Edição 11 Dezembro de i

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edição 11 Dezembro de 1998 4-i"

Transcrição

1 SYSTIMAX SCS para 4 Aplicações de Edifícios Inteligentes Índice Aplicações do Honeywell 4-1 Aplicação Siemens Cerberus Division Pyrotronics 4-4 Aplicação Johnson Controls Metasys fn 4-5 Aplicação do Sistema de Controle Siemens Building Technologies Landis Division Staefa 4-6 Aplicação Sistema de Segurança de Hotel VingCard 4-7 Aplicação Sistemas de Controle Andover 4-8 Aplicações de Sistemas Carrier 4-10 Transceptor de topologia livre Echelon Corporation FTT- 10A 4-12 Aplicação do Sistema de Controle de Iluminação Legrand SwitchPlan SP Aplicação do sistema de enlace do tipo Matsushita Electric Works NAIS FP3 Wire (W) 4-14 Edição 11 Dezembro de i

2 SYSTIMAX SCS para 4 Aplicações de Edifícios Inteligentes Aplicações do Sistemas Honeywell O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar os seguintes Sistemas Honeywell DeltaNet, Sistemas Excel, e Sistemas Excel Plus que fornece Segurança pessoal e contra Incêndio, Segurança e Controle de acesso, e Gerenciamento de energia, incluindo HVAC, através do SYSTIMAX SCS Cabo UTP 24-AWG: NOTA: A Honeywell alterou recentemente o nome da família de seus produtos de DeltaNet para Excel 5000 e substituiu o DeltaNet Graphic Central por um novo produto, o Excel Building Supervisor-Integrated. Sistema DeltaNet FS90 Fire and Security Sistema DeltaNet FS90 Fire and Security Plus Sistemas DeltaNet FS90 Plus Fire and Security e de Controle de Acesso Sistema DeltaNet FS90 Fire Management DeltaNet Graphic Central 1 (Interface de Barramento)-Controle Centralizado via Gateways Sistema DeltaNet MicroCentral/Excel Plus Sistema DeltaNet R7044 Excel Plus Sistema DeltaNet MicroCel Controller DeltaNet Excel High Performance Excel Plus Excel MicroCentral/DeltaNet Graphic Central 1 A Central DeltaNet Graphic é marca registrada da Honeywell, Inc. Edição 11 Dezembro de

3 Controlador da Sala Individual (IRC) Excel Controlador de Gerenciamento de Estados (EMC) Excel Excel Classic (ou Controle Digital Direto [DDC] Excel) Excel 600/500/100/80 PR-234 Medium Range Proximity Cardreader (aprovado para distâncias de até 366 m [1.200 ft ] usando Cabos de LAN SYSTIMAX SCS 1010/2010) As especificações ANSI/TIA/EIA-569 e SYSTIMAX SCS exigem pelo menos um armário de telecomunicações/distribuição intermediária por andar para até m 2 ( pés 2 ). Os dispositivos dos pontos de terminação (por exemplo, detectores de fumaça, dispositivos de segurança contra incêndio, dispositivos de iniciação, e dispositivos de indicação) estão localizados nos andares de um edifício. O espaço do andar é dividido em áreas de cobertura. Uma área de cobertura é a área (até 40 m 2 [48 jardas 2 ]) servida por um IO. As seguintes diretrizes devem ser seguidas ao designar os circuitos: 1. Em uma área de cobertura, a distância do IO para qualquer dispositivo do ponto de terminação deve ser menor que 14 m (46 pés). 2. A distância horizontal máxima (distância do armário de telecomunicações para um IO) é de 80 m (262 pés). 3. Um cabo com 6 m (20 pés) de comprimento é permitido no armário de telecomunicações para roteamento e administração. 4. Os segmentos de cabo entre os IOs devem ser menores que 80 m (262 pés), mas as especificações (resistência e/ou ponto de tensão) do circuito elétrico (como sensor inteligente, fechamento de contato, entre outros) são os fatores de limitação. A fiação da área de cobertura estendida pode ser usada para atender as exigências de distância de alguns circuitos SYSTIMAX SCS. Os tamanhos típicos da área de cobertura são mostrados na Tabela 4-1. Tabela Aplicação do Sistema Honeywell DeltaNet: Área de Cobertura Típica Tipo de Edifício Área de Cobertura em m 2 (pés 2 ) Escritório 250 (23) Comercial 250 (23) Estacionamento 500 (46) Fábrica 500 (46) Hotel 3 IOs por Sala (Tamanhos de Sala Variados) Edição 11 Dezembro

4 A Segurança pessoal e contra Incêndio, Segurança e Controle de Acesso, e 4 pares de cabos do Sistema de Gerenciamento contra Incêndio devem ser agrupados e identificados da seguinte forma: Barramento F&S Circuito AE Entradas Saídas Alto-falantes Telefones Leitor de cartão/sensor da porta Os pares de cabos em um grupo (por exemplo, saídas) devem ser atribuídos. Pelo menos um cabo UTP de 4 pares deve ser usado para cada grupo de cabos. Contate um Representante Autorizado da Honeywell ou da Lucent Technologies para obter mais informações. Os seguintes documentos são citados para as aplicações Sistemas Honeywell: SYSTIMAX Intelligent Building System Honeywell Systems Design Guidelines, Documento Nº , Edição 1 ou posterior SYSTIMAX Intelligent Building System Honeywell DeltaNet Systems Design Guidelines, Documento Nº , Edição 1 ou posterior Edição 11 Dezembro

5 Aplicação Siemens Cerberus Division Pyrotronics O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar a Proteção contra incêndio e o Sistema de alarme Pyrotronics MXL fn. O centro de comando eletrônico MXL monitora eventos de incêndio, supervisão e de segurança e detecta e sinaliza (gera e gerencia alarmes) a presença de fogo, fumaça, calor, e/ou violações de segurança. O centro de comando é baseado no painel de controle MXL. Durante uma emergência um sistema de evacuação de comando por voz Pyrotronics é ativado, e serviços designados do edifício (por exemplo elevadores, portas corta fogo, e iluminação) podem ser colocados sob controle do MXL. Os componentes do Sistema Pyrotronics são: Unidades do Painel de controle MXL e MXLV Dispositivos de iniciação inteligente/analógica Detectores convencionais Controladores de áudio/distribuição Esses componentes combinados formam os seguintes barramentos de comunicações da rede MXL: Barramento de comunicação com base em NET-7 e NET-4 EIA/TIA RS-485 Protocolo CSMA-CD (Acesso múltiplo por sensoramento da portadora-detecção de colisão) parceiro a parceiro 19.2 Kbps Loops ALD (um Loop inteligente) Canais de áudio O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar as seguintes configurações de fiação para os Sistemas MXL Pyrotronics: ponto a ponto, barramento multiponto, dispositivos interligados e estrela (implementado com ramais interligados). Contate um Representante Autorizado da Siemens Cerberus Division ou da Lucent Technologies para obter mais informações. O seguinte documento é citado para Aplicações da Siemens Cerberus Division Pyrotronics: SYSTIMAX Intelligent Building System Siemens Cerberus Division Pyrotronics Application Guide, Documento Nº , Edição 1 ou posterior Edição 11 Dezembro

6 Aplicação do Sistema Johnson Controls Metasys fn O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar o Sistema Johnson Controls Metasys para uso em HVAC. O sistema Johnson Controls Metasys fornece esses serviços por meio de uma rede hierárquica de controladores e dispositivos do ponto do nó (analógico e digital), e usa cabo UTP SYSTIMAX SCS 24-AWG Categoria 3. Os componentes usados no sistema Johnson Controls Metasys são: Unidades de controle da rede (NCUs) Estações de trabalho da operadora (OWSs) Módulos de controle da rede (NCMs) Controladores específicos da aplicação Controladores da Unidade de tratamento aéreo (AHU) Controladores do Volume aéreo variável (VAV) Controladores Unitários (UNT) Controladores digitais DX9100 Módulos de expansão digital (XMs) Esses componentes, por sua vez, combinam-se para formar os seguintes barramentos de comunicações da rede Metasys: Barramento N1 Barramento N2 Barramento XT Barramento de zona Barramento NT O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar as seguintes configurações de fiação para o Sistema Johnson Controls Metasys: estrela (para o Barramento N1) e dispositivos interligados e ramais interligados (para o Barramento N2, Barramento XT, e Barramento de zona). Contate um Representante Autorizado da Johnson Controls ou da Lucent Technologies para obter mais informações. O seguinte documento é citado para a aplicação Sistema Johnson Controls Metasys: SYSTIMAX Intelligent Building System Johnson Controls Metasys Design Guidelines, Documento Nº , Edição 1 ou posterior Edição 11 Dezembro

7 Aplicação do Sistema de Controle Siemens Building Technologies Landis Division Staefa 2 SYSTIMAX SCS é capaz de suportar produtos Staefa Control System para uso em plantas HVAC e instalações elétricas ou de segurança relacionadas ao HVAC. Os seguintes Sistemas Staefa Building Management (BMSs) são estações da operadora com base no PC que oferecem funções de gerenciamento, operação, e programação on-line: Staefa Integral MS1000 Staefa Integral MS2000 Staefa Econex TS1500 Os BMSs usam os seguintes sistemas de controle Staefa: Staefa Integral RS Controle de Sala Integrado (IRC) Staefa Pronto Staefa Integral SMART II No nível de gerenciamento, um enlace de comunicação Host-a-Host 10BASE-T/FL é usado para suportar uma LAN do PC e pode operar a 10 Mbps. Contate um representante autorizado do Sistema de Controle Siemens Building Technologies Landis Division Staefa ou da Lucent Technologies para obter mais informações. O seguinte documento é citado para a aplicação Sistema de Controle Staefa: SYSTIMAX Intelligent Building System Staefa Control System Design Guidelines, Documento Nº , Edição 1 ou posterior 2 Staefa é marca registrada da Siemens Building Technologies, Inc. Edição 11 Dezembro

8 Aplicação Sistema de Segurança de Hotel VingCard 3 O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar o Sistema de Segurança de Hotel VingCard 3200/3500, um bloqueio bidirecional/sistema de segurança designado para acesso ao controle no ambiente do hotel. O sistema 3200/3500 consiste dos seguintes componentes: Unidades de controle de envio de acesso (ACUs) Unidades de controle do grupo (GCUs) Unidades de controle de bloqueio (LCUs) Unidades de controle universal (UCUs) Terminais de gerenciamento e software Cartões magnéticos extraídos Hardware auxiliar As unidades combinadas formam as três redes que compõem o sistema 3200/3500: a rede GCU/LCU, a Unidade de Processamento do Computador (CPU)/rede GCU, e a CPU/rede de Nó de Rede de Terminal (TNN). Atualmente, somente a rede GCU/LCU é suportada pelo SYSTIMAX SCS. O sistema 3200/3500 é definido e gerenciado como uma LAN. O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar as seguintes configurações de fiação para o sistema 3200/3500: estrela, barramento físico (anel), e barramento modificado (anel). Em todos os casos, a rede GCU/LCU é um barramento elétrico que termina em uma GCU, desse modo oferecendo à central características de anel adicionais. Independente da configuração da fiação, a distância máxima permitida para a rede GCU/LCU é 690 m (1.998 pés). Contate um Representante Autorizado da Trioving AS ou da Lucent Technologies para obter mais informações. O seguinte documento é citado para a aplicação do Sistema de Segurança de Hotel VingCard: SYSTIMAX Structured Connectivity Solutions VingCard Hotel Security System Application Guide, Documento Nº , Edição 1 ou posterior 3 VingCard é marca registrada da Trioving AS na Noruega. Edição 11 Dezembro

9 Aplicação Sistemas de Controle Andover O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar os Sistemas Andover HVAC e EMS. A linha de produtos Andover Controls Infinity é um sistema de controle integrado para automação do edifício que oferece comunicação de dados e gerenciamento de informações por meio da arquitetura de comunicações de dois níveis. A arquitetura de comunicação de dois níveis, Ethernet- EnergyNET (Ethernet 10Base-T e/ou 10BASE-FL) e o Barramento Infinet (um Barramento RS-485 modificado), é suportado pelo cabo UTP SYSTIMAX SCS 24-AWG Categoria 3 e cabo de fibra óptica SYSTIMAX 62.5/125 µm. Os componentes usados no Sistema Andover Controls Infinity são listados abaixo. Tabela 4-2- Controladores Andover Controls Suportados no SYSTIMAX SCS CONTROLADORES DO NÍVEL DO SISTEMA CONTROLADORES DO NÍVEL DE ZONA (ou Infinet) REPETIDO RES, ETC. com Barramento Infinet GX9200 BAS LGX810 Unidade de controle local Repetidor InfiLink200 CX9400 Eclipse BAS LCX800 Unidade de controle local Controlador da sala de equipamento CX9500, Módulos de comunicação CMX220, CMX240 Unidade de controle do sistema SCX920 Unidade de controle do sistema SCX900 ACX780 Unidade de controle de acesso* ACX700 Unidade de controle de acesso DCX250 Controlador de exibição LCX890 Controlador de iluminação* LCX891 Controlador de iluminação* LCX892 Controlador de iluminação* TCX850 Unidade de controle do terminal* TCX851 Unidade de controle do terminal* TCX852 Unidade de controle do terminal* TCX853 Unidade de controle do terminal* TCX870 Unidade de controle do terminal* IDX800 Unidade de detecção de intrusão* IDX800i Unidade de detecção de intrusão* IDX851 Unidade de detecção de Edição 11 Dezembro

10 CONTROLADORES DO NÍVEL DO SISTEMA com Barramento Infinet CONTROLADORES DO NÍVEL DE ZONA (ou Infinet) intrusão* TCX860 Unidade de controle VAV c/actuator* TCX861 Unidade de controle VAV c/actuator* TCX882 Unidade de controle VAV c/actuator* TCX863 Unidade de controle VAV c/actuator* Módulos de expansão EMX* Nota: *Essas unidades têm entradas e saídas para dispositivos analógicos e/ou digitais. REPETIDO RES, ETC. O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar as seguintes configurações de fiação para o Sistema Andover Controls Infinity: Fiação Ponto a Ponto Fiação em Estrela e em Estrela Remota implementada com ramais interligados Circuitos de Encadeamento Circular (dispositivos e controladores) O Barramento Infinet opera a taxas de dados de até 19.2 kbps. Contate um Representante Autorizado da Andover Controls Corporation ou da Lucent Technologies para obter mais informações. O seguinte documento é citado para a aplicação do Sistema Andover Controls: SYSTIMAX Intelligent Building System Andover Controls Design Guidelines, Documento Nº , Edição 1 ou posterior Edição 11 Dezembro

11 Aplicações do Sistemas Carrier 4 O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar a Rede CCN da Carrier Corporation. A Rede CNN da Carrier Corporation é um sistema de controle integrado para sistemas de automação de edifícios (BAS) que oferece controle de energia, custos de serviço e manutenção. O sistema oferece comunicações de dados e gerenciamento de informações por meio de uma arquitetura de comunicações de três níveis: o barramento primário CCN, o barramento secundário e o barramento SIO. São estações de trabalho com base em PC, e controladores com base no microprocessador e módulos IO e vários dispositivos do ponto de terminação. A arquitetura de comunicações habilita a interoperabilidade com outras LANs por meio de uma Interface BACnet para uma LAN 10Base-T. A arquitetura oferece acesso remoto via gateways remotos e modems. A arquitetura de comunicações da Rede CCN é um barramento RS-485. O barramento CCN é a rede de comunicações backbone dos controladores e software da rede da Carrier Corporation. Dados transmitidos por um CCN a uma taxa de até 9.6 kbps por um par de cabos trançados. A Rede CCN tem provisões para expansão via repetidores e pontes. A Rede CCN consiste dos componentes listados na Tabela 4-3. Tabela Estações de trabalho Carrier Systems/controladores Suportados nos Cabos SYSTIMAX SCS Estação de trabalho/ Controlador Aplicação Barramento de comunicações Dispositivos do Ponto de terminação Estação de trabalho Estações de trabalho PC CCN CW Supervisor do edifício IV Ferramenta de serviço da rede IV CC6400 FID, CSM III CCN e SIO Todos os tipos de I/O CC1600 FID CCN e SIO Todos os tipos de I/O Repetidor Conversor RS232/RS485, CCN Extensor de barramento CCN CIO Módulos de opção, CCN Gerentes do sistema SCM Unidades de controle do CCN T-55/T-56 33CS terminal (TCU) TEMP GEN III VVT GEN III NAM Acesso remoto, CCN 4 Carrier é marca registrada da Carrier Corporation. barramento de amortecimento de 5 fios CCN Todos os sensores Edição 11 Dezembro

12 Estação de trabalho/ Controlador Aplicação Barramento de comunicações Conversor RS232/RS FID FID CCN e SIO PSIO II PIC s, FSM, CSM, HPM CCN Prodialog Chiller PIC CCN LID 2 Interface local para Chillers CCN TELink Acesso remoto CCN UC203 FID e Comfort Módulos de I/O do controlador 4x4, 8 de saída, 8 de entrada, CC6400-I/O, Comfort LID do controlador SIO Dispositivos do Ponto de terminação Todos os tipos de I/O O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar as seguintes configurações UTP 24 AWG UTP Categoria 3 para os Sistemas Carrier: Fiação Ponto a Ponto, fiação em Estrela e em Estrela Remota implementada com ramais interligados, circuitos de Encadeamento Circular (dispositivos e controladores). Os barramentos operam a taxas de dados de até 9.6 kbps. O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar as seguintes configurações de Fibra 62.5/125 µm para os Sistemas Carrier: Fiação Ponto a Ponto Disposição da Central Hub Permite implementação de uma configuração em estrela da fibra de estilo do conjunto. Configuração backbone da fibra com Pontos de dados As configurações da fibra são empregadas tipicamente em uma rede de edifício múltipla, mas podem ser usadas em redes intra- edifícios. Contate um Representante Autorizado da Carrier Corporation ou da Lucent Technologies para obter mais informações. Edição 11 Dezembro

13 Transceptor de topologia livre Echelon 5 Corporation ration FTT-10A O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar o Transceptor de topologia livre Echelon's FTT-10A para ofertas de Edifícios inteligentes. Redes de controle Echelon LonWorks usando o FTT10A são empregadas em vários edifícios, fábricas, e sistemas de automação domésticos. O transceptor FTT-10A permite a implementação de sistemas de cabeamento estruturados, para edifícios integrados e sistemas de automação de fábricas. As topologias de barramento, encadeamento circular e em estrela são suportadas usando o FTT10A e SYSTIMAX SCS/IBS. O Transceptor de topologia livre Echelon s FTT10A é suportado nos Componentes do sistema de conectividade estruturada SYSTIMAX SCS/IBS Categoria 5. As segintes configurações de fiação são suportadas: Ponto a Ponto Fiação em Estrela e em Estrela Remota (uma estrela física por ramais interligados e uma estrela elétrica por ramais em ponte) circuitos de cadeia em margarida (dispositivos e ramais) LonWorks é uma das principais soluções abertas para controle de rede, em aplicações de automação de edifícios e residências, indústria, transporte, e serviços de utilidade pública. O Echelon oferece uma faixa completa de produtos de hardware e software disponíveis no mercado para suportar o desenvolvimento, instalação e gerenciamento de redes de controle inteligentes, abertas e interoperacionais. Contate um Representante Autorizado da Echelon Corporation ou da Lucent Technologies para obter mais informações. 5 Echelon e LonWorks são marcas registradas da Echelon Corporation registradas nos Estados Unidos e em outros países. Edição 11 Dezembro

14 Aplicação do Sistema de Controle de Iluminação Legrand SwitchPlan SP500 O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar produtos do Sistema de Controle de Iluminação Legrand SwitchPlan SP500. O sistema opera usando a tecnologia Echelon LonWorks. Isso permite às redes de dispositivos de controle inteligentes comunicarem-se umas com as outras por meio do protocolo Echelon LonTalk 6. Usa o transceiver Echelon TPT/XF-78TP2 que é um transceiver de comunicação codificada Manchester de 78 kbps acoplado ao transformador. O sistema é composto de três elementos: Um Controlador central (CC) Controladores do andar (FCs) Controladores de Luminárias (LCs). Tem uma inteligência distribuída que permite que cada LC opere de forma independente eliminando a necessidade de confiar em unidades do processador central em um evento indesejável de interrupções. O CC fornece a inteligência para instalar, configurar e monitorar o sistema. Os FCs são usados para, armazenar em buffer e encaminhar os dados da rede. Os LCs são usados para controlar diretamente as luminárias e fornecer entradas no sistema para comutadores, detectores de presença infravermelho passivos, etc. Os LCs na rede de distribuição comunicam-se uns com os outros em vez de um processador central usando o protocolo LonTalk. Contate um Representante Autorizado da Legrand ou da Lucent Technologies para obter mais informações. O seguinte documento é citado para o Sistema de Controle de Iluminação Legrand SwitchPlan SP500: SYSTIMAX Intelligent Building System Legrand SwitchPlan SP500 Lighting Control System Engineering Guidelines, Edição 2 ou posterior 6 LonTalk é marca registrada da Echelon Corporation. Edição 11 Dezembro

15 Aplicação do sistema de enlace do tipo Matsushita ta Electric Works NAIS FP3 Wire (W) O SYSTIMAX SCS é capaz de suportar o Sistema de enlace Matsushita Electric Works (MEW) NAIS FP3 Wire O sistema de enlace do tipo MEW NAIS FP3 W fornece um percurso de comunicação para cada controlador lógico programável (PLC) MEW FP3 anexado à rede. O PLC é um controlador eletrônico de múltiplos propósitos, que pode ser configurado e programado para acomodar sua funcionalidade a várias tarefas de controle em edifícios comerciais de múltiplos propósitos e ambiente de planejamento/produção. Uma unidade do sistema FP3 PLC é composta de módulos de diferentes funções. Em geral, os módulos são: Módulos do núcleo Painel traseiro (e/w barramentos eletrônicos e conectores da interface) Unidade da fonte de alimentação Unidade FP3 CPU (instruções 10K ou 16K) Módulos opcionais Unidades de entrada/saída (entrada/saída digital) Unidades inteligentes (conversor A/D e conversor D/A) Unidades da rede Matsushita Electric Works fabrica vários tipos de unidades de rede, todas compatíveis com a unidade do sistema FP 3. Atualmente, somente as unidades de enlace W-type podem ser suportadas pelo cabo UTP SYSTIMAX SCS 24-AWG. O sistema W-link utiliza a técnica de passagem de fichas (token-passing) para estabelecer enlaces de comunicação. O sistema W-link comunica em uma topologia de barramento de dois fios e cada estação W-link é encadeada com a próxima estação W-link. O barramento da rede W-type tem terminação dupla, por isso a estação de cada ponta de um ramal deve ser uma estação de terminação. Até 16 PLCs são permitidos em uma rede quando todas as estações estão configuradas para operar no modo de enlace do PC. Quando uma rede com base no tipo W está em operação no modo de enlace do PC, os dados são compartilhados entre os PLCs por dados de leitura ou gravação em áreas de memória denominadas relés de enlace (L) e registros de dados de enlaces (LD) que existem em cada PLC. Caso contrário, a rede deve ser mantida para um máximo de 32 estações. Independente da configuração da fiação, a distância máxima de uma rede to tipo W é de 600 m (1960 pés). Usando as técnicas de cabeamento SYSTIMAX SCS/IBS, as seguintes topologias podem ser suportadas: Ponto a Ponto Fiação Inicial Física (implementada com ramais interligados) Edição 11 Dezembro

16 Circuitos de cadeia em margarida Edição 11 Dezembro

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

FireFinder XLS. Respostas de infraestrutura. Ajuda os bombeiros a combaterem incêndios. Ajuda a proteger seu futuro.

FireFinder XLS. Respostas de infraestrutura. Ajuda os bombeiros a combaterem incêndios. Ajuda a proteger seu futuro. Fire Safety Division Siemens Building Technologies, Inc. 8 Fernwood Road Florham Park, New Jersey 07932 EUA 973-593-2600 FireFinder XLS Ajuda os bombeiros a combaterem incêndios. Ajuda a proteger seu futuro.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Cymphany ACU2 Controlador Inteligente de Rede Cerberus Division ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Oito Leitoras de Cartões, Duas Portas de Multiconexão Lógica RS-485 com Quatro Leitoras Cada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

CZM-1 P5006. Módulo de Remoto de Laço Convencional ESPECIFICAÇÕES DE ARQUITETURA E ENGENHARIA NÚMERO DE CATÁL

CZM-1 P5006. Módulo de Remoto de Laço Convencional ESPECIFICAÇÕES DE ARQUITETURA E ENGENHARIA NÚMERO DE CATÁL CZM-1 Módulo de Remoto de Laço Convencional ESPECIFICAÇÕES DE ARQUITETURA E ENGENHARIA Permite Zoneamento Convencional Distribuído Um Circuito Convencional de Dispositivos de Inicialização Conecta aos

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

1. CABEAMENTO ESTRUTURADO

1. CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO O gabinete de fiação é um ponto muito importante para um sistema de cabeamento de rede, apesar de muitas redes bem sucedidas não o utilizarem. Um gabinete de fiação pode ser do

Leia mais

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM ADKL.ZELLER 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA; SOLUÇÕES EM ENGENHARIA ELÉTRICA E AUTOMAÇÃO DE A a Z; DESENVOLVEMOS TODAS AS ETAPAS DE UM PROJETO; DIVERSAS CERTIFICAÇÕES; LONGAS PARCERIAS

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio III DISPOSITIVOS

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

Gerenciamento inteligente em assistência médica

Gerenciamento inteligente em assistência médica Honeywell Building Solutions (unidade de negócio de automação predial) TECNOLOGIA INOVADORA ALCANÇA RESULTADOS MENSURÁVEIS Gerenciamento inteligente em assistência médica Como líder do setor e especialista

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token A Rede Token Ring Visão geral de Token Ring e de suas variantes A IBM desenvolveu a primeira rede Token Ring nos anos 70. Ela ainda é a principal tecnologia LAN da IBM e apenas perde para a Ethernet (IEEE

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

FS720 Sistema de detecção de incêndios

FS720 Sistema de detecção de incêndios FS720 Sistema de detecção de incêndios Pack de mercado 3.0 Cerberus PRO Gama de painéis de controle com 3 tipos de estações Sistema de detecção de incêndios controlado por microprocessador Painéis de controle

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação 1 O que é um PLC (Autómato)? Sumário Histórico PLC Hardware Entrdas/Saídas Modo de Funcionamento do PLC Linguagens de programação Comunicação O que é necessário

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella

Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella Prof. Engº esp Luiz Antonio Vargas Pinto 21 de abril de 2001 Atualizado em 16 de Agosto de 2015 www.vargasp.com Redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO Professor Victor Sotero 1 Domínio de Colisão A conexão de vários computadores a um único meio de acesso compartilhado que não possui nenhum outro dispositivo de rede conectado cria

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br COMPONENTES DE REDES Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Componentes de rede Placas de interface Transceptores Repetidores HUBs Pontes Switches Roteadores Gateways Servidores

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais