ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO CONTENDO NANOSÍLICA ESTABILIZADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO CONTENDO NANOSÍLICA ESTABILIZADA"

Transcrição

1 ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO CONTENDO NANOSÍLICA ESTABILIZADA Gustavo Braz de Abreu (1) ; Adriana Guerra Gumieri (1) ; José Márcio Fonseca Calixto (1) ; Fabrício Carlos França (2) ; Cláudio Silva (3) ; TECNOSIL/SILICON (1) (2) (3) (4) Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil Holcim, Brasil Wanmix, Brasil Tecnosil/Silicon RESUMO A nanotecnologia pode melhorar significativamente as propriedades mecânicas e a durabilidade dos concretos. Em escala nanométrica, a boa dispersão de materiais é um fator essencial para a melhoria das propriedades do concreto. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar as propriedades mecânicas de concreto de alto desempenho contendo nanosílica estabilizada. A incorporação da nanosílica ao aditivo policarboxilato contribuiu para uma melhor aplicação e eficácia do material no concreto, uma vez que a nanosílica se homogeniza com maior facilidade no concreto. Para realização do estudo foram fabricados três diferentes concretos: um contendo nanosílica estabilizada, um outro com uma mistura de sílica ativa e nanosílica estabilizada e um de referência sem sílica ativa e nanosílica. As propriedades mecânicas dos concretos avaliadas foram a resistência à compressão axial e o módulo de elasticidade medidas em três diferentes idades. Os resultados obtidos indicam um aumento substancial nos módulos de elasticidade e na resistência à compressão dos concretos com nanosílica, mesmo com a redução do consumo de cimento. Os resultados também evidenciam que o efeito da nanosílica é potencializado quando a mesma é combinada com a sílica ativa, uma vez que a mistura de partículas de tamanho micro e nanométrico proporciona uma melhoria no desempenho mecânico dos concretos. A atividade pozolânica dos materiais contribuiu para a melhoria dessas propriedades. A nanosílica demostrou ser bastante vantajosa, principalmente se misturada com a sílica ativa. Os resultados indicaram que a nanosílica é uma boa alternativa para se produzir concretos com elevada resistência mecânica e redução no consumo de cimento. INTRODUÇÃO O concreto de alto desempenho é essencialmente um concreto tendo uma baixa relação água/aglomerantes. A resistência da pasta hidratada de cimento utilizada nesse tipo de concreto pode ser melhorada reduzindo sua porosidade, já que um grande número de poros grandes ou vazios, especialmente quando concentrados em um determinado local, reduz a resistência mecânica e a durabilidade do concreto. O tamanho dos grãos dos materiais empregados também influencia nas propriedades do concreto, pois a resistência de uma fase cristalina aumenta com a diminuição do tamanho dos grãos (AITCIN, 2000). A nanotecnologia pode ser considerada uma das mais importantes inovações da ciência na área de materiais. O uso da nanotecnologia pode melhorar

2 significativamente a propriedade de vários tipos de materiais, tais como plásticos, metais ou fibras de carbono, por exemplo. O uso de nano materiais permite o aumento da superfície de contato e da reatividade, promovendo melhoria nas propriedades dos materiais. A aplicação de nanomateriais na produção de concretos possibilita a melhoria de suas propriedades, pois a resistência mecânica e a vida útil das estruturas do concreto são determinadas por sua microestrutura, assim como pela transferência de massa em nano-escala (GLEIZE, 2007). O uso adequado de nanomateriais pode promover a melhoria das propriedades mecânicas e de durabilidade do concreto e diminuir o peso das estruturas, podendo gerar uma melhora significativa na economia dos recursos naturais, principalmente no que se refere ao consumo de cimento. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar as propriedades mecânicas de concreto de alto desempenho contendo nanosílica estabilizada. Para realização do estudo foram fabricados três diferentes concretos: um contendo nanosílica estabilizada, um outro com uma mistura de sílica ativa e nanosílica estabilizada e um de referência sem sílica ativa e nanosílica. As propriedades mecânicas dos concretos avaliadas foram a resistência à compressão axial e o módulo de elasticidade medidas em três diferentes idades. NANOTECNOLOGIA APLICADA AO CONCRETO A nanotecnologia pode melhorar as propriedades dos materiais cimentícios, tais como, coesão, fluência, fissuração por perda de água por secagem ou sob condições endógenas, resistência mecânica, ductilidade (GLEIZE, 2007; GLEIZE e PELISSER, 2007), porosidade e corrosão em estruturas de concretos reforçadas (CARDENAS et al., 2010). Estudos sobre nanomateriais aplicados aos materiais cimentícios foram realizados por alguns pesquisadores, como por exemplo: LI (2004); LI et al (2004); GENGYING (2004); LI et al (2005); BEAUDOIN (2005); LI et al (2007); MAGHSOUDI et al (2010); GHASEMI et al (2010) e QUERCIA et al (2012). No geral, as pesquisas abordam a adição de nanosílica ou nanotubos de carbono aos cimentos Portland, argamassas e concretos, avaliando as propriedades reológicas, pozolanicidade, resistência à compressão e flexão, aspectos que envolvem a nano e microestrutura e a durabilidade dos produtos cimentícios, entre outras. Em escala nanométrica, a boa dispersão de materiais é um fator essencial para a melhoria das propriedades do concreto. As propriedades mecânicas e dos nanocompósitos são influenciadas pelo nível de dispersão das partículas na matriz. O melhor desempenho de inclusões nanométricas na pasta de cimento é obtido pela distribuição uniforme das mesmas. Segundo YAZDANBAKHSH e GRASLEY (2012), quando uma matriz é constituída de materiais que apresentam partículas de tamanhos grandes, a dispersão máxima das inclusões menores (nanopartículas) é reduzida devido à formação de grandes volumes contíguos que são inacessíveis às nanoinclusões. Quando nanomateriais são utilizados na pasta de cimento, o volume do cimento induz a algum tipo de aglomeração das nano partículas. Na prática, as partículas de cimento podem formar torrões antes e durante a produção da pasta. De acordo com YAZDANBAKHSH e GRASLEY (2012), o tamanho dos torrões pode atingir centenas de mícrons, causando também o agrupamento das nanopartículas. O tamanho das partículas do cimento não é o único fator que influencia na dispersão das nanoinclusões, mas também o percentual utilizado das mesmas. Normalmente, a dispersão de nanoinclusões é mais difícil de ser obtida em relação aos materiais de maior tamanho. O concreto é formado por materiais de diversos tamanhos e

3 proporções, e também possui porosidade, comportando-se como um meio não contínuo, sendo, portanto, a inclusão de nanomateriais nesse material mais complexa (YAZDANBAKHSH e GRASLEY, 2012). Desta forma, materiais com características dispersantes, quando incorporados ao concreto, permitem a melhoria de suas propriedades. SADRMOMTAZI et al. (2010) citam que nano partículas de SiO 2 mostraram-se muito efetivas no concreto melhorando sua trabalhabilidade, durabilidade e resistência mecânica. A atividade pozolânica da nanosílica na pasta de cimento mostrou-se mais eficiente que a sílica ativa, pois a pozolanicidade depende da superfície específica do material, que é muito mais elevada na nanosílica. Segundo SADRMOMTAZI e FASIHI (2010), o uso da nanosílica também se mostrou eficiente no concreto reforçado com fibras de polipropileno. Quando apenas as fibras de polipropileno foram utilizadas no concreto, sua contribuição não foi muito positiva devido à má dispersão das mesmas. Porém, quando aplicadas juntamente com a nanosílica, o concreto ganhou mais resistência, pois o nanomaterial contribuiu para diminuir a porosidade da zona de transição entre as fibras e a pasta de cimento. Materiais cimentícios suplementares são largamente usados em concretos, seja na composição dos cimentos ou adicionados diretamente na betoneira. Esses materiais podem ser cimentantes, fillers ou pozolânicos. Seu efeito sobre as reações cinéticas é complexo devido à sua interação com as fases do clínquer. Nas primeiras idades, o efeito filer é dominante, levando ao crescimento das reações das fases do clínquer pelo crescimento da taxa de nucleação (LOTHENBACH et al, 2011). A reatividade das pozolanas depende da composição química, do grau de vitrificação e da finura do material, embora esses não sejam os únicos fatores que influenciam na reatividade (TAYLOR, 1987). As pozolanas foram originalmente usadas em concretos e argamassas devido a sua propriedade de reduzir o Ca(OH) 2 liberado durante a hidratação do cimento. O Ca(OH) 2 susceptível a ataques químicos é reduzido, e em seu lugar o C-S-H é formado, aumentando a durabilidade dos concretos (LEA, 1970). As pozolanas artificiais podem ser cinzas volantes, sílica ativa, cinzas de casca de arroz, entre outros materiais originados de processos industriais (LEA, 1970; MALHOTRA e MEHTA, 1996). Em média mundial, os cimentos contêm aproximadamente 5% de gesso, 12 % de materiais cimentícios suplementares (escórias de alto-forno, calcário e pozolanas) e 83% de clínquer (MEHTA, 2010). Devido ao crescimento da substituição de clínquer por materiais cimentícios suplementares, o teor de clínquer dos cimentos está sendo gradualmente diminuído, e consequentemente, as emissões de CO 2 produzidas pela indústria do cimento. Os nanomateriais utilizados como materiais cimentícios podem, portanto, contribuir para a redução dessas emissões. Atualmente, algumas adições minerais sofrem modificações para obtenção de suas partículas em escala nanométrica. A redução do tamanho das partículas pode melhorar as propriedades dos materiais cimentícios tais como o efeito filer e a pozolanicidade. A demanda de água e a trabalhabilidade de pastas de cimento contendo nanosílica foram avaliadas por QUERCIA et al (2012). Segundo os autores, além da atividade pozolânica da nanosílica, as pequenas partículas atuam como pontos de nucleação devido à sua elevada superfície específica, contribuindo para a precipitação do gel de C-S-H, acelerando seu efeito na pasta de cimento. Para teores de adição de nanosílica acima de 1,5% da massa do cimento, a pasta apresentou consistência bastante rija, em consequência do crescimento da área superficial que

4 produziu altas forças coesivas entre as partículas. A demanda de água também depende do empacotamento e da fração de vazios da pasta. No caso da melhoria do empacotamento entre os grãos, mais água estará disponível para lubrificar as partículas. Nesse estudo, a morfologia predominante das partículas de nanosílica utilizada foi a forma esférica (QUERCIA et al, 2012). A nanosílica reage rapidamente com o hidróxido de cálcio liberado durante a hidratação do cimento produzindo compostos mineralógicos similares aos produzidos pelo cimento, mais concretamente gel de CSH. A diferença do gel de CSH de origem cimento é que a fonte de origem nanosílica apresenta baixa densidade de defeitos e, consequentemente, ótimas propriedades mecânicas. Quando a nanosílica é incorporada a um aditivo orgânico elimina as dificuldades de manipulação e homogenização promovendo melhor desempenho dos concretos (SILICON, 2014). Poucos estudos avaliam o módulo de deformação de concretos com nanomateriais. As propriedades reológicas bem como as propriedades mecânicas e a microestrutura de concreto autoadensável com a adição de nano-sílica foram avaliadas por MAGHSOUDI et al (2010). Os resultados indicaram que houve melhoria da resistência à compressão, flexão e módulo de elasticidade dos concretos com nanosílica. No que diz respeito à mistura de nanosílica e sílica ativa, testes de durabilidade de concretos por penetração de cloretos mostraram que a nanosílica é mais eficiente que a sílica ativa nas mesmas condições. No entanto, em relação à mistura desses materiais, a combinação de ambas no concreto indicou melhor desempenho quando adicionadas isoladamente (GHASEMI et al., 2010). METODOLOGIA DA PESQUISA MATERIAIS UTILIZADOS O cimento utilizado nessa pesquisa foi o CPV ARI - PLUS por não conter adições pozolânicas ou escórias. As características do cimento estão na Tabela 1. Tabela 1 - Características do cimento Portland CP V ARI - PLUS. Análise Química Ensaios Resultados Limites NBR 5733 Resíduo Insolúvel (%) 0,73 1,0 Perda ao Fogo 1000 o C (%) 3,63 4,5 Perda ao Fogo 500 o C (%) 0,76 - SiO 2 (%) 19,37 - Al 2 O 3 (%) 4,73 - Fe 2 O 3 (%) 2,98 - CaO (%) 63,58 - MgO (%) 0,70 6,5 SO 3 (%) 2,98 4,5 CO 2 (%) 2,65 3,0 K 2 O (%) 0,82 - C 3 A (teórico) (%) 7,80 -

5 Ensaios Físicos Área Específica Blaine (cm²/g) Massa Específica (g/cm³) 3,07 - Finura Peneira # 400 (%) 2,5 - Início de Pega (min) Fim de Pega (min) Ensaios Mecânicos Resistência à Compressão (MPa) 1 Dia 28,7 14,0 3 Dias 40,5 24,0 7 Dias 44,8 34,0 28 Dias 54,0 - O agregado miúdo utilizado nos concretos foi uma areia lavada quartzosa, com módulo de finura igual a 2,40. O agregado graúdo adotado foi rocha gnaisse, de massa específica igual a 2,680 g/cm 3. Adotou-se uma proporção de 80 %, em massa, de rocha gnaisse de dimensão máxima característica de 19 mm e 20 %, em massa, de rocha gnaisse de dimensão máxima característica 12,5 mm. As dimensões dos agregados foram escolhidas em função do grande uso em concretos usinados no mercado da região metropolitana de Belo Horizonte. Nesta pesquisa também se utilizou a adição de sílica ativa. Esse material apresenta teor de SiO 2 maior do que 85%, superfície específica de m 2 /kg, massa específica de 2,220 g/cm 3 e formato de partícula esférico. O tamanho típico das partículas de sílica ativa está compreendido entre 200 e 1000 nm. A sílica ativa utilizada encontrava-se na forma de suspensão em água, em proporção 50:50. A quantidade de água presente na suspensão da sílica ativa foi descontada da água do traço do concreto a ser colocada na betoneira, mantendo-se, dessa forma, a relação água/cimento do mesmo. A nanosílica utilizada na pesquisa encontrava-se adicionada ao aditivo químico descrito na Tabela 2. A nanosílica se encontra dispersa homogeneamente no aditivo possibilitando sua perfeita dispersão na massa do concreto. O tamanho típico das partículas de nanosílica está compreendido entre 3 e 200 nm. Tabela 2 Características do aditivo SILICON NS AD 200. Nome do Produto SILICON NS AD 200 Identificação do Produto Aditivo de alta redução de água/superplastificante - Tipo II (SP-IN) / Aditivo neutro Nome Químico Policarboxilato modificado com nanosílica Faixa de Concentração 30,0 % Empregou-se um aditivo plastificante multifuncional retardador de pega, de densidade igual a 1,23 g/cm³. Esse aditivo pode ser utilizado em conjunto com aditivos superplastificantes e incorporadores de ar. A água utilizada foi a de abastecimento na região metropolitana de Belo Horizonte, fornecida pela COPASA.

6 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Para a realização dos ensaios foram fabricados três diferentes concretos, de acordo com a Tabela 3, onde os consumos dos materiais apresentados são por metro cúbico de concreto. O primeiro traço, descrito na Tabela 3, é o traço de referência, sem a adição de nanosílica e sílica ativa. O segundo traço possui adição de apenas nanosílica. Já o terceiro traço possui tanto a nanosílica quanto a sílica ativa. Os traços foram dosados para uma resistência característica à compressão f ck igual a 45 MPa e slump de 120 ± 20 mm. A sequência de colocação dos materiais na betoneira foi: 1) Colocação dos agregados graúdos na betoneira 2) Adição de metade da água do traço 3) Mistura até que todo o agregado miúdo ficasse molhado 4) Adição dos aglomerantes (cimento e sílica ativa) 5) Mistura por 30 segundos 6) Adição do aditivo modificado com nanosílica (traços contendo nanosílica) 7) Mistura por 30 segundos 8) Adição dos agregados miúdos 9) Mistura por 30 segundos 10) Adição do restante da água pouco a pouco, até a obtenção do abatimento desejado 11) Mistura por 60 segundos. Tabela 3 - Traços dos concretos. Concreto Referência Nanosílica Nanosílica e Sílica Ativa a/c 0,41 0,41 0,41 a/agl 0,41 0,41 0,40 Traço 1 : 1,26 : 0,43 : 1,72* 1 : 1,93 : 0,52 : 2,07* 1 : 1,84 : 0,50 : 2,01* Cimento (kg) Areia (kg) Brita 0 (kg) Brita 1 (kg) Água (l) Aditivo plastificante (kg) 3,86 (0,80%)** 3,21 (0,80%)** 3,21 (0,80%)** Suspensão de Sílica Ativa (kg) ,07 (7,0%)** Policarboxilato modificado com - 2,81 (0,70%)** 2,09 (0,52%)** nanosílica (kg) * Cimento : areia : brita 0 : brita 1 ** Percentual em relação à massa de cimento A trabalhabilidade dos concretos foi medida de acordo com a norma brasileira NBR 7223: Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone (ABNT, 1992). Os corpos de prova de concreto foram moldados segundo a norma NBR 5738: Concreto procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova (ABNT, 2003) em fôrmas de 10 cm de diâmetro por 20 cm de altura. No total foram moldados 45 corpos-de-prova, sendo 15 para cada traço. O adensamento dos corpos de prova foi realizado em duas camadas usando-se uma haste de adensamento. Após 24 horas, os corpos de prova foram desmoldados e imersos em tanque com água até a

7 data dos ensaios. Antes de serem ensaiados, os corpos de prova passaram por processo de retificação das superfícies superior e inferior, empregando-se um aparelho retificador. Os procedimentos de estudo de dosagem dos traços, trabalhabilidade, moldagem, cura e retificação dos corpos de prova foram executados no laboratório de concreto da empresa Wanmix, em Lagoa Santa, Minas Gerais, Brasil. Os ensaios de resistência à compressão foram realizados conforme a norma NBR 5739: Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos (ABNT, 1996). Foram rompidos 5 corpos-de-prova de cada traço para as idades de 3, 7 e 28 dias. Inicialmente, foram rompidos 2 corpos de prova para a determinação dos carregamentos adotados nos ensaios de módulo de deformação. Os ensaios de módulo foram realizados segundo a norma NBR 8522: Concreto determinação do módulo estático de elasticidade à compressão (ABNT, 1996). Foram ensaiados 3 corpos-de-prova de cada traço, nas idades de 3, 7 e 28 dias. As leituras das deformações foram obtidas por medidores elétricos (LVDT). A tensão superior correspondeu a 40% da resistência à compressão medida em cada idade. Os ensaios para avaliação das propriedades mecânicas dos concretos foram realizados em uma prensa Mohr FederHaff Losenhausen com capacidade de 200 toneladas. Ambos os ensaios foram realizados no laboratório de concreto da fábrica da Holcim, em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, Brasil. RESULTADOS E DISCUSSÃO A Tabela 4 apresenta os resultados de resistência média à compressão dos concretos em cada uma das idades com seus respectivos desvios-padrão; a Figura 1 ilustra esses resultados. Os valores dos desvios-padrão foram para todos os concretos e em todas as idades inferiores a 5 % da resistência medida na respectiva idade. Tabela 4 - Resistência à compressão dos concretos Resistência Média à Compressão (MPa) Concreto Idade = 3 dias Idade = 7 dias Idade = 28 dias Referência 50,0 ± 1,90 57,7 ± 1,36 70,0 ± 0,87 Nanosílica 64,4 ± 1,82 69,2 ± 1,67 76,6 ± 1,58 Nanosílica e Sílica Ativa 64,6 ± 1,36 79,3 ± 1,28 86,5 ± 1,74

8 3 dias 7 dias 28 dias Figura 1 - Resistência à compressão Resumo dos resultados. Com relação à resistência à compressão dos concretos, o traço somente com nanosílica obteve um acréscimo na resistência de 29% aos 3 dias, 20% aos 7 dias e 9% aos 28 dias, em relação ao traço de referência. Já o traço com a mistura de nanosílica e sílica ativa obteve um aumento de 30% aos 3 dias, 37% aos 7 dias e 24% aos 28 dias. Pelos resultados da Figura 1, conforme esperado, observou-se que a combinação da nanosílica com a sílica ativa (micro sílica) é mais eficiente com relação à resistência à compressão. Os melhores desempenhos para as idades de 7 e 28 dias podem estar relacionados ao desenvolvimento da atividade pozolânica de ambos os materiais. A Tabela 5 apresenta os valores médios do módulo de elasticidade estático secante dos concretos em cada uma das idades; a Figura 2 ilustra esses resultados. Os valores dos módulos foram calculados de acordo com as prescrições NBR 8522 (ABNT, 1996) com a tensão superior igual a 40% da resistência à compressão medida em cada idade. Tabela 4 Módulo de elasticidade estático secante dos concretos Módulo de elasticidade estático secante (MPa) Concreto Idade = 3 dias Idade = 7 dias Idade = 28 dias Referência Nanosílica Nanosílica e Sílica Ativa

9 3 dias 7 dias Figura 2 - Módulo de Deformação Resumo dos resultados. Os resultados mostrados na Figura 2 mostram um aumento significativo no módulo de elasticidade estático secante para os concretos com nanosílica e com combinação desta com a sílica ativa em relação ao concreto de referência para todas as idades estudadas. No entanto, para as idades de 3 e 7 dias ocorreu uma ligeira redução do módulo de elasticidade do concreto com nanosílica em relação ao concreto com a combinação dos dois materiais. Os resultados dessa pesquisa foram obtidos com uma economia de 82 kg de cimento por metro cúbico de concreto, representando 17% do consumo de cimento para o traço de referência. Observou-se, também, que os resultados obtidos nos ensaios de resistência à compressão são bastante superiores a resistência característica à compressão estipulada de 45 MPa aos 28 dias ou a resistência de dosagem (f cj ) considerando-se o desvio padrão para esta mesma idade. CONCLUSÕES De acordo com a análise dos resultados obtidos, observou-se um aumento substancial no módulo de elasticidade e na resistência à compressão dos concretos com nanosílica, mesmo com a redução do consumo de cimento. Os resultados evidenciam que o efeito da nanosílica é potencializado quando a mesma é combinada com a sílica ativa, uma vez que mistura de partículas de tamanho micro e nanométrico proporciona melhoria no fator de empacotamento das partículas, contribuindo para a diminuição da porosidade do concreto, e melhorando, assim, suas propriedades mecânicas. Além disso, a atividade pozolânica dos materiais contribui para a melhora dessas propriedades.

10 O fato da nanosílica já ser incorporada ao aditivo policarboxilato contribuiu para uma melhor aplicação e eficácia do material no concreto, promovendo melhor homogenização e maior facilidade de manuseio do concreto. O uso da nanosílica demonstrou ser bastante vantajoso, principalmente se misturada com a sílica ativa. Os resultados indicaram que a nanosílica é uma boa alternativa para que se produzam concretos com elevada resistência mecânica e redução no consumo de cimento. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à CAPES pelo suporte financeiro para o desenvolvimento dessa pesquisa, às empresas Wanmix Concreteira e Holcim Cimentos pelo suporte técnico para realização dos ensaios da pesquisa e à Tecnosil/Silicon pelo fornecimento da sílica ativa e da nanosílica. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR NM 67 Concreto determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro, ABNT NBR 5733 Cimento Portland de alta resistência inicial. Rio de Janeiro, ABNT NBR 5738 Concreto procedimento para moldagem e cura de corpos-deprova. Rio de Janeiro, ABNT NBR 5739 Concreto ensaio de compressão de corpos de prova cilíndricos de concreto. Rio de Janeiro, ABNT NBR 7223 Concreto: determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro, ABNT NBR 8522 Concreto determinação do módulo estático de elasticidade à compressão. Rio de Janeiro, AITCIN, P. C. Concreto de Alto Desempenho. São Paulo, PINI, BEAUDOIN J.J. Nanotechnology and concrete: Small Science for big changes. National Research Council Canada, Ottawa, Canada, CARDENAS, H.; KUPWADE-PATIL, K.; EKLUND, S. Corrosion mitigation in mature reinforced concrete using nanoscale pozzolan deposition. In: 2 nd International Conference on Sustainable Construction Materials and Technologies. Proceedings, Ancona, Milwaukee: UWM Center, 2010, v. 1, p GENGYING L.; Properties of High-volume ash concrete incorporating nano-sio 2. Cement and Concrete Research, Pergamon, 2004, v. 43, p

11 GHASEMI, A. M.; PARHIZKAR, T.; RAMEZANIANPOUR, A.; Influence of coloidal Nano-SiO 2 addition as sílica fume replacement material on properties of concrete. In: 2 nd International Conference on Sustainable Construction Materials and Technologies. Proceedings of Special Technical Sessions. Ancona, Milwaukee: UWM Center, 2010, p GLEIZE, P. J. P. Nanotecnologia e materiais de construção. In: G. C. ISAIA (Ed.) Materiais de construção civil e princípios de ciência e engenharia de materiais. São Paulo: IBRACON, v2. p GLEIZE, P. J. P.; PELISSER, F. Natureza da coesão do C-S-H e efeito de aditivos orgânicos na sua nanoestrutura. In: CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2007, 49, 2007, Bento Gonçalves. Anais... São Paulo: IBRACON, CD-ROM. LEA, F.M. The chemistry of cement and concrete. London: Edward Arnold Ltd., 3 rd ed., p. LI, G. Properties of high-volume fly ash concrete incorporating nano-sio 2. Cement and Concrete Research. 34 (2004) LI, G.Y.; WANG, P.M.; ZHAO, X. Mechanical behavior and microstructure of cement composites incorporating surfasse-treated multi-walled carbono nanotubes. Carbon. 43 (2005) LI, G. WANG, P.M.; ZHAO, X. Pressure-sensitive properties and microstructure of carbono nanotube reinforced cement composites. Cement and Concrete Composites. 29 (2007) LI, H.; XIAO H.; OU, J. A study on mechanical and pressure-sensitive properties of cement mortar with nanophase materials. Cement and Concrete Research. 34. (2004) LOTHENBACH, B. SCRIVENER, K. HOOTON, D.R. Supplementary cementitious materials. Cement and Concrete Research. 41 (2011) MAGHSOUDI, A. A.; MAGHSOUDI, M.; NOORI, M. Effect of nano particles on SCC. In: 2 nd International Conference on Sustainable Construction Materials and Technologies. Proceedings of Special Technical Sessions, Ancona, p MALHOTRA, V.M.; MEHTA, P. K., Pozzolanic and cementitious materials. Advances in Concrete Technology, CANMET, Ottawa, Canada: Gordon and Breach Publishers. v. 1, p. MEHTA, P. K. Sustainable cements and concrete for the climate change era a review. In: 2 nd International Conference on Sustainable Construction Materials and Technologies. Proceedings, Ancona, v. 1, p SADRMOMTAZI, A.; KHEIRKHAH, F.; FASIHI, A.; HAGHI, A. K.; Properties of Rice Husk Ash Concrete Containing Nano-SiO 2. In: 2 nd International Conference on Sustainable Construction Materials and Technologies. Proceedings Ancona, Milwaukee: UWM Center, v. 1, 2010 p

12 SADRMOMTAZI, A.; FASIHI, A.; Preliminary Study on the Mechanical Behavior of Mortar Containing Waste Polypropylene Fiber and Nano-SiO 2. In: 2 nd International Conference on Sustainable Construction Materials and Technologies, Proceedings... Ancona, Milwaukee: UWM Center, v.1., 2010 p SILICON. Inovar e investor em tecnologia faz parte do nosso DNA - Nanotecnologia. Disponível em: Acesso em: maio, QUERCIA, G. HÜSKEN, G. BROUWERS, H.J.H. Water demand of amourphous nano sílica and its impact on the workability of cement paste. Cement and Concrete Research. 42 (2012) TAYLOR, H.F.W. Cement Chemistry. London: Thomas Telford, 2 nd ed., p. YAZDANBAKHSH, A.; GRASLEY, Z. The theoretical maximum achievable dispersion of nanoinclusions in cement paste. Cement and Concrete Research. 42 (2012)

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica SUBSTITUIÇÃO DE PARTE DO CIMENTO POR FINOS INERTES DE PEDREIRA EM CONCRETOS COM BAIXO FATOR A/C Tiago Lopes Garcia 1,4 ;Vitor Cunha Naves 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Bruno de Carvalho Barros 3,4 ; Cristiano

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-57 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Antônio Luiz Guerra Gastaldini (1) Arquiteto pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutor

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Considerations on the production process of high-performance concretes for precast structures Alessandra

Leia mais

Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil

Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil Caracterização de Cinza de Casca de Arroz Com e Sem Queima Controlada Utilizadas em Argamassas RIGHI Débora P. 1, a, NAKANISHI Elizabete Y.B. 2, b e MOHAMAD Gihad 3, c 1 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis

Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis 3º Congresso Ibéroamericano sobre betão auto-compactável Avanços e opórtunidades Madrid, 3 e 4 de Dezembro de 2012 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis T. M. Grabois Programa

Leia mais

Estudo da viabilidade da utilização da rocha dunito, proveniente de Catas Altas - MG, como agregado para concreto

Estudo da viabilidade da utilização da rocha dunito, proveniente de Catas Altas - MG, como agregado para concreto 1 Estudo da viabilidade da utilização da rocha dunito, proveniente de Catas Altas - MG, como agregado para concreto Luciano Garcia de Assis lucianogarc@gmail.com Fabrício Moura Dias fmdias2@hotmail.com

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin

Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.17, p.5-31, Maio, 011 Propriedades mecânicas de concreto laterítico com metacaulim Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin Dênio Ramam Carvalho

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE AGREGADOS GRAÚDOS DE DIFERENTES MINERALOGIAS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

A INFLUÊNCIA DE AGREGADOS GRAÚDOS DE DIFERENTES MINERALOGIAS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO A INFLUÊNCIA DE AGREGADOS GRAÚDOS DE DIFERENTES MINERALOGIAS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO A. G. Magalhães (1) ; E. P. de França (2) ; M. T. P. Aguilar (3) ; J. M. Calixto (1)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

Planejamento experimental

Planejamento experimental 3 Planejamento experimental Essa etapa é composta pela exposição das variáveis de estudo, caracterização dos materiais, consistência do concreto fresco, plano experimental com as famílias de concreto estudadas,

Leia mais

Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil

Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil Evaluation of the influence of high dosages of midrange admixtures in concrete

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO RESUMO PORCELANATO Flávia Cauduro (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de desperdícios e gastos desnecessários na construção civil

Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de desperdícios e gastos desnecessários na construção civil CONCRETO REDIMIX DO BRASIL S/A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SINDUSCON PREMIUM 2012 Inovação Tecnológica Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de

Leia mais

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Curing Systems in Concretes made with Blast Furnace Portland Cement with Silica Fume Bardella,

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

citar a trabalhabilidade, a coesão, a segregação, a exsudação e o ar incorporado como sendo as mais importantes.

citar a trabalhabilidade, a coesão, a segregação, a exsudação e o ar incorporado como sendo as mais importantes. Importância do Controle de Qualidade do Concreto no Estado Fresco Prof. Dr. André Luiz Bottolacci Geyer Professor Doutor, Escola de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás -UFG. Eng. Rodrigo

Leia mais

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas Alessandra Lorenzetti de Castro 1 & Jefferson Liborio

Leia mais

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA E.C.S. - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha 1 / MICROSÍLICA Microsilica (SiO 2 ) é um sub-produto da fabricação do silício metálico e das ligas de ferrosilício em fornos elétricos a temperaturas de 2000

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ²

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ¹ Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 JORNADAS SAM/ CONAMET/ SIMPOSIO MATERIA 2003 07-03B ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 Effting 1, C.; Bressan 2, J.D. 1 Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC),Caixa Postal 631, Joinville,

Leia mais

Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos

Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos PATOLOGÍAS DE LAS CONSTRUCCIONES Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos Senisse, Juliana A. de Lima 1,a, Dal Molin, Denise

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA

INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA THE EFFECT OF INCREASING THE SLUMP BY THE ADDITION OF

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 REGULAMENTO DO 2º CONCURSO CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 1/11 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a habilidade dos competidores na preparação de concretos resistentes

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONCRETOS FABRICADOS COM AGREGADOS GRAÚDOS DISPONÍVEIS EM SANTARÉM E REGIÃO OESTE DO PARÁ

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONCRETOS FABRICADOS COM AGREGADOS GRAÚDOS DISPONÍVEIS EM SANTARÉM E REGIÃO OESTE DO PARÁ Revista SODEBRAS Volume 10 N 113 MAIO/ 2015 AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONCRETOS FABRICADOS COM AGREGADOS GRAÚDOS DISPONÍVEIS EM SANTARÉM E REGIÃO OESTE DO PARÁ CARLOS TADEU ARANTES MAIA¹;

Leia mais