Sistemas Distribuídos e Paralelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos e Paralelos"

Transcrição

1 Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas peer-to-peer Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa December 3, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

2 Outline 1 Introdução 2 Middleware peer-to-peer 3 Routing Overlay 4 Caso de estudo: BitTorrent Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

3 Introdução O objectivo dos sistemas peer-to-peer (P2P) é permitir a partilha de dados e recursos em larga escala, eliminando qualquer requisito de gestão separada de servidores e infraestrutura associada. O objectivo de expandir serviços populares adicionando mais servidores, gerindo e recuperando falhas e conectividades, embate sempre na limitação física quer da capacidade dos servidores quer na capacidade das ligações a estes. Os sistemas P2P, por outro lado, suportam serviços e aplicações distribuídas utilizando dados e recursos computacionais disponíveis em cada máquina ligada ao sistema. Deste modo, mais máquinas ligadas, mais recursos disponíveis. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

4 Introdução Os sistemas cliente-servidor, que temos visto até aqui, gerem e fornecem acesso a recursos, tais como, ficheiros, páginas web ou qualquer outro objecto, localizados num servidor ou num conjunto de servidores ligados entre si. Com uma arquitectura centralizada são necessárias uma série de decisões acerca da localização dos recursos e gestão do hardware, sem nunca se resolver por completo o problema da falta de escalabilidade, uma vez que o serviço é sempre limitado pela capacidade dos servidores e das ligações da rede a estes. Em contraste, os sistemas P2P fornecem acesso a recursos localizados em computadores distribuídos na rede, seja na Internet ou numa rede corporativa. O aspecto chave dos sistemas P2P são os algoritmos para posicionamento e obtenção da informação, considerando a distribuição do sistema. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

5 Introdução O objectivo passa assim por prestar um serviço totalmente descentralizado, auto-organizado, com balanceamento dinâmico de carga de processamento e armazenamento em cada máquina participante, sempre que alguma máquina entra ou sai do sistema. Os sistemas P2P partilham as seguintes características: Cada utilizador do sistema contribuí com recursos para o mesmo. Mesmo contribuindo com pesos diferentes, cada nó do sistema tem as mesmas funcionalidades e responsabilidades. A correcta operação não depende da existência de qualquer sistema central. Podem ser desenhados para oferecer graus diferentes de anonimato para os fornecedores e consumidores de recursos. Partilham o aspecto chave que é a escolha de um algoritmo para a implantação dos dados pelos diferentes hosts, e respectivo consumo, garantindo balanceamento de carga e disponibilidade. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

6 Introdução Os computadores e redes de ligação pertencentes e geridas por diferentes utilizadores e organizações são recursos voláteis. Não existe garantia que os donos desses recursos os mantenham ligados e livres de falhas. Como tal, a disponibilidade dos processos e computadores participantes num sistema P2P é imprevisível. Os serviços P2P não podem confiar em acessos garantidos, mas podem ser desenhados para que a probabilidade de falha num acesso a um recurso seja a menor possível. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

7 Introdução Apesar de nos anos 80 já existirem alguns pequenos sistemas P2P, o potencial deste modo de interacção só se tornou real a partir do momento que o número de utilizadores com ligações de banda larga à Internet se massificou, permitindo que partilhassem recursos próprios de modo eficiente (+-2004). Existem três gerações de sistemas P2P que podemos identificar como os seguintes: A primeira geração surgiu com o lançamento do Napster. A segunda fase focou-se na partilha de ficheiros oferecendo grande escalabilidade, anonimato e tolerância a falhas, com o lançamento do Freenet, Gnutella, Kazaa e BitTorrent. A terceira fase surgiu com o lançamento de camadas de middlewares genéricos de gestão de recursos distribuídos à escala global (Pastry e Tapestry). Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

8 Introdução Middlewares As plataformas de middleware P2P foram desenhadas basicamente para pegar nos recursos (objectos de dados, ficheiros, etc..) e distribuí-los por um conjunto de computadores, dispersos pela Internet, e para encaminhar mensagens para estes em nome dos clientes. Deste modo, os clientes são libertados de qualquer decisão sobre o posicionamento dos recursos, bem como de manter qualquer informação sobre a localização dos dados que necessitam. Ao contrário da segunda geração, esta terceira geração oferece ainda garantias de entrega em pedidos limitados a um determinado número de hops. Estes middleware colocam réplicas dos recursos nos hosts disponíveis de forma estruturada, considerando a sua disponibilidade, confiabilidade e requisitos de balanceamento de carga e localização dos dados e do uso dos mesmos. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

9 Introdução Middlewares Nestes middlewares os recursos são globalmente identificados (GUIDs), identificação que resulta de uma hash de segurança, calculada com base no estado de parte ou do todo dos recursos que identifica. O uso da hash de segurança torna os recursos auto-certificados, uma vez que os clientes ao receberem determinado recursos podem verificar a validade da hash. Mantendo-se o estado de um recursos, a hash permite garantir que os nós não alteraram o conteúdo de certos recursos indevidamente. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

10 Introdução Middlewares A utilização de sistemas P2P em aplicações com elevados requisitos de disponibilidade requerem um desenho cuidado, de modo a evitar que todas as réplicas de um determinado objecto estejam simultaneamente indisponíveis. Existe o risco dos objectos estarem guardados em máquinas pertencentes à mesma entidade, geograficamente próximas, sob a mesma administração, sobre as mesmas ligações à rede, no mesmo pais ou na mesma jurisdição. Se a rede onde o sistema P2P assenta, estiver distribuía por várias organizações, dispersas por todo o globo, o risco de indisponibilidade simultânea é bastante reduzido. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

11 Introdução Computação distribuída A exploração dos recursos computacionais dos utilizadores finais tem sido assunto de interesse e experimentação em várias áreas. O projecto mais conhecido, como já referimos várias vezes nas aulas é o - Search for Extra-Terrestrial Intelligence. O pega num fluxo de dados, reparte-os por work units de 107 segundos (+-350Kb) e distribui cada uma para computadores cliente que contribuem voluntariamente com poder computacional. Cada work unit é enviada para 3 ou 4 clientes diferentes, resguardando-se contra nós maliciosos ou erros que ocorram. No caso do SETI, a distribuição das work units é efectuada por um só servidor, responsável por comunicar com cada cliente. Em 2002, cerca de 3.91 Milhões de computadores pessoais tinham participado no projecto, resultando no processamento de 221 Milhões de unidades de trabalho e representando uma média de teraflops de poder computacional durante os 12 meses até então. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

12 Middleware peer-to-peer O problema chave no desenho de sistemas peer-to-peer é fornecer mecanismos que permitam que os clientes acedam aos recursos rapidamente independentemente da sua localização na rede. O Napster utilizava um índice unificado, com os ficheiros disponíveis e o endereço de rede dos host onde estes se encontravam. Os sistemas P2P de segunda geração (Gnutella, Freenet, etc..) utilizavam sistemas de ficheiros com índices particionados e distribuídos, apresentando cada aplicação a sua própria solução. Em contra-partida, os middleware P2P são desenhados para responder à necessidade de implantação automática e consequente posicionamento do objecto distribuído. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

13 Middleware peer-to-peer Requisitos funcionais A função os middleware P2P é a de simplificar a construção de serviços que são implementados transversalmente por vários hosts num sistema amplamente distribuído. Para alcançar tal objectivo, o middleware deve permitir que os clientes localizem e comuniquem com qualquer recursos individual tornado disponível a um serviço. Outro requisito importante inclui a habilidade para adicionar e remover recursos sempre que se adicionam ou removem hosts ao serviço. Como qualquer middleware, os middleware P2P devem oferecer interfaces de programação simples, que devem ser independentes do tipo de recursos que a aplicação manipula. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

14 Middleware peer-to-peer Requisitos não-funcionais Para operarem eficientemente os middleware P2P devem ainda suportar os seguintes requisitos não-funcionais: Escalabilidade global: Um dos objectivos principais dos sistemas P2P é o de explorarem os recursos de hardware em larga escala. Como tal, os middleware P2P devem suportar aplicações que acedem a milhões de objectos em dezenas ou centenas de milhares de hosts. Balanceamento de carga: A performance de um sistema desenhado para explorar um grande número de computadores depende de uma distribuição de carga equilibrada entre estes. isto pode ser alcançado pela implantação aleatória de recursos, juntamente com as réplicas dos recursos mais utilizados. Optimização para interacções locais entre peers vizinhos: A distância na rede entre hosts que interagem entre si, tem um impacto substancial na latência das interacções. A carga da rede é outro factos que também contribui para o aumento dessa latência.como tal, o middleware P2P deve garantir a implantação dos recursos o mais próximo possível dos nós que os irão consumir. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

15 Middleware peer-to-peer Requisitos não-funcionais Para operarem eficientemente os middleware P2P devem ainda suportar os seguintes requisitos não-funcionais: Acomodação para disponibilidades altamente dinâmicas: A maioria dos P2P são constituídos por hosts que são livres para entrar e sair do sistema a qualquer momento. Nem as máquinas, nem a rede é gerida por uma única autoridade e, como tal, não é possível garantir a fiabilidade ou participação continua no fornecimento de um serviço. O maior desafio é conseguir manter um serviço up-and-running nestas condições. Sempre que um determinado hosts deixa um serviço, seja voluntariamente ou não, o sistema deve detectar e re-balancear a carga pelos restantes participantes. Segurança dos dados num ambiente altamente heterogéneo: Num sistema à escala global a confiança e segurança deve ser construída com base na autenticação e mecanismos de encriptação que garantam a integridade e privacidade da informação. Anonimato, não-repúdio, resistência à censura: Em muitos casos o anonimato tanto para quem possuí o recurso como para quem o pretende é uma preocupação legitimada pela preocupação de censura. Ricardo Mendão UmSilva requisito (UAL) é que os Sistemas hosts Distribuídos que possuam e Paralelos determinado December recurso 3, 2014possam 15 / 23

16 Routing Overlay Nos sistemas P2P existe um algoritmo distribuído conhecido como routing overlay que tem a responsabilidade de localizar nós e objectos. O nome routing overlay provem do facto de o middleware ser conhecido como uma layer, juntamente com o facto de que a acção o algoritmo é a de encaminhar pedidos de qualquer cliente para um host que contenha o objecto para o qual o pedido é endereçado. O objecto de interesse pode estar localizado em qualquer local e consequentemente ser re-alocado para qualquer lugar, sem intervenção do cliente. O routing overlay garante que qualquer nó pode aceder a qualquer objecto através do encaminhamento de cada pedido por uma sequência de nós, explorando o conhecimento de cada nó intermédio para localizar o objecto destino. Os sistemas P2P geralmente implantam múltiplas réplicas dos objectos para garantir maior disponibilidade. Nesse caso, o algoritmo mantem conhecimento de todas as localizações das réplicas, entregando o pedido ao nó que contem a réplica mais próximo. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

17 Routing Overlay As principais tarefas do algoritmo routing overlay são: Encaminhamento dos pedidos de objectos: Um cliente que deseje invocar uma operação num objecto, submete um pedido ao routing overlay incluíndo o GUID desse objecto. Este, por sua vez, encaminha o pedido ao nó que contenha uma réplica do objecto. Inserção de objectos: Um nó que pretende colocar um novo objecto disponível no sistema P2P deve gerar um GUID para esse objecto e anuncia-lo ao routing overlay, que depois garante que esse novo objecto é alcançável por outros clientes. Eliminação de objectos: Quando os clientes pedem a remoção de objectos do serviço, o routing overlay é responsável por torna-los indisponíveis. Adição e remoção de nós: Os nós podem juntar ou deixar o serviço. Quando um nó se junta, o algoritmo routing overlay redistribuí as responsabilidades do sistema também por este novo nó. Quando um nó deixa o serviço, o routing overlay distribui as responsabilidades que esse nó tinha, pelos restantes. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

18 Routing Overlay O GUID de um objecto é calculado através do todo ou parte do estado do objecto, utilizando uma função que devolve um valor, com alta probabilidade de ser único. A unicidade é depois garantida pela pesquisa de objectos com o mesmo GUID. Uma função hash tipo SHA-1 é utilizada para gerar o GUID. Como estes identificadores são utilizados para determinar a localização dos objectos e devolve-los, os sistemas routing overlay são descritos como distributed hash tables (DHT). Exemplo de funções da API DHT (middleware Pastry): Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

19 Routing Overlay Uma versão ligeiramente mais flexível que o DHT é a camada distributed object location and routing (DOLR). Com DOLR os objectos podem ser guardados em qualquer lado, com esta camada a ser responsável por manter e mapear entre os GUIDs e os endereços dos nós que contêm as réplicas dos objectos requeridos. Com DHT a localização das réplicas é decidida pelo próprio modelo, enquanto que no DOLR a localização das réplicas é exterior ao modelo, sendo este apenas notificado dos endereços de cada host que contem uma réplica através da operação publish(). Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

20 Routing Overlay Porque necessitamos de um nível superior de encaminhamento? O encaminhamento IP é demasiado antiquado para os sistemasp2p. IP Escala O IP tem o limite de 32 bits na versão 4 ou 128 bits na versão 6, estando hierarquicamente estruturado. Balanceamento de carga Dinâmica rede da A carga é balanceada nos routers com base na topologia da rede e associada aos padrões de tráfego. As tabelas de encaminhamento IP são actualizadas assincronamente numa base best-effort com constantes de tempo na ordem de 1 hora. Encaminhamento no middleware Com a utilização de GUIDs para ientificar recursos o volume possível é muito mais que 128 bits. A localização dos objectos pode ser aleatória e como tal os padrões de tráfego são separados da topologia da rede. As tabelas de encaminhamento são actualizadas sincronamente ou assincronamente com atrasos de fracções de segundo. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

21 Routing Overlay Porque necessitamos de um nível superior de encaminhamento? O encaminhamento IP é demasiado antiquado para os sistemasp2p. Tolerância a falhas Identificação do target Segurança anonimato e IP A redundância é desenhada pelo gestor da rede, garantindo tolerância na falha de rotas simples. Replicar n vezes tem um custo elevado. Cada IP identifica um nó. O endereçamento só é seguro quando todos os nós são confiáveis. Não existe anonimato. Encaminhamento no middleware Rotas e referências para objectos podem ser replicadas n-vezes, garantindo tolerância a n falhas. As mensagens podem ser encaminhadas para a replica do objecto mais próxima. É possível obter segurança mesmo em ambientes com confiança limitada. Pode ser fornecido um nível limite de anonimato. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

22 BitTorrent Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

23 Sistemas peer-to-peer Capítulo X: George Coulouris, Jean Dollimore, Tim Kindberg and Gordon Blair, "Distributed Systems: Concpets and Design", Fifth Edition, published by Addison Wesley, May 2011 ISBN Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos December 3, / 23

Sistemas Peer-to-Peer

Sistemas Peer-to-Peer Sistemas Peer-to-Peer Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Ciência da Computação ELC1018 - Sistemas Distribuídos 1 Sistemas Peer-to-Peer (P2P) Prevêem a colaboração de muitos hosts usando dados e recursos

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo Aplicações P2P André Lucio e Gabriel Argolo Tópicos Internet Peer-to-Peer (Introdução) Modelos (Classificação) Napster Gnutella DHT KaZaA Razões para o Sucesso da Internet Capacidade de interligar várias

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação de Grupos Peer to Peer Comunicação de Grupos Modelos Anteriores - Comunicação envolvia somente duas partes. RPC não permite comunicação de um processo com vários outros

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer-to-Peer Redes Peer-to to-peer Arquitetura de Redes P2P Integridade e Proteção Redes Peer-to-Peer (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer- Redes Peer- (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade Permitem que os pares compartilhem recursos diretamente, sem envolver intermediários

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas de Ficheiros Distribuídos Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org December 16, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos

Leia mais

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Introdução Peer-to-Peer Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Peer-to-Peer (P2P) é a base da operação de sistemas distribuídos como SETI@home e Kazaa; caracterizada por compartilhamento direto

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE DOMAIN NAME SYSTEM NOMES DE DOMINIO CONSULTAS DNS SERVIDORES DE NOMES NAVEGAÇÃO E CONSULTA REGISTO DE RECURSOS O DNS é um serviço de nomes, normalizado

Leia mais

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2)

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2) Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2) From: Coulouris, Dollimore and Kindberg Distributed Systems: Concepts and Design Edition 3, Addison-Wesley From: Cardoso, Jorge, Programação de

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Tolerância a Falhas Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 14, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

PADI Plataformas para Aplicações Distribuídas na Internet

PADI Plataformas para Aplicações Distribuídas na Internet PADI Plataformas para Aplicações Distribuídas na Internet Apresentação Prof. Luís Veiga IST/INESC-ID https://fenix.ist.utl.pt/lerci-pb/disciplinas/padi pb/disciplinas/padi https://fenix.ist.utl.pt/leic-taguspark

Leia mais

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok GPRT/UFPE GPRT/UFPE Peer-to-Peer (P2P) Computação Colaborativa na Internet Minicurso SBRC - (alterado por Andrea Krob) Autores Originais (UFPE) João Rocha Marco Antônio Domingues Arthur Callado Eduardo

Leia mais

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura 1 Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura da rede e as funcionalidades do Skype. 2 3 4 PRÓS:

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo Rede Peer-To-Peer Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia de Eletricidade Estágio Docente Prof. Dr. Mário Meireles Teixeira Mestrando: Flávio

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas. Arquitecturas Descentralizadas de Sistemas

Arquitecturas de Sistemas. Arquitecturas Descentralizadas de Sistemas Arquitecturas de Sistemas Centralizadas Descentralizadas Híbridas Arquitecturas Descentralizadas de Sistemas Dividir aplicações cliente-servidor em três camadas (interface, processamento, dados): distribuição

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução Frederico Madeira LPIC 1, LPIC 2, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Referências - Coulouris, G.;Dollimore, J.; Kindberg, T.; SISTEMAS DISTRIBUIDOS CONCEITOS E

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Serviços de Nomes Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 7, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

Sistemas de Nomes Planos

Sistemas de Nomes Planos Sistemas de Nomes Planos November 2, 2009 Sumário Sistemas de Nomes Planos e DHTs Chord Sistemas de Nomes Planos Tipicamente, sistemas de nomes à escala da Internet usam nomes estruturados hierarquicamente.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Lista de Exercícios Data: 4 de Novembro de 2013 Questões sobre o capítulo 1, Tanenbaum & van Steen: Fundamentos 1) Explique o significado de transparência,

Leia mais

Informática UFRGS. Programação Concorrente (C. Geyer) P2P 1

Informática UFRGS. Programação Concorrente (C. Geyer) P2P 1 Sistemas P2P P2P 1 Autoria Cláudio Geyer Local Instituto de Informática Disciplinas: Versão Sistemas Operacionais II v0 dez/2009 P2P 2 Bibilografia Bibliografia: Coulouris et al. Sistemas Distribuídos

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

GVGO Grupo 3. Perguntas & Respostas. Peer-to-Peer & Cloud Computing. Peer to Peer

GVGO Grupo 3. Perguntas & Respostas. Peer-to-Peer & Cloud Computing. Peer to Peer Perguntas & Respostas Peer to Peer GVGO Grupo 3 Peer-to-Peer & Cloud Computing 1. O BitTorrent (rede P2P desestruturada) utiliza um tracker centralizado para cada swarm. Cite três propriedades que as redes

Leia mais

TRABALHO #1 Sistemas de Informação Distribuídos: Reflexão sobre a segurança

TRABALHO #1 Sistemas de Informação Distribuídos: Reflexão sobre a segurança DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Negócio Electrónico, 2006/2007 TRABALHO #1 Sistemas de Informação Distribuídos: Reflexão sobre a segurança

Leia mais

Modelos de Sistemas Distribuídos. . Requerimentos de Projeto para Arquiteturas Distribuídas

Modelos de Sistemas Distribuídos. . Requerimentos de Projeto para Arquiteturas Distribuídas Modelos de Sistemas Distribuídos. Introdução. Modelos is. Requerimentos de Projeto para s Distribuídas 1 Introdução Introdução. Existem 2 conjuntos de modelos de sistemas distribuídos: -> Conjunto dos

Leia mais

Arquitetura de um sistema é a especificação de sua estrutura e de seus componentes

Arquitetura de um sistema é a especificação de sua estrutura e de seus componentes Arquiteturas e Modelos de sistemas Arquitetura Arquitetura de um sistema é a especificação de sua estrutura e de seus componentes Localização dos componentes e relação entre eles Objetivo: garantir que

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 Taxinomia? Taxinomia = classificação científica; nomenclatura das classificações; O que é necessário para a criação de uma CDN? Como fazer a distribuição e

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelos e arquitecturas 14/15 Sistemas Distribuídos 1 Modelos arquitecturais 14/15 Sistemas Distribuídos 2 Camadas de Software: o Middleware Aplicações Middleware Sistema Operativo

Leia mais

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ)

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Aula 1: 4 de abril de 2016 1 Conceitos básicos sobre sistemas distribuídos 2 Computação distribuída Computação distribuída A computação distribuída envolve o projeto, implementação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Membership Grupos dinâmicos Membros entram e saem dos grupos Membros podem falhar (crash) Grupos são criados e destruídos em tempo

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Apresentação do Artigo

Apresentação do Artigo Apresentação do Artigo Web Search for a Planet: The Google Cluster Architecture Publicado em IEEE Micro Março 2003, pg.22-28 Luiz A.Barroso, Jeffrey Dean, Urs Hölze Frank Juergen Knaesel fknaesel@inf.ufsc.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Paulo.Guedes@inesc.pt Alves Marques jam@inesc.pt INESC/IST 1 Sistema de Ficheiros Distribuídos Permite a

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

VORONOI STATE MANAGEMENT FOR PEER-TO-PEER MASSIVELY MULTIPLAYER ONLINE GAMES

VORONOI STATE MANAGEMENT FOR PEER-TO-PEER MASSIVELY MULTIPLAYER ONLINE GAMES VORONOI STATE MANAGEMENT FOR PEER-TO-PEER MASSIVELY MULTIPLAYER ONLINE GAMES Juan J. Jaramillo, Fabio Milan, R. Srikant, Department of Computer Science and Information Engineering National Central University,

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Capítulo I Introdução aos Sistemas Distribuídos

Capítulo I Introdução aos Sistemas Distribuídos Capítulo I Introdução aos Sistemas Distribuídos From: Wolfgang Emmerich Engineering Distributed Objects John Wiley & Sons, Ltd 2000 From: Coulouris, Dollimore and Kindberg Distributed Systems: Concepts

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 2 Arquiteturas e Modelos de Sistemas Distribuídos Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A estrutura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação P2P Camada de Transporte Slide 1 P2P O compartilhamento de arquivos P2P é um paradigma de distribuição atraente porque todo o conteúdo é transferido diretamente

Leia mais

Redes P2P ISEL - RDC. 2. Introdução ao. 1. Sumário P2P. 3. Arquitectura P2P. 4. Conclusões. 3.2 Redes Estruturadas. 3.1 Redes Desestruturadas

Redes P2P ISEL - RDC. 2. Introdução ao. 1. Sumário P2P. 3. Arquitectura P2P. 4. Conclusões. 3.2 Redes Estruturadas. 3.1 Redes Desestruturadas Redes P2P 1. Sumário 2. Introdução ao P2P 3. Arquitectura P2P 3.1 Redes Desestruturadas 3.2 Redes Estruturadas 4. Conclusões Introdução ao P2P História Motivação O que são redes peer-to-peer? Para que

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos I Capítulo 6 Replicação - 2011 - DI/FCT/UNL Replicação... O que é? Replicação: Definição e Objectivos A replicação de dados consiste na manutenção de múltiplas cópias da mesma informação em dispositivos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE

SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE Objectivos da Disciplina Desenvolver competências técnicas e científicas na área dos sistemas distribuídos e paralelos. Compreender o conceito de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras do livro

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br

Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br www.ricardojcsouza.com.br CAMADA DE APLICAÇÃO Desempenha funções específicas de utilização dos sistemas Identificação de parceiros

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Porquê o DNSSEC? O que é o DNSSEC? Porque é o DNSSEC necessário? Para contribuir para uma Internet Segura.

Porquê o DNSSEC? O que é o DNSSEC? Porque é o DNSSEC necessário? Para contribuir para uma Internet Segura. Porquê o DNSSEC? Para contribuir para uma Internet Segura. 2009.11.11 O que é o DNSSEC? DNSSEC é o nome dado às extensões de segurança ao protocolo DNS (Domain Name System) concebidas para proteger e autenticar

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE CONFIGURAR O SETUP CONFIGURAR O DNS O obje0vo passa por criar um cenário com as seguintes redes: Uma rede para 6 servidores (Rede 0-172.16.0.0/29);

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves 1. João Neves, 2007. João Neves, 2006 2

Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves 1. João Neves, 2007. João Neves, 2006 2 Análise de Fluxos Joao.Neves@fe.up.pt João Neves, 2007 Análise de Fluxos João Neves, 2006 2 João Neves 1 Conceito de Fluxo O conceito de fluxo (fluxo de dados ou fluxo de tráfego) para uma ligação fim-a-fim

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Gerenciador de portas de Switch (es)

Gerenciador de portas de Switch (es) Benefícios para os Negócios Controle Automatizado de Acesso a Portas de Switch(es) de Rede e Hosts Finais A capacidade de planejamento ao acompanhar portas livres, em uso e definidas por usuário. Encontre

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos (Re)Introdução 1 Organização Definição Características essenciais dos sistemas distribuídos Desafios principais 2 Definição Um sistema distribuído é... um conjunto de componentes

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Modelos Arquiteturais

Modelos Arquiteturais Modelos Arquiteturais Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Modelos arquiteturais e-servidor Objetos distribuídos 2 O que é um modelo arquitetural? Estrutura em termos de componentes especificados

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Consistência Eventual Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Marco Bernardo Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 25 de Maio de 2009 Descrição Geral 1 Introdução O Problema Definições

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015 Redes P2P Alexandre Alves Bruno Valério Rôb Klér 19 de junho de 2015 SUMÁRIO Introdução Características Arquitetura Aplicações Sistemas Segurança Perguntas Conclusões P2P 2/13 INTRODUÇÃO Rede de computadores

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Nomes, Identificadores, Endereços Nomeação Simples Capítulo 5 Agenda Nomes, Identificadores e Endereços Definição Nomeação Simples Soluções Simples

Leia mais

Distributed Systems Concepts and Design

Distributed Systems Concepts and Design Distributed Systems, Cap 2, Coulouris Pag. 1 de 1 Distributed Systems Concepts and Design 2 Modelos de Sistemas Modelos de arquitetura de sistemas distribuídos, estão relacionado com o local onde estão

Leia mais

Sistemas Distribuídos I

Sistemas Distribuídos I Sistemas Distribuídos I Capítulo 2 Arquitecturas e Modelos de Sistemas Distribuídos Sistemas P2P Organização do Capítulo Modelos Arquitecturais Modelo /Servidor Modelo -to- Redes Sobrepostas Middleware

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO)

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais