por toda a dívida e sem limitação de valor (art. 999, parte final, do CC) 15

16 b) Sociedade em conta de participação - é também uma das espécies de sociedade não personificada - é caracterizada por um contrato de participação (que independe de qualquer formalidade e pode provar-se por todos os meios de prova admitidos em direito art. 992) que vincula o sócio ostensivo e o sócio participante - sócio ostensivo : - é aquele que se apresenta ao mercado, regularmente estabelecido, inscrito no registro público e repartições competentes na forma da lei e com documentos livros contáveis e fiscais. Isto é, é o sócio que exerce o objeto social (o objetivo, a finalidade, a atividade econômica) da sociedade em seu nome individual e sob sua própria e exclusiva responsabilidade. - o sócio ostensivo é aquele que realiza todos os negócios ligados à atividade, em seu próprio nome, respondendo por eles de forma pessoal e ilimitada - sócio participante : - são investidores. Investem na atividade econômica exercida pelo sócio ostensivo, mas não exercem a referida atividade econômica, não podendo tomar parte nas relações entre o sócio ostensivo e terceiros. - perante terceiros que contratam com o sócio ostensivo, o sócio participante não aparece, sendo somente um investidor na exploração da atividade econômica - Objeto da sociedade : o sócio ostensivo tem contrato (art. 992/CC) com o sócio participante pelo qual este (o sócio participante) se obriga a prestar determinada soma a serem empregadas na atividade econômica do sócio ostensivo e, em contrapartida, o sócio participante é credor em eventual resultado positivo (lucro) da atividade econômica do sócio ostensivo - Características do contrato : - natureza secreta : o ato constititivo (contrato de participação) não precisa ser levado a registro (art. 992/CC) - contrato de participação pode ser provado por qualquer meio de prova admitido em direito (art. 992/CC) 16

17 - contrato de participação produz efeito somente entre os sócios (art. 992/CC) - Eventual registro do contrato de participação em qualquer órgão registral não confere personalidade jurídica à sociedade, que será sempre despersonificada (art. 993/CC) - Responsabilidades dos sócios : - Sócio Ostensivo : tem responsabilidade pessoal e ilimitada em relação a terceiros art. 991/CC - Sócio Participante : obriga-se exclusivamente com o sócio ostensivo, na forma prevista no contrato de participação. Não tem responsabilidade em relação a terceiros art.991, parágrafo único, do CC - Exceção : o sócio participante não pode tomar parte nas relações do sócio ostensivo com terceiros. Mas, se tomar parte nessas relações (interferindo de qualquer forma perante terceiros) passa a responder solidariamente com o sócio ostensivo em face das obrigações contraídas em razão de tal relação com terceiro art. 993, par. único, CC - Salvo se houver previsão diferente no contrato de participação, o sócio ostensivo não poderá admitir novo sócio sem o consentimento expresso dos demais sócios participantes art. 996/CC. - na hipótese de eventual omissão, aplica-se às sociedades em conta de participação as normas jurídicas destinadas às sociedades simples, naquilo em que com ela for compatível. Isto é, para determinada matéria referente às sociedades em conta de participação que não possuir regra específica nos artigos 991 a 996 do CC (capítulo destinado às sociedades em conta de participação), vai se aplicar o constante nos artigos 997 a do CC (capítulo destinado às sociedades simples), desde que não incompatível com as normas específicas à sociedade em conta de participação art. 996/CC. - Patrimônio da sociedade em conta de participação: na forma do artigo 994 do CC, a contribuição do sócio participante, com a contribuição do sócio ostensivo, constitui patrimônio especial (que é objeto da conta de participação relativa aos 17

18 negócios da sociedade), sendo certo que esta especialização do patrimônio produz efeitos somente em relação aos sócios, não a terceiros - Falência dos sócios : - do sócio ostensivo : acarretará a dissolução da sociedade em conta de participação com a liquidação (comparação entre o ativo e o passivo a fim de se verificar se há alguma sobra) da conta, sendo que em havendo algum saldo na liquidação, este se constituirá em crédito quirografário (isto é, crédito simples, sem preferência no juízo de falência) art. 994, par. 2 o, CC - do sócio participante : contrato social fica sujeito às normas que regulam os efeitos da falência nos contratos bilaterais do falido art. 994, par. 3 o, CC - Dissolução : liquidação pela medida judicial de prestação de contas (arts. 914 a 919 do Código de Processo Civil) e não por ação de dissolução de sociedade - Nome : a sociedade em conta de participação não possui nome empresarial 2 As sociedades Personificadas - As sociedades personificadas são aquelas que têm os seus respectivos atos constitutivos registrados nos competentes órgãos registrais. - O artigo 45, caput, do CC determina que a existência legal das pessoas jurídicas de direito privado (associações, fundações e sociedades) se inicia com o registro dos respectivos atos constitutivos nos competentes órgãos registrais. 18

19 - Uma vez personificada (isto é, uma vez sendo pessoa jurídica), aplicam-se às sociedades as características de : - titularidade obrigacional : é sujeito ativo ou passivo de obrigações e direitos. Isto é, as obrigações e direitos da sociedade não se confundem com as obrigações e direitos dos seus sócios. - titularidade processual : possui legitimidade para demandar e ser demandada em juízo. Isto é, ser Autora ou Ré em ações judiciais. - responsabilidade patrimonial : há separação entre o patrimônio da sociedade e os patrimônios de seus sócios. Respondem pelas obrigações da sociedade, em princípio, apenas os bens sociais (bens da sociedade). - Para sociedades simples (aquelas que não tem como finalidade o exercício de atividade empresária nos moldes do artigo 966 do CC e as sociedades cooperativas independentemente de seus objetivos, conforme determina o artigo 982, caput e parágrafo único) a competência é do registro civil das pessoas jurídicas. - Para as sociedades empresárias (aquelas que tem como finalidade o exercício de atividade empresária nos moldes do artigo 966 do CC e as sociedades por ações independentemente de seus objetos, também conforme determina o artigo 982 do CC), a competência é do registro público das empresas mercantis (Junta Comercial), conforme artigo do CC. - Como determina o artigo 983 do CC, a sociedade empresária deve constituir-se, necessariamente, sob uma das formas (tipos) previstos nos artigos a 1.092/CC, isto é : sociedade em nome coletivo, sociedade em comandita simples, sociedade limitada, sociedade anônima ou sociedade em comandita por ações. Trata-se de rol taxativo (não exemplificativo), não havendo como se cogitar na existência de sociedade empresária personificada sob forma diferente das acima citadas. 19

20 2.1) SOCIEDADE SIMPLES a) Conceito - é uma categoria de sociedade. - Sociedade é, conforme artigo 981 do Código Civil, a agregação de pessoas que possuem um objetivo em comum, de conteúdo econômico e se reúnem (contribuindo com bens ou serviços) para alcançá-lo com menor dificuldade. - como já vimos, as sociedades personalizadas (que possuem personalidade jurídica, conforme artigo 45, caput, do Código Civil) dividem-se em 2(duas) categorias, as sociedades simples e as sociedades empresárias. - as sociedades empresárias são aquelas que, conforme artigo 982 do Código Civil, têm como objeto o exercício de uma atividade típica de empresário sujeito a registro, isto é, atividade econômica profissional de produção ou circulação de bens ou serviços (excetuando-se o exercício de atividades profissionais intelectuais, de natureza científica, literária ou artística, desde que o exercício da profissão n ao constitua elemento de empresa) artigo 966, caput e parágrafo único, do CC. Ressalte-se que, independentemente do objeto, as sociedades por ações (sociedade anônima e sociedade em comandita por ações) são, por determinação legal (art. 982, parágrafo único, do CC), sempre empresárias. - Já as sociedades simples são, por exclusão, todas as sociedades personalizadas que não se enquadrarem no conceito de sociedades empresárias artigo 982, caput, parte final, do CC. - Por determinação legal (art.982, parágrafo único, do CC), todas as cooperativas (aquelas criadas por pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou sérvios para o exercício de uma atividade de proveito comum e sem objetivo de lucro, havendo, na realidade o proveito comum resultante do esforço solidário dos cooperados Lei 5.764/71, art. 3 o ) são sociedades simples. b) Forma de constituição - As sociedades simples se constituem através de contrato escrito, sob a forma particular ou pública. Exige-se, assim, uma constituição formal art. 997/CC - o contrato social (ato constitutivo da sociedade simples) tem, conforme parte final do caput do artigo 997 do CC, o seguinte conteúdo obrigatório: 20

21 - se os sócios forem pessoas físicas: nome, nacionalidade, estado civil, profissão e residência dos sócios; - se os sócios forem pessoas jurídicas: a firma ou denominação, nacionalidade e sede; - denominação, sede e prazo da sociedade; - capital da sociedade, expresso em moeda corrente; - a quota de cada sócio no capital social, e o modo de realizá-la (forma de integralização, de pagamento de sua participação societária); - as prestações a que se obriga o sócio, cuja contribuição consista em serviços; - as pessoas naturais (físicas) incumbidas da administração da sociedade, e seus poderes e atribuições; - participação de cada sócio nos lucros e nas perdas (o art do CC determina que é nula a cláusula que exclua qualquer sócio de participar dos lucros e das perdas); - se os sócios respondem, ou não, subsidiariamente (vide art /CC), pelas obrigações sociais. - vinculação ao contrato social: o artigo 997, parágrafo único, do CC determina que não gera efeitos em relação a terceiros qualquer pacto separado que seja contrário ao disposto no instrumento de contrato. - o ato constitutivo (contrato social) deve ser levado a registro, no prazo de 30(trinta) dias a partir da data de sua constituição, no Registro Civil das Pessoas Jurídicas do local da sede da sociedade art. 998, caput, do CC. sobre as conseqüências do registro fora do prazo, analisar o item III - O Registro dos Empresários na apostila de Direito Empresarial I. - Se a sociedade simples também instituir sucursal, filial ou agência na circunscrição de outro Registro Civil das Pessoas Jurídicas, deverá também proceder ao registro da filial (sucursal ou agência) no Registro Civil das Pessoas Jurídicas do local onde se encontra estabelecida a filial art.1.000/cc Sempre constituição de filial (sucursal ou agência) deve ser averbada no Registro Civil da sede da sociedade art , parágrafo único, do CC. 21

22 b) Forma clássica x adoção de forma de um dos tipos de sociedade empresária: - o artigo 983 do CC permite que a sociedade simples se constitua em conformidade com um dos tipos de sociedades empresárias (sociedade em nome coletivo, sociedade limitada, sociedade em comandita simples, sociedade anônima e sociedades por ações) ou mantenha a forma clássica de sociedade simples (disciplinada pelos artigos 997 a do CC). - se a sociedade simples optar por se constituir sob a forma de um dos tipos de sociedade empresária, então deverá subordinar-se às regras que são próprias ao tipo que escolheu. - independentemente da forma como se constituir, o contrato social deverá ser sempre registrado no Registro Civil das Pessoas Jurídicas do local de sua sede art. 998/CC há, entretanto, opiniões no sentido de que, adotando a forma de um dos tipos de sociedade empresária, o registro deveria ser procedido no Registro Público das Empresas Mercantis. c) Modificação no contrato social - Quorum: art. 999/CC - para as modificações que tenham por objetivo matéria indicado no artigo 997/CC, deve haver consentimento (concordância) de todos os sócios - para demais modificações, é necessária maioria absoluta de votos (art.1.010, par. 1 o, CC -> para a formação da maioria absoluta são necessários votos correspondentes a mais de metade do capital), salvo se o contrato social determinar a necessidade de concordância da unanimidade dos sócios; - Formalidade das modificações: todas modificação no contrato social deverá ser averbada no registro da sociedade, também no prazo de 30(trinta) dias a partir da data de realização da alteração art. 999, parágrafo único, do CC. 22

23 d) Direitos e Obrigações dos sócios: - Obrigações: as obrigações dos sócios iniciam-se imediatamente com a assinatura do contrato social (se o contrato social não fixar outra data) e terminam quando, liquidada a sociedade (arts a 1.038/CC), se extinguirem as responsabilidades sociais art.1.001/cc. - Cessão das quotas sociais: para que se realize a cessão, total ou parcial, das quotas sociais, deve haver o consentimento de todos os sócios e a correspondente modificação do contrato social, com a averbação no registro art e 999, parágrafo único, ambos do CC. - Responsabilidade do sócio cessionário de quotas: o sócio cedente responde solidariamente com o cessionário pelas obrigações que tinha como sócio, perante a sociedade e terceiros, por até dois anos a partir da averbação da modificação contratual art , parágrafo único, do CC. - Contribuição do sócio: o sócio pode contribuir com capital ou com serviço (conforme se extrai dos artigos e do CC), com as seguintes características: - o sócio que, com o objetivo de integralizar (pagar) as quotas que subscreveu (quotas a que se comprometeu o sócio a adquirir) no contrato social, transmitiu à sociedade o domínio (propriedade), a posse ou o uso de um bem, responde pela evicção (isto é, pela perda do direito sobre o imóvel por motivo fundado em ato anterior à transmissão desse direito à sociedade) art /CC - o sócio que, com o objetivo de integralizar as quotas que subscreveu no contrato social, cede crédito de que é possuidor, responde pela solvência do devedor (se o devedor do crédito que foi transmitido não possuir bens para responder pela obrigação, então o sócio que cedeu tal crédito é responsável pelo valor do crédito cedido) art , parte final, do CC - o sócio cuja contribuição consista em serviços, não pode, salvo previsão em contrário no contrato social, empregar-se em atividade estranha à sociedade, sob pena de ser privado de seus lucros e de ser excluído da sociedade art /CC 23

24 e) Não cumprimento da obrigação pelo sócio - Caso o sócio não cumpra com a obrigação estabelecida no contrato social, deverá a sociedade notifica-lo, sendo que, deixando de cumprir a obrigação nos trinta (30) dias seguintes à notificação, o sócio responderá perante a sociedade pelo dano ocorrido em razão da mora art.1.004/cc. -Verificada a mora (isto é, o não cumprimento da obrigação pelo sócio no prazo de 30 dias a partir da notificação), poderá a maioria dos demais sócios preferir, ao invés da indenização prevista no artigo 1.004/CC, a exclusão do sócio remisso (sócio em mora) ou reduzir as suas quotas ao montante já realizado (reduzir à quantidade de obrigação que o sócio já cumpriu), aplicando-se a correspondente redução do capital social da sociedade, salvo se os demais sócios suprirem o valor da quota (conforme art , par. 1 o, CC). f) Participação do sócio - o sócio participa dos lucros e das perdas na proporção de suas respectivas quotas, salvo previsão diferente no contrato social art , parte inicial, do CC Ex. o sócio que é detentor de metade das quotas sociais terá direito à 50% dos lucros. - o sócio cuja contribuição consista em serviços somente participa dos lucros na proporção da média do valor das quotas,salvo previsão diferente no contrato social art.1.007, parte final,do CC Ex.: Numa sociedade de 4 sócios, com 3 sócios capitalistas e 1 sócio de serviços, em que o sócio A tem direito a 60% dos lucros, o sócio B tem direito a 30% e o sócio C a 10%, o sócio de serviços, quando único,deverá receber 33,33% dos lucros distribuídos ( / 3 = 33,33), cuja participação deverá ser debitada, também proporcionalmente, do quinhão dos demais sócios. - Previsão em contrário no contrato social é capaz de afastar as regras constantes no artigo 1.007/CC, no entanto, conforme artigo 1.088/CC, é nula a estipulação contratual que exclua qualquer sócio dos lucros e das perdas. 24

25 g) Responsabilidade do sócio pelas obrigações sociais: - se a sociedade simples adotar a forma clássica (isto é, se não optar por se constituir sob um dos tipos de sociedades empresárias) e os bens da sociedade forem insuficientes para cobrir a dívida (ver artigo 1.024/CC, que trata do benefício de ordem), então os sócios respondem pelo saldo (diferença entre o valor total das dívidas e o valor dos bens da sociedade) na proporção em que participem das perdas sociais, salvo se houver, no contrato social, cláusula de responsabilidade solidário (quando, então, qualquer sócio poderá ser cobrado pela totalidade do saldo) art /CC - no entanto, se a sociedade optar por se constituir sob um dos tipos de sociedades empresárias, então aplicar-se-á a regra de responsabilidade típica do tipo que foi escolhido (já que o artigo 983 prevê que a sociedade simples, uma vez optando por se constituir sob a forma de determinado tipo de sociedade empresária, subordina-se às normas que são próprias do tipo escolhido) - Na forma clássica : - o sócio admitido em sociedade já constituída, também é responsável por dívidas da sociedade anteriores à sua admissão, conforme artigo 1.025/CC (vide também a regra constante do parágrafo único do art do CC) - Sendo o sócio devedor de terceira pessoa (credor), o credor poderá: - Requerer que a execução da dívida recaia sobre o valor que couber ao sócio devedor nos lucros da sociedade art.1.026, caput, do CC - requerer a liquidação da quota do devedor, cujo valor será levantado com base na situação patrimonial da sociedade (verificada através de balanço especialmente levantado) na data da liquidação da quota art , parágrafo único, do CC 25

26 g) Administração da sociedade simples - o(s) administrador(es) de uma sociedade simples pode ser ou não sócio. - Observação: caso a sociedade simples opte, na forma da parte final do caput do artigo 983/CC, pela constituição sob a forma de um dos tipos de sociedade empresária, então irá se subordinar às normas que são próprias ao tipo que escolheu. Se, por exemplo, escolheu a forma de sociedade limitada (arts a 1.087/CC),caso não haja permissão expressa no contrato, a administração somente poderá ser feita por sócio (art /CC). - Não especificando de forma diversa o contrato social, a administração da sociedade compete separadamente a cada um dos sócios art /CC. - Quando, em razão de lei ou de contrato social, competir aos sócios, conjuntamente, decidir sobre os negócios da sociedade, então as deliberações (decisões) serão tomadas por maioria de votos, contados segundo o valor das quotas de cada um, com as seguintes peculiaridades: art /CC. - para a formação da maioria absoluta são necessários votos correspondentes a mais de metade do capital social. - se houver empate, então prevalece a vontade do maior número de sócios (isto ocorre porque, por exemplo, 50% do capital social pertence a 1 só sócio e os outros 50% pertencem a 3 sócios. Assim, havendo empate no cômputo da quantidade de capital social, então prevalecerá a vontade da maioria (em termos de quantidade de sócios e não de capital) dos sócios. - se persistir o empate, então a decisão deverá ser dada por um Juiz. - Responde por perdas e danos (indenização), o sócio que, tendo em algum negócio (operação) interesse contrário ao da sociedade, participar da deliberação que aprove o negócio que lhe interessava (contrário aos interesses da sociedade) graças ao seu voto art.1.011/cc. 26

27 - Formalidade da nomeação do Administrador : - a designação do administrador deve ser feita no contrato social (conforme artigo 997, VI, do CC). - no entanto, o artigo 1.012/CC permite também que o administrador seja nomeado através de instrumento em separado (fora do contrato social), devendo o administrador nomeado averbar o instrumento de nomeação à margem da inscrição da sociedade no registro competente, sob pena de responsabilidade do administrador, pessoal e solidária com a sociedade, em relação aos atos praticados antes de requerer a averbação. - Obrigações do Administrador: - averbar o instrumento de nomeação à margem da inscrição da sociedade art do CC. - ter o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios art /CC. - Responde por perdas e danos (indenização) perante a sociedade o administrador que realizar operações, sabendo ou devendo saber que estava agindo em desacordo com a maioria art , parágrafo 2 o, do CC. - Atos do(s) Administrador(es): - No silêncio do contrato social, os administradores podem praticar todos os atos pertinentes à gestão da sociedade art /CC - No que couber (isto é, no que não for incompatível), aplicam-se à atividades dos administradores as normas jurídicas referentes ao contrato de mandato (arts. 653 a 691/CC). 27

28 - Excesso por parte dos Administradores (art , par. único, CC): o excesso por parte dos administradores (praticar atos além daqueles para os quais foram nomeados) somente pode ser oposto em relação a terceiros (afastando, dessa forma, a validade do ato praticado) em uma das seguintes hipóteses: - se a limitação de poderes estiver inscrita ou averbada no registro próprio da sociedade - provando-se que a limitação de poderes era conhecida do terceiro - tratando-se de operação evidentemente estranha aos negócios da sociedade - Multiplicidade de administradores: - Podem existir vários administradores da sociedade, inclusive na hipótese do caput do artigo 1.013/CC (inexistência de previsão quanto a administrador no contrato social, levando à administração de cada sócio separadamente) - Se a administração competir separadamente a vários administradores, cada um pode impugnar operação pretendida por outro, cabendo a decisão aos sócios, por maioria de votos art , parágrafo 1 o, do CC h) Resolução da sociedade em relação a um sócio: - No caso de morte de sócio (art.1.028/cc): será procedida a liquidação da sua quota e destinado o valor respectivo ao espólio (universalidade formada pelos direitos e obrigações deixados pelo falecido), a não ser que : - o contrato social disponha de forma diferente; - os sócios remanescentes optem pela dissolução da sociedade - se, por acordo com os herdeiros, proceda-se a substituição do sócio falecido - Retirada voluntária de qualquer sócio (art /CC): 28

29 - se a sociedade for de prazo determinado: deverá o sócio demonstrar judicialmente a existência de justa causa para a sua retirada voluntária - se a sociedade for de prazo indeterminado: o sócio poderá retirar-se, sem necessidade de demonstração de justa causa, mediante notificação aos demais sócios, com antecedência mínima de 60 dias. - Obs.: Na hipótese de sociedade por prazo indeterminado, os demais sócios poderão, no prazo de 30 dias subseqüentes à notificação, optar pela dissolução da sociedade art , parágrafo único, do CC - Retirada compulsória do sócio (art , par. único, do CC e art /CC): - Hipóteses: mora no cumprimento das obrigações pelo Credor, judicialmente através da demonstração de falta grave do sócio no cumprimento de suas obrigações ou de demonstração de incapacidade superveniente do sócio, se o sócio for declarado falido ou que a sua quota tenha sido liquidada na forma do artigo 1.026, parágrafo único, do CC - Hipótese do artigo 1.004, par. único, do CC : verificada a mora (isto é, o não cumprimento da obrigação pelo sócio no prazo de 30 dias a partir da notificação), poderá a maioria dos demais sócios preferir, ao invés da indenização prevista no artigo 1.004/CC, a exclusão do sócio remisso (sócio em mora) ou reduzir as suas quotas ao montante já realizado (reduzir à quantidade de obrigação que o sócio já cumpriu), aplicando-se a correspondente redução do capital social da sociedade, salvo se os demais sócios suprirem o valor da quota (conforme art , par. 1 o, CC). - Hipótese do artigo 1.030/CC : poderá também ser o sócio excluído judicialmente, mediante iniciativa da maioria dos demais sócios, por falta grave no cumprimento de suas obrigações ou por incapacidade superveniente. - Hipótese do artigo 1.030, par. único, do CC : é considerado excluído o sócio falido e aquele que tiver as suas quotas liquidadas a pedido de credor na forma do artigo 1.026, parágrafo único, do CC. 29

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

SOCIEDADES COMERCIAIS

SOCIEDADES COMERCIAIS Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 11 SOCIEDADES COMERCIAIS Sociedade comercial é a pessoa jurídica de direito privado, nãoestatal, que tem por objeto social

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA Introdução A sociedade decorre de um contrato entre pessoas que contribuem com bens e serviços para o exercício de determinada atividade visando a partilha de resultados. A Sociedade

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Direito Societário Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Importância do Direito Societário Conhecimento Jurídico como ferramenta para a gestão de negócios

Leia mais

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS -------------------------------- [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem contem o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS NOME DO ADVOGADO, brasileiro, divorciado, advogado, inscrito na OAB/BA sob n ------, CPF.: -----------------------, residente e domiciliado nesta

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

Tipos societários P A U L A F R E I R E 2 0 1 2

Tipos societários P A U L A F R E I R E 2 0 1 2 Tipos societários P A U L A F R E I R E 2 0 1 2 Espécies: empresárias ou simples Sociedade em nome coletivo; Sociedade em comandita simples; Sociedade em comandita por ações. Sociedade limitada; Sociedade

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ 1. CONCEITO DE SOCIEDADE

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS.

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS. 1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. As sociedades acompanham a civilização desde o seu primórdio, ainda que não da maneira que conhecemos hoje. As sociedades tiveram o seu gênese no agrupamento

Leia mais

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES:

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES: UNIDADE VI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. PROFª: PAOLA SANTOS TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO SOCIEDADES PERSONIFICADAS AULA 04 4.1 TIPOS SOCIETÁRIOS REGISTRO CIVIL DE PESSOAS JURÍDICAS OBJETO REGISTRO PÚBLICO EMPRESAS MERCANTIS SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico:

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico: SOCIEDADE LIMITADA - X 1. Histórico e regime jurídico: - Chamada anteriormente de sociedade por quotas de responsabilidade limitada, a sociedade limitada surgiu por atos legislativos, em atendimento aos

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM A SOCIEDADE SIMPLES PABLO ROGER DE ANDRADE Administração 6º período Disciplina Direito Empresarial Professor Douglas BETIM 2010 A luta pela existência é a lei suprema de

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA EMPRESARIAL NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Telder Andrade Lage Ana Luisa Coelho Perim Fabiano Eustáquio Zica Silva APRESENTAÇÃO O direito empresarial, ramo do direito

Leia mais

Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada*

Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada* Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada* A maioria esmagadora dos municípios seguindo o modelo equivocado da legislação paulistana, Lei n 13.701/2003, somente permite a tributação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA)

MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA) MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA) Pelo presente instrumento particular de constituição de sociedade de advogados comparecem as partes a seguir denominadas:

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há vários tipos de estruturas societárias possíveis; Análise da realidade de cada empresa; Objetivos dos

Leia mais

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES]

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES] ... ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Sociedades. Feedback aula anterior: 26/10/2010

Sociedades. Feedback aula anterior: 26/10/2010 Prof. Thiago Gomes Sociedades Feedback aula anterior: Quais são os tipos societários que uma sociedade pode adotar? Adoção de tipo societário na sociedade simples/empresária Sociedade em nome coletivo

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA PROJETO DE LEI 4.138/2012 ADVOGADO PROFISSIONAL INDIVIDUAL ALTERAÇÃO NECESSÁRIA. Alteração legislativa que diminuirá a informalidade e a sonegação fiscal. Criação de novos empregos e formalização

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

1. Legislação empresarial:

1. Legislação empresarial: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Legislação empresarial PONTO 2: Conceitos de Direito Empresarial PONTO 3: Excluídos do Regime Jurídico Empresarial PONTO 4: Espécies de Empresário PONTO 5: Gênero de Sociedades

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Prof. Nelton T. Pellizzoni : Mestrando em Direitos Difusos, Universidade Metropolitana de Santos; Especialista em Direito Civil, Comercial

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Elaboração e Modalidades de contratos

Elaboração e Modalidades de contratos Elaboração e Modalidades de contratos Dra. Sabrina Moreira Batista Advogada especialista em Direito Tributário, sócia do escritório Batista Silva Freire Advogados, Assessora Jurídica do CRN/5 e do Corecon/Ba.

Leia mais

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br Apresentação - objetivo Verificação legislações (societária e concorrencial) Comparação das legislações

Leia mais

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA AULA 03 3.1 S X SÓCIO A SÓCIO B EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE LEASING NACIONALIDADE NOME EMPRESARIAL EFEITOS LEGITIMIDADE PROCESSUAL TITULARIDADE

Leia mais

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para

Leia mais

Se gostar, deixe um comentário, marque os amigos, compartilhe! Sigam o nosso Periscope para aulas diárias: @gabrielrabelo87 RESUMO DIREITO SOCIETÁRIO

Se gostar, deixe um comentário, marque os amigos, compartilhe! Sigam o nosso Periscope para aulas diárias: @gabrielrabelo87 RESUMO DIREITO SOCIETÁRIO Olá, pessoal! Tudo bem? A seguir, um pequeno resumo da parte de direito societário! Servirá para aqueles que estão estudando para Exame da OAB, concurso da área jurídica, fiscal, policial, etc. Se gostar,

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial.

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Empresarial / Aula 14 Professor: Thiago Carapetcov Conteúdo: - Falência: Efeitos da sentença em relação aos contratos. Falido e bens. Sentença Positiva - Decretação

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL O QUE É?

ESTATUTO SOCIAL O QUE É? ESTATUTO SOCIAL O QUE É? O Estatuto Social é o documento que constitui a Empresa Júnior como associação civil, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos. É o Estatuto que traz a EJ para o

Leia mais

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

Direito Empresarial Elisabete Vido

Direito Empresarial Elisabete Vido Direito Empresarial Elisabete Vido 1.Na transferência do estabelecimento empresarial, é correto afirmar que: a)desde que determinado no contrato, as partes poderão acordar que a transferência não importará

Leia mais

CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS

CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS RENÊ GABRIEL JUNIOR Graduando do Centro Universitário São Camilo - ES INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar o contrato

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

TERCEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL DA SOCIEDADE: AVANTI EVENTOS LTDA CNPJ/MF N.º 05.565.240/0001-57 NIRE 412.0497127-0 folha 1 de 6

TERCEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL DA SOCIEDADE: AVANTI EVENTOS LTDA CNPJ/MF N.º 05.565.240/0001-57 NIRE 412.0497127-0 folha 1 de 6 folha 1 de 6 Os abaixo identificados e qualificados: 1) MARILIA SANTOS MAIA, brasileira, viúva, empresária, inscrita no CPF/MF sob n o 605.877.769-00, portadora da carteira de identidade RG nº. 874.820-0

Leia mais

Direito Empresarial A figura do empresário

Direito Empresarial A figura do empresário Direito Empresarial A figura do empresário Olá. Como estão?! Hoje trataremos sobre um tema interessantíssimo (e básico) no direito empresarial. Falaremos sobre a figura do empresário. Vamos brincar? Boa

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Emolumentos 80621 O delegatário abstém-se de cobrar emolumentos para o registro dos atos constitutivos, como atas, estatutos, etc., das entidades sem fins lucrativos? 80622 O delegatário abstém-se

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES EM FUNDAÇÕES Kelly Schmitz * RESUMO

A TRANSFORMAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES EM FUNDAÇÕES Kelly Schmitz * RESUMO A TRANSFORMAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES EM FUNDAÇÕES Kelly Schmitz * RESUMO A pessoa jurídica de direito público está exposta na parte geral do Novo Código Civil, que entrou em vigor em janeiro de 2002. As pessoas

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br As sociedades de advogados e demais sociedades de prestação de serviços no novo Código Civil Dilson França Lange* 1)INTRODUÇÃO O articulista, em qualquer campo do conhecimento humano,

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Registro de Empresa Obrigações aos Empresários São obrigações dos empresários: a) Seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA COM CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS DE SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

CONTRATO DE COMPRA E VENDA COM CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS DE SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 1 CONTRATO DE COMPRA E VENDA COM CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS DE SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA I PARTES: a) Sócia 2, doravante denominada simplesmente PROMITENTE VENDEDOR CEDENTE;

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA A disciplina busca introduzir o aluno no âmbito do direito societário: abordando a sua evolução

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) A EIRELI é uma nova forma de pessoa jurídica composta por uma só pessoa física. Os primórdios das pessoas jurídicas sempre estiveram ligados à ideia

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. ATIVIDADE EMPRESARIAL X ATIVIDADE NÃO EMPRESARIAL O CC/02 adota

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO?

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez. 2013 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Hellen Caroline Ordones Nery Bucair 1 INTRODUÇÃO O empresário individual,

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO I. EMPREGADOR 1. Conceito A definição celetista de empregador é a seguinte: CLT, art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2

DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2 DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2 Índice 1. Títulos de crédito...4 1.1 origem... 4 1.2 O crédito... 4 1.3 Conceito geral dos títulos de crédito... 4 1.4 Características dos títulos de crédito... 4 1.5 independência...

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL Fulano de Tal, brasileiro, casado, advogado, inscrito na OAB/PR sob o nº 00.000, residente e domiciliado na Av....

Leia mais

Código Civil. Parte Especial - Arts. 966 a 1087. LIVRO II Do Direito de Empresa. TÍTULO I Do Empresário. CAPÍTULO I Da Caracterização e da Inscrição

Código Civil. Parte Especial - Arts. 966 a 1087. LIVRO II Do Direito de Empresa. TÍTULO I Do Empresário. CAPÍTULO I Da Caracterização e da Inscrição Código Civil Parte Especial - Arts. 966 a 1087 LIVRO II Do Direito de Empresa TÍTULO I Do Empresário CAPÍTULO I Da Caracterização e da Inscrição Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO UNIDADE IV OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI FATO GERADOR SUJEITO ATIVO SUJEITO PASSIVO DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO Obrigação Trib Principal Prestação DE DAR: TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO PENALIDADE PECUNIÁRIA

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

Curso de CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina: Direito Empresarial

Curso de CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina: Direito Empresarial UNIVERSIDADE DE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE Curso de CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina: Direito Empresarial Prof. José Carlos Fortes Data: / / Aluno(a): Mat. Simulado 2 Questão 1 (PROCURADOR DO ESTADO/PGE/MS

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais