Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra "

Transcrição

1 Fundamentos de Carrier Ethernet Jerônimo A. Bezerra 1

2 Índice Crescimento das redes metropolitanas Ethernet e seus desafios Metro Ethernet Forum - papel, aevidades e envolvimento Introdução ao Metro Ethernet ou Carrier Ethernet Comparação das tecnologias de transporte Contextualização na Rede ReMeSSa Sugestões para o futuro 2

3 Popularização das Redes Metro Novas redes metropolitanas aparecendo a todo momento: Academia (RNP, Universidades), Telecom(xDSL), etc. MoEvos: Demandas dos usuários Custo da infraestrutura (fibra óeca, equipamentos) Capacidade das interfaces de redes (100Gbps) Simplicidade na operação Consolidação do protocol Ethernet (IEEE 802.3) 3

4 IEEE ou Ethernet Padronizado para LANs, em 1985; Implementação simples e barata; Mundialmente consolidado: Custo de interface extremamente baixo; Mas, não foi pensado para MAN: Não possui separação de tráfego, impossibilitando a criação de circuitos privados; Sem gerência e confiabilidade; Sem priorização de tráfego; 4

5 Ethernet: Evolução para atender MAN Nos anos 90, circuitos P2P e MP2MP foram viabilizados com o protocolo 802.1Q (VLAN); Com as novas técnicas de VLAN Stacking e VLAN translaeon, foi possível isolar usuários e núcleo da rede; Protocolos como QinQ, PBB e PBB- TE foram criados, resolvendo diversos problemas: C- VLAN versus S- VLAN, Aprendizado de MAC dinâmicos e Sub 50ms failover Custo de interface Ethernet menor que interfaces SONET/SDH Ethernet suporta largura de banda de até 10Gbps com fina granularidade; Pode ser facilmente conectada à rede do cliente, devido ao uso de Ethernet nas corporações e redes residenciais. 5

6 Mitos sobre usar Ethernet MAN 4094 VLANs é insuficiente para uma operadora RSTP convergence takes many seconds Alguns fabricantes já oferecem protocolos com suporte sub- 50ms Conexões L2 Ethernet MAN eliminam a necessidade de roteadores ou switches L3 6

7 Metro Ethernet Metro Ethernet é uma Metropolitan Area Network que é baseada nos padrões Ethernet. É comunmente usado para conectar subscribers (usuários) a um grande provedor de rede ou à Internet. Pode ser usado pelas empresas também para conectar escritórios ou datacenters. Pode ser: Ethernet puro, Ethernet sobre SDH, Ethernet sobre MPLS Ethernet sobre DWDM. 7

8 MEF - Metro Ethernet Forum O MEF é uma organização sem fins lucraevos, formada em 2001 para promover a adoção, em caráter global, de Redes e Serviços Ethernet, focando nas Operadoras (Carriers). Criou o conceito de Carrier Ethernet, que possui duas definições: Para provedores Um conjunto de elementos de rede cereficados que se conectam para transportar serviços Carrier Ethernet para todos usuários, local ou mundialmente. Para usuários Serviço de rede padronizado definido por cinco atributos que disengue- o da tradicional LAN baseada em Ethernet 8

9 Carrier Ethernet Standardized Services Serviços e nomenclatura padronizados sem alterações na rede do usuário Scalability Deve suportar milhões de usuários, nos mais variados serviços com velocidades de 1Mbps a 10Gbps Quality of Service Deve suportar serviços mensuráveis e garantidos ponto-a-ponto (frame delay, variação do delay, disponibilidade). Service Management Deve possibilitar monitoramento, diagnóstico e gerência centralizada, com OAM e rápido provisionamento de serviços Reliability Habilidade para detectar e recuperar de incidentes na rede sem impactar usuários, com recuperações menores que 50ms

10 Terminologia Carrier Ethernet (User- to- Network Interface) Ethernet Virtual ConnecEon (EVC) 3 Epos de EVC Ponto- a- Ponto MulEponto- a- MulEponto Ponto- a- MulEponto) NNI (Network- to- Network Interface)

11 Tipos de Serviço em Carrier Ethernet CaracterísEcas: - Baixa Latência - QoS previsível - 1 Mbps até 10 Gbps - Serviços padronizados - Confiável - Gerenciável - Uso oemizado - Baixo custo E- Line Service Type Virtual Private Lines (EVPL) Ethernet Private Lines (EPL) Ethernet Internet Access E- LAN Service Type Mul9point L2 VPNs Transparent LAN Service Mul9cast networks E- Tree Service Type Rooted mul9- point L2 VPNs Broadcast networks Telemetry networks E- Access Service Type* for Wholesale Access Services Access EPL Access EVPL Carrier Ethernet Service Provider ENNI Point- to- Point EVC Point- to- Point EVC Mul9- point to Mul9- point EVC Rooted MulEpoint EVC Carrier Ethernet Access Network

12 Ethernet Private Line (EPL) SubsEtui o serviço privado TDM Serviço baseado em porta com um único serviço (EVC) através de dedicadas provendo conecevidade site- to- site Tipicamente entregue sobre SDH (Ethernet over SDH) Serviço Ethernet mais popular devido à simplicidade Storage Service Provider Carrier Ethernet Network ISP POP Point-to-Point EVCs Internet

13 Ethernet Virtual Private Line (EVPL) SubsEtui serviços L2 VPN Frame Relay ou ATM Para entregar mais largura de banda, ponto a ponto Habilita muleplos serviços (EVCs) em um único Suporta conecevidade hub & spoke via serviços muleplexados no hub site Similar ao Frame- Relay Service Multiplexed Ethernet Carrier Ethernet Network Point-to-Point EVCs

14 Serviços usando o Epo E- LAN EP- LAN: Cada dedicado ao serviço EP- LAN. Ex.: Transparente LAN EVP- LAN: Serviço MulEplexado em cada. Ex.: Acesso à Internet e à VPN CorporaEva Ethernet Virtual Private LAN example Ethernet Private LAN example Internet ISP POP Carrier Ethernet Network Point-to-Point EVC (EVPL) Carrier Ethernet Network Multipoint-to-Multipoint EVC Multipoint-to-Multipoint EVC

15 Serviços usando Epo E- Tree EP-Tree e EVP-Tree: Ambos permitem comunicação raiz raiz e raiz folha mas não folha-folha. EP-Tree requer dedicada a uma EP-Tree EVP-Tree permite cada suportar multiplos serviços E-Tree simultâneos Ethernet Virtual Private Tree example Ethernet Private Tree example Carrier Ethernet Network Leaf Root Leaf Leaf Rooted- MulEpoint EVC Root Rooted- MulEpoint EVC MulEpoint to MulEpoint EVC

16 Tecnologias de transporte Carrier Ethernet pode ser implementado sobre diversas tecnologias de transporte existentes, principalmente: Provider Bridging (PB) Provider Backbone Bridging (PBB) Provider Backbone Bridging com Traffic Engineering (PBB- TE) MPLS VPWS (Virtual Private Wire Service) MPLS VPLS (Virtual Private LAN Service) MPLS TP* (Transport Profile) SONET/SDH* OTN* (OpEcal Transport Network) WDM (Wave Division MulEplexed) 16

17 Transport: Provider Bridging Também conhecido como QinQ, provê separação entre VLAN do usuário com VLAN do provedor Funciona adicionando mais um campo Tag: Resiliência: Depende do protocolo Spanning Tree ou similar para obter o melhor caminho até o deseno Não suporta caminho alternaevo (backup path) Tempo de convergência depende do protocolo contra loop escolhido (STP ou similar) 17

18 Transport: Provider Bridging (2) 18

19 Transport: Provider Backbone Bridging Também conhecido como MAC- in- MAC Encapsula o frame do usuário completamente Tornando o serviço transparente Aumenta a escalabilidade da rede, adicionando um segundo Tag 19

20 Transport: Provider Backbone Bridging (2) Resiliência: Depende do protocolo Spanning Tree ou similar para obter o melhor caminho até o deseno Não suporta caminho alternaevo (backup path) Tempo de convergência depende do protocolo contra loop escolhido (STP ou similar) 20

21 Transport: PBB Traffic Engineering Mesmo formato do PBB Resiliência: Resolve a deficiência na definição dos caminhos principal e backup. Não necessita de Spanning Tree ou similar Convergência inferior a 50 ms 21

22 Transport: MPLS VPWS Virtual Private Wire Service, também conhecido como ETHoMPLS ou Virtual Leased Line Cria circuitos ponto a ponto (PW) que transportam Ethernet entre os roteadores de borda (LER) Todo o frame Ethernet é encapsulado Não necessitando do Mac Learning 22

23 Transport: MPLS VPWS Resiliência: Usa os próprios mecanismos do MPLS para prover redundância, como MPLS Fast ReRoute Garante convergência abaixo dos 50 ms 23

24 Transport: MPLS VPLS Virtual Private LAN Service Cria circuitos (LSP) entre os roteadores de borda MPLS (LER) Emula uma LAN com 802.1Q, ou seja, manuseia o TAG do frame, aprende o endereço MAC do usuário e faz o decisão de encaminhamento dos frames Resiliência: Usa os próprios mecanismos do MPLS para prover redundância, como MPLS Fast ReRoute Garante convergência abaixo dos 50 ms 24

25 Transport: WDM Wave Division MulEplexed Serviço ponto- a- ponto: E- line Completamente transparente para a aplicação, logo não suporta ideneficação CoS e VLAN 25

26 Transport: WDM 26

27 Sugestões para futuro Assimilem a nomenclatura Dê foco ao MEF: cada vez mais ISP estão se cereficando Facilita a integração entre provedores MEF 2.0 já é realidade E- Access Solicitem as especificações do MEF nas compras de equipamento Garantem a interoperabilidade futura É possível cereficar sua rede. Veja no site do MEF 27

28 Referências e Figuras Metro Ethernet Forum Web Site: h}p://metroetherne~orum.org 28

RCO2. WAN: MetroEthernet

RCO2. WAN: MetroEthernet RCO2 WAN: MetroEthernet 1 Carrier Ethernet Carrier Ethernet: definido pelo MEF como: Uma rede e serviços de transmissão ubíquos e padronizados definidos por cinco atributos que os diferem de LANs Ethernet

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Metro-LANs Ligação ao Backbone

Metro-LANs Ligação ao Backbone Metro-LANs Ligação ao Backbone Conhecimentos assumidos na apresentação Tecnologias LAN / VLAN / L2 Switching MPLS / RSVP Protocolos IGP BGP / LDP Conceitos Rede de operador (Service Provider Network) VPNs

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

CARRIER ETHERNET. Paulo Silva, Vanderlando Cruz, Dario Quiroz. Universidade Salvador UNIFACS

CARRIER ETHERNET. Paulo Silva, Vanderlando Cruz, Dario Quiroz. Universidade Salvador UNIFACS CARRIER ETHERNET Paulo Silva, Vanderlando Cruz, Dario Quiroz Universidade Salvador UNIFACS Curso de Especialização em Redes de Computadores e Telecomunicações Rua Dr. José Peroba, 251, Edf. Civil Empresarial

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Metro Ethernet. Davi M. Fraulob, Edgar J. Piacentini. Mestrado em Informática Aplicada Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Metro Ethernet. Davi M. Fraulob, Edgar J. Piacentini. Mestrado em Informática Aplicada Pontifícia Universidade Católica do Paraná Metro Ethernet Davi M. Fraulob, Edgar J. Piacentini Mestrado em Informática Aplicada Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro 2006 Resumo. O mercado tem cada vez mais buscado por soluções

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Formato do Quadro Ethernet

Formato do Quadro Ethernet Metro Ethernet Formato do Quadro Ethernet Quadro IEEE 802.2 7 1 6 6 2 46-1500 4 Preâmbulo Delimitador de Início Endereço Destino Endereço Origem Tamanho Dados Verificação do Quadro SAP SAP Destino SAP

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Arquitetura Metro de Serviços Plenos em Banda Larga

Arquitetura Metro de Serviços Plenos em Banda Larga Arquitetura Metro de Serviços Plenos em Banda Larga Este tutorial apresenta a rede Metro, como parte da arquitetura Full Service Broadband FSBB (Serviços Banda Larga), que dá ao usuário final facilidade

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com Objetivos: Entender e assimilar conceitos, técnicas

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Conceitos Euber Chaia

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde Eduardo Braum Fernando Klabunde Índice da apresentação * A estrutura da empresa * Problemas vividos * Soluções estudadas e adotadas * MPLS * VPLS * Estudos de caso * Implementação * Considerações finais

Leia mais

O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador. O Backbone da Internet infra-estrutura de rede de operador

O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador. O Backbone da Internet infra-estrutura de rede de operador 11 O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador 22 Objectivo da apresentação 1. Apresentar a topologia-macro da infra-estrutura de rede 2. Identificar os principais desafios para os operadores

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais.

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. O uso de switches ethernet é cada vez maior em redes industriais, não resta dúvida, e essa utilização não é de agora.

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica.

Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica. Ethernet Óptica Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica. Em aproximadamente trinta anos de existência, a Ethernet tornou-se onipresente; uma tecnologia plug

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

Redes Roteadas. Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil

Redes Roteadas. Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil Redes Roteadas Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil Edmilson José de Almeida Filho Analista e Consultor ISP Suporte a Provedores desde 2001 Suporte Linux desde 2001 Suporte Mikrotik desde

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Tecnologia e Comutação Ethernet. Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Universidade do Sul de Santa Catarina. Tecnologia e Comutação Ethernet. Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Universidade do Sul de Santa Catarina Tecnologia e Comutação Ethernet Conceitos de Ethernet Nos anos 80 foi publicado o primeiro padrão Ethernet por um consórcio entre a Digital Equipment Company, a Intel,

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro <eng@ptt.br> PTTMetro Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010 Equipe de Engenharia PTTMetro 1 Sobre o CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) Criado em maio de 1995 Pela Portaria

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Adelmo Avancini Luciano Martins 08 de dezembro de 2006 www.cpqd.com.br Agenda Projeto GIGA Topologia da rede GIGA VPLS no mercado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Coexistência sem suporte de QoS (Qualidade de Serviço) LAN Emulation (LANE) Classical IP over ATM (CLIP) Coexistência com suporte de

Leia mais

Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto

Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Seleção de Tecnologias e Dispositivos para Redes Corporativas Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Tecnologias WAN Sistemas para

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Seleção de Tecnologias e Dispositivos para Redes Corporativas Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Tecnologias WAN Sistemas para

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes

AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes V Workshop de Tecnologias de Redes do PoP- BA 29 de Setembro de 2014 Salvador, Bahia, Brasil Jeronimo Bezerra Quem somos?

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Conectividade para acesso a serviços BM&F BOVESPA

Conectividade para acesso a serviços BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros Conectividade para acesso a serviços BM&F BOVESPA 1. SUMÁRIO... 4 2. CARACTERÍSTICAS DA REDE RCCF PRIMESYS... 5 2.1. CRITÉRIOS DE USO DA REDE RCCF PRIMESYS... 5

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS

Leia mais

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso A construção de uma rede local que satisfaça às exigências de organizações de médio e grande porte terá mais probabilidade de sucesso se for utilizado

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Redes Roteadas. Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil

Redes Roteadas. Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil Redes Roteadas Estudo rápido de como implantar uma rede roteada fácil Edmilson José de Almeida Filho Analista e Consultor ISP Suporte a Provedores desde 2001 Suporte Linux desde 2001 Suporte Mikrotik desde

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

PBT E T-MPLS Novos conceitos de Metro Ethernet

PBT E T-MPLS Novos conceitos de Metro Ethernet UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS, GERÊNCIA E SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES FRANCISCO ANTÔNIO SANTOS DE SOUZA PBT E T-MPLS Novos

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais