SUMÁRIO RESUMO / ABSTRACT 1 1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJETIVOS 2 3. MÚLTIPLOS ENFOQUES DE ABORDAGEM DA ANÁLISE QUÍMICA 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO RESUMO / ABSTRACT 1 1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJETIVOS 2 3. MÚLTIPLOS ENFOQUES DE ABORDAGEM DA ANÁLISE QUÍMICA 3"

Transcrição

1 1 SUMÁRIO RESUMO / ABSTRACT 1 1 INTRODUÇÃO 2 2 OBJETIVOS 2 3 MÚLTIPLOS ENFOQUES DE ABORDAGEM DA ANÁLISE QUÍMICA 3 4 MÉTODO IPT DE RECONSTITUIÇÃO DE TRAÇO DE ARGAMASSA 4 41 Aspectos gerais 4 42 Cálculo dos constituintes e do traço Cálculo dos constituintes Cálculo do traço, em massa e volume Considerações quanto à metodologia 10 5 PROGRAMA EXPERIMENTAL Planejamento da pesquisa Aglomerantes Areia Etapas de execução Preparo das argamassas e moldagem Cura Caracterização química das argamassas Resultados da reconstituição de traço Teor de agregado Teor de cimento Teor de cal Proporção dos constituintes na argamassa Análise dos resultados de reconstituição de traço 20 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerações quanto aos objetivos propostos Continuidade da pesquisa 25 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 26

2 1 RECONSTITUIÇÃO DE TRAÇO DE ARGAMASSAS ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO IPT RESUMO A pesquisa aborda o Método IPT de reconstituição de traço de argamassas aplicando-o a três argamassas simples, oito argamassas mistas de cimento CP II E-32, cal hidratada cálcica CHI ou cal hidratada dolomítica CHIII e, três misturas prontas simulando argamassas industrializadas (QUARCIONI, 1998) O estudo teve como objetivo adequar o Método IPT às argamassas produzidas com materiais atuais de mercado, cujas especificações sofreram alterações substanciais nos últimos anos Na caracterização química das argamassas foram aplicados ensaios gravimétricos e titulométricos, preconizados pelo Método IPT Paralelamente, foram determinados silício, cálcio, ferro e alumínio por espectrofotometria de absorção atômica, mostrando-se uma técnica alternativa viável, levando-se em conta as características específicas de cada elemento químico ensaiado O Método IPT apresentou boa reprodutibilidade entre os traços calculados, a partir dos resultados da análise química, e os traços de dosagem, confirmando sua atualidade e aplicabilidade para as argamassas estudadas Os dados experimentais permitiram sugerir uma correção no cálculo da proporção de agregado, no caso de argamassas com cal hidratada, de forma a refinar o resultado do traço A metodologia mostra-se adequada para elaboração de norma técnica nacional ABSTRACT This research studied the IPT Method for mix-proportion determination of hardened mortars The method was applied to two lime, one cement, eight cement-lime based mortars, and three pre-mixed laboratorial mortars simulating industrial mortars The cement type was CP-II E-32 and the hydrated lime types were dolomitic CH III and calcitic CH I The purpose of the study was to adjust the IPT Method for actual mortars which are produced with those materials found on the market today The chemical analysis included gravimetric and titulometric tests as set forth in the IPT Method Silicium, calcium, magnesium, iron and aluminum quantities were also determined by Atomic Absorption Spectroscopy (AAS) This method proved to be a viable alternative to the IPT Method when taking into consideration the limitations it has for each element The IPT Method presented good results when comparing the mix-proportions that were calculated from chemical analysis with the corresponding mix-proportion references, demonstrating the method s actuality and applicability for the quality control of studied mortars It is suggested from the experimental data to use a correction factor for the calculated proportion of sand in the mortars with hydrated lime The methodology seemed to be adequate for the elaboration of a National Standard

3 2 1 Introdução No contexto de estudos e avaliação de diferentes aspectos tecnológicos da argamassa 1, é de interesse conhecer o traço, isto é, a proporção dos materiais empregados na dosagem, aglomerante(s) e agregado, expresso em massa ou volume São exemplos, estudos de causas de fenômenos patológicos de revestimentos de obras acabadas, restauração de obras históricas, controle da qualidade de argamassas industrializadas e misturas semiprontas para argamassas, e avaliação do desempenho dos materiais empregados na produção de argamassas O Laboratório de Química de Materiais do IPT acumulou uma ampla experiência nos seus 27 anos de atuação no estudo de materiais de construção, documentando e divulgando métodos de ensaio e seus resultados No que diz respeito à análise química 2 de argamassas e de revestimentos de argamassa desenvolveu um método de reconstituição de traço com base nos resultados da análise química quantitativa 3 O método de reconstituição de traço para concreto desenvolvido no IPT (Boletim, 1940) foi adaptado para argamassa O conhecimento da composição dos materiais constituintes das argamassas e dos fenômenos químicos envolvidos ao longo do tempo nos revestimentos, são dados importantes a serem considerados na interpretação de seus resultados Presentemente, a modificação na composição dos cimentos e das cales, o emprego de materiais residuais e o desenvolvimento e aplicação de novos materiais na construção civil dificultaram a reconstituição de traço das argamassas endurecidas, constatando-se a necessidade de uma adequação do método à realidade atual do mercado Em virtude da composição dos materiais nem sempre ser conhecida procurou-se também propor um programa de cálculo com base em composições hipotéticas (QUARCIONI, 1998) Na literatura encontramos as normas BS e a ASTM C , que apresentam metodologias para a análise química e cálculo do traço de argamassas Dado a peculiaridades de cada método não se aplicam diretamente às argamassas nacionais 2 Objetivos O estudo teve como objetivo geral atualizar o Método IPT de reconstituição de traço de argamassas, empregando-se materiais atuais de mercado, caracterizando seu campo de 1 Argamassa, de acordo com a NBR 11172/89, é uma mistura íntima e homogênea de aglomerante de origem mineral, agregado miúdo, água e, eventualmente, aditivos, em proporções adequadas a uma determinada finalidade 2 Análise química, ou melhor, análise química quantitativa, no cotidiano do laboratório, utiliza basicamente a gravimetria e titrimetria 3 Análise química quantitativa, é a parte da química analítica que se ocupa da determinação quantitativa dos diversos elementos químicos ou de suas combinações que estão presentes na composição de um material estudado (ALEXÉEV, 1966)

4 3 aplicação e limitações (QUARCIONI, 1998) Em decorrência, teve por objetivos específicos Avaliar a influência da variação dos teores de aglomerante e agregado na análise química e no traço da argamassa Por esta razão, foram definidos traços variando-se a relação entre aglomerante e agregado (13 e 14, em volume) como também a relação entre os aglomerantes (11 e 12, em volume), para o mesmo traço Foram escolhidos traços de argamassas comuns de mercado e casos estudados por solicitações do meio externo do IPT Estimar a influência, no cálculo do traço, da presença de cal hidratada Para tanto, foram empregados dois tipos de cal hidratada, cálcica CH I e dolomítica CH III, com teores de magnésio e anidrido carbônico bastante diferenciados entre si Um segundo aglomerante, além do cimento, implica uma variável a mais a ser considerada no cálculo A variação da relação aglomeranteagregado (13 e 14) permitirá uma avaliação da variabilidade do método, quando aplicado a traços mais ricos (13), ou a traços mais pobres (14) A variação da relação entre os aglomerantes (11 e 12) permitirá avaliar se um aumento expressivo de cal em relação ao cimento tem influência significativa no resultado do cálculo do traço 3 Múltiplos enfoques de abordagem da análise química A investigação de uma argamassa endurecida pode atender diversas finalidades e envolver aspectos como a durabilidade e o controle de qualidade dos materiais empregados ou, como é mais comum, avaliar fenômenos patológicos, permitindo uma compreensão mais aprofundada das causas que teriam levado à degradação de um dado revestimento A resposta que se espera de um estudo determina condições de trabalho e investimento em recursos a serem aplicados, possibilitando o uso de técnicas de análise mais sofisticadas ou o desenvolvimento de novas técnicas No campo da durabilidade, via de regra, a investigação tem como objetivo relacionar a microestrutura com as propriedades das argamassas Técnicas como a porosimetria por intrusão de mercúrio e a microscopia eletrônica de varredura já são amplamente utilizadas em estudos desta natureza (CARASEK, 1996) A análise química não é uma ferramenta adequada para investigação da microestrutura, mas, pode-se dizer, é indicada para se conhecer a composição do material como um todo, ao realizar a análise completa, quando é determinada a proporção dos constituintes da amostra Na análise química de argamassas empregam-se métodos analíticos freqüentemente classificados como macros, os quais envolvem determinação de quantidades de 0,1 grama ou mais de amostra (BASSETT et al, 1981) Os métodos empregados em química analítica estão embasados em conceitos teóricos de que se constituem esta ciência, comprovados experimentalmente Os métodos clássicos, mais antigos, continuam atuais, dada a confiabilidade dos resultados São exemplos métodos gravimétricos e titulométricos As técnicas ou métodos instrumentais desenvolvidos nestas últimas décadas, como a espectrofotometria de absorção atômica, empregada neste estudo, dependem do uso de

5 4 equipamentos específicos São técnicas que poderão substituir técnicas clássicas em diversas aplicações, por serem de execução mais rápida, ou por serem aplicáveis em determinações de teores muito menores do que se atinge com os métodos clássicos Por isso mesmo encontram ampla utilização na indústria Porém, envolvem investimento muito maior, nem sempre justificável Dada a praticidade do seu uso, é interessante dispor desse método como uma alternativa Considerando a importância de ambos os métodos, foi decidido utilizar espectrofotometria de absorção atômica, como uma técnica alternativa às técnicas preconizadas pelo Método IPT na determinação de alguns elementos químicos, pela rapidez de execução e por fazer parte, este equipamento, do instrumental do Laboratório de Química de Materiais, do Agrupamento de Materiais de Construção Civil do IPT 4 Método IPT de Reconstituição de traço de argamassa 41 Aspectos gerais O método de reconstituição de traço desenvolvido originalmente no IPT para concretos tem sido utilizado para argamassas, com algumas adaptações; baseia-se no princípio de que a argamassa, ao ser atacada com ácido clorídrico, dá origem a duas frações distintas uma insolúvel e outra solúvel Para argamassas convencionais de cimento Portland, cal hidratada e agregado quartzoso, a fração solúvel é composta essencialmente pelos aglomerantes e a fração insolúvel é constituída pelo agregado Temos ainda uma terceira fração volátil, que permite quantificar as reações ocorridas após a aplicação da argamassa A Tabela 1 apresenta esquematicamente a composição fracionada de argamassas Tabela 1 Resumo da análise fracionada de argamassas Fração Determinação Constituinte Secagem a 100ºC umidade ou água livre Calcinação de 100 a 500ºC água combinada da cal e do cimento Volátil Calcinação de 500 a 1000ºC anidrido carbônico dos carbonatos presentes como fíler ou resultantes da carbonatação Insolúvel gravimétrica agregado Solúvel cimento e cal ânions, como SiO e SO 4 cátions, como Ca 2+, Mg 2+, Al 3+, Fe 3+,Na + e K + Assim sendo, o método prevê as determinações quantitativas do agregado na forma de resíduo insolúvel (RI) e dos aglomerantes na forma de seus íons principais e comuns solubilizados, cujos resultados são expressos na forma dos óxidos correspondentes anidrido silícico (SiO 2 ), óxido de cálcio (CaO), óxido de magnésio (MgO) e óxidos de ferro e alumínio (R 2 O 3 ) Na fração volátil determina-se a umidade (UM), perda ao fogo (PF) e anidrido carbônico (CO 2 )

6 5 A subamostra separada por quarteamento é moída até granulometria inferior a 0,84mm (# ABNT nº 20) e separada em amostras analíticas para os diferentes ensaios químicos O método de análise química está apresentado, resumidamente, na Figura 1

7 6 I - Andamento principal AMOSTRA ANALÍTICA A (5g) adicionar 50mL de solução de HCl (12) lavar o precipitado com solução de Na 2 CO 3 (5%) e solução de HCl (595) PRECIPITADO filtrar, recolhendo o filtrado em balão de 500 ml FILTRADO calcinar a 1000 o C, evaporar uma alíquota de 200 ml em banho-maria, até esfriar secura e pesar secar em estufa a 100ºC RI atacar o resíduo com 30mL de solução de HCl (11) filtrar, recolhendo o filtrado em béquer PRECIPITADO calcinar a 1000 o C, esfriar e pesar SiO 2 FILTRADO adicionar gotas de HNO 3 e levar à fervura neutralizar com solução de NH 4 OH (11) filtrar, lavar o precipitado com solução de NH 4 NO 3 (20 g/l), recolhendo o filtrado em béquer PRECIPITADO calcinar a 1000 o C, esfriar e pesar R 2 O 3 PRECIPITADO dissolver o resíduo com 20mL de solução de H 2 SO 4 (11) aquecer a 80 o C e titular com solução de KMnO 4 (0,3M) FILTRADO ajustar o volume para 300mL adicionar solução HCl (11) até meio ácido, ph<5 adicionar 15 ml de solução saturada de (NH 4 ) 2 C 2 O 4 adicionar NH 4 OH até meio básico, ph>7 decantar o precipitado em banho-maria por 1h filtrar, recolhendo o filtrado em béquer FILTRADO acertar o ph com NH 4 OH precipitar com solução de (NH 4 ) 2 HPO 4 (20% ) manter em repouso de 8 a 12 horas filtrar, descartando o filtrado CaO PRECIPITADO MgO FILTRADO calcinar a 1000 o C, esfriar e pesar Figura 1 Fluxograma do método de análise química para argamassas

8 7 II - Umidade e Perda ao Fogo III - Anidrido Carbônico (CO 2 ) AMOSTRA ANALÍTICA B (1g) secar a 100 o C, esfriar e pesar UMIDADE CO 2 calcinar a 1000 o C, esfriar e pesar PF AMOSTRA ANALÍTICA C (1g) determinação gasométrica após decomposição térmica a 1000 o C Figura 1 Fluxograma do método de análise química para argamassas (cont) 42 Cálculo dos constituintes e do traço 421 Cálculo dos constituintes Com base nos dados da análise química calcula-se a proporção aglomerante(s)agregado, isto é, o traço da argamassa em massa, que poderá ser convertido em volume a partir das massas unitárias dos materiais empregados A determinação do teor de um constituinte da argamassa, que provém exclusivamente do agregado ou do aglomerante, permite estimar, através de cálculo, a relação aglomerante agregado presente na mesma O roteiro de cálculo a ser adotado depende do conhecimento da composição dos materiais empregados Quando não se dispõe da composição química destes, torna-se necessário assumir valores médios de composição química de amostras de referência Os resultados da análise química são recalculados na base de material não volátil, isto é, excluindo o valor da perda ao fogo até 1000ºC, ou seja, água livre, água combinada e anidrido carbônico dos materiais empregados ou incorporados à argamassa na evolução do processo de endurecimento Justifica-se este artifício de cálculo para permitir a obtenção dos teores de materiais originalmente utilizados na confecção da argamassa anidros e não carbonatados Com os valores na base não volátil (NV) e admitindo-se o teor de resíduo insolúvel como sendo a fração agregado (areia), e os óxidos restantes solubilizados como sendo a fração aglomerante (cimento e/ou cal), são calculadas as respectivas proporções percentuais, em referência aos materiais empregados, bem como o traço Para calcular os constituintes da argamassa, tem-se o seguinte procedimento

9 8 a) teor de agregado é o teor de resíduo insolúvel da argamassa expresso na base não volátil (%RI (ARG,NV) ) b) teor de cimento primeiramente é calculado na base não volátil (%Cim (ARG,NV) ), a partir da sílica solúvel da argamassa (% SiO 2(ARG,NV) ) e da sílica solúvel do cimento 4 empregado (% SiO 2(CIM,NV) ) % Cim ( ARG, NV) = (% SiO 100) 2( ARG, NV) (% SiO ) 2( CIM, NV) (1) Para se obter o teor de cimento originalmente dosado (%Cim (ARG,OR) ), corrige-se o calculado na base não volátil, acrescentando a perda ao fogo do cimento empregado (%PF (CIM) ), através da seguinte equação % Cim ( ARG, OR) (% Cim( ARG, NV) ) 100 = ( 100 % PF ) ( CIM) (2) Quando o cimento não é conhecido, adota-se para a perda ao fogo, o valor máximo especificado em norma ou de algum cimento de referência escolhido c) teor de cal primeiramente é calculado o teor de cal na base não volátil, expresso como cal virgem, (%CV) Este pode ser calculado de duas maneiras 1ª alternativa A partir dos teores de agregado e cimento, o teor de cal virgem é obtido por diferença do total (100% do total) % CV = 100 (% Cim + % RI ) (3) ( ARG, NV) ( ARG, NV) 2ª alternativa A partir do teor de óxido de cálcio da argamassa (%CaO (ARG,NV ), descontando-se o CaO proveniente do cimento (%CaO (CIM,NV) ) (% CaO ( ARG, NV) (% CaO ( CIM, NV) % Cim( ARG, NV) ) % CV = 100 (4) % CaO ( CAL, NV) Para se obter o teor de cal hidratada originalmente empregada (%Cal (ARG,OR) ), corrige-se o teor de cal calculado na base não volátil, em função da perda ao fogo da cal original (%PF (CAL) ), através da seguinte equação % Cal ( ARG, OR) % CV = 100 % PF ( CAL) 100 (5) 422 Cálculo do traço, em massa e volume O traço em massa de uma argamassa é calculado a partir dos teores percentuais de seus constituintes, expressos em relação ao cimento, isto é, dividem-se os teores de cal e agregado pelo teor de cimento O traço em volume é calculado dividindo-se esses valores pelas respectivas massas unitárias dos constituintes 4 Na análise química do cimento obtém-se o teor de sílica total somado ao resíduo insolúvel Desse total deve-se subtrair o resíduo insolúvel, obtendo-se então, o valor da sílica solúvel do cimento

10 9 A título de ilustração, estão apresentados a seguir os cálculos dos constituintes percentuais e do traço em massa e em volume de uma dada argamassa, obtidos a partir de dados da análise química A Tabela 2 apresenta os resultados da análise química da argamassa e os respectivos valores calculados na base não volátil A Tabela 3 traz os parâmetros químicos e as massas unitárias dos aglomerantes, considerados no cálculo do traço Tabela 2 Dados de análise química da argamassa Resultados (%) Determinações Base original Base não volátil Umidade 0,00 - Perda ao Fogo 2,52 - RI 80,0 82,1 SiO 2 solúvel 2,81 2,88 R 2 O 3 1,19 1,22 CaO 12,4 12,7 M go 0,63 0,65 CO 2 0,84 - Tabela 3 Parâmetros químicos e massas unitárias dos aglomerantes Tipo Base original (%) Base não volátil (%) Massa unitária (kg/m 3 ) Cimento SiO 2 CaO PF SiO 2 CaO CP II-E 20,5 57,2 5,90 21,8 60,8 1,12 Cal CaO MgO PF CaO MgO CHI-Cálcica 70,8 0,4 26,4 96,3 0,60 0,53 Teor de agregado %RI (ARG,NV ) = 82,1 Teor de cimento Pela equação (1), tem-se o teor de cimento anidro % Cim ARG NV = (, ) ( 288, 100) ( 21, 8) = 13, 21 (1) Da equação (2), tem-se o teor de cimento original empregado % Cim ARG OR = (, ) ( 13, 21) 100 = 14, 04 (2) ( 100 5, 9)

11 10 Teor de cal hidratada A partir da equação (3), tem-se o teor de cal virgem calculado pela diferença dos teores de areia e cimento % CV = 100 ( 13, , 1) = 4, 69 (3) Da equação (4) obtém-se o teor de cal hidratada, calculada em relação à perda ao fogo da cal hidratada empregada 469, % Cal( ARG, OR ) = 100 = 6, 38 (4) , 46 A partir desses constituintes percentuais, calcula-se o traço em massa correspondente da argamassa em relação ao cimento Traço, em massa Traço Rel Aglo/Agre cimento cal areia 1 0,46 5,8 1 / 4,0 14,1,% 6,38,% 82,1% 1 / 4,0 Para se calcular o traço em volume dividem-se os teores dos constituintes pelas respectivas massas unitárias, considerando-se a umidade da areia utilizada cimento = 1,12 g/cm 3 cal hidratada = 0,53 g/cm 3, areia, com 2,5% de umidade = 1,15 g/cm 3 Tem-se então cimento 1 / 1,12 = 0,89 cal hidratada 0,46 / 0,53 = 0,87 agregado [(5,8 + (5,8 x 0,025)]/1,153 = 5,2 Recalculando-se em relação ao cimento, tem-se o traço em volume Traço, em volume Traço Rel Aglo/Agre cimento cal areia 1 0,97 5,8 1 / 2,9 423 Considerações quanto à metodologia Este método tem sido aplicado rotineiramente para análise química de argamassas inorgânicas de revestimento ou assentamento, mas considerando algumas limitações que caracterizam sua aplicação para obtenção do traço de dosagem, vinculadas à natureza e

12 11 composição dos seus vários constituintes cimento, cal e agregado Notadamente destacam-se não é indicado para argamassas produzidas com cimento Portland pozolânico ou com adição de pozolanas, no preparo de argamassas A pozolana é geralmente insolúvel ao ataque com ácido clorídrico (como é empregado na análise química), superestimando o teor de areia e minimizando o teor de cimento (o cimento é calculado em função do teor de sílica solúvel que, admite-se, provém somente do cimento); argamassa com a presença de agregado carbonático compromete o princípio do método onde o agregado deve permanecer insolúvel ao ataque ácido Neste sentido, o método IPT é adequado para argamassas produzidas com agregado quartzoso Devido aos fatores abordados acima, pode-se considerar que para se fazer uma reconstituição é necessário conhecer previamente a natureza do agregado e do aglomerante empregado Assim, quando não se conhece o histórico de uma argamassa ou de uma obra e, portanto, não se dispõe dos dados de caracterização química dos componentes empregados, o resultado é sempre aproximado Nesses casos, costuma-se apresentar a faixa de valores de traço em que a argamassa pode estar situada 5 Programa experimental 51 Planejamento da pesquisa Para atender aos objetivos do estudo, foram moldadas argamassas simples 5 e mistas 6 de cimento Portland e cal hidratada dos tipos cálcica e dolomítica, com agregado silicoso, de forma a permitir avaliar o método químico de reconstituição de traço Assim, foram preparadas três argamassas simples de cimento Portland, cal hidratada cálcica e cal hidratada dolomítica, com traço 13, em volume Foram preparadas também oito argamassas mistas de cimento Portland e cales hidratadas cálcica e dolomítica 116, 129, 118 e 1212, em volume São traços usados freqüentemente no mercado, portanto, de interesse prático Partiu-se da escolha dos traços em volume, para reproduzir a realidade da obra, transformando-os em massa para se obter melhor precisão na proporção dos constituintes na moldagem dos corpos-de-prova A Tabela 4 apresenta os parâmetros de dosagem, com as respectivas nomenclaturas adotadas (siglas) para identificação das argamassas Para a transformação do traço em volume para traço em massa utilizou-se as respectivas massas unitárias dos materiais empregados areia seca 1,46 g/cm 3 areia, com 3% de umidade 1,12 g/cm 3 cimento Portland CP II-E-32 1,12 g/cm 3 cal hidratada cálcica CHI 0,53 g/cm 3 5 Argamassa simples é a argamassa preparada com um único aglomerante (NBR 13529/95) 6 Argamassa mista é a argamassa preparada com mais de um aglomerante (NBR 13529/95)

13 12 cal hidratada dolomítica CHIII 0,63 g/cm 3 Dado que o Método IPT pode também ser aplicado a argamassas industrializadas, julgou-se oportuno preparar três misturas prontas 7 de argamassa, simulando-as com os mesmos materiais empregados nas demais argamassas Para o cálculo do traço, os resultados das determinações químicas são expressos na base não volátil Este artifício de cálculo permite referir e comparar o traço calculado ao traço de obra, dosado com materiais na base anidra, como é convencionalmente conhecida a base desses materiais originais Nas misturas prontas não há incorporação de voláteis vinculada ao processo de cura; por isso, servirá de referência para avaliar este artifício de cálculo Assim, foram preparadas cerca de 200 gramas das seguintes misturas prontas, com traços expressos em volume 13 cimentoareia (13 C-MP); 13 cal hidratada dolomíticaareia (13 CD-MP) e 116 cimentocal hidratada dolomíticaareia (116 CD-MP), com a mesma proporção de materiais das argamassas correspondentes (Tabela 4) 511 Aglomerantes Foram utilizados cimento Portland tipo CP II-E 32, marca Votoran, da S/A Indústrias Votorantin, cal hidratada cálcica tipo CH I, marca Supercal, da Cobrascal Indústria de Cal Ltda e cal hidratada dolomítica tipo CH III, marca Votoran, da Companhia Cimento Portland Itaú São aglomerantes disponíveis no mercado paulista e de uso comum em obras 512 Areia Quanto ao agregado, foi utilizada uma areia preparada em laboratório, a partir de frações da Areia Normal Brasileira (NBR 7214/82) produzidas pelo IPT A concepção da areia com tal composição granulométrica surgiu inicialmente dentro de um estudo paralelo desenvolvido pelo grupo de alunos de pós graduação do Departamento de Construção Civil da Escola Politécnica, onde se avaliou a influência da curva granulométrica em algumas propriedades das argamassas (CARNEIRO, 1997) Esta areia foi considerada adequada para este estudo, porque é uma areia lavada de rio, de natureza quartzosa e com ausência de materiais argilosos, mica e feldspato, comuns neste tipo de areia, não tendo assim interferentes no detalhamento da composição das argamassas endurecidas, a ser feito na etapa seguinte deste estudo 7 Mistura pronta é a mistura de agregado e aglomerante(s) originais, pronta para o preparo da argamassa somente pela adição da água de amassamento

14 13 Tabela 4 Argamassas estudadas proporção dos materiais Identificação das argamassas Traços (em volume, Traços(em massa, Aglo Agre Aglo Agre % cimento % cal % aglom % agreg em função dos traços Sigla de areia úmida) de areia seca) (volume) (massa) (massa) (massa) (massa) (massa) de dosagem cimento cal areia cimento cal areia 13 só cimento 13 C , ,91 25,6-25,6 74,4 13 só cal cálcica 13 CC , ,15-14,0 14,0 86,0 13 só cal dolomítica 13 CD , ,17-16,2 16,2 83,8 116 com cal cálcica 116 CC ,47 5, ,96 13,7 6,4 20,1 79,8 116 com cal dolomítica 116 CD ,56 5, ,73 13,6 7,6 21,2 78,9 129 com cal cálcica 129 CC ,95 8, ,48 9,4 8,9 18,3 81,7 129 com cal dolomítica 129 CD ,13 8, ,10 9,2 10,4 19,6 80,4 118 com cal cálcica 118 CC ,47 7, ,28 10,8 5,1 15,9 84,1 118 com cal dolomítica 118 CD ,56 7, ,97 10,7 6,0 16,7 83, com cal cálcica 1212 CC ,95 11, ,95 7,4 7,0 14,4 85, com cal dolomítica 1212 CD ,13 11, ,45 7,3 8,2 15,5 84,5

15 14 52 Etapas de execução 521 Preparo das argamassas e moldagem As argamassas foram preparadas em um misturador com 5 litros de capacidade, de acordo com a NBR 13276/88, sendo que as argamassas simples e mistas de cal hidratada não foram maturadas previamente A quantidade de água empregada foi a adequada para se obter o índice de consistência de mm, fixado para todos os traços, que proporcionou uma trabalhabilidade adequada para as moldagens As argamassas do estudo foram moldadas em corpos-de-prova prismáticos de 4x4x16cm 522 Cura A desforma deu-se após dois ou três dias da moldagem, com exceção das argamassas simples de cal hidratada cálcica e dolomítica, ambas desmoldadas com cinco e dez dias, respectivamente, por serem mais lentas no endurecimento A cura foi feita em regime cíclico de cinco dias em ambiente de laboratório (T média = 25 º C, H média = 70%) e dois dias em câmara úmida (T média = 23 º C, H média = 95%),com exceção das argamassas simples de cal hidratada, as quais foram mantidas constantemente em ambiente de laboratório Este regime de cura simulou uma condição característica do país (clima quente e úmido, com elevados índices pluviométricos) Os corpos-de-prova foram ensaiados com 92 dias de cura 523 Caracterização química das argamassas Porções de amostras extraídas de quatro corpos-de-prova foram trituradas compondo-se uma amostra única A seguir, a amostra foi homogeneizada e quarteada Cerca de 100 gramas dessa amostra foram moídas em almofariz de porcelana até granulometria inferior a 0,84mm (peneira ABNT nº20), e reservadas para análise química Quanto às três misturas prontas, estas foram analisadas tal qual obtidas, portanto, sem cominuição prévia Aplicou-se o Método IPT para análise química de argamassas, tanto para as argamassas endurecidas como para as misturas prontas Da análise química constou as determinações de resíduo insolúvel, silício, cálcio, magnésio, ferro e alumínio (como R 2 O 3 ), umidade perda ao fogo e anidrido carbônico Paralelamente, foram executados ensaios por espectrofotometria de absorção atômica, nas mesmas amostras utilizadas para análise química Foram determinados silício, cálcio, magnésio, ferro e alumínio, com o objetivo de comparar esses resultados aos do Método IPT Esta técnica analítica tem a vantagem de empregar menor tempo na execução do ensaio, em comparação com os métodos clássicos correspondentes Todos os ensaios químicos foram executados em triplicata Todos os ensaios de caracterização química das argamassas foram realizados no Laboratório de Química de Materiais da Divisão de Engenharia Civil do IPT

16 15 53 Resultados da reconstituição de traço A partir dos dados dos ensaios químicos das argamassas, com intervalo de confiança para a média (ICM) com 95% de confiança, foram calculados os teores percentuais dos constituintes, agregado e aglomerante(s), para as argamassas simples, mistas e misturas prontas 531 Teor de agregado Foi assumido como mínima a variação dos valores de resíduo insolúvel (ICM 1% em relação à média) e fixado o valor médio dos ensaios para o cálculo do traço 532 Teor de cimento A partir dos intervalos de confiança das determinações de sílica solúvel, foram calculados os teores médios, máximos e mínimos dos respectivos teores de cimento para as argamassas Estes cálculos foram feitos a partir da sílica solúvel dosada tanto pelo Método IPT como por absorção atômica ao nível de 95% de confiança Nas argamassas simples de cal, existe sílica solúvel, em teores muito baixos, não sendo, por isso, considerados para o cálculo do cimento Por esta razão, a norma BS 4551 especifica que teores de sílica solúvel inferiores a 0,5% nas argamassas devem ser desconsiderados para o cálculo do cimento 533 Teor de cal A cal hidratada foi obtida por diferença do total da argamassa, a partir dos teores de agregado e cimento precedentemente calculados Como o resultado considerado é na base não volátil, a cal obtida é expressa como cal virgem, e sua correção para cal hidratada é função da perda ao fogo da cal original 534 Proporção dos constituintes na argamassa As Tabelas 5 e 7 apresentam os traços em massa e em volume, respectivamente, das argamassas e misturas prontas a partir de seus constituintes calculados para o Método IPT As Tabelas 6 e 8 apresentam os traços em massa e em volume, respectivamente, das argamassas e misturas prontas a partir de seus constituintes calculados para absorção atômica As mesmas Tabelas trazem os traços de referência originariamente apresentados na Tabela 4 Para se expressar a proporção dos constituintes cimento cal areia, por convenção, fixa-se o cimento como sendo um (1) e a cal e a areia calculados proporcionalmente Sendo o teor de cimento fixo pode-se comparar as porcentagens em massa da cal e do agregado obtidos, aos realmente adicionados no preparo da mistura As mesmas proporções podem ser comparadas em volume, levando em conta a massa unitária desses materiais

17 16 Tabela 5 Traços das argamassas, calculados a partir da análise química, em massa - Método IPT Traços de referência Valores calculados a partir da sílica solúvel (SiO 2 ) Traço (Dados de dosagem) Média Máxima Mínima Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal Areia Aglo Agre Cim Cal Areia Aglo Agre 13 C 1-2,9 1 2,9 1-2,9 1 2,9 1-2,8 1 2,8 1-2,9 1 2,9 13 CC - 1,00 6,2 1 6,2-1,00 6,2 1 6,2-1,00 6,2 1 6,2-1,00 6,3 1 6,3 13 CD - 1,00 5,2 1 5,2-1,00 5,0 1 5,0-1,00 5,0 1 5,0-1,00 5,0 1 5,0 116 CC 1 0,47 5,8 1 3,9 1 0,45 6,0 1 4,1 1 0,41 5,8 1 4,1 1 0,49 6,2 1 4,2 116 CD 1 0,56 5,8 1 3,7 1 0,57 6,3 1 4,0 1 0,52 6,2 1 4,1 1 0,61 6,5 1 4,0 129 CC 1 0,95 8,7 1 4,5 1 1,05 9,3 1 4,5 1 0,97 9,0 1 4,6 1 1,13 9,6 1 4,5 129 CD 1 1,13 8,7 1 4,1 1 0,95 8,5 1 4,4 1 0,86 8,1 1 4,4 1 1,05 8,8 1 4,3 118 CC 1 0,47 7,8 1 5,3 1 0,65 8,8 1 5,3 1 0,62 8,7 1 5,4 1 0,68 9,0 1 5,4 118 CD 1 0,56 7,8 1 5,0 1 0,45 7,9 1 5,4 1 0,37 7,5 1 5,5 1 0,54 8,3 1 5, CC 1 0,95 11,6 1 5,9 1 1,04 12,4 1 6,1 1 0,92 11,8 1 6,1 1 1,18 13,2 1 6, CD 1 1,13 11,6 1 5,4 1 0,88 11,6 1 6,2 1 0,62 10,1 1 6,2 1 1,22 13,4 1 6,0 13 C-MP 1-2,9 1 2,9 1-3,5 1 3,5 1-3,5 1 3,5 1-3,6 1 3,6 13 CD-MP - 1,00 5,2 1 5,2-1,00 5,6 1 5,6-1,00 5,5 1 5,5-1,00 5,6 1 5,6 116 CD-MP 1 0,56 5,8 1 3,7 1 0,46 6,4 1 4,4 1 0,31 6,1 1 4,7 1 0,71 7,7 1 4,5

18 17 Tabela 6 Traços das argamassas calculados a partir da análise química, em volume - Método IPT Traços de referência Valores calculados a partir da sílica solúvel (SiO 2 ) Traço (Dados de dosagem) Média Máxima Mínima Cim Cal Areia Aglo Agre Cim Cal Areia Aglo Agre Cim Cal Areia Aglo Agre Cim Cal Areia Aglo Agre 13 C ,0 1-3,0 1 3,0 1-2,9 1 2,9 1-3,0 1 3,0 13 CC ,0-1,0 3,0 1 3,0-1,0 3,0 1 3,0-1,0 3,1 1 3,1 13 CD ,0-1,0 2,9 1 2,9-1,0 2,9 1 2,9-1,0 2,9 1 2,9 116 CC ,0 1 1,0 6,2 1 3,1 1 0,9 6,0 1 3,2 1 1,0 6,4 1 3,2 116 CD ,0 1 1,0 6,5 1 3,3 1 0,9 6,4 1 3,4 1 1,1 6,7 1 3,2 129 CC ,0 1 2,2 9,6 1 3,0 1 2,0 9,3 1 3,1 1 2,4 9,9 1 2,9 129 CD ,0 1 1,7 8,8 1 3,3 1 1,5 8,4 1 3,4 1 1,9 9,1 1 3,1 118 CC ,0 1 1,4 9,1 1 3,8 1 1,3 9,0 1 3,9 1 1,4 9,3 1 3,9 118 CD ,0 1 0,8 8,1 1 4,5 1 0,7 7,7 1 4,5 1 1,0 8,6 1 4, CC ,0 1 2,2 12,8 1 4,0 1 1,9 12,2 1 4,2 1 2,5 13,6 1 3, CD ,0 1 1,6 12,0 1 4,6 1 1,1 10,4 1 5,0 1 2,2 13,8 1 4,3 13 C-MP ,0 1-3,6 1 3,6 1-3,6 1 3,6 1-3,7 1 3,7 13 CD-MP ,0-1,0 3,2 1 3,2-1,0 3,2 1 3,2-1,0 3,2 1 3,2 116 CD-MP ,0 1 0,8 6,6 1 3,7 1 0,6 6,3 1 3,9 1 1,3 7,9 1 3,4

19 18 Tabela 7 Traços das argamassas calculados a partir dos ensaios de absorção atômica, em massa Traços de referência Valores calculados a partir da sílica solúvel (SiO 2 ) Traço (Dados de dosagem) Média Máxima Mínima Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre 13 C 1-2,9 1 2,9 1-2,8 1 2,8 1-2,7 1 2,7 1-2,8 1 2,8 13 CC - 1,00 6,2 1 6,2-1,00 6,2 1 6,2-1,00 6,2 1 6,2-1,00 6,3 1 6,3 13 CD - 1,00 5,2 1 5,2-1,00 5,0 1 5,0-1,00 5,0 1 5,0-1,00 5,0 1 5,0 116 CC 1 0,47 5,8 1 3,9 1 0,36 5,7 1 4,2 1 0,31 5,5 1 4,2 1 0,42 5,9 1 4,2 116 CD 1 0,56 5,8 1 3,7 1 0,44 5,9 1 4,1 1 0,29 5,4 1 4,2 1 0,63 6,5 1 4,0 129 CC 1 0,95 8,7 1 4,5 1 0,89 8,7 1 4,6 1 0,64 7,7 1 4,7 1 1,22 10,0 1 4,5 129 CD 1 1,13 8,7 1 4,1 1 0,93 8,4 1 4,4 1 0,73 7,6 1 4,4 1 1,17 9,3 1 4,3 118 CC 1 0,47 7,8 1 5,3 1 0,47 8,1 1 5,5 1 0,21 6,8 1 5,6 1 0,85 9,8 1 5,3 118 CD 1 0,56 7,8 1 5,0 1 0,36 7,5 1 5,5 1 0,25 6,9 1 5,5 1 0,51 8,1 1 5, CC 1 0,95 11,6 1 5,9 1 0,78 11,0 1 6,2 1 0,54 9,7 1 6,3 1 1,10 12,9 1 6, CD 1 1,13 11,6 1 5,4 1 0,72 10,6 1 6,2 1 0,62 10,1 1 6,2 1 0,81 11,2 1 6,2 13 C-MP 1-2,9 1 2,9 1-3,6 1 3,6 1-3,3 1 3,3 1-3,9 1 3,9 13 CD-MP - 1,00 5,2 1 5,2-1,00 5,6 1 5,6-1,00 5,5 1 5,5-1,00 5,6 1 5,6 116 CD-MP 1 0,56 5,8 1 3,7 1 0,46 6,4 1 4,4 1 0,25 5,9 1 4,7 1 0,80 8,0 1 4,4

20 19 Tabela 8 Traços das argamassas calculados a partir dos ensaios de absorção atômica, em volume Traços de referência Valores calculados a partir da sílica solúvel (SiO 2 ) Traço (Dados de dosagem) Média Máxima Mínima Cim Cal Areia Aglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre Cim Cal AreiaAglo Agre 13 C ,0 1-2,9 1 2,9 1-2,8 1 2,8 1-2,9 1 2,9 13 CC ,0-1,0 3,0 1 3,0-1,0 3,0 1 3,0-1,0 3,1 1 3,1 13 CD ,0-1,0 2,9 1 2,9-1,0 2,9 1 2,9-1,0 2,9 1 2,9 116 CC ,0 1 0,8 5,9 1 3,3 1 0,7 5,7 1 3,4 1 0,9 6,1 1 3,2 116 CD ,0 1 0,8 6,1 1 3,4 1 0,5 5,6 1 3,7 1 1,1 6,7 1 3,2 129 CC ,0 1 1,9 9,0 1 3,1 1 1,4 7,9 1 3,3 1 2,6 10,3 1 2,9 129 CD ,0 1 1,7 8,7 1 3,2 1 1,3 7,8 1 3,4 1 2,1 9,6 1 3,1 118 CC ,0 1 1,0 8,4 1 4,2 1 0,4 7,0 1 5,0 1 1,8 10,1 1 3,6 118 CD ,0 1 0,6 7,7 1 4,8 1 0,4 7,1 1 5,1 1 0,9 8,4 1 4, CC ,0 1 1,6 11,3 1 4,3 1 1,1 10,0 1 4,8 1 2,3 13,3 1 4, CD ,0 1 1,3 10,9 1 4,7 1 1,1 10,4 1 5,0 1 1,4 11,5 1 4,8 13 C-MP ,0 1-3,7 1 3,7 1-3,4 1 3,4 1-4,0 1 4,0 13 CD-MP ,0-1,0 3,2 1 3,2-1,0 3,2 1 3,2-1,0 3,2 1 3,2 116 CD-MP ,0 1 0,8 6,6 1 3,7 1 0,4 6,1 1 4,4 1 1,4 8,2 1 3,4

INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS

INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS Narciso Gonçalves da Silva (1); Vicente Coney Campiteli (2) (1) Prof. Msc. da Universidade Tecnológica Federal do Paraná e-mail: ngsilva@cefetpr.br

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A AGLOMERANTES MINERAIS Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini e

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Cimento Portland branco

Cimento Portland branco JUL 1993 Cimento Portland branco NBR 12989 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.:

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente marinho, argamassa, cloretos, concreto, durabilidade.

Palavras-chave: Ambiente marinho, argamassa, cloretos, concreto, durabilidade. DURABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES INSERIDAS EM AMBIENTE MARINHO: INFLUÊNCIA DO REVESTIMENTO DE ARGAMASSA NA PENETRAÇÃO DE CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Raphaele de L. M. de C. Malheiro (1); Munique Silva

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE METACAULIM NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS INORGÂNICAS

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE METACAULIM NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS INORGÂNICAS Tema 3 Caracterización de materiales INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE METACAULIM NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS INORGÂNICAS João Manoel Freitas Mota 1,a, Romilde Almeida de Oliveira 2,b, Aluízio Caldas e Silva

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição.

Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição. Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição. Patrícia Krüger (Universidade Estadual de Ponta Grossa) E-mail: pkruger@uepg.br Luana Aparecida Cabral (Universidade Estadual de

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES DE CURA NO DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DE CIMENTOS ALUMINOSOS

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES DE CURA NO DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DE CIMENTOS ALUMINOSOS INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES DE CURA NO DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DE CIMENTOS ALUMINOSOS Rúbia M. Bosse (1) ; Mariane de Pieri (2) ; Raphael Coelli Ivanov (3) Caroline Angulski da Luz (4) ; (1) Universidade

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais

Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade

Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade TEOR DE UMIDADE sólido sem retração sólido com retração plástico líquido Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade A plasticidade do solo, ou limites de consistência, é determinada através

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. Luciana de Nazaré Pinheiro Cordeiro (1), Edison Estivalete Bilhalva Junior

Leia mais

Revista Ciências & Tecnologia. Controle de qualidade da cal para argamassas - metodologias alternativas

Revista Ciências & Tecnologia. Controle de qualidade da cal para argamassas - metodologias alternativas Controle de qualidade da cal para argamassas - metodologias alternativas PAIVA, Sérgio Carvalho1; GOMES, Eduardo Alves de Oliveira 1 ; OLIVEIRA, Romilde Almeida de 2 1 Mestrando do Programa de Mestrado

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO.

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T0 A24 ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA INICIAL DA ÁGUA DE MISTURA NO DESEMPENHO TERMOMECÂNICO DE CONCRETO REFRATÁRIO ISOLANTE. Materiais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA INICIAL DA ÁGUA DE MISTURA NO DESEMPENHO TERMOMECÂNICO DE CONCRETO REFRATÁRIO ISOLANTE. Materiais 1 1 INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA INICIAL DA ÁGUA DE MISTURA NO DESEMPENHO TERMOMECÂNICO DE CONCRETO REFRATÁRIO ISOLANTE Santos, S. F 1.; Serra, F. A. S 2.; Rodrigues, J. A 1. 1 Universidade Federal de São

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC 1 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC J. A. Roque (1); M. M. T. M. Lima (2); G. Camarini (3) Caixa Postal 6021, CEP: 13.083-852,

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS METAS Apresentar os algarismos significativos e operações que os envolvem; apresentar os conceitos de precisão e exatidão; apresentar os tipos de erros experimentais; apresentar

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

Reciclagem secundária de rejeitos de porcelanas elétricas em estruturas de concreto

Reciclagem secundária de rejeitos de porcelanas elétricas em estruturas de concreto Reciclagem secundária de rejeitos de porcelanas elétricas em estruturas de concreto K. F Portella, LACTEC, A. Joukoski, LACTEC, O. Baron, LACTEC e A. Sales, UFSCar Materiais RESUMO Seis traços de concretos

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica Danielle OLIVEIRA(1); Munique LIMA (2); Gibson MEIRA(3) ; Raphaele LIRA (4) Marcos PADILHA(5) (1) Centro Federal

Leia mais

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA VII ERUR ENCONTRO DE REFRATÁRIOS E USUÁRIOS DE REFRATÁRIOS CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA RESUMO Definição Concretos

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

3 Método Experimental

3 Método Experimental 3 Método Experimental Para a determinação do teor de Ferro Metálico na escória bruta, nas frações recuperadas ou em agregados foi necessário desenvolver 2 métodos distintos usando um conjunto de técnicas

Leia mais

Fundamentos básicos do método

Fundamentos básicos do método MÉTODO DO IPT Fundamentos básicos do método I LEI DE ABRAMS: Para um certo conjunto particular de materiais, a resistência do concreto é função da relação a/c. f cj = K 1 / k 2 (A/C) II LEI DE LYSE: Para

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

E-mail: lucio_eugenio@hotmail.com

E-mail: lucio_eugenio@hotmail.com ESTUDO DE DOSAGEM DO CONCRETO CONVENCIONAL FEITO COM CP II F-32 E AGREGADOS DE RIO BRANCO - ACRE E UTILIZAÇÃO DE ARGILA CALCINADA DO MESMO LOCAL COMO POZOLANA NA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO CONSALES,

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE. Emissão inicial: 23.04.2007 Última revisão: 25.07.2012

MÉTODO DE ANÁLISE. Emissão inicial: 23.04.2007 Última revisão: 25.07.2012 Pág.: 1/5 1.0. OBJETIVO Determinar o teor Zinco em Óxido de Zinco, Pó de Zinco, ligas metálicas de Zinco e resíduos de Zinco. 2.0. ABRANGÊNCIA Laboratório de Controle de Qualidade. 3.0 DEFINIÇÕES Não se

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ²

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ¹ Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1

Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1 Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1 Modular concrete hollow blocks innovated with addition of ash from bagasse sugar cane Felipe Lima da Costa

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais