CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Aurélio Nilsson

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Aurélio Nilsson"

Transcrição

1 0 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aurélio Nilsson COMPARAÇÃO ENTRE TUBOS DE CONCRETO ARMADO E TUBOS DE CONCRETO COM FIBRAS DE AÇO COM RELAÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO E AO CUSTO DO PRODUTO FINAL Santa Cruz do Sul, dezembro de 2011

2 1 Aurélio Nilsson COMPARAÇÃO ENTRE TUBOS DE CONCRETO ARMADO E TUBOS DE CONCRETO COM FIBRAS DE AÇO COM RELAÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO E AO CUSTO DO PRODUTO FINAL Trabalho de conclusão apresentado ao Curso de Engenharia Civil da Universidade de Santa Cruz do Sul para obtenção do título de bacharel em Engenharia Civil. Orientador: Prof. Ms. Marco Antonio Pozzobon. Santa Cruz do Sul, dezembro de 2011

3 2 Dedico este trabalho a minha família, por todo apoio, incentivo e por estarem sempre presentes ao enfrentar os momentos mais difíceis durante o período de Graduação.

4 3 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais, pela paciência, pelo auxilio e por me deixar elaborar este trabalho usando a empresa como modelo; Agradeço aos meus familiares, pela confiança e paciência que nessa jornada; Ao professor orientador, por me auxiliar a percorrer caminhos pelos quais nunca imaginei; Aos amigos, colegas, funcionários e professores que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho.

5 4 RESUMO Em 2007, entrou em vigor a nova norma para tubos de concreto, a NBR 8890/ tubos de concreto, de seção circular, para águas pluviais e esgotos sanitários - requisitos e métodos de ensaio. Ela abre possibilidades para a utilização de um novo modelo de tubos de concreto em substituição aos tubos de concreto armado: os tubos de concreto reforçados com fibras de aço. Alguns estudos foram feitos comparando a qualidade dos tubos, entretanto, faltam estudos comparando para ver se essa seria uma alternativa econômica para uma empresa de prémoldados. E este trabalho analisa se existe vantagem na elaboração destes tubos, abordando um tipo específico: Tubos de concreto com 800 mm de diâmetro, macho e fêmea, feitos através de vibração. Ele compara estes tubos em quesitos de qualidade, aspectos financeiros e aspectos de produção, assim como pré-determina qual é o melhor tipo de tubo de concreto seria o mais vantajoso para esta empresa.

6 5 LISTA DE FIGURAS Figura Tubo de concreto ponta e bolsa com junta elástica Figura Tubos de concreto com encaixe macho e fêmea Figura Modelo de fibras de aço utilizadas em tubos de concreto Figura Fibras de aço Figura Armadura para tubos com 600 mm de diâmetro Figura Forma interna para tubos com 600 mm de diâmetro Figura Forma externa para tubos com 200 mm de diâmetro Figura Anéis utilizados na fabricação de tubos de concreto Figura Conjunto completo para a fabricação de tubos com 2 m de diâmetro 28 Figura Secagem de tubos com 200 mm de diâmetro Figura Secagem de tubos com 600 mm de diâmetro Figura Preparação das amostras para os ensaios Figura Ensaio de compressão axial Figura Ensaio de compressão diametral Figura Preparação da amostra AN 1 para o ensaio de compressão diametral Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 1 (análise externa) Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 1 (análise interna) Figura Preparação da amostra AN 2 para o ensaio de compressão diametral Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 2 (análise externa) Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 2 (análise interna) Figura Preparação da amostra AN 3 para o ensaio de compressão diametral Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 3 (análise externa 01)... 58

7 6 Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 3 (análise externa 02) Figura Preparação da amostra AN 4 para o ensaio de compressão diametral Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 4 (análise interna 01) Figura Ensaio de compressão diametral da amostra AN 4 (análise interna 01)... 60

8 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Traço do concreto Tabela 2 Resultados dos testes em corpos de prova Tabela 3 Resultados dos ensaios nos tubos de concreto Tabela 4 Traço do concreto (2ª amostragem) Tabela 5 Resultados dos testes em corpos de prova (2ª amostragem) Tabela 6 Resultados dos ensaios nos tubos de concreto (2ª amostragem)... 43

9 8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Curva do concreto Gráfico 2 Resistência à compressão axial (28 dias) Gráfico 3 Resistência à compressão diametral (28 dias) Gráfico 4 Carga de trinca dos tubos de concreto Gráfico 5 Carga de ruptura dos tubos de concreto Gráfico 6 Curva do concreto (2ª amostragem) Gráfico 7 Resistência à compressão axial aos 21 dias (2ª amostragem) Gráfico 8 Resistência à compressão diametral aos 21 dias (2ª amostragem) Gráfico 9 Carga de trinca dos tubos de concreto Gráfico 10 Carga de ruptura dos tubos de concreto... 44

10 9 LISTA DE ABREVIATURAS ABNT ABTC ACPA ACN ASTM D.A.E IBTS NBR PCA R.A.E. USA Associação Brasileira de Normas Técnicas Associação Brasileira de Tubos de Concreto American Concrete Pipe Association Artefatos de Cimento Nilsson American Society for Testing and Materials Departamento de Águas e Esgotos Instituto Brasileiro de Telas Soldadas Norma Brasileira Regulamentadora Portland Cement Association Repartição de Águas e Esgotos de São Paulo United States of America

11 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema Problema Hipóteses Objetivos Objetivo principal Objetivos específicos REFERENCIAL TEÓRICO Tubos de Concreto Histórico Período pré Período Período de 1880 a Período posterior a Aplicações Rede de esgoto sanitário Drenagem de água pluvial Fibras Tipos de fibras Aplicações As vantagens das fibras de aço em tubos de concreto Processo de fabricação Concreto Armadura Método de fabricação Armazenagem e transporte METODOLOGIA ANÁLISE DOS RESULTADOS Análise de qualidade Primeira verificação Qualidade do concreto Verificação da qualidade dos tubos... 37

12 Segunda verificação Qualidade do concreto Verificação da qualidade dos tubos Análise financeira Tubo de concreto armado com tela soldada Custo dos materiais Custo de fabricação Tubo de concreto reforçado com fibras de aço Custo dos materiais Custo de fabricação COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS Comparação de qualidade Comparação de custos Aspectos de produção CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO A FOTOS REFERENTES AOS PRIMEIROS ENSAIOS ANEXO B LAUDOS REFERENTES AOS PRIMEIROS ENSAIOS ANEXO C LAUDOS REFERENTES AOS ÚLTIMOS ENSAIOS... 66

13 12 1 INTRODUÇÃO Conforme a Associação Brasileira de Tubos de Concreto - ABTC, os tubos de concreto são peças circulares pré-moldadas de concreto, onde o encaixe pode ser macho e fêmea ou ponta e bolsa. Eles são utilizados em galerias de águas pluviais, drenagem de aeroportos e rodovias, galerias e bueiros, sendo que suas características técnicas devem estar conforme a NBR 8890/ tubos de concreto, de seção circular, para águas pluviais e esgotos sanitários - requisitos e métodos de ensaio. Também são utilizados em sistemas de esgoto sanitário (emissário e redes troncos de esgotamento sanitário), por possuírem características que permitem resistir ao ataque químico produzido pelo transporte de esgoto sanitário e por não apresentar risco de contaminação do subsolo [quando possuem juntas elásticas, não permite a saída (vazamento) do esgoto transportado]. Atualmente, existem três tipos de tubos de concreto normalizados pela NBR 8890/2007: tubos de concreto simples, tubos de concreto armado e tubos de concreto com fibras, sendo que esses dois últimos serão os analisados/comparados por esse trabalho com relação aos aspectos construtivos e a vantagem econômica. 1.1 Tema Nos últimos trinta anos, estudos realizados com fibras de aço adicionadas ao concreto comprovaram a melhora de algumas propriedades do concreto e a possível substituição total da armadura pelas fibras de aço (FUGII, 2008). Por esse motivo, uma empresa pode alterar o processo de produção, substituindo os tubos de concreto armado por tubos de concreto reforçados com fibras de aço.

14 Problema Existem diferenças entre os dois modelos de tubos de concreto propostos, como o processo de fabricação e os métodos de ensaios. A dosagem do concreto com fibras deve ser feita com mais cuidado. Além disso, existem diferenças entre o custo dos materiais envolvidos. Por esses motivos, é necessário um estudo detalhado sobre qual dos métodos é o mais vantajoso para a empresa escolhida. 1.3 Hipóteses Existem algumas respostas prováveis ao problema proposto como: - A qualidade dos tubos de concreto armado e os tubos de concreto reforçado com fibras é a mesma, mas comparando em relação a custos, um é mais vantajoso que o outro; - A fabricação de tubos de concreto reforçados com fibras de aço não pode ser aplicada na empresa, pois esta possui uma estrutura voltada aos tubos de concreto armado, como máquinas de corte e dobra da armadura, e a substituição do método não seria viável; - Os tubos de concreto armado não possuem vantagens comparando com os tubos de concreto reforçados com fibras e vice e versa.

15 Objetivos Os objetivos do trabalho estão classificados em principal e específico e são apresentados a seguir Objetivo principal Determinar qual é o melhor tipo de tubo para a empresa na qual o trabalho foi desenvolvido, ou seja, que atenda as normas e possua o menor custo de produção Objetivos específicos - Comparar tubos de concreto armado e tubos de concreto com fibras de aço; - Analisar o processo de fabricação dos dois tipos de tubos; - Realizar um orçamento detalhado, com relação a materiais, mão de obra necessária, tempo de fabricação, etc., de um tubo de concreto armado, diâmetro de 800 mm, classe PA-1, e um tubo de concreto reforçado com fibras de aço, diâmetro de 800 mm, classe PA-1.

16 15 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Tubos de Concreto Histórico A história dos tubos de concreto pode ser organizada em quatro períodos: pré 1800, , e posterior a Período pré-1800 Conforme Netto (1959), citado pela ABTC (2011), a primeira galeria de esgotos e drenagens em forma de arco foi executada na cidade de Nippurfoi, localizada na Índia, por volta de 3750 a.c. Em 2600 a.c. foi executado um conduto subterrâneo para esgotamento das águas servidas e em Roma, a construção da "cloaca máxima", coletor tronco com diâmetro máximo de 4,30m, destinado a coletar as águas pluviais e residuais. Segundo a Portland Cement Association PCA (1968), citado pela ABTC (2011) estas canalizações tinham como finalidade remover a água de chuvas e por isso os despejos eram depositados nas ruas, até que fossem conduzidos para as canalizações através das chuvas. Assim, de acordo com a American Concrete Pipe Association - ACPA, 1980, após as chuvas, as ruas ficavam com um lodo viscoso e agressivo a saúde, composto por esgoto e lixo. Esta condição permaneceu até o início do século XIX, quando sistemas de distribuição de água tornaram possível o uso da água para conduzir os despejos das grandes cidades, tornando-as mais limpas.

17 Período Esse período, segundo Netto, (1959) citado pela ABTC (2011), é caracterizado como o que aconteceu o nascimento da indústria de tubos de concreto, em função das exigências do ponto de vista de saúde pública por água e tratamento dos despejos, e necessidades na área de transportes, irrigação e drenagem. No início da década de 1840, em Hamburgo na Alemanha, foi implantado o primeiro e moderno coletor de esgotos, construído pelo Engenheiro inglês W. Lindley. Em 1867, os tubos de concreto armado são criados por J. Monier. Já nos Estados Unidos, conforme ACPA (1980), citado pela ABTC (2011), a mais antiga informação de instalação de tubos de concreto para esgoto sanitário refere-se a 1842 na cidade de Nova York. No Brasil, segundo a ABTC, a primeira rede de esgotos construída foi concluída em 1864 na cidade do Rio de Janeiro. Isso tornou o Rio de Janeiro à quinta cidade do mundo a ter iniciado a construção de sistema de esgotos sanitários, compreendendo redes coletoras e instalações de tratamento Período de 1880 a 1930 De acordo a ACPA, (1980), citado pela ABTC (2011), nesse período aconteceram grandes avanços como a modernização dos projetos e técnicas de construções de redes de esgotos e galerias de águas pluviais, produção de tubos de concreto pela indústria. Estes avanços incluíram o desenvolvimento de teorias hidráulicas, conceitos sobre cargas atuantes no tubo, e normas para materiais e ensaios. Com relação à resistência dos tubos, foram desenvolvidas e testadas nas três primeiras décadas do século XX, por pesquisadores da Universidade do Estado de

18 17 Iowa, United Statesof America - USA, as teorias para estimar as cargas atuantes sobre um tubo enterrado. Desenvolvido por Marston e Anderson, o conceito original foi publicado em 1913, sofreu sucessivas melhorias, sendo que em 1930, Marston publicou "The Theory of External Loads on Closed Conduits in The Light of The Latest Experiments. (ABTC, 2011) Já em relação à qualidade dos tubos de concreto, muito foi feito nos primeiros anos do século XX. O maior fórum destes estudos foi a American Society for TestingandMaterials ASTM, que foi fundada em 1898, o começo da história da padronização dos tubos de concreto. (ABTC, 2011) Em setembro de 1924 foi realizado o primeiro teste de resistência à compressão, em um tubo de concreto de 700 mm de diâmetro por 1,50 m de comprimento, na fábrica da Companhia Americana de Produtos de Concreto, situada em Neville Island. Segundo Netto, (1959), citado pela ABTC (2011) devido à reconhecida necessidade de melhoria de qualidade e capacidade de produção da indústria, foi formada, em 23 de janeiro de 1907, a "InterstateCement Tile Manufactures Association", que em 1914 passou a ser denominada "American Concrete Pipe Association - ACPA. No Brasil, conforme Chama Neto, (2004), foram construídas algumas redes de esgoto, como a de Santos (1889), São Paulo (1892) e Belo Horizonte (1896). Além disso, em 1893 foi criada a Repartição de Águas e Esgotos de São Paulo R.A.E., hoje denominado Departamento de Águas e Esgotos D.A.E Período posterior a 1930 Segundo a ABTC, após os anos de depressão e segunda guerra mundial, a produção de tubos de concreto cresceu de forma significativa. Como por exemplo, Estados Unidos aumentou cerca 500% no período de 40 anos, ou seja, de 2 milhões de toneladas/ano até 10 milhões de toneladas/ano.

19 18 Conforme a ACPA, nos Estados Unidos, em função do aumento nas restrições com relação à poluição de rios, com atenção especial na coleta e tratamento de esgotos, os produtores de tubos de concreto tiveram que melhorar a durabilidade, resistência, uniformidade nas dimensões e juntas, visando garantir um bom alinhamento no assentamento dos tubos e juntas estanques. Como lembra a ABTC, na Europa devido à crise que o continente atravessou entre o final da década de 1980 até 1995, o mercado de tubos de concreto foi afetado de forma bastante intensa. Em função desta crise os fabricantes de tubos foram obrigados a diminuir custos e com isto forçaram os fabricantes de equipamentos a desenvolverem máquinas que possibilitassem a diminuição de espessura de parede dos tubos, diminuição nos custos de manutenção e maior flexibilidade na produção, visando diminuir o trabalho de ajuste na produção de diferentes diâmetros de tubos de concreto. No Brasil, esse foi o período em que a ABTC foi criada (2001) e que as normas relativas a tubos de concreto foram criadas, visando uma maior qualidade do produto no Brasil Aplicações Os tubos de concreto podem ser utilizados em vários lugares, sendo empregados com mais frequência em 2 sistemas: Rede de esgoto sanitário e em sistemas de drenagem pluvial Rede de esgoto sanitário Segundo Netto&Pera (1977), como o abastecimento de água é um serviço público essencial e indispensável, necessita-se um meio de para coletar e afastar as

20 19 águas servidas. Nessa rede, são utilizados tubos de concreto com junta elástica, onde os produtos são preparados para receber um anel de borracha, garantindo assim a estanqueidade da junta quando a união dos tubos. Seu encaixe deve ser ponta e bolsa, com a função de evitar vazamentos e podem ser armados, simples ou reforçados com fibras de aço. Figura Tubo de concreto ponta e bolsa com junta elástica Fonte/foto: Grupo Padua Drenagem de água pluvial Conforme Botelho (1998), como a crescente urbanização, cria-se uma nova situação de equilíbrio com o ambiente modificado. Com isso, ocorre à impermeabilização parcial do ambiente, parte da chuva que antes penetrava no solo será escoada. Assim, são necessários sistemas para captar essa água para evitar que se acumule em pontos mais baixos de cidades, criando a possibilidade de ocasionar enchentes.

21 20 Segundo Gebara (2004), citado por Fugii (2008), as águas provenientes das chuvas devem ser coletadas por sistemas de galerias de águas pluviais, conhecidos como drenagem urbana. Para essa rede, podem ser utilizados tubos de concreto com junta elástica ou junta rígida, sendo essa feita com argamassa de areia e cimento. Eles podem possuir o encaixe macho e fêmea ou ponta e bolsa e podem ser armados, simples ou com fibras de aço (FUGII, 2008). Figura Tubos de concreto com encaixe macho e fêmea Fonte/foto: Artefatos de Cimento Nilsson. 2.2 Fibras Conforme Bentur&Mindess (1990), citado por Paiva (2005), o concreto, apresenta pequena resistência à tração e uma baixa capacidade de deformação. Para diminuir essas deficiências, ou seja, evitar que o concreto seja um material frágil, fibras curtas com alta resistência à tração e ductilidade podem ser adicionadas ao concreto para melhorar a sua tenacidade, melhorar a resistência ao impacto e à fadiga, controlar a fissuração e comportamento na etapa posterior à fissuração

22 21 inicial, mas a aderência e/ou ancoragem entre as fibras e a matriz (pasta, argamassa ou concreto) é essencial. As fibras são utilizadas para inibir o início e a propagação das fissuras, ou seja, aumentar a tensão correspondente à primeira fissura da matriz. Mas é no estado de pós-fissuração inicial que as fibras exercem o seu principal efeito, que é o de "costurar" e interceptar a progressão das micro-fissuras, evitando assim a ruptura brusca. Em consequência, a abertura e o comprimento das fissuras na matriz endurecida são menores, o que melhora consideravelmente a impermeabilidade e a durabilidade dos compósitos expostos ao ambiente. (PAIVA, 2005). No concreto armado comum, as armaduras são dispostas em posições convenientes para resistir às tensões de tração, compressão e cisalhamento. De modo similar, a eficiência das fibras nos compósitos será maior se elas ficarem alinhadas na direção das tensões de tração. Entretanto, o alinhamento de fibras curtas é difícil e, na prática, as fibras incorporadas ao concreto ficam descontínuas, com pequeno espaçamento e distribuídas aleatoriamente. Isso resulta que as fibras são mais efetivas no controle da fissuração e no aumento da tenacidade do que no aumento da resistência. (PAIVA, 2005). Entre as aplicações das fibras no concreto, estão: - Chapas delgadas que não comportam armaduras na forma de barras: as fibras neste caso constituem a armadura principal, a taxa é alta, excedendo a 5 % do volume; - Tubos de concreto, revestimento de túnel, etc. componentes que devem suportar altas ações ou deformações localizadas. Ainda usam-se as fibras em casos que se precisa controlar a fissuração oriunda da umidade ou variações de temperatura, onde as fibras são chamadas de armadura secundária. Nesse caso, e no dos tubos pré-fabricados, as fibras não são utilizadas para aumentar a resistência do concreto, embora algum ganho possa

23 22 ocorrer, mas sim para controlar a fissuração e alterar o comportamento do concreto após a ocorrência de fissuras na matriz. (PAIVA, 2005). Dois dos maiores problemas da utilização das fibras no concreto é a falta de compatibilidade entre o processo de produção do concreto com o tipo de fibra e a sua eficiência no estado endurecido. Por exemplo, fibras longas de pequeno diâmetro são mais eficientes no estado endurecido, mas dificultam a mistura e a trabalhabilidade do concreto no estado fresco, além disso, há uma tendência à diminuição da fluidez do concreto. (PAIVA, 2005) Tipos de fibras De acordo com Bentur&Mindess (1990), citado por Paiva (2005), desde que as primeiras fibras de amianto surgiram (1900), vários tipos de fibras de diferentes propriedades mecânicas, físicas e químicas vêm sendo utilizadas como adição no concreto, tais como as fibras de aço, de vidro, de carbono, polipropileno, polietileno, nylon e naturais (celulose, sisal, etc.). Os vários tipos de fibras apresentam propriedades, eficiência e custos variados. As fibras individuais são fabricadas segundo duas configurações: como mono filamentos discretos, geralmente com deformações ao longo do comprimento ou ganchos nas extremidades para melhorar a interação com a matriz e criar uma ancoragem mecânica, e em forma de feixes de filamentos finos. Esses feixes, frequentemente, mantém a sua forma na mistura e não se dispersam em filamentos individuais. (PAIVA, 2005). O arranjo das fibras nos compósitos pode assumir várias geometrias em função da forma das fibras individuais e da sua dispersão na matriz. Eles podem ser apresentados conforme três formas distintas: arranjo unidimensional, arranjo bidimensional e arranjo tridimensional. (PAIVA, 2005).

24 23 Nos concretos, as fibras normalmente utilizadas são discretas e curtas e tendem a se orientar de forma dispersa e não uniforme. Para se obter a uniformidade da distribuição das fibras, deve-se controlar o processo de mistura, lançamento e adensamento. (PAIVA, 2005) Aplicações Conforme Bentur&Mindess (1990), as aplicações dos compósitos com fibras são variadas: - Fibras de amianto: Utilizadas há muito tempo na fabricação de tubos, telhas e painéis; - Fibras de vidro: são usadas primariamente em painéis não-estruturais préfabricados; - Fibras de aço: são usadas em pavimentos, concreto projetado, prémoldados, barragens e várias outras estruturas; - Fibras de polipropileno fibrilada: usadas como armadura secundária; - Fibras vegetais: vêm sendo usadas em materiais de construção de baixo custo As vantagens das fibras de aço em tubos de concreto Como lembra Chama Neto e Figueiredo (2010), em uma entrevista publicada pela Itambé, a primeira vantagem da utilização das fibras de aço nos tubos de concreto é a otimização da produção. Com elas, evita-se perder tempo no preparo da armadura, pois as fibras são adicionadas diretamente na mistura do concreto. Logo, agiliza-se a fabricação dos tubos e se consome menos energia e mão de obra.

25 24 Outra vantagem está ligada ao reforço, pois como os vergalhões ficam próximos da parte central do tubo, as fibras aumentam a resistência à fissuração, junto com a durabilidade do produto. (ITAMBÉ, 2011). Esta ligada ao reforço distribuído da fibra outra vantagem, que é a redução das perdas por quebras de bordas dos tubos durante os processos de estocagem, transporte e instalação das peças. (ITAMBÉ, 2011). Figura Modelo de fibras de aço utilizadas em tubos de concreto Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor. Figura Fibras de aço Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor.

26 Método de fabricação Segundo Chama Neto (2004), o ponto de partida para a fabricação de um tubo de concreto é a adequada seleção e caracterização dos materiais utilizados. Após isso, inicia-se o processo de dosagem para determinar as quantidades desses materiais necessárias para compor o traço. Na fábrica de tubos de concreto que está sendo realizado esse trabalho, enquanto uma equipe cuida da dosagem e fabricação do concreto, outra prepara as armaduras para a fabricação dos tubos, onde são adotadas telas soldadas. Quando se possui os componentes necessários para a fabricação dos tubos, ou seja, concreto e armadura, inicia-se a produção que compreende as seguintes etapas: - colocar a armadura na fôrma e ajustar a armadura na fôrma; - encaixar a forma no sistema de produção, no qual pode ser por vibração simples, prensagem ou centrifugação radial; - adicionar o concreto na forma, o qual é transportado por esteiras rolantes entre a unidade misturadora e o sistema produtivo. 2.4 Concreto Existem algumas condições quanto ao concreto utilizado nos tubos prémoldados. Entre elas estão à resistência do concreto e o fator água cimento. A resistência do concreto, conforme o Instituto Brasileiro de Telas Soldadas IBTS e a ABTC (2003), deve ser de no mínimo 25 MPa. Já o fator água cimento, como lembra a NBR 8890/2007, deve ser no máximo 0,50 para tubos destinados a canalizações pluviais e 0,45 para tubos destinados a esgotos sanitários.

27 Armadura Conforme o IBTS e ABTC (1988), pode-se dimensionar a armadura dos tubos de concreto ou utilizar tabelas padronizadas com base em cálculos já feitos. Elas são feitas com base em várias características, entre elas o diâmetro nominal e a carga que o tubo precisa resistir. Deve-se cuidar com os cobrimentos mínimos exigidos pela NBR 8900/2007, cujo controle pode ser feito através de espaçadores ou a dobra da armadura. Recentemente, a NBR 8890 passou a admitir a utilização de fibras de aço no lugar da armadura de aço. Figura Armadura para tubos com 600 mm de diâmetro Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor 2.6 Processo de fabricação De acordo com Fugii (2008), os concretos utilizados na fabricação de tubos de concreto devem possuir consistência seca, ou seja, slump zero, para que se mantenham com sua forma quando sua fôrma for retirada, já que esta será utilizada novamente para dar continuidade no processo de fabricação. Esta fôrma é constituída de três partes:

28 27 - interna: é o responsável pela vibração do concreto quando lançado pelo misturador, é chamada de núcleo vibratório. Figura Forma interna para tubos com 600 mm de diâmetro Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor. - externa: é feita de aço e sua função é dar forma ao tubo. É colocada de modo que o tubo possua a espessura de parede necessária. Figura Forma externa para tubos com 200 mm de diâmetro Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor.

29 28 - anel: serve como base do tubo durante o processo de moldagem. Figura Anéis utilizados na fabricação de tubos de concreto Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor. Figura Conjunto completo para a fabricação de tubos com 2 m de diâmetro Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor. Após a moldagem dos tubos de concreto, a forma externa, o anel e o concreto adensado são levados até o local de pré-armazenagem, por carrinhos especiais (no caso dos tubos com diâmetros menores), por um guincho ou por uma empilhadeira. Nesse local, a forma externa é parcialmente desmontada e retirada.

30 29 Figura Secagem de tubos com 200 mm de diâmetro Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor. Figura Secagem de tubos com 600 mm de diâmetro. Fonte/foto: Arquivo pessoal do autor.

31 Armazenagem e transporte Conforme a NBR 8890 (2007), após o período de cura do concreto, o anel é retirado e o produto levado ao local de armazenagem com equipamentos para não ocorrer fissuras ou danos ao produto, como empilhadeiras no caso de armazenamento horizontal e guinchos quando o produto for armazenado verticalmente. Quando armazenado horizontalmente, o produto deve estar em cima de tábuas de madeira em um terreno nivelado e a quantidade máxima da pilha deve ser controlada. O carregamento deve ser feito por equipamentos especializados, como guinchos para o transporte vertical, que deve ser utilizado sempre que possível, ou empilhadeiras no caso do transporte horizontal.

32 31 3 METODOLOGIA Este trabalho se divide em 5 etapas: A primeira etapa constituiu em avaliar dos tubos de concreto quanto aos aspectos construtivos, ou seja, o processo de fabricação dos tubos de concreto armado e dos tubos de concreto reforçados com fibras e aço armado, e verificar se as suas características estão de acordo com a NBR 8890/2007, realizando ensaios como o de compressão diametral, resistência do concreto, absorção, verificação de medidas. Foram moldados 32 corpos de prova nesta etapa e 4 tubos de concreto para a análise. A segunda etapa constituiu na elaboração de um novo traço para os tubos de concreto reforçados com fibras de aço e verificar se as suas características estão de acordo com a NBR 8890/2007, realizando ensaios como o de compressão diametral, resistência do concreto, absorção, verificação de medidas. Foram moldados 16 corpos de prova nesta etapa e 2 tubos de concreto para a análise. Na terceira etapa consistiu em analisar esses dados, comparando resultados e avaliando o melhor tubo de concreto com relação ao processo de fabricação e se ambos atingiram os quesitos de qualidade exigidos pela NBR Na penúltima etapa, foram comparados os dois tipos de tubos de concreto com relação ao custo dos materiais empregados na fabricação e ao custo de produção de cada tubo, sendo avaliados apenas aqueles que se diferenciam dos dois tubos Na última etapa, foi definido o melhor tipo de tubo de concreto a ser empregado na empresa na qual este trabalho foi elaborado, ressaltando as diferenças entre eles e abrindo a possibilidade para novos estudos.

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto Antonio D. de Figueiredo Tubos de Concreto 1 Principais

Leia mais

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Aços Longos Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos Drawings, photo s: copyright N.V. Bekaert Dramix As fibras de aço Dramix são produzidas a partir de fios de aço trefilados tendo como

Leia mais

CRF - Concreto Reforçado com Fibras - Mito e Realidade

CRF - Concreto Reforçado com Fibras - Mito e Realidade Prof. Eduardo C. S. Thomaz pág. 1/13 CRF - Concreto Reforçado com Fibras - Mito e Realidade Resumo dos artigos do Prof. Sidney Mindess Fibre Reinforced Concrete Myth and Reality Advances in Cement and

Leia mais

Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert.

Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert. Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert. ( O que é Dramix? As fibras de aço Dramix da Belgo Bekaert Arames estabeleceram um novo padrão para as armaduras de

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GERDAU GG 50 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 50. Produzido

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

ABNT NBR 8890 NORMA BRASILEIRA. Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos e métodos de ensaios

ABNT NBR 8890 NORMA BRASILEIRA. Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos e métodos de ensaios NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 8890 Segunda edição 22.10.2007 Válida a partir de 22.11.2007 Versão Corrigida 24.03.2008 Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos

Leia mais

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias?

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? Seminário: Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? EngºArcindo A. Vaquero y Mayor Wish List Veloz Durável Prático (com racionalização) Econômico Baixo Desperdicio Confortável (Desempenho Termico

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Concreto de Cimento Portland Concreto é uma mistura de agregados miúdos e graúdos, cimento e água. Estes três materiais, reunidos e bem misturados, constituem uma massa plástica que endurece no fim de

Leia mais

ABNT NBR 12.655:2015 Concreto de cimento Portland Preparo, controle, recebimento e aceitação Procedimento

ABNT NBR 12.655:2015 Concreto de cimento Portland Preparo, controle, recebimento e aceitação Procedimento ABNT NBR 12.655:2015 Concreto de cimento Portland Preparo, controle, recebimento e aceitação Procedimento Eng.º Evaldo Penedo Brascontec Engenharia e Tecnologia Ltda Sinduscon-ES, 19 de março de 2015 ABNT

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

Galeria Multidimensional Rodoviária

Galeria Multidimensional Rodoviária TECNOLOGIA e INOVAÇÃO: MESO - MACRODRENAGEM Galeria Multidimensional Rodoviária I 1 - GALERIA MULTIDIMENSIONAL RODOVIÁRIA Autor da Tecnologia e responsável técnico: Eng.º Civil: Mauricio Santiago dos Santos;

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência

Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência Maisson Tasca ¹; Alessandra Migliorini² ; Bianca P. M. Ozório³

Leia mais

COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO

COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO AILTON DONIZETI DA SILVA Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de Poços de Caldas,1994, Especialização em Saneamento Ambiental PUC-Minas,

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Elementos de Escoamento

Elementos de Escoamento DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II PERÍODO: 6 PROFESSORA: DÉBORA CRISTINA ALMEIDA Elementos de Escoamento André Renato Augusto César Carlos Augusto Eduardo Felipe Ivano Heleno Vicente Neto Ytallo

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE Associação de Ensino Superior Unificado do Centro Leste ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PAVIMENTO RÍGIDO R E FLEXÍVEL Msc. Flavia Regina Bianchi Engª.. Isis Raquel Tacla Brito Engª.. Veronica Amanda Brombley

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

BETÃO COM FIBRAS. O emprego de fibras de vidro no betão foi feito pela primeira vez, em 1950, na U.R.S.S..

BETÃO COM FIBRAS. O emprego de fibras de vidro no betão foi feito pela primeira vez, em 1950, na U.R.S.S.. BETÃO COM FIBRAS 1. INTRODUÇÃO Resumo histórico Desde sempre as fibras foram usadas para reforçar outros materiais. A palha foi usada para reforçar tijolos cozidos ao sol, a crina de cavalo para reforçar

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais