RELATÓRIO INTEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO INTEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS"

Transcrição

1 11 RELATÓRIO INTEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS

2

3 01 11 RELATÓRIO INTEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS

4 02

5 03 ACIMA DE TUDO, IMPLICA VISÃO E UMA AUSÊNCIA TOTAL DE RECEIO DE ULTRAPASSAR OS PRÓPRIOS LIMITES.

6 04 1. ÍNDICE 0. ENQUADRAMENTO 05 QUERER SUSTENTÁVEL: O COMPROMISSO 1.1. Mensagem do CEO Princípios de Sustentabilidade e Transparência O Ano em Perspetiva 15 CRESCER SUSTENTÁVEL: 2. O GRUPO 2.1. Perfil Organizacional 18.A Marca 19.Estrutura operacional Governo de Sociedade 21.Modelo de Governo 21.Políticas de Gestão e Estratégia Orientada para a Sustentabilidade 23.Gestão de riscos e oportunidades 23 SER SUSTENTÁVEL: ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Estratégia 30.Objetivos estratégicos 30.Identificação dos stakeholders e Temas Relevantes Contexto 36.Regulação 36.Mercado Performance 40.Desempenho Económico 40.Desempenho Social 46.Desempenho Ambiental Perspetivas Futuras 52 CONTRIBUTO PARA A SUSTENTABILIDADE: STAKEHOLDERS, COMUNIDADE E AMBIENTE Clientes Colaboradores Ínvestidores Fornecedores Media Entidades Reguladoras e Fiscalizadoras Entidades Setoriais Comunidade Ambiente ÍNDICE REMISSIVO GRI E VERIFICAÇÃO EXTERNA 5.1. Índice Remissivo Global Reporting Initiative Declaração da verificação externa 83 ONI.PT/contas2011 ANEXOS. Contas do exercício fiscal Certificação legal das contas. Relatório e parecer do Fiscal Único

7 05 0. ENQUADRAMENTO

8 06

9 07 O PRIMEIRO RELATÓRIO INTEGRADO de SuSTENTABILIDADE & CONTAS, INTEGRA num único documento a informação REPORTADA ao nível do RELATÓRIO de SuSTENTABILIDADE e TRANSPARência e do RELATÓRIO & CONTAS. Elaborado de modo a observar os requisitos estabelecidos nas diretrizes de orientação da Global Reporting Initiative (GRI), versão 3, para o nível B+, relativamente ao perfil e indicadores de desempenho, o presente relatório reporta o desempenho económico, ambiental e social de todas as empresas participadas do Grupo Oni. Com o objetivo de assegurar maior clareza na apresentação e análise de todos os indicadores, o presente relatório reporta informação referente ao ano fiscal de 1 de julho de 2010 a 30 de junho de No relatório anterior, os indicadores ambientais e sociais foram reportados de acordo com o ano civil de Este facto deve ser tido em conta quando os valores reportados neste relatório não forem coincidentes com os reportados no relatório anterior. De referir, ainda, que a primeira edição do relatório, publicada em 2010, reportava informação refente à Oni Telecom, a empresa de maior dimensão do Grupo Oni, ao passo que o presente relatório divulga informação referente a todas as empresas do Grupo. O Relatório abrange toda a informação referente à operação do Grupo Oni em Portugal, incluindo todas as instalações administrativas e técnicas detidas/arrendadas pelo Grupo e aborda o conjunto de impactos ambientais, sociais e económicos decorrentes da atividade do Grupo. Para o seu cálculo foram contempladas atividades desenvolvidas por colaboradores do Grupo ou por prestadores de serviços externos que desempenhem as suas funções nas instalações das empresas do Grupo ou que atuem em seu nome junto de clientes, com a exceção de determinadas situações, devidamente identificadas, em que não são considerados os impactos causados por esses prestadores de serviços externos quando os atos em causa sejam da responsabilidade da respetiva entidade. Os dados apresentados têm por base os sistemas de informação da Oni, medições efetivas no terreno, os princípios de contabilidade aceites em Portugal, a legislação do direito do trabalho e do ambiente e os princípios de ética adotados pelo Grupo. A Oni, acredita, porém, que a margem de erro associada aos dados quantitativos que apresenta não afetam a capacidade dos stakeholders chegarem a conclusões sobre a performance da empresa. Os indicadores GRI foram calculados seguindo, no essencial, orientações dos Protocolos GRI para cada indicador. Quaisquer pressupostos adicionais ou estimativas, são mencionados em notas colocadas junto à informação em causa.

10 08 A considerável experiência que temos dos mercados de telecomunicações, IT e networking foi a base para a identificação dos nossos stakeholders, ou seja, dos grupos que são afetados pela nossa atividade e cujas ações podem influenciar o nosso desempenho. O processo para identificação dos stakeholders encontra-se descrito no ponto Identificação dos Stakeholders e Temas Relevantes. A evolução por que a empresa passou desde a sua criação, conjugada com a relevância no atual contexto de sustentabilidade e a análise da informação recebida dos nossos stakeholders através dos diferentes canais de comunicação utilizados, como o inquérito anual aos clientes, análise de notícias sobre o setor e inquérito anual aos colaboradores, entre outros, esteve na base da definição dos temas que consideramos materialmente relevantes, os quais se encontram descritos em maior pormenor, igualmente, no ponto Identificação dos Stakeholders e Temas Relevantes. O Relatório tem por objetivo esclarecer, de forma transparente e abrangente, os temas considerados relevantes pelos diferentes stakeholders, pelo que revela aspetos favoráveis e desfavoráveis acerca do desempenho da empresa. Colocamos ao longo do Relatório comentários à informação apresentada de forma a facilitar a interpretação de tendências e dos fatores que possam ter influenciado o nosso desempenho. O Relatório Integrado é sujeito a um processo de verificação da informação nele contida e da fiabilidade dos dados relacionados com os indicadores de desempenho, essenciais e complementares, em linha com as diretrizes da GRI, por uma entidade independente de reconhecida credibilidade Deloitte SROC, SA. Com o objetivo de proporcionar informação relevante aos diferentes stakeholders o relatório dá particular ênfase aos temas, com maior impacto ao nível da execução da estratégia do Grupo Oni, que estes consideram mais importantes e que, de acordo com a análise das necessidades e expectativas efetuadas pela empresa, os stakeholders mais valorizam. A Oni compromete-se a produzir anualmente uma reedição deste relatório para comunicar o seu desempenho em matéria de sustentabilidade e o nível de compromissos assumidos, promovendo a sua verificação independente. Lisboa, 19 de Setembro de 2011

11 09 VISION KNOWS NO limits RElAtÓRIO INtEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS QUERER SUSTENTÁvEL: O COMPROMISSO 1.1. Mensagem do CEO Princípios de Sustentabilidade e Transparência O Ano em Perspetiva 15

12 10 VISION KNOWS NO limits RElAtÓRIO INtEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS MENSAGEM DO CEO XAVIER RODRÍGUEZ- MARTÍN presidente DO CONSElHO DE ADmINIStRAçãO

13 A Oni encara a sustentabilidade COmo um COmpROmISSO de longo prazo, ASSumindo-a COmo valor fundamental na definição DA sua EStRAtÉGIA. Dimensão intrínseca da nossa essência, é determinante no ponto de viragem em que o Grupo se encontra, abraçando o ambicioso desafio de crescer num contexto global difícil e de profunda mudança dos diferentes agentes do mercado em que atua. No contexto de crise vigente, a sustentabilidade pode ver o seu significado reduzido ao pilar económico mas quando é elevada à estratégia, torna-se perene e indelével em tudo o que a organização faz. É assim que a encaramos, utilizando-a como fiel da balança das opções estratégicas que tomamos. O nosso compromisso com a sustentabilidade está, porém, tão enraizado na visão que temos do nosso papel no mundo e do que nos propomos fazer e atingir nos próximos anos, que a adesão dos nossos acionistas entidades financeiras que, por definição, valorizam mais a realidade económica - foi entusiástica e inspiradora. O desenvolvimento sustentável só é possível se enquadrarmos a contribuição que a nossa atividade tem para a sociedade, para além do impacto económico que lhe é inerente. Acreditamos, pois, que o nosso trabalho vai ter um contributo positivo no atingimento dos resultados financeiros que ambicionamos, com base no aprofundamento das relações que estabelecemos com os nossos clientes, com o mercado e com a sociedade em geral. Esta noção traduz a forma como encaramos todos os agentes que são impactados pela nossa existência, inspirando-nos a uma abordagem relacional centrada no que é importante para cada um, a qual ultrapassa, em muito, a lógica transacional. A edição do primeiro Relatório Integrado de Sustentabilidade e Contas materializa a intangibilidade do nosso compromisso com a sustentabilidade, a qual inspirou uma alteração profunda na forma como o Grupo reporta a informação. Consideramos que para se efetuar uma análise global representativa da realidade de uma organização, esta deverá atribuir igual peso à comunicação do desempenho ao nível dos três pilares da sustentabilidade. E uma vez mais, assumimos a nossa convicção absoluta na transparência da informação, esperando contagiar todos aqueles com quem nos relacionamos a abraçar de forma irreversível esse desígnio. O mercado precisa de atores transparentes, o país precisa de cidadãos que exijam autenticidade. Só assim teremos sucesso enquanto nação, com ideias, motivações, convicções e sonhos. Xavier Rodríguez-Martín Presidente do Conselho de Administração

14 12 VISION KNOWS NO limits RElAtÓRIO INtEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE E TRANSPARÊNCIA PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE Na Oni desenvolvemos a nossa atividade de forma a respeitar o equilíbrio entre o que consideramos ser a nossa vocação comercial e a nossa obrigação de cidadã responsável nos domínios ambiental e social. A interiorização deste equilíbrio e sua aplicação no dia a dia, a par da ambição em consolidar uma abordagem de Grupo e uma procura incessante por novas perspetivas de um mundo em profunda mudança, inspirou-nos a criar uma nova marca (v marca do Grupo) que refletisse esta nova forma de encarar o nosso papel no mundo. A sustentabilidade faz parte integrante do nosso DNA, pelo que foi definida como um dos cinco valores centrais da nova identidade do Grupo, inspirando não apenas a forma de nos relacionarmos com os nossos stakeholders mas também de contribuir para a sua própria sustentabilidade. A conduta da Oni no mercado é norteada pelos valores que escolheu para si, resultando numa atuação continuadamente equilibrada, justa e íntegra. É o reconhecimento desta responsabilidade que está na base das suas opções estratégicas, da identificação dos desafios que vai endereçar e da definição dos seus objetivos de curto, médio e longo prazo. todas as empresas do Grupo comungam destes princípios e desenvolvem a sua atividade em total consonância com os valores por que se rege o Grupo. O desenvolvimento sustentável é um investimento a longo prazo com vista à criação de valor para os stakeholders. É um desígnio em que estamos fortemente empenhados. O reconhecimento da nossa atuação neste domínio levou a que integrássemos as empresas convidadas a participar no prémio Desenvolvimento Sustentável 2010/2011, promovido pela Heidrick & Struggles e pelo Diário Económico. foi com orgulho que constatamos que as nossas práticas nos colocam no top 20 das empresas com melhor desempenho em termos de sustentabilidade. De referir que, em algumas das dimensões analisadas práticas de Atração e Retenção do talento e Gestão da Relação com os Clientes- a performance da Oni foi considerada superior ao do best player do Dow Jones Sustainability Index.

15 13 PRINCÍPIOS DE TRANSPARÊNCIA Cada vez mais, o futuro das organizações e o respetivo reconhecimento externo estará associado à sua capacidade de estar no mundo dos negócios, alcançando resultados positivos duma forma íntegra, idónea, responsável e dentro da mais absoluta e exigente legalidade. O Grupo Oni pauta a sua atuação por uma total transparência na forma de se relacionar com os stakeholders, fazendo-lhes chegar informação clara, fidedigna e representativa da realidade da empresa. Temos um forte sentido de responsabilidade social e de preocupação ativa e permanente com o meio envolvente Clientes, Acionistas, Colaboradores, Fornecedores e Comunidade tudo fazendo para honrar os compromissos e satisfazer as suas legítimas expectativas. Seguimos e adotamos no quotidiano os direitos, liberdades e garantias consagrados na Constituição da República Portuguesa, fomentando permanentemente o seu respeito e promoção. Como demonstração deste seu profundo compromisso, a Oni subscreveu no início de 2011, os 10 Princípios do Pacto Global das Nações Unidas - relativos ao suborno e corrupção, direitos humanos, trabalho e meio ambiente -, reforçando o seu empenho na aplicação destes princípios no decorrer da sua atividade. A subscrição deste pacto incentivou o Grupo a consolidar medidas de monitorização nos temas relevantes para os seus principais stakeholders, nomeadamente ao nível da prevenção e implementação de mecanismos anticorrupção (patentes no Código de Ética) e ao nível da promoção de uma maior responsabilidade ambiental, fomentando o desenvolvimento de soluções ambientalmente eficientes (V. 4.9 Ambiente). Um instrumento fundamental para alcançar e para nos manter alinhados com o posicionamento atrás expresso é o Código de Ética, que contém os princípios que devem orientar a nossa relação com todos os agentes com quem interagimos no nosso dia a dia. Elaborado em 2007, o Código de Ética foi reformulado e assinado pelos colaboradores de todas as empresas no 1º semestre de 2011, com o objetivo de reafirmar o compromisso comum da Oni e dos seus colaboradores com os valores nele consagrados.

16 14 VISION KNOWS NO limits RElAtÓRIO INtEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS 11 A observância destes princípios levou a que a Oni, em 2010/2011, não tivesse qualquer multa ou coima por incumprimento de leis e regulamentos referentes ao fornecimento de serviços de telecomunicações. Cada colaborador será um agente permanente de divulgação destes princípios através da sua conduta profissional quotidiana e do seu exemplo pessoal, devendo informar a gestão da empresa sempre que se verificar alguma situação que configure um potencial conflito de interesses ou uma ilegalidade. Qualquer violação ao Código de Conduta ou à legislação em vigor, identificada e confirmada, é suscetível de implicar apuramento de responsabilidades dos infratores nos termos e normas legais aplicáveis à situação. Neste contexto, em 2010/2011, não foi identificado nenhum incidente. O Código de Ética inclui um anexo intitulado Código de Conduta na utilização das tecnologias de Informação, que estabelece os princípios e normas gerais a observar por todos os colaboradores no que respeita à sua correta utilização. para além do Código de Ética, existe um conjunto de princípios de Negócio - Regras de Ouro que visam orientar a forma como a empresa atua no mercado, junto dos clientes, fornecedores e colaboradores. Complementando os valores institucionais da empresa, este documento procura incutir uma atuação pautada pela integridade e honestidade, procura constante da satisfação dos nossos clientes, ambição pela qualidade e excelência e respeito por princípios de responsabilidade ambiental e social. Ambos os documentos encontram-se publicados e disponíveis para consulta na intranet da empresa.

17 O ANO EM PERSPETIva Em momentos de mudança profunda, a avaliação do desempenho de uma empresa ou grupo económico num determinado período deve ser feita de forma global, analisando-se os três pilares de sustentabilidade economia, sociedade e ambiente. O atual contexto recessivo impõe porém uma maior atenção às questões relacionadas com o desempenho económico. Assim, e apesar do contexto económico e financeiro desfavorável, com retração da procura de determinados serviços, dificuldades crescentes das empresas acederem a financiamento e consequente adiamento de decisões de investimento que se traduziu na diminuição do volume de negócios, o Grupo Oni conseguiu aumentar o EBITDA consolidado e manter, pelo quarto ano consecutivo, os resultados positivos do Grupo. Destacamos o contributo mais positivo das novas empresas criadas no final de 2009, a Hubgrade e a Knewon, que têm servido para atenuar a diminuição global das receitas nos setores mais tradicionais, endereçados pela Oni Communications. O Capex total tem vindo a diminuir em consequência da finalização de alguns grandes projetos de instalação de redes no âmbito das Redes de Nova Geração, o que tem contribuído para multiplicar, em relação aos exercícios anteriores, a geração de tesouraria, aspeto particularmente significativo nas condições de maior pressão financeira que o mercado e o país estão a sofrer. Se olharmos para o desempenho por setor, os principais projetos desenvolvidos no setor público estão relacionados com o desenvolvimento das Redes de Nova Geração na justiça, na saúde e na educação. No setor privado, temos multiplicado as larguras de banda disponíveis e temos reconfigurado algumas das principais redes de comunicações nos setores da banca e da energia. No domínio das soluções integradas, temos contribuído para o desenvolvimento de alguns dos maiores projetos na área da segurança. Finalmente, a nível internacional, estamos a dar os primeiros passos em Angola e criámos a Oni España. No ano em análise, merece também destaque a mudança da sede do Grupo para o centro de Lisboa, que veio ao encontro da visão que a Oni tem de um mercado em que os modelos de negócio são mais abertos, pelo que assume uma importância crescente estar no centro da ação. O impacto positivo na vida dos colaboradores e a expectável diminuição do consumo de combustíveis nas deslocações efetuadas pelos colaboradores foram outros fatores que corroboraram a deslocação da sede para o centro da capital, a par com um aumento significativo da notoriedade da marca.

18 16 VISION KNOWS NO limits RElAtÓRIO INtEGRADO DE SUSTENTABILIDADE E CONTAS 11 A nível social, o Grupo Oni contratou 31 novos colaboradores, facto que assume particular relevância num contexto nacional de aumento do desemprego; em termos líquidos, aumentou em 6% a dimensão da equipa, sendo de referir que 92% dos colaboradores pertencem ao quadro da empresa. Este aumento da equipa foi consequência da internalização de funções e da aposta em novas áreas de atuação. Ao nível da comunidade, o Grupo reforçou ainda o seu apoio a associações sem fins lucrativos que, com o seu trabalho, ajudam a melhorar a vida de comunidades mais desfavorecidas. Em relação aos projetos internos, temos transformado e reforçado alguns dos principais processos operacionais com o objetivo de aumentar a eficácia e contribuir positivamente para criar as melhores experiências possíveis de utilização dos nossos serviços para os nossos clientes. E, com esse objetivo, culminámos também, este ano, o desenvolvimento das primeiras aplicações da nova geração de sistemas de informação operacionais do Grupo. Em termos ambientais, assume particular relevância a renovação da certificação ambiental ISO conseguida para a nova Sede assim como o lançamento de ofertas que ambicionam permitir aos nossos clientes um melhor desempenho em termos ambientais. Neste âmbito, destacamos o lançamento da primeira oferta de cloud assim como novas soluções de virtualização de sistemas, de melhoria da eficiência energética e recolha, transporte e tratamento de resíduos tecnológicos resultantes da atividade das telecomunicações (equipamentos). finalmente, e a arrancar o novo ciclo que se iniciará no próximo exercício, o Grupo Oni procede ao rebranding da sua marca, que culmina um processo de reposicionamento estratégico, iniciado em 2011 mas que começará a dar os seus frutos a partir do próximo ano.

19 17 2. CrESCEr SUSTENTÁvEL: O grupo 2.1. Perfil Organizacional 18.A Marca 19.Estrutura operacional governo de Sociedade 21.Modelo de governo 21.políticas de gestão e Estratégia Orientada para a Sustentabilidade 23.gestão de riscos e oportunidades 23

20 PErfIL OrgANIZACIONAL A história do Grupo Oni começa em 2000, ano em que o mercado português de telecomunicações se liberalizou, permitindo a entrada de novos operadores. Desde então, a história da Oni é feita de determinação, espírito visionário e capacidade de adaptação. O nosso DNA combina a irreverência dos primeiros tempos com a maturidade adquirida a servir alguns dos maiores e mais importantes grupos económicos a operar em Portugal mais de metade das empresas que integram o índice PSI-20 são nossos clientes. A confiança dos nossos clientes inspira-nos a querer sempre ir mais longe e surpreendê-los continuamente com as mais avançadas soluções de comunicações. hoje, a Oni é muito mais do que apenas um operador de comunicações. capitalizando no pioneirismo tecnológico que sempre nos caracterizou, antecipamos a dinâmica própria dos mercados tecnológicos e preparamo-nos para responder aos mais exigentes desafios de negócio que os nossos clientes assumem, capacitandoos para tirar partido de um mundo cada vez mais ligado, em que as interações e relações extravasam o universo físico e afirmam-se cada vez mais na esfera digital. é NESTE MUNDO POvOADO DE NOvOS EcOSSISTEMAS que A ONI SE coloca, GANhANDO UMA PERSPETIvA fresca E IRREvERENTE SObRE SI PRÓPRIA: SER UM ATIvADOR DE PROGRESSO que cria E GERE ATIvOS TEcNOLÓGIcOS ÍMPARES PARA OS SEUS clientes. Para isso, temos a Oni communications, a hubgrade e a Knewon, três empresas decididas a interpretar os seus desafios de negócio e oferecer-lhe soluções de conectividade, virtualização dos processos de negócio e garantia de uma integração tecnológica perfeita e suporte à sua medida, que não só facilitem o seu dia a dia como projetem o seu negócio num futuro pleno de oportunidades. SIMPLES falamos para as pessoas, descodificando a complexidade do universo tecnológico através de uma linguagem clara, simples e humana.

21 A Marca O Universo expande-se de forma orgânica e, por vezes imprevisível. A evolução está na génese de todos os fenómenos. A marca Oni nasce de um núcleo forte, constituído de matéria tecnológica e humana, com um elevado conhecimento e experiência em comunicações e tecnologias da informação, que nos permite assumir um posicionamento ambicioso e audacioso em relação ao futuro. Porque não se pode TRAvar o caminho da evolução, ESTA é uma marca sem fronteiras, que nunca abdica DOS valores que definem a SUA ESSência. Somos uma marca visionária. Não nos ficamos pelo presente, mas projetamo-nos no futuro. Toda a nossa ação depende das possibilidades que visionamos, arquitetamos e concretizamos. Inconformista, desafiamos os nossos próprios limites. Uma marca desafiante, pronta a arriscar e a concretizar, que se desafia a si própria para dar mais aos outros. Inconformista Antecipamos as oportunidades, descodificando, explorando e extraindo todo o valor que o progresso tecnológico pode proporcionar. Ágil valores Transversais a TODAS AS EMPRESAS do grupo Próxima Estabelecemos um diálogo permanente, que nos permite relacionar, conhecer e evoluir, sendo um agente propulsor do progresso e desenvolvimento da sociedade. Sustentável A crença absoluta nos valores da sustentabilidade inspira-nos ainda mais a procurar novas formas, novos métodos, novos olhares e novas perspetivas para o que fazemos e como fazemos.

22 ESTrUTUrA OPErACIONAL A ESTRUTURA OPERAcIONAL DA ONI foi DEfINIDA DE forma A POTENcIAR UMA ATUAçãO DE GRUPO. Nesse sentido, e numa lógica de geração de maiores eficiências e sinergias, a Oni SGPS agrega as direções que prestam serviços transversais a todas as empresas. As empresas que estabelecem um contacto direto com os clientes, são encaradas como unidades de negócio, dispondo de uma estrutura mais ágil que lhes permite um foco total na prestação do serviço. ONISgPS business Performance finance & Treasury corporate Expansion Strategy Talent & Legal brand Experience business Development & Regulation Sales Team Technical Team ONITELECOM hubgrade KNEWON f300 ONI AçOrES ONI MADEIrA

23 Governo de SOCIEDADE ÓRGÃOS SOCIAIS CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente Xavier Rodríguez-Martín V vogais Rui Filipe Carranca Sequeira Martins Joaquim Eduardo Monteiro de Jesus Santos MESA DE ASSEMBLEIA Presidente António Emídio Pessoa Corrêa d Oliveira Secretário Marcos Lladó Bertrand FISCAL ÚNICO DELOITTE & ASSOCIADOS, SROC S.A. Suplente DUARTE NUNO PASSOS GALHARDAS Modelo de Governo O modelo de governo de uma sociedade é um pilar da sua credibilidade perante o mercado, sendo determinante para assegurar a coerência estratégica e o cumprimento dos objetivos a que a empresa se propõe, dotando-a de mecanismos que garantam o equilíbrio entre as diferentes estruturas de governação. O modelo de governo da oni sgps baseia-se na RELAção RESPONSável e transparente entre acionistas, conselho de ADMINISTRAção e ÓRGãos de fiscalização, cada um com um papel bem definido e complementar. Conselho Consultivo (Advisory board) O Conselho Consultivo, como o próprio nome indica, é um órgão de consulta do Conselho de Administração, com uma função de aconselhamento à gestão e que emite opiniões sem caráter vinculativo. Os seus membros, com mandatos de um ano, são líderes de opinião nas suas áreas de conhecimento e intervenção e com know-how do mundo empresarial. O Conselho Consultivo não tem um caráter de permanência, pelo que os seus membros podem ser consultados, de forma individual ou coletiva, sempre que os responsáveis da Oni o solicitem, para discussão de desenvolvimentos de médio/longo prazo ou, de um ponto de vista operacional, para recolha de opiniões ou apoio para assuntos correntes.

24 22 CONSELhO DE SUPErvISãO (SUPERvISORy board) O conselho de Supervisão do Grupo é um órgão estatutário constituído por 5 membros permanentes em representação dos acionistas, podendo pontualmente, ser alargado a outros participantes. O principal papel do conselho de Supervisão é definir e aprovar a estratégia da empresa, monitorizar a sua execução, pronunciar-se sobre os resultados financeiros e deliberar sobre políticas de financiamento e investimento. O conselho de Supervisão reúne trimestralmente, com o objetivo de avaliar a execução da estratégia e discutir a adoção de novas medidas, ao nível do desempenho económico, ambiental e social. Anualmente, é feita a avaliação global de desempenho da organização e do seu conselho de Administração, procedendo-se igualmente a uma auditoria com vista à certificação das contas da empresa, as quais são publicadas nos Relatórios e contas anuais. No período em análise, o conselho de Supervisão está constituído por: António álvares cabral Presidente Marcos Lladó bertrand Partner, Riverside Europe Rafael álvarez-novoa Senior Associate, Riverside Europe Manuel de Mello champalimaud Presidente do conselho de Administração, Gestmin António corrêa D Oliveira Administrador, Gestmin João Pedro Montes Administrador, Winreason CONSELhO DE ADMINISTrAçãO (EXEcUTIvE board) composto por três membros executivos, Xavier Rodríguez- Martín, 47 anos, no cargo de ceo (chief Executive Officer), Rui Sequeira Martins, 37 anos, como cfo (chief financial Officer) e cto (chief Technical Officer) e Joaquim Eduardo Santos, 47 anos, como cco (chief commercial Officer), o conselho de Administração do Grupo Oni é o órgão responsável pela execução da estratégia aprovada pelo conselho de Supervisão e pela gestão operacional da empresa. Os membros do conselho de Administração, cujos mandatos têm a duração de três anos, são nomeados pelos acionistas, em Assembleia Geral, tendo em conta a sua experiência e conhecimento específico do setor de telecomunicações e tecnologias de informação, e as suas competências de gestão aferidas pela análise do seu percurso profissional. Em julho de 2009, os membros do conselho de Administração foram reeleitos para o triénio de

25 Políticas de Gestão e ESTrATégia OrIENTADA para a SUSTENTABILIDADE Vocacionada para fornecer um serviço de excelência aos seus clientes, e pautando a sua atuação por rigorosos valores de ética e transparência, a Oni está atenta à evolução da conjuntura em que desenvolve a sua atividade, procurando acompanhar eventuais mudanças nas aspirações dos seus stakeholders adotando as políticas de gestão que lhe permitirão cumprir os compromissos e objetivos assumidos. A criação do Comité de Sustentabilidade, em dezembro de 2009, veio formalizar a importância que o desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável tem para o Grupo Oni, cabendo-lhe a promoção dos princípios, códigos de conduta e utilização dos canais de comunicação mais adequados para o relacionamento com os vários stakeholders, incentivando uma cultura de diálogo e acautelando potenciais conflitos de interesse. Presidido pelo Presidente do Conselho de Administração, reúne mensalmente e delibera as iniciativas a implementar, levadas à sua apreciação por proposta dos membros do comité ou por sugestão dos colaboradores. O Comité de Sustentabilidade desempenha um papel chave na avaliação e ponderação do impacto DAS NOSSAS ações e DAS NOSSAS EScolhAS na qualidade de vida futura, tendo em atenção o contexto económico, social e ambiental em que NOS movemos Gestão de riscos e oportunidades A gestão de riscos assume um papel relevante na prevenção e na minimização dos seus eventuais impactos ao nível da atividade global do Grupo e da afetação dos seus stakeholders, possibilitando, adicionalmente, identificar novas oportunidades de negócio. O agravamento das condições macro-económicas que se vem sentindo nos últimos anos e que acarreta um risco adicional para quem, como a Oni, serve sobretudo a comunidade empresarial, esteve na base da criação, em 2010, de um Comité de Gestão de Riscos. Em articulação estreita com a Equipa de Gestão, garante a revisão sistemática dos riscos, de forma a identificar, avaliar e gerir as incertezas e ameaças que possam afetar o desenvolvimento da atividade, tanto ao nível estratégico como ao nível operacional. A Equipa de Liderança considera que a gestão de riscos não deve ficar cingida a um grupo de pessoas, mas antes que todos os colaboradores devem desempenhar um papel ativo, sendo uma responsabilidade de todos a adoção da gestão de riscos como parte integrante das suas funções, designadamente na identificação dos diferentes tipos de riscos e ameaças ao desenvolvimento dos negócios, reportando ao seu superior hierárquico ou ao Comité de Gestão de Riscos.

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Comentários da Direção-Geral do Consumidor

Comentários da Direção-Geral do Consumidor Consulta Pública da ANACOM relativa às Opções no âmbito da revisão da deliberação relativa às linhas de orientação sobre o conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação dos serviços de comunicações

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015 ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 1. OBJETO DA CONSULTA A CMVM tem um compromisso com o mercado de revisão

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Sustentabilidade Workshops

Sustentabilidade Workshops www.pwc.pt/academy Workshops PwC s Academy Portefólio de soluções formativas de profissionais para profissionais Workshops As empresas do futuro devem ser capazes de garantir a gestão dos seus pilares

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sonae Indústria, SGPS, S.A., Lugar do Espido, Via Norte 4470-177 Maia Ponto nº 6 PROPOSTA A Comissão

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira Francisco Rocha Diretor do Departamento de Auditoria do Banco de Portugal 7 de outubro de 2014 Seminar Seminar name SUMÁRIO Controlo

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Prémio Desenvolvimento Sustentável

Prémio Desenvolvimento Sustentável Prémio Desenvolvimento Sustentável 1 Prémio Desenvolvimento Sustentável A noção de que o desenvolvimento sustentável é um investimento a longo prazo, com vista à criação de valor para os stakeholders através

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

APDSI assinala o Dia Mundial das Telecomunicações e da SI dedicado à Banda Larga

APDSI assinala o Dia Mundial das Telecomunicações e da SI dedicado à Banda Larga APDSI assinala o Dia Mundial das Telecomunicações e da SI dedicado à Banda Larga Lisboa, - A APDSI associou-se mais uma vez às comemorações do Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação

Leia mais

em - Corporate Reporting (1.ª Edição) Executive Master

em - Corporate Reporting (1.ª Edição) Executive Master www. indeg. iscte-iul. pt EXPERIÊNCIA DE IMERSÃO AVANÇADA NO STATE OF THE ART E NAS ALTERAÇÕES MAIS RECENTES NAS TEMÁTICAS, NORMATIVAS E MÉTODOS DE REPORTE INTEGRADO DAS ORGANIZAÇÕES VISANDO UM DESEMPENHO

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda.

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A é uma software house criada em 2006. A Ilustratown tem por objetivo o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Código de Ética do Grupo Pirelli

Código de Ética do Grupo Pirelli Código de Ética do Grupo Pirelli A identidade do Grupo Pirelli fundamenta-se historicamente em um conjunto de valores sempre seguidos e apoiados por todos nós. Esses valores, ao longo dos anos, permitiram

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA VISÃO, MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS

CÓDIGO DE CONDUTA VISÃO, MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS GOdesign VISÃO, MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS CÓDIGO DE CONDUTA SONAE INDÚSTRIA, SGPS,SA Lugar do Espido Via Norte Apartado 1096 4470-177 Maia Portugal T. +351 220 100 400 F. +351 220 100 436 sonaeindustria@sonaeindustria.com

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Apresentação do Projeto

Apresentação do Projeto Apresentação do Projeto CTCV, 14 de dezembro 2012 filomena.egreja@iapmei.pt Índice Fundamentos e características do projeto Atividades executadas Empresas e setores: algumas constatações Análise SWOT Empresas

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Governo das Sociedades A Visão do Chairman

Governo das Sociedades A Visão do Chairman Lisboa, 4 de Novembro de 2008 XV Conferência do IPAI Governo das Sociedades d A Visão do Chairman Francisco Luís Murteira Nabo Corporate Governance O que é? Corporate Governance is the system by which

Leia mais

Zeinal Bava. Nós construimos o nosso futuro. Presidente Executivo Portugal Telecom

Zeinal Bava. Nós construimos o nosso futuro. Presidente Executivo Portugal Telecom mensagem do presidente executivo Zeinal Bava Presidente Executivo Portugal Telecom Nós construimos o nosso futuro Apesar do ambiente económico desafiante em Portugal, a PT tem continuado a seguir incessantemente

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos

CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos CÓDIGO DE ÉTICA EDP Mensagem do Presidente - 2 - CÓDIGO DE ÉTICA EDP É minha convicção que o sucesso da EDP se fundamenta nas relações de confiança que, ao longo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders.

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders. Notas de apoio à Intervenção inicial do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira, na Conferência Responsabilidade Social e Corporate Governance, organizada, em parceria, pelo GRACE, pela AEM e

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, S.A., reuniu no dia 30 de Março de 2012, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, na Maia,

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco N 01.006 Versão: 02 Atualizado: 19/01/2012 Abrangência: Departamentos, Agências, Empresas Ligadas

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 FINANCE Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados, sendo

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais