UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CARMENSI ASSUNTA GOBBI DE LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CARMENSI ASSUNTA GOBBI DE LIMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CARMENSI ASSUNTA GOBBI DE LIMA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO DE CLIENTES PESSOAS JURÍDICAS DO BANCO DO BRASIL NO PILAR ATACADO Criciúma, 2005

2 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CARMENSI ASSUNTA GOBBI DE LIMA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO DE CLIENTES PESSOAS JURÍDICAS DO BANCO DO BRASIL NO PILAR ATACADO Monografia apresentada à Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC, para obtenção do título de Especialista em MBA Gestão Empresarial Prof. Orientador: Dr. Abel Corrêa de Souza Criciúma, 2005

3 A Larissa, minha filha, que, antes de tudo, é minha companheira e minha inspiração para cumprir as minhas aspirações.

4 AGRADECIMENTOS À Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC; À minha filha, pelo apoio e incentivo a mim dedicados; Ao meu orientador, Professor Abel, por acompanhar este trabalho e orientar-me através de seu conhecimento; À Professora Roseli, que no decorrer do curso, partilhou de maneira generosa e coerente, seus conhecimentos e experiências, Aos clientes entrevistados da Agência Empresarial Sul Catarinense, que enriqueceram esta monografia com seus depoimentos pessoais em responder a perguntas formuladas. Ao Banco do Brasil, como instituição, que favorece e incentiva o estudo e a pesquisa de seus colaboradores e, em especial ao Gerente da Agência Empresarial Sul Catarinense, José Luiz Fritscher pela orientação e estímulo à realização deste trabalho; À todos, que contribuíram com o seu conhecimento na execução deste estudo.

5 O principal objetivo da educação é criar pessoas capazes de fazer coisas novas e não simplesmente repetir o que as outras gerações fizeram. Jean Piaget ( ).

6 RESUMO LIMA, Carmensi Assunta Gobbi de. Segmentação de Mercado de Clientes Pessoas Jurídicas no Banco do Brasil do Pilar Atacado. 2005, 114 f. Monografia (Especialização em MBA Gestão Empresarial) - Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma. Este trabalho tem como objetivo geral de apresentar uma visão panorâmica do Modelo de Segmentação de Pessoas Jurídicas adotado pelo Banco do Brasil, bem como para que você possa compreender em que consiste o Modelo de Segmentação e identificar seus módulos e aplicações. Tendo como objetivos específicos: descrever os fatores que levaram o Banco do Brasil a segmentar seus clientes Pessoas Jurídicas, definir posturas para atuação em função do estágio do relacionamento com o Banco (empresas médias, grande e corporate), identificar a parceria e potencializar as oportunidades negociais, avaliar o índice de satisfação dos clientes no Pilar Atacado Agência Empresarial Sul Catarinense, quanto ao atendimento e o portfólio de produtos. Para este estudo definiu-se a pesquisa bibliográfica para fundamentação do tema, de modo a propiciar subsídios para atender ao objetivo específico, e, para a etapa seguinte, fez-se necessária à elaboração de um estudo de caso, utilizando-se da pesquisa documental. O estudo delimitou como área de abrangência a Agência Empresarial Sul Catarinense Criciúma SC, cujos sujeitos de pesquisa foram os clientes atendidos pelas quatro carteiras desta Agência. O período da pesquisa analisado foi de 03 de Janeiro de 2005 a 20 de janeiro de Como resultado, obteve-se o reconhecimento e a confiança demonstrada pelos clientes entrevistados, com expressiva participação do Banco do Brasil no mercado bancário, com melhoria na qualidade no atendimento, maior eficiência, controle e ênfase em produtos e serviços que atendam às necessidades dos clientes. Palavras-chave: Mercado, Segmentação, Critérios.

7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...10 LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO Considerações iniciais Tema Problema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa Importância /relevância Oportunidade Viabilidade FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Cliente O Mercado Características Distribuição Quantidade Localização Porte Setor...23

8 2.4. Segmentação de mercado Níveis de segmentação de mercado Marketing de segmento Marketing de nicho Marketing local Marketing individual Padrões de segmentação de mercado Procedimentos de segmentação de mercado Definição de marketing Segmentação no mercado financeiro Consumidores empresariais Segmento por setor Segmento por porte Segmentação pela saúde financeira Produtos Negócios caso a caso Critérios de segmentação Segmentação de mercado: uma visão de conjunto A Necessidade de segmentação de mercado O que é segmentação de mercado Marketing de serviços Razões para o crescimento A Natureza do marketing de serviços Caracterizando os serviços RETRATO DA EMPRESA...43

9 3.1. História do banco do Brasil Estrutura interna Situação atual Segmentação de pessoas jurídicas no banco do Brasil Modelo de segmentação do mercado de pessoas jurídicas Segmentação Vantagens e usos da segmentação Segmentação: teoria e prática Mercado Mercado de pessoas jurídicas e atacado Agência empresarial Cargos no segmento negocial Cargos no segmento de administração Modelo Modelo de segmentação Módulo de agrupamento negocial Matriz de estágio de relacionamento Conceitos Clientes TOP Grupos de referência Avaliação do estágio de relacionamento Posturas de atuação Portfólio de produtos Administração do fluxo de caixa Recebíveis...72

10 Operações estruturadas Comércio exterior A NOVA INTERFACE BANCO-EMPRESA Cash Management Os vários conceitos de cash management Bancos estrangeiros no Brasil O banco do Brasil Gerente-consultor Tendências METODOLOGIA GERAL DA PESQUISA Delimitação APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Mercado financeiro Gerentes (contas/assistentes) Canais de atendimento Atendimento segmentado CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES...96 REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo 1 Portfólios e grupamentos de produtos Anexo 2 Questionário

11 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Conceito de mercado...18 Figura 02 Intermediação financeira...19 Figura 03 Quantidade de empresas e PIB por região...22 Figura 04 Quantidade de empresas: distribuição por porte...23 Figura 05 Quantidade de empresas: por setor...24 Figura 06 Brasil: uma economia de serviços...40 Figura 07 Estrutura organizacional do banco comercial e principais administradores...46 Figura 08 Modelo de segmentação pessoa jurídica no banco do Brasil...57 Figura 09 Avaliação do estágio de relacionamento...63 Figura 10 Cash management no banco do Brasil...78 Figura 11 Produtos e serviços bancários...84 Figura 12 Atributos diferenciados...85 Figura 13 O banco do Brasil é parceiro?...86 Figura 14 Facilidade nas negociações com a migração da sua conta corrente...87 Figura 15 Atuação do gerente...88 Figura 16 Satisfação e disponibilidade de atendimento...90 Figura 17 Segurança nos canais de auto-atendimento...91 Figura 18 Fortalecimento do vínculo...92 Figura 19 Vantagens para o banco e para o cliente...93 Figura 20 Evolução na qualidade do atendimento...93 Figura 21 Benefícios da tecnologia para o banco...94 Figura 22 Benefícios da tecnologia para a empresa e para o banco...95

12 LISTA DE TABELAS Tabela 01 Características que distinguem serviços e bens...42 Tabela 02 Abrangência de atuação...55 Tabela 03 Segmento de mercado...59 Tabela 04 Produtos e serviços bancários...84 Tabela 05 Atributos diferenciados...85 Tabela 06 O banco do Brasil é parceiro?...86 Tabela 07 Facilidade nas negociações com a migração da sua conta corrente...87 Tabela 08 Atuação do gerente...88 Tabela 09 Satisfação e disponibilidade de atendimento...89 Tabela 10 Segurança nos canais de auto-atendimento...91 Tabela 11 Fortalecimento do vínculo...92 Tabela 12 Vantagens para o banco e para o cliente...92 Tabela 13 Evolução na qualidade do atendimento...93 Tabela 14 Benefícios da tecnologia para o banco...94 Tabela 15 Benefícios da tecnologia para a empresa e para o banco...94

13 1 INTRODUÇÃO 1.1. Considerações Iniciais As mudanças no cenário econômico mundial em direção à globalização e à competitividade internacional estão exigindo, geralmente, maior agilidade das empresas" afirma Pereira (1995, p. 16) e, para serem ágeis e competitivas, as grandes empresas estão se fragmentando em pequenas unidades. Sendo as atividades econômicas fundamentais para o homem, seu trabalho, seu resultado palpável é a sobrevivência humana. O destaque da atividade do homem transparece no desenvolvimento e da transformação da natureza, provocando mudanças no espaço geográfico. Todas as organizações podem testemunhar as rápidas mudanças ocorridas nas fronteiras e identidades dos países, numa era em que as mudanças em ritmo acelerado integram o cotidiano de quase todos os setores da vida das pessoas. A sobrevivência das organizações requer a adaptação a este fato, muito embora a maioria das estruturas organizacionais e práticas gerenciais não foi criada com esse ritmo de mudança em mente e, sim, criadas para funcionar bem num mundo mais estável, mais previsível. A acirrada disputa de mercado torna cada vez mais importantes a conquista de novos clientes e a fidelização dos atuais. É necessário conhecer o cliente, através de um relacionamento constante nas situações de pré-venda, venda e pós-venda, oferecendo produtos e serviços adequados às suas necessidades.

14 Desde a sua fundação - há mais de 190 anos - o Banco do Brasil participa ativamente dos principais acontecimentos econômico-financeiros do País, ajudando a gerar negócios e a produzir riquezas. Hoje, é um conglomerado que atua em todas as regiões do Brasil, e também na América no Norte, América do Sul, Europa e Ásia. Visando oferecer um atendimento ainda mais diferenciado às empresas, o Banco do Brasil especializa sua rede de Agências. Nas novas e exclusivas Agências Empresariais, com atendimento exclusivo, prestado por profissionais experientes, altamente capacitados e especializados. A atuação do Bando do Brasil no atacado bancário está voltada para a originação, assessoria e desenvolvimento de soluções e negócios estruturados, tornando-se referência no mercado e consolidando sua posição como um dos parceiros na estruturação de operações de forma a apoiar setores fundamentais da economia brasileira. O principal ganho com a segmentação é a padronização do atendimento e a valorização do cliente de acordo com o seu potencial. E a fidelização é a consequência imediata, pois, a partir do atendimento direcionado às peculiaridades de cada um, os clientes se tornam menos vulneráveis às ações dos concorrentes Tema Segmentação de Mercado de clientes pessoas jurídicas do Banco do Brasil no Pilar Atacado.

15 1.3. Problema Como o aprimoramento da segmentação de clientes pessoas jurídicas no Pilar Atacado - Agências Empresariais, efetuada pelo Banco do Brasil busca definir estratégias de atuação de mercado (período 2002 a 2004) Objetivos Para responder ao questionamento proposto na problematização do tema, são formulados objetivos que possibilitem a pesquisa Objetivo Geral Buscar oferecer soluções sob medida, atendimento exclusivo e profissionais qualificados, evidenciando que a segmentação de clientes pessoas jurídicas, faz-se necessário no ambiente competitivo do atacado bancário, Objetivos Específicos Descrever os fatores que levaram o Banco do Brasil a segmentar seus clientes; Pessoas jurídicas;

16 Definir posturas para atuação em função do estágio de relacionamento com o Banco (empresas médias, grande e corporate); Identificar a parceria e potencializar as oportunidades negociais; Avaliar o índice de satisfação dos clientes atendidos no Pilar Atacado - Agência Empresarial Sul Catarinense, quanto ao atendimento e o portfólio de produtos Justificativa A justificativa do tema se encontra na relevância do atendimento, visto que Banco do Brasil do Brasil, não detém mais os monopólios de serviços/produtos como no passado, atuando juntamente na concorrência com grandes potenciais financeiros. Logo, o Banco não atender as expectativas do cliente, o mesmo terá opção de buscar o mesmo serviço/produto em outro agente financeiro Importância/Relevância O trabalho permite ao leitor conhecer da importância do atendimento personalizado, sendo fundamental a segmentação dos clientes para adequada classificação no respectivo segmento. Segmentação é um instrumento de marketing cada vez mais usado nestes tempos de grande concorrência no mercado.

17 Para disputar o consumidor, as empresas investem em pesquisas que podem traçar detalhadamente o perfil de cada um, para oferecer um produto exatamente ao gosto e necessidade do cliente. No mundo moderno, a todo momento o consumidor está se modificando. Por isso, a segmentação vem sendo muito utilizada. Trata-se de uma das maneiras mais seguras para determinar ou adequar a estratégia de marketing de uma empresa Oportunidade Com o desenvolvimento deste trabalho, formou-se um dossiê de informações àqueles que se manifestarem interessados, já que, disponível na instituição de ensino, permite-se servir como referencial para futuros trabalhos de pesquisa e de investigação, venham a produzir um leque maior de informações sobre os critérios que o Banco do Brasil se utilizou para a segmentação de pessoas jurídicas do Pilar Atacado Viabilidade O presente projeto tornou-se viável pela facilidade no acesso às informações. Além disso, o Banco do Brasil disponibilizou o acervo da biblioteca e todas as demais fontes de informações internas.

18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo o enfoque sobre o tema busca trazer subsídios para responder convenientemente à problemática formulada, tendo como fonte de dados, os recursos bibliográficos pertinentes Cliente um cliente é: Assim, de acordo com Kotler (2000), considerando o Gúru do Marketing, - Um Cliente é a pessoa mais importante do mundo, quer ele se comunique pessoalmente ou por canais alternativos; - Um Cliente não depende de nós... nós dependemos dele; - Um Cliente que não interrompe nosso trabalho... é a finalidade dele. Não estamos fazendo um favor ao servi-lo...ela está nos fazendo um favor dando á nos a oportunidade de fazê-lo; - Um Cliente não é alguém com quem discutir ou debater. Ninguém jamais venceu uma discussão com o cliente; - Um Cliente é uma pessoa que nos traz seus desejos. É nossa obrigação lidar com eles de maneira lucrativa para ele e para nós (KOTLER, 2000, p.71). Mais cedo ou mais tarde, as empresas descobrirão que lucratividade não se mede por produto e sim por clientes. Chegou o momento de olharmos os clientes com lente de aumento, saber ouvir, identificar seus desejos e necessidades, personalizar serviços e produtos, adequar-se aos clientes e antecipar-se às suas necessidades e expectativas. Conhecer o cliente é a melhor forma para satisfazê-lo e até antecipar-lhe em suas necessidades e desejos.

19 Em vez de querermos conquistar mais e mais clientes, as empresas devem aprender a desenvolver um relacionamento de intimidade para reter, fidelizar aqueles que são realmente valiosos e, mimá-los, tratá-los prioritariamente, entregarlhes benefícios de produtos e serviços personalizados O Mercado O mercado financeiro pode ser definido como o ambiente no qual se processam as transações entre agentes superavitários e agentes deficitários. Entenda-se agentes superavitários como aqueles que ofertam recursos e agentes deficitários como os que demandam recursos. Mercado significa mais que meramente vender um produto ou serviço. Por isso, o conhecimento das características de cada produto ou serviço deve ser complementado com a identificação das reais necessidades do cliente. Para que possamos conhecer o mercado de pessoas jurídicas, devemos antes, entender no que consiste um mercado. Do ponto de vista de marketing, mercado pode ser definido como o número de pessoas ou organizações com necessidades a serem satisfeitas, com dinheiro suficiente para gastar ou investir e com vontade ou necessidade de comprar (Negócios com Pessoa Jurídica, 2001, p. 18). Figura 01 Conceito de Mercado Fonte: Adaptação de SIQUEIRA, In: Negócios com pessoas jurídicas (Caderno 1), 2001, p. 18.

20 O foco desse conceito é o dinheiro. É com a intermediação desse dinheiro (dos outros) que os bancos buscam alcançar seus resultados. Isso leva a outra questão: em que condições esses outros buscam relacionar-se com um banco? A intermediação financeira ocorre porque existem duas situações: de um lado, clientes que tem dinheiro sobrando; de outro clientes que tem necessidade de recursos. As relações que compõem a intermediação financeira podem ser visualizadas a seguir: Figura 02 Intermediação Financeira esquema simplificado Fonte: Adaptação de GITMAN, In: Negócios com pessoas jurídicas (Caderno 1), 2001, p. 18. A figura mostra a relação entre os mercado e um banco. Mostra, também que esses mercados pessoas físicas, jurídicas e governos são interrelacionados. Em outras palavras, os negócios que ocorrem no âmbito das pessoas jurídicas influenciam o mercado de pessoas físicas, e assim como os outros segmentos. Por representar o interesse deste trabalho, focarei o mercado de pessoas jurídicas, com características próprias.

21 Características É um mercado cuja demanda é consistente com os setores econômicos. Uma característica própria do mercado de pessoas jurídicas decorre do fato de que a demanda é semelhante e consistente com os segmentos. Por exemplo, o setor de alimentos, no comércio, tende a descontar mais cheques do que títulos, o que não é verdadeiro para o segmento industrial, que normalmente utiliza duplicatas nas vendas a prazo. É um mercado onde a racionalidade dá o tom da decisão. Quando a empresa busca um produto, tende a tratar objetiva e profissionalmente as considerações econômicas e comerciais do negócio, com muito pouco envolvimento emocional. Em outras palavras, é um mercado que exige muito mais objetividade e clareza sobre os benefícios do produto ou serviço no momento da negociação, porque é nesse momento que tudo se resolverá. É um mercado menos influenciável por promoções de vendas. Negociando com um consumidor pessoa física, você pode utilizar amplamente argumentos emocionais: uma propaganda bonita, a promessa de status social ou o ator que adquire o produto. Isso não corre nas empresas: o mercado de pessoas jurídicas é muito mais influenciável pela solução que um produto traz, ponderados os aspectos técnicos, econômicos e comerciais, do que pela beleza da propaganda ou apelo promocional. É um mercado cada vez mais seletivo. O mercado de pessoas jurídicas tende a ser cada vez mais seletivo nas suas parcerias (fornecedores, intermediários e bancos), o que decorre de um aspecto certo. Decorre daí o conceito de banco de

22 relacionamento ou banco principal aquele cujas soluções são adequadas às necessidades da empresa. É um mercado que se organiza em cadeias produtivas. Uma empresa pode vender produtos ou prestar serviços para umas pessoas físicas, para outra empresa ou para ambas. Se considerarmos o processo como um sistema cliente fornecedor, onde o fornecedor é também cliente, teremos identificado uma cadeia: as empresas vão continuamente agregando valor aos produtos e serviços produzidos até o consumidor final. É um mercado fortemente concentrado. Como conseqüência da concentração de renda na economia capitalista, o mercado de pessoas jurídicas caracteriza-se por concentrar seu resultado em uma entidade reduzida de empresas. Assim, para um banco, são poucos os grandes clientes. Por isso, tem maior poder de negociação. Por outro lado, são muitos e bons os negócios que podemos realizar com os demais clientes: o resultado individualmente menos expressivo pode ser compensado com ganhos de escala a partir da automação de serviços. É essa característica que indica a necessidade de segmentar o mercado e de se criarem portfólio de produtos e serviços para cada segmento Distribuição Na definição de Churchill Jr. e Peter (2003, p. 204) distribuir bens e serviços envolve levar os produtos até os clientes de forma eficiente e eficaz. Os profissionais de marketing devem tornar os produtos disponíveis para os clientes, quando e onde eles querem comprá-los, a fim de criar trocas que ofereçam valor.

23 Quantidade Existem aproximadamente quatro milhões de empresas, que contratam mais de 24 milhões de pessoas. Pelo lado da receita gerada, transitam por elas quase um PIB/ano. Dessa forma, é evidente o espaço para ampliação dos negócios com esse segmento. Figura 03 Quantidade de Empresas e PIB por Região Fonte: Gazeta Mercantil, In: Negócios com pessoas jurídicas, 2001, p Localização Existe forte concentração de empresas nas regiões Sudeste e Sul (em torno de 80% do total). Isso guarda coerência com a renda gerada, que se concentra exatamente nessas regiões.

24 Porte Quando se utiliza a quantidade de empregados como parâmetro, fica ressaltada a participação das micro e pequenas empresas, pois que representam a esmagadora maioria: em torno de 97%. As empresas de porte médio para grande representam apenas três por cento do total. Figura 04 Quantidade de Empresas: distribuição por porte Fontes: Ministério do Trabalho e Secretaria da Receita Federal, In: Negócios com pessoas jurídicas (Caderno 1), 2001, p Setor Analisando o mercado, tem-se que a maior parte das empresas (mais de 80%) concentra-se na área de comércio e serviços.

25 Figura 05 Quantidade de Empresas por setor Fonte: Ministério do Trabalho, In: Negócios com pessoas jurídicas (Caderno 1), 2001, p. 18. Segundo o IBGE, a indústria brasileira movimentou, em 1997, mais de 300 bilhões de reais. Se considerarmos que esse setor representa apenas 14% da quantidade de empresas, dá para se ter noção da capacidade de geração de recursos para o País. A mesma fonte dá conta de que o comércio gerou receita total de mais de 360 bilhões de reais. Apesar de não estarem disponíveis as informações sobre o setor de serviços, estima-se ter transitado no mercado de pessoas jurídicas, naquele ano, o montante equivalente ao PIB do Brasil: mais de 800 bilhões de reais Segmentação de Mercado Segmentação de mercado constitui poderosa arma estratégica, cujas implicações decorrem da escolha de segmentos bem definidos para o delineamento de estratégias competitivas.

26 A segmentação de mercado é a concentração consciente e planejada de uma empresa em parcelas específicas de seu mercado. Uma empresa não pode atender a todos os clientes em um mercado amplo como os de computadores e refrigerantes. São muitos os clientes, e eles se diversificam em suas exigências de compra. A empresa precisa identificar os segmentos de mercado que poderá atender com eficácia. Aqui examinarei os níveis de segmentação, padrões de segmentação e procedimentos de segmentação de mercado (KOTLER, 2000, p. 278) Níveis de Segmentação de Mercado A segmentação de mercado é um esforço para aumentar a precisão do marketing da empresa. O ponto de partida de qualquer discussão sobre segmentação é o marketing de massa. O marketing de massa, o vendedor se dedica à produção, distribuição e promoção em massa de um produto para todos os compradores. A Coca-Cola utilizou o marketing de massa quando vendia apenas um tipo de refrigerantes em garrafas de 200 ml. O argumento do marketing de massa é que ele cria um maior mercado potencial, o que gera custos mais baixos que por sua vez levam a preços mais baixos ou a margens mais altas. No entanto, muitas pessoas ressaltam que está havendo uma fragmentação crescente no mercado, que torna o marketing de massa mais difícil. A proliferação de meios e canais de distribuição está tornando difícil a prática do marketing de tamanho único. Alguns afirmam que o marketing de massa está com os dias contados. Não é surpresa que muitas empresas estejam se voltando para o micromarketing em um dos quatro níveis: segmento, nicho, local e individual.

27 Marketing de Segmento Um segmento de mercado consiste em um grande grupo que é identificado a partir de suas preferências, poder de compra, localização geográfica, atitudes de compra e hábitos de compra similares. A segmentação é uma abordagem que fica entre o marketing de massa e o marketing individual Marketing de Nicho Um nicho é um grupo definido mais estritamente, um mercado pequeno cujas necessidades não estão sendo totalmente satisfeitas. Em geral, os profissionais de marketing identificam nichos subdividindo um segmento ou definindo um grupo que procura por um mix de benefícios distinto. As empresas que praticam marketing de nicho entendem tão bem as necessidades de seus clientes que eles concordam em pagar um preço premium Marketing Local O marketing direcionado está levando a programas de marketing idealizados de acordo com os desejos e as necessidades de grupos de clientes locais (áreas comerciais, bairros e até mesmo lojas).

28 Marketing Individual O último nível de segmentação nos leva ao "segmento de um" e a "marketing customizado". Durante séculos os clientes foram atendidos individualmente. O alfaiate faz um terno sob medida, o sapateiro faz calçados para o indivíduo e assim por diante. Hoje, parte do trabalho de marketing business-tobusiness está customizado, uma vez que um fabricante prepara a oferta, a logística e as condições financeiras sob medida a cada cliente importante. São as novas tecnologias - especificamente os computadores, bancos de dados, produção robótica e as mídias de comunicação instantânea como (correio eletrônico) e fax - que estão permitindo às empresas considerarem um retorno ao marketing customizado, ou ao que é denominado "customização de massa". Customização de massa é a habilidade de preparar uma base consistente de produtos e comunicações para atender às exigências de cada consumidor Padrões de Segmentação de Mercado Os segmentos de mercado podem ser desenvolvidos de várias maneiras. Em vez de examinar os segmentos demográficos ou estilos de vida, podemos identificar segmentos de preferência, afirma Kotler (1998). Suponhamos que os compradores de sorvete sejam indagados sobre como valorizam a doçura e a cremosidade como dois atributos de produto. Podem surgir três padrões diferentes:

29 Preferências homogêneas: mercado onde todos os consumidores têm aproximadamente as mesmas preferências. O mercado não mostra nenhum segmento natural; Preferências difusas: Em outro extremo, as preferências dos consumidores podem estar dispersas no espaço, indicando que os consumidores variam grandemente em termos de preferências. Provavelmente, a primeira marca a entrar no mercado posicionou-se no centro para atrair mais pessoas. Uma marca no centro minimiza a insatisfação total do consumidor. Um segundo concorrente poderia localizar-se próximo à primeira marca e lutar para conquistar participação de mercado, ou poderia localizar-se em uma extremidade para atrair um grupo de consumidores que não estivesse satisfeito com a marca do centro. Se várias marcas estiverem no mercado, provavelmente, estarão espalhadas no espaço e mostrarão diferenças reais para atender à diversidade de preferências dos consumidores; Preferências conglomeradas: O mercado pode revelar conglomerados de preferências distintas, denominado segmentos de mercado naturais. A primeira empresa deste mercado tem três opções. Pode posicionar-se no centro, esperando atrair todos os grupos. Pode posicionar-se no segmento maior do mercado (marketing concentrado). Pode desenvolver várias marcas, cada uma posicionada em segmento diferente. Se a primeira empresa desenvolver apenas uma marca, os concorrentes entrarão e introduzirão marcas nos outros segmentos.

30 Procedimentos de Segmentação de Mercado Estágio de Levantamento: O pesquisador faz entrevistas exploratórias e focaliza grupos para obter informações sobre motivações, atitudes e comportamento do consumidor. Usando estas informações, ele prepara um questionário formal para coletar dados sobre: Atributos e suas avaliações de importância, Consciência e avaliações de marca, Padrões de uso do produto, Fatores demográficos, geográficos, psicográficos e hábitos de mídia. Estágio de Análise: O pesquisador aplica a análise fatorial aos dados para remover variáveis altamente correlacionadas. A seguir, aplica a análise de conglomerados para criar um número específico de segmentos altamente diferenciados. Estágio de Classificação de Perfil: O perfil de cada conglomerado (cluster) é classificado em termos de atitudes, comportamento, demografia, psicografia e padrões de mídia distintos. Cada segmento pode receber um nome baseado na característica distinta dominante. A segmentação de mercado deve ser periodicamente refeita porque os segmentos de mercado mudam. Segmentação Geográfica: A segmentação geográfica propõe dividir o mercado em unidades geográficas diferentes como países, estados, regiões, cidades ou bairros.

31 Segmentação Demográfica: Na segmentação demográfica, o mercado é dividido em grupos baseados em variáveis demográficas como idade, tamanho da família, ciclo de vida da família, sexo renda, ocupação, formação educacional, religião, raça, geração nacionalidade ou classe social. Segmentação Psicográfica: A segmentação psicográfica, os compradores são divididos em grupos diferentes, baseados no estilo de vida e/ou personalidade. As pessoas pertencentes ao mesmo grupo demográfico podem exibir perfis psicográficos diferentes. Segmentação Comportamental: Na segmentação comportamental, os compradores são divididos em grupos, tomando-se como base seu conhecimento, atitude, uso ou resposta para um produto. Muitas empresas acreditam que as variáveis comportamentais - ocasiões, benefícios, status de usuário, taxa de uso, status de lealdade, estágio de aptidão de compra e atitude - são os melhores pontos de partida para o desenvolvimento de segmentos de mercado Definição de Marketing Dentre as áreas do conhecimento humano, o Marketing vem se firmando como uma das que mais atraem o interesse de empresários e gerentes de pequenas, médias e grandes empresas. Oriunda da Administração de Empresas, esta moderna ciência fascina por seu dinamismo, criatividade e contínua adaptação aos diversos cenários do "teatro" empresarial.

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Segmentação de Mercado

Segmentação de Mercado Segmentação de Mercado Profª. Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Segmentação de Mercado Processo de se identificar grupos de consumidores, com necessidades homogêneas, para os quais a empresa poderá

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Programa de Serviços

Programa de Serviços Programa de Serviços Um Parceiro da Heidelberg Sucesso e segurança para o convertedor de rótulos A maior diversidade de substrato. Um marca de qualidade emerge: um sistema de máquina Gallus garante a mais

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Introdução Ao Marketing

Introdução Ao Marketing Introdução Ao Marketing O que é Marketing? Isso não é Marketing Muitas pessoas pensam em marketing apenas como vendas e propaganda e isso não causa nenhuma surpresa; Entretanto, vendas e propaganda constituem

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais