CONTRATAÇÃO DE LINKS DE CONTINGENCIA DE ACESSO A INTERNET E DE LINK DE COMUNICAÇÃO DE DADOS ENTRE LOCALIDADES DA SECRETARIA DE FAZENDA DO ESTADO DO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATAÇÃO DE LINKS DE CONTINGENCIA DE ACESSO A INTERNET E DE LINK DE COMUNICAÇÃO DE DADOS ENTRE LOCALIDADES DA SECRETARIA DE FAZENDA DO ESTADO DO"

Transcrição

1 CONTRATAÇÃO DE LINKS DE CONTINGENCIA DE ACESSO A INTERNET E DE LINK DE COMUNICAÇÃO DE DADOS ENTRE LOCALIDADES DA SECRETARIA DE FAZENDA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

2

3 1 OBJETO Contratação de serviço provido por empresa de telecomunicação para Interconectar as novas instalações na Av. Presidente Vargas a já existente na Rua Buenos Aires, aumentar a disponibilidade e melhorar a qualidade do acesso aos sistemas em função da demanda hoje existente, da iminência de implantação de novos sistemas que dependerão do acesso à Internet, da comunicação entre o site principal e secundário, e da previsão de crescimento dos serviços fornecidos e do quadro de pessoal da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro SEFAZ-RJ. 2 DEFINIÇÃO DO OBJETO Contratação de serviço provido por empresa de telecomunicação, especializada na prestação deste tipo de serviço, que compreende: Fornecimento de Link de Acesso à Internet com serviços agregados de balanceamento carga com o link atualmente existente e gerenciamento proativo da solução, que compreende a sustentação e o monitoramento, incluindo a infraestrutura de conectividade física e lógica, composto de todo o hardware e software adequado para a velocidade de 50Mbps ou superior e ativação de circuito de acesso (Link de Internet) na velocidade de 50Mbps, com tecnologia MetroEthernet ou similar que atenda todas as características descritas neste termo de referência. Fornecimento de Link de Comunicação de Dados Privado entre duas localidades com serviços agregados de balanceamento de carga entre os sites, balanceamento de carga dos servidores de aplicações web e banco de dados da Contratante e gerenciamento proativo da solução, que compreende a sustentação e o monitoramento, incluindo a infraestrutura de conectividade física e lógica, composto de todo o hardware e software adequado para a velocidade de 4Gbps ou superior e ativação do circuito de comunicação de dados privado entre as duas localidades, com tecnologia MetroEthernet ou similar que atenda todas as características descritas neste termo de referência. O link de comunicação de dados deverá permitir a Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro SEFAZ-RJ, por meio de uma única conexão, enviar grandes quantidades de informação (voz, dados, vídeo, etc.) consolidando a totalidade de suas comunicações em um único canal de transmissão em interface Ethernet. Todo o tráfego proveniente de múltiplos serviços da rede local deverá ser transportado através de uma VLAN dentro do Backbone da CONTRATADA, com segurança e performance garantida. Este serviço deverá ser prestado sobre uma rede Carrier Ethernet, ou seja, utilizando redes Ethernet para áreas Metropolitanas e Geograficamente distribuídas. A solução deverá estar configurada sobre backbone óptico metropolitano do estado do Rio de Janeiro. Os Circuitos propostos devem possuir velocidade de 4Gbps, interconectando as localidades onde encontram-se os escritório da SEFAZ descritas na tabela abaixo: Localidade Endereço Velocidades Site 1 Rua Buenos Aires, 29 Centro RJ 4Gbps Site 2 Rua Presidente Vargas, 607 Centro RJ 4Gbps Os links em questão farão o contingenciamento dos links já existentes fornecidos pela operadora OI/TELEMAR através do contrato INFOVIA, logo para garantir essa contingencia e

4 alta disponibilidade os objetos desse processo deverão ser necessariamente fornecidos por outra empresa. Garantindo desse forma que não existiram pontos únicos de falha. 3 FUNDAMENTAÇÃO DA CONTRATAÇÃO JUSTIFICATIVA DA DEMANDA A atual estrutura de acesso à Internet da Secretaria dispõe apenas de um ponto de acesso, ou seja, numa eventual falha desse ponto os sistemas, serviços e o acesso à Internet ficarão indisponíveis. Em um mundo onde cada vez mais a agilidade das informações e o tempo são preciosos, uma falha dessas pode trazer prejuízos imensuráveis, tanto financeiros quanto de imagem da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro - SEFAZ-RJ perante a sociedade. A atual estrutura de comunicação de dados entre as localidades da SEFAZ-RJ se dá pro meio de fibra óptica própria entre os prédios das Ruas Buenos Aires e Alfândega. No entanto, os colaboradores que hoje estão lotados no prédio da Rua da Alfândega, serão transferidos para o novo espaço a ser ocupado no prédio da Av. Presidente Vargas. Com isso, faz-se necessário a existência de um novo link de comunicação de dados com o prédio da Rua Buenos Aires. A contratação visa atender as necessidades de telecomunicações da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro - SEFAZ-RJ com uma solução de alto desempenho, atender a demanda atual com qualidade, flexibilidade para futuras expansões, padronização, convergência de tecnologia e de serviços, segurança, eficiência e otimização de custos, evolução tecnológica, aumento de produtividade, flexibilidade do uso dos recursos conforme necessidades e gerenciamento proativo centralizado com garantia de disponibilidade e segurança. Com a contratação a Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro - SEFAZ-RJ disporá de dois meios de acesso à Internet que proporcionará um melhor desempenho e redundância de acesso, eliminando, o que chamamos tecnicamente, ponto único de falha. Trata-se de uma aquisição que precisa ser feita (efetividade) e todo projeto se volta para eficácia na especificação dos equipamentos e serviços, buscando aqueles que tragam um melhor benefício tanto para aplicação imediata quanto futura. Além disso, todos os mecanismos estão sendo tratados para garantir e fiscalizar a eficiência dos fornecedores na implementação das soluções necessárias. Este serviço é de natureza continuada, tendo em vista tratar-se de serviço auxiliar necessária a Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro - SEFAZ-RJ para o desempenho de suas atribuições. Eventual interrupção do serviço poderá comprometer a continuidade das atividades, motivo pelo qual a contratação poderá estender-se por mais de um exercício financeiro. 4 CONDIÇÕES GERAIS Os equipamentos e serviços (implementação e manutenção) ofertados deverão atender aos itens discriminados nos Requisitos de Serviços constantes neste termo de referência. O não atendimento de apenas um item desclassificará a proposta.

5 Os equipamentos ofertados para atender aos serviços a serem prestados deverão ser novos e distribuídos através de canais credenciados do fabricante no Brasil, respeitando a padronização já especificada. Não poderão ser ofertados e instalados equipamentos descontinuados ou em previsão de descontinuidade das linhas normais de produção (fabricação e/ou montagem) do fabricante. A caracterização da previsão de descontinuidade é definida como sendo o período compreendido entre o recebimento (entrega) oficial do equipamento ofertado e 12 (doze) meses após este procedimento (recebimento). A CONTRATADA deverá apresentar documentação técnica oficial e original (ex: especificações, catálogos, prospectos e folders) de todos os equipamentos ofertados que serão instalados na SEFAZ-RJ para atender a execução dos serviços contratados, antes do julgamento do resultado da licitação. Estes documentos serão utilizados para comprovação do conteúdo especificado e requisitado no edital para os referidos equipamentos, devendo atender as recomendações abaixo: A documentação técnica oficial e original deverá ser apresentada de forma única, isto é, não poderá ser apresentada mais de 1 (uma) documentação por equipamento ofertado de mesma marca e modelo, evitando assim divergências na análise dos mesmos. Os referidos documentos deverão estar atualizados em sua última versão, de impressão e de conteúdo, de forma a não causar divergências de informações entre as diversas fontes oficiais disponibilizadas pelos fabricantes dos equipamentos, incluindo-se os sites oficiais dos fabricantes na Internet. Não serão aceitas declarações ou cartas de conformidade ou adequação ao solicitado e especificado no termo de referência em substituição ou complementação da documentação técnica oficial e original. O valor proposto deverá contemplar o suporte técnico e manutenção on site para os equipamentos utilizados durante o período de garantia. A manutenção destes equipamentos e a execução de serviços correlatos necessários, para implantação e manutenção da solução. Todos os equipamentos devem ser instalados e colocados em plena operação, pelo fornecedor de acordo com o plano de implementação proposto pelo fornecedor e devidamente aprovado pela SEFAZ-RJ. A CONTRATADA deverá fornecer crachá de identificação aos seus funcionários e responder pela idoneidade moral, apresentação pessoal e comportamento cordial e urbano destes, no ambiente da Contratante. Qualquer intervenção que, para o seu desenvolvimento seja necessária à paralisação do equipamento, deverá ser prévia e oficialmente comunicada com vistas à autorização da Contratante. O prazo para tal comunicação será acordado entre a Contratada e a Contratante.

6 5 HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA A homologação será realizada em uma única etapa. No momento da homologação será efetuada a verificação dos catálogos/manuais oficiais dos produtos ofertados. As características dos equipamentos oferecidos deverão estar em conformidade com os Requisitos de Serviços descrito neste documento. A Contratante, em qualquer momento ou fase do processo de homologação, poderá requisitar que a CONTRATADA comprove as especificações exigidas neste termo de referência, em função de divergências ocorridas. A CONTRATADA deverá fazê-lo através de testes comprobatórios de conformidade (com os equipamentos em funcionamento) perante a equipe técnica da Contratante. 6 REQUISITOS DO SERVIÇO 6.1 ROTEADOR Deverá suportar os protocolos básicos para operação em rede IP e os protocolos de Roteamento BGP-4 (Border Gateway Protocol v4), OSPF (Open Shortest Path First) e GLBP (Gateway Load Balancing Protocol ); Suportar acesso por meio de SSH para permitir acesso remoto seguro; Terá capacidade de processamento de, no mínimo, pps (trinta e cinco mil pacotes por segundo); A versão do sistema operacional do roteador deverá ser a mais atual disponível no Brasil e deverá suportar todas as características especificadas neste documento; Terá capacidade de filtragem de pacotes baseados em tipo de protocolo, endereços origem e destino e porta TCP ou UDP origem e destino. Terá funcionalidades básicas de firewall com capacidade de filtragem baseada em informação de sessão dos protocolos de nível de aplicação (FTP, SMTP, HTTP, H.323 e SQL NET) e capacidade de filtragem baseada em estado da conexão, mantendo tabelas com informações de estado da conexão TCP para cada conexão individual; Terá a capacidade de detecção de ataques DoS ao roteador, de gerar logs e enviá-los para um servidor de logs; Terão também capacidade de criar listas de acesso de forma dinâmica; Deverá suportar o roteamento do tipo full-routing, e o processamento não poderá ultrapassar 80% da capacidade da CPU em seu funcionamento normal, exceto em caso de ocorrência de incidentes que alterem o seu funcionamento normal.

7 Deverá ser informado na proposta técnica o modelo do roteador que será utilizado com todas as especificações técnicas detalhadas. 6.2 BALANCEADOR DE CARGA DOS SERVIDORES DE BANCO DE DADOS E APLICAÇÕES Características de Hardware Deverão ser fornecidos equipamentos redundantes ou chassis com módulos redundantes, cada um composto de no mínimo: o Deverá possuir 6 portas 10/100/1000. Não serão aceitas combinações de equipamentos ou módulos para atingir o número mínimo de portas. o Deverá suportar no mínimo 8 portas Gigabit Ethernet em Fibra. o Deverá possuir 2 portas 10Gigabit Ethernet em Fibra. o Deverá possuir memória ou disco capazes de armazenar duas cópias diferentes do sistema operacional. o O sistema operacional deverá suportar e ter habilitado todas as funcionalidades listadas neste edital. o Deverá possuir 8GB de memória RAM. o Deverá suportar fonte AC com voltagem automático. o Deverá poder ser instalado em rack padrão 19. o Deverá possuir fonte de alimentação redundante. o Deverá suportar no mínimo 6 Gbps de tráfego em camada 4 e camada 7; o Deverá suportar no mínimo 8 (oito) milhões de conexões concorrentes; o Deverá possuir no mínimo throughput de 50 Mbps para compressão. Características de Software O equipamento oferecido deverá suportar instalação em ambiente de alta disponibilidade. O equipamento deverá ser capaz de trabalhar no modo Ativo/Standby. O equipamento deverá ser capaz de trabalhar no modo Ativo/Ativo, mantendo o status das conexões. Aceitar-se-á como Ativo-Ativo a utilização de dois endereços Virtuais, onde cada endereço fica ativo em um elemento e standby no outro. Um par de equipamentos, quando implementados em ambiente redundante, deverá suportar sincronismo de sessão entre os dois membros. A falha do equipamento principal não deverá causar a interrupção das sessões balanceadas. O equipamento oferecido deverá suportar agregação de portas baseado no protocolo LACP. O equipamento oferecido deverá suportar o transporte de múltiplas VLAN por uma única porta (ou por um conjunto agregado de portas) utilizando o protocolo 802.1q. O equipamento oferecido deverá suportar Spanning-Tree (802.1D), Fast Spanning-Tree (802.1w, 802.1t) e Multi Spanning-Tree (802.1s).

8 O equipamento deve oferecer suporte a IPv6. O equipamento oferecido deverá suportar múltiplas tabelas de rotas independentes. O equipamento oferecido deverá suportar o uso de servidores (reais) em tabelas de rotas distintas no mesmo Virtual Server. O equipamento, quando habilitado para mais de uma função (SLB, GSLB, Aceleração Web, etc) deverá permitir a importância da função, determinando quanta CPU e Memória será alocada para cada tipo de funcionalidade. O equipamento deverá suportar todas as aplicações comuns de um Switch Layer 7: Server Load-Balancing, Firewall Load-Balancing e Proxy Load-Balancing. O equipamento oferecido deverá suportar Balanceamento apenas em direção ao servidor, onde a resposta do servidor real é enviada diretamente ao cliente. O equipamento oferecido deverá ser capaz de balancear servidores com qualquer hardware, sistema operacional e tipo de aplicação. O equipamento oferecido deverá ser capaz de abrir um número reduzido de conexões TCP com o servidor e inserir os HTTP requests gerado pelos clientes nestas conexões, reduzindo a necessidade de estabelecimento de conexões nos servidores e aumentando a performance do serviço. O equipamento oferecido deverá suportar os seguintes métodos de balanceamento: o Round Robin o Least Connections o Weighted Percentage (por peso) o Servidor com resposta mais rápida baseado no tráfego real o Weighted Percentage dinâmico (baseado no número de conexões) o Dinâmico, baseado em parâmetros do servidor coletados via SNMP ou WMI O equipamento oferecido deverá ser capaz de balancear as sessões novas, mas preservar sessões existentes no mesmo servidor, implementando persistência de sessão dos seguintes tipos: o por cookie inserção de um novo cookie na sessão o por cookie utilização do valor do cookie da aplicação, sem adição de cookie o por endereço IP destino o por Endereço IP origem o por sessão SSL o através da análise da URL acessada. o através da análise de qualquer parâmetro no header HTTP o através da análise do MS Terminal Services Session o através da análise do SIP Call ID o através da análise de qualquer informação da porção de dados (camada 7) O equipamento oferecido deverá suportar os seguintes métodos de monitoramento dos servidores reais:

9 o Layer 3 ICMP o Conexões TCP e UDP pela porta respectiva no servidor o Layer 7 Conexões específicas ao protocolo de aplicação. Neste caso, ao menos HTTP, HTTPS, FTP, SASP, RADIUS, SMTP, MSSQL, ORACLE, RPC, LDAP, IMAP, NNTP, POP3, SIP, Real Server, SOAP, SNMP e WMI deverão ser suportados. O equipamento oferecido deverá ser capaz de limitar o número de sessões estabelecidas com cada servidor real. O equipamento oferecido deverá ser capaz de limitar o número de sessões estabelecidas com cada servidor virtual. O equipamento oferecido deverá suportar as seguintes funcionalidades de segurança: o Network Address Translation (NAT) o Proteção contra Denial of Service (DoS) o SYN-Guard o SYN-Defense o Listas de Controle de Acesso (ACL) o Limpeza de cabeçalho HTTP o Análise em Camada 7 de Protocolos, com Alertas para violações na camada de Protocolo o Ao menos os protocolos HTTP, FTP e SMTP deverão ser suportados. O equipamento deve permitir a manipulação de qualquer conteúdo da aplicação para remover ou alterar as informações enviadas ao servidor ou ao cliente. A configuração do equipamento deve ser baseada em perfis, permitindo fácil administração. Os perfis devem ser hierarquizados, permitindo maior facilidade na administração de políticas similares. O equipamento deve permitir que os Virtual Servers sejam criados com endereço IPv4 e os servidores reais utilizem endereços IPv6. O equipamento deverá ser capaz de fazer compressão de conteúdo HTTP, para reduzir a quantidade de informações enviadas ao cliente. Deve ser possível definir qual tipo de compressão será habilitada (gzip1 a gzip9, deflate). Deve ser possível definir compressão especificamente para certos tipos de objetos. Quando houver equipamentos similares em duas localidades, deverá ser possível estabelecer um túnel com a localidade remota, comprimindo qualquer tráfego TCP. O equipamento deverá ser capaz de fazer aceleração de SSL, onde os certificados digitais são instalados no equipamento e as requisições HTTP são enviadas aos servidores sem criptografia. Na aceleração de SSL, tanto a troca de chaves quanto a criptografia dos dados devem ser feitas com aceleração em hardware, para não onerar o sistema.

10 Quando houver equipamentos similares em duas localidades, deverá ser possível estabelecer um túnel com a localidade remota, criptografando qualquer tráfego TCP. Deve ser possível configurar o equipamento para re-criptografar em SSL a requisição ao enviar para o servidor, permitindo as demais otimizações em ambiente 100% criptografado. O equipamento oferecido deverá suportar no mínimo 500 de SSL, podendo ter este valor expandido a até tps através do relicenciamento da solução. O recurso de cache deverá permitir a definição de quais tipos de objeto serão armazenados em cache e quais nunca devem ser cacheados. O recurso de cache deve permitir o ajuste de quanta memória será utilizada para armazenar objetos. O equipamento oferecido deverá oferecer as seguintes funcionalidades de Acesso e Gerência: o Acesso via SSH para acesso criptografado à console de gerência o Interface por linha de comando (CLI Command Line Interface) que possibilite configuração dos equipamentos. o Três ou mais níveis de usuários na GUI Super-Usuário, Usuário com permissões reduzidas, e usuário Somente Leitura. o Os usuários de gerência deverão poder ser autenticados em bases remotas. No mínimo LDAP, RADIUS e TACACS+ deverão ser suportados. o Deverá ser possível receber da base LDAP, RADIUS ou TACACS+ o nível de acesso (Grupo ou Permissões) que este deverá ter. o A interface Gráfica deverá permitir a atualização do sistema operacional e/ou a instalação de patches ou Hotfixes sem o uso da linha de comando. o A interface Gráfica deverá permitir a configuração de qual partição o equipamento deverá dar o boot o A interface Gráfica deverá permitir a reinicialização do equipamento o Gerência via SNMP o Reinicialização do equipamento por comando na CLI. o Suporte a SNMP v1, v2 e v3 o Suporte a RMON. No mínimo 4 grupos RMON precisam ser suportados: Statistics (1), History (2), Alarms (3) e Events (4). o Os logs de sistema devem ter a opção de ser armazenados internamente ao sistema ou em servidor externo. o O equipamento oferecido deverá permitir a configuração e o provisionamento remoto por aplicações customizadas através da utilização de uma API para desenvolvimento, onde esta API deverá ser fornecida sem custo. 6.3 BALANCEADOR DA CARGA ENTRE OS SITES PRINCIPAL E SECUNDÁRIO Características de Hardware

11 Deverão ser fornecidos equipamentos redundantes ou chassis com módulos redundantes, cada um composto de no mínimo: o Deverá possuir 6 portas 10/100/1000. Não serão aceitas combinações de equipamentos ou módulos para atingir o número mínimo de portas. o Deverá suportar no mínimo 8 portas Gigabit Ethernet em Fibra. o Deverá possuir 2 portas 10Gigabit Ethernet em Fibra. o Deverá possuir memória ou disco capazes de armazenar duas cópias diferentes do sistema operacional. o O sistema operacional deverá suportar e ter habilitado todas as funcionalidades listadas neste edital. o Deverá possuir 8GB de memória RAM. o Deverá suportar fonte AC com voltagem automático. o Deverá poder ser instalado em rack padrão 19. o Deverá possuir fonte de alimentação redundante. o Deverá suportar no mínimo 6 Gbps de tráfego em camada 4 e camada 7; o Deverá suportar no mínimo 8 (oito) milhões de conexões concorrentes; o Deverá possuir no mínimo throughput de 50 Mbps para compressão. Características de Software Deverá prover Alta Disponibilidade de Data Center. Deverá ser possível adicionar o mecanismo de garantia de Alta Disponibilidade de Serviços localizados em Data Centers distintos apenas com a adição de licença de software ao balanceador de carga dos servidores. A solução de alta disponibilidade não deve depender de BGP ou outro protocolo de roteamento. A solução de alta disponibilidade será realizada baseada em respostas a requisições DNS. A resposta a requisições DNS devem conter apenas endereços que estejam disponíveis no momento, e balanceadas por usuário, de acordo com as políticas definidas. Deve ser possível ajustar quantos endereços são enviados em uma única resposta. Suporte a monitoração de estado de saúde de servidores, serviços e links de conexão a provedor de serviço, garantindo a disponibilidade do serviço oferecido. Suportar pelo menos os seguintes algoritmos de balanceamento: o Round Robin o Global Availability o Ratio o LDNS Persist o Geografia o Disponibilidade da Aplicação o Capacidade do Virtual Server o Least Connections o Pacotes por segundo

12 o Round trip time o Hops o Packet Completion Rate o QoS definido pelo usuário o Kilobytes per Second Implementar persistência da conexão do usuário entre aplicações ou data centers A solução deve ser capaz de lidar com clientes IPv6 quando o site atende apenas com IPv4 (requests AAAA ou A6). Permitir que regras customizadas em linguagem aberta possam ser utilizadas para customizar a distribuição dinâmica de tráfego. 6.4 BALANCEADOR DE CARGA DOS LINKS DE ACESSO A INTERNET ENTRE OS SITES PRINCIPAL E SECUNDÁRIO Características de Hardware Deverão ser fornecidos equipamentos redundantes ou chassis com módulos redundantes, cada um composto de no mínimo: o Deverá possuir 6 portas 10/100/1000. Não serão aceitas combinações de equipamentos ou módulos para atingir o número mínimo de portas. o Deverá suportar no mínimo 8 portas Gigabit Ethernet em Fibra. o Deverá possuir 2 portas 10Gigabit Ethernet em Fibra. o Deverá possuir memória ou disco capazes de armazenar duas cópias diferentes do sistema operacional. o O sistema operacional deverá suportar e ter habilitado todas as funcionalidades listadas neste edital. o Deverá possuir 8GB de memória RAM. o Deverá suportar fonte AC com voltagem automático. o Deverá poder ser instalado em rack padrão 19. o Deverá possuir fonte de alimentação redundante. o Deverá suportar no mínimo 6 Gbps de tráfego em camada 4 e camada 7; o Deverá suportar no mínimo 8 (oito) milhões de conexões concorrentes; o Deverá possuir no mínimo throughput de 50 Mbps para compressão. Características de Software Deverá prover Alta Disponibilidade dos Links de Acesso a Internet. Deverá ser possível adicionar o mecanismo de alta disponibilidade dos links de acesso apenas com a adição de licença de software ao balanceador de carga dos servidores. Deverá ser capaz de detectar erros nos links, monitorando o estado e disponibilidade de cada conexão, detectando interrupções em um link ou ISP. Em caso de falhas, o tráfego deverá ser direcionado dinamicamente a outro(s) link(s) disponíveis, de forma a manter os usuários conectados.

13 Deverá ser capaz de prover visão do estado e capacidade dos links utilizados através do roteador gateway, fornecendo informações sobre a banda e capacidade de qualquer link em particular. Deverá ser capaz de detectar falhas causadas por erros de configuração do IPS ou outros erros manuais que poderiam passar despercebidos. Deve ser possível agregar links de provedores e tipos diferentes. Suportar pelo menos os seguintes algoritmos de distribuição transparente de tráfego: o Round Robin o Global Availability o Persistência Estática o Topologia o Ratio o Dynamic Ratio o Random o Packet Rate o Capacidade do Servidor Virtual o Least Connections o Pacotes por segundo o Tempo de Ida e Volta o Hops o Packet Completion Rate o QoS definido pelo usuário o Kilobytes por Segundo Deverá permitir e controlar como o tráfego é distribuído entre os links, tomando por base o throughput e o fluxo de tráfego em tempo real. Deverá ser possível escolher a conexão de menor custo para todo o tráfego a um data center. Deverá ser capaz de testar quais conexões oferecem o melhor serviço para cada usuário que é direcionado àquele link, garantindo o recebimento do serviço mais veloz possível e conexões de alta qualidade. Deverá ser possível classificar e priorizar o tráfego de aplicação nos links WAN, de forma a utilizar a banda de maneira mais eficiente. Deverá ser possível definir os limites da aplicação e do tráfego, controlar a taxa de aceleração desses recursos, usar filas para priorizar tipos de tráfego e definir relacionamentos em que um tráfego de maior prioridade poderá tomar emprestada a banda de outros tipos de tráfego. A solução deve ser capaz de lidar com clientes IPv6 quando o site atende apenas com IPv4 (requests AAAA ou A6).

14 Deverá ser capaz de fornecer relatórios de históricos e em tempo real, de forma a poder avaliar os padrões de tráfego do site, o desempenho do ISP e os ciclos estimados de faturamento de banda. 6.5 DESCRIÇÃO GERAL DOS SERVIÇOS A CONTRATADA deverá gerir todos os seus serviços seguindo as melhores práticas de mercado (PMI, ITIL e Cobit), quanto ao gerenciamento da implantação, processos de suporte e gestão da infraestrutura de comunicação de dados. Os serviços de Gestão deverão ser executados por um profissional na função de Service Manager dos serviços de gestão da rede de telecomunicações. Este profissional será o responsável pelo entendimento do negócio do CONTRATANTE e através deste entendimento direcionar ações corretivas e preventivas na rede, avaliar indicadores e suas tendências, realizar as análises e recomendações a partir destas análises, bem como revisar periodicamente juntamente com o CONTRATANTE, os requisitos de negócio quanto à disponibilidade e performance da infraestrutura de comunicação de dados de acordo com o nível de serviço contratado. A Contratada deverá apresentar em sua proposta técnica o organograma proposto para os serviços. A CONTRATADA dará suporte à implantação e configuração nos roteadores de acesso e nos balanceadores de carga, alocando um ou mais técnicos para implantar e testar a configuração dos mesmos em conjunto com os técnicos da SEFAZ-RJ. A CONTRATADA deverá atualizar o sistema operacional de todos os equipamentos que compõem a solução, sempre que houver falhas que comprometam a segurança. A Contratada deverá realizar todas as alterações que julgar necessárias para a otimização de todo o ambiente, mediante a análise das informações extraídas dos relatórios. A Contratada deverá prever todo o serviço de manutenção e suporte da solução ofertada, pelo período de vigência do contrato. O acesso à Internet deverá ser fornecido por um provedor de Backbone e este deverá ser um Autonomous System do protocolo BGP registrado. O Autonomous System da SEFAZ-RJ não poderá ser usado, em nenhuma hipótese, como trânsito para tráfego não diretamente direcionado para a rede da SEFAZ-RJ, ou seja, o link contratado não deverá ser rota válida para nenhum tráfego do AS de cada provedor, mas apenas o tráfego direcionado a SEFAZ-RJ pode ser encaminhado a eles. O AS dos provedores deve suportar communities originais e estendidas do BGP, de forma a ser possível para o AS da SEFAZ-RJ transmitir informações avançadas de tráfego e rotas, e que estas informações sejam respeitadas pelos AS que receberem tais informações, devendo a SEFAZ-RJ ter o direito de customizar communities com os AS aos quais estará ligado, de forma

15 que tenha controle do modo em que as informações de roteamento serão tratadas nos ASs vizinhos. Os anúncios de rotas fornecidas por meio do processo BGP a SEFAZ-RJ devem ser estáveis e controlados pela provedora. Os indicadores de disponibilidade, bem como o histórico de falhas consolidado mensalmente, deverão ser apresentados através de relatório mensal em mídia eletrônica ou impresso para os técnicos a SEFAZ-RJ. As ferramentas de gerência do provedor de serviços verificarão o status do acesso à Internet permanentemente, sendo que, em caso de falhas, o dispositivo adjacente ao que ocorreu o evento enviará um trap SNMP para o servidor de gerência e então os alarmes previamente configurados serão disparados e um chamado será aberto para que a equipe de operações efetue a recuperação. Paralelamente será registrada a indisponibilidade, sendo que quando o serviço voltar a responder positivamente, será registrada normalidade do mesmo e os alarmes serão cessados. O portal de gerência, disponibilizado via HTTPS e com acesso controlado por senha, deverá dispor de informações que compreendam: Consultas, relatórios e gráficos com as métricas dos serviços ofertados (desempenho, utilização de banda/ocupação de link, descartes, erros etc.), com seu histórico diário, semanal, mensal e anual. Consultas, relatórios e gráficos sobre os níveis de serviço contratados e atingidos, com o seu histórico diário, semanal, mensal e anual. Consultas, relatórios e gráficos com o histórico de todos os eventos, chamados e problemas detectados ou informados, com período de retenção mínimo de 2 (dois) meses. Consultas, relatórios e gráficos com o histórico de todas as aplicações que circulam através dos balanceadores de carga, informando para cada aplicação a banda utilizada. Consultas, relatórios e gráficos com o histórico do estado e capacidade dos links utilizados através do roteador gateway, fornecendo informações sobre a banda e a capacidade de cada link DESCRIÇÃO DO SERVIÇO DE SERVICE DESK A função de Service Desk terá como objetivo o registro de incidentes, problemas e solicitações de mudanças. A tabela abaixo define a matriz de responsabilidades entre Contratante e Contratada. Atividades da Função Service Desk Responsabilidades do CONTRATANTE Estrutura de atendimento ao usuário final, suporte, comunicação e gestão dos processos de negócios, relacionados ou não à Gestão de Telecomunicações. Definição do conjunto de profissionais que atuarão junto à CONTRATADA. Responsabilidades da CONTRATADA Estrutura de atendimento ao conjunto de profissionais do CONTRATANTE para suporte, comunicação e gestão dos processos operacionais relacionados à Gestão de Telecomunicações.

16 Os profissionais da CONTRATADA não estarão em contato direto com os usuários finais da rede, sempre estabelecendo esta comunicação exclusivamente através do grupo de profissionais definidos previamente pela CONTRATANTE. A Operação dos Serviços deverá ser conduzida pela equipe técnica de Service Desk & Monitoração 8 x 5, os quais serão responsáveis pelo registro e classificação de incidentes, problemas e mudanças, de forma a garantir para o CONTRATANTE sempre a existência de profissionais técnicos disponíveis no Centro de Atendimento da CONTRATADA, para conduzir às atividades previstas, em regime de 8 horas por dia em dias uteis. A CONTRATADA deverá possuir Centro de Atendimento no Brasil. As solicitações deverão ser atendidas conforme o procedimento descrito a seguir, com os parâmetros definidos na tabela abaixo: Abertura de Chamado Notificação Inicial Horário de Atendimento Intervalo de Reporte Fechamento do Chamado Pelo CONTRATANTE: As solicitações deverão ser encaminhadas através de procedimento de abertura de chamado, disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. Estas solicitações serão classificadas conforme sua severidade e impacto. Pelo Monitoramento da CONTRATADA: Os incidentes e problemas detectados proativamente pela equipe de monitoramento da Contratada deverão ser abertos e classificadas conforme sua severidade e impacto e analisados junto ao Contratante para avaliar possível causa por sistemas de TI. Após abertura do chamado a CONTRATADA deverá notificar ao CONTRATANTE o início do atendimento em um tempo máximo conforme sua classificação. Os serviços solicitados deverão ser atendidos dentro do tempo de disponibilidade dos serviços, em regime de 8x5. Durante o atendimento do chamado, a evolução do atendimento deverá ser comunicada em intervalos de tempo segundo a classificação do chamado para posicionamento das atividades realizadas. O chamado deverá ser fechado através de contato entre CONTRATADA e CONTRATANTE, após confirmação de solução do problema DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS DE SERVICE SUPPORT A CONTRATADA deverá dispor de quadro técnico de profissionais qualificados e capazes de configurar e manter as redes, CPEs, equipamentos de acesso e balanceadores de carga. A CONTRATADA deverá monitorar proativamente a solução que compõem o serviço ofertado através da recepção automática de alarmes de falhas e degradações, de forma a auxiliar na identificação de causas raiz de problemas, na redução do tempo de reparo ou até mesmo evitar que estas afetem os usuários finais.

17 A CONTRATADA deverá disponibilizar e armazenar as informações de forma segura, detalhada e atualizada, referentes a todos os elementos de rede. A CONTRATADA deverá manter um processo de avaliação, aprovação, planejamento, execução e registro de toda e qualquer mudança, de forma a reduzir ao máximo eventuais riscos de falha na execução. A CONTRATADA deverá realizar as atividades de Suporte a Serviços em acordo com a metodologia ITIL, necessários para manter disponível a infraestrutura de telecomunicações com os seguintes processos: Gestão de Incidentes - O objetivo deste processo é restaurar a operação normal do serviço o mais rápido possível e minimizar os impactos negativos nas operações do negócio. Isto deverá garantir o melhor alcance dos níveis de disponibilidade e manutenção dos serviços. Gestão de Problemas - O objetivo deste processo é minimizar os efeitos adversos nos Incidentes e Problemas do negócio causados por erros dentro da infraestrutura e prevenir de forma proativa a ocorrência desses erros. Gestão de Mudanças - O objetivo deste processo é garantir que os métodos e procedimentos padrões sejam utilizados eficientemente para todas as alterações, com o fim de minimizar o impacto dos incidentes relacionados com a alteração. Gestão de Liberações - O objetivo deste processo é manter uma visão integral de uma alteração em um serviço e garantir que todos os aspectos da liberação, tanto técnicos e não técnicos sejam considerados em conjunto, minimizando os riscos de sua implementação. Gestão de Configurações - O objetivo deste processo é fornecer um modelo lógico de todos os componentes da infraestrutura ou serviços, através da identificação, do controle, da manutenção e da verificação das versões dos Elementos de Configuração existentes. Após abertura dos chamados os seguintes tempos e sequência de escalamento devem ser considerados: Tempos de Atendimento: Notificação Inicial Severidade Crítica Não Crítica Tempos Médios Considerados 8 horas após abertura do chamado 16 horas após abertura do chamado Horário de Atendimento Crítica 8 x 5 Não Crítica 8 x 5 Intervalo de Reporte Crítica Não Crítica Um por período (manhã, tarde, noite) Os chamados classificados com severidade não crítica deverão ter atendimento disponibilizado apenas em horário comercial. Nesta condição, caso sejam abertos em horário não comercial terão todos os tempos contabilizados a partir da abertura do próximo dia útil. Para efeito de prazos também não serão contabilizados feriados e finais de semana. A CONTRATADA e o

18 CONTRATANTE deverão acordar as regras de negócios para classificação da severidade dos chamados. Os Tempos Médios Considerados deverão ser os tempos máximos de atendimento para 80% dos casos registrados. Seqüências de Escalamento (padrão): Crítica Não Crítica Engenheiro de Operação 12 hora 72 horas Service Manager 24 horas 96 horas Os tempos apresentados deverão ser considerados a partir da hora de abertura do chamado. Para os circuitos providos por terceiros contratados diretamente pelo CONTRATANTE, não será imputada a CONTRATADA a responsabilidade pelas variáveis do acordo de nível de serviço relacionada à infraestrutura provida por este terceiro, ficando a cargo da CONTRATADA o controle e gestão destes níveis de serviço GESTÃO DE NÍVEL DE SERVIÇO A CONTRATADA deverá fazer acompanhamento contínuo dos acordos de níveis de serviço, que permite o controle e a antecipação de eventuais desvios. A gestão deverá visar garantir a manutenção e melhora contínua do nível de serviço através de um ciclo contínuo de negociação, monitoração, informação, revisão dos serviços e apresentação de relatórios de gestão do Nível de Serviço dos elementos de rede, para uso e análise pelo Contratante. Os níveis de serviço e seu respectivo alcance estão listados a seguir e deverão se reportados através de relatórios mensais: Descrição Medição da disponibilidade da rede, baseado nas informações dos Trouble Tickets. Medição do MTTR por localidade, baseado na informação dos Trouble Tickets. Recomendações sobre as ações de correção de Nível de Serviço de links e CPEs baseadas nos índices de cumprimento histórico de SLAs Period. Mensal Mensal Mensal GESTÃO DE DISPONIBILIDADE Tem por objetivo aperfeiçoar a capacidade de Infra e garantir sua disponibilidade para atendimento das demandas de negócios, manter um protocolo de testes programados de disponibilidade de elementos de rede, principalmente para garantir a funcionalidade de

19 elementos de backup ou outros elementos pouco utilizados durante a operação normal da rede. As Disponibilidades e seu respectivo alcance estão listados a seguir: Descrição Verificação e prova da funcionalidade do circuito redundante quando este possui um funcionamento contínuo (ex. enlace redundante idêntico ao principal e operando de forma contínua) Verificação e prova com tráfego da funcionalidade do elemento redundante quando este não opera de forma continua (ex, enlace backup via VPN sobre Internet, túnel o método equivalente) Verificação e prova completa de tempo prolongado verificando a funcionalidade no contexto real em que o elemento foi configurado para funcionar (ex. enlace dial-up ou satelital em stand-by) Provas programadas de esquemas de Disaster Recovery (DRS) Verificação de sinais precoces de falhas para enlaces e equipamentos CPE com o fim de evitar um incidente: ex. aumento de taxas de erro, retransmissões, queda de protocolo, perda de rotas, temperatura e falhas físicas. Recomendações sobre o desenho e controle dos elementos redundantes da rede Period. Testes Mensais Testes Mensais Testes Mensais Reporte mensal & Notificação baseada em Thresholds Reporte mensal A CONTRATADA deverá acordar com o CONTRATANTE as regras de negócio que definirão os procedimentos de testes e análise de performance, quando aplicáveis GESTÃO DE CAPACIDADE E PERFORMANCE A CONTRATADA deverá realizar medições contínuas e periódicas dos indicadores de Capacidade e Performance, de forma que se possa ter uma melhor compreensão das demandas futuras do negócio, da operação de serviços atual, além de garantir que os aspectos de capacidade e desempenho atuais e futuros sejam entregues. O produto final deste processo deverá resumir-se na análise e geração de observações técnicas sobre as demandas futuras dos elementos de rede com base nos resultados históricos e nas demandas de negócios apresentadas pelo Contratante. As Medições e seu respectivo alcance estão listados a seguir: Descrição Medição do tráfego de entrada, tráfego de saída, ocupação de CPU e Memória. Recomendações de ampliação / redução de links e CPEs baseados nos índices de ocupação mensais. Periodicidade do Reporte Mensal & Notificação baseada em Thresholds Mensal

20 6.6 INSTALAÇÃO A CONTRATADA inserirá inicialmente no roteador e nos balanceadores de carga uma configuração básica (para protocolo IP) que permitirá a sua operação com roteamento e sem filtros. A configuração básica de que trata o item anterior será definida pelos técnicos da SEFAZ-RJ em conjunto com o prestador dos serviços e será utilizada para testes de aceitação dos circuitos e balanceadores das cargas nos servidores, sites e links. A SEFAZ-RJ fornecerá, para a configuração dos equipamentos, documentação contendo os endereços IP e respectivas máscaras. A CONTRATADA alocará um ou mais técnicos para dar suporte completo à equipe da SEFAZ-RJ na definição das configurações dos equipamentos. Após a instalação do serviço, os equipamentos deverão receber as configurações adicionais, que serão feitas pelos técnicos da SEFAZ-RJ juntamente com os técnicos da CONTRATADA. Os técnicos da CONTATADA terão acesso aos equipamentos com privilégio de nível 1 (um) utilizando SSH, não sendo permitido o acesso via TELNET através da Internet. O time técnico da SEFAZ-RJ terá acesso ao equipamento com privilégio de Leitura (Read only). Será configurada uma lista de acesso permitindo que apenas os endereços dos computadores especificados pela CONTRATADA, incluindo a estação de gerenciamento de rede, possam acessar os equipamentos, utilizando SSH. Os técnicos da CONTRATADA não terão qualquer acesso ou permissão de alteração de configuração dos equipamentos após a finalização de sua instalação e configuração. Qualquer alteração a ser realizada pela CONTRATADA será previamente documentada e será feita na companhia de um técnico designado pela SEFAZ-RJ; Os técnicos autorizados a configurar os equipamentos serão relacionados pela SEFAZ-RJ através de documento formal encaminhado à CONTRATADA; A instalação do serviço deverá obedecer aos seguintes procedimentos: A CONTRATADA instalará os circuitos e colocará o acesso à Internet operacional em um prazo de até 60 (sessenta) dias corridos após a obtenção de licença junto a Prefeitura, quando após será formalizada a aceitação provisória do serviço; A Contratada deverá definir, em reunião conjunta com a equipe técnica designada pela SEFAZ-RJ, lista de 40 endereços de sites da Internet (20 no Brasil e 20 no exterior), com a finalidade de realização de testes, sendo que cada parte (Contratante e Contratada) deve apresentar lista própria com tais endereços;

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS Esclarecimento I PERGUNTA 1: PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS 7.5.3. documentação técnica do fabricante dos componentes cotados, incluindo partes de manuais e catálogos, que comprovem o atendimento

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 TI APPLICATION DELIVERY CONTROLLER ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet):

Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet): Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet): PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS 4 (OI) E RESPOSTAS: TRT- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO, EM

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb.

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb. MEMORIAL DESCRITIVO Objeto 1.1 O objeto do presente Termo de Referência (TR) é a contratação de empresa, ou consórcio de empresas, para o provimento de serviço de acesso à rede Internet no município SANTO

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT Termo de Referência Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Termo de Referência Aquisição de Servidores Tipo 1A-1B para camada de Banco de Dados / Alta Disponibilidade RQ DEPI nº 11/2009

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Gerenciamento do Tráfego de Internet Edital de Licitação PREGÃO PRESENCIAL Nº 34/2010 Processo SAP nº 4180/2010 Perguntas e Respostas Página 1 /15 Pergunta n o 1: Os dispositivos de filtro de conteúdo

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Prezados, A Telemar Norte Leste S/A, pessoa jurídica de direito privado, prestadora de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS PR/OI/1-HNJXVY/2014 CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS Pregão Presencial N.º 001/2014 LOTE Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à internet. Abertura:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS PR/OI/1-HNJXVY/2014 CÂMARA MUNICIPAL DE PASSOS Pregão Presencial N.º 001/2014 LOTE Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à internet. Abertura:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA Outubro de 2013 1 1 OBJETO Prestação de Serviço de Manutenção da licença

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

ANEXO II - CADERNO DE MÉTRICAS E NÍVEIS DE SERVIÇOS

ANEXO II - CADERNO DE MÉTRICAS E NÍVEIS DE SERVIÇOS ANEXO II - CADERNO DE MÉTRICAS E NÍVEIS DE SERVIÇOS No caso de aplicação de glosa referente ao mesmo indicador deste caderno de métricas, durante três meses consecutivos, ou cinco meses intervalados durante

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Serviços Gerenciados de Segurança de perímetro Firewall Dell SonicWALL

Serviços Gerenciados de Segurança de perímetro Firewall Dell SonicWALL 1/8 Serviços Gerenciados de Segurança de perímetro Firewall Dell SonicWALL www.alertasecurity.com.br +55 11 3105.8655 2/8 SUMÁRIO Visão Geral: Porque contratar os Serviços Gerenciados da Alerta Security

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Objeto PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET BANDA LARGA ATRAVÉS DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LINK DE INTERNET VIA REDE

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO 1.1. Prestação de serviços de suporte técnico em sistema de colaboração ZIMBRA. 2. DESCRIÇÃO GERAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço (SLA)

Acordo de Nível de Serviço (SLA) Faculdade de Tecnologia Acordo de Nível de Serviço (SLA) Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Sugestão acatada. A redação do item 2.43 será alterada para Implementar

Sugestão acatada. A redação do item 2.43 será alterada para Implementar DEFINIÇÕES E RESPOSTAS AS SUGESTÕES APRESENTADAS PELO REPRESENTANTE GLOBALRED, VIA E-MAIL, DATADO DE 18/03/2011, RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA, REALIZADA NO DIA 16/03/2010, VISANDO DISCUSSÃO DAS ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 04/14 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 04/14 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 04/14 CREMEB 1 - DO OBJETO Constitui objeto da presente licitação a aquisição de: 1.1-08 (oito) LICENÇAS modalidade MICROSOFT OPEN, sendo: 01

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviço Telefônico Móvel de Dados, na modalidade Sms (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas de Texto)

TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviço Telefônico Móvel de Dados, na modalidade Sms (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas de Texto) TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviço Telefônico Móvel de Dados, na modalidade Sms (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas de Texto) 1 1 - OBJETO 1.1 Registro de Preços para prestação de

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV Conselho Federal de Contabilidade CPL - Comissão Permanente de Licitação SAS Quadra 05 - Bloco J Edifício CFC CEP: 70070-920 - Brasília-DF E-mail: cpl@cfc.org.br RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV PREGÃO

Leia mais

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO 1. OBJETIVO 1.1 As Interconexões previstas no presente Anexo 5 serão objeto de planejamento técnico contínuo e integrado entre as Partes,

Leia mais

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 010/2011 1 DO OBJETO 1.1 - Contratação de empresa para o fornecimento de licenças de uso de software SAP, BusinessObjects Enterprise - BOE, com manutenção

Leia mais

DESCRITIVO DO SERVIÇO VPN IP (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS)

DESCRITIVO DO SERVIÇO VPN IP (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) 1. DESCRIÇÃO DESCRITIVO DO SERVIÇO VPN IP (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) 1.1 O serviço VPN IP (Rede Virtual Privada) é utilizado para interconexão de Redes Locais entre a matriz e

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA Processo n.º E-04/. /2012. Contratação de empresa para fornecimento e instalação de sistema de gerenciamento de tráfego para elevadores do prédio da SEFAZ, localizado na Avenida Presidente Vargas, 670

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Ata de Registro de Preços para Subscrição de Software Sistema Operacional da Plataforma Linux.

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Ata de Registro de Preços para Subscrição de Software Sistema Operacional da Plataforma Linux. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Ata de Registro de Preços para Subscrição de Software Sistema Operacional da Plataforma Linux. DIT/GIS TR ARP Licenças de Software Sistema Operacional Linux.doc 1/ 6 TERMO DE

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

Programa de Nível de Serviço do Ariba Cloud Services. Garantia de Acesso ao Serviço Segurança Diversos

Programa de Nível de Serviço do Ariba Cloud Services. Garantia de Acesso ao Serviço Segurança Diversos Programa de Nível de Serviço do Ariba Cloud Services Garantia de Acesso ao Serviço Segurança Diversos 1. Garantia de Acesso ao Serviço a. Aplicabilidade. A Garantia de Acesso ao Serviço cobre a Solução

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TERMO DE REFERÊNCIA Registro de Preços para prestação de serviço de atualização de licenças de uso do produto Citrix Xenapp, aquisição de novas licenças, subscrição e suporte ao software Citrix e suporte

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO / ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS / QUANTIDADE 1. OBJETO: 1.1 Aquisição de Firewalls Appliance (hardware dedicado) com throughput

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Especificações Técnicas Mínimas: 1. O equipamento deve ter gabinete único para montagem

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Serviço de mensageria SMS

Serviço de mensageria SMS Termo de Referência Serviço de mensageria SMS Agosto/2014 1 1 OBJETO 1.1 Prestação de serviços de envio de até 1.680.000 (Um milhão seiscentos e oitenta mil) Mensagens de Texto SMS (Short Message Service)

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET)

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET) ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET) IplanRio Empresa Municipal de Informática Janeiro 2012 1. OBJETO Registro de preço para aquisição de Dispositivos Móveis do tipo,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I. OBJETO.. Aquisição de memórias para servidores corporativos da Seção Judiciária do Espírito Santo. 2. ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS Lote Módulo de Memória de 52 Megabytes para servidores

Leia mais

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Otimização de banda utilizando IPANEMA Matheus Simões Martins Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro de 2009 Resumo O projeto

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 1 DO OBJETO 1.1 - Fornecimento de solução avançada de backup desduplicado, com serviços de assistência técnica e capacitação, visando a integração

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade.

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade. ANEXO 8: GERENCIAMENTO DE ANORMALIDADES DA REDE 1 As Partes reconhecem que é de seu mútuo interesse estabelecer um processo eficiente e efetivo para comunicar e resolver as anormalidades de rede que repercutam

Leia mais

1. Alterar os itens 1.3, 1.3.1, 1.5 e 1.5.1 e acrescentar item 1.3.2 da Cláusula Primeira do Contrato, com a seguinte redação:

1. Alterar os itens 1.3, 1.3.1, 1.5 e 1.5.1 e acrescentar item 1.3.2 da Cláusula Primeira do Contrato, com a seguinte redação: PRIMEIRO ADITIVO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E FORNECIMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE ACESSO A SERVIÇOS INTERNET DE BANDA ESTREITA DIAL PROVIDER Pelo presente instrumento particular, de um lado, na

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

MONITORAMENTO DO AMBIENTE TECNOLÓGICO FoccoMONITOR

MONITORAMENTO DO AMBIENTE TECNOLÓGICO FoccoMONITOR MONITORAMENTO DO AMBIENTE TECNOLÓGICO FoccoMONITOR Fevereiro/2012 Índice APRESENTAÇÃO... 3 O QUE É ESSE SERVIÇO?... 3 POR QUE MONITORAR?... 3 QUAL A ABRANGÊNCIA?... 4 MÉTRICAS... 4 PERÍODO DO MONITORAMENTO...

Leia mais

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC Especificações de Referência Central Telefônica Código do Objeto TOIP00008 Descrição do Objeto Central Telefônica Data da Especificação de Referência Outubro de 2013 Validade da Especificação de Referência

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa.

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. Termo de Referência Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. CGAD/COAR - Gerenciamento de Impressão Plataforma Baixa / RQ DSAO nº xxx/2009 1/8 Termo de Referência Aquisição

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PREGÃO Nº XX/2011 PROVIMENTO DE ENLACE E TRANSITO INTERNET 1 Objeto Contratação de empresas ou consórcio de empresas, para instalação de enlace de conexão bidirecional entre

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. ELETROBRAS, por

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

SERPRO Serviço Federal de Processamento. Gerenciamento das Redes Locais no SERPRO. Jones Lamanna Tesser jones.tesser@serpro.gov.br

SERPRO Serviço Federal de Processamento. Gerenciamento das Redes Locais no SERPRO. Jones Lamanna Tesser jones.tesser@serpro.gov.br Capítulo 1 SERPRO Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: SERPRO Serviço Federal de Processamento de Dados www.serpro.gov.br Gerenciamento das Redes Locais no SERPRO. Jones Lamanna Tesser

Leia mais

QUESTIONAMENTO(S) ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece:

QUESTIONAMENTO(S) ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: QUESTIONAMENTO(S) ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES Prezado(a) Senhor(a), Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: 1. Sobre o item 18.1. A prestação do serviço

Leia mais

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC Questionamento 1 No subitem 5.2.3 da Especificação Técnica, embora seja pedida a utilização de aceleração de tráfego HTTP e TCP Spoofing, não

Leia mais

Serviço HP IMC EAD Implementation

Serviço HP IMC EAD Implementation Serviço HP IMC EAD Implementation Dados técnicos O serviço HP IMC EAD Implementation tem o objetivo de fornecer a personalização do módulo Endpoint Admission Defense de acordo com as necessidades do Cliente

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Contratação de Link de Internet para TERRACAP DISUP/CODIN

PROJETO BÁSICO. Contratação de Link de Internet para TERRACAP DISUP/CODIN PROJETO BÁSICO Contratação de Link de Internet para TERRACAP DISUP/CODIN 1 PROJETO LINK INTERNET 1. Objetivo: Contratação de empresa para a prestação de serviço de fornecimento de conectividade IP Internet

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 11999/14 Folha nº Informações e/ou despachos RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Licitação: Pregão Eletrônico 0053/2015.

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

O Banco do Brasil não exige que o toner seja original, cabe ao fornecedor oferecer a melhor proposta desde que atenda ao item 2.24.2 e 2.26.

O Banco do Brasil não exige que o toner seja original, cabe ao fornecedor oferecer a melhor proposta desde que atenda ao item 2.24.2 e 2.26. 1 Dúvida: Diretoria de Apoio aos Negócios e Operações Referente aos itens: item 1.3.3.3., item 2.24, item 2.24.2. Entendemos que todos os PROPONENTES deveriam ofertar apenas toners originais do fabricante

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ENVIO DE MENSAGENS SMS SHORT MESSAGE SERVICE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Responsável: Superintendência Central de Governança Eletrônica Objeto LOTE ITEM

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Para/To: N o de páginas/n o of. pages: 06 De/From: Silvana Luz Simões Data/Date: 28 / 08/ 2007 Ref.: Solicitação de proposta ATT.:

Para/To: N o de páginas/n o of. pages: 06 De/From: Silvana Luz Simões Data/Date: 28 / 08/ 2007 Ref.: Solicitação de proposta ATT.: MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq DAD/CGADM/COINF/SERVIÇO DE LICITAÇÃO SELIC SEPN 507, Bloco B, Ed. Sede CNPq, Sala 211, CEP: 70.740-901,

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais