AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA WI MAX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA WI MAX"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES BACHARELADO AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA WI MAX STEPHANO RADOVANSKI GALVÃO BLUMENAU 2006

2 STEPHANO RADOVANSKI GALVÃO AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA WI MAX Trabalho de Conclusão de Curso submetido à Universidade Regional de Blumenau para obtenção de créditos na disciplina Trabalho de conclusão de curso do curso de Engenharia de Telecomunicações Bacharelado. Francisco Adell Péricas, Mestre - Orientador BLUMENAU 2006

3 AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA WIMAX Por STEPHANO RADOVANSKI GALVÃO Trabalho aprovado para obtenção dos créditos na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso, pela banca examinadora formada por: Presidente: Membro: Membro: Prof. Francisco Adell Péricas, Mestre Orientador, FURB Prof. Nome do professor, Titulação FURB Prof. Nome do professor, Titulação FURB Blumenau,3 de Julho de 2006

4 Dedico este trabalho a todas as pessoas que direta ou indiretamente me ajudaram na sua execução, em especial, minha família e amigos.

5 AGRADECIMENTOS A Deus. À minha família, que está sempre do meu lado, em todos os momentos da minha vida. Aos meus amigos, todos foram muito importantes na realização desta monografia, em especial, Bruno Marchi Trisotto, Dalvo Aragão Junior e Eduardo Dalpiaz. Ao meu orientador, Francisco Péricas, por todo apoio e colaboração na execução deste trabalho.

6 O gênio é composto de 2% de inteligência e de 98% de perseverante aplicação. Ludwing Van Beethoven.

7 RESUMO Há algum tempo cresce uma tendência no setor tecnológico, que pode ser resumido em uma palavra wireless. O WiMax é a mais nova aposta do setor, pois consegue concentrar vantagens que nenhuma outra tecnologia sem fio dispõe. O padrão Interface Aérea para Sistemas de Acesso Wireless sem fio em Banda Larga, também conhecida como IEEE Wireless MAN, chegou para facilitar e muito o acesso wireless. Entre as vantagens desse sistema está o longo alcance do sinal, facilitando a comunicação em áreas de difícil acesso para a passagem de cabos, baixo custo de instalação, menor limitação física em relação à infra-estrutura cabeada e ainda mantendo um elevado throughput, alta velocidade de transmissão e incluindo aspectos de QoS para serviços que exigem baixa latência como voz e vídeo. Por ser um padrão, suportado por toda a indústria, acabará incentivando o desenvolvimento de dispositivos com custos cada vez menores, ajudando a disseminar a banda larga sem fio junto a usuários residenciais e corporativos. No presente trabalho de conclusão de curso foi elaborada um estudo sobre a utilização do sistema WiMAX na cidade de Itajaí, aonde através de medições foi possível a verificação de alguns aspectos desta tecnologia. Palavras-chave: Wireless. Mobilidade. MAN.

8 ABSTRACT For some time a growing tendency in the technology sector can be summed up by a word: wireless. WiMax is the new bet in the sector, because it concentrates advantages no other technology has. The standard also known as World Interoperability for Microwave Access has arrived to make wireless access easier. Among the advantages are long signal reach, making communication where cable connections are hard to make easier, low implementation cost, less physical limitation compared to cabled infrastructure while maintaining high throughput, high transmission speed and QoS, for latency sensitive services like voice and video. Because it is an industry standard, it will stimulate the development of lower cost devices, spreading wireless broadband between residential and corporate users. In this work was developed a study about WiMAX system in Itajai City, where through of measurements got a verification if some aspects about this technology. Keys-word: Wireless. Mobility. MAN.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Exemplo de um access point utilizado na conexão Wi-fi...20 Figura 2 Padrões Wireless IEEE e ETSI...26 Figura 3 - Demonstração de um sistema Multipercurso...28 Figura 4 - Comparação entre CDMA e OFDM...29 Figura 5 Modulação OFDM...30 Figura 6 Portadora Modulação OFDM...31 Figura 8 - Transmissão e Recepção de dados Antena SISO...33 Figura 9 - Site principal do sistema...38 Figura 10 - Imagem de satélite da área de cobertura das antenas...40 Figura 11 Unidade Remota...42 Figura 12 Link ponto-multiponto...45 Figura 14 FA Figura 15 Instalação da câmera IP Speed Done na Igreja Matriz...50 Figura 16 Exemplo de zoom total Figura 17 Exemplo de zoom médio...52 Figura 18 Exemplo de Zoom Ângular...53

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Bandas de freqüências usadas por tecnologias sem fio e serviços especiais Tabela 2 Aumento da mobilidade em sistemas WiMAX

11 LISTA DE SIGLAS AAS Adaptive Antenna Systems AC Corrente Alternada ACCS Automatic Clear Channel Selection ANATEL Agência Nacional das Telecomunicações ATPC Automatic Transmit Power Control BER Bit Error Rate Test BPSK Biphase or Binary Shift Keying BS Base Station CDMA Code Division Multiple Access CPE Customer Premises Equipament DSL Digital Subscriber Line DSSS Direct Sequence Spreat Spectrum ERB Estação Rádio Base ETSI European Telecommunications Standards Institute FDM Frequency Dvision Multiplexed FHSS Frequency Hopping Spread Spectrum GPS Global Positioning System IDU Indoor Unit IEEE The Institute of Electrical and Electronics Engineers KVA Medida de potência LAN Local Area Network LED Light Emitting Diode LOS Line-of-Site

12 MAN Metropolian Area Network MIMO Multiple Imput and Multiple Output NLOS Non-Line-of-Site OFDM Orthogonal Frequency Division Multiplexing OFDMA Orthogonal Frequency Division Multiplexing Adaptive OPU Outdoor Unit PDA Personal Digital Assistant QAM Quadrature Amplitude Modulation QoS Quality of Services QPSK Quadrature Phase Shift Keying SISO Single-Imput, Out-Imput SMNP Simple Network Management Protocol SU subscriber unit TFTP Trivial File Transfer Protocol TSPC Tunnel Server Protocol Client UHF Ultra Hight Frequency UPS Uninterruptible Power Supply UTP Unshielded Twisted pair VHF Very Hight Frequency VLAN Virtual Local Network VOIP Voice over IP WAN Wide Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

13

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO TRABALHO Objetivo Geral Objetivos Específicos...16 Objetivos com relação à fundamentação teórica...16 Objetivos com relação à parte prática FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA COMUNICAÇÃO WIRELESS BLUETOOTH WI-FI WIMAX INTRODUÇÃO AO WIMAX Padrão IEEE Rede metropolitana Modulação OFDM Antenas SISO MIMO Segurança DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO REQUISITOS PRINCIPAIS DO PROBLEMA A SER TRABALHADO PROJETO Estação de Rádio Base Pontos de Usuário Rádio ponto-a-ponto SERVIÇOS Voz sobre IP Transmissão de Imagens em Tempo Real Internet e Dados CUSTOS RESULTADOS E DISCUSSÃO...49

15 4 CONCLUSÕES EXTENSÕES...55 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...56

16 15 1 INTRODUÇÃO Atualmente na área das telecomunicações há cada vez mais a necessidade de se obter meios e maneiras eficientes de comunicação entre dois ou mais equipamentos. Desta forma, com o passar do tempo, muitas foram as soluções desenvolvidas para agilizar esse processo. Muitos meios de comunicações já foram desenvolvidos, e o mais utilizado deles é a transmissão de dados via cabo, sejam eles, cabos de rede (UTP) ou fibra ótica. Porém o uso de uma estrutura cabeada está dissipando-se cada vez mais devido a grande mão de obra necessária e também as grandes distâncias a serem cobertas. Devido a essa imensa necessidade de expansão que surgiu a idéia de desenvolver uma tecnologia que independa da utilização de cabeamento. A solução encontrada foi a transmissão de dados sem fio ou Wireless. As novas tecnologias de comunicação de dados sem fio têm desenhado um novo padrão para as comunicações em redes, tanto para aplicações individuais como as corporativas. É cada vez maior a convergência entre as novas tecnologias sem fio e os padrões de comunicação móvel em banda larga, favorecendo a interconexão dos mais diferentes tipos de dispositivos. As tecnologias Wireless se resumem da seguinte forma: uma rede de antenas irradia um sinal e os equipamentos, com essa tecnologia dentro da área de ação das antenas, conseguem se conectar à internet sem fio com uma taxa de banda larga que varia de acordo com a capacidade da tecnologia utilizada. Graças a essa característica, derivou-se uma espécie de movimento social formando comunidades de usuários nas quais cada um com sua antena, tenta cobrir totalmente um setor de alguma comunidade ou bairro. Porém precisa-se de muitas antenas para cobrir

17 16 uma área não muito grande, já que o maior alcance já conseguido com tecnologias Wireless foi de 100m com o Wi-Fi. Então surgiu uma nova proposta: a tecnologia WiMAX propõe velocidades de até 75 Mbps e o mais importante, um aumento no raio de cobertura da antena de 100m para 50Km, diminuindo custos de infra-estrutura de banda larga para aqueles usuários aonde a estrutura cabeada não permite acesso, esses usuários são chamados de última milha. 1.1 OBJETIVOS DO TRABALHO Os objetivos da pesquisa estão divididos em geral e específicos, sendo que os específicos ainda se dividem em subgrupos em relação à fundamentação teórica e à prática Objetivo Geral Estudo e apresentação de dados, gráficos e prós e contras da tecnologia WiMax Objetivos Específicos Objetivos com relação à fundamentação teórica a) Estudar de forma aprofundada essa tecnologia; b) Verificar as vantagens e desvantagens em relação às outras tecnologias já existentes.

18 17 Objetivos com relação à parte prática a) Identificar certas características em que a teoria se difere da prática; b) Expor alguns dados e gráficos sobre a utilização dessa tecnologia; c) Mostrar as possibilidades para uso prático.

19 18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 COMUNICAÇÃO WIRELESS A indústria de eletrônicos tem a algum tempo desejado um substituto para os cabos. Daí surgiu a comunicação sem fios ou Wireless. Os avanços da comunicação nos últimos anos possibilitaram o surgimento de várias tecnologias, que desde então, procuram atender a real necessidade de seus usuários, com a melhor qualidade possível. No decorrer da evolução dessa tecnologia, diversas alternativas foram desenvolvidas com o intuito de eliminar os fios. Atualmente existem sistemas de transmissão de informações por ondas de rádios, ondas de microondas, ondas de UHF (Ultra Hight Frequency), VHF (Very Hight Frequency). O uso da tecnologia Wireless proporciona a criação de inúmeras possibilidades, sendo algumas delas apenas imagináveis no presente momento, entretanto outras já se fazem presente no cotidiano das pessoas há algum tempo. O nosso simples controle remoto para TV, DVD, entre outros, utiliza conexão por raio infravermelho, com um alcance de 5 metros. Porém, para existir conexão, o sinal da fonte tem de ser emitido ao receptor em linha reta, não podendo haver desalinhamento, nem obstáculos, criando uma dificuldade de locomoção, além de baixa velocidade BLUETOOTH O Bluetooth é uma tecnologia de baixo custo para comunicação sem fio entre dispositivos móveis. É utilizada principalmente para comunicação entre pequenos

20 19 equipamentos de uso pessoal, como PDAs, telefones celulares, computadores portáteis e também para a comunicação com periféricos como, scanners, impressoras e qualquer dispositivo dotado de um chip Bluetooth. Com o Bluetooth, o sinal se propaga omnidirecionalmente não necessitando alinhamento para a comunicação, facilitando a locomoção. Opera utilizando a rádio freqüência de 2,4 GHz, com um alcance de aproximadamente 10 metros na sua primeira versão. Segundo Michael Miller (2001), o Bluetooth suporta tanto serviços síncronos para tráfego de voz como assíncrono para transmissão de dados. Em um enlace assíncrono, o usuário consegue uma taxa máxima de Kbps unidirecional. No sentido contrário a taxa máxima é de 57.6 Kbps. No Bluetooth os serviços síncronos são proprietários. Para esse tipo de serviço, o enlace é full-duplex ou bidirecional, com uma taxa máxima de 64 Kbps em ambas as direções. O Bluetooth se aplica à Wireless Personal Area Network (WPANs), realizando interoperabilidade entre dispositivos próximos WI-FI Devido à necessidade de expansão, foi desenvolvida uma tecnologia chamada Wi-fi, com o objetivo de criar redes wireless de alta velocidade transferindo dados por ondas de rádio através de freqüências não licenciadas. Por serem freqüências abertas e não necessitarem de qualquer espécie de licença ou autorização do regulador das comunicações do Brasil para operar (ANATEL), tornaram-se muito atrativas. Porém para uso comercial se faz necessário a aprovação da Anatel. O seu funcionamento é de certa forma simples: uma rede de antenas irradia o sinal e os equipamentos com essa tecnologia que se encontram na área de cobertura do sinal ou no raio

21 20 das antenas de Wi-fi podem se conectar, sem fio, a uma taxa nominal de transferência de banda larga de no máximo 54 Mbps. O Wi-Fi se utiliza de banda larga para conexão de usuários wireless. É um caminho fácil e rápido para um ponto de acesso (access point). Esses pontos de acesso onde à tecnologia Wi-fi se faz disponível são denominados de Hotspot. Geralmente são locais públicos como cafés, aeroportos, hotéis, aonde se pode conectar a internet utilizando um notebook ou PDA (PÉRICAS, 2003). Fonte: Figura 1 Exemplo de um access point utilizado na conexão Wi-fi. De acordo com Prado (2004), o Wi-fi ou b opera na freqüência em torno de 2,4GHz, suporta velocidades acima de 11Mbs e utiliza modulação DSSS (Direct Sequence Spreat Spectrum) com alcance de até 100 metros. Porém mais dois padrões vieram para incrementar o b, foram eles o a e o g respectivamente. O padrão IEEE a opera na freqüência de 5,8GHz, uma taxa de transmissão de 54Mbps e modulação OFDM (Orthogonal Frequency Division Multiplexing). A modulação

22 21 OFDM é mais eficiente do que a DSSS, pois apresenta uma maior imunidade contra os efeitos causados pelas reflexões chamados multi-caminhos. O último padrão, o IEEE g opera na freqüência de 2,4GHz, assim como o b, porém com uma velocidade maior, de 54Mbps, e com uma modulação muito mais eficiente, a OFDM, que é a mesma modulação presente na tecnologia WiMAX. 2.2 WIMAX 2.3 INTRODUÇÃO AO WIMAX. Muitas operadoras e provedores de serviço irão presenciar uma revolução na indústria de acesso banda larga sem fio. Esta nova tecnologia é uma interessante opção de acesso banda larga em redes metropolitanas (MAN), em especial nas regiões onde é difícil chegar com a rede cabeada. A tecnologia denominada WiMAX irá gerar novas oportunidades de negócios para as operadoras, provedores de serviços de Internet e fabricantes de equipamentos. Esta tecnologia é pioneira na chamada 4G Proprietária, porém a grande vantagem do WiMAX (IEEE ) é a existência de um padrão especificadamente próprio. É denominado padrão porque implica em interoperabilidade e consequentemente custo decrescente, pois todos os desenvolvedores irão partir de um ponto em comum, conseguindo assim, um melhor desenvolvimento da tecnologia. O padrão IEEE é um padrão a ser suportado por toda indústria e acabará incentivando o desenvolvimento de equipamentos com custos cada vez menores. O padrão WiMAX tem como principal objetivo estabelecer a parte final da infra-

23 22 estrutura de conexão, a chamada última milha, disponibilizando a conectividade para uso doméstico, empresarial entre outros Padrão IEEE Os padrões são importantes para a indústria wireless porque permitem economia de escala, podendo diminuir os custos dos equipamentos, garantindo a interoperabilidade e reduzindo os riscos de investimento para as operadoras. Sem a padronização, os fabricantes de equipamentos têm de desenvolver hardware e software, o que não se torna tão viável. Eles também especificam os critérios mínimos de desempenho para os equipamentos permitindo uma plataforma básica comum de acesso wireless banda larga para os fabricantes utilizarem como um alicerce para inovações, permitindo assim que os fabricantes de solução possam focar seus esforços em um único padrão, reduzindo preços e melhorando o desempenho de produtos. Segundo Prado (2004), o padrão IEEE Interface Aérea para sistemas de Acesso Wireless sem Fio em Banda Larga também é conhecido como a interface aérea do IEEE Wireless MAN ou WiMAX. Esta tecnologia é projetada para acesso banda larga em redes metropolitanas (MAN), trazendo um desempenho comparável com as soluções cabeadas já existentes, como a digital subscriber line (DSL) ou T1/E1. O padrão possui duas ramificações distintas, o nomádico (fixo) e o móvel, d e e respectivamente. O d é o padrão de acesso sem fio banda larga fixa. A última versão do IEEE , o (ou d) foi ratificado em julho de O d foi um padrão largamente diversificado, que incluía diversos padrões anteriores, disponibilizando cobertura Line-of-Site (LOS) e Non-Line-of-Site (NLOS) em freqüências que variam de 2 6 GHz. Duas técnicas de modulação são suportadas no padrão

24 d: OFDM com 256 portadoras e OFDMA com 2048 portadoras. O primeiro está baseado na modulação OFDM, sendo essa, a modulação padrão para o sistema, já permitindo um menor consumo de energia e menores customer premises equipament (CPEs) como também inova na incorporação do conceito de antena Multiple Input and Multiple Output (MIMO). Em dezembro de 2002, iniciou-se um grupo de pesquisas com o intuito de desenvolver um novo padrão visando melhorar a combinação móvel e fixa em freqüências abaixo de 6 GHz. Foi desenvolvido o padrão e ratificado em dezembro de Este novo padrão introduz suporte ao SOFDMA (uma variação do OFDMA) que reserva um variável número de portadoras. Além disso o e oferece suporte para MIMO (Multiple Imput Multiple Output) e AAS (Adaptive Antenna Systems). Foi melhorada a capacidade de economizar energia em equipamentos móveis e também com a segurança, que é um fator importantíssimo a qualquer sistema sem fio. Além disso, o throughtput foi melhorado sensivelmente e as capacidades de transmissão sem visada direta entre as antenas também melhorou. De acordo com o WiMax Fórum (2006) o e é o padrão de Acesso de Banda Larga Móvel, assegurando conectividade a uma velocidade de movimento de até 100km/h. As bandas de freqüência licenciadas para o uso desse padrão são 3,5 GHz e 10,5 GHz e não licenciadas 2,4 GHz e 5,8 GHz. A distribuição das freqüências está caracterizada na tabela 1.

25 24! " ##$ " %& ' ( )%&* ' )+,! *-./ 0#00#$ " %& ' ( )%&* 1)& &* )%& ' & 2/2 /&** & 1 3$ 1)& /&* )%& *& " %& ' ( )%&* ' )+,! *- 6 / '& 6 7& 1 & 33 $5$ 5 / '&6 7&1 " 8&' 9*- : 9 " &; '%& << &!&* &! 0$=3 " %& ' && 1)& &!&* )%&! <&1&8 '& 53 Fonte: Tabela 1 - Bandas de freqüências usadas por tecnologias sem fio e serviços especiais. Segundo Prado (2004), a grande diferença entra o sistema fixo e o móvel é que o primeiro somente funciona de forma portátil, ele não comuta, não possui hand-off entre estações Rádio Base (ERBs) de alta velocidade, enquanto o modelo móvel comuta e possui hand-off entre ERBs de alta velocidade. A tabela 2 representa a progressão da mobilidade do sistema WiMAX.

26 25 Fonte: Revista Saber Eletrônica (2006) Tabela 2 Aumento da mobilidade em sistemas WiMAX Os dois padrões refletem toda a demanda por produtos desencadeados otimizando o padrão móvel e fixo. A diferença chave entre os dois padrões esta na modulação, o d utiliza o OFDM enquanto o padrão móvel utiliza o OFDMA. Entre as vantagens dos sistemas baseados no estão a capacidade de oferecer serviços com rapidez, mesmo em áreas de difícil acesso para passagem de cabos, com baixo custo de instalação e menor limitação física em relação a infra-estrutura cabeada Rede metropolitana Com a chegada do WiMAX um novo termo já se faz presente, assim como as mais conhecidas WAN, LAN, a MAN e Wi-Fi. A figura 2 representa a distribuição de cada padrão de acesso sem fio, organizados em duas colunas; do lado esquerdo o padrão IEEE e do direito o padrão ETSI (European Telecommunications Standards Institute) equivalente.

27 26 Fonte: Figura 2 Padrões Wireless IEEE e ETSI Segundo Marks (2002) uma MAN (Metropolian Area Network) é qualquer rede que atue dentro de uma área metropolitana, seja ela, uma rede cabeada ou wireless. O grande empecilho no desenvolvimento de uma rede wireless em um ambiente urbano é a falta de visada direta, em decorrência da arquitetura de uma área urbana. Entretanto o padrão nasceu para impulsionar o universo wireless acabando com certas dificuldades. Dificilmente consegue-se trabalhar com visada direta em uma aérea urbana, o que acaba acarretando em perda do sinal e consequentemente uma perda de QoS. O sistema utilizado no WiMAX é o W-OFDM, que ao contrário do FHSS ou DSSS, não transmite uma, mas diversas portadoras ao mesmo tempo, bastando que somente algumas dessas portadoras cheguem ao receptor para que a informação seja recuperada, tornando possível a recepção de um sinal sem necessariamente ter a visada direta. O basicamente é formado por uma estação radiobase (ERB), montada em locais com uma certa altura, geralmente edifícios ou torres, com a função de tornar possível a comunicação do tipo ponto-multiponto, ficando as estações dos assinantes localizadas nas empresas ou residências. Segundo a Intel (2006) esse padrão estabelece um raio de cobertura padrão de 48 km,

28 27 podendo haver alterações devido a efeitos climáticos, reflexões, etc. As células típicas são de 6,4 a 9,6 Km. Dentro desse raio típico, o throughput e o desempenho quanto à visada direta são ótimos. A tecnologia permite conectar WLANs e hotspots à internet através de backbones sem fio. Como o raio de cobertura é muito extenso se torna possível à implementação de hotspots em locais onde as estruturas cabeadas tradicionais estão indisponíveis Modulação OFDM O WiMAX é uma tecnologia que opera em freqüências licenciadas e não licenciadas. As não licenciadas são de grande agrado para as empresas, pois não se faz necessária regulamentação perante o órgão fiscalizador responsável. As bandas brasileiras licenciadas são as de 3,5 GHz e 10,5 GHz, e nos Estados Unidos na faixa de 2,5 e 2,7 GHz, sendo dois terços dessa banda consumida pela Nextel e a Sprint. No Brasil, a Embratel ocupa a faixa de 3,5GHz e a Brasil Telecom detêm as faixas de 3,5GHz e 10,5 GHz. Como o WiMAX necessita de alta taxa de dados a longas distâncias, fez-se necessário o desenvolvimento de uma modulação específica, pois as portadoras são colocadas perto por motivos de eficiência do uso do espectro causando interferência e acarretando perda do sinal. Para transmitir altas taxas de dados, símbolos com pouca duração devem ser usados. A duração do símbolo é o inverso da taxa banda básica, então com o aumento do R (distância) o T (Período) diminui. Em um ambiente multi-percurso, uma duração curta de símbolos aumenta a probabilidade de interferência inter-símbolo. Por exemplo, queremos enviar 1000bits/segundo, sendo a duração de cada bit igual a 0,001 segundos. Qualquer atraso maior que 0,001 segundos irá provocar uma sobreposição no bit seguinte. Enviando 1000 bits em 1000 caminhos paralelos, cada bit poderá ter 1 segundo

29 28 para a transmissão e 0,001 segundos de atraso podendo somente existir uma sobreposição de 0,001 segundos na transmissão dos intervalos do bit recebido, eliminando assim qualquer forma de interferência Segundo Alvarion (2005) as tecnologias que utilizam modulação DSSS ou similares estão muito susceptíveis a atenuação em multipercurso ou Multipath Enviroment devido à duração dos símbolos. Devido à alta duração de símbolos e a transmissão feita de forma paralela, o sinal modulado OFDM torna-se muito mais robusto contra esse tipo de fading ou perda. Quando um sinal é refletido, diferentes freqüências são refletidas por diferentes caminhos. O multipath ocorre quando existe um obstáculo entre a estação base e o receptor. O sinal quando transmitido sofre reflexões, difrações, porém o OFDM consegue reagrupar o sinal fazendo com que o sinal recebido seja o mesmo sinal transmitido. A figura 3 representa esse fenômeno. Fonte: ALVARION Figura 3 - Demonstração de um sistema Multipercurso. O WiMAX utiliza a modulação OFDM (Multiplicação na divisão de freqüências ortogonal), pois com ela é possível a locomoção em alta velocidade sem a ocorrência de perda do sinal, e também sem visada direta. Segundo Wikipedia (2006), o OFDM é uma técnica de modulação aonde múltiplas portadoras de baixa taxa são combinadas para transmitir numa forma paralela resultando em altas taxas de transmissão, permitindo a sobreposição entre

30 29 bandas de diferentes portadoras sem interferência, oferecendo uma alta taxa de transmissão de dados com uma duração maior de símbolos. A figura 4 mostra a esquerda o Code Division Multiple Access (CDMA), uma tecnologia móvel utilizada no sistema de telefonia móvel e o OFDM (direita). Ambas estão com a margem de fading localizado próximo ao centro da banda. O CDMA tenta espalhar o espectro, separando o sinal perdido e depois equalizando o sinal inteiro, fazendo com que a taxa Bit Error Rate Test (BER), que é a razão do número incorreto de bits recebidos pelo número de bits transmitidos, aumente, e conseqüentemente torne o sistema lento em função da retransmissão do sinal. Já o OFDM é muito mais resistente a freqüências seletivas de fading quando comparado com o CDMA (DSSS), pois possui uma ótima codificação de canal e interligações em multipercurso fazendo com que o BER não aumente (SRTELECOM, 2004). Fonte: SRTELECOM Figura 4 - Comparação entre CDMA e OFDM. Quando usada a modulação FDM, não existe relacionamento entre as freqüências no espectro, desta forma as portadoras FDM são colocadas uma junto da outra. Em um sistema OFDM cada portadora é uma senóide com freqüência igual a um múltiplo de uma freqüência base senóide fundamental, permitindo a ortogonalidade

31 30 (portadoras ortogonais). Os dados são multiplexados em múltiplos canais usados para modular cada portadora. As técnicas de modulação podem variar muito, podem ser moduladas, por exemplo, Quadrature Phase Shift Keying (QPSK), 16 Quadrature Amplitude Modulation (QAM) ou 64 QAM. A escolha da modulação será feita de acordo com a distância da estação, pois ela influencia na intensidade sinal-ruído. Para assinantes próximos é usado o QAM-64. No caso de assinantes situados a uma distância média, é usado o QAM-16. Para assinantes distantes o QPSK. Finalmente as portadoras são adicionadas para gerar um sinal a ser transmitido. A eficiência do espectro é importante para um sistema devido ao limite espectral que pode ser usado e também o custo de uma licença para um novo espectro. A modulação OFMD permite um re-uso da freqüência. Fonte: INTEL Figura 5 Modulação OFDM Na figura 5 está representado como os sub-canais podem ser escolhidos dependendo da amplitude do sinal recebido. Os sub-canais nos quais os usuários estão com uma determinada taxa de fading estão sendo evitados fazendo com que o sinal de melhor qualidade fique concentrado nos canais em melhores condições. O sinal no topo indica o sinal recebido, enquanto a parte circulada da figura indica qual sub-portadora será escolhida para cada sinal. A área em azul representa um terceiro usuário que poderá utilizar o mesmo canal dos outros dois usuários.

32 31 Com o OFDM, o cliente poderá escolher o sub-canal baseado na localização geográfica conseguindo eliminar altas taxas de fading. OFDM tipicamente necessita uma freqüência de re-uso de 1 para 3, isto significa que o espectro utilizável deverá ser dividido em três células, ou formações celulares. Por exemplo, um sinal de 5 MHz, será dividido em três células de 1,75 MHz cada, as células adjacentes utilizarão diferentes freqüências para evitar interferência e assim o OFDM consegue manter a freqüência de re-uso igual a da primeira divisão, mesmo existindo interferência na borda da célula que está usando um sub-sinal da portadora. A modulação OFDMA é uma derivação do OFDM. A grande diferença entra as duas é que as portadoras são divididas em grupos, ou seja, a informação é dividida em grupos e são transmitidas em posições diferentes. Na figura 7 está caracterizado a modulação OFDMA, onde as portadoras estão divididas em grupos, facilitando a recuperação da informação no caso de interferência em uma determinada freqüência, pois, somente uma portadora é perdida, enquanto as outras permanecem intactas. A figura 6 e 7, representam as diferenças entre as portadoras das duas modulações segundo Revista Saber Eletrônica, (2006). Fonte: Revista Saber Eletrônica Figura 6 Portadora Modulação OFDM

33 32 Fonte: Revista Saber Eletrônica Figura 7 Portadora Modulação OFDMA Antenas. A tecnologia WiMAX utiliza-se de uma antena para que ocorra a transmissão dos dados e também a recepção dos mesmos. Os padrões de irradiação, ganho e a potência de cada antena, são determinados de acordo com a área a se coberta e a distância entre o acesso remoto (usuário) e a antena transmissora. Existem dois tipos básicos de antenas, o SISO e o MIMO SISO O sistema de antenas SISO (Single-Input, Single-Output) é usado quando se deseja fazer uma simples conexão entre a antena receptora e a antena transmissora. Essa configuração utiliza uma antena de cada lado, podendo-se transmitir e receber o sinal mutuamente. As transmissões de TV e rádio utilizam esse sistema para comunicação. A figura

34 33 abaixo representa uma transmissão/recepção de dados utilizando uma antena de configuração SISO. Fonte: Figura 8 - Transmissão e Recepção de dados Antena SISO MIMO As antenas MIMO (Multiple-Input, Multiple-Output) são utilizadas em larga escala quando se diz respeito ao WiMAX. Segundo El Zooghby (2005) este tipo de antena se caracteriza pelo fato de conseguir transmitir e receber sinais de diferentes antenas em ambos os lados da comunicação ou seja as antenas basicamente tem de pensar, e conseguir encontrar a melhor forma de transmitir ou receber o sinal. O uso do MIMO também realça o throughtput aumentando o número de caminhos possíveis para o sinal. Cada antena poderá transmitir diferentes dados que poderão ser depois decodificados no receptor. Devido à necessidade de antenas que consigam trabalhar com múltiplos sinais foi desenvolvido um tipo de antena denominada Antenas Inteligentes (Smart Antenna) ou ainda AAS (Adaptive Antenna Systems) A AAS é uma ótima parte do padrão IEEE Estações base equipadas com AAS podem criar feixes que podem ser dirigidos focando a transmissão do sinal conseguindo um grande sinal em escala. Quando está recebendo ela pode focalizar somente na direção do

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade.

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Professor: Marco Câmara Aluno: Guilherme Machado Ribeiro Turma: 12 matutino Roteiro I Redes WiMAX 1-Histórico WiMAX, de

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN)

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Os Primórdios Final da década de 80 e década de 90 2 1 Wide Area Mobile Data Services ARDIS EMBARC MobileComm Nextel RadioMail RAM

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Visão geral LigoPTP serie

Visão geral LigoPTP serie Visão geral LigoPTP serie Introdução Este documento descreve as características básicas e as principais da linha de produtos LigoWave LigoPTP. Para obter informações técnicas detalhadas, por favor, consulte

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio : O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio As soluções de banda larga sem fio epmp da Cambium Networks são as primeiras a trazer confiabilidade comprovada em campo, sincronização por GPS, escabilidade e desempenho

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Solução Acesso Internet Áreas Remotas

Solução Acesso Internet Áreas Remotas Solução Acesso Internet Áreas Remotas Página 1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 1 1. ESCOPO... 2 2. SOLUÇÃO... 2 2.1 Descrição Geral... 2 2.2 Desenho da Solução... 4 2.3 Produtos... 5 2.3.1 Parte 1: rádios

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Padrão IEEE 802.16 Uma Visão Geral sobre o WIMAX

Padrão IEEE 802.16 Uma Visão Geral sobre o WIMAX Padrão IEEE 802.16 Uma Visão Geral sobre o WIMAX Ricardo Rodrigues Barcelar UNIR União de Escolas Superiores de Rondonópolis Rondonópolis MT ricardobarcelar@email.com.br Abstract. This article shows an

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Integração das LANs das Delegações Remotas

Integração das LANs das Delegações Remotas Câmara Municipal do Funchal Integração das LANs das Delegações Remotas 2011 Índice Índice... 2 1 Objecto do Concurso... 3 2 Caracterização da actual Infra-Estrutura das redes remotas da CMF... 3 3 Descrição

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Liderando a Evolução para Redes Mesh

Liderando a Evolução para Redes Mesh Tendências do mercado A realidade do século 21 A conectividade em Banda Larga tem se transformado numa utilidade tão básica quanto a a eletricidade e o gás As redes mesh wireless fazem hoje, desta tecnologia,

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais