HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE"

Transcrição

1 HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

2 Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional

3 ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade. Corresponde à fetos entre semanas e peso igual ou menor de 500 gramas.

4 ABORTAMENTO Classificação: Ameaça de aborto Trabalho de aborto Aborto incompleto Aborto completo Aborto retido Aborto habitual Incompetência Istmo Cervical Aborto infectado

5 ABORTAMENTO O conhecimento da imagem de uma gravidez viável é de extrema importância para o prognóstico da gestação.

6 SG normoimplantado, de bordos regulares contendo VVS e embrião medindo 2 mm. Este aspecto corresponde a uma gravidez normal.

7

8

9 ABORTAMENTO Ameaça de aborto Clínica: Cólicas, sangramento discreto, colo fechado, BhCG positivo. Achado ecográfico: Saco amniótico normoimplantado, bordos regulares ou irregulares, BCE presente. Em caso de dúvida repetir o exame em 14 dias

10 A B A.Imagem de corpo lúteo B. Área de descolamento ovular Obs.: Nos casos de descolamento ovular o exame deve ser repetido em 7 dias para monitorar a área de descolamento.

11 Área de descolamento subcorial

12 Área de hematoma subcorial. Notar a presença do BCE.

13 Extenso hematoma subcorial na região da decídua parietal anterior. Decídua basal (placenta) íntegra.

14 Hematoma subcorial em parede anterior

15 Trabalho de aborto Clínica: Cólicas intensas, sangramento moderado, colo aberto, BhCG negativo. Achado ecográfico: Saco amniótico de implantação baixa, bordos irregulares, BCE ausente. Em caso de dúvida repetir o exame em 14 dias

16 Primeiro exame com saco normoimplantado de bordos regulares. Embrião não-visibilizado. A imagem corresponde a gestação de 5 semanas. A mesma imagem é vista após duas semanas garantindo o diagnóstico de interrupção da gestação, pois com 7 semanas é obrigatório a visualização do embrião e dos batimentos cardíacos.

17 SG de 13 mm, normoimplantado, bordos regulares, porém sem VVS e embrião. Diagnóstico: abortamento. O termo melhor utilizado é de interrupção da gestação no primeiro trimestre.

18 Aborto incompleto Clínica: Cólicas, sangramento persistente, colo aberto, BhCG negativo. Achado ecográfico: Cavidade uterina com ecos amorfos em seu interior

19

20

21

22

23

24

25 Aborto completo Clínica: Sangramento discreto, colo fechado Achado ecográfico: Cavidade uterina com eco endometrial linear regular

26

27

28 Aborto habitual Clínica: Repetição de 3 ou mais abortos (fatores genéticos, endócrinos e anatômicos) Achado ecográfico: Pesquisa de mal formações uterinas útero didelfo, útero bicorno e útero septado.

29 Aborto retido Clínica: Desaparecimento dos sintomas gravídicos, parada de crescimento uterino Achado ecográfico: Saco amniótico regular, grande para a idade gestacional, normoinplantado, BCE ausente

30 PRENHEZ CERVICAL Implantação do saco gestacional ao nível do canal cervical. A visibilização da VVS e do embrião com batimento cardíaco sela o diagnóstico.

31 BE FUNDO UTERINO CANAL CERVICAL

32 BE FUNDO UTERINO CANAL CERVICAL

33 Abortamento infectado Fatores relevantes: Freqüência da entidade Característica das pacientes envolvidas Morbiletalidade Sobrecarga econômica

34 ABORTAMENTO INFECTADO Forma localizada: - Vagina - Colo - Endométrio - Miométrio - Paramétrio Forma propagada: - Parametrite - Anexite - Peritonite Forma generalizada: - Septicemia

35 MIOMÉTRIO BE AR NA CAVIDADE UTERINA Imagem da cavidade uterina preenchida por ecos amorfos que produzem sombra acústica débil correspondendo a presença de ar na cavidade.

36 Ecos com brilho aumentado na cavidade uterina (endometrite)

37 COMPRESSA ALÇA INTESTINAL Notar a diferença entre a sombra acústica das alças intestinais e a produzida por corpo estranho (compressa).

38

39 Incompetência Istmo Cervical (Bengtson 1968 / Habib 1978) 25% dos abortamentos do 2º trimestre Incidência variável: 1/54 partos Toaff /25 partos Jeannings /2000 partos Bengtson 1968 Classificação: adquirida, congênita e funcional

40 INCOMPETÊNCIA Forma adquirida: Dilatação cervical forçada, amputação alta da cérvice, fórcipe Forma congênita: Fraqueza no mecanismo esfincteriano, mal formações uterinas Forma funcional: Só é evidenciada na gravidez com dilatação do colo por contrações anormais: gemelar, polidrâmnio

41 INCOMPETÊNCIA O diagnóstico clínico deve ser baseado na história pregressa: 1) Aborto tardio anterior (16 a 26 semanas) 2) Feto vivo * A história de abortamentos de primeiro trimestre (até 12 semanas) ou de abortos tardios com fetos mortos não servem para o diagnóstico de IIC

42 CANAL CERVICAL Avaliação dinâmica do canal cervical (USTV): primeiro exame com a paciente deitada para medir o comprimento do colo e avaliar dilatação

43 BE HERNIAÇÃO DA BOLSA AMNIÓTICA NO CANAL CERVICAL Avaliação dinâmica do canal cervical (USTV): segundo exame imediato ao primeiro com a paciente em pé para medir o comprimento do colo e avaliar dilatação

44 BE CABEÇA Canal cervical dilatado com a bolsa amniótica herniada na vagina (seta)

45 Seqüência da herniação da bolsa amniótica e do pé fetal pelo canal cervical

46

47

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins ABORTAMENTO Profª Drª Marília da Glória Martins Definições É a interrupção espontânea ou provocada de concepto pesando menos de 500 g [500 g equivalem, aproximadamente, 20-22 sem. completas (140-154 dias)

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO PERÍODO FETAL INTRODUÇÃO Nome Feto: Embrião já se tornou um ser humano reconhecível e já se formaram todos os principais sistemas Características do período fetal: 1) Rápido crescimento do corpo; 2) Diferenciação

Leia mais

ABORTAMENTO. Gilberto Gomes Ribeiro

ABORTAMENTO. Gilberto Gomes Ribeiro ABORTAMENTO Gilberto Gomes Ribeiro 1. DEFINIÇÃO : Segundo a OMS é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou com peso fetal inferior a 500g. É dito precoce quando ocorre até 12 semanas e tardio

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Évelyn Traina O abortamento é definido como a interrupção da gravidez antes de atingida a viabilidade fetal. A Organização Mundial da Saúde estabelece como limite para

Leia mais

A BVC pode ser realizada tanto pela via transcervical, quanto pela via transabdominal (figura 1).

A BVC pode ser realizada tanto pela via transcervical, quanto pela via transabdominal (figura 1). 9. BIOPSIA DE VILO CORIAL Mais recentemente, a tendência em termos de diagnóstico pré-natal tem sido a de optar por métodos mais precoces, de preferência no primeiro trimestre. Esta postura apresenta as

Leia mais

Incompetência Cervico - Ístmica

Incompetência Cervico - Ístmica Incompetência Cervico - Ístmica Elsa Landim, Gonçalo Dias, Vanessa Santos Serviço de Obstetrícia Diretora: Dra. Antónia Nazaré Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. 13 de Outubro de 2011 Introdução

Leia mais

ABORTAMENTO 2012 ABORTAMENTO

ABORTAMENTO 2012 ABORTAMENTO ABORTAMENTO Gilberto Gomes Ribeira Carlos Augusto Alencar Júnior Francisco das Chagas Medeiros 1. DEFINIÇÃO: Segundo a Organização Mundial da Saúde é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou

Leia mais

Aborto. Douglas Blanco

Aborto. Douglas Blanco Aborto Douglas Blanco Gravidez Indesejada Hoje em dia o principal motivo do aborto é a gravidez indesejada. A gravidez em adolescente pode ser considerado um exemplo, pois o mundo dos adolescentes se resumi

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

1.2 Incidência Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana.

1.2 Incidência Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana. PROTOCOLO CLÍNICO PROTOCOLO DE ABORTAMENTO Código: PC16 ABORT Data: Março/2016 Especialidade: Ginecologia e Obstetrícia Responsável: Cristine Kolling Konopka Colaboradores: Elaine Verena Resener; Luciana

Leia mais

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição:

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição: CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça Definição: Implatação do ovo fora da cavidade endometrial, como, por exemplo, nas tubas, ovário,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO PERÍODO FETAL INTRODUÇÃO Nome Feto: Embrião já se tornou um ser humano reconhecível e já se formaram todos os principais sistemas Características do período fetal: 1) Rápido crescimento do corpo; 2) Diferenciação

Leia mais

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ECOCLINICA Dra. Rejane Maria Ferlin rejaneferlin@uol.com.br Vantagens da Ultrassonografia Obstétrica trica SEGURANÇA NÃO-INVASIVO PREÇO ACEITAÇÃO BENEFÍCIOS Noronha Neto et al.,

Leia mais

SANGRAMENTO NA GESTAÇÃ ÇÃO

SANGRAMENTO NA GESTAÇÃ ÇÃO - HOSPITAL FÊMINA SANGRAMENTO NA GESTAÇÃ ÇÃO ABORTAMENTO SANGRAMENTO DE TERCEIRO TRIMESTRE Mirela Foresti Jiménez 1ªcausa de morte materna no mundo Complicação Obstétrica N de Mortes % Hemorragia 127.000

Leia mais

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados 1 ULTRA-SONOGRAFIA OBSTÉTRICA Francisco Pimentel Cavalcante Carlos Augusto Alencar Júnior Procedimento seguro, não-invasivo, inócuo, com grande aceitação pela paciente, que pode fornecer muitas informações

Leia mais

Register Brasil. - a necessidade de se dispor, no país, de método alternativo de contracepção, eficaz e reversível, e

Register Brasil. - a necessidade de se dispor, no país, de método alternativo de contracepção, eficaz e reversível, e Produtos para Saúde Enviado por Administrator 10-Mar-2008 Atualizado em 10-Mar-2008 Título: Portaria nº 6, de 06 de julho de 1984 Ementa: Baixa instruções sobre registro, produção, fabricação, controle

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal

Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal Figura 1: US endovaginal mostrando região anexial uterina à direita Figura 2: US endovaginal mostrando útero e fundo de saco, em corte longitudinal Enunciado

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 3884/2013 ASSUNTO: VITALIDADE EMBRIONÁRIA À ULTRASSONOGRAFIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO HELVÉCIO NEVES FEITOSA. EMENTA: Em embriões

Leia mais

Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado.

Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado. Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado. Ao longo do tempo e principalmente em fins do século XX, declinou a incidência

Leia mais

REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA BARBOSA, Raul Carlos 1 ; BORBA, Victor Caponi 2 ; BARBOSA, Tercília Almeida

Leia mais

Hysterosalpingography: A Reemerging Study

Hysterosalpingography: A Reemerging Study Hysterosalpingography: A Reemerging Study William L. Simpson,, Laura G. Beitia, Jolinda Mester RadioGraphics 2006 Andrea a Canelas 31-05 05-2006 HSG - Introdução HSG avaliação radiológica do útero e trompas

Leia mais

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7% PROTOCOLO - OBS - 016 DATA: 23/11/2004 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITO É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

Leia mais

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO CONCORDANDO COM A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVO INTRA-UTERINO COMO MÉTODO REVERSÍVEL DE ANTICONCEPÇÃO.

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO CONCORDANDO COM A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVO INTRA-UTERINO COMO MÉTODO REVERSÍVEL DE ANTICONCEPÇÃO. Após Preenchimento entregar: ORIGINAL NA ULP; 01 CÓPIA P/ MÉDICO; 01 CÓPIA P/ PACIENTE. -VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO CONCORDANDO COM A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVO INTRA-UTERINO COMO MÉTODO REVERSÍVEL

Leia mais

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 6. CONCLUSÕES Conclusões 49 Os resultados deste estudo indicam boa reprodutibilidade do exame de ressonância magnética, por meio da análise da variabilidade intra e interobservadores, na aferição do comprimento

Leia mais

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara Placenta e Membranas Fetais Prof. Daniela B. Hara 2009/2 Anexos embrionários no desenvolvimento humano Placenta e o cordão umbilical O córion O âmnio O saco vitelínico O alantóide Membranas fetais A parte

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

UNIDADE FETO-PLACENTÁRIA MORFOLOGIA

UNIDADE FETO-PLACENTÁRIA MORFOLOGIA UNIDADE FETO-PLACENTÁRIA MORFOLOGIA Licenciatura em Medicina FML - 2007 Placenta - 1 Generalidades Das componentes da placenta, o TROFOBLASTO é o mais variável quanto à estrutura, função e desenvolvimento,

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI O ESTÍMULO À REALIZAÇÃO DO 'EXAME DO COTONETE' (EXAME DE CULTURA DE STREPTOCOCCUS B"), EM TODAS AS GESTANTES QUE REALIZAM O PRÉ-NATAL NOS HOSPITAIS E MATERNIDADES

Leia mais

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO Gestação Ectópica (GE) é definida como implantação do ovo fecundado fora da cavidade uterina

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir Yara Furtado Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Durante a

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

CAPÍTULO 1. ABORTAMEnTO

CAPÍTULO 1. ABORTAMEnTO Unidade 6 - Obstetrícia Abortamento CAPÍTULO 1 ABORTAMEnTO 1. DEfINIçãO Segundo a Organização Mundial da Saúde é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou com peso fetal inferior a 500g. É dito

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 001/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro de administração da medicação Misoprostol via vaginal. I - Do Fato Trata-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS NO PRÉ-NATAL JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS NO PRÉ-NATAL JULIO MAYER DE CASTRO FILHO URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS NO PRÉ-NATAL JULIO MAYER DE CASTRO FILHO COMPLICAÇÕES DO PRIMEIRO TRIMESTRE ABORTAMENTO 1.ESPONTÂNEO OU PERDA = PERDA INVOLUNTÁRIA NAS 1ªs 20 SEMANAS. 2.ESPONTÂNEO PRECOCE = ESPONTÂNEO

Leia mais

11ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

11ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 11ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente C. F. O., 34 anos, sexo feminino. Realizou US Tranvaginal. DUM há 02 meses. G3P3A0. História da paciente: Submetida a cirurgia para laqueadura,

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Secretaria Estadual da Saúde RS 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas Definição Gestação com presença de dois ou

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA Página1 A REPRODUÇÃO HUMANA Reprodução sexuada e dimorfismo sexual A reprodução é uma função dos seres vivos que permite dar origem a outros seres da mesma espécie. Reprodução sexuada Na espécie humana

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL Like A saúde da mãe e o desenvolvimento do bebé podem ser seguidos passo a passo, graças a um conjunto de exames clínicos que permitem manter a gravidez sob controlo. Além disso,

Leia mais

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno Teste Pré-Natal Não Invasivo em Sangue Materno Teste para a Detecção das Síndromes de Down, Edwards, Patau e Turner (e outras alterações cromossómicas do feto) Sem riscos para a mãe ou para o feto Panorama

Leia mais

Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana.

Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana. PROTOCOLO CLÍNICO ABORTAMENTO Especialidade: Ginecologia e Obstetrícia Responsável: Cristine Kolling Konopka Colaboradores: Elaine Verena Resener, Francisco Galarretta; Paulo Afonso Beltrame. Luciana Zafari;

Leia mais

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar.

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto?

CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto? CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto? Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU):

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU): 1 DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU): os DIUs são artefatos de polietileno, aos quais podem ser adicionados cobre ou hormônios, que são inseridos na cavidade uterina exercendo sua função contraceptiva. Atuam

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

CAPÍTULO 1 ABORTAMENTO. Gilberto Gomes Ribeiro Carlos Augusto Alencar Júnior 1. DEFINIÇÃO:

CAPÍTULO 1 ABORTAMENTO. Gilberto Gomes Ribeiro Carlos Augusto Alencar Júnior 1. DEFINIÇÃO: CAPÍTULO 1 ABORTAMENTO Gilberto Gomes Ribeiro Carlos Augusto Alencar Júnior 1. DEFINIÇÃO: Segundo a Organização Mundial da Saúde é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou com peso fetal inferior

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

FETO MÃE PLACENTA ANEXOS EMBRIONÁRIOS HUMANOS II PLACENTOGÊNESE PLACENTA. José Eduardo Baroneza. Desenvolvimento Placentário

FETO MÃE PLACENTA ANEXOS EMBRIONÁRIOS HUMANOS II PLACENTOGÊNESE PLACENTA. José Eduardo Baroneza. Desenvolvimento Placentário PLACENTA ANEXOS EMBRIONÁRIOS HUMANOS II - A placenta é um órgão transitório, maternofetal, onde se dão as trocas de substâncias, como nutrientes, excretas e gases respiratórios entre as correntes sanguíneas

Leia mais

PROTOCOLO ASSISTENCIAL ABORTAMENTO 2 INTRODUÇÃO. 2.1 Conceito. Protocolo Assistencial do Hospital Universitário de Santa Maria

PROTOCOLO ASSISTENCIAL ABORTAMENTO 2 INTRODUÇÃO. 2.1 Conceito. Protocolo Assistencial do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO ASSISTENCIAL Protocolo Assistencial do ABORTAMENTO Especialidade: Responsável: Cristine Kolling Konopka Colaboradores: Luciana Zafari; Francisco Galarretta; Lia Mara Montagner. Código: PACX 001

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana A A Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana 2 A A Habilidade: Compreender como ocorre a fecundação, a gravidez e o parto em seres humanos. 3 A A Reprodução humana e sexualidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO ASPECTOS CLÍNICOS E ECOGRÁFICOS Miguel Branco MBB -CHC Definição é clínica: Contractilidade uterina com alteração características do colo ( mais específico se > 6 /h e >

Leia mais

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008 12 Glossário genético Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de um glossário originalmente produzido por London IDEAS Genetic Knowledge Park. Este trabalho foi apoiado

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Desenvolvimento Humano. Disciplina: Genética e Embriologia Prof. Ana Cristina Confortin

Desenvolvimento Humano. Disciplina: Genética e Embriologia Prof. Ana Cristina Confortin A primeira semana do Desenvolvimento Humano Disciplina: Genética e Embriologia Prof. Ana Cristina Confortin Quando inicia a Vida??? O desenvolvimento humano começa Com a fecundação, o processo durante

Leia mais

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP).

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Parte I: Primeiramente abordaremos o cálculo da idade gestacional (IG), que tem o objetivo de estimar o tempo da gravidez

Leia mais

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU)

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU) DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU) É muito eficaz, reversível e de longa duração A eficácia e eventuais complicações dependem, em grande parte, da competência do técnico Alguns dispositivos podem permanecer

Leia mais

Gestantes, porque é possível aguardar o parto?

Gestantes, porque é possível aguardar o parto? Gestantes, porque é possível aguardar o parto? Profª Filomena Aste Silveira Qualificada em patologia cervical Colaboradora das novas diretrizes - Responsável pelo capítulo de baixo grau Doutorado - UFRJ

Leia mais

RASTREIO PRÉ-NATAL DE DEFEITOS ABERTOS DO TUBO NEURAL E SÍNDROME DE DOWN O QUE É A SÍNDROME DE DOWN? A Síndrome de Down (vulgarmente conhecida como mongolismo ou mongoloidismo) é uma doença causada pela

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 USG Geral SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

MEMBRANAS FETAIS. MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio

MEMBRANAS FETAIS. MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio MEMBRANAS FETAIS MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio FUNÇÃO: Proteção,respiração, nutrição, excreção, produção de hormônios Local de trocas

Leia mais

HEMORRAGIA NA GRAVIDEZ. Dra Adriana Reis

HEMORRAGIA NA GRAVIDEZ. Dra Adriana Reis HEMORRAGIA NA GRAVIDEZ Dra Adriana Reis SÍNDROMES HEMORRÁGICAS NA PRIMEIRA METADE DA GRAVIDEZ CAUSAS DE SANGRAMENTO PRECOCE NA GRAVIDEZ Abortamento Prenhez Ectópica Mola hidatiforme HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1 PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1 CURSO: MEDICINA COMPONENTE CURRICULAR: OBSTETRÍCIA CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 horas Teórica: 72 Prática: 36 PROFESSOR RESPONSÁVEL: Aldo Franklin Ferreira Reis PROFESSORES:

Leia mais

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica 1. Observações gerais: Estágio de capacitação em Ginecologia Oncológica da Unidade de Ginecologia Oncológica (UGON) do Hospital de Base do Distrito Federal: O estágio em Ginecologia Oncológica da Unidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom!

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom! 12 e 13 semanas Dia de ultrassom é sempre bom! Agora com 12 semanas de gestação faremos um exame de ultrassonografia. Ver o bebê na barriga através da imagem me dá uma sensação de proximidade com ele.

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Enfermagem Obstétrica e Neonatal Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: SAU57 Carga Horária: 100h (Teoria:

Leia mais

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014)

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Meijer LJ, Bruinsma ACA, Pameijer AS, Hehenkamp WJK, Janssen CAH, Burgers JS, Opstelten W, De Vries CJH traduzido do original

Leia mais

Assunto: Profilaxia da Isoimunização Rh Nº: 2/DSMIA DATA: 15/01/07. A todos os Estabelecimentos de Saúde que prestam cuidados às grávidas

Assunto: Profilaxia da Isoimunização Rh Nº: 2/DSMIA DATA: 15/01/07. A todos os Estabelecimentos de Saúde que prestam cuidados às grávidas Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Profilaxia da Isoimunização Rh Nº: 2/DSMIA DATA: 15/01/07 Para: Contacto na DGS: A todos os Estabelecimentos de Saúde que prestam

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

Raniê Ralph. Sangramentos da segunda metade da gravidez

Raniê Ralph. Sangramentos da segunda metade da gravidez Sangramentos da segunda metade da gravidez É importante identificar a idade gestacional. DPP e placenta prévia são os que mais caem em prova. Descolamento prematuro de placenta. Inserção viciosa da placenta

Leia mais

Introdução ao desenvolvimento humano. Profa. MSc. Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com

Introdução ao desenvolvimento humano. Profa. MSc. Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com Introdução ao desenvolvimento humano Profa. MSc. Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com Introdução Como surgiu a embriologia? Curiosidade em entender como começamos É o estudo das etapas e dos mecanismos

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais