Aulas 15 & 16. Redes Locais. Eytan Modiano MIT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aulas 15 & 16. Redes Locais. Eytan Modiano MIT"

Transcrição

1 Aulas 15 & 16 Redes Locais Eytan Modiano MIT 1

2 Acesso Múltiplo com Monitoração de Portadora (Carrier Sense Multiple Access - CSMA) Em certas situações os nós podem ouvir uns aos outros escutando o canal. Monitoração da portadora ( Carrier Sensing ). CSMA: Versão mais refinada do Aloha Os nós escutam o canal antes de transmitir: Canal não ocupado Transmite; Canal ocupado Espera. Quando os nós que estão aguardando o acesso voltam a tentar novamente? Quando o canal volta a ser livre os nós que já tinham tentado anteriormente tentam a transmissão com probabilidade q r = 1. Protocolo Persistente, q r = 1 Protocolo não persistente, q r < 1 2

3 CSMA Seja τ = atraso de propagação máximo do canal Quando um nó inicia/para a transmissão todos os nós irão perceber que o canal esta ocupado/livre após o atraso de propagação. Para iniciar o entendimento, veja o sistema como composto por minifatias de duração igual ao atraso máximo de propagação. Normalize a duração da mini-fatia para β = τ/d tp e duração do pacote = 1. Sistemas reais não são fatiados, mas este sistema hipotético simplifica a análise e o entendimento do CSMA. 3

4 Regras Para o CSMA Fatiado Quando um novo pacote chega: Se a mini-fatia atual esta livre, inicie a transmissão na próxima mini-fatia; Se a mini-fatia atual esta ocupada, o nó se tenta retransmitir mais tarde; Se uma colisão ocorre, os nós envolvidos na transmissão tentam a retransmissão mais tarde. Os nós que aguardam a retransmissão, tentam a transmissão após uma minifatia vazia com probabilidade q r <1 (não-persistente). Tentativas de transmissão são feitas somente após uma mini-fatia livre (ou vazia); Cada período ocupado (sucesso ou colisão) é seguido por uma fatia vazia antes que uma nova transmissão possa se iniciar. O tempo pode ser dividido em duas épocas: Um pacote bem sucedido seguido por uma mini-fatia vazia (duração = β+1); Uma colisão seguida por uma mini-fatia vazia A (duração = β +1); Uma mini-fatia vazia (duração = β). 4

5 Análise do CSMA Seja o estado do sistema o número de nós que tentam retransmitir. Seja o instante em que há uma transição de estado o fim das faixas vazias. Seja T(n) = tempo médio entre transição de estado quando o sistema esta no estado n. T(n) = β + (1 - e-λβ (1-q r ) n ) Quando q r é pequeno (1 - q r ) n ~ e- q r n T(n) = β + (1-e -λβ nq r ) No inicio de cada época, cada nó que deve retransmitir, transmite com probabilidade q r. Novas chegadas durante a fatia vazia anterior são também transmitidas. Com n nós tentando a retransmissão, o número dos pacotes que tentam a retransmissão no início da época é aproximadamente Poisson com taxa. g(n)=λβ+nq r 5

6 Análise do CSMA A probabilidade de sucesso (por época) é: O s = g(n)e -g(n) A duração espera apara uma época é aproximadamente: T(n)~β+(1-e -g(n) ) Portanto a taxa de sucesso por unidade de tempo é: λ < taxa de saída = g( n) e β + 1 e g( n) g( n) 6

7 Vazão Máxima do CSMA O valor ótimo de g(n) pode ainda ser obtido por: g( n) 2β λ < β Há um compromisso entre faixas vazias e tempo perdido nas colisões. Alta vazão quando β é pequeno. Problemas de estabilidade similares ao do Aloha (menos crítico). 7

8 CSMA fatiado não é prático. CSMA Não Fatiado Dificuldade em se manter sincronização; Mini-faixas são úteis para entender mas não são para o desempenho do CSMA. CSMA não fatiado terá uma menor vazão devido ao aumento na probabilidade de colisão. CSMA não fatiado tem um menor valor efetivo de β do que o CSMA fatiado. Essencialmente β torna-se uma média em vez de atraso de propagação máximo. 8

9 CSMA/ CD e Ethernet WS Estações de trabalho CSMA com a capacidade de detecção de colisão (CD) Os nós são hábeis em detectar colisões. Após a detecção de colisão o nó para a transmissão. Reduz a quantidade de tempo perdido com as colisões. Protocolo: Todos os nós escutam o canal antes da transmissão. Quando um nó te pacote para transmitir: Canal vazio transmite; Canal ocupado espera por um tempo aleatório (binary exponential backoff). Se um nó que estiver transmitindo detectar colisão para a transmissão: Tenta novamente após um atraso aleatório. 9

10 Tempo Para Detectar a Colisão Uma colisão pode ocorrer enquanto o sinal se propaga entre os dois nós. Irá tomar um atraso de propagação adicional para ambos os usuários detectar a colisão e parar de transmitir. Se τ é o máximo atraso de propagação no cabo então se uma colisão ocorre, irá demorar 2τ segundos para que todos os nós envolvidos na colisão detectem a colisão e parem a transmissão. 10

11 Modelo Aproximado Para o CSMA/CD Aproximação simplificada para melhor entendimento. Considere um sistema fatiado com mini-fatias de duração 2τ. Se um nó inicia a transmissão no início de uma mini-faixa, no final da mini-faixa pode ocorrer: Não ocorreu colisão e o resto da transmissão não será interrompido. Uma colisão aconteceu, mas ao final da mini-faixa o canal esta livre novamente. Portanto uma colisão afeta no máximo uma mini-faixa. 11

12 Análise do CSMA/CD Suponha N usuários e que cada um tente a transmissão durante uma mini-faixa livre com probabilidade p. P inclui novas chegadas e retransmissões i. P(I usuários tentam) ( ) i N i N P (1 P = ) i P(exatamente 1 tentativa) = P(sucesso)= NP(1-P) N-1 Para maximizar P(sucesso), d dp [ NP(1 P) N 1 ] = N(1 P) N 1 N( N 1) P(1 P) 1 P opt = N Taxa media de tentativas uma por faixa. Observe a semelhança com o Aloha fatiado.. N 2 = 0 12

13 Análise do CSMA/CD, continuação P(sucesso) =NP (1-p) N-1 1 = 1 N 1 P s = limite (N ) P(sucesso) = e Seja X =Número médio de faixas por transmissão bem sucedida P(X =i)= (1-P s ) i 1 P s E[ X ] = 1 P s = e Uma vez que uma mini-faixa tenha sido capturada, a transmissão continua sem interrupção. Novas tentativas de transmissão irão começar na próxima mini-faixa após o fim da transmissão do pacote corrente. N 1 13

14 Análise do CSMA/CD, continuação Seja S = Tempo médio entre transmissões bem sucedidas Mini-faixa livre/colisão S = (e-1)2τ+d Tp +τ Tempo médio antes do inicio da próxima mini-faixa Tempo para transmitir um pacote Eficiência = D Tp / S = D Tp / (D Tp +τ + 2τ (e-1)) Seja β = τ / D Tp => Eficiência 1/(1+4,4β) = λ < 1 / (1 + 4,4β) Compare com o CSMA sem CD onde λ < β 14

15 Notas Sobre o CSMA / CD Pode ser visto como um sistema com reserva onde as mini-faixas são usadas para fazer reserva para faixa de dados. Neste caso, Aloha é usado para fazer reserva durante as mini-faixas. Uma vez que o usuário captura uma mini-faixa continua a transmissão sem interrupções. Na prática naturalmente não existem mini-faixas; Impacto mínimo no desempenho mas análise é mais complexa. 15

16 Exemplos: CSMA/CD Exemplo (Ethernet) Taxa de transmissão = 10Mbps Comprimento do pacote = 1000 bits, D Tp = 10-4 sec Distância = 1 milha, τ = 5x10-6 sec β = 5x10-2 e E = 80% Exemplo ( Satélite GEO) atraso de propagação 1/4 segundo β = 2,500 e E ~0% Conveniente somente para cenários com baixos valores de atraso de propagação. Como a Ethernet é estendida para 100Mbps? Como a Ethernet é estendida para 1Gbps? 16

17 Rede em Anel (Token Rings) Foi desenvolvida pela IBM no início dos 1980 s. Uma seqüência de bits, Token circula ao longo do anel: token ocupado: ; token livre: Quando um nó quer transmitir: Espera por um token livre; Remove o token do anel (o substitui por token ocupado); Transmite a mensagem; Uma vez feita a transmissão e coloca o token livre no anel; Os nós devem armazenar 1 bit de dados de modo que um token livre possa ser alterado para token ocupado. Token ring é basicamente um system polling; Token faz o polling. 17

18 Entrega após transmissão Entrega do Token Nó entrega o token logo após ter completado a transmissão dos seus pacotes. O próximo nó pode usar o token após um pequeno atraso de propagação. Entrega após recepção Nó entrega o token somente após seu próprio pacote tenha voltado para ele. Serves como um simples mecanismo de confirmação de recebimento. 18

19 Transmissão do Pacote (entrega após transmissão) Quando não transmitem seus próprios pacotes os nós retransmitem tudo o que recebem. Após receber um token livre um nó pode iniciar a transmissão de um novo pacote (descarta bits que estejam recebendo). Após um nó ter enviado um pacote e o token livre, envia tokens livres até: Receber o pacote enviado, ou Receber um token ocupado. intervalo inativo intervalo inativo 19

20 Transmissão do Pacote Em muitas implementações (incluindo a IEEE-802.5, mas não a FDDI), um nó espera para checar o retorno de seu pacote antes de enviar o token livre. Isto aumenta o tempo de transmissão do pacote de um atraso de ida e volta. 20

21 Análise do Atraso O sistema pode ser analisado utilizando os resultados da reserva multiusuário. Sistema exaustivo - nós esvaziam suas filas antes de passar o token para o próximo o nó. Suponha m nós cada um com chegadas de Poisson com taxa λ/m. Seja v = o atraso médio de propagação e da transmissão do token. O sistema pode ser visto como um sistema de reservas com m usuários e intervalo médio de reserva (veja os resultados do sistema com reserva). W = 2 λe[ X ] + v( m 2(1 ρ) ρ) ρ = m( λ / m) E[ X ] = λe[ X ] Observe que 100% de vazão pode ser obtida no sistema exaustivo. 21

22 Análise da Vazão (Não-Exaustivo) Sistemas comporta com serviço limitado cada nó é limitado em enviar um pacote por vez. Quando o sistema é muito carregado os nós são sempre ocupados e tem pacotes para transmitir. Suponha que cada nó transmite um pacote e passa o token para o próximo nó; Vi = tempo de propagação e de transmissão do token entre nós (tempo de transmissão geralmente é desprezível) A quantidade de tempo para transmitir N pacotes é: TN = N * E[X] + V 1 + V 2 + +V N = N * E[X] + N * E[V] λ < N*E[X] / (N*E[X] +N*E[V]) = 1 / (1+E[V] / E[X]) Compare com o CSMA/CD, mas observa que V é o atraso entre dois nós e não o máximo atraso na fibra. 22

23 Análise da Vazão (entrega do token após recepção) Os nós entregam o token somente após recebê-lo Suponha ainda que cada nó envie um pacote por vez. Tempo total para transmitir um pacote é de: T = E[ X ] + V + V V m + V i 1 Tempo para transmitir o token m nós no anel T = E[ X ] + ( m + 1) E[ V ] λ < E[ X ] T = (1 + ( m 1 + 1) E[ V ]/ E[ X ]) 23

24 24 Análise do Atraso Entrega após transmissão Sistema Comporta Parcial com serviço ( sessão 3.5.2) Entrega após recepção Problema 4.27 Tempo de ida e volta adicional pode ser adicionado ao tempo de transmissão. ) ] [ 2(1 ]) [ ( ] [ 2 v X E X E m v X E W λ λ λ λ + + = )) 1) ( ] [ ( 2(1 ) ] [ ( 2 ] [ v m X E mv X E m v v m mv X E W = λ λ λ

25 Problemas Com o Token Ring Igualdade: Pode um nó segurar um token por um longo período. Solução: tempo máximo de retenção do token. Falha no Token: Tokens podem ser criados ou destruídos pelo ruído. Solução distribuída: Nós são permitidos de reconhecer a perda de um token e criar um novo token. Colisões podem ocorrer quando dois ou mais nós criam um novo token ao mesmo tempo são necessários algoritmos de resolução de colisão. Falha do nó: Desde que cada nó deve enviar todos os dados que recebe, a falha de um nó interrompe a operação do anel. Padrão Token Ring: IEEE

26 FDDI Fiber Distributed Data Interface - FDDI é um padrão de rede local em anel em fibra óptica a 100Mbps. FDDI utiliza dois anéis em sentido contrários. Uma falha pode ser isolada comutando de um anel para outro. O token é entregue após a transmissão. No tempo de retenção do token Limite superior no tempo entre visitas do tokens em um nó, Suporta atrasos garantidos, Impõe limites quanto ao tamanho do anel (distância entre nós, número de nós); FDDI foi projetado para ser uma tecnologia de rede metropolitana ou para ser utilizada dentro de um campus. 26

27 Token em Barramento (Token Buses) Pacote de controle especial serve como token. Os nós devem ter o token para transmitir Token é passado de nó para nó em uma determinada ordem Conceitualmente, um token bus é o mesmo que um token ring. Quando um nó termina a transmissão, envia um token vazio (livre). para o próximo nó (endereçando o pacote de controle de forma apropriada). Semelhante ao sistema polling. Problemas Menos eficiente que o token ring devido a maiores atrasos de transmissão de pacotes e maiores atrasos de propagação. Precisa de um protocolo para acessar e deixar o barramento. 27

28 Tokens Implícitos O token livre em um token bus pode ser substituído pelo silêncio. O próximo nó inicia a transmissão de um pacote após escutar que o barramento se tornou silencioso. Se o próximo nó não tem pacote pata. Transmitir, os sucessivos nós iniciam com atrasos sucessivos cada vez maiores. Se o atraso de propagação no barramento é muito menor que o tempo de transmissão de um token, isto pode reduzir o atraso. Este esquema é usado em redes locais sem fio (IEEE ) e é conhecido como CSMA/CA (collision avoidance). 28

29 Distributed Queue Dual Bus - DQDB Redes Metropolitanas usando dois barramentos unidirecionais em cada sentido a 150Mbps. Todos os quadros são de mesmo comprimento (53 bytes); quadros vazios são gerados nos pontos finais dos barramentos e são preenchidos pelos nós on the fly. Um nó usa o barramento que move os pacotes para a direita para enviálos aos nós que estão à direita e vice-versa (no outro barramento) para os nós que estão á sua esquerda. DQDB foi padronizado como IEEE e foi projetado para ser compatível com o ATM. 29

30 Reservas DQDB Algoritmo Greedy: Cada nó usa uma fatia livre quando tem algo para transmitir, Portanto uma eficiência de 100% é possível. O problema com esta solução trivial é quanto á igualdade de uso - nós no final do barramento podem ser mortos. DQDB usa um sistema de reserva onde nós enviam pedidos (no sentido upstream nó fim do barramento) de forma que fatias (slots) vazias possam ser reservadas. Se um nó tem um quadro para enviar no barramento á direita, seta o bit de pedido em um quadro no barramento à esquerda. Nós mantém uma fila implícita de pedidos que pode ser servida na base de FCFS (primeiro a chegar primeiro a ser servido) por isso o nome de fila distribuída. 30

31 Grandes Atrasos de Propagação (redes via satélite) RES - Reserva Sistema de reserva via satélite O acesso mini-fatia pode ser ineficiente (Aloha, TDMA, etc.). De forma bastante aproximada, o atraso é 3/ 2 vezes o atraso de propagação mais o atraso ideal de enfileiramento. 31

32 Reserva Via Satélite O comprimento do quadro deve exceder o atraso de ida e volta. As fatias de reserva durante o quadro j são usadas para reservar fatias de dados no quadro j+1. Comprimento variável: Serve todos os pedidos a partir do quadro j no quadro j+1. Difícil manter sincronização Difícil prover QoS ( por ex.: suportar tráfego de voz) Comprimento fixo: Mantém um fila virtual de pedidos Mecanismo de reserva Escalonador a bordo do satélite. Escalonador em terra. Algoritmo de fila distribuída: Todos os nós cuidam dos pedidos e utilizam o mesmo algoritmo para fazer a reserva. Controle de acesso ao canal TDMA:Simples mas difícil de adicionar mais usuários. Aloha: Pode suportar mais usuários mais resolução de colisões é difícil e adiciona um enorme atraso. 32

33 Usa Aloha para capturar a fatia. Reserva Via Aloha Após a captura o usuário ocupa a fatia até terminar a transmissão. Outros usuários percebem que a fatia esta ocupada e não tentam o acesso. Após a liberação da fatia outros usuários podem tentar o acesso. Outros usuários observam a fatia livre e tentam a reserve usando Aloha. Método útil para transferência de dados longa ou mistura de voz e de dado. 33

34 Múltiplo Acesso a Pacote - Resumo Latência : Razão entre atraso de propagação e tempo de transmissão do pacote Exemplo GEO : Dp = 0,5 seg, comprimento do pacote = 1000 bits, R = 1Mbps Latência = 500 muito alta Exemplo LEO : Dp = 0,1 seg Latência = 100 ainda muito alta Em canais via satélite a taxa de dados deve ser muito baixa para que se tenha uma Latência baixa Protocolos de baixa latência CSMA, Polling, Token Rings, etc. Vazão ~ 1/(1+aα), α = latência, a = constante Protocolos de alta latência Aloha é insensível à latência, mas geralmente tem baixa vazão Atrasos bastante pequenos Sistemas com reserve podem atingir alta vazão Atrasos para fazer as reservas Protocolos podem ser projetados para serem um híbrido entre Aloha e reserva Aloha para baixa carga, reserva para alta carga 34

35 Migração Para redes locais Comutadas Ethernet tradicional Nós conectados a cabo coaxial. Longos lances de fio por toda parte. Protocolo CSMA/ CD Hub Ethernet Nós conectados ao hub. O Hub age como um repetidor em todas as direções. Curtos lances de cabo, útil para 100Mbps. Protocolo CSMA/CD fácil em adicionar/remover usuários. Fácil em localizar falhas. Cabeação barata (par trançado, 10baseT). Ethernet comutada Não CSMA/ CD Fácil de incrementar taxa de dados (por ex.: Gbit Ethernet) Nós transmitem quando querem. O comutador armazena os pacotes e os transmite para seus destinos. Capacidade típica de um comutador é de portas. Cada nó pode transmitir na taxa total de 10/ 100/Gbps. Modularidade: Comutadores podem estar conectados uns aos outros através de portas de alta taxa de transmissão. 35

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Subcamada de Acesso ao Meio (MAC) Considerações Gerais

Subcamada de Acesso ao Meio (MAC) Considerações Gerais Subcamada de Acesso ao Meio (MAC) Considerações Gerais Barramentos são compartilhados por todas as estações. Como definir o acesso ao meio? Discussão inicial Padrão IEEE 802 Alocação de canal estático

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 10 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Métodos de Acesso em Redes de Área Local

Métodos de Acesso em Redes de Área Local Métodos de Acesso em Redes de Área Local (LanAccess.doc) 1. Em termos de métodos de acesso numa rede local/metropolitana, existem hoje várias alternativas. Descreva a topologia e o princípio de funcionamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Enlace Redes de Computadores 2 1 Modelo OSI O que os protocolos fazem? controle de erros: canais mais confiáveis - retransmissão reseqüenciamento: reordenar

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Subcamada MAC(2) O Método de Acesso CSMA/CD

Subcamada MAC(2) O Método de Acesso CSMA/CD Subcamada MAC(2) O Método de Acesso CSMA/CD CSMA/CD CSMA with Colision Detection O CSMA/CD é a técnica de acesso ao meio mais comum em redes locais para as topologias em barramento e em estrela. A versão

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Alocação Dinâmica do Canal Ethernet, CSMA/CD e IEEE802.3. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Alocação Dinâmica do Canal Ethernet, CSMA/CD e IEEE802.3. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 10 - Alocação Dinâmica do Canal Ethernet, CSMA/CD e IEEE802.3 Objetivo : Estudaremos nesta aula os métodos de alocação dinâmica de canal

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Topologias. Topologias. Repetidores Bridges LAN, WAN, MAN LAN Local Area Network. Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX.

Topologias. Topologias. Repetidores Bridges LAN, WAN, MAN LAN Local Area Network. Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX. Repetidores Bridges, WAN, MAN Local Area Network Ponto a Ponto Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX BUS - Segmento 1 2 TREE - Árvore RING - Anel STAR - Estrela STAR - Estrela 3 4 1 BRIDGE

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET HISTÓRICO 1973, XEROX INICIALIZOU O DESENVOLVIMENTO DE UM REDE LOCAL DE TOPOLOGIA DE BARRAMENTO NO XEROX PALO ALTO RESEARCH CENTER (PARC);

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Protocolos de Acesso Múltiplo: ALOHA puro Slotted ALOHA CSMA persistente CSMA não-persistente CSMA p-persistente

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 6: Controle de acesso ao meio Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Conceitos Básicos Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Serviços Técnicas de Detecção e correção de Erros Protocolos de Acesso múltiplo Endereçamento Ethernet VLANs Relembrando

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores - A Camada de Enlace de Dados. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores - A Camada de Enlace de Dados. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores - A Camada de Enlace de Dados Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Guedes Introdução Como obter comunicação entre duas máquinas fisicamente conectadas?

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Redes de Computadores Aula 17

Redes de Computadores Aula 17 Redes de Computadores Aula 17 Aula passada Protocolos de acesso múltiplo Slotted Aloha, Desempenho Aloha Aula de hoje CSMA, CSMA/CD Endereçamento Mapeando endereços, ARP Ethernet Protocolos de Múltiplo

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Ethernet

Fesp - Tópicos Avançados II - Ethernet ETHERNET. Fesp - Tópicos Avançados II - Ethernet 802.3 do IEEE - O padrão Ethernet. O Institut of Electrical and Eletronic Engineers (IEEE), hoje atualmente ITU, é uma organização que estabelece padrões

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Slide 1 Camada de Enlace Fluxo real de PDUs Slide 2 Sumário dos Protocolos MAC Como se faz com um canal compartilhado? Particionamento de canal, no tempo, por freqüência

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Ethernet Conceitos de Ethernet Introdução ao Ethernet Formato do quadro CSMA/CD Tipos de colisão Tipos de erro Autonegociação Introdução ao Ethernet É essencial ter um entendimento

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

Aula 4 - Protocolos de enlace

Aula 4 - Protocolos de enlace Aula 4 - Protocolos de enlace Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 30 de março de 2010 Agenda 1 Protocolos de acesso ao meio Protocolos de acesso múltiplo

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 25 CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 O Protocolo PROFIBUS O PROFIBUS (acrônimo de Process Field Bus) é o segundo tipo mais popular de sistema de comunicação em rede Fieldbus, ficando atrás somente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Camada de Enlace: Protocolos de Comunicação Camada de Enlace Relembrando... Tipos diferentes de canais

Leia mais

PROTOCOLOS DE ACESSO AO MEIO

PROTOCOLOS DE ACESSO AO MEIO PROTOCOLOS DE ACESSO AO MEIO Os protocolos de acesso ao meio, regras para acesso ao meio físico, são funções da camada de enlace do modelo OSI. Na maioria das vezes foram desenvolvidos para uma topologia

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Protocolos de Acesso ao Meio

Protocolos de Acesso ao Meio acharelado em Informática Disciplina: de Computadores Nível de Enlace: Camada MC rquitetura OSI plicação presentação OSI x IEEE Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Sessão Transporte Rede Enlace

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT Aulas 22 & 23 Controle de Fluxo e de Congestionamento Eytan Modiano MIT 1 Controle de Fluxo Controle de fluxo: mecanismo fim a fim para controlar o tráfego entre fonte e destinatário. Controle de congestionamento:

Leia mais

2 Tecnologias de redes locais

2 Tecnologias de redes locais 2 Tecnologias de redes locais 1/79 2.1 Dist. probabilidade 2.1 Algumas leis de probabilidade (Revisão) 2/79 Probabilidade e estatística Algumas leis de probabilidade Lei de Bernoulli X ~ Ber ( p) Lei binomial

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token A Rede Token Ring Visão geral de Token Ring e de suas variantes A IBM desenvolveu a primeira rede Token Ring nos anos 70. Ela ainda é a principal tecnologia LAN da IBM e apenas perde para a Ethernet (IEEE

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de Controle de Acesso ao Meio e Redes Locais Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolos de Controle de Acesso ao Meio e Redes Locais Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolos de Controle de Acesso ao Meio e Redes Locais Profa. Priscila Solís Barreto Camada de Enlace: Introdução Alguma terminologia: hosts e roteadores são nós canais de comunicação

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo 2 Conceitos Tratamento de Colisão Histórico 3 Características Regras de Controle Tipos de Cabo e

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008

Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Sumário Redes de Área Local (LAN) Objectivos Características Topologias Tecnologias Sub-níveis MAC e LLC Estudo de Casos Ethernet Token Ring FDDI Equipamentos

Leia mais

Redes Locais (LAN) Sumário. Redes de Computadores Conceitos gerais. Redes de Computadores Conceitos gerais

Redes Locais (LAN) Sumário. Redes de Computadores Conceitos gerais. Redes de Computadores Conceitos gerais Sumário Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Redes de Área Local (LAN) Objectivos Características Topologias Tecnologias Sub-níveis MAC e LLC Estudo de Casos Ethernet Token Ring FDDI Equipamentos

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial.

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial. Topologia É um diagrama que descreve como os elementos de uma rede estão interligados. Esses elementos são chamados de NÓS, e podem ser computadores, impressoras e outros equipamentos. 1 Topologias de

Leia mais

6.2 Tecnologias de Redes Locais

6.2 Tecnologias de Redes Locais Capítulo 6.2 6.2 Tecnologias de Redes Locais 1 Redes de acesso múltiplo As LANs são redes de difusão ou de acesso múltiplo Qualquer comunicação passa pela utilização de um canal único, a partilhar por

Leia mais

MAC. Controle de acesso ao meio. Alocação estática e dinâmica. Tipos de transmissão. Controle de acesso ao meio. MAC Medium Access Control

MAC. Controle de acesso ao meio. Alocação estática e dinâmica. Tipos de transmissão. Controle de acesso ao meio. MAC Medium Access Control MAC Controle de acesso ao meio Marcos Augusto Menezes Vieira Camada de Enlace dividida em: MAC - Medium Access Control na camada inferior LLC - Link Logical Control com funções de controle lógico do enlace

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05: Camada de Enlace e Redes Locais Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico Introdução e serviços Detecção e

Leia mais

Faculdades Pitágoras - Unidade Divinópolis. Professor: Alexandre Dezem Bertozzi

Faculdades Pitágoras - Unidade Divinópolis. Professor: Alexandre Dezem Bertozzi Faculdades Pitágoras - Unidade Divinópolis Disciplina - Sistemas de Informação Engenharia de Produção Professor: Alexandre Dezem Alexandre Dezem Técnico em Telecomunicações; Engenheiro Eletricista e Eletrônico;

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

Evolução do Padrão Ethernet

Evolução do Padrão Ethernet Beethovem Zanella Dias bzdias@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Evolução do Padrão Ethernet Resumo A rápida evolução dos padrões de tecnologias de rede nós leva a várias

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

Tecnologia de LAN com fio dominante :

Tecnologia de LAN com fio dominante : Ethernet Tecnologia de LN com fio dominante : barata: US$ 20 para NI primeira tecnologia de LN utilizada em larga escala mais simples e mais barata que as LNs de permissão e TM acompanhou corrida da velocidade:

Leia mais

TRABALHO SOBRE ETHERNET

TRABALHO SOBRE ETHERNET TRABALHO SOBRE ETHERNET Centro de Formação de Alcoitão UFCD 0831 Topologias de redes Ethernet Formador(a): Daniela Azevedo Formandos: António Rocha, Célia Silva e Rui Bárcia Índice Introdução Características

Leia mais

Capítulo 5: Camada de Enlace e Física

Capítulo 5: Camada de Enlace e Física INISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Camada de Enlace e Física Prof. Tiago Semprebom

Leia mais

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio I Introdução e modelos de Referência (OSI e TCPIP) ) Considere um sistema de comunicação, cuja arquitectura é baseada num modelo hierárquico e constituído por 4 camadas numeradas de a 4 (da inferior para

Leia mais

Redes de Computadores. Jeronimo Costa Penha Senai CFP - JIP

Redes de Computadores. Jeronimo Costa Penha Senai CFP - JIP Jeronimo Costa Penha Senai CFP - JIP Meio de Transmissão: Caminho pelo qual a informação transitará. De acordo com as características do meio de transmissão teremos mais ou menos velocidade no processo

Leia mais