Globalização e Distribuição Tendências e Desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Globalização e Distribuição Tendências e Desafios"

Transcrição

1 Globalização e Distribuição Tendências e Desafios Augusto Mateus Instituto Superior de Economia e Gestão Instituto Formação Empresarial Avançada Augusto Mateus & Associados 20º Aniversário Lisboa, 12 Maio 2005 Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 1

2 A aceleração da globalização e os seus impactos nas economias europeias Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 2

3 A Globalização Integra em Profundidade as Economias ligando Comércio e Investimento... (biliões de dólares correntes) Investimento Directo Estrangeiro Fluxo anual Stock Acumulado (em % do PIB Mundial) 5,3% 7,8% 21,9% Actividades Empresariais Globalizadas (Filiais) Vendas Valor Acrescentado (em % do PIB Mundial) 5,5% 6,5% 9,6% Exportações (em % das Exportações Mundiais) 32,5% 35,2% 33,3% PIB Mundial Exportações Mundiais (em % do PIB Mundial) 19,1% 18,8% 27,2% Fonte : Unctad, World Investment Report 2001, Banco Mundial, Global Development Finance Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 3

4 ... numa Economia Mundial em Crescimento... Tendência de médio prazo em torno dos 4/5% Fonte: FMI Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 4

5 ... com uma Geometria Variável nos Grandes Pólos na Economia Mundial Japão (1999) Estados Unidos (2004) Estados Unidos (1999) Japão (2004) PIB per capita em PPC PPC Japão (1989) União Europeia (1999) Estados Unidos (1989) União Europeia (2004) União Europeia (1989) PIB per capita em Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 5

6 A diferenciação das conjunturas macroeconómicas... (Zona euro, Estados Unidos e Japão)) CRESCIMENTO 5,0 Produto Interno Bruto (variação anual em volume, em %) Os EUA sofreram menos, recuperaram mais cedo da crise e crescem razoavelmente... 4,0 3,0 2,0... enquanto a Zona Euro sofreu mais, recupera lentamente, e se mantem num ciclo longo de crescimento diminuído 1,0 0,0-1, EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 6

7 A diferenciação das conjunturas macroeconómicas... (Zona euro, Estados Unidos e Japão)) INFLAÇÃO 3,0 O Japão vai prolongando a sua experiência de deflação enquanto a Zona Euro consolida um ciclo longo de baixa inflação 2,0 1,0 0,0-1,0 Deflatores do Consumo Privado (variação anual em %) -2, EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 7

8 A diferenciação das conjunturas macroeconómicas... (Zona euro, Estados Unidos e Japão)) DESEMPREGO 10,0 Taxa de Desemprego (%) A Zona Euro vai mantendo um nível estrutural mais elevado... 7,5... associado a uma menor flexibilidade no mercado de trabalho face aos EUA e Japão 5,0 2, EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 8

9 A diferenciação das conjunturas macroeconómicas... (Zona euro, Estados Unidos e Japão)) SALDO EXTERNO A Zona Euro e, sobretudo, o Japão vão mantendo balanças correntes excedentárias enquanto os EUA vão acelerando o caminho para um défice externo de grandes proporções 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0-1,0-2,0-3,0-4,0-5,0-6,0 Saldo das Transacções Correntes (em % do PIB) EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 9

10 ... e das políticas macroeconómicas (Zona euro, Estados Unidos e Japão) TAXAS DE JURO Os EUA inverteram, em 2004, a trajectória descendente do nível das taxas de juro enquanto a Zona Euro só consumou essa viragem no final de 2005, mas mantendo níveis nominais inferiores 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 Taxas de Curto Prazo (3-6 meses) 0, EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 10

11 ... e das políticas macroeconómicas (Zona euro, Estados Unidos e Japão) TAXA DE CÂMBIO O Euro conheceu uma apreciação muito importante, que vai sendo moderada desde enquanto o Yen, como outras moedas asiáticas, segue, parcialmente, um dólar depreciado, num SMI informal que deixa as economias da UE à margem das convergências da zona do pacífico Taxa de Câmbio Efectiva (1999=100) EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 11

12 ... e das políticas macroeconómicas (Zona euro, Estados Unidos e Japão) ORÇAMENTO A Zona Euro mantém, responsavelmente, um excedente público enquanto os EUA, no caminho do maior duplo défice da sua história, vão cavando um défice público cada vez mais próximo do mantido pelo Japão à custa da sua capacidade exportadora (%) 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0-1,0-2,0-3,0-4,0-5,0-6,0 Saldo Orçamental Estrutural primário (%PIB) EUA Japão Zona EURO Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 12

13 ... reflectindo grandes diferenças nos ritmos de crescimento económico China Rússia PECO Mundo s/ue EUA Zona Euro, Japão Portugal Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 13

14 ... sujeita a perturbações fortes mas geríveis (A dimensão do 4º Choque do Petróleo ) 1º 2º 3º 4º? Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 14

15 As Economias Europeias Segmentam-se Estruturalmente (Taxa de juro real e Crescimento Económico) Taxa de juro real de longo prazo (valor médio).. 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% França (94-99) Itália (94-99) Alemanha (94-99) ALEMANHA (00-06) DINAMARCA (00-06) ITÁLIA (00-06) PORTUGAL (00-06) HOLANDA (00-06) UE UE FRANÇA (00-06) ESPANHA (00-06) Grécia (94-99) Dinamarca (94-99) REINO UNIDO (00-06) Reino Unido (94-99) Espanha (94-99) Holanda (94-99) Portugal (94-99) FINLÂNDIA (00-06) "4 Coesão" "4 Coesão" Finlândia (94-99) GRÉCIA (00-06) IRLANDA (00-06) Irlanda (94-99) 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Variação do PIB em volume UE UE Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 15

16 A taxa de câmbio nominal (O euro forçou a convergência mas a diversidade permanece) 130 Taxa de câmbio efectiva nominal (Referencial UE15, 1999=100) Portugal Espanha Grécia Irlanda EUR 12 Alemanha França Itália Finlândia Suécia Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 16

17 A taxa de câmbio real como indicador de competitividade (A diversidade dos modelos de internacionalização na UE) Evolução da taxa de câmbio real perda de competitividade (Taxa de câmbio efectiva nominal deflacionada pelos CTUP nos sectores expostos à concorrência internacional) (Referencial UE15, 1999=100) ganho de competitividade Portugal Espanha Grécia Irlanda EUR 12 Alemanha França Itália Finlândia Suécia Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 17

18 ... reorganizando a posição das Economias Nacionais na Europa Alargada 125 Alemanha Reino Unido Irlanda Dinamarca 100 Itália Holanda Bélgica França Austria Suécia Finlândia PIB p/capita em PPC PPC 75 Espanha Chipre Eslovénia Grécia Malta Portugal República Checa Hungria 50 Eslováquia Lituânia Letónia Polónia Estónia PIB p/capita em (UE15=100) [a dimensão económica do país (PIB, ) é representada pela dimensão da "bolha"] Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 18

19 ... com uma forte Diversidade Regional (Peso Relativo, em cada país, da População nas Regiões por nível de vida, 2002) 100% 75% 50% 25% 0% DK LU IE NL IT AT FI UK BE ES DE FR PT SE CZ SK EL CY HU SI EE LV LT MT PL PIBpc > UE15 PIBpc > UE25 e < UE15 PIBpc > 75% UE 15 e < UE25 PIBpc >75% UE25 e < 75% UE15 PIBpc < 75% UE25 A Entrada do Grupo Pão de Açúcar em Portugal: Diagnóstico do Mercado Português de Distribuição e Cenários de Posicionamento Competitivo Futuro (2º Relatório Preliminar) II Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 19 19

20 Posição das Regiões Capitais na Europa Alargada PIB per capita em PPC (País=100)...) Közép Magyarország (HU) Mazowiecki (PL) Attiki (EL) Bratislavský (SK) Lisboa (PT) Lazio (IT) Berlin (DE) Madrid (ES) Praha (CZ) Posição média Regiões Capitais Stockholm (SE) Uusimaa (FI) Noord- Holland (NL) Southern & Eastern (IE) Île de France (FR) Wien (AT) Bruxelles (BE) London (GB) ,1 PIB per capita em PPC (UE25=100) [ A "bolha" representa a dimensão económica da região (PIB, ) ] 145,0 A posição ocupada pela região de Lisboa no conjunto das regiões capitais da Europa surge relativamente central, embora aproximada por baixo, onde o seu mais significativo afastamento positivo, em relação aos padrões nacionais lhe permite ocupar um espaço relativamente avançado de desenvolvimento económico e social no quadro europeu Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 20

21 Posição das Regiões Capitais na Europa Alargada 90 Bruxelles (BE) Emprego nos Serviços (% Total)...) HU Attiki (EL) Posição média dos Países Mazowiecki (PL) EL Berlin (DE) Közép Magyarország (HU) Bratislavský (SK) ES UK BE F Lisboa (PT) IT FI DE Lazio (IT) NL SE Madrid (ES) AT Noord- Holland (NL) Praha (CZ) Southern & Eastern (IE) IE Stockholm (SE) Île de France (FR) Uusimaa (FI) Posição média das Regiões Capitais Wien (AT) London (GB) SK CZ PT 50 PL PIB per capita em PPC (UE25=100) [ A "bolha" representa o volume global emprego nos serviços em cada região capital ] Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 21

22 A Aglomeração de Lisboa no contexto Europeu Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 22

23 A Distribuição na Globalização: Concorrência acrescida e crescente relevância das políticas de fidelização dos clientes Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 23

24 A Distribuição nos 3 grandes pólos da Economia Mundial (Peso Relativo no Valor Acrescentado e no Emprego) Fonte: Eurostat Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 24

25 As grandes trajectórias do crescimento sectorial na UE-15 (Taxas médias de crescimento anual, em %, Características do Crescimento e Actividades VAB Emprego Produtividade Liderança na Especialização (*) 1º 2º 3º Posição Portugal Vestuário -0,2-3,5 3,4 PT (2,95) EL (2,22) IT (2,17) 1º (2,95) Couro e Calçado -1,1-3,3 2,4 PT (3,41) IT (2,12) ES (1,14) 1º (3,41) Construção e Reparação Naval -0,1-3,3 3,6 FI (2,79) DK (1,48) EL (1,37) 9º (0,72) Hotelaria e Restauração 1,0 2,4-0,9 ES (2,97) EL (2,70) AT (1,58) 8º (0,84) Alimentação, Bebidas e Tabaco 1,1-0,6 2,1 IE (2,48) PT (1,53) NL (1,47) 2º (1,53) Comércio Retalhista 2,1 1,0 1,6 EL (1,65) IT (1,30) ES (1,16) 4º (1,14) Comércio Grossista 2,7 1,1 2,2 NL (1,55) PT (1,50) DK (1,49) 2º (1,50) Actividades Suporte Transportes 3,7 1,3 2,9 FI (1,66) UK (1,60) DK (1,21) 6º (1,01) Computadores e actividades conexas 7,6 6,5 1,5 IE (1,66) BE (1,61) SE (1,49) 13º (0,50) Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 25

26 A Distribuição Grossista na UE25 (Produtos Alimentares, Bebidas e Produtos Domésticos) Fonte: Eurostat Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 26

27 A Distribuição Grossista na UE25 (Produtos Alimentares, Bebidas e Produtos Domésticos) Fonte: Eurostat Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 27

28 A Distribuição Retalhista na UE25 (Produtos Alimentares, Bebidas e Produtos Domésticos) Fonte: Eurostat (milhões de ) Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 28

29 Integração e Diferenciação na Europa Alargada Os Níveis de Preços do Consumo (UE25=100) Fonte: Eurostat (dados relativos a 2002) Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 29

30 Integração e Diferenciação na Europa Alargada Os Níveis de Preços do Consumo (UE25=100) Fonte: Eurostat (dados relativos a 2002) Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 30

31 A Concorrência na Distribuição e a evolução dos Consumidores: segmentação, mobilidade e volatilidade O desenvolvimento concorrencial na grande distribuição moderna traduzido, nomeadamente, numa explosão dos formatos comerciais e das inovações tecnológicas (drástica intensificação da utilização das tecnologias de informação e comunicação), numa complexificação das operações de compra, aprovisionamento e venda, bem como da própria experiência vivida pelos consumidores nas lojas, e numa intensificação da concorrência centrada nos preços baixos em permanência, gerou uma muito maior segmentação de comportamentos nos consumidores e reduziu a sua fidelidade face às lojas, aos operadores e às marcas (de produtores e distribuidores). Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 31

32 A Concorrência na Distribuição e a evolução dos Consumidores: segmentação, mobilidade e volatilidade Os consumidores assumem crescentemente, no modelo concorrencial moldado pela distribuição moderna, comportamentos voláteis de fidelidade na infidelidade, isto é, procuram benefícios de preço, qualidade, serviço e comodidade segmentando os seus locais de compra e a composição dos respectivos cabazes de compra, através de escolhas envolvendo múltiplos produtos e canais de venda e formatos comerciais. Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 32

33 A Concorrência na Distribuição e a evolução dos Consumidores: segmentação, mobilidade e volatilidade A difusão da utilização das tecnologias de informação e comunicação, associada à elevação do nível geral de educação das populações, contribuiu decisivamente para aumentar a mobilidade dos consumidores, tal como a globalização e as novas condições de produção e distribuição da riqueza, marcadas pela redução do ciclo de vida dos produtos e do time to market e dinamizadas pela afirmação dos grandes pólos urbanos como espaços mercantis privilegiados, contribuíram para uma profunda segmentação das suas preferências, dos seus modelos de vida e do seu poder de compra. Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 33

34 A Concorrência na Distribuição e a evolução dos Consumidores: segmentação, mobilidade e volatilidade Os resultados obtidos por um conjunto diversificado de estudos, que permitiram conhecer em profundidade os clientes da grande distribuição nos produtos de grande consumo na Europa, convergem de forma eloquente nas consequências destas transformações para o modelo de negócio da distribuição moderna - cerca de 1/3 dos clientes são responsáveis por um pouco mais de 2/3 das vendas e 3/4 dos lucros. A Entrada do Grupo Pão de Açúcar em Portugal: Questões Relevantes Nota sobre clubes Globalização na distribuição e Distribuição: (2º Relatório Tendências Preliminar e -Desafios, Complemento) Augusto Mateus (2006) II

35 A Afirmação das Acções de Fidelização de Clientes A gestão da fidelização dos clientes torna-se, assim, um elemento central na gestão da relação entre preço, valor e margem, decisiva para a rendibilização dos capitais investimentos, integrando-se no movimento mais geral de afirmação das ferramentas estratégicas de CRM (gestão do relacionamento com os clientes) e CLM (gestão do ciclo de vida dos consumidores). Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 35

36 A Afirmação das Acções de Fidelização de Clientes Os programas de fidelização de clientes ( loyaltymarketing ), mais ou menos integrados ou avançados), podem, assim, ser encontrados, na actualidade, em mais de metade dos operadores da distribuição alimentar e mista do mundo mais desenvolvido. O desenho destes programas é, no entanto, ainda, muito fragmentário envolvendo formas muito diversificadas de interactividade de informação e benefícios entre distribuidores e clientes onde se destacam a utilização de cartões, explicitação de hábitos de compra, vales ou pontos de desconto em compras futuras, participação em acções de mecenato ou solidariedade, atenções especiais (aniversários, crianças, idosos, festas), informação regular e formas de marketing cruzado (combustíveis, transportes, telecomunicações, ). Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 36

37 Acções de fidelização e gestão do activo clientes na distribuição moderna A gestão de relações sustentáveis com clientes fidelizáveis, compatibilizando os elementos geradores de valor (inovação, novos produtos, serviços e tecnologias, merchandising, ) com os custos efectivos das operações de distribuição (aprovisionamento, logística, força de vendas, ), ganha, assim, um papel de crescente relevância estratégica no quadro competitivo e concorrencial da distribuição moderna. Os grandes desafios concorrenciais da distribuição envolvem, assim, a capacidade de articular um relacionamento com os clientes susceptível de ligar, sem hiatos ou incoerências, as acções mais gerais dirigidas ao consumidor de massa, acções mais específicas dirigidas a grupos alvo de consumidores e acções focalizadas dirigidas ao consumidor individual numa lógica one to one. 37 Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) II 37

38 Acções de fidelização e gestão do activo clientes na distribuição moderna A gestão deste novo relacionamento com os clientes envolve, portanto, quer a lógica mais convencional da cadeia de valor, ligando a disponibilização dos produtos (preços, marcas, inovação, ) ao desenvolvimento de novos serviços e soluções (exclusividade, assistência, sugestão, entrega a domicílio, ), quer a lógica menos convencional da melhoria permanente da experiência vivida pelo consumidor, enquanto processo complexo, económico, cultural e de lazer, ligando a comunicação e informação (publicidade, promoção, fidelização, ) ao desenvolvimento da qualidade da loja e da sua envolvente (comodidade, facilidade, rapidez, integração, ). Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 38

39 Acções de fidelização e gestão do activo clientes na distribuição moderna No quadro europeu, os estudos de referência disponíveis apontam para premiar as estratégias empresariais na distribuição que sejam capazes de reconhecer a existência de uma forte margem de progresso e melhoria (os consumidores evidenciam zonas relevntes de frustação ) e de responder com base em propostas dirigidas à facilidade do consumo, suportadas por inovações tecnológicas e baseadas em princípios de respeito, proporcionalidade e lealdade na relação com os clientes. Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 39

40 Gestão dos Clientes e Estratégias Concorrenciais na distribuição moderna INFORMAÇÃO/COMUNICAÇÃO (Publicidade, Promoção, Marcas) Espaço o dos CLIENTES Lógica da experiência do consumidor PRODUTOS (Acesso, Preço, Disponibilização) consumidor de massa grupos alvo one to one SERVIÇOS (Desenvolvimento, Inovação, Soluções) Lógica da cadeia de valor Super, Hiper, Discount, Nova Geração Clubes Segmentação de FORMATOS CRM, CLM, Programas Fidelização Ferramentas de GESTÃO LOJA/PROCESSO COMPRA (Qualidade, Comodidade, Envolvente) Globalização e Distribuição: Tendências e Desafios, Augusto Mateus (2006) 40

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso,

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu de 22 de maio de 2013 Novas realidades do mercado mundial da energia Impacto da crise

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental 3º Seminário As finanças locais, instrumento da política ambiental Propostas da campanha nacional RFA Índice da apresentação - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT - RFA Nacional - Resumo seminários

Leia mais

Necessidade. de uma nova atitude

Necessidade. de uma nova atitude Necessidade de uma nova atitude O Conselho Europeu de Lisboa, de Março 2000, definiu um ambicioso objectivo estratégico a 10 anos, de tornar a União Europeia no espaço económico mais dinâmico e competitivo

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Desemprego e regulação do mercado de trabalho António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Proposições fundamentais 1. O trabalho não pode ser tratado como uma mercadoria sem sérias consequências

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013,

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013, COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.11.2012 COM(2012) 751 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO BANCO CENTRAL EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU, AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Onde estamos e para onde vamos?

Onde estamos e para onde vamos? Onde estamos e para onde vamos? Carlos da Silva Costa Governador 20º Encontro SAER A nova economia e as novas formas de financiamento Museu do Oriente, 25 de junho de 2014 Onde estamos e para onde vamos?

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Debates sobre a Estratégia de Lisboa

Debates sobre a Estratégia de Lisboa Debates sobre a Estratégia de Lisboa Crescimento e Emprego Juntos a trabalhar pela Europa do futuro 2006-2008 Data de actualização: 19 de Dezembro de 2007 Em parceria: Alto Patrocínio: Debates sobre a

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 8 Agosto 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

Serviços Partilhados e Externalização Logística

Serviços Partilhados e Externalização Logística Serviços Partilhados e Externalização Logística Vias para aumentar a eficiência nos cuidados de saúde e recuperar a sustentabilidade do SNS Augusto Mateus 23.11.2011 1. (In)sustentabilidade do SNS 2.

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES A COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES MIGRANTES Ver «Instruções» na página 4 E 411 ( 1 ) PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE A crise financeira: causas, respostas e os planos de assistência financeira Índice 1. Da crise

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese Comissão Europeia, Employment in Europe 2005 Recent Trends and Prospects, Office for Official Publications of the European Communities, Luxemburgo, 2005, 301 pp.. O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais