Nortel Networks Portugal S.A. (Sob Administração) (a Empresa )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nortel Networks Portugal S.A. (Sob Administração) (a Empresa )"

Transcrição

1 Ernst & Young LLP 1 More London Place London SE1 2AF Tel: Fax: DESTINADO AOS CREDORES RECONHECIDOS 12 Fevereiro 2010 Ref: MLP/7E/SH/NA/CC/LO3551 Chris Coley Direct line: Direct fax: Exmos. Senhores Portugal S.A. (Sob Administração) (a Empresa ) Supremo Tribunal de Justiça de Inglaterra e País de Gales, Divisão de Chancelaria, Tribunal de Empresas Processo número 547 de 2009 Escrevo, em concordância com a regra 2.47 das Regras de Insolvência de 1986, para fornecer aos credores um Segundo relatório acerca do progresso da Administração (o Relatório ). Este Relatório respeita ao período entre 14 Julho 2009 a 13 Janeiro 2010 e pode ser lido em conjunto com o meu primeiro relatório datado de 13 Agosto 2009 e a Declaração de Propostas da Administração datada de 23 Fevereiro Uma cópia deste Relatório poderá ser disponibilizada sob pedido ou pode ser obtida no endereço; A Empresa é administrada desde 14 Janeiro 2009 quando a AR Bloom, AM Hudson, SJ Harris and CJW Hill of Ernst & Young LLP, 1 More London Place, London SE1 2AF, foram seleccionados para actuar como administradores (a Administração Conjunta ) por ordem (a Ordem ) do Supremo Tribunal de Justiça de Inglaterra e País de Gales (o Tribunal ), seguindo uma solicitação por parte dos directores da Empresa. Segundo os termos da Ordem, qualquer acção requerida ou autorizada a realizar pela Administração Conjunta pode ser efectuada por qualquer um dos referidos. Qualquer informação da Empresa e detalhes da nomeação da Administração estão descritos no Apêndice 1. No mesmo dia que a Empresa entrou sob administração, o Tribunal, após as solicitações efectuadas pelos directores de cada empresa, efectuou ordens de administração relativamente a 18 outras entidades do grupo Nortel baseadas na Europa. Médio Oriente e África ( EMEA ). Os detalhes relativos às 19 empresas estão descritos no Apêndice 1. De acordo com o Artigo 3 da Regulação da Comunidade Europeia número 1346/2000 acerca dos Procedimentos de Insolvência 2000 (a Regulação da Comunidade Europeia ), o tribunal do estado membro da Comunidade Europeia no qual a sede de interesse principal ( COMI ) da empresa está situado tem jurisdição para abrir procedimentos de insolvência relativos a essa empresa. No caso das 19 empresas do grupo EMEA (as Empresas EMEA ), o Tribunal estava de acordo com o facto de a COMI se situar em Inglaterra e como tal tinha jurisdição para abrir procedimentos de insolvência, nomeadamente a administração, a respeito de qualquer uma das empresas. The UK firm Ernst & Young LLP is a limited liability partnership registered in England and Wales with registered number OC and is a member firm of Ernst & Young Global Limited. A list of members names is available for inspection at 1 More London Place, London SE1 2AF, the firm s principal place of business and registered office.

2 2 O grupo Nortel (o Grupo ) reporta em US dólares ( US$ ), e nesse sentido todos os montantes referidos neste relatório estão em US$ excepto referido de outra forma. A versão oficial deste Relatório é em Inglês. No caso de uma tradução ser disponibilizada, é apenas por uma questão de conveniência e a versão em língua Inglesa prevalece em todo o caso.

3 3 1. Sumário Executivo do Progresso da Administração No início de 2009, a Administração Conjunta estabilizou os diversos negócios, manteve a comercialização, conservou o relacionamento com clients e fornecedores e implementou planos de reestruturação em determinadas entidades. As propostas da Administração Conjunta foram aprovadas sem modificações pelos credores em qualquer uma das reuniões com as Empresas EMEA em reuniões ocorridas em Março A Administração Conjunta tem mantido a comercialização dos negócios da Empresa com vista a obter uma recuperação da Empresa como uma preocupação constante ou de modo a obter um resultado melhor para os credores da Empresa como um todo do que seria obtido se a Empresa tivesse seriamente em risco. Ao longo do tempo tornou-se claro que, devido às pressões do mercado e financeiras que enfrentam os negócios da Nortel, a venda de todos os negócios seria necessária. O Grupo opera principalmente em três áreas de negócio: Enterprise Solutions ( Enterprise ), Metro Ethernet Networks ( MEN ) e Carrier Networks, que compreende Global System for Mobile Communications ( GSM ), Carrier VoIP Application Solutions ( CVAS ) e Code Division Multiple Access ( CDMA ). À data deste Relatório, a Administração Conjunta tem o prazer de comunicar que os acordos de venda têm sido obtidos relativamente aos principais negócios do Grupo com a excepção do reduzido negócio de Multiservice Switch ( MSS ), com uma realização global antes de custos de transacção de US$29 mil milhões. Todas as principais vendas estão a ser conduzidas à escala do Grupo, seguindo um procedimento de stalking horse em linha com a Secção 363 do Código de Falência dos Estados Unidos, excepto referido de outra forma. O Grupo continua a tentar a venda do negócio MSS, propriedade intelectual associada e outros activos remanescentes. Está previsto que todos os processos de venda serão completados no final do primeiro trimestre de 2010 ou pouco tempo depois. Contudo, no período intermédio, a Administração Conjunta continuará a trabalhar em proximidade com as entidades Norte Americanas de modo a manter o valor dos negócios até à data de realização, quando os negócios transitarem para os compradores. Devido à natureza integrada do negócio do Grupo, será necessário para algumas empresas do Grupo fornecer serviços de transição aos compradores por um período de um ano após a finalização da venda. Os referidos serviços incluem o fornecimento de várias funções de back office, suporte de infra-estruturas e um período de transição que permita a cada comprador integrar o negócio com o seu. O comprador irá conhecer os custos desses serviços. Os fundos das transacções globais de venda serão colocados numa escrow account até que a alocação de fundos entre as empresas individuais do Grupo seja determinada. O mecanismo de alocação dos fundos dos processos de venda entre as empresas do Grupo está actualmente sob negociação. É provável que qualquer processo de alocação tenha de ser sancionado pelos Tribunais dos EUA e Canadá e pelo Supremo Tribunal Inglês. De acordo com o acima descrito, a Administração Conjunta mantém a intenção de obter um resultado melhor para os credores da Empresa como um todo do que seria obtido se a Empresa tivesse seriamente em risco. A Administração Conjunta acredita que os negócios

4 4 serão vendidos para vantagem dos credores, e que permanece como a última de decisão para manter o comércio. Informação adicional estará contida nas seguintes secções.

5 5 2. Estratégia de Venda do Negócio A Administração Conjunta acredita que a venda do negócio irá resultar numa realização vantajosa para os credores da Empresa através de recebimentos de capital da venda dos negócios, preservação e transferência de empregos, e a manutenção de determinados contractos de clientes e fornecedores para os compradores. Todas as vendas dos principais negócios são negociadas a uma escala global. As vendas seguem-se a um processo de leilão stalking horse sob a Secção 363 do Código de Falência dos Estados Unidos, excepto referido de outra forma. De acordo com este processo, o adquirente é seleccionado e comprometido contratualmente a comprar o negócio, a não ser que uma oferta melhor seja efectuada num processo de leilão subsequente. Após a selecção de um adquirente, existe um período no qual determinadas condições terão de ser cumpridas (questões de concorrência, por exemplo) antes da realização da venda. Se as condições não forem satisfeitas, a venda não se realizará. O processo fornece relativo compromisso enquanto mantém uma tensão competitiva no procedimento, porventura maximizando o valor. O leilão será conduzido de acordo com os parâmetros definidos pelos tribunais dos EUA e Canadá e é um processo comum na América do Norte. A Administração Conjunta tem sido, e mantém-se, activamente envolvida nos leilões e no cumprimento dos parâmetros subsequentemente aprovados pelos tribunais dos EUA e Canadá. Está igualmente comprometida em negociar os acordos de venda da EMEA com os compradores e assistir na realização do processo de venda até à finalização do mesmo. Processos de venda anunciados As seguintes transacções stalking horse foram compreendidas na data deste relatório. Os valores das vendas reportados correspondem a montantes globais antes de possíveis custos de transacção e deduções. Venda do negócio Layer 4-7 Em 31 Março 2009, determinadas empresas do Grupo concluíram no sentido na alienação dos US$18 milhões de algumas partes do negócio do Grupo Virtual Service Switches à Radware Ltd. Os fundos resultantes da venda mantêm-se numa escrow account para distribuição na medida em que um processo de alocação seja acordado entre o Grupo. A Empresa é uma parte neste acordo. Venda do negócio CDMA Em 19 Junho 2009, o Grupo anunciou que iniciou um processo de venda de activos stalking horse com a Nokia Siemens Networks B.V. para a venda de praticamente todo o negócio norte-americano de CDMA e partes dos seus activos LTE Access. Subsequentemente, em 25 Julho 2009 e após o leilão, o Grupo anunciou que a Ericsson AB compraria estes activos por US$1.13 mil milhões, sujeitos a aprovação dos tribunais de falência dos EUA e Canadá. Esta venda foi concluída em 13 Novembro 2009.

6 6 Esta transacção envolve apenas o negócio de CDMA dos EUA e neste sentido o reduzido negócio de CDMA da EMEA está excluído do alcance da transacção. As entidades EMEA, incluindo a Empresa, terão no entanto direito a uma participação em relação à consideração de venda. Existem determinados contractos CDMA pertencentes à Empresa e outras entidades EMEA. De modo a salvaguardar a posição dos estados EMEA, a Administração Conjunta negociou o necessário fornecimento back to back e acordos de licença de modo a permitir que os estados EMEA mantenham os seus contractos CDMA. Isto irá permitir que os contractos em vigor se mantenham em operação corrente até à data de vencimento dos contractos subjacentes. Venda do Negócio Enterprise No dia 21 Julho 2009, o Grupo anunciou que tinha iniciado um processo de venda de activos e participação accionista stalking horse com a Avaya Inc nas regiões da América do Norte, Caraíbas e América Latina ( CALA ) e Asia-Pacífico do negócio de Enterprise Solutions, e um acordo de venda de activos com a Avaya Inc relativa à parte correspondente da EMEA no negócio de Enterprise Solutions, por um preço de aquisição total de US$475 milhões. Os acordos incluem a venda de praticamente todos os activos do negócio do Grupo de Enterprise Solutions a um nível global. O leilão do negócio iniciou-se em 9 Setembro 2009 em Nova Iorque no qual estava presente outro licitador. O leilão concluiu-se em 14 Setembro 2009 com a Avaia declarada como o licitador vencedor com um preço de transacção de US$900 milhões. A transacção foi subsequentemente aprovada pelos tribunais dos EUA e Canadá e terminada em 18 Dezembro Esta transacção resultará na transferência de diversos empregos e contractos na EMEA. Os fundos permanecerão numa escrow account até que o processo de alocação às empresas individuais do Grupo seja acordado. Venda do negócio MEN O negócio MEN foi promovido para uma transacção stalking horse, que consiste nos negócios Optical Networking e Carrier Ethernet. Os negócios MEN Carrier Data e EFA serão provavelmente promovidos em separado. O processo de venda stalking horse foi iniciado em Abril, liderado a partir da América do Norte mas com grande envolvimento da equipa de M&A da Administração Conjunta. Uma oferta stalking horse foi anunciada pela Ciena Corporation ( Ciena ) em 7 Outubro 2009 para consideração no valor de US$390 milhões em numerário e 10 milhões de acções da Ciena. À data do anúncio da stalking horse, as acções da Ciena abriram o dia com a cotação de US$13 por acção, o correspondente a um valor total de US$520 milhões (sendo US$390 milhões em numerário acrescidos de acções avaliadas em US$130 milhões no fecho do dia 6 Outubro 2009).

7 7 O leilão subsequente dos negócios iniciou-se em 20 Novembro 2009 em Nova Iorque, no qual havia outro licitador. Após três dias de negociação, o leilão concluiu-se com a Ciena como vencedora por um preço em numerário de US$530 milhões acrescidos de uma nota convertível para um montante de US$239 milhões um montante total a considerar de US$769 milhões. Esta transacção foi subsequentemente considerada e aprovada numa audição conjunta do tribunal canadiano e tribunal de Falência dos EUA a 2 Dezembro À data deste relatório, a Ciena já tinha obtido dos tribunais dos EUA e Canadá a garantia de isenção de práticas monopolistas, um importante factor para obter uma resolução no processo de transacção. Existem aproximadamente 2,300 empregados da Nortel ao abrigo das transacções globais, nas quais 325 estão colocados na EMEA. Estas posições serão transferidas para o comprador. Venda da GSM / GSM-R-Business O negócio GSM é um negócio global com cerca de 30% das receitas geradas na EMEA (principalmente em França e outros países da Europa Continental) e inclui o negócio EMEA GSM-R (ferrovia) (cerca de 15% das receitas globais). O Grupo tentou obter intenções de interesse pelo negócio durante o processo de stalking horse com sucesso limitado. Como resultado, a decisão foi tomada de modo a procurar intenções de interesse através de um processo de naked auction (um leilão conduzido sem um licitador stalking horse ). O leilão iniciou-se no dia 24 Novembro 2009 em Nova Iorque e concluiu-se com uma oferta conjunta da Kapsch CarrierCom AG ( Kapsch ) e Telefonaktiebolaget LM Ericsson ( Ericsson ) declarada como a oferta vencedora por um preço à cabeça de US$103 milhões. Este resultado para o negócio GSM irá preservar aproximadamente 680 empregos no Grupo, incluindo todos os empregados EMEA ao abrigo da transacção. Esta transacção foi subsequentemente considerada e aprovada numa audição conjunta do tribunal canadiano e tribunal de Falência dos EUA a 2 Dezembro Venda do Negócio CVAS A Nortel iniciou um acordo de venda stalking horse com a Genband Inc. ( Genband ) a 22 Dezembro 2009 para um preço de aquisição à cabeça de US$282 milhões. De modo a financiar a transacção, a Genband colaborou com um dos seus principais accionistas, One Equity Partners III, L.P. ( OEP ). A OEP gere investimentos e compromissos para a JP Morgan Chase & Co. em transacções de private equity. O alcance da transacção stalking horse inclui a venda de praticamente todos os activos da CALA, Asia, e entidades EMEA. O preço de aquisição, como é comum, é sujeito a determinadas deduções de preço por via do fundo de maneio, a serem aplicadas mediante os termos do acordo de venda à data de fecho da transacção que se espera terem um montante

8 8 de aproximadamente US$100 milhões, que resultaria num preço líquido de aproximadamente US$180 milhões. A transacção stalking horse é um passo relevante para as entidades EMEA, assegurando a transferência de todos os 314 empregados da CVAS EMEA, contractos CVAS (sujeitos a um critério de exclusividade limitada) e associados passivos contratuais. Os fundos resultantes da transacção, tal como outros negócios, serão sujeitos a um processo de alocação global, nos quais os termos ainda estão por acordar. Uma Ordem que define os procedimentos de licitação para o leilão dos negócios das CVAS foi acordada pelo Tribunal de Insolvências dos EUA e o Tribunal do Canadá em Janeiro A data do leilão foi fixada para 25 Fevereiro Quaisquer outras licitações elegíveis terão de ser submetidas antes da referida data. Transacções Futuras Dada a natureza integrada dos negócios do Grupo, a Administração Conjunta continua a trabalhar em proximidade com a equipa de gestão Norte Americana para explorar o interesse de entidades externas em adquirir os restantes negócios do Grupo nos quais a Empresa tem interesse em vender. Oportunidades para a venda de outras unidades de negócio, principalmente MSS, estão a ser avaliadas. Adicionalmente, o Grupo tem um portfolio de propriedade intelectual que está actualmente em revisão.

9 9 3. Resumo Operacional e do Negócio Dentro do Grupo, os negócios Carrier (GSM, CVAS e CDMA) e o negócio MEN geraram um resultado operacional positivo. Em contraste, o negócio Enterprise gerou um resultado operacional negativo. Todos os negócios têm mantido a operação desde 14 Janeiro 2009 de modo a obter as vendas em cada negócio. Como consequência da abertura do processo de falência, e condições gerais de mercado, as ordens de compra dos clientes caíram desde Apesar disso, a Empresa atingiu uma facturação à data de 30 Setembro 2009 de US$4.2 milhões e um resultado operacional de US$0.6 milhões antes de pagamentos de preços de transferência, fees de gestão e custos de reestruturação. Tipicamente, a performance do negócio melhora na segunda metade do ano devido á natureza das necessidades dos consumidores. Esta tendência é contínua apesar dos processos de falência a nível global. Em resultado da redução das ordens de compra dos consumidores, tem sido necessário implementar medidas de poupança de custos de modo a estruturar o negócio para reflectir níveis de actividade corrente. As medidas incluem redução de pessoal, reestruturação de propriedade e uma redução no nível de ordens de compra, que ajudaram a manter a preservação de activos no longo-prazo. O Grupo, antes do processo de falência, mantinha determinadas actividades de preços de transferência ( TPA s) que tinham como objectivo compensar determinadas empresas nas actividades exercidas por eles e nos custos incorridos para benefício do Grupo como um todo. Este processo é intencionado, entre outras coisas, para permitir assumir as actividades de risco e tomar em conta aspectos relacionados com o desenvolvimento de propriedade intelectual dentro do Grupo. De acordo com o Interim Funding Settlement Agreement ( IFSA ) executado a 9 Junho 2009, foi pedido à Empresa que fizesse uma contribuição à UK Limited de acordo com o TPA, calculado a partir da percentagem da receita prevista do ano financeiro, de modo a pagar pelo uso da propriedade intelectual de comercializar e a reembolsar os custos incorridos pela UK Limited em benefício da Empresa. O IFSA é um acordo importante, ao fornecer meios de estabilidade cruciais à estabilidade da dinâmica de financiamento do Grupo e desse modo fornecendo uma plataforma estável de como obter fundos no futuro. Após a abertura do processo falência, a Empresa pagou US$1.5 milhões de acordo com o TPA para o ano financeiro terminado a 31 Dezembro 2009, e isso é reflectido na performance do ano da Empresa. A Administração Conjunta mantém a comercialização com o objectivo de maximizar o valor potencial do negócio e venda de activos, e de modo a reduzir o montante das cláusulas de cancelamento de contracto e outros passivos contingentes da Empresa. A Administração Conjunta pondera a decisão de manter o negócio com o seu impacto nos interesses dos credores. A Administração Conjunta considera que realizações potenciais de valor resultantes da venda das várias áreas de negócio da Empresa resultará num retorno acrescido aos credores do que se os diversos negócios tivessem terminado a sua actividade e os activos da Empresa fossem vendidos em parcelas.

10 10 Clientes A base de clientes do Grupo mantém-se até uma certa medida leal e cooperante em relação à reestruturação global. O Grupo manteve a sua presença de mercado e ganhou novos contractos de clientes tal como renovou importantes contractos existentes com clientes, apesar de lidar com mudanças comerciais contínuas exigentes no mercado. A Administração Conjunta mantém a sua colaboração com a gestão da Empresa para assegurar uma contínua gestão de cobranças em atraso dos seus clientes no decurso normal do negócio. Nos casos em que os clientes têm pago com atraso, a Administração Conjunta iniciou discussões com as entidades relevantes de modo a resolver quaisquer assuntos pendentes e acelerar pagamentos. Fornecedores Os principais fornecedores continuam a apoiar o processo de reestruturação, o que facilitou a estratégia de comércio seguida pela Administração Conjunta. Tem sido mantido um esforço extensivo de modo a manter um fornecimento contínuo e assessorar os fornecedores acerca da venda de cada unidade de negócio, incluindo o timing e as actividades necessárias para migrar os negócios. Medidas de reestruturação Como parte da redução global do número de trabalhadores anunciada em Fevereiro 2009, 2 empregados foram considerados redundantes durante o período em análise deste relatório.

11 11 4. Conta de Recebimentos e Pagamentos Em anexo no Apêndice 2 está a conta de recebimentos e pagamentos da Administração Conjunta ( R & P ) para o período de 14 Julho 2009 a 13 Janeiro 2010 da Empresa, que mostra total de recebimentos de US$3.3 milhões, e pagamentos de US$4.3 milhões. Um resumo do negócio está incluído na Secção 3 acima. A Empresa manteve fundos em diversos câmbios equivalentes a US$3.2 milhões a 13 Janeiro Deverá ser notado que a contribuição de preços de transferência para 2009, referida no nosso anterior relatório e na Secção 3 acima, estão reflectidos no R & P. A conta de R & P é uma demonstração de fundos recebidos e pagos e não reflecte futuras realizações e custos estimados, incluindo receitas provenientes das vendas de negócios colocadas em escrow accounts à espera de alocação dentro do Grupo. Para mais informação, ver as notas detalhadas fornecidas no Apêndice 2.

12 12 5. Remuneração e Reembolsos da Administração Conjunta A remuneração da Administração Conjunta foi fixada numa base de custo-horário pela Comissão. Desde o período de 1 Junho 2009 até 6 Novembro 2009, a Administração Conjunta incorreu em custos de GB 99,905, dos quais GB 66,233 foram retirados da conta de acordo com a ordem de tribunal datada de 28 Fevereiro É da responsabilidade da Comissão aprovar as taxas incorridas. GB 215,886 de custos extrahorário incorridos no período de 14 Janeiro 2009 a 31 Maio 2009 foram aprovados por uma resolução da Comissão. Uma análise ao tempo dispendido está no Apêndice 3 e inclui uma tabela com a política da Administração Conjunta em relação ao tempo dispendido e reembolsos. Pagamentos a Outras Entidades A Administração Conjunta continua a envolver os seguintes assessores profissionais para a assistir na Administração. Estes profissionais trabalham numa base de custo-horário e processos de revisão interna são efectuados de modo a rever os custos das entidades. A 13 de Janeiro 2010 os seguintes montantes foram pagos: Herbert Smith LLP GB 114,533 (Assessores Legais) Local Counsel GB 125,350 (Assessores Legais)

13 13 6. Outros Assuntos A Comissão Uma comissão dos credores ordinários foi formada na reunião de credores ocorrida a 20 Março 2009 (A Comissão ). A Administração Conjunta continua a fornecer informação detalhada aos membros da Comissão à medida que a Administração progride e os assuntos evoluam (incluindo uma análise dos seus custos-horários para aprovação). A Administração Conjunta continuará a manter a Comissão a par dos desenvolvimentos. A Parte Prescrita A Secção 176A do Insolvency Act 1986 não se aplica a esta Administração na medida em que não há uma situação de qualifying floating charge security, e como tal não se aplica a Parte Prescrita, a colocar de lado para credores não preferenciais. Processo de Indemnizações da América do Nort Na América do Norte, as Empresas pertencentes à Nortel Canadá sob a instância do CCAA (Companies Creditors Arrangement Act) e as Empresas dos EUA sob a instância do Capítulo 11 obtiveram ordens para aprovar processos indemnizatórios formais em cada jurisdição.em ambas as jurisdições, houve pedidos para indemnizações, incluindo de fornecedores, levantadas antes de 14 Janeiro. A data limite fixada para tais pedidos é 30 Setembro Os credores com pedidos indemnizatórios em ambas as jurisdições referidas acima devem procurar assessoria legal separada em relação aos mesmos pedidos. Mais informação acerca dos processos indemnizatórios pode ser encontrada em:

14 14 7. Conduta Futura da Administração Purchase Price Allocation ( PPA ) Venda das Unidades de Negócio As receitas das transacções de venda, que serão colocadas numa escrow account global à medida da execução, serão subsequentemente alocadas correspondentemente às empresas vendedoras. A alocação adequada dos fundos a cada entidade vendedora, incluindo a Empresa e as Empresas EMEA, é assunto de importância não só para a Administração Conjunta, mas também para o Supervisor da Ltd nomeado pelo Tribunal (a empresa Canadiana) e a Comissão de Credores da Inc (a empresa Americana), como fiduciários responsáveis relativamente ao referido no Capítulo 11. A Administração Conjunta, Ltd e Inc (juntamente com o Supervisor e os assessores legais da Comissão de Credores) têm negociado uma estrutura do PPA para compreender como cada participação de cada uma das entidades da Nortel relativamente às receitas da venda das unidades de negócio será determinada. A intenção actual de alocação das receitas da venda é de determinar através de um processo arbitrário no qual todas as entidades com direito a fundos das vendas estarão sujeitas. Este processo arbitrário envolverá um painel arbitrário composto por três fiscais independentes, de reputação internacional. Permanece a possibilidade de que as entidades vendedoras possam chegar a um acordo de alocação consensual em relação ao PPA (sem ser necessário o recurso a arbitragem) ou então simplesmente não cheguem a acordo relativamente à estrutura da alocação arbitrária de fundos. No caso em que não é possível chegar a um acordo relativamente a um processo de arbitragem com as entidades Canadianas e Americanas, o processo de determinação da alocação das receitas das vendas será provavelmente decidido nos tribunais. Seja qual for o mecanismo utilizado para determinar a alocação das receitas da venda, a Administração tem a noção de que nas negociações em curso, é sua obrigação actuar em função dos melhores interesses dos credores da Empresa. Distribuição aos Credores Ainda é prematuro precisar o montante potencial ou o timing de qualquer pagamento de dividendos, decorrentes dos processos contínuos de venda em relação aos vários negócios operados pela Empresa. A Administração Conjunta espera obter uma noção mais apurada do valor das realizações de activos e a totalidade dos pedidos indemnizatórios, incluindo contingências que possam posicionar-se como dividendos, e à medida que as vendas das unidades de negócio se completem, contractos de emprego se transfiram para os compradores, determinados contractos de clientes e fornecedores se transfiram para as entidades compradoras e progresso seja feito no contexto do PPA.

15 15 Em relação ao processo de PPA e as cobranças relacionadas, que formam parte integrante de qualquer dividendo a credores, a Administração Conjunta está consciente do processo de arbitragem pendente e do potencial para chegar a uma alocação consensual. A Administração Conjunta não acredita que é do interesse da Empresa e seus credores definir e circular uma visão de recuperação prevista para a Empresa, asserção que nesta altura poderá prejudicar a posição da Empresa em qualquer instância arbitrária ou negociações entre estados vendedores. Os processos de venda são complexos e haverá períodos de alguns meses entre a contratação e a realização. A Administração provavelmente precisará de se manter em actividade por algum tempo (possivelmente 12 meses ou mais para algumas empresas do Grupo), tratando da transição do negócio para os compradores. No pressuposto de que os processos de venda estarão terminados em meados de 2010, provavelmente os pedidos indemnizatórios dos credores externos serão exigidos em De acordo com o Insolvency Act 1986, a Administração Conjunta comunicará por escrito a todos os credores e publicitará os pedidos. Extensão da Administração A Administração Conjunta candidatou-se ao Tribunal em 12 Janeiro 2010 para renovar a extensão da Administração da Empresa e das outras Empresas EMEA. Estou satisfeito de reportar que as candidaturas de extensão foram bem sucedidas e que a Administração será prolongada por um período de 24 meses. A Administração agora cessa funções a 13 Janeiro Possíveis Saídas da Administração Determinadas estratégias de saída definidas nas Propostas mantêm-se como opções viáveis e continuam a ser exploradas pela Administração Conjunta como mecanismos para aceitar os pedidos dos credores e distribuir os activos aos credores logo que a Administração se complete. A Administração Conjunta estará numa posição de fornecer mais informação sobre as estratégias de saída logo que tenha terminado o negócio com a administração, os activos tenham sido realizados e os passivos com a administração reembolsados.

16 16 A Administração Conjunta reportará de volta a V.Ex.as num período de seis meses. Melhores Cumprimentos Para Portugal S.A. (Sob Administração) SJ Harris Administração Conjunta Enc: Company information Joint Administrators Receipts and Payments Account Summary of Joint Administrators Time Costs Joint Administrators Policy on Fees and Disbursements Form 2.24B For the Companies listed below, The Institute of Chartered Accountants in England and Wales in the UK authorises AR Bloom, SJ Harris and CJW Hill to act as Insolvency Practitioners under section 390(2)(a) of the Insolvency Act 1986 and the Association of Chartered Certified Accountants in the UK authorises A M Hudson to act as an Insolvency Practitioner under section 390(2)(a) of the Insolvency Act The affairs, business and property of the Companies are being managed by the Joint Administrators, AR Bloom, SJ Harris, AM Hudson and CJW Hill who act as agents of the Companies only and without personal liability. The Companies are UK Limited; SA; Nortel GmbH; France SAS; Nortel Networks NV; SpA; BV; Polska SP Zoo; Hispania SA; Nortel Networks (Austria) GmbH; sro; Engineering Service Kft; Portugal SA; Nortel Networks Slovensko sro; Oy; Romania SRL; AB; International Finance & Holding BV The affairs, business and property of (Ireland) Limited are being managed by the Joint Administrators, A R Bloom and DM Hughes, who act as agents of (Ireland) Limited only and without personal liability. SA was placed into French liquidation judiciaire on 28 May The business and assets of the company that are situated in France are now under the control of an administrateur judiciaire.

17 Apêndice 1 Portugal S.A. (Sob Administração) Informação da Empresa Número de registo: Nome da Empresa: Morada registada: Nome anterior: Portugal S.A. Edificio Tivoli Forum, Avda. Da Liberdade, no 180-A, 3o Andar, Lisboa, Portugal Northern Telecom (Portugal) S.A. Detalhe dos Administradores e sua nomeação Administração: Data de nomeação: 14 Janeiro 2009 AR Bloom, AM Hudson, SJ Harris and CJW Hill of Ernst & Young LLP, 1 More London Place, London, SE1 2AF Nomeados por: Referência do Tribunal: Divisão da responsabilidade dos Administradores: A nomeação foi efectuada pelo Supremo Tribunal de Justiça, Divisão de Chancelaria, Tribunal da Empresa na candidatura dos directores da Empresa Supremo Tribunal de Justiça, Divisão de Chancelaria, Tribunal da Empresa caso 547 de 2009 Qualquer das funções efectuadas ou autoridade exercida pelos administradores poderá ser tomada por qualquer um dos mesmos actuando por si ou em conjunto Regra Associada à Regulação da Comissão Europeia O Concelho de Regulação de Insolvência 2000 da Comunidade Europeia abrange esta administração e as suas notificações são as principais. Isto significa que esta administração é conduzida de acordo com a legislação de insolvência Inglesa e não sujeita à lei de insolvência de qualquer outro Estado Membro da União Europeia.

18 Capital Accionista Classe Autorizado Emitido e Totalmente pago Número Número Ordinária 35, ,650 Ordinário 35,000 Accionista International Finance & Holdings B.V % Nortel Optical Components Limited 0.001% Directores (actual e nos últimos três anos) e secretária da empresa (actual) Nome Director ou secretária Data nomeação Data resignação Accionista actual Tim Watkins Director 15/01/ /03/ Knut Stenseth Director 22/07/ /01/ Christian Waida Director 30/11/ /01/ Fernando Valdivieldo Director 05/03/ /01/ Sharon Rolston Director 14/01/ Simon Freemantle Director 14/01/ Gordon Davies Director 14/01/ Jose Alves Pereira secretário da empresa Secretário N/A - -

19 Estrutura do Grupo Nortel Corporation (Canada) Limited (Canada) USA Asia OCEANIC NNUK CALA SA (France) (Ireland) Dormant companies International Finance & Holding BV (Netherlands) Northern Telecom France s.r.o. (Czech) (Austria) GmbH AG Switzerland (Scandinavia) AS (Norway) S.p.A (Italy) South Africa (Proprietary) Limited (RSA) N.V. (Belgium) France SAS Engineering Service Kft. (Hungary) Slovensko s.r.o. (Slovak) Romania Srl (Romania) O.O.O. (Russia) (Portugal) S.A. Polska Sp. z.o.o. (Poland) Nortel GmbH (Germany) Nortel Communications Holdings (1997) Limited (Israel) Nortel Ukraine Limited BV (The Netherlands) AB (Sweden) Hispania S.A. (Spain) Netas Telekomunikasyion (Turkey) Dormant companies Israel (Sales and Marketing) Limited Dormant company Oy (Finland) Reference The EMEA Companies in UK administration procedures

20 As Empresas EMEA sob instância da administração Inglesa: Entidade Legal UK Limited S.A. France S.A.S. (Ireland) Limited Nortel GmbH Oy Romania SRL AB N.V. S.p.A. B.V. International Finance & Holding B.V. Polska Sp. z.o.o. (Austria) GmbH s.r.o. Engineering Service Kft Portugal S.A. Hispania S.A. Slovensko s.r.o. País de Representação England France France Ireland Germany Finland Romania Sweden Belgium Italy Netherlands Netherlands Poland Austria Czech Republic Hungary Portugal Spain Slovakia

Nortel Networks Portugal S.A. (Em Administration) ( a Empresa )

Nortel Networks Portugal S.A. (Em Administration) ( a Empresa ) Ernst & Young LLP 1 More London Place London SE1 2AF Tel: 020 7951 2000 Fax: 020 7951 1345 www.ey.com/uk A TODOS OS CREDORES CONHECIDOS 12 de Agosto de 2010 Ref: MLP/7E/CH/NA/HR/LO3551 Hannah Russell Linha

Leia mais

Documento de Divulgação. Introdução

Documento de Divulgação. Introdução Abbott Laboratórios, Lda. Estrada de Alf ragide, 67 Alf rapark Edif icio D 2610-008 Amadora Portugal Contribuinte nº 500 006 148 Reg. C.R.C. Amadora Capital Social: 3.396.850 Tel. (351) 214 727 100 Fax.

Leia mais

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento:

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento: RESUMO DA OFERTA Este resumo tem de ser visto como uma introdução a este Prospecto. Qualquer decisão de investimento em quaisquer Acções Preferenciais deve basear-se numa avaliação deste Prospecto como

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO)

Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 33 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 33 Resultados por Acção ÍNDICE Parágrafos Objectivo 1 Âmbito 2-4 Definições 5-8 Mensuração 9-63 Resultados por Acção Básicos 9-29 Resultados 12-18 Acções

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1)

Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1) Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1) Setembro de 2013 Designação: Invest Security (Ser. 13/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

b. País de constituição Data de constituição / /

b. País de constituição Data de constituição / / Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com facturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Luxemburgo.

Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Luxemburgo. JPMorgan Funds Global Socially Responsible Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado janeiro de 2007 Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Este

Leia mais

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000 VALORES MOBILIÁRIOS Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Opções Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Contraparte: X-Trade Brokers

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank. O Saxo Bank

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV (O Prospecto) da exclusiva O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva responsabilidade da DHV Holding B.V. O Prospecto foi aprovado

Leia mais

- Prospecto Informativo -

- Prospecto Informativo - - Prospecto Informativo - Designação Classificação Depósito Indexado Depósito Valor Energia USD (doravante referido por o Depósito ).. Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Factores

Leia mais

Portugal Telecom International Finance B.V.

Portugal Telecom International Finance B.V. Portugal Telecom International Finance B.V. Amsterdão, RELATÓRIO E CONTAS DE 30 DE JUNHO DE 2015 (Não auditado) Índice Página Relatório de Gestão 1 Demonstrações Financeiras Demonstrações da Posição Financeira

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Depósito Indexado Depósito Valor Energia Produto Financeiro Complexo

Depósito Indexado Depósito Valor Energia Produto Financeiro Complexo - Prospecto Informativo - Designação Classificação Depósito Valor Energia (doravante referido por o Depósito ). Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores

Leia mais

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA. Acordo PrimeSupport PS.UPDR200.123.1 / PS.UPDR200.12X.1 Versão 1.0 10/2008 Este documento fornece informações sobre o Acordo PrimeSupport ao Cliente. Leia-o cuidadosamente. Para activar os serviços de

Leia mais

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador Manual do utilizador Conteúdos Conteúdos 01 Uma introdução à negociação com DMA 02 Início O que é o DMA Vantagens do DMA Activação do DMA Permissões &

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

NCRF 27 Instrumentos financeiros

NCRF 27 Instrumentos financeiros NCRF 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, IAS 39 - Instrumentos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN

CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN 1. DEFINIÇÕES CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN Abaixo Recreahome B.V. será referida como "vendedor". Cada pessoa singular ou entidade legal que adquire bens e/ou serviços

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008 PARVEST USA LS30 Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável O subfundo Parvest USA LS30 foi lançado a 30 de Outubro de 2007. Prospecto simplificado Abril de 2008 Este prospecto

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 31 de Março de 2008 Duração: 2 horas e 30 minutos 1ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (35 minutos - 4,5 valores) Na sociedade Turismo & Aventura,

Leia mais

REGULAMENTO NO. 2000/6 SOBRE O ESTABELECIMENTO DE UM GABINETE CENTRAL DE PAGAMENTOS DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO NO. 2000/6 SOBRE O ESTABELECIMENTO DE UM GABINETE CENTRAL DE PAGAMENTOS DE TIMOR LESTE UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/REG/2000/6 22 de Janeiro de 2000 REGULAMENTO

Leia mais

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA www.pwc.com/pt/tax/ma Mudanças a fundo Directiva dos GFIA O que vai mudar nos Fundos de Investimento Alternativos? Junho 2011 Introdução A Proposta de Directiva o que é? Em resposta à crise que afectou

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Microsoft Services Provider License Program

Microsoft Services Provider License Program Microsoft Services Provider License Program Agenda Programa SPLA Service Provider License Agreement O que é um Fornecedor de Serviços? O que são Serviços de Software? O que é o SPLA? O SPLA é a oferta

Leia mais

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa. Secção 16 e Regulamento 144 da Política e Programa de Conformidade

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa. Secção 16 e Regulamento 144 da Política e Programa de Conformidade Página 1 MANITOWOC Boletim de Política da Empresa Assunto: Secção 16 e Regulamento 144 da Política e Programa de Conformidade Boletim Original Substitui 111 Datado de 1 de Setembro de 2000 NO: 111 2 de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com Resultados 1T11 4 de Maio de 2011 www.edprenovaveis.com Agenda I Destaques do 1T11 II Performance Operacional e Financeira do 1T11 III Perspectivas e Conclusão Destaques do 1T11 Elevada performance operacional

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado

Leia mais

Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads

Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads Termos e Condições Especiais de Venda - Social Ads Os presentes termos e condições especiais de venda (doravante Condições Especiais de Venda ou os CPV regulamentam a relação entre: A APVO, uma empresa

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420 AID 8420 Divulgação destinada exclusivamente à Entidade Contratante e ao autor do documento tendo em vista proteger dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes

NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 37 - Provisões, Passivos Contingentes

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:265083-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo relativo ao papel da digitalização e da inovação para a criação de

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 113 SONAE, SGPS, SA BALANÇOS CONSOLIDADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E DE 2008 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Notas ACTIVOS NÃO CORRENTES:

Leia mais

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto.

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto. ALLIANZ AKTIENGESELLSCHAFT Sede: Koeniginstrasse 28 D 80802 Munique, Alemanha Capital Social: 1.039.462.400,00 euros Matriculada no Registo Comercial B do Tribunal da Comarca de Munique, Alemanha, sob

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço 1 1.2.1.Demonstração de Resultados por Naturezas 2 1.3.Demonstração de Fluxos de Caixa 3 1.4.Demonstração das Alterações no Capital Próprio 4 1. Identificação

Leia mais

NOTA AO SUMÁRIO DO PROSPECTO VISA NUMERO 11-260 DATADO DE 24 JUNHO 2011, DA AMF. Advertência

NOTA AO SUMÁRIO DO PROSPECTO VISA NUMERO 11-260 DATADO DE 24 JUNHO 2011, DA AMF. Advertência NOTA AO SUMÁRIO DO PROSPECTO VISA NUMERO 11-260 DATADO DE 24 JUNHO 2011, DA AMF Advertência Este sumário deve ser lido como uma nota introdutória ao prospecto. Em qualquer decisão de investir em valores

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

[tradução livre dos Final Terms em língua inglesa Em caso de discrepância a versão inglesa deverá prevalecer] TERMOS FINAIS

[tradução livre dos Final Terms em língua inglesa Em caso de discrepância a versão inglesa deverá prevalecer] TERMOS FINAIS [tradução livre dos Final Terms em língua inglesa Em caso de discrepância a versão inglesa deverá prevalecer] TERMOS FINAIS BCP Finance Bank, Ltd. (BCP Finance) Emissão de até EUR 10,000,000 Millennium

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo )

JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo ) JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado janeiro de 2007 Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Este prospecto simplificado

Leia mais

Dynamic Currency Conversion

Dynamic Currency Conversion Serviço (DCC) Perguntas Frequentes 1- Quais as moedas abrangidas pelo serviço DCC? Com o serviço DCC o comerciante pode oferecer aos seus clientes com cartões emitidos em Libras Esterlinas, Dólares Norte-Americanos,

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.3.2010 C(2010)1733 final Assunto: Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português Excelência, I. ASPECTOS PROCESSUAIS 1. Em 20 de Maio

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Objectivo A presente directriz visa normalizar os procedimentos contabilísticos necessários para

Leia mais

DC26 - Rédito (1) Directriz Contabilística Nº 26

DC26 - Rédito (1) Directriz Contabilística Nº 26 DC26 - Rédito (1) Índice Directriz Contabilística Nº 26 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. MENSURAÇÃO 4. IDENTIFICAÇÃO DA TRANSACÇÃO 5. RECONHECIMENTO 5.1. Venda de bens 5.2. Prestação de serviços 5.3. Juros,

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

ACORDO DE DISTRIBUIDOR E PATROCINADOR INTERNACIONAL PORTUGAL

ACORDO DE DISTRIBUIDOR E PATROCINADOR INTERNACIONAL PORTUGAL ACORDO DE DISTRIBUIDOR E PATROCINADOR INTERNACIONAL PORTUGAL Este Acordo de Distribuidor e Patrocinador Internacional é realizado entre a Nu Skin International, Inc., uma empresa do Utah, 75 West Center

Leia mais

PREÇÁRIO 20.MAIO.2011

PREÇÁRIO 20.MAIO.2011 PREÇÁRIO 20.MAIO.2011 PREÇÁRIO OMIP ÍNDICE DE VERSÕES DATA 1.Julho.2010 OBSERVAÇÕES Versão inicial. Substitui a versão original de 2006, que continha um Preçário conjunto OMIP e OMIClear. 1.Janeiro.2011

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

PrimeSupport Agreement

PrimeSupport Agreement PrimeSupport Agreement Acordo PrimeSupport Este documento fornece informações sobre o Acordo PrimeSupport ao Cliente. Leia-o cuidadosamente. Para activar os serviços de assistência, o Cliente tem de registar

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank A/S, com

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Termos e Condições da Loja Online Vemma Europe (www.vemma.eu)

Termos e Condições da Loja Online Vemma Europe (www.vemma.eu) Termos e Condições da Loja Online Vemma Europe () 1. Informação sobre a Empresa A Loja Online Vemma Europe, a qual funciona no endereço de Internet: (de ora em diante referida como a Loja Online ), é operada

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais