Motores trifásicos de indução: Dimensionamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motores trifásicos de indução: Dimensionamento"

Transcrição

1 JUL. AGO. SET ANO XI, Nº INTEGRAÇÃO 243 Motores trifásicos de indução: Dimensionamento NORBERTO AUGUSTO JÚNIOR* Resumo No Brasil, a energia elétrica é historicamente oferecida pelo aumento da produção ou pelo lado da oferta. A escassez dos recursos financeiros, o crescimento da demanda, o controle dos impactos ambientais e a longa maturação dos projetos hidrelétricos apontam-na como importante alternativa à busca da eficiência energética pelo lado do usuário. Quanto ao consumo, o perfil nacional registra o fato de que praticamente um quarto de toda a energia elétrica produzida provém dos motores elétricos. A proposta do trabalho é apresentar critérios para o dimensionamento dos motores trifásicos industriais visando a melhor condição de rendimento quando operam com cargas variáveis, periódicas e de ciclos definidos. Palavras-chave dimensionamento de motores elétricos, rendimento de motores elétricos, métodos de partida de motores elétricos Title Induction Triphase Engines: Dimensioning Abstract In Brazil, electric energy has been historically offered either by an increase in production or by greater offer. The lack of financial resources, the growth in demand, the control of environment impact, and the long preparation of dam buildings demonstrate that it is an important alternative for the search of energetic efficiency of electrical engines. This paper tries to present some criteria for the dimensioning of industrial triphase engines, aiming at better results when operating with variable, periodical, and indefinite cycle charges, Keywords dimensioning of electrical engines, results of electrical engines, methods for electrical engines starting. 1. INTRODUÇÃO Pesquisas realizadas por concessionárias e fabricantes indicam que a grande maioria dos motores opera com potência abaixo de seu valor nominal. Para quantificar essa informação, os últimos estudos efetuados pela Centrais Elétricas de Minas Gerais (Cemig) em sua área de concessão registraram o fato de que no universo de motores, equivalente a cv, 28,7% encontravam-se superdimensionados e 5,9% com sobrecarga. O dimensionamento com excessiva margem de segurança, o desconhecimento do pleno comportamento das cargas, tamanhos preferenciais ou padronizados e requisitos de elevados conjugados de partida implicam que a grande quantidade dos motores atualmente instalados no Brasil opera com cargas inferiores a 50% da potência nominal e muitas vezes, por longos períodos, praticamente sem carga. Nos processos de acionamentos por meio de motores elétricos de indução, a questão central é o correto dimensionamento. Nos acionamentos com motores superdimensionados, as elevadas correntes introduzem desnecessárias perturbações na rede bem como potência reativa indutiva que são corrigidas por capacitores adicionais. O superdimensionamento também implica motores operando com menor rendimento, elevado consumo de energia, resultando disso um custo elevado do processo. 2. REQUISITOS PRELIMINARES PARA O DIMENSIONAMENTO Data de recebimento: 06/11/2003. Data de aceitação: 19/12/2003. * Professor do curso de Engenharia Elétrica, membro do Núcleo de Pesquisa em Energia da USJT. O processo da correta seleção do motor, deve atender aos seguintes requisitos básicos compatíveis com o local da instalação e aplicação da carga: Fonte de alimentação: tensão C.A. trifásica equilibrada.

2 244 INTEGRAÇÃO AUGUSTO JÚNIOR Motores trifásicos de indução Freqüência: no Brasil, 60 Hz. Especificação da carga: aspecto da curva de conjugado resistente e respectivos valores de conjugados de partida e nominal, rotação nominal, regime de funcionamento (contínuo ou intermitente), ciclo de aplicação da carga (constante ou variável) e o número de partidas, frenagens ou reversões por hora. Condições ambientais: temperatura ambiente, altitude, umidade relativa, presença de gases, pós ou elementos químicos que possam influir na confiabilidade de operação do motor. 3. POTÊNCIA DO MOTOR E REGIME DE OPERAÇÃO A Norma NBR 7094 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), item 5.4, define a potência nominal do motor como a potência mecânica disponível no eixo acompanhado da definição do regime-tipo de trabalho. Quando não houver definição do regime-tipo, entende-se como contínuo com carga constante, S-1. Preliminarmente para o dimensionamento da potência nominal do motor elétrico trifásico, os seguintes principais aspectos são considerados: Capacidade do conjugado motor desenvolvido superar o conjugado resistente, desde a condição de repouso até o regime; A elevação de temperatura, proveniente das perdas nas condições de partida, regime e frenagens, ser limitada à classe de temperatura do motor. Nos regimes de cargas intermitentes, normalmente a primeira condição prevalece sobre a segunda, pois é possível apropriar grandes potências ou conjugados em tempos relativamente curtos de modo que não fique prejudicada a integridade dos materiais de isolação. Os períodos de repouso devem permitir o adequado resfriamento para o período seguinte de carga. No regime de carga constante, não há períodos de resfriamento, e assim a segunda condição prevalece sobre a primeira. Nos momentos da partida, períodos relativamente curtos, as elevadas correntes produzem perdas por efeito Joule que são substancialmente superiores àquelas que se verificam em regime contínuo. A Norma NBR 7094 classifica o motor como regime S-1 se o número de partidas for tal que o aquecimento proveniente dessa condição for desprezível, quando comparado com a temperatura do motor em regime contínuo. O regime de operação é classificado como intermitente quando solicitado por curtos períodos e permanece em funcionamento em vazio, ou desligado em repouso, entre duas solicitações de carga e a temperatura não ultrapassar o limite da classe térmica. Caso o motor no regime intermitente permaneça desligado, em repouso, nas carcaças tipo autoventilados, deve-se controlar o número de partidas, pois a ausência de ventilação poderá produzir sobreelevação de temperatura acima da classe térmica. Como agravante, durante a nova partida a elevada corrente produz excessivos sobreaquecimentos que contribuem para danificar o motor. A diferença entre os regimes de serviço contínuo ou intermitente refere-se à variação de carga no tempo. Os regimes reais, normalmente, são irregulares e não se enquadram perfeitamente nos regimes definidos pelas normas. O ciclo de operação escolhido para análise e dimensionamento deve ser o de maior solicitação mecânica. 4. POTÊNCIA NOMINAL A potência nominal, P n, é a potência constante na qual o motor está dimensionado e construído para operar continuamente, regime S-1 da norma da ABNT, nas condições ambientais especificadas, com tensão e freqüência de alimentação da rede nos valores nominais. Nos casos em que houver desligamentos, estes serão suficientemente longos para o motor retornar à temperatura ambiente e estar apto para novo processo de partida. Nos regimes de cargas variáveis a potência nominal é definida pelo conceito de potência eficaz. É necessário, todavia, também considerar as

3 JUL. AGO. SET ANO XI, Nº INTEGRAÇÃO 245 características do local da instalação e verificar o tempo de aceleração e ainda se a limitação da potência do motor devido às condições de partida e parada é adequada para o ciclo de operação. 4.1 DIMENSIONAMENTO PARA CARGAS EM REGIME VARIÁVEL O trabalho focaliza o estudo de dimensionamento de motores de indução trifásicos industriais, na condição de cargas variáveis, com alimentação direta da rede de alimentação. Uma vez definida a correta potência nominal do motor que atende os requisitos da carga, a escolha do método de partida deve ser realizada de modo que seja permitida a adequada partida sem comprometer o sucesso do acionamento. Nas condições de cargas menores que 50% da potência nominal do motor, o rendimento não é constante e a análise não poderá ser realizada apenas utilizando um único fator de carga. A condição de carga variável inclui também o que é estabelecido pela Norma NBR 7094, item 5.1.2, regime para cargas distintas, tipo S-10, definido como segue: Regime incluindo no máximo quatro valores distintos de carga (ou cargas equivalentes), cada valor sendo mantido por tempo suficiente para que o equilíbrio térmico seja atingido. Conforme determina o anexo C da Norma NBR 7094, as cargas Pi (i = 1, 2, 3 e 4) equivalem, a qualquer momento, ao regime S-1 (carga constante, com temperatura térmica equilibrada). Os valores Pi, no período ti, não são cargas necessariamente constantes, e sim cargas equivalentes calculadas pela integração dos valores de potência no período ti. No regime tipo S-10 uma potência constante e adequadamente determinada é definida como potência eficaz e escolhida como a potência nominal do motor. Em muitas situações a carga é cíclica e variável e uma análise mais simples resulta no dimensionamento pela maior carga. Com o conhecimento prévio do ciclo e das características da carga é, todavia, possível dimensionar a potência adequada, evitando desperdícios e perturbações na rede com a operação do motor. 4.2 DIMENSIONAMENTO DO MOTOR ELÉTRICO Os critérios para o adequado dimensionamento do motor elétrico são listados nos seguintes itens fundamentais: A) Dimensionamento pelo critério de potência eficaz; B) Dimensionamento pelo critério do conjugado máximo motor; C) Dimensionamento pelo critério dos conjugados motor e resistente de partida; D) Dimensionamento pelo critério do tempo de aceleração; E) Dimensionamento pelo critério da potência disponível. A. Dimensionamento pelo critério de potência eficaz O conceito de potência eficaz, P EF, do motor de ciclo intermitente e cargas variáveis, com tensão e rotação constantes e ventilação normal é justificado pela igualdade da quantidade de calor Q C, gerado pelas perdas na condição de potência constante e nominal durante o período T e a quantidade de calor gerado pelo mesmo motor submetido ao ciclo intermitente Q i, durante o idêntico período T. Figura 1: Ciclo de cargas variáveis 2 No ciclo constante: Qc = A T + B Pn T As constantes A e B representam respectivamente as parcelas das perdas fixas e variáveis do motor. No ciclo intermitente: = e T= t i n i=1

4 246 INTEGRAÇÃO AUGUSTO JÚNIOR Motores trifásicos de indução Impondo as mesmas quantidades de calor desenvolvidas nos ciclos de carga constante e variável: n 2 2 Qc = Qi, ou A T+B P n T = A T+B Pi ti P = EF 2 Pi T Experimentalmente verificou-se que a constante Kv, fator de ventilação, introduzida na expressão (1) corrige convenientemente o valor da potência eficaz nos aumentos de temperatura devidos aos estágios de desligamento e repouso. Pef = 2 ti Pi tif tir tif + Kv ti f Período do motor ligado em funcionando com a carga P i ti f Período do motor desligado e em repouso, Kv Coeficiente de ventilação, depende do tipo de ventilação A potência nominal do motor, P n, deve ser inicialmente superior ao valor da potência eficaz, P EF, logo: i=1 P EF = P EF /K TH (4) O valor da potência nominal, P n, deve ser superior à potência eficaz, corrigida P EF : H (m) TA (ºC) P n > P EF (5) Tabela 1 Coeficientes de correção da potência nominal, K TH , ,99 0, ,98 0,93 0, ,04 1,04 1,04 0,92 0,92 0,87 0, ,02 1,02 0,96 0,91 0,86 0,81 0, ,00 0,94 0,89 0,85 0,80 0,76 0, ,92 0,87 0,83 0,78 0,74 0,70 0, ,85 0,80 0,76 0,72 0,68 0,65 0,62 P n > P EF (3) 60 0,71 0,67 0,64 0,60 0,57 0,52 0, ,77 0,74 0,70 0,66 0,63 0,60 0,57 A Norma ABNT NBR 7094 estabelece que a potência nominal desenvolvida pelo motor é para locais de altitudes limitadas a m e temperaturas ambiente máxima de 40ºC. Nas temperaturas ambientes superiores a 40ºC, além da redução da capacidade do meio refrigerante, há a limitação do sobreaquecimento produzido pelas próprias perdas do motor em operação. Em altitudes acima de m o ar é rarefeito, e fica reduzida a capacidade de refrigeração do motor. O fabricante Weg apresenta em seu catálogo técnico uma tabela com coeficientes de correção, K TH, da potência nominal dos motores classe de isolação B, em função das variáveis altitude (H) em metros e temperatura máxima ambiente (TA) em ºC: A. Dimensionamento pelo critério do conjugado máximo motor Outro aspecto do dimensionamento que deve ser considerado é que nos ciclos de carga variáveis há momentos em que o maior conjugado resistente da carga, C Rmax, é superior ao conjugado nominal do motor. Mesmo para esta condição, o motor escolhido deve possuir conjugado máximo, C Mmax, superior ao maior conjugado resistente, incluindo margem de segurança de pelo menos 20%, ou: C Mmax > 1,2. C Rmax (6)

5 JUL. AGO. SET ANO XI, Nº INTEGRAÇÃO 247 B. Dimensionamento pelo critério dos conjugados motor e resistente de partida Para a adequada aceleração, no momento da partida, o conjugado motor, C MP, também deve ser sempre superior ao conjugado resistente C O. Logo: (C AC ) e a aceleração angular (dω/dt) da massa inercial J t no período de aceleração é determinada por: CAC = CM CCarga = J t. dω / dt, (10) CMP > CO (7) J t Momento de inércia total do rotor e da carga (kg.m 2 ) C. Dimensionamento pelo critério do tempo de aceleração As diversas cargas mecânicas aplicadas ao motor, de maneira geral, podem ser caracterizadas e classificadas em cinco diferentes tipos, de acordo com a equação da variação do conjugado resistente da carga pela rotação. As cargas mecânicas em geral podem ser apresentadas pela equação genérica: Ccarga = C 0 + K c. n e ( 8 ) C 0 Conjugado de partida da carga. K c Constante n Rotação da carga e Expoente, que poderá ser: -1, 0, 1 ou 2. Assim, o conjugado de aceleração desenvolvido, C AC, é determinado por: C AC = C M C carga (9) A adequada aceleração do repouso até a rotação de regime é obtida com C AC sempre positivo. O tempo de aceleração, t AC, deve ser limitado a fim de que o excessivo aquecimento do processo de partida não danifique o motor. A Norma NBR 7094, item (Requisitos de Partida), especifica que o número de partidas dos motores industriais a frio, na temperatura ambiente, é, no máximo, de duas consecutivas e na condição de motor quente, que se encontrava em funcionamento, apenas uma. Nos sistemas rotativos, a equação geral da mecânica que relaciona o conjugado de aceleração Portanto, o tempo total de aceleração, t AC, contado entre o momento da partida e a rotação de regime é o somatório dos t, determinado para todos os pontos nas respectivas curvas do conjugado motor, C M, e do conjugado resistente, C R. Os métodos aproximados com os valores médios dos conjugados motor e resistente são, todavia, recomendados pelos fabricantes de motores. Os resultados são comprovados pelas aplicações práticas e amplamente empregados. A Figura 2 exemplifica a determinação gráfica dos conjugados médios motor, resistente e de aceleração. O conjugado de aceleração médio, C ACM, é determinado por: C ACM = C MM C RM (11) Assim, na equação (10) o tempo de aceleração é determinado entre o repouso, ω 1 = 0, até o regime ω 2 por: { } t = [( 2 π n) / 60] J /C AC t ACM Figura 2: Curvas para determinação dos conjugados médios, motor e resistente (12)

6 248 INTEGRAÇÃO AUGUSTO JÚNIOR Motores trifásicos de indução Os conjugados médios do motor e da carga são determinados como segue: 3) Conjugado resistente parabólico C MM é para a condição: C RM é para a condição: A1 + A2 = A3 B1 = B2 Nos motores categoria N e H, o conjugado médio motor, C MM, recomendado nos catálogos dos fabricantes é determinado com os valores do conjugado motor de partida, C MP e o conjugado motor máximo, C Mmax : C MM = 0,45. (C MP + C Mmax ) (categoria N) (13) C MM = 0,60. C MP (categoria D) (14) C RM = (2. C 0 + C Rn )/3 C P Conjugado de partida resistente 4) Conjugado resistente hiperbólico (17) As equações para determinação dos conjugados resistentes médios, C RM, são definidas pela característica específica de cada carga aplicada ao motor. 1) Conjugado resistente constante C RM = C Rn. n n [1n (n n / n 1 )] / [n n - n 1 ] (18) 5) Conjugado resistente nulo 2) Conjugado resistente linear No caso de partida do motor em vazio, ou seja, sem carga, o conjugado médio de aceleração é o próprio conjugado médio motor. 6) Conjugado resistente não definido C Rn Conjugado resistente à rotação nominal do motor C RM = (C RM + C 0 )/2 (16) Neste caso não é possível a determinação do conjugado resistente médio sem o conhecimento prévio da curva conjugado resistente pela rotação. A solução é obtida por meio de métodos gráficos. Os conjugados de aceleração média para cada tipo de carga, C ACM, são determinados para cada tipo de carga e pela categoria do motor pela expressão [12]. O tempo máximo de rotor bloqueado (t MRB ) é o tempo máximo que o motor poderá permanecer

7 JUL. AGO. SET ANO XI, Nº INTEGRAÇÃO 249 com as correntes de rotor e estator nos valores de partida, suportando um acréscimo de aquecimento, logo após o funcionamento de regime, sob condições nominais e sem ultrapassar os limites de temperaturas de pico estabelecidos em normas. Os tempos de rotor bloqueado apresentados em catálogos dos fabricantes de motores estão sempre referenciados à classe térmica B. Para os motores que apresentam limitações pelo tempo máximo de rotor bloqueado na classe de isolação B é possível substituir a classe térmica por outra de nível térmico superior, F ou H, e, portanto, aumentar o tempo de rotor bloqueado. A construção é considerada especial e de preço de aquisição aumentado. A fim de que a temperatura máxima durante o pico da partida não ultrapasse os limites da classe térmica os fabricantes recomendam que o tempo de aceleração, t AC, seja inferior a 80% do tempo máximo de rotor bloqueado, t MRB t AC 0,8. t MRB ( 19 ) D. Dimensionamento pelo critério da potência disponível Nos momentos de partida e aceleração, as perdas Joule nos enrolamentos são excessivas e o acréscimo de temperatura não é desprezível. Em muitas aplicações para reduzir o tempo de frenagem o motor não é apenas desenergizado, mas também desacelerado com o auxílio de c.c. aplicada ao enrolamento do estator ou ainda por reversão elétrica. A potência disponível para o motor acionar a carga é conceituada como a potência que poderá ser requerida do motor mesmo submetido a partidas, frenagens ou reversões, sem comprometer a sua integridade ou dos materiais isolantes e determinada em Lobosoco & Dias (1998). P Disp = P n I p kpfr Np tac 3600 I n N t p AC 2 (20) P Disp k pfr N p Ip In t AC Potência disponível, para o motor acionar a carga Coeficiente em função de: partida k pfr = 1 frenagem k pfr = 3 reversão k pfr = 4 Número de partidas, frenagens ou reversões por hora Relação entre as correntes de partida final e nominal do motor Tempo de aceleração A potência disponível do motor para operar nas condições de partida e eventuais frenagens deve ser superior à potência eficaz corrigida e exigida. Concluindo, a potência nominal do motor deve satisfazer plenamente a inequação: P n > P Disp > P EF (21) 5. CONCLUSÃO Importante vantagem econômica é conseguida pela substancial redução do consumo de energia elétrica pelo correto dimensionamento dos motores aplicados nos mais diferentes tipos de acionamentos. A metodologia de cálculo de dimensionamento apresentada motiva os usuários a adequar os motores atualmente aplicados em processos, racionalizar o uso de energia elétrica e principalmente identificar oportunidades de redução de custos operacionais, comprovando as vantagens do adequado dimensionamento do motor. Referências bibliográficas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5383 Máquinas elétricas girantes, Máquinas de indução. Determinação das características, 1982; NBR 7094 Máquinas elétricas girantes, Motores de indução. Especificação, novembro de 1996; NBR 5432 Máquinas elétricas girantes. Dimensões e potências nominais, agosto de AGÊNCIA PARA APLICAÇÃO DE ENERGIA DE SÃO PAULO. Manual da administração de energia, nº 2 (Força motriz), EBERLE. Catálogo. Motores elétricos trifásicos para uso industrial. Edição 2000.

8 250 INTEGRAÇÃO AUGUSTO JÚNIOR Motores trifásicos de indução JORDAN, E. H., Energy Efficient Electric Motors and Their Applications. Nova York/Londres: Plenum, 1994, 2ª ed. JORDÃO, R. G. Máquinas síncronas. São Paulo: Edusp, LOBOSCO, O. S. & DIAS, J. L. P. Da seleção e aplicação de motores elétricos. Vol. 1 e 2. McGraw-Hill, KOHLBACH. Catálogo. Motores elétricos trifásicos. Edição WEG. Catálogo geral Motores elétricos. Edição 2000.

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS 29/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Motor Elétrico. Motor Elétrico UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

MOTORES ELÉTRICOS 29/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Motor Elétrico. Motor Elétrico UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MOTORES ELÉTRICOS Mário Cesar G. Ramos Conversor eletromecânico baseado em princípios eletromagnéticos capaz de transformar energia elétrica

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA A SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA A SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS FERRAMETA DIDÁTIA ARA A SELEÇÃO E ESEIFIAÇÃO DE MOTORES ELÉTRIOS José Tarcísio Assunção tarcisio@ufsj.edu.br Universidade Federal de São João del-rei - UFSJ raça Frei Orlando, 160. 36.307-352 São João

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

Rendimento nos motores monofásicos

Rendimento nos motores monofásicos Rendimento nos motores monofásicos técnica Saber mais sobre os motores monofásicos ajuda a determinar o que melhor se adapta às suas necessidades Eng. Edson Carlos Peres de Oliveira Ensaios Elétricos II

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8.1 INTRODUÇÃO Os motores elétricos são responsáveis por grande parte da energia consumida nos segmentos onde seu uso é mais efetivo, como nas indústrias, onde representam

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA ANALISE DE VIABILIDADE ECONOMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE MOTORES STANDARD POR MOTORES DE ALTO RENDIMENTO. Por: Juliano de Santana

Leia mais

Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos.

Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos. CAPÍTULO 7 MOTORES DE INDUÇÃO 7.1 INTRODUÇÃO ÀS MÁQUINAS ELÉTRICAS As máquinas elétricas podem ser classificadas em dois grupos: a) geradores, que transformam energia mecânica oriunda de uma fonte externa

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Partida do Motor de Indução Trifásico

Partida do Motor de Indução Trifásico Partida do Motor de Indução Trifásico 1.Introdução Os motores elétricos durante solicitam da rede de alimentação uma corrente elevada na partida. Essa corrente é da ordem de 6 a 10 vezes a sua corrente

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES Introdução Um acionamento elétrico moderno é formado normalmente pela combinação dos seguintes elementos: MOTOR: converte energia elétrica em energia mecânica

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Conjunto de motor de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e

Conjunto de motor de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e Conjunto de de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e ventilação Po Novo conjunto de de relutância síncrono e conversor

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

BHR5 - SECCIONADORAS "SOB CARGA" FUSÍVEIS NH

BHR5 - SECCIONADORAS SOB CARGA FUSÍVEIS NH BHR5 - SECCIONADORAS "SOB CARGA" FUSÍVEIS NH Página 1 BHR5 - SECCIONADORAS "SOB CARGA" - FUSÍVEIS NH -proteção e comando de instalações elétricas em Baixa Tensão (BT). -prevista para incorporar fusíveis

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE FELIPE GUILHERME STEIN APLICAÇÃO INDUSTRIAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W22 IR4 Super Premium Motor de Indução Trifásico

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W22 IR4 Super Premium Motor de Indução Trifásico Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Motor de Indução Trifásico -- 2 A WEG em constante inovação amplia sua linha de motores de alta eficiência W22 IR4 SUPER Premium Nas últimas

Leia mais

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Jornadas Técnicas Novas perspectivas Drive Technology Mundo em Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Tópicos Instalando o motor elétrico com inversor de freqüência Princípio de funcionamento

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho thinkmotion Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho I. Introdução II. III. IV. Otimização de um motor CC sem escova para

Leia mais

SOLIDVAR CONTATOR DE ESTADO SÓLIDO. SOLIDVAR MANUAL Versão 5.0 Nº59000

SOLIDVAR CONTATOR DE ESTADO SÓLIDO. SOLIDVAR MANUAL Versão 5.0 Nº59000 CONTATOR DE ESTADO SÓLIDO MANUAL Versão 5.0 Nº59000 BL AN K ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 PRINCIPAIS VANTAGENS 4 CARACTERÍSTICAS 5 SELEÇÃO DE TIPOS 5 DIMENSIONAMENTO 5 CÁLCULO DA CORRENTE MÉDIA DO PROCESSO 6 CORRENTE

Leia mais

Os motores elétricos desempenham um papel importantíssimo no progresso da humanidade. Devido à sua extrema versatilidade, podem ser utilizados nos

Os motores elétricos desempenham um papel importantíssimo no progresso da humanidade. Devido à sua extrema versatilidade, podem ser utilizados nos 01 02 Os motores elétricos desempenham um papel importantíssimo no progresso da humanidade. Devido à sua extrema versatilidade, podem ser utilizados nos mais variados campos de aplicação. Seguramente,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 02: TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS - FUNCIONAMENTO Prof. Norberto Augusto Júnior I) OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC Abstract: The actions to be adopted for solution of reactive excesses are in a way mechanized now, because this is a

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Alternadores Síncronos Linha AN10 Novo Alternadores Síncronos Linha AN10 Os alternadores da linha AN10 foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO PREFÁCIO O motor elétrico! WEG INDUSTRIAS S.A. - MÁQUINAS ---- IMPORTANTE ---- LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa Motores CA Motor Elétrico Definição: É uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. Os motores elétricos em geral são divididos em dois grupos: Motores de Corrente contínua Motores

Leia mais

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação Notas Técnicas Motores NT-02 Motores Síncronos Introdução O motor síncrono é um tipo de motor elétrico muito útil e confiável com uma grande aplicação na indústria. Entretanto, pelo fato do motor síncrono

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO II

LABORATÓRIO INTEGRADO II FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II Experiência 07: MOTOR TRIFÁSICO DE INDUÇÃO ENSAIOS: CURVAS DE CORRENTE E CONJUGADO CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas Motores Automação Energia Tintas www.weg.net Em um Transformador Seco WEG, há mais de 40 anos de experiência na fabricação de motores elétricos, mais de 25 anos na fabricação de transformadores e toda

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS MOTORES TRIFÁSICOS NACIONAIS

ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS MOTORES TRIFÁSICOS NACIONAIS ART456-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS MOTORES TRIFÁSICOS NACIONAIS João Roberto Cogo, da EFEI Jocélio Souza de Sá, do INATEL Nelson W. B. Simões, da CEMIG Jaime A. Burgoa, da CEMIG

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA

DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA Eletricidade Industrial Fatec Mogi Mirim Prof. Gerson R. Luqueta DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA Para dimensionamento necessitamos conhecer: Conjugado requerido pela carga Rotação requerida

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Seleção de acionamentos

Seleção de acionamentos ESPECIAL Seleção de acionamentos Augusto Ottoboni Os servo-acionamentos ainda são uma incógnita para muitos profissionais de diferentes segmentos do mercado, trazendo a estes profissionais que se deparam

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master 1 PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO Micro Master E Midi Master Preparado por ASI 1 PS 2 1. PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA INICIAL...3 1.1 AJUSTES INICIAIS DO APARELHO...3 1.2 AJUSTE DE TEMPOS DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO...3

Leia mais

Capítulo XI. Análise de partida de motores Parte 1 Dinâmica de rotação e análise do sistema elétrico

Capítulo XI. Análise de partida de motores Parte 1 Dinâmica de rotação e análise do sistema elétrico 52 Capítulo XI Análise de partida de motores Parte 1 Dinâmica de rotação e análise do sistema elétrico Por Edson Bittar Henriques* Introdução Analisar a partida (fase de aceleração) de um motor elétrico

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Resumo. Palavras chave: acionamentos, moendas, eletro-hidráulicos, eletro-mecânicos. Abstract

Resumo. Palavras chave: acionamentos, moendas, eletro-hidráulicos, eletro-mecânicos. Abstract Resumo COMPARAÇÃO DOS ACIONAMENTOS DE VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOENDAS DE CANA DE AÇÚCAR Gunnar Ivarsson, Tomas Kallin, Juliusz Lewinski Bosch Rexroth, Suécia Paulo Grassmann Bosch Rexroth, Brasil O objeto

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras haves 3 KU Seccionadoras e omutadoras haves Seccionadoras e omutadoras Seccionadoras s chaves Seccionadoras E tipo 3KU1, para cargas de 12 a 1000 em 00 Vca 0- Hz, são apropriadas para uso como chaves gerais

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT GUIA DE APLICAÇÃO DE Neste guia você tem um resumo detalhado dos aspectos mais importantes sobre aplicação de capacitores de baixa tensão para correção do fator de potência. Apresentando desde conceitos

Leia mais

XI-015 - LABORATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO DA SANEAGO

XI-015 - LABORATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO DA SANEAGO XI-015 - LABORATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO DA SANEAGO Renato Milhomem de Oliveira (1) Técnico Industrial em Eletrotécnica pela Escola Técnica

Leia mais