PATOLOGIA CLÍNICA I. VCM = 90fl HCM = 30pg CHCM = 33% RDW = 13,5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIA CLÍNICA I. VCM = 90fl HCM = 30pg CHCM = 33% RDW = 13,5"

Transcrição

1 PATOLOGIA CLÍNICA I CASO I Paciente do sexo masculino, peso = 70 kg, com hemorragia traumática. Hemograma realizado imediatamente após o sangramento mostrou: Hemácias = /mm 3 hemoglobina = 15g/dl Hematócrito = 45% VCM = 90fl HCM = 30pg CHCM = 33% RDW = 13,5 Leucócitos = /mm 3, sem alterações na contagem diferencial Plaquetas = /mm 3 Quarenta e oito horas depois do estancamento da hemorragia e reposição hidroeletrolítica (paciente hidratado, níveis pressóricos estáveis), os valores do hemograma foram: Hem = /mm 3 Hb = 9,7 g/dl Ht = 30% VCM = 90 fl HCM = 28 pg CHCM = 32% RDW = 14 Leucócitos = /mm 3 Neut seg.=80% Linf=13% Mon=5% Eos=2% Plaquetas = /mm 3 Uma semana depois do sangramento, os resultados do hemograma e da contagem de reticulócitos do paciente foram: Hem = /mm 3 Hb = 10,3 g/dl Ht = 32% VCM = 91 fl HCM = 29 pg CHCM = 32% RDW = 15 Leucócitos = 8.000/mm 3, sem alterações na contagem diferencial Plaquetas = /mm 3 Presença de policromatofilia Contagem de reticulócitos = 6%. 1

2 CASO II Grávida, 25 anos de idade, 30ª semana de gestação, assintomática, apresenta os seguintes resultados de hemograma: antes da gestação 4/5 meses de gestação atual Hemoglobina (g/dl) 13,5 12,2 11,2 Hematócrito (%) VCM (pg) Leucócitos (mm 3 ) Neutrófilos Bastonetes (%) Segmentados (%) 40% Plaquetas (mm 3 )

3 CASO III Adolescente do sexo feminino, 14 anos de idade, procura médico com queixas de ter iniciado, há 15 dias, com cefaleia, mal-estar, cansaço e febre. Vem mantendo febre e cansaço desde então e, há uma semana, começou com forte dor de garganta. Sem sintomas de tratos respiratório, genital e urinário. Nega vômitos ou diarreia. Vacinação em dia. Como a mãe ficou muito preocupada com a febre que não era acompanhada de sintomas gripais evidentes, levou-a a um serviço médico há 7 dias quando fez um hemograma (resultado abaixo) e lhe foi dito tratar-se, provavelmente, de uma virose. Foi receitado paracetamol, medicamento que vem fazendo uso desde então. Ao exame físico, o médico observa hiperemia de orofaringe e presença de exsudato amigdaliano, linfadenomegalia cervical simétrica discreta, com linfonodos móveis e dolorosos e esplenomegalia também discreta. Restante do exame físico sem alterações. O médico, então, solicita ao laboratório alguns exames para esclarecer o quadro, dentre eles um novo hemograma e a pesquisa de anticorpos heterófilos (monoteste) cujos resultados estão resumidos abaixo: 1º exame Exame atual Hemoglobina (g/dl) 13,0 13,2 Hematócrito (%) 40,2 40,0 VCM (fl) CHCM (g/dl) 33,4 33,3 Leucócitos (mm 3 ) neutrófilos seg.(%) Linfócitos (%) Eosinófilos (%) 2 2 Monócitos (%) 8 7 Basófilos (%) 1 0 Linfócitos reativos (%) 2 20 Plaquetas (mm 3 ) MONOTESTE (pesquisa de anticorpos heterófilos): positivo 3

4 CASO IV Criança do sexo masculino, um ano de idade, é trazida ao pediatra devido a tosse, febre baixa, peito cheio e obstrução nasal, iniciados há 5 dias. Nos últimos três dias houve piora do quadro com tosse mais intensa e febre que chegou a 38,5ºC. Vacinação em dia e alimentação adequada. Sem internações prévias e sem antecedentes de broncoespasmo, atopias, alergia a medicamentos ou contato com pessoas com tuberculose. Ao exame físico, o pediatra observa que a criança está hidratada, corada, anictérica, acianótica, com TA = 39 o C. Peso e estatura compatíveis com idade. FC = 112 bpm, FR = 40irpm. COONG, SCV, SD, SGU sem alterações. SR: Tiragens intercostais. Expansibilidade diminuída na base do hemitórax direito. Som vesicular diminuído na base do hemitórax direito. Sons respiratórios fisiológicos nas demais localizações. Ausência de ruídos adventícios. O pediatra solicita uma radiografia de tórax e um hemograma cujo resultado é o seguinte: Hem = /mm 3 Hb = 10,8 g/dl Ht = 33% VCM = 78,6 fl HCM = 25,7pg CHCM = 32,7% RDW = 13 Leucócitos = /mm 3 neutrófilos bastonetes = 10% segmentados = 68% linfócitos = 17% monócitos = 5% eosinófilos = 0 basófilos = 0 Presença de granulações tóxicas no citoplasma de neutrófilos. 4

5 CASO V Criança de sexo masculino, 5 anos de idade, natural e residente em São Gonçalo do Rio das Pedras, MG, é encaminhada ao especialista devido a eosinofilia persistente (resultados de exames abaixo). 13/01/ /06/ /01/2015 Hemoglobina (g/dl) 12,5 12,2 12,3 Hematócrito (%) VCM (pg) Leucócitos (mm 3 ) Neutrófilos Bastonetes (%) Segmentados (%) Linfócitos (5%) Monócitos ( ) Eosinófilos Basófilos Plaquetas (mm 3 ) EXAMES PARASITOLÓGICOS DE FEZES - 15/01/2014 negativo para cistos de protozoários, ovos e larvas de helmintos (método Blagg e cols). - 17/01/2014 negativo para cistos de protozoários, ovos e larvas de helmintos (Blagg e cols) - 19/01/2014 negativo para cistos de protozoários, ovos e larvas de helmintos (Blagg e cols) - 05/07/ negativo para cistos de protozoários, ovos e larvas de helmintos (MIF, Blagg e cols) - 07/02/2015 negativo para cistos de protozoários, ovos e larvas de helmintos (MIF, Blagg e cols) Criança sem queixas, mas a mãe relata episódios ocasionais de diarreia sem muco pus ou sangue que ela associa a alguma coisa estragada que a criança comeu. Nega doenças ou internações prévias, e a criança não tem antecedente de broncoespasmo, atopias ou alergias (poeira, pelo de animais, medicamentos). Ao exame físico, apresenta-se em bom estado geral, corada, hidratada, acianótica, anictérica. COONG, AR, ACV, AD, SGU sem alterações. O médico faz, então, a seguinte solicitação ao laboratório: AO LABORATÓRIO: NOME DO PACIENTE: xxx IDADE: 5 anos HIPÓTESE DIAGNÓSTICA: Estrongiloidíase MATERIAL: fezes - 3 amostras colhidas em dias alternados, sem uso de conservante SOLICITO: Exame parasitológico de fezes, técnica de Baermann- Moraes 5

6 CASO VI QP e HMA: Mulher, 26 anos, nulípara, 14ª semana de gestação, procura atendimento médico com história de dor de garganta e febre há 1 semana. Há 3 dias surgiram petéquias e equimoses nos membros e tronco. Queixa-se ainda de fraqueza, palpitações e falta de ar. Nega uso de drogas/medicações/álcool e exposição a substâncias tóxicas. Não é fumante. HP: Sem intercorrências. Nega internações ou cirurgias anteriores. Faz acompanhamento prénatal. HF: Pais e 1 irmão (20 anos) saudáveis. Marido saudável. Exame físico: PA = 100/60 mmhg FC = 110 bpm TA = 39 o C Paciente hipocorada (+++/4), hidratada, acianótica, anictérica. Presença de petéquias e equimoses disseminadas pelo corpo, especialmente em membros e tronco. Linfonodos não palpáveis. COONG: Presença de placas esbranquiçadas em amígdalas e sangramento gengival. ACV: Bulhas rítmicas e taquicárdicas. AR: Eupnéica, murmúrio vesicular fisiológico. Ausência de ruídos adventícios. AD: Baço e fígado não palpáveis. Exames complementares: Hemograma Hem = /mm 3 Hb = 6,0 g/dl Ht = 18% VCM = 90,0 fl HCM = 30 pg CHCM = 33,3 g/dl RDW = 14% Leucócitos = 2.500/mm 3 Neut. seg. = 45% Linf = 44% Mon = 9% Eos = 1% Bas = 1% Plaquetas = /mm 3 Hemácias normocíticas e normocrômicas Contagem de reticulócitos = 0,5% Mielograma Série eritrocítica: 4,8% Série granulocítica: 6,2% Série linfoplasmocitária: 72,4% (linfócitos 62,0%; células plasmáticas: 12,4%) Monócitos: 1,6% Células reticulares: 15% Laudo: medula óssea hipocelular. Série eritrocítica acentuadamente hipocelular, com maturação normoblástica. Série granulocítica acentuadamente hipocelular, com maturação normoblástica e com discretas alterações disgranulocitopoiéticas; predomínio de elementos maduros. Série megacariocítica hipocelular. Série linfoplasmocitária sem alterações. Ausência de fungos, parasitos e células atípicas. Biopsia de medula óssea: Examinadas 6 lâminas contendo diversos cortes escalonados de fragmentos de tecido ósseo trabecular, corados pelo HE, retículo e Giemsa, com representação de medula óssea. A medula é constituída quase que exclusivamente por tecido adiposo, havendo escassos elementos das 3 séries, constituídos de formas maduras. As trabéculas ósseas são normais. Não se observam fibrose ou elementos de neoplasia nesta amostra. Conclusão: hipoplasia global acentuada da medula óssea/aplasia medular Pesquisa de anticorpos (soro): - vírus das hepatites A, B e C: negativo - HIV 1 e 2: negativo - Epstein-Barr: negativo - Citomegalovirus: negativo 6

7 CASO VII Paciente do sexo feminino, 6 anos de idade, natural de Nova Lima e residente em BH. QP e HMA: Criança é trazida ao Posto de Saúde pela mãe com quadro de manchas roxas no corpo, sangramento gengival e epistaxe. Mãe relata que, há cerca de 10 dias, a criança apresentou coriza hialina, mal-estar e febre baixa quando fez uso de paracetamol. Nega contato com produtos químicos ou uso de medicamentos além do citado. Sem outras queixas. HP: Sem intercorrências. Vacinação em dia. HF: Pais e irmão (2 anos) saudáveis. Exame físico: Peso = 22 kg Altura = 116 cm PA =95/60 mmhg FC = 88 bpm TA = 36,5ºC Criança em bom estado geral, corada, hidratada, anictérica, acianótica, sem linfadenomegalias; presença de petéquias e equimoses no tronco e membros inferiores. COONG: Petéquias no palato. Amigdalas e otoscopia sem alterações. AR: Eupneico, murmúrio vesicular fisiológico, sem ruídos adventícios. ACV: Bulhas rítmicas e normofonéticas. AD: Abdômen normotenso, fígado e baço não palpáveis. Exames laboratoriais: Hemograma Hem = /mm 3 Hb = 12,0 g/dl Ht = 36% VCM = 80 fl HCM = 26,7 pg CHCM = 33,3% RDW = 13% Leucócitos = /mm 3 Neut seg = 30% Linf = 59% Mon = 08% Eos = 02% Bas = 1% Plaquetas = /mm 3 Hemácias normocíticas e normocrômicas. Presença de plaquetas gigantes. Ausência de grumos de plaquetas. Atividade de protrombina = 80% Tempo de tromboplastina parcial ativado = controle: 35 paciente: 40 Pesquisa de anticorpos para HIV1 e HIV2, Citomegalovírus e vírus Epstein Barr negativa 7

8 CASO VIII BCA, 47 anos, sexo feminino, bióloga, residente em Belo Horizonte. HMA/HP: Paciente queixando-se de fraqueza e desânimo há aproximadamente 2 meses, o que tem prejudicado seu desempenho no trabalho e nas tarefas do dia a dia. Neste período notou também dispneia aos esforços, ficando, por exemplo, muito cansada ao subir escadas. Na anamnese especial informa que, há cerca de 2 anos, vem tendo sangramento menstrual de grande intensidade com duração de 8 a 10 dias por ciclo. HF: Marido e 2 filhos saudáveis. Pais falecidos. Mãe era hipertensa. EXAME FÍSICO PA = 120/80 mmhg FC = 100 bpm TA = 36,5 C Fácies atípica, bom estado geral, mucosas hipocoradas (++/4+), hidratada, anictérica, acianótica, afebril. Linfonodos não palpáveis. Sem edemas. AR : eupneica, murmúrio vesicular fisiológico. Ausência de ruídos adventícios. ACV: bulhas rítmicas, taquicárdicas. AD: Presença de massa palpável no hipogástrio, indolor, endurecida, móvel, com cerca de 6 cm de diâmetro. Fígado percutível entre o 5º EID e o RCD e não palpável. Baço não delimitado à percussão e não palpável. EXAMES COMPLEMENTARES Hemograma Hem= /mm 3 Hb=8,2 g/dl Ht=32% R.D.W.=18% Leucócitos=8.300/mm 3 Neut. bast=2% seg=68% Linf.=21% Mon=1% Eos=8% Baso=0% Plaquetas = /mm 3 Anisocitose com predomínio de microcitose (++/4+), hipocromia (++/4+). Poiquilocitose discreta. Contagem de reticulócitos = 1.7% Ferro sérico (colorimétrico) = 25 ug/dl Capacidade Total de Ligação do Ferro (colorimétrico) = 450 ug/dl Ferritina sérica (quimioluminescência) = 10ng/mL Exame parasitológico de fezes (método Blagg e cols): ovos de ancilostomídeos e cistos de Entamoeba coli Ultra-som pélvico: mioma uterino 8

9 CASO IX Paciente: M.S., sexo masculino, 29 anos, leucodérmico, natural de Curvelo, residente em Belo Horizonte, bancário. HMA: Sempre gozou de boa saúde, mas há cerca de 1 mês vem sentindo inapetência, cefaleia, náuseas, diarreia passageira. Há uma semana, surgiram febrícula e mal estar geral e nos últimos dois dias notou que a urina estava mais escura (cor de coca cola) e as fezes descoradas. H.P.: Esteve no litoral da Bahia há 2 meses, em local sem condições adequadas de saneamento. EXAME FÍSICO: Bom estado geral, mucosas coradas, pele e escleróticas ictéricas (2+/4+). Abdomem plano, flácido, não doloroso à palpação, fígado palpável a 4 cm do rebordo costal direito, mole, doloroso. Baço não palpável. EXAMES COMPLEMENTARES Material: sangue Bilirrubina total = 6,8 mg/dl bilirrubina direta = 4,0 mg/dl AST = 1880 U/L ALT = 3210 U/L FA = 90 U/L Tempo de Protrombina = Controle = 12 seg Paciente = 13 segundos VHS = 60 mm em 1 hora Pesquisa de anticorpos anti HAV IgM (ELISA) = positivo Material: urina (jato médio) Pesquisa de elementos anormais (fita reativa) Leucócitos: negativo Nitrito: negativo Hemoglobina: negativo Cetonas: negativo Glicose: não detectável Bilirrubina: 3+/4+ Proteínas: não detectável Urobilinogênio: negativo Sedimentoscopia Leucócitos: 1 p/c Hemácias: ausentes Células epiteliais: ausentes Cristais: ausentes Cilindros: ausentes Flora: normal 9

10 CASO X H.M.A. A.P., masculino, 42 anos, lavrador, casado, natural de Itaúna-MG. Relata que sua doença iniciou-se há cerca de um ano, com fraqueza, edema dos membros inferiores, abaulamento abdominal e oligúria. Com o passar dos meses, esses sintomas foram se agravando a ponto de, há cinco meses, não ter mais condições de trabalhar. Há três meses notou o aparecimento de coloração amarelada da pele e mucosas, assim como urina escura, manchando a roupa. Relata etilismo, ingerindo em média 01 copo de aguardente por dia há 25 anos. Nega tabagismo e uso de medicamentos. A alimentação é escassa e pobre em vegetais folhosos. Libido diminuída. EXAME FÍSICO: Paciente desnutrido, com acentuada hipotrofia muscular, hipocorado ++/4+, ictérico ++/4+, edema (2+/4+) dos membros inferiores que se estende até à região sacra. Abdomem abaulado com presença de ascite (3+/4+), circulação colateral tipo porta, fígado não palpável e esplenomegalia. Presença de aranhas vasculares na região anterior do tórax e ginecomastia. EXAMES COMPLEMENTARES: Material: sangue Hemograma Hemácias = /mm 3 Hemoglobina = 6,4 g/dl Hematócrito = 20% R.D.W. = 16% Leucócitos = 3.000/mm 3 Neut. bastonetes = 0% Neut. segmentados = 71% Linfócitos = 26% Monócitos = 2% Eosinófilos = 1% Basófilos = 0% Plaquetas = /mm 3 Macrocitose (++/4+), anisocitose (+/4+), polissegmentação de neutrófilos e presença de plaquetas gigantes (++/4+) Proteínas totais e frações Proteínas totais = 5,00 g/dl Albumina = 1,50 g/dl Globulinas = 3,5 g/dl Bilirrubina total = 6,6 mg/dl direta = 5,4 mg/dl Tempo de Protrombina = Controle = 11 seg Paciente = 17 seg Atividade de Protrombina = 58% ALT = 70 U/L AST = 150 U/L FA = 92 U/L GGT = 410 U/ 10

11 VALORES DE REFERÊNCIA Hemograma - adultos Parâmetro Homemo Mulher Parâmetro Hemácias (x10 6 /mm 3 ) Leucócitos (mm 3 ) Hemoglobina (g/dl) Neutrófilos (x10 3 /mm 3 ) 1,8-7,8 Hematócrito (%) bastonetes (x10 3 /mm 3 ) 0,0 0,7 1-4% VCM (fl) segmentados (x10 3 /mm 3 ) 1,8 7, % HCM (pg) Linfócitos (x10 3 /mm 3 ) 1,0 4, % CHCM (g/dl) Monócitos (x10 3 /mm 3 ) 0,2 1,0 3-10% RDW (%) Eosinófilos (x10 3 /mm 3 ) 0,02 0,60 1-6% Basófilos (x10 3 /mm 3 ) 0,02 0,20 0-3% PLAQUETAS = /mm 3 Hemograma crianças Idade Hemácias ( x10 6 /mm3) Hemoglobina (g/dl) Hematócrito (%) VCM (fl) HCM (pg) CHCM (g/dl) RDW (%) RN (cordão) semana mês meses anos anos anos Idade Global (10 3 /mm 3 ) Neutrófilos (x 10 3 /mm 3 ) Total Bast. Segm. Linfócitos (10 3 /mm 3 ) Monócitos (10 3 /mm 3 ) Eosinófilos (10 3 /mm 3 ) Basófilos (10 3 /mm 3 ) RN < ano ,0 0, anos anos anos anos PLAQUETAS = /mm 3 CONTAGEM DE RETICULÓCITOS - 0,5 a 1,5% (RN - 2,0 a 6,0%) VHS- velocidade de hemossedimentação (em 1 hora) Idade (anos) Homem (1hora) Mulher (1 hora) mm 10 mm mm 20 mm mm 20 mm mm 20 mm > mm 35 mm 11

12 Adultos TEMPO DE PROTROMBINA : relação paciente/controle (segundos): até 1,3 ATIVIDADE PROTROMBINA: % BILIRRUBINA TOTAL (soro): < 1,2 mg/dl DIRETA < 0,4 mg/d INDIRETA < 0,8 mg/dl PROTEÍNAS TOTAIS (soro): 6-8 g/dl ALBUMINA: 3,5 5,5 g/dl GLOBULINAS: 2,4 3,5 g/dl ASPARTATO AMONOTRANSFERASE (AST) (soro): U/L ALANINA AMINOTRANSFERASE (ALT) (soro): 3 50 U/L GAMA GLUTAMIL TRANSFERASE (GGT) (soro): homens U/L mulheres: 7 32 U/L FOSFATASE ALCALINA (FA) (soro): IU/L URÉIA (soro): mg/dl CREATININA (soro): homens < 1,2 mg/dl mulheres <1,1 mg/dl FERRO (soro): homens: 60 a 160 µ/dl mulheres: 50 a 145 µg/dl CAPACIDADE TOTAL DE LIGAÇÃO DO FERRO (soro): µg/dL ÍNDICE DE SATURAÇÃO DA TRANSFERRINA: 20 a 50% FERRITINA (soro): mulheres: ng/ml homens: ng/ml Atualização: 03/08/ andreia 12

PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º Período 09/08/2016

PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º Período 09/08/2016 PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º Período 09/08/2016 CASO I Paciente do sexo masculino, peso = 70 kg, com hemorragia traumática. Hemograma realizado imediatamente após o sangramento mostrou: Hemácias = 5.000.000/mm

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º período CASOS CLÍNICOS. A.A., 68 anos de idade, sexo feminino, natural e residente em Contagem, MG

DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º período CASOS CLÍNICOS. A.A., 68 anos de idade, sexo feminino, natural e residente em Contagem, MG DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º período CASOS CLÍNICOS CASO CLÍNICO 1 A.A., 68 anos de idade, sexo feminino, natural e residente em Contagem, MG HMA: Paciente procura assistência médica com queixas

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA I 5º período CASOS CLÍNICOS. A.A., 68 anos de idade, sexo feminino, natural e residente em Contagem, MG

DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA I 5º período CASOS CLÍNICOS. A.A., 68 anos de idade, sexo feminino, natural e residente em Contagem, MG DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA I 5º período CASOS CLÍNICOS CASO CLÍNICO 1 A.A., 68 anos de idade, sexo feminino, natural e residente em Contagem, MG HMA: Paciente procura assistência médica com queixas

Leia mais

PATOLOGIA CLÍNICA I -5º Período

PATOLOGIA CLÍNICA I -5º Período PATOLOGIA CLÍNICA I -5º Período CASO I Paciente do sexo masculino, peso 70 kg, com hemorragia traumática. Hemograma realizado imediatamente após o sangramento mostrou: Hemácias = 5.000.000/mm 3 hemoglobina

Leia mais

PATOLOGIA CLÍNICA I -5º Período

PATOLOGIA CLÍNICA I -5º Período PATOLOGIA CLÍNICA I -5º Período CASO I Paciente do sexo masculino, peso 70 kg, com hemorragia traumática.hemograma realizado imediatamente após o sangramento mostrou: Hemácias = 5.000.000/mm 3 hemoglobina

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PATOLOGIA CLINICA I ALUNOS

CASOS CLÍNICOS PATOLOGIA CLINICA I ALUNOS CASOS CLÍNICOS PATOLOGIA CLINICA I ALUNOS 1 HEMOGRAMA 1 VALORES DE REFERÊNCIA(Adulto feminino) Hemácias...: 4.590.000/mm3 3.800.000 a 5.200.000/mm3 Hemoglobina...: 9.7 g/dl 12.0 a 16.0 g/dl Hematócrito...:

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

HEMATOLOGIA CASOS CLÍNICOS

HEMATOLOGIA CASOS CLÍNICOS HEMATOLOGIA CASOS CLÍNICOS VALORES DE REFERÊNCIA ADULTOS Parâmetro Sexo Sexo feminino Parâmetro masculino Hemácias (10 6 /mm 3 ) 4.3 5.7 3.8 5.1 Leucócitos (10 3 /mm 3 ) 4 11 Hemoglobina (g/dl) 13.5 17.5

Leia mais

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA.

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. Caso Clínico ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. QUEIXA PRINCIPAL: Febre alta e adinamia há 15 dias. Caso Clínico ANAMNESE HMA: Há 15 dias paciente iniciou

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

M.C.N, Feminina 60 anos Parda Casada Cearense, residente em Caucaia Doméstica

M.C.N, Feminina 60 anos Parda Casada Cearense, residente em Caucaia Doméstica Paulo Marcelo M.C.N, Feminina 60 anos Parda Casada Cearense, residente em Caucaia Doméstica Dor abdominal Paciente procurou, há 3 anos, assistência médica em razão de dor abdominal leve, localizada no

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

Curso de Hematologia RCG0448 Lista de Hemogramas para discussão

Curso de Hematologia RCG0448 Lista de Hemogramas para discussão Curso de Hematologia RCG0448 Lista de Hemogramas para discussão N 0 1 Eritrócitos... 4.800.000 por mm 3 Leucócitos... 6.900 por mm 3 Hemoglobina... 14,0 g/100 ml Hematócrito... 42 ml Bast... 2,0 % Segm...

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400 Resultados Página: 1/13 HEMOGRAMA ERITROGRAMA Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3 04.50 a 06.10 HEMOGLOBINA: 13.5 g/dl 13.00 a 16.50 HEMATOCRITO: 41.1 % 36.00 a 54.00 VCM:

Leia mais

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos)

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos) 01 Concurso Uma adolescente de 17 anos de idade, estudante do ensino médio, chega para atendimento na UPA na segunda feira pela manhã, com relato de febre alta (> 38,5ºC), tosse seca, coriza e hiperemia

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Caso Clínico. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmica: Milena Brandão (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Caso Clínico. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmica: Milena Brandão (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Caso Clínico Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmica: Milena Brandão (6 Ano) Anamnese Identificação ECS, 11 anos de idade, natural e procedente de Salvador-Ba.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Dengue: Roteiro para capacitação. de médicos e enfermeiros. no diagnóstico e. tratamento

Dengue: Roteiro para capacitação. de médicos e enfermeiros. no diagnóstico e. tratamento Dengue: Roteiro para capacitação de médicos e enfermeiros no diagnóstico e tratamento Caso Clínico 1 2 Identificação: R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural de São Paulo, residente em Belém (PA)

Leia mais

UREIA CREATININA...: Nome...: CESAR AUGUSTO CAVALARI Prontuário.: Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA)

UREIA CREATININA...: Nome...: CESAR AUGUSTO CAVALARI Prontuário.: Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA) Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA) Pág.: 1 /8 UREIA Material: Soro Coletado em: 11/01/2017 13:16 Método: Enzimático Automatizado URÉIA...: 15 mg/dl 10 a 52 mg/dl CREATININA CREATININA...: 0,73 mg/dl TGO

Leia mais

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,48 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 12,70 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 38,00 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 84,82 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL Emissão: 28/06/2015 às 17:45 Fl.: 1 PROLACTINA Método: ELETROQUIMILUMINESCÊNCIA RESULTADO: 10,3 ng/ml V.R.: Mulher não grávida: 3,0-18,6 ng/ml Homens: 3,7-17,9 ng/ml SÓDIO MATERIAL: SANGUE Método: POTENCIOMÉTRICO

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL AUTENTICIDADE: 31BA47 Set.Tecnico Imunoensaio PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/2004 07:05 PROSTÁTICO LIVRE Resultado 0.15 ng/ml Metodo: Eletroquimioluminescência (ECLIA) Referencial: Até 0.72 ng/ml

Leia mais

PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 2º SEMESTRE/2016

PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 2º SEMESTRE/2016 PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 2º SEMESTRE/2016 CASO CLÍNICO 1 BCA, 47 anos, sexo feminino, bióloga, residente em Belo Horizonte. HMA/HP: Paciente queixando-se de desânimo e fraqueza há aproximadamente

Leia mais

Faculdade de Medicina - UFMG Departamento de Propedêutica Complementar

Faculdade de Medicina - UFMG Departamento de Propedêutica Complementar Faculdade de Medicina - UFMG Departamento de Propedêutica Complementar ROTEIRO DE CASOS CLÍNICOS (ALUNOS) PATOLOGIA CLINICA I 1º SEMESTRE DE 2014 Belo Horizonte HEMOGRAMA 1 VALORES DE REFERÊNCIA (Adulto

Leia mais

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue GLICEMIA DE JEJUM: 115 mg/dl Método...: Enzimático Vlor. Ref.: 65 a 99 mg/dl Material..: Plasma fluoretado RESULTADOS ANTERIORES: 06/09/13 = 110 mg/dl 02/08/13 = 97 mg/dl URÉIA: 32 mg/dl Método...: Enzimático

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche.

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche. HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA Eritrócitos : 3,24 milhões/mm3 3,9-5,03 Hemoglobina : 11,2 g/dl 12,0-15,5 Hematócrito : 32,8 % 34,9-44,5 VCM : 101,2 fl 81,6-98,3 HCM : 34,6 pg 26,0-34,0 CHCM : 34,1 % 31,0-36,0

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA Nº 1 Sexo feminino, 40 anos GV (3.9-5.0 x 10 6 /µl ) 4.75 GB (3500-10500) - 5.200 Hb (12.0-15.5 d/dl) 14.3 Blastos - Ht (35-45%) 43 Promielócitos - VCM

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância XE2100-Sysmex Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Unidade : VICENTE PIRES Página: 1/7 HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Eritrograma Valores de

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA

Leia mais

Resultados Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados.

Resultados Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados. s Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados. HEMOGLOBINA GLICADA HEMOGRAMA COM PLAQUETAS RESULTADO UNIDADE VALORES DE REFERENCIA ------------------------- ------------------------------

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

CASO CLÍNICO PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO II QUEIXAS MAIS FREQÜENTES NO IDOSO - 03/06

CASO CLÍNICO PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO II QUEIXAS MAIS FREQÜENTES NO IDOSO - 03/06 QUEIXAS MAIS FREQÜENTES NO IDOSO - 03/06 IDENTIFICAÇÃO: feminina, 68 anos, branca, casada, natural e procedente de Porto Alegre. QUEIXA PRINCIPAL: insônia HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL: Paciente refere que

Leia mais

CASOS CLÍNICOS LABORATÓRIO CLÍNICO VETERINÁRIO

CASOS CLÍNICOS LABORATÓRIO CLÍNICO VETERINÁRIO CASOS CLÍNICOS LABORATÓRIO CLÍNICO VETERINÁRIO Hematologia eritrograma e leucograma Profa Regina K. Takahira Espécie: canina Sexo: Fêmea Idade: 3a Raça: Cocker Histórico e exame físico: Urina enegrecida,

Leia mais

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,67 4,00 a 5,10 Hemoglobina g/dl...: 13,00 11,20 a 15,10 Hematócrito %...: 37,80 34,00 a 43,00 Vol. Glob. Média em fl...: 80,94 78,00 a 92,00 Hem. Glob.

Leia mais

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l (11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o POTÁSSIO 3,6 meq/l Valores de ref erência: 3,5 a 5,4 meq/l Método: Eletrodo Seletiv o URÉIA 37 mg/dl

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

LABORATÓRIO. HEMOGRAMA MATERIAL: SANGUE MÉTODO: AUTOMATIZADO Valores de referência:

LABORATÓRIO. HEMOGRAMA MATERIAL: SANGUE MÉTODO: AUTOMATIZADO Valores de referência: HEMOGRAMA MÉTODO: AUTOMATIZADO Valores de referência: HEMÁCIAS : 5.030.000 /mm³ 4.500.000-5.900.000/mm³ HEMOGLOBINA: 14.9 g/dl 13.5-17.5 d/dl HEMATÓCRITO: 43.5 % 41.0-53.0 % VCM : 86.5 fl 78.0-100.0 fl

Leia mais

Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Propedêutica Complementar PATOLOGIA CLINICA I CASOS CLÍNICOS -ALUNOS

Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Propedêutica Complementar PATOLOGIA CLINICA I CASOS CLÍNICOS -ALUNOS Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Propedêutica Complementar PATOLOGIA CLINICA I 1º SEMESTRE DE 2013. CASOS CLÍNICOS -ALUNOS (Inclui três hemogramas ) BELO HORIZONTE 1 HEMOGRAMA 1 VALORES DE

Leia mais

Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados. Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados

Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados. Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados STREPTOCOCCUS B. HEMOLÍTICO, CULTURA Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados Meios utilizados: Ágar chrom ID, Strepto B Material : Swab anal STREPTOCOCCUS B. HEMOLÍTICO,

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 2015 PRÉ-REQUISITO / CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA PROVA DISCURSIVA

SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 2015 PRÉ-REQUISITO / CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA PROVA DISCURSIVA SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 05 SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 05 Com base no caso clínico abaixo, responda às questões de números e. Paciente do sexo feminino, dez anos, natural e residente

Leia mais

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO)

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO) HBS-Ag - Antígeno Austrália VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente Página: 1 de 6 Nota: Este é um teste de triagem, cujo resultado, em caso de positividade não pode ser considerado

Leia mais

Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Propedêutica Complementar PATOLOGIA CLINICA I CASOS CLÍNICOS (ALUNOS)

Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Propedêutica Complementar PATOLOGIA CLINICA I CASOS CLÍNICOS (ALUNOS) Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Propedêutica Complementar PATOLOGIA CLINICA I 2º SEMESTRE DE 2013. CASOS CLÍNICOS (ALUNOS) BELO HORIZONTE HEMOGRAMA 1 VALORES DE REFERÊNCIA (Adulto feminino)

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

ROTEIRO DA DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA II

ROTEIRO DA DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA II Faculdade de Medicina UFMG Departamento de Propedêutica Complementar Disciplina de Patologia Clínica II 2014/1 * ROTEIRO DA DISCIPLINA DE PATOLOGIA CLÍNICA II CARGA HORÁRIA: 135 horas (30 P e 105 T) CRÉDITOS:

Leia mais

Data de liberação: 20/01/ :31

Data de liberação: 20/01/ :31 SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVIRUS Anticorpos de Classe IgG: Superior a 250.0 UA/mL Anticorpos de Classe IgM: Não Reagente Método: Imunoensaio por Quimioluminescência Valores de Referência IgG: Não reagente:

Leia mais

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA HEMOGRAMA COMPLETO Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA ERITOGRAMA: Referências Hemácias...: 4,45 milhões/mm³ 3,9 a 5,3 milhões/mm³ Hemoglobina...: 12,2 g/dl 12,0 a 16,0 g/dl Hematócrito...:

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO

HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO REFERENCIAIS PARA ADULTOS ------------------------- Homem Mulher Hemácias em Milhoes/mL...: 4,58 4,5 a 6,5 3,9 a 5,8 Hemoglobina em gdl...: 14,7 13,5 a 18,0 11,5 a 16,4 Hematócrito

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,38 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgG. SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgM

SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgG. SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgM SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgG Método: Eletroquimioluminescência. Resultado: 500,00 Não reagente = Menor que 0,50 U/mL. Indeterminado = De 0,50 a 0,99 U/mL. Reagente = Maior ou Igual

Leia mais

HEMOGRAMA. Paciente : MARCIA SILVIANE DOS SANTOS ROSA Idade : 45 anos, 10 meses Série/No.: REC2/ ERITROGRAMA

HEMOGRAMA. Paciente : MARCIA SILVIANE DOS SANTOS ROSA Idade : 45 anos, 10 meses Série/No.: REC2/ ERITROGRAMA HEMOGRAMA Amostra: Sangue total com EDTA Metodologia: Laser. Realizado em equipamento automatizado modelo ABBOTT CELL-DYN 3500. ERITROGRAMA Valores de Referência Eritrócitos 4,32 milhões/mm³ 4,50 a 5,90

Leia mais

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta ÁCIDO ÚRICO Resultado: 6,1 mg/dl Homens : 3,4 a 7,0 mg/dl Mulheres: 2,4 a 5,7 mg/dl GLICOSE Resultado: 89 mg/dl 70 a 99 mg/dl Resultado(s) Anterior(es) Em 12/08/11: 89 Em 24/01/11: 82 Em 01/10/10: 78 HEMOGLOBINA

Leia mais

Caso Clínico. Fernando Klein Março/2012

Caso Clínico. Fernando Klein Março/2012 Caso Clínico PET Medicina UFC Fernando Klein Março/2012 Identificação R.M.S., 44 anos, masculino, natural e procedente de Caucaia, em união estável há 8 anos, desempregado no momento (já trabalhou como

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 1º SEMESTRE/2017. HP: Hipotireoidismo diagnosticado há cerca de 10 anos. Em uso de Puran 100 mg. G1P1A0.

PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 1º SEMESTRE/2017. HP: Hipotireoidismo diagnosticado há cerca de 10 anos. Em uso de Puran 100 mg. G1P1A0. PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 1º SEMESTRE/2017 CASO 1 HMA: Maria, 40 anos de idade, enfermeira, relata ter mioma uterino que foi diagnosticado há, aproximadamente, 4 anos. Período menstrual com duração

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

31/10/2013 HEMOGRAMA. Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle. Introdução. Simplicidade. Baixo custo. Automático ou manual.

31/10/2013 HEMOGRAMA. Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle. Introdução. Simplicidade. Baixo custo. Automático ou manual. 3//3 HEMOGRAMA Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Introdução Simplicidade Baixo custo Automático ou manual Muita informação 3//3 Introdução Componentes celulares eritrócitos plaquetas linfócitos leucócitos

Leia mais

ANEMIAS. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS Profª Carolina Garrido Zinn Palidez e fraqueza devem-se a corrupção do sangue. Hipócrates (400 a.c) O QUE É? Redução abaixo da normal da [Hb] Homens Mulheres Hb (g/dl)

Leia mais

LABORATÓRIO BOM JESUS

LABORATÓRIO BOM JESUS GLICEMIA...: 74 Metodo: Colorimetrico Valor de Referencia: 70 a 110,0 mg/dl UREIA...: 32 Metodo : Urease/GluDH Valor de Referencia: 15 a 38 mg/dl CREATININA...: 0,65 Metodo : Picrato Alcalino Homens :

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

Layout de Importação de Resultado de Exames

Layout de Importação de Resultado de Exames Nefrodata-ACD Automação para Centros de Hemodiálise Layout de Importação de Resultado de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE MESA REDONDA ORIENTADA XVI CONGRESSO ACADÊMICO DE MEDICINA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS DOS PARTICIPANTES

EDITAL DE SELEÇÃO DE MESA REDONDA ORIENTADA XVI CONGRESSO ACADÊMICO DE MEDICINA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS DOS PARTICIPANTES EDITAL DE SELEÇÃO DE MESA REDONDA ORIENTADA XVI CONGRESSO ACADÊMICO DE MEDICINA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS DOS PARTICIPANTES Art. 1º. Poderão participar os acadêmicos de Medicina,

Leia mais

Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015];

Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015]; Pag.: 1 de 7 GLICOSE (GLICEMIA JEJUM) 84.0 mg/dl MÉTODO:CINÉTICO ENZIMÁTICO - ADVIA 1800 - SIEMENS VALORES DE REFERÊNCIA: 60-99 mg/dl Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015];

Leia mais

PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 2º SEMESTRE/2017. HP: Hipotireoidismo diagnosticado há cerca de 10 anos. Em uso de Puran 100 mg. G1P1A0.

PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 2º SEMESTRE/2017. HP: Hipotireoidismo diagnosticado há cerca de 10 anos. Em uso de Puran 100 mg. G1P1A0. PATOLOGIA CLÍNICA II - 6º PERÍODO - 2º SEMESTRE/2017 CASO 1 HMA: Maria, 40 anos de idade, enfermeira, relata ter mioma uterino que foi diagnosticado há, aproximadamente, 4 anos. Período menstrual com duração

Leia mais

Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato

Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato Amorim, Carla; Bello, Iria; Carvalho, Vanessa; Esteves, Andreia; Neto, Diana; Nóbrega, Joana; Peças, Sofia; Teixeira, Cristina;

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

1/100 RP Universidade de São Paulo 1/1 INSTRUÇÕES PROCESSO SELETIVO PARA INÍCIO EM ª FASE: GRUPO 5: VETERINÁRIA

1/100 RP Universidade de São Paulo 1/1 INSTRUÇÕES PROCESSO SELETIVO PARA INÍCIO EM ª FASE: GRUPO 5: VETERINÁRIA 1/100 1 1/1 RP 2018 2ª Fase Prova Dissertativa P2 (08/10/2017) ASSINATURA DO CANDIDATO I Universidade de São Paulo Brasil FABDEÇGH ABUIJKLUNÁKUE PEKE H IJLNUQAREK CO34556O 78 98547:;C4< 3M=T4>9O?4554O;

Leia mais

HEMOGRAMA HERMES ARTUR KLANN PAULO ROBERTO WEBSTER

HEMOGRAMA HERMES ARTUR KLANN PAULO ROBERTO WEBSTER HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 5,49 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 15,20 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 44,50 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 81,06 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

Eritrograma. Leucograma

Eritrograma. Leucograma Pág.: 1 / 9 HEMOGRAMA Material: SANGUE TOTAL Coletado em: 10/07/2013 07:32 Método: Automação Cell-Dyn Eritrograma Eritrócitos...: 4,96 milhões/mm Hemoglobina...: 14,40 g% Volume globular...: 42,2 % Volume

Leia mais

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS.

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. Caso clínico 6 Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. História da doença atual Em 5/2/2005 procurou a UBS com quadro de febre não aferida, cefaléia,

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos HEMOGRAMA, sangue total VALOR REFERÊNCIA Fem: Acima 16 anos ------------------------------------------------------------------------ ERITRÓCITOS : 4,46 milhões/mm3 3,90 a 5,00 HEMOGLOBINA : 12,3 g/dl 12,0

Leia mais

CASOS CLÍNICOS ALUNOS - 2º/2012 HEMOGRAMA 1

CASOS CLÍNICOS ALUNOS - 2º/2012 HEMOGRAMA 1 CASOS CLÍNICOS ALUNOS - 2º/2012 HEMOGRAMA 1 VALORES DE REFERÊNCIA(Adulto feminino) Hemácias...: 4.590.000/mm3 3.800.000 a 5.200.000/mm3 Hemoglobina...: 9.7 g/dl 12.0 a 16.0 g/dl Hematócrito...: 31.0 %

Leia mais

Layout de Importação de Resultados de Exames

Layout de Importação de Resultados de Exames Layout de Importação de Resultados de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal, foi implementada uma rotina no Nefrodata-ACD que

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE

INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE REVISTA AMF EDIÇÃO 23 PAG. 15-16-17 casos clínicos INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE Sônia Maris Oliveira Zagne* / Maria das Graças Muniz** RESUMO Este relato busca

Leia mais

Checklist do Método Clínico Centrado na Pessoa 1 Cumprimenta o paciente com um aperto de mão, ao iniciar a consulta 2 Você se apresenta para o

Checklist do Método Clínico Centrado na Pessoa 1 Cumprimenta o paciente com um aperto de mão, ao iniciar a consulta 2 Você se apresenta para o Checklist do Método Clínico Centrado na Pessoa 1 Cumprimenta o paciente com um aperto de mão, ao iniciar a consulta 2 Você se apresenta para o paciente ao iniciar a consulta? 3 Você trata o paciente pelo

Leia mais