Motors Automation Energy Transmission and Distribution Coatings. Processo de Internacionalização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motors Automation Energy Transmission and Distribution Coatings. Processo de Internacionalização"

Transcrição

1 Motors Automation Energy Transmission and Distribution Coatings Processo de Internacionalização

2 História Fundação da Eletromotores Jaraguá 16 de setembro de 1961 Cada vez mais se consolidando como fornecedor de sistemas elétricos industriais completos R$ 17 bilhões

3 MISSÃO Crescimento Contínuo e Sustentável, mantendo a simplicidade VISÃO Ser referência global em máquinas elétricas e com uma ampla linha de produtos, provendo soluções eficientes e completas

4 Motores Tintas Automação Unidades de Negócio Energia Transmissão & Distribuição

5 Motores Motores Comerciais e Residenciais Motores para movimentação de ar, condicionadores de ar, lavadoras de roupas e portão eletrônico Motores Industriais de Baixa Tensão e Redutores Motores para as mais diversas aplicações industriais e para áreas classificadas Motores Industriais de Alta Tensão

6 Controls Drives Automação (produtos) Partida e proteção de motores elétricos Variação de velocidade Proteção de circuitos elétricos Partida suave de motores Correção do fator de potência Segurança de máquinas Building Automation Equipamentos elétricos para construção civil e automação predial Critical Power Fontes de energia ininterruptas Segurança operacional de máquinas e equipamentos (NR12) Sensores para automação industrial

7 Sistemas de Automação Automação (sistemas) Painéis elétricos e automação de processos. Sistemas fornecidos pela WEG que atendem diversos ramos de atividades industriais: mineração, energia, usinas de açúcar e álcool, plantas químicas, siderurgia, naval, máquinas, papel e celulose.

8 Energia Alternadores para Grupos Geradores De 10 a kva Hidrelétricas Geradores, turbinas hidráulicas e hidromecânicos CGH s até kva PCH s até kva UHE s até kva Térmicas Geradores para cogeração com biomassa, gás e outros 4 polos até kva 2 polos até kva Solar e Eólica (Aerogeradores)

9 Transmissão & Distribuição Transformadores a Óleo Transformadores a Seco Segurança, economia de espaço e redução dos custos de manutenção Secionadores Subestações Convencionais Subestações Móveis Soluções práticas para restabelecimento de energia Serviços de Reforma e Repotenciação

10 Segmentos atendidos De um simples motor para aplicação em área rural para soluções que atendem a vários segmentos da indústria Papel & Celulose Açúcar & Etanol Alimentos & Bebidas Petróleo & Gás Siderurgia Infraestrutura Mineração Naval Energia

11 NEGÓCIO WEG A Solução Global com máquinas elétricas e automação para a indústria e sistemas de energia Energia Geração de Energia Transmissão Distribuição Indústrias Cidades Manobra e Proteção de circuitos elétricos Critical Power Building Automation Tração e Propulsão Elétrica Conversão de Energia, Controle de Movimento, Automação Industrial e Segurança de Máquinas Tintas

12 Capacidade de inovação tecnológica Comitê de Tecnologia para discussão de inovações tecnológicas na área eletro-eletrônica INVESTIMENTOS CONSISTENTES EM P&D (R$ Milhões) 2,3% 2,4% 2,5% 2,3% 1,7% 1,6% 1,8% 2,0% 1,5% 2,4% 2,0% 2,6% 2,3% 2,7% 183 Parceria com as melhores escolas de engenharia no Brasil e no mundo Wisconsin Zurich e Berna Hannover, Aachen e Wuppertal Nottingham, Glasgow e Manchester UFSC, UFMG, USP, UNESP, UFRGS e UFGG Laboratórios de pesquisa ensaios: 21 no Brasil 09 no exterior Pesquisa & Desenvolvimento Receita Líquida

13 A WEG ganha Prêmio FINEP 2013 A companhia nos últimos 3 anos tem estado entre os 3 finalistas. Em 2013 ficou como a segunda mais inovadora do Brasil na categoria Grandes Empresas e recebeu a homenagem da Presidente Dilma Rousseff.

14 Nossa indústria está passando por grandes mudanças Megatrends estão criando mudanças nos padrões de demanda e novas oportunidades de negócios Energia e Eficiência Industrial Energias Renováveis Smart grid Mobilidade Elétrica Os motores elétricos representam cerca de 70 % de todo o consumo industrial de energia elétrica, ou 25% do consumo mundial de eletricidade em geral. Tendência clara no sentido de regulamentar os níveis mínimos de eficiência energética elétrica do motor (necessidades mais baixas para expandir geração). Unidade global para reduzir as emissões de Gases de Efeito Estufa Renováveis permitem a geração distribuída, mais perto de consumo e exigindo menor infraestrutura de T&D O Grid de distribuição de eletricidade está desenvolvendo e tornandose Inteligente ; Todos os pontos do sistema, desde a geração até o consumo (e todos os pontos no meio), tem que perceber os sinais e ser capaz de responder a mudanças; Todos os produtos elétricos passarão por mudanças. Haverão mais sensores, mais automação, geração e distribuição mais eficiente da eletricidade. Urbanização crescente agrava os congestionamentos das cidades e demandam alternativas urgentes; Gases de efeito estufa e outros poluentes emitidos por veículos propulsionados por motores de combustão interna estão acima dos níveis sustentáveis; A eletricidade é claramente um uso mais eficiente da energia na propulsão de veículos; Os combustíveis alternativos, híbridos e elétricos puros irão crescer no mercado. Soluções de Powertrain/sistemas de tração são escaláveis por todos os tipos e tamanhos de veículos e outros modais de transporte (WEG fornece soluções em Powertrain marítimos). 13

15 Presença Global Total: ,7 mil (82%) Filiais comerciais em 25 países Fábricas em 10 países

16 Fábricas e Filiais No Brasil Jaraguá do Sul/SC (Parque I) Jaraguá do Sul/SC (Parque II) Guaramirim/SC Blumenau/SC Itajaí/SC Joaçaba/SC São José/SC Linhares/ES Manaus/AM Gravataí/RS Mauá/SP São Bernardo do Campo/SP

17 Parques Fabris - Brasil Jaraguá do Sul/SC (Parque II) Jaraguá do Sul/SC (Parque I) Guaramirim/SC Blumenau/SC Itajaí/SC Joaçaba/SC São Bernardo do Campo/SP Gravataí/RS São José/SC Mauá/SP Cabo de Santo Agostinho/PE Monte Alto/SP Linhares/ES Manaus/AM

18 Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado global Brasil(*) Argentina Chile Colômbia Venezuela Peru México Estados Unidos Portugal Espanha Itália França Áustria Reino Unido Alemanha Bélgica Holanda Suécia Emirados Árabes Rússia Índia China Cingapura Japão Austrália África do Sul Argentina México EUA Alemanha Áustria Portugal China Índia (*) Jaraguá do Sul (SC); Guaramirim (SC); Blumenau (SC); Itajaí (SC); Joaçaba (SC); São José (SC); Gravataí (RS); Curitiba (PR); São Bernardo do Campo (SP); Mauá (SP); Monte Alto (SP); Linhares (ES); Manaus (AM). África do Sul

19 Parques Fabris - Exterior Huehuetoca Huehuetoca Tizayuca Minneapolis Maia Viena Balingen Johannesburg Hosur Nantong Changzhou Córdoba Buenos Aires San Francisco

20 Exemplos de Filiais WEG Austrália WEG Germany

21 Evolução no Exterior (Milhões de US$)

22 Primeira Década Vendas exclusivamente para o Mercado Brasileiro Foto da 2ª Convenção Nacional de Vendas

23 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Encontrar distribuidores no Brasil (marca desconhecida). Solução Estabelecimento de seus próprios distribuidores, iniciando com os ATs.

24 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Dificuldade em obter matéria prima e componentes - Jaraguá do Sul era longe dos grandes centros. Solução Foi instalada fundição, estamparia, trefilação, centros de usinagens e ferramentaria (verticalização).

25 Internacionalização 1ª fase Início das Exportações Vendas para a América Latina: Paraguai, Equador e Uruguai Primeiros Contratos de Representação e Distribuição

26 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Como estabelecer distribuidores no exterior sem ser conhecido. Solução Iniciou pela América Latina (facilidade do idioma e aproximação cultural), participou de feiras no exterior e embarcou os primeiros containers em consignação (Canadá).

27 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Era necessário um novo motor que atendesse normas internacionais. Solução Comprou tecnologia da Europa e adaptouse às normas IEC. Iniciou a fabricação do motor IP44 (quadrado).

28 Internacionalização 2ª fase Conquistas dos Mercados Extensão da rede de representantes e distribuidores Necessidade de uma rede de ATs Criação de um departamento de comércio exterior Certificações de produtos Participação em feiras Incentivo ao aprendizado de inglês

29 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Estabelecer contato com outros países - idioma. Solução Aprendizado de idiomas, especialmente inglês e espanhol com auxílio da empresa. Envio de funcionários às filiais do exterior para um período de treinamento.

30 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Exportação como uma prática contínua. Era comum as empresas brasileiras exportarem somente o excedente da produção. Solução Adoção de uma filosofia contrária: exportar faz parte do nosso negócio.

31 Certificações a nível mundial Argentina Argentina Argentina Argentina Australia Australia Belgium Bélgica Canada Canadá Canada Canadá European Community Comunidad Europea Colombia Colombia Brazil Brasil Brazil Brasil Brazil Brasil Brazil Brasil U.K. Reino Unido U.K. Reino Unido U.K. Reino Unido France França France França Germany Alemanha Germany Alemanha Germany Alemanha China China Spain España Italy Italia USA EEUU USA EEUU USA EEUU South Africa Africa del Sur Norway Noruega Russia Rusia Mexico México Mexico México Mexico México Iran Iran Saudi Arabia Arabia Saudita

32 Internacionalização 3ª fase Internacionalização Definição de uma estratégia para o mercado externo Primeiras filiais comerciais Passou de um departamento de comércio exterior para WEG Exportadora (empresa) Envio de brasileiros para trabalhar no exterior

33 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Dependência exclusiva dos distribuidores. Solução Início da complementação do serviço do distribuidor por filiais comerciais próprias (EUA, Bélgica, Alemanha, Austrália, Argentina, México, etc.). Atualmente 25 filiais.

34 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Descobrir a maneira mais adequada para implantar uma filial comercial no exterior. Solução Associação com distribuidores locais. Parte contábil e legal: contrataram-se especialistas locais em cada país.

35 Abertura de Filiais EUA México Bélgica Alemanha Inglaterra Espanha, França e Suécia Japão Argentina Austrália

36 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Mudar a imagem do Brasil (país pobre de Terceiro Mundo). Solução Trouxe clientes e potenciais clientes para mostrar o país, a região e a empresa (mais de 1100 visitantes do exterior vêm ao Brasil por ano).

37 Barreiras Enfrentadas e Soluções Solução Trouxe clientes e potenciais clientes para mostrar o país, a região e a empresa (mais de 1100 visitantes do exterior vêm ao Brasil por ano).

38 Internacionalização 4ª fase Globalização Fábricas no exterior: Argentina, China, México, Portugal Cobertura mundial Entrada no mercado asiático Clientes globais Trazer estrangeiros para trabalhar no Brasil (multiculturalismo)

39 Implantação de Fábricas e Filiais Holanda Rússia México Portugal Venezuela Colômbia Itália China 2007 Dubai Índia Singapura Argentina Chile Fábricas Filiais

40 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Descobrir a maneira mais adequada para implantar uma fábrica no exterior. Solução A WEG comprou fábricas de motores já existentes, inclusive de concorrentes. (Ex: ABB - México)

41 Barreiras Enfrentadas e Soluções Barreira Descobrir a melhor maneira de implantar a cultura WEG nas filiais e permitir que os estrangeiros entendessem essa cultura. Solução A WEG enviou brasileiros para estagiar nas filiais e estrangeiros são trazidos para a WEG Brasil para treinamento.

42 Economia de Energia Fornecimento de produtos que atendem e superam os níveis de energia solicitados pelos programas de economia de energia em todos os países Ajudar o cliente a incrementar a economia de energia, reduzir custos e melhorar a performance das empresas Super Premium NEMA Premium High Efficiency IE1 IE2 IE3 Grade A Grade B Premium TOP Premium Super High Efficiency E3+

43 Evolução no Exterior (Milhões de US$)

44 Internacionalização 5ª fase Mergers & Acquisitions Aquisições de empresas: Brasil Argentina África do Sul Estados Unidos Áustria China Alemanha

45 Mergers & Acquisitions EM EUA Württembergische Elektromotoren Alemanha WATT Drive Áustria 2014 Sinya China WII Índia Perú Pulverlux Argentina ZEST África do Sul HST África do Sul Fábricas Filiais

46 Acesso ao Mercado Estratégia de Portfolio A visão clara de atratividade das oportunidades e do alinhamento estratégico March September Tecnologia

47 Receita Operacional Líquida Crescimento Contínuo e Consistente Internacionalização Receita Operacional Líquida (ROL) (R$ Milhões) Mercado Interno Mercado Externo CAGR 18% nos últimos 17 anos

48 Resultados da Internacionalização Receita Operacional Líquida (ROL) Distribuidores e agentes em mais de 85 países Mais de assistentes técnicos nos 5 continentes 50% Mercado Interno 50% Mercado Externo Vendas para mais de 135 países

49 Vendas por Região Geográfica (2013) 13% 17% Europa América do Norte 50% 50% Mercado Interno 9% Mercado 50% Externo América Central e do Sul Brasil 5% Ásia e Oceania 6% África

50 Plataforma de Produção Global 4% 15% 31% % 35% % Produzidos e vendidos no Brasil Produzidos no Brasil e exportados Produzidos e vendidos no exterior 49

51 WEG Plano Estratégico 2020 Aspiração corporativa de R$ 20 bilhões até O crescimento vem da base diversificada, com uma abordagem disciplinada para expansão orgânica e não orgânica. CAGR 17.9% 1/3 Não Orgânica CAGR 17% 18% 19% 11% 2/3 Orgânica Base

52 Se faltam máquinas você pode comprá-las. Se não há dinheiro, você toma emprestado. Mas homens, você não pode comprar, nem pedir emprestado. E homens motivados por uma ideia são a base do êxito. Eggon João da Silva

Eficiência Energética no parque fabril WEG

Eficiência Energética no parque fabril WEG Eficiência Energética no parque fabril WEG Motores Tintas Unidades de Negócio Automação Energia Transmissão & Distribuição NEGÓCIO WEG A Solução Global com máquinas elétricas e automação para a indústria

Leia mais

A qualquer hora. Petróleo & Gás Naval Mineração Açúcar & Etanol Celulose & Papel. Geração de Energia Água & Saneamento Cimento Agricultura Siderurgia

A qualquer hora. Petróleo & Gás Naval Mineração Açúcar & Etanol Celulose & Papel. Geração de Energia Água & Saneamento Cimento Agricultura Siderurgia www.we.net A qualquer hora. Petróleo & Gás Naval Mineração Açúcar & Etanol Celulose & Papel Geração de Eneria Áua & Saneamento Cimento Aricultura Sideruria Eneria, Motores, Automação, Transmissão & Distribuição

Leia mais

Nosso Negócio. Tintas líquidas e em pó e vernizes eletroisolantes. Serviços. Variação de Velocidade. Geração De Energia. Subestações.

Nosso Negócio. Tintas líquidas e em pó e vernizes eletroisolantes. Serviços. Variação de Velocidade. Geração De Energia. Subestações. 1. INSTITUCIONAL Nosso Negócio Serviços Geração De Energia Variação de Velocidade Subestações Motores Transformadores Componentes elétricos Geradores Quadros Elétricos Automação Industrial Tintas líquidas

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia.

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Unidades de negócios Eficiência Energética no Segmento Plástico Sidnei Amano Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição

Leia mais

Inovação Tecnológica na WEG

Inovação Tecnológica na WEG Seminário Inovação e Desenvolvimento Econômico Como superar a dependência tecnológica brasileira? Inovação Tecnológica na WEG Siegfried Kreutzfeld Diretor Superintendente WEG Equipamentos Elétricos S.A.

Leia mais

Gestão de Processos de Negócio. Case WEG - Processos de Negócio para a Gestão de Valor WEG BPM

Gestão de Processos de Negócio. Case WEG - Processos de Negócio para a Gestão de Valor WEG BPM Gestão de Processos de Negócio Case WEG - Processos de Negócio para a Gestão de Valor WEG BPM Dezembro de 2012 A Solução Global com Máquinas Elétricas e Automação para Indústria e Sistemas de Energia Apresentação

Leia mais

Soluções WEG para o segmento de Alimentos & Bebidas. Apresentador: Eng Alessandro Donadel Barbosa Motores Alimentos e Bebidas alessandrodb@weg.

Soluções WEG para o segmento de Alimentos & Bebidas. Apresentador: Eng Alessandro Donadel Barbosa Motores Alimentos e Bebidas alessandrodb@weg. Soluções WEG para o segmento de Alimentos & Bebidas Apresentador: Eng Alessandro Donadel Barbosa Motores Alimentos e Bebidas alessandrodb@weg.net 3. Digitem aqui 2. Espaço para apresentação pessoal, eventuais

Leia mais

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral Imprensa São Paulo, 16 de junho de 2015 Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral O estudo foi baseado em uma pesquisa realizada

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Estratégia de desenvolvimento da plataforma de motores elétricos W22

Estratégia de desenvolvimento da plataforma de motores elétricos W22 Estratégia de desenvolvimento da plataforma de motores elétricos W22 Sebastião Lauro Nau Dia da Inovação na Indústria IEL/SC FIESC - Fpolis/SC 18/07/12 CONTEÚDO 1. UM POUCO SOBRE A WEG 2. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Inovação Tecnológica na WEG

Inovação Tecnológica na WEG Motores Automação Energia T&D Tintas Inovação Tecnológica na WEG Sebastião Lauro Nau, Dr. Eng. Gerente do Dep. de P&D do Produto WEG Motores 25 de Agosto de 2010 SUMÁRIO 1. Institucional 2. Introdução

Leia mais

Powertrain WEG: Inovação a serviço da eficiência e redução de emissão em veículos

Powertrain WEG: Inovação a serviço da eficiência e redução de emissão em veículos Powertrain WEG: Inovação a serviço da eficiência e redução de emissão em veículos Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Brasil Argentina Chile Colômbia Venezuela Peru México Estados

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T11. 16 de fevereiro de 2012

Teleconferência de Resultados 4T11. 16 de fevereiro de 2012 Teleconferência de Resultados 4T11 Exoneração de Responsabilidade Teleconferência de Resultados 4T11 Página 2 As eventuais declarações que possam ser feitas durante essa teleconferência relativas à perspectiva

Leia mais

Apresentação Fique por Dentro Corretora Souza Barros. Julho 2012

Apresentação Fique por Dentro Corretora Souza Barros. Julho 2012 Apresentação Fique por Dentro Corretora Souza Barros Julho 2012 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA WEG - Brasil - ISO 50001 - Melhorar o desempenho energético de forma sistematizada e continuada

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA WEG - Brasil - ISO 50001 - Melhorar o desempenho energético de forma sistematizada e continuada PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA WEG - Brasil - ISO 50001 - Melhorar o desempenho energético de forma sistematizada e continuada História 16 de setembro de 1961 Werner Ricardo Voigt, Eggon João da Silva

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

TOSHIBA INFRAESTRUTURA AMÉRICA DO SUL. Rafaele D. Nicolotti Abril, 2014

TOSHIBA INFRAESTRUTURA AMÉRICA DO SUL. Rafaele D. Nicolotti Abril, 2014 TOSHIBA INFRAESTRUTURA AMÉRICA DO SUL Rafaele D. Nicolotti Abril, 2014 TOSHIBA CORPORATION Fundada em Tóquio, em 1875 Nr. de funcionários: 206.087 Áreas de atuação: - Infraestrutura e energia - Médica

Leia mais

Soluções Inteligentes de Energia de um Líder Global. Fevereiro de 2015

Soluções Inteligentes de Energia de um Líder Global. Fevereiro de 2015 Soluções Inteligentes de Energia de um Líder Global Fevereiro de 2015 Agenda 1. Quem é SunEdison? 2. O mercado de energia mundial hoje 3. Nossa Estratégia Para onde nos encaminhamos? 4. TerraForm Power

Leia mais

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Sérgio Barbi - ABF

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Sérgio Barbi - ABF Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo Sérgio Barbi - ABF Histórico do Franchising no Brasil 1960 Yázigi abre a primeira franquia no Brasil; Na década seguinte, o McDonald s abre o

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

A Integração da Manufatura na General Motors

A Integração da Manufatura na General Motors A Integração da Manufatura na General Motors Simpósio SAE Brasil Manufatura Automotiva José Eugenio Pinheiro Vice Presidente de Manufatura General Motors - América Latina, África & Oriente Médio 22 de

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011 Engº Fernando Iervolino Fontes de Informação: ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores http://www.anfavea.com.br/

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA O QUE ABORDAREMOS... PANORAMA EÓLICO Um pouco de... Geração de Energia Eólica no Mundo Jorge A. Villar Alé CE-EÓLICA villar@pucrs.br Energia Eólica no Brasil Aspectos tecnológicos 198 milhões de habitantes

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

RENEX SOUTH AMERICA 2014

RENEX SOUTH AMERICA 2014 RENEX SOUTH AMERICA 2014 O mercado sul-americano de energia renovável em um só lugar 26a 28 Novembro 2014 Porto Alegre - 14h às 20h no Centro de Eventos FIERGS Entre em contato e acompanhe a RENEX pelas

Leia mais

1.a. Atividades principais a companhia manufatura e comercializa aparelhos domésticos e produtos relacionados.

1.a. Atividades principais a companhia manufatura e comercializa aparelhos domésticos e produtos relacionados. Whirlpool Corporation 1. Principais Características Matriz: Whirlpool Corporation Localização: Benton Harbor, Michigan, Estados Unidos Ano de fundação: 1911 Internet: www.whirlpoolcorp.com Faturamento

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1/3

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1/3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADORIA DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA CEP 88040-970 - FLORIANÓPOLIS - SC - BRASIL WWW.EMC.UFSC.BR/ESTAGIOMECANICA

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Programas de Eficiência Energética ao redor do mundo

Programas de Eficiência Energética ao redor do mundo Programas de Eficiência Energética ao redor do mundo 01/2015 Visão geral das normas ao redor do mundo Porque é importante saber e entender as leis de eficiência de cada país? Para entender as necessidades

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte Palestrante: Profa Dra Eliane Amaral Fadigas Instituição: USP - Universidade de São Paulo Escola Politécnica

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Financiamento para SUSTENTABILIDADE

Financiamento para SUSTENTABILIDADE Financiamento para SUSTENTABILIDADE POSICIONAMENTO DO SANTANDER Gerar RESULTADOS para o negócio e para todos, com práticas de gestão e soluções financeiras transformadoras que perenizem o meio ambiente

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa - O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) A economia

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Energia Linhas de Produtos e Soluções

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Energia Linhas de Produtos e Soluções Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Energia Linhas de Produtos e Soluções www.weg.net Bem-vindo a WEG Energia 1 grande grupo, composto por 5 unidades, que atuam de forma integrada

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro

Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro O aumento do uso do Gás LP em cogeração e outros usos no mundo Abril 2015 Alberto J. Fossa Estrutura da apresentação Alternativas tecnológicas de uso do Gás LP O

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Rexnord Visão Geral & Mercado Brasileiro

Rexnord Visão Geral & Mercado Brasileiro Rexnord Visão Geral & Mercado Brasileiro 2014 Rexnord - Visão Geral e Mercado Brasileiro Rexnord num relance Vendas Líquidas FY 13: $2.0 billion Processo & Control de Movimento (PMC) FY 13 Vendas Líquidas:

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Agenda. História / Perfil da da Companhia empresa. Posicionamento Atual. Porquea a Embraco foi para a a China. Desafios/Conclusão

Agenda. História / Perfil da da Companhia empresa. Posicionamento Atual. Porquea a Embraco foi para a a China. Desafios/Conclusão O caminho da Embraco na China 1 Agenda História / Perfil da da Companhia empresa Posicionamento Atual Porquea a Embraco foi para a a China Desafios/Conclusão 2 Líder mundial na fabricação de compressores

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO 1 2 _ 22.000 COLABORADORES _ 70.000 KM DE DUTOS (18 DOS QUAIS CRUZAM A CORDILHEIRA DOS ANDES) _ 450 PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE

Leia mais

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Expansão de Franquias, por Gabriel Spaniol

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Expansão de Franquias, por Gabriel Spaniol Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo Expansão de Franquias, por Gabriel Spaniol Video Iniciar com video Carmen Steffens Worldwide Introdução 137 Franquias no Brasil e 17 internacionais

Leia mais

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação ENAServ 2014 Encontro Nacional do Comércio Exterior de Serviços Sergio Paulo Gallindo São Paulo, 29 de maio de 2014 Porque Internacionalizar?

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu GENERAL ELECTRIC A General Electric Company é uma empresa diversificada, atuando em vários segmentos, sempre com o compromisso declarado de alcançar liderança mundial em cada um de seus negócios. Atualmente,

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

Energias Renováveis e Eficiência Energética

Energias Renováveis e Eficiência Energética Energias Renováveis e Eficiência Energética Unidades de Negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Argentina Chile

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica Cenário e Perspectivas para o Segmento de Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva ABEEólica 84 Associados 2 84 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking Mundial 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3

Leia mais

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM Balança comercial de produtos químicos 1991 a 2011* US$ bilhões Déficit cresceu de forma explosiva:

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Disponível em http://www.noticenter.com.br/?modulo=noticias&caderno=gestao¬icia=01370-4-razoes-que-explicam-osucesso-da-weg-no-exterior

Disponível em http://www.noticenter.com.br/?modulo=noticias&caderno=gestao&noticia=01370-4-razoes-que-explicam-osucesso-da-weg-no-exterior TG Trabalho em grupo Professor: Flavio Celso Muller Martin Este TG aborda uma empresa brasileira que é frequentemente citada como exemplo de internacionalização. A WEG S.A. é uma empresa brasileira com

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais