TÉCNICAS PARA PLANEJAMENTO DE EMPREENDIMENTOS: Conceitos e Instrumentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS PARA PLANEJAMENTO DE EMPREENDIMENTOS: Conceitos e Instrumentos"

Transcrição

1 UNIVERSIDDE FEDERL D HI ESCOL POLITÉCNIC TÉCNICS PR PLNEJMENTO DE EMPREENDIMENTOS: Conceitos e Instrumentos julho 2011 ibliografia PMoK - Project Management ody of Knowledge 4ª. Edição editado pelo Project Management Institute Sites de Referência PMI pmi.org PMI / SP pmisp.org.br PMI / MG pmimg.org.br (fonte de livre acesso ao PMoK) CE Espanha ustralia Korea Japão aacei.org aeipro.org aipm.com.au cerik.re.kr enaa.or.jp

2 Empreendimento - Project Um projeto (empreendimento) é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. (PMook) Exemplos: - Desenvolver um empreendimento imobiliário (Projeto ou empreendido para gerar produtos para o mercado imobiliário p. ex: apartamentos para venda em mercado aberto). - Desenvolver uma obra por empreitada (Projeto empreendido por uma empresa que presta serviços de construção Civil) - - Implementar uma re-estruturação na organização adequando-a para o a novo volume de negócios (Projeto empreendido internamente em uma organização, voltado para melhorar processos internos e resultados) GERENCIMENTO DE PROJETOS O que é Gerenciamento de Projetos ou Empreendimentos? plicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos..para atender ou superar às expectativas dos stakeholders. Stakeholders : partes interessadas no projeto (empreendimento) Estrutura básica do campo de conhecimento : Processos Áreas de conhecimentos específicas

3 Processos: Um conjunto de atividades com uma ou mais espécies de entrada, que objetivam criar uma saída de valor para o cliente Hammer,M Champy,J Um conjunto de ações e atividades inter-relacionadas que são executadas para alcançar um produto, ou resultado ou serviço predefinido. PMok -Processo voltados ao produto ou serviços do projeto especificam e criam o produto do projeto ou geram serviços para o projeto : Processo de Incorporação, Processo de Projetos Executivos, Processo de Produção GERM PRODUTOS OU SERVIÇOS Processos de gerenciamento do projeto garantem o fluxo eficaz do projeto ao longo do seu ciclo de vida: Iniciação, Planejamento, Execução, Controle e Encerramento GERM RESULTDOS PROCESSOS inputs Processamento Submetido a ações de Controle outputs Produtos, serviços ou resultados, decorrentes da condução do processo Informações, insumos necessárias para a condução do processo Técnicas Metodologias Ferramentas

4 a) Processo voltados ao PRODUTO ou SERVIÇOS do projeto especificam e criam o produto ou os serviços do projeto: Processo de Incorporação, Processo de Projetos Executivos, Processo de Produção EXEMPLOS: - PROCESSO DE PRODUÇÀO: - Entradas do processo: insumos de produção (materiais, mão de obra, equipamentos) - Saídas do processo: O Edifício (o produto é o edifício!) b) Processos de Gerenciamento do Projeto - garantem o fluxo eficaz do projeto ao longo do seu ciclo de vida : Iniciação, Planejamento, Execução, Controle e Encerramento GERM RESULTDOS: PROCESSO DE GERENCIMENTO D PRODUÇÀO D OR: - Entradas do processo: informações, dados, documentos, contratos; - Saídas do processo: Resultados: obra feita no prazo, dentro do custo estimado, com qualidade, escopo adequado, etc Os processos de gerenciamento de projetos e as Áreas de Conhecimentos: os processos de gerenciamento de projetos estão organizados em nove áreas de conhecimento gerencial ou disciplinas: ESCOPO PRZO CUSTO QULIDDE RECURSOS HUMNOS COMUNICÇÕES RISCO SUPRIMENTO INTEGRÇÃO

5 GRUPOS DE PROCESSOS ÁRES DE CONHECIMENTO GRUPOS DE PROCESSOS ÁRES DE CONHECIMENTO

6 CONCEITO DE PLNEJMENTO O planejamento é um processo de geração de informações sobre acontecimentos futuros representados através de planos, programas e recursos necessários para que objetivos sejam atingidos. Quando estes objetivos estão relacionados à execução de uma obra, caracteriza-se o planejamento operacional ou planejamento da produção. GRUPOS DE PROCESSOS ÁRES DE CONHECIMENTO

7 PLNEJMENTO DO ESCOPO Criar a EP do Projeto Processos de desdobramento ou de decomposição ENTRDS: Declaração de escopo do projeto tivos de processos organizacionais Declaração dos requisitos Solicitação de mudanças aprovadas EP Estrutura nalítica do Projeto ou WS - Work reakdown Structure tualizações dos documentos do projeto Dicionário da EP Linha de base do escopo SÍDS: Referência : PMoK CRIR EP / WS Caracterizar os subsistemas que compõem o a obra ou o objeto a ser modelado - conhecer o seu escopo Estabelecer uma estrutura para analisá-lo - caracterizar sua etapas fases, serviços e atividades

8 Subsistemas de produção do edifício não Tipo Tipo não Tipo Tipo Cx.Água arrilete / C.Máquinas Mezzanino Térreo 1 0 Subsolo 2 0 Subsolo 3 0 Subsolo Torre Periferia Subsistemas de produção do edifício 4 º trecho Edifício 1 º trecho 3 º trecho 2 º trecho Trechos de periferia

9 WS - QUER EM SUSISTEMS SUSISTEM DE POIO À PRODUÇÃO OR DO EDIFÍCIO SUSISTEM DE PRODUÇÃO N TORRE SUSISTEM DE PRODUÇÃO N PERIFERI WS - QUER EM SUSISTEMS FUNDÇÕES ESTRUTURS SU-SISTEM TORRE OR RUT OR FIN FCHDS

10 WS - QUER EM SUSISTEMS LVENRIS CONTRMRCOS SU-SISTEM OR RUT REOCO INTERNO CONTRPISO GESSO NO TETO NÍVEL 0 NÍVEL 1 NÍVEL 2 (Etapas) NÍVEL 3 (Serviços) SUSISTEM CNTEIRO / Tapume/Canteiro/ Instalações INFR-ESTRUTUR SERV.PREL. Locação da obra PR PRODUÇÃO CONTENÇÕES Escavação/Cortinas Estacas / Tubulões INFR-ESTRUTUR locos e baldrames Drenagem / Laje do 1 O. Piso Estr. 1 o.piso até 1 a. laje tipo ESTRUTUR Estrutura dos pav. tipos Estrutura da Cobertura Estrutura da C.M./Cx d água lvenaria nos tipos e cobertura duelas, C. Marcos e Embutidos OR RUT Contrapiso e tratamento de ralos SUSISTEM (INTERN) Reboco interno OU MÓDULO Gesso corrido no teto TORRE Obra bruta na casa de máquina Pintura do poço do elevador ssentamento de azulejos Kits aéreos (hidr. / elétricos) Forro em placas (gesso/madeira) Pisos cerâmicos EDIFÍCIO OR FIN Enfiação elétrica (Torre (INTERN) Massa PV Única) Folha das Portas Esquadrias e vidros Louças, metais, interrup/tomadas Pintura final interna Carpete e acabamentos em piso Montagem de balancim FCHDS Reboco em fachada cabamento em fachada ELEVDORES Montagem dos elevadores

11 NÍVEL 0 NÍVEL 1 NÍVEL 2 (Etapas) NÍVEL 3 (Serviços) Tubulões/estacas na periferia FUNDÇÕES locos e baldrames Laje do 1 o. piso EDIFÍCIO SUSISTEM ESTRUTURS Estruturas na periferia (Torre OU MÓDULO Rampas única) PERIFERI OR RUT lvenaria, Reboco e instalações Impermeabilização térreo/ periferia cabamentos no térreo e PUC OR FIN Equipamentos comunitários Limpeza final da obra WS - QUER EM SUSISTEMS NÍVEL 0 PROJETO (Empreendimento) NÍVEL 1 CONCEPÇÃO/ VIILIDDE DEFINIÇÃO DO PRODUTO PROJETOS CONSTRUÇÃO NÍVEL 2 PESQUIS DE MERCDO COMPR DO TERRENO PROGRM /PREÇO / PRZO PROJETO ÁSICO INCORPO- RÇÀO PROPGN- D/ MRKETING ESTUDOS PRELIMI- NRES PROJETO EXECU- TIVO ORS CIVIS INSTLÇÕES ESPECIIS MNUTENÇÃO PÓS OR NÍVEL 3 RQUI- TETUR FUND- ÇÕES ESTRU- TURS INSTL- ÇÕES

12 PS - DIVISÃO POR ÁRES FÍSICS Nível 0 Nível 1 Nível CONJUNTO HITCIONL ORS DE INFR ESTRUTUR URN SISTEM DE ÁGUS PLUVIIS SISTEM DE COLET DE ESGOTOS SISTEM DE DISTRIUIÇÃO DE ÁGU SISTEM VIÁRIO EDIFICÇÕES LOCOS DE PRTMENTOS CONJUNTO (6 locos) CONJUNTO (8 locos) CONJUNTO C (8 locos) EDIFICÇÕES HITÇÕES UNIFMILIRES CSS DO SETOR NORTE Nível Casas Tipo 1 (60 unidades) Casas Tipo 2 (40 unidades) CSS DO SETOR SUL CENTRO COMUNITÁRIO FUNÇÕES DO WS UXILIR N COMPREENSÃO DO ESCOPO (VISÃO GERL DO PROJETO, COMPREENSÃO DE SUS FSES, ETPS, TIVIDDES); UXILIR N DEFINIÇÃO DE MTRIZ DE RESPONSILIDDES (PERMITE DEFINIR RESPONSILIDDES PRTIR D ESTRUTUR MONTD); ESTELECE SISTEM DE CODIFICÇÃO, FCILITNDO O PROCESSMENTO E MNIPULÇÃO DE INFORMÇÕES (PLNO DE CONTS, ÁRES DE RESPONSILIDDE, CENTROS DE CUSTOS); UXILI N ORGNIZÇÃO E DMINISTRÇÃO D OR (PERMITE ESTELECER UM LINGUGEM COMUM SORE DIVISÃO E ESTRUTUR DE RESPONSILIDDES, QUE É UTILIZD POR TODOS OS SETORES D ORGNIZÇÃO); ESTELECE RELÇÃO DS TREFS / TIVIDDES QUE SERÃO UTILIZDS PR PROGRMÇÃO E CONTROLE DO PROJETO (TIVIDDES QUE SERÃO UTILIZDS NO PROCESSO DE MODELGEM).

13 GRUPOS DE PROCESSOS ÁRES DE CONHECIMENTO GERENCIMENTO DO TEMPO DO PROJETO Processos requeridos para gerenciar o término pontual do projeto. Principais Processos Definir as atividades Seqüenciar as atividades Estimar os recursos das atividades Estimar as durações das atividades Desenvolver o cronograma Controlar o Cronograma PLNEJMENTO CONTROLE EM PROJETOS DE MENOR COMPLEXIDDE ESTES PROCESSOS SÃO GRUPDOS E MUITS VEZES DESENVOLVIDOS COMO UM ÚNICO PROCESSO

14 TEMPO - PLNEJMENTO Definir as tividades É o processo de identifica as ações específicas a serem realizadas para produzir as entregas do projeto Desdobramento ou decomposição Padrões (templates) Planejamento em ondas sucessivas Opinião Especializada ENTRDS: Linha de base do escopo (EP, Dic EP, Decl. Escopo) Fatores ambientais da empresa tivos de processo organizacionais SÍDS: Lista de tividades tributos das atividades Lista de marcos Referência : PMoK TEMPO - PLNEJMENTO Sequenciar as atividades Processo de Identificação e documentação dos relacionamentos lógicos entre as atividades do projeto Diagramas de Precedência: MDP/DM Modelos de Diagrama de Redes de Precedências Determinação da dependência plicações de antecipações e atrasos ENTRDS: Declaração de escopo do projeto Lista de tividades tributos da atividade Lista de marcos tivos de processos organizacionais SÍDS: Diagrama de Rede do Cronograma do Projeto tualizaçõess dos documentos do projeto

15 TEMPO - PLNEJMENTO Sequenciar as atividades - PROCESSO DIGRMS DE PRECEDÊNCI : MOSTRM GRÁFICMENTE O SEQÜENCIMENTO DS TIVIDDES DO PROJETO; DM - RROW DIGRM METHOD PDM - PRECEDENCE DIGRM METHOD C C F F D D E G E G REDE.mpp TEMPO - PLNEJMENTO Sequenciar as atividades - PROCESSO Diagramas de Redes: MDP / DM Modelos de diagramas de redes de cronogramas Determinação da dependência plicações de antecipações e atrasos MODELOS DE DIGRM DE REDES DE CRONOGRMS Sào redes padrões, aplicáveis para empreendimentos de mesma natureza. DETERMINÇÃO DE DEPENDÊNCIS - Obrigatórias / mandatórias ou dependências rígidas - rbitradas / táticas / ou de conveniência - Externas PLICÇÕES DE NTECIPÇÕES E TRSOS É a utilização de dependências alternativas à fim-início, para representar situações de antecipações e/ou postergações no início de atividades sucessoras (Ligações start to start e/ou finish to finish, com lag)

16 TEMPO - PLNEJMENTO Sequenciar as atividades - SÍDS SÍDS: Diagrama de Rede do Cronograma do Projeto tualizações dos documentos do projeto ( lista e atributos ) DM - RROW DIGRM METHOD PDM - PRECEDENCE DIGRM METHOD C C F F D D E G E G TEMPO - PLNEJMENTO Estimar os recursos das atividades Processo de estimativa dos tipos e quantidades dos material, pessoas, equipamentos ou suprimentos que serao necessários para realizar cada atividade. valiações (opinião especializada) nálise de alternativas Dados publicados para auxílio a estimativas Softwares de gerenciamento de projetos Estimativas botton-up ENTRDS: Fatores ambientais da empresa tivos de processos organizacionais Lista de atividades tributos das atividades Calendário de recursos SÍDS: Requisitos de rcursos das atividades Estrutura analítica dos recursos tualizações dos documentos do projeto

17 TEMPO - PLNEJMENTO Estimar os recursos das atividades - PROCESSO valiações (opinião especializada) nálise de alternativas Dados publicados para auxílio a estimativas Softwares de gerenciamento de projetos Estimativas botton-up VLIÇÕES ESPECILIZDS experiência de especialistas é fundamentai para estimar recursos das atividades (uso ou não de grua P.ex:), dimensionamento de equipes para atender ciclos de produção, comprar ou fazer. NÁLISE DE LTERNTIVS Diferentes processos de trabalho demandam necessidades diferentes de recursos: argamassa projetada ou processo tradicional, uso de bombas de concreto ou transporte por gruas e giricas, sistemas de formas que demandam recursos diferentes, são exemplos de análises feitas para a produção. DDOS PULICDOS PR UXÍLIO ESTIMTIVS Dados de produtividades de equipes / equipamentos e de consumos de materiais, apropriados e publicados internamente ou de fontes externos (TCPO), são ferramentas para estimar recursos. TEMPO - PLNEJMENTO Estimar recursos das atividades - PROCESSO valiações (opinião especializada) nálise de alternativas Dados publicados para auxílio a estimativas Softwares de gerenciamento de projetos Estimativas botton-up SOFTWRES DE GERENCIMENTO DE PROJETOS uxiliam no armazenamento de dados sobre recursos (pool, produtividades, disponibilidades, custos), no processamento, nas análises de nivelamento, na alocação de recursosp ESTIMTIVS OTTON-UP São estimativas que utilizam métodos quantitativos feitas para os níveis mais detalhados da lista de atividades, baseando-se em quantidades do trabalho e em dados de produtividade.

18 TEMPO - PLNEJMENTO Estimar recursos das atividades Processo que determina o tipo, as quantidades e quando os recursos serão disponibilizados SÍDS: Requisitos de recursos das atividades Estrutura analítica dos recursos tualizações dos documentos do projeto REQUISITOS DE RECURSOS DS TIVIDDES Indentifica os tipos e quantidades de recursos necessários para cada atividade ESTRUTUR NLÍTIC DOS RECURSOS Estrutura de codificação dos recursos, classificando-os por nível hierarquico e por natureza. Utilizada para mostrar o banco de recursos alocados ao projeto TULIZÇÕES DOS DOCUMENTOS DO PROJETO Lista de atividades tributos das atividades Calendário dos recursos TEMPO - PLNEJMENTO Estimar as Durações das tividades: Processo de estimativa do número de períodos de trabalho que serão necessários para terminar as atividades com os recursos estimados. valiações (opinião especializada) Estimativa análoga Estimativas paramétrica Estimativa de 3 pontos (Pert) nálise das reservas (tempo reserva ou contingencial ENTRDS: Fatores ambientais da empresa tivos de processos organizacionais Declaração de escopo do projeto Lista de tividades tributos da atividade Requisitos de recursos das atividades Calendário de recursos SÍDS: Estimativas de duração das atividades tualizações dos documentos do projeto Referência : PMoK

19 TEMPO - PLNEJMENTO Estimar Durações das tividades - PROCESSO valiações (opinião especializada) Estimativas por analogia Estimativas paramétrica Estimativa de 3 pontos (Pert) nálise das reservas (tempo reserva ou contingencial VLIÇÕES ESPECILIZDS e ESTIMTIVS POR NLOGI experiência de especialistas é ferramenta para estimar durações das atividades (estimativa top down) ou por analogia, comparando com projetos de mesma natureza vivenciados pelos especialistas ou pela equipe do projeto. ESTIMTIV PRMÉTRIC OU MÉTODO QUNTITIVO É a estimativa feita com base na quantidade de trabalho e nos parâmetros de produção (produtividade das equipes, ritmos de produção). Utiliza métodos quantitativos para estimar as durações. TEMPO - PLNEJMENTO Estimativas de Durações das tividades - PROCESSO valiações (opinião especializada) Estimativas por analogia Estimativas paramétrica Estimativa de 3 pontos (Pert) nálise das reservas (tempo reserva ou contingencial ESTIMTIV DE 3 PONTOS - PERT Para projetos com nível elevado de incertezas e influências aleatórias sobre as atividades, trabalha-se com 3 estimativas de durações (0timista, pessimista e mais provável), a partir das quais calcula-se a duração esperada T E T E = 1/6 ( T T M + T P ) NÁLISE DE RESERVS São margens ou folgas embutidas nas durações para assegurar cobertura, quando situações de incertezas identificadas.

20 TEMPO - PLNEJMENTO Estimativas de Durações das tividades - SÍDS SÍDS: Estimativas de durações de atividades tualizações dos documentos do projeto ESTIMTIV DE DURÇÕES DE TIVIDDES - Determinística uma única estimativa por atividade - Probabilística - tratamento estatístico para a estimativa da duração a) média ou tempo esperado te : te = ti P ( ti ) = 1/6 ( to + 4tm + tp ) b) desvio padrão σ te (raiz quadrada da variância) σ te = 1/6 (tp - to ) Desenvolver o cronograma: Processo de análise de seqüências das atividades, suas durações, recursos necessários e restrições do cronograma visando criar o cronograma do projeto. nalise de rede do cronograma Método do caminho crítico nálise de cenários (simulações) what if? Nivelamento de recursos Método da cadeia crítica plicação de antecipações e esperas Compressão de cronograma Ferramenta para desenvolvimento de cronogramas ENTRDS: tivos de processos organizacionais Declaração de escopo do projeto Lista de atividades tributos das atividades Diagrama de rede do cronograma do projeto Requisitos de recursos da atividade Calendário de recursos Estimativas da duração das atividades Fatores ambientais da empresa SÍDS: Cronograma do Projeto Dados do cronograma Linha de base do cronograma tualizações dos documentos do projeto PREI QUI

21 Desenvolver o cronograma - PROCESSO nalise de rede do cronograma Método do caminho crítico nálise de cenários (simulações) what if? Nivelamento de recursos Método da cadeia crítica plicação de antecipações e atrasos Compressão de cronograma Ferramenta para desenvolvimento de cronogramas NÁLISE DE REDE / MÉTODO DO CMINHO CRÍTICO / SIMULÇÕES / CDEI CRÍTIC / NIVELMENTO São as ferramentas e técnicas utilizadas para gerar o cronograma do projeto, tais como o cálculo das datas SP e LP, folgas, nivelamento e simulações what if? COMPRESSÃO / DESCOMPRESSÃO DO CRONOGRM É a técnica utilizada para reduzir prazos do projeto (compressão do prazo), da forma mais viável, buscando as alternativas de reduzir prazos, com menor incremento de custos. descompressão usa os mesmo princípios da compressão, mas com o objetivo de dilatar prazos das atividades e reduzir custos. compressão também pode ser feita através de PRLELISMO, quebrando seqüências, para reduzir o prazo final do projeto. Tempo - PLNEJMENTO Desenvolver o cronograma - PROCESSO nalise de rede do cronograma Método do caminho crítico nálise de cenários (simulações) what if? Nivelamento de recursos Método da cadeia crítica plicação de antecipações e atrasos Compressão de cronograma Ferramenta para desenvolvimento de cronogramas FERRMENTS PR DESENVOLVIMENTO DO CRONOGRM São sistemas informatizadas que incorporam as técnicas e ferramentas e processos de gerenciamento de projetos. São grandes facilitadores para usos dos processos de gerenciamento de projetos. O uso de modelos é também uma ferramenta para o desenvolvimento de cronogramas.

22 Tempo - PLNEJMENTO Desenvolver o cronograma - SÍDS: SÍDS: Cronograma do Projeto Dados do cronograma Linha de base do cronograma tualizações dos documentos do projeto CRONOGRM DO PROJETO - Sumarizado, Detalhado, com seqüênciamento; - Diagrama de Rede (em escala de tempo) - De marcos DDOS DO CRONOGRM - Recursos por período (histogramas) - Cronogramas alternativos (de mão de obra, de equipamentos, financeiro, etc) LINH DE SE DO CRONOGRM - É o cronograma de partida ou referência para desenvolvimento do projeto que será utilizado para controle de tempo do projeto. NÁLISE DE REDE DOS CRONOGRMS Sequenciar as atividades Diagrama de Redes MOSTRM GRÁFICMENTE O SEQÜENCIMENTO DS TIVIDDES DO PROJETO; DM - RROW DIGRM METHOD MDP / PDM - PRECEDENCE DIGRM METHOD C C F F D D E G E G REDE.mpp

23 NÁLISE DE REDES DO CRONOGRM O DESENVOLVIMENTO DO CRONOGRM (CLCULO DS DTS) PODE PODE SER PROILÍSTICO OU DETERMINÍSTICO, DEPENDENDO D FORM COMO SÃO ESTIMDS S DURÇÕES DE CD TIVIDDE ISOLDMENTE, CRCTERIZNDO DOIS MÉTODOS DE CÁCULO: MÉTODO PROILÍSTICO TEVE ORIGEM E É UTILIZDO PELO PERT - PROGRM EVLUTION REVIEW TECHINIQUE, DESENVOLVID EM 1958, PEL MRINH MERICN. MÉTODO DETERMINÍSTICO TEVE ORIGEM E É UTILIZDO PELO CPM - CRITICL PTH METHOD, DESENVOLVIDO EM 1957 PEL MULTINCIONL DUPONT- US. O MÉTODO PROILÍSTICO UTILIZ ESTIMMTIV DOS 3 PONTOS (PERT) O MÉTODO DETERMINÍSTICO UTILIZ S OUTRS FERRMENTS DE ESTIMR DURÇÕES (PRMÉTRIC, POR NLOGI, OPINIÃO ESPECILIZD, ETC). DIGRM DE REDE DM MÉTODO CPM TIVIDDES: SÃO S TREFS SEREM EXECUTDOS OS QUIS SSOCIM- SE DURÇÕES E RECURSOS. N REDE SÃO REPRESENTDS POR UM SEGMENTO ORIENTDO SEM ESCL TIVIDDE EVENTOS: SÃO PONTOS DE CONTROLE DO PLNO. REPRESENTM O INÍCIO OU FIM DS TIVIDDES. NÃO CONSOMEM TEMPO E NEM RECURSOS. OS EVENTOS SSOCIM-SE DTS. N REDE SÃO REPRESENTDS POR UM CÍRCULO. Evento início CONCRETGEM D LJE 2 dias Evento fim

24 REGRS PR SEQUÊNCIMENTO DS TIVIDDES TOD REDE INICI-SE POR UM EVENTO QUE CRCTERIZ O INÍCIO DO PLNO E TERMIN EM UM EVENTO QUE CRCTERIZ O FIM DO PLNO; TODS S TIVIDDES SÃO DEFINIDS POR DOIS EVENTOS, QUE CORRESPONDEM O SEU INÍCIO E SEU FIM, PORTNTO DOIS EVENTOS CRCTERIZM UM ÚNIC TIVIDDE; ERRDO REGRS PR SEQUÊNCIMENTO DS TIVIDDES TIVIDDE FICTÍCI OU TIVIDDE FNTSM. SÃO UTILIZDS PR MNTER LÓGIC D REDE. NÃO CONSOMEM TEMPO E NEM RECURSOS. SÃO REPRESENTDS POR UM SEGMENTO TRCEJDO SEM ESCL. ERRDO Fict. CERTO

25 TIVIDDES FICTÍCIS D TIV. C D DEPEND. - - e Fict. C TIV. NTECESSOR DUR. PDI PDT UDI UDT FT FL C 7 D 5 E 17 F e C 6 G D 10 H, C e G 20 E C D G H F

26 CEDO do Evento TRDE do Evento [0] (0) I FT = 9 CMINHO CRÍTICO [6] (6) E FT = FT = 0 FT = 0 D 6 C 5 [11] FT = 0 [21] FT = 0 [41] (11) (21) (41) G H C F FT = 8 F FT = 22 2 (13) (21) 6 [21] FOLG TOTL = (TRDE EV. FIM - CEDO EV. INÍCIO) - DURÇÃO FOLG LIVRE NÃO FET TIVIDDES SUCESSORS [0] (0) I [6] (6) 1 FL = 0 FL = 0 D 6 5 C 7 FL = 18 E 17 [11] FL = 0 [21] FL = 0 [41] (11) (21) (41) G H 3 4 F FL = 1 12 FL = 0 2 (13) [21] F 6 FL = 22 FOLG LIVRE = (CEDO EV. FIM - CEDO EV. INÍCIO) - DURÇÃO

27 TIV. NTECESSOR DUR. PDI PDT UDI UDT FT FL C 7 D 5 E 17 F e C 6 G D 10 H, C e G DTS DE TIVIDDES PDI = CEDO DO EV. INÍCIO PDT = PDI + DURÇÃO UDT = TRDE DO EV. FIM UDI = UDT - DURÇÃO [6] (6) E FT = FT = 0 FT = 0 D 6 5 [0] [11] FT = 0 [21] FT = 0 [41] (0) (11) G (21) H (41) I C F FT = 9 12 FT = 8 F FT = 22 2 (13) 6 [21] PLNEJMENTO DE CUSTOS: - Estimar os custos - Determinar o Orçamento TIV. NTECESSOR DUR. PDI PDT UDI UDT FT FL C 7 SP LP D 5 E 17 F e C 6 G D 10 H, C e G tiv. C D E F G H Duração em dias FOLG TOTL FOLG TOTL

28 aseleine de custo ou CURV S GERD PRTIR D OTENÇÃO D DISTRIUIÇÃO DOS CUSTOS CUMULDOS TÉ CD PERÍODO O CUSTO UMULDO O FINL DO PROJETO REPRESENT O ONT ORÇMENTO NO TÉRMINO tiv. C D E F G H Duração em dias NO PERÍODO TÉ C/ PERÍODO ONT aseline de custos: é obtida pela distribuição da Estimativa de Custos pelas atividades do cronograma. Os valores acumulados desta distribuição caracterizam o SELINE DE CUSTOS DO PROJETO Curva S ORÇMENTO NO TÉRMINO - ONT Nível de Custo TÉRMINO DO PROJETO Tempo GERENCIMENTO DE CUSTOS DO PROJETO

29 CRITÉRIOS DE PONDERÇÃO PR GERR CURV DE EVOLUÇÃO FÍSIC DO PROJET0 - CURV S 100 % CONCLUÍDO Nível de Custo CURV DE EVOLUÇÃO FÍSIC COMO GERR? TÉRMINO DO PROJETO Tempo PONDERR PELO CUSTO O PESO DE CD TIVIDDE E SU REPESENTTIVIDDE N EVOLUÇÃO FÍSIC É PROPORCIONL O CUSTO D TIVIDDE EM RELÇÃO O CUSTO TOTL DO PROJETO PESO D TIVIDDE C D E F G H = = 1200/ / / / / /11600 = = 5,17 10, 6,03 14,66 20,68 8,62 17,24 34 % % tiv. C D E F G H 10, 34% Duração em dias ,68% 6,03% 8,62% 14,66% 5,17% 17,24% 17,24% 17,2 % 24,1 % 20,1 % 17,2 % 41,3 % 61,4 % 16,4 % 7,8% 4,9 % 4,3 % 4,3 %,9 % 77,8 % 85,6 % 90,5 % 94,8 % 99,1 % 100,0 % OS PERCENTUIS REPRESENTM O NDMENTO FÍSICO DO EMPREENDIMENTO, SE CUSTO, TÉ CD PERÍODO DE RELIZÇÃO

30 PONDERR PEL DURÇÃO: O PESO DE CD TIVIDDE E SU REPESENTTIVIDDE N EVOLUÇÃO FÍSIC SERÁ PROPORCIONL À DURÇÃO D TIVIDDE EM RELÇÃO À SOM DS DURÇÕES DS TIVIDDES DO PROJETO SOM D DURÇÕES DS TIVIDDES = ( ) = 83 DIS PESO D TIVIDDE E F G H C D = = / 83 / / = = 7, = 8,43 7,22 20,48 24,10 14,46 12,05 % % tiv. C D E F G H 7,22% Duração em dias ,46% 8,43% 7,22% 20,48% 5,17% 12,05% 24,10% 12,5 % 20,5 % 21,7 % 22,9 % 15,7 % 6,0 % 6,0 % 6,0 % 1,2 % OS PERCENTUIS REPRESENTM O NDMENTO FÍSICO DO EMPREENDIMENTO, SE DURÇÃO PONDERR PEL ENERGI : O PESO DE CD TIVIDDE E SU REPESENTTIVIDDE N EVOLUÇÃO FÍSIC SERÁ PROPORCIONL O ESFORÇO OUTRO PONDERDOR (Homens-Hora QUE PODE ) SER GSTOS UTILIZDO PR É ENERGI EXECUTR GST PR RELIZR TIVIDDE, CD TREF, EM QUE PODE SER ESTIMD PEL QUNTIDDE DE HOMENS-HOR GST EM CD TREF RELÇÃO O TOTL DE HOMENS HOR GSTO S NO PROJETO PESO (%) = TOTL DE HOMENS-HOR PR RELIZR TREF TOTL DE HOMENS-HOR GSTOS N PROJETO PROLEM: DIFICULDDE EM UTILIZR ESTE PODENRDOR EST VINCULD À FORM DE OTÊ- LO (ORÇMENTO DE HOMENS-HOR, SERVIÇOS TERCEIRIZDOS ETC) CONCLUSÕES: - CONFORME SEJ O CRITÉRIO DE PONDERÇÃO, OS (%) DE NDMENTO FÍSICO DO EMPREENDIMENTO PODERÃO SER DIFERENTES, EM RELÇÃO ÀS REFERENCIS DO GERENTE DO PROJETO E/OU D EMPRES; - ISTO NÃO SIGNIFIC ERRO, MS SIM UM DIFERENÇ DE CRITÉRIO; - IMPORTNTE É COMPREENDER S DISTORÇÕES CUSDS PELO PONDERDOR UTILIZDO E TRTÁ-LS DEQUDMENTE

31 CURVS DE EVOLUÇÃO FÍSIC DO EMPREENDIMENTO, CRCTERIZÇÃO DE UM REGIÃO DE CONTROLE, TRVÉS DS PROGRMÇÕES SP e LP PRIMEIRS DTS REGIÃO DINTMENTO ÚLTIMS DTS (Folga = 0) REGIÃO TRSO CURV ORS 2.ppt CURV ORS.ppt ESTUDO DE CSO Programar a execução de uma estrada com 25 km de extensão, onde os principais serviços são mostrados abaixo: SERVIÇO INSTLÇÃO DO CNTEIRO CORTE / TERRO EXECUÇÃO D SU-SE EXECUÇÃO D SE PVIMENTÇÃO DURÇÃO 10 dias 50 dias 40 dias 45 dias 40 dias ESTRTÉGI 1: (0) (10) (60) (100) (145) (185) IC CORTE S.SE SE PV

32 ESTRTÉGI 2: DIVIDIR ESTRD EM TRECHOS DE 5 KM (0) (10) (20) (30) (40) (50) I. CNT. CORTE 1. CORTE 2 CORTE 3 CORTE 4 CORTE (20) (28) (30) (38) (40) (48) (50) (58) (60) S 1 S 2 S 3 S 4 S (28) SE 1 (37) (38) (47) (48) (57) (58) (67) (68) SE 2 SE 3 SE 4 SE (37) (47) (57) (67) (77) (85) PV 1 PV 2 PV 3 PV 4 PV PROLEM! - EQUIPES OCIOSS NS MUDNÇS DE TRECHOS O QUE É MELHOR? 1) FZER EM 85 DIS COM CUSTOS MRGINIS OU 2) FZER EM 89 DIS, SSUMINDO UM TRSO? (0) (10) (20) (30) (40) (50) I. CNT. CORTE 1. CORTE 2 CORTE 3 CORTE 4 CORTE E=8 28 (20) S (28) (30) (38) (40) (48) (50) (58) (60) S 2 S 3 S 4 S (28) SE (37) (38) (47) (48) (57) (58) (67) (68) SE 2 SE 3 SE 4 SE E= (37) (47) (57) (67) (77) (85) PV 1 PV 2 PV 3 PV 4 PV

33 RESOLUÇÃO TRVÉS DE GRFO - EXECUTR OR EM TRECHOS - EQUIPES TRLHNDO CONTINUMENTE EM CD TRECHO - EM CD TRECHO, UM SERVIÇO POR VEZ (0) (10) (60) I. CNT. CORTE / TERRO. (10) 18 Emin= 10 Emin= 8 Emin= 9 (50) SU - SE (40) SE (45) (49) PVIMENTÇÃO (40) Emin= 8 (20) (28) (60) (68) 13 Emin= 9 (32) (36) (77) (81) Emin= 8 (89) ESTUDO DE CSO - gabarito DIGRM TEMPO ESPÇO CONSTRUÇÃO DE UM ESTRD COM 25 KM DE EXTENSÃO TRECHOS (Km) 25 km 2 serviços num mesmo trecho serviços num mesmo trecho 20 km 15 km 10 km SERVIÇO DURÇÃO RITMO/VELOC. INSTLÇÃO DO CNTEIRO 10 dias 10 dias Km zero CORTE / TERRO 50 dias 25 Km / 50 dias EXECUÇÃO D CORTE/ SU-SE TERRO 40 dias SE 25 Km / 40 dias EXECUÇÃO D SE SU- 45 dias 25 Km / 45 dias SE PV. PVIMENTÇÃO 40 dias 25 Km /40 dias 5 km 5 Km CNT. 0 km dias PRTICOLRE - LINHS DE LNCO.xls

34 ESTUDO DE CSO - gabarito DIGRM TEMPO ESPÇO CONSTRUÇÃO DE UM ESTRD COM 25 KM DE EXTENSÃO TRECHOS (Km) 25 km km 15 km CORTE/ TERRO SE 10 km SU- SE PV. 5 km 5 Km CNT. 0 km dias PRTICOLRE - LINHS DE LNCO.xls JNEIRO FEVEREIRO MRÇO RIL MIO JUNHO

35 SERVIÇOS FEITOS DE CIM PR IXO PREI QUI MOSTR NDO O PRTICO LRE RIL MIO JUNHO JULHO GOSTO SETEMRO OUTURO NOVEMRO EMPRES\LINH DE LNÇO- Vfinal - verde_vl.xls MODELO PR NLISE DE ESTRTÉGIS DE PRODUÇÃO (0) LVENRI EM TODOS OS PVIMENTOS (50) F I DURÇÃO = 10 PV. x 5 dias/pav = 50 dias ESPER = 1 PV de Contramarco =4 dias ESPER = 1 PV de lv = 5 dias (14) (54) CONTRMRCO EM TODOS OS PVIMENTOS F I DURÇÃO = 10 PV. x 4 dias/pav = 40 dias ESPER = 1 PV de Contrapiso = 4 dias ESPER= 1 PV de Contramarco= 4 dias (18) CONTRPISO EM TODOS OS PVIMENTOS (68) F I DURÇÃO = 10 PV. x 5 dias/pav = 50 dias ESPER = 1 PV de Reboco = 4 dias ESPER = 1 PV de Contrapiso = 5 dias I (32) REOCO EM TODOS OS PVIMENTOS (72) F DURÇÃO = 10 PV. x 4 dias/pav = 40 dias

36 MODELO PR PLNEJMENTO OPERCIONL D PRODUÇÃO (0) (5) LV.- 01 LV.- 02 (10) (45) LV.- 10 (50) 5 dias 5 dias 5 dias (5) (9) (10) (14) (50) (54) CM.- 01 CM.- 02 CM dias 4 dias 4 dias (9) (14) CTP- 01 (14) CTP dias 5 dias (19) (54) (59) CTP dias Esperas de 1 dia (14) (18) (19) RE.- 01 RE dias 4 dias (59) (63) RE dias REPRESENTÇÀO POR DIGRM DE PRECEDÊNCIS - PDM TIVIDDE C TIVIDDE TIVIDDE F TIVIDDE D TIVIDDE TIVIDDE G TIVIDDE E PROJETOS.mpp EX.mpp

37 DULIDDE ENTRE DM e PDM DM PDM CONECTOR CONECTOR C C DULIDDE ENTRE DM e PDM DM PDM? D FICTÍCI D C E MILESTONE INÍCIO C E MILESTONE FIM F F O PDM NÃO NECESSIT DE TIVIDDES FICTÍCIS OU FNTSMS; MIORI DOS PLICTIVOS DE REDE SÓ UTILIZM O PDM; EM LGUNS CSOS O PDM NECESSIT DE TIVIDDES DE DURÇÃO ZERO (MILESTONE), PR REPRESENTR O INÍCIO E O FIM DO PLNO

38 PDM GNTT FINISH TO STRT F S STRT TO STRT S S LG LG= FINISH TO FINISH F F LG= LG GRFO_CONTROLE.mpp GRFO.mpp NIVELMENTO DE RECURSOS: TIPOS DE RECURSOS NIVELR: Reutilizáveis - tornam-se disponíveis após determinado período de tempo Consumíveis - são imobilizados após a aplicação OJETIVOS DO NIVELMENTO: Obter uma distribuição de recursos (insumos de produção ou recursos financeiros), que melhor atenda às necessidades do empreendimento e/ou da empresa: través do uso adequado das durações e folgas da rede (FT e FL), pode-se adequar o programa a objetivos definidos: Eliminação horas improdutivas e custos marginais; juste do volume de produção à capacidade de produção; dequação do fluxo de caixa (ajuste do desembolso a limites pré fixados)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MBA GERENCIAMENTO DE OBRAS. TÉCNICAS PARA PLANEJAMENTO DE EMPREENDIMENTOS: Conceitos e Instrumentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MBA GERENCIAMENTO DE OBRAS. TÉCNICAS PARA PLANEJAMENTO DE EMPREENDIMENTOS: Conceitos e Instrumentos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MBA GERENCIAMENTO DE OBRAS TÉCNICAS PARA PLANEJAMENTO DE EMPREENDIMENTOS: Conceitos e Instrumentos Abril/07 Prof. Dr. José Francisco Pontes Assumpção Escola

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Pós-graduação Gestão Empresarial Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Prof. MSc José lexandre Moreno prof.moreno@uol.com.br gosto/setembro/200 1 Gerenciamento do Tempo Lista de tividades Diagrama

Leia mais

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 6 28 de novembro de 2013 1 Gestão dos Prazos e Custos do Projeto - Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Conteúdo Programático

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 Introdução Porquê gerenciar o tempo? Como saber se chegaremos nos objetivos no prazo estimado? Planejar e Controlar 3

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos

As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos Gerenciamento do Tempo do Projeto 1 Por que os Projetos Atrasam?? Não se consegue controlar o que não se consegue medir. (Tom Demarco) 2 Por que os

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Custos

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Custos Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Custos 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE ESCOPO PROCESSOS

Leia mais

FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Professor: Maurício Moreira e Silva Bernardes, Doutor mmbernardes@gmail.

FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Professor: Maurício Moreira e Silva Bernardes, Doutor mmbernardes@gmail. FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Professor: Maurício Moreira e Silva Bernardes, Doutor mmbernardes@gmail.com Autor do Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. www.construcaocivil.info

Leia mais

As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos

As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos Gerenciamento dos Custos do Projeto 1 Gerenciamento de Custo do Projeto O Gerenciamento de Custos do Projeto inclui os processos envolvidos em estimativas,

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Gerenciamento de custos. Marcelo Sakamori

Gerenciamento de custos. Marcelo Sakamori Gerenciamento de custos Marcelo Sakamori Quais são as maiores falhas que ocorrem em um projeto? Gerenciamento de custos Gerenciamento de custos Porque o gerenciamento de custos é importante? Gerenciamento

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Processos de Execução, Monitoramento, Controle e Fechamento de Projetos

Processos de Execução, Monitoramento, Controle e Fechamento de Projetos Processos de Execução, Monitoramento, Controle e Fechamento de Projetos Alexandre Massei almassei@gmail.com Visão Geral Envolve: Processo de Monitoramento e Controle Monitorar e controlar o trabalho do

Leia mais

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento.

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento. Gerenciamento de tempo do projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Tempo O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí / SP QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí / SP QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO Gabarito: 1D, 2B, 3A, 4C, 5C, 6A, 7C, 8B, 9D, 10A, 11D, 12B, 13A, 14B, 15D, 16B, 17D, 18D, 19B Fórmulas: VC = VA - CR VPR = VA - VP IDC = VA /

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Gerenciamento de Projetos PMP-Prep Master Class Modulo 04 Prazo. Direitos autorais OBJETIVO DO MÓDULO

Gerenciamento de Projetos PMP-Prep Master Class Modulo 04 Prazo. Direitos autorais OBJETIVO DO MÓDULO Gerenciamento de Projetos PMP-Prep Master Class Modulo 04 Prazo Gerhard Tekes, PMP, OPM3-CC 2009 3PTA Tekes e Associados Serv. Gerenciais Ltda., cursos@3pta.com.br, (71) 3012.6611 Slide 1 Direitos autorais

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR ESCOPO Teoria EAP etapas de desenvolvimento TEMPO Introdução Ferramentas Exercício: Documentação de Projetos Declaração

Leia mais

Gerenciamento de Tempo em Projetos

Gerenciamento de Tempo em Projetos Gerenciamento de Tempo em Projetos Gisele Blak Bernat, MSc, PMP Por que Gerenciar o Tempo? É um dos tópicos mais importantes dentro da Gestão de Projetos; Recurso escasso na atualidade; Para aproveitá-lo

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

Gerência de Projetos. Aula 07. Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com

Gerência de Projetos. Aula 07. Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com Gerência de Projetos Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Gerenciamento do Tempo o Tempo gasto é tempo

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETO NO TEMPO. Construção de uma pequena casa: Código Tarefa Duração Precedências

ANÁLISE DE PROJETO NO TEMPO. Construção de uma pequena casa: Código Tarefa Duração Precedências CAPÍTULO 3 ANÁLISE DE PROJETO NO TEMPO Exemplo Construção de uma pequena casa: Código Tarefa Duração Precedências (semanas) 1 Preparo do terreno 2 --- 2 Fundações 3 1 3 Alvenaria 3 2 4 Esgotos 1 2 5 Telhado

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

Gestão e Projeto de TI Prof. Mauricio Faria

Gestão e Projeto de TI Prof. Mauricio Faria Gestão e Projeto de TI Prof. Mauricio Faria 2011 Lista de Exercícios 2 Semestre Gestão e Projeto de TI 1. Quais os processos que são incluídos no gerenciamento de custos? O gerenciamento de custos do projeto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis)

Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis) Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis) André Barcaui barcaui@bbbrothers.com.br Histórico 1 O conceito de EVA foi criado por engenheiros industriais há mais de 50 anos atrás para gerenciar custos

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Jul/2010 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café!

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café! Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção - Aula 6 Gestão de projetos / Diagrama de precedência Diagrama de redes Cronograma Agosto/9 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 6 Gerenciamento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

TC 045 Gerenciamento de Projetos

TC 045 Gerenciamento de Projetos TC 045 Gerenciamento de Projetos Escopo Tempo Figura: D. Randa (2012) NAYARA SOARES KLEIN nayaraklein@gmail.com ANO: 2013 Escopo: s.m. Finalidade; alvo; intento; propósito. Dicionário Aurélio Escopo do

Leia mais

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um Projetos, Programas e Portfólios Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um programa, quando se relacionam

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Gerenciamento de Custos do Projeto Orçamentação do Projeto

Gerenciamento de Custos do Projeto Orçamentação do Projeto Gerenciamento de Custos do Projeto Orçamentação do Projeto 7. Gerenciamento de custos do projeto O gerenciamento de de custos custos do do projeto inclui inclui os os processos envolvidos em em planejamento,

Leia mais

Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para

Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para Clemente Netto Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para Otimização do Tempo Considerações clemente.netto@gmail.com

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.5. Diagramas de redes de precedência O CPM Critical Path Method, consiste em uma rede com setas representativas

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Gerenciamento do Tempo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Tempo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Tempo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) O gerenciamento do tempo inclui os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto, logo o cronograma é uma das principais restrições

Leia mais

Informação Verde Green IT Citizen Certification O caminho da Informação do Papel ao Digital

Informação Verde Green IT Citizen Certification O caminho da Informação do Papel ao Digital Informação Verde Green IT Citizen Certification O caminho da Informação do Papel ao Digital 39 Gestão de Projeto PMI Project Management Institute Vídeo Jandira O que é um Projeto? Empreendimento Temporário

Leia mais

Coordenador Geral do Grupo de Usuários de Gerenciamento de Projetos da Sucesu-RS

Coordenador Geral do Grupo de Usuários de Gerenciamento de Projetos da Sucesu-RS Graduação em processamento de dados Pós-graduação em Qualidade Total e Reengenharia Certificações: PMP, CBPP, ScrumMaster e ITIL Foundations Graduado no programa internacional de capacitação em liderança

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO Anexo 1 - Escopo do Curso de Ferramenta de Apoio ao Gerenciamento de Projetos MSProject 2010 Abordagem PMBOK 4ª Edição E1 Elaborar Termo de Abertura do Projeto (TAP) e Registro das Especificações do Projeto

Leia mais

GERENCIAMENTO DO TEMPO (PRAZO)

GERENCIAMENTO DO TEMPO (PRAZO) GERENCIMENTO DO TEMPO (PRZO) Este tema, que na metodologia do P.M.I é só mais uma área de conhecimento, para muitos ainda é considerada, junto com o gerenciamento do custo, o próprio Gerenciamento da parada,

Leia mais

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF 2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Osvaldo Pedra, PMP, SpP, P1-MPS.BR osvaldopedra@yahoo.com Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Objetivo da palestra

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

APLICANDO O MÉTODO DO GVA OU EVM _INGLÊS NA GESTÃO DOS CUSTOS DO PROJETO DE UMA INDÚSTRIA BRASILEIRA DO SETOR DE DEFESA

APLICANDO O MÉTODO DO GVA OU EVM _INGLÊS NA GESTÃO DOS CUSTOS DO PROJETO DE UMA INDÚSTRIA BRASILEIRA DO SETOR DE DEFESA ISSN 1984-9354 APLICANDO O MÉTODO DO GVA OU EVM _INGLÊS NA GESTÃO DOS CUSTOS DO PROJETO DE UMA INDÚSTRIA BRASILEIRA DO SETOR DE DEFESA Odair Aparecido de Assis (Universidade de Taubaté) Antonio Faria Neto

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 7 CUSTO. Custo das obras: Previsto e realizado

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 7 CUSTO. Custo das obras: Previsto e realizado Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 431 CUSTO Aula 7 Custo das obras: Previsto e realizado CONCEITO CUSTO, certamente, é um importante aspecto na gerência dos projetos. Toda empresa

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Tempo

Plano de Gerenciamento de Tempo Documento: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sponsor: Equipe do Projeto: Plano de Gerenciamento de Tempo RESTAURANTE Renato Kaufmann João Cunha Angela Guglielmi Elizabet Sanae João Cunha Renata Santos

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de custos Objetivo

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

O Gerenciamento do Valor Agregado no Controle do Desempenho do Projeto

O Gerenciamento do Valor Agregado no Controle do Desempenho do Projeto O Gerenciamento do Valor Agregado no Controle do Desempenho do Projeto Eduardo Martins Pereira: eduardomp@globo.com Miriam Tavares de Castro Pereira Babenko: miriambabenko@hotmail.com Faculdade IBTA Campinas

Leia mais

1. O principal resultado do processo de definição de escopo é denominado estrutura analítica de projeto (EAP) ou work breakdown structure (WBS).

1. O principal resultado do processo de definição de escopo é denominado estrutura analítica de projeto (EAP) ou work breakdown structure (WBS). A verificação do escopo é o processo de obtenção da aceitação formal pelas partes interessadas do escopo do projeto terminado e das entregas associadas. Este é o processo necessário para controlar as mudanças

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custo

Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custo Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custo A Abordagem do PMI para as Áreas de Tríplice Restrição O PMI define nove áreas de conhecimento e vários processos divididos entre estas áreas. Embora nenhuma delas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Material Adicional Project

Material Adicional Project Sumário Relatórios Project 2013... 1 Verificar Exemplos... 2 Relatório Personalizado do Histograma de Recursos... 2 O que é o EP Lean?... 9 Próximos Cursos (a Pedidos)... 12 Relatórios Project 2013 A parte

Leia mais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Pós-graduação Gestão Empresarial Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Prof. MSc José Alexandre Moreno prof.moreno@uol.com.br agosto/2009 Gerenciamento de Custos 5 Orçamento atividades do projeto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

10 áreas de conhecimento e 5 processos

10 áreas de conhecimento e 5 processos 1 10 áreas de conhecimento e 5 processos Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo Projetos são frequentemente utilizados como um meio de alcançar

Leia mais

Gerenciamento do Tempo do Projeto

Gerenciamento do Tempo do Projeto Gerenciamento do Tempo do Projeto 1 HIPÓLITO LOSADA, PMP Sumário A. Apresentação B. Gerenciamento do Tempo do Projeto 2 A. Apresentação 3 Hipólito Marcelo Losada López, PMP Professor Hipólito Losada López

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP

SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP Nível Básico Página 0 de 5 1) Das alterativas apresentadas abaixo, qual não é considerada uma das ferramentas do processo Realizar o Controle da Qualidade? a) Auditoria da Qualidade.

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Tecnológicos

Gerenciamento de Projetos Tecnológicos Gerenciamento de Projetos Tecnológicos Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Mestre em Informática em Sistemas de Informação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Indicadores de desempenho essenciais para projetos

Indicadores de desempenho essenciais para projetos Indicadores de desempenho essenciais para projetos Sérgio Fernando, SCJA, PMP Gerente de Projetos Memora Processos Inovadores Ltda Distrito Federal, Brasil E-mail: sergio.muniz@memora.com.br RESUMO Como

Leia mais

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado.

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado. EMENDA _Introdução ao gerenciamento de projetos. _Planejamento de escopo, custo e prazo. _Qualidade, RH, aquisições, comunicação. _Noções de governança de TI. _Noções de ITIL. _Noções de COBIT. INTRODUÇÃO

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições;

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Aula 12 1 2 Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Vantagem: o principal benefício é a geração de um modelo com previsão

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PREPARAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO PMP / PMI PROJECT MANAGEMENT PROFESSIONAL

GESTÃO DE PROJETOS PREPARAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO PMP / PMI PROJECT MANAGEMENT PROFESSIONAL GESTÃO DE PROJETOS PREPARAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO PMP / PMI PROJECT MANAGEMENT PROFESSIONAL Num cenário onde as empresas precisam se tornar mais competitivas e atentas às rápidas transformações do mercado,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04 Prof. Fábio Diniz FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DE PROJETOS Na aula anterior Project Charter. EAP / WBS. MS Project.

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais