Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011"

Transcrição

1 Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 29 de novembro de

2 1. Legislação Aplicada; SUMÁRIO 2. Melhores Práticas; 3. Casos observados. 2

3 LEGISLAÇÃO APLICADA AOS INVESTIMENTOS 3

4 Lei Complementar 109/2001 Legitima o Conselho Monetário Nacional (CMN) para dar as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores das EFPC (Art. 9º, parágrafo 1º). Adicionalmente, veda qualquer aplicação compulsória (Art. 9º, parágrafo 2º). Determina que EFPC constituídas por instituidores deve ter a gestão terceirizada dos recursos garantidores (Art. 31, parágrafo 2º, inciso I,). 4

5 A Resolução CMN 3.792/2009 é a regulamentação onde estão as principais diretrizes dos investimentos executados pelas Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) para buscar rentabilizar as reservas dos participantes dos planos de benefícios. A legislação abrange: Resolução 3.792/09 Planos de benefícios previdenciários; Planos de assistência financeira; e Planos de gestão administrativa. 5

6 Resolução 3.792/09 RECURSOS GARANTIDORES Soma/Subtração Conta (+) Disponível (+) Investimento (-) Exigível operacional / Investimentos (-) Exigível Contingencial / Investimentos 6

7 DIRETRIZES GERAIS Segurança; Rentabilidade; Solvência; Liquidez; e Resolução 3.792/09 Transparência. 7

8 Resolução 3.792/09 CONTROLES INTERNOS E AVALIAÇÃO DE RISCO O gerenciamento dos riscos e retornos esperados dos investimentos diretos e indiretos devem ser feitos mediante uso de um modelo que limite a probabilidade máxima de perda. Contudo, até a colocação em produção do que se chama de modelo proprietário de risco, a EFPC deve continuar a calcular a divergência não planejada (DNP) e enviar a PREVIC conforme Instrução PREVIC 02/

9 Resolução 3.792/09 POLÍTICA DE INVESTIMENTO A política de investimento é o documento que consolida as diretrizes dos investimentos da EFPC para o ano que se segue. E contém no mínimo: Alocação de recursos e os limites por segmento de aplicação; Os limites por modalidade de investimento; A utilização de instrumentos derivativos; A taxa mínima atuarial ou os índices de referência, observado o regulamento de cada plano de benefícios; 9

10 7 Resolução 3.792/09 POLÍTICA DE INVESTIMENTO A meta de rentabilidade para cada segmento de aplicação; A metodologia ou as fontes de referência adotadas para apreçamento dos ativos financeiros; A metodologia e os critérios para avaliação dos riscos de crédito, mercado, liquidez, operacional, legal e sistêmico; e A observância ou não de princípios de responsabilidade socioambiental. 10

11 Resolução 3.792/09 REQUISITOS DOS ATIVOS Segurança (legalidade e registro); Segregação patrimonial (conta própria); Apreçamento (modelos e referências) (negociações em bolsa e plataformas eletrônicas). 11

12 CONDIÇÕES DOS ATIVOS Análise de risco (renda fixa e renda variável); Análise de viabilidade econômica e financeira (SPE); Avaliação imobiliária; e Resolução 3.792/09 Encargos mínimos (empréstimos e financiamentos a participantes). 12

13 Resolução 3.792/09 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO Renda fixa; Renda variável; Investimentos estruturados; Investimentos no exterior; Imóveis; e Operações com participantes. 13

14 Resolução 3.792/09 LIMITES De alocação (por segmento); De alocação por emissor (patrocinador); De concentração por emissor; e De concentração por investimento. 14

15 Resolução 3.792/09 Renda Fixa - Segmento Limites Títulos públicos federais - - Títulos públicos estaduais e municipais Cotas de FIC/FI Curto Prazo, referenciado, renda fixa TVM de instituição financeira + poupança Organismo multilateral CCB + CCCB + notas promissórias 20% NCE + CCE 20% 80% FIDC + FIC-FIDC 20% CRI 20% CCI (com garantia real) 20% CPR + CDCA + CRA + WA 20% TVM de companhias abertas + securitizadoras 20% 100% 15

16 Resolução 3.792/09 Renda Variável - Segmento Limites Novo mercado 70% Nível II 60% Bovespa Mais 50% Nível I 45% Tradicionais + Fundo de índice + Cota de fundos de ações 35% 70% SPE 20% Outros 3% 16

17 Resolução 3.792/09 Investimentos Estruturados - Segmento Limites FIP, FIC-FIP - FIEE - FII 10% Fundo multimercado 10% 20% 17

18 Resolução 3.792/09 Investimentos no Exterior - Segmento Ativos emitidos no exterior de carteiras de fundos constituídos no Brasil FIDE Fundos de índice do exterior Limites 10% BDR, MERCOSUL 18

19 Resolução 3.792/09 Investimento Imóveis - Segmento Empreendimentos imobiliários Aluguel e renda Outros Limites 8% Operações com participante - Segmento Limites Empréstimos 15% Financiamentos imobiliários 19

20 Resolução 3.792/09 Limites de alocação por emissor Limites Tesouro Nacional 100% Instituição Financeira 20% Tesouro Estadual e Municipal 10% Companhia Aberta ou Assemelhada 10% Organismo Multilateral 10% Companhia Securitizadora 10% Patrocinador do Plano de Benefícios 10% FIDC ou FIC-FIDC 10% Funde de Índice Referenciado em Cesta de Ações de Companhias Abertas 10% SPE 10% FI ou FIC-FI do Segmento Estruturados 10% Outros 5% 20

21 Resolução 3.792/09 Limites de concentração por emissor / Base de Cálculo Limites Capital Total de Companhia Aberta 25% Capital Total de SPE 25% Capital Votante de Companhia Aberta 25% Patrimônio Líquido de Instituição Financeira 25% Patrimônio Líquido de Fundo de Índice Referenciado em Cesta de Ações de Companhias Abertas 25% Patrimônio Líquido de FI do Segmento de Estruturados 25% Patrimônio de FI Constituído no Brasil com Carteira de Segmentos no Exterior 25% Fundos de Índice do Exterior Admitidos Negociação em Bolsa no Brasil 25% Patrimônio Separado Constituído nas Emissões de Certificados de Recebíveis (CRI) 25% 21

22 Resolução 3.792/09 Limites de concentração por investimento / Base de Cálculo Limite Mesma Série de Títulos e Valores Mobiliários 25% Mesma Classe ou Série de Cotas de FIDC 25% Mesmo Empreendimento Imobiliário 25% Exceção: Ações; Bônus de subscrição de ações; Recibos de subscrição de ações; Certificados de recebíveis emitidos com adoção de regime fiduciário; e Debêntures de emissão de SPE. 22

23 DERIVATIVOS: Resolução 3.792/09 Avaliação prévia dos riscos envolvidos; Existência de sistemas de controles internos adequados às suas operações; Registro da operação ou negociação em bolsa de valores ou de mercadorias e futuros; e Atuação de câmaras e prestadores de serviços de compensação e de liquidação como contraparte central garantidora da operação. 23

24 DERIVATIVOS Resolução 3.792/09 Depósito de margem limitado a 15% da posição em: Títulos da dívida pública mobiliária federal; Títulos e valores mobiliários de emissão de instituição financeira autorizada a funcionar pelo BACEN; e Ações pertencentes ao Índice Bovespa da carteira de cada plano ou fundo de investimento. 24

25 DERIVATIVOS Resolução 3.792/09 Para opções, o total pago de prêmio está limitado a 5% de: Títulos da dívida pública mobiliária federal; Títulos e valores mobiliários de emissão de instituição financeira autorizada a funcionar pelo BACEN; e Ações pertencentes ao Índice Bovespa da carteira de cada plano ou fundo de investimento. 25

26 Resolução 3.792/09 FUNDOS DE INVESTIMENTO Todos os investimentos realizados por meio de fundos de investimento devem observar as modalidades, os requisitos e as condições estabelecidas na Resolução 3.792/2009, exceto: FIDE e FIC-FIDE; FIDC e FIC-FIDC; e fundos de investimento e fundos de investimento em cotas de fundos de investimento classificados no segmento de investimentos estruturados. 26

27 Resolução 3.792/09 FUNDOS DE INVESTIMENTO Não é necessário abrir as carteiras dos seguintes FI e FIC: FIDE e FIC-FIDE; FIDC e FIC-FIDC; Fundos de índice referenciado em cesta de ações de companhias abertas; e Fundos de investimento e fundos de investimento em cotas de fundos de investimento classificados no segmento de investimentos estruturados. 27

28 Resolução 3.792/09 DESENQUADRAMENTO PASSIVO Devido a variações de mercado ou acontecimentos usuais do mercado financeiro, alguns desenquadramentos à legislação vigente podem ocorrer. 28

29 Resolução 3.792/09 DESENQUADRAMENTO PASSIVO Os listados na legislação são: Valorização de ativos; Recebimento de ações em bonificação; Conversão de bônus ou recibos de subscrição; Exercício do direito de preferência; Reestruturação societária na qual a EFPC não efetue novos aportes; Recebimento de ativos provenientes de operações de empréstimos; e Reavaliação de imóveis. 29

30 Resolução 3.792/09 VEDAÇÕES É vedado, por exemplo: Realizar operações entre planos por ela administrados, exceto nos casos de transferência de recursos, desde que observadas as condições estabelecidas pelo CNPC ou pela PREVIC; Atuar como instituição financeira, salvo nos casos expressamente previstos na legislação; Prestar fiança, aval, aceite ou coobrigar-se de qualquer forma; 30

31 Resolução 3.792/09 VEDAÇÕES Realizar operações de crédito com suas patrocinadoras; Aplicar em ativos ou modalidades não previstas na Resolução nº 3.792/2009; Aplicar recursos em títulos ou valores mobiliários de companhias sem registro na CVM, ressalvados os casos expressamente previstos na Resolução. 31

32 Investimentos D e s c r iç ã o d e z / 0 9 d e z / 1 0 j u n / 1 1 Tit u l o s P ú b l ic o s 2 1 4, , ,8 A ç õ e s 1 5 5, , ,6 Tít u l o s P r iv a d o s 4 5,2 5 3,4 5 9,5 O pe r a ç õ e s C o mpr o missa d a s 2 0,6 2 7,8 2 9,6 F u n d o s d e I n v e st ime n t o 1 5,6 2 3,6 2 0,0 I mó v e is 1 2,8 1 5,5 1 6,3 O pe r a ç õ e s c o m P a r t ic ipa n t e 1 2,1 1 3,6 1 4,6 V a l o r e s a P a g a r e a R e c e b e r 1,1-1,3 2,4 SP E 1,8 1,8 1,7 D e r iv a t iv o s 0,9 0,6 0,7 D ir e it o s C r e d it ó r io s 0,6 0,4 0,5 D e pó sit o s 0,1 0,1 0,2 T o t a l 4 8 0, , ,9 32

33 MELHORES PRÁTICAS EM INVESTIMENTOS 33

34 Impacto Mapa de Riscos Monitoramento, Orientação e Fiscalização Fiscalização Educação Educação e Orientação Risco 34

35 Guia de Melhores Práticas 35

36 Investimento Política de investimento como importante ferramenta de planejamento; Estudo de gerenciamento de ativos e passivos; Política de investimento mais restritiva que as Resoluções. 36

37 Investimento O AETQ como membro da Diretoria Executiva e certificado até dez/2010; Foco nos riscos operacional, legal, sistêmico, de mercado, de crédito e de liquidez; Atenção aos conflitos de interesse. 37

38 Investimento Os sistemas de gerenciamento de risco adequado à peculiaridades da EFPC; Sistemas periodicamente aferidos; EFPC com gestão própria recomenda-se criação de um comitê de investimento. 38

39 Investimento Estabelecimento de alçadas para operações; Contratação de gestão terceirizada transparente ao mercado e aos órgãos estatutários; Declaração dos gestores quanto a ciência das legislações em vigor e aderência aos mandatos. 39

40 Investimento Avaliação e conhecimento prévio dos dirigentes sobre os regulamentos dos fundos; O contrato de prestação de serviço de custódia claros quanto aos relatórios, à periodicidade, etc...; Contratos incluindo penalidades e condições para rescisão. 40

41 Guia de Melhores Práticas em Investimentos 41

42 Investimento Adicional Macroanálise dos Investimentos Política de Investimento Gestão dos Investimentos Avaliação do risco e controle 42

43 Investimento Adicional MODALIDADE DE GESTÃO A EFPC deve verificar qual forma de gestão dos investimentos que se adequa ao seu perfil: gestão própria, gestão terceirizada ou mista; Acompanhar, monitorar e controlar continuamente os resultados obtidos pela gestão própria e terceirizada; e Comparar os gestores internos e externos é útil para avaliação dos resultados apresentados. 43

44 Investimento Adicional TERCEIRIZAÇÃO O procedimento de seleção dos gestores, pela EFPC, deve conter histórico, justificativas, documentação relacionada, entre outros; A contratação de serviço terceirizado para os investimentos deve ser precedida de diligencias ; Gestores externos precisam prover informações suficientes, no prazo adequado, para que a EFPC. 44

45 Investimento Adicional CONTRATO DE GESTÃO É recomendável a assinatura de um contrato de gestão, estabelecendo mandatos, com metas explícitas que possam ser verificadas a qualquer momento do tempo; Realizar avaliações periódicas do trabalho dos prestadores de serviços, de modo que se verifique a qualidade dos serviços prestados no cumprimento dos mandatos; Políticas e práticas que incentivem decisões de investimento contrárias aos interesses dos participantes devem ser evitadas. 45

46 Investimento Adicional ESCOLHA DOS INVESTIMENTOS Entende-se que a gestão dos ativos deve verificar, a priori, a aderência dos instrumentos ofertados à política de investimento; Os negócios devem atender às rentabilidades necessárias e implícitas na avaliação atuarial dos planos de benefício; Quando da escolha por um ativo no qual a EFPC ainda não tenha investido, a entidade deve iniciar o processo de compra de forma conservadora. 46

47 DERIVATIVOS Investimento Adicional A legislação permite que a EFPC realize operações com derivativos, observadas as regras vigentes, sendo prevista sua utilização como instrumento de hedge; No caso de operações com derivativos em fundos de investimento, ou outro veículo de investimento, estas devem constar no regulamento dos mesmos e estar de acordo com a política de investimento do plano de benefícios. O gestor do fundo deve ser capaz de explicar as operações com derivativos à EFPC e esta de entendê-las. 47

48 Investimento Adicional MODELO PROPRIETÁRIO DE RISCO Deve estar inserido aos processos da EFPC de modo que seus resultados sejam utilizados como um instrumento de gestão; e É composto de estratégias, processos e avisos com a finalidade de identificar, medir, monitorar, avaliar, controlar e informar continuamente, ou em prazos adequados, todos os riscos que a EFPC está exposta. 48

49 CASOS OBSERVADOS 49

50 Casos Observados DPGE limite é dado pelo emissor IF e não pelo FGC; Operação de Box não é recepcionada na Resolução como operação de renda fixa. Assim segue limite de derivativo; Limites são baseados na carteira própria e gestão terceirizada; Informações os gestores devem disponibilizar os dados com a maior brevidade possível. 50

51 Casos Observados CCB de acordo com a Resolução deve ter coobrigação de IF ou cobertura de seguro; Forma de emissão a Resolução foca principalmente o emissor, e não a forma de emissão; Regras para não qualificados os FI devem seguir as regras, mas podem ser voltados para os investidores qualificados. 51

52 Previc: Fortalecendo a Previdência Complementar! Endereço: Setor Bancário Norte, Quadra 02, Bloco N - 5º andar Brasília - DF - CEP: Fone: /

53 OBRIGADO! Fabiano Maia Pereira Coordenador Geral de Monitoramento dos Investimentos Diretoria de Assuntos Atuariais, Contábeis e Econômicos A apresentação é somente uma interpretação de alguns pontos relevantes da legislação feita pelo órgão supervisor, não sendo exaustiva e nem abrangendo todas as normas, podendo ser alterado em decorrência de possíveis mudanças na legislação corrente ou de evoluções em sua interpretação. 53

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 LUIZ DA PENHA JAN/2011 1. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2011 PROCESSO DE INVESTIMENTOS REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DECISÃO

Leia mais

Resolução 3792. Principais Aspectos

Resolução 3792. Principais Aspectos Resolução 3792 Principais Aspectos Diretrizes para as aplicações princípios de segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência; boa fé, lealdade e diligência; elevados padrões éticos; cumprimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUCAO 3.792. Capítulo II DA ABRANGÊNCIA

RESOLUCAO 3.792. Capítulo II DA ABRANGÊNCIA RESOLUCAO 3.792 Dispõe sobre as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar. O Banco Central do Brasil, na forma do art.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ESCOLHA DOS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

LW REPORT INVESTINDO COM OS FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS. As regras do jogo. 01 Abril 2013. Principais áreas de atuação:

LW REPORT INVESTINDO COM OS FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS. As regras do jogo. 01 Abril 2013. Principais áreas de atuação: LW REPORT 01 Abril 2013 Principais áreas de atuação: Societário e mercado de capitais Restructuring and Finance Real Estate M&A Executive Compensation and Benefits Direito Empresarial Externo INVESTINDO

Leia mais

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 1 - Introdução e Organização do Relatório O relatório de acompanhamento da política de investimentos tem por objetivo verificar

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

Limites e Regulação Investidores Institucionais. Aguinaldo Lester Landi Coordenador-Geral de Monitoramento de Investimentos da Previc

Limites e Regulação Investidores Institucionais. Aguinaldo Lester Landi Coordenador-Geral de Monitoramento de Investimentos da Previc Limites e Regulação Investidores Institucionais Aguinaldo Lester Landi Coordenador-Geral de Monitoramento de Investimentos da Previc 1 Programa Classificação de Ativos Limites de Alocação Limites de Concentração

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DO PGA... 3 2.1 Empresas Patrocinadoras...

Leia mais

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL Out/2014 OBJETIVO Estratégia de Investimento Política de Investimentos, Perfis de Investimentos, Agentes Envolvidos na Gestão e Classes de Ativos. POLÍTICA

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú

Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2012 a 2016 Resolução CMN nº 3.792/09 Introdução Este documento consolida as diretrizes estabelecidas para a gestão dos recursos

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2012 Política de Investimentos 2012 Plano de Benefícios 1 1. Introdução A Futura - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política

Leia mais

Acesita Previdência Privada ACEPREV

Acesita Previdência Privada ACEPREV Acesita Previdência Privada ACEPREV Política de Investimentos 2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2011 Índice 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...3 1.1. VIGÊNCIA DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS SÃO RAFAEL SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS SÃO RAFAEL SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 SÃO RAFAEL SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1 1 Dos objetivos de Rentabilidade Obter no longo prazo rendimentos iguais ou superiores à média do mercado nos segmentos de renda

Leia mais

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 1º Trimestre de 2013

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 1º Trimestre de 2013 Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 1º Trimestre de 2013 1 - Introdução e Organização do Relatório O relatório de acompanhamento da política de investimentos tem Os limites referentes ao

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA 1/17 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos, especificamente do Plano de Gestão Administrativa - PGA,

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2014 Política de Investimentos 2014 1 1. Introdução A Futura II - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792 Análise da Resolução CMN 4.275 que altera a Resolução CMN 3.792 Novembro de 2013 1. Introdução O presente documento tem a proposta de apresentar um breve resumo das principais alterações decorrentes da

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD 2015 A presente Política de Investimentos do Plano de Benefício Definido PBD, administrado pela Previdência Usiminas, foi aprovada pelo Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Núcleos. 2º Trimestre de 2015

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Núcleos. 2º Trimestre de 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Núcleos 2º Trimestre de 2015 2 1 INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO RELATÓRIO O relatório de acompanhamento da política de investimentos tem por objetivo

Leia mais

Acesita Previdência Privada ACEPREV. Política de Investimentos 2016

Acesita Previdência Privada ACEPREV. Política de Investimentos 2016 Política de Investimentos 2016 Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 10/12/2015 Índice 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 3 1.1. VIGÊNCIA DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO... 3 1.2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I 1 Por que investir em fundo de AÇÕES BDR NIVEL I? Viabiliza o acesso das instituições reguladas pela Resolução CMN 3792/09 a investimentos no exterior; Estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD ÍNDICE CAPÍTULO PÁGINA Introdução.... 3 Governança Corporativa.... 3 Diretrizes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O PLANO... 3 3. ÍNDICE DE REFERÊNCIA... 4 4. METAS DE RENTABILIDADE... 4 5. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO...3 2. O PLANO...4 2.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS E DEFINIÇÕES...4 2.2. ADMINISTRADOR ESTATUTÁRIO TECNICAMENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 01 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O QUE SÃO Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

São Bernardo Previdência Privada

São Bernardo Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA São Bernardo Previdência Privada Vigência: 2015 a 2019 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 3 1.1 Vigência da Política de Investimento 3 2 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 * Plano de Gestão Administrativa - PGA I - DOS OBJETIVOS A aplicação dos Recursos Garantidores do Plano de Gestão Administrativa - PGA administrado pela FABASA, objetiva

Leia mais

DESBAN Fundação BDMG de Seguridade Social. Aprovada pelo Conselho Deliberativo na Reunião nº 217E em 17/12/2013. Vigência: 01/01/2014 a 31/12/2018

DESBAN Fundação BDMG de Seguridade Social. Aprovada pelo Conselho Deliberativo na Reunião nº 217E em 17/12/2013. Vigência: 01/01/2014 a 31/12/2018 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA 2014 DESBAN Fundação BDMG de Seguridade Social Aprovada pelo Conselho Deliberativo na Reunião nº 217E em 17/12/2013 Vigência: 01/01/2014

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Diretrizes Gerais... 3 3 Plano de Benefícios... 4 4 Alocação de recursos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Período de vigência: 01/01/2014 a 31/12/2018 Aprovada pelo Conselho Deliberativo da Forluz em sua 312 ª reunião de 17/12/2013. Alteração aprovada pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Política de Investimento Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Aprovado pelo Conselho Deliberativo Ata nº 70 de 15/12/2014 Sumário 1. Introdução... 3 2. Sobre os benefícios... 4 3. Informações cadastrais...

Leia mais

Política de Investimento. 2014 a 2018

Política de Investimento. 2014 a 2018 Política de Investimento 2014 a 2018 Prev Pepsico - Sociedade Previdenciária Plano de Benefícios Pepsico Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Plano de Gestão Administrativa Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano de Benefícios... 5 5 Alocação de Recursos

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão CAPOF Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos ENERPREV 2015 2019 Plano CD Enerpeixe Revisão 2015 Vigência: 01/01/2015 a 31/12/2015 APROVADA NA REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO EM 11/12/2014 ÍNDICE PARTE I... 4 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. EMPRESAS PATROCINADORAS...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Página 1 de 9 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde para aceitação como garantidores e altera

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS HSM EXPO MANAGEMENT 2014 4 de novembro de 2014 Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação CNseg Agenda Representação

Leia mais

GUIA PREVIC. Melhores Práticas em Investimento

GUIA PREVIC. Melhores Práticas em Investimento GUIA PREVIC Melhores Práticas em Investimento Guia em Guia Previc GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM INVESTIMENTO de Melhores Práticas Fundos de Pensão Brasília-DF Novembro/2011 EXPEDIENTE Edição e Distribuição

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

CABEC Caixa de Previdência Privada BEC

CABEC Caixa de Previdência Privada BEC CABEC Caixa de Previdência Privada BEC POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Vigência: 2015 a 2019 Aprovada pelo Conselho Deliberativo em sua reunião nº 380 de 22.12.2014 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. NORMAS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª e 2ª SÉRIES da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª e 2ª SÉRIES da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª e 2ª SÉRIES da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: a partir de 19/09/2013 APROVADA NA REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO EM 19/09/2013 Página 1 de 20 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

1. Sistema Financeiro 2. O Mercado Financeiro 1. Mercado Monetário 2. Mercado Cambial 3. Mercado Capitais 4. Mercado de Crédito 3.

1. Sistema Financeiro 2. O Mercado Financeiro 1. Mercado Monetário 2. Mercado Cambial 3. Mercado Capitais 4. Mercado de Crédito 3. 28 de junho de 2013 1. Sistema Financeiro 2. O Mercado Financeiro 1. Mercado Monetário 2. Mercado Cambial 3. Mercado Capitais 4. Mercado de Crédito 3. Política Econômicas 4. Fundos de Investimentos 5.

Leia mais

PRHOSPER - Previdência Rhodia. Política de Investimentos PGA - Plano Gestão Administrativa Vigência: 2015 a 2019

PRHOSPER - Previdência Rhodia. Política de Investimentos PGA - Plano Gestão Administrativa Vigência: 2015 a 2019 PRHOSPER - Previdência Rhodia Política de Investimentos PGA - Plano Gestão Administrativa Vigência: 2015 a 2019 Aprovado em : 12/dezembro/2014 Reunião da Diretoria Executiva Diretor Superintendente/AETQ

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2011 - POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2012-2016

DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2011 - POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2012-2016 DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2011 - POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2012-2016 PARTE 1 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS I 2 ÍNDICE PARTE 1...

Leia mais

DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2010 -

DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2010 - DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2010 - POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2011-2015 PARTE 1 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS I 2 ÍNDICE PARTE 1...

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 FUNDAÇÃO COELCE DE SEGURIDADE SOCIAL Plano FAELCE BD Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 2.1. Comitê de Investimentos... 4 3 Diretrizes

Leia mais

Manual de Investimentos

Manual de Investimentos Manual de Investimentos Aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião extraordinária realizada em 25/02/2015. SUMÁRIO LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS 3 APRESENTAÇÃO 5 1. FORMULAÇÃO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FIOPREV INSTITUTO OSWALDO CRUZ DE SEGURIDADE SOCIAL Plano BD FioPrev 2016 a 2020 Aprovada pelo Conselho Deliberativo do FioPrev em reunião ordinária ocorrida em 21/12/2015 Sumário

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS - FPSMDI POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Aprovada

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DO PLANO CD... 3 2.1 Empresas Patrocinadoras...

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA 2014 Vigência: 01/01/2014 a 31/12/2014 APROVADA NA REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO EM 18/09/2014 Página 1 de 20 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FIOPREV INSTITUTO OSWALDO CRUZ DE SEGURIDADE SOCIAL Plano PGA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em reunião ordinária realizada em 17/12/2014. 2015 a 2019 Sumário 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

REGULAMENTO DO INDIE CAPITAL PLATINUM FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, CNPJ/MF Nº 22.945.970/0001-00 1 A ALTERAÇÃO 27.11.2015

REGULAMENTO DO INDIE CAPITAL PLATINUM FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, CNPJ/MF Nº 22.945.970/0001-00 1 A ALTERAÇÃO 27.11.2015 CAPÍTULO I DO FUNDO Artigo 1 - O INDIE CAPITAL PLATINUM FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, doravante denominado Fundo, constituído sob a forma de condomínio aberto, com prazo indeterminado de duração, regido

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 SERPROS Fundo Multipatrocinado Plano Serpro I PSI Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP em 13/12/2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE em 19/12/2012 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a Política de Investimento 2 2. Sobre o Plano e os seus Benefícios

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Plano Fundamental ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 Empresas Patrocinadoras 3 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 4 i. Seleção de Gestores 4 3. PLANO DE BENEFÍCIOS

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Daniel Sposito Pastore Membro do Comitê de Assuntos Jurídicos da ANBIMA. I Estrutura Normativa CVM Contexto Regulatório Brasileiro Atual

Leia mais

REGULAMENTO DO FFIE - FUNDO FISCAL DE INVESTIMENTO E ESTABILIZAÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO CNPJ 10.539.

REGULAMENTO DO FFIE - FUNDO FISCAL DE INVESTIMENTO E ESTABILIZAÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO CNPJ 10.539. REGULAMENTO DO FFIE - FUNDO FISCAL DE INVESTIMENTO E ESTABILIZAÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO CNPJ 10.539.257/0001-70 CAPÍTULO I DO FUNDO Artigo 1º O FFIE FUNDO FISCAL DE INVESTIMENTO

Leia mais