ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO DE CASO: MAPEAMENTO EMPRESARIAL NO MODELO DAS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS Carlos Corrêa Estudo de Caso para a Disciplina de Estratégia de Empresas Turma 043 Rio de Janeiro, 2007

2 2 Índice APRESENTAÇÃO ª. FORÇA NOVOS ENTRANTES ª. FORÇA CONCORRENTES ATUAIS ª. FORÇA COMPRADORES ª. FORÇA FORNECEDORES ª. FORÇA PRODUTOS SUBSTITUTOS... 11

3 3 Apresentação A empresa analisada é a Unimed, uma associação de operadoras de planos de assistência à saúde suplementar, mais conhecidos como planos de saúde. Ela é resultado da criação em Santos, no fim da década de 60, da primeira operadora de planos de saúde que constitui uma cooperativa composta por médicos sendo eles próprios os responsáveis pelo atendimento aos beneficiários. De maneira a multiplicar rapidamente o alcance da idéia, a cooperativa paulista criou a marca Unimed e passou a criar novas cooperativas juridicamente independentes da primeira em cidades distantes para atendimento de clientes naquelas regiões. O negócio tomou corpo suficiente para que o sistema Unimed, como é chamado o universo de cooperativas que se espalhou pelo país em vinte anos, criasse uma empresa responsável pela manutenção de sua marca e defesa de seus interesses em nível nacional: a Confederação Nacional Unimed, ou Unimed do Brasil. Também se estabeleceram entidades menores, as Federações Estaduais, que agrupam as cooperativas de um mesmo estado e freqüentemente atuam na defesa dos interesses regionais do sistema. As cooperativas por sua vez permaneceram independentes juridicamente (são internamente chamadas de singulares justamente por isto), mas foi recentemente estabelecida uma constituição a que todas elas estão submetidas. Entre outras coisas, esta constituição estabelece contribuições pecuniárias à Confederação e à Federação a que uma singular está vinculada e padrões mínimos de operação para preservação da qualidade dos serviços prestados pelo sistema. Ao longo de sua vida a Unimed nunca observou queda no seu número de beneficiários, e seu market share em saúde é comparável a dos serviços de saúde pública. Este trabalho submete este sistema ao modelo das cinco forças competitivas de M. Porter.

4 4 1ª. Força Novos entrantes Economias de escala. Em virtude do número de beneficiários cobertos por um plano de saúde Unimed, o potencial para utilização de medicamentos e próteses em suas rotinas diárias é enorme. Por conta disto, as Unimeds se associam regionalmente em grupos de compras deste tipo de material e estocam grandes volumes dos produtos, repassando-os aos prestadores de serviços em saúde conforme necessário. No caso de próteses cardíacas e angioplásticas, a economia proporcionada por esta prática ultrapassa 50%. Diferenciação do produto. A Agência Nacional de Saúde tem regras muito estritas quanto às enfermidades que não podem deixar de ser cobertas por planos de saúde. Entre elas estão o câncer e a AIDS. Por outro lado, as operadoras de planos de saúde têm o direito de estabelecer um período chamado carência, a contar a partir do momento em que um plano é adquirido, no qual os beneficiários não poderão usufruir de toda a cobertura a que o serviço contratado dá direito. Podemos citar como exemplo de carência fundamental à sobrevivência das operadoras de planos de saúde nacionais aquela que se refere à gravidez: caso um parto enseje internação do recém-nascido em UTI neonatal, os custos desta operação podem ultrapassar os 40 mil reais diários! Desta forma, é praxe no setor que o procedimento de parto só esteja disponível para os usuários após pagamento da décima ou décima segunda mensalidade. Pois a Unimed mantém em grande parte das suas unidades assistentes sociais e equipes médicas dedicados a avaliar casos de usuários que possuem carências contratuais mas não podem arcar com os custos de partos ou outros procedimentos médicos, e eventualmente assume estes valores. Apesar de não basear qualquer atividade de mídia neste processo, a propaganda boca-a-boca gerada, especialmente em cidades pequenas, traz imenso valor para a imagem da empresa. Um novo entrante teria dificuldades em adotar esta política ou produzir, em curto espaço de tempo, efeito parecido.

5 5 Necessidades de capital. Uma vez que uma operadora tenha lastro suficiente para cobrir todos os procedimentos legítimos que possam ser gerados por seus beneficiários, seu capital é suficiente para operação. Ainda assim, os investimentos necessários para obter visibilidade e competitividade em relação à Unimed (vencedora do Top of Mind em Saúde por 13 vezes consecutivas) estão certamente além da capacidade de um novo entrante. Custos de mudança. Mudar de plano de saúde pode exigir o cumprimento de novas carências contratuais por parte do beneficiário, o que é uma possibilidade geralmente repelida. Um novo entrante teria sérias dificuldades para oferecer seus serviços a clientes Unimed, especialmente os de longa data, e convencê-los a mudar. Acesso aos canais de distribuição. A Unimed é considerada por 55% dos fornecedores de serviços em saúde a operadora de planos de saúde que oferece maior pagamento por serviços prestados (e de fato o é: ela é a única a adotar a tabela CBHPM para remuneração, um índice de preços nacional estabelecido pela própria classe médica). Mais ainda, praticamente 50% dos médicos brasileiros é cooperado de uma singular Unimed, com direito a participação em suas assembléias, voto e concorrer a cargos na empresa. O privilégio de clinicar em nome da Unimed costuma custar vários milhares de reais e é raro. Um novo entrante que desejasse obter este nível de relacionamento teria sérias dificuldades. Política governamental. A Unimed tem representante própria nas principais comissões e conselhos de caráter consultivo da Agência Nacional de Saúde, enquanto outros players têm representação conjunta. Novas normas da agência costumam ser incorporadas à rotina do sistema meses antes de serem decretadas, e muitas vezes sofrem alterações por sugestões dele próprio.

6 6 Novos entrantes teriam dificuldades para se manter tão atualizados com relação aos movimentos presentes e futuros da regulamentação. Possibilidade de retaliações. A Unimed tem condições de adotar margens menores para reduzir as possibilidades de sucesso de um concorrente de baixo custo. Tem visibilidade e capital suficientes para produzir campanhas publicitárias formidáveis. Conta com a simpatia de boa fatia do mercado. Ainda tem o apoio dos próprios médicos, que dificilmente teriam outra chance de obter remuneração melhor por seus serviços e certamente. Neste caso, há ainda a possibilidade da própria classe atuar na produção de uma i- magem negativa de um concorrente à altura do sistema Unimed. 2ª. Força Concorrentes atuais Crescimento lento do setor. As operadoras de planos de saúde têm pequena entrada na classe D, e isto limita sobremaneira suas possibilidades de crescimento. Ou tiram clientes uns dos outros, ou se arriscam a compor carteiras de alto índice de inadimplência (pequeno poder aquisitivo), alta sinistralidade (público com menor acesso à saúde básica e menos consciente) e grande rotatividade (incapacidade financeira de manter o plano por muito tempo). Concorrentes numerosos e bem equilibrados. 87% dos clientes Unimed declaram-se satisfeitos ou muito satisfeitos com o serviço, quando a média do setor é de 76%. Enquanto isso, a maior concorrente da Unimed possui pouco mais que um décimo de sua participação de mercado. É uma situação de desequilíbrio a favor do sistema. Market share. Todas as operadoras de planos de saúde, juntas, possuem menos de 20% de participação no mercado, enquanto a Unimed possui mais de 30%. Só perde em atendimentos para o Sistema Único de Saúde. Disponibilidade de capital/investimentos. A Unimed tem o apoio financeiro da Unimed Seguros e do sistema Unicred, composto por cooperativas

7 7 de crédito em todo o país. Seu principal concorrente também tem este tipo de suporte, de empresas ainda maiores do ramo financeiro, o que indica que existe farto capital à disposição de ambos e este não é um fator preponderante de concorrência. Tecnologia detida. A Unimed possui soluções tecnológicas semelhantes às de seus principais concorrentes na maior parte do país. Ela tem facilidade para adaptá-las à regulamentação do governo por seu excelente trânsito na agência reguladora, mas não possui exclusividades neste campo. Capacidade de inovação. A Unimed inovou ao estabelecer o modelo de cooperativas médicas de venda de planos de assistência à saúde. Ao transformar os médicos em donos do negócio, deu a eles maior retorno por seu trabalho e um motivo para serem mais criteriosos na indicação de exames e demais procedimentos (eles serão pagos pela cooperativa, que é a sua empresa). Esta inovação lhe conferiu inclusive cadeira cativa em organização de nível mundial que discute e fomenta o cooperativismo, e não foi adotada por nenhum concorrente com sucesso assemelhado. Altos custos de saída do negócio. A agência reguladora é rigorosa no acompanhamento do processo de venda de uma carteira de clientes e saúde financeira das cooperativas médicas. A liquidez de uma operadora de planos de saúde caiu nos últimos anos e o valor de uma carteira só tende a baixar nos próximos três anos, principalmente pelo fato da oferta ser grande: diversas pequenas empresas do setor estão tentando abandonar o negócio por não serem capazes de atender às exigências da agência reguladora Qualidade dos recursos humanos. A Unimed paga a seus médicos mais do que qualquer outro plano de saúde no mercado, além de oferecer bônus àqueles que possuem maiores níveis acadêmicos. Seus funcionários administrativos costumam receber 30% a mais que colaboradores de outras empresas do setor na mesma função. Grande parte

8 8 das cooperativas oferece bônus salariais de acordo com o tempo de empresa e custeia a educação dos empregados e seus filhos. 3ª. Força Compradores Participação em nossas vendas. Como algumas empresas são grandes (Petrobrás, Ambev) em relação à singular Unimed que atende a sua região (Macaé, Barra do Piraí), seu poder de barganha nestes casos é alto. Por outro lado, as Unimeds instaladas em capitais e grandes centros têm muitas empresas com grande quantidade de beneficiários em suas carteiras, o que reduz o poder de barganha geral. Os usuários de planos particulares geralmente têm pequeno poder de barganha em relação a uma Unimed. Participação em suas compras. Existem localidades atendidas pelas Unimeds em que estas representam a única opção em planos de saúde da região. Além disto, também pode haver a necessidade de cobertura nacional para um plano empresarial, o que nem todos os concorrentes podem oferecer. Além disto, a pressão dos beneficiários, no caso de um plano empresarial, dificulta a adoção de mais de uma operadora na compra do serviço aquela escolhida quase sempre representará 100% das compras de seus clientes. O poder de barganha do sistema é portanto alto. Risco de integração pra trás. É inexistente. As singulares Unimed são cooperativas. Orientado para custo. Os compradores de serviços de planos de assistência à saúde geralmente têm outros critérios de avaliação (número de médicos e credenciados, abrangência do plano, tipo de acomodação) em mente que antecedem os custos. Os produtos são commodities? O mercado está se comoditizando pela força da regulamentação governamental. Cada vez mais procedimentos mé-

9 9 dicos estão fazendo parte do rol básico que devem ser atendidos por todos os planos de saúde. A menos que as exigências do cliente sejam muito específicas (abrangência geográfica, tipo de acomodação) qualquer player poderá oferecer um serviço que atenda às necessidades mínimas do mercado consumidor. O comprador é bem informado? Em praticamente todos os casos, não. A maioria deles sequer conhece os conceitos de carência e cobertura. 4ª. Força Fornecedores Peso (representatividade) em nossas compras. As Unimeds oferecem os serviços de suas redes credenciadas umas às outras, o que torna os maiores hospitais das capitais acessíveis mesmo a cooperativas do interior. As singulares têm facilidade em distribuir beneficiários e procedimentos entre os prestadores de serviços em saúde disponíveis, reduzindo a representatividade destes em suas compras e seu poder de barganha. Peso (representatividade) nas vendas do fornecedor. As Unimeds de uma mesma região costumam se associar em grupos de compras de serviços médicos, encaminhando todos os seus atendimentos de uma determinada categoria (procedimentos cardiológicos, oncologia, etc.) a uma seleção de prestadores de serviços específicos. Como o volume de atendimentos criado é enorme, o poder de barganha das singulares é alto. Poucos fornecedores ou monopólio. A Unimed só se depara com monopólios nos casos em que próteses são fornecidas por apenas uma ou duas empresas, por exemplo. Geralmente nesta situação a Unimed diz aos prestadores de serviços responsáveis por seu implante que eles próprios devem fazer a aquisição daquele material e embuti-lo em seus preços.

10 10 Desta forma ela estabelece um mercado pontilhado de prestadores submetidos ao mesmo monopólio e ávidos para sacrificar suas próprias margens de lucro para vender seus serviços. Custos de mudança. Não se aplica, uma vez que as Unimeds utilizam os serviços de múltiplos prestadores de serviços de saúde ao mesmo tempo, em várias categorias. Existência de produtos substitutos. A existência de vários prestadores de serviços médicos à disposição para realizar o mesmo trabalho é uma constante. Grau de diferenciação dos insumos fornecidos. Existem várias categorias de acomodação e qualidade em serviços médicos, e por vezes a classificação do serviço contratado deve estar de acordo com o nível do plano de saúde do beneficiário a ser tratado. Desta forma, um hospital de alto nível na região metropolitana do Rio de Janeiro tem seu poder de barganha aumentado quando clientes da Unimed adquirem determinado tipo de plano de saúde apenas para ter direito de usufruir de seus serviços. Risco de integração para frente. Grande parte das cooperativas Unimed está adquirindo ou abrindo hospitais e distribuidoras de materiais, medicamentos e próteses. Este é um risco real para os fornecedores, principalmente na medida em que o sistema percebe que esta iniciativa é bem vista pelo mercado consumidor. Parcerias com os fornecedores. A Unimed tem facilidade para instalar auditores dentro de grandes hospitais e prestadores de serviços, que atestam se os produtos e serviços cobrados foram mesmo utilizados em seus atendimentos aos beneficiários. Mais ainda, consegue obter destas mesmas empresas prerrogativa para glosar (invalidar) suas faturas e solicitar a cobrança do valor que considera justo por um determinado atendimento.

11 11 Este poder sempre tem como contrapartida o grande volume de atendimentos que uma Unimed é capaz de direcionar para um prestador de serviços. 5ª. Força Produtos substitutos Os únicos produtos substitutos ao plano de saúde amplamente disponíveis no mercado até o momento são: Sistema Único de Saúde. Rede pública de saúde, com atendimento gratuito, mas freqüentemente de baixa qualidade ou inexistente. Geralmente utilizado pela população que não tem recursos para adquirir um plano como o da Unimed. Seguros saúde. Sistemas em que o beneficiário arca com as despesas médicas que necessitar e recebe um reembolso pelo sinistro ocorrido. Aparenta complexidade, e é freqüentemente preterido no gosto do consumidor final. Ainda assim, a Unimed possui um braço que comercializa seguros (Unimed Seguros).

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste?

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste? PERGUNTAS E RESPOSTAS REAJUSTE ANUAL E DENÚNCIA DE CONVÊNIOS E MENSALIDADES REAJUSTADAS JULHO DE 2014 REAJUSTE ANUAL 1. O que é um reajuste anual e qual é sua base legal? O reajuste anual é um mecanismo

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

Guia Prático de Utilização do Plano

Guia Prático de Utilização do Plano Guia Prático de Utilização do Plano Aqui você tem o que há de melhor para a sua saúde. O QUE É A UNIMED APRESENTAÇÃO Sua finalidade é prestar assistência médica e hospitalar de alto padrão, dentro do sistema

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

Implantação do Padrão TISS

Implantação do Padrão TISS Implantação do Padrão TISS Como avalia o impacto da TISS no setor de atendimento de seu laboratório? Como avalia o impacto da TISS no setor de faturamento de seu laboratório? Após a TISS, o número de colaboradores

Leia mais

Regulamento da Campanha

Regulamento da Campanha Campanha NOSSO Plano de Saúde A gente cuida do que é NOSSO! ATUALIZAÇÃO EM 15.09.2014 PARA INCLUSÃO DE REGRAS DE ENTREGA DE BRINDE PARA TITULARES QUE INDICAREM NOVAS ADESÕES E ESTAS SE EFETIVAREM (ITEM

Leia mais

Guia. do beneficiário. Aqui você encontra informações sobre seu plano.

Guia. do beneficiário. Aqui você encontra informações sobre seu plano. Guia do beneficiário Aqui você encontra informações sobre seu plano. BEM VINDO À UNIMED SETE LAGOAS! A partir de agora você e sua família podem contar com uma operadora do maior sistema cooperativista de

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Dúvidas mais frequentes

Dúvidas mais frequentes Dúvidas mais frequentes Plano regulamentado e não regulamentado O que é a Lei 9656/98? A lei 9656/98 foi criada em junho de 1998 para proporcionar aos consumidores a cobertura assistencial definida pela

Leia mais

A AGENDA REGULATÓRIA DA ANS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS

A AGENDA REGULATÓRIA DA ANS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS A AGENDA REGULATÓRIA DA ANS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS Dra. Sílvia Helena Rondina Mateus Médica Pneumologista, cooperada da Unimed Campinas Especialista em Planejamento e Gestão Hospitalar FCM UNICAMP

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE História Recente na Saúde Suplementar Planos de Saúde Contratos Código do Consumidor Planos de Saúde = relação de consumo Lei dos Planos Obrigação de Coberturas

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Institucional Invest Oral

Institucional Invest Oral Institucional Invest Oral A Invest Oral Fundada em 2003, por nosso sócio fundado Dr. Fabio Loriato Calmon; possui grande expertise conquistada ao longo de seus 12 anos de existência; Uma empresa operadora

Leia mais

RANKING DE INTERCÂMBIO

RANKING DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO Ranking de Intercâmbio A Unimed do Brasil na busca pela qualificação dos processos operacionais do Sistema Unimed, vem trabalhando na modernização do Ranking de Intercâmbio, de forma

Leia mais

Painel 3 Como reconstruir a cadeia produtiva de OPME? Câmara Nacional de Negociação das Operadoras de Autogestão em Saúde: uma solução inovadora

Painel 3 Como reconstruir a cadeia produtiva de OPME? Câmara Nacional de Negociação das Operadoras de Autogestão em Saúde: uma solução inovadora Painel 3 Como reconstruir a cadeia produtiva de OPME? Câmara Nacional de Negociação das Operadoras de Autogestão em Saúde: uma solução inovadora Abril de 2015 Brasília, DF CENÁRIO DA COMERCIALIZAÇÃO DE

Leia mais

GRM-COM-014/08 MISSÃO

GRM-COM-014/08 MISSÃO GRM-COM-014/08 MISSÃO "Proporcionar serviços de cuidados com a saúde, de qualidade, inovadores e humanizados, a preços justos, de forma ética, valorizando o trabalho médico e os colaboradores APRESENTAÇÃO

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO Regulamento do Fundo de Reserva Unimed/ADUFG Sindicato Aprovado em assembleia geral dos usuários do Convênio ADUFG SINDICATO/UNIMED realizada em 16 de novembro de

Leia mais

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Auditoria do Processo de Contas Hospitalares Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Declaração de potencial conflito de interesses Não possuo vínculo ou

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

Regulamentação do Contrato. Coberturas Contratuais

Regulamentação do Contrato. Coberturas Contratuais Regulamentação do Contrato Coberturas Contratuais Regulamentação do Contrato Planos Não Regulamentados: Planos antigos que foram contratados antes de 1999, com direitos contratuais restritos em relação

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

+ BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES

+ BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES + BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES CDL CARTÕES +FACILIDADE Com o objetivo de oferecer soluções para facilitar a vida dos associados e seus funcionários, a FCDL-MG se uniu à Valle Express,

Leia mais

Plano com Coparticipação

Plano com Coparticipação Plano com Coparticipação É uma tendência no mercado de planos de saúde a adoção do Plano Participativo, com o objetivo de garantir o uso racional do plano, minimizar eventuais desequilíbrios financeiros

Leia mais

Octávio Antonio Filho

Octávio Antonio Filho Octávio Antonio Filho Redes Abrangência e território Distribuição desigual dos cirurgiões-dentistas Fonte: Morita, Maria Celeste. Perfil atual e tendências do cirurgião-dentista brasileiro / Maria Celeste

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde

Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde Atos Normativos ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar Resolução Normativa 186, de 14 de janeiro de 2009 - ANS Instrução Normativa

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR A ANS, AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR, está estabelecendo novos parâmetros

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

SOU Saúde Ocupacional Unimed. Julio Miclos Junior Gerente de Saúde Ocupacional da Unimed do Brasil Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado

SOU Saúde Ocupacional Unimed. Julio Miclos Junior Gerente de Saúde Ocupacional da Unimed do Brasil Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado SOU Saúde Ocupacional Unimed Julio Miclos Junior Gerente de Saúde Ocupacional da Unimed do Brasil Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado Sistema Unimed SISTEMA UNIMED 15 Unimeds atuam apenas

Leia mais

Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU Confederação COOPERATIVA DE 2º GRAU Federação ou Central COOPERATIVA

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações

A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações!! O que está sendo chamado de verticalização Operadoras montando hospitais e outros serviços próprios: Embora o fenômeno

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

A RESPONSABILIDADE PELAS DESPESAS DE ACOMPANHANTE DE CRIANÇA E ADOLESCENTE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

A RESPONSABILIDADE PELAS DESPESAS DE ACOMPANHANTE DE CRIANÇA E ADOLESCENTE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA A RESPONSABILIDADE PELAS DESPESAS DE ACOMPANHANTE DE CRIANÇA E ADOLESCENTE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Mariana Elias Setúbal Advogada Pós Graduação em Processo Civil Recentemente foi veiculado nos

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Política Corporativa de Segurança da Informação

Política Corporativa de Segurança da Informação Política Corporativa de Segurança da Informação Emissão 12/08 /201 3 Aprovação - Diretoria / Presidência Página: 1 Sumário 1. OBJETIVO DA POLÍTICA... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONTEXTO JURÍDICO... 4 4.

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br DIREITO MÉDICO PLANOS DE SAUDE-SEGURO-SAÚDE- AUTOGESTÃO DIFERENÇAS-LEGISLAÇÃO-DIREITOS- LUCROS- AVILTAMENTO DA CLASSE MÉDICA BRASILEIRA. Nelson de Medeiros Teixeira* A Lei que dispõe

Leia mais

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 O modelo de negócios canvas (MNC), criado pelo finlandês Alex Osterwalder a partir de sua tese de doutoramento, revolucionou a forma com projetos e

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL Federação Nacional de Saúde Suplementar COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL Audiência Pública sobre a Mobilidade com Portabilidade (Consulta Pública ANS nº 29/2008) 19/11/08 Solange Beatriz Palheiro

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO 1. Objetivo O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal Sumário A. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. Sobre Nós... 3 1.1. - Missão... 3 1.2. - Visão... 3 1.3. - Valores... 3 2. Serviços... 4 2.1. Das atividades da BLUE CONVÊNIO: seus objetivos e finalidade...

Leia mais

IV FÓRUM NACIONAL DE COOPERATIVISMO MÉDICO Parceria do Cooperativismo Médico Unimed e Entidades Médicas: avanços e perspectivas

IV FÓRUM NACIONAL DE COOPERATIVISMO MÉDICO Parceria do Cooperativismo Médico Unimed e Entidades Médicas: avanços e perspectivas IV FÓRUM NACIONAL DE COOPERATIVISMO MÉDICO Parceria do Cooperativismo Médico Unimed e Entidades Médicas: avanços e perspectivas Mario Fernando da Silva Lins Cardiologista Membro da Comissão Nacional de

Leia mais

Elias Leite Diretor Comercial

Elias Leite Diretor Comercial Elias Leite Diretor Comercial LIQUIDEZ CORRENTE 1,09 1,16 0,83 0,66 fev/14 dez/14 dez/15 abr/16 CAPITAL CIRCULANTE LIQUIDO 30.547 54.918-46.758-94.811 Em Milhares R$ fev/14 dez/14 dez/15 abr/16 PATRIMONIO

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana.

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana. 1. Introdução O mercado segurador vem ganhando importância no cenário econômico brasileiro, representando hoje, aproximadamente 3,5% do PIB 1, sendo que 1,6% refere-se ao segmento de pessoas, ou seja,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº. 243/2015 Dispõe sobre regulamentação do atendimento ao serviço de Transporte Individual de Passageiros, Táxi, em casos de solicitação por aplicativo (APP) ou internet, no Município de

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

A Instrução Nº 1. - Sindicato dos Agenciadores de Publicidade e Trabalhadores em Empresas de Publicidade de São Paulo

A Instrução Nº 1. - Sindicato dos Agenciadores de Publicidade e Trabalhadores em Empresas de Publicidade de São Paulo A Instrução Nº 1 A Instrução Nº 1 FEBRASP - Federação Brasileira de Publicidade ABAP - Associação Brasileira de Agências de Propaganda - Sindicato dos Agenciadores de Publicidade e Trabalhadores em Empresas

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - ampliar o acesso da população carente a cursos de graduação;

PROJETO DE LEI. I - ampliar o acesso da população carente a cursos de graduação; PROJETO DE LEI Cria o Programa de Apoio ao Estudante do Ensino Superior - PAE e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Programa de Apoio ao Estudante do Ensino

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

-Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e

-Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e -Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e Avaliação UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 22.09.2011 A verba publicitária -Anunciante A

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

A Prática na Unimed João Pessoa

A Prática na Unimed João Pessoa A Prática na Unimed João Pessoa 27º Encontro Nacional de Núcleos de Desenvolvimento Humano e Comitês Educativos Unimed do Brasil São Paulo, Julho/2015 COOPERATIVISMO E GOVERNANÇA Princípios e Características

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência

Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência Maio de 2011 1. Apresentação Apresentamos o Manual de Orientações Técnicas e Administrativas

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA PERGUNTAS FREQUENTES Este guia com perguntas e respostas foi desenvolvido para possibilitar um melhor entendimento

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência.

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência. NORTHVIEW FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO 11.806.097/0001-40 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS S COM ABRANGÊNCIA NACIONAL AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL LTDA. a) Plano Básico (Amil 120) Plano Ambulatorial e Hospitalar com Obstetrícia,

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Momento Atual do Sistema Unimed

Momento Atual do Sistema Unimed Momento Atual do Sistema Unimed Dr. Eudes de Freitas Aquino Diretor Presidente da Unimed do Brasil Contexto: A Saúde Suplementar no Brasil e no Mundo Proporção de gastos com Saúde Setor Privado e Público

Leia mais