Sandra Regina Bertocini (1); Victor Rondon Pereira França (2); Henrique Lopes Siqueira (3) Guilherme Azuaga Fleitas (4).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sandra Regina Bertocini (1); Victor Rondon Pereira França (2); Henrique Lopes Siqueira (3) Guilherme Azuaga Fleitas (4)."

Transcrição

1 Resumo Estudo de caso: Adequação de traço de CAA com uso de areia de britagem na indústria de pré-fabricado. Study of case: adequacy of self compacting concrete (SCC) trait using sand from the gsravel in the precast industry. Sandra Regina Bertocini (1); Victor Rondon Pereira França (2); Henrique Lopes Siqueira (3) Guilherme Azuaga Fleitas (4). (1) Mestra, UFMS. (2) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, UFMS. (3) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, UFMS. (4) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, UFMS. O concreto auto adensável (CAA) é uma tecnologia desafiadora para a produção de pré-fabricados cuja utilização, apesar de estar aumentando consideradamente, ainda é pequena. Um dos motivos para sua pouca aplicação é a falta de conhecimento técnico sobre o assunto entre os tecnologistas do concreto. Neste trabalho, foi proposta uma adequação de traço de CAA para aplicação em peças de difícil execução da indústria de pré-fabricado, com um bebedouro para gados. Para esta adequação, foi utilizada areia de britagem basáltica produzida pelo Barmac, sendo uma das grandes opções do mercado devido a sua distribuição granulométrica e forma dos grãos, além de ser ambientalmente correta em relação ao uso da areia natural. Para comprovar a eficiência foram realizados vários traços de CAA com o uso de areia de britagem, verificando a resistência à compressão, a trabalhabilidade e o custo. A comprovação do traço CAA foi eficiente para a peça estudada. Palavras-chave: CAA, areia de britagem, pré-fabricado. Abstract The self-compacting concrete (SCC) is a technology challenging to use in precast, in spite of its use has been growing up, still it is short. One of the reasons is the lack of knowledge of the worker in concrete technology. This study was proposed an adequacy of the selfcompacting concrete stroke in the precast industry to use in great difficult executions pieces. In this case was used in drinkers for livestock. To this adequacy was used sand from the basaltic gravel produced by Barmac, which is one of the great options of the market because its grain size distribution and the form of the grains, and it is more environmentally correct than natural sand. To prove the efficiency were performed many self-compacting concrete stroke using sand from basaltic gravel, verifying resistance to pressure, consistency and cost. The proof of the self compacting concrete stroke was efficient in pieces studied. Keywords: self compacting concrete, sand from gravel, precast. 1

2 1. Introdução Segundo a ABNT NBR 9062:2006, elementos pré-fabricados são aqueles produzidos em indústrias especializadas com instalações destinadas para essa função. A mão de obra deve ser qualificada, os materiais devem passar por uma caracterização de suas propriedades, o concreto deve ser desenvolvido de maneira experimental e os produtos precisam obedecer a um controle de qualidade. A utilização de pré-fabricados, de maneira geral, possibilita a execução de construções em menores prazos, tendo em vista uma maior velocidade de produção, e garante um retorno rápido do investimento. Esse tipo de sistema construtivo requer um modelo elaborado de produção, eliminando totalmente a imprevisibilidade. O uso de concreto auto adensável tem contribuído para aumentar o nível de industrialização, eliminado alguns problemas decorrentes do processo convencional de concretagem, consequentemente da ineficiência da vibração mecânica, dessa forma é possível minimizar o re-trabalho. De acordo com Tutikian e Dal Molin (2008), não se pode evidenciar somente o estudo do concreto convencional (CCV), pois o mercado requer um concreto com características especiais para a produção de elementos arquitetônicos. O concreto auto adensável (CAA) é uma tecnologia com grande potencial possuindo muitas vantagens em relação ao concreto convencional, entre elas: acelera a construção, reduz o gasto com a mão de obra, melhora o acabamento do produto, não utiliza vibração eliminando ruídos. O CAA exige uma mistura com alta fluidez, viscosidade satisfatória e coesão. Essas propriedades devem garantir um fluxo contínuo e uniforme do concreto de forma a preencher todos os vazios na concretagem e não apresentando segregação, desenvolvendo habilidades passantes sem a utilização de vibração (GOMES & BARROS, 2009). A ABNT NBR :2010 destaca o controle do concreto auto adensável na indústria de pré-moldados, que deve ser classificado de acordo com as normas ABNT NBR :2010, ABNT NBR :2010, ABNT NBR :2010 e ABNT NBR :2010, deste modo determinando suas propriedades reológicas. A frequência de ensaios para verificar a qualidade do CAA utilizado na indústria depende do tipo de elemento produzido, no caso de um elemento estrutural, por exemplo, os ensaios devem ser realizados uma vez ao dia por traço de CAA produzido. Este trabalho foi desenvolvido em uma empresa de pré-fabricados e tem como objeto o desenvolvimento de um bebedouro para gado utilizando o CAA com o intuito de superar as dificuldades ocasionadas pela grande quantidade de aço aplicada no elemento em questão. No traço do CAA estão presentes: escória de alto-forno, cimento CP V-ARI, areia natural, areia de britagem basáltica, pedrisco, água e aditivo superplastificante. Figura 1 - Bebedouro para gado: Modelo virtual exemplificando o uso do elemento 2

3 2 Metodologia 2.1 Seleção dos materiais Para a escolha dos materiais utilizados no traço de concreto analisou-se, primeiramente, a disponibilidade dos materiais utilizados na região de Campo Grande MS, também o tempo de execução necessário para produção dos elementos em questão e o fator de empacotamento dos materiais. O cimento empregado foi o CP V-ARI, tendo em vista que, por se tratar de uma empresa de pré-moldados, há a necessidade de uma alta resistência inicial nos elementos produzidos a fim de acelerar o processo de produção. Não foi realizado ensaio do cimento CP V ARI. Foi utilizado no traço de CAA 15% de escoria de alto forno encontrado na cidade de Ribas do Rio Pardo próximo de Campo Grande-MS, este material foi escolhido por estar estrategicamente bem localizado evitando custos adicionais. Para os estudos da dosagem do CAA foi utilizado à metodologia de IPT/USP e de Tutikian. Os agregados utilizados foram: areia natural de cava, areia de britagem basáltica e pedrisco. O pedrisco foi utilizado no estudo porque as paredes do bebedouro tem uma espessura de 5cm tornando muito difícil a concretagem. Foi realizado ensaio de caracterização de todos os agregados. Para as misturas das areias natural e de britagem foi realizado ensaio de massa unitária no estado compactado de acordo com a norma ABNT NBR NM 45:2006. Foram realizadas varias proporções de 20%, 30% e 40%. Quando realizamos as misturas de concreto com estas percentagens verificamos que a melhor mistura foi de 40%, quanto aspecto e resistência. Aplicou-se aditivo superplastificante, sendo este um polímero policarboxílico, com a intenção de se obter uma alta fluidez na mistura sem aumentar o fator água/cimento. As características do produto foram fornecidas pelo fabricante. Foi utilizada a metodologia da melhor percentagem do dispersante utilizado no traço deste CAA a partir da metodologia de Tutikian (2008). Primeiramente no laboratório da UFMS produzimos o traço (T0) convencional que a empresa usa atualmente, como referência e mais três traços de acordo com a metodologia IPT/USP e de Tutikian, como os m=4,0; 5,0 e 6,0, e foi escolhido o traço T1 de m=5,0, com teor de argamassa de 54% que foi o que mais atendeu as exigências da empresa quanto à resistência a compressão, ralação água/cimento e consumo de cimento. Na empresa realizamos o primeiro traço (T1) e tivemos que fazer um ajuste, porque no laboratório os agregados foram utilizados secos e na fabrica eles estavam úmidos. O traço ajustado na fabrica foi chamado de TF (traço da fabrica). Para as misturas tanto no laboratório como na fabrica os traços (T0, T1 e TF) foram realizamos ensaios do concreto no estado fresco, determinação do espalhamento do cone de Abrams(slump-flow), determinação da habilidade passante método da caixa L e a viscosidade-método do funil V, foram moldados corpos de prova (CP s) de 10x20cm para realização de ensaio a resistência à compressão axial com idade de 21 horas; 48 horas; 7 e 28 dias, sendo que somente para o traço TF foram ensaiados 21 e 48 horas há pedido da empresa. 3

4 3. Resultados e Discussões 3.1 Adição Foi utilizada neste trabalho a adição de escoria de alto forno produzida em Ribas do Rio Pardo do estado de MS. Massa especifica de 2,82 g/cm 3 (fornecido pela empresa). O gráfico 1 apresenta o resultado granulometria da escoria de alto forno, verificamos que ela é mais fina que o cimento CPV ARI usado com comparação. Gráfico 1 Granulometria da escoria de alto forno Rebman, Agregados Para desenvolver o CAA foram realizados ensaios de caracterização completa dos agregados, observando-se as normas brasileiras vigentes (ABNT NBR NM 45:2006, ABNT NBR NM 52:2009, ABNT NBR NM 53:2009, NM 64:1996, NBR NM 46:2001, NBR NM 49:2001, NBR NM 248:2003). Destacam-se as propriedades na tabela1 e as curvas granulométricas dos agregados nos gráficos 2, 3 e 4. Determinações - segundo a NBR NM 248/2003 Abertura das Malhas (mm) ,5 9,5 6,3 4,8 2,4 1,2 0, , , Dimensão Máxima Características (mm) 0,6 Módulo de Finura Gráfico 2 Curva granulométrica da A.N. (Areia Natural) Porcentagem Retida Média Individual (g) A.N. Acumulada A.N. 1,29 PORCENTAGEM RETIDA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DA A.N. 0, ABERTURA DA MALHA Acumulada A.N. limite inferior zona ótima limite superior zona utilizavel limite inferior zona utilizavel limite superior zona ótima 4

5 O gráfico 2 mostra que a areia natural quartzosa de cava apresenta um limite muito inferior a norma ABNT NBR 7211:2009, sendo inferior ao limite inferior a zona utilizável ,5 9,5 6, , , , , , , Dimensão Máxima Características (mm) Módulo de Finura Gráfico 3 Curva granulométrica da A.B. (Areia de Britagem) Determinações - segundo a NBR NM 248/2003 Abertura Porcentagem Retida das Média Acumulada Malhas Individual A.B. (mm) (g) A.B. 4,8 3,36 PORCENTAGEM RETIDA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DA A.B. 0, ABERTURA DA MALHA Acumulada A.B. limite inferior zona ótima limite superior zona utilizavel limite inferior zona utilizavel limite superior zona ótima O gráfico 3 mostra que a areia de britagem encontra-se ligeiramente superior ao limite superior da zona utilizável. Portanto, devido à característica das areias natural e de britagem foi necessário um mistura para garantir uma melhor distribuição granulométrica e diminuir o consumo de cimento. Gráfico 4 Curva granulométrica do pedrisco Determinações - segundo a NBR ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DO PEDRISCO NM 248/2003 Abertura das Malhas (mm) , , , , , ,2 98 0,6 98 0,3 98 0,15 98 Dimensão Máxima Características (mm) 9,5 Módulo de Finura Porcentagem Retida Média Individual Pedrisco Acumulada Pedrisco 5,9 PORCENTAGEM RETIDA ABERTURA DA MALHA Acumulada Pedrisco limite inferior limite superior No gráfico 4 apresenta a distribuição granulométrica do pedrisco onde observamos que sua distribuição esta praticamente dentro dos limites de acordo com a norma ABNT NBR 7211:2009, a tabela 1 apresenta os resultados da caraterização dos agregados usado. 5

6 Tabela 1 Características dos agregados Agregado Massa Específica Massa Unitária (g/cm³) Dimensão Max. (mm) Módulo de Finura Material Pulverulento (g/cm³) Solto Compactado AN 2,65 1,47 1,79 0,6 1,29 3,1% Ab 2,83 1,64 2,02 4,8 3,36 8,1% Pe 2,85 1,59 1,71 9,5 5,91 4,5% Legenda: AN = Areia Natural, Ab = Areia de Britagem, Pe = Pedrisco. Os materiais: areia natural e pedrisco estão atendendo a ABNT NBR 7211:2009 devido à quantidade de materiais finos que passa através da peneira 75 µm por lavagem (material pulverulento) que deve ser no máximo de 5,0% concretos protegidos do desgaste superficial, sendo os valores são 3,1% e 4,5% respectivamente. Para a areia de britagem 4,5% de material pulverulento também esta de acordo com a norma, que pode ser no máximo de 12% para concretos protegidos do desgaste superficial. 3.3 Dispersante (Aditivo superplastificante) Para encontrar a melhor relação de aditivo utilizado no traço de concreto, foi utilizada a metodologia proposta por Tutikian (2008), onde o resultado é obtido empiricamente, fazendo a adição do dispersor até atingir a fluidez desejada, porém observando se não ocorre a segregação do concreto. Começando com 0,3% de dispersante e adicionando pouco a pouco até atingir a classe de espalhamento SF1, foi obtida em laboratório a relação de 0,8%. 3.4 Desenvolvimentos das dosagens Dosagem no Laboratório Primeiramente foi realizado mistura do traço de concreto convencional (CCV) T0 fornecido pela indústria de pré-fabricados. A dosagem do traço de CAA utilizado foi obtida experimentalmente, realizando ensaios e estudos, levando em consideração as propriedades dos materiais utilizados. Deste modo desenvolvemos vários traços e chegamos a um dos que garantia as características exigidas pela empresa (T1). Destacam-se na tabela 2 as propriedades dos traços T1 e T2, as resistências à compressão apresentada na tabela 2 são os maiores valores destes na tabela 2. Tabela 2 Propriedades dos traços desenvolvidos slumpflow 500 Tensão (MPa) Traço a/c α m Slump t 7 dias 28 dias Traço Unitário 1 : 2,566 : 3,877 : 0,97% (C:AN:Pe:ad) T0 0,61 0,479 6, mm ,00 31,07 Traço unitário - 0,85 : 0,15 : 1,344 : 0,896 : 2,76 : 0,8% ( C:Es:AN:Ab:Pe:ad) T1 0,527 0,54 5,0 43 mm 800 mm < 0,2 s 34,60 42,50 Legenda: C=Cimento, Es=Escória, NA=Areia Natural, Ab=Areia de Britagem, Pe= Pedrisco, ad=aditivo 6

7 A figura 2 apresenta o aspecto da mistura do traço T1 (CAA) produzido no laboratorio. Figura 2 Mistura T1 (CAA) no Laboratório Dosagem na Fabrica Durante aplicação do concreto T1 na fábrica foram respeitadas todas as características obtidas no laboratório, cabendo citar que as condições de trabalho diferenciam-se, junto à isso temos que a proporção de concreto utilizado na fábrica foi muito maior e o misturador é planetário, sendo que no laboratório foi usada betoneira estacionária e a quantidade de cimento utilizado em laboratório foi muito menor. Já se esperava um ajuste no traço, como ocorreu. Não foi realizado o traço T0 na fabrica durante a aplicação do CAA, porque este foi usado somente como referencia, porém acompanhamos a produção do mesmo em outra data. O traço de CAA aplicado na fábrica sofreu ajuste, se este chamado de TF. Para garantir as propriedades desejadas se modificou somente a quantidade de aditivo, de 0,8% para 0,9%. Segue a tabela 3 onde comparamos as propriedades e resistências dos traços desenvolvidos, usando o maior valor de resistência à compressão dos CP s, em laboratório com o traço aplicado na empresa já com seu ajuste. Tabela 3 Propriedades do traço aplicado na fábrica Traço a/c α M Slump slumpflow t 500 Tensão (MPa) Traço unitário: 0,85 : 0,15 : 1,344 : 0,896 : 2,76 : 0,8% ( C:Es:AN:Ab:Pe:ad) 7 dias 28 dias T1 0,527 0,54 5,0 43 mm 800 mm < 0,2 s 34,60 42,50 Traço unitário: 0,85 : 0,15 : 1,344 : 0,896 : 2,76 : 0,9% ( C:Es:AN:Ab:Pe:ad) 21 hs 48 hs 28 dias TF 0,38 0,54 5,0 40 mm 786 mm < 0,2 s 14,25 27,93 53,08 Legenda: C=Cimento, Es=Escória, NA=Areia Natural, Ab=Areia de Britagem, Pe= Pedrisco, ad=aditivo Ensaio slump-flow TF (Cone de Abrams) Atendendo às normas ABNT NBR :2010, ABNT NBR :2010 e ABNT NBR :2010, realizamos os ensaios slump-flow, caixa L e funil V. Foi realizado o teste slump-flow do traço TF a fim de obter a classe de espalhamento do CAA, nota-se também na figura 3 que foi possível observar que a mistura se manteve coesa, resistente à segregação. 7

8 Tabela 4 Ensaio slump-flow Diâmetro 1 Diâmetro 2 Diâmetro 3 Média = (D1+D2+D3)/3 780 mm 780 mm 800 mm 786,66 mm Figura 3 Ensaio slump-flow Ensaio Funil V e Caixa L TF Na tabela 5 apresenta os resultados dos ensaios de caixa L e funil V do traço TF realizado na fabrica de acordo com a ABNT NBR :2010. Tabela 5 Ensaio Caixa L e Ensaio Funil V Ensaio: Caixa L Altura 1 (ensaio 1) 50 mm Altura 2 (ensaio 1) 120 mm H2/H1 2,4 Ensaio: Funil V T. Escoamento (ensaio 1) 3,40 s T. Escoamento (ensaio 2) 3,90 s Média 3,65 s Na figura 4 mostra os ensaios realizados com o traço TF de caixa L e funil, mostrando a eficiência da mistura. Figura 4 Ensaios Caixa L e Funil V A tabela 6 apresenta os parâmetros do concreto auto adensável após a realização dos ensaios da figura 4. Verificou que os resultados encontrados no traço TF esta de acordo com os parâmetros da norma de CAA (ABNT NBR , ABNT NBR e ABNT NBR ). O traço TF atingiu a expectativas da empresa e na hora de executar, nos ensaios e nas resistências prevista pela empresa. 8

9 Tabela 6 Parâmetros do CAA do TF Ensaios Classes Parâmetros Método de ensaio Classe de Espalhamento SF3 760 a 850 mm ABNT NBR T500 Viscosidade VS1 2 s ABNT NBR Caixa L (H2/H1) PL2 0,80 com três barras de aço ABNT NBR Funil V VF1 < 9 s ABNT NBR Execução do Bebedouro na fabrica Para se verificar as diferenças existentes entre a aplicação do CAA versus CCV, concretou-se 2 Bebedouros, sendo um de cada tipo, conforme pode ser visto nas figuras 5 e 6. A figura 5 mostra a execução do bebedouro com o CCV, os operários estão sobre a peça para colocação do concreto e após a realização de adensamento através de mesa vibratória a peça é retirada e colocada no chão para aguardar ser retirada da forma. A empresa tem aproximadamente 5 formas iguais. Figura 5 Bebedouro de litros sendo concretado com CCV sobre uma mesa vibratória Na figura 6 mostra a execução do bebedouro com o CAA com o traço (TF), o concreto sendo colocado na peça com a forma no chã e somente três operários para execução do serviço. Figura 6 Bebedouro de litros sendo concretado com CAA sobre o chão Observou-se que na aplicação do CAA houve algumas vantagens, destacando-se: 1) Concretagem dos bebedouros sobre o chão, não havendo necessidade de mesa vibratória; 2) Eliminação de um grande ruído devido à mesa vibratória; 3) Melhor acabamento superficial com redução de estucagem do bebedouro; 4) Maior segurança dos colaboradores devido ao trabalho em altura; 5) Menor quantidade de trabalhadores envolvidos. 9

10 Na figura 7 observamos a diferença de acabamento dos dois concretos, concluindo que o CAA atribuir um acabamento muito melhor que o CCV. Figura 7 Diferença de acabamento entre bebedouro com CCV (à esquerda) e CAA (à direita) Consumo do Traço de concreto Na tabela 7 apresenta os traços T0, T1 e TF as suas propriedades (relação agua/cimento, teor de argamassa, materiais secos, abatimento, slump-flow, tempo t 500, resistências e o seu consumo de cimento). Tabela 7 Consumo do Concreto e suas propriedades Traço a/c α m Slump slumpflow t 500 Consumo de cimento Traço Unitário - 1:2,566:3,877 (C:AN:Pe:0,97%) T0 0,61 0,479 6, mm ,00kg/m 3 Traço unitário - 0,85 : 0,15 : 1,344 : 0,896 : 2,76 : 0,8%( C:Es:AN:Ab:Pe:ad) T1 0,55 0,54 5,0 43 mm 800 mm <0,2 s 378,29 kg/m 3 Traço unitário - 0,85 : 0,15 : 1,344 : 0,896 : 2,76 : 0,9%( C:Es:AN:Ab:Pe:ad) TF 0,38 0,54 5, <0,2 s 400,57kg/m 3 Legenda: C=Cimento, Es=Escória, NA=Areia Natural, Ab=Areia de Britagem, Pe= Pedrisco, ad=aditivo O gráfico 5 mostra os consumo de cimento pro metro cúbico dos três traços de concretos. Gráfico 5 Traço de Concreto x Consumo de Concreto Traço x Consumo Consumo ,91 400,57 378,29 Traços de Concreto T 0 10

11 O gráfico 5 pode observar que o consumo de cimento por metros cúbicos do traço T0 se apresentou menor do que nos traços T1 e TF. O CAA T1 (laboratório) apresentou um consumo menor que do traço TF (fabrica), mas devido o ajuste deste traço tivemos um aumento de 22,28 kg/m 3 de cimento, a resistência do concreto TF se apresentou aproximadamente 25% maior que do traço T1. A proposta da empresa é de um concreto de 35MPa ao 28 dias de idade, poderemos agora ajustar o traço e chegar às resistências de projeto da empresa. O gráficos 6 apresenta as resistências à compressão dos traços utilizados. Gráfico 6 Traços de Concreto x Resistências à compressão Traço x Resistência Resistência à compressão ,08 42,5 31,07 Traços de Concreto T0 T1 TF No gráfico 6 mostra as resistências obtidas aos 28 dias de idade, onde podemos observar que o T0 apresenta menor resistência à compressão em relação aos outros traços. O traço T1(laboratório) foi eficiente para o objetivo proposto. O traço TF apresentou resistência acima do que o projeto da fabrica estava desejando, mas agora poderemos realizar um ajuste para adequar a nova resistência. A empresa forneceu custo estimado dos materiais do concreto para CCV e CAA, mão de concretagem, acabamento. Na tabela 8 mostra os custos finais, aproximados, relacionados à com concreto auto adensável X Concreto convencional. Tabela 8 Custos relacionados à produção dos bebedouros. Mão-de-obra de Mão-de-obra de Custo Valor do material concretagem. acabamento Total Concretos concreto (R$) por tempo valor tempo valor Valor peça (min) (R$) (min) (R$) (R$) CAA 158,69 9 5, ,18 165,68 CCV 128, , ,92 141,09 O custo total do CAA apresenta valor maior que o CCV, mas competitivo, principalmente quando poderemos ajustar o traço TF com menor consumo de cimento por metros cúbicos. 11

12 4. Conclusão Neste trabalho foi utilizada mistura de areia natural (60%) e de britagem (40%) para garantir uma melhor distribuição granulométrica e proteger as nossas jazidas de areia naturais. Os agregados utilizados neste trabalho estão de acordo com a norma ABNT NBR 7211:2009 referente a materiais pulverulentos. A utilização de 15% escoria de alto forno em substituição ao cimento garantindo um menor consumo de cimento por metro cubico de concreto e melhor durabilidade dos concretos preenchendo melhor os poros, além disso, este material é viável devido à produção em nosso estado. A porcentagem ideal do aditivo superplastificante no traço de CAA foi adotada como 0, 8%, para o T0 e para o T1 0,9%, concluindo que foi necessário um ajusto do traço do laboratório para o da empresa, tonado o traço mais resistente que o T1). O concreto auto adensável, quando comparado com o concreto convencional aplicado na empresa apresentou um maior consumo de cimento por metro cubico na ordem de 22kg, mas neste caso a empresa estava preocupada na execução devido as bicheiras produzidas e principalmente por ser um bebedouro que deve garantir sua estanqueidade. O CAA aplicado na indústria de pré-moldado ateneu todas as expectativas quanto à resistência à compressão, durabilidade e garantindo a estanqueidade da peça. Concluímos que o CAA apresenta valores maiores no custo de produção, mas como a resistência do concreto TF ficou acima dos valores estimados pela fabrica, deverá diminuir consideradamente o custo final. Percebe-se, também que a utilização do CAA é viável economicamente. Apesar de o custo do m 3 de CAA ser superior ao custo do concreto convencional, quando se soma os valores reduzidos na concretagem e no acabamento final do produto, tem-se que o custo é competitivo, diferença de R$ 24,59. Considerando que o CAA permite uma maior produtividade, uma melhoria acentuada do ambiente fabril, a produção de elementos estruturais de maior vida útil (desempenho), tem-se que a hipótese de aplicação do CAA em uma indústria de pré-fabricados é viável. Fato este evidenciado pela crescente utilização do CAA em Indústrias de pré-fabricados por todo País. 5. Referências TUTIKIAN, B.F., DAL MOLIN, D.C. (2008). Concreto auto-adensável. PINI. São Paulo - SP - Brasil. El Debs, M. K. (2000). Concreto Pré-Moldado: Fundamentos e Aplicações. EESC- USP. São Carlos SP Brasil. BASTOS, S. R. B. (2002). Uso da areia artificial britada em substituição parcial à areia fina para a produção de concretos convencionais. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis SC Brasil. ABNT NBR NM 45:2006: Agregados Determinação da massa unitária e do volume de vazios. NBR NM 49:2001: Agregado miúdo Determinação de impurezas orgânicas. ABNT NBR NM 53:2009: Agregado graúdo Determinação da massa específica, massa específica aparente e absorção de água. 12

13 NBR NM 248:2003: Agregados Determinação de composição granulométrica. NM 46:2001: Agregados Determinação do material fino que passa através da peneira 75 µm, por lavagem. ABNT NBR 7211:2009: Agregados para concreto Especificação. ABNT NBR NM 52:2009: Agregado miúdo Determinação da massa específica e massa específica aparente. NM 64:1996: Agregado graúdo Determinação de absorção de água. ABNT NBR 9062:2006: Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado. ABNT NBR :2010: Concreto auto-adensável. Parte 1 Classificação, controle e aceitação no estado fresco. ABNT NBR :2010: Concreto auto-adensável. Parte 2 Determinação do espalhamento e do tempo de escoamento Método do cone de Abrams. ABNT NBR :2010: Concreto auto-adensável. Parte 3 Determinação da habilidade passante Método do anel J. ABNT NBR :2010: Concreto auto-adensável. Parte 4 Determinação da habilidade passante Método da caixa L. ABNT NBR :2010: Concreto auto-adensável. Parte 5 Determinação da viscosidade Método do funil V. ABNT NBR :2010: Concreto auto-adensável. Parte 6 Determinação da resistência à segregação Método da coluna de segregação. 13

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O.

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Maceió-Alagoas outubro/2012 Objetivos do Trabalho - Avaliar se a trabalhabilidade do

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Avanços e Inovações na Normalização Técnica de Concreto. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Avanços e Inovações na Normalização Técnica de Concreto. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Avanços e Inovações na Normalização Técnica de Concreto Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL menor desperdício de materiais menor desgaste de equipamentos

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. Luciana de Nazaré Pinheiro Cordeiro (1), Edison Estivalete Bilhalva Junior

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Planejamento experimental

Planejamento experimental 3 Planejamento experimental Essa etapa é composta pela exposição das variáveis de estudo, caracterização dos materiais, consistência do concreto fresco, plano experimental com as famílias de concreto estudadas,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Aditivos; Concreto Auto-Adensável Adensável (CAA): Definições,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL

UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL 1 OBJETIVOS O presente trabalho tem por objetivo apresentar uma nova técnica para execução

Leia mais

Fundamentos básicos do método

Fundamentos básicos do método MÉTODO DO IPT Fundamentos básicos do método I LEI DE ABRAMS: Para um certo conjunto particular de materiais, a resistência do concreto é função da relação a/c. f cj = K 1 / k 2 (A/C) II LEI DE LYSE: Para

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

Emprego do CAA na indústria de concreto pré-fabricado

Emprego do CAA na indústria de concreto pré-fabricado Emprego do CAA na indústria de concreto pré-fabricado Eng. MSc. Camilo Mizumoto - Coord. Controle Tecnológico e Qualidade Eng. MSc. Marcelo Cuadrado Marin - Gerente de Engenharia Eng. Mauro Cesar Silva

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Review: métodos experimentais de dosagem de concreto autoadensável (CAA) desenvolvidos no Brasil

Review: métodos experimentais de dosagem de concreto autoadensável (CAA) desenvolvidos no Brasil Resumo Review: métodos experimentais de dosagem de concreto autoadensável (CAA) desenvolvidos no Brasil Rafael Gómez Fochs 1 Fernando Antonio Piazza Recena 2 Isaac Newton Lima da Silva 3 O concreto autoadensável

Leia mais

SESSION 3: Mix Design

SESSION 3: Mix Design SESSION 3: Mix Design Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR RS SC SC China SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal Tecnologia

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR China CHINA RS SC SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal

Leia mais

FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU

FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU Alba Pollyana Silva Josiane

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO Afonso Maria Araújo (1) (1) Mestrando, Programa de Pós-Graduação em Geotecnica e Construção Civil, Universidade Federal

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA Curso de Engenharia Civil Dimas Alan Strauss Rambo ESTUDO DA TRABALHABILIDADE DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL Dimas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS -ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO DO CONCRETO NBR 12655 Unidade III Continuação Pro. Adailton

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis

Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis 3º Congresso Ibéroamericano sobre betão auto-compactável Avanços e opórtunidades Madrid, 3 e 4 de Dezembro de 2012 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis T. M. Grabois Programa

Leia mais

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO UNIERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01 Edmundo

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS

RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE CIENCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAS - DCTM RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS APOIO TÉCNICO - MONITOR Exercícios resolvidos e discutidos do

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO A dosagem do concreto tem por finalidade determinar as proporções dos materiais a empregar de modo a atender duas condições básicas: 1 Resistência desejada; 2

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS ANTÔNIO QUERIDO JÚNIOR Graduando do curso de Engenharia Civil Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo / Brasil antonioquerido@yah oo.com.br RITA MOURA FORTES Prof. Doutora Universidade Presbiteriana

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Viabilização Econômica do Concreto Auto-adensável

Viabilização Econômica do Concreto Auto-adensável Viabilização Econômica do Concreto Auto-adensável Tutikian, Bernardo Fonseca Doutorando NORIE/UFRGS (btutikian@terra.com.br); Dal Molin, Denise Professora, Dr. UFRGS (dalmolin@ufrgs.br); Cremonini, Ruy

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC ISSN 1809-5860 PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD Rodrigo Vieira da Conceição 1 & Jefferson Benedicto Libardi Liborio 2 Resumo Até pouco tempo atrás, observou-se que havia uma grande dificuldade no preparo,

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Disciplina Materiais de Construção Civil A Agregados para concreto Profa. Lia Lorena Pimentel 1 1. AGREGADOS PARA ARGAMASSAS E CONCRETOS Uma vez que cerca

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica SUBSTITUIÇÃO DE PARTE DO CIMENTO POR FINOS INERTES DE PEDREIRA EM CONCRETOS COM BAIXO FATOR A/C Tiago Lopes Garcia 1,4 ;Vitor Cunha Naves 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Bruno de Carvalho Barros 3,4 ; Cristiano

Leia mais

CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO*

CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO* CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO* L.M. Barreto¹ F.L. Da Costa 2 RESUMO Este trabalho trata da confecção de concreto ecoeficiente com baixo consumo de cimento Portland

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS

Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações.

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Prof. Dr. Luiz Roberto Prudêncio Jr. Prof. Dr. Alexandre Lima de Oliveira Universidade

Leia mais

Estudo dos Parâmetros de Dosagem que Envolve a Produção de Blocos de Concreto

Estudo dos Parâmetros de Dosagem que Envolve a Produção de Blocos de Concreto Evolvere Scientia, V. 3, N. 1, 2014 ARTIGO Evolvere Scientia UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Estudo dos Parâmetros de Dosagem que Envolve a Produção de Blocos de Concreto Marconi Oliveira

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO. Serviço de concretagem convencional bombeado e auto-adensável bombeado

ESTUDO COMPARATIVO. Serviço de concretagem convencional bombeado e auto-adensável bombeado ETUDO COMPARATIVO erviço de concretagem convencional bombeado e auto-adensável bombeado OBJETIVO Determinar os custos de aplicação do CAA, na execução de lajes e vigas de uma estrutura de concreto armado

Leia mais

Aquário do Pantanal Campo Grande -MS. Concreto autoadensável x concreto convencional. Sandra Regina Bertocini

Aquário do Pantanal Campo Grande -MS. Concreto autoadensável x concreto convencional. Sandra Regina Bertocini Aquário do Pantanal Campo Grande -MS Concreto autoadensável x concreto convencional Sandra Regina Bertocini PROBLEMA!!! Teste SIMULAR AS QUATRO VIGAS Teste Mudanças Para as vigas foi utilizado Concreto

Leia mais

O uso do concreto na construção civil

O uso do concreto na construção civil O uso do concreto na construção civil O concreto é o material mais utilizado para realização de construções no Brasil (90%) e no mundo. Ainda assim, ele não chega a ser nem tão resistente, nem tão tenaz

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais