Arquitetura Metro de Serviços Plenos em Banda Larga

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura Metro de Serviços Plenos em Banda Larga"

Transcrição

1 Arquitetura Metro de Serviços Plenos em Banda Larga Este tutorial apresenta a rede Metro, como parte da arquitetura Full Service Broadband FSBB (Serviços Banda Larga), que dá ao usuário final facilidade de acesso a qualquer serviço banda larga a partir de qualquer tipo de terminal ou dispositivo e em qualquer lugar. As redes Metro desempenham um papel fundamental ao permitir que usuários residenciais, corporativos e móveis (em movimento) possam acessar os serviços de banda larga em qualquer lugar, ao mesmo tempo oferecem flexibilidade e eficiência para as operadoras de rede. Este tutorial foi produzido a partir do White Paper FULL SERVICE BROADBAND METRO ARCHITECTURE, de Janeiro de 2009, elaborado pela Ericsson. Categoria: Banda Larga Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 02/03/2009 1

2 Arquitetura Metro: Introdução A rede Metro é uma parte essencial da nova arquitetura FSBB (Full Service Broadband) de serviços banda larga, já que transporta o tráfego entre o acesso e os elementos de rede responsáveis pela prestação desse serviço e também provê os serviços de conectividade. A rede Metro deve ser otimizada para todas as áreas geográficas, desde as área urbanas densas até as áreas rurais esparsas. Para isso, a rede Metro enfrenta três desafios, apresentados a seguir. Convergência: uma rede única para todos os serviços Uma arquitetura de rede Metro baseada em padrões abertos deve ser escalável para poder atender um grande número de usuários residenciais, corporativos e de serviços móveis, cada um de acordo com o seu acordo de nível de serviço (Service Level Agreement - SLA), e ser adaptável para permitir implantações de acordo com cenários atuais e futuros de negócios. As principais tecnologias para a camada de pacotes dos equipamentos carrier-grade das redes Metro são a Ethernet e o MPLS (Multiprotocol Label Switching). O uso dos padrões Ethernet Provider Bridging (IEEE 802.1ad) e Provider Backbone Bridging (IEEE 802.1ah) atende a necessidade de uma alta capacidade de agregação das redes Metro comutadas, enquanto que o uso dos padrões MPLS (Multi Protocol Label Switching) e MPLS-TP (MPLS Transport Profile) fornece conexões através de uma rede Metro roteada que permitirão estender a conectividade dos backbones IP / MPLS existentes e dos serviços VPLS (Virtual Private LAN Service). Complementando a camada de pacotes, as redes ópticas OTN (Optical Transport Network) e redes WDM (Wavelength Division Multiplexing WDM) reforçam a resiliência, aumentam a capacidade das fibras ópticas e entregam serviços de alta velocidade diretamente aos usuários finais. Flexibilidade: uma rede otimizada para cada situação A arquitetura da rede Metro deve se adaptar à cobertura geográfica, ao lançamento e adoção não previsível de novos serviços, e ao aumento da banda, ao mesmo tempo em que deve ter desempenho determinístico para serviços de alto valor. Isto exige escalabilidade nas camadas de transporte e comutação, e otimização na localização de elementos de rede unitários, múltiplos ou destinados a serviços distribuídos na rede. Custo: uma rede com baixo custo de propriedade A rede Metro deve ter um baixo custo total de propriedade, não obstante a sua alta capacidade, grande cobertura e mix variado de serviços. Uma rede Metro convergente promove a redução das despesas de investimento (Capital Expenditure CAPEX), quando se compara com os investimentos necessários para a implementação de redes especificas para cada tipo de serviço, e os custos operacionais podem ser diminuído com o uso de equipamentos carrier-grade em uma rede de concepção resiliente, permitindo um nível adequado de automação de rede e garantindo que ferramentas de Gestão e Administração da Operação (Operations Administration and Management OAM) possam ser usadas de forma uniforme para todas as tecnologias de transporte em uso na rede. Independentemente do tipo de tecnologia de conexão orientada a pacote utilizada, um plano de controle de tecnologia agnóstico pode ser usado para automatizar a restauração da rede e assessorar o provisionamento de conexões nas camadas de transporte de pacotes e ópticas dos tipos OTN e WDM. 2

3 Conclusão Ao atender os três desafios descritos, as redes Metro desempenham um papel fundamental ao permitir que usuários residenciais, corporativos e móveis possam acessar quaisquer serviços de banda larga em qualquer lugar. Essas redes oferecem flexibilidade e eficiência para as operadoras de rede, permitindo que novos serviços e tipos de clientes sejam incorporados a um custo menor em comparação com os serviços prestados através de redes específicas. 3

4 Arquitetura Metro: Serviços de Banda Larga A rede Metro é uma parte essencial da arquitetura FSBB, transportando o tráfego entre o os elementos da rede de acesso e da rede dos serviços prestados, e também fornecendo serviços de conectividade de transporte. Depois de anos de conversa sobre a convergência fixo-móvel (Fixed-Mobile Convergence FMC) e as redes de nova geração (Next Generation Networks NGN), a tecnologia tornou-se disponível para permitir que as operadoras fixas e móveis possam dar um grande salto. Elas agora podem implantar uma rede com arquitetura baseada em padrões abertos, que pode evoluir a um custo otimizado para novas oportunidades de serviços de banda larga fixos e móveis. A figura 1 [ver referência 2] mostra as funções exigidas por um prestador de serviços para entregar toda a gama de serviços de banda larga padrões e compatíveis com o IMS (IP Multimedia Subsystem) para usuários móveis, residenciais e corporativos através de acesso com ou sem fio. A dupla função da rede Metro destaca-se como parte do transporte para as plataformas de serviços, bem como fornecendo conectividade de transporte como um serviço de valor por si próprio. Figura 1: Arquitetura de serviços de banda larga FSBB. A rede Metro suporta simultaneamente vários modelos de negócios: entrega de serviços agregados de varejo para clientes residenciais e corporativos; fornecimento de serviços no atacado para outros prestadores de serviços; serviços entre operadoras para utilização como links de backhaul ou infra-estrutura; e, também, serviços de interconexão e troca de tráfego (peering). 4

5 Figura 2: O contexto metropolitano. A Figura 2 mostra a localização da rede Metro, que conecta os usuários através dos sistemas de acesso aos service edges. Para otimizar o custo de forma global, podem ser colocados nós service edge independentemente da topologia de transporte, na borda ou extremidade do backbone, ou em sites intermediários da rede Metro. Funções de Acesso e a Rede Metro Os sistemas de acesso entregam serviços de varejo em massa para usuários residenciais e móveis e também oferecem serviços com maior largura de banda para sites de clientes corporativos. Para os serviços fixos, os nós da rede de acesso suportam tecnologias de última milha apropriadas para os cenários de serviço e de implementação, incluindo DSL (Digital Subscriber Lines), fibra até o usuário final (Fiber To The x FTTx), redes ópticas passivas (PON), ou sistemas de acesso fixo sem fio. Para os usuários móveis, a função de acesso é representada por estações rádio base que suportam sistemas móveis de segunda e terceira geração e as tecnologias de banda larga móvel em desenvolvimento. Service Edges e a Rede Metro O tráfego de serviços do tipo VPN-IP (IP Virtual Private Networks) ou daqueles que exigem o acesso as recursos multimídia, a Internet pública ou a outros sistemas de aplicação, é transportado pela rede Metro e de e para os nós service edge, que representam a implementação física da funcionalidade Multiplo-Accesso Edge. Os nós service edge podem ser localizados de forma flexível para fornecer o desempenho e a resiliência necessária para cada tipo de serviço, perto de nós de acesso ou centralizado no nó edge. Assim, o termo Metro não se refere propriamente a uma cidade e seus subúrbios, mas sim à área, grande ou pequena, de prestação dos serviços. 5

6 Arquitetura Metro: Estudos de Casos Para cumprir o seu papel na arquitetura FSBB entrega serviços móveis, corporativos e residenciais a rede Metro enfrenta três desafios chave, esteja ela atuando em áreas urbanas ou rurais. Estes desafios, listados abaixo, são ilustrados através dos casos práticos de serviços móveis, corporativo e residencial descritos nas seções seguintes: O desafio da convergência Metro: uma única rede para oferecer todos os serviços. O desafio da flexibilidade Metro: uma rede otimizada para cada situação. O desafio do custo Metro: uma rede com baixo custo de propriedade. Caso 1: Backhaul Móvel As estações rádio base são localizadas de modo a fornecer cobertura máxima e devem ser ligadas ao núcleo (core) da rede móvel a um custo mínimo. Para atingir este objetivo atualmente, aproximadamente 60% de todas as estações rádio base são ligadas por enlaces de microondas ao backhaul principal das redes, composto por circuitos dedicados ou enlaces de fibra óptica. O White Paper High-speed technologies for mobile backhaul [ver referência 3] descreve como os novos serviços móveis de banda larga (3G e acima) necessitam de backhaul de transporte de pacotes IP e Ethernet para as estações rádio base a custos acessíveis. As tecnologias de transporte existentes, tais como circuitos E1/T1, ATM (Asynchronous Transfer Mode) e SONET (Synchronous Optical Networking) / SDH (Synchronous Digital Hierarchy), também continuarão a ser utilizadas por muitos anos. Estes circuitos podem ser transportados nativamente através da rede Metro, ou através de camadas de transporte Metro convergentes baseada em pacotes, o que reduziria o custo total de propriedade. Figura 3: Backhaul móvel. O Metro Ethernet Fórum está trabalhando para definir como o tráfego móvel pode ser transportado de forma mais efetiva entre as estações rádio base e as redes principais (core) através de redes Ethernet. Requisitos para a Rede Metro 6

7 Para transportar o tráfego móvel, a rede Metro FSBB deve: Fornecer serviços de transporte Ethernet ponto-a-ponto e multiponto; Permitir o aumento de capacidade a um custo acessível; Suportar uma gama classes de qualidade de serviço (QoS), tais como a variação de atraso muito baixa para sincronização baseada em pacotes (por exemplo, usando o Network Time Protocol ou o IEEE 1588 Precision Time Protocol), baixa atraso absoluto para serviços interativos, e entrega do tipo melhor-esforço (best-effort) o tráfego da web em geral; Suportar o transporte Ethernet com e gerenciamento OAM de forma eficiente sobre sistemas de microondas com otimização de banda, usados para estender a rede Metro. Caso 2: Serviços Corporativos Circuitos Dedicados e a Migração para Serviços Corporativos de VPN As empresas sempre querem interligar seus vários sites a um custo acessível, de forma, confiável transparente, e com taxas de bits muito próximas às das redes locais (normalmente 1 Gbit/s, alguns de até 10 Gbit/s). Elas podem então alcançar reduções internas significativas de custo, através da consolidação de sua intraestrutura interna de TI e de Comunicação (TIC), ao mesmo tempo em que fornecem aos seus usuários acesso pleno em alta velocidade às aplicações e sistemas. Enquanto isso, as operadoras Metro consideram os serviços de transporte Ethernet (Ethernet Carrier) como uma boa solução, permitindo a substituição dos serviços TDM, Frame Relay ou ATM por serviços E-Line (conexão dedicada sobre Ethernet), E-LAN (conexão LAN privada sobre Ethernet) ou E-Tree (conexões virtuais sobre Ethernet), complementando serviços de VPN IP. A figura 4 mostra um exemplo simples de serviço ponto-a-ponto do ponto de vista da empresa. Figura 4: Serviço corporativo de Carrier Ethernet. Uma rede Metro FSBB de alto desempenho também beneficia as empresas interligando redes de sistemas de armazenamento (Storage Area Networks SAN), utilizando serviços de backup remoto ou redes de entrega de conteúdo (Content Delivery Networks CDN), para os quais as operadoras já estão entregando serviços de velocidades muito altas, que chegam até dezenas de Gbit/s. A tabela a seguir ilustra o impacto dos serviços de alta velocidade na cópia de segurança dos dados corporativos. Tabela 1: Tempo para um backup de 10 Terabytes. 7

8 Acesso Corporativo à Internet Velocidade OC3 / STM1 Tempo > 1 semana 1 ESCON 1 semana 1 Gbit/s 1,5 dias 6 canais OTN de 10 Gbit/s ~30 minutos As empresas também estão consolidando e melhorando seu acesso à Internet de alta velocidade para garantir uma sólida presença na Web, e também para ampliar o acesso transparente à aplicação para escritórios remotos e trabalhadores nomádicos usando de banda larga fixa e móvel de acesso à Internet com velocidades cada vez mais altas. Requisitos para a Rede Metro Para entregar futuro serviços corporativos, a rede Metro FSBB deve: Fornecer serviços de conectividade dos tipos E-Line, E-LAN e E-Tree; Fornecer serviços de conectividade Metro dos tipos VPN IP e de acesso à Internet; Fornecer serviços de transporte para serviços específicos e de alta velocidade que não sejam baseados no protocolo Ethernet; Ser altamente confiável; Ter um baixo custo total de propriedade e operação. Caso 3: Serviços Residenciais No competitivo mercado residencial de banda larga, a largura de banda disponível para os usuários residenciais e SOHO (Small Office / Home Office) está se aproximando dos níveis normalmente esperados as redes locais (LAN) de escritórios de grande porte, e está permitindo o desenvolvimento notável de aplicações. Nesse caso, a arquitetura FSBB suportará a tendência observada para o uso de serviços personalizados de acesso nomádico, mais do que simplesmente a prestação de serviços locais fixos. Isto pode ser conseguido através da coordenação entre os nós de acesso e os sistemas de service edge. No entanto, como mostrado na figura 5 e descrito a seguir, a rede Metro tem um papel fundamental a desempenhar. 8

9 Figura 5: Disponibilizando serviços residenciais. IPTV Um serviço de IPTV bem sucedido deve satisfazer as expectativas muito elevadas dos usuários de disponibilidade, qualidade e interatividade do serviço, com uma forte ênfase na sua personalização. Isto exige redundância, flexibilidade e escalabilidade da rede Metro, combinando com a entrega unicast com o multicast fixo ou dinâmico para um uso eficiente da largura de banda da rede Metro. A inclusão da implementação para o protocolo IGPM (Internet Group Management Protocol), através do uso das funcionalidades group join/leave suppression e query Proxy, também pode reduzir a carga do service edge de IPTV. Acesso à Internet de Alta Velocidade A rede Metro deve ser suficientemente escalável para fornecer capacidade necessária de Internet. As várias aplicações existentes, tais como a entrega de conteúdo avançados de mídia (rich media), distribuição de mídia fim-a-fim (peer-to-peer) e as atualizações automática de software, estão promovendo o aumento de carga da rede. Atualmente muitas pessoas também produzem conteúdos de imagem e vídeo, o que eleva a necessidade de largura de banda Metro e de aumento da capacidade disponível uplink nas tecnologias de acesso mais simétricas. Multimídia e Voz Multimídia e serviços de voz, em geral controlados a partir do prestador de serviços pelo subsistema IMS (IP Multimedia Subsystem) ou Softswitch através dos habilitadores de serviço na arquitetura global, podem ser entregues através de um leque de tecnologias residenciais terminais simples, set-top boxes, redes residenciais ou células GSM residenciais. Em termos de rede Metro, esses serviços abrangem uma gama de larguras de banda, e muitos precisam atrasos reduzidos de entrega de mídia. Requisitos para a Rede Metro Para fornecer serviços residenciais com sucesso, a rede Metro deve: Agregar os serviços de banda larga na camada OTN / WDM da rede Metro; 9

10 Suportar o transporte com baixo atraso e baixa perda de serviços interativos e de IPTV; Suportar pontos de injeção de conteúdo multicast fixo e dinâmico otimizados; Ser extremamente confiável, pois dada a alta disponibilidade de prestadores de serviço, os usuários residenciais não irão tolerar qualquer interrupção de serviço com mais facilidade do que os usuários corporativos. 10

11 Arquitetura Metro: Vencendo os Desafios Convergência Uma arquitetura Metro com base em padrões abertos pode transportar todos os tipos de serviço de forma segura e confiável, e pode ser adaptado para qualquer cenário de implantação. As principais tecnologias Metro são Ethernet, MPLS e OTN / WDM. A Arquitetura de Rede Metro Convergente O tráfego de serviços móveis, residenciais e corporativos é cada vez mais IP ou Ethernet, ou podem ser adaptados utilizando tecnologias como emulação pseudowire (de redes com fio), para o transporte por meio de redes de pacotes. Assim, tornar-se possível entregar qualquer tipo de serviço por meio de uma única rede Metro convergente de alta velocidade. A figura 6 mostra uma rede Metro convergente utilizando processamento de pacotes e modulação óptica densa para agregar o tráfego o transporte altamente escalável e eficiente de serviços entre nós service edges e de acesso. Essa rede suporta um grande número de instâncias de serviços, com os respectivos acordos de nível de serviço (SLA s), e de serviços de banda larga que justificam o uso transporte WDM dedicado na rede Metro próximo aos nós de acesso. A rede Metro oferece serviços tais como o E-Line, E-LAN ou E-Tree, desenvolvidos e padronizados pelo Metro Ethernet Fórum [ver referência 7], para conectar os sites locais dos seus clientes. Ela também conecta VPN IP s ou tráfego de Internet para os service edges, como descrito pelo Broadband Fórum [ver referência 1], e suporta serviços que demanda altas larguras de banda, tais como os serviços IPTV unicast ou multicast. O gerenciamento do tráfego garante o SLA dos clientes no que tange à qualidade de serviço. Uma vasta gama de topologias Metro físicas e lógicas torna-se possível, incluindo configurações em estrela e anel, possibilitando o uso caminhos alternativos para proteger as conexões de transporte dos efeitos da falhas. Isto permite a entrega confiável e competitiva de serviços de alto valor. Figura 6: A rede Metro. Tecnologias Metro 11

12 A tabela 2 apresenta um resumo da evolução das tecnológicas que fornecem as funcionalidades Metro. Tipo de Transporte Transporte de Pacotes sem conexão (Connectionless packet transport) Transporte de Pacotes com conexão (Connection-oriented packet transport) Transporte óptico e por circuitos (Circuit and optical transport) IP Ethernet FR ATM Tecnologia Tradicional Atual Futura SONET/SDH ML-PPP, NG-SONET/SDH Ethernet (IEEE 802.3ah) C/DWDM IP Ethernet (PB) VPLS/MPLS Ethernet (PB) VPLS/MPLS Ethernet up to 10 GB E LAN POS (SONET/SDH) up to 40G OTN/WDM up to nx 40G IP Ethernet (PB, PBB) VPLS/MPLS Ethernet (PRB-TE) VPLS/MPLS MPLS-TP Ethernet up to 100GBE OTN/WDM up to nx 120G DWDM Nessa tabela os sistemas de transporte orientados a conexão são aqueles que estabelecem uma relação ou caminho ponto-a-ponto com estado bem definido, a fim de garantir a entrega ordenada de pacotes e, opcionalmente, para reservar recursos da rede para o tráfego. Os sistemas de transporte sem conexão transportam os pacotes sem antes estabelecer tal relação ou caminho com estado bem definido. Os prestadores de serviços podem usar o roteamento IP dos nós Metro para prover a entrega eficiente de tráfego IP para determinados serviços. O MPLS é a tecnologia para prover tais conexões por meio da uma rede Metro roteada, para, por exemplo, estender a conectividade de núcleo MPLS (core) ou os serviços VPLS (Virtual Private LAN Service) ou VPWS (Virtual Private Wire Service) existentes para a área de abrangência da rede Metro. O padrão do perfil de transporte MPLS (MPLS-TP) está sendo desenvolvido para proporcionar uma conectividade mais simples e provisionada onde as funcionalidades IP e MPLS plenas não são necessárias. Em uma rede Metro comutada, a Ethernet satisfaz às necessidades de agregação escalável e de alta capacidade, utilizando a tecnologia do padrão IEEE Ethernet para as funcionalidades Provider Bridging [4] e Provider Backbone Bridging [5], aprovada em junho de Ao encapsular os dados dos clientes num frame Ethernet do provedor de rede, a funcionalidade PBB também melhora a segurança do isolamento entre os domínios das redes do cliente e do prestador de serviço. Continua, ainda, o desenvolvimento de normas de engenharia de tráfego sobre a variante do PBB (PBB-TE) [6], para o transporte de pacotes Ethernet gerenciados e orientados a conexão. Sempre que uma rede Metro Ethernet inicia uma sincronização, os nós Metro podem utilizar o padrão IEEE 1588, também conhecido como o Precision Time Protocol (PTP), para aumentar a exatidão da temporização fim-a-fim. As tecnologias de pacotes estão sendo disponibilizadas em produtos Metro dos tipos óptico e microondas atendendo os requisitos de tolerância a falhas, escalabilidade e gerenciamento de falhas. 12

13 Eles podem eventualmente ser complementados pelas redes com tecnologia Optical Transport Network (OTN) para transportar pacotes e outros tipos de payloads de alta velocidade sobre WDM. Flexibilidade A mesma arquitetura Metro pode ser adaptada em termos de alcance geográfico, novos serviços, largura de banda transportada e suporte para nós de serviço unitários, múltiplos ou distribuídos. Flexibilidade para Serviços A rede Metro fornece serviços de transporte entre os sites locais de clientes e também fornece serviços de backhaul para service edges. A rede Metro deve ter a flexibilidade para introduzir novos serviços, ampliá-los e adaptá-los de acordo com a mudança imprevisível dos serviços contratados pelos usuários, sem perturbar os serviços existentes. Durante a migração de serviços de TDM para o transporte de pacotes, nós Metro híbridos irão suportar a coexistência de TDM, ATM e do tráfego de pacotes, enquanto a emulação pseudowire dos serviços legados sobre IP / MPLS ou transporte Ethernet proporcionará importante flexibilidade para a transição. Flexibilidade para as Condições Locais Temos visto que a rede Metro é geograficamente definida de acordo com a área de prestação de serviço, grande ou pequena, como ilustrado na Figura 8. Em um extremo, em densas áreas urbanas, a rede Metro pode consistir simplesmente de enlaces de fibra óptica. Em áreas rurais esparsas, poderá utilizar vários estágios de agregação de otimizar a entrega de serviços. Essa flexibilidade é necessária cada vez que o alcance da rede é estendido, a largura de banda aumenta, ou mais nós de serviço são instalados. A rede Metro deve ser construída a partir de uma gama consistente de equipamentos inter-operáveis, customizado para as condições locais de forma a entregar a mesma qualidade de experiência para todos os usuários. Figura 7: Adaptando a rede Metro. 13

14 Flexibilidade para o Crescimento de Largura de Banda O histórico gargalo de acesso está sendo removido para os usuários residenciais, corporativos e até mesmo para os usuários móveis, exigindo tanto o aumento da capacidade Metro como da engenharia de tráfego para alocar recursos de banda. As operadoras requerem flexibilidade para ajustar a alocação de recursos, para adicionar novos nós e para atualizar enlaces, tudo isso sem perturbar serviços existentes. A função de acesso para um único grande site ou para serviços de grande largura de banda (IPTV, por exemplo) pode perfeitamente sobrecarregar uma porta de tráfego de pacotes. Esse alto tráfego pode ser carregado por uma camada de transporte Metro OTN / WDM eficaz em termos de custos de entrega, evitando o processamento redundante de pacotes. Custo A rede Metro deve ter um baixo custo total de propriedade, apesar das grandes distâncias e do mix variado de serviços. O baixo custo pode ser alcançado através do uso de equipamentos carrier-grade numa rede com um projeto resiliente e com automação e boas ferramentas OAM de gestão e administração de rede. O custo de investimento de uma rede Metro multisserviços pode ser minimizado por meio da entrega convergente de todos os serviços através de uma única rede que utilize tecnologias modernas e de alta velocidade e que adote padrões globais para a redução dos custos dos componentes. Essa rede convergente deve ser complementada por uma automação de rede adequada, juntamente com ferramentas OAM e com sistemas de suporte à operação (OSS) orientados a serviços. Plano de Controle Metro Um sistema de controle comum de rede, tal como o Generalized Multiprotocol Label Switching (GMPLS) oferece algumas vantagens importantes para o controle de rede e para o provisionamento de serviços. A figura 9 mostra o plano GMPLS controlando tecnologias de rede orientadas a conexão. Através do uso conjunto dos sistemas RACS (Resource and Admission Control Systems), o GMPLS gere os recursos de rede com precisão, reduzindo os erros de provisionamento dos caminhos principal e de restauração dos serviços. Na eventualidade de uma falha, o plano de controle pode calcular dinamicamente um caminho alternativo. Em uma rede Metro multi-camadas (por exemplo, com transporte de pacote sobre OTN), instâncias separadas do sistema de controle são necessários para cada camada, embora a complexidade operacional possa ser reduzida por meio de uma tecnologia de sistema de controle única em todas as camadas. Figura 8: Controle GPMLS. 14

15 Em geral, os custos operacionais podem ser minimizados pela simplicidade do projeto da rede e dos elementos da rede comutação é normalmente mais barato que roteamento, nesse caso. Boas ferramentas OAM são parte de uma rede carrier grade, reduzindo custos operacionais por meio da detecção inequívoca de falhas ou de problemas de desempenho, desencadeando ações de proteção e fornecendo diagnósticos eficazes. As tecnologias MPLS, Ethernet e OTN suportam as camadas OAM necessárias numa situação multi-carrier. Dados OAM são fornecidos aos sistemas OSS para suportar faturamento, serviço de garantia e o planejamento eficaz das atividades de manutenção programada, a fim de minimizar futuras interrupções de serviço. A operadora Metro vai usar os sistemas OSS para alocar recursos semi-permanentemente para todos os usos e usuários da capacidade Metro, de forma compatível com uma estratégia global de alocação dos recursos e com os planos de longo prazo de atualização da rede. O baixo custo operacional decorre do chamado provisionamento flow-through provisioning que automatiza as alterações de serviço do usuário final. 15

16 Arquitetura Metro: Considerações Finais Uma rede Metro convergente que transporte serviços móveis, corporativos e residenciais irá reduzir as despesas de investimento (CAPEX) quando se compara com os investimentos necessários para a implementação de redes especificas para cada tipo de serviço. Essa rede convergente deve ter escalabilidade para transportar grandes quantidades de serviços e requer sistemas de gerenciamento de rede e de serviços robustos para assegurar que cada serviço satisfaça seus requisitos de SLA relativos à qualidade e confiabilidade. O custo total de propriedade da rede Metro pode ser reduzido através do alinhamento dos mecanismos de controle de rede, e dos sistemas OAM e OSS para as camadas de pacote e OTN / WDM. Uma tecnologia agnóstica de controle GMPLS deve ser utilizada para automatizar a restauração do sistema e para auxiliar o provisionamento de conexões para as camadas de pacote e OTN. As redes Metro devem permitir a localização otimizada dos service edges para suportar a evolução de banda e de serviços, permitindo assim o uso de arquiteturas do tipo single-edge, multiple-edge e distributed-edge. Estes nós de serviços deverão ser altamente escaláveis para suportar um grande número de fluxos de serviço determinístico. As principais tecnologias carrier-grade para uma rede Metro flexível e convergente o MPLS, o MPLS-TP, a Ethernet e a OTN/WDM, todas baseados em padrões globais. Os tradicionais princípios rede em camadas devem ser utilizados para entregar serviços de transporte escaláveis e também para servir de backhaul do tráfego de usuários para outros service edges, conforme a necessidade. A tecnologia Ethernet (Provider Bridging e Provider Backbone Bridging) deve ser utilizada para a agregação de alta capacidade em uma rede Metro comutada, enquanto que a tecnologia MPLS-TP deve ser usada para fornecer conexões determinísticas através de uma rede Metro roteada e para estender a conectividade do backbone IP/MPLS e dos serviços VPLS existentes na área metropolitana. Uma rede de transporte óptica pode ser utilizada para transportar o tráfego de pacotes, adicionando resiliência, e utilizando o WDM para aumentar a capacidade das fibras ópticas, de forma a entregar serviços de velocidade muito alta. Em geral, as redes Metro devem ser concebidas para o transporte de alguns serviços inteiramente na camada de pacotes, enquanto outros podem ser transportados de forma mais otimizada em uma camada OTN. Referências [1] Broadband Forum Architecture and Transport Working Group. TR-101 Technical Report. Abril de DSL Fórum TR-101. Migration to Ethernet-Based DSL Aggregation. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008]. [2] Ericsson white paper. Junho de Full Service Broadband Architecture. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008]. 16

17 [3] Ericsson white paper. Outubro de High-speed technologies for mobile backhaul. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008] [4] Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc. Março de IEEE802.1ad Provider Bridges. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008]. [5] Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc. Junho de IEEE802.1ah Provider Backbone Bridges. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008]. [6] Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc. Maio de IEEE Standard for Local and Metropolitan Area Networks-Virtual Bridged Local Area Networks Amendment: Provider Backbone Bridge Traffi c Engineering. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008]. [7] The Metro Ethernet Forum Abril de MEF 6.1 Metro Ethernet Forum Service Definitions Phase 2. Disponível em: [Acessado em 25 novembro 2008]. 17

18 Arquitetura Metro: Teste seu Entendimento 1. Quais são os desafios que a arquitetura Metro FSBB deve enfrentar? Todas as alternativas abaixo. Convergência: uma rede única para todos os serviços. Flexibilidade: uma rede otimizada para cada situação. Custo: uma rede com baixo custo de propriedade. 2. Qual é a função das redes Metro? Prover conectividade para as estações rádio base. Prover o acesso até o usuário final. Prover os serviços IP para voz. Fazer o transporte dos serviços entre a rede de acesso e os service edges. 3. Qual das alternativas abaixo não representa um dos tipos de serviço residencial que devem ser transportados pela rede Metro? IPTV Acesso à Internet de Alta Velocidade Gerenciamento SNMP Multimídia e Voz 18

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra

Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra <jab@rnp.br> Fundamentos de Carrier Ethernet Jerônimo A. Bezerra 1 Índice Crescimento das redes metropolitanas Ethernet e seus desafios Metro Ethernet Forum - papel, aevidades e envolvimento Introdução

Leia mais

Arquitetura Full Service Broadband (Serviços Banda Larga)

Arquitetura Full Service Broadband (Serviços Banda Larga) Arquitetura Full Service Broadband (Serviços Banda Larga) Este tutorial apresenta uma arquitetura Full Service Broadband (Serviços Banda Larga), que dá ao usuário final facilidade de acesso a qualquer

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

RCO2. WAN: MetroEthernet

RCO2. WAN: MetroEthernet RCO2 WAN: MetroEthernet 1 Carrier Ethernet Carrier Ethernet: definido pelo MEF como: Uma rede e serviços de transmissão ubíquos e padronizados definidos por cinco atributos que os diferem de LANs Ethernet

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Conexões mais Fortes. Novas Possibilidades. www.level3.com

Conexões mais Fortes. Novas Possibilidades. www.level3.com Conexões mais Fortes. Novas Possibilidades. www.level3.com Hoje em dia, as empresas valorizam mais os resultados. E procuram tecnologia de próxima geração para gerar ganhos tanto na produtividade como

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Email: henriquel.rj@gmail.com 1

Email: henriquel.rj@gmail.com 1 Redes ASON: A Evolução das Redes Óticas Este tutorial apresenta uma breve introdução da arquitetura das Redes ASON (Automatic Switched Optical Network) fazendo uma comparação com o protocolo GMPLS (Generalized

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa.

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Os temas de interesse da Fapesp e da Telesp e que serão objeto de Chamadas de Propostas de Pesquisa para projetos de pesquisa cooperativa entre

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Aplicativo Transmissão de Vídeo Monitoramento Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Desde o ocorrido em 11 de Setembro, a necessidade de projetos de segurança com vídeo

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Visão geral da tecnologia Cisco Unified Access: Acesso convergente

Visão geral da tecnologia Cisco Unified Access: Acesso convergente White Paper Visão geral da tecnologia Cisco Unified Access: Acesso convergente Introdução Hoje, menos de um por cento de tudo no mundo físico está conectado em rede. Em um futuro próximo o crescimento

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

Agenda. Mobilidade, convergência e Cloud. A Rede ótica de próxima geração na PT. Evoluções

Agenda. Mobilidade, convergência e Cloud. A Rede ótica de próxima geração na PT. Evoluções Agenda 1. Mobilidade, convergência e Cloud 2. A Rede ótica de próxima geração na PT 3. Evoluções Tsunami de dados Data rate na hora de pico Gbps transport network. DL Utilização diária Gbps transport network.

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis VoIP Coimbra, 16 de Setembro 2005 O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis Índice A rede da Novis Transmissão Rede Multi-Serviços O VoIP como tecnologia de Transporte o enabler do

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA São Paulo, 09 de junho de 2010. Ao A/C.: Condomínio Colinas do Atibaia Jorge Vicente Lopes da

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica.

Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica. Ethernet Óptica Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica. Em aproximadamente trinta anos de existência, a Ethernet tornou-se onipresente; uma tecnologia plug

Leia mais

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais.

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. O uso de switches ethernet é cada vez maior em redes industriais, não resta dúvida, e essa utilização não é de agora.

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Documento técnico de negócios

Documento técnico de negócios Documento técnico de negócios Manual de proteção de dados para armazenamento totalmente em flash Principais considerações para o comprador de armazenamento com experiência em tecnologia Documento técnico

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Pioneirismo não se inventa. Mas pode ser reinventado todos os dias.

Pioneirismo não se inventa. Mas pode ser reinventado todos os dias. Pioneirismo não se inventa. Mas pode ser reinventado todos os dias. A velocidade das respostas é cada vez mais decisiva para o sucesso de uma empresa. Se estar conectado já não basta, é preciso sempre

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso A construção de uma rede local que satisfaça às exigências de organizações de médio e grande porte terá mais probabilidade de sucesso se for utilizado

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Principais benefícios. A plataforma ConnectMaster oferece os seguintes benefícios principais:

Principais benefícios. A plataforma ConnectMaster oferece os seguintes benefícios principais: PLATAFORMA DE GESTÃO DE RECURSO DE CONHECIMENTO DE LOCALIZAÇÃO E SERVIÇO Resumo O poderoso recurso do ConnectMaster para análise robusta leva a suposição trabalhar fora das funções críticas do negócio

Leia mais

5 motivos pelos quais as empresas estão mudando suas WANs para Banda Larga

5 motivos pelos quais as empresas estão mudando suas WANs para Banda Larga 5 motivos pelos quais as empresas estão mudando suas WANs para Banda Larga Como os tempos mudaram e por quê está na hora de Evoluir a TI A WAN sempre teve como objetivo conectar usuários à aplicativos

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais