Bruno Villas Boas da Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bruno Villas Boas da Silva"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, DA TERRA E ENGENHARIAS ENGENHARIA CIVIL AREIA ARTIFICIAL NO RIO DE JANEIRO: CARACTERÍSTICAS, APLICABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Bruno Villas Boas da Silva Nova Iguaçu/RJ 2013

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, DA TERRA E ENGENHARIAS ENGENHARIA CIVIL AREIA ARTIFICIAL NO RIO DE JANEIRO: CARACTERÍSTICAS, APLICABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Trabalho de Conclusão de Curso elaborado pelo Bruno Villas Boas da Silva Submetido ao Centro Universitário Geraldo Di Biase Fundação Educacional Rosemar Pimentel como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Engenheira Civil, sob orientação da Professora Palmira Maria Faria de oliveira Nova Iguaçu/RJ 2013

3 AREIA ARTIFICIAL NO RIO DE JANEIRO: CARACTERÍSTICAS, APLICABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Autor: Bruno Villas Boas da Silva Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de engenharia civil como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de bacharel em Engenharia Civil, sob a orientação da prof ª Palmira Maria Faria de Oliveira. Aprovado por: Profª Msc Palmira Maria Faria de Oliveira CREA-RJ nº Presidente Profº Paulo Cesar de Araujo Santos CREA-RJ nº D Membro Engº Leandro Meira da Silva CREA-RJ nº Convidado externo Nova Iguaçu/RJ 2013

4 Dedico este trabalho a Deus acima de tudo por ter me dado forças e dedicação para com meus estudos.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por me transmitir forças e ânimo nos momentos difíceis da minha vida e me proporcionar momentos muito felizes. A minha mãe Sonia Regina Villas Boas, que me apoiou nos momentos mais difíceis, sempre me aconselhando a seguir o caminho certo e me incentivando para não desistir. Agradeço a meus irmãos, Núbia Villas Boas de Miranda, Carlos Renato Villas Boas de Miranda e Monique Hanna Braga da Silva, ao meu padastro Ubiratan Pinho de Miranda e ao meu pai Cristiano Soares da Silva que esteve sempre ao meu lado em todos os momentos, dando total apoio e segurança. A minha orientadora profª. Palmira Maria Faria de Oliveira, que me ajudou até aqui, compartilhando seus conhecimentos na produção deste trabalho. A todos os professores do curso que foram tão importantes na minha vida passando seus conhecimentos e enriquecendo minha vida acadêmica. Aos meus amigos que durante 05 anos me acompanharam e me apoiaram em especial o Marcelo Ribeiro, Sandra Helena, Renato, Carlos Felipe, Helen, Renam, Rodrigo, Wesley, Reginaldo, Sérgio, Wallace. O meu convidado Eng. Leandro Meira da Silva, pelo apoio e por participar deste momento tão importante em minha vida. Agradeço a Deus pela vida de todos que tiveram paciência comigo, pelo incentivo, pela força e principalmente pelo carinho. Valeu a pena toda distância, todo sofrimento, todas as renúncias... Valeu a pena esperar... Hoje estamos colhendo, juntos, os frutos do nosso empenho! Esta vitória é muito mais vossa do que minha! Obrigado!

6 Cada dia que amanhece assemelha-se a uma página em branco, na qual gravamos os nossos pensamentos, ações e atitudes. Na essência, cada dia é a preparação de nosso próprio amanhã. `` Chico Chavier.

7 Silva, Bruno / Villas Boas. Areia Artificial No Rio De Janeiro: Características, Aplicabilidade Em Concretos E Argamassa De Revestimento. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Civil) - Instituto de Ciências Exatas e da Terra. Centro Universitário Geraldo Di Biase, Nova Iguaçu/RJ, RESUMO O presente trabalho consiste da caracterização e do estudo de aplicabilidade na construção civil do Rio de Janeiro de areia artificial produzida por pedreira. Com base nos estudos, o trabalho visar apresentar uma opção tecnológica para construção civil, podendo proporcionar a diminuição da degradação do meio ambiente. Portanto devem ser encontradas alternativas para extração de agregado miúdo de cava dos rios, que provocam diversos impactos negativos ao meio. Além das exigências ambientais existe outro problema a ser abordado, os finos oriundos do processo de britagem de agregados, e até mesmo considerado descarte da mineração. Os finos de pedreira, utilizados somente para aplicações específicas na construção civil, contribuem somente para grandes estocagens, resultando em capital parado o que não é bom para o desenvolvimento da empresa e rentabilidade. A areia artificial entra nesse contexto como solução tecnológica, prática e sustentável com crescente tendência de utilização pelo motivo na qual, o estado, estão se extinguindo reservas minerais naturais de extração e problemas na aquisição de licenciamento ambiental. Este trabalho acadêmico objetiva em determinar a aplicabilidade da areia artificial produzida por pedreira no estado do Rio de Janeiro em argamassas de revestimentos e concretos estruturais. Para as determinações foram planejados experimentos baseados em ensaios normatizados em agregados miúdos, argamassas e concreto. Conclui- se, após a realização e análise dos resultados dos ensaios de caracterização física e determinação de propriedades físicas e mecânicas, pela viabilidade técnica e econômica dos materiais estudados. Palavras-chave: Areia artificial, caracterização, aplicabilidade, sustentabilidade, meio ambiente.

8 Silva, Bruno / Villas Boas. Areia Artificial No Rio De Janeiro: Características, Aplicabilidade Em Concretos E Argamassa De Revestimento. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Civil) - Instituto de Ciências Exatas e da Terra. Centro Universitário Geraldo Di Biase, Nova Iguaçu/RJ, ABSTRACT The present work is the characterization and study of applicability in construction of the Rio de Janeiro produced by artificial sand quarry. Based on studies, the work aimed to present a technological option for construction and may provide decreased degradation of the environment. Therefore alternatives for extracting aggregate of cava rivers, causing several negative impacts to the environment are to be found. In addition to the environmental requirements there is another problem to be addressed, the fine arising from the crushing process aggregates, and even deemed disposal of mining. The fine quarry, used only for specific applications in construction, contributing only for large storages, resulting in stalled capital which is not good for the company's development and profitability. The artificial sand gets in this context as a sustainable technological solution, practical and with increasing tendency to use the ground on which the state are dying natural mineral reserves and extraction problems in acquiring environmental permits. This objective academic work in determining the applicability of artificial sand produced by quarry in the state of Rio de Janeiro in mortar coatings and structural concrete. For determinations based experiments on standardized tests kids, mortars and concrete aggregates have been planned. In conclusion, after performing and analyzing the test results of physical characterization and determination of physical and mechanical properties, the technical and economic viability of the studied materials. Keywords: artificial sand, characterization, feasibility, sustainability, environment.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1- Evolução da produção de agregados no Brasil Figura 2- Representações granulométricas da areia artificial fina Figura 3- Representações granulométricas da areia artificial média Figura 4- Aparelho de emissão de ondas ultrassônicas e demonstrações Figura 5- Ensaio para determinação do módulo de elasticidade dinâmico Figura 6- Ensaio para determinação da absorção de água por capilaridade Figura 7- Absorção de água por capilaridade Figura 8- Demonstração do efeito de capilaridade em corpo e prova Figura 9- Concreto sendo traçado em betoneira Figura 10- Vista dos painéis prontos para o revestimento Figura 11- Execução de corte no revestimento Figura 12- Corte no revestimento para colagem de pastilha Figura 13- Colagem da pastilha Figura 14- Equipamento de tração Figura 15- Equipamento de tração na posição para acoplamento Figura 16- Esquema para realização do ensaio Figura 17 - (a) Ruptura na interface do revestimento com o substrato Figura 18 - (b) Ruptura da argamassa de revestimento Figura 19 - (c) Ruptura do substrato...47 Figura 20 - (d) Ruptura na interface do revestimento com a cola Figura 21- (e) Ruptura na interface da cola com a pastilha Figura 22- Ensaio de tração na flexão em argamassa Figura 23- Ensaio de compressão em argamassa Figura 24- Ensaio de compressão em corpo-de-prova cilíndrico de concreto Figura 25- Rompimento do corpo-de-prova (resistência à compressão aos 28 dias) Figura 26- Módulo de elasticidade dinâmico Ed Figura 27- Médias dos coeficientes de capilaridade Figura 28- Média das resistências a aderência à tração Figura 29- Resistência mecânica da argamassa Figura 30- Gráfico fator água/cimento x resistência à compressão... 66

10 Figura 31- Gráfico fator água/cimento x total de agregados em massa... 66

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1- Granulometria da areia artificial fina produzida na pedreira Petra agregados no Rio de Janeiro Tabela 2- Ensaios de acordo com as normas regulamentadoras Tabela 3- Granulometria da areia artificial média produzida na pedreira Petra agregados no Rio de Janeiro Tabela 4- Ensaios de acordo com as normas regulamentadoras Tabela 5- Características da argamassa em traços Tabela 6- Dosagem experimental de traços de concreto Tabela 7- Resultados do ensaio de módulo de elasticidade dinâmico Tabela 8- Resultados dos ensaios de capilaridade Tabela 9- Resultados dos ensaios de aderência à tração Tabela 10- Resultados dos ensaios de resistência mecânica Tabela 11- Resultados dos ensaios de compressão com corpos-de-prova Tabela 12- Proporções de materiais para um concreto de ƒck = 20 Mpa Tabela 13- Especificações de materiais e volume de argamassa por kg de cimento Tabela 14- Custo da argamassa produzida com areia natural Tabela 15- Especificações de materiais e volume de argamassa por kg de cimento Tabela 16- Custo da argamassa produzida com areia artificial Tabela17 - Especificações de materiais e volume de argamassa por kg de cimento Tabela 18- Custo da argamassa produzida com areia artificial Tabela19 - Especificações de materiais e volume de argamassa por kg de cimento Tabela 20- Custo da argamassa produzida com areia artificial Tabela 21 - Especificações de materiais e volume de argamassa por kg de cimento Tabela 22- Custo da argamassa produzida com areia artificial... 75

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS µm- Mícrons a/c- Água/ cimento ABCP- Associação Brasileira de Cimento Portland ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas ANEPAC- Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para a Construção Civil A - Área CETEM- Centro de Tecnologia Mineral COPPE- Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia CP- Cimento Portland CP- Corpo de Prova d- altura do corpo de prova dm- Decímetro DNPM- Departamento Nacional de Produção Mineral Ed- Módulo de Elasticidade dinâmico ENTAC- Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído Fc- Carga máxima aplicada ƒc28- Tensão de ruptura aos 28 dias ƒc7- Tensão de ruptura aos 7 dias ƒck- Fator de Resistência do concreto Ff- Carga aplicada no centro do prisma

13 g- Gramas IBAMA- Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INEA- Instituto Estadual do Ambiente Kg- Kilograma Kg/l- Kilograma por litro khz- Kilo hertz L Distância m- Massa MG- Minas Gerais mm- Milímetros Mpa- Mega Pascal N- Newton NBR- Normas Brasileiras de Regulamentação P- Carga PIB- Produto Interno Bruto Ra- Resistência de aderência à tração Rc- resistência à compressão Rf- Resistência à tração na flexão RS- Resistente à Sulfatos t- tempo t/hab/ano- Tonelada habitande por ano UFJF- Universidade Federal de Juiz de Fora

14 UFRJ- Universidade Federal do Rio de Janeiro USGS- United States Geological Survey ρ- Massa específica υ - Coeficiente de Poisson

15 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA VOLUME CONSUMIDO DE AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL AREIA ARTIFICIAL- TENDENCIA E ALTERNATIVA TECNOLÓGICA CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA BENEFICIADORA DE AREIA ARTIFICIAL A PETRA AGREGADOS PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL MATERIAIS ARGAMASSAS... 34

16 5.3 CONCRETOS METODOLOGIA DE EXECUÇÃO DE ENSAIOS Ensaios em argamassa de cimento e areia artificial Determinação do módulo de elasticidade dinâmico com uso de areia artificial Determinação da absorção de água por capilaridade Determinação da resistência de aderência a tração nos corpos de prova (paredes) Determinação da resistência à tração na flexão e a compressão Ensaio em concreto de cimento Portland coma reia artificial Determinação a resistência a compressão mediante a ser um concreto estrutural ANÁLISES E RESULTADOS ARGAMASSA Módulo de elasticidade dinâmico Absorção de água por efeito de capilaridade... 57

17 6.1.3 Resistência de aderência à tração Resistência à tração na flexão e à compressão CONCRETO Resistência à compressão CUSTO/BENEFÍCIO DA AREIA ARTIFICIAL EM RELAÇÃO A AREIA NATURAL ARGAMASSA Comparativo de custo/benefício de traço de areia natural Comparativo de custo/benefício de traços de areia artificial traço 1: Comparativo de custo/benefício de traços de areia artificial traço 1: Comparativo de custo/benefício de traços de areia artificial traço 1: Comparativo de custo/benefício de traços de areia artificial traço 1: CONCRETO ESTRUTURAL CONSIDERAÇÕES FINAIS... 78

18 9 - CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 81

19 1- INTRODUÇÃO A humanidade é dependente dos recursos minerais para a sua sobrevivência. Com o passar do tempo às técnicas de extração, modificação e utilização de minerais extraídos da natureza foram se aperfeiçoando, sendo mais útil para as necessidades construtivas. Porém, com sua evolução, foi necessária a busca de novas técnicas de construção e de materiais capazes de impor mais qualidade e resistência à construção civil, possibilitando a redução dos efeitos da degradação ao meio ambiente. A produção de agregados é a atividade fundamental para a indústria da construção civil. Os materiais minerais disponíveis hoje na natureza, como brita e areia, são os grandes responsáveis pelas construções de empreendimentos, modificando e alterando as paisagens, aumentando a sua qualidade de vida. Atualmente, grande parte dos processos de industrialização com atividade econômica é fonte geradora de resíduos, causando considerável degradação ambiental, desconsiderando muitas vezes, o desenvolvimento sustentável do ambiente construído. Portanto há um esforço por parte de órgãos regulatórios e de fiscalização em coibir a exploração das cavas de rios para produção de areia, isso porque, a atividade provoca diversos impactos negativos ao meio ambiente. Sendo assim, se observa uma migração dos mineradores para locais cada vez mais distantes dos grandes centros urbanos consumidores.

20 17 Com isso a pedreira trata de centrar- se num desafio atual, o aproveitamento racional dos resíduos provenientes dos processos de britagem, os finos. Além de diminuir o preço de transporte por estar próximo aos grandes centros, esse produto apresenta outras vantagens, tais como: redução no impacto ambiental, redução do estoque de finos nas pedreiras e redução do custo na construção civil. O presente trabalho trata da areia artificial sendo introduzida no mercado do Rio de Janeiro pela pedreira da região metropolitana OBJETIVO GERAL Este trabalho tem como objetivo determinar as características físicas, aplicabilidade, viabilidade técnica e econômica de argamassas de revestimento e concretos confeccionados com areia artificial com substituição total de areia natural OBJETIVOS ESPECÍFICOS Transmitir o conceito e descrever o avanço da areia artificial em relação a mitigação dos impactos ambientais como solução economicamente viável para construção civil no Rio de Janeiro. Apresentar ensaios de caracterização normatizados em relação a areia artificial produzida por pedreira no estado do Rio de Janeiro. Obter concretos com resistência média a compressão de 20 Mpa, com substituição total da areia natural por areia artificial, a partir de um método de dosagem racional. Analisar os resultados obtidos nos ensaios e determinar a aplicabilidade do agregado em argamassas de revestimento e concreto, ressaltando a substituição e resistência do concreto estrutural.

21 JUSTIFICATIVA O estudo da areia artificial em substituição da areia natural suscita reflexões em relação aos impactos ambientais e econômicos. A retirada de agregado miúdo (natural) agride a natureza, principalmente no que se refere aos rios, modificando em muitas vezes sua calha natural provocando um aumento de vazão de água e/ou acelerando a erosão, afetando a cobertura vegetal pertinentes as margens. Quando a extração é feita em solo arenoso com a criação de cavas, estas podem se transformar em lagos propícios a grandes depósitos de insetos transmissores de doenças, modificando a paisagem natural do meio ambiente. Órgãos de defesa e fiscalização do meio ambiente como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e o Instituto Estadual do Ambiente (INEA), vêm coibindo a prática desordenada de extração de recursos minerais principalmente de agregado miúdo (natural). Dentro desse contexto, os mineradores estão sendo forçados a se afastar cada vez mais do mercado consumidor, aumentando o preço final do produto mais transporte. Neste cenário o setor de agregados enfrenta ainda a questão de estocagem dos finos oriundos do processo de britagem. O pó de pedra, utilizado apenas em trabalhos específicos contribui com o aumento das pilhas de estocagem nas áreas de pedreiras, impactando diretamente em geração de poeira e estagnação de geração a rentabilidade e retorno do capital investido. A areia artificial foi desenvolvida para se tornar viável economicamente e proporcionar menos impactos negativos ao meio ambiente.

22 19

23 20 2- VOLUME CONSUMIDO DE AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL No Brasil o segmento econômico da construção civil é responsável por 14,8% do PIB, representando um importante setor da economia no país. Entretanto, a indústria da construção civil é a responsável por 14 a 50% do consumo dos recursos naturais consumidos pela sociedade em todo planeta (SILVA FILHO et al., 2002). A construção de moradias, saneamento básico, ferrovias, rodovias, hidrovias, portos, aeroportos, viadutos, pontes e outros são exemplo de aplicações dos agregados na construção civil ligadas ao conceito de geração de valor e qualidade de vida da população. O consumo de agregados pode ser considerado como um bom indicador do nível de desenvolvimento econômico e social de um povo. Os Estados Unidos consomem anualmente 7,5 toneladas de agregado por habitante para uso da construção civil, a União Europeia, de 5 a 8 t/hab/ano, enquanto que no Brasil, o consumo está pouco acima de 2t/hab/ano (VALVERDE, 2001).

24 21 Segundo o Serviço Geológico Americano (USGS United States Geological Survey), o consumo anual de bens minerais por habitante nos EUA, em 2000, foi da ordem de kg. Deste total, kg foram de rocha britada e kg de areia e cascalho. Considerando-se que parte da rocha britada foi usada com fins industriais cimento, cal, indústria química e metalurgia. Ou seja, 75% do consumo médio americano de bens minerais foram de agregados para a construção civil. A produção nacional registrada em 2006 correspondeu a 358 milhões de toneladas, dos quais, 146,0 milhões de toneladas correspondem a pedras britadas e 212,0 milhões de toneladas a areia (VALVERDE, 2007). A produção nacional de agregados em 2004 correspondeu a 226,4 milhões de toneladas, sendo 135 milhões de toneladas de pedras britadas e 128,7 milhões de toneladas de areia (DNPM, 2005). Em 2005 a produção nacional de agregados atingiu 331 milhões de toneladas (VALVERDE 2006). A produção brasileira mostra que entre 2001 e 2007 o consumo de brita cresceu 13,85% e a de areia 14,85%. Em escala monetária, o consumo foi estimado em praticamente dois bilhões de reais anuais no ano de A grande quantidade de ocorrências e empreendimentos, bem como o fato de os produtos serem homogêneos, satisfaz algumas das condições para a existência de mercados perfeitamente concorrenciais (exceto pelo fato de existirem barreiras a entrada). A implicação disso é que as forças que mais atuam para a formação dos preços é o estado da demanda e a capacidade do parque produtor em atendê-la num dado período. Além do transporte, outro item importante de custo são os equipamentos e peças de reposição, fato normal ao setor mineral, que geralmente é intensivo em tecnologia. Entretanto, para agregados da construção

25 22 civil, a tecnologia não representa um custo mais significativo do que o transporte devido à relativa baixa intensidade tecnológica da mineração de agregados, em comparação aos demais produtos da indústria mineral. No preço final, o transporte responde por cerca de 1/3 do custo final da areia, e 2/3 do preço final da brita (DNPM, 2009, p. 8). Este setor é o segmento da indústria mineral que comporta o maior número de empresas e trabalhadores e o único a existir em todos os estados brasileiros. As reservas podem ser consideradas abundantes, mas o acesso a elas depende de fatores como legislação ambiental restritiva, da expansão urbana, que esteriliza áreas para aproveitamento, e a distância, pois nada adianta uma jazida de boa qualidade, mas localizada distante demais dos grandes centros consumidores (DNPM, 2009). No Rio de Janeiro com o aumento da construção civil na região metropolitana, o distrito areeiro de Seropédica- Itaguaí tornou se o principal provedor de areia para a construção civil do estado, produzindo cerca de m³ de areia (~ toneladas- mais da metade de toda a produção do estado em 2005) e suprindo cerca de 70% da areia da região metropolitana, o que significou uma geração de mais de 300 empregos diretos e dezenas de indiretos. Atualmente são mais de 80 cavas de extração de areia em atividade, compreendendo uma área total de 40 km² e a reserva estimada de 540m³ ( todo distrito areeiro). Portanto há a necessidade de substituição de areia natural por outro agregado que tenha as mesmas finalidades, além da informalidade prejudicando muito o desenvolvimento de uma região, não há areia suficiente para o volume atual de construções e a natureza sofre consequências como agressão à calha dos rios e suas margens. A substituição deste agregado é uma necessidade ecológica e uma tendência tecnológica (ENTAC, 2006). Segundo Pereira (2004),a extração da areia natural em leito de rios chega a cerca de 90% os restantes 10% são de outras fontes. Os órgãos de fiscalização ambiental, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente - IBAMA têm restringido essa atividade extrativa.

26 23 Desta forma, há necessidade de buscar novas localidades, fazendo com que cada vez mais aumente a distância entre o consumidor e o produtor, sendo em média de 200 km, aumentado assim cerca de 70% o valor do produto final (PEREIRA, 2004): FIGURA 1- Evolução da produção de agregados no Brasil Areia Brita Agregados Fonte: DNPM, (VALVERDE e TS UCHIYA, 2011)

27 24 3- AREIA ARTIFICIAL- TENDENCIA E ALTERNATIVA TECNOLÓGICA Devido ao grande avanço, a construção civil é a única consumidora de areia, aumentando a cada ano o volume a ser consumido. Contudo, tendo em vista as eleições de 2014, planos habitacionais, obras contratadas do governo federal e obras visando o Campeonato Mundial de 2014, a demanda deve aumentar em todo o país e os preços devem crescer pelo menos até Particularmente seu uso encontra-se em setores repartidos no mercado como revendedores (lojistas), fábrica de artefatos de concreto, empresas de prémoldados de concreto, usinas de concreto asfáltico, empresas de concreto usinado e material para compor terraplenagem (sub-base e base) de rodovias e ferrovias. Estas divisões de setores são responsáveis pela infraestrutura, construção pesada e moradias contemplando as edificações em nosso país. No Rio de Janeiro os principais polos produtores são: Seropédica/Itaguaí, Barra de São João/ Silva Jardim, Cabo Frio e Rio Paraíba do Sul. Segundo o site da Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil (ANEPAC), o consumo de areia está dividido em 35% para argamassa, 20% concreteiras, 15% construtoras, 10% pré-fabricados, 10% revendedores/lojas, 5% pavimentadoras/ usinas de asfalto, 3% órgãos públicos e 2% outros.

28 25 Em 2011, o cenário econômico da indústria de construção mostrou que, apesar de terse registrado uma desaceleração das vendas no mercado imobiliário, o crescimento da construção foi superior ao PIB, com o crédito para habitação em contínua expansão, manutenção do pleno emprego e elevação dos custos da mão-de-obra (DNPM, 2012). Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, a situação é uma incerteza, já que há grandes reservas em exploração dentro da região, principalmente em Piranema, nos municípios de Itaguaí e Seropédica, fornecedor de 80% da demanda do Grande Rio. Entretanto, a região já importa areia da região de Campos (250 km do Rio de Janeiro) e do Vale do Rio Paraíba do Sul (120 km), devido a restrições de órgãos ambientais que proíbem as extrações em regiões mais próximas dos grandes centros. A situação do Rio de Janeiro pode se tornar bastante crítica, caso seja proibida a extração de areia em Piranema, ameaça que constantemente ronda os mineradores. Há que se resolver definitivamente a situação no local, dando garantias de que a mineração será permitida enquanto houver reservas, sabendo que diversas formas de vegetação e florestas situadas às margens dos cursos d`água são consideradas como área de preservação permanentes. As maiores distâncias de transporte e o maior custo final do produto em grandes centros urbanos, como Rio de Janeiro, têm criado importantes desafios e oportunidades para a indústria de agregado no Brasil no sentido de buscar materiais alternativos à areia natural( ALMEIDA, 2005). No que se refere agregados miúdos para poder fazer as séries históricas de produção e consumo, foi usada a relação que existe entre o consumo da areia com o consumo do cimento e informações parciais. Assim, a produção de 2007 foi estimada em 250 milhões de toneladas, a de 2008 em 279 milhões de toneladas.

29 26 Para estimativa do consumo histórico da areia, a correlação foi feita com o consumo do cimento. Em 2005, foram 223 milhões de toneladas; em 2006, 244 milhões; em 2007, 268 milhões. Para 2008, estimou-se um consumo de 301 milhões de toneladas de areia. Na projeção para 2030, prevê-se que o consumo atinja 524 milhões de toneladas no cenário frágil, 827milhões de toneladas no cenário vigoroso e milhões de toneladas no cenário inovador, segundo critérios do RT 01 de Calaes. Segundo Almeida (2005) cerca de 90% da areia consumida é extraída do leito de rios, sendo responsável pela degradação das matas ciliares e assoreamento dos cursos d`água. Um material que pode atender essas especificações é a areia produzida a partir de processos de cominuição de rocha sã, também chamada de areia de brita, areia artificial ou areia manufaturada (ALMEIDA, 2005). Segundo Tiecher (2003), a areia artificial é um produto alternativo, que causa menor degradação ao meio ambiente. Se utilizada para produção de argamassas denota maior aderência que a areia natural, pois possui grãos mais angulosos e ásperos ``. De acordo com Petrucci, (1998), as melhores areias artificiais são as que provêm de granitos e pedras com grande proporção de sílica`. São várias as vantagens técnicas obtidas dessa real substituição, dentre as quais são temos as características e controles constantes realizados nas areias artificiais, com um alto investimento em mão de obra especializada para tal controle. Mas também existem diferenças entre esses dois tipos de agregados e, portanto, é necessário adequar este novo produto no que se refere à distribuição granulométrica (caracterização), (GUACELLI, 2010).

30 27 De acordo com a ABNT- NBR 9935:2011, define agregado como: Material granular, geralmente inerte, com dimensões e propriedades adequadas para a preparação de argamassa ou concreto``. Agregado natural é o material pétreo granular que pode ser utilizado tal e qual encontrado na natureza, podendo ser submetido a lavagem, classificação ou britagem. Agregado artificial é granular resultante de processo industrial envolvendo alteração mineralógica, química ou físico- química da matéria-prima original, para uso como agregado em concreto e argamassa. Agregado miúdo é o agregado cujos os grãos passam na peneira com abertura de malha 4,75 mm e ficam retidos na peneira com abertura de malha 150 µm, atendidos os requisitos da ABNT NBR 7211:2009. Areia é o agregado miúdo originado através de processos naturais ou artificiais de desintegração de rochas ou provenientes de outros processos industriais. Pó de pedra é o material granular proveniente da britagem de rocha, que passa na peneira de malha 6,3 mm. Finos são o material granular que passa na peneira com abertura de malha de 150 µm. Materiais pulverulentos são as partículas com dimensão inferior a 75 µm, inclusive os materiais solúveis em água, presentes nos agregados.

31 28 A norma ABNT NBR 9935:1987 classificava como agregado natural aquele que pode ser utilizado tal e qual encontrado na natureza, a menos de lavagem e seleção; e agregado artificial como o resultante de processo industrial, incluindo britagem de rocha ou pedregulho``. A norma em vigência NBR 9935:2011, por outro lado, classifica os agregados obtidos através de processo de britagem como naturais, visto que leva em conta a origem do material, enquanto a anterior considerava o processo de obtenção (GUACELLI, 2010). A utilização de agregados miúdos derivados do processo de britagem de rochas já são utilizados a mais de 30 anos em países desenvolvidos, já notando a importância da substituição de areia extraídas de leitos de rios. Dependendo da sua granulometria a areia artificial possui diversas aplicações, quais sejam: Areia fina (0,075 2,00)mm: Argamassa para levantamento de alvenarias e reboco e serviços em que são utilizadas as argamassas em geral; Areia média (0,075 6,3)mm: Concretos estruturais confeccionados em obras e pré fabricados e serviços em que são utilizados os concretos em geral. Segundo Almeida (2005), são várias as vantagens dessa substituição, e dentre elas destacam- se as seguintes: Obtenção de areia com características constantes;

32 29 Redução dos custos da construção civil; Baixo teor de umidade; Proximidade entre produção e consumidor final dos agregados miúdos; Redução do impacto ambiental decorrente da extração de areia de rio. Desta forma existem diferenças importantes nas características destes agregados, ou seja: Na produção de areia artificial, apresenta elevada proporção de partículas menores que 0,075 mm (tipicamente entre 10 e 25 %)- (ALMEIDA 2004). A fim de atender à especificação granulométrica imposta pela NBR 7211:2009 (agregados para concreto) impõe um limite de no máximo 10% para concreto submetido a desgaste superficial. CAMARINI e ISHIKAWA (2004) também chegaram à mesma conclusão em seus estudos, salientando, ainda, que o teor de material pulverulento não contribui para aumentar a retenção de água, e que a argamassa produzida com esse agregado melhora a plasticidade, diminui o teor de ar aprisionado e contribui para o aumento da massa específica. Segundo SILVA e CAMPITELLI (2005) conclui-se que as partículas da areia britada são angulosas, portanto menos esféricas, influindo negativamente na trabalhabilidade da argamassa, sendo esta uma das dificuldades na sua utilização, enquanto que as partículas da areia natural são sub arredondadas.

33 30 4- CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA BENEFICIADORA DE AREIA ARTIFICIAL 4.1- A PETRA AGREGADOS A empresa por atuar no estado de Minas Gerais e na região serrana do Rio de Janeiro, levou os sócios a despertaram interesses no estado. Através de uma consultoria bem elaborada conseguiram um terreno próximo à rodovia presidente Dutra que era uma antiga pedreira desativada, inicialmente pensou-se em um projeto com capacidade produtiva de m³/mês, porém os sócios da Petra concluíram que o projeto era inviável, por possuir uma área pequena, com o inconveniente adicional de apresentar vários vizinhos, como por exemplo, pequenas indústrias e moradores localizados muito próximos à futura instalação. Em 2010, a empresa voltou a se interessar pelo mercado do Rio de Janeiro, iniciando buscas por novos terrenos, realizando sobrevoos e prospecções. Mais uma vez não conseguiu encontrar nenhuma área que fosse vantajosa, pois a região metropolitana do Rio já estava toda mapeada e as concessões dos morros já se achavam nas mãos de terceiros.

34 31 A solução encontrada foi viabilizar o terreno no município de Queimados. A área tinha como maior diferencial o fator logístico por estar localizado próxima a importantes rodovias, o que facilitaria o escoamento da produção. Assim nasceu a Petra agregados no Rio de Janeiro, o novo nome engloba a unidade de Minas Gerais e Rio. Iniciou- se o processo de aquisição de áreas ao entorno de um tamanho de m² para m² de área. A estimativa de produção de m³/mês, assim atendendo as grandes obras do estado e desenvolvendo sustentabilidade e tecnologia. O ano de 2011 marcou o começo da prospecção do subsolo através de estudos feitos por geólogos, que detectaram a presença de rocha entre seis e dez metros de profundidade. Iniciou se então a etapa de cotação de preços e subsequente compras de máquinas e equipamentos de terraplenagem. A escavação do terreno teve início com o trabalho de decape, e logo percebeu- se que a rocha estava a uma profundidade muito maior do que o esperado. A empresa contratou novos serviços de sondagem que mostraram que o material de transição acima da rocha tinha na verdade, aproximadamente 40 metros de espessura, o que gerou grande preocupação relativa aos custos de decape. Uma solução para este problema foi buscada e observando- se a composição granulométrica da camada de transição, que era de 85% areia, 7% argila e 8 % pedregulho, aventou- se a possibilidade de beneficiar esse material em areia artificial sendo hoje a pioneira no mercado do Rio de Janeiro.

35 32 5- PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL O planejamento experimental deste trabalho foi desenvolvido de modo a conferir as características da areia artificial produzida pela pedreira Petra Agregados sendo verificado que até os dias atuais é a única a beneficiar o agregado miúdo no estado do Rio de Janeiro e determinar sua aplicabilidade em concretos e argamassas de revestimento, verificando também a parte econômica e financeira em comparação com areia natural. O apêndice A ilustra um esquema dos ensaios realizados MATERIAIS Cimento: CP III 32 RS (Resistente a sulfatos) Areias: Para produzir e confeccionar argamassas de revestimento e concretos foram utilizados dois tipos de areias respectivamente, areia fina e areia média produzidos pela pedreira Petra Agregados. A seguir encontram- se algumas características desses materiais citados:

36 33

37 34 1. Ensaio granulométrico: TABELA 1- Granulometria da areia artificial fina produzida na pedreira Petra agregados no Rio de Janeiro. GRANULOMETRIA PENEIR A PESO PORCENTAGEM ( mm ) RETIDO RETIDA ACUMUL ,5 9,5 6,3 - % % 4,8 - % % 2,4 - % % 2,0 - % % 1,2 45,3 4,53 % 4,53 % 0,6 223,7 22,37 % 26,90 % 0,3 366,4 36,64 % 63,54 % 0,15 252,5 25,26 % 88,79 % 0,075 79,1 7,91 % 96,70 % FUNDO 33,0 3,30 % 100 % TOTAL 1000,0 100,00 % FIGURA 2- Representações granulométricas da areia artificial fina

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Agregados Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: ELETROBRAS FURNAS ABNT NBR 9935:2011 ABNT NBR 7211:2009 Mehta and Monteiro, 2008 Pacelli,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Disciplina Materiais de Construção Civil A Agregados para concreto Profa. Lia Lorena Pimentel 1 1. AGREGADOS PARA ARGAMASSAS E CONCRETOS Uma vez que cerca

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil Curso (s) : Engenharia Civil de Joinville Nome do projeto: ESTUDO DA

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS ANTÔNIO QUERIDO JÚNIOR Graduando do curso de Engenharia Civil Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo / Brasil antonioquerido@yah oo.com.br RITA MOURA FORTES Prof. Doutora Universidade Presbiteriana

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO PRODUZIDAS COM AREIA ARTIFICIAL PARA ALVENARIA ESTRUTURAL

PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO PRODUZIDAS COM AREIA ARTIFICIAL PARA ALVENARIA ESTRUTURAL I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO Afonso Maria Araújo (1) (1) Mestrando, Programa de Pós-Graduação em Geotecnica e Construção Civil, Universidade Federal

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO Maressa Soares de Sousa (1) Mestranda em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo IFCE.

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil Curso (s) : Engenharia Civil Nome do projeto: ANÁLISE COMPARATIVA DA

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição.

Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição. Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição. Patrícia Krüger (Universidade Estadual de Ponta Grossa) E-mail: pkruger@uepg.br Luana Aparecida Cabral (Universidade Estadual de

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO RIBEIRO, Renato Rodrigo FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi FAIT - Faculdade

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Concreto de Cimento Portland Concreto é uma mistura de agregados miúdos e graúdos, cimento e água. Estes três materiais, reunidos e bem misturados, constituem uma massa plástica que endurece no fim de

Leia mais

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 REGULAMENTO DO 2º CONCURSO CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 1/11 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a habilidade dos competidores na preparação de concretos resistentes

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR RS SC SC China SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal Tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais