Relatório Consolidado 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Consolidado 2010"

Transcrição

1 Relatório Consolidado

2 2 Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 6 Mensagem do Conselho de Administração... 6 Estrutura Accionista do Grupo... 8 Segmento de Negócio... 9 Gestão da Infra-estrutura Ferroviária... 9 Serviços de Telecomunicações Gestão Imobiliária e de Espaços Comerciais Actividades Ferroviárias Recursos Humanos Análise Financeira Perspectivas de Futuro Proposta de Aplicação de Resultados NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Declaração de Cumprimento Demonstrações Financeiras Consolidadas Notas às Demonstrações Financeiras Consolidadas para o exercício findo em 31 de Dezembro de Nota introdutória Actividade da empresa-mãe Missões da REFER Regulamentação das missões desenvolvidas pela REFER Actividade das empresas do Actividade de operação de telecomunicações ferroviárias Actividade de gestão integrada e valorização do património imobiliário do Grupo Prestação de serviços de engenharia e transporte Valorização do património público ferroviário (espaços comerciais) Projecto da alta velocidade Gestão da Estação do Oriente Bases de apresentação e políticas contabilísticas Bases de apresentação Bases de consolidação e políticas contabilísticas Métodos de consolidação adoptados pelo grupo Actividade em investimentos de infra-estruturas de longa duração (ILDs) Activos fixos tangíveis Activos intangíveis... 61

3 Propriedades de investimento Instrumentos financeiros derivados Activos financeiros Justo valor de activos e passivos financeiros Imparidade de activos Inventários Caixa e equivalentes de caixa Passivos financeiros Empréstimos obtidos não correntes Fornecedores e outras contas a pagar Imparidades e provisões Reconhecimento do rédito Imposto sobre o rendimento Transacções em moeda estrangeira Subsídios Informação sobre segmentos Entidades relacionadas Principais estimativas e julgamentos utilizadas nas demonstrações financeiras Políticas de gestão de risco financeiro Empresas incluídas na consolidação Actividade de investimentos em Infra-estruturas de Longa Duração ILD Investimentos de Longa Duração Rentabilização de Activos Fundos circulantes Subsídios Gastos de Empréstimos Empréstimos Obtidos Actividade de Gestão da infra-estrutura Activos Fixos Tangíveis Propriedades de Investimento Activos Intangíveis Investimentos em Associadas e Empreendimentos conjuntos Categorias de acordo com a IAS Activos financeiros disponíveis para venda não correntes Empréstimos e contas a receber não correntes Activos por impostos diferidos Inventários

4 Instrumentos Financeiros Derivados Clientes e Outras Contas a Receber Impostos sobre o rendimento Activos financeiros ao justo valor por resultados Caixa e Equivalentes a Caixa Interesses não controlados Empréstimos Obtidos Fornecedores e Outras Contas a Pagar Provisões Vendas e Prestações de Serviços Variação da produção Subsídios à Exploração Fornecimentos e Serviços Externos Gastos com Pessoal Imparidades Outros Gastos Outros Rendimentos Perdas e Ganhos Financeiros Ganhos/Perdas em Associadas e Entidades conjuntamente controladas Imposto sobre o Rendimento do Exercício Provisões Informação por segmentos Demonstração dos resultados internos efectuados para a actividade de investimento em infra-estruturas de longa duração Remunerações dos membros dos Órgãos Sociais Divulgações com partes relacionadas Resumo das entidades relacionadas Saldos e transacções com empresas associadas e entidades conjuntamente controladas Saldos e transacções com outras entidades relacionadas Saldos e facturação emitida com entidades públicas Normas contabilísticas e interpretações recentemente emitidas Compromissos de investimento Garantias e avales Contingências Eventos subsequentes

5 Relatório Consolidado Relatório de Gestão

6 6 RELATÓRIO DE GESTÃO Mensagem do Conselho de Administração O apresenta, pela primeira vez, demonstrações financeiras consolidadas relativamente ao exercício 2010, por força do Decreto-Lei nº. 158/2009, de 13 de Julho. As empresas alvo desta consolidação são a Rede Ferroviária Nacional REFER, E.P.E., a REFER TELECOM Serviços de Telecomunicações, S.A., a REFER PATRIMÓNIO Administração e Gestão Imobiliária, S.A., a FERBRITAS - Empreendimentos Industriais e Comerciais, S.A., a CP Com - Exploração de Espaços Comerciais da CP, S.A, a RAVE Rede de Alta Velocidade, S.A e a empresa ESBENTO Sociedade Imobiliária, S.A. A missão da REFER é a Gestão da Rede Ferroviária Nacional (RFN), nas suas vertentes de construção, conservação, preservação do património e gestão da capacidade estando as actividades da empresa enquadradas pelos objectivos estratégicos definidos pelas Orientações Estratégicas para o Sector Ferroviário: 1. Melhorar a acessibilidade e mobilidade, para que daí decorra um aumento da quota de mercado para o transporte ferroviário; 2. Garantir padrões adequados de segurança, interoperabilidade e de sustentabilidade ambiental; 3. Evoluir para um modelo de financiamento sustentável e promotor de eficiência; 4. Promover a investigação, o desenvolvimento e a inovação Para o cumprimento destes objectivos subsiste a necessidade da coexistência de áreas de negócio que não tendo a mesma actividade se complementam, com o intuito de proporcionar ao mercado ferroviário a segurança, a qualidade e fiabilidade por ele exigidos. Do ano de 2010 há a destacar o investimento na Rede Ferroviária Nacional em construção, instalação e renovação da infra-estrutura ferroviária, efectuado pela REFER em nome e por conta do Estado, sendo os activos integrados no Domínio Público Ferroviário. No âmbito desta actividade, os investimentos realizados ascenderam, em 2010, a 407 milhões de euros. Um Volume de Negócio de 25,2 milhões de euros foi alcançado pelo Segmento de Negócio de Serviços de Telecomunicações dos quais 49% correspondem ao mercado das Telecomunicações e TI de âmbito generalista. Em 2010 o investimento em Telecomunicações foi de 4,9 milhões de euros. A REFER TELECOM, empresa que gere este Segmento de Negócio, viu o seu Capital Social aumentado em 5 milhões de euros. O ano de 2010 foi de consolidação para o segmento de negócio Engenharia de Transportes, gerida pela empresa FERBRITAS, uma vez que passou a focalizar a sua actividade exclusivamente na prestação de serviços. No ano findo, intensificou os trabalhos de análise, adequação e integração dos processos, desenvolveu

7 7 metodologias de trabalho e concretizou investimentos no desenvolvimento de soluções de suporte ao negócio da empresa. A empresa que faz a gestão imobiliária do, a REFER PATRIMÓNIO encontra-se em fase de grandes mudanças. No início de 2011 a INVESFER alterou a sua designação social para REFER PATRIMÓNIO tendo integrado por fusão a CPCom e duas direcções até então presentes na empresa-mãe. No ano de 2010 este conjunto de entidades exercia funções individuais, sempre com o objectivo da sua fusão, operando-se por vezes alterações estratégicas. A finalidade desta união é a rentabilização dos espaços e a libertação de fundos. O ponto alto do projecto Rede Ferroviária de Alta Velocidade, em 2010, foi a assinatura do contrato de Concessão da infra-estrutura de Alta Velocidade do troço Poceirão-Caia em Maio. Foi ainda decidida pelo Governo português a suspensão do Concurso Público Internacional para a Concessão do restante troço do Eixo Lisboa Madrid. Um facto relevante que marcou o ano de 2010 foi o anúncio da integração da RAVE na Rede Ferroviária Nacional, REFER, EPE, no âmbito das medidas anunciadas pelo Governo para o reforço do programa de Estabilidade e Crescimento.

8 8 Estrutura Accionista do Grupo A 31 de Dezembro de 2010 No final de 2010, o Grupo das empresas que se encontravam no perímetro de consolidação da REFER era constituído pela Rede Ferroviária Nacional, REFER E.P.E. e pelas restantes empresas participadas de acordo com a seguinte organização:

9 9 Segmento de Negócio A REFER actua em duas áreas de negócio principais, a Gestão de Infra-estruturas Ferroviárias, nas suas vertentes de conservação e manutenção e Investimento, o qual compreende a construção, instalação e renovação da infra-estrutura. O negócio da ferrovia inclui ainda áreas que afastadas da actividade principal coexistem dentro do grupo REFER, Serviços de Telecomunicações, Gestão Imobiliária e de Espaços Comerciais e Actividades Ferroviárias no sector ferroviário. Gestão da Infra-estrutura Ferroviária Rede Ferroviária Nacional - REFER, EPE 68,5% do Volume de Negócios do Grupo 90,4% dos Colaboradores do Grupo A gestão da Infra-estrutura ferroviária é efectuada principalmente pela REFER, E.P.E. Do ano de 2010 destaca-se a abertura à exploração da Ligação ao Porto de Aveiro, da Variante da Trofa, da Variante de Alcácer e da nova Estação de Setúbal. O investimento em Infra-estruturas de Longa Duração executado, em 2010, foi de 329 milhões de euros (custos técnicos). O Segmento de Negócio Gestão da Infra-estrutura Ferroviária engloba duas actividades principais, a Gestão de Infra-estruturas e o Investimento. A Gestão de Infra-estruturas abrange a gestão da capacidade, a conservação e manutenção da infra-estrutura ferroviária e a gestão dos respectivos sistemas de comando e controlo da circulação, incluindo sinalização, regulação e expedição, de forma a assegurar condições de segurança e qualidade indispensáveis à prestação do serviço público ferroviário. A actividade Investimento compreende a construção, instalação e renovação da infra-estrutura, actividade desenvolvida por conta do Estado (bens que integram o domínio público ferroviário). Investimento 329 milhões de euros Volume de Negócios 73,4 milhões de euros Resultado Operacional Individual -108,7 milhões de euros

10 10 Actividades Gestão de Infra-estruturas Nos últimos anos, a rede ferroviária nacional tem sido alvo de constante modernização, colocando ao serviço novas instalações e remodelando e reconvertendo a tecnologia de muitas outras, o que faz com que a exploração ferroviária seja actualmente mais segura, fiável e flexível, respondendo melhor às necessidades da procura e fazendo com que exista uma maior e melhor mobilidade entre os diversos modos de transporte. A 31 de Dezembro de 2010 a extensão da rede ferroviária nacional é de km, dos quais 79% (2 843 km) reúnem condições para a circulação de comboios. No mesmo período 52% da rede encontrava-se electrificada, correspondendo a km. Por outro lado os Sistemas de Segurança e Controlo de Comandos estavam implementados em 54% da extensão da rede ferroviária, sendo eles o Convel e o Rádio Solo Comboio. Principais Indicadores da Actividade Comboio quilómetro (CK) (10 3 ) Rendimentos Utilização da Rede (10 3 ) Sistemas de Segurança e Controlo Convel (km) Rádio Solo Combóio (km) Extensão da rede (km) Com tráfego ferroviário (Electrificada) Com tráfego ferroviário (Não Electrificada) Sem tráfego ferroviário Investimentos A actividade Investimentos engloba a gestão de projectos e obras. O valor realizado nesta actividade foi de 329 milhões de euros (custos técnicos) em As Ligações Inter-regionais, foram as que mais contribuíram para o valor dos investimentos em Infraestruturas de Longa Duração, cerca de 88,4 milhões de euros. O investimento nas Ligações às Evolução do Investimento [milhares de euros]

11 11 Plataformas Logísticas e Portos correspondeu a 85,4 milhões de euros do investimento em Infra-estruturas de Longa Duração. O valor realizado corresponde aos trabalhos de conclusão da Variante de Alcácer, cuja entrada ao serviço ocorreu em Dezembro de 2010, à execução Projecto de Ligação Ferroviária Porto de Sines / Espanha, destacando-se os trabalhos de conclusão da Empreitada de Modernização Estação da Raquete, cuja entrada ao serviço ocorreu em Agosto de 2010, o Projecto da Ligação Ferroviária ao Porto de Aveiro. Resultados Individuais Resultado Operacional Individual [10 3 euros] Rendimentos Operacionais Gastos Operacionais Resultado Operacional Individual A melhoria verificada nos Rendimentos Operacionais deve-se ao aumento registado nas Prestações de Serviços, nomeadamente aumento da Tarifa de Utilização. O rendimento proveniente da Tarifa de Utilização passou de 59 milhões de euros em 2009 para 61,4 milhões de euros em 2010, resultado do aumento da tarifa base (1,2 milhões de euros) e da capacidade pedida não utilizada (1,2 milhões de euros). Ao nível dos Gastos Operacionais registou-se um incremento de 4% (9,3 milhões de euros) face a 2009 estando o aumento mais significativo registado na rubrica Subcontratos (+9,9 milhões de euros). O Resultado Operacional registou assim um agravamento de 9% (8,7 milhões de euros) face a 31 de Dezembro de 2009, resultante principalmente do agravamento registado ao nível dos Gastos Operacionais (9,3 milhões de euros).

12 12 RAVE - Rede Ferroviária de Alta Velocidade, S.A. 0% do Volume de Negócios do Grupo 0,8% dos Colaboradores do Grupo A RAVE Rede Ferroviária de Alta Velocidade, S.A. é a empresa do que gere, como o nome indica, a Alta Velocidade. Esta Unidade de Negócio tem por missão o desenvolvimento e coordenação dos trabalhos e estudos necessários para a formação das decisões de planeamento e construção, financiamento e exploração de uma rede ferroviária de alta velocidade a instalar em Portugal continental e da sua ligação com a rede espanhola de igual natureza. A RAVE assume os desafios e oportunidades associadas ao Projecto da Rede Ferroviária de Alta Velocidade, como os compromissos fundamentais a concretizar para atingir a sua missão. Investimento 8,7 Milhões de euros Resultado Operacional Individual 25,8 mil euros O ano de 2010 foi marcado pela assinatura do contrato de Concessão da infraestrutura de Alta Velocidade do troço Poceirão- Caia, no início do mês de Maio. Ainda durante este ano, foi decidida pelo Governo português a suspensão do Concurso Público Internacional para a Concessão do restante troço do Eixo Lisboa Madrid, a ligação Lisboa-Poceirão (PPP2), onde se inclui a Terceira Travessia do Tejo. As dificuldades, por todos conhecidas, de angariação de financiamento nos mercados nacional e internacional, bem como a crise económica internacional, obrigaram a uma revisão da estrutura financeira dessa mesma PPP, a qual se encontra em curso junto do Governo. Facto relevante no final de 2010 foi também o anúncio da integração da RAVE na Rede Ferroviária Nacional REFER, EPE, no âmbito das medidas anunciadas pelo Governo para reforço do Programa de Estabilidade e Crescimento, e que veio a ser incluída na Lei de Orçamento de Estado. Actividades Em 2010 deu-se continuidade à implementação do Projecto RAV, com o desenvolvimento do Concurso Público, lançado em 2008, após adjudicação desse concurso, ocorrida em Dezembro de 2009, a RAVE assegurou a coordenação do processo de fecho do Contrato de Concessão e contratos conexos. Todo este processo culminou com a assinatura do contrato em Maio de 2010.

13 13 No que respeita à concessão para o troço Lisboa-Poceirão (PPP2) que inclui a Terceira Travessia do Tejo em Lisboa, foi continuado o trabalho de apoio técnicoadministrativo ao Júri do concurso na avaliação das propostas da primeira fase. Este trabalho foi interrompido pela decisão de não adjudicação desse concurso, por despacho conjunto dos Srs. Ministros das Finanças e das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, devido à crise financeira e à reprogramação da Rede Ferroviária de Alta Velocidade e consequente realocação de fundos comunitários (QREN). Desde então, a RAVE tem vindo a desenvolver o trabalho de reformulação da documentação necessária ao lançamento de um novo concurso público. Os projectos desta Unidade de Negócio incidem em estudos para a implementação da rede ferroviária de alta velocidade, no Eixo Lisboa-Madrid, Eixo Lisboa-Porto, Eixo Porto-Vigo, Eixo Aveiro-Salamanca, Eixo Évora-Faro-Huelva e em Estações de Alta Velocidade. Resultados Individuais Resultado Operacional Individual [10 3 euros] Rendimentos Operacionais Gastos Operacionais Resultado Operacional Individual Os Resultados Operacionais da Unidade de Negócio Rede Ferroviária de Alta Velocidade diminuíram 43% face a igual período de 2009, devido a um aumento dos gastos e a uma diminuição dos rendimentos. Em 2010 o valor das Prestações de Serviços foi nulo tendo em 2009 sido de 232 mil euros.

14 14 Serviços de Telecomunicações REFER TELECOM Serviços de Telecomunicações, S.A. 10,8% do Volume de Negócios do Grupo 4,1% dos Colaboradores do Grupo A REFER TELECOM Serviços de Telecomunicações, S.A. faz parte do, é detida pela empresa-mãe a 100% e posiciona-se no mercado como Operador de Telecomunicações Ferroviárias. Este Segmento de Negócio do é reconhecido como a referência das telecomunicações ferroviárias e valorizado pelas suas competências e excelência dos serviços prestados. Adicionalmente tem conseguido ser competitivo no mercado das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, pela percepção de um conjunto de atributos intrínsecos à sua oferta, nomeadamente inovação tecnológica, qualidade e segurança nas comunicações. A U.I.C. (International Union of Railways) reconheceu a excelência da REFER TELECOM enquanto Operador de Telecomunicações Ferroviárias elegendo Portugal como First Railway complete IP telecom network. Este facto e o sucesso do modelo de operação adoptado em Portugal com o total outsourcing das telecomunicações ferroviárias num Operador de Telecomunicações Ferroviárias tem sido objecto de investigação de vários países Europeus como a Investimento 4,9 milhões de euros Volume de Negócios 25,2 milhões de euros Resultado Operacional Individual 4,1 milhões de euros Itália, França e Espanha, que tem procurado perceber o nosso modelo de negócio com o fim de estudarem a sua adopção nos respectivos países. Pretende ainda, assumir no mercado uma postura discreta, valorizando a projecção da sua imagem através da divulgação das suas competências, junto dos segmentos que considera relevantes. O Segmento de Negócio Serviços de Telecomunicações, tem como principais actividades, Sistemas e Telecomunicações Ferroviárias, Redes de Telecomunicações, Infra-estruturas e Operações e Sistemas de Informação de Suporte ao Negócio.

15 15 Actividades A REFER TELECOM, sem descurar a sua missão de assegurar a gestão eficaz da infraestrutura de telecomunicações concessionada, conseguiu, de uma forma sistemática e sustentada, alargar quer os serviços prestados, quer a base de clientes. Aumentou de forma significativa a sua penetração nos segmentos de mercado em que desenvolve actividade, com especial relevância nos Operadores de Telecomunicações. Conseguiu ainda manter e reforçar as suas competências junto dos principais Clientes, em particular do Sector Ferroviário. Sistemas e Telecomunicações Ferroviárias A REFER TELECOM presta serviços de Telecomunicações Ferroviárias à empresa-mãe. Paralelamente garante-lhe todo o apoio na elaboração e execução dos Planos de Investimento em Telecomunicações. Este apoio envolve as diferentes etapas do projecto, nomeadamente: Consultoria Técnica para suporte ao lançamento de concursos e desenvolvimento dos processos contratuais, coordenação e fiscalização técnica durante a fase de implementação, realização de ensaios de aceitação e colocação ao serviço e ainda a gestão contratual dos mesmos. Durante o ano de 2010 a empresa foi responsável pela concepção e execução integral de alguns projectos para a REFER, quer no âmbito de projectos-piloto, quer em acções complementares aos projectos de investimento, de que são exemplo a gestão, coordenação e fiscalização técnica de projectos específicos, nas valências de Videovigilância, Telecomando de Energia, Supervisão Técnica de Infra-estruturas, Rede de Dados de Suporte à Exploração, Telefonia de Exploração, Sistema de Informação ao Público, Sistema de Rádio Solo-Combóio e Projectos de Inovação. Paralelamente foi desenvolvido um conjunto de acções conducentes à concretização de diversos projectos, dos quais se destacam: A modernização do sistema de comunicações móveis dedicado à exploração ferroviária, Rádio Solo-Comboio, suportado em tecnologia GSM-R. A consultoria em Telecomunicações Ferroviárias prestada à RAVE, tendo como objectivo o desenvolvimento das especificações técnicas de suporte ao lançamento do concurso da componente Sinalização e Telecomunicações assim como, a análise do anteprojecto da PPP (Parcerias Público-Privadas) da infra-estrutura do troço Poceirão-Caia; A consultoria nas especialidades de Videovigilância e Transmissão prestada à Metro do Porto.

16 16 Redes de Telecomunicações O ano de 2010 caracterizou-se como um ano de continuidade na expansão sustentada das redes de telecomunicações, quer a nível de aumento da rede de Fibra Óptica (FO) e da rede Carrier Ethernet, realizada geograficamente e em capacidade, quer a nível de remodelação e reformulação dos sistemas de Transmissão e de Voz, por substituição e modernização de nós das respectivas redes. Infra-estruturas e Operações A actividade Infra-estruturas e Operações é composta por Operações e Infraestrutura de Suporte e Tecnologias e Sistemas de Informação. Em Operações e Infra-estruturas de Suporte executam-se trabalhos nas áreas de: Operações e Manutenção: coordenação, fiscalização e acompanhamento de projectos); NOC (Network Operation Center): deu-se continuidade à disponibilização online de Indicadores de Qualidade de Serviço, através de publicação no Portal corporativo da REFER dos respectivos relatórios de cumprimento de SLA s (Service Level Agreement) e de Disponibilidade; Engenharia e Infra-estruturas: elaboração de Especificações e Notas Técnicas para os Sistemas de Energia e AVAC, bem como Realização de consultadorias técnicas na área de sistemas de energia para vários projectos de infra-estruturas; Segurança e Qualidade: organização dos processos de Segurança e Higiene no Trabalho; Gestão e acompanhamento de Segurança nas obras realizadas em Domínio Ferroviário entre outros; Referenciação e Cadastro: desenvolvimento do Sistema Central de Cadastro; conclusão do carregamento do cadastro de todos os cabos de telecomunicações; acompanhamento da execução do cadastro dos novos projectos de lançamento de infra-estruturas de Fibra Óptica. Em Tecnologias e Sistemas de Informação, destaca-se em 2010, a celebração de um protocolo com o ITIJ (Instituto de Tecnologias de Informação da Justiça) e a REFER TELECOM para a prestação do serviço de Alojamento da sua infra-estrutura de DR (Disaster Recovery). A utilização dos serviços de SMS Mail e Fax Mail, que permitem aos utilizadores o envio de SMS e Fax através de plataforma de , cresceram de uma forma exponencial tanto no como nos clientes externos. Actualmente, a desmaterialização do FAX em papel e dos dispositivos antigos resultam numa redução de gastos operacionais significativos.

17 17 Sistemas de Informação de Suporte ao Negócio Na área dos Sistemas de Informação de Suporte ao Negócio, os projectos e actividades desenvolvidas no ano de 2010 assentaram na estratégia de adequação e permanente evolução dos sistemas de informação à medida das necessidades e objectivos de negócio da REFER TELECOM, bem como, na estratégia de captação de sinergias por adopção de um conjunto importante de aplicações em uso na REFER. Assim, no início de 2010 deu-se a entrada em produtivo da instalação ERP/SAP da REFER TELECOM, cuja plataforma partilha com a REFER, com os módulos Financeiro (FI), Controlo Gestão (CO), Logística (MM), Projectos (PS), Vendas (SD) e Gestão Documental (DMS), e com as devidas integrações nos sistemas da REFER TELECOM, nomeadamente no CRM (Gestão de Clientes) e no BILLING (Facturação dos Serviços de Voz). Em simultâneo arrancou a aplicação econtratos, igualmente adaptada da equivalente em exploração na REFER a qual permite de forma integrada com o ERP, gerir os diversos processos de compra realizados actualmente pela empresa para a própria empresa, bem como, as compras de infra-estruturas de telecomunicações ferroviárias realizadas para a REFER, ao abrigo da 4ª Adenda do Contrato de Concessão. Resultados Individuais Em 2010 este Segmento de Negócio apresentou uma evolução positiva tendo demonstrado um bom desempenho, prosseguindo uma gestão adequada dos factores económicos e financeiros, nomeadamente a dos seus activos e dos seus recursos humanos. Apresentando uma sólida situação financeira, a REFER TELECOM assume-se com um elevado potencial para continuar a valorizar-se como activo do seu Accionista. Resultado Operacional Individual [10 3 euros] Rendimentos Operacionais Gastos Operacionais Resultado Operacional Individual Em 2010, este Segmento de Negócio, atingiu um Volume de Negócios de 25,3 milhões de euros. Apesar do ligeiro decréscimo de 5% face ao ano anterior, a empresa

18 18 apresentou um bom desempenho comercial durante o último triénio. A componente exclusiva de Telecomunicações Ferroviárias, concessionada pela REFER, representou cerca de 51% (12,9 Milhões de Euros) do Volume de Negócios e o mercado de Telecomunicações e TI de âmbito generalista, pelo qual a REFER TELECOM paga um fee de concessão de 10% à REFER, representou 49% (12,3 Milhões de Euros). Perspectivas de Futuro Continuar a apostar no desenvolvimento das suas actividades privilegiando a Qualidade, a Formação dos Recursos Humanos, e os Investimentos em Segurança e Tecnologias avançadas em todas as áreas em que presta Serviços. Continuar a dedicar as suas actividades aos três segmentos de Mercados identificados: Universo Ferroviário, Transportes e Plataformas Logísticas; Operadores de Telecomunicações e Corporate e Administração Pública. No Universo Ferroviário, o objectivo é continuar a melhorar os padrões de qualidade de serviço, correspondentes aos padrões internacionais para o sector. É de realçar a introdução da tecnologia GSM-R, no que constitui um facto marcante no panorama nacional. Trata-se, efectivamente, de uma nova Rede de Telecomunicações, destinada ao suporte da sinalização ferroviária e às comunicações embarcadas, essencial à futura operação da Alta Velocidade em Portugal. No segmento dos Operadores de Telecomunicações, manter um contacto estreito e discreto. Contando já como clientes os principais actores do sector, espera conseguir manter os níveis alcançados, quer em número de clientes, quer expandindo os serviços prestados. A aposta nos mercados Corporate e Administração Pública visa garantir um adequado retorno do investimento feito pelo na infra-estrutura, e pretende manter a oferta tecnológica em linha com os padrões tecnológicos mais actuais, de modo a prestar um serviço a todos os seus clientes de acordo com as melhores práticas no sector. A REFER TELECOM tem sido contactada por diversos gestores de infra-estrutura ferroviária e outros parceiros no sentido do alargamento dos seus serviços de telecomunicações e sistemas ferroviários a nível internacional, pelo que se abrem oportunidades à internacionalização da Empresa nestas actividades. Continuar a apostar numa estratégia de inovação permanente, especialmente destinada ao sector ferroviário, estabelecendo parcerias com Universidades e Empresas para desenvolvimento de novos produtos e serviços.

19 19 Gestão Imobiliária e de Espaços Comerciais REFER PATRIMÓNIO Administração e Gestão Imobiliária, S.A. 5,2% do Volume de Negócios do Grupo 0,5% dos Colaboradores do Grupo Uma das empresas do que detém o Segmento de Negócio Administração e Gestão Imobiliária é a REFER PATRIMÓNIO Administração e Gestão Imobiliária, S.A.. À data de 31 de Dezembro de 2010 esta empresa denominava-se INVESFER Promoção e Comercialização de Terrenos e Edifícios, S.A., tendo a designação sido alterada no dia 25 de Fevereiro de 2011, dando assim início a uma nova estratégia de gestão de património do que implica a integração das empresas e direcções do grupo, com intervenção directa na cadeia de valor do património imobiliário da REFER. A estratégia e a actividade da INVESFER sempre estiveram fortemente ligadas às orientações da REFER, no sentido da valorização patrimonial dos activos, tendo em vista a libertação de meios destinados ao desenvolvimento daquela actividade. Em 2010, foi definida uma nova estratégia para esta Unidade de negócio, com especial relevo para o fim dos elevados investimentos imobiliários por contrapartida de um maior enfoque na realização de negócios, com risco reduzido para a REFER. Investimento 2,9 milhões de euros Volume de Negócios 5,8 milhões de euros Resultado Operacional Individual 172,9 mil euros Dessas orientações decorreu o abandono da participação em alguns negócios de promoção imobiliária associados a intervenções ferroviárias, ou incentivadoras destas, que não apresentassem rentabilidade financeira adequada. Actividades Com a criação da REFER PATRIMÓNIO a empresa vê alargado o seu âmbito de actividade e a sua estrutura de pessoal. Assim, acrescem às actividades de valorização patrimonial e comercialização dos empreendimentos, as actividades de gestão e manutenção das estações ferroviárias, administração e inventariação de todo o património imobiliário e a comercialização dos espaços comerciais e publicitários nas estações, bem como dos parques de estacionamento adjacentes.

20 20 Valorização Patrimonial A Área de Valorização Patrimonial, tem como responsabilidade o desenvolvimento e gestão dos projectos de valorização patrimonial e dos contratos de prestação de serviços com a REFER. As principais actividades executadas em 2010 no âmbito da Valorização Patrimonial foram: Valorização e requalificação dos terrenos adjacentes à Estação de Alcântara Terra, não necessários à exploração ferroviária, promovendo para isso o desenvolvimento dos necessários Estudos Urbanísticos. Desenvolvimento em Borba de um projecto de valorização no terreno nascente à actual Estação Ferroviária, simultaneamente, para uma outra parcela de terreno acordou-se com a autarquia os termos da concessão para a instalação de um parque de estacionamento municipal; Em Gaia, após a elaboração de um plano geral de intervenção (masterplan) da Estação de General Torres e zona envolvente, a Empresa apresentou na Câmara Municipal um Pedido de Informação Prévia por forma a garantir a edificabilidade necessária à valorização desses terrenos; No primeiro ano de actividade na gestão e implementação do Plano Nacional de Ecopistas a REFER PATRIMÓNIO promoveu diversas reuniões com municípios por onde passam antigos canais ferroviários passíveis de ser transformados em ecopistas. A criação de ecopistas impede a degradação do canal e a ocupação ilegítima e tem diversas implicações ao nível da oferta turística e desenvolvimento regional. Nas estações de S. João e S. Pedro do Estoril estão em curso as fases de assistência técnica à empreitada no âmbito do desenvolvimento dos projectos de arquitectura das Passagens Inferiores Pedonais para serviço público e ferroviário. Em Viana do Castelo, foi vendido um terreno com cerca de m2 do Domínio Público Ferroviário. No segundo trimestre, foi assinado o Contrato de Promessa de Compra e Venda por 1,2 milhões de euros, que será escriturado após a desafectação do terreno do Domínio Público Ferroviário. Construção e Fiscalização Relativamente às actividades de Construção e Fiscalização há a realçar, em 2010: No âmbito da parceria com a Visabeira, a REFER PATRIMÓNIO tem a seu cargo a fiscalização e coordenação da empreitada para construção de um empreendimento habitacional em Aveiro com 104 fogos.

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008 Sinopse Histórica Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade

Leia mais

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira)

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) Comissão Arco Atlântico Eduardo Borges Pires, Director de Estudos e Estratégia Sines, 11 de Março de 2011 Procura Transporte

Leia mais

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA DE ACTUAÇÃO A CP Lisboa é a Unidade de Negócio da CP responsável

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes 1 Pressupostos e condicionantes Estratégia de Mobilidade nacional para o transporte de passageiros e de mercadorias:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE Enquadramento Comunitário e Nacional Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes, rumo a um sistema de transportes

Leia mais

Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica

Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica 1. Introdução Ao longo de mais de 150 anos da existência do caminho de ferro em Portugal, foram muitos

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização PROJECTO DE DECISÃO Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização 1. Introdução A CEPT desenvolveu, desde 1995, acções no sentido de definir os requisitos de espectro e de âmbito

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012.

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012. Bem Brasília vindos 9 de Maio de 2012 AGENDA REFER TELECOM Desafios da Modernização Interoperabilidade Operação Ferroviária Modelo de negócio Gestão de Telecomunicações Gestão do Património Engenharia

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Alargar os Horizontes -Visão CP -

Alargar os Horizontes -Visão CP - Alargar os Horizontes -Visão CP - Seminário de Transporte Ferroviário Porto, 1 de Outubro de 2009 Francisco Cardoso dos Reis Agenda Contexto Programa Transformação Estratégica CPmais Resultados 2008 Qualidade

Leia mais

Comunicado de Resultados

Comunicado de Resultados Comunicado de Resultados Resultados Consolidados 30 de Junho de 2007 Sonae Distribuição S.G.P.S., SA Em destaque A Sonae Distribuição apresentou ao longo do primeiro semestre de 2007 um crescimento de

Leia mais

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português.

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Identificação da empresa Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Breve Historial da STCP A STCP - Sociedade de Transportes Colectivos

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 PVP Programa de Valorização de Património Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 Objectivos genéricos do PVP garantir a função social do município no apoio ao acesso à habitação; promover a adequação

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento

Relatório Semestral de Acompanhamento 4.º relatório semestral Relatório Semestral de Acompanhamento 1º semestre 2012 Município de Mondim de Basto julho de 2012 1 ÍNDICE I. Introdução...3 II. Execução do Plano de Contenção de Despesa Corrente...4

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 20120717 REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 1. Refer: Gestor da Infraestrutura Ferroviária 2. Caracterização da Actividade de Manutenção

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014 PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJECTIVOS DO PP... 2 2.1 Objectivos

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Nota Prévia Os resultados reportados oficialmente reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 2008, em seguimento da assinatura do contrato de

Leia mais

Relatório de Gestão e Sustentabilidade. Relatório de Gestão e Sustentabilidade 2011 1

Relatório de Gestão e Sustentabilidade. Relatório de Gestão e Sustentabilidade 2011 1 Relatório de Gestão e Sustentabilidade Relatório de Gestão e Sustentabilidade 2011 1 As melhores vistas da cidade Relatório de Gestão e Sustentabilidade Índice 1 MENSAGEM DA PRESIDENTE 7 2 O ANO DE 2011

Leia mais

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. EDIFÍCIO MOTA TEL: 351 22 5190300 SOCIEDADE ABERTA RUA DO REGO LAMEIRO,

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

I INTRODUÇÃO II PLANO DE ACTIVIDADES

I INTRODUÇÃO II PLANO DE ACTIVIDADES Entidade Reconhecida de Utilidade Pública Pág. 1 I INTRODUÇÃO O Plano de Actividades da Direcção eleita em Julho de 2005, para o ano 2006, tem como objectivos a angariação de fundos para a construção da

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2011)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2011...

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO O Álvaro Seco ÍNDICE 1. Resenha Histórica 2. O Presente Mudança de Paradigma Breve Descrição da Rede 3. O Faseamento do Projecto 4. Os Desafios Futuros 1. RESENHA HISTÓRICA 1 RESENHA HISTÓRIA O PROBLEMA

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros; COMUNICADO Ílhavo, 13 de Março de 2015 Destaques Resultados de 2014»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;»» EBITDA de 2,3 milhões

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais