ANAIS A GESTÃO DE PROJETOS COMO METODOLOGIA PARA EXECUÇÃO DAS ESTRATÉGIAS: A EFETIVA UTILIZAÇÃO SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE EXECUTIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS A GESTÃO DE PROJETOS COMO METODOLOGIA PARA EXECUÇÃO DAS ESTRATÉGIAS: A EFETIVA UTILIZAÇÃO SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE EXECUTIVOS"

Transcrição

1 A GESTÃO DE PROJETOS COMO METODOLOGIA PARA EXECUÇÃO DAS ESTRATÉGIAS: A EFETIVA UTILIZAÇÃO SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE EXECUTIVOS ORLANDO CATTINI JUNIOR ( ) EAESP-FGV WILSON ROBERTO LOMBARDO ZATTI ( ) EAESP-FGV Resumo Em uma organização, a execução da estratégia ou a implantação de seus planos de ação apresentam as características de projetos e programas (KAPLAN e NORTON, 2008 p.4) e, quando o processo estratégico é formalizado e conhecido pelos seus executivos, o desempenho é melhor (NIETO-RODRIGUEZ, 2012 p.6). Este trabalho investiga as diferenças e eventuais inconsistências entre o que é proposto e o que, efetivamente, os executivos responsáveis pela execução das estratégias utilizam. As conclusões indicam uma significativa diferença entre o que os modelos preceituam e o que é realizado na prática, sugerindo que novos modelos e padrões devam ser desenvolvidos. Palavras-chaves: gerenciamento de projetos, gerenciamento de programas e portfólios, execução da estratégia, implantação de planos estratégicos. 1. Introdução A execução do plano estratégico em uma empresa é viabilizada pela execução de atividades integradas e coordenadas com o fim de atingir determinado objetivo. Deve obedecer a limitações de prazo, de recursos humanos, de capital disponível, de tecnologia, etc assim como acontece na execução de projetos. De acordo com Nieto-Rodriguez (2012, p.59) é necessário que a empresa seja focada e utilize práticas de gerenciamento de projetos para que a execução da estratégia seja efetiva e bem sucedida. Apesar de existirem várias técnicas e melhores práticas de gestão de projetos, programas e portfólios já consagradas e de uso difundido (PMBOK, PRINCE2, etc.), nem sempre os sistemas empresariais e os próprios executivos responsáveis pela execução das estratégias as utilizam no seu dia a dia. Este trabalho analisa os modelos e processos orientados para a gestão de projetos, programas e portfólios de projetos em empresas e investiga as diferenças e eventuais inconsistências entre o que é recomendado na literatura e o que, efetivamente, é aplicado na prática. Os resultados são relevantes para os todos os profissionais de áreas relacionadas à formulação e execução de estratégias, bem como para os profissionais relacionados com as disciplinas de gerenciamento de projetos. Para levantamento da percepção dos executivos optou-se por analisar o fenômeno em empresas onde a linguagem e a cultura de trabalho por projetos não são desconhecidas. Foram 1/16

2 realizadas 7 (sete) entrevistas com executivos de 5 (cinco) empresas multinacionais instaladas no Brasil há algumas décadas, escolhidos de maneira não aleatória, configurando-se, pois, uma amostra tendenciosa. Apesar desta restrição, os resultados indicam uma significativa diferença entre os modelos teóricos e o que é realizado na prática, sugerindo que novos modelos, ferramentas e padrões devam eventualmente ser desenvolvidos e/ou adaptados. A pergunta de pesquisa pode ser sintetizada em: Como é percebida, por executivos diretamente ligados à implementação de estratégias, a ligação entre o gerenciamento de projetos e a execução destas estratégias?. 2. Gerenciamento de projetos, programas e portfólios De um modo geral pode-se dividir as atividades de gestão de uma empresa em dois grandes grupos: o primeiro grupo é o das atividades repetitivas e contínuas, fazendo parte da gestão das operações ( run-the-business ); o segundo grupo é o das atividades orientadas para a implementação de melhorias e desenvolvimento do negócio, compondo os projetos ( change-the-business ) (NIETO-RODRIGUEZ, 2012; SHENHAR e DVIR, 2010). Segundo definição do PMI-PMBOK (2013, cap. 1): Um projeto é um esforço temporário para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. A natureza temporária dos projetos indica que um projeto tem um começo e um fim (PMBOK, 2013, p.3) e é parte importante na gestão das organizações e na implantação de empreendimentos. Apesar da execução de projetos remontar aos primórdios da humanidade, foi apenas a partir da década de 50 que as empresas começaram a organizar este tipo de trabalho empregando ferramentas, técnicas e métodos razoavelmente padronizados e que constituem a nova disciplina de Project Management (SHENHAR e DVIR, 2010). Gerenciamento de projetos, pois, é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas para atender os requisitos do projeto (PMBOK, 2013, p.5). Em função da maior complexidade e volume de recursos envolvidos, a partir dos anos 80 a demanda pelo gerenciamento de projetos cresceu exponencialmente e muitas empresas adotaram princípios e métodos mais formalizados de gestão (URLI e TERRIEN, 2010). Instituições como PMI (Project Management Institute) e IPMA (International Project Management Association) surgiram para contribuir na consolidação e difusão de melhores práticas, publicando guias contendo informações, recomendações e melhores práticas de gerenciamento de projetos, programas e portfólios. Consideramos que os guias mais importantes e utilizados são o PMBOK (Project Management Body of Knowledge) do PMI e o PRINCE2 (Project In Controlled Environment) publicado pela OGC (The Office Government Commerce); este, por sinal, é o mais utilizado no mundo apesar de pouco difundido no Brasil, onde o PMBOK é predominante (XAVIER, 2012). Apesar de os dois dividirem o projeto em fases e processos, há diferenças conceituais sensíveis entre o PMBOK e o PRINCE2. Diferentemente do PMBOK, onde o projeto inicia com a elaboração do Project Charter e com a nomeação do gerente do projeto, supondo aprovada a fase de avaliação da viabilidade, no PRINCE2 um projeto inicia-se com a montagem do business case para avaliação da viabilidade de sua execução, podendo ser encerrado aí. Outra diferença significativa é que, no PRINCE2, os princípios, temas e processos levam sempre em consideração o ambiente (cultura da empresa e ambiente do projeto) no qual o projeto se desenvolve, com possibilidade de adaptação dos métodos para esta realidade (Tayloring). Isso significa que a tenacidade de aplicação do método deve ser adequada às características do 2/16

3 projeto (XAVIER, 2012). Esse modelo mais adaptativo de gerenciamento de projetos é defendido por outros autores tais como Shenhar e Dvir (2010) e Srivannaboon (2009). Segundo Archibald (2004) um projeto pode ser classificado de acordo com a natureza, finalidade e tipo de indústria a que pertence. Para isto ele reconhece dez diferentes categorias, cada uma possuindo etapas de ciclo de vida similares e exclusivos processos de gestão. São elas: 1. Projetos de Defesa, Segurança e Aeroespaciais: armamentos; sistemas de defesa; projetos de exploração espacial; operações militares; segurança pública. 2. Projetos de Mudanças Organizacionais e em Negócios: aquisição/fusão; melhoria de processos de gestão; empreendimento de novos negócios; reestruturação organizacional; grandes eventos judiciais e processos litigiosos; mudanças e desenvolvimento organizacional. 3. Projetos de Sistemas de Comunicação: (dados, voz e imagem) sistemas de comunicação em rede; sistemas de comunicação sem fio e de terceira geração. 4. Projetos de Eventos: (ex: Olimpíadas, Copa do Mundo, Convenção Eleitoral, etc.) eventos internacionais; eventos nacionais. 5. Projetos de Empreendimentos, Investimentos, Construções e Obras: projeto de engenharia, arquitetura; grandes construções e obras públicas; usinas; viadutos; fábricas e instalações; navios e grandes equipamentos; grandes manutenções e modificações; edificações industriais, comerciais, residenciais. 6. Projetos de Sistemas de Informação: desenvolvimento, implantação e grandes manutenções de softwares e aplicativos. (nota: equipamentos e sistemas hardware encaixam-se no tipo 3 de projetos). 7. Projetos de Desenvolvimento Regional ou Internacional: projetos sociais e de desenvolvimento agropecuário/rural; educação; saúde; nutrição; populacional; empreendimentos em pequena escala; infra-estrutura - energia (petróleo, gás, carvão, geração e distribuição de energia, industrial, telecomunicações, transportes, urbanização, fornecimento e tratamento de água, irrigação). 8. Projetos de Entretenimento e Mídia: filmes; programas de TV; peças teatrais ou apresentações musicais. 9. Projetos de Desenvolvimento de Produtos ou Serviços: projetos para desenvolvimento de novos produtos e equipamentos de informática; produtos/processos industriais; produtos de consumo; produtos/processos farmacêuticos; novos serviços (financeiros, outros). 10. Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento: pesquisas e desenvolvimento técnico em assuntos e temas relacionados ao meio ambiente; industrial; desenvolvimento econômico; medicina; científico. Para as organizações, têm maior significado as categorias 2. Projetos de Mudanças Organizacionais e em Negócios, 5. Projetos de Empreendimentos, Investimentos, Construções e Obras e 9. Projetos de Desenvolvimento de Produtos ou Serviços. Quando, dentro das organizações, um projeto é criado ou aprovado para execução, sua implantação pode ser realizada utilizando-se de diferentes estratégias ou direcionamentos. Esta escolha contribui para o sucesso do projeto em seu ambiente (ARTTO et al., 2008) e as alternativas podem ser: Projeto conduzido como subordinado a uma organização-mãe (o tipo mais comum). 3/16

4 Projeto conduzido como uma organização autônoma, porém ligado a uma organização-mãe (normalmente relacionada com a execução da estratégia). Projeto desenvolvendo-se em um ambiente complexo, com cenário não claro de governança geral, no qual não são objetivas as separações entre as atividades do projeto e as da operação. Independentemente da categoria ou estratégia de condução, os projetos têm relação direta com a estratégia da empresa, tendo sua origem em algum item estabelecido no planejamento/mapa estratégico. Eles fazem parte de Programas, que são definidos como um grupo de projetos relacionados gerenciados de modo coordenado para a obtenção de benefícios e controle que não estariam disponíveis se eles fossem gerenciados individualmente (PMI, 2008). Para que os projetos e programas sejam implantados ordenadamente e de modo a racionalizar o emprego de recursos escassos da empresa, conta-se com a disciplina de gerenciamento do portfólio de projetos, que se tornou um importante tópico nos últimos anos (URLI e TERRIEN, 2010). Uma definição aperfeiçoada de gerenciamento de portfólios é apresentada por Cooper et al. (1999), onde o gerenciamento de portfólios é um processo dinâmico de decisão, no qual uma lista de projetos ativos é constantemente atualizada e revisada, onde são avaliados, selecionados e priorizados novos projetos, outros são colocados em espera e os recursos são alocados aos projetos ativos. O gerenciamento de portfólios é, do ponto de vista estratégico, o mesmo que o gerenciamento de projetos do ponto de vista tático (URLI e TERRIEN, 2010). Apesar do gerenciamento de portfólios não garantir o sucesso no atingimento de objetivos estratégicos, ele pode aumentar as chances de selecionar e completar os projetos que melhor se alinhem aos objetivos organizacionais e à visão da organização (BIBLE e BIVINS, 2012). O relatório anual PMI s Pulse of the Profession (2012) reforça a importância do gerenciamento de portfólio e coloca a disciplina com uma das mais úteis para os desafios dos próximos anos. 3. Execução da estratégia A estratégia é a criação de uma posição única e valiosa, envolvendo um conjunto diferente de atividades (PORTER, 1996). Com base nessa afirmação, muitas empresas têm buscado essa posição única e valiosa, criando estratégias complexas e bem elaboradas com a utilização de ferramentas sofisticadas. Porém, como garantir a efetiva execução dessa estratégia? As preocupações com a execução da estratégia tem ganhado força entre os CEOs nos últimos anos, principalmente após a crise global de A organização não-governamental The Conference Board, que procura facilitar a tomada de decisões estratégicas há mais de 90 anos, realiza uma pesquisa anual sobre os principais desafios dos CEOs: o CEO Challenge Top 10 Report. A versão de 2010 deste relatório apontou a Excelência na Execução como o desafio número um para o bom desempenho de uma estratégia. Mesmo sendo tão importante, a execução de estratégias tem recebido menor atenção do que a sua formulação. Uma vez que a estratégia foi desenvolvida, a sua execução parece ser vista como um detalhe meramente operacional, de ajuste tático e tem recebido menos atenção (PELLEGRINELLI e BOWMAN, 1994). Segundo Bossidy e Charan (2011, p.7) a execução é um grupo específico de comportamentos e técnicas que as empresas devem dominar para ter 4/16

5 vantagem competitiva. A preocupação com esses comportamentos e técnicas surgiu inicialmente na segunda metade dos anos 90, tornando-se mais relevante entre os estudiosos da área de estratégia e principalmente entre os executivos que precisam aumentar seus níveis de resultados. Segundo Neilson, Martin e Powers (2008) a execução é o resultado de centenas de decisões tomadas todos os dias pelos empregados que atuam de acordo com as informações que possuem e pelos seus próprios interesses. Há diversas propostas de como implementar a estratégia de forma eficiente e sobre quais são os fatores determinantes do sucesso de tal execução, porém muitos dos conceitos se repetem entre os artigos acadêmicos e livros. Com o propósito de se determinar quais são os fatores mais citados na literatura como importantes para a execução da estratégia, realizamos uma pesquisa dos artigos acadêmicos relacionados ao tema. Para isto, buscamos na base de dados EBSCO pelos termos strategy execution/implementation e strategic execution/implementation, obtendo citações. Eliminamos, em seguida, os artigos/citações com títulos não correspondentes à execução de estratégias corporativas além dos artigos/citações não acadêmicas. Artigos relacionados com estratégias de marketing ou estratégias financeiras, por exemplo, fazem parte desse grupo não considerado. Após aplicação deste filtro foram escolhidos 17 artigos, cujos títulos e Abstracts apresentavam-se condizentes com o critério de execução de estratégias corporativas. Um novo filtro foi aplicado visando selecionar apenas aqueles relacionados à execução de estratégias em organizações do setor secundário. Artigos referentes à execução de estratégias em hospitais ou instituições públicas, por exemplo, foram eliminados a partir deste critério. Por fim, o último critério considerado foi o de selecionar artigos em que os autores apresentam diretamente quais são, a partir de suas pesquisas, os fatores mais importantes para uma empresa executar suas estratégias. Ao final do processo restaram onze artigos para análise e que fazem parte da Tabela 1. Apesar de não constar na relação, o livro de Bossidy e Charan Execution: the discipline to get the things done (2011) foi selecionado para fazer parte da análise já que seus autores foram precursores do tema execução da estratégia na década de 90 (HSM, 2011). O livro de Kaplan e Norton (2007) também foi considerado importante e necessário para esta composição. Já o livro de Maclennan (2011) foi selecionado por ter sido a única referência relacionada ao tema execução da estratégia a reconhecer claramente projetos como uma iniciativa eficiente para implementar as estratégias e por reforçar a importância de sistemáticas claras de gerenciamento de projetos, programas e portfólios para o sucesso desta implementação. A análise dos dados da Tabela 1 mostra que a própria estratégia é o fator importante mais citado. Em segundo lugar vem o Follow-up, em terceiro o Alinhamento, seguido de Estrutura, Comunicação e Responsabilidades. 5/16

6 Tabela 1 Principais fatores de sucesso na execução da estratégia segundo Autores Autor (es) Neilson, G. L. & Martin, K. L. & Powers E. (2008), Higgins, J. M. (2005) Bossidy, L. & Charan, R. (2011) Coon, B. & Wolf S. (2005) Kaplan, R. S. & Norton, D. P. (2008) Khadem, R. (2008) Getz, G. & Lee, J. (2011) Gadiesh, O. & Gilbert, J. L. (2001), Mankins, M. C. & Steele, R. (2005), Rogers, P. & Blenko, M. (2006) Kaplan, R. S. & Norton, D. P. (2007) Haudan, J. A. (2004) Schneier, C. E & Shaw, D. G & Beatty, R. W. (1991), MacLennan, A. (2011) Soma Fatores mais dicutidos na literatura Estratégia Follow up Alinhamento Informação (Comunicação) Direitos decisórios (Responsabilidades) Estrutura Recursos Pessoas Engajamento Motivadores Reconhecimento Desenvolvimento de habilidades Prioridades Capacidade Critérios de performance Sistemas e processos 1 1 Valores 1 1 Estilo 1 1 Operações 1 1 Sustentabilidade assegurada 1 1 Princípio estratégico 1 1 Capabilidade 1 1 Processos 1 1 Causabilidade 1 1 Criticidade (priorização) 1 1 Projetos 1 1 6/16

7 4. Conexão entre gerenciamento de projetos, programas e portfólios com a execução da estratégia. O tema gerenciamento de projetos, programas e portfólios foi negligenciado ao longo dos anos. Não é comum os autores mais reconhecidos do campo da Administração de Empresas se referirem ao gerenciamento de projetos como uma importante metodologia de negócios ou um componente crítico de execução da estratégia (NIETO-RODRIGUEZ, 2012, p.53). A menor atenção também é observada para os TOP MBA courses e para as grandes empresas de consultoria, como mostra o mesmo estudo (NIETO-RODRIGUEZ, 2012, p.54). Segundo o autor, entre os 100 principais cursos de MBA do mundo apenas dois tratam gerenciamento de projetos como um curso core. Entre as grandes empresas de consultoria, como Mckinsey & Company, Bain & Company e The Boston Consulting Group (BCG), que entregam seus serviços através de projetos, apenas a BGC oferece consultoria em gerenciamento de programas como um subproduto da área operações. Apesar do cenário mundial negativo, há uma tendência positiva. O relatório anual PMI s Pulse of the Profession (2012) mostra uma melhora geral no uso das disciplinas de gerenciamento de projetos, programas e portfólios, apesar de apresentar dois pontos para os quais houve retrocesso nos índices e importância relativa: o processo formal para melhorar a maturidade do uso das disciplinas de gerenciamento de projetos e o uso formal de um processo para desenvolver as competências dos gerentes de projetos. No Brasil não identificamos um grande esforço em conectar a execução da estratégia com as melhores práticas de gerenciamento de projetos, programas e portfólios. Brito e Paiva (2013) apresentam um estudo sobre a produção científica brasileira em Gestão de Operações no período de 2000 a Gerenciamento de projetos e suas disciplinas não aparecem entre os temas preferencias dos autores brasileiros nos principais periódicos científicos do país nas áreas de administração e gestão de operações. O estudo também mostra as publicações brasileiras em periódicos internacionais nas mesmas áreas. O resultado é o mesmo. Gerenciamento de projetos é um tema que recebeu pouca atenção dos autores brasileiros, tanto em publicações nacionais quanto internacionais. Entre as principais escolas de administração do país, como EAESP-FGV, EBAPE-FGV, FEA-USP e IBMEC, a disciplina de gerenciamento ou gestão de projetos aparece nos cursos de graduação com carga horária máxima de 60 horas. Em outras escolas que figuram nas primeiras posições dos rankings frequentemente divulgados, como INSPER, a disciplina de gerenciamento de projetos não aparece na estrutura curricular básica. Entre os cursos de especialização voltados ao público executivo é mais comum encontrar disciplinas/cursos específicos de gerenciamento ou gestão de projetos como na FGV, Fundação Vanzolini, IBMEC e FDC (Fundação Dom Cabral). Já nos cursos de mestrado (acadêmico ou profissional) e doutorado a disciplina de gerenciamento ou gestão de projetos não aparece na grade curricular. Não se deve considerar o gerenciamento de projetos uma simples ferramenta de gestão para planejar, organizar e controlar os recursos humanos e outros, mas sim como um meio essencial de transformação dos objetivos estratégicos em empreendimentos operacionais (LORD, 1993). Em particular, apesar de muitos executivos acreditarem que o alinhamento do gerenciamento de projetos com a estratégia do negócio melhorar significativamente o alcance do sucesso organizacional em termos de estratégia e desempenho, a literatura sobre esse tema ainda está em sua infância (SRIVANNABOON, 2009). Quando as organizações têm seus projetos relacionados com a estratégia, elas são mais capazes de alcançar suas metas organizacionais (MILOSEVIC e SRIVANNABOON, 2006). Longman e Mullins (2004) 7/16

8 consideram o gerenciamento de projetos uma ferramenta essencial para implementar estratégias e afirmam que o gerenciamento de projetos deve ser prático e relevante dentro da organização. As pessoas, nos diversos níveis, devem perceber os benefícios do gerenciamento de projetos no dia-a-dia da execução da estratégia. 5. Interligação dos temas importantes em projetos e em execução de estratégias A partir da revisão da literatura sobre gerenciamento de projetos, programas e portfólios e execução da estratégia, identificamos a conexão entre itens importantes em gerenciamento de projetos e os itens mais citados na literatura sobre execução da estratégia (Figura 1). Mesmo os itens já citados na literatura (Tabela 1) e não presentes no esquema da Figura 1 podem ser facilmente conectados a itens importantes na execução de projetos, tais como pessoas, recursos, capacidade, desenvolvimento de habilidades, etc. Execução da Estratégia Estratégia Follow up Alinhamento Comunicação Responsabilidades Estrutura Execução de um projeto Execução da Estratégia: fatores mais citados na literatura Todo o ambiente do projeto Figura 1 Conexão entre itens importantes em gerenciamento de projetos e os itens mais citados na literatura sobre execução da estratégia 8/16

9 6. Metodologia Esta pesquisa é do tipo exploratória e qualitativa. A concepção é filosófica pragmatista com foco na consequência das ações, centrada no problema, pluralista e orientada para a prática no mundo real (CRESWELL, 2010), com comparação constante dessas práticas com as descritas na literatura. Foi utilizado o método de entrevistas individuais e com estrutura semi-aberta (VERGARA, 2009), onde os entrevistados tem o papel de respondentes (o modelo mais comum de entrevistas, em que os participantes são perguntados e dividem suas próprias experiências sobre o assunto) (ALVESSON e ASHCRAFT, 2012), além de descreverem processos internos que ajudam a entender como o fenômeno ocorre. Nossa posição como entrevistadores foi do tipo neo-positivista (ALVESSON e ASHCRAFT, 2012), focada nos fatos e práticas existentes no ambiente e contexto; porém uma posição mais romancista (ALVESSON e ASHCRAFT, 2012), com valorização da interação humana e construção de um processo de confiança, não foi abandonada. Os entrevistados foram sete (7) executivos de cinco (5) empresas multinacionais, com filiais brasileiras, onde a linguagem e a cultura de trabalho por projetos não são desconhecidas. Esses executivos atuam intensamente em projetos e programas na posição de gerente de projetos, gerente de PMO (Project Management Office) ou gerente funcional de alguma área relacionada à implementação de projetos. Apesar do número reduzido de entrevistas, 7 é quantidade suficiente para conceder validade ao processo de identificação dos códigos principais (GUEST, BUNCE e JOHNSON, 2006). O questionário utilizado teve como referência as perguntas aplicadas por Weaver (2007) em sua pesquisa. A partir das respostas obtidas nas entrevistas passamos para a etapa de análise de conteúdo dos dados coletados e posteriormente para a fase final de apresentação dos resultados, conclusões e recomendações relacionadas à pergunta de pesquisa. Segundo King (2012), a Análise de Modelos (Template Analysis) é um estilo de análise temática que balanceia um alto grau de estruturação no processo de análise textual de dados com flexibilidade para se adaptar as necessidades de um estudo em particular. Esse modelo tem sido largamente usado para analisar dados provenientes de entrevistas individuais. É uma técnica mais flexível com poucos procedimentos específicos, permitindo que os pesquisadores adaptem estas técnicas às suas necessidades. Segundo o autor, três aspectos influenciam a escolha desta técnica pelo pesquisador : 1. flexibilidade da estrutura de codificação dos dados; 2. o uso de temas a priori; 3. uso de um template inicial. Muitos autores, assim como King (2012), abordam esse conjunto de técnicas, utilizando terminologias e conceitos diferenciados para as diversas etapas (MOZZATO e GRZYBOVSKI, 2011). No Brasil, a Análise de Conteúdo, técnica similar à Análise de Modelos, vem crescendo, principalmente em pesquisas que se caracterizam por abordagem predominantemente qualitativa (DELLAGNELO e SILVA, 2005). Assim, torna-se evidente a validade de reflexões decorrentes do emprego dessa técnica (MOZZATO e GRZYBOVSKI, 2011). Em nossa pesquisa, utilizamos, pois, a técnica de Análise de Conteúdo com base na conceituação de Bardin (2009), por ser a autora mais citada no Brasil em pesquisas que utilizam a Análise de Conteúdo como técnica de análise de dados (MOZZATO e GRZYBOVSKI, 2011). De acordo com Bardin (2009) a análise de conteúdo é um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens indicadores (quantitativos ou não) que permitam a 9/16

10 inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/resseção (variáveis inferidas) destas mensagens. A autora divide o processo de aplicação dessas técnicas em três etapas. Na primeira etapa, pré-análise, o material deve ser analisado e organizado de forma a torná-lo operacional com sistematização das informações/ideias iniciais. Na segunda etapa, exploração do material, os processos de codificação, classificação e categorização são estabelecidos. Inicia-se pela definição das categorias e subcategorias (sistemas de codificação) e identificação das unidades de registro (unidades de significação que correspondem ao segmento de conteúdo a considerar como unidade base, com objetivo de categorização e contagem frequencial, como um indicador para a categoria ou subcategoria). Por fim, selecionam-se as unidades de contexto (fragmentos dos documentos analisados, com objetivo de compreender a significação exata da unidade de registro). A exploração do material consiste numa etapa importante, porque vai possibilitar ou não a riqueza das interpretações e inferências. Esta é a fase da descrição analítica, a qual diz respeito ao corpus (qualquer material textual coletado) submetido a um estudo aprofundado, orientado pelas hipóteses e referenciais teóricos (MOZZATO e GRZYBOVSKI, 2011). Na terceira etapa realiza-se o tratamento dos resultados, interferência e interpretação. Ocorre nela a condensação e o destaque das informações para análise, culminando nas interpretações inferenciais; é o momento da intuição, da análise reflexiva e crítica (BARDIN, 2009). 7. Resultados A codificação das entrevistas está resumida na Tabela 2. A primeira coluna mostra os itens estratégicos para conexão da execução da estratégia (EE) com técnicas de gestão de projetos (GP). A segunda coluna mostra aspectos importantes que identificam a conexão dentro de cada item estratégico. A próxima coluna descreve os códigos que demonstram a existência ou não de aspectos relacionados com os itens/aspectos estratégicos. Na coluna Exemplos encontrados sobre o item/aspecto estão os fragmentos de texto (citações) que mostram a existência ou não do código relacionado à questão estratégica. A próxima coluna fornece o número de respondentes que identificaram o código na sua empresa (absoluto e percentual). Finalmente, a última coluna apresenta um número de identificação do código. Tabela 2: Análise da conexão entre gerenciamento de projetos e execução da estratégia como percebido por executivos brasileiros Itens estratégicos para conexão da EE com técnicas de GP Corporativos Aspectos importantes de identificação da conexão dentro de cada item estratégico Plano/Mapa estratégico Projetos internos Código de identificação da existência ou não do item / aspecto Existência de um plano/mapa estratégico difundido Existência de projetos internos alinhados com o plano/mapa estratégico Exemplos encontrados sobre o item/aspecto Sim, nós temos um plano/mapa estratégico difundido na empresa. O plano estratégico não é publicado ou difundido. Eu não sei se existe um plano! Existem projetos internos para atingir os objetivos relacionados com o plano estratégico. Eu não tenho conhecimento sobre projetos internos. Número de citações nas entrevistas qt % Citação ID /16

11 Itens estratégicos para conexão da EE com técnicas de GP Corporativos Aspectos importantes de identificação da conexão dentro de cada item estratégico Alinhamento entre os resultados dos projetos e os objetivos corporativos Operações vs. Projetos Capacidade de execução Influência política Influência e alinhamento dos Stakeholders Critérios de sucesso Código de identificação da existência ou não do item / aspecto Indicadores para medir os resultados do projeto comparados aos objetivos corporativos Correta diferenciação e separação entre as atividades relacionadas com operações e projetos Recursos para executar todos os projetos do portfólio Posição com maior influência política: gerente do projeto, gerente funcional ou gerente da unidade de negócio Alinhamento das expectativas dos Stakeholders principais com os objetivos do projeto Critérios para avaliar o sucesso do projeto e orientar o processo de tomada de decisão Exemplos encontrados sobre o item/aspecto Para grandes projetos relacionados aos nossos produtos nós temos alguns indicadores, mas para outros, como projetos de Capex ou projetos pequenos não há nada específico. O critério principal é o financeiro. Os outros vêm depois. Não, isso não é claro e causa problemas para o gerenciamento de projetos. O projeto é tratado como produção. Não há planejamento de capacidade e priorização Nós não temos pessoas suficientes para executar todos os projetos e para as que temos há um gap de qualidade e competência. Em primeiro lugar vem o gerente funcional, depois o da unidade de negócios. Por último o gerente do projeto Não há processo formal. Interesses específicos são tratados quando surgem. O critério principal é o financeiro. Outros critérios, como escopo e qualidade, também são importantes, mas o financeiro é o que manda! Número de citações nas entrevistas qt % Citação ID Processos de Gerenciamento de Projetos Uso de ferramentas de gerenciamento de projetos Envolvimento do Board para garantir que as práticas e ferramentas de gerenciamento de projetos estão sendo usadas Nós usamos práticas e ferramentas de gerenciamento de projetos, mas não de forma disciplinada e o nosso Board não se envolve para garantir o uso dessas práticas e ferramentas. Nós desenvolvemos um processo interno de gerenciamento de projetos baseado nas melhores práticas disponíveis. A implementação desse projeto mundial é de responsabilidade do PMO e precisa ser reportado diretamente ao Board /16

12 Itens estratégicos para conexão da EE com técnicas de GP Processos de Gerenciamento de Projetos Aspectos importantes de identificação da conexão dentro de cada item estratégico Orientação ao estilo de gerenciamento de projetos Suporte de áreas corporativas Gerenciamento de riscos e mudanças Reporte Código de identificação da existência ou não do item / aspecto Disciplinas do projeto que recebem maior foco do gerente do projeto e do Board Intensidade e comprometimento das áreas suporte no desenvolvimento do projeto. Processos de gerenciamento de riscos e mudanças, principalmente relacionadas com o risco operacional que o projeto pode trazer Como a cultura corporativa e o ambiente do projeto influenciam a honestidade dos reportes Exemplos encontrados sobre o item/aspecto O critério financeiro. Escopo e qualidade, também são importantes, mas o financeiro guia a condução do projeto. Áreas suporte não fornecem os recursos corretos para o projeto. Algumas áreas suporte não demonstram forte comprometimento com o projeto, por exemplo, Finanças e Compras. Durante a execução do projeto os riscos não são formalmente gerenciados. Eles são tratados quando aparecem. Existe uma sistemática, mas o uso depende de cada gerente de projetos. O ambiente político influencia os reportes. As pessoas agem de forma a evitar conflitos e defender seus próprios interesses. Nós somos motivados a reportar de forma honesta e informar se um problema existe ou está próximo de ocorrer. Número de citações nas entrevistas qt % Citação ID Resultados Alinhamento dos resultados finais dos projetos comparados aos objetivos e targets iniciais Em geral, sim. Temos projetos com bons resultados e outros não tão bons, mas no total os resultados são satisfatórios. Não, os resultados são ruins. O resultado financeiro é ruim, não conseguimos entregar o escopo correto e a qualidade não é boa Regras & Responsabilidades Pessoas competentes para as entregas dos projetos Processo de escalação Envolvimento do Board para assegurar que recursos competentes e responsáveis serão devidamente alocados no projeto Evidências de processo de escalação para problemas do projeto Não, a responsabilidade de alocar recursos pertence ao gerente funcional. O Board, as vezes, escolhe somente o gerente de projetos ou alguma outra posição importante. Nós temos um processo de escalação de problemas, passando por alguns níveis Responsabilidades no time de trabalho Processo claro de responsabilidades para todos os membros do time de trabalho e departamentos 12/16 Normalmente há conflitos de responsabilidade quando as áreas suporte estão envolvidas

13 Itens estratégicos para conexão da EE com técnicas de GP Regras & Responsabilidades Aspectos importantes de identificação da conexão dentro de cada item estratégico Processo robusto para tomada de decisão Código de identificação da existência ou não do item / aspecto Uso de informação relevante e realística (não enviesada) para business cases utilizados no processo de tomada de decisão Exemplos encontrados sobre o item/aspecto Normalmente a informação correta é usada, mas as vezes, nós vemos informação enviesada orientada a uma decisão específica. Aspectos políticos influenciam muito este tópico. Durante a execução do projeto nós usamos informações realísticas. Número de citações nas entrevistas qt % Citação ID Discussão e Conclusão A análise de conteúdo e a identificação de códigos recorrentes indica, segundo percepção dos executivos entrevistados, uma significativa diferença entre os padrões e metodologias disponíveis para gerenciar projetos e o que é efetivamente utilizado e vivenciado por eles. As maiores inconsistências referem-se a: a. Os projetos para implementação das estratégias não são nitidamente diferenciados dos esforços e das atividades operacionais e repetitivas. Esta superposição acarreta dificuldades para estabelecer prioridades, responsabilidades por resultados e para alocar recursos de maneira conveniente (Citações: 7, 9, 11, 16 e 26). b. A autoridade política do gerente de projetos é menor do que a do gerente de áreas funcionais. Isto acarreta dificuldades para alocação dos recursos humanos necessários e pouco comprometimento com os resultados dos projetos. (Citações: 10, 17 e 24) c. Os projetos são avaliados predominantemente por indicadores financeiros, desprezando-se assim, os demais aspectos relacionados com as entregas e o sucesso dos projetos, tais como escopo, qualidade, tempo e alinhamento com a estratégia do negócio. A preocupação primária parece ser apenas a de em tentar assegurar a qualquer custo que o orçamento do projeto seja cumprido (Citações: 12 e 15) Com menor grau de incidência, esta análise indica também inconsistência das práticas com os principais pontos citados como importantes na literatura para a execução da estratégia (Tabela 1). A Estratégia em si não é claramente reconhecida pelos executivos (Citações: 2 e 4). Follow-up de aspectos importantes do projeto não é percebido (Citações: 5, 6, 8, 11 e 15). Alinhamento, em geral, aparece como um grande problema entre os objetivos do projeto (Citações: 5 e 6) ou entre os Stakeholders importantes que atuam no projeto (Citação: 11). A Comunicação como atributo básico parece ser fraca entre os executivos que não sabem os 13/16

14 principais objetivos da empresa (Citação: 2) ou que não informam corretamente o Board em um processo de tomada de decisão (Citações: 20 e 27). Direitos decisórios são deturpados, como descrito acima no item b, quando um gerente funcional tem mais poder na alocação de pessoas em um projeto que o gerente de projeto. Finalmente, a Estrutura apresenta também inconsistências, principalmente relacionada com a capacidade de execução conduzindo a empresa (e os projetos) para resultados ruins (Citação: 8, 9, 16 e 23). Concluímos que, na percepção dos executivos diretamente ligados à implementação de estratégias, a ligação entre o gerenciamento de projetos e a execução das estratégias pode ser verificada nas empresas, porém de forma desorganizada e não sistemática, ficando a cargo do gerente do projeto e de sua equipe a efetiva utilização destas práticas. Percebem-se, ainda, falhas na alocação de mão-de-obra adequada (em relação à quantidade e à qualidade) para atuar nos projetos, não tendo sido detectados alinhamento e engajamento das áreas corporativas de suporte com os projetos em execução (aspecto predominante em todas as empresas). Esse desalinhamento se agrava uma vez que o gerente funcional tem mais poder para alocar recursos que o gerente do projeto. Diante do desalinhamento entre as estratégias das empresas e a utilização de projetos e práticas de gerenciamento de projetos, nosso trabalho indica que muitas das práticas básicas de gerenciamento de projetos e implementação de estratégias são ignoradas ou mal utilizadas pelas pessoas responsáveis, abrindo campo para melhorias de desempenho operacional, melhor alocação e aproveitamento de recursos e aperfeiçoamento de práticas gerenciais. Os resultados desse trabalho também incentivam o desenvolvimento e adaptação de novos modelos e padrões para aproximação das práticas propostas na literatura às das realmente utilizadas no dia-a-dia dos executivos. 9. Referências ALVESSON, M.; ASHCRAFT, K. L. Interviews. In: SYMON, G.; CASSELL, C. (Orgs). Qualitative organizational research: core methods and current challenges. Sage, 2012, p ARCHIBALD, R. D. A global system for categorizing projects: the need for, recommended approach to, practical uses of, and description of a current project to develop the system. In: Latin American PMIGOVSIG Forum on Project Management In Government, 2., setembro 2004, Brasilia, Brasil, p ARTTO, K. et al. What is project strategy? International Journal of Project Management, v. 26, p. 4-12, BARDIN, L.. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009, 231p. BIBLE, M. J.; BIVINS, S. S. Evaluating strategic project and portfolio performance. Journal of Project, Program & Portfolio Management, v. 3, n.1, p , BOSSIDY, L.; CHARAN, R. (2002). Execution: the discipline to get the things done. Random House Business Book, 2011, 276p. BRITO, L. A. L; PAIVA, E. L. Produção científica brasileira em gestão de operações no período RAE, v. 53, n.1, p , COON, B.; WOLF, S. The alchemy of strategy execution. Wiley InterScience, p.19-30, (Disponível em Acesso em: 14 out COOPER, R. G.; EDGETT, S. J.; KLEINSCHMIDT, E. J. New product portfolio 14/16

15 management: practices e performance. Journal of Innovation Management, v. 16, n.4-0, p , CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Bookman, Porto Alegre, 2010, 296p. DELLAGNELO, E. H. L.; SILVA, R. C. Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOVAIN, D. M. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. São Paulo: FGV, 2005, p EAESP-FGV. Disponível em: Acesso em: 23 fev EBAPE-FGV. Disponível em: Acesso em: 23 fev FDC. Disponível em: Acesso em: 23 fev FEA-USP. Disponível em: Acesso em: 23 fev FUNDAÇÃO VANZOLINI. Disponível em: Acesso em: 23 fev GADIESH, O.; GILBERT, J. L. Transforming corner-office strategy into frontline action, Harvard Business Review, May, GETZ, G.; LEE, J. Why your strategy isn't working? Business Strategy Series Emerald, v.12, n. 6, p , GUEST, G.; BUNCE, A. e JOHNSON, L. How many interviews are enough? An experiment with data saturation and variability. Field Methods, v. 18, n. 1, February, HAUDAN, J. A. Successful strategy execution takes people - not paper. Wiley InterScience. p , (Disponível em Acesso em: 14 out HIGGINS, J. M. The eight S s of successful strategy execution. Journal of Change Management, v. 5, n. 1, p. 3-13, HSM. A execução é parte da estratégia. HSM On line, (Disponível em Acesso em: 18 nov IBMEC. Disponível em: Acesso em: 23 fev INSPER. Disponível em: Acesso em: 23 fev KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Using the balanced scorecard as a strategic management system, Harvard Business Review, July-August, KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. The execution premium. Harvard Business Press, 2008, 320p. KHADEM, R. Alignment and follow-up: steps to strategy execution. Journal of Business Strategy, v. 29, n. 6, p , KING, N. Doing template analysis. In: SYMON, G.; CASSELL, C. (Orgs). Qualitative organizational research: core methods and current challenges. Sage, 2012, p LORD, M. A. Implementing strategy through project management. Long Range Planning, v. 26, n. 1, p , LONGMAN, A.; MULLINS, J. Project management key tool for implementing strategy. Journal of Business Strategy, v. 25, n. 5, p , MACLENNAN, A. (2010). Strategy execution: translating strategy into action in complex organizations. Routledge, 2011 (Kindle version), 248p. MANKINS, M. C.; STEELE, R. Turning great strategy into great performance. Harvard Business Review, July-August, /16

16 MILOSEVIC, D. Z.; SRIVANNABOON, S. A theoretical framework for aligning project management with business strategy. Project Management Journal, v. 37, n. 3, p , MOZZATO, A. R; GRZYBOVSKI, D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. RAC Curitiba, v. 15, n. 4, p , NEILSON, G. L.; MARTIN, K. L.; POWERS, E. The Secrets to Successful Strategy Execution. Harvard Business Review, June, NIETO-RODRIGUEZ, A. The focused organization: how concentrating on a few key initiatives can dramatically improve strategy execution. Grower, 2012, 248p. OGC (The Office Government Commerce). PRINCE2 Process Model, (Disponível em Acesso em: 16 jan PELLEGRINELLI, S.; BOWMAN, C. Implementing strategy through projects. Long Range Planning, v. 27, n. 4, p , PMI, Project Management Institute. Project Management Body of Knowledge (PMBOK). PMI, Edição 5, PMI, Project Management Institute. The standard for Program Management. PMI, Edição 2, PMI, Project Management Institute. The standard for Portfolio Management. PMI, Edição 2, PMI, PMI s Pulse of the profession, (Disponível em Acesso em: 21 out PORTER, M. E. What is strategy? Harvard Business Review, November-December, ROGERS, P.; BLENKO, M. Who has the D? How clear decision roles enhance organizational performance. Harvard Business Review, January, SCHNEIER, C. E.; SHAW, D. G.; BEATTY, R. W. Performance measurement and management: a tool for strategy execution. Human Resource Management, v. 30, n. 3, p , SHENHAR, A. J.; DVIR, D. (2007). Reinventing project management. Harvard Business School Press, 2010, 276p. SRIVANNABOON, S. Achieving competitive advantage through the use of project management under the plan-do-check-act concept. Journal of General Management, v. 34, n. 3, p. 1-20, THE CONFERENCE BOARD, INC. Annual Report URLI, B.; TERRIEN, F. Project portfolio selection model, a realistic approach. International Transactions in Operational Research, v. 17, p , VERGARA, S. C. Métodos de coleta de dados de campo. Atlas, 2009, 102p. XAVIER, C. M. da SILVA. Padrões e metodologias de gerenciamento de projetos. In: BARCAUI, A. (Org). PMO Escritórios de Projetos, Programas e Portfólios na Prática. Brasport, 2012, p WEAVER, P. Effective project governance linking PMI s standards to project governance. In: PMI Global Congress Hong Kong, /16

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Carlos Magno da Silva Xavier

Carlos Magno da Silva Xavier Carlos Magno da Silva Xavier Metodologia de Gerenciamento de Projetos Qual a melhor para a sua Organização? magno@beware.com.br O QUE ESSES EVENTOS TÊM EM COMUM? Agenda Introdução Padrões Metodologias

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos Orientações para o Projeto, Implantação, Gerenciamento e Avaliação de Maturidade do Escritório de Projetos Objetivo O que leva as

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

QUAL O ESCOPO ADEQUADO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS?

QUAL O ESCOPO ADEQUADO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS? QUAL O ESCOPO ADEQUADO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS? APRESENTAÇÃO: CARLOS MAGNO DA SILVA XAVIER magno@beware.com.br www.beware.com.br O QUE ESSES EVENTOS TÊM EM

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Considerações finais

1 Introdução. 1.1. Considerações finais 11 1 Introdução 1.1. Considerações finais O presente trabalho tem por finalidade analisar a área de TI de uma empresa que se estrutura por meio de projetos, dando ênfase nos modelos motivacionais que são

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO

FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO AGENDA Introdução Apresentação do referencial teórico Metodologia

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

Gerenciamento de Portfólio

Gerenciamento de Portfólio Qualidade, Processos e Gestão de Software Prof. Alexandre Vasconcelos e Prof. Hermano Perrelli Fabricio Araújo Gerenciamento de Portfólio Projetos? Projetos? Portifólios? Projetos? Projetos Programas Portfólio

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

1 o Project Management Conference

1 o Project Management Conference 1 o Project Management Conference Procura-se Gerente de Projetos!!! O que é um projeto? UM PROJETO É: Um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Têm um início

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais

Estabelecendo um Escritório de Projetos

Estabelecendo um Escritório de Projetos Estabelecendo um Escritório de Projetos Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP ricardo.vargas@macrosolutions.com.br Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP Ricardo Vargas é especialista em gerenciamento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

EMENTA DE CURSO. INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS - Visão PMBOK -

EMENTA DE CURSO. INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS - Visão PMBOK - EMENTA DE CURSO INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS - Visão PMBOK - Programação: Introdução ao Gerenciamento de Projetos (Visão PMBOK) Curso Duração (horas) Quantidade de aulas (30min/aula) Quantidade

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos

Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos Adler Diniz de Souza 1,2, Ana Regina Rocha 1, Gleison Santos 1, Tiago Vinícius Paiva do Carmo 2, Douglas Batista Alexandre

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

Curso PMO Como ter sucesso na gestão de múltiplos empreendimentos

Curso PMO Como ter sucesso na gestão de múltiplos empreendimentos Curso PMO Como ter sucesso na gestão de múltiplos empreendimentos Conhecimento essencial para gestores de projetos Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos IV EVENTO GUGP 2014 Gestão de Custos em Projetos Complexos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Agosto/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais