26/08/2013. Árvore. Árvore. Árvore. Floresta :: Exemplo. Floresta ÁRVORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "26/08/2013. Árvore. Árvore. Árvore. Floresta :: Exemplo. Floresta ÁRVORES"

Transcrição

1 2 ÁRVORES Dado um grafo G G é chamado de árvore caso seja não direcionado, conectado e não possua circuitos simples Matemática Discreta Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática 3 4 Ex: quais dos grafos abaixo são árvores? G 1 e G 2 são árvores G 3 não é árvore, pois existe circuito simples (*e, b, a, d, e+) G 4 não é árvore, pois não é conectado 5 6 Floresta Floresta :: Exemplo Dado um grafo G G é chamado de floresta caso seja não direcionado, desconectado e não possua circuitos simples Uma floresta é composta de várias árvores 1

2 7 8 Dado um grafo não direcionado G G é uma árvore se e somente se existe um caminho simples entre dois vértices quaisquer de G Enraizada Dada uma árvore T Uma árvore enraizada T é um grafo direcionado gerado a partir de T ao se eleger um vértice como raiz As arestas de T são direcionadas saindo da raiz 9 10 :: Terminologia Pai de v : vértice u tal que existe aresta (u, v) Filhos de v: vértices u que têm v como pai Irmãos de v: vértices u que têm mesmo pai que v Ancestrais de v: vértices no caminho da raiz para v, incluindo a raiz e excluindo v Descendentes de v: vértices u que têm v como ancestral Vértice v é folha quando não possui filhos Vértice v é interno quando possui filhos :: Terminologia Ex: na árvore enraizada abaixo, encontre: Pai de c b Filhos de g, i, j Irmãos de i, j Ancestrais de e a, b, c Descendentes de b c, d, e :: Terminologia Ex: na árvore enraizada abaixo, encontre: Vértices internos a, b, c, g,, j Folhas d, e, f, i, k, l, m Subárvore A subárvore de T enraizada em v é o subgrafo de T consistindo de v, descendentes de v e todas as arestas incidentes aos descendentes de v 2

3 13 14 Subárvore Ex: na árvore enraizada abaixo, encontre a subárvore enraizada em g m-ária T é uma árvore m-ária se todo vértice interno não possui mais que m filhos T é uma árvore m-ária completa se todo vértice interno possui exatamente m filhos Uma árvore m-ária com m = 2 se chama árvore binária m-ária Ex: dentre as árvores enraizadas abaixo, quais são árvores m-árias completas para algum inteiro positivo m? T 1 é uma árvore binária completa T 2 é uma árvore 3-ária completa T 3 é uma árvore 5-ária completa s Enraizadas Ordenadas T é uma árvore enraizada ordenada se os filhos de cada vértice interno são ordenados T desenhada de forma que filhos de cada vértice interno sejam exibidos em ordem da esquerda para a direita Binária Ordenada Dada uma árvore binária ordenada T com dois filhos ordenados Primeiro filho de v é chamado de filho à esquerda de v Segundo filho de v é chamado de filho à direita de v Subárvore enraizada no filho à esquerda de v é chamada de subárvore à esquerda de v Subárvore enraizada no filho à direita de v é chamada de subárvore à direita de v Binária Ordenada Ex: quais são os filhos à esquerda e à direita de d na árvore abaixo e quais são as subárvores à esquerda e à direita de c? f é o filho à esquerda de d g é o filho à direita de d Subárvores de c: 3

4 19 20 Uma árvore com n vértices possui n 1 arestas Uma árvore m-ária completa com i vértices internos possui n = mi + 1 vértices Uma árvore m-ária completa com i vértices internos possui l = m 1 i + 1 folhas Pois n = i + l Ex: uma certa corrente ocorreu da seguinte forma: Cada pessoa que recebeu uma mensagem deveria mandá-la para outras 4 pessoas Sabe-se que 100 pessoas receberam a mensagem mas não enviaram a mensagem para outras pessoas Ninguém recebe mais que uma mensagem Pergunta 1: quantas pessoas enviaram a mensagem, incluindo a pessoa que começou a corrente? Pergunta 2: quantas pessoas viram a mensagem, incluindo a pessoa que começou a corrente? Corrente representada por uma árvore 4-ária completa com n vértices, sendo i vértice internos e l folhas Vértices: pessoas que viram a mensagem Vértices internos: pessoas que enviaram a mensagem Folhas: pessoas que receberam a mensagem mas não enviaram a mensagem para outras pessoas l = 100 = m 1 i i + 1 = 100 3i = 99 i = pessoas enviaram a mensagem n = i + l n = = pessoas viram a mensagem Dada uma árvore m-ária T O nível de v é o tamanho do caminho único da raiz até v A altura de T é o nível máximo dos vértices de T Ex: qual o nível de cada vértice e a altura da árvore enraizada abaixo? Nível 0: a Nível 1: b, j, k Nível 2: c, e, f, l Nível 3: d, g, i, m, n Nível 4: Altura da árvore: 4 4

5 25 26 Dada uma árvore m-ária T de altura T está balanceada se todas as folhas de T estão nos níveis ou 1 Ex: quais das árvores abaixo estão balanceadas? T 1 está balanceada (folhas estão nos níveis 3 e 4) T 2 não está balanceada (folhas estão nos níveis 2, 3 e 4) T 3 está balanceada (folhas estão no nível 3) 27 Dada uma árvore m-ária T de altura com l folhas Então l m h log m l log m m h log m l Como é inteiro, então log m l 5

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

Árvore - Introdução. Teoria dos Grafos. Árvore Livre. Árvore Enraizada. Algumas Definições. Algumas Definições

Árvore - Introdução. Teoria dos Grafos. Árvore Livre. Árvore Enraizada. Algumas Definições. Algumas Definições Árvore - Introdução Árvores Em nosso dia-a-dia nos deparamos com muitos exemplos de árvores: Árvore genealógica. Organograma de uma empresa. Tabela de um torneio esportivo. Na computação: Organização da

Leia mais

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo Árvores Binárias e Busca Jeane Melo Roteiro Parte 1 Árvores Relação hierárquica Definição Formal Terminologia Caminhamento em Árvores Binárias Exemplos Parte 2 Busca seqüencial Busca Binária Grafos Conjunto

Leia mais

UFSC-CTC-INE INE5384 - Estruturas de Dados. Árvores. Prof. Ronaldo S. Mello 2002/2. Árvore

UFSC-CTC-INE INE5384 - Estruturas de Dados. Árvores. Prof. Ronaldo S. Mello 2002/2. Árvore US-T-IN IN5384 - struturas de ados Árvores Prof. Ronaldo S. Mello 2002/2 Árvore Uma árvore é uma estrutura que mantém uma relação de hierarquia ou composição entre os dados 1 xemplo João (P) Paulo () na

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Procedimento para Inserir na Árvore Binária Critérios: Atingir um ponteiro nulo em um processo de pesquisa significa uma pesquisa sem sucesso. O ponteiro

Leia mais

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Introdução No dia a dia aparecem muitos problemas envolvendo árvores:

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Conjunto de nós e conjunto de arestas que ligam pares de nós Um nó é a raiz Com excepção da raiz, todo o nó está ligado por uma aresta a 1 e 1

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS Um grafo G(V,A) pode ser conceituado como um par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio cujos elementos são de denominados vértices ou nodos do grafo; A

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

Árvores Binárias Balanceadas

Árvores Binárias Balanceadas Árvores Binárias Balanceadas Elisa Maria Pivetta Cantarelli Árvores Balanceadas Uma árvore é dita balanceada quando as suas subárvores à esquerda e à direita possuem a mesma altura. Todos os links vazios

Leia mais

ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA

ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA Árvores binárias de pesquisa são uma estrutura alternativa do tipo árvore binária, para guardar valores de tal forma que a recuperação dos mesmos pode ser efectuada de forma

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Uma árvore de pesquisa binária são estruturas de dados que admitem operações

Leia mais

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 2014 Árvores binárias Um árvore binária é um grafo dirigido, conexo e acíclico em que cada vértice é de um de dois tipos:

Leia mais

Árvores Binárias. Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa.

Árvores Binárias. Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa. Árvores Binárias Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa. Árvores Binárias Árvore binária é definida como um conjunto finito de nós que Ou está vazio Ou consiste de

Leia mais

Árvores. Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Prof. Fernando Buarque. Engenharia da Computação. Poli - UPE

Árvores. Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Prof. Fernando Buarque. Engenharia da Computação. Poli - UPE Árvores Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Prof. Fernando Buarque Engenharia da Computação Poli - UPE Motivação Para entradas realmente grandes, o acesso linear de listas é proibitivo Estrutura de dados

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Laboratório I Prof. Osório Balanceamento de Árvores Binárias Pag.: - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática LABORATÓRIO II AULA : Balanceamento

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 4) Árvores balanceadas AVL, Rubro-Negras, B-Trees Operações em árvores binárias de busca

Leia mais

CONCEITO DE ÁRVORE CES-11. A raiz é o único nó que não possui ancestrais. As folhas são os nós sem filhos. Exemplos:

CONCEITO DE ÁRVORE CES-11. A raiz é o único nó que não possui ancestrais. As folhas são os nós sem filhos. Exemplos: Árvores associadas a árvore Tantos as pilhas como as filas são estruturas lineares, isto é, de uma única dimensão. Na sua implementação, as listas ligadas possibilitam maior flexibilidade que os vetores,

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ÁRVORES ED2: MSc. Daniele Oliveira 2 Introdução Filas, pilhas» Estruturas Lineares Um dos exemplos mais significativos de estruturas não-lineares são

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

Árvores Rubro-Negras. Árvores Rubro-Negras. (Vermelho-Preta) Estrutura da Árvore. Estrutura da Árvore

Árvores Rubro-Negras. Árvores Rubro-Negras. (Vermelho-Preta) Estrutura da Árvore. Estrutura da Árvore Árvores Rubro-Negras Árvores Rubro-Negras (Vermelho-Preta) Árvore Binária de Pesquisa (ABP) com nodos coloridos de vermelho e preto Árvore balanceada Qualquer caminho da raiz até as folhas, nenhum caminho

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: (06241) Algoritmos e Estruturas de Dados. PRÉ-REQUISITOS: Matemática Discreta e Introdução a Programação

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: (06241) Algoritmos e Estruturas de Dados. PRÉ-REQUISITOS: Matemática Discreta e Introdução a Programação UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Grafos Cliques Maximais Para determinar os cliques maximais de um grafo G podemos usar o método de Maghout em Dado o grafo abaixo, calcule Determine os conjuntos independentes maximais em

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Árvores Existe uma ampla variedade de dados que são comumente organizados sob a forma de árvores hierárquicas utilizadas recorrentemente em nosso dia a dia. Exemplos são a organização administrativa de

Leia mais

Exercícios: Árvores. Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de estrutura de dados em linguagem C

Exercícios: Árvores. Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de estrutura de dados em linguagem C Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de estrutura de dados em linguagem C Exercícios: Árvores 1. Utilizando os conceitos de grafos, defina uma árvore.

Leia mais

Árvores e Árvores Binárias

Árvores e Árvores Binárias MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvores do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms + Data Structures

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS II

ESTRUTURAS DE DADOS II ESTRUTURAS DE DADOS II Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Conteúdo Programático 1. Introdução

Leia mais

EAD Árvore - representação usando listas ligadas

EAD Árvore - representação usando listas ligadas 4.1. Definição É uma árvore binária em que os seus nodos têm associado uma chave, que - determina a sua posição de colocação na árvore e - obedece às seguintes regras: a chave de um nodo é - maior do que

Leia mais

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa com balanceamento Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa Pior caso para uma busca é O(n) 1 3 Ordem de inserção: 1 3 2 4 5 6 2 4 5 6 2 Árvore completamente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 5

Teoria dos Grafos Aula 5 Teoria dos Grafos Aula Aula passada Explorando grafos Mecanismos genéricos Ideias sobre BFS, DFS Aula de hoje Busca em grafos Busca em largura (BFS Breadth First Search) Propriedades Busca em Grafos Problema

Leia mais

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA PERCOLAÇÃO Hemílio Fernandes Campos Coêlho Andrei Toom PIBIC-UFPE-CNPq A percolação é uma parte importante da teoria da probabilidade moderna que tem atraído muita atenção

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 27

Teoria dos Grafos Aula 27 Teoria dos Grafos Aula 27 Aula passada Aula de hoje Algoritmo de Ford Aplicações do fluxo Fulkerson máximo Análise do algoritmo Emparelhamento perfeito Melhorando algoritmo inicial Caminhos distintos Corte

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

Otimização em Grafos

Otimização em Grafos Otimização em Grafos Luidi G. Simonetti PESC/COPPE 2017 Luidi Simonetti (PESC) EEL857 2017 1 / 35 Teoria dos Grafos - Relembrando Árvore Um grafo G é uma árvore se é conexo e não possui ciclos (acíclico).

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados 2

Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Unidade 1: Árvores binárias Rafael Beserra Gomes Universidade Federal do Rio Grande do Norte Material compilado em 21 de fevereiro de 201. Licença desta apresentação:

Leia mais

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Árvores AVL Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Roteiro (/2) Árvore Binária de Pesquisa - Pior Tempo ABP Balanceada e Não Balanceada Balanceamento de Árvores Balanceamento de ABP Balanceamento

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br aula disponível no site: http://www.bcc.unifal-mg.edu.br/~humberto/ Universidade Federal de

Leia mais

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho Teoria dos Grafos Aulas 3 e 4 Profa. Alessandra Martins Coelho fev/2014 Passeio ou percurso Um passeio ou percurso é uma sequência finita de vértices e arestas Exemplo Em (1) o passeio inicia pelo vértice

Leia mais

Estruturas de Dados Árvores

Estruturas de Dados Árvores Estruturas de Dados Árvores Prof. Eduardo Alchieri Árvores (introdução) Importância de estruturas unidimensionais ou lineares (vetores e listas) é inegável Porém, estas estruturas não são adequadas para

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

Cortes (cut sets) 2010/2 Teoria dos Grafos (INF 5037/INF2781) CC/EC/UFES

Cortes (cut sets) 2010/2 Teoria dos Grafos (INF 5037/INF2781) CC/EC/UFES Cortes (cut sets) (INF 5037/INF2781) Corte por arestas Em um grafo conexo G, um corte de arestas é um conjunto de arestas cuja remoção de G torna G desconexo, desde que nenhum subconjunto próprio desse

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 2

Teoria dos Grafos Aula 2 Teoria dos Grafos Aula 2 Aula passada Logística, regras Objetivos Grafos, o que são? Formando pares Encontrando caminhos Aula de hoje Outro problema real Definições importantes Algumas propriedades Grafo

Leia mais

Estrutura de Dados Árvores. Prof. Robinson Alves

Estrutura de Dados Árvores. Prof. Robinson Alves Estrutura de Dados Árvores Prof. Robinson Alves O que é uma árvore Em Computação, é um modelo abstrato de uma estrutura hierárquica Uma árvore consiste de nós com uma relação pai-filho Brasil Vendas Internacional

Leia mais

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras Árvore Binária de Busca Algoritmos e Estrutura de Dados II Árvores Rubro-Negras Prof. Marco Aurélio Stefanes marco em dct.ufms.br Propriedades Se está na subárvore esquerda de então chave() chave() Se

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Exemplo de árvore binária e são os filhos de Altura desta árvore é 4 é a raiz da sub-árvore esquerda de Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação

Leia mais

Limitada Uma Pesquisa Algorítmica

Limitada Uma Pesquisa Algorítmica Decomposição em Árvore de Grafos com Largura Limitada Uma Pesquisa Algorítmica Luis Eduardo Ximenes Carvalho Departamento de Ciência da Computação - DC/UFC Universidade Federal do Ceará Fortaleza, CE,

Leia mais

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T Pointer Jumping T = (V,E) : árvore direcionada odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V um vértice r tal que v V-{r}, odg(v) = 1, odg(r)=0 v V-{r}, um caminho de v a r O vértice r é dita

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

Árvores & Árvores Binárias

Árvores & Árvores Binárias Árvores & Árvores Binárias Problema Implementações do TAD Lista Linear Lista encadeada eficiente para inserção e remoção dinâmica de elementos, mas ineficiente para busca Lista seqüencial (ordenada) Eficiente

Leia mais

INF1010 Lista de Exercícios 2

INF1010 Lista de Exercícios 2 INF00 Lista de Exercícios 2 Árvores. Construir algoritmo para dada uma árvore n-ária, transformá-la em uma árvore binária. 2. Qual a maior e menor quantidade de nós que podem existir em uma árvore binária

Leia mais

PCC173 - Otimização em Redes

PCC173 - Otimização em Redes PCC173 - Otimização em Redes Marco Antonio M. Carvalho Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal de Ouro Preto 27 de abril de 2016 Marco Antonio M. Carvalho

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Arquivos de registros Abstração do SGBD Pode ser criado, destruido e ter registros incluidos e excluidos nele Tb suporta a varredura Uma relacao geralmente é armazenada como um arquivo de registros Camada

Leia mais

Árvores Balanceadas. Árvore binária completamente balanceada. Ocorre quando a árvore está cheia ou quase cheia com o nível n-1 completo

Árvores Balanceadas. Árvore binária completamente balanceada. Ocorre quando a árvore está cheia ou quase cheia com o nível n-1 completo Árvores Balanceadas As árvores binárias de pesquisa são, em alguns casos, pouco recomendáveis para as operações básicas (inserção, remoção e busca) Árvores binárias de pesquisa degeneradas tornam as operações

Leia mais

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco. jesus.mena@ufabc.edu.br

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco. jesus.mena@ufabc.edu.br BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 2 Árvores Uma árvore é uma estrutura de dados mais geral que uma lista

Leia mais

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes Edson Prestes Idéias básicas Um algoritmo guloso seleciona, a cada passo, o melhor elemento pertencente a entrada. Verifica se ele é viável - vindo a fazer parte da solução ou não. Após uma seqüência de

Leia mais

FATEC Zona Leste. Teoria dos Gráfos. Métodos Quantitativos de Gestão MQG

FATEC Zona Leste. Teoria dos Gráfos. Métodos Quantitativos de Gestão MQG Teoria dos Gráfos Métodos Quantitativos de Gestão MQG Conceitualmente, um grafo consiste em um conjunto de vértices (pontos ou nós) e um conjunto de arestas (pontes ou arcos), ou seja, é uma noção simples,

Leia mais

MESTRADO EM ENSINO DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Dr. Abel Rodolfo Garcia Lozano Profª. Drª. Jacqueline de Cássia Pinheiro Lima

MESTRADO EM ENSINO DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Dr. Abel Rodolfo Garcia Lozano Profª. Drª. Jacqueline de Cássia Pinheiro Lima MESTRADO EM ENSINO DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Modelagem matemática Orientadores: Mestrandos Prof. Dr. Abel Rodolfo Garcia Lozano Profª. Drª. Jacqueline de Cássia Pinheiro Lima Gessé Pereira Ferreira

Leia mais

Introdução à Teoria dos Grafos (MAC-5770) IME-USP Depto CC Profa. Yoshiko. Capítulo 3

Introdução à Teoria dos Grafos (MAC-5770) IME-USP Depto CC Profa. Yoshiko. Capítulo 3 Introdução à Teoria dos Grafos (MAC-5770) IME-USP Depto CC Profa. Yoshiko Capítulo 3 Árvores Problema: Suponha que numa cidade haja n postos telefônicos. Para que seja sempre possível haver comunicação

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Matemática Discreta 10

Matemática Discreta 10 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta 10 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br - www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti 1 Muitas

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais Isabela Dantas de Melo 1 Leonardo Augusto Lima Ferreira da Silva 2 Rodrigo Augusto Vasconcelos Sarmento 3 Victor Souza Fernandes 4 Resumo Este trabalho apresenta análises de redes

Leia mais

ÁRVORES. Profa. Me. Andréa Zotovici

ÁRVORES. Profa. Me. Andréa Zotovici 1 ÁRVORES Profa. Me. Andréa Zotovici ÁRVORES BINÁRIAS É um conjunto finito de elementos, vazio ou particionado em três subconjuntos disjuntos. Nó Raiz A Subárvore Esquerda Nó Raiz da Subárvore Esquerda

Leia mais

SUMÁRIO. Fundamentos Árvores Binárias Árvores Binárias de Busca

SUMÁRIO. Fundamentos Árvores Binárias Árvores Binárias de Busca ÁRVORES SUMÁRIO Fundamentos Árvores Binárias Árvores Binárias de Busca 2 ÁRVORES Utilizadas em muitas aplicações Modelam uma hierarquia entre elementos árvore genealógica Diagrama hierárquico de uma organização

Leia mais

Algoritmos Randomizados: Introdução

Algoritmos Randomizados: Introdução Algoritmos Randomizados: Introdução Celina Figueiredo Guilherme Fonseca Manoel Lemos Vinícius Sá 26º Colóquio Brasileiro de Matemática IMPA Rio de Janeiro Brasil 2007 Resumo Definições Monte Carlo Variáveis

Leia mais

UNIDADE III Estruturas de Dados Moderna Introdução à Árvores. Fonte: Cláudio Esperança e Eduardo Piveta

UNIDADE III Estruturas de Dados Moderna Introdução à Árvores. Fonte: Cláudio Esperança e Eduardo Piveta UNIDADE III Estruturas de Dados Moderna Introdução à Árvores Fonte: Cláudio Esperança e Eduardo Piveta Árvores As árvores são estruturas das mais usadas em computação para representar hierarquias Uma árvore

Leia mais

Online Survivable Network Design

Online Survivable Network Design Fonte: Artigo de Gupta, Krishnaswamy e Ravi. 06 de abril de 2011, IC-Unicamp. Problema de Survivable Network Design Problema de construir uma rede com tolerância a falhas. Podemos considerar falhas nos

Leia mais

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43 AULA A 3 ESTRUTURA RA DE DADOS Árvore B Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: identificar as vantagens da árvore B em relação às árvores binária de busca e AVL; conhecer as funções de

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguinte propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então: Os nós pertencentes

Leia mais

Teoria dos Grafos AULA 2

Teoria dos Grafos AULA 2 Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br AULA 2 Subgrafos, Operações com Grafos Preparado a partir

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

B D. Árvores Ordenadas

B D. Árvores Ordenadas ÈUYRUHV 'HILQLomR Uma árvore 7 é um conjunto finito contendo um ou mais nós (vértices), onde existe um nó especial denominado UDL] e os demais estão organizados em 1 conjuntos disjuntos (T 1, T 2,...,

Leia mais

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sumário 1) Introdução à Pesquisa em Memória Primária 2) Pesquisa Sequencial 3) Pesquisa Binária 4) Árvore

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

Análise de Redes de Transportes. Útil também para várias outras áreas além de Transportes!

Análise de Redes de Transportes. Útil também para várias outras áreas além de Transportes! Análise de Redes de Transportes Útil também para várias outras áreas além de Transportes! Roteiro da apresentação! Conceitos e definições! Caminho mínimo! Árvore de caminhos mínimos! Introdução ao problema

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Trabalho Prático 2

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Trabalho Prático 2 Algoritmos e Estruturas de Dados II Entrega: 24/09/08 Devolução: 15/10/08 Trabalho individual Prof. Jussara Marques de Almeida Trabalho Prático 2 Você foi contratado pela XOL X Online para desenvolver

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

Algoritmos de ordenação Heapsort

Algoritmos de ordenação Heapsort Algoritmos de ordenação Heapsort Sumário Introdução A estrutura de dados heap Definição Manutenção da propriedade de heap A construção de um heap O algoritmo heapsort Introdução Características do heapsort

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 Índice i Índice Capítulo 4 Estrutura de Dados não sequencial com armazenamento não sequencial ( Árvore ) 1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 2. Árvores binárias... 2

Leia mais

Oferta de Serviços. Grafo Planar. Notas. Teoria dos Grafos - BCC204, Planaridade. Notas

Oferta de Serviços. Grafo Planar. Notas. Teoria dos Grafos - BCC204, Planaridade. Notas Teoria dos Grafos - BCC204 Planaridade Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 29 de maio de 2011 1 / 23 Oferta de Serviços Gás Luz Água Podemos oferecer os demais serviços para

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 6

Teoria dos Grafos Aula 6 Teoria dos Grafos Aula 6 Aula passada Busca em grafos Busca em largura (BFS Breadth First Search) Propriedades Aula de hoje BFS implementação Complexidade Busca em profundidade (DFS) Conectividade, componentes

Leia mais

Árvores de Suporte de Custo Mínimo

Árvores de Suporte de Custo Mínimo Árvores de Suporte de Custo Mínimo Pedro Ribeiro DCC/FCUP 2014/2015 Pedro Ribeiro (DCC/FCUP) Árvores de Suporte de Custo Mínimo 2014/2015 1 / 28 Árvore de Suporte Uma árvore de suporte ou árvore de extensão

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

Prémio Banco de Portugal CLAD

Prémio Banco de Portugal CLAD Prémio Banco de Portugal CLAD Regulamento Artigo 1º (Objetivo) 1. O prémio Banco de Portugal CLAD (designado genericamente como Prémio) é promovido por uma parceria entre o Banco de Portugal e a CLAD Associação

Leia mais

Grafos: árvores geradoras mínimas. Graça Nunes

Grafos: árvores geradoras mínimas. Graça Nunes Grafos: árvores geradoras mínimas Graça Nunes 1 Motivação Suponha que queremos construir estradas para interligar n cidades Cada estrada direta entre as cidades i e j tem um custo associado Nem todas as

Leia mais

Circuitos Digitais 1

Circuitos Digitais 1 UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CAMPUS DE SOROCABA Circuitos Digitais 1 - Prática de Laboratório - Simulação de decodificador para display de 7 segmentos Prof Dr

Leia mais

Estruturas de Dados. Árvores AVL. Cesar Tadeu Pozzer. pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br. Curso de Ciência da Computação UFSM (12/12/2007)

Estruturas de Dados. Árvores AVL. Cesar Tadeu Pozzer. pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br. Curso de Ciência da Computação UFSM (12/12/2007) struturas de ados Árvores VL esar Tadeu Pozzer pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br.b urso de iência da omputação UFSM (12/12/2007) Árvore VL Uma árvore binária é denominada VL quando a diferença de altura

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados

Algoritmos e Estruturas de Dados Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2 o Teste - A Ano lectivo: 2010/2011 2 o Semestre RESOLUÇÃO DO 2 o TESTE Grupo I (2.0 + 2.5 + 2.0 = 6.5 val.) I.a) Considere os tipos enum ocasiao e Presente

Leia mais

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens MANUAL: Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens Administrador do Sistema de Viagens Versão: 1.0 Sumário Apresentação... 1 1. Acesso ao sistema... 2 2. Perfis do sistema... 2 3. Configurando o sistema

Leia mais