Diagramasde Interação. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagramasde Interação. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA"

Transcrição

1 Diagramasde Interação Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

2 Diagramasde Interação Foco até o momento levantamento de requisitos; Foco neste momento projeto de objetos; Durante o projeto de objetos, é desenvolvida uma solução lógica baseada em objetos.

3 Diagramasde Interação O cerne dessa solução diagramas de interação Ilustram como os objetos colaboram entre si para atender aos requisitos Esses diagramas ajudam a transformar o modelo de domínio em diagrama de classes (modelo de projeto); Para a criação dos diagramas de interação é necessário levar em consideração: Padrões de atribuição de responsabilidades; Padrões de projeto.

4 Notação de um Diagrama de Interação Ilustra como os objetos interagem (trocam mensagens); Tipos de diagramas utilizados: Diagrama de colaboração(communication UML 2.0); Diagrama de seqüência; Cada tipo possui pontos fortes e fracos.

5 Diagramade Colaboração Forma de grafo ou rede

6 Diagramade Seqüência Ilustra o transcorrer do tempo Objetos colocados lado a lado

7 Pontos Fortes e Pontos Fracos

8 Exemplo de Diagrama de Colaboração: fazerpagamento

9 Leiturado Diagrama A mensagem fazerpagamento é enviada para uma instância de um Registro (PDV). Mensagem essa enviada da interface; O objeto Registro envia a mensagem fazerpagamento para uma instância de Venda; A instância de Venda cria uma instância de Pagamento.

10 Exemplo de Diagrama de Seqüência: fazerpagamento A leitura é semelhante ao diagrama de colaboração.

11 CriandoDiagramasde Interação Dicas: Crie os diagramas de interação em duplas Invista tempo um dia inteiro, se for preciso

12 Notação Comum para Diagramas de Interação Ilustração de classes e instâncias

13 Notação Comum para Diagramas de Interação Sintaxe básica das expressões de mensagens retorno:= mensagem(param1 : tipo) : tiporetorno exemplos: espec:=obterespecproduto(id) espec:=obterespecproduto(id:itemid) espec:=obterespecproduto(id:itemid):especproduto

14 Ligação Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Uma conexão entre dois objetos indica que alguma forma de navegabilidade e de visibilidade entre eles é possível(fluxo de mensagens); Simbolizada por uma linha ligando os objetos.

15 Mensagens Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Representada por uma expressão, uma seta e um número de seqüência

16 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Mensagens para self ou this Representa oenviodeuma mensagemdoobjetopara ele próprio

17 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Criação de instâncias Pode ser representada de duas formas: mensagem padrão criar ou uma mensagem de qualquer nome com o esteriótipo create

18 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Numeração da seqüência das mensagens Os números de ordem das mensagens obedecemao seguinte esquema: A primeira mensagem, vinda da interface, não é numerada; A ordem e o aninhamento das mensagens são mostrados por um esquema de numeração formal, no qual as mensagens aninhadas têm um número agregado(mensagem pai).

19 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Numeração da seqüência das mensagens

20 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Numeração da seqüência das mensagens

21 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Mensagens condicionais Uma mensagem condicional é representada adicionando uma condição entre colchetes após o número de seqüência

22 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Caminhos condicionais mutuamente exclusivos Mostra caminhos alternativos para a execução Altera a numeração de ordem das mensagens

23 Iteração Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Representa a execução repetida de uma mesma mensagem É indicada com um asterisco após o número de seqüência, e opcionalmente uma cláusula indicando a condição de repetição

24 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Iteração sobre uma coleção(multiobjeto) É muito comum em várias situações que seja necessário iterar sobre uma coleção O termo mutiobjeto é utilizado para denotar uma coleção de instâncias de outra classe

25 Notação Básica para os Diagramas de Colaboração Mensagem para uma classe Um objeto pode executar diretamente um método de uma classe, sem a necessidade de uma instância, se esse método for estático; Representado com uma mensagem comum.

26 Ligações Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Não são mostradas diretamente Mensagens Representada por uma expressão de mensagem sobre umasetaligandoaorigemeodestino; Muitas ferramentas permitem que sejam ilustrados dois tipos de mensagens: síncronas ou assíncronas: Síncronas (seta cheia) A origem espera a resposta para continuar o seu trabalho; Assíncronas(seta aberta) A origem continua.

27 Mensagens Notação Básica para um Diagrama de Seqüência

28 Mensagens Notação Básica para um Diagrama de Seqüência

29 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Ilustração de retornos É opcional a ilustração dos retornos das mensagens, pode ser utilizado para ilustrar o conteúdo do retorno

30 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência

31 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Mensagens para self ou this Mensagem enviada do objeto para ele próprio

32 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Criação de instâncias Um novo objeto é inserido no diagrama como o destino de uma mensagem criar

33 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Linhas de vida e destruição de objetos Aslinhastracejadasindicamaextensãodavidadeum objeto no diagrama Para ilustrar o descarte de um objeto usa-se a mensagem estereotipada <<destroy>> e um X interrompendo a linha de vida do mesmo

34 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Mensagens condicionais Mensagem que só acontece se uma determinada condição for satisfeita(condição entre colchetes)

35 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Caminhos condicionais mutuamente exclusivos A notação normal ilustra duas mensagens saindo de ummesmopontodeorigem Na impossibilidade pode-se se usar a notação abaixo (ilustrando um mesmo instante de tempo)

36 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Iteração para uma mensagem única Quando uma única mensagem é enviada repetidas vezes, indica-se com um asterisco seguido da condição da repetição A condição pode ser uma expressão lógica ou a A condição pode ser uma expressão lógica ou a especificação de um laço controlado(intervalo)

37 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Iteração de uma série de mensagens Cerca-se o conjunto de mensagens que se repetem com um retângulo e ilustra-se na base do retângulo a condição da repetição

38 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Iteração sobre uma coleção Uma mensagem enviada para cada elemento de uma coleção de objetos

39 Notação Básica para um Diagrama de Seqüência Mensagens diretamente para classes Mensagens enviadas diretamente para classes (como é o caso dos métodos estáticos)

40 Referências ALLEIXO, F. Notas de aula da disciplina de Análise e Projeto Orientado a Objeto, CEFET/RN, SCOTT, K. O Processo Unificado Explicado. Ed. Bookman, 2003.

Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de

Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de Comunicação) - Aula 10 Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente

Leia mais

Diagramas de Sequência

Diagramas de Sequência Unified Modeling Language Diagramas de Sequência José Correia, Abril 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) UML: modelação do comportamento A modelação do comportamento de um sistema de software consiste,

Leia mais

Livro. Prof. Horácio Ribeiro. Identificação de métodos e mensagens

Livro. Prof. Horácio Ribeiro. Identificação de métodos e mensagens Identificação de métodos e mensagens Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá: - Modelar um método. - identificar a diferença de método e mensagem - identificar os componentes de um diagrama de seqüência

Leia mais

Analisar através de Casos de Uso,

Analisar através de Casos de Uso, 5.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Diagramas de Interação: Seqüência, Comunicação Processo Unificado (RUP) Métodos Orientados a Objetos UML

Leia mais

Modelode Casosde Usoe. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Modelode Casosde Usoe. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Modelode Casosde Usoe Diagramade Casosde Uso Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Modelo de Casos de Uso Mecanismo muito importante para a identificação e registro dos requisitos; São utilizados como

Leia mais

Modelode Domínio: Identificando. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Modelode Domínio: Identificando. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Modelode Domínio: Identificando Conceitose Relacionamentos Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Identificaçãode Conceitos Segue os seguintes princípios: Forma incremental É reavaliado e incrementado a

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

Programa do Curso de ESW

Programa do Curso de ESW 1 Programa do Curso de ESW Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Diagramas de Interação: Sequência, Comunicação Processo Unificado (RUP) Métodos Orientados a Objetos

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

4.4. UML Diagramas de interacção

4.4. UML Diagramas de interacção Engenharia de Software 4.4. UML Diagramas de interacção Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de interacção mostra um padrão de interacção entre vários objectos, com objectos e

Leia mais

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal Manual de Convenções BPMN Business Process Modelling Notation 2009 GFI Portugal O que é o BPMN? O BPMN é uma notação gráfica para a definição de processos de negócio É o standard internacional para modelação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 9 Modelagem de estados Todos os adultos um dia foram crianças, mas poucos se lembram disso.

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 7 Modelagem de Interações Somente após a construção de diagramas de interação para os cenários

Leia mais

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes Diagramas Diagrama é uma representação gráfica de uma coleção de elementos de um modelo São desenhados para permitir a visualização de um sistema sob diferentes perspectivas Um mesmo item pode aparecer

Leia mais

Visibilidade e Diagrama de Classe de Projeto Estudo de Caso Sistema TPV

Visibilidade e Diagrama de Classe de Projeto Estudo de Caso Sistema TPV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visibilidade e Diagrama de Classe de Projeto Estudo de Caso Sistema

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

FMR Faculdade Marechal Rondon Gestão de Sistemas de Informação Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva http://www.elvio.pro.br elvio@fmr.edu.

FMR Faculdade Marechal Rondon Gestão de Sistemas de Informação Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva http://www.elvio.pro.br elvio@fmr.edu. ANÁLISE ORIENTADA À OBJETO UML FMR Faculdade Marechal Rondon Gestão de Sistemas de Informação Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva http://www.elvio.pro.br elvio@fmr.edu.br AULA Nº 1 A UML utiliza vários diagramas

Leia mais

UML. Diagrama de Seqüência

UML. Diagrama de Seqüência UML Diagrama de Seqüência Introdução Diagramas de Seqüência apresentam a interação entre um grupo de objetos (ou classes) de um sistema, através de mensagens ou controles, em um determinado Cenário. Servem

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objetos

Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos Diagramas de interação Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Introdução Os diagramas

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ProcessoUnificado: Elaboração Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ResultadodaConcepção Um seminário curto de requisitos; A maioria dos atores, objetivos e casos de uso nomeados; A maioria dos casos de

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML Análise Orientada a Objetos Professora Lucélia Oliveira Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML 1. (BNDES) Analise as seguintes afirmações relativas à Programação Orientada a Objetos:

Leia mais

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2)

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2) Diagrama de Classes Diagrama de Classes Modelo de classes de especificação Perspectiva de Projeto Ilustra as especificações de software para as classes e interfaces do sistema. É obtido através da adição

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

Modelagem Dinâmica com UML

Modelagem Dinâmica com UML Modelagem Dinâmica com UML Prof. Márcio Barros marcio@cos.ufrj.br Diagramas de Sequência Protocolos de Interação Cenários Definição Um cenário é um caminho entre os fluxos de um use case Um use case é

Leia mais

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 1. INTRODUÇÃO Este manual apresenta alguns elementos básicos da Notação BPMN (Business Process Modeling Notation Notação para Modelagem de Processos de Negócio) que é a representação gráfica

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes Após ser definido o contexto da aplicação a ser gerada. Devemos pensar em detalhar o Diagrama de Classes com informações visando uma implementação Orientada

Leia mais

UML: modelagem dinâmica

UML: modelagem dinâmica UML: modelagem dinâmica Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Synergia / Gestus Departamento de Ciência da Computação - UFMG UML: modelagem dinâmica 2 Bibliografia Rumbaugh, J.; Jacobson, I.;

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

UML: Diagrama de Seqüência

UML: Diagrama de Seqüência UML: Diagrama de Seqüência Diagramas de Interação Deseja-se representar o comportamento de vários objetos Dentro de um contexto A partir das mensagens que são trocadas entre eles Esse contexto pode ser

Leia mais

Capítulo 6. Criando um Diagrama de Caso de Uso Inicial

Capítulo 6. Criando um Diagrama de Caso de Uso Inicial Capítulo 6 Criando um Diagrama de Caso de Uso Inicial Mapa do Processo Por que Necessitamos de Um Diagrama de Casos de Uso? Eis algumas razões da necessidade de um Diagrama de Casos de Uso: O SRS é preenchido

Leia mais

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem com UML Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem Estática (Visão Lógica) Casos

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução à UML... 17. Capítulo 2 Orientação a Objetos... 37. Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio...

Sumário. Capítulo 1 Introdução à UML... 17. Capítulo 2 Orientação a Objetos... 37. Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 7 Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 15 Capítulo 1 Introdução à UML... 17 1.1 Breve Histórico da UML... 17 1.2 Por Que Modelar Software?... 18 1.2.1 Levantamento e Análise de Requisitos...

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

UML & Padrões Aula 4 1

UML & Padrões Aula 4 1 UML & Padrões Aula 4 1 UML & Padrões Aula 4 Diagramas Estruturais Profª Kelly Christine C. Silva UML O que vamos tratar: Diagramas UML Estruturais (Estáticos ) Diagrama de Pacotes Diagrama de Componentes

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta.

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta. CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Podemos definir UML

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos O que é Análise e Projeto? Análise o quê Investigação

Leia mais

UML 2. Gilleanes T. A. Guedes. Novatec

UML 2. Gilleanes T. A. Guedes. Novatec UML 2 uma abordagem prática Gilleanes T. A. Guedes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o Autor...16 Prefácio...17 Capítulo 1 Introdução à UML...19 1.1 Breve Histórico da UML...19 1.2 Por Que Modelar

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Dezembro de 2013. Revisão aula anterior Modelo de classes Modelo de estado Modelo de iteração Modelo

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5.

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. 1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. Fases do Desenvolvimento de um Sistema em UML 1. Análise

Leia mais

Modelagem Temporal com UML

Modelagem Temporal com UML Modelagem Temporal com UML Modelagem Temporal com UML! Vários diagramas da UML podem ser usados para expressar os aspectos temporais " Diagrama de Atividades " Diagrama de Transição de Estados " Diagramas

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

Guia de Atualização TOTVS Segurança e Acesso 12.1

Guia de Atualização TOTVS Segurança e Acesso 12.1 06/2015 Sumário 1 Prefácio... 3 1.2 Finalidade... 3 1.3 Público Alvo... 3 1.4 Organização deste Guia... 3 1.5 Documentações Importantes... 3 2 Atualização... 4 2.1 Executando o Updater de Atualização...

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Banco de Dados 1 Agenda Modelo Entidade-Relacionamento UML

Leia mais

Definição de Processos

Definição de Processos Definição de Processos Introdução Prof Ms Vinícius Costa de Souza www.inf.unisinos.br/~vinicius viniciuscs@unisinos.br Agenda Processos Definição Componentes Documentação Características Aplicações Nomenclaturas

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

UML. Gilleanes T. A. Guedes. uma abordagem prática. Novatec

UML. Gilleanes T. A. Guedes. uma abordagem prática. Novatec UML uma abordagem prática Gilleanes T. A. Guedes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução à UML...18 1.1 Breve Histórico da UML... 18 1.2 Por Que Modelar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

QUESTÃO 01 - DIAGRAMA DE SEQUENCIA (CONCEITOS)

QUESTÃO 01 - DIAGRAMA DE SEQUENCIA (CONCEITOS) Campus Cachoeiro de Itapemirim Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Curso Técnico em Informática Professor: Rafael Vargas Mesquita Bimestre 02 - Avaliação 03 - Assunto: Diagrama de Sequência Aluno:

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

Orientação à Objetos. Aécio Costa

Orientação à Objetos. Aécio Costa Aécio Costa O paradigma da orientação à objetos Paradigma? Um paradigma é uma forma de abordar um problema. No contexto da modelagem de um sistema de software, um paradigma tem a ver com a forma pela qual

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Diagramas de Projeto de Software UML Linguagem Unificada de Modelagem Diagramas de Classe

Leia mais

Agentes Inteligentes segundo o Chimera

Agentes Inteligentes segundo o Chimera Agentes Inteligentes segundo o Chimera C Heuristic I M E R A No ambiente de desenvolvimento de Agentes Inteligentes Chimera, uma extensão do LPA Win-Prolog, um agente é funcionalmente composto por: Código,

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1 Python Condicionais e Loops Introdução à Programação SI1 Conteúdo Comando de Decisão Comandos de Repetição Exercícios 13/06/2013 2 Condicional Controle de fluxo É muito comum em um programa que certos

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Análise Orientada a Objetos

Análise Orientada a Objetos Análise Orientada a Objetos Breve Histórico: Fim da década de 80: amadurecimento da Orientação a Objeto Década de 1990: diversas proposições a partir de diversos autores, como Booch, Rumbaugh e Jacobson.

Leia mais

UML. Unified Modeling Language

UML. Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language 1 1. Introdução O desenvolvimento de sistemas de software de grande porte são suportados por métodos de análise e projeto que modelam esse sistema de modo a fornecer para

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Diagrama de Classes Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Diagrama mais utilizado da UML Representa os tipos (classes) de objetos de um

Leia mais

ARQUITECTURAS DE SOFTWARE

ARQUITECTURAS DE SOFTWARE ARQUITECTURAS DE SOFTWARE AULAS Nº 8 e 9 7-21/12/2007 F. Mário Martins Case Studies: Ligação das partes Use Case Diagram Use Case Specification Passo 1: ---------- Passo 2: ---------- Passo 3: ----------

Leia mais

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso...

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso... Projeto de Software usando UML Sumário Capítulo I : Casos de Uso...3 1. Modelo de Casos de Uso... 3 2. Diagramas de Casos de Uso... 3 3. Exemplo... 9 4. Conclusão... 13 Capítulo II : Levantamento de Classes...15

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Operadores de Incremento Operadores de incremento servem como expressões de atalho para realizar incrementos em variáveis Operadores de Incremento Vamos

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

UML Diagramas de Interação

UML Diagramas de Interação CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação UML Diagramas de Interação Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Análise e Projeto de Sistemas Faculdade de Computação

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Marco Aurélio Wehrmeister mawehrmeister@inf.ufrgs.br Roteiro Introdução Orientação a Objetos UML Real-Time UML Estudo de Caso: Automação

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

INF 2125 PROJETO DE SISTEMAS DE SOFTWARE Prof. Carlos J. P. de Lucena

INF 2125 PROJETO DE SISTEMAS DE SOFTWARE Prof. Carlos J. P. de Lucena INF 2125 PROJETO DE SISTEMAS DE SOFTWARE Prof. Carlos J. P. de Lucena Trabalho Experimental Sistema de Gestão Hoteleira 1. Objetivo Este trabalho tem o objetivo de consolidar o conhecimento sobre UML e

Leia mais